You are on page 1of 78

HISTÓRIA ANTIGA 1

Prof. Priscila Aquino


História Antiga 1
 Apresentação do curso - conteúdo programático, da
bibliografia, sistema de avaliação e metodologias de
ensino.
 Eixos importantes para análise da Antiguidade de
forma temática:
 O modo de produção asiático;
 A filosofia e o pensamento grego;
 A cidade-estado e o mundo urbano;
 O escravismo
Para reflexão

“O passado das sociedades antigas são constituintes


da ancestralidade da cultura ocidental moderna”
 Marcel Detiene
Heranças da Antiguidade Oriental

 Primeiro sistema de escrita – a escrita


cuneiforme.
 Primeiro sistema de leis – Código de
Hamurabi.
 Invenções como: roda, astronomia,
astrologia, primeiros veículos de guerra.
Heranças do mundo clássico

 A sociedade europeia e, consequentemente, aquelas


que foram por ela colonizadas, construíram e
constroem sua historicidade e identidade recorrendo
à Antiguidade Clássica.
 As bases de legitimação dos próprios Estados-Nação
modernos e sua expansão colonialista foram
cunhadas mediante referências a personagens
Antigos.
Heranças do mundo clássico
 Temas antigos como democracia, cidadania,
escravidão, república e império foram
retomados e reinterpretados por diversos
pensadores da Era Moderna e
Contemporânea
 Assim, fica claro que a conexão entre
Antiguidade e Modernidade é maior do que
poderíamos supor.
A historiografia
 Nos anos de 1960 e 1970, os pesquisadores se
dedicaram ao estudo das práticas econômicas nas
sociedades próximo-orientais, gerando um debate
e uma bibliografia volumosos.
 Nesse momento, o conceito chave para a
compreensão da realidade antiga no que se refere
ao campo do trabalho era o “modo de produção
asiático”.
Modo de Produção Asiático
 Modo de produção asiático – teoria fundamental na
concepção histórica de Marx.
 O que Marx chamava simplesmente de forma
asiática ou forma oriental de produção,
caracterizava tanto uma evolução sócio-cultural das
formas tribais sedentários e semi-sedentárias, bem
como aparecia também como contraposição mais
evidente em relação ao desenvolvimento da história
greco-romana ocidental.
A historiografia
 Modo de produção asiático - Caracterizado pela
ausência de propriedade privada, pela organização
aldeã da comunidade e por um poder centralizado
despótico, esse modelo serviu para analisar as
sociedades da Ásia Oriental, Índia, China e Egito.
 Atualmente, novas tendências historiográficas vêm
suscitando diferentes questões relacionadas à
religião (ritos, festas) e cultura (escrita, estudo das
imagens) dessas sociedades.
A historiografia
 Nas últimas décadas, muitos estudiosos têm apontado
para a importância de se repensar modelos e
conceitos interpretativos sobre o mundo antigo.
 No desenrolar dessas questões, verificamos que os
estudos sobre a antiguidade vêm crescendo, graças a
uma intensificação de publicação de artigos, edições
de livros, tradução de fontes, o que ecoa nas
produções acadêmicas nacionais, contribuindo para
um amadurecimento desse campo de pesquisa no
país
A historiografia
 Ao lado dessas questões, notamos novos empenhos
em analisar as contribuições da cultura material
como fonte capaz de fornecer visões diferentes
acerca do passado clássico.
 Importante ressaltar, que os conteúdos estipulados
pelos PCNs na área de História, apontam para
obrigatoriedade dos estudos da antiguidade clássica
pelas escolas, o que ajuda a fomentar a ampliação
dessa aérea de pesquisa.
A historiografia
 Nesse contexto, intensificam-se os trabalhos ligados
aos aspectos culturais na análise dos fatos históricos
– tendência que é inclusive reforçada pela
historiografia dos Annales e da Nova História, que
ao elencar novos objetos e novas abordagens abre
caminho para um diálogo crescente da História com
Ciências como a Antropologia, a Psicologia e a
Sociologia.
 Tal formatação foi também utilizada pelos
historiadores do mundo antigo.
ANÁLISE DE MAPAS
Mesopotâmia
Geografia
 A Mesopotâmia- vale fluvial do Eufrates e do Tigre -
pode ser dividida em duas partes:a Alta
Mesopotâmia, mais montanhosa, e a Baixa
Mesopotâmia,imediatamente ao norte do golfo
Pérsico, região extremamente plana.
 Alta Mesopotâmia – povoada desde tempos pré-
históricos.
 Baixa Mesopotâmia –potencialmente fértil, mas
pouco adequada à agricultura primitiva de chuva.
Parece ser ocupada apenas a partir do século V a.C.
Mapa
Crescente Fértil Hoje
Mapa
ANÁLISE DE MAPAS
Grécia
Aspectos geográficos – Grécia
 Localização: Península Balcânica.
 Dividida em:
 Península Balcânica (Grécia continental);
 Pela península do Peloponeso (Grécia peninsular);
 lhas nos mares Egeu, Jônico e Mediterrâneo (Grécia
insular);
 Pontos na costa da Ásia Menor (Grécia oriental);
 A Península Balcânica possui um relevo montanhoso e
poucas áreas de solo fértil.
 Muitas ilhas e litoral recortado
Grécia Geográfica
Jean-Pierre Vernant e o mito
 Jean-Pierre Vernant mostrou de maneira magnífica
como as narrativas mitológicas compunham grande
parte do imaginário e da mentalidade da
antiguidade ocidental. Na sua percepção o mito
deixava de ser visto como uma expressão irracional
do pensamento e passava a ser interpretado como
um aspecto preciso da civilização Grega, ou seja,
como um meio de explicação dos fatos.
 A Ilíada e a Odisseia como fontes históricas. As
comédias e tragédias gregas também.
A civilização cretense
 Entre os séculos XX a.C. e XVI a.C., floresceu em
Creta, a maior ilha do Mediterrâneo, uma brilhante
civilização, que influenciou a desenvolvida
posteriormente pelos gregos.
 Durante muito tempo, soube-se da existência dos
cretenses apenas pelas menções encontradas na
mitologia grega, por exemplo, na história do
Minotauro.
 A escrita cretense, conhecido como linear A, ainda não
está suficientemente decifrada.
Civilização cretense
 O rei cretense do palácio de Cnossos, Minos, impôs-se
como autoridade absoluta. Por isso, a civilização
cretense foi chamada de minóica.

