You are on page 1of 32

ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS

Primeiros Socorros

Suporte Básico de Vida


Reanimação Cárdio-Respiratória
ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS

Suporte Básico de Vida


Conjunto de medidas utilizadas para
restabelecer a vida de uma vítima em
paragem ventilatória e em paragem
circulatória.

O objectivo é recuperar vítimas de paragem


cárdio-pulmonar, para uma vida
comparável à que tinham previamente ao
acontecimento.
ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS

Paragem Cárdio-Pulmonar

98%

50%

11%

1º Minuto 4º Minuto 6º Minuto


ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS

Cadeia da Sobrevivência

 Acesso precoce ao sistema


 Inicio precoce de SBV

 Desfibrilhação precoce
 SAV precoce
ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS

Acesso precoce ao sistema

 Reconhecer situação de gravidade


 Acesso ao sistema de emergência
 Ligar 112
ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS

Inicio precoce SBV

 Início das
manobras de
Suporte
Básico de
Vida, ainda
no local.
ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS

Desfibrilhação precoce

100

90

80

70

60
%
Sucesso 50

40

30

20

10

0 1 2 3 4 5 6 7 8 9

Tempo (minutos)
ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS

SAV precoce

 Isolamento da
Via Aérea

 Administração
de fármacos
ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS

Suporte Básico de Vida

A – Via aérea Airway


B – Ventilação Breathing
C – Circulação Circulation
ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS

Algoritmo SBV

Garantir as condições de segurança


Avaliar estado de consciência
Preciso
Estáde
AJUDA,atenho
 Abane suavemente uma pessoa
ouvir-me?
inconsciente!!
 Chame em voz alta

 Se inconsciente chame por ajuda


 Se consciente PLS ou continue exame
ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS

Algoritmo SBV

A – Via Aérea
 Manter a permeabilidade da via aérea;
 Desapertar a roupa e expor o tórax;
 Verificar corpos estranhos na boca
(comida, próteses dentárias soltas, secreções,etc.)

 Próteses fixas não remover.


ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS

Algoritmo SBV
Abertura da Via Aérea

 Extensão da cabeça (doença)


 Sub-luxação da mandíbula (trauma)
ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS

Algoritmo SBV
Avaliar ventilação

 Ver
 Ouvir
 Sentir

10 segundos

Se ventilar normalmente PLS


ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS

Algoritmo SBV
Se não ventilar
 Solicitar ajuda diferenciada
 Sozinho, vá...
 Acompanhado, pedir para ir...

 Excepto se:
 Crianças com < 8 anos
 Afogamento
 Intoxicação
 Traumatizado
 Fazer durante 1 minuto, depois pedir ajuda.
ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS

Algoritmo SBV
Se não ventilar

 2 insuflações eficazes

 Cada insuflação 2 s
 700 a 1000 ml s/O2
 Expansão torácica
ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS

Algoritmo SBV
Se não ventilar

 Se o ar não entrar...
 Verificar a boca novamente
 Reposicionar a cabeça
 Tente insuflar de novo

Até 5 insuflações
ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS

Algoritmo SBV

C – Circulação
 Pesquisar sinais de circulação
 Pulso carotídeo
 Manter a via aérea permeável
 Pesquisar se respira VOS
 Existência de movimentos
 Tosse
ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS

Algoritmo SBV

C – Circulação
Localizar a “maça de Adão”

10 segundos
Deslizar até ao sulco da carótida
ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS

Algoritmo SBV

Se a vítima não ventila, mas tem sinais


de circulação...
 Manter as insuflações
 Ritmo de 10 por minuto
 Cada insuflação com 2 segundos
 Aguardar 4 segundos
 Avaliar
de novo sinais de circulação ao fim
de 1 minuto (10 insuflações)
ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS

Algoritmo SBV

Se a vítima não ventila, e não tem


sinais de circulação...
 Iniciar compressões torácicas
ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS

Algoritmo SBV

Se a vítima não ventila, e não tem


sinais de circulação...
 Iniciar compressões torácicas
ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS

Algoritmo SBV

Se a vítima não ventila, e não tem


sinais de circulação...
 Iniciar compressões torácicas
ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS

Algoritmo SBV

Se a vítima não ventila, e não tem


sinais de circulação...
 Iniciar compressões torácicas
ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS

Algoritmo SBV

15
2
ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS

Algoritmo SBV

15 2
ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS

Algoritmo SBV
Manter o ratio 2 insuflações 15 compressões
até que:
 A vítima recupere

 Um médico mande parar as manobras

 Seja substituído

 Entregue na unidade hospitalar

 Exaustão
ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS

Obstrução da via aérea


Tipo
 Parcial
 Total ou Completa

Funcionalmente
 Anatómica Queda da língua

 Mecânica Corpo estranho

 Patológica Edemas, inflamações, etc.


ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS

Desobstrução da via aérea

Parcial
 A vítima respira, tosse, fala
 Dificuldade respiratória, cianose, estridor,

Actuação:
 Não interferir
 Incentivar a tossir
ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS

Desobstrução da via aérea


Total
A vítima
Vítima não respira, não tosse, não fala
consciente

5 pancadas
interescapulares
ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS

Desobstrução da via aérea


Total
Vítima consciente

5 compressões
abdominais
(manobra de Heimlich)
ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS

Desobstrução da via aérea


Total
Vítima inconsciente
 Pesquisar corpos estranhos na boca
 Removê-lo se estiver visível
 Permeabilizar a via aérea
 V.O.S. 10 segundos
 Pedir ajuda sem abandonar a vítima
 Fazer 2 insuflações eficazes (até 5 tentativas)
 Efectuar 15 compressões torácicas
 Pesquisar de novo corpos estranhos na boca
 Continuar os ciclos 15 CT/2 I, efectuando sempre a
pesquisa da boca antes de ventilar
ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS