You are on page 1of 29

Prof.

Cátia M. F. Veiga GESTÃO PÚBLICA


Horário das aulas: Chamada Plano de Ensino Avaliações (ENADE)

• 19:15h às 20:40h • Tolerância em até • Área acadêmica • Atividades


• 20:55h às 22:00h 20min da primeira • a partir 13/08. Curriculares –
aula para receber segunda chamada
presença. SECRETARIA
• A partir das 21:50h • Avaliações Parciais
– segunda chamada
SECRETARIA
• REPROVADO: Nota
inferior a 4 ou
frequência inferior
a 75%.

INFORMES GERAIS
Ementa
• Administração Pública;
• Direito administrativo;
• Poderes administrativos;
• Domínio público;
• Atos e Contratos administrativos;
• Licitação como procedimento seletivo prévio para a efetivação do contrato
administrativo;
• Servidores públicos;
• Responsabilidade civil da administração;
• Controle da administração pública;
• Atuação no domínio econômico.
Ementa
• DIREITO ADMINISTRATIVO
• ENTENDIMENTO SOBRE DIREITO ADMINISTRATIVO
• ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DO
BRASIL
• PRINCÍPIOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
• TRÊS PODERES - EXECUTIVO, LEGISLATIVO E JUDICIÁRIO
• PRINCIPAL FUNÇÃO DE CADA PODER
• ESTRUTURA ATUAL
• ADMINISTRAÇÃO DIRETA E INDIRETA
• ENTIDADES DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA
• ENTIDADES DA ADMINISTRAÇÃO INDIRETA
• PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL
Ementa
• DOMÍNIO PÚBLICO
• ENTENDIMENTO SOBRE DOMÍNIO PÚBLICO
• PODERES ADMINISTRATIVOS
• SERVIÇOS PÚBLICOS
• CONCEITO
• CLASSIFICAÇÃO
• MEIOS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO PÚBLICO
• ATUAÇÃO DO ESTADO NO DOMÍNIO ECONÔMICO
• AGENTES PÚBLICOS: (principais características)
• AGENTE POLÍTICO
• SERVIDOR PÚBLICO
• RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
Ementa
• ATOS ADMINISTRATIVOS • CONTROLE NA ADMINISTRAÇÃO
• CONCEITO PÚBLICA
• ATRIBUTOS • CONTROLE INTERNO
• CLASSIFICAÇÃO • CONTROLE EXTERNO
• EFICÁCIA
• PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO
• EXTINÇÃO
• LICITAÇÕES E CONTRATOS
• MODALIDADES
• TIPOS
• FASES DA LICITAÇÃO
• CONTRATOS E SUAS CARACTERÍSTICAS
• Prof. Cátia M. F.
Veiga GESTÃO PÚBLICA
• Compreender os princípios
constitucionais que precedem os
processos da gestão pública;
• Compreender as modalidades de direito
público, bem como as principais
legislações pertinentes para a boa
gestão;
Objetivos da • Compreender e localizar a base legal da
disciplina Administração pública;
• Fomentar autonomia para o exercício das
ações pautadas na ética e na
responsabilidade social, pertinentes a
gestão pública;
• Desenvolver as competências para
participar e contribuir com o
desenvolvimento dos serviços públicos.
• DIREITO PRIVADO
Direito • Regular as relações entre indivíduos;
Administrativo • Compreende os direitos civil e comercial; e
(regular a atividade • Relações privadas
administrativa do estado) • DIREITO PÚBLICO
• Regular as relações do Estado para com o indivíduo.

• Constitucional • Penal
• Administrativo • Ambiental
• Internacional
Direitos • Processual
Público
• Trabalho
• Tributário
EVOLUÇÃO
• Direito do homem impôs limites à atuação
estatal
• Estado Absoluto -> Estado Moderno

Direito Público ESTADO MODERNO


• Direitos do Homem (direitos fundamentais)
• Liberdade
• Direito à propriedade
• Voltado ao cidadão
1º SETOR – GOVERNO

Organização 2º SETOR – INICIATIVA PRIVADA COM


SERVIÇOS
FINS LUCRATIVOS
da PÚBLICOS
Sociedade 3º SETOR – SOCIEDADES CIVIS -
ENTIDADES SEM FINS LUCRATIVOS
Administração • O administrador público só pode fazer o que
está na lei, diferente do privado que pode fazer
Pública qualquer coisa que não esteja proibido na lei.
• PODERES
• Executivo - função administrativa a de
aplicar a lei e zelar pelo cumprimento da
mesma.
Administração • Legislativo - função normativa de
pública elaboração da lei.
(função precípua: • Judiciário - função judicial é a aplicação
essencial, fundamental) coativa da Lei aos litigantes;
• inibe o livre arbítrio;
• impede a escolha própria precisa aplicar a lei;
• aplica nos casos submetidos à apreciação da
justiça.
• Na União: Congresso Nacional = Câmara dos
Deputados e Senado Federal