 A civilização minóica atingiu o apogeu entre 1650


a.C. e 1450 a.C. A civilização minóica terminou de
forma violenta. Entre os anos de 1450 a.C. e 1400
a.C., a ilha sofreu a invasão dos Aqueus, um povo
guerreiro da Grécia continental.
Civilização creto-micênica
 Os aqueus fixaram-se na Península do Peloponeso,
fundado algumas cidades como Tirinto, Argos e
Micenas.
 Esta última teve maior destaque. Tornou-se o centro
da civilização desenvolvida pelos aqueus, chamada
de micênica ou creto-micênica.
 Os aqueus assimilaram conhecimentos desenvolvidos
em Creta, aprendendo técnicas de cerâmica e de
artesanato em bronze, ouro, prata e marfim.
A História Antiga
 Marco cronológico clássico do início da História Antiga: a
invenção da escrita em 4.000 A.C.
 Os marcos cronológicos da civilização clássica.
 Grécia:
 2.000 a.C a 1.200 a.C – Período Pré-Homérico
 Foi no período homérico que os primeiros povos indo-
europeus se fixaram no território grego - aqueus, jônios,
eólios e dórios.
 Os três primeiros, jônios, eólios e aqueus chegaram à
Grécia Continental por volta do ano 2000 a C.; já
os dórios chegaram por volta do século XII a C.
 Formação das primeiras cidades – Micenas a mais
conhecida.
Período Homérico e Arcaico
 1.200 a.C a 800 a.C – Período Homérico
 As principais informações desse período estão nas obras
 Nesse período, a Ilíada e Odisseia. sociedade era
organizada em genos, conjunto de grupos familiares
governados por patriarcas.
 Economia baseada na agricultura e na pecuária.
 800 a.C a 500 a.C – Período Arcaico
 Período da formação das cidades-estado. Aumento
produtivo de artesanato e do comércio. Uso de moedas
– cada cidade-estado possuía uma moeda diferente.
Período Clássico (VI - IV a. C.)
 Marcado pelo predomínio de Atenas e Esparta, que
disputavam o controle político militar da região.
 Implantação da democracia como forma de governo
em Atenas.
 Época das guerras médicas ou greco-pérsicas.
 Época da Guerra do Peloponeso - que provocou o
empobrecimento da população e a destruição de
cidades, enfraquecendo a defesa territorial grega
contra ataques estrangeiros.
Período Helenístico (III e II a.C)
 Período em que a Grécia foi dominada e invadida
por Alexandre Magno.
 Após a morte de Alexandre, o vasto território
conquistado foi dividido entre seus generais em 3
reinos: Egito, Mesopotâmia e Grécia.
Ilha de Creta
Povoamento da Grécia
Grécia Clássica (século V a.C)

