You are on page 1of 226

‘MANTENHA-SE NO

AMOR DE DEUS’
ˇ Como você pode mostrar que
realmente ama a Deus?
ˇ Como saber quando pode confiar
em sua consciência?
ˇ O que sua escolha de amigos
revela sobre você?
ˇ Por que seu modo de encarar
os que têm autoridade influencia
o conceito que Deus tem sobre
você?
ˇ Por que obedecer aos padrões de
moral de Deus é para o seu
próprio bem?
ˇ Como encontrar satisfação
no trabalho?
ˇ O que o ajudará a querer
obedecer a Jeová?

s
170816
lv-T
‘MANTENHA-SE NO
AMOR DE DEUS’
ES TE LIVRO PERTENCE A

Créditos das fotos: ˛ página 14: ˘ COMSTOCK Images/age fotostock


˛ página 134: Mixa/age fotostock ˛ página 201: ˘ bilderlounge/Tips RF/age fotostock

Esta publicação não é vendida. Ela faz parte de uma obra


educativa bíblica, mundial, mantida por donativos.
Para fazer um donativo, acesse www.jw.org.

A menos que haja outra indicação, os textos bíblicos citados


são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada.
“Keep Yourselves in God’s Love”
Edição de junho de 2016
Portuguese (Brazilian Edition) (lv-T)
ISBN 978-85-7392-108-3
˘ 2008, 2015
Watch Tower Bible and Tract Society of Pennsylvania
Associação Torre de Vigia de Bíblias e Tratados
Editoras
Watchtower Bible and Tract Society of New York, Inc.
Wallkill, New York, U.S.A.
˜ ´
Associaçao Torre de Vigia de Bıblias e Tratados
´ ˜
Cesario Lange, Sao Paulo, Brasil
Todos os direitos reservados
Made in Brazil
SUMÁRIO

CAPÍTULO PÁGINA

1. O que significa “o amor de Deus” ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ 5

2. Como ter uma boa consciência? ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ 14

3. Ame os que Deus ama ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ 25

4. Por que respeitar os que têm autoridade? ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ 36

5. Como se manter separado do mundo ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ 50

6. Como escolher diversão sadia ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ 62

7. Você valoriza a vida assim como Deus? ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ 74

8. Deus ama pessoas limpas ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ 86

9. ‘Fuja da imoralidade sexual’ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ 97

10. Casamento — uma dádiva de um Deus amoroso ․ ․ ․ ․ ․ ․ 110

11. “O casamento seja honroso” ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ 121

12. Fale o que “for bom para a edificação” ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ 133

13. Celebrações que desagradam a Deus ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ 144

14. Seja honesto em todas as coisas ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ 160

15. Desfrute dos resultados do seu trabalho árduo ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ 171

16. Oponha-se ao Diabo e às suas artimanhas ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ 183

17. “Edifiquem-se na sua santíssima fé” ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ 196

Apêndice ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ 206
Prezado leitor que ama a Jeová:
“Vocês conhecerão a verdade, e a verdade os libertará”,
disse Jesus. (João 8:32) Essas palavras são muito
animadoras. De fato, é possível conhecer a verdade
mesmo nestes “últimos dias” críticos, cheios de falsidade.
(2 Timóteo 3:1) Você se lembra quando passou a
entender a verdade conforme explicada na Palavra de
Deus? Foi realmente emocionante!
Mas tão importante quanto ter conhecimento exato
da verdade e participar regularmente em transmiti-lo
a outros é agir em harmonia com a verdade. Para isso,
precisamos nos manter no amor de Deus. O que está
envolvido nisso? As palavras de Jesus na noite antes de
sua morte respondem a essa pergunta. Ele disse a seus
apóstolos fiéis: “Se vocês obedecerem aos meus
mandamentos, permanecerão no meu amor, assim
como eu obedeço aos mandamentos do Pai e permaneço
no amor dele.” — João 15:10.
Note que Jesus permaneceu no amor de Deus por
observar os mandamentos de seu Pai. Isso também se
aplica a nós hoje. Para permanecermos no amor de Deus,
precisamos viver de acordo com a verdade no nosso dia a
dia. Naquela mesma noite, Jesus disse: “Se vocês sabem
essas coisas, felizes serão se as praticarem.” — João 13:17.
Nosso desejo sincero é que este livro o ajude a
continuar vivendo em harmonia com a verdade e a
manter-se assim “no amor de Deus . . . visando a vida
eterna”. — Judas 21.
Corpo Governante das Testemunhas de Jeová
C APÍTULO 1

O que significa
“o amor de Deus”
“O amor de Deus significa o seguinte: que
obedeçamos aos seus mandamentos; contudo,
os seus mandamentos não são pesados.” — 1 JOÃO 5:3.

VOCÊ ama a Deus? Se você tem uma relação dedicada


com Jeová Deus, com certeza responderá sim a essa per-
gunta — e com toda razão! É natural amarmos a Jeová.
Na realidade, amamos a Deus porque ele nos ama. A
Bíblia expressa isso da seguinte maneira: “Nós amamos
porque ele [Jeová] nos amou primeiro.” — 1 João 4:19.
2 Foi Jeová quem nos amou primeiro. Ele nos deu um

lindo lar terrestre. Cuida de nossas necessidades físicas e


materiais. (Mateus 5:43-48) Mais importante ainda, su-
pre nossas necessidades espirituais. Ele nos deu a sua Pa-
lavra, a Bíblia. Além disso, Jeová nos convida a orar a ele
com a garantia de que seremos ouvidos e de que recebe-
remos a ajuda do seu espírito santo. (Salmo 65:2; Lucas
11:13) Acima de tudo, ele enviou seu Filho mais querido
como Resgatador para nos livrar do pecado e da morte.
Que grande amor Jeová tem por nós! — Leia João 3:16;
Romanos 5:8.
3 Jeová quer que nos beneficiemos de seu amor para

1, 2. O que motiva você a amar a Jeová Deus?


3. (a) O que precisamos fazer para permanecer no amor de Deus?
(b) Que pergunta importante precisamos considerar, e onde se en-
contra a resposta?

5
A dedicação e o
batismo marcam o
início de uma vida de
obediência a Jeová
motivada pelo amor

sempre. Mas se seremos beneficiados ou não depende-


rá exclusivamente de nós. A Palavra de Deus nos acon-
selha a nos ‘mantermos no amor de Deus, . . . visando
a vida eterna’. ( Judas 21) A expressão “nos mantermos”
indica que para permanecer no amor de Deus é necessá-
rio ação da nossa parte. Precisamos corresponder ao Seu
amor de maneiras práticas. Assim, é importante nos per-
guntar: ‘Como posso demonstrar que amo a Deus?’ A
resposta encontra-se nas palavras inspiradas do apóstolo
João: “O amor de Deus significa o seguinte: que obede-
çamos aos seus mandamentos; contudo, os seus manda-
mentos não são pesados.” (1 João 5:3) Devemos analisar
O que significa “o amor de Deus” 7

com atenção o sentido dessas palavras, pois queremos


mostrar ao nosso Deus quanto o amamos.
O QUE SIGNIFICA “O AMOR DE DEUS”
4 “O amor de Deus” — o que o apóstolo João tinha
em mente quando escreveu essas palavras? Essa expres-
são se refere não ao amor de Deus por nós, mas ao nos-
so amor por ele. Consegue se lembrar de quando o amor
por Jeová começou a se desenvolver no seu coração?
5 Pense por uns instantes em quando você aprendeu a

verdade sobre Jeová e seus propósitos e começou a ter fé


nele. Passou a entender que, embora você tenha nasci-
do como pecador apartado de Deus, Jeová por meio de
Cristo abriu o caminho para você ganhar a perfeição que
Adão perdeu e ter a vida eterna. (Mateus 20:28; Roma-
nos 5:12, 18) Você começou a entender a magnitude do
sacrifício de Jeová ao dar o Filho que ele mais ama para
morrer por você. Isso tocou seu coração, e você passou
a amar o Deus que demonstrou esse grande amor por
você. — Leia 1 João 4:9, 10.
6 Esse sentimento, contudo, era apenas o início do ver-

dadeiro amor a Jeová. O amor não é um simples senti-


mento; envolve mais que meras palavras. O verdadeiro
amor a Deus vai além de apenas dizer “eu amo a Jeová”.
O amor genuíno, como a fé, é demonstrado por ações,
mais especificamente, por ações que agradam a quem
amamos. (Tiago 2:26) Assim, quando o amor a Jeová se
tornou forte em seu coração, você se sentiu motivado a
viver de um modo que agrada ao seu Pai celestial. Você
é Testemunha de Jeová batizada? Em caso afirmativo, a
4, 5. (a) A que se refere a expressão “o amor de Deus”? (b) Fale so-
bre como o amor de Jeová começou a se desenvolver no seu coração.
6. Como se demonstra o verdadeiro amor, e o que o amor a Deus o
motivou a fazer?
8 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

profunda afeição e devoção que desenvolveu por Deus


fez com que você tomasse a decisão mais importante
de sua vida. Você se dedicou a Jeová para fazer a vonta-
de dele, e simbolizou isso pelo batismo. (Leia Romanos
14:7, 8.) Cumprir essa promessa solene feita a Jeová en-
volve o que o apóstolo João menciona a seguir.
‘OBEDECEMOS AOS SEUS MANDAMENTOS’
7João explica que o amor de Deus significa ‘obede-
cer aos seus mandamentos’. Quais são os mandamentos
de Deus? Jeová nos dá vários mandamentos específicos
na sua Palavra, a Bíblia. Por exemplo, ele proíbe práticas
como embriaguez, imoralidade sexual, idolatria, roubo e
mentira. (1 Coríntios 5:11; 6:18; 10:14; Efésios 4:28; Co-
lossenses 3:9) Obedecer aos mandamentos de Deus en-
volve viver em harmonia com os padrões de moral clara-
mente especificados na Bíblia.
8 Para agradar a Jeová, porém, precisamos ir além de

apenas obedecer mandamentos específicos. Jeová não


restringe nossa liberdade com leis que governam cada as-
pecto de nossa vida diária. Por isso, podemos nos depa-
rar cada dia com muitas situações para as quais não há
uma ordem bíblica específica. Nesses casos, como pode-
mos saber o que agrada a Jeová? A Bíblia mostra clara-
mente o conceito de Deus sobre os assuntos. Ao passo
que estudamos a Bíblia, aprendemos sobre o que Jeová
ama e o que ele odeia. (Leia Salmo 97:10; Provérbios
6:16-19) Passamos a compreender quais pensamentos e
ações agradam a ele. Quanto mais aprendemos sobre a
7. Quais são alguns dos mandamentos de Deus, e o que está envol-
vido em obedecê-los?
8, 9. Como podemos saber o que agrada a Jeová mesmo em situa-
ções para as quais não há uma ordem bíblica específica? Dê um
exemplo.
O que significa “o amor de Deus” 9

personalidade de Jeová e como ele age, mais permiti-


mos que seu modo de pensar molde nossas decisões e
influencie nossas ações. Assim, mesmo em situações em
que não há uma lei bíblica específica, geralmente pode-
mos saber “qual é a vontade de Jeová”. — Efésios 5:17.
9 Por exemplo, a Bíblia não contém uma ordem dire-

ta que nos proíba ver filmes ou programas de TV que


mostram crassa violência ou imoralidade sexual. Mas
será que realmente precisamos de uma lei específica que
proíba assistir a essas coisas? Sabemos o ponto de vis-
ta de Jeová sobre esses assuntos. Sua Palavra é bem cla-
ra em dizer: “[Jeová] odeia quem ama a violência.” (Sal-
mo 11:5) Ela diz também: “Deus julgará os que praticam
imoralidade sexual e os adúlteros.” (Hebreus 13:4) Por
refletirmos nessas palavras inspiradas, podemos enten-
der claramente qual é a vontade de Jeová. Por isso deci-
dimos não nos divertir assistindo a representações vívi-
das de coisas que nosso Deus odeia. Sabemos que Jeová
se agrada quando evitamos a degradação moral que este
mundo tenta nos oferecer como diversão inofensiva.1
10 Qual é o principal motivo de obedecermos aos

mandamentos de Deus? Por que razão queremos viver


cada dia em harmonia com o seu modo de pensar? De-
cidimos agir assim não apenas para evitar punição ou
as más consequências sofridas pelos que desconsideram
a vontade de Deus. (Gálatas 6:7) Em vez disso, conside-
ramos a obediência a Jeová como uma excelente opor-
tunidade de mostrar que o amamos. Assim como uma
criança deseja muito receber a aprovação de seu pai, nós
1 Veja o capítulo 6 deste livro sobre como escolher diversão sadia.

10, 11. Por que decidimos obedecer a Jeová, e que tipo de obediên-
cia prestamos a ele?
10 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

queremos ter a aprovação de Jeová. (Salmo 5:12) Ele é o


nosso Pai, e nós o amamos. Nada nos dá mais alegria e
satisfação do que saber que vivemos de um modo que re-
sulta em ‘obter a aprovação de Jeová’. — Provérbios 12:2.
11 Portanto, nossa obediência não é de má vontade;

não é seletiva nem condicional.1 Não escolhemos obe-


decer só quando nos é conveniente ou quando fazer
isso envolve pouca ou nenhuma dificuldade. Ao contrá-
rio, somos “obedientes de coração”. (Romanos 6:17) Te-
mos os mesmos sentimentos do salmista bíblico que es-
creveu: “Gosto muito dos teus mandamentos, sim,
eu os amo.” (Salmo 119:47) De fato, nós amamos obe-
decer a Jeová. Reconhecemos que ele merece — e exi-
ge — nossa obediência plena e incondicional. (Deutero-
nômio 12:32) Queremos que Jeová diga a nosso respeito
o mesmo que sua Palavra diz sobre Noé. A respeito des-
se patriarca fiel, que demonstrou seu amor a Deus sen-
do obediente por muitas décadas, a Bíblia diz: “Noé fez
tudo que Deus lhe havia mandado. Fez exatamente as-
sim.” — Gênesis 6:22.
12 Como Jeová se sente quando lhe obedecemos de

boa vontade? Sua Palavra diz que isso ‘alegra seu cora-
ção’. (Provérbios 27:11) Será que nossa obediência real-
mente alegra o coração do Soberano Senhor do Univer-
so? Com certeza que sim — e com bons motivos! Jeová
nos criou com livre-arbítrio. Isso significa que temos
liberdade de escolha; podemos escolher obedecer ou
1 Até mesmo os espíritos iníquos podem obedecer de má vontade.
Quando Jesus ordenou que os demônios saíssem de algumas pessoas
endemoninhadas, eles foram obrigados a reconhecer a autoridade de
Jesus e a obedecê-lo, embora não quisessem fazer isso. — Marcos 1:27;
5:7-13.

12. Quando é que nossa obediência alegra o coração de Jeová?


O que significa “o amor de Deus” 11

desobedecer a Deus. (Deuteronômio 30:15, 16, 19, 20)


Quando escolhemos de livre vontade obedecer a Jeová e
fazemos isso porque o amamos de coração, agradamos
e alegramos nosso Pai celestial. (Provérbios 11:20) Esco-
lhemos também o melhor modo de vida.
“SEUS MANDAMENTOS NÃO SÃO PESADOS”
13 O apóstolo João escreveu algo muito animador a
respeito dos requisitos de Jeová: “Os seus mandamentos
não são pesados.” A palavra grega traduzida “pesados”
em 1 João 5:3 literalmente significa “opressivos”.1 Ou-
tra tradução da Bíblia diz: “Seus mandamentos não são
difíceis de obedecer.” (Nova Tradução na Linguagem de
Hoje) Os mandamentos de Jeová não são desarrazoados
nem opressivos. Mesmo sendo imperfeitos, os humanos
conseguem obedecer às leis de Deus.
14 Podemos ilustrar isso da seguinte maneira: um ami-

go seu está mudando de casa e lhe pede que o aju-


de na mudança. Há muitas caixas para carregar. Algu-
mas são leves e podem ser carregadas por apenas uma
pessoa, mas outras são pesadas, de modo que é preciso
duas pessoas para carregá-las. Seu amigo lhe pede para
levar algumas caixas. Será que ele separaria as que são pe-
sadas demais para você? Não. Ele não gostaria que você
se machucasse tentando carregá-las sozinho. Da mes-
ma forma, nosso amoroso e bondoso Deus não nos
1 Em Mateus 23:4, essa palavra é usada para descrever “cargas pe-
sadas”, ou seja, regras minuciosas e tradições humanas que os escri-
bas e fariseus impunham ao povo comum. Essa mesma palavra é tra-
duzida “ferozes” em Atos 20:29, 30 e se refere aos apóstatas opressores
que falariam “coisas deturpadas” com o objetivo de desencaminhar
outros.

13, 14. Por que se pode dizer que os ‘mandamentos de Deus não são
pesados’, e como isso pode ser ilustrado?
12 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

dá mandamentos que não temos condições de cumprir.


(Deuteronômio 30:11-14) Ele jamais nos pediria para
carregar tal fardo pesado. Jeová entende nossas limita-
ções, pois ele “sabe bem como somos formados, lembra-
se de que somos pó”. — Salmo 103:14.
15 Os mandamentos de Jeová com certeza não são pe-

sados; eles são para o nosso bem. (Leia Isaías 48:17.) Por
isso, Moisés pôde dizer ao Israel antigo: “Jeová ordenou
que cumpríssemos todos esses decretos e temêssemos a
Jeová, nosso Deus, para o nosso bem eterno, a fim de que
continuássemos vivos, assim como estamos hoje.” (Deu-
teronômio 6:24) Nós também podemos estar certos de
que, ao nos dar suas leis, Jeová visa nossos melhores in-
teresses — nosso bem-estar eterno. Realmente, não é isso
o que esperaríamos dele? Jeová é um Deus de infinita
sabedoria. (Romanos 11:33) Ele sabe, portanto, o que é
melhor para nós. Jeová é também a personificação do
amor. (1 João 4:8) O amor, a essência de seu próprio ser,
influencia tudo o que ele diz e faz. É a base de todos os
mandamentos que ele dá a seus servos.
16 Isso não quer dizer que a obediência a Deus seja fá-

cil. Temos de lutar contra as influências deste mundo


moralmente corrupto, que “está no poder do Maligno”.
(1 João 5:19) Por causa da imperfeição humana, temos
de lutar também contra a tendência de violar as leis de
Deus. (Romanos 7:21-25) Mas nosso amor a Deus pode
vencer. Jeová abençoa os que querem provar seu amor
a ele sendo obedientes. Ele dá seu espírito santo “aos
que lhe obedecem como governante”. (Atos 5:32) Esse
15. Por que podemos estar certos de que os mandamentos de Jeová
são para o nosso bem?
16. Por que podemos ser obedientes apesar das influências deste
mundo moralmente corrupto e da imperfeição humana?
O que significa “o amor de Deus” 13

espírito produz um fruto excelente em nós — importan-


tes qualidades que podem nos ajudar a ser obedientes.
— Gálatas 5:22, 23.
17 Neste livro, examinaremos os princípios e os pa-

drões morais de Jeová e muitas outras coisas que indi-


cam qual é a sua vontade. Ao fazermos isso, precisamos
ter em mente alguns pontos importantes: Jeová não nos
obriga a obedecer suas leis e princípios, ele deseja que
lhe obedeçamos de coração; ele espera que vivamos de
um modo que traga ricas bênçãos agora e resulte em vida
eterna no futuro; e devemos considerar nossa obediên-
cia de coração como uma excelente oportunidade para
mostrar a Jeová quanto o amamos.
18 Para ajudar-nos a discernir o certo do errado, Jeová

amorosamente nos dotou da faculdade da consciência.


Mas, para ser um guia confiável, nossa consciência preci-
sa ser treinada, como veremos no próximo capítulo.
17, 18. (a) O que examinaremos neste livro, e o que devemos ter em
mente ao fazer isso? (b) O que consideraremos no próximo capítulo?

COMO RESPONDERIA?
ˇ Que tipo de obediência Jeová espera de seus
adoradores, e por que isso visa nossos me-
lhores interesses? — Deuteronômio 5:28-33.
ˇ De que importância a obediência é para
Jeová? — 1 Samuel 15:22, 23.
ˇ Que lição podemos aprender do modo
como Jesus encarou a obediência a Deus?
— João 8:29.
ˇ Por que obedecer a Jeová é a coisa certa a
fazer? — Apocalipse 4:11.
C APÍTULO 2

Como ter uma


boa consciência?
“Mantenham uma boa consciência.”
— 1 PEDRO 3:16.

UM MARINHEIRO conduz seu navio cruzando as ondas de


um vasto oceano; um peregrino faz uma viagem longa e difí-
cil por um deserto; um piloto guia sua aeronave acima das nu-
vens, que se estendem até o horizonte. Você sabe o que essas
pessoas têm em comum? Cada uma delas, de um jeito ou de
outro, pode enfrentar grandes dificuldades se não tiver uma
bússola — especialmente se não tiver acesso à tecnologia mo-
derna.
2 A bússola é um instrumento simples; em geral é só um

mostrador com uma agulha magnética apontando para o nor-


te. Quando funciona de forma adequada e principalmente
quando é usada com um bom mapa, pode salvar vidas. De cer-
ta maneira, a bússola pode ser comparada a um presente va-
1, 2. Por que a bússola é um instrumento importante, e como ela
pode ser comparada à consciência?
Como ter uma boa consciência? 15

lioso que Jeová nos deu — a consciência. (Tiago 1:17) Sem


a consciência, estaríamos completamente perdidos. Usada da
maneira correta, ela pode ajudar-nos a encontrar o caminho
certo na vida e a continuar nele. Por isso, vejamos o que é cons-
ciência e como funciona. Depois podemos analisar os seguin-
tes pontos: (1) como treinar a consciência, (2) por que deve-
mos levar em consideração a consciência de outros e (3) como
somos beneficiados por manter uma boa consciência.
O QUE É CONSCIÊNCIA E COMO FUNCIONA
3 Na Bíblia, a palavra grega para “consciência” significa lite-
ralmente “conhecimento consigo mesmo”. Deus nos deu a
capacidade de conhecer a nós mesmos, o que nos torna dife-
rentes de todas as outras criaturas terrestres. Podemos, por as-
sim dizer, parar e olhar para dentro de nós e fazer uma avalia-
ção moral de nós mesmos. Agindo como juiz interno, nossa
consciência pode examinar nossas ações, pensamentos e es-
colhas. Ela pode nos ajudar a tomar uma boa decisão ou nos
alertar contra tomar uma decisão errada. Depois ela pode nos
fazer sentir tranquilos por termos escolhido o modo certo de
agir ou nos punir com sentimentos de culpa por termos to-
mado a decisão errada.
4 Essa capacidade de conhecer a si mesmo foi dada ao ho-

mem e à mulher quando foram criados. O modo como Adão


e Eva agiram mostrou que eles tinham uma consciência. Pro-
va disso foi que sentiram vergonha depois que pecaram. (Gê-
nesis 3:7, 8) Infelizmente, uma consciência pesada não podia
ajudá-los naquele momento. De modo intencional eles ha-
viam desprezado a lei de Deus. Assim, de forma consciente
eles escolheram tornar-se rebeldes, opositores de Jeová Deus.
3. Qual é o significado literal da palavra grega para “consciência”, e
ela se refere a que capacidade exclusiva dos humanos?
4, 5. (a) Como sabemos que Adão e Eva tinham uma consciência, e
qual foi o resultado de eles terem desprezado a lei de Deus? (b) Como
a consciência funcionou no caso de alguns homens fiéis dos tempos
pré-cristãos?
16 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

Como humanos perfeitos, eles sabiam o que estavam fazendo


e não tinham como voltar atrás.
5 Diferentemente de Adão e Eva, muitos humanos imper-

feitos escutam sua consciência. Por exemplo, o fiel Jó pôde di-


zer: “Insistirei na minha retidão e nunca a deixarei; enquanto
eu viver, meu coração não me condenará.”1 (Jó 27:6) Jó fazia
questão de ouvir sua consciência, permitindo que ela guiasse
suas ações e decisões. Assim, ele podia dizer com orgulho que
sua consciência não o condenava, fazendo com que ele sen-
tisse vergonha e culpa. Note agora o contraste entre Jó e Davi.
Depois que Davi mostrou desrespeito por Saul, o rei ungido
de Jeová, ‘seu coração o acusava’. (1 Samuel 24:5) Essa dor
de consciência certamente o beneficiou, ensinando-o a não
mostrar mais esse tipo de desrespeito.
6 Será que só os servos de Jeová têm esse dom da cons-

ciência? Considere as palavras inspiradas do apóstolo Paulo:


“Quando pessoas das nações, que não têm lei, fazem por na-
tureza as coisas exigidas por lei, essas pessoas, embora não te-
nham lei, são uma lei para si mesmas. Elas mesmas demons-
tram que têm a essência da lei escrita no coração, ao passo
que a consciência delas também dá testemunho, e, pelos seus
pensamentos, elas são acusadas ou até mesmo desculpadas.”
(Romanos 2:14, 15) Mesmo os que não têm nenhum conhe-
cimento das leis de Jeová podem às vezes ser motivados pela
consciência a agir de acordo com os princípios divinos.
7 Mas às vezes a consciência pode se enganar. Por quê?

Bem, se uma bússola for colocada perto de um objeto de me-


1 Nas Escrituras Hebraicas, não há uma palavra específica para “cons-
ciência”. No entanto, em exemplos como o de Jó fica evidente que era
a consciência que estava atuando. A expressão “coração” em geral se
refere àquilo que somos no íntimo. Em casos como o de Jó, essa ex-
pressão pelo visto se refere a uma parte específica do íntimo da pessoa
— a consciência. Nas Escrituras Gregas Cristãs, a palavra grega traduzi-
da “consciência” aparece cerca de 30 vezes.

6. O que mostra que a consciência é um dom que todas as pessoas têm?


7. Por que às vezes a consciência pode se enganar?
Como ter uma boa consciência? 17

tal, ela poderá deixar de apontar para o norte. E se for usada


sem um bom mapa, a bússola poderá ser praticamente inú-
til. Da mesma forma, se desejos egoístas do nosso coração in-
fluenciarem nossa consciência, ela poderá nos guiar para a
direção errada. E se for usada sem a orientação confiável
da Palavra de Deus, talvez não consigamos distinguir o cer-
to do errado em muitos assuntos importantes. Por isso, para
que nossa consciência funcione corretamente, precisamos da
orientação do espírito santo de Jeová. O apóstolo Paulo es-
creveu: “Minha consciência dá testemunho comigo, em espí-
rito santo.” (Romanos 9:1) Mas o que precisamos fazer para
que nossa consciência aja de acordo com o espírito santo de
Jeová? É necessário treinamento.
COMO TREINAR A CONSCIÊNCIA
8 Como se toma uma decisão orientando-se pela consciên-
cia? Parece que algumas pessoas simplesmente olham para
dentro de si mesmas, examinam seus sentimentos e decidem o
que fazer. Depois talvez digam: ‘Bem, isso não perturba minha
consciência.’ Os desejos do coração podem ser muito fortes e
até mesmo influenciar a consciência. A Bíblia diz: “O coração
é mais traiçoeiro do que qualquer outra coisa e está desespera-
do. Quem pode conhecê-lo?” (Jeremias 17:9) Sendo assim, o
que nosso coração deseja não deve ser a coisa mais importante
a ser levada em consideração. Em vez disso, devemos nos preo-
cupar principalmente com o que vai agradar a Jeová Deus.1
1 A Bíblia mostra que nem sempre basta acharmos que temos uma
consciência limpa. Por exemplo, Paulo disse: “Não estou ciente de nada
contra mim mesmo. Mas isso não prova que eu seja justo; quem me
examina é Jeová.” (1 Coríntios 4:4) Mesmo aqueles que perseguem os
cristãos, como Paulo fazia antes, talvez façam isso com a consciência
limpa, porque acham que Deus aprova o que fazem. É importante que
nossa consciência esteja limpa tanto do nosso ponto de vista como do
ponto de vista de Deus. — Atos 23:1; 2 Timóteo 1:3.

8. (a) Como o coração pode influenciar a consciência, e qual deve ser


nossa maior preocupação ao tomar decisões? (b) Por que nem sempre
basta o cristão achar que tem uma consciência limpa? (Veja a nota.)
18 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

Se uma decisão for mesmo baseada em nossa consciência


9

treinada, ela será um reflexo de nosso temor a Deus, não de


nossos desejos. Considere um exemplo que ilustra bem esse
ponto. O fiel governador Neemias tinha o direito de exigir
certos pagamentos e impostos do povo de Jerusalém. Mesmo
assim ele não fez isso. Por quê? Ele não queria correr o risco
de desagradar a Jeová por oprimir o povo de Deus. Ele disse:
“Não agi assim por temor de Deus.” (Neemias 5:15) É essen-
cial o genuíno temor a Deus, o temor sincero de desagradar
nosso Pai celestial. Esse temor reverente nos motivará a pro-
curar a orientação da Palavra de Deus quando tivermos que
tomar decisões.
10 Por exemplo, considere a questão das bebidas alcoólicas.

Em reuniões sociais, muitos de nós temos de tomar uma de-


cisão: devo beber ou não? Primeiro, precisamos saber que
princípios bíblicos se aplicam nesse caso. Na verdade, a Bí-
blia não condena o uso moderado do álcool. Ela cita o vi-
nho como uma dádiva de Deus e o louva por isso. (Salmo
104:14, 15) Mas a Bíblia condena beber sem moderação e par-
ticipar de festas descontroladas. (Lucas 21:34; Romanos 13:13)
Além disso, ela inclui a embriaguez entre outros pecados gra-
ves, como a imoralidade sexual e o adultério.1 — 1 Coríntios
6:9, 10.
11 A consciência de um cristão é treinada por esses prin-

cípios bíblicos e torna-se sensível a eles. Assim, quando nos


confrontamos com a decisão de ir ou não a uma reunião so-
cial onde haverá bebidas alcoólicas, devemos nos fazer algu-
1 É digno de nota que muitos médicos dizem que, na realidade, be-
ber moderadamente é impossível para os alcoólatras; no caso deles,
“moderação” significa não beber.

9. O que é o temor a Deus, e como ele pode influenciar nossa cons-


ciência?
10, 11. Que princípios bíblicos estão relacionados ao consumo de
bebidas alcoólicas, e como podemos ter a orientação de Deus para apli-
cá-los?
Como ter uma boa consciência? 19

mas perguntas, como: ‘Que tipo de reunião está sendo orga-


nizada? Será do tipo que sai do controle, tornando-se uma
festa descontrolada? Tenho a tendência de beber demais? Fico
ansioso para beber, sou dependente do álcool, uso a bebida
para controlar meu humor e meu comportamento? Tenho o
autodomínio necessário para não passar do limite?’ Ao medi-
tarmos nos princípios bíblicos e nas perguntas que surgem,
devemos buscar a orientação de Jeová por meio da oração.
(Leia Salmo 139:23, 24.) Desse modo, estaremos pedindo
que Jeová nos guie com seu espírito santo. Estaremos tam-
bém treinando nossa consciência para que ela aja de acordo
com os princípios divinos. Mas existe outro fator que deve in-
fluenciar nossas decisões.
POR QUE LEVAR EM CONSIDERAÇ ÃO
A CONSCIÊNCIA DE OUTROS?
12 Vez por outra, você talvez fique surpreso de ver como

as opiniões dos cristãos variam em assuntos de consciência.


Uma pessoa acha inaceitável certa prática ou certo costume;
outra gosta disso e não acha que seja errado. Por exemplo, na
questão de beber socialmente, uma pessoa talvez ache agra-
dável beber alguma coisa com uns amigos enquanto se des-
contraem no fim do dia; outra já se sente incomodada com
isso. Por que existem essas diferenças, e como elas devem afe-
tar nossas decisões?
13 As pessoas diferem umas das outras por muitos motivos.

As circunstâncias em que cada um foi criado variam bastan-


te. Alguns, por exemplo, estão bem cientes de que têm certa
fraqueza com a qual tiveram de lutar no passado — e talvez
nem sempre tenham se saído bem. (1 Reis 8:38, 39) Quando
se trata de bebidas alcoólicas, pode ser que a consciência des-
sas pessoas seja mais sensível. Se alguém nessa situação for
12, 13. Quais são alguns motivos pelos quais as opiniões dos cris-
tãos variam em assuntos de consciência, e como devemos lidar com
isso?
20 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

visitá-lo em sua casa e você lhe oferecer uma bebida alcoó-


lica, talvez a consciência dele, com bons motivos, não per-
mita que ele aceite. Você ficará ofendido? Vai insistir? Não.
Conhecendo ou não os motivos da pessoa — que ela tal-
vez prefira não comentar —, você será motivado pelo amor
cristão a respeitar a decisão dela.
14 O apóstolo Paulo observou que entre os cristãos do

primeiro século havia muitas opiniões diferentes em as-


suntos que envolviam a consciência. Por exemplo, naque-
la época alguns cristãos ficavam incomodados com o fato
de certos alimentos terem sido sacrificados a ídolos. (1 Co-
ríntios 10:25) A consciência de Paulo lhe permitia comer
esses alimentos, que eram vendidos no mercado depois
de terem sido oferecidos em sacrifício. Para ele, os ído-
los não eram nada; jamais um alimento poderia perten-
cer a um ídolo, pois os alimentos foram criados por Jeová
e de qualquer forma pertencem a ele. Mesmo assim, Pau-
lo sabia que nem todos tinham o mesmo ponto de vista
sobre o assunto. Alguns talvez tivessem estado profunda-
mente envolvidos em idolatria antes de se tornarem cris-
tãos. Para eles, mesmo algo que não tivesse mais nenhuma
ligação com a idolatria era repugnante. Como resolver essa
questão?
15 Paulo disse: “Mas nós, que somos fortes, devemos su-

portar as fraquezas dos que não são fortes, e não agradar a


nós mesmos. Pois nem mesmo o Cristo agradou a si mes-
mo.” (Romanos 15:1, 3) Paulo mostrou que devemos co-
locar os interesses dos irmãos à frente dos nossos, assim
como Cristo fez. Em outra consideração desse assunto, ele
disse que seria melhor não comer carne do que fazer tro-
peçar uma ovelha preciosa por quem Cristo tinha dado a
vida. — Leia 1 Coríntios 8:13; 10:23, 24, 31-33.
14, 15. Na congregação do primeiro século, havia opiniões diferentes
sobre que assunto de consciência, e que conselho Paulo deu?
Uma consciência treinada pela Bíblia pode ajudá-lo a decidir
se vai tomar ou não bebidas alcoólicas

16 Por outro lado, os que têm uma consciência mais sen-

sível não devem criticar outros, insistindo que todos en-


carem os assuntos de consciência da mesma maneira que
eles. (Leia Romanos 14:10.) Na verdade, devemos usar
a consciência para julgar a nós mesmos, não para jul-
gar outros. Lembre-se das palavras de Jesus: “Parem de
julgar, para que não sejam julgados.” (Mateus 7:1) Todos
na congregação devem evitar criar questão sobre assun-
tos de consciência. Em vez disso, devemos procurar meios
para promover a paz e a união, edificando-nos mutua-
mente, não desanimando-nos uns aos outros. — Romanos
14:19.
16. Por que os que têm uma consciência mais sensível devem evitar
julgar os que têm uma opinião diferente?
Uma boa consciência pode guiar-nos pelo caminho da vida,
resultando em alegria e paz interior

OS BENEFÍCIOS DE UMA
BOA CONSCIÊNCIA
17 O apóstolo Pedro escreveu: “Mantenham uma boa cons-

ciência.” (1 Pedro 3:16) Uma consciência limpa do ponto de


vista de Jeová é uma grande bênção. Muitos hoje não têm
uma consciência assim. Paulo falou dos que “têm a consciên-
cia marcada como que com ferro quente”. (1 Timóteo 4:2)
Um ferro quente cauteriza a carne, deixando-a cicatrizada e
insensível. Muitos têm uma consciência que está, na realida-
de, morta — tão cicatrizada e insensível que não dá mais si-
nais de aviso, não objeta a nada nem causa sentimentos de
culpa ou vergonha diante de um erro. Muitos acham isso
bom.
17. O que aconteceu com a consciência de muitos hoje?
Como ter uma boa consciência? 23

18 Na verdade, sentimentos de culpa podem ser uma ma-


neira de a consciência nos dizer que fizemos algo erra-
do. Quando esses sentimentos levam o pecador ao arrepen-
dimento, até mesmo o pior pecado pode ser perdoado. Por
exemplo, o Rei Davi cometeu pecados graves, mas foi perdoa-
do em grande parte por causa do seu arrependimento sincero.
O ódio pelo proceder errado e a determinação de obedecer às
leis de Jeová a partir de então o fizeram ver de primeira mão
que Jeová é ‘bom e está pronto a perdoar’. (Salmo 51:1-19;
86:5) Mas o que dizer se continuarmos a ter fortes sentimen-
tos de culpa e vergonha depois de ter nos arrependido e ter
sido perdoados?
19 Às vezes a consciência pode punir mais do que devia,

atormentando o pecador com sentimentos de culpa por mui-


to tempo depois de tê-lo ajudado. Nesses casos, talvez precise-
mos assegurar ao nosso coração, que nos condena, que Jeová
é maior do que todos os sentimentos humanos. Precisamos
acreditar no seu amor e perdão e aceitá-los, assim como in-
centivamos outros a fazer. (Leia 1 João 3:19, 20.) Por outro
lado, uma consciência limpa resulta em paz interior, tranqui-
lidade e uma profunda alegria que é difícil de encontrar no
mundo de hoje. Muitos que antes se envolveram em pecado
sério sentiram esse maravilhoso alívio e agora servem a Jeová,
mantendo uma boa consciência. — 1 Coríntios 6:11.
20 Este livro foi preparado para ajudá-lo a encontrar essa ale-

gria por manter uma boa consciência enquanto vivemos nes-


tes últimos dias atribulados do sistema de Satanás. É claro que
é impossível abranger nestas páginas todas as leis e princípios
bíblicos que você precisa analisar e aplicar nas situações que
surgem no dia a dia. Além disso, não espere regras simples e
18, 19. (a) Como sentimentos de culpa e vergonha podem nos bene-
ficiar? (b) O que podemos fazer se nossa consciência continuar a nos
atormentar por causa de pecados passados dos quais já nos arrepende-
mos?
20, 21. (a) Qual é o objetivo deste livro? (b) Que liberdade temos
como cristãos, mas como devemos usá-la?
24 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

específicas no que se refere a assuntos de consciência. O obje-


tivo deste livro é ajudá-lo a treinar sua consciência e torná-la
mais sensível aos princípios bíblicos por aprender a aplicar a
Palavra de Deus na sua vida diária. Ao contrário da Lei mo-
saica, “a lei do Cristo” incentiva aos que a seguem a se guiar
mais pela consciência e por princípios do que por regras. (Gá-
latas 6:2) Assim, Jeová dá aos cristãos uma notável liberdade.
Mas sua Palavra nos lembra que nunca devemos usar essa li-
berdade “como disfarce para fazer o que é errado”. (1 Pedro
2:16) Em vez disso, essa liberdade nos dá uma maravilhosa
oportunidade de expressar nosso amor a Jeová.
21 Por considerar com oração como aplicar os princípios bí-

blicos na sua vida da melhor maneira, e então tomar suas de-


cisões, você dará continuidade a um processo importante que
começou quando você passou a conhecer a Jeová. Sua “capa-
cidade de discernimento” estará sendo treinada “pelo uso”.
(Hebreus 5:14) Sua consciência treinada pela Bíblia será uma
bênção para você todos os dias da sua vida. Como a bússola
que orienta o viajante, sua consciência vai ajudá-lo a tomar
decisões que agradam a seu Pai celestial. Essa é uma maneira
segura de permanecer no amor de Deus.

QUAL É A SUA RESPOSTA?


ˇ Saber que Jeová nos observa todo o tempo
deve ter que efeito sobre nossa consciência?
— Hebreus 4:13.
ˇ Como a consciência de José o ajudou a
resistir à tentação? — Gênesis 39:1, 2, 7-12.
ˇ Por que é essencial ter uma consciência limpa
para nos achegar a Jeová? — Hebreus 10:22.
ˇ Por que devemos levar em consideração a
consciência de pessoas que não adoram a
Jeová? — 2 Coríntios 4:1, 2.
C APÍTULO 3

Ame os que
Deus ama
“Quem anda com sábios se tornará sábio.”
— PROVÉRBIOS 13:20.

DE CERTA forma, as pessoas são como esponjas; elas têm


a tendência de absorver o que está à sua volta. É muito fá-
cil adotar, mesmo sem querer, as atitudes, os padrões e os
traços de personalidade daqueles com quem temos mui-
to contato.
2 A Bíblia expressa uma grande verdade ao dizer:

“Quem anda com sábios se tornará sábio, mas quem se


junta com tolos acabará mal.” (Provérbios 13:20) Esse
provérbio se refere a mais que um contato superficial. A
expressão ‘andar com’ sugere companheirismo.1 Ao co-
mentar esse versículo, uma obra de referência bíblica diz:
“Andar com uma pessoa envolve amor e apego.” Não
concorda que temos a tendência de imitar a quem ama-
mos? De fato, visto que nos apegamos emocionalmente
às pessoas que amamos, elas podem nos influenciar, quer
para o bem, quer para o mal.
3 Para permanecermos no amor de Deus, é essencial

que procuremos nos associar com pessoas que terão boa


influência sobre nós. Como podemos fazer isso? Dito de
1 A palavra hebraica traduzida “juntar-se com” é também tra-
duzida “acompanhar” e “andar com”. — Juízes 14:20; Provérbios
22:24.

