You are on page 1of 127

ISA d5.

1
Símbolos e Identificação de
Instrumentação

Rascunho 7 – Dezembro 2008

(Tradução livre de Marco Antonio Ribeiro)

ISA - d5.1, Instrumentation Symbols e Identification

ISBN: (to be assigned)

Copyright © 2004 by ISA. All rights reserved. Not for resale. Printed in the United States of
America. No part of this publication may be reproduced, stored in a retrieval system, or transmitted in
any form or by any means (electronic, mechanical, photocopying, recording, or otherwise), without the
prior written permission of the Publisher.

ISA
67 Alexeer Drive
P. O. Box 12277
Research Triangle Park, North Carolina, 27709 USA
ISA-D 5.1

2 de 127
ISA D5.1

Prefácio (Informativo)
Este prefácio é incluído para fins de informação e não faz parte na norma ISA 5.1.

Este documento foi preparado como parte de serviço da ISA – International Society of
Automation, com o objetivo de uniformidade no campo da instrumentação. Para ter um valor real,
este documento não poderia ser estático, mas deve estar sujeito a revisão periódica. Com este
objetivo, a ISA aceita de bom grado todos comentários e criticas e pede que sejam endereçados ao
endereço: Secretary, Steards e Practices Board; ISA; 67 Alexeer Drive; P. O. Box 12277; Research
Triangle Park, NC 27709; Telephone (919) 549-8411; Fax (919) 549-8288, e-mail: steards@isa.org.

A ISA está ciente da necessidade crescente de atender as unidades do SI, na preparação das
normas de Instrumentação. Também está ciente dos benefícios dos usuários americanos das normas
da ISA incorporarem referencias adequadas ao SI em seus negócios e contratos profissionais com
outros paises. Com esta finalidade, esta norma irá introduzir unidades do SI adequadas em todas
normas novas e revisadas, praticas recomendadas e relatórios técnicos. A ISA usará como referência
a publicação da American Society for Testing & Materials: IEEE/ASTM SI 10-97, e futuras revisões
serão a referência para definições, símbolos, abreviações e fatores de conversão.

É política da ISA encorajar e aceitar com boas vindas a participação de todos os indivíduos
interessados e se interessa no desenvolvimento de normas, praticas recomendadas e relatórios
técnicos da ISA.

It is the policy of ISA to encourage e welcome the participation of all concerned individuals e
interests in the development of ISA steards, recommended practices, e technical reports.
Participation in the ISA steards-making process by an individual in no way constitutes endorsement
by the employer of that individual, of ISA, or of any of this steards, recommended practices, e
technical reports that ISA develops.

3 de 127
ISA-D 5.1

CAUTION — ISA ADHERES TO THE POLICY OF THE AMERICAN NATIONAL STEARDS


INSTITUTE WITH REGARD TO PATENTS. IF ISA IS INFORMED OF AN EXISTING PATENT THAT
IS REQUIRED FOR USE OF THIS STEARD, IT WILL REQUIRE THE OWNER OF THE PATENT TO
EITHER GRANT A ROYALTY-FREE LICENSE FOR USE OF THE PATENT BY USERS
COMPLYING WITH THIS STEARD OR A LICENSE ON REASONABLE TERMS E CONDITIONS
THAT ARE FREE DA UNFAIR DISCRIMINATION.

EVEN IF ISA IS UNAWARE OF ANY PATENT COVERING THIS STEARD, THE USER IS
CAUTIONED THAT IMPLEMENTATION OF THIS STEARD MAY REQUIRE USE OF TECHNIQUES,
PROCESSES, OR MATERIALS COVERED BY PATENT RIGHTS. ISA TAKES NO POSITION ON
THE EXISTENCE OR VALIDITY OF ANY PATENT RIGHTS THAT MAY BE INVOLVED IN
IMPLEMENTING THIS STEARD. ISA IS NOT RESPONSIBLE FOR IDENTIFYING ALL PATENTS
THAT MAY REQUIRE A LICENSE BEFORE IMPLEMENTATION OF THIS STEARD OR FOR
INVESTIGATING THE VALIDITY OR SCOPE OF ANY PATENTS BROUGHT TO ITS ATTENTION.
THE USER SHOULD CAREFULLY INVESTIGATE RELEVANT PATENTS BEFORE USING THIS
STEARD FOR THE USER’S INTENDED APPLICATION.

HOWEVER, ISA ASKS THAT ANYONE REVIEWING THIS STEARD WHO IS AWARE OF
ANY PATENTS THAT MAY IMPACT IMPLEMENTATION OF THIS STEARD NOTIFY THE ISA
STEARDS E PRACTICES DEPARTMENT OF THE PATENT E ITS OWNER.

ADDITIONALLY, THE USE OF THIS STEARD MAY INVOLVE HAZARDOUS MATERIALS,


OPERATIONS OR EQUIPMENT. THIS STEARD CANNOT ANTICIPATE ALL POSSIBLE
APPLICATIONS OR ADDRESS ALL POSSIBLE SAFETY ISSUES ASSOCIATED WITH USE IN
HAZARDOUS CONDITIONS. THE USER OF THIS STEARD MUST EXERCISE SOUND
PROFESSIONAL JUDGMENT CONCERNING ITS USE E APPLICABILITY UNDER THE USER’S
PARTICULAR CIRCUMSTANCES. THE USER MUST ALSO CONSIDER THE APPLICABILITY OF
ANY GOVERNMENTAL REGULATORY LIMITATIONS E ESTABLISHED SAFETY E HEALTH
PRACTICES BEFORE IMPLEMENTING THIS STEARD.

THE USER OF THIS DOCUMENT SHOULD BE AWARE THAT THIS DOCUMENT MAY BE
IMPACTED BY ELECTRONIC SECURITY ISSUES. THE COMMITTEE HAS NOT YET ADDRESSED
THE POTENTIAL ISSUES IN THIS VERSION.

4 de 127
ISA D5.1

Introdução (Informativo)
(1) Esta introdução, bem como qualquer rodapé, observações e anexos informativos, é
incluída para fins de finormacao e como pano fé fundo na evolução desta norma e não como uma
parte normativa da ISA 5.1.
(2) Os sistemas de simbolismo e identificação de instrumentação descritos nesta norma
acomodam os avanços na tecnologia e refletem a experiência industrial coletiva adquirida desde
Prática Recomendada original ISA RP5.1, publicada em 1949, foi revista, afirmada e
subsequentemente publicada como ANSI/ISA 5.1-1984 e depois reafirmada em 1992.
(3) Esta revisão tenta consolidar esta norma em sua função como uma ferramenta de
comunicação em todas as indústrias que dependem de sistemas de medição e controle para operar
e proteger seus processos de fabricação, máquinas e outros equipamentos. Comunicação pressupõe
e é, no mínimo, facilitada por uma linguagem comum. Esta revisão da norma continua a construir nos
fundamentos para esta linguagem comum.
(4) quando integrada em um sistema, as designações e símbolos apresentados aqui foram
uma linguagem resumida e dedicada que comunica conceitos, fatos, intenções, instruções e
conhecimento acerca dos sistemas de medição e controle em todas as indústrias.
(5) A prática recomendada de 1949 e a norma de 1984 foram publicadas como não
mandatórias e não como um documento de consenso mandatório. Como tal, elas tinham muitas
vantagens e desvantagens. Sua principal vantagem era que elas poderiam ser usadas de modo
amplo e interdisciplinar. Sua principal desvantagem era que elas não eram suficientemente
específicas, em alguns casos, para satisfazer as exigências especiais de determinados grupos de
interesse.
(6) Esta revisão é publicada como uma normal consensual e contem declarações mandatórias
e não-mandatórias, que devem ser revistas e aprovadas por um grande grupo de praticantes no
campo da instrumentação e controle. Este grupo é bem versado no uso de sistemas de identificação
e símbolos como um meio de comunicar o objetivo dos sistemas de medição e controle para todos
que precisam de tal informação. É esperado que o consenso atingido por este grupo como para o
que é mandatório e o que não irá aumentar as vantagens e diminuir as desvantagens das normas
anteriores.
(7) Versões desta norma estão em uso por mais de cinqüenta anos e a maioria dos
significados e definições das letras de identificação e símbolos que estavam contidas na ISA RP5.1-
1949 e ISA-5.1-1984 (R 1992), tem tomado uma natureza proprietária e tem se tornado uma prática
de indústria aceita e assumido ser mandatório. Os significados e definições de novos símbolos serão
mandatórios. Esta ação está sendo tomada em resposta a questões e comentários que ocorrem
frequentemente como o resultado de definições não claras.
(8) Definições mandatórias ou significados para letras usadas na identificação e por símbolos
usados em apresentações gráficas para equipamentos de medição e controle e funções são dadas.
São das as dimensões de símbolo mínimas mandatórias. Identificação informativa e recomendações
de símbolos gráficos incluem definições alternativas de identificação e símbolos e métodos de uso.
Consistência é um criteiro que deve orientar a seleção e aplicação de identificação e esquemas
gráficos.
(9) Esta norma tem sido vista no passado como sendo orientada para os processos químicos e
de petróleo. Esta percepção, mesmo que não pretendida, resultou do fato que o pessoal que
escreveu o original e as revisões posteriores trabalhava principalmente nestas indústrias. O Relatório
Técnico da ISA será usado para atender este tipo de problema. É esperado que o formato do
relatório técnico será suficientemente específico para satisfazer as exigências especiais de grupos
particulares de interesse pelo fornecimento de exemplos e recomendações para uso da identificação
e métodos de simbolização para industrias específicas. Estas indústrias incluem, mas não estão
limitadas a, refino de petróleo, processos químicos, refino de metal, geração de potencia, papel e
celulose e fabricação de peças discretas. O formato do relatório técnico apresenta o melhor enfoque
para tornar esta norma aplicável a indústrias fora das indústrias de processo, que podem ter muitos
usos e práticas aceitáveis que não são usadas nas indústrias de processo.
(10) Exemplos extensivos em versões anteriores desta norma que ilustravam definições de
identificação e simbolização tem sido removidas e serão movidos para relatórios técnicos que serão
preparados após a publicação desta norma revisada.
(11) Os símbolos e métodos de identificação contidos nesta norma têm evoluído pelo método
consensual e são pretendidos para larga aplicação através de todas as indústrias. Os símbolos e
designações são usadas como conceitualizeo ajudas, como ferramentas de projeto, como

5 de 127
ISA-D 5.1

equipamentos de ensino e como meios concisos e específicos de comunicação em todos os tipos e


espécies de documentos técnicos, engenharia, comissionamento, construção e manutenção (e não
apenas em P&IDs).
(12) No passado, esta norma tem sido flexível suficiente para servir a todos os usos descritos
anteriormente. No futuro, ele deve continuar fazendo isso. Para este fim, esta revisão esclarece as
definições de símbolos, identificação e definições para conceitos que eram previamente descritos,
tais como, por exemplo, controle e display compartilhado, controle distribuído e controle programável.
Ela também adiciona definições para novos símbolos requeridos para diagramação funcional de
instrumentos e diagramas simples de circuitos elétricos.
(13) Esta revisão muda extensivamente o formato da norma ANSI/ISA S5.1 1984 (R 1992).
Cláusulas 1, 2 e 3 são essencialmente as mesmas anteriores com algumas adições e modificações.
Cláusulas 4, 5 e 6 e os Anexos informativos A e B são novos ou revistos extensivamente.
(14) Cláusula 4, “Tabelas de Letras de Identificação” eram previamente a Cláusula 5,
“Tabelas”. É quase a mesma que a versão anterior e trata somente da Tabela 4 – “Letras de
Identificação”, que era previamente a Tabela 1.
(15) Cláusula 5, “Conjuntos de Símbolos Gráficos” é uma nova cláusula que contem novos
símbolos e os símbolos que estavam previamente na Cláusula 6, “Desenhos” apresentados em um
formato de tabela que inclui texto descrevendo a aplicação dos símbolos, mas não dava exemplos de
seu uso.
(16) Cláusula 6, “Dimensões de símbolos gráficos”, é uma nova cláusula que estabelece as
dimensões mínimas mandatórias para os símbolos mostrados nas tabelas da Clausula 5 quando
usados na preparação de desenhos de engenharia em tamanho pleno (A0).
(17) Anexo A, “Recomendações para o Sistema de Identificação”, era previamente a Cláusula
4, “Roteiro do Sistema de Identificação”, e apresenta os métodos de identificação de instrumentação
e função mais comumente usadas. Foram incluídas tabelas “Combinação de letras de malha e
função permitida” e adicionadas tabelas “Esquema de letra de malha permitido”.
(18) Anexo B, “Recomendações do Sistema de Símbolo Gráfico” é uma nova cláusula que
substitui os exemplos anteriormente dados na Cláusula 6, “Desenhos”, para fornecer alguma ajuda
limitada na aplicação dos símbolos na Cláusula 5.
(19) Definições para letras de identificação e símbolos são agora mandatórios para reduzir a
confusão causada por dar significados para identificação e símbolos não incluídos nesta norma. Ao
mesmo tempo, o número de simbologia e balões de tagueamento requeridos para mostrar um
esquema de medição ou controle era permitido para variar de “tudo deve ser conhecido” para o
mínimo requerido para atender a instrumentação e funcionalidade requeridas. Recomendações são
fornecidas para ajudar na aplicação de identificação e simbologia e para incluir alguns métodos
conhecidos como usos alternativos.
(20) os significados de “display compartilhado, controle compartilhado e controle lógico
programável” foi explicado e expandido por causa das mudanças da tecnologia e uso desde sua
publicação na ISA S5.3-19832, “Símbolos Gráficos para Controle Distribuído, Instrumento com
Display Compartilhado, Lógica e Sistemas de Computador”. Os significados comumente assumidos
de “círculo no quadrado”como funções de sistema de controle distribuído (SDCD), e “losango no
quadrado” como funções de controlador lógico programável não são mais exatas pois elas não mais
refletem os significados atualmente aceitáveis. SDCSs e PLCs podem ambos executar funções de
controle contínuos e binários. As mesmas funções são executadas por computadores pessoais (PCs)
e por equipamentos de campo e devicebus. Os dois símbolos “círculo no quadrado”e “losango no
quadrado” são classificados como display compartilhado e controle compartilhado. “Círculo no
quadrado”irá mostrar ou (a) escolha de sistema de controle primário ou (b) PBCS, sistema de
controle de processo básico (basic process control system). “Losango no quadrado”irá mostrar ou
(a)escolha de sistema de controle alternativo ou (b) SIS, sistema instrumentado de segurança (Safety
instrumented system). Usuários que continuam a usar os símbolos, como no passado, devem mudar
para os significados revistos, o mais cedo possível.
(21) Esta revisão utiliza, com permissão, a excelente SAMA (Scientific Apparatus Makers
Association) PMC 22.1-1981, “Diagramação funcional de instrumentos e sistemas de controle”, um
documento ainda usado por muitos engenheiros e projetistas de sistemas de controle. Símbolos e
descrições de símbolos de processamento de sinais ou blocos de função ou designadores da SAMA
foram adaptados na norma ANSI ISA S5.1-1984 (R 1992) para uso em diagramas esquemáticos de
malha. Esta revisão adiciona diagramas para instrumento, malha e funções de programas de
aplicação. Recomendações para um número limitado de aplicações dos símbolos serão encontradas
n Anexo B, “Recomendações para Sistemas com Símbolos Gráficos” (informativo).

6 de 127
ISA D5.1

(22) Os símbolos de linhas binárias, que foram introduzidas na ANSI ISA S5.1-1984 (R 1992)
para ajudar as indústrias com processos de batelada, foram eliminados por causa de sua falta de uso
geral e aceitação e as várias objeções ao seu uso. Se seu uso para desejado dentro das indústrias
com processos de batelada, um Relatório Técnico da ISA poderia ser produzido para cobrir esta
necessidade única.
(23) Os vários exemplos contidos na Seção 6 da ANSI-ISA-5.1-1984 (R 1992) foram reduzidos
em número e são agora localizados no Anexo B. É esperado que Relatórios Técnicos da ISA serão
preparados baseados nesta norma para cobrir a aplicação de identificação e métodos de
simbolização e práticas nos detalhes requeridos por usuários nestas várias indústrias além das
indústrias de processo,q eu dependem desta norma em seu trabalho diário.
(24) A ISA 5.1 subcomitê, “Símbolos e Identificação de Instrumentação”é profundamente
contente com o trabalho dos subcomitês anteriores ISA 5.1 e tem tentado tratar seu trabalho com o
grande respeito que ele merece.
(25) ISA 5.1 também gostaria de agradecer o trabalho feito pelos subcomitês anteriores da ISA
5.2 e ISA 5.3 em desenvolver ISA 5.2-1976 (R1992), “Diagramas Lógicos Binários para Operações
de Processo” e ISA 5.3-1983, “Símbolos Gráficos para Controle Distribuído, Instrumentação de
Display Compartilhado, Sistemas Lógicos e com Computador”. Os elementos chave da ISA 5.3-1983
foram incorporados na ANSI ISA 5.1-1984 (R1992) e tem sido expandidos nesta revisão. Os
elementos chave da ISA 5.2-1976 foram incorporados e integrados com os símbolos lógicos da
SAMA PMC 22.1-1981 para simbolizar e descrever funções binárias. Recomendações para o sistema
binário podem ser encontradas no Anexo B, “Recomendações para Sistema de Símbolos Gráficos”.

7 de 127
ISA-D 5.1

1. Objetivos
Esta norma estabelece um meio uniforme de mostrar e identificar instrumentos ou
equipamentos e suas funções inerentes, sistemas e funções de instrumentação, e funções de
programas de aplicação usados para medição, monitoração e controle, apresentando um sistema de
designação que inclui esquemas de identificação e símbolos gráficos.

2. Escopo
2.1. Geral
Esta norma pretende atender os procedimentos diferentes de vários usuários que precisam
identificar e graficamente mostrar equipamentos e sistemas de medição e controle. Estas diferenças
estão reconhecidas quando elas forem consistentes com os objetivos desta norma, fornecendo
métodos alternativos de símbolo e identificação.
Um número limitado de exemplos são fornecidos para ilustrar como:
a) Projetar um sistema de identificação e construir um número de identificação
b) Usar símbolos gráficos para construir:
(1) Diagramas esquemáticos de instrumentos de instrumentos, equipamentos e funções
requeridas para malhas de monitoração e controle.
(2) Diagramas funcionais de instrumentos, malhas e funções de programa de aplicação.
(3) Diagramas lógicos binários
(4) Diagramas ladder para circuitos elétricos
c) Adicionar informação e simplificar diagramas.
Exemplos de aplicações de símbolos e de identificação pretendem ilustrar os conceitos
básicos na construção de sistemas e diagramas de identificação cobertos por esta norma que são
aplicáveis a todas as indústrias de usuário.

2.2. Aplicação nas indústrias


Esta norma é adequada para uso em indústrias químicas, petróleo, geração de potencia, refino
de metal, papel e celulose e várias outras continuas, batelada, processamento de peças discretas e
manipulação de material. Estas indústrias e outras requerem o uso de esquemas de sistema de
controle, diagramas funcionais e esquemas elétricos para descrever a relação entre o equipamento
de processamento e a funcionalidade do equipamento de medição e controle.

2.3. Aplicação às atividades de trabalho


Esta norma é conveniente para uso sempre que se referir a instrumentação de medição e
controle, equipamentos e funções de controle e aplicações e funções de programas que devam ter
identificação e simbolização, tais como:
a) Esquemas de projeto.
b) Exemplos de ensino.
c) Relatórios, literatura e discussões técnicas.
d) Diagramas de instrumento, malha, lógica e funcional.
e) Descrições de função.
f) Desenhos conceituais incluindo mas não limitados a
1) Fluxograma de Processo (Process flow Diagram – PFD)
2) Fluxograma de Utilidade (Utility Flow Diagram – UFD)
g) Desenhos de construção incluindo mas não limitado a:
1) Fluxograma de Engenharia (Engineering Flow Diagram – EFD)
2) Fluxograma Mecânico (Mechanical Flow Diagram – MFD)
3) Diagrama de Tubulação e Instrumento (P&ID)
4) Fluxograma de Sistema (System Flow Diagram – SFD)
h) Especificações, ordens de compra, manifestos e outras listas.
i) Identificação e Tag Números de instrumentos e funções de controle.
j) Instruções, desenhos e registros de instalação, operação e manuteçao.

8 de 127
ISA D5.1

Esta norma fornece informação suficiente para permitir qualquer pessoa que tenha um
razoável conhecimento de processo e instrumentação e que esteja revisando documentos mostrando
medição e controle, para entender os meios e objetivos da instrumentação mostrada.
O conhecimento detalhado de um especialista em instrumentação ou sistemas de controle não
é um pré-requisito para entender esta norma.

2.4. Aplicação a classes de instrumentação e para funções de


instrumento.
Os métodos de identificação e de simbolismo fornecidos nesta norma são aplicáveis a todas
as classes e tipos de instrumentos ou funções de medição e controle.
Os métodos podem ser usados, mas não são limitados a, para descrever e identificar:
a) Instrumentos discretos e suas funções.
b) Display e funções de controle compartilhadas.
c) Funções de controle distribuídas.
d) Funções de controle de computador.
e) Funções de controle e display do controlador lógico programável.
f) Display e funções de controle de programas de aplicação.

2.5. Classificação da instrumentação


A instrumentação pode ser classificada como primaria, secundaria, auxiliar ou acessória para
responsabilizar identidades funcionais e malha e símbolos, como definidos na Cláusula 4 e mostrado
no Anexo A.
Instrumentação primaria consiste de equipamentos e dispositivos para medir, monitorar,
controlar ou calcular e suas funções inerentes e funções de programa que incluem, mas não são
limitadas a, transmissores, registradores, controladores, válvulas de controle, equipamentos de
segurança e controle auto-atuados e funções de programa de aplicação que requerem ou permitem
ao usuário atribuir identificações.
Instrumentação secundária consiste de equipamentos e dispositivos de medição, monitoração
e controle que incluem, mas não são limitados a, visores de nível, manômetros, termômetros e
reguladores de pressão.
Instrumentação auxiliar consiste de equipamentos e dispositivos que medem, controlam ou
calculam e que são necessários para a operação efetiva da instrumentação primaria ou secundaria,
elas incluem mas não são limitados a, equipamentos de calculo, purgadores, sistemas de
manipulação de amostra e conjuntos de filtro-regulador de ar de instrumentos.
Instrumentação acessória consiste de equipamentos e dispositivos que não medem ou
controlam mas são necessários para a operação efetiva do sistema de medição, monitoração ou
controle, elas incluem mas não são limitadas a tubos retos para medição de vazão, retificadores e
condicionadores de vazão e potes de selagem.

