You are on page 1of 35

Tratamento Térmico

Profa. Dra. Daniela Becker


Diagrama de equilíbrio Fe-C
Fe3C, Fe e grafita (carbono na forma lamelar)

„ Ligas de aços – 0 a
2,11 % de C
„ Ligas de Ferros
Fundidos – acima de
2,11% a 6,7% de C
„ Ferro alfa – dissolve
até 0,02% C
„ Ferro gama –
dissolve ate 2,11 %
C
Diagrama de equilíbrio Fe-C
„ Ponto S : eutetóide - Aço
„ Ponto C: eutético – ferro
fundido
„ Aço hipoeutetóide 0,008 -
0,77 C
C
„ Aço hipereutetóide 0,77 -
2,11
„ Fe Fundido hipoeutético
2,11-4,3
„ Fe Fundido hipereutético > S
4,3
„ Ferrita: ferro
comercialmente puro (C <
0,008%), pouco resistente,
mole e dúctil – ferro alfa
„ Fe3C carboneto de ferro -
6,7% C (cementita)
Diagrama de equilíbrio Fe-C
Fe3C, Fe e grafita (carbono na forma lamelar)

„ Austenita: solução sólida


de C no F gama . Boa
resistência e apreciável
tenacidade, não
magnético

„ Cementita: Carbono na
forma Fe3C (carboneto de
ferro, 6,7% de C). Muito
duro, porém frágil. Finas
laminas.

„ Ferrita: Ferro
praticamente puro. Baixa
dureza e resistência a
tração, elevada dutilidade
e resistente ao impacto
(Ferro alfa).
Diagrama de equilíbrio Fe-C

„ Perlita: 88% ferrita (ferro


alfa) + 12% cementita
(Fe3C). Forma lamelar.
Propriedades
intermediárias
„ Depende da liga e do
tempo de resfriamento
„ Exemplo de resfriamento
lento de um aço a
0,35%(hipoeutetoide) e
1,4% de C
(hipereutetóde).
„ Exemplo de um ferro
fundido a 2,7% de C
(hipoeutetoide)
Diagrama de equilíbrio Fe-C

„ Em resumo, a austenita (Ferro gama) pode se


transformar em:
‰ ferrita + perlita (ferrita +cementita)
‰ somente perlita
‰ perlita + cementita
‰ Ledeburita (glóbulos de perlita c/ fundo de cementita)
„ Isto ocorre se houver tempo suficiente para permitir o
equilíbrio
„ Devido a isto os metais tem suas propriedades
modificadas
Resfriamento fora do equilíbrio
„ Ocorrências de fases ou transformações em
temperaturas diferentes daquela prevista no
diagrama
„ Existência a temperatura ambiente de fases
que não aparecem no diagrama
Transformações de fase
„ COM DIFUSÃO
‰ Sem variação no número e composição de fases
„ Ex: solidificação metal puro e transformação alotrópica
‰ Com variação no número e composição de fases
„ Ex: Transformação eutética, eutetóide...

„ SEM DIFUSÃO
‰ Ocorre com formação de fase metaestável
„ Ex: transformação martensítica

A maioria das transformações de fase no estado sólido não ocorre


instantaneamente, ou seja, são dependentes do tempo
Tratamentos Térmicos
„ Velocidades de aquecimento e principalmente
resfriamento provoca alterações nas transformações
alotrópicas (ferro gama –ferro alfa)
„ Altera propriedades mecânicas dos metais.
„ Tratamentos térmicos é o processo que eleva-se a
temperatura até a sua transformação e controla-se a
velocidade de seu resfriamento para obter
características desejadas.
„ O diagrama chamada Curva TTT (tempo –
temperatura – transformação) possibilita o controle
das transformações.
Diagramas TTT

início
final
Curvas TTT

„ Utilizados para o estudo dos tratamento


térmicos
Ex 1: Curva TTT para aço eutetóide

Temperatura de γ
austenitização

α+Fe3C
Martensita

Perlita

-Como a martensita não envolve difusão, a sua formação ocorre instantaneamente


(independente do tempo, por isso na curva TTT a mesma corresponde a uma reta).
Microestrutura

Bainita

Perlita grossa Perlita fina

Martensita
Ex 2: curvas TTT para aço eutetóide com
as durezas especificadas das microestruturas

•Perlita grossa ~86-97HRB


•Perlita fina ~20-30HRC
•Bainita superior ~40-45 HRC
•Bainita inferior~50-60 HRC
•Martensita 63-67 HRC
Ex 3: Curvas de resfriamento a
temperatura constante
Ex 4: Algumas curvas de resfriamento contínuo

A (FORNO)= Perlita grossa


B (AR)= Perlita + fina (+ dura
que a anterior)
C(AR SOPRADO)= Perlita +
fina que a anterior
D (ÓLEO)= Perlita +
martensita
E (ÁGUA)= Martensita