1-3. (a) Que grande verdade a Bíblia expressa? (b) Como podemos
escolher amigos que terão boa influência sobre nós?
26 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

forma simples, por amar os que Deus ama, fazendo dos


Seus amigos os nossos amigos. Pense bem: poderíamos
ter amigos melhores do que aqueles que têm as quali-
dades que Jeová procura nos amigos dele? Examinemos,
portanto, o tipo de pessoas que Deus ama. Com o ponto
de vista de Jeová bem em mente, teremos melhores con-
dições de escolher boas amizades.
AQUELES QUE DEUS AMA
Quando se trata de amizade, Jeová é exigente. Não
4

acha que ele tem esse direito? Afinal, ele é o Sobera-


no Senhor do Universo, e ser amigo dele é a maior hon-
ra que existe. Quem, portanto, ele escolhe como amigos?
Jeová se achega aos que confiam e têm plena fé nele. Veja
o exemplo do patriarca Abraão, conhecido por sua notá-
vel fé. Dificilmente existiria uma prova maior de fé para
um pai humano do que se lhe pedir que ofereça seu fi-
lho como sacrifício.1 Mesmo assim, Abraão “praticamen-
te ofereceu Isaque”, com plena fé em ‘que Deus era ca-
paz de levantar seu filho até mesmo dentre os mortos’.
(Hebreus 11:17-19) Por Abraão demonstrar tal fé e obe-
diência, Jeová carinhosamente o chamou de “meu ami-
go”. — Isaías 41:8; Tiago 2:21-23.
5 Jeová valoriza muito a obediência leal. Ele ama os

que estão dispostos a colocar a lealdade a ele acima de


todas as outras coisas. (Leia 2 Samuel 22:26.) Como vi-
mos no capítulo 1 deste livro, Jeová se agrada muito dos
1 Por pedir isso a Abraão, Jeová estava retratando o sacrifício que
ele mesmo faria ao oferecer seu Filho unigênito. ( João 3:16) No caso
de Abraão, Jeová interveio e forneceu um carneiro para ser oferecido
no lugar de Isaque. — Gênesis 22:1, 2, 9-13.

4. Por que Jeová tem o direito de ser exigente na escolha de seus ami-
gos, e por que ele se referiu a Abraão como “meu amigo”?
5. O que Jeová sente por aqueles que lealmente lhe obedecem?
Ame os que Deus ama 27

que lhe obedecem por amor. Provérbios 3:32 diz: “[Ele]


tem amizade íntima com os íntegros.” Os que lealmen-
te cumprem com os requisitos de Jeová recebem dele um
bondoso convite: o de ser hóspedes na sua “tenda” — ser
acolhidos para adorá-lo e ter livre acesso a ele em oração.
— Salmo 15:1-5.
6 Jeová ama os que amam a Jesus, seu Filho unigênito.

Jesus disse: “Se alguém me amar, obedecerá à minha pa-


lavra, e o meu Pai o amará, e nós iremos a ele e faremos
a nossa morada com ele.” ( João 14:23) Como podemos
mostrar que amamos a Jesus? Com certeza, uma maneira
é por obedecer seus mandamentos, incluindo a comissão
de pregar as boas novas e fazer discípulos. (Mateus 28:19,
20; João 14:15, 21) Também mostramos que amamos a
Jesus quando ‘seguimos fielmente seus passos’, imitan-
do-o em palavras e ações da melhor forma possível, ape-
sar de sermos imperfeitos. (1 Pedro 2:21) Jeová se alegra
de ver os esforços dos que, por amor, procuram imitar seu
Filho.
7 Fé, lealdade, obediência e amor por Jesus e seu

modo de agir — essas são qualidades que Jeová procura


nos Seus amigos. Devemos nos perguntar: ‘Essas quali-
dades são evidentes nos meus amigos? Os meus amigos
são amigos de Jeová?’ É importante que sejam. Pessoas
que cultivam qualidades divinas e pregam as boas novas
do Reino com zelo podem ter uma boa influência so-
bre nós, motivando-nos a continuar agradando a Deus.
— Veja o quadro “O que faz de alguém um bom ami-
go?”, na página 29.
6. Como podemos mostrar que amamos a Jesus, e como Jeová se
sente em relação aos que amam seu Filho?
7. Por que é importante que nossos amigos sejam amigos de
Jeová?
28 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

EXEMPLOS BÍBLICOS DE AMIZADE


As Escrituras contêm muitos exemplos de pessoas
8

que foram beneficiadas por escolher bons amigos. Você


pode ler sobre a amizade entre Noemi e sua nora Rute, so-
bre os três jovens hebreus em Babilônia que eram amigos
leais e sobre a amizade entre Paulo e Timóteo. (Rute 1:16;
Daniel 3:17, 18; 1 Coríntios 4:17; Filipenses 2:20-22) No
entanto, vamos nos concentrar em outro exemplo notá-
vel: a amizade entre Davi e Jonatã.
9 A Bíblia diz que, depois de Davi matar Golias, “surgiu

uma grande amizade entre Jonatã e Davi; e Jonatã come-


çou a amá-lo como a si mesmo”. (1 Samuel 18:1) Assim
teve início uma amizade inabalável que, apesar da gran-
de diferença de idade entre os dois, durou até a morte de
Jonatã no campo de batalha.1 (2 Samuel 1:26) Em que se
baseava o forte vínculo que existia entre esses dois ami-
gos?
10 Davi e Jonatã eram muito apegados porque ama-

vam a Deus e tinham forte desejo de permanecer fiéis a


ele. Isso criou um vínculo espiritual entre os dois. Cada
um tinha qualidades que o outro apreciava. Jonatã sem
dúvida ficou impressionado com a coragem e o zelo do
jovem que destemidamente defendeu o nome de Jeová.
Davi com certeza respeitava esse homem mais velho que
lealmente apoiava o modo de Jeová fazer as coisas e que,
de forma abnegada, colocava os interesses de Davi acima
1 Davi era bem jovem — “apenas um menino” — quando matou
Golias, e tinha cerca de 30 anos quando Jonatã morreu. (1 Samuel
17:33; 31:2; 2 Samuel 5:4) Jonatã, que morreu com mais ou menos
60 anos, pelo visto era cerca de 30 anos mais velho que Davi.

8. O que impressiona você na amizade que havia entre: (a) Noemi


e Rute? (b) os três jovens hebreus? (c) Paulo e Timóteo?
9, 10. Em que se baseava a amizade entre Davi e Jonatã?
Ame os que Deus ama 29

dos seus. Como exemplo, veja o que aconteceu quando


Davi estava passando por momentos difíceis na vida. Ele
estava morando como fugitivo no deserto enquanto fu-
gia da ira do mau Rei Saul, pai de Jonatã. Demonstran-
do notável lealdade, Jonatã tomou a iniciativa e foi en-
contrar-se com Davi “e o ajudou a encontrar forças em
Jeová”. (1 Samuel 23:16) Imagine como Davi deve ter se

O QUE FAZ DE ALGUÉM UM BOM AMIGO?


Princípio: “O verdadeiro amigo ama em todos
os momentos e se torna um irmão em tempos
de aflição.” — Provérbios 17:17.
Pergunte-se:
ˇ Meus amigos são tam-
bém amigos de Jeová e
de Jesus? — João 15:14,
16; Tiago 2:23.
ˇ Meus amigos me incen-
tivam a ter bons hábitos?
— 1 Coríntios 15:33.
ˇ Meus amigos me amam
o suficiente para me corri-
gir caso seja necessário?
— Salmo 141:5; Provérbios
27:6.
ˇ O que revelam minhas pa-
lavras e ações sobre o tipo
de amigo que eu sou?
— Provérbios 12:18; 18:24;
1 João 3:16-18.
30 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

COMO FIZEMOS BOAS AMIZADES


ˇ “No começo, eu achava difícil fazer amigos na con-
gregação. Mas vi que ser ativo no ministério me
ajudou a desenvolver qualidades como paciência,
perseverança e amor altruísta. À medida que conti-
nuo a cultivar essas qualidades, noto que pessoas
que também se esforçam em fazer isso se sen-
tem atraídas a mim, e agora tenho bons amigos.”
— Shivani.
ˇ “Eu orava para encontrar amigos dentro da con-
gregação. Mas durante muito tempo parecia que
minhas orações não eram atendidas. Com o tempo
me dei conta de que, na realidade, eu não estava
me esforçando para fazer amigos. Eu não esta-
va tomando a iniciativa. Mas, desde que comecei
a agir em harmonia com minhas orações, não te-
nho dúvida de que Jeová as está respondendo.”
— Ryan.

sentido quando seu querido amigo foi lhe dar apoio e en-
corajamento!1
11 O que aprendemos do exemplo de Jonatã e Davi?

Em especial, aprendemos que a coisa mais importante


que os amigos devem ter em comum são os valores espi-
rituais. Quando fazemos amizade com pessoas que têm
as mesmas crenças e os mesmos valores morais que nós,
e que também desejam permanecer fiéis a Deus, pode-
1 Conforme registrado em 1 Samuel 23:17, Jonatã mencionou cin-
co coisas para animar Davi: (1) incentivou-o a não ficar com medo;
(2) garantiu-lhe que os esforços de Saul fracassariam; (3) lembrou
a Davi que ele receberia o reinado, como Jeová havia prometido;
(4) prometeu ser leal a Davi; e (5) falou que até mesmo Saul sabia da
lealdade de Jonatã a Davi.

11. O que o exemplo de Jonatã e Davi lhe ensinou sobre amizade?


Ame os que Deus ama 31

mos compartilhar pensamentos, sentimentos e experiên-


cia que nos animam e nos fortalecem. (Leia Romanos
1:11, 12.) Encontramos essas pessoas de inclinação espiri-
tual entre nossos irmãos. Significa isso, porém, que todos
os que assistem às reuniões no Salão do Reino são boas
companhias? Não necessariamente.
COMO ESCOLHER AMIGOS
12 Mesmo na congregação, temos de ser seletivos se
queremos ter amigos que vão nos edificar espiritualmen-
te. Devemos achar isso estranho? Na realidade, não. Al-
guns cristãos na congregação podem levar mais tem-
po que outros para atingir a madureza espiritual, assim
como alguns frutos numa árvore podem demorar mais
para amadurecer. Por isso, em toda congregação encon-
tramos cristãos que estão em estágios diferentes de desen-
volvimento espiritual. (Hebreus 5:12–6:3) Naturalmente,
demonstramos paciência e amor aos que são novos ou es-
tão fracos, pois queremos ajudá-los a crescer em sentido
espiritual. — Romanos 14:1; 15:1.
13 Vez por outra pode haver situações na congregação

que exijam que tomemos cuidado com nossas amizades.


Alguns talvez estejam tendo uma conduta questionável.
Outros podem estar nutrindo ressentimentos e tendo um
espírito queixoso. As congregações do primeiro século EC
enfrentaram esse tipo de dificuldade. Embora a maioria
fosse fiel, alguns não agiam da maneira correta. Visto que
alguns na congregação em Corinto não defendiam cer-
tos ensinos cristãos, o apóstolo Paulo advertiu a congre-
gação: “Não se deixem enganar. Más companhias estra-
gam bons hábitos.” (1 Coríntios 15:12, 33) Paulo alertou
12, 13. (a) Por que precisamos ser seletivos ao escolher amigos até
mesmo entre os irmãos? (b) Que dificuldade as congregações do pri-
meiro século enfrentaram, levando Paulo a dar que fortes avisos?
32 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

Timóteo de que mesmo entre os irmãos cristãos poderia


haver alguns que não agiriam do modo correto. Timóteo
foi aconselhado a se manter longe dessas pessoas, a não
se associar com elas. — Leia 2 Timóteo 2:20-22.
14 Como podemos aplicar o princípio encontrado nos

avisos de Paulo? Por evitar amizade com qualquer pes-


soa — quer dentro, quer fora da congregação — que pode-
ria exercer uma má influência sobre nós. (2 Tessalonicen-
ses 3:6, 7, 14) Precisamos proteger nossa espiritualidade.
Lembre-se de que somos como esponjas: absorvemos o
modo de pensar e de agir de nossos amigos. Não pode-
mos mergulhar uma esponja no vinagre e esperar que ela
absorva água. Da mesma forma, não podemos nos asso-
ciar com pessoas que exercem uma má influência e espe-
rar absorver o que é bom. — 1 Coríntios 5:6.
15 Felizmente, é fácil encontrar bons amigos entre nos-

sos irmãos. (Salmo 133:1) Como você pode encontrar


amigos de mentalidade espiritual na congregação? À me-
dida que cultivar qualidades e atitudes divinas, sem dúvi-
da outras pessoas que também se esforçam em fazer isso
se sentirão atraídas a você. Ao mesmo tempo, você talvez
precise tomar medidas práticas para fazer novos amigos.
(Veja o quadro “Como fizemos boas amizades”, na pági-
na 30.) Procure pessoas que têm as qualidades que você
gostaria de ter. Siga o conselho da Bíblia de ‘abrir am-
plamente seu coração’, fazendo amizade com os irmãos
independentemente de raça, nacionalidade ou cultura.
(2 Coríntios 6:13; leia 1 Pedro 2:17.) Não se limite aos
que têm a mesma idade que você. Lembre-se de que Jona-
tã era muito mais velho que Davi. Muitos que têm mais
14. Como podemos aplicar o princípio encontrado nos avisos que
Paulo deu sobre amizades?
15. Como você pode encontrar amigos de mentalidade espiritual na
congregação?
Você pode encontrar bons amigos entre os irmãos

idade podem enriquecer uma amizade com sua experiên-


cia e sabedoria.
QUANDO SURGEM PROBLEMAS
16 Vez por outra podem surgir problemas por causa
da grande diversidade de personalidades e formações na
congregação. Um irmão pode falar ou fazer algo que nos
magoe. (Provérbios 12:18) Às vezes os problemas surgem
por causa de diferenças de personalidade, mal-entendi-
dos ou diferenças de opinião. Será que vamos tropeçar
por causa disso e nos afastar da congregação? Não, se ti-
vermos verdadeiro amor a Jeová e aos que ele ama.
17 Como Criador e Sustentador da vida, Jeová merece

nosso amor e total devoção. (Apocalipse 4:11) Além disso,


16, 17. Se de alguma forma um irmão nos magoar, por que não de-
veremos nos afastar da congregação?
34 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

a congregação que ele se agrada em usar merece nosso


apoio leal. (Hebreus 13:17) Assim, se de alguma forma
um irmão nos magoar ou nos decepcionar, não nos afas-
taremos da congregação como forma de protesto. Jamais
faríamos tal coisa! Não foi Jeová quem nos ofendeu. Nos-
so amor a Jeová nunca permitirá que demos as costas a
ele ou a seu povo. — Leia Salmo 119:165.
18 O amor por nossos irmãos nos move a promover a

paz na congregação. Jeová não espera perfeição dos que


ele ama; devemos agir da mesma forma. O amor nos aju-
da a desconsiderar pequenas falhas e a lembrar que todos
somos imperfeitos e cometemos erros. (Provérbios 17:9;
1 Pedro 4:8) O amor nos ajuda a continuar ‘perdoan-
do uns aos outros liberalmente’. (Colossenses 3:13) Nem
sempre é fácil seguir esse conselho. Se permitimos que
emoções negativas nos dominem, podemos ser levados a
guardar ressentimento, talvez achando que por ficar com
raiva estamos de alguma forma punindo quem nos ofen-
deu. Na realidade, quando guardamos ressentimento,
nós é que somos prejudicados. Tomar a decisão de per-
doar quando existe motivo válido para isso traz ricas bên-
çãos. (Lucas 17:3, 4) Isso nos dá paz no íntimo, preserva
a paz na congregação e, acima de tudo, protege nossa re-
lação com Jeová. — Mateus 6:14, 15; Romanos 14:19.
QUANDO É PRECISO DEIXAR DE
SE ASSOCIAR COM ALGUÉM
19 Vez por outra, é necessário parar de nos associar

com alguém que deixa de fazer parte da congregação.


Isso acontece quando a pessoa viola a lei de Deus, não se
18. (a) O que podemos fazer para promover a paz na congregação?
(b) Tomar a decisão de perdoar quando existe motivo válido para isso
resulta em que bênçãos?
19. Que situações podem tornar necessário que deixemos de nos as-
sociar com alguém?
Ame os que Deus ama 35

arrepende e é desassociada, ou quando rejeita a fé por en-


sinar doutrina falsa ou por se dissociar da congregação.
A Palavra de Deus nos diz claramente que devemos ‘pa-
rar de ter convivência’ com essas pessoas.1 (Leia 1 Corín-
tios 5:11-13; 2 João 9-11) Pode ser muito difícil fazer isso
quando se trata de um amigo ou parente. Será que sere-
mos fiéis e obedientes, mostrando assim que nossa leal-
dade a Jeová e às suas leis justas está acima de tudo? Lem-
bre-se que Jeová valoriza muito a lealdade e a obediência.
20 A desassociação é, na verdade, um ato de amor da

parte de Jeová. Como assim? Expulsar um pecador não


arrependido é uma demonstração de amor pelo santo
nome de Jeová e por tudo o que esse nome representa.
(1 Pedro 1:15, 16) A desassociação protege a congregação.
Os membros fiéis são protegidos da má influência de pe-
cadores deliberados. Dessa forma, podem continuar ado-
rando a Jeová, certos de que a congregação é um refú-
gio seguro neste mundo mau. (1 Coríntios 5:7; Hebreus
12:15, 16) A disciplina firme é uma demonstração de
amor para com o transgressor. Pode ser justamente o que
ele precisa para cair em si e dar os passos necessários para
retornar a Jeová. — Hebreus 12:11.
21 Não podemos negar que nossos amigos exercem

uma grande influência sobre nós. Por isso é essencial que


escolhamos bem nossas amizades. Se fizermos dos ami-
gos de Jeová nossos amigos, amando os que ele ama, te-
remos as melhores amizades que existem. A influência
deles nos ajudará a manter a determinação de agradar a
Jeová.
1 Para obter mais informações sobre como tratar pessoas desasso-
ciadas ou dissociadas, veja o Apêndice, páginas 207-209.

20, 21. (a) Por que a desassociação é um ato de amor? (b) Por que
é essencial que escolhamos bem nossas amizades?
C APÍTULO 4

Por que respeitar os que


têm autoridade?
“Honrem a homens de todo tipo.”
— 1 PEDRO 2:17.

JÁ OBSERVOU a reação de uma criança quando o pai lhe


pede algo que ela não quer fazer? Ela se confronta com um
dilema, que fica bem evidente no seu rosto. A criança ouve
a voz do pai e sabe que deve respeitar sua autoridade. Mas
nesse caso ela simplesmente não quer obedecer. Esse confli-
to ilustra uma verdade com que todos nós nos deparamos.
2 Respeitar os que têm autoridade nem sempre é fácil.

Acha difícil às vezes respeitar os que têm certa autoridade


sobre você? Em caso afirmativo, você não é o único. Nun-
ca houve uma época em que o desrespeito pela autorida-
de fosse tão grande como hoje. Ainda assim, a Bíblia diz que
precisamos mostrar respeito aos que estão em posição de au-
toridade. (Provérbios 24:21) É importante fazer isso se que-
remos nos manter no amor de Deus. Naturalmente, então,
surgem algumas perguntas. Por que respeitar os que têm au-
toridade pode ser tão difícil para nós? Por que Jeová pede
que façamos isso, e o que nos ajudará a obedecer? Por fim,
de que maneiras podemos mostrar respeito pela autoridade?
POR QUE É DIFÍCIL
3Consideremos brevemente dois motivos pelos quais
pode ser muito difícil respeitar os que têm autoridade. Pri-
1, 2. (a) Quando se trata de respeitar autoridade, que conflito en-
frentamos? (b) Que perguntas analisaremos?
3, 4. Como tiveram início o pecado e a imperfeição, e por que nos-
sa natureza pecaminosa torna difícil respeitarmos a autoridade?
Por que respeitar os que têm autoridade? 37

meiro, nós somos imperfeitos; segundo, os que têm auto-


ridade também são imperfeitos. O pecado e a imperfeição
tiveram início muito tempo atrás, no jardim do Éden, quan-
do Adão e Eva se rebelaram contra a autoridade de Deus.
Assim, o pecado começou com uma rebelião. É por isso
que nós hoje também temos a tendência de nos rebelar.
— Gênesis 2:15-17; 3:1-7; Salmo 51:5; Romanos 5:12.
4 Por causa de nossa natureza pecaminosa, é fácil mani-

festarmos orgulho e arrogância; por outro lado, precisamos


nos esforçar muito para cultivar e manter uma qualidade
rara — a humildade. Mesmo depois de anos de serviço fiel
a Deus, podemos ceder à obstinação e ao orgulho. Veja o
caso de Corá, por exemplo. Ele enfrentou fielmente muitas
provações junto com o povo de Jeová. Ainda assim, ele que-
ria mais autoridade e presunçosamente liderou uma rebe-
lião contra Moisés, o homem mais manso que vivia na épo-
ca. (Números 12:3; 16:1-3) Pense também no Rei Uzias que,
levado pelo orgulho, entrou no templo de Jeová para reali-
zar um serviço sagrado que era prestado exclusivamente pe-
los sacerdotes. (2 Crônicas 26:16-21) Esses homens pagaram
caro por sua rebeldia. Mas tais exemplos negativos servem
de bons lembretes para todos nós. Precisamos combater o
orgulho, que torna difícil respeitarmos a autoridade.
5 Ao mesmo tempo, humanos imperfeitos em posição de

poder contribuem muito para minar o respeito pela autori-


dade. Muitos são duros, cruéis e tirânicos. De fato, a histó-
ria humana está repleta de relatos sobre o abuso de poder.
(Leia Eclesiastes 8:9.) Por exemplo, Saul era um homem
bom e humilde quando Jeová o escolheu para ser rei. No
entanto, ele foi vencido pelo orgulho e pelo ciúme, o que o
levou a perseguir o fiel Davi. (1 Samuel 9:20, 21; 10:20-22;
18:7-11) Davi mais tarde se tornou um dos melhores reis da
nação de Israel. Mas ele usou mal seu poder quando roubou
5. Como humanos imperfeitos têm abusado de sua autoridade?
38 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

a esposa de Urias, o hitita, e enviou esse homem inocente


para a frente de batalha para ser morto. (2 Samuel 11:1-17)
Vemos assim que a imperfeição faz com que as pessoas te-
nham dificuldade em usar bem o poder. E quando os que
estão no poder não respeitam a Jeová, a situação é ainda
pior. Depois de descrever o modo como alguns papas católi-
cos instigaram grandes perseguições, um estadista britânico
escreveu: “O poder tende a corromper, e o poder total cor-
rompe totalmente.” Com esse registro em mente, conside-
remos a pergunta: por que respeitar os que têm autoridade?
POR QUE RESPEITAR OS QUE TÊM AUTORIDADE?
6 O principal motivo para respeitarmos a autoridade é o

amor — amor a Jeová, a nosso próximo e a nós mesmos.


Visto que amamos a Jeová acima de todas as outras coisas,
queremos alegrar seu coração. (Leia Provérbios 27:11; Mar-
cos 12:29, 30.) Sabemos que sua soberania, seu direito de
governar o Universo, tem sido questionada na Terra desde
a rebelião no Éden, e que a maioria da humanidade toma
o lado de Satanás e não quer ser governada por Jeová. Fica-
mos felizes de tomar nossa posição ao lado de Jeová. Quan-
do lemos as magníficas palavras de Apocalipse 4:11, senti-
mo-nos comovidos. Fica bem evidente para nós que Jeová é
o Governante legítimo do Universo. Apoiamos sua sobera-
nia e aceitamos ser governados por ele no nosso dia a dia.
7 Respeitar a autoridade de Jeová envolve obediência e

algo mais. Obedecemos prontamente a ele porque o ama-


mos. Mas haverá ocasiões em que será muito difícil obe-
decer. Quando isso acontecer, precisaremos aprender a ser
submissos, assim como a criança mencionada no início
deste capítulo. Sabemos que Jesus se submeteu à vontade de
seu Pai mesmo quando isso parecia muito difícil. Ele disse a
6, 7. (a) O que o amor a Jeová nos motiva a fazer, e por quê? (b) O
que está envolvido em sermos submissos?
Por que respeitar os que têm autoridade? 39

seu Pai: “Ocorra, não a minha vontade, mas a tua.” — Lucas


22:42.
8 É claro que hoje Jeová não fala conosco individualmen-

te; ele usa sua Palavra e seus representantes na Terra. Assim,


na maioria das vezes mostramos submissão à autoridade de
Jeová por respeitar os humanos a quem ele deu autoridade,
ou os que ele permite que continuem em posição de autori-
dade. Se nos rebelássemos contra essas pessoas — por exem-
plo, rejeitando seus conselhos e correções baseados na Bí-
blia —, estaríamos ofendendo a Deus. Quando os israelitas
se queixaram de Moisés e se rebelaram contra ele, Jeová en-
carou o que eles fizeram como feito a ele mesmo. — Núme-
ros 14:26, 27.
9 Mostramos também respeito pela autoridade porque

amamos o próximo. De que maneira? Bem, imagine que


você seja um soldado num exército. Para que o exército te-
nha um bom desempenho, e até mesmo sobreviva, cada
soldado precisa cooperar com seus superiores, obedecê-los e
respeitá-los. Se você minasse a estrutura dessa organização
por se rebelar, poderia colocar em perigo todos os outros
soldados. É verdade que exércitos humanos causam muita
destruição no mundo de hoje. Mas Jeová tem exércitos que
visam apenas o bem. A Bíblia se refere centenas de vezes
a Deus como “Jeová dos exércitos”. (1 Samuel 1:3) Ele é o
Comandante de um grande regimento de poderosas criatu-
ras espirituais. Às vezes, Jeová compara seus servos terrestres
a um exército. (Salmo 68:11; Ezequiel 37:1-10) Se nos rebe-
larmos contra os humanos a quem Jeová designa para exer-
cer autoridade sobre nós, não estaremos pondo em risco
8. (a) A submissão à autoridade de Jeová hoje muitas vezes envolve
o quê, e como podemos saber o ponto de vista dele sobre isso? (b) O
que pode nos ajudar a escutar o conselho e aceitar a disciplina? (Veja
o quadro nas páginas 46-47.)
9. Por que o amor ao próximo nos motivará a respeitar a autorida-
de? Dê um exemplo.
O pai cristão imita a maneira
de Cristo exercer a chefia

nossos companheiros, que também servem como soldados


em sentido espiritual? Quando um cristão se rebela contra
os anciãos, outros na congregação também podem sofrer.
(1 Coríntios 12:14, 25, 26) Quando um filho se rebela, toda
a família talvez sofra. Assim, mostramos amor ao próximo
por cultivar um espírito respeitoso e cooperador.
10 Também respeitamos a autoridade porque nós mes-

mos somos beneficiados. Quando Jeová pede que respeite-


mos a autoridade, ele geralmente menciona os benefícios
que teremos por fazer isso. Por exemplo, ele diz para os fi-
lhos obedecer aos pais a fim de ter uma vida longa e feliz.
(Deuteronômio 5:16; Efésios 6:2, 3) Ele nos diz para respei-
tar os anciãos, porque deixar de fazer isso nos prejudicará
espiritualmente. (Hebreus 13:7, 17) E ele nos diz para obede-
cer aos governos deste mundo para nossa própria proteção.
— Romanos 13:4.
10, 11. Como o desejo correto de nos beneficiar nos motiva a obe-
decer à autoridade?
Por que respeitar os que têm autoridade? 41

11 Não concorda que saber o motivo pelo qual Jeová dese-


ja que sejamos obedientes nos ajuda a respeitar a autorida-
de? Vejamos, então, como podemos mostrar respeito pela
autoridade em três importantes áreas da vida.
RESPEITO NA FAMÍLIA
12 Foi Jeová quem criou a instituição da família. Visto que
ele é o Deus de ordem, organizou a família para que funcio-
ne bem. (1 Coríntios 14:33) Ele dá ao marido e pai a autori-
dade de atuar como cabeça da família. O marido mostra res-
peito pelo seu Cabeça, Cristo Jesus, por imitar a maneira de
ele exercer a chefia sobre a congregação. (Efésios 5:23) As-
sim, o marido não deve negligenciar sua responsabilidade,
mas assumi-la como homem; não deve ser autoritário nem
duro, mas amoroso, razoável e bondoso. Ele tem em men-
te que sua autoridade é re-
lativa — está sempre sujei-
ta à autoridade de Jeová.
13 Uma esposa e mãe

deve ser ajudadora, ou


complemento, do marido.
Ela também tem autorida-
de na família, pois a Bí-
blia fala da “instrução da
sua mãe”. (Provérbios 1:8)
É claro que a autoridade
dela é subordinada à do
marido. A esposa cristã
12. Que papel na família
Jeová designou ao marido e
pai, e como um homem pode
cumprir esse papel?
13. Como uma esposa e mãe
pode cumprir seu papel na
família de uma forma que
agrade a Jeová?
42 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

À AUTORIDADE DE QUEM DEVO OBEDECER?


Princípio: “Jeová é o nosso Juiz, Jeová é o nosso
Legislador, Jeová é o nosso Rei.” — Isaías 33:22.
Pergunte-se:
ˇ O que eu faria se me pedissem para violar os
padrões de Jeová? — Mateus 22:37-39; 26:52;
João 18:36.
ˇ O que eu faria se me mandassem deixar de obe-
decer aos mandamentos de Jeová? — Atos 5:27-29;
Hebreus 10:24, 25.
ˇ O que pode me ajudar a querer obedecer às pes-
soas em posição de autoridade? — Romanos 13:1-4;
1 Coríntios 11:3; Efésios 6:1-3.

mostra respeito pelo marido por ajudá-lo a cumprir seu pa-


pel como cabeça da família. Ela não o rebaixa e não procu-
ra controlá-lo nem tomar sua posição. Em vez disso, ela é
apoiadora e cooperadora. Quando não concorda com as de-
cisões dele, ela talvez expresse respeitosamente sua opinião,
mas continua submissa. Se o marido for descrente, ela tal-
vez enfrente situações difíceis, mas por continuar submis-
sa poderá fazer com que ele venha a adorar a Jeová. — Leia
1 Pedro 3:1.
14 Quando os filhos obedecem ao pai e à mãe, agradam

o coração de Jeová e ao mesmo tempo honram e alegram


seus pais. (Provérbios 10:1) Em famílias uniparentais, os fi-
lhos seguem o mesmo princípio de obediência, sabendo
que seu pai ou sua mãe precisa mais ainda de seu apoio e
cooperação. Há muita paz e alegria nas famílias em que to-
dos os membros cumprem o papel que Deus lhes deu. Isso
14. Como os filhos podem alegrar a seus pais e a Jeová?
Por que respeitar os que têm autoridade? 43

glorifica a Jeová Deus, o Originador de todas as famílias.


— Efésios 3:14, 15.
RESPEITO NA CONGREGAÇ ÃO
15 Jeová designou seu Filho como Governante sobre a
congregação cristã. (Colossenses 1:13) Jesus, por sua vez,
designou seu “escravo fiel e prudente” para cuidar dos in-
teresses espirituais do povo de Deus na Terra. (Mateus
24:45-47) O Corpo Governante das Testemunhas de Jeová
é esse “escravo fiel e prudente”. Assim como no primei-
ro século, os anciãos hoje recebem instruções e conselhos
do Corpo Governante, quer diretamente, quer por meio
de seus representantes, como os superintendentes viajan-
tes. Quando respeitamos a autoridade dos anciãos, esta-
mos obedecendo a Jeová. — Leia 1 Tessalonicenses 5:12;
Hebreus 13:17.
16 Os anciãos e os servos ministeriais não são perfeitos.

Eles têm falhas, assim como todos nós temos. No entan-


to, os anciãos são “dádivas em homens” que Jeová proveu
para ajudar a congregação a permanecer espiritualmente
forte. (Efésios 4:8) Eles são designados por meio do espíri-
to santo. (Atos 20:28) Em que sentido? Antes de serem de-
signados, esses homens precisam satisfazer os requisitos re-
gistrados na Palavra de Deus, que foi inspirada pelo espírito
santo. (1 Timóteo 3:1-7, 12; Tito 1:5-9) Além disso, os an-
ciãos que avaliam as qualificações de um irmão oram com
sinceridade pedindo a orientação do espírito santo.
17 Na congregação, pode haver ocasiões em que não há

anciãos ou servos ministeriais para realizar determinada


15. (a) Como podemos mostrar na congregação que respeitamos a
autoridade de Jeová? (b) Que princípios podem nos ajudar a obede-
cer aos irmãos da dianteira? (Veja o quadro nas páginas 48-49.)
16. Em que sentido os anciãos são designados pelo espírito santo?
17. Por que as mulheres cristãs às vezes cobrem a cabeça ao realizar
determinadas tarefas na congregação?
44 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

tarefa que normalmente é designada a eles, como dirigir


uma reunião para o serviço de campo. Nesses casos, outros
irmãos batizados podem cuidar da tarefa. Se não houver
homens disponíveis, irmãs qualificadas poderão realizá-la.
Mas, quando uma mulher desempenha um papel que nor-
malmente cabe a um irmão batizado, ela cobre a cabeça.1
(1 Coríntios 11:3-10) Essa exigência não desmerece as mu-
lheres. Em vez disso, dá a elas a oportunidade de, tanto na
família como na congregação, mostrar respeito pelo princí-
pio da chefia estabelecido por Jeová.
RESPEITO PELAS AUTORIDADES
GOVERNAMENTAIS E OUTRAS
18 Os cristãos verdadeiros obedecem conscienciosamen-

te o princípio descrito em Romanos 13:1-7. (Leia.) Ao ler


essa passagem, poderá ver que as “autoridades superiores”
mencionadas ali são os governos humanos. Enquanto Jeová
permite sua existência, esses governos realizam funções im-
portantes, mantendo certa medida de ordem e prestando
serviços necessários. Mostramos respeito por essas autorida-
des por acatar as leis. Certificamo-nos de pagar os devidos
impostos, de preencher corretamente quaisquer formulá-
rios ou documentos que o governo talvez exija e de cumprir
com qualquer lei que diz respeito a nós, nossa família, nos-
sos negócios e nossos bens. Mas não nos submetemos a es-
sas autoridades quando pedem que desobedeçamos a Deus.
Nesse caso, adotamos a mesma atitude dos apóstolos, que
disseram: “Temos de obedecer a Deus como governante em
vez de a homens.” — Atos 5:28, 29; veja o quadro “À autori-
dade de quem devo obedecer?”, na página 42.
1 No Apêndice, nas páginas 209-212, são analisadas algumas ma-
neiras práticas de aplicar esse princípio.

18, 19. (a) Como você explicaria o princípio descrito em Romanos


13:1-7? (b) Como mostramos respeito pelas autoridades governamen-
tais?
Por que respeitar os que têm autoridade? 45

19 Também mostramos respeito pelas autoridades pelo


modo como tratamos seus representantes. Às vezes te-
mos de lidar diretamente com funcionários do governo.
O apóstolo Paulo compareceu perante governantes, como o
Rei Herodes Agripa e o Governador Festo. Esses homens ti-
nham sérias falhas de caráter, mas Paulo os tratou com res-
peito. (Atos 26:2, 25) Imitamos o exemplo de Paulo, quer a
pessoa seja um governante influente, quer um policial da
localidade. Na escola, os jovens cristãos procuram mostrar
esse mesmo respeito pelos professores e por autoridades e
funcionários da escola. É claro que não respeitamos apenas
os que são favoráveis às nossas crenças; também tratamos
com respeito os que se opõem às Testemunhas de Jeová.
Na verdade, todas as pessoas que não compartilham nos-
sas crenças devem poder ver que somos respeitosos. — Leia
Romanos 12:17, 18; 1 Pedro 3:15.
20 Sejamos sempre respeitosos. O apóstolo Pedro escre-

veu: “Honrem a homens de todo tipo.” (1 Pedro 2:17)


Quando as pessoas percebem que realmente as respeitamos,
isso pode causar uma boa impressão nelas. Lembre-se, o res-
peito é algo cada vez mais raro no mundo de hoje. Assim,
mostrar essa qualidade é uma maneira de acatarmos o man-
damento de Jesus: “Deixem brilhar sua luz perante os ho-
mens, para que vejam suas boas obras e deem glória ao seu
Pai, que está nos céus.” — Mateus 5:16.
21 Neste mundo em trevas, pessoas de bom coração sen-

tem-se atraídas à luz espiritual. Assim, mostrar respeito na


família, na congregação e nos tratos com as autoridades
pode atrair alguns e motivá-los a andar na luz conosco. Que
perspectiva maravilhosa! Mas, mesmo que isso não aconte-
ça, uma coisa é certa: nosso respeito pelas pessoas agrada a
Jeová Deus e nos ajuda a permanecer no seu amor. Poderia
haver bênção melhor do que essa?
20, 21. Mostrar o devido respeito pela autoridade resulta em que
bênçãos?
46 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

“ESCUTE O CONSELHO E ACEITE A DISCIPLINA”


O espírito de Satanás — sua atitude rebelde e contencio-
sa — domina o mundo atual. Assim, a Bíblia refere-se a Sa-
tanás como “o governante da autoridade do ar” e fala do
“espírito [atitude] que agora atua nos filhos da desobediên-
cia”. (Efésios 2:2) Muitos hoje não querem estar sob nenhu-
ma autoridade. Infelizmente, esse espírito de independên-
cia tem afetado até mesmo alguns na congregação cristã. Por
exemplo, um ancião talvez dê um conselho bondoso sobre
os perigos do entretenimento imoral ou violento, mas alguns
talvez não aceitem o conselho ou até mesmo fiquem ressen-
tidos. Cada um de nós precisa acatar as palavras de Provér-
bios 19:20: “Escute o conselho e aceite a disciplina, para se
tornar sábio no futuro.”
O que pode ajudar-nos a fazer isso? Vejamos três motivos
comuns por que as pessoas não aceitam conselhos ou dis-
ciplina, e então verifiquemos o que a Bíblia diz sobre o as-
sunto.
ˇ “Noo concordo com o conselho.” Podemos achar que o
conselho não se aplica ao nosso caso ou que a pessoa que
o deu não sabe tudo o que está envolvido. Nossa primeira
reação talvez seja até mesmo desprezar o conselho. (He-
breus 12:5) Visto que todos nós somos imperfeitos, será
que não é o nosso ponto de vista que precisa ser ajustado?
(Provérbios 19:3) Será que não houve nenhum motivo váli-
do para a pessoa dar esse conselho? Se houve, é nesse mo-
tivo que devemos nos concentrar. A Palavra de Deus nos
aconselha: “Apegue-se à disciplina; não a largue. Resguar-
de-a, pois ela significa a sua vida.” — Provérbios 4:13.
ˇ “Noo gostei do jeito que o conselho foi dado.” É verdade
que a Bíblia contém normas elevadas sobre como dar con-
Por que respeitar os que têm autoridade? 47

selhos. (Gálatas 6:1) Mas ela também diz: “Todos pecaram


e não atingem a glória de Deus.” (Romanos 3:23) Só have-
ria uma maneira de recebermos conselhos perfeitos dados
de forma correta: se os recebêssemos de uma pessoa per-
feita. (Tiago 3:2) Jeová usa pessoas imperfeitas para nos
aconselhar, por isso é importante evitar nos concentrar no
modo como o conselho é dado. Em vez disso, devemos dar
atenção ao que é dito e orar pedindo orientação para sa-
ber aplicar o conselho.
ˇ “Quem é ele para me dar conselhos?” Se achamos que as
falhas da pessoa invalidam seus conselhos, devemos nos
lembrar dos pontos citados acima. Além disso, se achamos
que não precisamos de conselhos por causa de nossa ida-
de, experiência de vida ou responsabilidades na congre-
gação, devemos ajustar nossa maneira de pensar. No Is-
rael antigo, o rei tinha grandes responsabilidades. Mesmo
assim, ele tinha de aceitar conselhos de profetas, sacerdo-
tes e outras pessoas entre seus súditos. (2 Samuel 12:1-13;
2 Crônicas 26:16-20) Hoje, a organização de Jeová designa
homens imperfeitos para dar conselhos, e cristãos madu-
ros aceitam e aplicam esses conselhos de bom grado. Se
temos maiores responsabilidades ou experiência que ou-
tros, precisamos estar mais atentos ainda à necessidade de
sermos bons exemplos como pessoas razoáveis e humildes
por aceitar conselhos. — 1 Timóteo 3:2, 3; Tito 3:2.
É evidente que nenhum de nós é tão bom que não precise
de conselhos. Assim, estejamos decididos a aceitar conselhos
prontamente, a aplicá-los de forma obediente e a agradecer
a Jeová de coração por essa dádiva que salva vidas. Os con-
selhos realmente são uma demonstração do amor de Jeová
por nós, e queremos nos manter no Seu amor. — Hebreus
12:6-11.
48 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

‘SEJA OBEDIENTE AOS QUE


EXERCEM LIDERANÇA’
No Israel antigo, havia grande necessidade de organiza-
ção. Moisés não tinha condições de cuidar sozinho de mi-
lhões de pessoas que viajavam juntas num deserto perigo-
so. O que ele fez? “Moisés escolheu homens capazes dentre
todo o Israel e os designou como cabeças sobre o povo,
como chefes de mil, chefes de cem, chefes de cinquenta e
chefes de dez.” — Êxodo 18:25.
Na congregação cristã hoje, também há necessidade de
organização. É por isso que para um grupo de serviço de
campo há um superintendente; para uma congregação, an-
ciãos; para um grupo de congregações, um superintenden-
te de circuito; e para um país, uma Comissão do País ou
uma Comissão de Filial. Essa organização permite que cada
homem que serve como pastor dê atenção às ovelhas de
Jeová que estão sob seus cuidados. Esses pastores têm de
prestar contas a Jeová e a Cristo. — Atos 20:28.
Essa maneira de organizar as coisas exige que todos nós
sejamos obedientes e submissos. Jamais queremos ter a ati-
tude de Diótrefes, que não respeitava os irmãos que na épo-
ca tomavam a liderança. (3 João 9, 10) Em vez disso, que-
remos acatar as palavras do apóstolo Paulo, que escreveu:
“Sejam obedientes aos que exercem liderança entre vocês e
sejam submissos, pois eles vigiam sobre vocês e prestarão
contas disso; para que façam isso com alegria, e não com
suspiros, porque isso seria prejudicial a vocês.” (Hebreus
13:17) Alguns obedecem quando concordam com a orien-
tação dos que estão na liderança, mas recusam-se a ser sub-
missos quando não concordam com a orientação ou não
entendem por que ela foi dada. Lembre-se, porém, de que
ser submisso pode incluir a ideia de obedecer mesmo quan-
Por que respeitar os que têm autoridade? 49

do isso vai contra nossa vontade. Cada um de nós deve se


perguntar então: ‘Sou obediente e submisso aos irmãos da
liderança?’
É claro que a Palavra de Deus não especifica cada medida
ou procedimento necessários para o funcionamento da con-
gregação. Mas ela diz: “Que todas as coisas ocorram com
decência e ordem.” (1 Coríntios 14:40) O Corpo Governan-
te segue essa orientação por instituir vários procedimentos
e diretrizes úteis que garantem que a congregação funcione
bem e de forma ordeira. Homens cristãos responsáveis fa-
zem a sua parte por dar bom exemplo de obediência à me-
dida que seguem esses procedimentos. Também são ‘razoá-
veis, prontos para obedecer’ aos que estão em posição de
supervisão. (Tiago 3:17) Assim, cada grupo, congregação,
circuito e país é abençoado com um corpo unido e ordei-
ro, formado por pessoas de fé que glorificam o Deus feliz.
— 1 Coríntios 14:33; 1 Timóteo 1:11.
Por outro lado, as palavras de Paulo em Hebreus 13:17
também mostram por que desobedecer é prejudicial. Pode
fazer com que os irmãos em posição de responsabilidade
façam seu trabalho “com suspiros”. O que devia ser consi-
derado um privilégio de serviço sagrado pode parecer um
fardo quando um irmão tem de lidar com a falta de coope-
ração e um espírito de rebeldia no rebanho. Ao mesmo tem-
po, “isso seria prejudicial a vocês”, isto é, toda a congrega-
ção ficaria prejudicada. Naturalmente, quando alguém se
recusa a se submeter à ordem teocrática, ele é prejudicado
ainda de outra maneira. Se ele é orgulhoso demais para ser
submisso, isso prejudica sua espiritualidade e faz com que
se afaste aos poucos de seu Pai celestial. (Salmo 138:6) Este-
jamos, então, determinados a sempre ser obedientes e sub-
missos.
C APÍTULO 5

Como se manter separado


do mundo
“Vocês não fazem parte do mundo.”
— JOÃO 15:19.