2.6. Extensão da malha e identificação funcional


Esta norma fornece códigos de identificação e métodos para a identificação alfanumérica de
malhas, instrumentos e funções de monitoração e controle.
Estes métodos de identificação dependem do tagueamento de acordo com a função e não de
acordo com a construção ou forma; por exemplo, um transmissor de pressão diferencial não é
identificado como um transmissor de pressão diferencial, mas como um:
a) Transmissor de vazão quando conectado a uma placa de orifício quando medindo vazão.
b) Transmissor de nível quando conectado ao lado de um vaso quando medido nível de liquido.
O usuário é livre para aplicar identificação adicional por número de serial, equipamento,
unidade, área ou planta ou qualquer outro meio adicional requerido para a identificação única de uma
malha, instrumento ou função.
Um número de identificação de função única deverá ser atribuído para identificar cada:
a) Instrumento ou equipamento da malha e suas funções integrais ou inerentes.
b) Função configurável da malha, que requer ou permite um único endereço de
microprocessador ou computador atribuído pelo usuário.

9 de 127
ISA-D 5.1

2.7. Extensão da simbolização


2.7.1. Esta norma fornece conjuntos de símbolos para a apresentação gráfica de um instrumento ou
equipamento com funcionalidade parcial ou total, monitor inteiro ou malhas de controle ou
circuitos de controle.
2.7.2. A quantidade de detalhe a ser mostrada pelo uso de símbolos depende do objetivo e audiência
para que o documento está sendo preparado.
2.7.3. Símbolos suficientes devem ser usados para mostrar a funcionalidade da instrumentação ou
da malha de controle sendo mostrado; ele não é considerado necessário para fornecer um
símbolo para cada instrumento ou equipamento e cada função requerida por uma malha.
2.7.4. detalhes adicionais de construção, fabricação, instalação e operação de um instrumento são
mais bem descritos em uma especificação conveniente, folha de dados, diagrama de malha,
desenho ou esquema de instalação ou fiação ou outro documento específico para estes que
requerem tais detalhes.

2.8. Inclusão e modificao desta norma em documento de


engenharia e projeto do usuário
2.8.1. Esta norma pode ser usada, se usada, deverá ser acreditada por um Usuário ou Proprietário
na preparação de normas, recomendações e especificações de engenharia, projeto ou design,
ou sem exceção ou com exceção para o seguinte:
a) Sem exceção, em que caso esta norma em sua inteireza deverá ser mandatória com relação
a:
1) Letras atribuídas a significado específico na Tabela 4.
2) Símbolos e seus significados atribuídos nas Tabelas 5.1 até 5.8.
3) Dimensões dos símbolos nas Tabelas 6.1 at/e 6.8.
b) com exceções, em que casos as partes desta norma para que a exceção é:
1) Tomada deverá ser totalmente descrita e detalhada nas normas do
Usuário/Proprietário, ou especificações e em legendas na folha de capa do desenho
e notas.
2) Não tomadas devem ser mandatórias.
2.8.2. Símbolos diferentes daqueles dados nesta norma e letras de Escolha do Usuário, quando
usados, deverão ser totalmente descritos e detalhados nas normas do Usuário/Proprietário, ou
especificações e em legendas na folha de capa do desenho e notas.
2.8.3. Um usuário deve escolher um esquema de numeração, símbolos gráfico e outras escolhas
onde requerido e documentar estas escolhas.
2.8.4. quando uma edição anterior desta norma estiver incluída por referencia com ou sem exceção
nas normas de engenharia e projeto do Usuário/Proprietário, recomendações ou
especificações, esta norma em parte ou em sua inteireza deverão ser mandatórias até o
momento que as normas ou recomendações do Usuário/Proprietário sejam revistas.
2.8.5. Símbolos e os significados de letras e símbolos de versões anteriores desta norma que sejam
diferentes dos contidos nesta versão podem continuar a ser usados desde que eles sejam
claramente referenciados nas normas, praticas ou recomendações de engenharia e projeto do
Usuário/Proprietário.

3. Definições
3.1. Definições
Para os objetivos desta norma, as seguintes definições se aplicam.Para informação adicional,
ver ISA-51.1-1979 (R 1993), “Process Instrumentation Terminology,” e ANSI/ISA-75.05.01-2000 (R
2005), “Control Valve Terminology.”. Termos em itálico em uma definição são também definidos
nesta cláusula.
3.1.1. acessível:
Uma característica de um equipamento ou função, uma característica de uma função de
sistema compartilhado interativo ou uma característica que pode ser usada ou vista por um operador
com o objetivo de executar operações de controle, tais como mudanças de ponto de ajuste,
transferência auto-manual u operações liga-desliga.

10 de 127
ISA D5.1

3.1.2. alarme:
Um instrumento de leitura que fornece uma indicação visível ou audível se e quando o valor
uma variável medida ou inicializada estiver fora dos limites, tenha mudado de uma condição segura
para insegura ou tenha mudado de um estado ou condição de operação normal para anormal.
a) Atuação pode ser por uma chave ou função discreta ou por um transmissor ou função
analógica.
b) Indicação pode ser por qualquer ou todos do seguinte: painéis anunciadores, lâmpadas
piscantes, impressoras, buzinas, sirene, sinos ou sistemas de display gráfico compartilhado.
3.1.3. analógico
Um sinal ou equipamento que não tenha posições ou estados discretos e muda o valor quando
sua entrada mudar o valor e quando usado em sua forma mais simples, como em “sinal analógico”
como oposto a “sinal binário”, o termo denota uma quantidade varieo continuamente.
3.1.4. programa de aplicação
Programa específico para uma aplicação do usuário que é configurável e em geral contem
seqüências lógicas, expressões de permissão e limite, algoritmos de controle e outros códigos
requeridos para controla a entrada apropriada, saída, cálculos e decisões; ver também programa.
3.1.5. atribuível (assignable)
Uma característica do sistema que permite canalizar ou direcionar um sinal de um
equipamento ao outro sem a necessidade de alterar a fiação, ou por meio de patching, chaveamento
ou via comando de teclado para o sistema.
3.1.6. estação auto-manual:
Uma estação de carga manual ou estação de controle que também fornece chaveamento
entre os modos de controle manual e automático de uma malha de controle; ver sambem estação
manual.
3.1.7. balão (baloon):
Um termo alternativo para o símbolo circular usado para denotar e identificar o objetivo de um
instrumento ou função que pode conter um número de tag; ver o termo preferido bubble.
3.1.8. sistema básico de controle de processo (BPCS):
Instrumentação e sistemas que são instalados para monitorar e controlar operações de
produção normais useo mas não limitado a combinações de simples monitores de malha pneumática
e eletrônica e controladores, controladores lógico programáveis e sistemas de controle distribuídos.
a) Um PBCS é necessário para operar uma planta ou processo.
3.1.10. binário:
Um sinal ou equipamento que tem apenas dois estados ou posições discretas; e quando
usado em sua forma mais simples, como em “sinal binário”como oposto ao “sinal analógico”, o termo
denota um estado “ligado-desligado”ou “alto-baixo”.
3.1.11. armário (board):
Uma estrutura livremente sustentada consistindo de uma ou mais seções, cubículos ou
consoles que tem grupos de instrumentos discretos montados nele, aloja a interface operador-
processo e é escolhido para ter uma única designação; ver painel.
3.1.12. bubble:
O termo preferido para os símbolos baseados em círculo usado para denotar e identificar o
objetivo de um instrumento ou função que possa conter um número de tag: ver termo alternativo
balão (balloon).
3.1.13. link de comunicação:
Um fio, cabo ou circuito eletromagnético ou sistema de barramento (bus) que conecta sistemas
dedicados baseados em microprocessador ou baseado em computador tal que eles compartilham
uma base de dados comum e se comunica de acordo com um protocolo rígido em uma relação
hierárquica ou ponto a ponto (peer-to-peer); ver datalink.
a) Fio ou cabos de rede podem ser com par trançado, coaxial, telefone ou fibra óptica.
b) Redes eletromagnéticas podem ser rádio ou microondas.

11 de 127
ISA-D 5.1

3.1.14. sistema de controle a computador:


Um sistema em que toda ação de controle é realizada dentro de um computador de controle,
como um computador mainframe ou minicomputador, que pode ser simples ou redundante.
3.1.15. equipamento de computação:
O termo preferido para um equipamento que executa uma ou mais operações de calculo ou
lógicas ou ambas e transmite um ou mais sinais de saída resultantes; ver também relé de
computação.
3.1.16. relé de computação:
Um termo alternativo para um equipamento que executa uma ou mais operações de calculo ou
lógicas ou ambas e transmite um ou mais sinais de saída resultantes; ver também equipamento de
computação.
3.1.17. função de computação:
Um função de equipamento ou de programa que executa uma ou mais operações de calculo
ou lógicas ou ambas e transmite um ou mais sinais de saída resultantes.
3.1.18. configurável:
Um termo para equipamentos ou sistemas cuja característica funcional ou de comunicação
pode ser selecionada ou rearranjada através de ajuste ou chaves de programa, programas de
aplicação, formulários e preencher espaços, menus pull-down, valores ou textos entrados ou outros
métodos, outros que refiação como um meio de alterar a configuração.
3.1.19. controlador:
Um equipamento tendo uma saída que varia para regular uma variável controlada de um modo
específico que pode ser um instrumento isolado analógico ou digital, ou pode ser o equivalente a um
instrumento em um sistema de controle compartilhado.
a) Um controlador automático varia sua saída automaticamente em resposta a uma entrada
direta ou indireta de uma variável de processo medida.
b) Um controlador manual ou estação de carga manual, varia sua saída em resposta a um
ajuste manual; ela não depende de uma variável de processo medida.
c) Um controlador pode ser um elemento integral de outros elementos funcionais de uma malha
de controle.
3.1.20. estação de controle:
Uma estação de carga manual que também fornece chaveamento entre os modos de controle
manual e automático de uma malha de controle, ver também estação auto-manual.
a) A interface do operador de um sistema de controle distribuído pode ser referida como uma
estação de controle.
3.1.21. válvula de controle:
Um equipamento, outro que uma válvula de bloqueio de processo atuada manualmente ou
válvula de retenção auto-operada, que manipula diretamente a vazão de um ou mais fluido do
processo.
a) A designação “válvula de controle manual” deverá ser limitada a válvula atuadas
manualmente que quando usadas para controlar o processo requerem identificação como um
instrumento ou equipamento de controle.
3.1.22. conversor:
Um equipamento que recebe informação como uma forma de um sinal de instrumento e
transmite um sinal de saída como outra forma, tal qual um conversor de sinal corrente para
pneumático.
a) Um instrumento que muda a saída do sensor para um sinal padrão é apropriadamente
chamado de transmissor e não um conversor. Tipicamente, um elemento de temperatura
[TE] é ligado a um transmissor [TT] e não a um conversor [TY].
b) Um conversor é geralmente chamado de transdutor, um termo totalmente genérico não
recomendado para conversão de sinal.
3.1.23. datalink:
Um fio, cabo ou rede eletromagnética ou sistema de barramento que liga equipamentos
localizados no campo com microprocessadores dedicados de modo que eles compartilham uma base
de dados comum e se comunica de acordo com um protocolo rígido em uma relação hierárquica ou

12 de 127
ISA D5.1

ponto a ponto (peer-to-peer) para outro equipamento ou sistemas compatíveis baseados em


microprocessador; ver também link de comunicação.
a) Fio ou cabos de rede podem ser com par trançado, coaxial, telefone ou fibra óptica.
b) Redes eletromagnéticas podem ser rádio ou microondas.
3.1.24. detector:
Um equipamento que é usado para sentir a presença de algo, tal como gases inflamáveis ou
tóxicos ou peças discretas; ver também elemento primário ou sensor.
3.1.25. equipamento:
Uma peça de instrumento físico que é projetado para desempenhar uma ação ou função
específica, tal como um controlador, indicador, transmissor, anunciador ou válvula de controle.
3.1.26. digital:
Um sinal ou equipamento que gera ou usa sinais digitais binários para representar valores
contínuos ou estados discretos.
3.1.27. instrumento físico: (discrete = stand alone)
Um equipamento ou dispositivo que tem uma entidade separada, tal como um controlador ou
registrador em um único invólucro.
3.1.28. sinais discretos:
Sinais que têm qualquer número de estados ou posições não contínuos distintos ou definidos.
a) Sinais binários são um subconjunto dos sinais discretos.
3.1.29. sistema de controle distribuído (SDCD em português e DCS em inglês)
Instrumentação, equipamentos de entrada e saída, equipamentos de controle e equipamentos
de interface do operador, que alem de executar as funções de controle e indicação estabelecidas,
também permitem a transmissão de controle, medição e informação de operação para e de locais
únicos ou múltiplos especificados pelo usuário, ligado por um ou vários links de comunicação.
3.1.30. instrumento de campo:
Um instrumento que não está montado em um painel ou console ou na sala de controle mas
geralmente na proximidade de seu elemento primário ou elemento final de controle: ver instrumento
local.
3.1.31. elemento final de controle:
Um equipamento, tal como uma válvula de controle, que controla diretamente o valor da
variável manipulada de uma malha de controle.
3.1.32. função:
O objetivo de ou a ação executada por um equipamento ou programa de aplicação.
3.1.33. equipamento (hardware):
Equipamento físico diretamente envolvido e, fazer as funções de medição, monitoração e
controle.
3.1.34. sistema de controle de alto nível (HLCS):
Um sistema que fornece sofisticação acima do BPCS. Suas funções são tipicamente baseadas
em computador de processo ou equipamento de mais alto nível que interage com o processo pela
manipulação de pontos de ajuste no BPCS. (Por exemplo, funções de controle no HLCS incluem,
mas não estão limitada a controle estatístico de processo e controle preditivo antecipatório).
a) Um HLCS não é necessário para operar uma planta ou processo.
3.1.35. identificação:
A seqüência de letras ou números ou ambos, usada para designar uma função ou instrumento
individual ou malha.
3.1.36. instrumento:
Um equipamento usado para direta ou indiretamente medir, monitorar ou controlar uma
variável, incluindo elementos primários, indicadores, controladores, elementos finais de controle,
equipamentos de computação e equipamentos elétricos tais como anunciadores, chaves e botoeiras.
a) O termo não se aplica aos componentes ou peças internas dos equipamentos, tais como fole
receptor ou resistor.

13 de 127
ISA-D 5.1

3.1.37. instrumentação:
Uma coleção de instrumentos, equipamentos, dispositivos ou funções ou sua aplicação para o
objetivo de medir, monitorar ou controlar processos industriais ou maquinas ou qualquer combinação
deles.
3.1.38. instrumento local:
Um instrumento que não está montado em um painel ou console ou na sala de controle, mas
geralmente na proximidade de seu elemento primário ou elemento final de controle; ver instrumento
de campo.
3.1.39. painel local:
Um painel que não é um painel central ou principal e é geralmente localizado na proximidade
de subsistemas ou subáreas da planta.
a) O termo instrumento de painel local não deve ser confundido com instrumento local.
3.1.40. malha:
Instrumentação arranjada como uma combinação de dois ou mais instrumentos ou funções
arranjados de modo que os sinais passam de um para outro com o objetivo de medição e indicação
ou controle de uma variável do processo.
a) Um equipamento auto-contido que mede e controla uma variável de processo.
3.1.41. estação de carga manual:
Um equipamento ou função que tem uma saída ajustável manualmente e pode também ter
indicadores, lâmpadas ou outras funções, que é usado para atuar ou modular um ou mais
equipamentos, mas não fornece chaveamento entre modos auto-manual de uma malha de controle.
3.1.42. medição:
A determinação da existência ou da magnitude de uma variável de processo.
3.1.43. monitor:
Um termo geral para um instrumento ou sistema de instrumentos usados para medir ou sentir
o estado ou magnitude de uma ou mais variáveis para o objetivo de derivar informação útil e que
geralmente significa analisador, indicador ou alarme.
3.1.44. lâmpada monitor
Uma lâmpada que indica que um número de condições normais mas não anormais de um
sistema ou equipamento existe, ver também lâmpada piloto.

3.1.45. painel:
Uma estrutura livremente sustentada ou embutida consistindo de uma ou mais seções,
cubículos, consoles ou mesa que tem grupos de instrumentos discretos montados nele, aloja a
interface operador-processo e é escolhido para ter uma única designação.
3.1.46. montado em painel:
Um instrumento ou outro equipamento que é alojado em um painel ou console e é acessível
para o uso normal do operador.
a) uma função que é normalmente acessível ao operador em um sistema com display
compartilhado é o equivalente de um equipamento montado em painel discreto.
3.1.47. lâmpada piloto:
Uma lâmpada que indica que um número de condições normais de um sistema ou
equipamento existe. Ela não é uma lâmpada de alarme, que indica uma condição anormal. Ver
também lâmpada piloto.
3.1.48. elemento primário:
Um instrumento externo ou interno ou elemento do sistema que converte quantitativamente a
variável medida em uma forma conveniente para medição; ver também detector ou sensor.
a) Uma placa de orifício é um elemento primário externo
b) A porção sensível de um transmissor é um elemento primário interno.

14 de 127
ISA D5.1

3.1.49. processo:
Qualquer operação ou seqüência de operações envolvendo uma alteração de energia, estado,
composição, dimensão ou outra propriedade que pode ser definida com relação ao zero ou algum
outro valor inicial definido.
3.1.50. variável de processo:
Qualquer propriedade mensurável de um processo, usada nesta norma para aplicar a todas as
variáveis exceto os sinais do instrumento entre os equipamentos em uma malha.
3.1.51. programa:
Uma seqüência repetível de ações que define o estado de saídas como uma relação fixada
para o estado de entradas.
3.1.52. controlador lógico programável:
Um controlador, usualmente com várias entradas e saídas, que contem um programa alterável
que é tipicamente usado para controlar lógica discreta ou binária ou funções seqüenciais e pode
também ser usado pra fornecer funções de controle continuas.
3.1.53. relé:
Um equipamento, cuja função é passar a informação em uma forma inalterada ou em alguma
forma modificada, geralmente usado para significar o termo preferido equipamento de computação.
a) Relé é um termo aplicado especificamente a um equipamento de chaveamento elétrico,
pneumático ou hidráulico que é atuado por uma sinal e para funções executadas por um relé.
3.1.54. sistema instrumentado de segurança:
Um sistema composto de sensores, resolvedores de lógica e elementos finais de controle com
o objetivo de levar o processo para um estado seguro quando condições pré-determinadas forem
violadas.
3.1.55. varredura (scan):
Para amostrar, em um modo pré-determinado, cada uma das variáveis periodicamente ou
intermitentemente.
3.1.56. sensor:
Uma parte separada ou integral ou função de uma malha ou um instrumento que primeiro
detecta o valor de uma variável de processo, que assume um estado predeterminado correspondente
e inteligível ou gera um sinal de saída indicativo de ou proporcional à variável de processo; ver
também detector e elemento primário.
3.1.57. ponto de ajuste:
Uma variável de entrada que estabelece o valor desejado da variável controlada manualmente,
automaticamente ou por meio de um programa na mesma unidade que a variável controlada.
3.1.58. controle compartilhado:
Uma característica de um equipamento de controle ou função que contem um número de
algoritmos pré-programados, que são recuperáveis, configuráveis e conectáveis pelo usuário e
permite que estratégias ou funções de controle definidas pelo usuário sejam implementadas.
a) Geralmente usada para descrever as características de controle de um sistema de controle
distribuído, controlador lógico programável ou outro sistema baseado em microprocessador ou
computador mainframe.
b) Controle de múltiplas variáveis de processo pode ser implementado compartilhando as
capacidades de um único equipamento desta espécie.
3.1.59. display compartilhado:
O equipamento de interface com o operador, um vídeo, diodo emissor de luz, cristal liquido ou
outra unidade de display, usada para mostrar a informação de controle de processo de um número
de fontes ao comando do operador, geralmente usado para descrever as características visuais de
um sistema de controle distribuído, controlador lógico programável ou outro sistema baseado em
microprocessador ou em computador mainframe.

15 de 127
ISA-D 5.1

3.1.60. programa (software):


Os programas, códigos, procedimentos, algoritmos, padrões, regras e documentação
associada requerida para a operação ou manutenção de sistemas a microprocessador ou a
computador; ver também programa de aplicação.
3.1.61. link de programa:
A interligação de componentes do sistema via rede de comunicação ou funções via programa
ou instrução de teclado.
3.1.62. sistema de controle com ponto de ajuste supervisório:
A geração de ponto de ajuste ou outra informação de controle por um sistema de controle a
computador para uso com controla compartilhado, display compartilhado ou outros equipamentos de
controle regulatórios.
3.1.63. chave:
Um equipamento que conecta, desconecta, seleciona ou transfere um ou mais circuitos e não
é projetado como um controlador, um relé ou uma válvula de controle. O termo é também aplicado às
funções executadas pelas chaves.
3.1.64. ponto de teste:
Uma conexão de processo para que nenhum instrumento está permanentemente conectado,
mas que é aplicado para conexão intermitente de um instrumento.
3.1.65. transdutor:
Um termo geral para um equipamento, que pode ser um elemento primário, transmissor, relé,
conversor ou outro equipamento que recebe informação na forma de uma ou mais quantidades
físicas, modifica a informação ou sua forma ou ambas se requerido e produz um sinal de saída
resultante.
3.1.66. transmissor:
Um equipamento que sente uma variável de processo através do meio de um sensor ou
elemento de medição e tem uma saída cujo valor de regime permanente varia apenas como uma
função pré-determinada da variável de processo.
a) O sensor pode ser uma parte integral, como em um transmissor de pressão ligado diretamente
ou uma parte separada, como em um termopar.

4. Tabela de letras de identificação


4.1. Tabela de Letra de Identificação
Esta cláusula fornece em uma forma tabular os blocos construtivos alfabéticos do Sistema de
Identificação Funcional de um modo conciso e facilmente referenciado.
Tabela 4, junto com a Cláusula 4.2 define e explica os significados das letras individuais
quando usadas para identificar malhas e funções de equipamento.
As letras na Tabela 4 deverão ter significados atribuídos exceto o usuário atribuirá:
a) Variáveis para as letras Escolha do Usuário na coluna 1 e funções para as letras Escolha
do Usuário nas colunas 3, 4 e 5 quando tais letras forem usadas.
b) Significados para as colunas em branco 2, 3, 4 e 5 quando funções ou modificadores
adicionais forem atribuídos.
c) Quando tais atribuições são feitas elas serão documentadas nas normas ou
recomendações de engenharia e projeto e em folhas de legenda no desenho.

