You are on page 1of 12

AGROTÓXICOS E UTILIZAÇÃO DE

EPI's
Agrotóxicos são venenos, se não utilizados de maneira adequada certamente ocorrerá
casos de intoxicação, daí a importância de se usar EPI?s e a constante profissionalização
de todos os profissionais envolvidos desde na aquisição dos produtos até na
pulverização e destinação final das embalagens.

AGROTÓXICOS E UTILIZAÇÃO DE EPI s

GESLEY RAMOS GUIMARÃES LIMA

(18) 9627-6380

2009

Sinônimos

Produtos Fitossanitários; Defensivos Agrícolas; Agroquímicos.

Definição de Agrotóxico

Lei n 7802, de 11 de Julho de 1989

Artigo 2 : Produtos utilizados no sistema de produção agrícola, no armazenamento e


beneficiamento de produtos agrícolas, na proteção de florestas, pastagens, para controle
de seres vivos danosos.

Composição dos Agrotóxicos

Ingrediente Ativo (i.a.)

molécula com que é produzido o agrotóxico, e dará o efeito de controle do organismo


danoso.

Ingredientes Inertes

aditivo; odor; sabor; corantes.

Para melhorar o efeito do agrotóxico

Características indesejáveis ao agrotóxico.

Ingrediente Ativo (i.a.)

31.8 Agrotóxicos, Adjuvantes e Produtos Afins

NR31 - Objetivo
Estabelecer os preceitos a serem observados na ORGANIZAÇÃO e no ambiente de
trabalho, de forma a tornar compatível o planejamento e o desenvolvimento das
atividades da agricultura, pecuária, silvicultura, exploração florestal e aqüicultura com a
SEGURANÇA, SAÚDE e meio ambiente do trabalho.

NR 31.8.3

É vedada a manipulação de quaisquer agrotóxicos, adjuvantes e produtos afins por


menores de 18 anos, maiores de 60 anos e por gestantes.

Classes/ Agrotóxicos

Herbicida; Inseticida; Fungicida; Bactericida.

Acaricida Nematicida

Terminologia

CIDA = que mata

Herbicida = mata o mato/plantas daninhas; Inseticida = mata insetos; Acaricida;


Nematicida; Fungicida = mata fungos; Bactericida = mata bactéria.

Principais Formulações dos Agrotóxicos

Concentrado Emulsionável (CE)

Emulsão homogênea estável; Óleo + água Aspecto oleoso; Aspecto leitoso;

ÁGUA

ÓLEO

Sem partículas sólidas.

Suspensão Concentrada (SC)

Dissolver em água; Sedimenta-se quando em repouso; Semelhante (água + terra)

Herbicida atrazina (concentrado)

Herbicida atrazina + água (pronto para aplicar)

Sedimentação

Pó Molhável (PM)

Sólido + água = suspensão; Pré-mistura; pouco estável; necessidade de agitação;


Dificuldade (campo) = erros de aplicação; Substituição por Suspensão concentrada.
Grânulos dispersíveis em água (GRDA)

Diluir em água;

Formação de solução (estável).

Informações dos Agrotóxicos

Rótulo; Bula; Ficha de Emergência; Pictogramas.

CLASSIFICAÇÃO TOXICOLÓGICA

Esta classificação é fundamental para o conhecimento da toxicidade de um produto, do


ponto de vista de seus efeitos agudos a saúde. Dose Letal DL 50 (DL50) e Concentração
Letal (CL50)

Periculosidade Ambiental

Representa as características do produto, propriedades físico-químicas, toxicidade a


seres vivos (microorganismos, minhocas, microcrustáceos, algas, peixes, aves, abelhas e
mamíferos), bioacumulação, persistência (biodegradabilidade no solo, hidrólise e
fotólise) e transporte (mobilidade, adsorção/desorção e solubilidade), potenciais
mutagênicos, carcinogênicos e embriofetotóxicos.

Classe I Classe II Classe III Classe IV

Altamente Perigoso Muito Perigoso Perigoso Pouco Perigoso

Antes da Compra do Agrotóxico

Levantamento; Qual praga?

Aquisição do Agrotóxico

Receita Agronômica; Evitar embalagens danificadas; Evitar embalagens com


vazamento; Evitar produtos contrabandeados. Exigir nota fiscal; Não comprar produto
fracionado; Não comprar produto falsificado; Evitar produtos vencidos; Evitar produtos
não registrados pelo MAPA.