EM SUA última noite na Terra como homem, Jesus mos-


trou profunda preocupação pelo bem-estar futuro de seus
seguidores. Ele até mesmo orou sobre isso, dizendo a seu
Pai: “Não te peço que os tires do mundo, mas que vi-
gies sobre eles, por causa do Maligno. Eles não fazem par-
te do mundo, assim como eu não faço parte do mundo.”
( João 17:15, 16) Com esse pedido sincero, Jesus demons-
trou que amava profundamente seus seguidores; mos-
trou também a importância do que já havia dito a alguns
deles naquela noite: “Vocês não fazem parte do mundo.”
( João 15:19) É evidente que para Jesus era muito impor-
tante que seus seguidores se mantivessem separados do
mundo.
2 O “mundo” que Jesus mencionou refere-se a toda a hu-

manidade apartada de Deus, governada por Satanás e es-


cravizada ao espírito egoísta e orgulhoso que se origina do
Diabo. ( João 14:30; Efésios 2:2; 1 João 5:19) Realmente, a
“amizade com [esse] mundo é inimizade com Deus”. (Tia-
go 4:4) Como, porém, os que querem permanecer no amor
de Deus podem estar no mundo e ainda assim estar separa-
dos dele? Consideraremos cinco maneiras: por permanecer
leais ao Reino de Deus sob Cristo e neutros na política do
mundo, por resistir ao espírito do mundo, por ser modes-
1. O que Jesus enfatizou em sua última noite na Terra como homem?
2. O que é o “mundo” a que Jesus se referiu?
Como se manter separado do mundo 51

tos no modo de se vestir e se arrumar, por manter uma vida


simples e por usar a armadura espiritual.
PERMANECER LEAIS E NEUTROS
3 Em vez de participar na política dos seus dias, Jesus se
concentrou em pregar o Reino de Deus, o futuro governo
celestial do qual ele seria Rei. (Daniel 7:13, 14; Lucas 4:43;
17:20, 21) Assim, quando esteve perante o governador ro-
mano Pôncio Pilatos, Jesus pôde dizer: “Meu Reino não
faz parte deste mundo.” ( João 18:36) Os seguidores fiéis de
Cristo imitam seu exemplo por ser leais a ele e ao seu Rei-
no e por anunciar esse Reino ao mundo. (Mateus 24:14) O
apóstolo Paulo escreveu: “Somos . . . embaixadores, substi-
tuindo a Cristo. . . . Suplicamos, como substitutos de Cristo:
‘Sejam reconciliados com Deus.’ ”1 — 2 Coríntios 5:20.
4 Visto que os embaixadores representam uma autorida-

de soberana ou país estrangeiros, eles não se envolvem nos


assuntos internos do país onde servem, mas permanecem
neutros. Promovem, porém, os interesses do governo do
país que representam. É assim também com os seguidores
ungidos de Cristo, cuja “cidadania está nos céus”. (Filipen-
ses 3:20) De fato, graças à zelosa pregação do Reino, eles
têm ajudado milhões de “outras ovelhas” de Cristo a ‘se-
rem reconciliadas com Deus’. ( João 10:16; Mateus 25:31-40)
Esses últimos servem como enviados de Cristo, por assim
1 Desde o Pentecostes de 33 EC, Cristo serve como Rei sobre
sua congregação de seguidores ungidos na Terra. (Colossenses 1:13)
Em 1914, Cristo recebeu autoridade régia sobre “o reino do mundo”.
Por isso, os cristãos ungidos hoje também servem como embaixado-
res do Reino messiânico. — Apocalipse 11:15.

3. (a) Qual era a atitude de Jesus para com a política de seus dias?
(b) Por que se pode dizer que os seguidores ungidos de Jesus servem
como embaixadores? (Inclua a nota.)
4. Como os cristãos verdadeiros demonstram lealdade ao Reino de
Deus? (Veja o quadro na página 52.)
52 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

A NEUTRALIDADE DOS PRIMEIROS CRISTÃOS


A história secular fornece ampla evidência de que
os primeiros cristãos eram politicamente neutros e
não participavam em guerras. O livro The Begin-
nings of Christianity (O Início do Cristianismo) diz:
“Os fundadores do cristianismo eram extremamen-
te cuidadosos para não desenvolver nenhuma ten-
dência de interferir diretamente na ordem política
estabelecida.” Da mesma forma, o livro On the
Road to Civilization (Na Estrada Para a Civilização)
faz a seguinte observação: “O cristianismo do pri-
meiro século era mal compreendido e malvisto pe-
los que governavam o mundo pagão. . . . Os cristãos
recusavam certos deveres dos cidadãos romanos. . . .
Eles não aceitavam cargos políticos.”
Com respeito aos primeiros cristãos e ao servi-
ço militar, o teólogo alemão Peter Meinhold disse:
“Ser cristão e ao mesmo tempo soldado era conside-
rado incompatível.” Em seu ensaio An Inquiry Into
the Accordancy of War With the Principles of Chris-
tianity (Investigação sobre se Guerra e Cristianismo
São Compatíveis), o escritor de assuntos religiosos
Jonathan Dymond escreveu que, por algum tempo
após a morte de Jesus, Seus seguidores “negavam-se
a participar em [guerras], mesmo sabendo que por
causa disso podiam ser difamados, presos ou mor-
tos”. Dymond acrescentou: “Ninguém pode negar
esses fatos.” Apenas quando o “cristianismo se cor-
rompeu”, disse outro escritor, é que os cristãos se
tornaram soldados.

dizer, em apoio aos irmãos ungidos de Jesus. Como reba-


nho unido apoiando o Reino messiânico, ambos os gru-
pos mantêm estrita neutralidade nos assuntos políticos des-
te mundo. — Leia Isaías 2:2-4.
Como se manter separado do mundo 53

5 A lealdade a Cristo não é o único motivo de os cristãos


verdadeiros se manterem neutros. Diferentemente dos israe-
litas, que estavam concentrados numa região que lhes fora
dada por Deus, nós fazemos parte de uma fraternidade in-
ternacional. (Mateus 28:19; 1 Pedro 2:9) Assim, se apoiás-
semos partidos políticos, tanto nossa franqueza no falar ao
pregarmos a mensagem do Reino como nossa união cris-
tã ficariam grandemente comprometidas. (1 Coríntios 1:10)
Além disso, em tempos de guerra, lutaríamos contra com-
panheiros cristãos, a quem fomos ordenados a amar. ( João
13:34, 35; 1 João 3:10-12) Com boa razão, portanto, Jesus
disse a seus discípulos que eles não deviam lutar. Até mesmo
disse que eles deviam amar seus inimigos. — Mateus 5:44;
26:52; veja o quadro “Sou sempre neutro?”, na página 55.
6 Como cristãos verdadeiros, dedicamos nossa vida a

Deus, não a um homem, a uma instituição humana ou a


uma nação. Lemos em 1 Coríntios 6:19, 20: “Vocês não per-
tencem a si mesmos, pois foram comprados por um pre-
ço.” Sendo assim, ao mesmo tempo em que os seguidores
de Jesus dão a “César” o que lhe é devido na forma de hon-
ra, impostos e sujeição relativa, eles dão “a Deus o que é de
Deus”. (Marcos 12:17; Romanos 13:1-7) Isso inclui sua ado-
ração, seu amor de toda a alma e sua obediência leal. Se ne-
cessário, estão dispostos a morrer em vez de desobedecer a
Deus. — Lucas 4:8; 10:27; leia Atos 5:29; Romanos 14:8.
RESISTIR AO “ESPÍRITO DO MUNDO”
7Outra maneira de os cristãos se manterem separados
do mundo é por resistir ao seu espírito mau. “Não rece-
bemos o espírito do mundo, mas o espírito que vem de
5. De que maneira a congregação cristã é diferente do Israel antigo,
e como essa diferença fica evidente?
6. Como sua dedicação a Deus afeta sua obediência a “César”?
7, 8. O que é o “espírito do mundo”, e como esse espírito “atua”
em humanos desobedientes?
54 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

Deus”, escreveu Paulo. (1 Coríntios 2:12) Ele disse aos efé-


sios: ‘Vocês andavam antes segundo este mundo, segundo
o governante da autoridade do ar, o espírito que agora atua
nos filhos da desobediência.’ — Efésios 2:2, 3.
8 O “ar”, ou espírito, deste mundo é uma força invisível e

impulsionadora, que promove a desobediência a Deus e ‘o


desejo da carne e o desejo dos olhos’. (1 João 2:16; 1 Timó-
teo 6:9, 10) Esse espírito exerce “autoridade” no sentido que
agrada e atrai nossa carne pecaminosa, se difunde de forma
sutil e incessante e, como o ar que respiramos, está em toda
a parte. Além do mais, ele “atua” em humanos desobedien-
tes por fazer com que eles aos poucos desenvolvam caracte-
rísticas contrárias aos princípios divinos, como o egoísmo,
a arrogância, a ambição, e a tendência de estabelecer seus
próprios padrões de moral e de se rebelar contra os que têm
autoridade.1 Dito de forma simples, o espírito do mundo
faz com que o coração dos humanos aos poucos desenvolva
as características do Diabo. — João 8:44; Atos 13:10; 1 João
3:8, 10.
9 Será que o espírito do mundo pode se infiltrar na sua

mente e no seu coração? Sim, mas apenas se você permi-


tir isso, por baixar a guarda. (Leia Provérbios 4:23.) Sua in-
fluência geralmente começa de modo sutil, talvez por meio
de amigos que pareçam ser boas pessoas, mas que na reali-
dade não amam a Jeová. (Provérbios 13:20; 1 Coríntios
15:33) Você pode também ser influenciado por esse espírito
mau por meio de literatura objetável, sites pornográficos ou
apóstatas, diversão prejudicial e esportes altamente compe-
titivos — de fato, por meio de qualquer pessoa ou qualquer
coisa que reflita o modo de pensar de Satanás e seu sistema.
1 Veja Raciocínios à Base das Escrituras, páginas 147-150, publica-
do pelas Testemunhas de Jeová.

9. De que maneiras o espírito do mundo pode entrar em nossa men-


te e em nosso coração?
Como se manter separado do mundo 55

10 Como podemos resistir ao sutil e nocivo espírito do


mundo e nos manter no amor de Deus? Apenas por apro-
veitar ao máximo as provisões espirituais de Jeová e orar
constantemente pedindo o espírito santo. Jeová é muito
maior do que o Diabo e o mundo perverso sob o contro-
le satânico. (1 João 4:4) Por essa razão, é muito importante
permanecermos achegados a Jeová em oração.
10. Como podemos resistir ao espírito do mundo?

SOU SEMPRE NEUTRO?


Princípio: “Meu Reino não faz parte
deste mundo.” — João 18:36.
Pergunte-se:
ˇ Como eu explicaria que sau-
dar a bandeira é uma forma de
idolatria?1 — Êxodo 20:4, 5;
1 João 5:21.
ˇ Ao explicar por que não
participo de cerimônias
nacionais, como posso
mostrar profundo respei-
to aos que têm crenças
diferentes das minhas?
— 1 Pedro 3:15.
ˇ Por que motivos não
apoio nenhum partido
político nem presto ne-
nhum tipo de serviço mi-
litar? — João 13:34; 1 João
3:10-12.
1 Veja o Apêndice, páginas 212-215.
56 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

SER MODESTOS NO MODO DE SE VESTIR


E SE ARRUMAR
11 O modo de uma pessoa se vestir e se arrumar e seu con-

ceito sobre higiene deixam claro que espírito influencia sua


vida. Em muitos países, os padrões de vestimenta chegaram
a um nível tão baixo que um comentarista de televisão disse
que não vai demorar muito e será difícil identificar as pros-
titutas pela roupa. Até mesmo meninas que ainda nem che-
garam à adolescência já estão sendo influenciadas por esses
padrões. Como disse certo jornal: “A moda é mostrar cada
vez mais o corpo, enquanto a decência anda fora de moda.”
Outra tendência é se vestir de modo desleixado, refletindo
um espírito de rebeldia e falta de dignidade e amor-próprio.
12 Como servos de Jeová, temos bons motivos para querer

ter boa aparência, o que significa vestir-se de modo assea-


do, limpo, apropriado para a ocasião e com bom gosto. Não
importa onde estejamos, nossa aparência deve refletir “mo-
déstia e bom critério”, que, junto com “boas obras”, são
apropriados para qualquer um — homem ou mulher — que
‘professa devoção a Deus’. Naturalmente, nossa principal
preocupação não é chamar atenção para nossa pessoa, mas
‘nos manter no amor de Deus’. (1 Timóteo 2:9, 10; Judas 21)
Queremos que nosso adorno mais belo seja “a pessoa secre-
ta do coração . . . , que é de grande valor aos olhos de Deus”.
— 1 Pedro 3:3, 4.
13 Também devemos ter em mente que nosso estilo de

roupa e o modo de nos arrumar podem afetar a manei-


ra como outros encaram a adoração verdadeira. A pala-
vra grega traduzida “modéstia”, quando se refere à moral,
transmite a ideia de reverência, honra e respeito pelos senti-
mentos ou opiniões dos outros. Queremos, portanto, colo-
11. Como o espírito do mundo tem influenciado os padrões de ves-
timenta?
12, 13. Que princípios devem orientar o modo de nos vestir e nos
arrumar?
car a consciência dos outros
à frente dos nossos supos-
tos direitos. Acima de tudo,
queremos honrar a Jeová e a
seu povo e nos recomendar
como ministros de Deus, fa-
zendo “todas as coisas para
a glória de Deus”. — 1 Co-
ríntios 4:9; 10:31; 2 Corín-
tios 6:3, 4; 7:1.
14 Nossa roupa, o modo

de nos arrumar e a higiene


pessoal são mais importan-
tes ainda quando partici-
pamos na obra de prega-
ção ou assistimos a uma
reunião cristã. Pergunte-se:
‘Minha aparência e higie- Minha aparência dá
ne pessoal chamam indevi- honra a Jeová?
da atenção para mim? Dei-
xam outros embaraçados? Será que me preocupo mais
com meus direitos nesses assuntos do que em estar qualifi-
cado para privilégios na congregação?’ — Salmo 68:6; Fili-
penses 4:5; 1 Pedro 5:6.
15 A Bíblia não estabelece para os cristãos uma lista de

regras sobre vestimenta, modo de se arrumar ou higiene.


Jeová não deseja nos privar da liberdade de escolha nem im-
pedir que usemos a faculdade de raciocínio. Pelo contrário,
ele deseja que sejamos pessoas maduras que raciocinam à
base de princípios bíblicos, e que “pelo uso têm sua capaci-
dade de discernimento treinada para saber distinguir tanto
14. Com respeito à nossa aparência e higiene, o que devemos nos
perguntar?
15. Por que a Palavra de Deus não estabelece uma lista de regras so-
bre vestimenta, modo de se arrumar ou higiene?
o certo como o errado”. (Hebreus 5:14) Mais importan-
te que isso, ele quer que sejamos orientados pelo amor
— amor a Deus e ao próximo. (Leia Marcos 12:30, 31.) Mes-
mo respeitando esses limites, existe uma grande variedade
de estilos de roupa e modos de se arrumar apropriados para
os cristãos. Isso pode ser visto nas roupas diversificadas das
multidões alegres do povo de Jeová, não importa em que
país estejam reunidas.
MANTER UMA VIDA SIMPLES
16 O espírito do mundo engana as pessoas, fazendo com
que muitos confiem no dinheiro e nos bens materiais para
ter felicidade. Mas Jesus disse: “Mesmo quando alguém
tem abundância, sua vida não vem das coisas que pos-
16. Como o espírito do mundo é contrário ao que Jesus ensinou, e
que perguntas devemos fazer a nós mesmos?
Como se manter separado do mundo 59

sui.” (Lucas 12:15) Embora Jesus não defendesse o ascetis-


mo, ou extrema autoabnegação, ele ensinou que aqueles
que têm “consciência de sua necessidade espiritual” e que
mantêm uma vida simples — focalizada em assuntos espi-
rituais — têm verdadeira felicidade e receberão a vida eter-
na. (Mateus 5:3; 6:22) Pergunte-se: ‘Acredito realmente no
que Jesus ensinou, ou estou sendo influenciado pelo “pai
da mentira”? ( João 8:44) O que revelam minhas palavras,
meus objetivos, minhas prioridades e meu modo de vida?’
— Lucas 6:45; 21:34-36; 2 João 6.
17 “A sabedoria se prova justa pelas suas obras”, disse Je-

sus. (Mateus 11:19) Os que mantêm uma vida simples


são muito beneficiados. O serviço do Reino lhes dá ver-
dadeiro revigoramento. (Mateus 11:29, 30) Eles evitam an-
siedades desnecessárias e consequentemente muita aflição
mental e emocional. (Leia 1 Timóteo 6:9, 10.) Por conten-
tar-se com as necessidades básicas da vida, têm mais tem-
po para a família e os amigos. Conseguem dormir tranqui-
los. (Eclesiastes 5:12) Eles têm a grande alegria que resulta
de dar, fazendo isso sempre que possível. (Atos 20:35) Tam-
bém ‘transbordam de esperança’ e têm paz interior e con-
tentamento. (Romanos 15:13; Mateus 6:31, 32) Essas bên-
çãos realmente não têm preço!
USAR A “ARMADURA COMPLETA DE DEUS”
18 Os que se mantêm no amor de Deus também são pro-
tegidos espiritualmente contra Satanás, que deseja impedir
que os cristãos tenham felicidade e também a vida eter-
na. (1 Pedro 5:8) “Temos uma luta”, disse Paulo, “não con-
tra sangue e carne, mas contra os governos, contra as au-
toridades, contra os governantes mundiais desta escuridão,
17. Mencione alguns benefícios usufruídos pelos que mantêm uma
vida simples.
18. Como a Bíblia descreve nosso inimigo, seus métodos e a nature-
za da nossa “luta”?
60 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

contra as forças espirituais malignas nos lugares celestiais”.


(Efésios 6:12) A palavra grega traduzida “luta” transmite a
ideia de que nossa luta não é travada a longa distância
— como se estivéssemos protegidos em um esconderijo —,
mas é um combate frente a frente. Além disso, os termos
“governos”, “autoridades” e “governantes mundiais” trans-
mitem a ideia de algo altamente organizado e que os ata-
ques do domínio espiritual são planejados.
19 Apesar das fraquezas e limitações humanas, porém, po-

demos sair vitoriosos. Como? Por usarmos “a armadura


completa de Deus”. (Efésios 6:13) Efésios 6:14-18 descreve
essa armadura do seguinte modo: “Mantenham-se firmes,
usando o cinturão da verdade, vestindo a couraça da justi-
ça e tendo os pés calçados com a prontidão para declarar as
boas novas de paz. Além de tudo isso, usem o grande escu-
do da fé, com o qual poderão apagar todas as flechas arden-
tes do Maligno. Aceitem também o capacete [ou esperança]
da salvação e a espada do espírito, isto é, a palavra de Deus,
ao passo que, com toda forma de oração e súplica, em todas
as ocasiões, vocês continuam orando no espírito.”
20 Visto que essa armadura espiritual é uma provisão de

Deus, ela nunca falha, desde que sempre façamos uso dela.
Diferentemente de soldados literais, que podem ter longos
períodos de paz entre um conflito e outro, os cristãos estão
numa luta sem trégua, de vida ou morte, que só terá fim
quando Deus destruir o mundo de Satanás e lançar todos
os espíritos maus no abismo. (Apocalipse 12:17; 20:1-3) Por-
tanto, não desista caso esteja lutando contra fraquezas ou
desejos errados, pois todos temos de ‘surrar’ a nós mesmos
a fim de permanecer leais a Jeová. (1 Coríntios 9:27) Na
verdade, quando não estamos lutando é que devemos ficar
preocupados.
19. Descreva a armadura espiritual do cristão.
20. Como nossa situação é diferente da situação de um soldado lite-
ral?
Como se manter separado do mundo 61

21 Além disso, não podemos vencer essa luta nas nossas


próprias forças. Por isso o apóstolo Paulo nos lembra da ne-
cessidade de orar a Jeová “em todas as ocasiões . . . no espíri-
to”. Ao mesmo tempo, devemos escutar a Jeová por estudar
sua Palavra e nos associar em toda oportunidade com nos-
sos companheiros de batalha, pois não estamos sozinhos
nessa luta. (Filêmon 2; Hebreus 10:24, 25) Os que forem
fiéis em todas essas coisas não apenas serão vitoriosos, mas
também terão condições de defender sua fé quando ela for
questionada.
ESTEJA PRONTO PARA DEFENDER SUA FÉ
22 Visto que “vocês não fazem parte do mundo”, disse Je-
sus, “o mundo os odeia”. ( João 15:19) Os cristãos, portan-
to, sempre devem estar prontos para defender sua fé, mas de
forma respeitosa e branda. (Leia 1 Pedro 3:15.) Pergunte-se:
‘Entendo por que as Testemunhas de Jeová às vezes tomam
uma posição contrária à opinião popular? Ao enfrentar tal
situação desafiadora, tomo minha posição plenamente con-
vencido de que o que a Bíblia e o “escravo fiel e prudente”
dizem ser o certo? (Mateus 24:45; João 17:17) E quando a
questão é fazer o que é certo aos olhos de Jeová, além de es-
tar preparado para ser diferente, sinto orgulho de ser dife-
rente?’ — Salmo 34:2; Mateus 10:32, 33.
23 Muitas vezes, porém, nossa determinação de nos man-

ter separados do mundo é posta à prova de maneiras mais


sutis. Por exemplo, conforme já mencionado, o Diabo ten-
ta atrair os servos de Jeová para o mundo por meio de entre-
tenimentos mundanos. Como podemos escolher diversões
sadias que nos deixem revigorados e com a consciência lim-
pa? O próximo capítulo falará sobre esse assunto.
21. Qual a única maneira de sermos vitoriosos na guerra espiritual?
22, 23. (a) Por que temos de estar sempre prontos para defender
nossa fé, e que perguntas devemos fazer a nós mesmos? (b) Que as-
sunto será considerado no próximo capítulo?
C APÍTULO 6

Como escolher
diversão sadia
“Façam todas as coisas para a glória de Deus.”
— 1 CORÍNTIOS 10:31.

IMAGINE que você fosse comer uma fruta deliciosa, mas


notasse que parte dela está podre. O que você faria? Bem,
você poderia comer a fruta toda, incluindo a parte estra-
gada; poderia jogar fora a fruta inteira, não aproveitan-
do nada; ou cortar a parte estragada e comer a parte boa.
O que você escolheria fazer?
2 De certa forma, as diversões são como essa fruta. Às

vezes, você quer se divertir, mas se dá conta de que mui-


tas formas de entretenimento disponíveis hoje são mo-
ralmente ruins, ou “podres”. Sendo assim, o que vai fa-
zer? Alguns toleram o que é mau e aceitam qualquer tipo
de diversão que este mundo oferece. Outros talvez evitem
toda forma de entretenimento para não correr o risco de
ficar expostos a nada que os prejudique. Ainda outros tal-
vez tenham o cuidado de evitar entretenimento prejudi-
cial e de vez em quando se divertem com algo que é re-
lativamente sadio. Que escolha você deve fazer para se
manter no amor de Deus?
3 A maioria de nós escolheria a terceira opção. Reconhe-

cemos que precisamos nos recrear, mas queremos limitar


nossa diversão ao que é moralmente puro. Por isso, é im-
portante considerar como podemos saber o que é saudá-
1, 2. Que escolha precisamos fazer com respeito ao entretenimento?
3. O que vamos analisar agora?
Como escolher diversão sadia 63

vel e o que não é. Primeiro, porém, vamos analisar que


efeito nossa escolha de diversão pode ter na adoração que
prestamos a Jeová.
“FAÇAM TODAS AS COISAS PARA
A GLÓRIA DE DEUS”
4 Algum tempo atrás, um irmão idoso, batizado

em 1946, disse: “Eu faço questão de estar presente a todos


os discursos de batismo, bem como
de prestar atenção a cada um deles,
como se fosse o discurso de meu
batismo.” Por que ele faz isso? Ele
explicou: “Manter a minha dedica-
ção bem clara na mente tem sido
um passo importante para conti-
nuar fiel.” Você sem dúvida con-
corda com ele. Lembrar-se de que
você prometeu a Jeová que usaria
toda a sua vida no seu serviço o
motiva a perseverar. (Leia Eclesias-
tes 5:4.) De fato, meditar na dedi-
cação que você fez a Jeová influen-
ciará não só sua atitude para com o
ministério cristão, mas também to-
dos os outros aspectos da sua vida
— incluindo a diversão. O apóstolo
Paulo destacou essa verdade ao es-
crever aos cristãos dos seus dias:
“Quer vocês comam, quer bebam,
quer façam qualquer outra coisa,
façam todas as coisas para a glória
de Deus.” — 1 Coríntios 10:31.
4. Como nossa dedicação deve influen-
ciar nossa escolha de diversão?
64 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

Tudo o que você faz na vida está relacionado com sua


5

adoração a Jeová. Em sua carta aos romanos, Paulo usou


uma expressão de profundo significado para ajudar seus
companheiros de adoração a entender a importância des-
sa verdade. Ele os incentivou: “Apresentem o seu corpo
como sacrifício vivo, santo e aceitável a Deus, prestando
assim um serviço sagrado com a sua faculdade de raciocí-
nio.” (Romanos 12:1) Seu corpo inclui a mente, o coração
e a força física, tudo que você usa para servir a Deus. (Mar-
cos 12:30) Paulo fala desse serviço prestado de toda a alma
como sendo um sacrifício. Essa expressão contém um avi-
so indireto. Sob a Lei mosaica, um sacrifício defeituoso era
rejeitado por Deus. (Levítico 22:18-20) Do mesmo modo,
se o sacrifício espiritual do cristão estiver de alguma forma
contaminado, será rejeitado por Deus. Mas como isso po-
deria acontecer?
6 Paulo aconselhou os cristãos em Roma: “Não . . .

continuem a apresentar os seus corpos ao pecado.” Pau-


lo também lhes disse para ‘entregar à morte as práticas do
corpo’. (Romanos 6:12-14; 8:13) Um pouco antes em sua
carta, ele tinha dado alguns exemplos dessas “práticas do
corpo”. Referindo-se à humanidade pecadora, ele escre-
veu: “Sua boca está cheia de maldições.” “Seus pés são ve-
lozes para derramar sangue.” “Não há temor de Deus
diante dos seus olhos.” (Romanos 3:13-18) Um cristão es-
taria poluindo seu corpo se usasse as partes do corpo para
praticar essas coisas erradas. Por exemplo, se um cristão
hoje deliberadamente vê coisas depravadas, como porno-
grafia, ou assiste à violência sádica, ele está ‘apresentando
[seus olhos] ao pecado’ e consequentemente contami-
5. Como Levítico 22:18-20 nos ajuda a entender o aviso indireto con-
tido em Romanos 12:1?
6, 7. Como um cristão pode poluir seu corpo, e quais são as conse-
quências?
Como escolher diversão sadia 65

nando todo o seu corpo. Qualquer adoração prestada por


ele deixa de ser um sacrifício santo e torna-se inaceitável
para Deus. (Deuteronômio 15:21; 1 Pedro 1:14-16; 2 Pedro
3:11) Que preço alto a pagar por escolher diversão prejudi-
cial!
7 Fica claro que a escolha de entretenimento do cristão

traz sérias consequências. Com certeza, então, queremos


escolher uma diversão que contribua para prestarmos a
Deus um sacrifício de boa qualidade em vez de contami-
ná-lo. Vamos analisar agora como podemos saber o que é
saudável e o que não é.
“ABOMINEM O QUE É MAU”
8 Em linhas gerais, as diversões podem ser divididas em
duas categorias. Uma inclui as diversões que os cristãos
definitivamente não aceitam; a outra envolve tipos de di-
versão que para os cristãos podem ser aceitáveis ou não.
Vamos considerar a primeira categoria — as diversões que
os cristãos não aceitam.
9 Como vimos no capítulo 1, alguns tipos de diversão

destacam práticas expressamente condenadas na Bíblia.


Pense, por exemplo, em páginas da internet, filmes, pro-
gramas de TV e músicas que contêm sadismo, demonis-
mo, pornografia ou que incentivam práticas depravadas
e imorais. Visto que esses tipos degradantes de diversão
apresentam práticas que violam leis e princípios bíblicos
como algo aceitável, devem ser evitados pelos cristãos ver-
dadeiros. (Atos 15:28, 29; 1 Coríntios 6:9, 10; Apocalip-
se 21:8) Por rejeitar esse tipo de diversão prejudicial, você
mostra a Jeová que realmente ‘abomina o que é mau’ e
que de modo firme se ‘desvia do mal’. Assim, você mostra
8, 9. (a) Em que duas categorias as diversões podem ser divididas?
(b) Que tipos de diversão nós rejeitamos, e por quê?
66 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

que tem “fé sem hipocrisia”. — Romanos 12:9; Salmo


34:14; 1 Timóteo 1:5.
10 No entanto, alguns talvez achem que não há nada de

mais em assistir a algo imoral. Talvez pensem: ‘Eu posso


ver isso em filmes ou na TV, mas nunca faria uma coi-
sa dessas.’ Esse raciocínio é enganoso e perigoso. (Leia
Jeremias 17:9.) Será que realmente ‘abominamos o que
é mau’ se achamos divertido assistir ao que Jeová conde-
na? Se sempre ficarmos expostos à conduta errada, nosso
senso do que é certo e do que é errado ficará prejudica-
do. (Salmo 119:70; 1 Timóteo 4:1, 2) Isso poderia influen-
ciar nossas ações ou o modo como encaramos o compor-
tamento errado de outros.
11 Isso na verdade já aconteceu. Alguns cristãos comete-

ram imoralidade porque ficaram influenciados pelo que


costumavam ver nos filmes, na TV ou na internet. Eles
aprenderam de forma dolorosa que “o que a pessoa se-
mear, isso também colherá”. (Gálatas 6:7) Mas você pode
evitar passar por isso. Se semear em sua mente o que é
puro e limpo, terá a felicidade de colher em sua vida bons
resultados. — Veja o quadro “Que diversão devo esco-
lher?”, na página 67.
DECISÕES PESSOAIS BASEADAS EM
PRINCÍPIOS BÍBLICOS
12 Analisemos agora a segunda categoria — as diversões

que a Bíblia nem condena nem aprova de modo específi-


co. Ao escolher essas diversões, cada cristão precisa deci-
dir sobre o que ele acha aceitável. (Leia Gálatas 6:5.) Mas,
10. Que tipo de raciocínio sobre diversão é perigoso, e por quê?
11. Como a veracidade do princípio de Gálatas 6:7 tem sido compro-
vada no que diz respeito à diversão?
12. Como Gálatas 6:5 pode ser aplicado à diversão, e que orientação
temos para tomar decisões pessoais?
Como escolher diversão sadia 67

QUE DIVERSÃO DEVO ESCOLHER?


Princípio: “Abominem o que é mau;
agarrem-se ao que é bom.” — Romanos 12:9.
Será que Deus se agrada se. . .
ˇ a letra da música que eu escuto torna difícil que eu
pense em coisas puras? — 1 Coríntios 6:9, 10.
ˇ imito os modos impróprios de falar e agir dos per-
sonagens dos filmes a que assisto? — Lucas 6:40.
ˇ escolho videogames em que tenho de fazer o papel
de uma pessoa violenta ou imoral?
— Salmo 11:5, 7.
ˇ os padrões que eu ensino
a outros são diferentes dos
padrões que me orientam
ao escolher uma diversão?
— Romanos 2:21.
68 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

ao nos confrontarmos com essa escolha, não ficamos sem


orientação. A Bíblia contém princípios, ou verdades fun-
damentais, que nos ajudam a entender o modo de pen-
sar de Jeová. Por dar atenção a esses princípios, poderemos
saber “qual é a vontade de Jeová” em todas as coisas, in-
cluindo a escolha de diversão. — Efésios 5:17.
13 É compreensível que nem todos os cristãos tenham

13. O que nos fará evitar tipos de diversão que poderiam desagradar
a Jeová?

Aplicar princípios bíblicos ao escolher uma diversão


nos protege contra a ruína espiritual
Como escolher diversão sadia 69

o mesmo senso moral, ou discernimento. (Filipenses 1:9)


Além do mais, os cristãos sabem que, no que diz respeito
à diversão, os gostos variam. Por isso, não se espera que
todos os cristãos tomem a mesma decisão nesse assun-
to. Mesmo assim, quanto mais permitirmos que os prin-
cípios bíblicos orientem nossa mente e coração, mais de-
sejaremos evitar qualquer forma de diversão que poderia
desagradar a Jeová. — Salmo 119:11, 129; 1 Pedro 2:16.
14 Existe outro aspecto importante que você deve le-

var em consideração ao escolher uma diversão: seu tem-


po. O tipo de divertimento que você escolhe revela o
que você acha aceitável; a quantidade de tempo que gas-
ta com ele revela quais são suas prioridades. É claro que
para um cristão os assuntos espirituais são os mais impor-
tantes. (Leia Mateus 6:33.) O que, então, você pode fa-
zer para garantir que os interesses do Reino tenham
sempre prioridade em sua vida? O apóstolo Paulo disse:
“Estejam bem atentos para não andarem como tolos, mas
como sábios, usando o seu tempo do melhor modo pos-
sível.” (Efésios 5:15, 16) De fato, estabelecer limites claros
de quanto tempo você vai gastar com diversão o ajudará
a ter o tempo necessário para as “coisas mais importan-
tes” — atividades que contribuem para seu bem-estar es-
piritual. — Filipenses 1:10.
15 Também é bom estabelecer uma margem de seguran-

ça ao escolher uma diversão. O que isso significa? Consi-


dere novamente o exemplo da fruta. Para não comer sem
querer o que está podre, você não tira apenas a parte
estragada, mas corta também um bom pedaço em volta.
14. (a) Que aspecto devemos levar em consideração ao escolher uma
diversão? (b) Como podemos sempre dar prioridade aos interesses do
Reino?
15. Por que é bom estabelecer uma margem de segurança ao esco-
lher uma diversão?
70 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

Da mesma forma, é sensato ter uma margem de seguran-


ça ao escolher uma diversão. Um cristão que tem discerni-
mento evita não só entretenimento que claramente viola
princípios bíblicos, mas também tipos de diversão ques-
tionáveis ou que talvez incluam coisas que poderiam pre-
judicar a espiritualidade. (Provérbios 4:25-27) Apegar-se à
Palavra de Deus o ajudará a fazer isso.
“TUDO QUE É CASTO”
Ao escolher uma diversão, o verdadeiro cristão pri-
16

meiro leva em conta o ponto de vista de Jeová. A Bíblia


revela os padrões e os sentimentos dele. Por exemplo, o
Rei Salomão alistou várias coisas que Jeová odeia, como
‘língua mentirosa e mãos que derramam sangue inocen-
te, o coração que planeja tramas perversas e pés que ra-
pidamente correm para a maldade’. (Provérbios 6:16-19)
Como o ponto de vista de Jeová deve influenciar seus
conceitos? “Vocês que amam a Jeová”, aconselhou o sal-
mista, “odeiem o que é mau”. (Salmo 97:10) A sua esco-
lha de diversão deve deixar bem claro que você realmen-
te odeia o que Jeová odeia. (Gálatas 5:19-21) Lembre-se,
também, de que o que você faz em particular, mais do que
em público, revela que tipo de pessoa você realmente é.
16. (a) Como podemos mostrar que temos o ponto de vista de Jeová
sobre a moralidade? (b) Como a aplicação de princípios bíblicos pode
se tornar seu modo de vida?

Antes de escolher uma diversão, o cristão


precisa se perguntar:
ˇ Como isso afetará meu relacionamento com Deus?
ˇ Como isso me afetará?
ˇ Como isso afetará outros?
Como escolher diversão sadia 71

(Salmo 11:4; 16:8) Portanto, se você tiver o desejo sincero


de refletir, em todos os aspectos de sua vida, os sentimen-
tos de Jeová com relação à moral, sempre fará escolhas de
acordo com os princípios bíblicos. Fazer isso se tornará
seu modo de vida. — 2 Coríntios 3:18.
17 O que mais você pode fazer para garantir que agirá

em harmonia com o modo de pensar de Jeová ao escolher


uma diversão? Reflita da seguinte maneira: ‘Como essa di-
versão afetará a mim e meu relacionamento com Jeová?’
Por exemplo, antes de decidir assistir ou não a determina-
do filme, pergunte-se: ‘Como o conteúdo desse filme afe-
tará minha consciência?’ Vamos considerar que princí-
pios se aplicam a esse caso.
18 Um importante princípio encontra-se em Filipenses

4:8, que diz: “Tudo que é verdadeiro, tudo que é de sé-


ria preocupação, tudo que é justo, tudo que é casto, tudo
que é amável, tudo de que se fala bem, tudo que é virtuo-
so e tudo que é digno de louvor, continuem a considerar
essas coisas.” É verdade que Paulo não estava falando so-
bre diversão, mas sobre as reflexões do coração, que de-
vem se centralizar em coisas que agradam a Deus. (Salmo
19:14) Mesmo assim, o princípio encontrado em suas pa-
lavras pode se aplicar ao entretenimento. Como?
19 Pergunte-se: ‘Será que os filmes, videogames, músicas

e outros tipos de entretenimento que escolho enchem mi-


nha mente com “tudo que é casto”?’ Por exemplo, depois
de assistir a um filme, que imagens ficam gravadas em sua
mente? Se as imagens forem agradáveis e puras e tiverem
17. Antes de escolher uma diversão, o que devemos nos perguntar?
18, 19. (a) Como o princípio encontrado em Filipenses 4:8 nos aju-
da a determinar se o entretenimento que escolhemos é sadio? (b) Que
outros princípios podem ajudá-lo a escolher uma boa diversão? (Veja
a nota.)
72 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

um efeito reanimador, então você poderá ter certeza de


que a diversão foi saudável. Mas se o filme o faz pensar em
coisas que não são castas, então o entretenimento foi pre-
judicial. (Mateus 12:33; Marcos 7:20-23) Por quê? Porque
pensar em coisas moralmente impuras perturba sua paz
interior, fere sua consciência treinada pela Bíblia e pode
prejudicar seu relacionamento com Deus. (Efésios 5:5;
1 Timóteo 1:5, 19) Visto que esse tipo de entretenimento
tem um efeito nocivo para sua personalidade, esteja deci-
dido a evitá-lo.1 (Romanos 12:2) Tenha a mesma atitude
do salmista que orou a Jeová: “Desvia os meus olhos do
que é sem valor.” — Salmo 119:37.
BUSQUE A VANTAGEM DE OUTROS
Paulo mencionou um importante princípio bíbli-
20

co que precisa ser considerado ao tomarmos decisões so-


bre assuntos pessoais. Ele disse: “Tudo é permitido, mas
nem tudo edifica. Que cada um persista em buscar, não a
sua própria vantagem, mas a da outra pessoa.” (1 Corín-
tios 10:23, 24) Como esse princípio se relaciona com a es-
colha de entretenimento sadio? Você precisa se perguntar:
‘Como a diversão que escolho afetará outras pessoas?’
21 Talvez você, na sua consciência, ache que certo tipo

de diversão é “permitido”, ou aceitável. Mas se notar


que outros irmãos com consciência mais sensível acham
essa diversão objetável, você talvez decida não optar por
ela. Por quê? Porque você não quer ‘pecar contra seu ir-
mão’ — ou até mesmo ‘pecar contra Cristo’, conforme dis-
se Paulo — por tornar mais difícil para seu companheiro
1 Outros princípios que se aplicam ao entretenimento encontram-
se em Provérbios 3:31; 13:20; Efésios 5:3, 4 e Colossenses 3:5, 8, 20.