4.2. Tabela 4 – Notas explanatórias de Letras de Identificação


As seguintes notas, indicadas na Tabela 4 por parêntesis são para serem usadas como uma
ajuda no entendimento dos significados das letras quando eles forem usadas em certas posições nas
Letras de Identificação da Malha ou Identificações Funcionais.
(1) Primeiras Letras são uma Variável Medida ou Inicializada e, se necessário, uma combinação
de uma Variável Medida ou Inicializada e um Modificador de Variável que serão referidos
pelo significado combinado.

16 de 127
ISA D5.1

(2) Os significados específicos dados para as Variáveis Medidas ou Inicializadas [ A], [B], [E],
[F], [H], [I], [J], [K], [L], [P], [Q], [R], [S], [T], [U], [V], [W], [Y] e [Z] não serão modificados.

(3) A Variável Medida ou Inicializada análise, [A] será usada para todos os tipos de composição
de fluido do processo e análise de propriedade física. O tipo de analisador e para
analisadores de componente de fluido os componentes de interesse serão definidos fora do
balão de tagueamento.

(a) Variáveis Medidas/Inicializadas “Escolha do Usuário” [C], [D] e [M] são atribuídas
para identificar análise de condutividade, densidade e umidade, respectivamente,
quando isto para prática comum do usuário.

(4) A Variável Medida ou Inicializada análise, [A] não será usada para identificar vibração ou
outros tipos de analises mecânicas ou de maquinas, que serão identificadas pela Variável
Medida/Inicializada vibração ou análise mecânica [V].

(5) As letras “Escolha do Usuário”[C], [D], [M], [N] e [O] que cobrem significados repetitivos não
listados que podem ter nenhum significada como uma Variável Medida ou Inicializada e outra
como Letra Sucessiva serão definidas somente uma vez. Por exemplo, [N] pode ser definida
como “módulo de elasticidade” como uma Variável Medida/Inicializada e “osciloscópio” como
uma Função Leitura/Passiva.

(6) Variável Medida/Inicializada multivariável [U] identifica um instrumento ou malha que


requerer muitos pontos de medição ou outras entrada para gerar uma ou múltiplas saídas, tal
como um PLC que usa múltiplas medições de pressão e temperatura para regular o
chaveamento de múltiplas válvulas liga-desliga.

(7) Variável Medida/Inicializada vibração ou análise mecânica [V] é usada para executar a
função na monitoração de maquina que a Variável Medida/Inicializada análise [A] executa na
monitoração do processo e exceto para vibração, é esperado que a variável de interesse seja
definida fora do balão de identificação.

(8) A Primeira Letra ou Letra Sucessiva para equipamentos ou funções não classificados [X]
para significados não repetitivos que são usados somente uma vez ou para uma extensão
limitada pode ter qualquer número de significados que serão definidos fora do balão de
identificação ou por uma nota no documento. Por exemplo, [XR-2] pode ser um registrador
de stress e [XX-4] pode ser um osciloscópio de stress.

(9) Variável Medida/Inicializada evento, estado ou presença [Y] é para ser usada quando as
respostas de controle ou monitoração não são acionadas pelo tempo ou programa de tempo,
mas acionadas por eventos, presença ou estado.

(10) Combinações de Variável Medida/Inicializada e Modificador de Variável serão selecionadas


de acordo de como a propriedade sendo medida é modificada ou mudada.

(11) Variáveis medidas diretamente que serão consideradas como Variável Medida/Inicializada
para Numeracao de Malha serão incluídas não são limitadas a:

(a) Diferencial [D] – pressão [PD] ou temperatura [TD].

(b) Totalização [Q] – totalizador de vazão [FQ], quando medido diretamente, tal como
por um medidor de deslocamento positivo.

(c) Eixo X, eixo Y ou eixo Z [X], [Y] ou [Z] – vibração [VX], [VY] e [VZ], força [WX], [WY]
ou [WZ] ou posição [ZX], [ZY] ou [ZZ].

(12) Derivada ou calculada de outras variáveis medidas diretamente que não devem ser
consideradas como Variável Medida/Inicializada ou Numeração de Malha incluirão mas não
estão limitados a:

17 de 127
ISA-D 5.1

(a) Diferença [D] – temperatura [TD] ou peso [WD].

(b) Relação [F] – Vazão [FF], pressão [PF] ou temperatura [TF].

(c) Taxa de variação de tempo [K] – pressão [PK], temperatura [TK] ou peso [WK].

(13) Modificador de Variável tempo ou programa de tempo [K] em combinação com uma Variável
Medida/Inicializada significa uma taxa de variação de tempo da variável medida ou
inicializada; [WK] representa uma malha de variação de perda de peso.

(14) Modificador de Variável segurança [S] é tecnicamente não uma variável medida diretamente
mas é usada para identificar elementos primário e final com proteção de emergência auto-
atuada somente quando usada em conjunção com Variável Medida/Inicializada vazão [F],
pressão [P] ou temperatura [T]. E por causa da natureza crítica de tais equipamentos, [FS,
PS e TS] deve ser considerada como Variável Medida/Inicializada em todos os esquemas de
construção de Número de Identificação de Malha.

(a) Válvula de segurança de vazão [FSV] se aplica a válvulas usadas para proteger
contra excesso de vazão de emergência ou perda de vazão. Válvula de segurança
de pressão [PSV] e válvula de segurança de temperatura [TSV] se aplicam a
válvulas usadas para proteger contra condições de emergência de pressão e
temperatura. Isso se aplica independente da construção ou modo de operação da
válvula colocada na categoria de válvula de segurança, válvula de alivio ou válvula
de alivio e segurança.

(b) Uma válvula de pressão auto-atuada que evita operação de um sistema de fluido em
uma pressão maior que a desejada pelo alivio do fluido do sistema é uma válvula de
controle de pressão a montante [PCV], mesmo se a válvula não é para ser usada
normalmente. Porém, esta válvula é projetada como válvula de segurança de
pressão [PSV] se ela protege contra condições de emergência perigosas para o
pessoal ou equipamento que não são esperados subir normalmente.

(c) Disco de ruptura de pressão [PSE] e link fusível [TSE] se aplica a todos os sensores
ou elementos primários usados para proteger contra condições de emergência de
pressão e temperatura.

(d) [S] não deverá ser usado para identificar Sistemas Instrumentos de Segurança e
componentes, ver (30).

(15) A forma gramatical dos significados da Letra Sucessiva será modificada quando requerido.
Por exemplo, “indicar” [I] pode ser lido como “indicador” ou “indicando”; “transmitir”[T] pode
ser lido como “transmissor” ou “transmitindo”.

(16) Função Leitura/Passiva visor, gauge ou equipamento de vista [G] deve ser usada em vez da
Função Leitura/Passiva indicar [I] para instrumentos ou equipamentos que fornecem uma
visão secundaria, tal como visor de nível, indicadores locais de pressão (manômetros) e
visores de vazão. (rotâmetro de purga).

(a) Também usada para identificar equipamentos que fornecem uma vista não calibrada
de operações da planta, tal como monitores de televisão.

(17) Função Leitura/Passiva indicar [I] se aplica a leitura analógica ou digital de uma medição
atual ou um sinal de entrada para um instrumento físico ou uma unidade de display de vídeo
de um sistema de controle distribuído.

(a) No caso de um estação manual (loader), ela será usada para o dial ou indicação do
sinal de saída sendo gerado [HIC] ou [HIK].

18 de 127
ISA D5.1

(18) Função Leitura/Passiva varredura [J], quando usada, indicará uma leitura periódica não
continua de duas ou mais Variável Medida/Inicializada da mesma ou de diferente espécie,
tais como registrador multiponto de temperatura e pressão.

(19) Função Leitura/Passiva lâmpada [L] identifica equipamentos ou funções que são usadas
para indicar status de operação normal, tal como motor liga-desliga, posição de atuador, etc.
e não deve ser usada para indicação de alarme.

(20) Função Leitura/Passiva registrar [R] se aplica a qualquer meio de armazenamento de


informação ou dado em papel ou em meio eletrônico permanente ou semi-permanente em
uma forma facilmente recuperável.

(21) Leitura/Passiva e Função Saída/Ativa multifunção [U] é usada para:

(a) Identificar malhas de controle que tenham mais do que as funções usuais de indicar-
registrar e controlar.

(b) Economiza espaço em desenhos não mostrando balões tangentes para cada função.

(c) Uma nota descrevendo as funções múltiplas deve ser usada no desenho, se
necessário para esclarecimento adicional.

(22) Função Leitura/Passiva acessório [X] é usada para identificar equipamento ou dispositivos
que não medem ou controlam mas são necessários para a operação adequada da
instrumentação.

(23) Há diferenças no significado a ser considerado quando selecionando Função Saída/Ativa


para controle [C], chave [S], válvula, damper ou basculante [V] e equipamento auxiliar [Y].

(a) Controlar [C] significa um equipamento automático ou função que recebe um sinal de
entrada gerado por um Variável Medida/Inicializada e gera um sinal de saída variável
que é usado para modular ou chavear uma válvula [V] ou equipamento auxiliar [Y]
em um ponto de ajuste pré-determinado para o controle de processo ordinário.

(b) Chavear [S] significa um equipamento ou função que conecta, desconecta ou


transfere um ou mais sinais ou circuitos pneumáticos, eletrônicos, elétricos ou
hidráulicos que podem ser atuados manualmente ou automaticamente diretamente
por uma Variável Medida/Inicializada ou indiretamente por um transmissor da
Variável Medida/Inicializada.

(c) Válvula, damper ou basculante [V] significa um equipamento que modula, chavea ou
liga-desliga um jato de fluido do processo após receber um sinal de saída gerado por
um controlador [C], chave [S] ou equipamento auxiliar [Y].

(d) Equipamento auxiliar [Y] significa um equipamento automático ou função atuada por
um sinal do controlador [C], transmissor [T], ou chave [S] que conecta, desconecta,
transfere, computa ou converte sinais ou circuitos pneumático, eletrônicos, elétricos
ou hidráulicos.

(e) É incorreto usar as letras sucessivas CV para qualquer outra coisa que não seja uma
válvula de controle auto-atuada.

(24) Estação de Controle Função Saída/Ativa [K] será usada para:

(a) Designar uma estação de controle acessível ao operador usada com um controlador
automático que não tem uma chave auto-manual acessível ao operador integral ou
chave de modo de controle.

(b) Arquitetura dividida ou equipamento de controle de campo onde as funções do


controlador estão localizadas remotamente da estação do operador.

19 de 127
ISA-D 5.1

(25) Equipamentos auxiliares e funções de Função Saída/Ativa [Y] incluem, mas não são
limitados a, válvulas solenóides, relés e equipamentos e funções de conversão.

(26) Equipamentos auxiliares Função Saída/Ativa [Y] para computação e conversão de sinal
quando mostrados em um diagrama ou desenho serão definidos fora de seus balões com um
símbolo apropriado da Tabela 5.6, Blocos de Função Matemática e quando escritos em texto
incluirão uma descrição da função matemática da Tabela 5.6.

(27) Modificadores de Função alta [H], baixa [L] e média ou intermediaria [M], quando aplicados a
posições de válvulas e outros equipamentos de abrir-fechar, são definidos como segue:

(a) Alta [H], a válvula está em ou se aproximando da posição totalmente aberta. Aberta
[O] pode ser usado como uma alternativa.

(b) Baixa [L], a válvula está em ou se aproximando da posição totalmente fechada.


Fechada [C] pode ser usado como uma alternativa.

(c) Média ou intermediaria [M], a válvula está se movimentando ou localizada entre a


posição totalmente aberta e totalmente fechada.

(28) Modificador de Função desvio [D], quando combinado com Função Leitura/Passiva alarme
[A] ou Função Saída/Ativa chave [S] indica que a variável medida tem se afastado de um
ponto de ajuste do controle do controlador mais do que um valor predeterminado.

(a) Modificadores de Função alto [H] ou baixo [L] serão adicionados somente se um
desvio positivo ou negativo, respectivamente, é importante.

(29) Modificadores de Função alta [H], baixa [L] e média ou intermediaria [M], quando aplicados a
alarmes correspondem a valores da variável medida , não a valores do sinal de alarme
atuante, a não ser que seja notado diferente.

(a) Um alarme de alto nível derivado de um sinal de transmissor de nível com ação
reversa é um LAH, mesmo que o alarme seja atuado quando o sinal cai para um
valor baixo.

(b) Os termos serão usados em combinação, quando apropriado, para indicar níveis
múltiplos de atuação da mesma medição. Por exemplo, alto [H] e alto-alto [HH],
baixo e baixo-baixo [LL] ou alto-baixo [HL].

(30) Modificador de Variável [Z] é tecnicamente não uma variável medida diretamente, mas é
usado para identificar os componentes do Sistema Instrumentados de Segurança.

(a) [Z] não será usado para identificar os equipamentos de segurança, como dito em
(14).

20 de 127
ISA D5.1

21 de 127
ISA-D 5.1

5. Tabela de símbolos gráficos


5.1. Tabelas de símbolos gráficos
Esta clausula fornece em forma tabular os blocos gráficos constituintes que são usados para
construir diagramas para malhas de medição e controle, instrumentos e funções em um modo
conciso, facilmente referenciado.
Os conjuntos de símbolos gráficos incluídos nesta cláusula são para ser usados para preparar:
a) Diagramas de instrumentos
b) Diagramas funcionais
c) Diagramas locicos binários
d) Esquemas elétricos
Os símbolos gráficos mostrados nas tabelas são desenhados em tamanho pleno para uso em
esquemas ou desenhos de tamanho pleno.
Os símbolos de equipamento e função mostrados na Tabela 5.1.1 são baseados no formato
tradicional do círculo com 11 mm de diâmetro mas podem ser alterados para o formato geralmente
usado de círculo com 12 mm (½ “).
5.1.5. Deve-se considerar o tamanho dos símbolos de P&IDs reduzidos.
Todos os símbolos devem manter as relações de tamanhos mostradas nas tabelas quando em
tamanho aumentado ou reduzido.

5.2. Tabelas a serem usadas para aplicações comuns.


Diagramas de instrumentação que representam equipamentos e funções de instrumentação
serão construídos dos símbolos mostrados em:
a) Tabelas 5.1.1 e 5.1.2 – Equipamentos ou funções de medição e controle.
b) Tabelas 5.2.1 e 5.2.2, 5.23 e 5.2.4 – Elementos e transmissores de medição.
c) Tabelas 5.3.1 e 5.3.2 – Linhas de conexão do instrumento para o processo ou do instrumento
para instrumento.
d) Tabelas 5.4.1, 5.4.2, 5.4.3 e 5.4.4 – Elementos finais de controle.
e) Tabelas 5.6 – Blocos de função de processamento de sinal.
Diagramas funcionais que representam malhas de monitoração e controle serão construídos
dos símbolos mostrados em:
a) Tabela 5.5 – Símbolos de diagrama funcional.
b) Tabela 5.6 – Símbolos de bloco de função de processamento de sinal.
c) Tabela 5.7 – Símbolos lógicos binários.
Diagramas lógicos binários que representam processos lógicos serão construídos dos
símbolos mostrados em:
a) Tabelas 5.1.1 – Equipamentos ou funções de medição e controle.
b) Tabela 5.7 – Símbolos lógicos binários.
Esquemas elétricos que representam circuitos elétricos serão construídos dos símbolos
mostrados em:
a) Tabelas 5.1.1 – Equipamentos ou funções de medição e controle.
b) Tabela 5.8 – Símbolos elétricos esquemáticos..
Símbolos podem ser desenvolvidos para mostrar equipamentos e funções não cobertos por
esta norma ou para simplificar a representação de instrumentação frequentemente usada. Tais usos
serão totalmente detalhados por diagramas ou notas na legenda do desenho e folhas de detalhes.

5.3. Notas explicativas da Tabela de Símbolos Gráficos


As seguintes notas, indicadas nas Tabelas 5.1 até 5.8 por parêntesis, serão usadas como uma
ajuda no entendimento dos significados dos símbolos.
Tabelas 5.1.1 e 5.1.2 – símbolos equipamento e função de instrumentação:
(1) Equipamentos e funções representadas por estes símbolos de balão são equipamentos e
funções para display compartilhado, controle compartilhado, configurável, baseado em
microprocessador e instrumentação conectada a dados onde as funções são acessíveis pelo
operador através de display compartilhado ou monitor.
(2) O usuário selecionará e documentará um dos seguintes para uso destes símbolos em um:

22 de 127
ISA D5.1

a) Display primário compartilhado, sistema de controle compartilhado


b) Sistema de Controle de Processo Básico (BPCS).
(3) O usuário selecionará e documentar um dos seguintes para uso destes símbolos em um:
a) Display compartilhado alternativo, sistema de controle compartilhado.
b) Sistemas Instrumentados de Segurança (SIS).
(4) Equipamentos e funções são configurados em sistemas de controle que incluem, mas não são
limitados a, sistema de controle distribuído (DCS), controlador lógico programável (PLC),
computador pessoal (PC) e transmissores e posicionadores de válvula inteligentes.
(5) Equipamentos e funções representados por estes símbolos de balão são configurados em
sistema a computador que incluem, mas não são limitados a:
a) Controladores de processo, otimizadores de processo, controle estatístico de processo,
previsão de modelos, controle de processo, controladores analisadores, computadores de
negocio e sistemas de execução de manufatura e outros sistemas que interagem com o
processo manipule pontos de ajuste no Sistema de Controle de Processo Básico.
b) Sistema de Controle de Alto Nïvel
(6) Equipamentos discretos ou funções que são baseadas em equipamento físico e são isoladas ou
são conectadas a outros instrumentos, equipamentos ou sistemas que incluem, mas não são
limitados a transmissores, chaves, relés, controladores e válvulas de controle.
(7) Acessibilidade inclui ver, ajustar ponto de ajuste, alterar modo de operação e qualquer outra ação
do operador necessária para operar a instrumentação.
(8) Funções representadas por estes símbolos são simples ou lógica de intertravamento:
a) Uma descrição da lógica será mostrada perto pó ou na seção de notas do desenho ou
esquema se a lógica usada não para claramente entendível.
b) Estes símbolos não são recomendados para mostrar aplicações complexas de sistema de
controle distribuído, controlador lógico programável ou Sistemas Instrumentados de
Segurança que requerem outros sinais lógicos além de E e OR.
(9) Uma identificação de número lógico, letra ou combinação de número e letra será usada se mais
de um esquema lógico é usado no projeto para:
a) Substituir [I], [A] e [O] com a identificação lógica.
b) Ser apêndice da identificação lógica fora do símbolo.
5.3.2. Tabelas 5.2.1, 5.2.2, 5.2.3, 5.2.4 e 5.2.5 – Símbolos de medição:
(1) Medições são mostradas por:
a) Apenas balões.
b) Balões e gráficos.
(2) Estes símbolos serão usados para medições de processo ou equipamento se:
a) Um símbolo gráfico não existe.
b) O usuário não utiliza símbolos gráficos.
(3) Transmissor [T] pode ser controlador [C], indicador [I], registrador [R] ou chave [S].
(4) Novos símbolos e notações serão desenvolvidos e documentados nas normas de engenharia e
projeto do usuário, práticas e recomendações se necessário para representar equipamentos não
mostrados.
(5) Normas de engenharia e projeto do usuário, práticas e recomendações documentarão que
escolhas foram selecionadas.
Telas 5.3.1 e 5.3.2 – Símbolos de linhas:
(1) Fontes de alimentação serão mostradas quando:

(a) Diferentes daquelas normalmente usadas, e.g., 120 V cc quando o normal é 24 V cc.

(b) Quando o equipamento requer uma fonte de alimentação independente.

(c) Afetada pelas ações do controlador ou chave.

(2) Conecta equipamentos e funções que são partes integrais de sistemas dedicados, tais como
sistema de controle distribuído (DCS), controlador lógico programável (PLC), sistemas com
computador pessoal (PC) e sistemas de controle a computador (CCS) sobre um link de
comunicação dedicado.

(3) Conecta sistema baseado em microprocessador ou em computador independente para cada


outro sobre um link de comunicação dedicado.

23 de 127
ISA-D 5.1

(4) Conecta equipamentos de campo inteligentes (intelligent) e de bus de campo, tais como não
limitados a transmissores e posicionadores de válvulas com controle adicional ou outra
funcionalidade sobre um link de comunicação dedicado.

(5) Conecta equipamentos inteligentes (smart), tais como transmissores, para terminais de sinal de
entrada de sistema de instrumentação e fornece um sinal digital superposto que é usado para
diagnostico e calibração de instrumento.

(6) Normas de engenharia e projeto do usuário, práticas ou recomendações documentarão que


símbolos foram selecionados.

Tabelas 5.4.1, 5.4.2, 5.43 e 5.4.4 – Símbolos de elementos finais de controle


(1) Normas de engenharia e projeto do usuário, práticas ou recomendações documentarão que
símbolos foram selecionados.

(2) Símbolos de elementos 1 até 15 quando combinados com símbolos de atuador 1 até 10 e 14 até
22 representam válvulas de controle.

(3) Símbolos de elementos 16 até 20 quando combinados com símbolos de atuadores 10 até 12
representam válvulas solenóides liga-desliga.

(4) Símbolos de atuadores 1 até 10 e 14 até 22 quando combinados com símbolos de elementos 1
até 16 representam válvulas de controle com atuador pneumático.

(5) Símbolos de atuadores 10 até 12 quando combinados com símbolos de elementos 17 até 21
representam válvulas solenóides liga-desliga.

(6) Aplicáveis a todos os tipos de válvulas de controle e atuadores.

Tabela 5.5 – Símbolos de diagramas funcionais:


(1) Fluxo do sinal assumido como sendo de cima para baixo e da esquerda para direita.

(2) Símbolos são mostrados em um formato de diagrama vertical.

(3) Símbolos serão girados de 90 graus no sentido anti-horário em um formato de diagrama


horizontal.

(4) Inserir símbolo de processamento de sinal da Tabela 5.6 em (*).

Tabela 5.6 – Símbolos de bloco de função de processamento de sinal:


(1) Símbolos em quadrados e retângulos pequenos são usados com símbolo #1 da Tabela 5.1.2.
(2) Símbolos em retângulo grande são usados com símbolo #5 da Tabela 5.5.
(3) Normas de engenharia e projeto do usuário, práticas ou recomendações documentarão que
símbolos foram selecionados.
Tabela 5.7 – Símbolos lógicos binários:
(1) Sinais Verdade são iguais ao binário 1 e sinais Falso são iguais ao binário 0.
(2) Símbolos alternativos serão usados somente para as portas E e OR.
(3) Normas de engenharia e projeto do usuário, práticas ou recomendações documentarão que
símbolos foram selecionados.
Tabela 5.8 – Símbolos de esquema elétrico:
(1) Chaves e contatos são mostrados na condição não atuada ou desenergizada.
(2) Símbolos de chave 7 até 9 serão atuadas por:
a) Manual.
b) Símbolos de atuadores 10 até 15.
c) Número de Instrumento/Tag de equipamento ou função atribuída ao símbolo da chave.