Transporte

Separado de pessoas, alimentos, ração,etc; Ficha de emergência; Motorista habilitado


CCVTPP Curso para Condutores de Veículos de Transporte de Produtos Perigosos.

Kit de emergência

2 calços para as rodas 15 x 20 x 15 cm; Fita zebrada ou corda; 4 placas "PERIGO


AFASTE-SE" 34 x 47 cm; 4 cones para sinalização da via nas cores laranja com faixas
brancas; 1 caixa de primeiros socorros; 1 lanterna comum; Jogo de ferramentas; Lona
impermeável (3 x 4 m) e pá: produtos perigosos sólidos; Areia ou pó-de-serra (conter
vazamentos/derramamentos); Extintores de incêndio para a carga.

Classes de Risco

CLASSE

1 2 3 4 5 6 7 8 9 Explosivos Gases inflamáveis, Gases não-inflamáveis e não-tóxicos e


Gases tóxicos Líquidos inflamáveis Sólidos inflamáveis, Substâncias auto-reagentes e
Explosivos sólidos insensibilizados, Substâncias sujeitas a combustão espontânea e
Substâncias que, em contato com água, emitem gases inflamáveis Substâncias oxidantes
e Peróxidos orgânicos Substâncias tóxicas e Substâncias infectantes Material radioativo
Substâncias corrosivas Substâncias e artigos perigosos diversos

SUBSTÂNCIAS OU ARTIGOS

Número de Risco

ALGARISMO 2 3 4 5 6 7 8 9 X SIGNIFICADOS Desprendimento de gás devido o


pressão ou o reação química Inflamabilidade de líquidos (vapores) e gases ou líquido
sujeito o auto-aquecimento Inflamabilidade de sólidos ou sólido sujeito o
autoaquecimento Efeito oxidante (intensifica o fogo) Toxicidade ou risco de infecção
Radioatividade Corrosividade Risco de violenta reação espontânea A substância reage
perigosamente com água (utilizado como prefixo do código numérico)

Classe 6: Setor de Agrotóxicos

CLASSE 6 PRODUTO Substâncias tóxicas (venenosas) e infectantes

SUBCLASSE DESCRIÇÃO 6.1 Substâncias tóxicas (Venenosas) 6.2 Substâncias


Infectantes

Sinalização dos Veículos

Painel de segurança

Conforme NBR n 7500 da ABNT

Constar nº da ONU; Constar nº de risco (caracteres negros e não menores que 65 mm);
Painel retangular cor laranja; 300 mm x 400 mm; Borda preta de 10 mm; Utilitários:
(225 mm x 300 mm )

Painel de segurança

Conforme NBR n 7500 da ABNT

Painel de Segurança (mm) Largura Caminhão Utilitário 400 350 Altura 300 250 Borda
10 10 n / letra (mm) Largura 55 50 Altura 100 78 Espaço horizontal entre n / letra (mm)
30 22 Espaço vertical entre linha (mm) 40 30
Rótulo de Risco

Sinaliza a classe de risco do produto; Tóxico ou Inflamável; 30 cm x 30 cm; Utilitários:


25 cm x 25 cm

Regras de colocação dos painéis e rótulos

VEÍCULO VAZIO

Armazenamento

Local livre de inundações; Separado de outras instalações; Boa ventilação; Iluminação


natural; Separar produtos de acordo com a praga a ser controlada; Evitar contato direto
com o piso; O piso deve ser impermeabilizado; Usar placas (CUIDADO VENENO).

Cuidados no Preparo do Agrotóxico

Aplicação do Agrotóxico

Umidade Relativa do Ar: acima de 55%; Temperatura: menor que 30ºC

Velocidade do vento Menor que 2 km/ h 2,0 a 3,2 km/ h 3,2 a 6,5 km/ h 6,5 a 9,6 km/ h

Termohigroanemometro Descrição Sisais visíveis

Calmo Quase calmo Brisa leve Vento leve Fumaça sobe verticalmente Fumaça é
inclinada

Pulverização Não recomendável Não recomendável

As folhas oscilam, Ideal sente-se o vento na face Folhas e ramos finos em Evitar
constante movimento pulverização de herbicidas Movimento de galhos, poeira e
pedaços de papel são levantados Impróprio para pulverização

9,6 a 14,5 km/ h

Vento moderado

Intervalo de Segurança/Período de Carência

N de dias que deve ser respeitado entre a última aplicação e a colheita (BULA).
Alimentos sem resíduos de agrotóxicos em excesso.