No resfriamento contínuo, as curvas TTT deslocam-se um pouco


para a direita e para baixo
Microestruturas resultantes do
resfriamento rápido
„ MARTENSITA
‰ A martensita se forma quando o AUSTENITA
resfriamento for rápido o suficiente
de forma a evitar a difusão do
carbono, ficando o mesmo retido em
solução.
‰ Como a martensita não envolve
difusão, a sua formação ocorre TRANSFORMAÇÃO
instantaneamente (independente do ALOTRÓPICA COM
tempo). AUMENTO DE VOLUME,
que leva à concentração de tensões

Conseqüências:
„ Geração de tensões residuais.
„ Risco de empenamentos. MARTENSITA
„ Risco de trincas de têmpera
(sempre intergranulares).
Microestruturas resultantes do
resfriamento rápido
„ MARTENSITA
‰ É uma solução sólida supersaturada de
carbono (não se forma por difusão)
‰ Microestrutura em forma de agulhas
‰ É dura e frágil (dureza: 63-67 Rc)
‰ Tem estrutura tetragonal cúbica (é uma fase
metaestável, por isso não aparece no
diagrama)
„ REVENIDO
‰ Reaquecimento por tempos maiores

„ MARTENSITA REVENIDA
‰ É obtida pelo reaquecimento da martensita
(fase alfa + cementita)
‰ Os carbonetos precipitam
‰ Forma de agulhas escuras
‰ A dureza cai
‰ Maior ductibilidade
Transformações

AUSTENITA
Resf. lento Resf. Rápido
Resf. moderado (Têmpera)
Perlita
Martensita
(∝ + Fe3C) + a Bainita
fase (fase tetragonal)
próeutetóide (∝ + Fe3C)
reaquecimento

Martensita
Ferrita ou cementita Revenida
(∝ + Fe3C)
Tratamentos Térmicos
„ Tratamento Térmico é um ciclo de aquecimento e
resfriamento realizado nos metais com o objetivo de
alterar as suas propriedades físicas e mecânicas, sem
mudar a forma do produto.
„ O tratamento térmico é normalmente associado com o
aumento da resistência do material , mas também
pode ser usado para melhorar a usinabilidade, a
conformabilidade e restaurar a ductilidade depois de
uma operação a frio.
„ Logo, o tratamento térmico é uma operação que pode
auxiliar outros processos de manufatura e/ou melhorar
o desempenho de produtos, aumentando sua
resistência ou alterando outras características
desejáveis.
Tratamentos Térmicos
„ Os aços são tratados para uma das finalidades abaixo:

‰ Amolecimento - (softening)
O amolecimento é feito para redução da dureza, remoção de tensões residuais ,
melhoria da tenacidade, restauração da ductilidade, redução do tamanho do grão
ou alteração das propriedades eletromagnéticas do aço.
As principais formas de amolecimento do aço são: recozimento de
recristalização, recozimento pleno, recozimento de esferoidização e
normalização.

‰ Endurecimento – (hardening)
O endurecimento dos aços é feito para aumentar a resistência mecânica, a
resistência ao desgaste e a resistência à fadiga. O endurecimento é fortemente
dependente do teor de carbono do aço. A presença de elementos de liga
possibilita o endurecimento de peças de grandes dimensões, o que não seria
possível quando do uso de aços comuns ao carbono.
Os tratamentos de endurecimento são: têmpera, austêmpera, e martêmpera.
Para aumentar a resistência ao desgaste é suficiente a realização de um
endurecimento superficial (que também leva ao aumento da resistência a fadiga).
Pode-se assim proceder a uma têmpera superficial ou a um tratamento termo-
químico, que consiste na alteração da composição química da superfície pela
difusão de elementos como carbono, nitrogênio e boro.
Têmpera

„ Resfriamento rápido objetivando o aumento da


dureza (martensita), da resistência ao desgaste, da
resistência a tração e diminuição da ductilidade
Têmpera
„ Como mencionado antes, a martensita é muito frágil. Se um material
tivesse estrutura 100% martensítica, seria frágil como o vidro. Então os
passos a serem seguidos no tratamento térmico, para obtenção de
propriedades mecânicas adequadas num aço são:

‰ obter um material inteiramente martensítico por resfriamento rápido

‰ reduzir a fragilidade por aquecimento até uma temperatura onde a


transformação de equilíbrio para as fases a e Fe3C seja possível

‰ reaquecer por um curto espaço de tempo a temperatura moderada, para


obtenção de um produto de alta resistência e baixa ductilidade

‰ ou reaquecer por um longo espaço de tempo a temperatura moderada para


obtenção de um produto de maior ductilidade
Revenimento

„ Revenimento é um
processo feito após o
endurecimento por
têmpera.
„ Peças que sofreram
têmpera tendem a ser muito
quebradiças. A fragilidade é
causada pela presença da
martensita.
„ A fragilidade pode ser
removida pelo revenimento.
Revenimento
„ O resultado do revenimento é uma combinação desejável de
dureza, ductilidade, tenacidade, resistência e estabilidade
estrutural. As propriedades resultantes do revenimento dependem
do aço e da temperatura do revenimento.
„ A martensita é uma estrutura metaestável. Quando aquecida,
tende a estabilidade, ou seja, a transformar-se nas fases ferrita e
cementita.
A martensita é uma estrutura tetragonal de corpo centrado (a
ferrita é cúbica de corpo centrado) supersaturada de carbono (a
ferrita contém carbono em até seu limite de solubilidade no ferro).
Apresenta a morfologia de finas agulhas.
„ O aquecimento leva a difusão do carbono (em excesso na
estrutura) e sua conseqüente precipitação em forma de carboneto
de ferro. A saída do excesso de carbono possibilita que a
estrutura tetragonal torne-se cúbica, ou seja, torne-se ferrítica.
Revenimento
„ O aumento da temperatura leva assim ao crescimento das agulhas de
ferrita e a coalescência dos precipitados.
„ Logo tem-se que o aumento da temperatura de revenimento leva à
redução da dureza e ao aumento da ductilidade. A temperatura de
revenimento deve ser aquela na qual são obtidas as propriedades
desejadas.
„ O aquecimento para revenimento é mais eficiente quando as partes são
imersas em óleo, para revenimentos até 3500 C. A partir desta
temperatura o óleo contendo as partes é aquecido até a temperatura
apropriada. O aquecimento em banho permite que a temperatura seja
constante em toda a peça, proporcinando um revenimento uniforme.
„ Para temperaturas acima de 3500 C é mais indicado usar um banho de
sais de nitratos. Os banhos salinos podem ser aquecidos até 6250 C.
„ Independentemente do tipo de banho, o aquecimento gradual é
fundamental para evitar fissuras no aço.
„ Depois de alcançada a temperatura desejada, as partes são mantidas
nesta temperatura por aproximadamente duas horas. São então
removidas do banho e resfriadas em ar sem convecção.
Recozimento

„ Objetiva remover tensões


(devidas aos processos de
fundição e conformação
mecânica a quente ou a
frio), diminuir a dureza,
melhorar a ductilidade e
ajustar o tamanho de
grãos.
„ As peças são aquecidas, e
mantidas nesta
temperatura por uma hora
ou mais. A seguir são
resfriadas por ar.
Recozimento

„ Para entender os passos do processo quatro


conceitos devem ser conhecidos :
‰ trabalho a frio,
‰ recuperação,
‰ recristalização e
‰ crescimento de grão
Recozimento
„ Trabalho a frio
‰ Significa deformar um metal a temperaturas relativamente
baixas.
‰ Exemplos são a laminação a frio de barras e chapas e a
trefilação.
‰ A microestrutura trabalhada a frio mostra grãos altamente
distorcidos, que são instáveis. Através do aquecimento
pode-se promover a mobilidade dos átomos e tornar o
material mais 'mole' com a formação da nova
microestrutura.
Recozimento
„ Recuperação
‰ É o estágio mais sutil do recozimento.
‰ Não ocorre alteração significativa da
microestrutura.
‰ Entretanto a mobilidade atômica permite a
redução de defeitos pontuais e a movimentação
das discordâncias para posições de menor
energia.
‰ O resultado é uma discreta redução da dureza e
um aumento considerável da condutividade
elétrica.
Recozimento

„ Recristalização
‰ A temperatura onde a mobilidade permite
alteração significativa das propriedades
mecânicas situa-se entre 1/3 e ½ da temperatura
de fusão Tf.
‰ O metal exposto a estas temperaturas sofre uma
transformação microestrutural denominada
recristalização.
‰ A redução de dureza no processo de
recristalização é substancial.
Recozimento

„ Crescimento de Grão
‰ A microestrutura desenvolvida na recristalização
forma-se espontaneamente. Ela é estável, se
comparada com a estrutura original trabalhada a
frio.
‰ Entretanto a microestrutura recristalizada contém
uma grande quantidade de contornos de grão.
‰ A redução destas interfaces de alta energia pode
ampliar ainda mais a estabilidade.
Recozimento

„ Etapas:
‰ Recuperação
‰ Recristalização (alívio de
tensões)
‰ Aumento do tamanho do grão
Normalização

„ é o processo de elevação
de temperatura dentro do
campo austenítico,
„ O material é deixado nesta
temperatura até que toda a
microestrutura esteja
homogeneizada.
„ Após é removido do forno
e resfriado em temperatura
ambiente sob convecção
natural.
Normalização
„ A microestrutura resultante é formada por finos grãos de perlita
com ferrita e cementita dispostas em finas lamelas.
„ Esta microestrutura é de baixa dureza.
„ O grau de ductilidade depende das condições do ambiente de
resfriamento.
„ Este processo é substancialmente mais barato do que o
recozimento pleno, pois não existe o custo adicional de
resfriamento no forno.
„ A diferença principal entre peças recozidas e normalizadas é que
as peças recozidas tem propriedades (ductilidade e usinabilidade)
uniformes através de todo o seu volume enquanto que as peças
normalizadas poderão ter propriedades não uniformes.
„ Isto se dá porque no recozimento pleno, toda a peça fica exposta
ao ambiente controlado do forno durante o resfriamento. No caso
de peças normalizadas, dependendo da geometria da peça, o
resfriamento não será uniforme, resultando em propriedades não
uniformes do material.