24 de 127
ISA D5.1

25 de 127
ISA-D 5.1

26 de 127
ISA D5.1

27 de 127
ISA-D 5.1

28 de 127
ISA D5.1

29 de 127
ISA-D 5.1

30 de 127
ISA D5.1

31 de 127
ISA-D 5.1

32 de 127
ISA D5.1

33 de 127
ISA-D 5.1

34 de 127
ISA D5.1

35 de 127
ISA-D 5.1

36 de 127
ISA D5.1

37 de 127
ISA-D 5.1

38 de 127
ISA D5.1

39 de 127
ISA-D 5.1

40 de 127
ISA D5.1

41 de 127
ISA-D 5.1

42 de 127
ISA D5.1

43 de 127
ISA-D 5.1

44 de 127
ISA D5.1

45 de 127
ISA-D 5.1

46 de 127
ISA D5.1

47 de 127
ISA-D 5.1

48 de 127
ISA D5.1

49 de 127
ISA-D 5.1

50 de 127
ISA D5.1

51 de 127
ISA-D 5.1

52 de 127
ISA D5.1

53 de 127
ISA-D 5.1

54 de 127
ISA D5.1

55 de 127
ISA-D 5.1

56 de 127
ISA D5.1

57 de 127
ISA-D 5.1

58 de 127
ISA D5.1

59 de 127
ISA-D 5.1

60 de 127
ISA D5.1

61 de 127
ISA-D 5.1

62 de 127
ISA D5.1

63 de 127
ISA-D 5.1

64 de 127
ISA D5.1

65 de 127
ISA-D 5.1

66 de 127
ISA D5.1

67 de 127
ISA-D 5.1

68 de 127
ISA D5.1

69 de 127
ISA-D 5.1

70 de 127
ISA D5.1

6. Tabelas de dimensão do símbolo gráfico


6.1. Tabelas de dimensão de símbolos gráficos
As tabelas seguintes fornecem unidades de medicao para dimensionar paramatos que são
necessários para construir os símbolos gráficos.
Os formatos nas tabelas são desenhados em tamanho dobrado de seu tamanho mínimo
normal por clareza.
Símbolos serão desenhados para um:
a) Tamanho maior, aumentando a unidade dimensional, quando a redução requerida de um
desenho original resulta em um diagrama ilegível.
b) Tamanho menor, diminuindo a unidade dimensional, quando as limitações de espaço
requeridas de um desenho ou documento original.
Todos os símbolos mostrados na Cláusula 5 não estão individualmente dimensionados, mas
os formatos geométricos requeridos para construir todos os símbolos das tabelas dos símbolos
gráficos estão incluídos.
O tamanho mínimo tradicional para simbolos de equipamento e função da Tabela 6.1, um
círculo de 10.5mm (7/16”), pode ser aumentado para um circuito aumentado menos comumente
usado de 12 mm (1/2”).

6.2. Unidades de medição


As dimensões são representadas por unidades de medição (u.m.) que, como um mínimo,
devem ter dimensões equivalentes iguais a:
a) 1/16” ou 0.0625”.
b) 1,50 mm.
Simbolos desenhados em qualquer diagrama de tamanho grande devem ser o produto da u.m.
do formato geométrico do símbolo vezes uma dimensão equivalente selecionada igual ou maior do
que a dimensão equivalente mínima.
Letra mostrada é o tamanho minimo permitido para simbolos de tamanho grande.

6.3. Notas explicativas das tabelas de Dimensoes para Símbolos


Gráficos
Tabela 6.1 — Dimensões para símbolos de equipamento ou funcao de instrumentacao de
medicao e controle, Tabelas 5.1.1 e 5.1.2
a) Dimensão em parêntesis é para opção de 12 mm para símbolo de círculo genérico.

Tabela 6.2 — Dimensões para símbolos de medicaao: elementos primários e transmissores,


Tabelas 5.2.1, 5.2.2, 5.2.3, 5.2.4, e 5.2.5
a) Dimensão em parêntesis é para opção de 12 mm para símbolo de círculo genérico.
b) Tubo mergulhado mostrado, mostrado como requerido para os outros equipamentos.

Tabela 6.3 — Dimensões para símbolos de linha, Tabelas 5.3.1 e 5.3.2


a) Espessura da linha de sinal máxima recomendada para todos os usos.
b) Linhas de sinal nunca são mais grossas que linhas de processo e equipamento.
c) Espessura da linha de sinal mínima recomendada para processo e equipamento para
esquemas de instrumentos.
d) A distância em torno do símbolo deverá ser igual à metade da largura do símbolo.

Tabela 6.4 — Dimensões para elementos finais de controle, Tabelas 5.4.1, 5.4.2, 5.4.3, e
5.4.4.
a) Tabela não requer qualquer nota adicional.

Tabela 6.5 — Dimensões para símbolos de diagrama funcional, Tabela 5.5


a) Gráficos mostrados para fluxo de sinal de cima para baixo.

71 de 127
ISA-D 5.1

b) Girar gráficos 90 graus no sentido anti-horário para fluxo de sinal da esquerda para direita.

Tabela 6.6 — Dimensões símbolos de bloco de função de processamento de sinal, Tabela 5.6
a) Gráfico quadrado pequeno é usado com gráficos da Tabela 6.1.
b) Gráfico quadrado grande é usado com gráficos da Tabela 6.5.

Tabela 6.7 — Dimensões símbolos lógicos binários, Tabela 5.7


a) Dimensões da linha de conexão da entrada são um mínimo suficiente para:
(1) Cinco entradas.
(2) Três entradas.
(3) Duas entradas.
(4) 2 u.m. serão adicionadas para cada entrada adicional.
b) Mínimo espaçamento entre entradas.
c) Linha de sinal da saída será centralizada no símbolo.

Tabela 6.8 — Dimensões símbolos de esquema elétrico, Tabela 5.8


a) Tabela não requer qualquer nota adicional.

72 de 127
ISA D5.1

73 de 127
ISA-D 5.1

74 de 127
ISA D5.1

75 de 127
ISA-D 5.1

76 de 127
ISA D5.1

77 de 127
ISA-D 5.1

78 de 127
ISA D5.1

79 de 127
ISA-D 5.1

80 de 127
ISA D5.1

A. Recomendações do Sistema de Identificação


(Anexo informativo)
A.1. Sistema de Identificação
Este anexo informativo para a norma descreve um Sistema de Identificação comum e quase
universalmente usado para equipamentos e funções de instrumento de monitoração e controle que é
lógico, único e consistente em aplicação com um mínimo de exceções, usos especiais ou exigências.
Um sistema de identificação é necessário para identificar instrumentacao em texto e em
esquemas e desenhos quando usado com simbolos graficos como descrito no Anexo B.
Os métodos do Sistema de Identificação para identificar instrumentacao necessária para
monitorar, controlar e operar uma planta de processamento, uma operação unitária, caldeira,
máquina ou qualquer outro sistema que requer medição, detecção, indicação, controle, modulcao ou
chaveamento de variáveis ou estados.
Os métodos mostrados são baseados nos mais comuns atualmente em uso nas indústrias
químicas e indústria de petróleo.
a) Quaisquer métodos diferentes em uso nestas indústrias deverão ser revisados para ficar
conforme este anexo.
(1) ISA deverá ser informada destes métodos diferentes para determinar se eles deverão ser
incluídos na proxima revisao ou publicados como um adendo a esta norma.
(2) ISA deverá ser informada de diferenças que sao práticas comuns em outras indústrias de
modo que estes métodos possam ser incorporados na proxima revisão desta norma.
Um monitor multi-componente ou malha de controle consiste de algum ou todos dos seguintes
(como indicado):
a) Medição ou detecção de variável ou estado do processo (monitorar e controlar):
(1) Elemento de medição, tal como uma placa de orifício ou um termopar.
(2) Transmissor ou indicador de medição:
• Com um elemento integral à medição, tal como indicador ou transmissor de pressão.
• Com um elemento não integral à medição, tal como um transmissor ou indicador com
termopar.
b) Condicionamento do sinal de medição ou de entrada (monitorar e controlar) (monitor e control):
(1) Equipamentos de cálculo.
(2) Funções de cálculo
c) Monitoração da variável de processo (monitorar):
Equipamento de indicao ou registro.
Função de display de programa de aplicação.
d) Controle da variável de processo (controle):
Equipamento de controle e indicacao ou registro.
Função de display de programa de aplicação.
e) Condicionamento do controlador ou do sinal de saída (controle):
(1) Equipamentos de cálculo.
(2) Funções de cálculo.
f) Modulação da variável controlada (controle):
(1) Modulação ou ação liga-desliga da válvula de controle.
(2) Resetando outro ponto de ajuste da malha de controle.
(3) Limitando outro sinal de saída da malha de controle.
Um número de malha é atribuído a cada grupo de componentes necessários para executar a
função desejada do esquema de monitoração ou controle.
Uma malha de monitoração ou controle com um único componente consiste de algum ou de
todos dos seguintes:
a) Equipamentos de medição e controle auto-operantes, tais como válvulas de controle de
pressão ou temperatura.
b) Equipamentos de medição e controle auto-operantes, tais como válvulas de segurança de
pressão ou temperatura.
c) Equipamentos de monitoração de um único ponto, tais como, manômetros ou termômetros.
Cada componente simples pode ser atribuído:
a) Um único número de malha, indexada com a instrumentação da planta.

81 de 127
ISA-D 5.1

b) Um tag número do instrumento, indexado separado da instrumentação da planta


primária.
c) Um número codificado.

A.2. Indice dos Instrumentos


Números de identificação da malha e Tag Números/Identificação de Instrumentos são
registrados em um Índice de Instrumentos que deverá ser mantido por toda a vida da planta para o
registro e controle de todos os documentos e registros pertinentes às malhas e instrumentação e
funções.
Um Índice de Instrumentos deverá conter referencias a todos os dados da instrumentação
requeridos pelo proprietário ou agencia regulatória do governo, gerenciar as exigências de mudança
e conter, como um mínimo para cada malha:
a) Número de Identificação da Malha.
b) Descrição do serviço.
c) Tag Números e Identificação do Instrumento.
d) Números de desenhos do P&ID.
e) Números de Folha de Dados do Instrumento.
f) Location Plan drawing numbers.Números de desenho de Planta Baixa da instalação.
g) Números de desenhos de Detalhes de Instalação.

A.3. Tag Números – Identificação de Instrumento e Identificação de


Malha
Número de Identificação de Malha é uma combinação única de letras e números que são
atribuídos a cada malha de monitoração e controle em uma facilidade para identificar a variável do
processo ou da maquina que está sendo monitorada ou controlada.
Tag Números – Identificação de Instrumentos são uma combinação única de letras e números
que são formados pela adição de letras ao Número de Identificação de Malha para definir o objetivo
de cada equipamento ou função da malha que constitui uma malha de monitoração e controle.
Tag Números – Identificação de Instrumentos são também chamados de Número de
Identificação do Instrumento, Tag Número do Instrumento, Número do Instrumento ou Tag Número.
Exemplos de Tag Números – Identificação de Instrumentos para uma típica malha com
referencias a sub-cláusulas relevantes aos componentes dos Tag Números – Identificação de
Instrumentos são dados na Tabela A.1 — Tag Números – Identificação de Instrumentos Tipicos.

A.4. Número de Identificação de Malha


Um Tag Números – Identificação de Instrumentos é uma combinação única de letras e
números que é atribuída a cada malha de monitoração e controle em uma planta para identificar a
variável do processo ou da maquina que está sendo monitorada e controlada e deve ser atribuída a
cada:
a) Malha de monitoração e controle primário.
b) Equipamento de medição ou controle auto-contido.
c) Equipamento de monitoração e controle secundário se as malhas primarias futuras são
antecipadas ou se é uma prática normal do Usuário.
Número de Identificação de Malha deve ser atribuído a equipamentos auxiliares ou acessórios.
Número de Identificação de Malha é atribuído:
a) Primeiras Letras da Tabela 4 para identificar a Variável Medida/Inicializada.
b) Números para formar uma identidade única da malha.
c) Sufixos opcionais da malha para identificar malhas iguais em partes iguais de equipamento
ou serviços.

A.5. Letras do Número de Identificação de Malha


Letras do Número de Identificação de Malha serão selecionadas da Tabela 4 para identificar a
Variável Medida/Inicializada de acordo com um dos seguintes métodos selecionados pelo usuário
final:
a) Variável Medida/Inicializada: somente uma Variável Medida/Inicializada é selecionada, tal
como análise [A], vazão [F], nível [L], pressão [P], temperatura [T], etc.

82 de 127
ISA D5.1

b) Variável Medida/Inicializada com Modificador de Variável: uma Variável Medida/Inicializada


e, quando aplicável, um Modificador de Variável é selecionado, tal como análise [A], vazão
[F], vazão quantity [FQ], nível [L], pressão [P], pressão diferencial [PD], temperatura [T],
temperatura diferencial [TD], etc.
c) Primeiras Letras:: uma Variável Medida/Inicializada e, quando aplicável, um Modificador de
Variável, somente se a combinação resultante da Primeira Letra define uma variável da
malha que pode ser medida diretamente, tal como pressão diferencial [PD] como contrario
a que é matematicamente derivada, tal como relação de vazão [FF].
Uma Variável Medida/Inicializada em combinação com o Modificador de Variável segurança [S]
é sempre tratada como uma variável de malha em cada um dos métodos de seleção anteriores para
identificar equipamento auto-operantes usados para proteger contra concieos de emergência que
podem ser perigosas para pessoal, meio ambiente ou equipamento da planta.
Uma Variável Medida/Inicializada é selecionada de acordo com a propriedade física ou
mecânica que está sendo medida, derivada ou iniciada uma ação e não de acordo com a construção
ou modo de atuação do equipamento de medição ou a propriedade ou ação que ele inicia:
a) Uma malha que controla pressão em um vaso manipulando a vazão do gás ou vapor para ou
do vaso é uma malha de pressão [P] e não uma malha de [F.
b) Uma malha que mede pressão diferencial através:
(1) Uma placa de orifício da qual a vazão instantânea é calculada é uma malha de vazão
[F] malha e não uma malha de pressão [P] ou de pressão diferencial [PD].
(2) Uma interface de fluido em um vaso é uma malha de nível [L] e não uma malha de
pressão [P] ou malha de pressão diferencial [PD].
(3) Um elemento de filtro é uma malha de pressão [P] ou malha de pressão diferencial
[PD].

A.6. Números para Número de Identificação de Malha


Os números para Número de Identificação de Malha serão atribuídos para letras da variável
medida da malha de acordo com um dos seguintes métodos selecionados pelo usuário final:
a) Paralelo: seqüências numéricas duplicadas para cada letra da variável da malha
combinação da primeira letra.
b) Serial: seqüência numérica única independente da letra da variael da malha ou da
combinação da primeira letra.
c) Paralela/Serial: seqüências paralelas para letras da variável da malha ou combinações
de primeira letra selecionadas e uma seqüência serial para o restante.
Sequencias numéricas do Número de Malha são normalmente com três ou mais dígitos, , -*01,
-*001, -*0001, etc. onde o asterico * pode ser:
a) Qualquer digito de zero a nove.
b) Dígitos codificados relacionados com os números de desenho, números de undiades,
números de equipamentos, etc.
*00, *000, *0000, etc. serão usados somente para malhas especiais, significativas ou críticas,
quando definidas pelo Usuário.
000, 0000, 00000, etc. não serão usadas.
Letras e números de Identificação da Malha Identification serão atribuídos de acordo com um
dos seguintes Esquemas de Numeração de Malha:
a) No. 1 Paralela – Variável Medida/Inicializada.
b) No. 2 Paralela –Variável Medida/Inicializada com Modificador de Variável.
c) No. 3 Paralela – Primeira(s) Letra(s).
d) No. 4 Serial – Variável Medida/Inicializada.
e) No. 5 Serial – Variável Medida/Inicializada com Modificador de Variável.
f) No. 6 Serial – Primeira(s) Letra(s).
g) No. 7 Paralela/Serial – Variável Medida/Inicializada.
h) No. 8 Paralela/Serial – Variável Medida/Inicializada com Modificador de Variável.
i) No. 9 Paralela/Serial – Primeira(s) Letra(s)..
Espaços devem ser deixados em qualquer seqüência para permitir a adição de malhas futuras.
Exemplos de atribuições típicas para esquemas de numeração de malha são dados em:
a) Tabela A.2.1 — Combinações permitidas de letras-números, esquemas de numeração de
malha 1 a 6.
b) Tabela A.2.2 — Combinações permitidas de letras-números, esquemas de numeração de
malha 7 a 9.

83 de 127
ISA-D 5.1

A.7. Prefixos opcionais de Número de Malha


Prefixos de Número de Malha consistindo de qualquer combinação de caracteres
alfanuméricos que podem ser adicionador aos Números de Malha para identificar o local da malha,
tais como um complexo, planta ou unidade será localizado antes da Variável Medida/Inicializada, por
exemplo, uma malha de vazão na planta de processamento #1 poderia ser [PP1-F*01].
Prefixo de Número de Malha:
a) Não será necessariamente mostrado para todos os usos em desenhos ou índices.
b) Uma nota geral na folha de legenda ou uma nota em cada folha de desenho ou de índice
será usada se os prefixos não são usados.
c) Será mostrado para todos os usuários em desenhos onde mais de um prefixo é necessário
para malhas mostrado no desenho.
d) Será mostrado quando usado em texto.

A.8. Identificação do Instrumento/Tag Número


Uma Identificação do Instrumento/Tag Número é uma combinação única de letras e números
que é atribuída para definir o objetivo de cada equipamento ou função de cada malha ou função que
constitui uma malha de monitoração ou controle.
Adicionando um Modificador de Variável, se necessário, e Letras Sucessivas para as letras do
Número de Identificação de Malha forma um Identificação do Instrumento/Tag Número.
Identificação do Instrumento/Tag Número pode também ser chamado de Número de
Identificação do Instrumento, Tag Número do Instrumento, Número do Instrumento ou Tag Número.

A.9. Letras de Identificação da Função


Letras de Identificação da Função do Instrumento serão selecionadas da Tabela 5.1, Letras de
Idenfiicacao e adicionadas às letras do Número de Identificação de Malha para forma uma Identidade
Funcional do Instrumento.
A seqüência de letras em uma Identificação da Função será na mesma ordem da esquerda
para a direita como as colunas na Tabela 5.1:
a) Variável Medida/Inicializada , da Coluna 1.
b) Modificador, se requerido, da Coluna 2.
c) Função de Leitura Passiva, da Coluna 3.
d) Função de Saída Ativa, da Coluna 4.
e) Modificador (es), se requerido, da Coluna 5.
Identificação da Função usará uma Função Passiva/Leitura ou uma Função Saída/Ativa para
identificar cada quipamento ou função, exceto, com é comum para:
a) Instrumentos ou funções de indicação – registro, controlador-chave em que uma Função
Passiva, indicacao [I] ou registro [R] e uma Função ATiva, controle [C] ou chave [S], é
combinada para formar, por exemplo, controlador registrador de pressão [PRC], ou chave
com indicação de pressão baixa [PISL].
b) Válvulas de controle auto-atuada, em que duas Funções Ativas, controle [C] e valvula [V] são
combinadas para formar, por exemplo, válvula de controle de pressao [PCV].
O número de letras em uma Identificação da Função será suficiente para descrever totalmente
a funcionalidade do equipamento ou função sendo identificada, mas geralmente não deve exceder a
oito.
Modificador de Função designa o valor relativo da Variável Medida/Inicializada que atua o
instrumento ou função, por exemplo, para Modificador de Função baixo [L]:
a) [PSL-*01] indica atuação por pressão abaixo do ponto de ajuste, normalmente usado para
indicar um nível de processo que requer intervenção do operador para evitar o desligamento
do processo ou outro resultado indesejado (alarme).
b) [PSLL-*01] indica atuação abaixo do ponto de ajuste mais baixo que o exemplo anterior,
normalmente usada indicar um um nível de processo que resultou em um desligamento do
processo (trip).
Um equipamento ou função comum a duas ou mais malhas deve ser atribuído à Letra de
Identificação de Malha para a malha que atua o instrumento
a) Uma válvula solenóide é atuada por uma chave de nível alto [LSH] para desligar uma válvula
de controle de vazão [FV] é atribuída para a malha de nível [L] como um [LY] e não para a
malha de vazao [F] como uma [FY].

84 de 127
ISA D5.1

b) Um equipamento ou função seletor de sinal alto que seleciona o maior sinal da malha de
vazão [F] e de uma malha de nível [L] (controle auto-seletor ou override) é atribuída para a
malha de vazão [F]-malha como um [FY] e não para a malha de nível [L] como um [LY].
Para as combinações permissíveis das letras de função ver Tabelas:
a) A.3.1.1 e A.3.1.2 — Combinações permitidas para Letras Sucessivas para letras de função
leitura/passiva A, B, e E e primeiras letras A até SZ e T até ZDZ.
b) A.3.2.1 e A.3.2.2. — Combinações permitidas para Letras Sucessivas para letras de função
leitura/passiva C, I, L, N, e O e primeiras letras A até SZ e T até ZDZ.
c) A.3.3.1 e A.3.3.1 — Combinações permitidas para Letras Sucessivas para letras de função
leitura/passiva P, Q, R, W, e X. e primeiras letras A até SZ e T até ZDZ.
d) A.3.4.1 e A.3.4.2 — Combinações permitidas para Letras Sucessivas para letras de Função
Saída/Ativa C e K. e primeiras letras A até SZ e T até ZDZ..
e) A.3.5.1 e A.3.5.2 — Combinações permitidas para Letras Sucessivas para letras de Função
Saída/Ativa S e T. e primeiras letras A até SZ e T até ZDZ.
f) A.3.6.1 e A.3.6.2 — Combinações permitidas para Letras Sucessivas para letras de Função
Saída/Ativa U, V, X, Y, e Z. e primeiras letras A até SZ e T até ZDZ.