Equipamentos de Proteção Individual (EPIs)

De acordo com a NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL EPI

EPI é todo dispositivo ou produto, de uso individual utilizado pelo trabalhador,


destinado à proteção de riscos suscetíveis de ameaçar a segurança e a saúde no trabalho
(NR6.1).
Obrigatório Certificado de Aprovação - CA, expedido pelo Ministério do Trabalho e
Emprego (NR 6.2); A empresa é obrigada a fornecer aos empregados, gratuitamente,
EPI adequado ao risco, em perfeito estado de conservação e funcionamento (NR 6.3).

Importância

O aplicador está diretamente exposto ao agrotóxico apresentando risco de intoxicação,


daí a importância da escolha e utilização correta dos EPI s.

Cuidado!

Higiene pessoal antes, durante e após as aplicações de agrotóxicos; Após a aplicação,


tomar banho e vestir roupas limpas; Revisão dos EPI s antes e após a aplicação.

Alguns EPIs

Equipamentos de Proteção Individual

*******

Proteção dos olhos e face; Proteção dérmica; Proteção dos pés;

Proteção da inalação.

Calça e Jaleco

Tecido (algodão) tratado com teflon (óleo fobol), tornando-os HIDRORREPELENTE, e


não impermeável.

Reforço: mais usado com pulverizadores costais, devido ao contato com folhas tratadas.

Botas

Avental Impermeável

Materiais: PVC, bagum, tecido emborrachado aluminizado, nylon resinado; Utilizar:


preparo do produto e na parte de trás quando utilizador equipamento costal.

Respirador

Descartáveis: possuem uma vida útil relativamente curta; Baixa manutenção: possuem
filtros especiais (carvão ativado) para reposição, normalmente mais duráveis.

Boné Árabe

Confeccionado com algodão e tratado com teflon = hidrorrepelente; Proteção do couro


cabeludo e pescoço, e contra o sol. O boné árabe deve ser ajustado sobre a viseira facial.
Luvas

Trata-se do equipamento de proteção mais importante, pois protege as partes do corpo


com maior possibilidade de exposição, as mãos.

NITRILA

NEOPRENE

IMPERMEÁVEL

Em aplicações com a lança para cima, use a luva sobre a manga da blusa

No preparo da calda e em aplicações com a lança para baixo, use a manga da blusa
sobre a luva

Ordem para vestir

Sem reforço na calça.

Reforço (bagum) nas pernas para proteger o aplicador do atrito com a plantação
pulverizada com o agrotóxico.

Reforço na cintura para maior proteção evitando que a roupa rasgue em culturas mais
altas e resistentes, como nos reflorestamentos e pastagens.

Reforço nos braços evita escorrimento do agrotóxico na aplicação ou receber muitos


pingos que caem dos parreirais.

Ordem para retirar

Evitando assim depreciar o tratamento do EPI.

EPI contaminado em casa = MORTE rondando = PERIGO

Guardar EPI s

Antes de guardar inspecionar; Separados de roupas comuns;

Vias de Exposição

Responsabilidades

Empregador;

Eng. Agrônomo.

Responsabilidades

Canais de distribuição;
Fabricantes

Errado x Correto

Errado x Correto

Errado x Correto

Errado x Correto

Descarte

Não realizada a tríplice lavagem;

Não perfuradas.

Tríplice Lavagem

de água

Agitar 30 seg.

Despejar o restante no tanque

Perfurar a embalagem

3 vezes

Intoxicação por agrotóxicos

Intoxicação Aguda: os sintomas surgem rapidamente, algumas horas após a exposição


excessiva, por curto período. Intoxicação Crônica: surgimento tardio dos sintomas
(meses ou anos), por exposição pequena ou moderada, a produtos tóxicos, acarretando
DANOS IRREVERSÍVEIS do tipo paralisia ou tumor/câncer.

Risco = f ( toxicidade; exposição)

Risco de intoxicação: probabilidade estatística de uma substância química causar efeito


tóxico; Toxicidade: capacidade potencial do PRODUTO causar efeito adverso à saúde.
Quanto mais tóxico um produto, menor é a dose necessária para causar efeitos
adversos); Exposição: o APLICADOR estará diretamente exposto ao agrotóxico. EPI
danificado/ faltando = maior exposição.