20, 21. Como 1 Coríntios 10:23, 24 se relaciona com a escolha de


diversão sadia?
Como escolher diversão sadia 73

de adoração manter a fidelidade a Deus. Você leva a sério


a seguinte advertência: “Não se tornem motivo de trope-
ço.” (1 Coríntios 8:12; 10:32) Os cristãos verdadeiros hoje
acatam o conselho equilibrado e sensato de Paulo por evi-
tar tipos de entretenimento que talvez sejam ‘permitidos’,
mas não ‘edificam’. — Romanos 14:1; 15:1.
22 Quando se trata, porém, de procurar a vantagem de

outros, existe o outro lado da questão. O cristão que tem


uma consciência mais sensível não deve insistir que to-
dos os irmãos na congregação tenham o mesmo ponto
de vista restrito que ele tem sobre o que é entretenimen-
to aceitável. Se ele fizesse isso, estaria agindo como um
motorista em uma rodovia que exige que todos os outros
motoristas naquela estrada dirijam na velocidade que ele
quer. Isso não seria razoável. A pessoa que tem uma cons-
ciência mais sensível e é motivada pelo amor cristão pre-
cisa respeitar os irmãos cujo ponto de vista sobre diver-
são é diferente do seu, mas não viola nenhum princípio
bíblico. Assim, ela deixa que sua “razoabilidade seja co-
nhecida de todos os homens”. — Filipenses 4:5; Eclesias-
tes 7:16.
23 Em resumo, como você pode escolher diversão sadia?

Rejeite todo tipo de entretenimento que apresente práticas


degradantes e imorais que são claramente condenadas na
Palavra de Deus. Siga os princípios bíblicos que se aplicam
aos tipos de diversão que não são especificados na Bíblia.
Evite o tipo de entretenimento que fere sua consciência e
esteja disposto a abrir mão de diversões que poderiam fe-
rir a consciência de outros, em especial de nossos irmãos.
Que sua determinação de fazer isso traga glória a Deus e
mantenha você e sua família no amor dele!
22. Por que entre os cristãos pode haver pontos de vista diferentes
em questões pessoais?
23. Como você pode escolher diversão sadia?
C APÍTULO 7

Você valoriza a vida


assim como Deus?
“Contigo está a fonte da vida.”
— SALMO 36:9.

AO NOS dar a vida, nosso Pai celestial nos dotou de algo ines-
timável — o dom da vida como humanos inteligentes que po-
dem refletir as Suas qualidades. (Gênesis 1:27) Graças a esse
dom precioso, podemos entender princípios bíblicos. Por
aplicá-los, podemos nos tornar pessoas espiritualmente ma-
duras, que amam a Jeová e cuja “capacidade de discernimen-
to [é] treinada para saber distinguir tanto o certo como o er-
rado”. — Hebreus 5:14.
2 A capacidade de entender princípios bíblicos é importan-

te especialmente hoje, pois o mundo se tornou tão comple-


xo que seria impossível ter leis que abrangessem todas as si-
tuações que possam surgir na vida. A medicina ilustra bem
esse ponto, em especial quando se trata de procedimentos
e produtos que utilizam sangue. Esse é um assunto de gran-
de interesse e preocupação para os que querem obedecer a
Jeová. Mas, se entendermos os princípios bíblicos envolvidos,
conseguiremos tomar boas decisões, que nos deixarão com a
consciência limpa e nos manterão no amor de Deus. (Provér-
bios 2:6-11) Veja alguns desses princípios.
A VIDA E O SANGUE SÃO SAGRADOS
3 Foi pouco depois de Caim matar Abel que Jeová revelou
pela primeira vez que a vida e o sangue são sagrados e que
1, 2. Qual é o dom que recebemos de Jeová, e por que isso é espe-
cialmente valioso hoje?
3, 4. Quando a santidade do sangue foi mencionada pela primeira
vez nas Escrituras, e em que princípios ela se baseia?
Você valoriza a vida assim como Deus? 75

estão intimamente relacionados. Ele disse a Caim: “Escute!


O sangue do seu irmão está clamando a mim desde o solo.”
(Gênesis 4:10) Do ponto de vista de Jeová, o sangue de Abel
representava sua vida, que havia sido tirada de forma violen-
ta. Por isso, podia-se dizer que o sangue de Abel clamava a
Deus por vingança. — Hebreus 12:24.
4 Depois do Dilúvio dos dias de Noé, Deus deu aos huma-

nos permissão para comer carne de animal, mas não o san-


gue. Deus disse: “Somente não comam a carne de um animal
com seu sangue, que é a sua vida. Além disso, vou exigir uma
prestação de contas pelo sangue, a vida, de vocês.” (Gênesis
9:4, 5) Esse mandamento se aplica a todos os descendentes de
Noé até o dia de hoje. Confirma o que estava subentendido
nas palavras de Deus a Caim — que a vida, ou a alma, de to-
das as criaturas é representada pelo sangue. Esse mandamen-
to também deixa claro que todos os humanos que desrespei-
tam a vida e o sangue terão de prestar contas a Jeová, a Fonte
da vida. — Salmo 36:9.
5 Essas duas verdades fundamentais eram evidentes na Lei

mosaica. Levítico 17:10, 11 diz: “Se algum homem . . . comer


o sangue de qualquer criatura, eu certamente me voltarei con-
tra aquele que comer o sangue, e o eliminarei dentre seu povo.
Pois a vida de uma criatura está no sangue, e eu mesmo o dei
a vocês para que façam expiação por si mesmos no altar. Pois
é o sangue que faz expiação por meio da vida que está nele.”1
— Veja o quadro “O valor expiatório do sangue”, na página 76.
6 Se o sangue de um animal sacrificado não fosse usado no

altar, devia ser derramado na terra. Assim, de forma simbó-


lica, a vida era devolvida ao Dono original. (Deuteronômio
1 Referente à declaração de Deus de que “a vida de uma criatura
está no sangue”, a revista Scientific American disse: “Além do signifi-
cado metafórico, a declaração é verdadeira em sentido literal: cada
tipo de célula sanguínea é necessário para a vida.”

5, 6. Como a Lei mosaica deixava claro que o sangue é sagrado e


precioso? (Veja também o quadro na página 78.)
76 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

O VALOR EXPIATÓRIO DO SANGUE


Na Palavra de Deus, o sangue representa a vida.
Assim, no Israel antigo, um pecador arrependido
podia oferecer um animal em sacrifício no altar de
Deus em vez de ser condenado por violar os man-
damentos de Jeová. (Levítico 4:27-31) Esse sacrifício
cobria os pecados, mas apenas temporariamente.
A palavra “expiação”, conforme usada na Bíblia,
transmite a ideia de “troca” ou “cobertura”, assim
como, por exemplo, a tampa certa cobre perfeita-
mente um recipiente. É claro que nenhum animal
poderia “cobrir”, ou expiar, perfeitamente os peca-
dos de um humano. Mas os sacrifícios de animais
forneciam uma sombra do sacrifício expiatório per-
feito que seria oferecido no futuro. — Hebreus
10:1, 4.
Esse sacrifício foi provido “por intermédio da
oferta do corpo de Jesus Cristo, de uma vez para
sempre”. (Hebreus 10:10) A vida humana perfei-
ta de Cristo, representada por seu “sangue precio-
so, como o de um cordeiro sem defeito e sem man-
cha”, correspondia exatamente à vida que Adão
perdeu. (1 Pedro 1:19) Dessa forma, Jeová exerceu a
justiça de modo perfeito e amoroso e tornou possí-
vel nosso “livramento eterno”. — Hebreus 9:11, 12;
João 3:16; Apocalipse 7:14.

12:16; Ezequiel 18:4) Observe, porém, que não era necessário


que os israelitas tomassem medidas extremas para tentar re-
mover todos os vestígios de sangue da carne do animal. Des-
de que o animal tivesse sido abatido e sangrado do modo cor-
reto, o israelita podia comê-lo com a consciência limpa,
porque já se havia mostrado o devido respeito pelo Dador da
Vida.
Você valoriza a vida assim como Deus? 77

7 O rei Davi, ‘um homem que agradava ao coração de

Deus’, entendia bem os princípios envolvidos na lei de Deus


sobre o sangue. (Atos 13:22) Em certa ocasião, quando ele es-
tava com muita sede, três dos seus homens invadiram um
acampamento inimigo, tiraram água da cisterna e a levaram
para ele. Qual foi a reação de Davi? “Como eu poderia be-
ber o sangue dos homens que arriscaram sua vida?”, pergun-
tou ele. Para Davi, aquela água representava a vida de seus ho-
mens. Por isso, embora estivesse com sede, ele “a derramou
para Jeová”. — 2 Samuel 23:15-17.
8 Cerca de 2.400 anos depois que Jeová deu a Noé a ordem

de não comer sangue, e aproximadamente 1.500 anos depois


de estabelecer o pacto da Lei, ele inspirou o corpo governante
da congregação cristã do primeiro século a escrever: “Pareceu
bem ao espírito santo e a nós não impor a vocês nenhum far-
do além destas coisas necessárias: que persistam em se abster
de coisas sacrificadas a ídolos, de sangue, do que foi estrangu-
lado e de imoralidade sexual.” — Atos 15:28, 29.
9 Fica evidente assim que o corpo governante do primei-

ro século entendeu que o sangue é sagrado e que o mau uso


dele é tão moralmente errado quanto participar em idolatria
ou cometer imoralidade sexual. Os cristãos verdadeiros hoje
adotam essa mesma posição. Além disso, por se orientarem
por princípios bíblicos, podem agradar a Jeová ao tomarem
decisões sobre o uso do sangue.
O USO DO SANGUE NA MEDICINA
10As Testemunhas de Jeová entendem que ‘abster-se de
sangue’ significa não aceitar transfusões de sangue e não
doar ou armazenar seu próprio sangue para ser usado em
7. Como Davi mostrou respeito pela santidade do sangue?
8, 9. Será que o conceito de Deus sobre a vida e o sangue mudou
depois da formação da congregação cristã? Explique.
10, 11. (a) Qual é o ponto de vista das Testemunhas de Jeová sobre
as transfusões de sangue total e de seus componentes primários?
(b) Em que questões referentes ao sangue os cristãos talvez tenham
opiniões diferentes?
78 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

RESPEITE A VIDA DOS ANIMAIS


Embora Jeová permita que matemos animais
para servir de alimento, para fabricar roupas ou para
nos defender, temos de fazer isso de forma equili-
brada e bondosa. (Gênesis 3:21; 9:3) Não queremos
ser como o cruel caçador Ninrode, que pelo visto
matava animais por simples prazer. (Gênesis 10:9)
Em vez disso, devemos imitar a Jeová, que se preo-
cupa com o bem-estar de todos os animais, até mes-
mo pequenos pardais. — Jonas 4:11; Mateus 10:29.
A preocupação de Deus com os animais era evi-
dente na Lei mosaica. (Êxodo 23:4, 5, 12; Deute-
ronômio 22:10; 25:4) Em harmonia com essa Lei,
Provérbios 12:10 diz: “O justo cuida dos seus ani-
mais domésticos, mas até a misericórdia dos maus é
cruel.” Em breve, as pessoas más e seu modo de agir
não existirão mais.

transfusões. Por respeito à lei de Deus, também não aceitam


os quatro componentes primários do sangue: glóbulos ver-
melhos, glóbulos brancos, plaquetas e plasma.
11 Hoje, por meio de processamento adicional, esses com-

ponentes muitas vezes são subdivididos em frações, que são


usadas de diversas maneiras. Seria correto o cristão aceitar es-
sas frações? Será que ele as considera como “sangue”? Cada
um precisa tomar sua própria decisão nesse assunto. Isso tam-
bém se aplica a procedimentos médicos como a hemodiálise,
a hemodiluição e a recuperação intraoperatória de células do
sangue da própria pessoa, desde que esse não tenha sido ar-
mazenado. — Veja o Apêndice, páginas 215-218.
12 Será que assuntos de decisão pessoal são de pouca impor-

12. Como devemos encarar os assuntos que envolvem a consciência,


e como devemos agir?
Você valoriza a vida assim como Deus? 79

tância para Jeová? Não, pois ele tem grande interesse em nos-
sos pensamentos e em nossas motivações. (Leia Provérbios
17:3; 24:12.) Assim, depois de pedir a orientação de Jeová e
pesquisar sobre um produto derivado de sangue ou um pro-
cedimento médico, devemos agir segundo nossa consciência
treinada pela Bíblia. (Romanos 14:2, 22, 23) Naturalmente,
outras pessoas não devem tentar impor a nós sua opinião; ao
mesmo tempo não devemos perguntar a outros: “O que você
faria se estivesse no meu lugar?” Nesses assuntos, cada cris-
tão deve ‘levar a sua própria carga’.1 — Gálatas 6:5; Romanos
14:12; veja o quadro “Considero o sangue como sagrado?”, na
página 81.
AS LEIS DE JEOVÁ REFLETEM
SEU AMOR PATERNAL
13 As leis e os princípios encontrados na Bíblia revelam

que Jeová é um Legislador sábio e ao mesmo tempo um Pai


amoroso que se importa muito com o bem-estar de seus fi-
lhos. (Salmo 19:7-11) Embora o mandamento de nos ‘abster
de sangue’ não tenha sido dado como medida para proteger
a saúde, por obedecê-lo evitamos as complicações relaciona-
das com as transfusões de sangue. (Atos 15:20) De fato, mui-
tos da área médica consideram a cirurgia sem sangue como o
“padrão-ouro” da medicina moderna. Para os cristãos verda-
deiros, fatos como esse simplesmente confirmam a extraor-
dinária sabedoria e o amor paternal de Jeová. — Leia Isaías
55:9; João 14:21, 23.
14 A preocupação de Deus com o bem-estar de seu povo

no Israel antigo era evidente em muitas de suas leis. Por


1 Veja Despertai! de agosto de 2006, páginas 3-12, publicada pelas
Testemunhas de Jeová.

13. O que as leis e os princípios de Jeová revelam sobre ele? Dê um


exemplo.
14, 15. (a) Que leis tornavam evidente o amor de Deus por seu
povo? (b) Como você pode aplicar os princípios que servem de base
para essas leis de segurança?
80 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

exemplo, visto que o terraço das casas dos israelitas era uma
área muito utilizada, Deus exigia que eles construíssem um
parapeito a fim de evitar acidentes. (Deuteronômio 22:8;
1 Samuel 9:25, 26; Neemias 8:16; Atos 10:9) Deus também or-
denou que touros perigosos fossem mantidos presos. (Êxodo
21:28, 29) Desconsiderar essas exigências mostrava total falta
de respeito pelo bem-estar dos outros e podia resultar em cul-
pa de sangue.
15 Como você pode aplicar os princípios que servem de

base para essas leis? Pense em seu veículo, seus hábitos ao vo-
lante, seus animais, sua casa, seu local de trabalho e nas diver-
sões que você escolhe. Em alguns países, a causa principal de
morte entre os jovens são os acidentes, em geral porque eles
se arriscam desnecessariamente. Mas os jovens que querem
permanecer no amor de Deus dão valor à vida e não partici-
pam de atividades perigosas em busca de emoção. Eles não se
enganam por achar que, por serem jovens, nada de ruim vai
lhes acontecer. Em vez disso, aproveitam a juventude evitan-
do coisas prejudiciais. — Eclesiastes 11:9, 10.
16 Até mesmo a vida de um bebê por nascer é preciosa para

Deus. No Israel antigo, se alguém ferisse uma mulher grávida


e, em resultado, ela ou o bebê morressem, Deus considerava o
responsável pelo acidente como assassino, e ele tinha de pa-
gar “vida por vida”.1 (Leia Êxodo 21:22, 23.) Imagine como
Jeová deve se sentir ao ver inúmeros bebês sendo abortados a
cada ano, muitos dos quais são mortos por pura conveniência
e em favor da liberdade sexual.
17 Que dizer, porém, de uma mulher que fez um aborto an-

1 Lexicógrafos bíblicos afirmam que a fraseologia do texto hebrai-


co “aparentemente torna impossível interpretar as palavras como se
referindo apenas aos danos causados à mulher”. Note também que
a Bíblia não diz nada que indique que a idade do embrião ou do feto
fosse um fator determinante no julgamento de Jeová.

16. Que princípio bíblico se aplica ao aborto? (Veja também a nota.)


17. Como você consolaria alguém que fez um aborto antes de apren-
der as normas de Deus?
Você valoriza a vida assim como Deus? 81

CONSIDERO O SANGUE COMO SAGRADO?


Princípio: ‘Abstenham-se de sangue.’
— Atos 15:20.
Pergunte-se:
ˇ Como eu descreveria a diferença entre os quatro
componentes primários do sangue e as frações do
sangue?1
ˇ Por que sou eu quem deve decidir se vou aceitar
ou não frações de sangue ou certos procedimentos
médicos que envolvam o uso do meu próprio san-
gue? — Romanos 12:2; Gálatas 6:5.
ˇ Como explicaria a meu médico
os motivos de eu aceitar ou
não o uso de frações de san-
gue? — Provérbios 13:16.
1 Para informações detalhadas,
veja o Apêndice, páginas 215-216.

tes de aprender a verdade da Bíblia? Será que ela pode con-


tar com a misericórdia de Deus? Com certeza que sim!
Uma pessoa realmente arrependida pode confiar no perdão de
Deus à base do sangue derramado de Jesus. (Salmo 103:8-14;
82 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

Efésios 1:7) O próprio Jesus Cristo disse: “Eu não vim chamar
os justos ao arrependimento, mas os pecadores.” — Lucas 5:32.

EVITE O ÓDIO
Jeová deseja que não só evitemos prejudicar outros, mas
18

que tiremos do coração o sentimento que causa muito derra-


mamento de sangue — o ódio. “Todo aquele que odeia o seu
irmão é assassino”, escreveu o apóstolo João. (1 João 3:15) Tal
pessoa, além de não gostar de seu irmão, quer vê-lo morto.
Essa inimizade pode se manifestar na forma de calúnia ou de
acusações falsas que, se fossem verdadeiras, fariam com que a
pessoa acusada merecesse ser condenada à morte por Deus.
(Levítico 19:16; Deuteronômio 19:18-21; Mateus 5:22) É mui-
to importante, então, que nos esforcemos em eliminar qual-
quer maldade que possa existir em nosso coração. — Tiago
1:14, 15; 4:1-3.
19 Os que valorizam a vida assim como Jeová e que desejam

se manter no seu amor também evitam toda forma de violên-


cia. O Salmo 11:5 diz: “Ele odeia quem ama a violência.” Esse
texto não fala apenas da personalidade de Deus; contém um
princípio que deve orientar nossa vida. Motiva a quem ama a
Deus a evitar todo tipo de diversão que promova um espírito
violento. Da mesma maneira, saber que Jeová é “o Deus de
paz” incentiva seus servos a encher a mente e o coração com
coisas amáveis, virtuosas e dignas de louvor, que contribuem
para a paz. — Leia Filipenses 4:8, 9.

NÃO FAÇA PARTE DE ORGANIZAÇÕES


QUE TÊM CULPA DE SANGUE
20 Do ponto de vista de Deus, o inteiro mundo de Satanás

tem culpa de sangue. Seus sistemas políticos, representados


18. Como a Bíblia identifica a causa principal de muito derramamen-
to de sangue?
19. Como uma pessoa que se orienta por princípios bíblicos encara
textos como o Salmo 11:5 e Filipenses 4:8, 9?
20-22. Qual é a posição dos cristãos em relação ao mundo, e por quê?
Como eu explicaria a um médico minha decisão sobre
o uso de frações de sangue?

nas Escrituras como feras selvagens, mataram incontáveis mi-


lhões de pessoas, incluindo muitos servos de Jeová. (Daniel
8:3, 4, 20-22; Apocalipse 13:1, 2, 7, 8) O alto comércio e a ciên-
cia têm cooperado com esses poderes governamentais, seme-
lhantes a feras, para desenvolver algumas das armas mais hor-
ríveis que se possa imaginar, recebendo enormes lucros. De
fato, “o mundo inteiro está no poder do Maligno”. — 1 João
5:19.
21 Visto que os seguidores de Jesus “não fazem parte do

mundo” e não se envolvem na política nem nas guerras, eles


evitam ter culpa de sangue tanto direta como indiretamente.1
( João 15:19; 17:16) E, imitando a Cristo, não agem com vio-
lência quando são perseguidos. Em vez disso, mostram amor
pelos seus inimigos, até mesmo orando por eles. — Mateus
5:44; Romanos 12:17-21.
22 Acima de tudo, os cristãos verdadeiros evitam qual-

quer envolvimento com “Babilônia, a Grande”, o império


1 Veja o Capítulo 5, “Como se manter separado do mundo”.
84 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

mundial da religião falsa, que é quem mais tem culpa de san-


gue. A Palavra de Deus diz: “Nela se achou o sangue dos pro-
fetas, dos santos e de todos os que foram mortos na terra.” As-
sim, somos alertados: “Saiam dela, meu povo.” — Apocalipse
17:6; 18:2, 4, 24.
23 Sair de Babilônia, a Grande, envolve mais do que ti-

rar o nome da lista de membros de uma instituição religio-


sa. Também inclui odiar as práticas más que a religião falsa
aceita ou até mesmo promove abertamente — como
imoralidade, envolvimento na política e a busca ganancio-
sa de riquezas. (Leia Salmo 97:10; Apocalipse 18:7, 9, 11-17)
Muitas vezes essas práticas resultam em derramamento de
sangue.
24 Antes de aceitar a adoração verdadeira, cada um de nós,

de uma forma ou de outra, apoiava o sistema de Satanás e


por isso tinha certa medida de culpa de sangue. No entanto,
por mudar nosso modo de agir, ter fé no sacrifício de resgate
de Cristo e dedicar nossa vida a Deus, recebemos a misericór-
dia e a proteção espiritual de Deus. (Atos 3:19) Essa proteção
nos faz lembrar das cidades de refúgio nos tempos bíblicos.
— Números 35:11-15; Deuteronômio 21:1-9.
25 Como funcionava essa provisão? Se um israelita causas-

se acidentalmente a morte de alguém, ele devia fugir para


uma das cidades de refúgio. Depois que juízes habilitados jul-
gavam o assunto, a pessoa que sem querer tivesse causa-
do a morte de alguém tinha de residir na cidade de refúgio
até a morte do sumo sacerdote. Depois disso, ela estava li-
vre para morar em outro lugar. Esse é um exemplo maravi-
lhoso da misericórdia de Deus e do grande valor que ele dá
à vida humana. Similar a essas antigas cidades de refúgio é
a provisão de Deus, à base do sacrifício de resgate de Cristo,
23. O que significa sair de Babilônia, a Grande?
24, 25. (a) Qual é a base para Jeová estender misericórdia a uma pes-
soa que tem culpa de sangue e está arrependida? (b) Isso nos faz
lembrar de que provisão nos tempos bíblicos?
Você valoriza a vida assim como Deus? 85

para nos proteger de sermos mortos por violar, sem querer, a


lei de Deus sobre a santidade da vida e do sangue. Você apre-
cia essa provisão? Como pode demonstrar isso? Uma manei-
ra é por convidar outros a também aceitar a provisão de Deus
para proteção, em especial porque a “grande tribulação” se
aproxima rapidamente. — Mateus 24:21; 2 Coríntios 6:1, 2.

RESPEITE A VIDA POR PREGAR


A MENSAGEM DO REINO
26 A situação do povo de Deus nos nossos dias nos faz lem-
brar a do profeta Ezequiel, a quem Jeová designou como vi-
gia para declarar os avisos de Deus à casa de Israel. Deus disse:
“Quando você ouvir uma palavra da minha boca, deve trans-
mitir-lhes o meu aviso.” Se Ezequiel não cumprisse sua co-
missão, se tornaria responsável pelo sangue dos que se-
riam executados quando Jerusalém tivesse de prestar contas a
Deus. (Ezequiel 33:7-9) Mas Ezequiel obedeceu e não teve cul-
pa de sangue.
27 Estamos hoje bem perto do fim de todo o sistema de Sa-

tanás. Assim, para as Testemunhas de Jeová é um dever e um


privilégio proclamar o “dia de vingança” de Deus como parte
da mensagem do Reino. (Isaías 61:2; Mateus 24:14) Você está
participando plenamente nessa obra importante? O apóstolo
Paulo levou a sério sua comissão de pregar. Por isso, ele pôde
dizer: “Estou limpo do sangue de todos os homens, pois não
deixei de declarar a vocês toda a vontade de Deus.” (Atos
20:26, 27) Que excelente exemplo para imitarmos!
28 Naturalmente, para nos manter no amor de Jeová e usu-

fruir seus cuidados paternais, há mais envolvido do que ter


o mesmo conceito que ele tem sobre a vida e o sangue.
Também precisamos nos manter limpos, ou santos, aos seus
olhos, conforme veremos no próximo capítulo.
26-28. De que forma nossa situação hoje é similar à do profeta Eze-
quiel, e como podemos nos manter no amor de Deus?
C APÍTULO 8

Deus ama pessoas limpas


“Com o puro, tu te mostras puro.” — SALMO 18:26.

UMA mãe arruma seu filho para sair. Providencia que ele
tome banho e que vista uma roupa limpa e apresentável. Ela
sabe que a limpeza é essencial para a boa saúde dele. Tam-
bém sabe que a aparência do filho reflete sobre os pais.
2 Jeová, nosso Pai celestial, quer que seus servos sejam

limpos, ou puros. Sua Palavra diz: “Com o puro, tu te mos-


tras puro.”1 (Salmo 18:26) Jeová nos ama; sabe que a limpe-
za é para o nosso bem. Ele também espera que nosso modo
de agir como suas Testemunhas reflita bem sobre ele. De
fato, nossa aparência limpa e nossa conduta excelente da-
1 As palavras no idioma original traduzidas “puro” ou “limpo” se
referem às vezes à limpeza física, mas na maioria das vezes se refe-
rem à pureza moral e espiritual.

1-3. (a) Por que uma mãe providencia que seu filho esteja bem-ar-
rumado e limpo? (b) Por que Jeová deseja que seus adoradores sejam
limpos, e o que nos motiva a querer ser limpos?
Deus ama pessoas limpas 87

rão glória, não vergonha, a Jeová e a seu santo nome. — Eze-


quiel 36:22; leia 1 Pedro 2:12.
3 Saber que Deus ama pessoas limpas nos motiva a ser

limpos. Visto que o amamos, queremos que o nosso modo


de viver lhe traga honra. Também queremos permanecer
no seu amor. Analisemos, portanto, por que precisamos ser
limpos, o que envolve ser limpo e como podemos nos man-
ter limpos. Essa análise nos ajudará a ver se há áreas em que
precisamos melhorar.
POR QUE PRECISAMOS SER LIMPOS?
4 Uma maneira de Jeová nos orientar é por dar o exem-
plo. Por isso, sua Palavra nos incentiva a nos tornar “imita-
dores de Deus”. (Efésios 5:1) Sendo assim, este é o motivo
principal para sermos limpos: Jeová, o Deus que adoramos,
é limpo, puro e santo em todos os sentidos. — Leia Levítico
11:44, 45.
5 Assim como tantas outras qualidades e modos de agir

de Jeová, seu conceito sobre limpeza é evidente em suas


criações visíveis. (Romanos 1:20) A Terra foi projetada para
ser um lar limpo para os humanos. Jeová criou ciclos eco-
lógicos que limpam o ar e a água. Certos micróbios pres-
tam um serviço de saneamento, transformando resíduos
em produtos inofensivos. Os cientistas usam alguns desses
micro-organismos vorazes para limpar vazamentos de óleo
e eliminar outras poluições causadas pelo egoísmo e pela
ganância do homem. Fica claro que a limpeza é importante
para “Aquele que fez a terra”. ( Jeremias 10:12) Deve ser im-
portante para nós também.
6 Outro motivo pelo qual precisamos ser limpos é que

Jeová, nosso Governante Soberano, exige que seus adoradores


4, 5. (a) Qual é o motivo principal para sermos limpos? (b) Como
o conceito de Jeová sobre limpeza é evidente em suas criações visí-
veis?
6, 7. Como a Lei mosaica deixava claro que Jeová exigia limpeza de
seus adoradores?
88 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

sejam limpos. Sob a Lei que Jeová deu à nação de Israel, a


limpeza e a adoração estavam intimamente relacionadas. A
Lei especificava que no Dia da Expiação o sumo sacerdo-
te se banhasse não uma, mas duas vezes. (Levítico 16:4, 23,
24) Os sacerdotes tinham de lavar as mãos e os pés antes de
oferecer sacrifícios a Jeová. (Êxodo 30:17-21; 2 Crônicas 4:6)
A Lei mencionava cerca de 70 tipos de impureza física e ce-
rimonial. O israelita que estivesse impuro não podia ter ne-
nhuma participação na adoração; caso participasse, poderia
estar sujeito à pena de morte. (Levítico 15:31) Qualquer pes-
soa que se recusasse a seguir o procedimento exigido para
purificação, que incluía lavar o corpo e as roupas, devia ser
‘eliminada da congregação’. — Números 19:17-20.
7 Embora não estejamos sob a Lei mosaica, ela nos aju-

da a entender o ponto de vista de Deus sobre os assuntos.


Como vimos, a Lei deixava claro que os que adoravam a
Deus deviam ser limpos. Jeová não mudou. (Malaquias 3:6)
Nossa adoração só será aceitável para ele se for “pura e ima-
culada”. (Tiago 1:27) Assim, precisamos saber o que ele es-
pera de nós nesse respeito.
O QUE ESTÁ ENVOLVIDO EM SER LIMPO
AOS OLHOS DE DEUS
8 Na Bíblia, ser limpo ou puro significa mais do que ape-

nas ser limpo em sentido físico. Ser limpo aos olhos de Deus
afeta todos os aspectos de nossa vida. Jeová espera que se-
jamos limpos em quatro sentidos básicos: espiritual, moral,
mental e físico. Vejamos o que está envolvido em cada um
desses.
9 Pureza espiritual. Em termos simples, ser puro em sen-

tido espiritual significa não misturar a adoração verdadeira


8. Em que sentidos Jeová espera que sejamos limpos?
9, 10. O que significa ser espiritualmente puro, e o que os cristãos
verdadeiros evitam?
Deus ama pessoas limpas 89

com a falsa. Quando os israelitas saíssem de Babilônia para


voltar a Jerusalém, eles deveriam obedecer a esta ordem ins-
pirada: “Saiam daí, não toquem em nada impuro; . . . man-
tenham-se puros.” (Isaías 52:11) Eles retornariam para sua
terra principalmente para restabelecer a adoração de Jeová.
Era necessário que essa adoração fosse pura — não contami-
nada por ensinos, práticas ou costumes babilônicos que de-
sonravam a Deus.
10 Da mesma forma hoje, como cristãos verdadeiros, pre-

cisamos tomar cuidado para não ser contaminados pela


adoração falsa. (Leia 1 Coríntios 10:21.) É importante ter
cautela nesse respeito, visto que a influência da religião fal-
sa se encontra em todo lugar. Em muitos países, várias tra-
dições, atividades e rituais estão ligados a ensinamentos da
religião falsa, como a ideia de que algo dentro de nós con-
tinua vivo após a morte. (Eclesiastes 9:5, 6, 10) Os cristãos
verdadeiros evitam costumes relacionados com crenças da
religião falsa.1 Não permitiremos que a pressão de outros
nos faça abandonar as normas da Bíblia ligadas à adoração
pura. — Atos 5:29.
11 Pureza moral. Ser moralmente puro inclui evitar todo

tipo de imoralidade sexual. (Leia Efésios 5:5.) É muito im-


portante que sejamos moralmente limpos. Conforme ve-
remos no próximo capítulo, para nos manter no amor de
Deus precisamos ‘fugir da imoralidade sexual’. Os que prati-
cam a imoralidade sexual e não se arrependem “não herda-
rão o Reino de Deus”. (1 Coríntios 6:9, 10, 18) Aos olhos de
Deus, eles estão entre os que são “repugnantes na sua sujei-
ra”. Se continuarem moralmente impuros, “sua parte [será]
. . . a segunda morte”. — Apocalipse 21:8.
1 O Capítulo 13 deste livro fala sobre comemorações e costumes
específicos que os cristãos verdadeiros evitam.

11. O que está envolvido na pureza moral, e por que é muito impor-
tante que sejamos puros nesse sentido?
90 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

Pureza mental. Os pensamentos levam às ações. Se per-


12

mitirmos que pensamentos impuros se instalem na mente


e no coração, mais cedo ou mais tarde acabaremos pratican-
do atos impuros. (Mateus 5:28; 15:18-20) Mas, se encher-
mos a mente com pensamentos puros e limpos, seremos
motivados a ter uma conduta limpa. (Leia Filipenses 4:8.)
Como podemos nos manter mentalmente limpos? Precisa-
mos evitar todo tipo de diversão que possa corromper nos-
sos pensamentos.1 Precisamos também encher a mente
com pensamentos puros por estudar regularmente a Palavra
de Deus. — Salmo 19:8, 9.
13 Para permanecermos no amor de Deus, é essencial que

sejamos limpos em sentido espiritual, moral e mental. Ou-


tros capítulos deste livro analisam em mais detalhes como
ser limpo nesses sentidos. Vejamos agora o quarto aspecto
— a limpeza física.
COMO PODEMOS SER FISICAMENTE LIMPOS?
A limpeza física envolve manter limpos o nosso corpo
14

e o ambiente à nossa volta. Será que esse tipo de limpeza


é um assunto pessoal, que não diz respeito a outros? Com
certeza os adoradores de Jeová não pensam assim. Confor-
me já observamos, nossa limpeza física é importante para
Jeová não só porque é para o nosso bem, mas também por-
que aquilo que fazemos reflete sobre ele. Pense na ilustra-
ção mencionada no início deste capítulo. Quando você vê
uma criança sempre suja ou com a aparência desleixada,
que impressão você tem dos pais dela? Não queremos que
nada da nossa aparência ou do nosso modo de viver deson-
1 O Capítulo 6 deste livro considera como se pode escolher diver-
são sadia.

12, 13. Que relação há entre os pensamentos e as ações, e como po-


demos nos manter mentalmente limpos?
14. Por que a limpeza física não é simplesmente um assunto pessoal?
A limpeza física inclui manter limpos nosso corpo
e o ambiente à nossa volta

re nosso Pai celestial ou detraia a mensagem que pregamos.


A Palavra de Deus diz: “De modo algum damos motivo para
tropeço, para que o nosso ministério não seja criticado; mas
nós nos recomendamos de todos os modos como ministros
de Deus.” (2 Coríntios 6:3, 4) Como, então, podemos ser fi-
sicamente limpos?
15 Nossa higiene pessoal e nossa aparência. Embora as cul-

turas e as condições de vida variem de um país para ou-


tro, em geral é possível ter água e sabão suficientes para
tomar banho com regularidade, garantindo assim nossa hi-
giene e a de nossos filhos. Bons hábitos de higiene incluem
lavar as mãos com água e sabão antes de comer ou prepa-
rar alimentos, depois de usar o banheiro e depois de limpar
15, 16. O que está incluído nos bons hábitos de higiene, e como de-
vem ser nossas roupas?
92 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

ou trocar um bebê. Fazer isso pode evitar doenças e até


salvar vidas. Pode impedir a propagação de vírus e bacté-
rias prejudiciais, ajudando assim as pessoas a evitar doen-
ças diarreicas. Em lugares onde as casas normalmente não
têm sistema de esgoto, talvez os excrementos possam ser en-
terrados, como era feito no Israel antigo. — Deuteronômio
23:12, 13.
16 Precisamos também lavar regularmente nossas roupas,

para que estejam limpas e apresentáveis. A roupa do cris-


tão não precisa ser cara nem da última moda, mas deve ser
apresentável, limpa e modesta. (Leia 1 Timóteo 2:9, 10.)
Não importa onde estejamos, queremos que nossa aparên-
cia ‘adorne o ensino de nosso Salvador, Deus’. — Tito 2:10.
17 Nossa casa e o ambiente à nossa volta. Nossa casa pode

não ser luxuosa, mas deve ser limpa e estar arrumada tanto
quanto possível. Da mesma forma, se usamos um carro para
ir às reuniões e ao serviço de campo, devemos fazer o pos-
sível para mantê-lo razoavelmente limpo, por dentro e por
fora. Nunca nos esqueçamos de que manter a casa e o am-
biente à nossa volta limpos dá bom testemunho. Afinal, en-
sinamos às pessoas que Jeová é um Deus limpo, que ele vai
“arruinar os que arruínam a terra” e que seu Reino em bre-
ve vai transformar nosso lar terrestre num paraíso. (Apoca-
lipse 11:18; Lucas 23:43) Com certeza, queremos que a apa-
rência de nossa casa e de tudo que temos mostre às pessoas
que desde agora cultivamos bons hábitos de limpeza que
são compatíveis com os padrões do novo mundo.
18 Nosso local de adoração. Nosso amor a Jeová nos moti-

va a mostrar respeito por nosso Salão do Reino, o centro da


adoração verdadeira na região. Queremos que os novos que
vão ao salão tenham uma boa impressão do nosso local de
17. Por que nossa casa e o ambiente à nossa volta devem ser limpos
e apresentáveis?
18. Como podemos mostrar respeito por nosso Salão do Reino?
Deus ama pessoas limpas 93

reuniões. Para que o salão sempre seja um lugar agradável e


bonito, é necessário limpeza e manutenção regulares. Mos-
tramos respeito por nosso Salão do Reino por fazer o que
podemos para mantê-lo em bom estado. É um privilégio
nos oferecer para ajudar a limpar e a “consertar” nosso local
de adoração. (2 Crônicas 34:10) Os mesmos princípios se
aplicam quando nos reunimos num Salão de Assembleias
ou em outro local para assistir a assembleias ou congressos.
EVITEMOS PRÁTICAS E HÁBITOS IMPUROS
19 Para nos manter fisicamente limpos, precisamos evitar
práticas e hábitos impuros, como o uso do fumo, o abuso
do álcool e o uso não medicinal de substâncias viciadoras
ou que afetam a mente. A Bíblia não especifica todos os há-
bitos e práticas impuros e repulsivos que prevalecem hoje
em dia, mas ela contém princípios que nos ajudam a enten-
der o conceito de Jeová sobre essas coisas. Uma vez que en-
tendemos o ponto de vista de Jeová, nosso amor a ele nos
motiva a agir de um modo que resulte em sua aprovação.
Analisemos cinco princípios bíblicos.
20 “Amados, visto que temos essas promessas, purifiquemo-

nos de toda imundície da carne e do espírito, aperfeiçoando


a santidade no temor de Deus.” (2 Coríntios 7:1) Jeová quer
que evitemos práticas que poluem o corpo e corrompem o
espírito, ou nossa atitude mental predominante. Por isso,
precisamos evitar vícios que prejudiquem nossa saúde física
e mental.
21 A Bíblia nos dá um forte motivo para nos ‘purificar de

toda imundície’. Observe que 2 Coríntios 7:1 começa di-


zendo: “Visto que temos essas promessas.” Que promessas?
Conforme mencionado nos versículos anteriores, Jeová
19. O que precisamos evitar para nos manter fisicamente limpos, e
como a Bíblia nos ajuda nesse sentido?
20, 21. Que tipo de práticas Jeová quer que evitemos, e que forte
motivo temos para fazer isso?
94 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

ESTOU ME ESFORÇANDO PARA


FAZER O QUE É CERTO?
Princípio: “Surro o meu corpo e o conduzo como
escravo, para que, depois de ter pregado a outros,
eu mesmo não venha a ser de algum modo
reprovado.” — 1 Coríntios 9:27.
Pergunte-se:
ˇ Quando sinto vontade de praticar algum hábito
impuro, oro pedindo o espírito de Deus para me
ajudar a resistir ao impulso? — Mateus 6:13.
ˇ Como as pessoas com quem me associo, os filmes
a que assisto e a música que ouço afetam minha
determinação de evitar maus hábitos?
— 1 Pedro 4:3, 4.
ˇ Por que boas obras não justificam uma
conduta errada? — Mateus 23:25-28.
ˇ Por que estou disposto a sofrer
assim como Jesus sofreu por
fazer a vontade de Deus?
— 1 Pedro 2:21; 4:1.
ˇ Como eu explicaria a
alguém o motivo de eu
não fumar? — Romanos
12:1, 2.
ˇ Ser que entendo que
ter uma recaída em al-
guma prática impura
não quer dizer que sou
um caso perdido?
— Romanos 7:21-25.
Deus ama pessoas limpas 95

promete: “Eu os acolherei. E eu me tornarei pai para vocês.”