A.10. Sufixos para Número de Malha e Tag Número do Instrumento


Um A Malha Number Suffix may be added to a Malha Number to identify identical loops on
identical equipment in the same processing unit when the service or equipment is assigned the same
equipment identification number with a suffix, such as reactors, heat exchangers, e pumps.
A Malha Suffix may use alphabetic or numeric characters according to User/Owner established
practice e should be located after the Malha Identification Number as illustrated in Tabela A.1.
Um sufixo pode ser colocado após as Letras da Malha quando o usuário, proprietário,
computador ou sistemas de informação baseados em microprocessador não permitirão caracteres
alfabéticos ou numéricos adicionais na parte numérica de um número de identificação.
Um sufixo pode ser colocado após o Tag Número/Identificação na malha para designar dois ou
mais equipamentos ou funções similares:
a) Caso 1 – em serviços diferentes, tais como válvulas de controle que direceionam a vazão
para locais diferentes ou equipamentos auxiliares, tais como aqueles que executam
funções diferentes
b) Caso 2 – no mesmo serviço, tais como válvulas de controle que direcionam vazão para o
mesmo local ou equipamentos auxiliares tais como os que executam a mesma função.
Sufixos adicionais do Tag Número/Identificação serão adionados quando dois ou mais
equipamentos ou funções similares são também duplicadas, usando caracteres alfanuméricos
alternativos.
Para exemplos de Número de Mlaha e Tag Número/Instrumento, ver Tabela A.4.

A.11. Marcas de pontuação opcionais nos números de identificação


Marcas de pontuação, hífens, barras, etc., podem ser usadas para separar seções de números
de identificação, quando requerido por:
a) Usuário/Proprietário.
b) Sistema de gerenciamento de base de dados.
c) Programa de aplicação de sistema de controle.
Pontuacao é recomendada para uso entre:
a) Um prefixo alfabético de Número de Malha e letras da Variável Medida/Inicializada: [AB-
P*05].
b) Números do Número de Malha e um sufixo número do Número de Malha: [AB-P*05-1,
AB-P*05-2],
c) Números do Número de Malha e sufixo do Tag Número: [10-P*05-A1A or 10-P*05-1ª1]
d) Um sufixo do Número de Malha e sufixo do Tag Número: [10PT*05ª-A or 10PT*05-1-A].
Pontuaçãoé opcional para uso entre:
a) Um prefixo numérico do Número de Malha e a letra da Variável Medida/Inicializada: [10-
P*05].
b) Uma letra da Variável Medida/Inicializada e numeros do Número de Malha: [10P*-05].
Pontuacao é recomendada para uso entre:
a) Prefixos alfabéticos do Número de Malha e letras da Variável Medida/Inicializada: [AB-
P*05].

85 de 127
ISA-D 5.1

b) Número de Malha e um Sufixo de Número de Malha: [10P*05-1, 10P*05-2, etc.]


c) Sufixo de Número de Malha e Sufixo de Tag Número: [10PT*05ª-A ou 10PT*05-1-A].
d) Números do Número de Malha e sufixo do Tag Número: [10-P*05-A or 10-P*05-1]
Pontuacao não deve ser usada entre:
a) Números de Número de Malha e um Sufixo alfabético de Número de Malha: [10P*05ª].
b) Sufixos adicionais de Tag Número: [10PV*05ª-A1A or 10PV*05B-A1A].
Barras inclinadas (/) são usadas normalmente entre letras de Identificação da Função para
equipamentos multifuncionais quando usados em texto, [TR/TSH-*108].

A.12. Malhas multivariável, multifunção e multiponto


Malhas que tem mais de uma entrada ou saída são classificadas como:
a) Multivariável: quando duas ou mais Variáveis Medidas/Inicializadas da mesma espécie
ou diferentes geram uma Função Saída/Ativa e uma ou mais Função Leitura/Passiva.
b) Multifunção: quando uma Variável Medida/Inicializada gera duas ou mais Função
Saída/Ativa ou Função Leitura/Passiva.
c) Multivariável/multifunção: quando duas ou mais Variável Medida/Inicializada da mesma
espécie ou diferente gera duas ou mais Função Saída/Ativa ou Função Leitura/Passiva.
d) Multiponto: quando duas ou mais Variável Medida/Inicializada de mesma espécie ou
diferentes gera duas ou mais Função Leitura/Passiva.
Atribuições de Número de Malha Multivariável usando malhas de pressão [P-*07],],
temperatura [T-*03], e velocidade [S-*02], por exemplo, seriam:
a) Variáveis Medida/Inicializada ordenadas alfabeticamente com números de Número de
Malha da mesma ou de diferente Variável Medida/Inicializada: [PTS-*07] or [PTS-*10].
b) Variável Medida/Inicializada Multivariável [U]: [U-*01]
Componentes da Malha Multivariável devem ser atribuídos aos Tag Número/Instrumento como
um exemplo para:
a) Entradas: [PT-*07], [TT-*03], e [ST-*02].
b) Saidas:: ou [PTSV*07], [PTSV-*10], ou [UV-*01].
Atribuições de Tag Número – Instrumento multifunção assignments usando uma malha de
vazão [F] com funções de indicação [I], controle [C], e chaveamento [S], por exemplo, seriam ou
[FICS-*05].ou [FU-*05].
Atribuições de Número de Malha Multivariável/multifunção usandos malhas de vazão [F-*05],
pressão [P-*07], temperatura [T-*03], e velocidade [S-*02], por exemplo, seriam ou:
a) Variáveis Medida/Inicializada ordenadas alfabeticamente com números de Número de
Malha da mesma ou de diferente Variável Medida/Inicializada líder: [FPTS-*05] or [FPTS-
*10].
b) Variável Medida/Inicializada Multivariável [U]: [U-*01]
Componentes da Variável Medida/Inicializada Multivariável devem ser atribuídos Tag Número /
Instrumento como exemplo para:
a) Entradas: [FT-*05], [PT-*07], [TT-*03], e [ST-*02].
b) Saída: ou [PTSV*07] ou [PTSV-*10], e [FV-*05], ou [UV-*01ª] e [UV-*01B].
Atribuicoes de letra de identificação de Tag Número/Instrumento de Malha Multiponto para:
a) Variável Medida/Inicializada única, usando temperatura [T] como um exemplo, será:
(1) Número de Malha: [T-*11].
(2) Entrada: [TE-*11-01], [TE-*11-02], etc. or [TJE]-*11-01, [TJE-*11-02], etc.
(3) Leitura: [TI-*11] or [TJI-*11]
(4) Ponto de Leitura; [TI-*11-01], [TI-*11-02], etc [TJI-*11-01], [TJI-*11-02], etc.
b) Variável Medida/Inicializada Múltipla, usando pressão [P] e temperatura [T] como um
exemplo, será:
(1) Número de Malha: [PT-*11] ou [U-*01].
(2) Entrada: [PT-*11-01], [TE-*11-02], etc. ou [PJT-*11-01], [TJE-*11-02], etc.
(3) Leitura: [PTI-*11] or [PTJI-01] ou [UI-*01] ou [UJI-*01].
(4) Ponto de Leitura: [PI-11-01], [TI-11-02], etc or [PJI-11-01], [TJI-11-02], etc.

86 de 127
ISA D5.1

A.13. Instrumentação secundária, auxiliar e acessória


Instrumentação secundária, tal como visor de nível, manômetros e termômetros, pode ser
atribuídos como:
a) Um Tag Número/Identificação que seria um de:
(1) LG-*01, PG-*01, TG-*01, etc.
(2) LI-*01, PI-*01, TI-*01, etc.
b) Um número de identificação genérico que define o tipo e faixa do instrumento que seria:
(1) LG-24 – 0-2,4 m, PG-200 – 0-200 kPa, TG-250 – 0-250 oC.
(2) LI-24 – 0-2,4 m, PI-200 – 0-200 kPa, TI-250 – 0-250 oC.
Letra para Função Leitura/Passiva para visor, indicador local ou equipamento de vista [G] é
recomendada para uso para visor de vazão [FG], visor ou indicador local de nível [LG], indicador
local de pressão ou manômetro [PG], indicador local de temperatura ou termômetro [TG], etc. para
evitr problemas no gerenciamento de base de dados com indicadores de vazao [FI], indicadores de
nível [LI], indicadores de pressão [PI], indicadores de temperatura [TI], etc.
Uso comum atual é [FG] e [LG] para vazão e nível e [PI] e [TI] para pressão e temperatura.
Instrumentacao auxiliar, tais como, computador de sinal e relé conversor, válvulas solenóides,
condicionador de amostra de análise, etc. são identificados por uma Variável Medida/Inicializada e a
Função Saída/Ativa [Y], como em, [FY], [PY], etc.
Acessórios de Instrumentação, tais como tubo de medição de vazão, purgadores, conjuntos
filtro-regulador pneumáticos, potes de selagem, etc., que podem ou não ser mostrados
explicitamente no diagrama serão tagueados no índice de Instrumento com:
Por exemplo, um medir de purga para um transmssor de pressão [PT-*23] pode ser tagueado:
a) Com o Tag Número/Identificação do Instrumento do instrumento que eles servem,
seguido por uma palavra ou frase que descreve sua função, por exemplo: [PT-*23
PURGE].
b) Com um Tag Número/Identificação do Instrumento como um componente da malha:
[PX-*23] com uma nota fora do balão ou na seção de notas do desenho descrevendo seu
uso.
c) Como um instrumento secundário: [FC-*11].
Notar que a atribuição de um Tag Número significa que o acessório deve ser mostrado no
índice de instrumento mas não significa que o acessório:
a) Deve ser mostrado em um P&ID ou diagrama de instrumento.
b) Deve ser tagueado em um a P&ID ou diagrama de instrumento se mostrado.
Os métodos de identificação escolhidos para o projeto devem ser documentados nas
recomendações e normas de engenharia e projeto do Proprietário ou Usuário e na folha de legenda
do desenho ou documento.

A.14. Identificacao do Sistema


Instrumentação é geralmente montada em sistemas por várias razoes incluindo facilidade de
compra, facilidade de aplicação, compatibilidade, etc e estes sistemas precisam ser identificados em
desenhos e texto.
Alguns dos mais comuns sistemas de instrumentação e códigos de sistemas geralmente
usados para identificá-los sao:
a) ACS = Sistema de Controle de Análise
b) CCS = Sistema de Controle de Computador
c) CEMS = Sistema de Monitoração de Emissões Contínuas
d) DCS = Sistema de Controle Distribuído
e) MMS = Monitoração de Máquina
f) PCCS = Sistema de Controle com Computador Pessoal
g) PLC = Controlador Lógico Programável
h) SIS = Sistema Instrumentação de Segurança
i) VMS = Sistema de Monitoração de Vibração
Sufixos podem ser adicionados aos códigos do sistema de instrumentação [SC]:
a) [SC 1, SC 2], etc., quando mais de um sistema é usado em um complexo.
b) [SC-M, SC-L], quando são usados sistemas principal e local em uma unidade.
c) [SC-‘identificador da unidade’], quando sistema é dedicado a uma única unidade em uma
planta com várias unidades.

87 de 127
ISA-D 5.1

A.15. Tabelas de recomendações do Sistema de Identificação


Tabelas de recomendações do Sistema de Identificação são baseadas nos usos mais comuns
encontrados nas indústrias de processo químico e de petróleo e gás natural.
As tabelas são usadas como uma recomendação para construir tais Tabelas baseadas nas
necessidades reais dos Usuários.
A.15.3. Malhas são baseadas na variável sendo medida e não na variável sendo manipulada.
Tag Números de instrumento são baseados no número e funcionalidade da malha requeridos
dos componentes da malha.

A.16. Notas explicativas da Tabela de recomendação do Sistema de


Identificação
As seguintes notas, indicadas nas A.1, A.2, A.3, e A.4 entre parêntesis, são usadas como uma
ajuda no entendimento do significado e uso das letras.
Tabela A.1 — Malha Típica e Tag Número/Identificação do Instrumento
(1) Substituir asterico no Número de Malha com qualquer digito de 0 a 9 ou qualquer combinação de
números.
(2) Números entre colchetes indicam sub-cláusula relevante para a descrição da linha.
A.16.2. Tabelas A.2.1.1, A.2.1.2, A.2.2.1, e A.2.2.2 — Combinações permitidas de letras/números
para esquemas de numeração de malha.
(1) Primeira Letra não inclui todas as possibilidades.
(2) Substituir asterico no Número de Malha com qualquer digito de 0 a 9 ou qualquer combinação de
números.
(3) Modificador de Variável do sistema instrumentado de segurança [Z] é tecnicamente não uma
variável medida diretamente, mas é usado para identificar malhas em um Sistema Instrumentado
de Segurança. E por causa da natureza crítica de tais malhas, qualquer Variável
Medida/Inicializada seguida por [Z], tais como [FZ], [PZ], e [TZ], deve ser considerada como
Variável Medida/Inicializada em todos os esquemas de construção de Número de Identificação
da Malha.
a) Um modo alternativo de identificar malhas do Sistema Instrumentado de Segurança é
adicionar fora dos balões das malhas do Sistema Instrumentado de Segurança e como
um prefixo ou sufixo para o Número de Malha quando usado em texto, por exemplo,
Número de Malha para malhas de pressão e temperatura em um SIS pode ser [(SIS)PZ-
*01] or
[TZ-*09(SIS)].
(4) Usuários devem atribuir, quando necessário, significados:
a) Primeiro, para letras de Escolha do Usuario [C], [D], [G], [M], [N], e [0] para identificar
Variável Medida/Inicializada não atribuída a letra obrigatoria.
b) Segundo, para espaços do Modificador de Variável [A], [B], [C], [E], [G], [H], [I], [L], [M],
[N], [O], [P], [R], [T], [U], [V], e [W] para identificar Modificador de Variável não atribuído a
uma letra obrigatória.
(5) O Modificador de Variável segurança [S] é tecnicamente não uma variável medida direta, mas é
usado para identificar elementos primários e finais de controle auto-atuados para protecao de
emergenciasomente quando usado em conjunto com Variável Medida/Inicializada vazão [F],
pressão [P] ou temperatura [T]. E por causa da natureza crítica de tais equipamentos, [FS], [PS],
e [TS] devem ser consideradas como Variável Medida/Inicializada em todos os esquemas de
construção de Número de Identificação da Malha.
a) Não sera usado para identificar Sistema Instrumentado de Segurança e componentes.
(6) Variável Medida/Inicializada [V], [W], ou [Z] quando usada em um Sistema Instrumentado de
Segurança e:

a) Não axialmente orientada usará [VZ], [WZ], e [ZZ] como Variável Medida/Inicializada.
b) Axialmente orientada usará [VZX], [VZY], [VZZ], e [WZX], [WZY], [WZZ] e [ZZX], [ZZY], [ZZZ]
como Variável Medida/Inicializada.
Tabelas A.3.1.1, A.3.1.2, A.3.2.1, A.3.2.2, A.3.3.1, A.3.3.2, A.3.4.1, A.3.4.2, A.3.5.1, A.3.5.2,
A.3.6.1, A.3.6.2: Tabela A.3.1.1 — Combinações permitidas de letras sucessivas para letras e
primeira letra de Função Leitura/Passiva e Função Saída/Ativa.
(1) Células marcadas NA indicam combinações não permitidas.

88 de 127
ISA D5.1

(2) Primeiras Letras são atribuídas de acordo com as Tabelas A.2.1.1, A.2.1.2, A.2.2.1, e A.2.2.2 —
Esquemas de numeração de malha.
(3) Modificador de Função são adicionados onde indicado à direita de combinações de funcao de
alarme.
(4) Usuários devem atribuir, quando necessário, significados:
a) Primeiro, para letras Escolha do Usuário [B] e [N] para identificar Funções e Modificadores de
Função não atribuídos à letra obrigatória.
b) Segundo, para vazios da Função Leitura/Passiva [C], [D], [F], [H], [J], [K], [M], [S], [T], [V], [Y],
e [Z]; vazios da Função Saída/Ativa [A], [D], [E], [F], [G], [H], [I], [J], [L], [M], [O], [P], [Q], [R], e
[W] para identificar funções não atribuídas à letra obrigatória.
c) Terceiro, para vazios do Modificador de Função [A], [E], [F], [G], [I], [J], [K], [P], [Q], [T], [U],
[V], [W], [Y], e [Z] para identificar Modificadores de Função não atribuidos à letra obrigatória.
(5) Disco de ruptura de pressão [PSE] e flink fusível [TSE] se aplicam a todos os sensores ou
elementos primários usados para proteger contra condições de emergência de pressão ou
temperatura.
(6) Função Leitura/Passiva [G] (glass, gauge) é mostrada para equipamentos locais montados
diretamente, tais como visores de vazão, visores de nível, manômetros, termômetros e também
para escalas de peso (balanças) e indicadores de posição. Estes equipamentos fornecem uma
vista simples de uma condição de processo. A Função Leitura/Passiva [I] (indicação) pode
continuar sendo usada em facilidades onde é normalmente usada.
(7) As combinações na Coluna [C] são usadas para:
a) Instrumentos de caixa simples discreta que não tem indicação visível para o operador da
variável medida, ponto de ajuste ou sinal de saida.
b) Funções do controlador configuradas em display compartilhado, sistema de controle
compartilhado, onde a indicação e registro são funções configuráveis disponíveis sob
demanda.
(8) As combinações nas colunas [IC] e [RC] indicam a ordem a ser seguida na formação da
Identificação Funcional de um equipamento ou funcao de controlador que também fornece
indicação ou registro.
(9) As combinações nas colunas [CV] Coluna indicam a ordem a ser seguida na formação da
Identificação Funcional de válvulas de controle auto-atuadas.
(10)Válvula de Segurança de Vazão [FSV] se aplica a válvulas usads para proteger contra excesso
de vazão de emergência ou perda da condição de vazão. Válvula de segurança de pressão
[PSV], e válvula de segurança de temperatura [TSV] se aplicam a válvulas usadas para proteger
contra condições de emergência de pressão e temperatura.
(11)Uma válvula de pressão auto-atuada que evita a operação de um sistema de fluido em uma
pressão maior do que a desejada liberando fluido do sistema é uma válvula de controle de
pressão a montante (backpressure) [PCV], mesmo se a válvula não é normalmente usada.
a) Esta válvula deve ser designada como uma válvula de segurança de pressão [PSV], se ela
protege contra condições de emergência perigosas para o pessoal ou equipamento que não
são esperados subir normalmente.
Tabela A.4 — Sufixos de Tag Número de Identificação e de Malha
(1) Substituir asterico no Número de Malha por qualquer digito de 0 a 9 ou qualquer combinação de
números.
(2) Pontuação mostrada é recomendada.
(3) Caso 1 e Caso 2 podem ser trocados ou um único caso pode ser usado para todas as
aplicações.

89 de 127
ISA-D 5.1

Tabela A.1 — Typical Malha e Instrument Identification/Tag Numbers


Note: Numbers in parentheses refer to explanatory notes in A.16.1.
Example: Diferencial pressão malha with a low alarm.
Typical Measured/Initiating Variable Malha Number – 10-P-*01ª (1)
(Malha Numbering Schemes: 1, 4, or 7)
10 - P - *01 A Malha Identification Number [A.4] (2)
A A Malha Number Suffix [A.10]
*01 *01 Malha Identification Number [A.6]
- - Optional Punctuation [A.11]
P P Measured/Initiating Variable letter [A.5]
- - Optional Punctuation [A.11]
10 10 Malha Number Prefix [(A.7)]
Typical First Letters Malha Number – AB-PD-*01ª (1)
(Malha Numbering Schemes: 2, 3, 5 , 6, 8, or 9)
AB - P D - *01 A Malha Identification Number [A.4] (2)
A A Malha Number Suffix [A.10]
*01 *01 Malha Identification Number [A.6]
- - Optional Punctuation [A.11]
D D Variable Modifier letter [A.5]
P P Measured/Initiating Variable letter [A.5]
P D PD First Letters [A.5]
- - Recommended Punctuation [A.11]
AB AB Malha Number Prefix [A.7]

Typical Instrument Identification/Tag Number – 10-PDAL-*01ª-1ª1 (1)

10 - P D A L - *01 A - 1 A1 Instrument Identification/Tag [A.8] (2)


A1 Additional Tag Number Suffixes [A.10]
- 1 1 First Tag Number Suffix [A.10]
- - Recommended Punctuation [A.11]
A A Malha Number Suffix [A.10]
*01 *01 Malha Identification Number [A.6]
- - Optional Punctuation [A.11]
L L Function Modifier letter [A.9]
A A Function Identification letter [A.9]
A L AL Succeeding Letters [A.9]
D D Variable Modifier letter (if required) [A.5]
P P Measured/Initiating Variable letter [A.5]
P D A L - PDAL Function Identification letters [A.9]
- - Optional Punctuation [A.11]
10 10 Malha Number Prefix [A.7]

90 de 127
ISA D5.1

Tabela A.2.1.1 — Allowable letter/number combinations para malha numbering


schemes 1,2 3, 4, 5, e 6 e first-letters A thru SZ
Note: Numbers in parentheses refer to explanatory notes in A.16.2.
First Letters (1) Scheme 1 Scheme 2 Scheme 3 Scheme 4 Scheme 5 Scheme 6
Paralela (2) Serial (2)
Measured/Initiating Variables Meas. / Init. Variable First Meas. / Init. Variable First
(w/ e w/o Modifiers) w/o Mod. w/ Mod. Letters w/o Mod. w/ Mod. Letters
A Análise A-*01 A-*01 A-*01 A-*01 A-*01 A-*01
AZ Análise(SIS) (3) AZ *02 AZ-*01 AZ-*02 AZ-*02
B Burner, Combustion B-*01 B-*01 B-*01 B-*02 B-*03 B-*03
BZ Burner, BZ *02 BZ-*01 BZ-*04 BZ-*04
C User’s Choice (4) C-*01 C-*01 C-*01 C-*03 C-*05 C-*05
D User’s Choice (4) D-*01 D-*01 D-*01 D-*04 D-*06 D-*06
E Voltage E-*01 E-*01 E-*01 E-*05 E-*07 E-*07
EZ Voltage(SIS) (3) E *02 EZ-*01 E-*08 E-*08
F Vazão, Vazão Rate F-*01 F-*01 F-*09 F-*09
FF Vazão Ratio FF-*02 FF-*01 FF-*10 FF-*10
FQ Vazão Total F-*01 FQ-*01 F-*06 FQ-*11 FQ-*11
FS Vazão Safety (5) FQ-*03 FS-*01 FS-*12 FS-*12
FZ Vazão(SIS) (3) FS-*04 FZ-*01 FZ-*13 FZ-*13
G User’s Choice (4) G-*01 G-*01 G-*01 G-*07 G-*14 G-*14
H He H-*01 H-*01 H-*01 H-*08 H-*15 H-*15
HZ He(SIS) (3) HZ *01 HZ-*01 HZ-*16 HZ-*16
I Current I-*01 I-*01 I-*01 I-*09 I-*17 I-*17
IZ Current(SIS) (3) IZ *02 IZ-*01 IZ-*18 IZ-*18
J Power J-*01 J-*01 J-*19 J-*19
JQ Power Totalize J-*01 JD-*02 JD-*01 J-*10 JD-*20 JD-*20
JZ Power(SIS) (3) JZ *03 JZ-*01 JZ-*21 JZ-*21
K Time, Schedule K-*01 K-*01 K-*01 K-*11 K-*22 K-*22
KQ Time Totalize KQ *02 KQ-*01 KQ-*23 KQ-*23
L Nível L-*01 L-*01 L-*01 L-*12 L-*24 L-*24
LZ Nível(SIS) (3) LZ *02 LZ-*01 LZ-*25 LZ-*25
M User’s Choice (4) M-*01 M-*01 M-*01 M-*13 M-*26 M-*26
N User’s Choice (4) N-*01 N-*01 N-*01 N-*14 N-*27 N-*27
O User’s Choice (4) O-*01 O-*01 O-*01 O-*15 O-*28 O-*28
P Pressão P-*01 P-*01 P-*29 P-*29
PD Pressão Diferencial PD-*02 PD-*01 PD-*30 PD-*30
PF Pressão Ratio PF-*03 PF-*01 PF-*31 PF-*31
PJ Pressão Scan P-*01 PJ-*01 P-*16 PJ-*32 PJ-*32
PK Pressão Rate of PJ-*04 PK-*01 PK-*33 PK-*33
PS Pressão Safety (5) PK-*05 PS-*01 PS-*34 PS-*34
PZ Pressão(SIS) (3) PS *06 PZ-*01 PZ-*35 PZ-*35
Q Quantity Q-*01 Q-*01 Q-*01 Q-*17 Q-*36 Q-*36
QQ Quantity Totalize QQ *02 QQ-*01 QQ-*37 QQ-*37
R Radiation R-*01 R-*01 R-*38 R-*38
RQ Radiation Totalize R-*01 RQ-*02 RQ-*01 R-*18 RQ-*39 RQ-*39
RZ Radiation(SIS) (3) RZ *03 RZ-*01 RZ-*40 RZ-*40
S Speed, Frequency S-*01 S-*01 S-*01 S-*19 S-*41 S-*41
SZ Speed(SIS) (3) SZ *02 SZ-*01 SZ-*42 SZ-*42