• No Estado: Assembleia Legislativa


PODER
LEGISLATIVO • No Distrito Federal: Câmara Legislativa =
Câmara Distrital (papel de estado e município)

• No Município: Câmara Municipal


• Na União: PRESIDENTE

• No Estado: GOVERNADOR
PODER
EXECUTIVO • No Distrito Federal: GOVERNADOR

• No Município: PREFEITO
• I - o Supremo Tribunal Federal;
• I-A o Conselho Nacional de Justiça; (Incluído
pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004)
• II - o Superior Tribunal de Justiça;
• III - os Tribunais Regionais Federais e Juízes
PODER Federais;
JUDICIÁRIO • IV - os Tribunais e Juízes do Trabalho;
• V - os Tribunais e Juízes Eleitorais;
• VI - os Tribunais e Juízes Militares;
• VII - os Tribunais e Juízes dos Estados e do
Distrito Federal e Territórios.
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

• Administração Direta e Indireta


• Autarquias
• Fundações
• Sociedade de Economia Mista
• Empresas Públicas
AUTARQUIAS
• criação por lei;
• personalidade jurídica de direito público;
• executa atividades específicas (especialização da atividade);
• integrante do Orçamento do Ente (Ente = União, Estado, Distrito Federal
e Município);
• autonomia administrativa e financeira (não tem direito de
criar/modificar atividade diferente para qual foi criada, por isso a
autonomia é específica para questões administrativas e financeiras);
• fica sujeita ao controle administrativo do Poder que a criou (garantir que
esta não desvie de seus fins institucionais);
• como ela é criada por lei, só pode ser extinta por lei.
FUNDAÇÕES PÚBLICAS
• autorização de sua criação por lei;
• personalidade jurídica de direito privado ou público (é verificada através da lei que a
instituiu, a partir de 1987 elas passaram ser criadas predominantemente de direito
público);
• integrante do Orçamento do Ente (Ente = União, Estado, Distrito Federal e Município);
• geralmente tem finalidade social; fica sujeita ao controle administrativo do Poder que a
criou;
• autonomia administrativa e financeira (não tem direito de criar/modificar atividade
diferente para qual foi criada, por isso a autonomia é específica para questões
administrativas e financeiras);
• funcionário regidos geralmente por seus estatutos e admitidos através de concursos
públicos;
SOCIEDADES DE ECONOMIA MISTA
• criadas por autorização legal;
• personalidade jurídica de direito privado sob a forma de Sociedade Anônima;
• controle acionário deve pertencer na sua maioria ao Poder Público, ou seja, mais da
metade das ações com direito a voto;
• permite a participação de particulares na formação do capital, por isso a
denominação Mista;
• finalidade exploração de atividades de caráter econômico, às vezes para prestação
de serviços, que se dá em caráter excepcional, pois é permitida somente quando
necessária aos imperativos da segurança nacional ou a relevante interesse coletivo;
• patrimônio próprio e o mesmo não se caracteriza como Bens Públicos (CF, art.98);
• sua extinção se dará por Lei;
• funcionário regidos pela CLT e admitidos através de concursos públicos;
EMPRESAS PÚBLICAS
• criadas por autorização legal;
• organização dotada de personalidade jurídica de direito privado sob qualquer forma jurídica
(apesar da lei prever que poderá ser constituída sob qualquer forma jurídica, as únicas
aceitáveis são as de Sociedade Anônima ou Sociedade de Capital e Indústria. As demais
permitidas pelo nosso direito comercial não são possíveis de ser aplicadas às empresas
públicas);
• não permite a participação de particulares na formação do capital, apenas de entidades de
direito público interno que pertença à Administração Indireta de qualquer ente da federação;
• a) unipessoais, com patrimônio próprio e capital exclusivo da entidade-matriz local;
• b) pluripessoais, com a maioria do capital votante permanecendo de propriedade da
entidade-matriz local (pluripessoais = mais de um órgão público participante);
• finalidade exploração de atividades de caráter econômico, às vezes para prestação de serviços;
• o patrimônio é próprio (considerado Bem Público) e capital exclusivo do Estado;
• LEGALIDADE
• IMPESSOALIDADE
• MORALIDADE
PRINCÍPIOS DA
• PUBLICIDADE
ADMINISTRAÇÃO • EFICIÊNCIA
PÚBLICA
• SUPREMACIA DO INTERESSE PÚBLICO
PRINCÍPIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
• LEGALIDADE: É lícito fazer o que a lei autoriza, deve ser feito assim, não
tem a vontade pessoal. Já para o particular é lícito fazer o que a lei não
proíbe, posso fazer assim, existe a liberdade pessoal.