(2 Coríntios 6:17, 18) Imagine só! Jeová promete cuidar de
você e amá-lo como um pai ama seu filho ou sua filha. Mas
Jeová só cumprirá essas promessas se você evitar as impu-
rezas “da carne e do espírito”. Assim, seria muito insensato
permitir que qualquer prática ou hábito impuros o privas-
sem desse relacionamento precioso e achegado com Jeová.
22 “Ame a Jeová, seu Deus, de todo o seu coração, de toda a

sua alma e de toda a sua mente.” (Mateus 22:37) Jesus dis-


se que esse é o maior de todos os mandamentos. (Mateus
22:38) Jeová merece esse amor. Para amá-lo de todo o cora-
ção, alma e mente, temos de evitar práticas que possam en-
curtar nossa vida ou prejudicar a capacidade de raciocínio
que Deus nos deu.
23 “[Jeová] dá a todos vida, fôlego e todas as coisas.” (Atos

17:24, 25) A vida é uma dádiva de Deus. Visto que amamos


o Dador, queremos mostrar respeito por essa dádiva. Evita-
mos qualquer hábito ou prática que prejudiquem nossa saú-
de, pois reconhecemos que quem pratica essas coisas mos-
tra grande falta de respeito pela dádiva da vida. — Salmo
36:9.
24 “Ame o seu próximo como a si mesmo.” (Mateus 22:39)

Hábitos impuros muitas vezes afetam não apenas a própria


pessoa, mas também os que estão à sua volta. Por exemplo,
os não fumantes podem ser prejudicados por ficar expostos
à fumaça de cigarro. Quem prejudica os que estão à sua vol-
ta está violando o mandamento de Deus de amar o próxi-
mo. Também desmente qualquer afirmação de que ama a
Deus. — 1 João 4:20, 21.
25 “Continue a lembrar-lhes que estejam sujeitos e sejam

obedientes a governos e autoridades.” (Tito 3:1) Em muitos


países, é ilegal possuir ou usar certas drogas. Como cristãos
22-25. Que princípios bíblicos podem nos ajudar a evitar práticas e
hábitos impuros?
96 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

“PARA DEUS TODAS AS COISAS SÃO POSSÍVEIS”


“Com 15 anos”, diz Helen,1 “eu fumava cigar-
ros todos os dias, e nos fins de semana tomava
bebidas alcoólicas com meus amigos. Mais tarde,
mesmo sendo mãe solteira com três filhos para
criar, fiquei viciada em crack. Minha vida era um
caos. Então comecei a estudar a Bíblia e, com a
ajuda de Jeová, passei a ter uma vida moralmen-
te limpa e me livrei dos vícios. Foi uma luta mui-
to difícil, especialmente para me livrar do crack.
Acho que teria sido impossível fazer essas mu-
danças sozinha. Mas agora posso dizer que sen-
ti na minha vida a veracidade das palavras de Je-
sus: ‘Para Deus todas as coisas são possíveis.’ ”
— Mateus 19:26.
1 O nome foi mudado.

verdadeiros, não possuímos nem usamos drogas ilegais.


— Romanos 13:1.
26 Para permanecermos no amor de Deus, precisamos ser

limpos não apenas em um ou dois sentidos, mas em todos.


Abandonar e evitar práticas e hábitos impuros talvez não
seja fácil, mas é possível.1 Na realidade, não existe maneira
melhor de viver, pois o que Jeová nos ensina é sempre para o
nosso bem. (Leia Isaías 48:17.) Acima de tudo, por nos man-
ter limpos podemos ter a satisfação de saber que honramos
o Deus que amamos, permanecendo assim no seu amor.
1 Veja os quadros “Estou me esforçando para fazer o que é certo?”,
na página 94, e “Para Deus todas as coisas são possíveis”, acima.

26. (a) O que precisamos fazer para permanecer no amor de Deus?


(b) Por que nos manter limpos aos olhos de Deus é a melhor manei-
ra de viver?
C APÍTULO 9

‘Fuja da imoralidade sexual’


“Façam morrer, portanto, os membros do seu
corpo com respeito a imoralidade sexual, impureza,
paixão desenfreada, desejos prejudiciais e ganância,
que é idolatria.” — COLOSSENSES 3:5.

O PESCADOR vai até seu lugar preferido para pescar. Ele


quer pegar um tipo específico de peixe. Por isso escolhe
uma isca e joga a linha na água. Pouco depois, sente que o
peixe mordeu a isca, pois a vara se curva. Ele recolhe rapi-
damente a linha e tira o peixe da água. Sorri, pois sabe que
usou a isca certa.
2 Isso nos faz lembrar de algo que aconteceu no pas-

sado, em 1473 AEC. Um homem chamado Balaão pensou


muito em que isca ia usar. No caso dele, porém, a presa que
ele queria atrair era o povo de Deus, acampado nas planí-
cies de Moabe, perto da fronteira da Terra Prometida. Ba-
laão se dizia profeta de Jeová, mas na realidade era apenas
um homem ganancioso que foi contratado para amaldiçoar
Israel. Mas, em vez disso, com a intervenção de Jeová, Ba-
laão abençoou Israel. Determinado a receber sua recompen-
sa, Balaão achou que talvez pudesse fazer com que Deus
amaldiçoasse seu próprio povo se simplesmente conseguis-
se levá-los a praticar um pecado grave. Com isso em men-
te, Balaão lançou a isca — as sedutoras mulheres de Moabe.
— Números 22:1-7; 31:15, 16; Apocalipse 2:14.
3 Será que sua trama deu certo? Até certo ponto, sim.

Milhares de israelitas morderam a isca por “cometer


1, 2. O que Balaão tramou para prejudicar o povo de Jeová?
3. O que Balaão conseguiu com sua trama?
98 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

imoralidade sexual com as filhas de Moabe”. Eles até mes-


mo começaram a adorar deuses moabitas, incluindo o re-
pugnante Baal de Peor, deus da fertilidade, ou do sexo. Em
resultado, 24 mil israelitas perderam a vida pouco antes de
entrar na Terra Prometida. Que enorme tragédia! — Núme-
ros 25:1-9.
4 O que levou a essa calamidade? Muitos haviam desen-

volvido um coração mau por se afastar de Jeová, o Deus que


os havia libertado do Egito, os havia alimentado no ermo e
os havia conduzido em segurança para a terra da promes-
sa. (Hebreus 3:12) Refletindo sobre esse acontecimento, o
apóstolo Paulo escreveu: “Não cometamos imoralidade se-
xual, como alguns deles cometeram imoralidade sexual, só
para caírem, 23.000 deles num só dia.”1 — 1 Coríntios 10:8.
5 O relato do livro de Números contém muitas lições im-

portantes para o povo de Deus hoje, que está prestes a entrar


numa terra prometida muito superior à do passado. (1 Co-
1 Pelo visto, o número de mortos registrado no livro de Números
inclui ‘os líderes do povo’ — talvez mil pessoas — que foram executa-
dos pelos juízes e os que foram executados diretamente por Jeová.
— Números 25:4, 5.

4. Por que milhares de israelitas foram vítimas da imoralidade?


5, 6. Por que o relato do pecado de Israel nas planícies de Moabe é
importante para nós hoje?

Vista das planícies de Moabe


‘Fuja da imoralidade sexual’ 99

ríntios 10:11) Por exemplo, o mundo atual é obcecado por


sexo como os antigos moabitas, mas em escala muito maior.
Além disso, todo ano milhares de cristãos são vítimas da
imoralidade — basicamente a mesma isca usada para sedu-
zir os israelitas. (2 Coríntios 2:11) E alguns que se associam
com o povo de Deus hoje se tornam uma influência imoral
dentro da congregação cristã. São como Zinri, que descara-
damente andou pelo acampamento de Israel com uma mi-
dianita e a levou à sua tenda. — Números 25:6, 14; Judas 4.
6 Você consegue se ver nas figurativas planícies de Moa-

be de hoje? Ao olhar para o horizonte, consegue avistar seu


prêmio — o tão aguardado novo mundo? Em caso afirmati-
vo, faça tudo ao seu alcance para permanecer no amor de
Deus por obedecer à ordem de ‘fugir da imoralidade sexual’.
— 1 Coríntios 6:18.
O QUE É IMORALIDADE SEXUAL?
7 Conforme usada na Bíblia, a expressão “imoralidade se-
xual” (em grego, por·neí·a) refere-se a relações sexuais ilíci-
tas fora do casamento biblicamente válido. Inclui adultério,
prostituição e relações sexuais entre pessoas não casadas;
bem como sexo oral e anal e acariciar os órgãos genitais
de alguém com quem não se está casado. Inclui também a
prática desses atos com alguém do mesmo sexo e a bestiali-
dade.1
8 A mensagem da Bíblia é bem clara: os que praticam

imoralidade sexual não podem permanecer na congregação


cristã e não herdarão a vida eterna. (1 Coríntios 6:9; Apo-
calipse 22:15) Além disso, desde já eles causam muito so-
frimento a si mesmos: perdem a confiança dos outros e a
1 Para uma análise do significado de impureza e conduta insolente,
veja “Perguntas dos Leitores”, em A Sentinela de 15 de julho de 2006,
publicada pelas Testemunhas de Jeová.

7, 8. O que é “imoralidade sexual”, e como os que a praticam colhem


o que plantam?
100 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

autoestima, têm conflitos no casamento e consciência pe-


sada, além de gravidez indesejada, doenças e até mesmo a
morte. (Leia Gálatas 6:7, 8.) Por que enveredar por um ca-
minho que leva a tanto sofrimento? Infelizmente, muitos
não pensam nas consequências quando dão o primeiro pas-
so em falso — que muitas vezes é a pornografia.
PORNOGRAFIA — O PRIMEIRO PASSO
9 A pornografia aparece em incontáveis páginas da in-
ternet; em muitos países ela está estampada nas bancas de
jornal e é destacada na música e na televisão.1 Será que a
pornografia é inofensiva, como alguns afirmam? De forma
alguma! Os que veem pornografia talvez criem o hábito de
se masturbar e alimentem “paixão desenfreada e vergonho-
sa”, que pode fazer com que a pessoa fique viciada em sexo,
tenha desejos pervertidos e sérios conflitos no casamento,
e até mesmo se divorcie.2 (Romanos 1:24-27; Efésios 4:19)
Um pesquisador comparou o vício do sexo a um câncer.
Ele disse: “[O vício] vai aumentando e se espalhando. Rara-
mente entra em remissão e é muito difícil de tratar e curar.”
10 Considere as palavras registradas em Tiago 1:14, 15, que

diz: “Cada um é provado ao ser atraído e seduzido pelo seu


próprio desejo. Então o desejo, quando se torna fértil, dá
à luz o pecado; e o pecado, quando consumado, produz a
morte.” Assim, se um desejo errado entrar em sua mente,
1 O termo “pornografia”, conforme usado aqui, refere-se a matéria
erótica apresentada por meio de imagens, na forma escrita ou por
meio da voz, visando causar excitação sexual. Pode variar desde a foto
de uma pessoa numa pose erótica a cenas de sexo do tipo mais obs-
ceno entre duas ou mais pessoas.
2 A masturbação é considerada no Apêndice, páginas 218-219.

9. Será que a pornografia é inofensiva, como alguns afirmam? Expli-


que.
10. Como podemos aplicar o princípio encontrado em Tiago 1:14,
15? (Veja também o quadro na página 101.)
‘Fuja da imoralidade sexual’ 101

tome logo medidas para se livrar dele. Por exemplo, se você


sem querer se deparar com imagens eróticas, desvie rapida-
mente os olhos, desligue o computador ou troque de canal.
Faça tudo que for preciso para não ceder aos desejos imorais
antes que eles aumentem e tomem conta de você. — Leia
Mateus 5:29, 30.
11 Com bons motivos, nosso Criador, que nos conhece

melhor do que nós mesmos, nos aconselha: “Façam mor-


rer, portanto, os membros do seu corpo com respeito a
imoralidade sexual, impureza, paixão desenfreada, desejos
prejudiciais e ganância, que é idolatria.” (Colossenses 3:5)
11. Ao lutarmos contra desejos errados, como podemos mostrar que
confiamos em Jeová?

COMO ENCONTREI FORÇAS


PARA SER MORALMENTE PURO
“Quando eu era adolescente, tinha o hábito de
ver pornografia e de me masturbar”, conta um
jovem. “Meus colegas de escola achavam normal
esse tipo de comportamento na adolescência.
Mas isso afetou minha consciência e em resulta-
do passei a levar uma vida imoral. Com o tempo
me dei conta de que era escravo dos meus pró-
prios desejos. Mas consegui vencer meus hábitos
impuros com a ajuda de Jeová e da congregação.
Agora tomo cuidado com minhas companhias,
pois sei que podem me influenciar muito. Apren-
di que orações regulares e o estudo pessoal da Bí-
blia são essenciais para eu não voltar aos maus
hábitos. Agora, em vez de ser escravo dos desejos
da carne, tenho o privilégio de servir como pio-
neiro regular.”
102 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

É verdade que fazer isso pode ser muito difícil. Mas lem-
bre-se de que temos um amoroso e paciente Pai celestial a
quem recorrer. (Salmo 68:19) Assim, quando pensamentos
errados entrarem em sua mente, busque logo a ajuda dele.
Ore pedindo “poder além do normal” e obrigue sua men-
te a pensar em outras coisas. — 2 Coríntios 4:7; 1 Coríntios
9:27; veja o quadro “Como posso me livrar de um mau há-
bito?”, na página 104.
12 O sábio Salomão escreveu: “Proteja, acima de tudo, o

seu coração, pois dele procedem as fontes da vida.” (Provér-


bios 4:23) Nosso “coração” é o nosso eu interior, o que real-
mente somos aos olhos de Deus. Por isso, devemos lembrar
que é a avaliação que Deus faz do nosso “coração” — não o
que nós talvez aparentemos ser aos olhos dos outros — que
determinará se receberemos ou não a vida eterna. Essa é
uma questão simples, mas ao mesmo tempo séria. O fiel Jó
entendia muito bem a importância de proteger o coração.
Para não olhar para uma mulher de modo impróprio, ele
fez um pacto, ou acordo formal, com seus olhos. ( Jó 31:1)
Que excelente exemplo para nós! Mostrando a mesma de-
terminação, um salmista orou: “Desvia os meus olhos do
que é sem valor.” — Salmo 119:37.
DINÁ FEZ UMA MÁ ESCOLHA
13 Como vimos no capítulo 3, nossos amigos têm uma
forte influência sobre nós — para o bem ou para o mal. (Pro-
vérbios 13:20; leia 1 Coríntios 15:33.) Considere o exemplo
de Diná, filha do patriarca Jacó. Apesar da boa criação que
recebeu, ela agiu de forma insensata e fez amizade com mo-
ças cananeias. Assim como os moabitas, os cananeus eram
conhecidos por sua imoralidade. (Levítico 18:6-25) Na opi-
nião dos homens de Canaã, incluindo Siquém — “o mais
12. O que é o nosso “coração”, e por que devemos protegê-lo?
13. Quem era Diná, e por que sua escolha de amigos não foi sensata?
É bom que o computador seja usado numa área
de livre acesso da casa

honrado” da casa de seu pai —, não havia nada de errado


em ter relações sexuais com Diná. — Gênesis 34:18, 19.
14 É bem provável que Diná não pensasse em ter relações

sexuais quando viu Siquém. Ele, porém, fez o que a maio-


ria dos cananeus fariam se estimulados sexualmente. Se ela
resistiu na última hora, isso pouco adiantou, pois ele “a
agarrou” e “a violentou”. Parece que mais tarde Siquém “se
apaixonou” por Diná, mas isso não mudou o que ele tinha
feito com ela. (Leia Gênesis 34:1-4.) Diná não foi a única a
sofrer com o que aconteceu. Sua escolha de amigos desen-
cadeou eventos que trouxeram desonra e vergonha a toda
sua família. — Gênesis 34:7, 25-31; Gálatas 6:7, 8.
15 Se Diná aprendeu uma lição importante daquilo que

passou, foi da forma mais dura. Os que amam e obedecem


14. Como a escolha que Diná fez de amigos levou a tragédias?
15, 16. Como podemos obter verdadeira sabedoria? (Veja também o
quadro na página 109.)
104 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

COMO POSSO ME LIVRAR DE UM MAU HÁBITO?


Princípio: “Vocês que amam a Jeová,
odeiem o que é mau.” — Salmo 97:10.
Pergunte-se:
ˇ Estou evitando situações que poderiam estimular
desejos errados? — Mateus 5:27, 28.
ˇ Penso nas consequências de agir segundo os dese-
jos errados? — Provérbios 22:3.
ˇ O que estou disposto a fazer para vencer um mau
hábito? — Mateus 5:29, 30.
ˇ Estou disposto a falar com
meus pais ou um amigo espiri-
tualmente maduro sobre meu
problema? — Provérbios 1:8, 9;
Gálatas 6:1, 2.
ˇ Como posso mostrar que
dependo da força e da sa-
bedoria de Jeová para
conseguir vencer um
mau hábito? — Provér-
bios 3:5, 6; Tiago 1:5.

a Jeová não precisam aprender as lições da vida do modo


mais difícil. Por escutarem a Deus, escolhem ‘andar com sá-
bios’. (Provérbios 13:20a) Entendem assim “todo o cami-
nho do bem” e evitam problemas e sofrimento desnecessá-
rios. — Provérbios 2:6-9; Salmo 1:1-3.
16 A sabedoria divina está disponível a todos os que a de-

sejam e se esforçam para obtê-la. Fazem isso por persistir em


‘Fuja da imoralidade sexual’ 105

oração e por estudar regularmente a Palavra de Deus e as in-


formações fornecidas pelo escravo fiel e prudente. (Mateus
24:45; Tiago 1:5) A humildade também é importante; ela
se reflete na disposição de acatar conselhos bíblicos. (2 Reis
22:18, 19) Por exemplo, um cristão talvez concorde em teo-
ria que seu coração é traiçoeiro e que pode ficar desespera-
do. ( Jeremias 17:9) Mas será que ele é humilde o suficiente
para aceitar ajuda e conselhos específicos e amorosos quan-
do a situação o exige?
17 Imagine esta situação: um pai não permite que sua fi-

lha e o namorado cristão saiam sozinhos. A filha reclama:


“Mas, pai, você não confia em mim? Não vamos fazer nada
de errado!” Ela pode amar a Jeová e ter boas intenções,
mas será que está ‘andando em sabedoria [divina]’? Está ‘fu-
gindo da imoralidade sexual’? Ou está tolamente ‘confian-
do no seu próprio coração’? (Provérbios 28:26) Talvez você
consiga pensar em outros princípios que ajudariam um pai
e uma filha nessa situação a raciocinar sobre o assunto.
— Veja Provérbios 22:3; Mateus 6:13; 26:41.
JOSÉ FUGIU DA IMORALIDADE SEXUAL
18 Um excelente jovem que amava a Deus e que fugiu
da imoralidade sexual foi José, meio-irmão de Diná. (Gê-
nesis 30:20-24) Quando José era ainda bem jovem, ele viu
pessoalmente em que resultou a falta de bom senso da sua
irmã. Sem dúvida, essas lembranças e o desejo de perma-
necer no amor de Deus o protegeram anos depois no Egi-
to, quando a esposa de seu amo tentou seduzi-lo “dia após
dia”. É claro que, como escravo, José não podia simples-
mente se demitir e ir embora. Ele teve de lidar com a si-
tuação de modo sensato e corajoso. Fez isso por dizer ‘não’
17. Descreva uma situação que pode surgir numa família, e mostre
como o pai poderia raciocinar com a filha.
18, 19. Que tentação surgiu na vida de José, e como ele lidou com
isso?
106 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

várias vezes à esposa de Potifar e, no fim, por fugir dela.


— Leia Gênesis 39:7-12.
19 Pense um pouco: se José tivesse criado fantasias sobre a

mulher de Potifar ou pensasse constantemente em sexo, será


que teria conseguido manter-se íntegro? Dificilmente. Em
vez de nutrir pensamentos pecaminosos, José prezava sua re-
lação com Jeová, conforme se pode ver nas suas palavras à
esposa de Potifar: “Meu senhor . . . não me negou absoluta-
mente nada, a não ser a senhora, porque é esposa dele. Por-
tanto, como eu poderia cometer essa grande maldade e real-
mente pecar contra Deus?” — Gênesis 39:8, 9.
20 Imagine a alegria que Jeová deve ter sentido ao obser-

var o jovem José manter a integridade dia após dia, mes-


mo estando longe da família. (Provérbios 27:11) Mais tarde,
Jeová manobrou os assuntos
para que José não fosse ape-
nas solto da prisão, mas tam-
bém designado primeiro-mi-
nistro do Egito e administrador
do suprimento de alimentos do
país. (Gênesis 41:39-49) As pa-
lavras do Salmo 97:10 são real-
mente verdadeiras: “Vocês que
amam a Jeová, odeiem o que é
mau. Ele guarda a vida dos que
lhe são leais; livra-os da mão
dos maus.”
21 Do mesmo modo hoje,

muitos servos de Deus mos-


tram que ‘odeiam o mal e
20. Como Jeová manobrou os as-
suntos no caso de José?
21. Como um jovem irmão num
país africano mostrou coragem na
questão da moral?
‘Fuja da imoralidade sexual’ 107

amam o bem’. (Amós 5:15) Um jovem irmão num país afri-


cano se lembra que uma colega de classe descaradamen-
te se ofereceu a fazer sexo com ele se ele a ajudasse numa
prova de matemática. “Rejeitei imediatamente a propos-
ta”, diz ele. “Por sempre manter a integridade, preservo
minha dignidade e autoestima, que valem muito mais do
que prata e ouro.” É verdade que o pecado pode proporcio-
nar ‘prazer temporário’, mas tais prazeres passageiros ge-
ralmente trazem muito sofrimento. (Hebreus 11:25) Além
disso, tornam-se insignificantes quando comparados com
a felicidade duradoura que temos quando obedecemos a
Jeová. — Provérbios 10:22.
ACEITE AJUDA DO DEUS MISERICORDIOSO
22 Por sermos imperfeitos, todos nós lutamos para ven-
cer os desejos carnais e para fazer o que é certo aos olhos de
Deus. (Romanos 7:21-25) Jeová sabe disso; ele ‘se lembra de
que somos pó’. (Salmo 103:14) Às vezes, porém, pode acon-
tecer de um cristão cometer um pecado grave. Será que
não há mais esperança para ele? Com certeza há! É ver-
dade que ele talvez sofra consequências amargas, assim
como o Rei Davi. No entanto, Deus sempre está “pronto a
perdoar” os que se arrependem e ‘confessam abertamen-
te’ seus pecados. — Salmo 86:5; Tiago 5:16; leia Provérbios
28:13.
23 Além disso, Deus bondosamente deu à congregação

cristã “dádivas em homens” — pastores espirituais madu-


ros e qualificados que estão dispostos a ajudar. (Efésios 4:8,
12; Tiago 5:14, 15) O objetivo deles é ajudar o transgressor a
recuperar sua relação com Deus e, nas palavras do sábio, a
‘obter entendimento’ para que não pratique o pecado nova-
mente. — Provérbios 15:32.
22, 23. (a) Por que ainda há esperança para um cristão que
comete um pecado grave? (b) Que ajuda está disponível aos trans-
gressores?
108 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

‘OBTENHA BOM SENSO’


24 A Bíblia fala de alguém que “não tinha bom senso” e
daquele que “obtém entendimento”. (Provérbios 7:7) De-
vido à falta de madureza espiritual e de experiência no
serviço de Deus, alguém que ‘não tem bom senso’ pode
não ter discernimento e bom critério. É mais fácil que
cometa pecado grave, assim como o jovem descrito em
Provérbios 7:6-23. Mas aquele que “obtém bom senso” dá
séria atenção à pessoa que ele é no íntimo, por meio do
estudo regular da Palavra de Deus junto com oração. E
até onde sua condição imperfeita permite, ele harmoniza
seus pensamentos, desejos, emoções e alvos na vida com
o que Deus aprova. Dessa forma ele “ama a si mesmo”, ou
se beneficia, e ‘é bem-sucedido’. — Provérbios 19:8.
25 Pergunte-se: ‘Estou plenamente convencido de que

os padrões de Deus são justos? Acredito mesmo que segui-


los resulta em grande felicidade?’ (Salmo 19:7-10; Isaías
48:17, 18) Se você tiver alguma dúvida, nem que seja pe-
quena, resolva a situação. Pense no que acontecerá se
você desconsiderar as leis de Deus. Além disso, ‘prove e
veja que Jeová é bom’ por viver a verdade e encher a men-
te com pensamentos saudáveis, ou seja, com coisas que
são verdadeiras, justas, castas, amáveis e virtuosas. (Sal-
mo 34:8; Filipenses 4:8, 9) Pode ter certeza de que, quan-
to mais fizer isso, mais amará a Deus, amará o que ele ama
e odiará o que ele odeia. José não era um super-homem.
Mas ele conseguiu ‘fugir da imoralidade sexual’ porque
permitiu que Jeová o moldasse por muitos anos, ajudan-
do-o a ‘obter bom senso’. Que o mesmo aconteça com
você! — Isaías 64:8.
26 Nosso Criador não nos deu os órgãos reprodutivos

24, 25. (a) Como o jovem descrito em Provérbios 7:6-23 mostrou


que “não tinha bom senso”? (b) Como podemos ‘obter bom senso’?
26. Que importante assunto será analisado a seguir?
‘Fuja da imoralidade sexual’ 109

TEXTOS EM QUE MEDITAR


“Vocês que amam a Jeová, odeiem o que é
mau.” — Salmo 97:10.
“Todo aquele que persiste em olhar para uma
mulher, a ponto de sentir paixão por ela, já co-
meteu no coração adultério com ela.” — Mateus
5:28.
“Quem pratica a imoralidade sexual peca con-
tra o seu próprio corpo.” — 1 Coríntios 6:18.
“Surro o meu corpo e o conduzo como escra-
vo, para que, depois de ter pregado a outros, eu
mesmo não venha a ser de algum modo reprova-
do.” — 1 Coríntios 9:27.
“O que a pessoa semear, isso também colhe-
rá; porque aquele que semeia visando a sua carne
colherá da carne destruição, mas aquele que se-
meia visando o espírito colherá do espírito vida
eterna.” — Gálatas 6:7, 8.
“Façam morrer, portanto, os membros do
seu corpo com respeito a imoralidade sexual,
impureza, paixão desenfreada.” — Colossen-
ses 3:5.
“Cada um de vocês deve saber controlar o
seu próprio corpo em santidade e honra, não
com paixão desenfreada.” — 1 Tessalonicenses
4:4, 5.

como brinquedos para nos dar emoção, mas como meio


de reprodução e para nos proporcionar o prazer da intimi-
dade no casamento. (Provérbios 5:18) O ponto de vista de
Deus sobre o casamento será considerado nos próximos
dois capítulos.
C APÍTULO 10

Casamento — uma dádiva


de um Deus amoroso
“Um cordão tríplice não pode ser facilmente rompido.”
— ECLESIASTES 4:12.

VOCÊ gosta de ir a casamentos? Muitos gostam, porque


costumam ser ocasiões muito agradáveis. Você vê os noivos
elegantemente vestidos. Mais do que isso, vê também que
eles estão radiantes de felicidade. Nesse dia, tudo é alegria,
e seu futuro parece promissor.
2 Ainda assim, deve-se admitir que hoje, em muitos sen-

tidos, a instituição do casamento está se desmoronando.


Embora nosso desejo seja que os recém-casados tenham
um casamento bem-sucedido, vez por outra talvez nos per-
guntemos: ‘Será que eles serão mesmo felizes? O casamen-
to vai durar?’ Isso dependerá de o marido e a esposa confia-
rem nos conselhos de Deus sobre o casamento e colocá-los
em prática. (Leia Provérbios 3:5, 6.) É necessário que fa-
çam isso para permanecer no amor de Deus. Vamos nos
concentrar na resposta da Bíblia a quatro perguntas: Por
que se casar? Se você pretende se casar, a quem deve esco-
lher como futuro marido ou futura esposa? Como se pre-
parar para o casamento? E o que pode ajudar um casal a
permanecer feliz no casamento?
POR QUE SE CASAR?
3 Alguns acham que o casamento é essencial para a feli-
1, 2. (a) Com respeito a recém-casados, o que talvez nos pergunte-
mos vez por outra, e por quê? (b) Que perguntas analisaremos neste
capítulo?
3. Por que não seria sensato casar-se por motivos triviais?
Casamento — uma dádiva de um Deus amoroso 111

cidade — que só é possível encontrar satisfação ou alegria


na vida se encontrar alguém com quem se casar. Isso sim-
plesmente não é verdade. Jesus, que nunca se casou, falou
do estado de solteiro como um dom e incentivou os que
pudessem permanecer solteiros a fazer isso. (Mateus 19:11,
12) O apóstolo Paulo também falou das vantagens do es-
tado de solteiro. (1 Coríntios 7:32-38) Mas nem Jesus nem
Paulo estabeleceram uma regra exigindo que os cristãos fi-
quem solteiros; tanto é assim que proibir o casamento foi
alistado entre os “ensinamentos de demônios”. (1 Timó-
teo 4:1-3) No entanto, o estado de solteiro apresenta mui-
tas vantagens aos que querem servir a Jeová sem maiores
preocupações. Não seria sensato, então, casar-se por moti-
vos triviais, como, por exemplo, pressão de outros.
4 Por outro lado, há motivos válidos para se casar? Há,

sim. O casamento também é uma dádiva de nosso Deus


amoroso. (Leia Gênesis 2:18.) Portanto, há certas vanta-
gens no casamento e ele pode trazer felicidade. Por exem-
plo, um bom casamento é a melhor base para se formar
uma família. Os filhos precisam de um ambiente está-
vel com pai e mãe para criá-los e dar-lhes amor, disciplina
e orientação. (Salmo 127:3; Efésios 6:1-4) Criar filhos, po-
rém, não é o único motivo para se casar.
5 Considere o texto temático deste capítulo junto com o

contexto: “Melhor dois do que um, porque eles têm boa re-
compensa pelo seu trabalho árduo. Pois, se um deles cai,
o outro pode ajudar seu companheiro a se levantar. Mas
o que acontecerá com aquele que cai e não tem ninguém
para ajudá-lo a se levantar? Além disso, se dois se deitarem
juntos, ficarão aquecidos; mas como pode alguém sozinho
manter-se aquecido? Também, alguém pode vencer a um
4. Um bom casamento fornece que base para a criação de filhos?
5, 6. (a) De acordo com Eclesiastes 4:9-12, quais são alguns benefí-
cios de uma amizade achegada? (b) Como um casamento pode ser
comparado a um cordão tríplice?
112 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

que está só, mas dois juntos podem resistir ao agressor.


E um cordão tríplice não pode ser facilmente rompido.”
— Eclesiastes 4:9-12.
6 Esse texto se aplica em especial ao valor da amiza-

de nos relacionamentos. O casamento, naturalmente, é o


mais íntimo dos relacionamentos. Conforme o texto mos-
tra, tal união pode proporcionar ajuda, consolo e proteção.
O casamento será ainda mais forte se for mais do que um
laço entre apenas duas pessoas. Conforme o versículo ci-
tado dá a entender, um cordão duplo pode ser rompido.
Mas seria muito mais difícil romper um cordão de três fios.
Quando a preocupação principal tanto do marido como
da esposa é agradar a Jeová, o casamento é comparável
a esse cordão tríplice. Jeová torna-se assim uma parte im-
portante do casamento, resultando numa união realmen-
te forte.
7 Além disso, a única maneira correta de satisfazer os de-

sejos sexuais é dentro do casamento. Nesse relacionamen-


to as relações sexuais são encaradas corretamente como
fonte de prazer. (Provérbios 5:18) Mesmo que uma pessoa
solteira já tenha passado do período que a Bíblia chama de
“flor da juventude” — a fase da vida em que os impulsos se-
xuais se tornam fortes —, ela talvez ainda tenha que lutar
com desejos sexuais. Se não forem controlados, esses dese-
jos podem levar a conduta impura ou imprópria. Por isso,
Paulo foi inspirado a escrever este conselho a pessoas sol-
teiras: “Se não tiverem autodomínio, que se casem, pois é
melhor se casar do que ficar ardendo de paixão.” — 1 Co-
ríntios 7:9, 36; Tiago 1:15.
8 Sejam quais forem os motivos que levam alguém a se

casar, é bom ser realístico. Como Paulo disse, os que se ca-


7, 8. (a) Que conselho Paulo deu aos cristãos solteiros que lutam
com desejos sexuais? (b) A Bíblia contém que conceito realístico so-
bre o casamento?
Casamento — uma dádiva de um Deus amoroso 113

sam “terão dificuldades na vida”. (1 Coríntios 7:28) Os ca-


sados enfrentam desafios que os solteiros não têm. Mas, se
você decidir se casar, o que poderá fazer para ter mais ale-
grias e menos problemas no casamento? Uma coisa é esco-
lher bem o futuro cônjuge.
QUEM PODERIA SER UM BOM MARIDO
OU UMA BOA ESPOSA?
9 Paulo foi inspirado a escrever sobre um princípio im-

portante que deve ser aplicado ao escolher um cônjuge:


“Não se ponham em jugo desigual com descrentes.” (2 Co-
ríntios 6:14) Sua ilustração foi baseada num fato relacio-
nado com atividades agrícolas. Se dois animais bem dife-
rentes em tamanho e força forem colocados juntos sob um
mesmo jugo, ambos sofrerão. Da mesma forma, um cris-
tão e um descrente unidos no mesmo jugo, pelo casamen-
to, com certeza terão muitos atritos. Se um dos cônjuges
deseja permanecer no amor de Jeová e o outro se importa
muito pouco ou quase nada com isso, suas prioridades na
vida serão diferentes, resultando provavelmente em muito
sofrimento. Por isso, Paulo aconselhou os cristãos a se ca-
sar “somente no Senhor”. — 1 Coríntios 7:39.
10 Alguns cristãos solteiros acham que um jugo desigual

seria melhor do que a solidão que sentem no momento.


Por isso decidem desconsiderar o conselho bíblico e ca-
sam-se com uma pessoa que não serve a Jeová. Em geral
isso resulta em tristeza. Eles se veem casados com alguém
com quem não podem compartilhar as coisas mais impor-
tantes da vida. Podem sentir muito mais solidão do que
quando eram solteiros. Felizmente, há milhares de cris-
tãos solteiros que confiam no conselho divino sobre esse
9, 10. (a) Como Paulo ilustrou o perigo de formar vínculo achega-
do com descrentes? (b) Em geral, qual é o resultado quando alguém
desconsidera o conselho de Deus de não se casar com um descrente?
114 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

O QUE EU PROCURO NUM CÔNJUGE?


Princípio: “Os dois serão uma só carne.”
— Mateus 19:5.
Pergunte-se:
ˇ Por que é importante es-
perar passar o período “da
flor da juventude” para se ca-
sar? — 1 Coríntios 7:36; 13:11;
Mateus 19:4, 5.
ˇ Embora eu tenha idade
suficiente para me casar, que
vantagens há em ficar sol-
teiro por algum tempo?
— 1 Coríntios 7:32-34,
37, 38.
ˇ Se eu decidir me ca-
sar, por que é importante
que meu futuro cônjuge já esteja servindo
fielmente a Jeová há algum tempo?
— 1 Coríntios 7:39.
ˇ Como estes textos podem
ajudar uma irmã a identificar
as qualidades que um marido
precisa ter? — Salmo 119:97;
1 Timóteo 3:1-7.
ˇ Como Provérbios 31:10-31
pode ajudar um irmão a
escolher uma boa
esposa?
Casamento — uma dádiva de um Deus amoroso 115

assunto e o seguem fielmente. (Leia Salmo 32:8.) Embora


desejem se casar um dia, permanecem solteiros até encon-
trar um cônjuge entre os que adoram a Jeová Deus.
11 É evidente que ser servo de Jeová não significa que a

pessoa será automaticamente um cônjuge adequado. Se es-


tiver pensando em se casar, procure alguém cuja persona-
lidade seja compatível com a sua, que tenha os mesmos al-
vos espirituais que você e que realmente ame a Deus. O
escravo fiel e prudente tem fornecido muita matéria so-
bre esse assunto. Seria sensato considerar com oração esses
conselhos bíblicos e deixar-se orientar por eles ao tomar
essa importante decisão.1 — Leia Salmo 119:105.
12 Em muitos países, é costume os pais escolherem com

quem os filhos vão se casar. Nessas culturas, a opinião ge-


ral é que os pais têm mais sabedoria e experiência para to-
mar essa importante decisão. Casamentos arranjados mui-
tas vezes dão certo, como nos tempos bíblicos. O exemplo
de Abraão ao enviar seu servo para encontrar uma espo-
sa para Isaque serve de orientação para os pais que tal-
vez se encontrem numa situação similar hoje. Abraão não
estava preocupado com dinheiro nem com posição social.
Ao contrário, ele fez o possível para encontrar uma espo-
sa para Isaque entre os que adoravam a Jeová.2 — Gênesis
24:3, 67.
1 Veja o capítulo 2 do livro O Segredo de Uma Família Feliz, publi-
cado pelas Testemunhas de Jeová.
2 Alguns patriarcas fiéis tinham mais de uma esposa. Nos seus tra-
tos com os patriarcas e com o Israel carnal, Jeová permitiu a prática
da poligamia. Embora ele não tenha instituído esse costume, ele o re-
gulamentou. Mas os cristãos sabem que Jeová não permite mais a po-
ligamia entre seus adoradores. — Mateus 19:9; 1 Timóteo 3:2.

11. O que pode ajudá-lo a escolher bem um cônjuge? (Veja também


o quadro na página 114.)
12. Que costume ligado ao casamento prevalece em muitos países, e
que exemplo bíblico serve de orientação para isso?
116 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

COMO SE PREPARAR PARA TER UM


CASAMENTO BEM-SUCEDIDO?
13 Se você está pensando seriamente em se casar, fa-

ria bem em se perguntar: ‘Estou mesmo preparado?’ A res-


posta não depende simplesmente do que você pensa sobre
amor, sexo, companheirismo ou criação de filhos. Há cer-
tas responsabilidades que toda pessoa que deseja se casar
precisa levar em consideração.
14 Um jovem que procura uma esposa deve pensar bem

neste princípio: “Prepare o seu trabalho lá fora e deixe tudo


pronto no campo; depois construa a sua casa.” (Provérbios
24:27) O que esse texto quer destacar? Nos tempos bíblicos,
se um homem quisesse casar e formar família, ele precisava
se perguntar: ‘Tenho condições de sustentar uma família?’
Ele primeiro tinha que trabalhar, cuidando dos campos. O
mesmo princípio se aplica hoje. Um homem que deseja se
casar precisa se preparar para as responsabilidades do casa-
mento. Enquanto ele for fisicamente capaz, terá que traba-
lhar. A Palavra de Deus mostra que o homem que não cui-
da das necessidades físicas, emocionais e espirituais de sua
família é pior do que alguém sem fé. — Leia 1 Timóteo 5:8.
15 A mulher que decide se casar também concorda em

assumir grandes responsabilidades. A Bíblia valoriza algu-


mas aptidões e qualidades de que uma esposa talvez preci-
se para ajudar o marido e cuidar da casa. (Provérbios 31:10-
31) Os que se apressam a se casar sem estar preparados
para assumir as responsabilidades envolvidas são na verda-
de egoístas, pois deixam de pensar no que eles podem pro-
porcionar ao futuro cônjuge. Mas, acima de tudo, os que
desejam se casar precisam estar preparados em sentido es-
piritual.
13-15. (a) Como o princípio encontrado em Provérbios 24:27 pode
ajudar um jovem que está pensando em se casar? (b) Como uma jo-
vem pode se preparar para a vida de casada?
Casamento — uma dádiva de um Deus amoroso 117

16 Preparar-se para o casamento inclui meditar no papel


que Deus designou ao marido e à esposa. O homem precisa
entender o que significa ser o cabeça de uma família cristã.
Isso não lhe dá o direito de agir como tirano. Ao contrário,
ele deve imitar a maneira de Jesus exercer a chefia. (Efésios
5:23) Do mesmo modo, a mulher cristã precisa entender o
papel digno da esposa. Será que ela está disposta a ser sub-
missa à “lei do seu marido”? (Romanos 7:2) Ela já está sob
a lei de Jeová e de Cristo. (Gálatas 6:2) A autoridade de seu
marido na família constitui outra lei. Será que ela consegue
ser apoiadora e submissa quando se trata de estar sob a au-
toridade de um homem imperfeito? Se essa ideia não for
atraente para ela, é melhor que não se case.
17 Também, cada cônjuge tem uma necessidade especial

que o outro precisa estar preparado para atender. (Leia Fi-


lipenses 2:4.) Paulo escreveu: “Cada um de vocês ame a
sua esposa como a si mesmo; por outro lado, a esposa deve
ter profundo respeito pelo marido.” Sob inspiração divina,
Paulo compreendeu que o homem tem a necessidade espe-
cial de sentir que a esposa o respeita profundamente. E a
mulher tem a necessidade especial de sentir-se amada pelo
marido. — Efésios 5:21-33.
18 Sendo assim, o namoro não é simples diversão. É

um período para um homem e uma mulher aprende-


rem como tratar um ao outro e decidirem se vão se casar.
É também um período em que é necessário ter autodomí-
nio. A tentação para entregar-se a demonstrações íntimas
de afeto pode ser muito grande — afinal de contas, a atra-
ção física é natural. Mas os que realmente se amam evita-
rão qualquer atitude que poderia prejudicar espiritualmen-
te a outra pessoa. (1 Tessalonicenses 4:6) Assim, se você
16, 17. Os que se preparam para se casar devem meditar em que prin-
cípios bíblicos?
18. Por que os casais devem ter autodomínio durante o namoro?
118 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

está namorando, tenha autodomínio; essa qualidade pode


beneficiá-lo por toda a vida, quer se case, quer não.
COMO FAZER O CASAMENTO DURAR?
19 Se um casal deseja que seu casamento dure, eles preci-
sam ter o conceito correto sobre compromisso. Nos livros
de romance e nos filmes, o casamento geralmente é o fi-
nal feliz que as pessoas tanto desejam. Na vida real, po-
rém, o casamento não é um fim; é um começo — o início
de uma união que Jeová intencionou que durasse. (Gênesis
2:24) Infelizmente, esse não é o conceito geral no mundo
de hoje. Em algumas culturas, as pessoas dizem que casar
é como amarrar um nó. Mas elas talvez não se deem con-
ta de que a expressão descreve bem um conceito comum
sobre o casamento. Como assim? Um nó bem feito resiste
bem, mas ao mesmo tempo é fácil de ser desatado.
20 Muitos hoje encaram o casamento como algo tempo-

rário. Eles querem se casar porque acham que com isso te-
rão suas necessidades satisfeitas, mas esperam poder romper
o casamento assim que surgirem dificuldades. Mas lembre-
se da ilustração bíblica do cordão, que pode ser aplicada ao
vínculo do casamento. Os cordões ou cordas usados nos ve-
leiros são feitos para durar, não para se gastar ou se romper,
mesmo nas tempestades mais fortes. Da mesma forma, o ca-
samento foi feito para durar. Lembre-se que Jesus disse: “O
que Deus pôs sob o mesmo jugo, o homem não deve sepa-
rar.” (Mateus 19:6) Se você se casar, precisará ter esse mesmo
conceito sobre o casamento. Será que esse tipo de compro-
metimento torna o casamento um fardo? Não.
21 O marido e a esposa sempre devem ter o conceito cor-

reto um do outro. Se cada um procurar se concentrar nas


19, 20. Como o conceito do cristão sobre o casamento deve ser dife-
rente do conceito de muitos hoje? Ilustre.
21. Que conceito o marido e a esposa devem ter um do outro, e o
que pode ajudá-los nesse sentido?
Casamento — uma dádiva de um Deus amoroso 119

boas qualidades e nos esforços do outro, o casamento será


uma fonte de alegria e contentamento. Será que é irrea-
lístico ter esse conceito positivo de um cônjuge imperfei-
to? Jeová nunca é irrealístico, mesmo assim confiamos que
ele sempre tem um conceito positivo sobre nós. O salmista
perguntou: “Se vigiasses os erros, ó Jah, quem, ó Jeová, po-
deria ficar de pé?” (Salmo 130:3) Maridos e esposas devem
ter esse ponto de vista positivo um do outro e se perdoar
mutuamente. — Leia Colossenses 3:13.