ATO INSEGURO x CONDIÇÃO INSEGURA

Intoxicação Agrotóxicos

Utilizar

Destino Final das Embalagens


Embalagens não laváveis: São todas as embalagens flexíveis e aquelas embalagens
rígidas que não utilizam água como veículo de pulverização. Incluem-se nesta definição
as embalagens secundárias não contaminadas rígidas ou flexíveis.

Embalagens secundárias

Embalagens rígidas ou flexíveis que acondicionam embalagens primárias, não entram


em contato direto com as formulações de agrotóxicos, sendo consideradas embalagens
não contaminadas e não perigosas. Também devem ser devolvidas.

Embalagens laváveis

Definição: embalagens (plásticas, metálicas e de vidro) que acondicionam formulações


líquidas de agrotóxicos para serem diluídas em água.

Transporte (propriedade-postos de recebimento)

Nunca armazenar as embalagens, vazias, dentro de residências ou alojamentos de


pessoas e animais; Não armazenar as embalagens junto com pessoas, animais,
medicamentos, alimentos ou rações.

Recebimento das Embalagens

Inspecionar uma a uma quanto à lavagem adequada; Separar as embalagens não lavadas
adequadamente; Utilizar os EPI s adequados.

Unidades de recebimento Postos e Centrais

Recebimento Itinerante e Logística Reversa

Preparação das Embalagens

Embalagens lavadas são separadas das não lavadas e arrumadas, separando-as por
matéria prima (plástico, metal, vidro ou caixas coletivas de papelão) para posterior
transferência para uma central de recebimento; Embalagens recebidas, depois de
selecionadas e separadas são preparadas para a redução de volume, para viabilizar o seu
transporte (prensadas e fardadas).

Procedimento Operacional Padrão para Unidades de Recebimento POPi nº 001 Como


fazer a abertura das embalagens de agrotóxicos POPi nº 002 Como fazer a Tríplice
Lavagem e a lavagem sob pressão POPi nº 003 Programação e encaminhamento das
Embalagens Vazias para as Unidades de Recebimento POPi nº 004 Para iniciar os
trabalhos nas Unidades de Recebimento POPi nº 005 Para receber carga de embalagens
do agricultor no sistema de CI POPi nº 006 Recebimento de EV nas UR POPi nº 007
Classificação, limpeza e estocagem das embalagens em uma Central de Recebimento
POPi nº 008 Como operar a prensa nas Centrais de Recebimento POPi nº 009 Operação
do triturador POPi nº 010 Manutenção da prensa POPi nº 011 Agendamento e
Transporte de embalagens para o destino final POPi nº 012 Como efetuar a limpeza das
UR POPi nº 013 Para encerrar o dia de trabalho nas UR POPi nº 014 Como corrigir
erros de preenchimento dos documentos POPi nº 015 Relatórios mensais das Centrais
de Recebimento POPi nº 016 Carregamento dos caminhões para o destino final POPi nº
017 Estocagem nas Unidades de Recebimento POPi nº 018 Descrição de cargos de
operadores das UR - Descrição de cargo de operador de UR - Descrição de cargo de
operador líder de UR POPi nº 019 Fichas de segurança POPi nº 020 Sistema de medição
para as Centrais de Recebimento POPi nº 021 Plano de ação preventiva e de controle de
possíveis acidentes POPi nº 022 Revisão e distribuição de procedimentos Os
Procedimentos Operacionais são de uso exclusivo interno do inpEV e serão
disponibilizados para os gerenciadores das Unidades Centrais de Recebimento. Se você
é gerenciador e deseja receber o POPi, entre em contato.

Recebimento Itinerante (Coletas volantes)

Transporte p/ Posto de Recebimento

Transporte: Posto-Central de Recebimento

TRITURADOR

PROJETO TRITURADOR

Fluxo da Reciclagem

inpEV = Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias É uma entidade


civil de direito privado, sem fins lucrativos, fundada por fabricantes de defensivos
agrícolas e por entidades privadas representativas dos elos da cadeia produtiva agrícola.
O instituto representa a indústria fabricante de agrotóxicos no cumprimento da
legislação (Lei n. 9974/00), sendo, portanto responsável pelo transporte das embalagens
vazias a partir das unidades de recebimento até a destinação final (reciclagem ou
incineração) e também responsável pelo destino ambientalmente adequado desses
materiais.

Empresas Associadas ao inpEV

Agrialliance Comércio, Importação e Exportação de Insumos Agropecuários Ltda.