• Ex.: O administrador público não pode, mediante mero ato administrativo, conceder
direitos, estabelecer obrigações ou impor proibições aos cidadãos. A criação de um
novo tributo sempre será por Lei.
PRINCÍPIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
• IMPESSOALIDADE: Neste princípio encontramos a referência do mesmo para a finalidade em
que está calcada a Administração Pública, que é a de atender ao interesse público. E por uma
questão de lógica, ao se buscar atender ao interesse do particular não há como atender ao
interesse público. Por isso, o administrador, ao se desviar deste princípio, está se desviando de
sua finalidade.
• Ex.: proíbe a promoção pessoal de agentes políticos ou de servidores públicos nos atos, na
realização de obras, na prestação de serviços e outros, que devem ser imputados ao órgão
ou entidade administrativa da administração pública. A obra é do Município não é do
Prefeito, Secretário ou qualquer outro servidor público.
Para a administração ser impessoal é não buscar atender a qualquer indivíduo de forma especial.
Não se pode confundir quando existe a necessidade desta administração diferenciar o
atendimento, como, por exemplo, aos idosos, gestantes e deficientes físicos. Esta diferenciação
em nada prejudica o outro que não se enquadra nestas especificidades. O que deve ser
observado pela administração é que toda e qualquer ação/ato realizada por esta não esteja
prejudicando alguns indivíduos em favorecimento de outros.
PRINCÍPIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
• MORALIDADE: Implica saber distinguir não só o bem e o mal, o legal e o ilegal, o
justo e o injusto, o conveniente e o inconveniente, mas também entre o honesto e
o desonesto; há uma moral institucional, contida na lei, imposta pelo Poder
Legislativo, e há a moral administrativa, que é imposta de dentro e vigora no
próprio ambiente institucional e condiciona a utilização de qualquer poder jurídico,
mesmo o discricionário (é aquele ato pelo qual a Administração Pública de modo explícito
ou implícito, pratica atos administrativos com liberdade de escolha de sua conveniência,
oportunidade e conteúdo.)
• Ex.: desvio de Poder; desvio de finalidade –
Acerca do vício de finalidade é que há uma “grande dificuldade com relação ao
desvio de poder em sua comprovação, pois o agente não declara a sua verdadeira
intenção; ele procura ocultá-la para produzir a enganosa impressão de que o ato é
legal.
PRINCÍPIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
• PUBLICIDADE: Visa dar ampla divulgação dos atos praticados pela Administração
Pública, observadas na legislação pertinente quanto às hipóteses de sigilo. A forma
para esta publicidade, para ter efeitos jurídicos, deve ser realizada através de órgão
oficial da Administração e não através de rádio, televisão, jornal ou qualquer outro
meio particular. A Administração deve formalizar os órgãos oficiais da entidade,
bem como, definir que na inexistência destes, como se dará a publicidade de seus
atos, locais de afixação destes, ficando desta forma em conformidade com a Lei de
Orgânica do Município.
• Ex.: portais de transparência, campanhas, acesso fácil aos atos administrativos, outdoors,
diários oficiais, etc.
PRINCÍPIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
• EFICIÊNCIA: não é o único que deve ser considerado na Administração
Pública e sim os quatro “E” conhecidos, conforme segue:

• OS QUATRO “E” DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA


• Eficácia: Atingir o objetivo. (Vacinar 90% das crianças.)
• Eficiência: Usar bem os recursos. (Aplicar o número correto de doses, custo por
vacina.)
• Efetividade: Atingir os resultados. (Eliminar a poliomielite)
• Economicidade: Menor custo sem afetar os outros “E”. (Gastar com eficiência).
PRINCÍPIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

• SUPREMACIA DO INTERESSE PÚBLICO:


• Principal pilar de sustentação do Direito Administrativo, do Estado Moderno
• Supremacia => superioridade (acima de outros interesses)
• O coletivo impera sobre o individual
• A administração pública tem prerrogativas em desfavorecer o particular em prol do
interesse da sociedade, do público.
• Não pode desrespeitar interesses privados; direitos adquiridos; segurança jurídica
(limites).
COMPARAÇÕES:
• Absolutismo: existia para a satisfação dos interesses do rei (rei não errava, não cometia
atos que prejudicasse a sociedade) .
PROBLEMA ATUAL: Diferenciar o que é de interesse da coletividade do interesse da
administração, do estado.
ATIVIDADE:
Pesquisar nos Portais de Transparência dos Municípios:
• Lei Orçamentária Anual de 2018 (LOA 2018)
• Identificar os valores totais por Funções de Governo
• Identificar as 05 principais funções e os seus respectivos % sobre o total do
orçamento.
• Selecionar um Programa de Governo e identificar quantas ações foram
definidas para o referido programa de governo.
• Listar as dúvidas encontradas para serem discutidas em sala de aula.