De modo sensato, muitos casais de namorados


sempre têm um acompanhante
120 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

22 Com o passar dos anos, o casamento pode trazer cada


vez mais felicidade. A Bíblia nos fala sobre a vida de casados
de Abraão e Sara quando já eram idosos. Eles com certe-
za tiveram suas dificuldades e desafios. Imagine como deve
ter sido difícil para Sara, uma mulher possivelmente com
mais de 60 anos, deixar seu lar confortável na próspera ci-
dade de Ur e morar em tendas pelo resto da vida. Mesmo
assim, ela foi submissa à chefia de seu marido. Como ver-
dadeiro complemento e ajudadora de Abraão, ela respeito-
samente contribuiu para que as decisões dele dessem certo.
E sua submissão não era superficial. Até mesmo “consigo
mesma” ela considerava o marido como seu senhor. (Gê-
nesis 18:12; 1 Pedro 3:6) Seu respeito por Abraão vinha do
coração.
23 Sem dúvida, isso não significa que Abraão e Sara sem-

pre tenham concordado em tudo. Certa vez Sara deu uma


sugestão que foi muito desagradável para Abraão. Ainda as-
sim, sob a orientação de Jeová, Abraão humildemente ou-
viu a voz de sua esposa, o que resultou em benefício para
a família. (Gênesis 21:9-13) Maridos e esposas hoje, mes-
mo os que já são casados há muitos anos, podem aprender
muito desse casal temente a Deus.
24 Na congregação cristã, há milhares de casais felizes

— casamentos em que a esposa respeita profundamente o


marido, o marido ama e honra a esposa e ambos traba-
lham juntos para ter como prioridade na vida fazer a von-
tade de Jeová. Se você decidir se casar, seja sensato ao es-
colher seu cônjuge, prepare-se bem para a vida de casado e
esforce-se para ter um casamento em que haja paz e amor
e que traga louvor a Jeová Deus. Se agir assim, com certeza
seu casamento o ajudará a permanecer no amor de Deus.
22, 23. Como Abraão e Sara foram um bom exemplo para os casais
hoje?
24. Que tipo de casamento resulta em louvor a Jeová Deus, e por quê?
C APÍTULO 11

“O casamento seja honroso”


“Alegre-se com a esposa da sua juventude.”
— PROVÉRBIOS 5:18.

VOCÊ é casado? Em caso afirmativo, sente-se feliz em seu


casamento ou está tendo sérios problemas conjugais? Você
e seu cônjuge sentem-se distantes um do outro? Você está
simplesmente mantendo o casamento, sem ter a alegria da
vida de casado? Sendo assim, é provável que se sinta triste
porque o relacionamento achegado que tinham se esfriou.
Como cristão, com certeza deseja que seu casamento resul-
te em honra a Jeová, o Deus que você ama. Por isso, as cir-
cunstâncias em que você se encontra talvez sejam motivo
de preocupação e tristeza. Mesmo assim, não conclua que
seu caso não tem solução.
2 Há excelentes casais cristãos que no passado estavam

simplesmente juntos, sem sentir nenhuma alegria no ca-


samento. Mas eles encontraram uma maneira de fortale-
cer sua relação. Você também pode sentir mais satisfação
em seu casamento. De que modo?
ACHEGUE-SE A DEUS E A SEU CÔNJUGE
3 Você e seu cônjuge se achegarão mais um ao outro
se ambos se esforçarem para se achegar mais a Deus. Por
quê? Veja uma ilustração: pense numa montanha com for-
mato de cone — larga na base e estreita no topo. Um ho-
mem está em pé na base da montanha, de um lado, e uma
1, 2. Que pergunta consideraremos, e por quê?
3, 4. Por que os cônjuges se achegarão mais um ao outro se eles se
esforçarem para achegar-se mais a Deus? Ilustre.
122 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

O conhecimento da Bíblia, quando colocado em prática,


tem o poder de fortalecer o casamento

mulher também está em pé na base da montanha, mas no


lado oposto. Os dois começam a subir. Enquanto eles ain-
da estão perto da base da montanha, uma grande distância
os separa. Mas, à medida que vão subindo em direção ao
topo estreito, a distância entre eles diminui cada vez mais.
Você consegue ver a mensagem animadora contida nessa
ilustração?
4 O esforço que você faz para servir plenamente a Jeová

pode ser comparado ao esforço que se faz para subir uma


montanha. Visto que você ama a Jeová, já está, por assim
dizer, esforçando-se bastante para subir essa montanha.
Mas, se você e seu cônjuge se distanciaram um do outro,
talvez estejam subindo em lados opostos da montanha.
“O matrimônio seja honroso” 123

O que acontecerá, porém, se continuarem subindo? É ver-


dade que no começo talvez haja uma distância considerá-
vel entre vocês. Contudo, quanto mais se esforçarem para
se achegar a Deus — subindo em direção ao topo da mon-
tanha —, mais achegados se sentirão um ao outro. Real-
mente, achegar-se a Deus é a chave para você se achegar ao
seu marido ou à sua esposa. Mas como pode fazer isso?
5 Uma maneira importante de vocês figurativamente su-

birem a montanha é por acatarem os conselhos da Palavra


de Deus sobre o casamento. (Salmo 25:4; Isaías 48:17, 18)
Considere, portanto, um conselho específico dado pelo
apóstolo Paulo. Ele disse: “O casamento seja honroso en-
tre todos.” (Hebreus 13:4) O que isso significa? A palavra
“honroso” indica que algo é estimado e precioso. É exa-
tamente assim que Jeová considera o casamento — como
algo precioso.
SUA MOTIVAÇ ÃO
— AMOR SINCERO A JEOVÁ
6 Como servos de Jeová, é claro que vocês já sa-

bem que o casamento é algo precioso, até mesmo sagra-


do. Foi o próprio Jeová quem instituiu o casamento. (Leia
Mateus 19:4-6.) Mas, se vocês estiverem passando por pro-
blemas conjugais, apenas saber que o casamento é honro-
so pode não ser suficiente para motivá-los a tratar um ao
outro com amor e respeito. O que então os motivará a fa-
zer isso? Observe como Paulo se referiu à questão de mos-
trar honra. Ele não disse que “o casamento é honroso”,
mas que “o casamento seja honroso”. Paulo não estava
simplesmente fazendo uma observação; ele estava dando
5. (a) Qual é uma maneira de se achegar a Jeová e a seu cônjuge?
(b) Como Jeová considera o casamento?
6. O que o contexto do conselho de Paulo sobre o casamento deixa
claro, e por que é importante ter isso em mente?
124 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

uma exortação.1 Ter em mente essa diferença talvez o aju-


de a ter mais um motivo para reacender o amor pelo seu
cônjuge. Por que se pode dizer isso?
7 Pense por um momento em como você considera ou-

tros mandamentos bíblicos, como a comissão de fazer dis-


cípulos ou a ordem de sempre se reunir para adorar
a Deus. (Mateus 28:19; Hebreus 10:24, 25) É verdade que
cumprir esses mandamentos às vezes é um desafio. As pes-
soas a quem você prega talvez não sejam receptivas ou
pode ser que seu serviço secular o deixe tão cansado que
exige muito esforço de sua parte assistir às reuniões. Mes-
mo assim você continua pregando a mensagem do Rei-
no e assistindo às reuniões. Ninguém consegue impedi-lo
de fazer isso — nem mesmo Satanás! Por que não? Porque
seu sincero amor a Jeová o motiva a obedecer Seus man-
damentos. (1 João 5:3) Com que resultados? Participar na
pregação e assistir às reuniões lhe dá paz mental e grande
felicidade por saber que está fazendo a vontade de Deus.
Por sua vez, esses sentimentos renovam suas forças. (Nee-
mias 8:10) O que aprendemos disso?
8 Assim como seu profundo amor a Deus o motiva a

obedecer os mandamentos de pregar e de se reunir ape-


sar dos obstáculos, seu amor a Jeová pode motivá-lo a obe-
decer o mandamento bíblico de ‘honrar seu casamento’,
mesmo quando isso parece difícil. (Hebreus 13:4; Salmo
18:29; Eclesiastes 5:4) Além disso, da mesma forma que
Jeová abençoa seus esforços de participar na pregação e as-
1 O contexto mostra que a admoestação de Paulo sobre o casamen-
to faz parte de uma série de exortações. — Hebreus 13:1-5.

7. (a) Que mandamentos bíblicos nós cumprimos, e por quê?


(b) Como somos beneficiados quando somos obedientes?
8, 9. (a) O que pode nos motivar a obedecer o mandamento de hon-
rar o casamento, e por quê? (b) Que dois pontos importantes vamos
considerar a seguir?
“O matrimônio seja honroso” 125

sistir às reuniões, ele também abençoará os esforços que


você fizer para honrar seu casamento. — 1 Tessalonicenses
1:3; Hebreus 6:10.
9 De que maneira, então, você pode honrar seu casa-

mento? É preciso evitar atitudes que prejudiquem seu rela-


cionamento conjugal e ao mesmo tempo tomar medidas
para fortalecê-lo.
EVITE LINGUAGEM E ATITUDES
QUE DESONRAM O CASAMENTO
10 Algum tempo atrás, uma esposa cristã disse: “Eu oro

a Jeová pedindo forças para aguentar tudo o que passo.”


Aguentar o quê? Ela explicou: “Meu marido me agride
com palavras. É verdade que não tenho marcas de agressão
física, mas seus constantes insultos, como ‘Você é um far-
do para mim!’ e ‘Você não vale nada!’, têm deixado mar-
cas profundas em meu coração.” Essa esposa traz à tona
um problema muito preocupante — a linguagem abusiva
no casamento.
11 Como é triste quando os cônjuges nos lares cristãos

agridem um ao outro com palavras cruéis, causando fe-


ridas emocionais que são difíceis de sarar! Obviamente,
um casamento onde há linguagem abusiva não é honro-
so. Como está seu casamento nesse sentido? Uma manei-
ra de descobrir é por perguntar humildemente a seu côn-
juge: “Que efeito minhas palavras têm sobre você?” Se seu
cônjuge, com muita frequência, se sente ferido emocio-
nalmente com suas palavras, você precisa estar disposto a
melhorar a situação. — Gálatas 5:15; leia Efésios 4:31.
12 Lembre-se de que o modo como você fala com seu

cônjuge afeta sua relação com Jeová. A Bíblia diz: “Se


10, 11. (a) Que atitude desonra o casamento? (b) Que pergunta de-
vemos fazer ao nosso cônjuge?
12. Como a adoração de alguém pode se tornar sem valor para Deus?
126 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

alguém acha que adora a Deus, mas não domina a língua,


ele está enganando seu próprio coração, e a sua adoração é
fútil.” (Tiago 1:26) A linguagem que você usa está intima-
mente relacionada com sua adoração. A Bíblia não apoia o
conceito de que, desde que a pessoa afirme servir a Deus,
não importa o que ela faz em casa. Não se engane. Isso
é um assunto sério. (Leia 1 Pedro 3:7.) Pode ser que você
tenha certas habilidades e seja zeloso, mas, se proposital-
mente fere seu cônjuge com palavras, você está desonran-
do a instituição do casamento, e sua adoração talvez se tor-
ne sem valor para Deus.
13 Os casais também precisam tomar cuidado para não

causar sofrimento emocional de maneiras mais sutis. Veja


dois exemplos: uma mãe sem cônjuge telefona com fre-
quência para um irmão casado da congregação para pedir
conselhos, e eles têm longas conversas; um irmão soltei-
ro sai toda semana no serviço de campo com uma irmã
casada. As pessoas casadas nesses exemplos talvez tenham
boas intenções, mas de que modo suas ações afetam seus
respectivos cônjuges? Uma esposa que se viu nessa situa-
ção disse: “Fico magoada quando vejo meu marido dando
muita atenção a outra irmã na congregação. Eu me sinto
desprezada.”
14 É compreensível que alguém nessa situação, ou em

outra similar, sinta-se magoado. O cônjuge dessa pessoa


estaria desconsiderando a instrução básica de Deus para o
casamento: “O homem deixará seu pai e sua mãe e se ape-
gará à sua esposa.” (Gênesis 2:24) É claro que os que se
casam continuam respeitando seus pais, mas é da vonta-
de de Deus que sua responsabilidade principal seja com o
13. Como alguém pode causar sofrimento emocional ao seu côn-
juge?
14. (a) Que responsabilidade dos casados é destacada em Gênesis
2:24? (b) O que devemos nos perguntar?
“O matrimônio seja honroso” 127

cônjuge. Da mesma forma, os cristãos amam muito seus


irmãos espirituais, mas sua responsabilidade principal é
com seu cônjuge. Assim, quando cristãos casados gastam
muito tempo com companheiros cristãos ou ficam mui-
to íntimos deles, especialmente quando se trata de pessoas
do sexo oposto, isso causa tensão no casamento. Será que
algo assim está prejudicando seu casamento? Pergunte-se:
128 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

‘Dou a meu cônjuge o tempo, a atenção e o afeto que ele


tem o direito de receber?’
15 Além disso, cristãos casados que dão indevida atenção

a alguém do sexo oposto que não seja seu cônjuge estão,


de modo insensato, colocando-se numa situação perigosa.
Infelizmente, alguns cristãos casados passaram a ter senti-
mentos românticos por uma pessoa a quem ficaram muito
achegados. (Mateus 5:28) Esses sentimentos, por sua vez,
levaram a ações que desonram ainda mais o casamento.
Veja o que o apóstolo Paulo disse a respeito disso.
‘O LEITO CONJUGAL SEJA MANTIDO PURO’
16 Logo depois de Paulo dar a exortação de que “o ca-
samento seja honroso”, ele acrescentou o aviso: “O lei-
to conjugal [seja] mantido puro, porque Deus julgará os
que praticam imoralidade sexual e os adúlteros.” (Hebreus
13:4) Paulo usou o termo “leito conjugal” para referir-se a
relações sexuais. Essas relações são ‘puras’, ou moralmente
limpas, quando se limitam ao casamento. Por isso, os cris-
tãos obedecem estas palavras inspiradas: “Alegre-se com a
esposa da sua juventude.” — Provérbios 5:18.
17 Os que têm relações sexuais com quem não é seu

cônjuge mostram grande desrespeito pelas leis morais de


Deus. É verdade que muitos hoje veem o adultério como
aceitável. Mas a opinião de outros sobre o adultério não
deve influenciar o ponto de vista dos servos de Deus so-
bre isso. Os cristãos verdadeiros sabem que, no final, será
“Deus [quem] julgará os que praticam imoralidade sexual
e os adúlteros”, não os homens. (Hebreus 10:31; 12:29)
15. De acordo com Mateus 5:28, por que cristãos casados não devem
dar indevida atenção a alguém do sexo oposto?
16. Que ordem Paulo deu relacionada ao casamento?
17. (a) Por que os cristãos não são influenciados pelo conceito do
mundo sobre o adultério? (b) Como podemos seguir o exemplo
de Jó?
“O matrimônio seja honroso” 129

Assim, eles têm o mesmo conceito de Jeová sobre esse as-


sunto. (Leia Romanos 12:9.) Lembre-se do que o patriarca
Jó disse: “Fiz um pacto com os meus olhos.” ( Jó 31:1) De
fato, para não dar até mesmo o primeiro passo que pode
levar ao adultério, os cristãos verdadeiros exercem contro-
le sobre seus olhos e nunca olham com desejo para uma
pessoa do sexo oposto que não seja seu cônjuge. — Veja o
Apêndice, páginas 219-221.
18 Será que Jeová encara o adultério como algo sério? A

Lei mosaica nos ajuda a saber o que ele pensa sobre isso.
No Israel antigo, o adultério e a idolatria estavam entre os
pecados que levavam à pena de morte. (Levítico 20:2, 10)
Consegue ver o que esses dois pecados têm em co-
mum? O israelita que adorasse um ídolo violava seu pac-
to com Jeová. Da mesma forma, o israelita que cometesse
adultério violava o pacto que fez com seu cônjuge. Am-
bos agiam de modo desleal. (Êxodo 19:5, 6; Deuteronômio
5:9; leia Malaquias 2:14.) Assim, tanto o idólatra como o
adúltero eram condenados por Jeová, o Deus fiel e confiá-
vel. — Salmo 33:4.
19 É evidente que os cristãos não estão mais sob a Lei

mosaica. Mesmo assim, saber que no Israel antigo o adul-


tério era considerado um pecado grave pode fortalecer a
determinação dos cristãos de não cometer tal ato. De que
forma? Veja a seguinte comparação: você entraria em uma
igreja, se colocaria de joelhos e faria uma oração em frente
a uma imagem? ‘Nunca!’, diria você. Mas será que você se
sentiria tentado a fazer isso se lhe oferecessem uma gran-
de quantia de dinheiro? ‘Jamais faria uma coisa dessas!’,
responderia. De fato, o cristão verdadeiro odeia a simples
18. (a) O que mostra que o adultério é algo sério para Jeová?
(b) O que o adultério e a idolatria têm em comum?
19. O que pode fortalecer a determinação do cristão de rejeitar o adul-
tério, e por quê?
130 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

ideia de trair a Jeová por adorar um ídolo. Do mesmo


modo, os cristãos devem ter aversão à ideia de trair seu
Deus, Jeová, e seu cônjuge por cometer adultério — não
importa quão tentador isso seja. (Salmo 51:1, 4; Colossen-
ses 3:5) Jamais queremos fazer algo que alegre a Satanás e
desonre a Jeová e a instituição sagrada do casamento.
COMO FORTALECER SEU CASAMENTO
20 Além de evitar atitudes que desonram o casamen-
to, o que você pode fazer para reacender o amor e o res-
peito pelo seu cônjuge? Para responder a essa pergunta,
considere a seguinte ilustração: imagine que o casamen-
to seja uma casa e que a decoração dela sejam palavras
e gestos bondosos e outras formas de demonstrar respei-
to ao cônjuge. Se vocês se sentem achegados um ao ou-
tro, seu casamento é como uma casa cuja decoração a dei-
xa alegre e aconchegante. Se o afeto entre vocês diminui,
essa decoração aos poucos desaparece, deixando seu ca-
samento tão triste e frio como uma casa sem nenhuma
decoração. Visto que você quer obedecer o mandamen-
to de Deus de que “o casamento seja honroso”, sente-se
motivado a melhorar a situação. Afinal de contas, vale a
pena restaurar algo que é precioso e que merece honra.
Como você pode fazer isso? A Palavra de Deus diz: “Pela
sabedoria se edifica uma casa, e pelo discernimento ela é
firmada. Pelo conhecimento seus aposentos ficam cheios
de todo tipo de tesouros preciosos e agradáveis.” (Provér-
bios 24:3, 4) Veja como essas palavras podem se aplicar
ao casamento.
21 Entre os “tesouros preciosos” que existem em um lar

feliz estão qualidades como amor verdadeiro, temor de


20. O que acontece em alguns casamentos? Ilustre.
21. Como se pode aos poucos fortalecer o casamento? (Veja também
o quadro na página 131.)
“O matrimônio seja honroso” 131

COMO POSSO FORTALECER MEU CASAMENTO?


Princípio: “Cada um de vocês ame a sua
esposa como a si mesmo; por outro lado,
a esposa deve ter profundo respeito
pelo marido.” — Efésios 5:33.
Pergunte-se:
ˇ Que qualidades o meu cônjuge tem, e como eu
posso mostrar que o valorizo? — Provérbios 14:1;
31:29; 1 Pedro 3:1, 6; 4:8.
ˇ Honro meu cônjuge por procurar entender seus
pensamentos e sentimentos? — Filipenses 2:4.
ˇ Estou disposto a desconsiderar as falhas de meu
cônjuge? — Mateus 6:14, 15.
ˇ Quando foi a última vez que disse ao meu cônjuge
quanto o amo? — Cântico de Salomão 2:9-14.
ˇ Que alvos espirituais
estamos tentando al-
cançar? — Mateus 6:33,
34; 1 Coríntios 9:24-27.
ˇ O que posso fazer
para incentivar meu
cônjuge a ler a Bíblia
e considerar o texto
diário comigo?
132 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

Deus e forte fé. (Provérbios 15:16, 17; 1 Pedro 1:7) Essas


qualidades fortalecem o casamento. Mas você observou de
que maneira os tesouros preciosos enchem os quartos men-
cionados no provérbio citado acima? “Pelo conhecimento.”
De fato, o conhecimento da Bíblia, quando colocado em
prática, tem o poder de mudar o modo de pensar do mari-
do e da esposa e motivá-los a reacender o amor que tinham
um pelo outro. (Romanos 12:2; Filipenses 1:9) Assim, quan-
do você e seu cônjuge tiram tempo para se comunicar e
considerar com calma passagens bíblicas, como o texto diá-
rio ou um artigo de A Sentinela ou Despertai! relacionado
ao casamento, é como se estivessem escolhendo um item
para decorar sua casa. Quando o amor a Jeová os motiva a
colocar em prática o conselho examinado, vocês estão, por
assim dizer, levando essa decoração para “seus aposentos”.
Com isso, poderão sentir novamente um pouco da alegria
e do aconchego que antes exis-
tia em seu casamento.
22 É verdade que talvez exija

muito tempo e esforço para re-


decorar sua casa. Mas, se você
se esforçar para fazer a sua par-
te, sentirá a alegria de saber
que está obedecendo o man-
damento bíblico: “Tomem a
iniciativa em honrar uns aos
outros.” (Romanos 12:10; Sal-
mo 147:11) Acima de tudo,
seu esforço sincero de honrar
seu casamento o manterá no
amor de Deus.
22. Que alegria podemos sentir se
fizermos nossa parte para fortalecer
o casamento?
C APÍTULO 12

Fale o que “for bom para


a edificação”
“Não saia da boca de vocês nenhuma palavra pervertida,
mas somente o que for bom para a edificação.”
— EFÉSIOS 4:29.

SE VOCÊ desse um presente a alguém de quem você gos-


ta muito, como se sentiria se ele intencionalmente usas-
se mal esse presente? Suponhamos que você lhe tivesse
dado um carro. Não ficaria desapontado se depois soubes-
se que ele o dirigiu de modo irresponsável e feriu outras
pessoas?
2 A capacidade de falar é um dom dado por Jeová, o Da-

dor de “toda boa dádiva e todo presente perfeito”. (Tiago


1:17) Esse dom, que distingue os humanos dos animais,
nos permite expressar nossos pensamentos e sentimen-
tos. Como um carro, porém, a fala pode ser mal usada.
Sem dúvida, Jeová deve ficar muito desapontado quando
a usamos mal, causando dor e sofrimento a outros.
3 Para permanecermos no amor de Deus, precisamos

usar o dom da fala como nosso Criador pretendia origi-


nalmente. Jeová deixa bem claro que tipo de linguagem
agrada a ele. Sua Palavra diz: “Não saia da boca de vocês
nenhuma palavra pervertida, mas somente o que for bom
para a edificação, conforme a necessidade, para transmitir
aos ouvintes o que é benéfico.” (Efésios 4:29) Vamos con-
siderar por que precisamos controlar a língua, que tipo de
1-3. (a) Que dom Jeová nos deu, e como pode ser mal usado? (b) Para
permanecermos no amor de Deus, como devemos usar a fala?
Palavras bondosas
reanimam

linguagem devemos evitar e como podemos falar o que ‘é


bom para a edificação’.
POR QUE PRECISAMOS CONTROLAR A LÍNGUA
4 Um motivo importante para controlarmos a língua é
que as palavras têm poder. Provérbios 15:4 diz: “A língua
calma é árvore de vida, mas a palavra perversa causa pro-
funda tristeza.”1 Palavras bondosas, faladas de modo cal-
mo, podem reanimar o espírito de quem as ouve. Em con-
traste, palavras distorcidas e maldosas podem esmagar o
espírito de outros. De fato, nossas palavras podem tanto
ferir como curar. — Provérbios 18:21.
5 Outro provérbio descreve bem o poder das palavras:

“Palavras impensadas são como os golpes de uma espa-


da.” (Provérbios 12:18) Palavras impensadas podem cau-
sar profunda dor emocional e destruir relacionamentos.
Você já se sentiu profundamente ferido por palavras que o
golpearam como uma espada? O mesmo provérbio mos-
tra o lado positivo desse assunto: “A língua dos sábios é
1 A palavra hebraica traduzida “perversa” em Provérbios 15:4 pode
também significar “desonesta, falsa”.

4, 5. Como alguns provérbios bíblicos descrevem o poder das pala-


vras?
Fale o que “for bom para a edificação” 135

uma cura.” As palavras de alguém que manifesta sabedo-


ria piedosa e pensa antes de falar podem curar um coração
que sofre e restabelecer relacionamentos. Consegue lem-
brar-se de uma ocasião em que você sentiu que palavras
bondosas realmente curam? (Leia Provérbios 16:24.) Re-
conhecendo que as palavras têm poder, sem dúvida que-
remos usá-las para curar outros, não para ferir.
6 Não importa quanto nos esforcemos, não consegui-

mos controlar totalmente a língua. Assim, há outro moti-


vo pelo qual precisamos ter cuidado com o que falamos:
por causa do pecado e da imperfeição, temos a tendência de
usar mal a língua. As palavras originam-se do coração, e
“a inclinação do coração do homem é má”. (Gênesis 8:21;
Lucas 6:45) Dominar a língua, portanto, é uma verdadei-
ra luta. (Leia Tiago 3:2-4.) Embora não consigamos con-
trolar totalmente a língua, podemos sempre nos esforçar
em usá-la da melhor maneira possível. Da mesma forma
que uma pessoa precisa se esforçar ao nadar contra uma
correnteza, nós precisamos continuar lutando para com-
bater a tendência pecaminosa de usar mal a língua.
7 O terceiro motivo para controlarmos a língua é que

prestaremos contas a Jeová pelo que dizemos. O modo


como usamos a língua afeta, não só nossa relação com ou-
tras pessoas, mas também nossa relação com Jeová. Tia-
go 1:26 diz: “Se alguém acha que adora a Deus, mas não
domina a língua, ele está enganando seu próprio coração,
e a sua adoração é fútil.”1 Como vimos no capítulo ante-
rior, o que falamos está intimamente relacionado à nos-
sa adoração. Se a língua não for controlada — proferindo
1 A palavra grega traduzida “fútil” também é traduzida “inútil”.
— 1 Coríntios 15:17.

6. Por que controlar a língua é uma verdadeira luta?


7, 8. Em que sentido prestaremos contas a Jeová pelo que dizemos?
136 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

palavras maldosas e venenosas —, todas as nossas obras


cristãs poderão se tornar sem valor para Deus. Não con-
corda que isso nos dá muito em que pensar? — Tiago
3:8-10.
8 Fica evidente que temos fortes razões para não usar

mal o dom da fala. Antes de considerarmos como pode-


mos usar a língua para edificar, vamos analisar o tipo de
linguagem que os cristãos verdadeiros devem evitar por
completo.
PALAVRAS QUE DERRUBAM
9 Linguagem obscena. Atualmente, palavras obscenas e
sujas, e outras formas de linguagem imprópria, fazem par-
te do vocabulário do dia a dia das pessoas. Muitos re-
correm a palavrões para dar força ao que dizem ou para
compensar um vocabulário limitado. Comediantes mui-
tas vezes usam linguagem vulgar e com conotação sexual
para divertir as pessoas. Mas a linguagem obscena não é
nada engraçada. Cerca de 2 mil anos atrás, o apósto-
lo Paulo, sob inspiração, aconselhou a congregação colos-
sense a deixar de lado a “conversa obscena”. (Colossenses
3:8) Paulo disse à congregação de Éfeso que as “brincadei-
ras obscenas” estão entre as coisas que não devem ‘nem
mesmo ser mencionadas entre’ os cristãos verdadeiros.
— Efésios 5:3, 4.
10 A linguagem obscena ofende a Jeová. Ofende tam-

bém os que o amam. De fato, nosso amor a Jeová nos mo-


tiva a rejeitar esse tipo de linguagem. Quando o apóstolo
Paulo alistou “as obras da carne”, ele citou a “impureza”,
que pode incluir linguagem suja. (Gálatas 5:19-21) Esse é
um assunto sério. Uma pessoa pode ser desassociada se,
9, 10. (a) Atualmente, que tipo de linguagem faz parte do voca-
bulário do dia a dia das pessoas? (b) Por que precisamos rejeitar a
linguagem obscena? (Veja também a nota.)
Fale o que “for bom para a edificação” 137

mesmo depois de receber repetidos conselhos, não se ar-


repender e continuar a usar linguagem que promove ou
faz referência ao que é extremamente imoral, degradante
e pervertido.1
11 Tagarelice e calúnia. As pessoas têm a tendência de fa-

lar sobre outros. Será que conversar sobre outras pessoas é


sempre prejudicial? Não, se nossa intenção é ter uma con-
versa saudável e contar coisas positivas ou edificantes,
como falar sobre quem se batizou recentemente ou sobre
alguém que está precisando de encorajamento. Os cristãos
do primeiro século tinham grande interesse no bem-estar
uns dos outros e compartilhavam informações edifican-
tes sobre seus irmãos. (Efésios 6:21, 22; Colossenses 4:8, 9)
Falar sobre outras pessoas, porém, pode tornar-se tagareli-
ce se a conversa distorcer fatos ou revelar assuntos parti-
culares. Mais sério ainda, pode levar à calúnia, que sem-
pre é difamatória. A calúnia é definida como “acusação
ou imputação falsa que ofende a honra ou a dignidade
de alguém”. Os fariseus, por exemplo, recorreram à ca-
lúnia para prejudicar a reputação de Jesus. (Mateus 9:32-
34; 12:22-24) A calúnia geralmente leva a discórdias.
— Provérbios 26:20.
12 Jeová não aprova os que usam o dom da fala para di-

famar outros ou causar divisões. Ele odeia os que causam


“discórdias entre irmãos”. (Provérbios 6:16-19) A palavra
grega traduzida “caluniador” é di·á·bo·los, que também é
1 Conforme usado nas Escrituras, o termo “impureza” tem um sen-
tido amplo, podendo abranger vários tipos de pecado. Embora nem
todo tipo de impureza justifique uma ação judicativa, uma pessoa
pode ser expulsa da congregação se praticar crassa impureza sem se
arrepender. — 2 Coríntios 12:21; Efésios 4:19; veja “Perguntas dos Lei-
tores” em A Sentinela de 15 de julho de 2006.

11, 12. (a) De que modo conversar sobre outros pode tornar-se taga-
relice? (b) Por que os adoradores de Jeová precisam evitar a calúnia?
138 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

usada como um título de Satanás. Ele é o “Diabo”, o per-


verso caluniador de Deus. (Apocalipse 12:9, 10) Queremos
sem dúvida evitar uma linguagem que nos torne seme-
lhantes ao Diabo. Não há lugar na congregação para ca-
lúnia, pois ela suscita obras da carne como “discórdias” e
“divisões”. (Gálatas 5:19-21) Por isso, antes de passar
adiante alguma informação a respeito de alguém, pergun-
te-se: ‘Será que é mesmo verdade? Seria bondoso contar
isso a outros? É necessário ou convém espalhar essa infor-
mação?’ — Leia 1 Tessalonicenses 4:11.
13 Palavras ofensivas. Conforme já mencionado, as pala-

vras podem ferir. Temos de reconhecer que às vezes, por


causa da imperfeição humana, falamos coisas das quais
depois nos arrependemos. Mas a Bíblia alerta sobre um
tipo de linguagem que é totalmente inaceitável num lar
cristão e na congregação. Paulo advertiu os cristãos:
“Abandonem todo tipo de ressentimento, ira, raiva, grita-
ria e palavras ofensivas, junto com toda a maldade.” (Efé-
sios 4:31) Outras versões da Bíblia traduzem a expressão
“palavras ofensivas” como “palavras maldosas”, “ofensas”
e “insultos”. Palavras ofensivas — que incluem chamar ou-
tros de nomes depreciativos e fazer críticas duras e cons-
tantes — podem privar outros de sua dignidade e fazê-los
se sentir sem valor. Esse tipo de linguagem afeta especial-
mente as crianças, que são sensíveis e acreditam no que os
adultos falam. — Colossenses 3:21.
14 A Bíblia condena fortemente o insulto, que é o ato de

ofender outros com palavras depreciativas ou abusivas. A


pessoa que tem o costume de usar esse tipo de linguagem
se expõe ao perigo, pois pode ser expulsa da congregação
caso não aceite os repetidos conselhos para mudar de ati-
13, 14. (a) Que efeito as palavras ofensivas podem ter nos outros?
(b) O que é insulto, e por que quem faz isso se expõe ao perigo?
Fale o que “for bom para a edificação” 139

tude. A menos que mude de proceder, poderá perder tam-


bém as futuras bênçãos do Reino. (1 Coríntios 5:11-13;
6:9, 10) Portanto, fica claro que não podemos de forma al-
guma permanecer no amor de Deus se temos o costume
de usar linguagem suja, falsa ou desamorosa. Esse tipo de
linguagem só causa danos.
PALAVRAS QUE SÃO ‘BOAS PARA A EDIFICAÇ ÃO’
15 Como podemos usar o dom da fala conforme o Cria-

dor pretendia originalmente? Lembre-se de que a Palavra


de Deus nos aconselha a falar “o que for bom para a edifi-
cação”. (Efésios 4:29) Jeová se agrada quando nossa con-
versa edifica, encoraja e fortalece outros. Esse tipo de con-
versa exige reflexão. A Bíblia não fornece um conjunto
específico de regras a serem seguidas; nem contém uma
lista de “palavras sadias”. (Tito 2:8) Para falarmos o que ‘é
bom para a edificação’, é preciso ter em mente três carac-
terísticas simples, porém importantes, das palavras edifi-
cantes: elas são sadias, verdadeiras e bondosas. Com isso
em mente, vamos considerar alguns exemplos específicos
de como usar a fala para edificar. — Veja o quadro “Falo
coisas edificantes?”, na página 140.
16 Elogios sinceros. Tanto Jeová como Jesus reconhecem

a necessidade de dar elogios e expressar aprovação. (Ma-


teus 3:17; 25:19-23; João 1:47) Como cristãos, nós também
devemos dar elogios sinceros. Por quê? “Como é boa uma
palavra no tempo certo!”, diz Provérbios 15:23. Pergunte-
se: ‘Como eu me sinto quando recebo um elogio sincero?
Não me sinto bem e encorajado?’ Realmente, um elogio
sincero lhe permite saber que alguém nota você e se preo-
cupa com você, e que seus esforços valeram a pena. Essa
15. Que tipos de palavras são ‘boas para a edificação’?
16, 17. (a) Por que devemos dar elogios? (b) Que oportunidades te-
mos para elogiar outros na congregação? Na família?
140 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

FALO COISAS EDIFICANTES?


Princípio: “Que as suas palavras sejam sempre
agradáveis.” — Colossenses 4:6.
Pergunte-se:
ˇ Qual foi a última vez que elogiei uma pessoa por
algo que ela fez? — 1 Coríntios 11:2; Apocalipse
2:1-3.
ˇ Mostro respeito pelos outros por dizer “por favor”
e “obrigado”? — Gênesis 13:14; João 11:41.
ˇ Em minhas conversas, falo mais sobre mim mes-
mo ou também me interesso no que os outros pen-
sam e sentem? — Filipenses 2:3, 4; Tiago 1:19.
ˇ Uso o que sei a respeito de
outros para edificá-los ou
derrubá-los? — Provér-
bios 15:1, 2.
ˇ O que acho da lin-
guagem obscena, e o
que isso revela sobre
o que há no meu co-
ração? — Lucas 6:45;
Tiago 3:10, 11.
Fale o que “for bom para a edificação” 141

certeza aumenta sua confiança e o motiva a se esforçar ain-


da mais. Visto que você gosta de receber elogios, não deve-
ria se esforçar em dar elogios? — Leia Mateus 7:12.
17 Sempre procure ver o que há de bom nos outros e en-

tão dê elogios. Na congregação, às vezes você ouve um dis-


curso bem proferido, nota um jovem que está se esforçan-
do para alcançar alvos espirituais ou observa uma pessoa
idosa que não deixa de assistir às reuniões apesar das limi-
tações da idade avançada. Um elogio sincero pode tocar o
coração dessas pessoas e fortalecê-las espiritualmente. Na
família, marido e esposa precisam ouvir um do outro elo-
gios sinceros e palavras que expressem gratidão. (Provér-
bios 31:10, 28) Em especial os filhos se desenvolvem bem
quando recebem atenção e se sentem úteis. Assim como
a luz solar e a água dão vitalidade às plantas, os elogios
e o reconhecimento dos pais animam as crianças. Pais, fi-
quem atentos às qualidades e aos esforços de seus filhos e
elogie-os por isso. Esses elogios podem fazer com que seus
filhos tenham mais coragem e confiança, sentindo-se as-
sim motivados a se esforçar cada vez mais a fazer o que é
certo.
18 Encorajamento e consolo. Jeová se preocupa muito

com os “humildes” e os “que estão sendo esmagados”.


(Isaías 57:15) Sua Palavra nos incentiva a ‘continuar a en-
corajar uns aos outros’ e a ‘consolar os que estão deprimi-
dos’. (1 Tessalonicenses 5:11, 14) Podemos estar certos de
que Deus observa e valoriza o que fazemos para encora-
jar e consolar nossos companheiros de adoração que estão
deprimidos.
19 Mas o que você pode dizer para encorajar um compa-

nheiro de adoração que está desanimado ou deprimido?