91 de 127
ISA-D 5.1

Tabela A.2.1.2 — Allowable letter/number combinations para malha numbering


schemes 1,2 3, 4, 5, e 6 e first-letters T thru ZDZ
Note: Numbers in parentheses refer to explanatory notes in A.16.2.
First Letters (1) Scheme 1 Scheme 2 Scheme 3 Scheme 4 Scheme 5 Scheme 6
Paralela (2) Serial (2)
Measured/Initiating Variables Meas. / Init. Variable First Meas. / Init. Variable First
(w/ e w/o Modifiers) (1) w/o Mod. w/ Mod. Letters w/o Mod. w/ Mod. Letters
T Temperatura T-*01 T-*01 T-*43 T-*43
TD Temperatura Diferencial TD-*02 TD-*01 TD-*44 TD-*44
TF Temperatura Ratio TF-*03 TF-*01 TF-*45 TF-*45
TJ Temperatura Scan T-*01 TJ-*01 T-*20 TJ-*46 TJ-*46
TK Temperatura Rate of TJ-*04 TK-*01 TK-*47 TK-*47
TS Temperatura Safety (5) TK-*05 TS-*01 TS-*48 TS-*48
TZ Temperatura(SIS) (3) TS *06 TZ-*01 TZ-*49 TZ-*49
U Multivariable U-*01 U-*01 U-*50 U-*50
UJ Multivariable Scan U-*01 UJ-*02 UJ-*01 U-*21 UJ-*51 UJ-*51
UZ Multivariable(SIS) (3) UZ *03 UZ-*01 UZ-*52 UZ-*52
V Vibration, Machinery V-*01 V-*01 V-*53 V-*53
VZ Vibration(SIS) (3) (6) VZ-*05 VZ-*01 VZ-*54 VZ-*54
VX Vibration X-Axis VX-*02 VX-*01 VX-*55 VX-*55
VY Vibration Y-Axis V-*01 VY-*03 VY-*01 V-*22 VY-*56 VY-*56
VZ Vibration Z-Axis VZ-*04 VZ-*01 VZ-*57 VZ-*57
VZX Vibration X-Axis(SIS) VZX-*06 VZX-*01 VZX-*58 VZX-*58
VZY Vibration Y-Axis(SIS) VZY-*07 VZY-*01 VZY-*59 VZY-*59
VZZ Vibration Z-Axis(SIS) VZZ-*08 VZZ-*01 VZZ-*60 VZZ-*60
W Weight, Parace W-*01 W-*01 W-*61 W-*61
WZ Parace(SIS) (3) (6) WZ-*02 WZ-*01 WZ-*62 WZ-*62
WD Weight Diferencial WD-*03 WD-*01 WD-*63 WD-*63
WF Weight Ratio WF-*01 WF-*65 WF-*65
WK Weight Loss (Gain) WF-*04 WK-*01 WK-*66 WK-*66
WQ Weight Total W-*01 WK-*05 WQ-*01 W-*23 WQ-*67 WQ-*67
WX Parace X Axis WQ-*06 WX-*01 WX-*68 WX-*68
WY Parace Y Axis WY-*01 W-Y*69 W-Y*69
WZ Parace Z Axis WX-*07 WZ-*01 WZ-*70 WZ-*70
WZX Parace X Axis(SIS) (3) WY-*08 WZX-*01 WZX-*71 WZX-*71
WZY Parace Y Axis(SIS) (3) WZ-*09 WZY-*01 WZY-*72 WZY-*72
WZZ Parace Z Axis(SIS) (3) WZ *10 WZZ-*01 WZZ-*73 WZZ-*73
X Unclassified X-*01 X-*01 X-*01 X-*24 X-*74 X-*74
Y Event, State, Presence Y-*01 Y-*01 Y-*01 Y-*25 Y-*75 Y-*75
YZ Event, State(SIS) (3) YZ *02 YZ-*01 YZ-*76 YZ-*76
Z Position, Dimension Z-*01 Z-*01 Z-*77 Z-*77
ZZ Position(SIS) (3) (6) ZZ-*02 ZZ-*01 ZZ-*78 ZZ-*78
ZX Position X Axis ZX-*03 ZX-*01 ZX-*79 ZX-*79
ZY Position Y Axis ZY-*04 ZY-*01 ZY-*80 ZY-*80
ZZ Position Z Axis ZZ-*05 ZZ-*01 ZZ-*81 ZZ-*81
ZZX Position X Axis(SIS) (3) Z-*01 ZZX-*06 ZZX-*01 Z-*26 ZZX-*82 ZZX-*82
ZZY Position Y Axis(SIS) (3) ZZY-*07 ZZY-*01 ZZY-*83 ZZY-*83
ZZZ Position Z Axis(SIS) (3) ZZZ-*08 ZZZ-*01 ZZZ-*84 ZZZ-*84
ZD Position Difference ZD-*09 ZD-*01 ZD-*85 ZD-*85
ZDX Position Difference X ZDX-*10 ZDX-*01 ZDX-*86 ZDX-*86
ZDY Position Difference Y ZDY-*11 ZDY-*01 ZDY-*87 ZDY-*87
ZDZ Position Difference Z ZDZ-*12 ZDZ-*01 ZDZ-*88 ZDZ-*88

92 de 127
ISA D5.1

Tabela A.2.2.1 — Allowable letter/number combinations para malha numbering


schemes 7, 8, e 9 e first-letters A thru SZ
Note: Numbers in parentheses refer to explanatory notes in A. 16.2.
First Letters (1) Scheme 7 Scheme 8 Scheme 9
Paralela (2) Serial (2) Paralela (2) Serial (2) Paralela (2) Serial (2)
Measured/Initiating Variables Measured/Initiating Variable First Letters
(w/ e w/o Modifiers) w/o Modifiers w/Modifiers
A Análise A-*01 A-*01 A-*01
AZ Análise(SIS) (3) AZ *02 AZ-*01
B Burner, Combustion B-*01 B-*01 B-*01
BZ Burner, BZ-*02 BZ-*02
C User’s Choice (4) C-*02 C-*03 C-*03
D User’s Choice (4) D-*03 D-*04 D-*04
E Voltage E-*04 E-*05 E-*05
EZ Voltage(SIS) (3) EZ-*06 EZ-*06
F Vazão, Vazão Rate F-*01 F-*01
FF Vazão Ratio FF-*02 FF-*01
FQ Vazão Total F-*01 FQ-*01
FS Vazão Safety (5) FQ-*03 FS-*01
FZ Vazão(SIS) (3) FS-*04 FZ-*01
G User’s Choice (4) G-*05 G-*07 G-*07
H He H-*06 H-*08 H-*08
HZ He(SIS) (3) HZ-*09 HZ-*09
I Current I-*07 I-*10 I-*10
IZ Current(SIS) (3) IZ-*11 IZ-*11
J Power J-*12 J-*12
JQ Power Totalize J-*08 JQ-*13 JQ-*13
JZ Power(SIS) (3) JZ-*14 JZ-*14
K Time, Schedule K-*09 K-*15 K-*15
KQ Time Totalize KQ-*16 KQ-*16
L Nível L-*01 L-*01 L-*01
LZ Nível(SIS) (3) LZ *02 LZ-*01
M User’s Choice (4) M-*10 M-*17 M-*17
N User’s Choice (4) N-*11 N-*18 N-*18
O User’s Choice (4) O-*12 O-*19 O-*19
P Pressão P-*01 P-*01
PD Pressão Diferencial PD-*02 PD-*01
PF Pressão Ratio PF-*03 PF-*01
PJ Pressão Scan P-*01 PJ-*01
PK Pressão Rate of PJ-*04 PK-*01
PS Pressão Safety (5) PK-*05 PS-*01
PZ Pressão(SIS) (3) PS-*06 PZ-*01
Q Quantity Q-*13 Q-*20 Q-*20
QQ Quantity Totalize QQ-*21 QQ-*21
R Radiation R-*22 R-*22
RQ Radiation Totalize R-*14 RQ-*23 RQ-*23
RZ Radiation(SIS) (3) RZ-*24 RZ-*24
S Speed, Frequency S-*15 S-*25 S-*25
SZ Speed(SIS) (3) SZ-*26 SZ-*26

93 de 127
ISA-D 5.1

Tabela A.2.2.2 — Allowable letter/number combinations para malha numbering


schemes 7, 8, e 9 e first-letters T thru ZDZ
Note: Numbers in parentheses refer to explanatory notes in A. 16.2.
First Letters (1) Scheme 7 Scheme 8 Scheme 9
Paralela (2) Serial (2) Paralela (2) Serial (2) Paralela (2) Serial (2)
Measured/Initiating Variables Measured/Initiating Variable First Letters
(w/ e w/o Modifiers) w/o Modifiers w/Modifiers
T Temperatura T-*01 T-*01
TD Temperatura Diferencial TD-*02 TD-*01
TF Temperatura Ratio TF-*03 TF-*01
TJ Temperatura Scan T-*01 TJ-*01
TK Temperatura Rate of TJ-*04 TK-*01
TS Temperatura Safety (5) TK-*05 TS-*01
TZ Temperatura(SIS) (3) TS *06 TZ-*06
U Multivariable U-*27 U-*27
UJ Multivariable Scan U-*16 UJ-*28 UJ-*28
UZ Multivariable(SIS) (3) UJ-*29 UJ-*29
V Vibration, Machinery V-*30 V-*30
VZ Vibration(SIS) (3) (6) VZ-*31 VZ-*31
VX Vibration X-Axis VX-*32 VX-*32
VY Vibration Y-Axis V-*17 VY-*33 VY-*33
VZ Vibration Z-Axis VZ-*34 VZ-*34
VZX Vibration X-Axis(SIS) VZX-*35 VZX-*35
VZY Vibration Y-Axis(SIS) VZY-*36 VZY-*36
VZZ Vibration Z-Axis(SIS) VZZ-*37 VZZ-*37
W Weight, Parace W-*38 W-*38
WZ Parace(SIS) (3) (6) WZ-*39 WZ-*39
WD Weight Diferencial WD-*40 WD-*40
WF Weight Ratio WF-*41 WF-*41
WK Weight Loss (Gain) WK-*42 WK-*42
WQ Weight Total W-*18 WQ-*43 WQ-*43
WX Parace X Axis WX-*44 WX-*44
WY Parace Y Axis WY-*45 WY-*45
WZ Parace Z Axis WZ-*46 WZ-*46
WZX Parace X Axis(SIS) (3) WZX-*47 WZX-*47
WZY Parace Y Axis(SIS) (3) WZY-*48 WZY-*48
WZZ Parace Z Axis(SIS) (3) WZZ-*49 WZZ-*49
X Unclassified X-*19 X-*50 X-*50
Y Event, State, Presence Y-*20 Y-*51 Y-*51
YZ Event, State(SIS) (3) YZ-*52 YZ-*52
Z Position, Dimension Z-*53 Z-*53
ZZ Position(SIS) (3) (6) ZX-*54 ZX-*54
ZX Position X Axis ZY-*55 ZY-*55
ZY Position Y Axis ZZ-*56 ZZ-*56
ZZ Position Z Axis ZZ-*57 ZZ-*57
ZZX Position X Axis(SIS) (3) Z-*21 ZZX-*58 ZZX-*58
ZZY Position Y Axis(SIS) (3) ZZY-*59 ZZY-*59
ZZZ Position Z Axis(SIS) (3) ZZZ-*60 ZZZ-*60
ZD Position Difference ZD-*61 ZD-*61
ZDX Position Difference X ZDX-*62 ZDX-*62
ZDY Position Difference Y ZDY-*63 ZDY-*63
ZDZ Position Difference Z Axis ZDZ-*64 ZDZ-*64

94 de 127
ISA D5.1

Tabela A.3.1.1 — Allowable succeeding letter combinations para readout/passive


function letters A, B, e E e first-letters A thru SZ (1)
Note: Numbers in parentheses refer to explanatory notes in A.16.3.
First Letters (2) A B (4) E
Alarm User’s Primary
Measured/Initiating Variables Absolute Deviation Choice Element
(w/ e w/o Modifiers) A [*] (3) AD [*] (3)
A Análise AA[*] [*] = AAD[*] AE
AZ Análise(SIS) AZA[*] NA AZE
B Burner, Combustion BA[*] Function BAD[*] BE
BZ Burner, BZA[*] Modifier NA BZE
C User’s Choice
D User’s Choice
E Voltage EA[[*] None EAD[*] EE
EZ Voltage(SIS) EZA[*] NA EZE
F Vazão, Vazão Rate FA[*] High-High FAD[*] FE
FF Vazão Ratio FFA[* HH FFAD[*] FFE
FQ Vazão Total FQA[*] FQAD[*] [*] = FQE
FS Vazão Safety NA High NA NA
Function
FZ Vazão(SIS) FZA[*] H NA FZE
G User’s Choice Modifier
Low
H He HA[*] NA NA
HZ HZA[*] L NA NA
He(SIS) None
I Current IA[*] Low-Low IAD[*] IE
IZ Current(SIS) IZA[*] LL NA IZE
J Power JA[*] JAD[*] High-High JE
Middle
JQ Power Totalize JQA[*] NA HH JE
JZ Power(SIS) JZA[*] M NA JZE
High
K Time, Schedule KA[*] KAD[*] NA
KQ KQA[*] NA H NA
Time Totalize Open
L Nível LA[*] LAD[*] Low LE
LZ LZA[*] O NA LZE
Nível(SIS) L
M User’s Choice Close
Low-Low
N User’s Choice C
O User’s Choice LL
P Pressão PA[*] PAD[*] PE
PD PDA[*] Run PDAD[*] PDE
Pressão Diferencial User’s Choice
PF Pressão Ratio PFA[*] R PFAD[*] PE
PJ PJA[*] NA B&N PE
Pressão Scan Stop
PK Pressão Rate of PKA[*] S PKAD[*] PE
PS Pressão Safety NA NA PSE (5)
PZ Pressão(SIS) PZA[*] NA PZE
Q Quantity QA[*] User’s Choice QAD[*] QE
QQ Quantity Totalize QQA[*] B&N NA QE
R Radiation RA[*] RAD[*] RE
RQ Radiation Totalize RQA[*] NA RE
RZ Radiation(SIS) RZA[*] Unclassified NA RZE
S Speed, Frequency SA[*] X SAD[*] SE
SZ Speed(SIS) SZA[* SZE

95 de 127
ISA-D 5.1

Tabela A.3.1.2 — Allowable succeeding letter combinations para readout/passive


function letters A, B, e E e first-letters T thru ZDZ (1)
Note: Numbers in parentheses refer to explanatory notes in A.15.3.
First Letters (2) A B (5) E
Alarm User’s Primary
Measured/Initiating Variables Absolute Deviation Choice Element
(w/ e w/o Modifiers) A [*] (3) AD [*] (3)
T Temperatura TA[*] TAD[*] TE
TD Temperatura Diferencial TDA[*] TDAD[*] TDE
TF Temperatura Ratio TFA[*] ][*] = TFAD[*] TE
TJ Temperatura Scan TJA[*] Function NA TJE
TK Temperatura Rate of TKA[*] TKAD[*] TE
TS Temperatura Safety NA Modifier NA TSE (5)
TZ Temperatura(SIS) TZA[*] NA TZE
U Multivariable UA[*] None NA NA
UJ Multivariable Scan UJA[*]] NA NA
UZ Multivariable(SIS) UZA[*] NA NA
V Vibration, Machinery VA[*] High-High VAD[*] VE
VZ Vibration(SIS) VZA[*] HH NA VZE
VX Vibration X-Axis VXA[*] VXAD[*] [*] = VXE
High
VY Vibration Y-Axis VYA[*] VYAD[*] Function VYE
VZ VZA[*] H VZAD[*] VZE
Vibration Z-Axis Modifier
VZX Vibration X-Axis(SIS) VZXA[*] Low NA VZXE
VZY Vibration Y-Axis(SIS) VZYA[*] L NA VZYE
VZZ Vibration Z-Axis(SIS) VZZA[*] NA None VZZE
Low-Low
W Weight, Parace WA[*] WAD[*] WE
WZ Parace(SIS) WZA[*] LL NA WZE
High-High
WD Weight Diferencial WDA[*] Middle WDAD[*] WE
WF WFA[*] WFAD[*] HH WE
Weight Ratio M
WK Weight Loss (Gain) WKA[*] WKAD[*] High WE
WQ Weight Total WQA[*] WQAD[*] H WE
WX Parace X Axis WXA[*] Open WXAD[*] WXE
Low
WY Parace Y Axis WAY[*] O WYAD[*] WYE
WZ Parace Z Axis WZA[*] WZAD[*] L WZE
Close
WZX Parace X Axis(SIS) WZXA[*] NA Low-Low WZXE
WZY WZYA[*] C NA WZYE
Parace Y Axis(SIS) LL
WZZ Parace Z Axis(SIS) WZZA[*] NA WZZE
X Unclassified XA[*] Run XAD[*] XE
Y Event, State, Presence YA[*] NA User’s Choice YE
R
YZ Event, State(SIS) YZA[*] NA B&N YZE
Z Position, Dimension ZA[*] Stop ZAD[*] ZE
ZX Position(SIS) ZXA[*] S ZXAD[*] ZXE
ZY Position X Axis ZYA[*] ZYAD[*] ZYE
ZZ Position Y Axis ZZA[*] User’s Choice ZZAD[*] ZZE
ZZ Position Z Axis ZZA[*] NA ZZE
ZZX Position X Axis(SIS) ZZXA[*] B&N NA ZZXE
ZZY Position Y Axis(SIS) ZZYA[*] NA ZZYE
ZZZ Position Z Axis(SIS) ZZZA[*] Unclassified NA ZZZE
ZD Position Difference ZDA[*] ZDAD[*] ZDE
ZDX Position Difference X ZDXA[*] X ZDXAD[* ZDXE
ZDY Position Difference Y ZDYA[*] ZDYAD[* ZDYE
ZDZ Position Difference Z ZDZA[*] ZDZAD[*] ZDZE

96 de 127
ISA D5.1

Tabela A.3.2.1 — Allowable succeeding letter combinations para readout/passive


function letters G, I, L, N, e O e first-letters A thru SZ (1)
Note: Numbers in parentheses refer to explanatory notes in A.16.3.
First Letters (2) G (6) I L N (4) O
Gauge, User’s Orifice,
Measured/Initiating Variables Indicate Light
Glass Choice Restriction
(w/ e w/o Modifiers)
A Análise NA AI AL NA
AZ Análise(SIS) NA AZI AZL NA
B Burner, Combustion BG* BI BL NA
BZ Burner, NA BZI BZL NA
C User’s Choice
D User’s Choice
E Voltage EG EI EL EO
EZ Voltage(SIS) NA EZI EZL NA
F Vazão, Vazão Rate FG FI FL FO
FF Vazão Ratio NA FFI NA NA
FQ Vazão Total NA FQI NA NA
FS Vazão Safety NA NA NA NA
FZ Vazão(SIS) NA FZI FZL NA
G User’s Choice
H He NA HI NA NA
HZ He(SIS) NA NA NA NA
I Current IG II IL IO
IZ Current(SIS) NA IZI IZL
J Power JG JI JL JO
JQ Power Totalize NA JQI NA
JZ Power(SIS) NA JZI JZL NA
K Time, Schedule KG KI KL NA
KQ Time Totalize KQG KQI KQL NA
L Nível LG LI LL NA
LZ Nível(SIS) NA LZI LZL NA
M User’s Choice
N User’s Choice
O User’s Choice
P Pressão PG PI PL NA
PD Pressão Diferencial PDG PDI PDL NA
PF Pressão Ratio NA PFI NA NA
PJ Pressão Scan NA NA NA NA
PK Pressão Rate of NA PKI PKL NA
PS Pressão Safety NA NA NA NA NA
PZ Pressão(SIS) NA PZI PZL NA
Q Quantity NA QI QL NA
QQ Quantity Totalize NA QQI QQL NA
R Radiation RG RI RL NA
RQ Radiation Totalize NA RQI RQL NA
RZ Radiation(SIS) NA RZI RZL NA
S Speed, Frequency SG SI SL NA
SZ Speed(SIS) NA SZI SZL NA