In: Atlas Histórico – Domínio Público


http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me001601.pdf
Mapa
A colonização
Grécia Helenística
ROMA ANTIGA ASPECTOS
GERAIS
O MUNDO ROMANO
 Breve Introdução: A história de Roma Antiga é
fascinante em função da cultura desenvolvida e dos
avanços conseguidos por esta civilização. De uma
pequena cidade, tornou-se um dos maiores impérios
da antiguidade. Dos romanos, herdamos uma série de
características culturais. O direito romano, até os
dias de hoje está presente na cultura ocidental, assim
como o latim, que deu origem a língua portuguesa,
francesa, italiana e espanhola, o conceito de reforma
agrária também surge nesse período.
Roma – formação populacional
 Origens de Roma : De acordo com os
historiadores, a fundação de Roma resulta da
mistura de três povos que foram habitar a
região da península itálica: gregos, etruscos e
italiotas ou latinos.
Roma – cronologia
 800 a.C a 509 a.C – Monarquia
 Reinavam reis de origem etrusca. Sociedade basicamente
dividida entre patrícios e plebeus.
 509 a.C a 31 a.C – República
 Expansão territorial. Lutas dos plebeus pela expansão da
participação política.
 31 a.C a 235 Alto Império
 Máxima extensão territorial do império. Havia estradas que
interligavam a capital do império às províncias. Foi implantada
a política do pão e circo e as desigualdades sociais aumentam.
 235 a 476 Baixo Império
 Período de crise e declínio do império pela invasão dos povos
germânicos. Período de difusão do cristianismo em várias
regiões do império.
A lenda: Rômulo e Remo
 LENDA: Os romanos
explicavam a origem
de sua cidade através
do mito de Rômulo e
Remo. Segundo a
mitologia romana, os
gêmeos foram jogados
no rio Tibre, na Itália.
Rômulo e Remo

Relevo do
símbolo da
fundação
de Roma,
em Roma
Charge: o pastor encontra a loba com os
irmãos
As origens de Roma
 Rômulo e Remo – mito de origem mais conhecido e
popular entre os romanos, conta que a cidade de
Roma foi fundada por Rômulo, filho do Deus da
Guerra, Marte, e de Réia Sílvia, filha do rei Numítor,
de Alba Longa.
 Amúlio, irmão de Numítor, destronou o pai e obrigou a
sobrinha a se tornar sacerdotisa. Furioso com a
gravidez de Réia, Amúlio joga os gêmeos no rio Tigre.
Os meninos se salvam e são criados por uma loba.
 Numítor seria descendente de Enéias, herói troiano,
filho da Deusa Vênus.
Roma Primitiva
 Inicialmente Roma
era uma pequena
aldeia habitada por
um povo simples que
se dedicava
basicamente à
criação de ovelhas e
à agricultura.
Roma Primitiva

 Os Etruscos (625 a.C.) transformaram a


federação destas aldeias em cidade,
impondo-lhes um governo monárquico. Os
etruscos eram agricultores e hábeis
artesãos, especialmente com metais. Eram
ótimos engenheiros, construíam aquedutos
e redes de esgoto em suas belas cidades.
Eram bons comerciantes também.
Aquedutos

Arcos da Lapa, no Rio de


Aqueduto Romano na Espanha Janeiro
Monarquia Romana

 Sob as dinastias etruscas Roma adquiriu o aspecto


de cidade. Foram realizadas muitas obras públicas
– construção do sistema de esgotos, templos,
drenagem de pântanos. Os reis estruscos fizeram
um governo mais voltado aos interesses dos mais
pobres, os chamados plebeus, do que dos mais ricos,
chamados de Patrícios.
A Sociedade

 A Sociedade romana estava dividida nesta época


entre:
 Patrícios: ou nobres. Descendiam das primeiras
famílias que habitaram Roma. Eram grandes
proprietários de terra e de gado.
 Plebeus: Formavam a maioria da população e era
pequenos agricultores , comerciantes, pastores e
artesãos.
 Na monarquia essa era a constituição da pirâmide
A Sociedade – outros atores sociais