18, 19. Por que devemos nos esforçar para encorajar companheiros
de adoração, e como podemos fazer isso?
142 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

Não pense que você tem


de resolver o problema Jeová se agrada quando
nossa conversa edifica
dele. Em muitos casos, o outros
que mais ajuda são pala-
vras simples. Mostre à pes-
soa deprimida que você se
importa com ela. Ofe-
reça-se para orar com ela;
você pode suplicar a Jeová
que a ajude a ver quan-
to ela é amada por ou-
tros e por Deus. (Tiago
5:14, 15) Deixe claro para
a pessoa que ela é útil e
tem valor como membro
da congregação. (1 Co-
ríntios 12:12-26) Leia um
versículo bíblico encora-
jador para que ela sinta que Jeová realmente se impor-
ta com ela como pessoa. (Salmo 34:18; Mateus 10:29-31)
Tirar tempo suficiente para falar uma “boa palavra” a al-
guém que está desanimado, e fazer isso de coração, com
certeza ajudará a pessoa a se sentir amada e valorizada.
— Leia Provérbios 12:25.
20 Bons conselhos. Visto que todos nós somos imperfei-

tos, vez por outra precisamos de conselhos. A Bíblia nos


incentiva: “Escute o conselho e aceite a disciplina, para se
tornar sábio no futuro.” (Provérbios 19:20) Dar conselhos
não se limita aos anciãos. Os pais dão conselhos aos fi-
lhos. (Efésios 6:4) Irmãs maduras talvez precisem dar con-
selhos a irmãs mais novas. (Tito 2:3-5) O amor nos moti-
20, 21. Que fatores contribuem para que um conselho seja bem
aceito?
Fale o que “for bom para a edificação” 143

va a dar conselhos que a pessoa possa aceitar sem se sentir


humilhada. O que pode nos ajudar a fazer isso? Veja três
fatores que contribuem para que os conselhos sejam mais
bem aceitos: a atitude e a motivação de quem dá o conse-
lho, a base para o conselho e o modo como é dado.
21 Para que um conselho seja bem aceito, o conselheiro

precisa ter a atitude correta. Pergunte-se: ‘Quando é que


eu acho fácil aceitar um conselho?’ É mais fácil aceitar
um conselho quando você sabe que a pessoa que o acon-
selha se importa com você e quando percebe que ela não
está escondendo suas verdadeiras intenções nem descon-
tando em você uma frustração pessoal. Sendo assim, será
que você não deveria ter essa mesma atitude ao aconse-
lhar outros? Para ser bem aceito, um conselho também
precisa ser baseado na Palavra de Deus. (2 Timóteo 3:16)
Não importa se citamos textos bíblicos ou não, todo con-
selho deve ter base bíblica. Por isso, os anciãos se preocu-
pam em não impor seu ponto de vista a outros; nem dis-
torcem as Escrituras, dando a entender que a Bíblia apoia
uma opinião pessoal. Outro fator que contribui para bons
resultados é quando o conselho é dado da maneira corre-
ta. Conselhos dados com bondade são mais fáceis de ser
aceitos e preservam a dignidade da pessoa que está sendo
aconselhada. — Colossenses 4:6.
22 Com certeza a fala é um precioso dom de Deus. Nos-

so amor a Jeová deve motivar-nos a usar bem esse dom.


Não nos esqueçamos de que nossas palavras têm poder
— poder de edificar ou de derrubar. Assim, esforcemo-nos
para usar esse dom como nosso Criador intencionou ori-
ginalmente — ‘para edificar’. Dessa forma, aquilo que di-
zemos será uma bênção para as pessoas à nossa volta e nos
ajudará a permanecer no amor de Deus.
22. Como você está determinado a usar o dom da fala?
C APÍTULO 13

Celebrações que
desagradam a Deus
“Certifiquem-se sempre do que agrada ao Senhor.”
— EFÉSIOS 5:10.

“OS VERDADEIROS adoradores”, disse Jesus, “adorarão o Pai


com espírito e verdade. Pois, realmente, o Pai está procuran-
do a esses para o adorarem”. ( João 4:23) Quando Jeová en-
contra tais pessoas — assim como encontrou você —, ele as
atrai a si e a seu Filho. ( João 6:44) Que honra! Mas os que
amam a verdade da Bíblia devem ‘certificar-se sempre do que
agrada ao Senhor’, pois Satanás é mestre do engano. — Efé-
sios 5:10; Apocalipse 12:9.
2 Considere o que aconteceu perto do monte Sinai quan-

do os israelitas pediram a Arão que fizesse um deus para eles.


Arão cedeu à pressão e fez um bezerro de ouro, mas deu a en-
tender que aquele ídolo representava a Jeová. “Amanhã ha-
verá uma festividade para Jeová”, disse ele. Será que Jeová foi
indiferente ao que eles fizeram, ao misturarem a religião ver-
dadeira com a falsa? Não. Ele ordenou que os idólatras fos-
sem mortos, resultando na morte de cerca de três mil pes-
soas. (Êxodo 32:1-6, 10, 28) Que lição aprendemos disso? Se
queremos nos manter no amor de Deus, não devemos ‘tocar
em nada impuro’ e devemos defender a verdade contra qual-
quer coisa que possa corrompê-la. — Isaías 52:11; Ezequiel
44:23; Gálatas 5:9.
1. Que tipo de pessoas Jeová atrai a si, e por que elas devem perma-
necer vigilantes em sentido espiritual?
2. Explique como Jeová encara os que tentam misturar a religião ver-
dadeira com a falsa.
Celebrações que desagradam a Deus 145

3 Infelizmente, após a morte dos apóstolos, que serviam


de impedimento para a apostasia, supostos cristãos que não
amavam a verdade começaram a adotar costumes pagãos,
comemorações e dias “santificados”, passando a considerá-
los como cristãos. (2 Tessalonicenses 2:7, 10) Ao analisarmos
algumas dessas comemorações, note como refletem o espíri-
to do mundo, não o espírito de Deus. Em geral, as comemo-
rações do mundo têm algo em comum: satisfazem os desejos
da carne e promovem crenças religiosas falsas e o ocultismo
— características predominantes de “Babilônia, a Grande”.1
(Apocalipse 18:2-4, 23) Lembre-se também de que Jeová viu
pessoalmente as práticas religiosas pagãs detestáveis que de-
ram origem a muitos costumes populares de hoje. Sem dú-
vida, para Jeová essas comemorações são tão detestáveis hoje
como eram no passado. Não deveria o ponto de vista dele ser
o que mais importa para nós? — 2 João 6, 7.
4 Como cristãos verdadeiros, sabemos que certas celebra-

ções não agradam a Jeová. Mas precisamos estar determina-


dos no coração a não ter nada a ver com elas. Analisar por
que Jeová não se agrada dessas celebrações fortalecerá nos-
sa determinação de evitar qualquer coisa que nos impeça de
permanecer no amor de Deus.

NATAL — UM NOVO NOME PARA


A ADORAÇ ÃO DO SOL
5 A Bíblia não menciona nenhuma comemoração do ani-
versário de Jesus. Na realidade, não se sabe exatamente em
1 Veja o quadro “Devo participar dessa celebração?”, nas páginas 148-
149 deste livro. O Índice das Publicações da Torre de Vigia, publicado
pelas Testemunhas de Jeová, lista muitos dias “santificados” e celebra-
ções específicos.

3, 4. Por que devemos dar bastante atenção aos princípios bíblicos


ao analisarmos costumes e celebrações populares?
5. Por que podemos ter certeza de que Jesus não nasceu em 25 de de-
zembro?
146 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

que dia ele nasceu. Mas podemos ter certeza de que não foi
em 25 de dezembro, época de inverno naquela região.1 Um
dos motivos de sabermos isso é que quando Jesus nasceu os
“pastores [estavam] vivendo ao ar livre”, cuidando de seus re-
banhos, conforme Lucas escreveu. (Lucas 2:8-11) Se eles ‘vi-
vessem ao ar livre’ o ano todo, esse não seria um detalhe im-
portante. Mas, visto que o inverno em Belém é uma época em
que chove e cai neve, os rebanhos ficavam recolhidos em áreas
fechadas; portanto, os pastores não estariam “vivendo ao ar li-
vre”. Além disso, José e Maria foram a Belém porque César Au-
gusto havia ordenado que se fizesse um censo. (Lucas 2:1-7) É
muito improvável que César tivesse ordenado que um povo já
insatisfeito com o governo romano fosse até a cidade de seus
antepassados no rigor do inverno.
6 O Natal não tem origem bíblica. Tem raízes em antigas

comemorações pagãs, como as saturnais romanas, uma festi-


vidade dedicada a Saturno, o deus da agricultura. Da mesma
forma, adoradores do deus Mitra, segundo seus cálculos, co-
memoravam o 25 de dezembro como o “dia do nascimento
do Sol invicto”, diz a New Catholic Encyclopedia (Nova Enci-
clopédia Católica). A mesma fonte continua: “O Natal surgiu
em uma época em que o culto ao Sol era especialmente forte
em Roma”, cerca de três séculos após a morte de Cristo.
7 Durante suas comemorações, os pagãos trocavam presen-

tes e festejavam com muita comida e bebida — costumes que


o Natal preserva até hoje. Mas, como acontece atualmente,
muitos que davam presentes de Natal naquela época não fa-
ziam isso com a atitude descrita em 2 Coríntios 9:7, que diz:
1 Baseado em cálculos bíblicos e na história secular, Jesus provavel-
mente nasceu no ano 2 AEC, no mês judaico de etanim, que corres-
ponde a setembro/outubro do nosso calendário atual. — Veja Estudo
Perspicaz das Escrituras, Volume 2, páginas 538-539, publicado pelas
Testemunhas de Jeová.

6, 7. (a) Qual é a origem de muitos costumes do Natal? (b) Que con-


trastes existem entre o costume de dar presentes no Natal e o modo
de os cristãos darem presentes?
Os cristãos
verdadeiros dão
presentes por amor

“Faça cada um conforme resolveu no coração, não a contra-


gosto nem por obrigação, pois Deus ama quem dá com ale-
gria.” Os cristãos verdadeiros dão presentes por amor, não se
baseiam numa data nem esperam receber algo em troca. (Lu-
cas 14:12-14; leia Atos 20:35.) Além disso, eles se sentem mui-
to felizes de estar livres da correria e do estresse do Natal, e do
peso das dívidas financeiras que enlaçam muitos nessa época
do ano. — Mateus 11:28-30; João 8:32.
8 Alguns, porém, talvez argumentem: ‘mas os astrólogos

não deram presentes a Jesus em homenagem ao seu nasci-


mento?’ Não. O que eles fizeram foi apenas uma maneira
de demonstrar respeito a uma pessoa importante, um costu-
me comum nos tempos bíblicos. (1 Reis 10:1, 2, 10, 13; Ma-
teus 2:2, 11) Tanto é assim que os astrólogos não visitaram Je-
sus na noite em que ele nasceu. Quando chegaram onde ele
8. Os astrólogos deram presentes a Jesus em homenagem ao seu nas-
cimento? Explique.
148 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

DEVO PARTICIPAR DESTA CELEBRAÇ ÃO?


Princípio: “ ‘Saiam do meio deles e separem-se’,
diz Jeová, ‘e parem de tocar em coisa impura’ ”;
“ ‘e eu os acolherei’. ” — 2 Coríntios 6:17.
A respeito de determinada celebração ou costume
popular, pergunte-se:
ˇ evidente que tem origem numa prática ou num
ensinamento da religião falsa, incluindo o ocultis-
mo? — Isaías 52:11; 1 Coríntios 4:6; 2 Coríntios
6:14-18; Apocalipse 18:4.
ˇ Honra ou enaltece indevidamente uma pessoa,
uma organização ou um símbolo nacional?
— Jeremias 17:5-7; Atos 10:25, 26; 1 João 5:21.
ˇ Enaltece alguma nação ou grupo étnico?
— Atos 10:34, 35; 17:26.
ˇ Reflete “o espírito do mundo”, que atua em opo-
sição ao espírito santo de Deus? — 1 Coríntios 2:12;
Efésios 2:2.
ˇ Participar nessa celebração poderia fazer outros
tropeçar? — Romanos 14:21.
ˇ Se eu decidir não participar dessa celebração,
como explicarei isso a outros de modo respeitoso?
— Romanos 12:1, 2; Colossenses 4:6.

Os textos a seguir podem ajudar a responder


perguntas sobre comemorações populares:
ˇ “[Os israelitas infiéis] se misturaram com as
nações e adotaram os costumes delas.” — Salmo
106:35.
Celebrações que desagradam a Deus 149

ˇ “Quem é fiel no mínimo é também fiel no mui-


to, e quem é injusto no mínimo é também injusto
no muito.” — Lucas 16:10.
ˇ “Vocss não fazem parte do mundo.” — João
15:19.
ˇ “[Vocss] não podem participar da ‘mesa de Jeová’
e da mesa de demônios.” — 1 Coríntios 10:21.
ˇ “No passado vocês gastaram tempo suficiente fa-
zendo a vontade das nações, quando vocês viviam
em conduta insolente, em paixões desenfreadas,
em embriaguez, em festas descontroladas, em be-
bedeiras e em idolatrias ilícitas.” — 1 Pedro 4:3.
150 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

estava, já fazia muitos meses que Jesus havia nascido, e ele se


encontrava numa casa, não numa manjedoura como bebê re-
cém-nascido.

O QUE A BÍBLIA DIZ SOBRE


ANIVERSÁRIOS NATALÍCIOS
9 Embora o nascimento de um bebê sempre seja motivo de

muita alegria, a Bíblia não menciona a comemoração do ani-


versário de nenhum servo de Deus. (Salmo 127:3) Será que
não se trata de uma simples omissão? Não, porque ela men-
ciona a comemoração de dois aniversários natalícios — o de
um faraó do Egito e o de Herodes Antipas. (Leia Gênesis
40:20-22; Marcos 6:21-29.) Ambos os eventos, no entanto,
9. O que é significativo a respeito das comemorações de aniversário
mencionadas na Bíblia?

DIAS “SANTIFICADOS” E SATANISMO


É interessante notar que o dia mais importante
na religião chamada Satanismo é o dia do aniversá-
rio da pessoa. Por quê? Os adeptos do Satanismo acre-
ditam que cada pessoa é um deus, se ela se considera
como tal. Assim, comemorar o aniversário da pessoa é
o mesmo que comemorar o nascimento de um deus.
Naturalmente, a maioria das pessoas não chega a esse
conceito extremo, egotista. Mas o livro The Lore of
Birthdays (A Tradição dos Aniversários Natalícios) diz:
“Outros dias festivos elevam o coração, mas os aniver-
sários massageiam o ego.”
Os outros dois dias mais “santificados” no calen-
dário do Satanismo são o festival de Walpurgis e o
Halloween. O Merriam-Webster’s Collegiate Dictionary
define o festival de Walpurgis como “a noite da véspe-
ra de Primeiro de Maio em que, segundo se acredita, as
bruxas voam em suas vassouras para um encontro”.
Celebrações que desagradam a Deus 151

são apresentados numa luz desfavorável — especialmente o de


Herodes, em que João Batista foi decapitado.
10 “Os primeiros cristãos”, diz a The World Book Encyclope-

dia, “consideravam um costume pagão celebrar a data de nas-


cimento de qualquer pessoa”. Os gregos dos tempos antigos,
por exemplo, acreditavam que toda pessoa tinha um espírito
protetor que assistia ao seu nascimento e a protegia pelo resto
da vida. Esse espírito “tinha uma relação mística com o deus
cuja data de nascimento era a mesma que a da pessoa”, diz o
livro The Lore of Birthdays (A Tradição dos Aniversários Natalí-
cios). Desde a antiguidade, o dia do nascimento também tem
uma grande ligação com a astrologia e o horóscopo.
11 Além de rejeitar os costumes ligados à comemoração de

aniversários natalícios por causa das origens pagãs e do ocul-


tismo, os servos de Deus no passado provavelmente os rejeita-
vam também por causa dos princípios pelos quais viviam. Por
que podemos dizer isso? Eles eram pessoas humildes e modes-
tas, por isso não achavam que seu nascimento fosse tão im-
portante que devesse ser comemorado.1 (Miqueias 6:8; Lucas
9:48) Em vez disso, eles glorificavam a Jeová e davam-lhe gra-
ças pela preciosa dádiva da vida.2 — Salmo 8:3, 4; 36:9; Apoca-
lipse 4:11.
12 Todos os servos de Deus que morrem fiéis estão guarda-

dos em Sua memória e têm a vida futura garantida. ( Jó 14:14,


15) Eclesiastes 7:1 diz: “Um bom nome é melhor do que um
1 Veja o quadro “Dias ‘santificados’ e satanismo”, na página 150.
2 O pacto da Lei exigia que uma mulher, depois que desse à luz, ofe-
recesse a Deus uma oferta pelo pecado. (Levítico 12:1-8) Essa exigên-
cia da Lei era um triste lembrete de que os humanos transmitem o pe-
cado a seus filhos e ajudava os israelitas a ter um conceito equilibrado
sobre o nascimento de uma criança. Ao mesmo tempo, pode lhes ter
servido de ajuda para não seguirem os costumes pagãos relacionados
às comemorações de aniversário. — Salmo 51:5.

10, 11. Como os primeiros cristãos consideravam as comemorações


de aniversário, e por quê?
12. Como o dia da morte pode ser melhor que o dia do nascimento?
152 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

bom óleo, e o dia da morte é melhor do que o dia do nas-


cimento.” Nosso “bom nome” é a boa reputação que adqui-
rimos perante Deus durante uma vida de serviço fiel. É dig-
no de nota que a única comemoração ordenada aos cristãos
não é a de um nascimento, mas a de uma morte — a de Jesus,
cujo “nome” excelente é o único meio para a nossa salvação.
— Hebreus 1:3, 4; Lucas 22:17-20.
PÁSCOA — ADORAÇ ÃO DA FERTILIDADE
SOB DISFARCE
13 Considerada como comemoração da ressurreição de Cris-

to, a Páscoa (conforme é comemorada hoje na cristandade) na


verdade teve origem na religião falsa. Como é que ovos e coe-
lhos passaram a ter ligação com a Páscoa? Os ovos “são im-
portantes símbolos de vida nova e ressurreição”, diz a Encyclo-
pædia Britannica, e há muito o coelho tem sido usado como
símbolo da fertilidade. Portanto, a Páscoa é realmente um
rito à fertilidade mal disfarçado de comemoração da ressurrei-
ção de Cristo.1
14 Será que Jeová aprovaria o uso de um depravado rito à fer-

tilidade para comemorar a ressurreição de seu Filho? Jamais!


(2 Coríntios 6:17, 18) De fato, as Escrituras nem ordenam nem
autorizam a comemoração da ressurreição de Jesus. Fazer isso e
misturá-la com símbolos de fertilidade é um ato de deslealdade.
AS RAÍZES DO HALLOWEEN
15Conhecido por suas bruxas, duendes e outras decorações
grotescas, o Halloween — também chamado Dia das Bruxas —,
comemorado no dia 31 de outubro, remonta aos celtas anti-
1 É interessante notar que o nome em inglês para Páscoa (Easter) tem
sido associado a Eostre, ou Ostara, uma deusa da fertilidade. Segundo
o The Dictionary of Mithology (Dicionário de Mitologia), Eostre “tinha
uma lebre que ficava na Lua e que gostava muito de ovos; além disso,
ela às vezes era representada com cabeça de lebre”.

13, 14. Qual é a origem dos costumes populares da Páscoa?


15. Qual é a origem do Halloween, e o que talvez seja significativo so-
bre a data escolhida para essa comemoração?
Celebrações que desagradam a Deus 153

gos que habitavam a Grã-Bretanha e a Irlanda. Na lua cheia


mais próxima de 1.° de novembro, eles celebravam a festa de
Samhain, que significa “fim do verão”. Eles acreditavam que
durante essa celebração se abria a porta entre o mundo huma-
no e o sobrenatural, e espíritos tanto bons quanto maus vaga-
vam pela Terra. Cria-se que as almas dos mortos retornavam
aos seus lares; por isso as famílias separavam comida e bebida
para seus visitantes do Além na esperança de apaziguá-los. As-
sim, quando as crianças hoje, vestidas de fantasma ou de bru-
xa, vão de casa em casa ameaçando fazer travessuras caso não
recebam uma guloseima, elas sem saber estão perpetuando os
antigos rituais do Samhain.
MANTENHA PURO O DIA DE SEU CASAMENTO
16 Em breve, “em [Babilônia, a Grande] . . . jamais se ouvirá
novamente a voz de noivo e de noiva”. (Apocalipse 18:23) Por
que razão? Em parte por causa de suas práticas espíritas, que
podem macular um casamento já no dia em que a pessoa se
casa. — Marcos 10:6-9.
17 Os costumes variam de um país para outro. Alguns costu-

mes que talvez pareçam inocentes e que supostamente trazem


“boa sorte” ao casal de noivos ou aos convidados podem se
ter originado de práticas babilônicas. (Isaías 65:11) Uma des-
sas tradições é o costume de jogar nos noivos arroz, confete ou
algo similar. Isso pode se ter originado da crença de que é pos-
sível apaziguar espíritos maus por oferecer-lhes alimentos, im-
pedindo-os assim de prejudicar o noivo e a noiva. Além disso,
o arroz tem uma relação mística de longa data com a fertilida-
de, a felicidade e a longevidade. Evidentemente, todos os que
desejam permanecer no amor de Deus evitarão participar des-
ses costumes contaminados pela religião falsa. — Leia 2 Co-
ríntios 6:14-18.
16, 17. (a) Por que casais cristãos que planejam se casar devem
examinar os costumes locais ligados ao casamento levando em con-
sideração os princípios bíblicos? (b) Com respeito a certos costumes,
como jogar arroz ou algo similar nos noivos, o que os cristãos devem
levar em consideração?
154 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

18 Os servos de Jeová também evitam práticas do mundo


que possam tirar a dignidade cristã dos casamentos e das re-
cepções de casamento ou que possam ferir a consciência de al-
gumas pessoas. Por exemplo, evitam discursar sobre os noivos
diante dos convidados usando expressões sarcásticas ou com
conotação sexual, e fazer brincadeiras de mau gosto ou co-
mentários que possam constranger os recém-casados e outros.
(Provérbios 26:18, 19; Lucas 6:31; 10:27) Também evitam re-
cepções suntuosas de conto de fadas que refletem não a mo-
déstia, mas “a ostentação de posses”. (1 João 2:16) Se você está
fazendo preparativos para seu casamento, nunca se esqueça de
que Jeová deseja que esse dia especial seja algo que sempre vai
lhe trazer boas lembranças, não tristeza.1
BRINDAR — TEM SIGNIFICADO RELIGIOSO?
19 O brinde é um costume comum em casamentos e ou-
tros eventos sociais. O International Handbook on Alcohol and
Culture (Manual Internacional de Bebidas Alcoólicas e Cultu-
ras), de 1995, diz: “Brindar . . . provavelmente é um vestígio
não religioso das antigas libações sacrificiais nas quais um lí-
quido sagrado era oferecido aos deuses . . . em troca de um
pedido — uma oração sintetizada nas palavras ‘vida longa’ ou
‘saúde’.”
20 É verdade que muitas pessoas talvez não vejam o brin-

de como um gesto religioso ou supersticioso. Ainda assim, o


costume de erguer as taças pode ser encarado como um pedi-
do ao “céu” — a uma força sobre-humana —, solicitando uma
bênção de um modo que não se harmoniza com a Bíblia.
— João 14:6; 16:23.2
1 Veja os três artigos sobre casamentos e reuniões sociais em A Sen-
tinela de 15 de outubro de 2006, páginas 18-31.
2 Veja A Sentinela de 15 de fevereiro de 2007, páginas 30-31.

18. Que princípios bíblicos devem orientar tanto o casal que está fa-
zendo preparativos para o casamento como os convidados?
19, 20. O que uma fonte secular diz sobre a origem do brinde, e por
que esse costume não é aceitável para os cristãos?
Celebrações que desagradam a Deus 155

“VOCÊS QUE AMAM A JEOVÁ,


ODEIEM O QUE É MAU”
21 Refletindo os padrões cada vez mais baixos do mun-
do hoje — uma tendência que Babilônia, a Grande, promo-
ve tanto direta como indiretamente —, alguns países patroci-
nam anualmente carnavais, ou seja, festas que dão destaque a
danças sensuais e que talvez até glorifiquem os estilos de vida
de gays e lésbicas. Seria apropriado que aqueles que amam a
Jeová participem de um evento desse tipo ou assistam a ele?
Se fizessem isso, será que estariam realmente refletindo ódio
pelo que é mau? (Salmo 1:1, 2; 97:10) É muito melhor imitar
a atitude do salmista que orou: “Desvia os meus olhos do que
é sem valor.” — Salmo 119:37.
22 Quando há alguma celebração do mundo, o cristão deve

cuidar para que sua conduta não dê a outros a impressão de


que está participando dela. “Quer vocês comam, quer bebam,
quer façam qualquer outra coisa”, escreveu Paulo, “façam to-
das as coisas para a glória de Deus”. (1 Coríntios 10:31; veja
o quadro “Como tomar boas decisões”, nas páginas 158-159.)
Por outro lado, se é evidente que certo costume ou celebração
não tem nenhum significado religioso, não faz parte de ne-
nhuma observância política ou patriótica e não viola nenhum
princípio bíblico, então cada cristão pode tomar sua própria
decisão quanto a se participará ou não nisso. Ao mesmo tem-
po, a pessoa deve levar em consideração os sentimentos dos
outros para não fazê-los tropeçar.

GLORIFICAR A DEUS EM PALAVRAS E AÇÕES


23 Para muitas pessoas, os dias de certas celebrações popula-
res são principalmente uma oportunidade para reunir-se com
21. Que celebrações populares os cristãos evitam mesmo que não en-
volvam práticas religiosas, e por quê?
22. Quando um cristão pode decidir segundo sua consciência se vai
participar ou não de determinada celebração?
23, 24. Como podemos dar um bom testemunho sobre os padrões
justos de Jeová?
156 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

A ADORAÇ ÃO VERDADEIRA
TRAZ GRANDE FELICIDADE
Jeová é o “Deus feliz” e deseja que seus servos
sejam felizes. (1 Timóteo 1:11) Pode-se ver isso
nos seguintes textos bíblicos:
“Quem é alegre de coração tem sempre um
banquete.” — Provérbios 15:15.
“Concluí que, para eles, não há nada melhor
do que se alegrar e fazer o bem durante a sua
vida, e também que todos comam e bebam, e
desfrutem dos resultados de todo o seu trabalho
árduo. É a dádiva de Deus.” — Eclesiastes 3:12, 13.
“O generoso tem intenções generosas, e perse-
vera em demonstrar generosidade.” — Isaías 32:8.
“Venham a mim, todos vocês que estão traba-
lhando duro e estão sobrecarregados, e eu [Jesus]
os reanimarei. Pois o meu jugo é suave e a minha
carga é leve.” — Mateus 11:28, 30.
“Vocês conhecerão a verdade, e a verdade os li-
bertará.” — João 8:32.
“[Dê] cada um conforme resolveu no coração,
não a contragosto nem por obrigação, pois Deus
ama quem dá com alegria.” — 2 Coríntios 9:7.
“O fruto do espírito é: amor, alegria, paz, . . .
bondade, benignidade.” — Gálatas 5:22.
“O fruto da luz consiste em tudo o que é bom,
justo e verdadeiro.” — Efésios 5:9.
Celebrações que desagradam a Deus 157

familiares e amigos. Por isso, se alguém presumir de modo er-


rado que nossa posição cristã é desamorosa e radical, pode-
mos de forma bondosa explicar que as Testemunhas de Jeová
gostam de reuniões saudáveis com a família e com os amigos.
(Provérbios 11:25; Eclesiastes 3:12, 13; 2 Coríntios 9:7) Nós
gostamos de nos associar com as pessoas que amamos duran-
te todo o ano, mas, visto que amamos a Deus e seus padrões
justos, não queremos contaminar essas ocasiões alegres com
costumes que desagradam a ele. — Veja o quadro “A adoração
verdadeira traz grande felicidade”, na página 156.
24 Algumas Testemunhas de Jeová têm tido bons resultados

ao responder a pessoas sinceras que nos perguntam sobre esse


assunto, mostrando-lhes pontos do capítulo 16 do livro O Que
a Bíblia Realmente Ensina?.1 Lembre-se, porém, de que nosso
objetivo é atrair a pessoa à verdade, não provar quem tem ra-
zão. Por isso, seja respeitoso e brando; e “que as suas palavras
sejam sempre agradáveis, temperadas com sal”. — Colossenses
4:6.
25 Como servos de Jeová, recebemos muita instrução. Co-

nhecemos a base de nossas crenças e sabemos por que prati-


camos determinadas coisas e evitamos outras. (Hebreus 5:14)
Portanto, pais, ensinem seus filhos a raciocinar à base de prin-
cípios bíblicos. Por fazerem isso, fortalecerão a fé que eles têm,
os ajudarão a dar respostas baseadas na Bíblia aos que questio-
nam suas crenças e os farão confiar no amor de Jeová. — Isaías
48:17, 18; 1 Pedro 3:15.
26 Todos os que adoram a Deus “com espírito e verdade”

evitam celebrações não bíblicas, mas também se esforçam em


ser honestos em todos os aspectos da vida. ( João 4:23) Muitos
hoje acham que não é prático ser honesto. Mas, como vere-
mos no próximo capítulo, o conceito de Deus é sempre o me-
lhor.
1 Publicado pelas Testemunhas de Jeová.

25, 26. Como os pais podem ajudar os filhos a desenvolver fé e amor


por Jeová?
158 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

COMO TOMAR BOAS DECISÕES


Às vezes surgem situações que testam nosso amor a Jeová e
nosso entendimento dos princípios bíblicos. Por exemplo, um cris-
tão ou uma cristã talvez seja convidado pelo próprio cônjuge des-
crente para uma refeição com parentes no dia de uma festividade
do mundo. A consciência de alguns cristãos talvez lhes permita
aceitar o convite; já outros cristãos talvez não o aceitem. Se um
cristão aceitar tal convite, ele deverá agir de uma maneira que
deixe claro que não está participando da comemoração e que sua
visita é simplesmente para uma refeição com os parentes.
Seria prudente que o cristão falasse antes com o cônjuge, expli-
cando de modo respeitoso que pode surgir uma situação emba-
raçosa caso os parentes participem em atos festivos e ele se recu-
se a fazer isso. Talvez o cônjuge descrente decida fazer a visita em
outro dia. — 1 Pedro 3:15.
E se o marido de uma cristã ainda insistir que ela o acompa-
nhe, mesmo depois de ouvir a explicação dela? Ela talvez con-
clua que como chefe da casa ele tem a responsabilidade de pro-
ver o sustento da família. (Colossenses 3:18) No caso em questão,
a refeição será na casa dos parentes dele. Na ocasião poderá até
mesmo surgir oportunidade para a esposa cristã dar um bom tes-
temunho. A comida não se torna contaminada por simplesmen-
te estar sendo servida no dia de uma comemoração do mundo.
(1 Coríntios 8:8) O cristão talvez a encare como uma refeição co-
mum e não participaria em saudações e músicas festivas, brindes
e coisas assim.
Deve-se levar também em consideração como outros serão afe-
tados caso o cristão vá a essa refeição. A esposa cristã deve levar em
conta que outros poderão tropeçar ao ficar sabendo que ela foi vi-
sitar parentes descrentes naquele dia. — 1 Coríntios 8:9; 10:23, 24.
Além disso, será que a família vai pressionar a esposa a vio-
lar princípios bíblicos? O desejo de evitar constrangimentos pode
exercer grande pressão sobre ela. Assim, seria importante que ela
pensasse com antecedência no assunto, levando todos esses fato-
Celebrações que desagradam a Deus 159

res em consideração, incluindo, é claro, a sua consciência cristã.


— Atos 24:16.

Devo aceitar bônus de Natal?


Durante a época do Natal, o patrão de um cristão talvez lhe ofe-
reça um presente ou um bônus. Deve o cristão rejeitar a oferta?
Não necessariamente. Talvez nem passe pela cabeça do patrão
que por aceitar o bônus o irmão está comemorando o Natal. Pode
ser que ele esteja simplesmente querendo compartilhar os lucros
da empresa com seus empregados. Ou o bônus pode ser uma
forma de ele mostrar gratidão pelos serviços prestados durante o
ano e um incentivo para continuarem fazendo um bom trabalho.
O empregador talvez dê presentes a todos os empregados — ju-
deus, muçulmanos e outros —, independentemente de eles co-
memorarem ou não o Natal. Sendo assim, o fato de o presente
ser dado numa época de festas do mundo ou estar associado ao
nome de determinada celebração não torna necessariamente er-
rado que uma Testemunha de Jeová o aceite.
Mesmo que o presente esteja associado a uma festividade reli-
giosa, isso não significa que aquele que dá o presente pense que
a pessoa que o recebe tenha o mesmo conceito religioso que ele.
Um colega de trabalho ou um parente talvez diga a uma Testemu-
nha de Jeová: “Sei que você não comemora essa data, mas mes-
mo assim gostaria que aceitasse este presente.” Se isso não per-
turba a consciência do cristão, ele talvez decida aceitar o presente
e agradecer sem fazer nenhuma referência à comemoração em
questão. (Atos 23:1) Talvez numa outra ocasião, quando for me-
nos provável que a pessoa fique ofendida, o cristão possa explicar
com jeito sua posição.
Mas o que dizer se ficar evidente que a pessoa que oferece o
presente tem a intenção de mostrar que o cristão não se apega às
suas crenças, ou que ele viola seus princípios quando há alguma
vantagem material? Nesse caso, com certeza é melhor não aceitar
o presente. Sem dúvida, queremos dar a Jeová Deus devoção ex-
clusiva. — Mateus 4:8-10.
C APÍTULO 14

Seja honesto em todas as coisas


“Queremos nos comportar honestamente
em todas as coisas.” — HEBREUS 13:18.

UMA mãe e seu pequeno filho saem juntos de uma loja. De


repente, o menino para; seu rosto revela espanto. Ele está se-
gurando um pequeno brinquedo que pegou na loja. O meni-
no se esqueceu de devolvê-lo à prateleira ou de pedir à sua
mãe para comprá-lo. Ele fica aflito e pede que ela o ajude. A
mãe o acalma e o leva de volta à loja para que ele possa devol-
ver o brinquedo e pedir desculpas. Quando o filho faz isso, a
mãe se sente orgulhosa e fica contente. Por quê?
2 Poucas coisas dão maior alegria aos pais do que ver que

seus filhos estão aprendendo a importância da honestida-


de. O mesmo acontece com nosso Pai celestial, o “Deus da
verdade”. (Salmo 31:5) Ao observar nosso desenvolvimen-
to espiritual, Jeová se agrada de ver que estamos nos esfor-
çando para ser honestos. Visto que queremos agradá-lo e per-
manecer no seu amor, desejamos o mesmo que o apóstolo
Paulo, que disse: “Queremos nos comportar honestamente
em todas as coisas.” (Hebreus 13:18) Vamos nos concentrar
em quatro áreas importantes da vida em que às vezes acha-
mos que ser honesto é um desafio. Depois, consideraremos
alguns benefícios da honestidade.
SER HONESTO CONSIGO MESMO
Nosso primeiro desafio é aprender a ser honestos com
3

nós mesmos. Como humanos imperfeitos, é muito fácil nos


enganarmos. Por exemplo, Jesus disse aos cristãos em Lao-
1, 2. Por que Jeová se agrada de ver nossos esforços de ser honestos? Ilustre.
3-5. (a) Como a Palavra de Deus nos avisa sobre os perigos de enganar a
nós mesmos? (b) O que nos ajudará a ser honestos com nós mesmos?
Seja honesto em todas as coisas 161

diceia que eles tinham enganado a si mesmos por acharem


que eram ricos, quando na realidade eram ‘pobres, cegos e
nus’ em sentido espiritual — de fato uma condição lastimá-
vel. (Apocalipse 3:17) Enganar a si mesmos apenas piorava
ainda mais sua situação.
4 Você talvez se lembre também do aviso do discípulo Tia-

go: “Se alguém acha que adora a Deus, mas não domina a
língua, ele está enganando seu próprio coração, e a sua ado-
ração é fútil.” (Tiago 1:26) Se acharmos que podemos usar
mal a língua e ainda assim prestar uma adoração aceitável
a Jeová, estaremos apenas enganando a nós mesmos. Nossa
adoração a Jeová seria fútil, totalmente em vão. O que pode
nos ajudar a evitar essa atitude prejudicial?
5 Nesse mesmo contexto, Tiago compara a verdade da pa-

lavra de Deus a um espelho. Ele nos aconselha a exami-


nar a perfeita lei de Deus e a fazer as mudanças necessárias.
(Leia Tiago 1:23-25.) A Bíblia pode ajudar-nos a ser hones-
tos com nós mesmos e a ver em que precisamos melhorar.
(Lamentações 3:40; Ageu 1:5) Podemos também orar a Jeová
e pedir que ele nos examine, ajudando-nos a admitir e cor-
rigir quaisquer falhas graves. (Salmo 139:23, 24) A desones-
tidade é uma fraqueza que pode nos enlaçar sem perceber-
mos. Precisamos encará-la assim como nosso Pai celestial a
encara. Provérbios 3:32 diz: “Jeová detesta a pessoa falsa, mas
tem amizade íntima com os íntegros.” Jeová pode ajudar-nos
a ter o mesmo ponto de vista que ele e a ver a nós mesmos as-
sim como ele nos vê. Lembre-se do que Paulo disse: “Que-
remos nos comportar honestamente.” Não podemos ser per-
feitos agora, mas desejamos sinceramente ser honestos e nos
esforçamos para isso.
HONESTIDADE NA FAMÍLIA
6 A honestidade deve ser uma característica importan-
te das famílias cristãs. Por isso, marido e esposa devem se
6. Por que marido e esposa precisam ser honestos um com o outro, e
que perigos eles evitam ao agir assim?
162 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

comunicar de forma honesta e franca. No casamento cris-


tão, não deve haver práticas prejudiciais e impuras, como
flertar com alguém que não seja o cônjuge, cultivar relacio-
namentos secretos pela internet ou ver qualquer tipo de por-
nografia. Alguns cristãos casados fazem essas coisas e escon-
dem isso do cônjuge. Essa é uma atitude desonesta. Veja as
palavras do fiel rei Davi: “Não tenho convivência com ho-
mens mentirosos e evito os que escondem o que são.” (Sal-
mo 26:4) Se você é casado, nunca se envolva com coisas
que poderiam tentá-lo a esconder de seu cônjuge quem você
realmente é.
7 Ao ensinar aos filhos o valor da honestidade, os pais

serão sensatos se usarem exemplos da Bíblia. Poderão citar


como maus exemplos o relato de Acã, que roubou e ten-
tou esconder o que havia feito;
o de Geazi, que mentiu para ob- Se formos honestos,
evitaremos uma conduta
ter vantagens materiais; e o de que seremos tentados
Judas, que foi um ladrão e traiu a esconder
Jesus. — Josué 6:17-19; 7:11-25;
2 Reis 5:14-16, 20-27; Mateus
26:14, 15; João 12:6.
8 Poderão citar como bons

exemplos o relato de Jacó, que


pediu que seus filhos devolves-
sem o dinheiro que encontra-
ram em suas sacolas, porque
achava que talvez tivesse sido
colocado lá por engano; o de
Jefté e sua filha, que com gran-
des sacrifícios cumpriram o voto
que ele havia feito; e o de Je-
sus, que corajosamente se iden-
7, 8. Que exemplos bíblicos podem
ajudar os filhos a aprender o valor da
honestidade?
Seja honesto em todas as coisas 163

tificou diante de uma turba violenta para cumprir profecias


e proteger seus amigos. (Gênesis 43:12; Juízes 11:30-40; João
18:3-11) Esses poucos exemplos podem dar aos pais uma
ideia das informações valiosas encontradas na Palavra de
Deus que podem ajudá-los a ensinar os filhos a amar e a va-
lorizar a honestidade.
9 Ensinar honestidade aos filhos traz uma grande respon-

sabilidade para os pais. O apóstolo Paulo perguntou: “En-


tão você, que ensina a outros, não ensina a si mesmo? Você,
que prega: ‘Não furte’, furta?” (Romanos 2:21) Alguns pais
confundem seus filhos por ensiná-los a ser honestos quando
eles mesmos agem de forma desonesta. Talvez justifiquem
pequenos roubos e mentiras dizendo: “Ah, os donos do esta-
belecimento já sabem que as pessoas pegam essas coisas” ou
“Foi apenas uma mentirinha, não tem nada de mais nisso”.
Na verdade, roubo é roubo, não importa o valor do item rou-
bado; e mentira é mentira, não importa o assunto nem o ta-
manho dela.1 (Leia Lucas 16:10.) Os filhos facilmente per-
cebem a hipocrisia dos pais e podem ser muito prejudicados
com isso. (Efésios 6:4) Mas, ao aprenderem a ser honestos
por verem o exemplo dos pais, é bem provável que, quando
se tornarem adultos, glorifiquem a Jeová neste mundo deso-
nesto. — Provérbios 22:6.
HONESTIDADE NA CONGREGAÇ ÃO
10A associação com companheiros cristãos nos dá muitas
oportunidades para demonstrar honestidade e sinceridade.
1 Na congregação, a pessoa que tem o hábito de mentir descarada-
mente e de forma maldosa — com a clara intenção de prejudicar ou-
tros — pode ser submetida a uma ação judicativa por parte dos an-
ciãos.