97 de 127
ISA-D 5.1

Tabela A.3.2.2 — Allowable succeeding letter combinations para readout/passive


function letters G, I, L, N, e O e first-letters T thru ZDZ (1)
Note: Numbers in parentheses refer to explanatory notes in A.16.3.
First Letters (2) G (6) I L N (4) O
Gauge, User’s Orifice,
Measured/Initiating Variables Indicate Light
Glass Choice Restriction
(w/ e w/o Modifiers)
T Temperatura TG TI TL NA
TD Temperatura Diferencial TDG TDI TDL NA
TF Temperatura Ratio NA TFI NA NA
TJ Temperatura Scan NA TJI NA NA
TK Temperatura Rate of NA TKI NA NA
TS Temperatura Safety NA NA NA NA
TZ Temperatura(SIS) NA TZI TZL NA
U Multivariable NA UI NA NA
UJ Multivariable Scan NA UJI NA NA
UZ Multivariable(SIS) NA UZI UZL NA
V Vibration, Machinery VG VI VL NA
VZ Vibration(SIS) NA VZI VZL NA
VX Vibration X-Axis VXG VXI VXL NA
VY Vibration Y-Axis VYG VYI VYL NA
VZ Vibration Z-Axis VZG VZI VZL NA
VZX Vibration X-Axis(SIS) NA VZXI VZXL NA
VZY Vibration Y-Axis(SIS) NA VZYI VZYL NA
VZZ Vibration Z-Axis(SIS) NA VZZI VZZL NA
W Weight, Parace WG WI WL NA
WZ Parace(SIS) NA NA NA NA
WD Weight Diferencial NA WDI WDL NA
WF Weight Ratio NA WFI NA NA
WK Weight Loss (Gain) NA WKI WQL NA
WQ Weight Total NA WQI NA NA
WX Parace X Axis NA WXI WXL NA
WY Parace Y Axis NA WAI WYL NA
WZ Parace Z Axis NA WZI WZL NA
WZX Parace X Axis(SIS) NA NA NA NA
WZY Parace Y Axis(SIS) NA NA NA NA
WZZ Parace Z Axis(SIS) NA NA NA NA
X Unclassified XG XI XL NA
Y Event, State, Presence NA YI YL NA
YZ Event, State(SIS) NA YZI YZL NA
Z Position, Dimension ZG ZI ZL NA
ZX Position(SIS) ZXG ZXI ZXL NA
ZY Position X Axis ZYG ZYI ZYL NA
ZZ Position Y Axis ZZG ZZI ZZL NA
ZZ Position Z Axis NA ZZI ZZL NA
ZZX Position X Axis(SIS) NA NA NA NA
ZZY Position Y Axis(SIS) NA NA NA NA
ZZZ Position Z Axis(SIS) NA NA NA NA
ZD Position Difference ZDG ZDI ZDL NA
ZDX Position Difference X ZDXG ZDXI ZDXL NA
ZDY Position Difference Y ZDYG ZDYI ZDYL NA
ZDZ Position Difference Z ZDZG ZDZI ZDZL NA

98 de 127
ISA D5.1

Tabela A.3.3.1 — Allowable succeeding letter combinations para readout/passive


function letters P, Q, R, W, e X e first-letters A thru SZ (1)
Note: Numbers in parentheses refer to explanatory notes in A.16.3.
First Letters (2) P Q R W X
Point
Integrate, Well,
Measured/Initiating Variables (Test Record Unclassified
Total Probe
(w/ e w/o Modifiers) Connection)
A Análise AP NA AR AW AX
AZ Análise(SIS) AZP NA AZR AZW NA
B Burner, Combustion BP NA BR BW BX
BZ Burner, BZP NA BZR BZW NA
C User’s Choice
D User’s Choice
E Voltage EP NA ER NA EX
EZ Voltage(SIS) EZP NA EZR NA NA
F Vazão, Vazão Rate FP FQ FR NA FX
FF Vazão Ratio NA NA FFR NA FFX
FQ Vazão Total NA NA FQR NA FQX
FS Vazão Safety NA NA NA NA NA
FZ Vazão(SIS) FZP NA FZR NA NA
G User’s Choice
H He NA NA HR NA HX
HZ He(SIS) NA NA HZR NA NA
I Current IP NA IR NA IX
IZ Current(SIS) IZP NA IZR NA IZX
J Power JP JQ JR NA JX
JQ Power Totalize JP NA JQR NA JQX
JZ Power(SIS) JZP NA JZR NA NA
K Time, Schedule NA KQ KR NA KX
KQ Time Totalize NA NA KQR NA KQX
L Nível LP NA LR LW LX
LZ Nível(SIS) NA NA LRZ NA NA
M User’s Choice
N User’s Choice
O User’s Choice
P Pressão PP NA PR NA PX
PD Pressão Diferencial NA NA PDR NA PDX
PF Pressão Ratio NA NA PFR NA PFX
PJ Pressão Scan NA NA PJR NA NA
PK Pressão Rate of NA NA PKR NA PKX
PS Pressão Safety NA NA NA NA NA
PZ Pressão(SIS) PZP NA PZR NA NA
Q Quantity NA QQ QR NA QX
QQ Quantity Totalize NA NA QQR NA QQX
R Radiation RP RQ RR NA RX
RQ Radiation Totalize NA NA RQR NA RQX
RZ Radiation(SIS) RZP NA RZR NA NA
S Speed, Frequency SP NA SR NA SX
SZ Speed(SIS) SZP NA SZR NA NA

99 de 127
ISA-D 5.1

Tabela A.3.3.2 — Allowable succeeding letter combinations para readout/passive


function letters P, Q, R, W, e X e first-letters T thru ZDZ (1)
Note: Numbers in parentheses refer to explanatory notes in A.16.3.
First Letters (2) P Q R W X
Point
Integrate, Well,
Measured/Initiating Variables (Test Record Unclassified
Total Probe
((w/ e w/o Modifiers)) Connection)
T Temperatura TP NA TR TW TX
TD Temperatura Diferencial NA NA TDR NA TDX
TF Temperatura Ratio NA NA TFR NA TFX
TJ Temperatura Scan NA NA TJR NA TJX
TK Temperatura Rate of NA NA TKR NA TKX
TS Temperatura Safety NA NA NA NA NA
TZ Temperatura(SIS) TZP NA TZR TZW NA
U Multivariable NA NA UR NA UX
UJ Multivariable Scan NA NA UJR NA UJX
UZ Multivariable(SIS) NA NA UZR NA UZX
V Vibration, Machinery VP NA VR VW VX
VZ Vibration(SIS) VZP NA VZR VZW NA
VX Vibration X-Axis VXP NA VXR VXW VXX
VY Vibration Y-Axis VYP NA VYR VYW VYX
VZ Vibration Z-Axis VZP NA VZR VZW VZX
VZX Vibration X-Axis(SIS) NA NA NA VZXW NA
VZY Vibration Y-Axis(SIS) NA NA NA VZYW NA
VZZ Vibration Z-Axis(SIS) NA NA NA VZZW NA
W Weight, Parace NA NA WR NA WX
WZ Parace(SIS) NA NA XR NA NA
WD Weight Diferencial NA NA WDR NA WDX
WF Weight Ratio NA NA WFR NA WFX
WK Weight Loss (Gain) NA NA WKR NA WKX
WQ Weight Total NA NA WQR NA WQX
WX Parace X Axis NA NA WXR NA WXX
WY Parace Y Axis NA NA WAR NA WAX
WZ Parace Z Axis NA NA WZR NA WZX
WZX Parace X Axis(SIS) NA NA WZXR NA NA
WZY Parace Y Axis(SIS) NA NA WZYR NA NA
WZZ Parace Z Axis(SIS) NA NA WZZR NA NA
X Unclassified XP XQ XR XW XX
Y Event, State, Presence NA NA YR NA YX
YZ Event, State(SIS) NA NA YZR NA YZX
Z Position, Dimension NA NA ZR NA ZX
ZX Position(SIS) NA NA ZXR NA ZXX
ZY Position X Axis NA NA ZYR NA ZYX
ZZ Position Y Axis NA NA ZZR NA ZZX
ZZ Position Z Axis NA NA ZZR NA NA
ZZX Position X Axis(SIS) NA NA ZZXR NA NA
ZZY Position Y Axis(SIS) NA NA ZZYR NA NA
ZZZ Position Z Axis(SIS) NA NA ZZZR NA NA
ZD Position Difference ZDP NA ZDR ZDW ZDX
ZDX Position Difference X ZDXP NA ZDXR ZDXW ZDXX
ZDY Position Difference Y ZDYP NA ZDYR ZDYW ZDYX
ZDZ Position Difference Z ZDZP NA ZDZR ZDZW ZDZX

100 de 127
ISA D5.1

Tabela A.3.4.1 — Allowable succeeding letter combinations para output/active


function letters B, C, e K e first-letters A thru SZ (1)
Note: Numbers in parentheses refer to explanatory notes in A.15.3.
First Letters (2) B (4) C K
Indicating Recording Control
User’s Controller Control
Measured/Initiating Variables Controller Controller Valve
Choice Station
((w/ e w/o Modifiers)) C (7) IC (8) RC (8) CV (9)
A Análise AC AIC ARC NA AK
AZ Análise(SIS) AZC AZIC AZRC NA NA
B Burner, Combustion BC BIC BRC NA BK
BZ Burner, BZC BZIC BZRC NA NA
C User’s Choice
D User’s Choice
E Voltage EC EIC ERC NA EK
EZ Voltage(SIS) EZC EZIC EZRC NA NA
F Vazão, Vazão Rate FC FIC FRC FCV FK
FF Vazão Ratio FFC FFIC FFRC NA FFK
FQ Vazão Total FQC FQIC FQRC FQCV FQK
FS Vazão Safety NA NA NA FSV (10) NA
FZ Vazão(SIS) FZC FZIC FZRC NA NA
G User’s Choice
H He HC HIC HRC HCV NA
HZ He(SIS) HZC HZIC HZRC NA NA
I Current IC IIC IRC NA IK
IZ Current(SIS) IZC IZIC IZRC NA NA
J Power JC JIC JRC NA JK
JQ Power Totalize JQC JQIC JQRC NA JQK
JZ Power(SIS) JZC JZIC JZRC NA NA
K Time, Schedule KC KIC KRC NA KK
KQ Time Totalize KQC KQIC KQRC NA NA
L Nível LC LIC LRC LCV LK
LZ Nível(SIS) LZC LZIC LZRC NA NA
M User’s Choice
N User’s Choice
O User’s Choice
P Pressão PC PIC PRC PCV (11) PK
PD Pressão Diferencial PDC PDIC PDRC PDCV PDK
PF Pressão Ratio PFC PFIC PFRC NA PFK
PJ Pressão Scan NA NA NA NA NA
PK Pressão Rate of PKC PKIC PKRC NA PKK
PS Pressão Safety NA NA NA PSV (10) NA
PZ Pressão(SIS) PZC PZIC PZRC NA NA
Q Quantity QC QIC QRC NA QK
QQ Quantity Totalize QQC QQIC QQRC NA QQK
R Radiation RC RIC RRC NA RK
RQ Radiation Totalize RQC RQIC RQRC NA RQK
RZ Radiation(SIS) RZC RZIC RZRC NA NA
S Speed, Frequency SC SIC SRC SCV SK
SZ Speed(SIS) SZC SZIC SZRC SZCV NA

101 de 127
ISA-D 5.1

Tabela A.3.4.2 — Allowable succeeding letter combinations para output/active


function letters B, C, e K e first-letters T thru ZDZ (1)
Note: Numbers in parentheses refer to explanatory notes in A.15.3.
First Letters (2) B C K
Indicating Recording Control
User’s Controller Control
Measured/Initiating Variables Controller Controller Valve
Choice Station
((w/ e w/o Modifiers)) C (4)(5) IC RC (3) CV (6)
T Temperatura TC TIC TRC TCV TK
TD Temperatura Diferencial TDC TDIC TDRC NA TDK
TF Temperatura Ratio TFC TFIC TFRC NA TFK
TJ Temperatura Scan NA NA NA NA NA
TK Temperatura Rate of TKC TKIC TKRC NA TKK
TS Temperatura Safety NA NA NA TSV (10) NA
TZ Temperatura(SIS) TZC TZIC TZRC NA NA
U Multivariable UC UIC URC NA NA
UJ Multivariable Scan NA NA NA NA NA
UZ Multivariable(SIS) UZC UZIC UZRC NA NA
V Vibration, Machinery VC VIC VRC NA VK
VZ Vibration(SIS) VZC VZIC VZRC NA NA
VX Vibration X-Axis VXC VXIC VXRC NA NA
VY Vibration Y-Axis VYC VYIC VYRC NA NA
VZ Vibration Z-Axis VZC VZIC VZRC NA NA
VZX Vibration X-Axis(SIS) VZXC VZXIC VZXRC NA NA
VZY Vibration Y-Axis(SIS) VZYC VZYIC VZYRC NA NA
VZZ Vibration Z-Axis(SIS) VZZC VZZIC VZZRC NA NA
W Weight, Parace WC WIC WRC WCV WK
WZ Parace(SIS) WZC WZIC WZRC NA NA
WD Weight Diferencial WDC WDIC WDRC NA WDK
WF Weight Ratio WFC WFIC WFRC NA WFK
WK Weight Loss (Gain) WKC WKIC WKRC NA WKK
WQ Weight Total WQC WQIC WQRC NA WQK
WX Parace X Axis WXC WXIC WXRC NA WXK
WY Parace Y Axis WYC WYIC WYRC NA WYK
WZ Parace Z Axis WZC WZIC WZRC NA WZK
WZX Parace X Axis(SIS) WXC WXIC WXRC NA NA
WZY Parace Y Axis(SIS) WYC WYIC WYRC NA NA
WZZ Parace Z Axis(SIS) WZC WZIC WZRC NA NA
X Unclassified XC XIC XRC NA XK
Y Event, State, Presence YC YIC YRC NA YK
YZ Event, State(SIS) YZC YZIC YZRC NA NA
Z Position, Dimension ZC ZIC ZRC NA ZK
ZX Position(SIS) ZXC ZXIC ZXRC NA ZXK
ZY Position X Axis ZYC ZYIC ZYRC NA ZYK
ZZ Position Y Axis ZZC ZZIC ZZRC NA ZZK
ZZ Position Z Axis ZZC ZZIC ZZRC NA NA
ZZX Position X Axis(SIS) ZZXC ZZXIC ZZXRC NA NA
ZZY Position Y Axis(SIS) ZZYC ZZYIC ZZYRC NA NA
ZZZ Position Z Axis(SIS) ZZZC ZZZIC ZZZRC NA NA
ZD Position Difference ZDC ZDIC ZDRC NA ZDK
ZDX Position Difference X ZDXC ZDXIC ZDXRC NA ZDXK
ZDY Position Difference Y ZDYC ZDYIC ZDYRC NA ZDYK
ZDZ Position Difference Z ZDZC ZDZIC ZDZRC NA ZDZK

102 de 127
ISA D5.1

Tabela A.3.5.1 — Allowable succeeding letter combinations para output/active


function letters N, S, e T e first-letters A thru SZ (1)
Note: Numbers in parentheses refer to explanatory notes in A.15.3.

First Letters (2) N S T


Indicating Recording
Transmitte
User’s Switch Transmitte Transmitte
Measured/Initiating Variables r
Choice r r
((w/ e w/o Modifiers))
S [*] (3) T IT S
A Análise AS[*] [*] = AT AIT ART
AZ Análise(SIS) AZS[*] Function AST NA NA
B Burner, Combustion BS[*] Modifier BT BIT BRT
BZ Burner, BZS[*] BZT NA NA
C User’s Choice
D User’s Choice None
E Voltage ES[*] ET EIT ERT
EZ Voltage(SIS) EZS[*] EZT NA NA
F Vazão, Vazão Rate FS[*] High-High FT FIT FRT
FF Vazão Ratio FFS[*] HH FFT FFIT FFRT
FQ Vazão Total FQS[*] High FQT FQIT FQRT
FS Vazão Safety NA H NA NA NA
FZ Vazão(SIS) FZS[*] FZT NA NA
G User’s Choice Low
H He HS L NA NA NA
HZ He(SIS) HZS Low-Low NA NA NA
I Current IS[*] IT IIT IRT
IZ Current(SIS) IZS[*] LL IZT NA NA
J Power JS[*] JT JIT JRT
JQ Power Totalize JQS[*] Middle JQT JQIT JQRT
JZ Power(SIS) JZS[*] M JZT NA NA
K Time, Schedule KS[*] NA NA NA
KQ Time Totalize KQS NA NA NA
L Nível LS[*] Open LT LIT LRT
LZ Nível(SIS) LZS[*] O LZT NA NA
M User’s Choice Close
N User’s Choice
O User’s Choice C
P Pressão PS[*] PT PIT PRT
PD Pressão Diferencial PDS[*] Run PDT PDIT PDRT
PF Pressão Ratio PFS[*] NA NA NA
PJ Pressão Scan PJS[*] R PJT NA NA
PK Pressão Rate of PKS[*] Stop NA NA NA
PS Pressão Safety NA S NA NA NA
PZ Pressão(SIS) PZS[*] PZT NA NA
Q Quantity QS[*] QT QIT NA
QQ Quantity Totalize QQS[*] User’s Choice QQT QQIT NA
R Radiation RS[*] B&N RT RIT RRT
RQ Radiation Totalize RQS[*] RQT NA NA
RZ Radiation(SIS) RZS[*] Unclassified RZT NA NA
S Speed, Frequency SS[*] ST SIT SRT
SZ Speed(SIS) SZS[*] X SZT NA NA

103 de 127
ISA-D 5.1

Tabela A.3.5.2 — Allowable succeeding letter combinations para output/active


function letters N, S, e T e first-letters T thru ZDZ (1)
Note: Numbers in parentheses refer to explanatory notes in A.15.3.

First Letters (2) N S T


Indicating Recording
Transmitte
User’s Switch Transmitte Transmitte
Measured/Initiating Variables r
Choice r r
((w/ e w/o Modifiers))
S [*] (3) T IT S
T Temperatura TS[*]] TT TIT TRT
TD Temperatura Diferencial TDS[*] [*] = TDT TDIT TDRT
TF Temperatura Ratio TFS[*] NA NA NA
TJ Temperatura Scan TJS[*] Function TJT NA NA
TK Temperatura Rate of TKS[*] Modifier NA NA NA
TS Temperatura Safety NA NA NA NA
TZ Temperatura(SIS) TZS[*] None TZT NA NA
U Multivariable US[*] NA NA NA
UJ Multivariable Scan NA NA NA NA
UZ Multivariable(SIS) UZS[*] High-High NA NA NA
V Vibration, Machinery VS[*] HH VT VIT VRT
VZ Vibration(SIS) VZS[*] VZT NA NA
VX Vibration X-Axis VXS[*] High VXT VXIT VXRT
VY Vibration Y-Axis VYS[*] H VYT VYIT VYRT
VZ Vibration Z-Axis VZS[*] Low VZT VZIT VZRT
VZX Vibration X-Axis(SIS) VZXS[*] L VZXT NA NA
VZY Vibration Y-Axis(SIS) VZYS[*] VZYT NA NA
VZZ Vibration Z-Axis(SIS) VZZS[*] Low-Low VZZT NA NA
W Weight, Parace WS[*] LL WT WIT WRT
WZ Parace(SIS) WZS[*] WZT NA NA
WD Weight Diferencial WDS[*] Middle WDT WDIT WDRT
WF Weight Ratio WFS[*] NA NA NA
WK Weight Loss (Gain) WKS[*] M WKT WKIT WKRT
WQ Weight Total WQS[*] NA NA NA
WX Parace X Axis WXS[*] Open WXT WXIT WXRT
WY Parace Y Axis WYS[*] WYT WYIT WYRT
WZ Parace Z Axis WZS[*] O WZT WZIT WZRT
WZX Parace X Axis(SIS) WZXS[*] Close WZXT NA NA
WZY Parace Y Axis(SIS) WZYS[*] C WZYT NA NA
WZZ Parace Z Axis(SIS) WZZS[*] WZZT NA NA
X Unclassified XS[*] XT XIT XRT
Y Event, State, Presence YS[*] Run YT YIT YRT
YZ Event, State(SIS) YZS[*] R YZT NA NA
Z Position, Dimension ZS[*] Stop ZT ZIT ZRT
ZX Position(SIS) ZXS[*] S ZXT ZXIT ZXRT
ZY Position X Axis ZYS[*] ZYT ZYIT ZYRT
ZZ Position Y Axis ZZS[*] ZZT ZZIT ZZRT
ZZ Position Z Axis ZZS[*] User’s Choice ZZT NA NA
ZZX Position X Axis(SIS) ZZXS[*] B&N ZZXT NA NA
ZZY Position Y Axis(SIS) ZZYS[*] ZZYT NA NA
ZZZ Position Z Axis(SIS) ZZZS[*] ZZZT NA NA
ZD Position Difference ZDS[*] Unclassified ZDT ZDIT ZDRT
ZDX Position Difference X ZDXS[*] X ZDXT ZDXIT ZDXRT
ZDY Position Difference Y ZDYS[*] ZDYT ZDYIT ZDYRT
ZDZ Position Difference Z ZDZS[*] ZDZT ZDZIT ZDZRT

104 de 127
ISA D5.1

Tabela A.3.6.1 — Allowable succeeding letter combinations para output/active


function letters U, V, X, Y, e Z e first-letters A thru SZ (1)
Note: Numbers in parentheses refer to explanatory notes in A. 16.3.
First Letters (2) U V X Y Z
Valve, Compute, Actuator,
Measured/Initiating Variables Multifunction Damper, Unclassified Convert Drive
((w/ e w/o Modifiers)) Louver Relay
A Análise AU AV AX AY AZ
AZ Análise(SIS) AZU AZV NA AZY AZZ
B Burner, Combustion BU BV BX BY BZ
BZ Burner, BZU BZV NA BZY BZZ
C User’s Choice
D User’s Choice
E Voltage EU NA EX EY EZ
EZ Voltage(SIS) EZU NA EZX EZY EZZ
F Vazão, Vazão Rate FU FV FX FY NA
FF Vazão Ratio FFU FFV FFX FFY NA
FQ Vazão Total FQU FQV FQX FQY NA
FS Vazão Safety NA FSV (9) NA NA NA
FZ Vazão(SIS) FZU FZV NA FZY NA
G User’s Choice
H He HU HV HX HY HZ
HZ He(SIS) HZU HZV NA HZY HZZ
I Current IU NA IX IY IZ
IZ Current(SIS) IZU NA IZX IZY IZZ
J Power JU NA JX JY JZ
JQ Power Totalize JQU NA JQX JQY JQZ
JZ Power(SIS) JZU NA JZX JZY JZZ
K Time, Schedule KU NA KX KY KZ
KQ Time Totalize KQU KQV KQX KQY KZZ
L Nível LU LV LX LY LZ
LZ Nível(SIS) LZU LZV LZX LZY LZZ
M User’s Choice
N User’s Choice
O User’s Choice
P Pressão PU PV PX PY PZ
PD Pressão Diferencial PDU PDV PDX PDY PDZ
PF Pressão Ratio PFU PFV PFX PFY PFZ
PJ Pressão Scan NA NA NA NA NA
PK Pressão Rate of PKU PKV PKX PKY PKZ
PS Pressão Safety NA PSV (9) NA NA NA
PZ Pressão(SIS) PZU PZV PZX PZY PZZ
Q Quantity QU QV QX QY QZ
QQ Quantity Totalize QQU QQV QQX QQY QQZ
R Radiation RU RV RX RY RZ
RQ Radiation Totalize RQU RQV RQX RQY RQZ
RZ Radiation(SIS) RZU RZV RZX RZY RZZ
S Speed, Frequency SU SV SX SY SZ
SZ Speed(SIS) SZU SZV SZX SZY SZZ