Agricur Defensivos Agrícolas Ltda. Agripec Química e Farmacêutica S/A Agrocete
Indústria e Comércio de Produtos Agropecuários Ltda. Allvet Química Industrial Ltda.
AMVAC do Brasil Representações Ltda. Arysta LifeScience do Brasil Indústria
Química e Agropecuária Ltda. Atanor do Brasil Ltda. Atar do Brasil Defensivos
Agrícolas Ltda. Atta-Kill Indústria e Comércio de Defensivos Agrícolas Ltda. Basf S/A
Bayer CropScience Bernardo Química S/A Bio Controle Métodos de Controle de
Pragas Ltda. Bio Soja Indústrias Químicas e Biológicas Ltda. Buckman Laboratórios
Ltda. CCAB Agro Ltda. Cheminova Brasil Ltda. Chemotécnica do Brasil Ltda.
Chemtura Indústria Química do Brasil Ltda. Coodetec Cooperativa Central de Pesquisa
Agrícola Cropchem Ltda. Cross Link Consultoria e Comércio Ltda. De Sangosse
Agroquímica Ltda. Degesh do Brasil Indústria e Comércio Ltda. Dinagro Agropecuária
Ltda.

Empresas Associadas ao inpEV


Dow Agrosciences Industrial S/A Du Pont do Brasil S/A DVA Comércio, Importação e
Exportação de Insumos Agropecuários Ltda. Enro Industrial Ltda. Fênix Industrial Ltda.
FMC Química do Brasil Ltda. Forquímica Agrociência Ltda. Griffin do Brasil Ltda.
Helm do Brasil IFP Indústria de Fertilizantes Plante Certo Ltda. Iharabrás S/A
Indústrias Químicas Irrigações Dias Cruz Ltda. (Keep Dry) Isca Tecnologias Ltda.
Laboratórios Pfizer Lanxess Indústria de Produtos Químicos e Plásticos Ltda.
Luxemburg Industries Ltda. Merck S/A Microquímica Indústrias Químicas Ltda.
Microsal Indústria e Comércio Ltda. Milênia Agrociências S/A Momentive
Performance Materials Indústria de Silicones Ltda. Monsanto do Brasil Ltda. Nitral
Urbana Laboratórios Ltda. Nortox S/A Oxiquímica Agrociências Ltda. Petrobras
Distribuidora S/A Pilarquim BR Comercial Ltda.

Empresas Associadas ao inpEV

Prentiss Química Ltda. Produtos Químicos São Vicente (Pikapau) PR Trade


Representação, Comércio, Importação e Exportação Ltda. Rotam do Brasil
Agroquímica Samaritá Indústria e Comércio Ltda. Sinon do Brasil Sipcam Isagro Brasil
S/A Stoller do Brasil Ltda. Sumitomo Chemical do Brasil Syngenta Proteção de
Cultivos Ltda. Turfal Indústria e Comércio de Produtos Biológicos e Agronômicos
Ltda. Union Agro Ltda. United Phosphorus do Brasil Ltda. W. Neudorff Serviços de
Agricultura do Brasil Ltda.

Histórico inpEV

inpEV

Considerações Finais

Agrotóxico é VENENO, sendo assim torna-se indispensável a utilização dos EPI s


evitando assim possíveis intoxicações.

Recado do ESPANTALHO OLÍMPIO

Materiais Utilizados

inpeEV Instituto Nacional de Processamento de Embalagem Vazia www.inpev.org.br


Andef Associação Nacional de Defesa Vegetal www.andef.com.br - Manual de uso
correto de equipamentos de proteção individual - Manual de uso correto e seguro de
produtos fitossanitários agrotóxicos - Destinação final de embalagens vazias de
agrotóxicos - Manual de transporte de produtos fitossanitários Vest Segura
Equipamentos de Proteção Individual - www.vestsegura.com.br ANDAV Associação
dos Distribuidores de Insumos Agropecuários www.andav.com.br NR 31 Norma
Regulamentadora 31 Legislação Agrotóxicos Lei n 7.802, de 11 de julho de 1989
Legislação Agrotóxicos Decreto n 4.074, de 4 de janeiro de 2002 Manual de
procedimentos para fiscalização do uso, do comércio de agrotóxicos, do receituário
agronômico e de empresas prestadoras de serviços fitossanitários. NR 6 Equipamento
de Proteção Individual EPI

OBRIGADO
E-mail: gesley.lima@hotmail.com

(18) 9627-6380