 Escravo: Não eram considerados cidadãos de Roma


e não tinham direitos.
 OBS: Existia também um classe menos numerosa
chamada de clientes, que eram pessoas que se
associavam livremente a camada nobre recebendo
auxílio e proteção dos patrícios.
República Romana
 Em 509 a.c os nobres romanos derrubaram o rei Etrusco e
fundaram uma República, elegendo no lugar do Rei dois
cônsules para governar. As funções dos cônsules se
assemelham ao do antigo Rei, mas um contrabalança o
poder do outro. Cabia a eles o comando do exército na
guerra.
 Nos primeiros tempos da República Romana, os patrícios
tinham todos os direitos políticos e só eles podiam exercer
os cargos políticos como os de cônsul e senador.
 Os patrícios constituíam uma aristocracia de sangue com
antepassados comuns. Daí seu nome “aqueles com pais”.
A República Romana
 Os clientes e a plebe (composta de homens livres)
não possuíam plenos direitos.
 O poder dos patrícios vinha da posse e exploração
da terra, trabalhada pelos camponeses, às vezes
escravizados por dívidas.
 Insatisfeitos com essa situação, os plebeus lutaram por
mais de dois séculos e conseguiram progressivamente
obter direitos políticos.
 Ex: A Lei das Doze Tábuas (450 a.C)- que se
transformou em um dos principais textos do Direito
Romano.
A República Romana
 No processo de lutas sociais os plebeus conseguiram
conquistas importantes como a abolição da
escravidão por dívidas.
 A vitória dos plebeus – a formação de uma
nobreza patrício-plebeia. Uma nova distinção social
se estabelece lentamente tendo como base a
riqueza.
 Plebeus enriquecidos – comerciantes.
O senado
O fórum
A República Romana
 O regime republicano acabou com a realeza e instituiu
em seu lugar a magistratura, cargo anual com mais de
um ocupante. Eram dois cônsules escolhidos pelo Senado,
que ganhou importância política com a República.
 Como na Grécia, as mulheres romanas não faziam parte
dos cargos políticos. Mas as mulheres romanas tinham
uma situação ímpar, talvez comparada ao do século XX,
no Ocidente.
 O conceito de cidadania romana era muito mais amplo e
flexível do que o ateniense. Ex-escravos, por exemplo,
poderiam se tornar cidadãos romanos. Os romanos
concediam cidadania para indivíduos aliados.
Expansão e conquista

 Na primeira metade do século V a. C


Roma começa a conquistar outros
territórios. As conquistas trouxeram
riqueza para Roma e muitos benefícios
para os patrícios, que expandiam
também suas terras através das
conquistas.
Expansão e Escravidão
 As constantes guerras de
expansão também
traziam escravos para
Roma, que eram
capturados como
prisioneiros de guerra.
 Ao lado um escravo
romano trabalhando na
terra.
Expansão
 Roma conquista diversos territórios, primeiro na
península itálica, depois o norte da África, a
península ibérica, e os territórios correspondentes à
França, Inglaterra, parte da Alemanha e Romênia.
Os exércitos romanos avançavam também em
direção ao Egito, Palestina, Líbano, Síria, Grécia,
Macedônia e outras áreas que passaram a ser
PROVÍNCIAS ROMANAS.
A Expansão de Roma
A Expansão de Roma
Território conquistado pelos Romanos
Os espetáculos
 Os espetáculos de gladiadores nas arenas eram
festas em que os escravos gladiadores se
apresentavam para multidões. O divertimento
principal eram as lutas até a morte entre esses
homens. Em outras ocasiões eles ao invés de se
enfrentarem, deviam vencer leões, tigres, ursos e
crocodilos para permanecerem vivos.
Roma: entre o pão e o circo
 O grande número de
desempregados na
cidade de Roma fez os
governantes adotarem
uma política para evitar
grandes revoltas sociais:
dar para o povo pão
(comida) e distração,
notadamente o teatro e
os grandes espetáculos
de lutas entre
gladiadores.
A luta de gladiadores
Luta de Gladiadores
Pão e Circo

O Coliseu Romano e o
Maracanã no Rio de Janeiro.
Você vê semelhanças entre eles?
O Coliseu

A construção
em si tem 188
metros de
comprimento
e 156 metros
de largura.
Com paredes
de 49 metros
de altura, ele
comportava
até 55 mil
espectadores.
Maquete de Roma Antiga

As cidades romanas eram planejadas em “tabuleiro”


Maquete de Roma Antiga A Universidade da
Virgínia, nos
Estados Unidos
criou o maior
modelo virtual de
uma cidade antiga
até agora
construído. O
“Rome Reborn”
mostra a cidade no
seu auge, em 320
D.C., altura em que
governava o
imperador
Constantino e
viviam na cidade
um milhão de
habitantes.
Uma professora feliz no Coliseu!
A vida cotidiana
 Os romanos adotavam um sistema de cidades planejadas
em tabuleiro, tanto por influência grega quanto por direta
transposição dos esquemas dos acampamentos militares.
 As paredes das cidades estavam sempre cobertas com
cartazes eleitorais, pedindo aos transeuntes o voto para
os candidatos aos diversos cargos municipais.
 A cidade era dos vivos. Por isso, os mortos eram
enterrados ou suas cinzas depositadas em monumentos
funerários além muros. Os cemitérios seguiam as estradas
que saíam pelas portas da cidade.
Fontes
 http://www.unicamp.br/cemarx/anais_v_coloquio_
arquivos/arquivos/comunicacoes/gt1/sessao3/Jair
_Antunes.pdf
 FUNARI, Pedro Paulo. Grécia e Roma. São Paulo:
Contexto, 2006.