105 de 127
ISA-D 5.1

Tabela A.3.6.2 — Allowable succeeding letter combinations para output/active


function letters U, V, X, Y, e Z e first-letters T thru ZDZ (1)
Note: Numbers in parentheses refer to explanatory notes in A. 16.3.
First Letters (2) U V X Y Z
Valve, Compute, Actuator,
Measured/Initiating Variables Multifunction Damper, Unclassified Convert Drive
((w/ e w/o Modifiers)) Louver Relay
T Temperatura TU TV TX TY TZ
TD Temperatura Diferencial TDU TDV TDX TDY TDZ
TF Temperatura Ratio TFU TFV TFX TFY TFZ
TJ Temperatura Scan NA NA NA NA NA
TK Temperatura Rate of TKU TKV TKX TKY TKZ
TS Temperatura Safety NA TSV (9) NA NA NA
TZ Temperatura(SIS) TZU TZZV TZX TZY TZZ
U Multivariable UU UV UX UY UZ
UJ Multivariable Scan NA NA NA NA NA
UZ Multivariable(SIS) UZU UZV UZX UZY UZZ
V Vibration, Machinery VU NA VX VY NA
VZ Vibration(SIS) VZZU NA VZX VZY NA
VX Vibration X-Axis VXU NA VXX VXY NA
VY Vibration Y-Axis VYU NA VYX VYY NA
VZ Vibration Z-Axis VZU NA VZX VZY NA
VXZ Vibration X-Axis(SIS) VZXU NA VZXX VZXY NA
VYZ Vibration Y-Axis(SIS) VZYU NA VZYX VZYY NA
VZZ Vibration Z-Axis(SIS) VZZU NA VZZX VZZY NA
W Weight, Parace WU WV WX WY WZ
WZ Parace(SIS) WZU WZV WZX WZY WZZ
WD Weight Diferencial WDU WDV WDX WDY WDZ
WF Weight Ratio WFU WFV WFX WFY NA
WK Weight Loss (Gain) WKU WKV WKX WKY WKZ
WQ Weight Total WQU WQV WQX WQY WQZ
WX Parace X Axis WXU WXV WXX WXY WXZ
WY Parace Y Axis WYU WYV WYX WYY WYZ
WZ Parace Z Axis WZU WZV WZX WZY WZZ
WZX Parace X Axis(SIS) WZXU WZXV WZXX WZXY WZXZ
WZY Parace Y Axis(SIS) WZYU WZYV WZYX WZYY WZYZ
WZZ Parace Z Axis(SIS) WZZU WZZV WZZX WZZY WZZZ
X Unclassified XU XV XX XY XZ
Y Event, State, Presence YU YV YX YY YZ
YZ Event, State(SIS) YZU YZV YZX YZY YZZ
Z Position, Dimension ZU ZV ZX ZY ZZ
ZX Position(SIS) ZXU ZXV ZXX ZXY ZXZ
ZY Position X Axis ZYU ZYV ZYX ZYY ZYZ
ZZ Position Y Axis ZZU ZZV ZZX ZZY ZZZ
ZZ Position Z Axis ZZU ZZV ZZX ZZY ZZZ
ZZX Position X Axis(SIS) ZZXU ZZXV ZZXX ZZXY ZZXZ
ZZY Position Y Axis(SIS) ZZYU ZZYV ZZYX ZZYY ZZYZ
ZZZ Position Z Axis(SIS) ZZZU ZZZV ZZZX ZZZY ZZZZ
ZD Position Difference ZDU ZDV ZDX ZDY ZDZ
ZDX Position Difference X ZDXU ZDXV ZDXX ZDXY ZDXZ
ZDY Position Difference Y ZDYU ZDYV ZDYX ZDYY ZDYZ
ZDZ Position Difference Z ZDZU ZDZV ZDZX ZDZY ZDZZ

106 de 127
ISA D5.1

Tabela A.4 — Malha e Identification Tag Number suffixes (1) (2)


Note: Numbers in parentheses refer to explanatory notes in A. 16.4.
Malha Identification Number
Identification/Tag Number suffixes (Bold-Underlined)
Suffixes(Bold-Italic)
First After After Case 1 — Different services (3)
Malha malha first Two devices with malha suffix Four devices with malha suffix
Suffix numbers letters None Numbers Letters None Numbers Letters
FV*01-1 FV*01-1ª
None F*01 FV*01-1B
FV*01-2 FV*01-2ª
FV*01-2B
FV*01ª-1ª FV-A-*01-1ª
FV*01ª-1 FV-A-*01-1
FV*01ª-1B FV-A-*01-1B
FV*01ª-2ª FV-A-*01-2ª
FV*01ª-2 FV-A-*01-2
FV*01ª-2B FV-A-*01-2B
Alpha F*01ª F-A-*01
FV*01B-1ª FV-B-*01-1ª
FV*01B-1 FV-B-*01-1
FV*01B-1B FV-B-*01-1B
FV*01B-2ª FV-B-*01-2ª
FV*01B-2 FV-B-*01-2
FV*01B-2B FV-B-*01-2B
FV*01-1-1ª FV-1-*01-1ª
FV*01-1-1 FV-1-*01-1
FV*01-1-1B FV-1-*01-1B
FV*01-1-2ª FV-1-*01-2ª
FV*01-1-2 FV-1-*01-2
FV*01-1-2B FV-1-*01-2B
Numeric F*01-1 F-1-*01
FV*01-2-1ª FV-2-*01-1ª
FV*01-2-1 FV-2-*01-1
FV*01-2-1B FV-2-*01-1B
FV*01-2-2ª FV-2-*01-2ª
FV*01-2-2 FV-2-*01-2
FV*01-2-2B FV-2-*01-2B
Case 2 — Same service (3)
Two devices with malha suffix Four devices with malha suffix
None Numbers Letters None Numbers Letters
FV*01-A1
FV*01-A
FV*01-B1
None
FV*01-A2
FV*01-B
FV*01-B2
FV*01ª-A1 FV-A-*01-A1
FV*01ª-A FV-A-*01-A
FV*01ª-A2 FV-A-*01-A2
FV*01ª-B1 FV-A-*01-B1
FV*01ª-B FV-A-*01-B
FV*01ª-B2 FV-A-*01-B2
Alpha
FV*01B-A1 FV-B-*01-A1
FV*01B-A FV-B-*01-A
FV*01B-A2 FV-B-*01-A2
FV*01B-B1 FV-B-*01-B1
FV*01B-B FV-B-*01-B
FV*01B-B2 FV-B-*01-B2
FV*01-1-A1 FV-1-*01-A1
FV*01-1-A FV-1-*01-A
FV*01-1-A2 FV-1-*01-A2
FV*01-1-B1 FV-1-*01-B1
FV*01-1-B FV-1-*01-B
FV*01-1-B2 FV-1-*01-B2
Numeric
FV*01-2-A1 FV-2-*01-A1
FV*01-2-A FV-2-*01-A
FV*01-2-A2 FV-2-*01-A2
FV*01-2-B1 FV-2-*01-B1
FV*01-2-B FV-2-*01-B
FV*01-2-B2 FV-2-*01-B2

107 de 127
ISA-D 5.1

B. Recomendações de Símbolos Gráficos (anexo informativo)


B.1. Símbolos gráicos
Este anexo informativo para a norma descreve o uso de símbolos gráficos que são usados
para mostrar equipamentos e funções da malha, funções de programa de aplicação e as
interligações entre eles que é lógica, única e consistente na aplicação com um mínimo de exceções,
usos especiais ou exigências especiais.
Símbolos gráficos, quando usados com letras e números de identificação construídos como
descrito no Anexo A devem descrever, no mínimo, a funcionalidade da malha e, se atribuído um
número de malha, fornecer uma identidade única para cada equipamento e função mostrada.
B.2. Identificação de instrumento aplicada aos símbolos gráficos
A identificação do instrumento aplicada aos símbolos gráficos deve incluir, no mínimo, uma
identificação funcional alfabética para identificar a funcionalidade do equipamento e funções
mostrados no diagrama, como descrito no Anexo A.
B.2.2. Tabelas A.3.1.1 até A.3.6.2 fornecem exemplos de identificações funcionais permitidas.
Notas explicativas curtas ou outro texto pode ser adicionado adjacente ao símbolo ou na seção
de notas do desenho ou diagrama para esclarecer o significado e objetivo de um equipamento ou
função.
Os dígitos do Número de Identificação de Malha, quando atribuídos de acordo com A.6,
completam a identidade da malha sendo mostrada.
As fontes das letras seriam similares ao Arial Narrow e terão uma altura mínima de 1,124 mm
e o máximo de 13 caracteres por cada largura de 25 mm.
O prefixo do Número de Identificação de Malha deve:
a) Não ser usado com balões nos desenhos, mas indicados na seção de notas.
b) Ser usado com balões, se mais de um prefixo está sendo usado.
c) Ser usado no texto.
B.3. Exemplos de símbolos gráficos com Tag Número/Instrumento atribuído
Símbolos no balão do instrumento usarão a metade superior de cada simbolo para as Letras
de Identificação Funcional e a metade inferior para o Número de Malha.
a) Cinco (5) caracteres ou menos:

b) Seis (6) caracteres ou mais, aliviar os lados do balão ou aumentar a largura do balão, como
requerido:

(1) Símbolos de diagramas funcionais, lógica binária e esquemas elétricos devem ser
tagueados em ou (A), (B), (C), ou (D):

108 de 127
ISA D5.1

B.4. Aplicações de símbolos gráficos


Símbolos gráficos fornecem representação da instrumentação e funções requeridas pelo
processo, maquinas ou equipamentos, tais como medição, indicação, controle, modulação,
chaveamento de variáveis por qualquer um ou todos do seguinte:
a) Diagramas de instrumentos
b) Diagramas de função
c) Diagramas lógicos binarios
d) Esquemas eletricos
Os usos mais comuns para:
a) Diagramas de instrumento são fluxogramas de processo (PFD), diagramas de tubulação e
instrumentos (P&ID), fluxogramas de engenharia (EFS) e fluxogramas mecânicos (MFD).
b) Diagramas funcionais são detalhes de equipamento e funcao da malha e detalhes de
programa de aplicação para sistemas de controle e monitoracao baseados em
microprocessador.
c) Esquemas elétricos são diagramas elétricos para controle de motor e outros controles liga-
desliga .
d) Diagramas lógicos binários são intertravamentos completos e são ferramentas para
programação lógica e programa de aplicação para sistemas lógicos binários baseados em
microprocessadores.
Todas as aplicações podem ser construídas para esquemas, desenhos e diagramas pelo uso
de balão genérico e outros símbolos geométricos e símbolos gráficos específicos encontrados na
Cláusula 5.
B.5. Símbolos de equipamento e função
Funções e equipamentos de instrumentação são construídos para esquemas, desenhos e
diagramas pelo uso de balão genérico e outros símbolos geométricos e símbolos gráficos específicos
encontrados na Cláusula 5.
Não é necessário mostrar um símbolo ou um balão para cada função ou equipamento
requerido por uma malha se a necessidade do equipamento ou função ou seu tag número é
claramente entendio, por exemplo:
a) Símbolos não são requerido mas podem ser usados, para posicionador da válvula de
controle e componentes do condicionador da amostra de produto.
b) Balões não são requerido mas podem ser usados, para símbolos gráficos para placa de
orifício, termopar e válvula de controle.
Quando desenhos “smart”, tais como P&ID gerado por computador, que são lincados aos
índices ou folha de dados do instrimento são usados, um balão ou símbolo gráfico para o qual um tag
número de instrumento é associado, será usado para todos os equipamentos e funções que são
indexadas ou requerem folhas de dados.
B.6. Exemplos de diagramas de instrumento e diagramas funcionais
Fluxogramas de Processo (PFDs) são desenvolvidos por engenheiros de processo para
fornecer os dados básicos do processo e para descrever a operação do processo. Diagramas
simples de instrumento são usados para indicar os fluxos principais de medição e controle requeridos
para operar o processo. Monitoração do processo e pontos de alarme e outros controles e montiroes
secundários e auxiliares não são mostrados, mas são adicionados durante o projeto detalhado do
processo e desenvolvimento do P&ID.
A exigência de um simples controle de vazão será mostrado em um fluxograma de processo
(PFD) como:

a) Números do tag do instrumento não são atribuídos no PFD.

109 de 127
ISA-D 5.1

A exigencia de um diagrama funcional orientado para instrumento e equipamento desenvolvido


em um diagrama fluxograma de processo (PFD):

a) Balões [FE-*01] e [ZC-*01] são opcionais e não recomendados.

b) Balão [FV-*01] é opcional mas é recomendado.

Diagramas funcionais orientados para equipamento e função típica desenvolvido para um


diagrama fluxograma de processo (PFD):

B.7. Medições da variável de processo


Equipamentos de medição da variável de processo são inseridos ou montados em tubulações
e equipamento para medir uma propriedade física ou para analisar uma composição química e incluir
mas não ficar limitado a:
a) Elementos primários, tais como placas de orifício e termopares, que geram sinais
analógicos, equipamentos mecânicos de posição ou são usados por transmissores
para gerar sinais compatíveis com o sistema de controle.
b) Transmissores com elementos primários integrais,tais como medidores de vazão tipo
vortex e sensores de temperatura com fluido de enchimento que geram sinais
compatíveis com o sistema de controle
Medições de processo são indicadas por:
a) Balões como mostrado na Tabela 5.2.1 para:
(1) Elementos primários genéricos.
(2) Elementos primários que não possuem um símbolo gráfico na Tabela 5.2.3.
(3) Usuários que não usam símbolos gráficos da Tabela 5.2.3.
b) Símbolos gráficos para Tabela 5.3.2.

110 de 127
ISA D5.1

Elementos primário de um analisador localizado em um fluxo do processo ou equipamento


com tipo de analisador e componentes de interesse notados em (**) e (***) respectivamente:
a) Sem condicionador de amostra:

b) Com condicionador de amostra que contem componentes que não são normalmente
mostrados.

c) Elemento primário do analisador ou transmissor inserido no jato do processo ou


equipamento.

Elemento primário placa de orifício, com ou sem a seta opcionional da vazão, usar símbolo
genérico da placa com o balão do transmissor conectado para indicar a localização das tomadas de
pressão, como flange, canto, tubo ou vena contracta.
a) Conexão simples do processo: tomada canto, tubo e vena contracta são indicadas por
notação.

b) Conexão dupla do processo: tomada canto, tubo e vena contracta são indicadas por notação.

Válvulas de bloqueio de processo devem ser mostradas quando requerido pelo pessoal de
engenharia de tubulação.

111 de 127
ISA-D 5.1

Tubos ou trechos com placa de orifício que são especificados e requeridos pela
instrumentação devem ser mostrados nos desenhos e diagramas como:

A.3. Elementos finais de controle


Elementos finais de controle instalados na tubulação e equipamento modula ou manipula o jato
do processo ou equipamento afetando a variável medida da malha.
Elementos finais de controle incluem, nas não são limitados a, válvulas de controle, válvulas
solenóides, basculantes, dampers, motores, variadores de velocidade e componentes de máquina.
Válvulas de controle são geralmente operadas pneumaticamente e fornecidas com
posicionadores que podem:
a) Ser atuados por um sinal pneumático ou eletrônico.
b) Não ser mostrado se todas as válvulas de controle forem fornecidas com posicionadores.
A.3.4. Válvulas de controle com sinal pneumático ou eletrônico:
a) Sem posicionador:

b) Com posicionador:

(1) Traços cruzados do posicionador para o atuador são opcionais.

112 de 127
ISA D5.1

c) Com solenóide de desligamento, com e sem posicionador:

Instrumencao com componentes integrais que:


a) Mede as variáveis de processo e transmitem ou controlam outras funções, como uma parte
integral de um transmissor:

b) Manipula válvulas de controle como uma parte integral de um posicionador da válvula de


controle:

c) É um conjunto integral que contem um transmissor, um controle e uma válvula de controle:

113 de 127
ISA-D 5.1

B.9. Conexões de sinal de instrumento para instrumento comum


Instrumentação pneumática discreta:

Instrumentação eletrônica discreta:

B.9.3. Display compartilhado, instrumentação de controle compartilhado:

Display compartilhado, instrumentação de controle compartilhado, com diagnostico e bus de


calibração na fiação de campo:

B.9.5. Display compartilhado, controle compartilhado e instrumentação wireless:

114 de 127
ISA D5.1

Display compartilhado, instrumentação de controle compartilhado, sistemas principal e


alternativa, sem comunicação de inter-bus:

Display compartilhado, controle compartilhado, sistemas principal e alternativa, com


comunicação de inter-bus:

115 de 127
ISA-D 5.1

Display compartilhado, controle compartilhado e instrumentação fieldbus, comunicação


interbus:
a) Transmissor/controlador fieldbus e posicionador de válvula eletrônico:

b) Posicionador de válvula/controlador fieldbus e transmissor eletrônico:

c) Transmissor Fieldbus e posicionador de válvula/controlador:

116 de 127
ISA D5.1

ontrolador/posicionador de válvula fieldbus, transmissor e indicador:

Transmissor integral fieldbus, controlador e posicionador de válvula:

Diagramas funcionais e de instrumento não serão usados para identificar especificamente


tubulação de sinal, fiação e métodos de construção de barramento (bus) usado para implementar um
sistema de controle e monitoracao.

117 de 127
ISA-D 5.1

B.10. Símbolos de bloco de função


Funções de processamento de sinal deverão ser identificadas por um símbolo de bloco de
função da Tabela 7.6, ou seja:
a) Como apêndice ao balão, se um Tag Número – Instrumento é requerido:

b) Anexado tangencialmente ao balão afetado e em linha com o sinal, se a função é uma parte
integral do balão afetado:

118 de 127
ISA D5.1

Um exemplo de uma aplicação comum é o cálculo da vazão mássica com uma placa de orifício
como elemento primario:
a) Equipamentos ou funções separadas que requerem balões e Tag Números separados:

b) Equipamentos ou programas de aplicação separados que não requerem balões ou Tag


Números separados para cada função:

c) Equipamentos ou programas de aplicação integrais que não requerem balões ou Tag


Números separados para cada função:

119 de 127
ISA-D 5.1

B.11. Indicadores de alarme


Funções de controle e monitoração compartilhadas geralmente permitem a indicação de
quatro alarmes configuráveis para desvios das variáveis de processo e pontos de ajuste.
Somente alarmes que devem ser configurados são mostrados.
Diagrama de instrumento:
a) Alarmes da variável do processo:

b) Alarmes de desvio da variável de processo e ponto de ajuste:

c) Alarmes de desvio da variável de processo e ponto de ajuste e da variável de processo:

120 de 127
ISA D5.1

Diagrama funcional:
a) Alarmes da variável do processo:

b) Alarmes de desvio da variavel de processo e do ponto de ajuste:

c) Alarmes de desvio da variável de processo e ponto de ajuste e da variável de processo:

121 de 127
ISA-D 5.1

B.12. Instrumentos multiponto, multivariável e multifunção


Instrumentos multipontos são indicadores ou registradores de uma variável ou multivariáveis
que recebem sinais de entrada de dois (2) ou mais elementos primários ou transmissores.
Instrumentos multivariáveis são controladores que recebem sinais de entrada de dois (2) ou
mais elementos primários ou transmissores e controlam uma (1) variável manipulada.
Instrumentos multifunções são controladores que recebem sinais de entrada de dois (2) ou
mais elementos primários ou transmissores e controlam duas (2) ou mais variáveis manipuladas.
Indicadores e registradores multipontos de uma variável ou multivariáveis para dois (2) ou mais
pontos são desenhados com balões ou:
a) Tangente a cada outro na mesma ordem, da esquerda para direita, com as atribuições da
pena ou do ponteiro:

b) Separar de cada outro com o número de pena indicado e uma nota definindo o instrumento
multiponto:

122 de 127
ISA D5.1

Indicadores e registradores multipontos para quatro (4) ou mais pontos, desenhados com
balões separados para cada ponto, com o número do ponto indicado pela adição de um sufixo aos
Tag Números:

a) Única variável:

b) Multivariável:

123 de 127
ISA-D 5.1

Exemplo de um controlador multivariável desenhado com balões para cada entrada da variável
medida, a saída para o elemento final de controle e indicadores das variáveis medidas:

Exemplo de um controlador multivariável multifunção desenhado com balões para entradas


das variáveis medidas, funções do controlador e indicador e elementos finais de controle, por
exemplo:

124 de 127
ISA D5.1

B.13. Um exemplo de diagrama de instrumento, funcional e elétrico para um


processo simples
Descrição do controle do processo:
a) Descrição do processo:
1) Tanque periodicamente cheio com um fluido, em volumes pequenos e grandes
durante períodos pequenos e longos.
b) Descrição do controle:
1) Sistema de controle projetado para:
(a) Pequenos volumes para longos e curtos periodos permitirão o tanque encher até
um nível auto para automaticamente ligar a bomba e depois parar a bomba
quando o nível estiver baixo
(b) Grandes volumes para longos períodos permitirão a bomba operar
continuamente e manter um nível determinado com uma malha de controle em
cascata do nível sobre a vazão.
2) Controle da bomba é selecionado por uma chave seletora de três posições: Manual-
Desligada-Auto:
(a) Método a) chave seletora na posição “Manual”.
(b) Método b) chave seletora na posição “Auto”.
3) Bomba deverá parar a qualquer momento:
(a) Automaticamente, se o nivel baixo for atingido.
(b) Pela operação da botoeira Desligar.
(c) Colocando a chave seletora H-D-A na posição “Desligada”.

125 de 127
ISA-D 5.1

B.13.2. Diagrama de instrumentos:

B.13.3. Diagrama funcional

126 de 127
ISA D5.1

Diagrama esquemático elétrico:

Apostilas DOC/Documentação NormasISA dS5-1 P.doc 09 FEV 09

127 de 127