You are on page 1of 7

Victor Hugo

Do grotesco e do
sublime

O autor
As palavras tm a leveza do vento e a fora da tempestade.
Victor Hugo

Victor-Marie Hugo(26 de fevereiro de 1802 - 22 Maio 1885) nasceu em Besanon,


mas passou a infncia em Paris.

Em 1819 fundou, com os seus irmos, uma revista, o "Conservateur Littraire"


(Conservador Literrio) e no mesmo ano ganhou o concurso da Academie des Jeux
Floraux, instituio literria francesa fundada no sculo 14.

Aos 20 anos publicou uma reunio de poemas, "Odes e Poesias Diversas", mas foi o
prefcio de sua pea teatral "Cromwell" que o projetou como lder do movimento
romntico na Frana.

O perodo 1829-1843 foi o mais produtivo da carreira do escritor. Seu grande romance
histrico, "O Corcunda de Notre Dame" - (1831), o conduziu nomeao de membro
da Academia Francesa, em 1841.

Criado no esprito da monarquia, o escritor se envolveu com poltica. Em 1870 Foi


eleito primeiro para a Assemblia Nacional, e mais tarde para o Senado.

De acordo com seu ltimo desejo, foi enterrado em um caixo humilde no Panthon,
aps ter ficado vrios dias exposto sob o Arco do Triunfo.

Victor Hugo
No h nada como o sonho para criar o futuro. Utopia hoje, carne e osso
amanh.

E
U

Retratode Victor
Hugo

Esboo feito por Rodin da face


Victor Hugo antes de esculpi-lo.

A obra
Assim (...) a poesia tem trs idades, das quais cada uma corresponde a uma poca da
sociedade: a ode, a epopia e o drama.

Este

Prefcio visto como um verdadeiro manifesto sobre o


romantismo.

Comea

por uma anlise da evoluo da literatura em


relao histria.

Nos

tempos primitivos, quando o homem desperta num


mundo que acaba de nascer, a poesia desperta com ele.

A
A

evoluo e o crescimento dos povos, refletida na poesia.

busca de espao resulta nas guerras e conflitos e


desencadeia a epopia.

O cristianismo e emprego do
grotesco.
Pe o abismo entre a alma e o corpo, um abismo entre o homem e Deus

Segundo

Hugo o cristianismo
conduziria a poesia a verdade.

retificao de Deus a
desumanizao dos deuses.

Esse

abismo entre Deus e os homens


refletiria no uso do grotesco (j
empregado na antiguidade s que de
forma tmida).

Shakespeare e o romantismo.
Shakespeare o drama
O

gnio de Shakespeare est no drama que funde, num


mesmo alento, o grotesco e o sublime, o terrvel e o
bufo, a tragdia e a comdia.

Shakespeare

torna-se parmetro, formando com a Bblia


e Homero, uma espcie de Santssima Trindade, para
Hugo.

Sua

obra identificada com o romantismo e este por


uma procura por si mesmo.

articulao entre o grotesco e sublime permite que os


valores possam ser operados de forma flutuante, mvel.

FIM