9. O que os pais devem evitar se quiserem dar bom exemplo aos fi-
lhos na questão da honestidade, e por que esse exemplo é importante?
10. Com respeito à comunicação franca entre companheiros de ado-
ração, que cuidados devemos ter?
164 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

MENTIRAS SATÂNICAS SOBRE


PECADOS GRAVES
Quando se trata de pecados graves, Satanás gos-
taria muito que você acreditasse em algumas men-
tiras que são perigosas. Felizmente, os cristãos não
desconhecem as “artimanhas” do Diabo. (Efésios
6:11) Vejamos três dessas mentiras.
“Podemos esconder nossos pecados.” Na verda-
de, Jeová vê tudo o que fazemos. “Todas as coisas es-
tão nuas e abertamente expostas aos olhos daquele
a quem temos de prestar contas.” (Hebreus 4:13) Se
Jeová conhece os fatos e nós temos de prestar con-
tas a ele pelo que fazemos, por que aumentar nossa
culpa por tentar esconder dos seus servos humanos
um pecado grave? — Veja também 2 Samuel 12:12.
“Os anciãos não são confiáveis, então não con-
te nada a eles.” O perverso rei Acabe se dirigiu
a Elias da seguinte forma: “Meu inimigo.” (1 Reis
21:20) Visto que Elias era profeta de Jeová em Israel,
Acabe poderia ter sido ajudado por ele e obtido o
perdão. Na congregação cristã, Jesus provê “dádivas
em homens”, os anciãos. (Efésios 4:8) Embora im-
perfeitos, os anciãos “vigiam sobre” nós, isto é, cui-
dam de nosso bem-estar espiritual. (Hebreus 13:17)
Eles não são nossos inimigos, mas sim o meio que
Jeová usa para nos ajudar.
“Você estará protegendo um amigo se ajudá-lo
a esconder seus pecados.” A verdade é que nós es-
taríamos prejudicando muito o pecador se o ajudás-
semos a esconder seus pecados. Cometer pecados
graves é sinal de que a pessoa está espiritualmente
doente; ocultar esses pecados é como esconder de
um médico qualificado os sintomas de uma doença
grave. (Tiago 5:14, 15) O transgressor talvez tenha
Seja honesto em todas as coisas 165

medo de ser disciplinado, mas a disciplina é uma


expressão do amor de Jeová e pode até mesmo sal-
var a vida dele. (Provérbios 3:12; 4:13) Além disso, o
pecador que não mostra arrependimento pode re-
presentar um verdadeiro perigo para outros na con-
gregação. Você gostaria de contribuir para que ou-
tros sejam afetados pela atitude errada que levou
o transgressor ao pecado? (Levítico 5:1; 1 Timóteo
5:22) Portanto, faça o necessário para que o peca-
dor leve o assunto aos anciãos da congregação.

Conforme aprendemos no Capítulo 12, devemos estar aten-


tos a como usamos o dom da fala, em especial com nossos
irmãos espirituais. Conversas informais podem facilmente
virar tagarelice e até mesmo calúnia. Se passamos adiante
algo do qual não temos certeza, talvez estejamos contribuin-
do para espalhar uma mentira. Sendo assim, é muito melhor
controlar a língua. (Provérbios 10:19) Por outro lado, talvez
tenhamos certeza de que algo é verdade, mas isso não signi-
fica que deva ser passado adiante. Por exemplo, talvez o as-
sunto não nos diga respeito ou pode ser indelicado de nossa
parte falar sobre ele. (1 Tessalonicenses 4:11) Algumas pes-
soas falam de modo grosseiro e justificam isso por dizer que
estão sendo francas e honestas, mas nós devemos ser sempre
gentis e falar de modo bondoso. — Leia Colossenses 4:6.
11 É importante ser honesto em especial com os que to-

mam a dianteira na congregação. Alguns que se envol-


vem em sérias transgressões pioram o problema por ten-
tar esconder o pecado e por mentir quando os anciãos lhes
perguntam algo sobre o assunto. Até mesmo passam a levar
11, 12. (a) De que modo alguns que se envolvem em sérias transgres-
sões pioram a situação? (b) Quais são algumas mentiras que Satanás
promove com respeito a pecados graves, e como podemos rejeitá-las?
(c) Como podemos ser honestos com a organização de Jeová?
166 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

uma vida dupla, fingindo servir a Jeová e ao mesmo tem-


po praticando pecados graves. Na verdade, esse proceder faz
com que toda a vida da pessoa seja uma mentira. (Salmo
12:2) Outros contam aos anciãos apenas meias-verdades es-
condendo os fatos mais importantes. (Atos 5:1-11) Essa atitu-
de desonesta em geral acontece por se acreditar nas mentiras
que Satanás promove. — Veja o quadro “Mentiras satânicas
sobre pecados graves”, nas páginas 164-165.
12 É também importante sermos honestos com a organiza-

ção de Jeová ao fornecermos dados e informações por escri-


to. Por exemplo, ao relatar nossas atividades no ministério,
devemos sempre fornecer dados exatos. Da mesma forma,
ao preenchermos uma petição para algum privilégio de ser-
viço, nunca devemos mentir sobre nossa real condição de
saúde ou sobre qualquer outro aspecto de nossa vida e de
nosso serviço a Deus. — Leia Provérbios 6:16-19.
13 Ser honesto com os companheiros de adoração tam-

bém se aplica aos negócios. Às vezes, alguns irmãos passam a


ter tratos comerciais entre si. Eles devem tomar cuidado para
não misturar assuntos de negócio com a adoração que pres-
tam no Salão do Reino e no ministério. A relação comercial
talvez seja a de patrão e empregado. Se tivermos irmãos cris-
tãos como empregados, devemos tratá-los de forma honesta,
pagando seu salário em dia, no valor combinado e com to-
dos os benefícios que foram previamente acertados ou que
são exigidos por lei. (1 Timóteo 5:18; Tiago 5:1-4) Por outro
lado, se trabalhamos para um irmão, devemos prestar um
pleno dia de serviço. (2 Tessalonicenses 3:10) Não espera-
mos receber tratamento diferenciado pelo fato de sermos ir-
mãos espirituais, como se nosso patrão fosse obrigado a nos
dar folga, benefícios e outras vantagens que os outros em-
pregados não têm. — Efésios 6:5-8.
13. Como podemos ser honestos se tivermos tratos comerciais com
um irmão?
Seja honesto em todas as coisas 167

SOU SEMPRE HONESTO?


Princípio: “Ó Jeová, quem pode ser hóspede
na tua tenda? . . . Aquele que anda de modo
íntegro, que faz o que é certo e que fala a
verdade no coração.” — Salmo 15:1, 2.
Pergunte-se:
ˇ Por que é importante sempre falar a verdade?
— Provérbios 6:16, 17.
ˇ Como posso ‘abandonar a mentira’ ao fazer exa-
mes escolares ou ao preencher formulários exigidos
pelo governo, como declaração de imposto de renda
ou outros? — Efésios 4:25; Isaías 28:15; Mateus
22:17-21; Romanos 13:1-7.
ˇ Se sou um empregado honesto, como isso deve
influenciar meu modo de falar e de agir? — Provér-
bios 11:1; Efésios 4:28; Colossenses 3:9, 10.
ˇ Se eu passar a amar o dinheiro, como isso poderá
enfraquecer minha determinação de ser honesto?
— Salmo 37:21; 1 Timóteo 6:9, 10.
168 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

14 O que dizer de um empreendimento comercial que


envolva um irmão, como um investimento ou um emprés-
timo? A Bíblia nos dá um princípio prático e importante:
pôr tudo por escrito. Por exemplo, quando Jeremias com-
prou um terreno, ele fez um documento em duas vias, con-
firmado por testemunhas, e o deixou devidamente guar-
dado. ( Jeremias 32:9-12; veja também Gênesis 23:16-20.)
Ao fazer negócios com irmãos, não significa que haja des-
confiança quando se elabora um documento detalhado e
se providencia que seja assinado pelas partes envolvidas e
por testemunhas. Ao contrário, isso ajuda a evitar mal-en-
tendidos, desapontamentos e até mesmo desentendimen-
tos que podem causar divisões. Todos os cristãos que têm
negócios com irmãos devem ter em mente que não vale a
pena pôr em risco a união e a paz da congregação por cau-
sa de algum empreendimento comercial.1 — 1 Coríntios
6:1-8.
HONESTIDADE COM OS DE FORA
DA CONGREGAÇ ÃO
15 O cristão não deve ser honesto só na congregação. Pau-

lo disse: “Queremos nos comportar honestamente em to-


das as coisas.” (Hebreus 13:18) Quando se trata de transa-
ções comerciais com pessoas de fora da congregação, nosso
Criador também deseja que sejamos honestos. Só no livro
de Provérbios há quatro referências a balanças desonestas.
(Provérbios 11:1; 20:10, 23) Nos tempos antigos, era co-
mum usar balanças e pesos nas transações comerciais para
pesar os itens comprados e o dinheiro usado no pagamen-
1 Para saber o que fazer caso um empreendimento comercial dê er-
rado, veja o Apêndice, páginas 222-223.

14. Ao fazer algum empreendimento comercial com um irmão, é sen-


sato tomar que cuidados, e por quê?
15. Qual é o conceito de Jeová sobre práticas comerciais desonestas, e
como os cristãos encaram essas práticas consideradas comuns?
Seja honesto em todas as coisas 169

to. Comerciantes desonestos usavam dois tipos de peso e


uma balança inexata para enganar e trapacear os fregue-
ses.1 Jeová odeia essas práticas! Para permanecermos no seu
amor, devemos rejeitar por completo toda e qualquer práti-
ca comercial desonesta.
16 Visto que Satanás é o governante deste mundo, não fi-

camos surpresos de ver que há desonestidade em toda a par-


te. Diariamente talvez passemos por situações que podem
testar nossa honestidade. Quando as pessoas fazem um cur-
rículo para se candidatar a um emprego, costumam men-
tir e exagerar, mencionando falsas qualificações e experiên-
cia profissional que não têm. Ao preencher formulários de
imigração, declarar impostos, fazer seguros e assim por dian-
te, é comum as pessoas fornecerem dados falsos para con-
seguir o que querem. Muitos alunos colam nas provas ou,
quando têm de fazer uma redação ou outro trabalho escolar,
acessam a internet, copiam o que encontram e apresentam
o trabalho de outra pessoa como se fosse o seu. E quando as
pessoas lidam com funcionários corruptos, é comum ofere-
cerem suborno para conseguir o que querem. É de esperar
que essas coisas aconteçam num mundo em que muitos ‘só
amam a si mesmos, amam o dinheiro e não têm amor ao
que é bom’. — 2 Timóteo 3:1-5.
17 Os cristãos verdadeiros estão decididos a não se en-

volver em nenhuma dessas práticas. No mundo de hoje,


os que são desonestos parecem conseguir certas vantagens e
ser bem-sucedidos. Às vezes, isso torna a honestidade um
desafio. (Salmo 73:1-8) Ao mesmo tempo, os cristãos talvez
1 Os comerciantes usavam um tipo de peso para comprar e outro
para vender, sempre favorecendo o lado deles. Também costumavam
usar balanças com um braço maior ou mais pesado do que o outro
para fraudar o comprador em todas as transações comerciais.

16, 17. Que formas de desonestidade são comuns no mundo de hoje,


e como os cristãos verdadeiros estão decididos a agir?
170 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

tenham problemas financeiros porque desejam ser honestos


“em todas as coisas”. Será que os sacrifícios envolvidos va-
lem a pena? Certamente que sim! Mas por quê? Que benefí-
cios podemos ter por sermos honestos?
OS BENEFÍCIOS DE SER HONESTO
18 Poucas coisas na vida têm maior valor do que a re-
putação de ser alguém honesto e confiável. (Veja o qua-
dro “Sou sempre honesto?”, na página 167.) E pense nisto:
qualquer pessoa pode ter essa reputação. Isso não depen-
de de habilidades, riquezas, aparência, classe social ou qual-
quer outro fator além do seu controle. Mesmo assim, muitos
não têm este tesouro: uma boa reputação — algo muito raro.
(Miqueias 7:2) Alguns talvez critiquem você por ser hones-
to, mas outros apreciarão sua honestidade e por causa disso
confiarão em você e o respeitarão. Muitas Testemunhas de
Jeová até mesmo foram beneficiadas financeiramente por
serem honestas. Conseguiram continuar no emprego quan-
do funcionários desonestos foram demitidos, ou consegui-
ram arrumar empregos quando os patrões estavam precisan-
do muito de pessoas honestas.
19 Quer isso aconteça com você, quer não, descobrirá que

a honestidade traz benefícios ainda maiores. Você terá uma


consciência limpa. Paulo escreveu: “Estamos certos de que
temos uma boa consciência.” (Hebreus 13:18) Além disso,
sua honestidade nunca passará despercebida de nosso amo-
roso Pai celestial, e ele ama as pessoas honestas. (Leia Salmo
15:1, 2; Provérbios 22:1.) Ser honesto o ajudará a permane-
cer no amor de Deus, e essa é a maior recompensa que al-
guém pode ter. No próximo capítulo vamos examinar um
assunto relacionado com a honestidade: o conceito de Jeová
sobre o trabalho.
18. Por que a reputação de ser honesto é de grande valor?
19. Como a honestidade afeta nossa consciência e nossa relação com
Jeová?
C APÍTULO 15

Desfrute dos resultados


do seu trabalho árduo
“Desfrutem dos resultados de todo o seu trabalho
árduo.” — ECLESIASTES 3:13.

PARA muitos no mundo de hoje, o trabalho é tudo me-


nos agradável. Tendo que gastar muitas horas num empre-
go de que não gostam, eles detestam a ideia de ir trabalhar
todo dia. Com uma atitude assim, como as pessoas podem
se sentir motivadas a se interessar por seu trabalho e, mais
do que isso, a ter satisfação no seu serviço?
2 A Bíblia nos incentiva a ter um conceito positivo sobre

o trabalho árduo. Ela diz que o trabalho e o que se consegue


realizar com ele são uma bênção. Salomão escreveu: “Que
todos comam e bebam, e desfrutem dos resultados de todo
o seu trabalho árduo. É a dádiva de Deus.” (Eclesiastes 3:13)
Jeová, que nos ama e sempre deseja o melhor para nós, quer
que tenhamos satisfação no nosso trabalho e que nos ale-
gremos com os resultados do nosso serviço. Para permane-
cermos no amor de Deus, precisamos viver em harmonia
com seu conceito e seus princípios sobre o trabalho. — Leia
Eclesiastes 2:24; 5:18.
3 Neste capítulo consideraremos quatro perguntas: Como

podemos desfrutar dos resultados de nosso trabalho ár-


duo? Que tipos de serviço não são adequados para os cris-
tãos verdadeiros? Como podemos equilibrar o trabalho se-
cular com as atividades espirituais? E qual é o trabalho mais
1-3. (a) O que muitas pessoas acham do trabalho? (b) A Bíblia nos
incentiva a ter que conceito sobre o trabalho, e que perguntas consi-
deraremos neste capítulo?
172 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

importante que podemos fazer? Antes, porém, vejamos o


exemplo dado pelos dois maiores trabalhadores do Univer-
so — Jeová Deus e Jesus Cristo.
O TRABALHADOR SUPREMO E
O MESTRE DE OBRAS
4 Jeová é o Trabalhador Supremo. Gênesis 1:1 diz: “No

princípio Deus criou os céus e a terra.” Quando Deus ter-


minou de criar a Terra e tudo que há nela, ele disse que o
resultado era “muito bom”. (Gênesis 1:31) Em outras pala-
vras, ele estava plenamente satisfeito com todo o seu tra-
balho relacionado com a Terra. Jeová, o “Deus feliz”, sem
dúvida sentiu grande alegria por ser um trabalhador produ-
tivo. — 1 Timóteo 1:11.
5 Nosso Deus laborioso nunca para de trabalhar. Muito

depois do término da criação física relacionada com a Ter-


ra, Jesus disse: “Meu Pai está trabalhando até agora.” ( João
5:17) O que o Pai tem feito? Desde o céu, ele com certe-
za continua ativo em orientar e cuidar da humanidade. Ele
trouxe à existência “uma nova criação”, cristãos ungidos
pelo espírito que por fim reinarão com Jesus no céu. (2 Co-
ríntios 5:17) Ele está trabalhando para cumprir seu propó-
sito para com a humanidade — dar vida eterna aos que o
amam, num novo mundo. (Romanos 6:23) Jeová deve estar
muito satisfeito com os resultados desse trabalho. Milhões
de pessoas são atraídas por Deus e aceitam a mensagem do
Reino, fazendo ajustes em sua vida para permanecer no seu
amor. — João 6:44.
6 Jesus tem um longo histórico de trabalho diligente. An-

tes de vir à Terra como humano, ele serviu como “trabalha-


dor perito” de Deus na criação de todas as coisas “nos céus
e na terra”. (Provérbios 8:22-31; Colossenses 1:15-17) Quan-
4, 5. Como a Bíblia mostra que Jeová é um trabalhador produtivo?
6, 7. Que longo histórico de trabalho diligente Jesus tem?
Desfrute dos resultados do seu trabalho árduo 173

do veio à Terra, Jesus continuou trabalhando arduamente.


Ele aprendeu o ofício de construção quando era bem jo-
vem, vindo a ser conhecido como “o carpinteiro”.1 (Marcos
6:3) Esse serviço envolvia trabalho árduo e várias habilida-
des — principalmente porque não havia serrarias, depósitos
de materiais nem ferramentas elétricas. Consegue imaginar
Jesus saindo para procurar madeira — talvez até mesmo cor-
tando árvores e levando a madeira para o local onde es-
tava trabalhando? Consegue imaginá-lo construindo casas
— preparando e instalando as vigas do telhado, fazendo as
portas e até mesmo fabricando alguns móveis? Jesus sem
dúvida sentiu a satisfação que resulta de um trabalho árduo
e bem feito.
7 Jesus se destacou por trabalhar de forma diligente no

seu ministério. Por três anos e meio, ele se ocupou intensa-


mente com essa obra toda importante. Por querer alcançar
o maior número possível de pessoas, ele aproveitava bem o
dia, levantando cedo e trabalhando até tarde. (Lucas 21:37,
38; João 3:2) Ele ia “de cidade em cidade e de aldeia em
aldeia, pregando e declarando as boas novas do Reino de
Deus”. (Lucas 8:1) Jesus viajou literalmente centenas de qui-
lômetros, andando a pé por estradas poeirentas para levar às
pessoas a mensagem das boas novas.
8 Será que Jesus desfrutou dos resultados de seu traba-

lho árduo no ministério? Certamente que sim! Ele semeou


as verdades do Reino, deixando os campos prontos para a
colheita. Participar na obra de Deus fortalecia e sustenta-
va a Jesus de tal modo que ele estava disposto a privar-
se de alimento a fim de realizá-la. ( João 4:31-38) Imagine a
1 A palavra grega traduzida “carpinteiro” é considerada “um termo
abrangente que descreve alguém que trabalhava com madeira, quer
trabalhasse na construção de casas, quer na fabricação de móveis ou
de qualquer outro tipo de objeto de madeira”.

8, 9. Como Jesus desfrutou dos resultados de seu trabalho árduo?


174 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

satisfação que ele deve ter sentido quando, no fim de seu mi-
nistério terrestre, pôde dizer a seu Pai: “Eu te glorifiquei na
terra e terminei a obra que me deste para fazer.” — João 17:4.
9 Com certeza Jeová e Jesus são os maiores exemplos dos

que desfrutam dos resultados de seu trabalho árduo. Nosso


amor a Jeová nos motiva a nos tornar “imitadores de Deus”.
(Efésios 5:1) Nosso amor por Jesus nos move a ‘seguir fiel-
mente os seus passos’. (1 Pedro 2:21) Assim, vejamos ago-
ra como nós também podemos desfrutar dos resultados de
nosso trabalho árduo.
COMO DESFRUTAR DOS RESULTADOS
DE NOSSO TRABALHO ÁRDUO
10 O trabalho faz parte da vida dos cristãos verdadeiros.

Queremos que ele nos dê satisfação e contentamento, mas


isso pode ser bem difícil se tivermos um emprego de que
não gostamos. Como é possível desfrutar dos resultados de
nosso trabalho se estivermos nessa situação?
11 Por termos uma atitude positiva. Nem sempre podemos

mudar nossa situação, mas podemos mudar nossa atitude.


Meditar em como Deus vê as coisas pode ajudar-nos a enca-
rar o trabalho de forma positiva. Por exemplo, se você for
chefe de família, lembre-se de que seu emprego, não im-
porta quão humilde possa parecer, lhe permite sustentar a
família. Prover o sustento das pessoas que você ama não é
algo de pouca importância aos olhos de Deus. Sua Palavra
diz que quem deixa de sustentar a família “é pior do que al-
guém sem fé”. (1 Timóteo 5:8) Reconhecer que seu traba-
lho é um meio para alcançar um fim — tornar possível cum-
prir uma responsabilidade dada por Deus — pode ajudá-lo a
ter certa medida de realização e objetivo no trabalho, o que
seus colegas talvez não tenham.
10, 11. O que pode nos ajudar a encarar nosso trabalho de forma po-
sitiva?
Aplicar princípios bíblicos pode ajudá-lo a desfrutar
dos resultados do seu trabalho árduo

12 Por sermos diligentes e honestos. Podemos ser muito be-


neficiados por trabalhar arduamente e aprender a executar
bem nosso trabalho. Os patrões em geral valorizam traba-
lhadores diligentes e habilidosos. (Provérbios 12:24; 22:29)
Como cristãos verdadeiros, precisamos também ser hones-
tos no nosso trabalho — não roubando dinheiro, materiais
ou tempo do nosso empregador. (Efésios 4:28) Como vi-
mos no capítulo anterior, a honestidade é recompensadora.
O empregado que tem a reputação de ser honesto em geral
12. De que modo somos beneficiados por ser diligentes e honestos
no nosso trabalho?
176 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

tem a confiança do patrão. Quer nosso empregador note


nosso exemplo como bom trabalhador, quer não, podemos
sentir satisfação por ter “uma boa consciência” e saber que
estamos agradando o Deus que amamos. — Hebreus 13:18;
Colossenses 3:22-24.
13 Por nos lembrar de que nossa conduta pode dar glória a

Deus. Quando mantemos uma excelente conduta cristã no


local de trabalho, com certeza outras pessoas notarão isso.
Com que resultado? Podemos ‘adornar o ensinamento do
nosso Salvador, Deus’. (Tito 2:9, 10) E de fato é assim, nos-
sa conduta excelente pode fazer com que outros admirem
nosso modo de adoração e se sintam mais atraídos a ele.
Pense em como você se sentiria se um colega aceitasse a ver-
dade por causa do seu bom exemplo no local de trabalho.
Mais importante ainda, o que poderia resultar em maior sa-
tisfação do que saber que sua boa conduta glorifica a Jeová
e alegra Seu coração? — Leia Provérbios 27:11; 1 Pedro
2:12.
USE DE DISCERNIMENTO
AO ESCOLHER UM EMPREGO
14 A Palavra de Deus não entra em detalhes sobre que tipo

de emprego é aceitável ou não. Isso não significa que pode-


mos aceitar todo e qualquer tipo de trabalho, não impor-
tando o que esteja envolvido nele. A Bíblia pode ajudar-nos
a escolher trabalho honesto e produtivo que seja aceitável a
Deus. Também, por seguir princípios bíblicos, não aceitare-
mos um emprego que desagrade a Deus. (Provérbios 2:6) Ao
tomarmos decisões sobre emprego, há duas perguntas im-
portantes a considerar.
15 Será que o serviço em si envolve fazer algo condenado

pela Bíblia? A Palavra de Deus condena claramente o roubo,


13. O que pode resultar do nosso bom exemplo no local de trabalho?
14-16. Ao tomarmos decisões sobre emprego, que perguntas impor-
tantes devemos considerar?
Desfrute dos resultados do seu trabalho árduo 177

DEVO ACEITAR ESSE EMPREGO?


Princípio: “Façam todas as coisas para a glória
de Deus.” — 1 Coríntios 10:31.
Pergunte-se:
ˇ Ser que o serviço envolve práticas que são dire-
tamente condenadas na Palavra de Deus? — Êxodo
20:13-15.
ˇ Ser que por fazer esse serviço eu estaria partici-
pando indiretamente de uma prática condenada pela
Bíblia? — Apocalipse 18:4.
ˇ Ser que o trabalho é simplesmente um serviço pres-
tado ao público, que em si mesmo não é
condenado pela Bíblia? — Atos 14:16, 17.
ˇ Como esse trabalho afeta-
rá outros — prejudicará a
consciência deles? — Ro-
manos 14:19-22.
ˇ Se eu aceitar um empre-
go em outro país e deixar
minha família sozinha,
como isso pode afetá-la em
sentido emocional e espiri-
tual? — Efésios 5:28–6:4.

a mentira e a fabricação de ídolos. (Êxodo 20:4; Atos 15:29;


Efésios 4:28; Apocalipse 21:8) Rejeitaremos qualquer empre-
go que exija que façamos essas coisas. Nosso amor a Jeová ja-
mais nos permitirá aceitar um trabalho que envolva práticas
que violam os mandamentos de Deus. — Leia 1 João 5:3.
16 Será que por fazer determinado serviço estaremos in-

centivando uma prática errada ou participando dela? Veja


um exemplo. Trabalhar como recepcionista não é errado.
178 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

Que dizer, porém, se um cristão receber uma oferta para


fazer esse serviço numa clínica de abortos? É verdade que
o trabalho não exigiria que ele ajudasse diretamente a fa-
zer abortos. Mesmo assim, não concorda que o serviço esta-
ria contribuindo para o funcionamento de uma clínica cujo
objetivo é realizar abortos — uma prática condenada na Pa-
lavra de Deus? (Êxodo 21:22-24) Visto que amamos a Jeová,
não queremos ter ligação com nada relacionado a práticas
antibíblicas.
17 Muitas questões relacionadas com emprego podem ser

resolvidas por analisarmos com atenção as respostas às duas


importantes perguntas que se encontram nos parágrafos 15
e 16. Além disso, há outros fatores que devemos conside-
17. (a) Que fatores podemos considerar ao tomar decisões sobre em-
prego? (Veja o quadro na página 177.) (b) Como nossa consciência
pode nos ajudar a tomar decisões que agradam a Deus?

Podemos mostrar que amamos a Jeová por dar


prioridade à obra de pregação
Desfrute dos resultados do seu trabalho árduo 179

rar ao tomar decisões sobre emprego.1 Não devemos esperar


que o escravo fiel estabeleça regras para cada situação que
possa surgir. É aí que entra a necessidade de termos discer-
nimento. Como vimos no Capítulo 2, precisamos treinar a
consciência por aprender a aplicar a Palavra de Deus na nos-
sa vida diária. Se nossa “capacidade de discernimento” for
treinada “pelo uso”, nossa consciência poderá nos ajudar a
tomar decisões que agradam a Deus e nos permitem perma-
necer no Seu amor. — Hebreus 5:14.
TENHA UM CONCEITO EQUILIBRADO
SOBRE O TRABALHO
18 Manter o equilíbrio espiritual não é fácil nestes “últi-

mos dias”, pois vivemos em “tempos críticos, difíceis de


suportar”. (2 Timóteo 3:1) Encontrar um emprego e con-
tinuar nele pode ser um grande desafio. Como cristãos ver-
dadeiros, sabemos da importância de trabalhar de modo di-
ligente para sustentar a família. Mas, se não tomarmos
cuidado, as pressões no local de trabalho ou o contagio-
so modo de pensar materialista do mundo podem interfe-
rir em nossos objetivos espirituais. (1 Timóteo 6:9, 10) Veja-
mos como podemos manter o equilíbrio por nos certificar
das “coisas mais importantes”. — Filipenses 1:10.
19 Confie plenamente em Jeová. (Leia Provérbios 3:5, 6.)

Não concorda que Jeová merece nossa confiança? Afinal,


ele cuida de nós. (1 Pedro 5:7) Ele conhece nossas neces-
sidades melhor do que nós mesmos, e sua mão não é
curta. (Salmo 37:25) Por isso devemos acatar este lembrete
1 Para uma análise detalhada dos fatores relacionados a emprego,
veja A Sentinela de 15 de abril de 1999, páginas 28-30, e de 15 de ja-
neiro de 1983, página 26.

18. Por que não é fácil manter o equilíbrio espiritual?


19. Por que Jeová merece nossa plena confiança, e o que essa con-
fiança nos ajuda a evitar?
180 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

“MINHA DECISÃO RESULTOU NUMA


VIDA FELIZ E SATISFATÓRIA”
“Eu me destacava nos estudos e ganhei uma bolsa
para estudar numa escola particular de renome na ci-
dade de Nova York. Meus orientadores educacionais
me pressionaram a prestar vestibular para várias uni-
versidades de prestígio. Passei em algumas provas e
até mesmo ganhei uma bolsa de estudos para estu-
dar em uma das universidades mais conceituadas dos
Estados Unidos. Mas rejeitei a oportunidade por dois
motivos: eu sabia dos perigos morais de viver num
campus universitário, longe de casa, e queria muito
servir como pioneira.
“Já faz mais de 20 anos que sirvo como pioneira re-
gular. Eu me mantenho ocupada em várias facetas do
ministério — servindo onde a necessidade é maior,
ajudando na construção de Salões do Reino e pres-
tando ajuda humanitária quando há desastres natu-
rais. Atualmente, tenho a alegria de servir em um
grupo de língua estrangeira na cidade de Nova York.
“Refletindo em minha carreira no serviço de tem-
po integral, vejo quanto tenho sido abençoada. Mi-
nha vida é feliz e satisfatória por ter tomado essa de-
cisão. Não trocaria os momentos que tenho vivido e
as amizades que tenho feito por nada neste mundo.”
— Zenaida.

encontrado na sua Palavra: “Que o seu modo de vida seja li-


vre do amor ao dinheiro; fiquem satisfeitos com as coisas
que têm. Pois [Deus] disse: ‘Eu nunca deixarei você e nunca
o abandonarei.’ ” (Hebreus 13:5) Muitos que estão no ser-
viço de tempo integral podem comprovar que Deus é ca-
paz de prover as necessidades básicas da vida. Se confiarmos
plenamente que Jeová cuidará de nós, evitaremos ficar in-
Desfrute dos resultados do seu trabalho árduo 181

devidamente preocupados com o sustento da família. (Ma-


teus 6:25-32) Não permitiremos que o trabalho secular nos
faça negligenciar as atividades espirituais, como pregar as
boas novas e assistir às reuniões. — Mateus 24:14; Hebreus
10:24, 25.
20 Mantenha o olho focado. (Leia Mateus 6:22, 23.) Ter

o olho focado significa manter a vida simples. O olho do


cristão se concentra num único objetivo — fazer a vontade
de Deus. Se nosso olho tiver esse foco, não ficaremos ob-
cecados para ter um emprego de ótimo salário e um esti-
lo de vida sofisticado. Nem ficaremos envolvidos na busca
incessante pelo que há de melhor e mais moderno, sendo
levados pelas propagandas a acreditar que precisamos des-
sas coisas para ser felizes. Como você pode manter o olho
focado? Evite se sobrecarregar com dívidas desnecessárias.
Não complique sua vida por possuir uma infinidade de coi-
sas que exigem muito tempo e atenção. Acate o conselho da
Bíblia de estar contente por ter “o que comer e o que vestir”.
(1 Timóteo 6:8) Tente simplificar a vida o máximo possível.
21 Estabeleça prioridades espirituais e apegue-se a elas. Vis-

to que nosso tempo e energia são limitados, precisamos es-


tabelecer prioridades na vida. Caso contrário, poderíamos
desperdiçar nosso tempo precioso com coisas menos im-
portantes, deixando de lado as mais importantes. O que
deve vir em primeiro lugar em nossa vida? Muitas pessoas
no mundo dão prioridade a obter uma educação superior
visando uma carreira lucrativa neste sistema. Jesus, porém,
incentivou seus seguidores a ‘persistir em buscar primeiro
o Reino’. (Mateus 6:33) Assim, como cristãos verdadeiros,
damos prioridade na vida ao Reino de Deus. Nosso modo
de vida — as escolhas que fazemos, os alvos que estabelece-
mos e as atividades em que nos empenhamos — deve deixar
20. O que significa manter o olho em foco, e como se consegue isso?
21. Por que precisamos estabelecer prioridades, e o que deve vir em
primeiro lugar em nossa vida?
182 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

claro que os interesses do Reino e a vontade de Deus são


mais importantes para nós do que a preocupação com coi-
sas materiais e empenhos seculares.
SEJA DILIGENTE NO MINISTÉRIO
22 Sabemos que estamos bem avançados no tempo do
fim, por isso concentramos nossos esforços na obra prin-
cipal dos cristãos verdadeiros — pregar e fazer discípu-
los. (Mateus 24:14; 28:19, 20) Queremos estar plenamente
ocupados com essa obra que salva vidas, assim como nos-
so Exemplo, Jesus. Como podemos mostrar que essa obra é
importante para nós? A maioria do povo de Deus dedica-
se de pleno coração à obra de pregação como publicadores.
Alguns organizam seus assuntos pessoais para poder servir
como pioneiros ou missionários. Sabendo da importância
de alvos espirituais, muitos pais incentivam seus filhos a en-
trar no serviço de tempo integral. Será que os zelosos pro-
clamadores do Reino desfrutam dos resultados do seu tra-
balho árduo no ministério? Sem dúvida que sim! Servir a
Jeová de toda a alma com certeza resulta em uma vida feliz e
satisfatória e em muitas bênçãos. — Leia Provérbios 10:22.
23 Muitos de nós precisamos trabalhar longas horas para

sustentar a família. Lembre-se de que Jeová quer que des-


frutemos dos resultados do nosso trabalho árduo. Por har-
monizar nossos pensamentos e ações com os conceitos e os
princípios de Deus, podemos ter satisfação no trabalho. Es-
tejamos, porém, determinados a nunca permitir que o ser-
viço secular nos desvie da nossa obra principal: declarar as
boas novas do Reino de Deus. Por dar prioridade a essa
obra, mostramos que amamos a Jeová e assim permanece-
mos no seu amor.
22, 23. (a) Qual é a obra principal dos cristãos verdadeiros, e como
podemos mostrar que essa obra é importante para nós? (Veja o qua-
dro na página 180.) (b) Com respeito ao serviço secular, o que você
está determinado a fazer?
C APÍTULO 16

Oponha-se ao Diabo e
às suas artimanhas
“Oponham-se ao Diabo, e ele fugirá.” — TIAGO 4:7.

SE VOCÊ serve a Jeová já por muitos anos, é provável que


tenha assistido a um grande número de discursos de batis-
mo em nossas assembleias e congressos. Mas, não importa
quantas vezes você tenha estado presente a essas ocasiões,
provavelmente ainda se emociona quando vê os batizandos
nos primeiros assentos se levantar e se apresentar para o ba-
tismo. Nesse momento, um clima de emoção enche o am-
biente e seguem-se entusiásticos aplausos. Seus olhos talvez
se encham de lágrimas ao ver mais um grupo de pessoas pre-
ciosas para Jeová decididas a tomar o lado dele. Essas oca-
siões nos dão muita alegria.
2 Embora talvez presenciemos batismos algumas vezes

por ano, os anjos têm o privilégio de observá-los com muito


mais frequência. Consegue imaginar como deve haver “ale-
gria no céu” quando eles veem milhares de pessoas do mun-
do inteiro ser acrescentadas à parte visível da organização de
Jeová toda semana? (Lucas 15:7, 10) Sem dúvida, os anjos fi-
cam muito felizes de observar esse aumento! — Ageu 2:7.
O DIABO “ANDA EM VOLTA
COMO UM LEÃO QUE RUGE”
3 Em nítido contraste, porém, há criaturas espirituais que

assistem com fúria a esses batismos. Satanás e seus demô-


nios ficam cheios de ira ao ver milhares de pessoas voltar
1, 2. Para quem os batismos são ocasiões alegres?
3. Por que Satanás anda em volta “como um leão que ruge”, e o que
ele deseja fazer?
184 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

as costas para este mundo corrupto. Afinal, ele alegou que


nenhum humano serviria a Jeová por amor genuíno e que
ninguém permaneceria fiel ao sofrer duras provas. (Leia Jó
2:4, 5.) Toda vez que uma pessoa toma a decisão de dedicar-
se a Jeová, fica comprovado que Satanás está errado. É como
se Satanás recebesse toda semana milhares de bofetadas.
Não é de admirar que ele ‘ande em volta como um leão que
ruge, procurando a quem devorar’! (1 Pedro 5:8) Esse “leão”
deseja nos devorar em sentido espiritual, fazendo com que
prejudiquemos ou até mesmo percamos nossa relação com
Deus. — Salmo 7:1, 2; 2 Timóteo 3:12.
4 Embora enfrentemos um adversário feroz, não temos

motivos para ficar com medo. Por que não? Porque Jeová li-
4, 5. (a) De que duas maneiras importantes Jeová limitou a esfera
de ação de Satanás? (b) Que certeza o cristão verdadeiro pode ter?

Toda vez que alguém se dedica a Jeová e é batizado,


fica comprovado que Satanás está errado
Oponha-se ao Diabo e às suas artimanhas 185

mitou a esfera de ação desse “leão que ruge” de duas ma-


neiras importantes. Quais são elas? Primeiro, Jeová predisse
que “uma grande multidão” de cristãos verdadeiros sobre-
viverá à “grande tribulação” que ocorrerá em breve. (Apo-
calipse 7:9, 14) As profecias de Deus nunca falham. Por isso,
até mesmo Satanás deve saber que não conseguirá enlaçar o
povo de Deus como um todo.
5 A segunda restrição que Deus impôs a Satanás fica evi-

dente numa verdade básica dita por um servo fiel de Deus


na antiguidade. O profeta Azarias disse ao rei Asa: “Jeová
estará com vocês enquanto continuarem com ele.” (2 Crô-
nicas 15:2; leia 1 Coríntios 10:13.) Há muitos exemplos
registrados na Bíblia que mostram que no passado Satanás
nunca conseguiu devorar alguém que se mantinha achega-
do a Deus. (Hebreus 11:4-40) Hoje, o cristão que se mantém
achegado a Deus consegue opor-se ao Diabo e até vencê-lo.
A Palavra de Deus nos garante: “Oponham-se ao Diabo, e ele
fugirá de vocês.” — Tiago 4:7.
“TEMOS UMA LUTA . . . CONTRA
AS FORÇAS ESPIRITUAIS MALIGNAS”
6 Satanás não pode vencer a guerra contra o povo de

Deus, mas pode derrotar-nos como indivíduos, caso baixe-


mos a guarda. Satanás sabe que pode nos destruir se conse-
guir enfraquecer nossa relação com Jeová. Como ele tenta
fazer isso? Por meio de ataques intensos, individuais e sutis.
Vamos considerar essas três principais estratégias de Satanás.
7 Ataques intensos. O apóstolo João disse: “O mundo intei-

ro está no poder do Maligno.” (1 João 5:19) Essas palavras


contêm um aviso para todos os cristãos verdadeiros. Visto
que Satanás já enlaçou o inteiro mundo perverso da huma-
nidade, ele pode hoje concentrar e intensificar seus ataques
6. Como Satanás luta contra os cristãos individualmente?
7. Por que Satanás está fazendo ataques intensos contra o povo de
Jeová?
186 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

contra os que ele até agora não conseguiu enlaçar — o povo


de Jeová. (Miqueias 4:1; João 15:19; Apocalipse 12:12, 17) Ele
está cheio de ira, pois sabe que lhe resta pouco tempo. Por
isso, ele exerce mais pressão do que nunca. Hoje, enfrenta-
mos seus últimos ataques violentos e destrutivos.
8 Luta individual. O apóstolo Paulo avisou a seus compa-

nheiros cristãos: “Temos uma luta [“luta corpo a corpo”,


nota] . . . contra as forças espirituais malignas nos lugares ce-
lestiais.” (Efésios 6:12) Por que Paulo usou a palavra “luta”?
Porque essa palavra transmite a ideia de um combate corpo
a corpo. Assim, ao usar esse termo, Paulo estava enfatizan-
do que cada um de nós tem uma luta individual com os es-
píritos maus. Quer vivamos em um país onde a crença em
espíritos maus é comum, quer não, nunca devemos nos es-
quecer de que, quando nos dedicamos a Jeová, entramos por
assim dizer num ringue de luta. A partir de então, todo cris-
tão está envolvido num combate sem trégua. Não é de ad-
mirar que Paulo tenha achado necessário aconselhar três ve-
zes os cristãos em Éfeso a “se manter firmes”. — Efésios 6:11,
13, 14.
9 Tramas sutis. Paulo incentiva os cristãos a permane-

cer firmes contra as “artimanhas” de Satanás. (Efésios 6:11)


Note que Paulo usa o plural. Os espíritos maus não usam
apenas uma trama sutil, mas várias — e com boas razões.
Alguns cristãos que permaneceram firmes sob determinada
provação com o tempo foram vencidos por outra. Por isso, o
Diabo e os demônios ficam bem atentos a como cada um
de nós age para saber onde somos mais vulneráveis, e en-
tão aproveitam qualquer fraqueza espiritual que talvez te-
8. O que o apóstolo Paulo quis dizer quando mencionou que temos
“uma luta” contra os espíritos maus?
9. (a) Por que Satanás e os demônios usam várias “artimanhas”?
(b) Por que Satanás tenta corromper nosso modo de pensar, e como
podemos resistir a seus esforços de fazer isso? (Veja o quadro nas pá-
ginas 192-193.) (c) Que artimanha do Diabo vamos analisar agora?
Oponha-se ao Diabo e às suas artimanhas 187

nhamos. Felizmente, porém, por meio da Bíblia podemos


conhecer muitos métodos usados pelo Diabo. (2 Coríntios
2:11) Em capítulos anteriores deste livro consideramos algu-
mas dessas tramas, como o laço do materialismo, das más
companhias e da imoralidade sexual. Vamos analisar agora
outra artimanha de Satanás — o ocultismo.
OCULTISMO — UM ATO DE TRAIÇ ÃO
10 Quem pratica o ocultismo, ou demonismo, entra em
contato direto com os espíritos maus. Adivinhação, feitiça-
ria, encantamentos e entrar em contato com os mortos são
algumas formas de ocultismo. Como sabemos, Jeová enca-
ra o ocultismo como “detestável”. (Deuteronômio 18:10-12;
Apocalipse 21:8) Visto que nós também precisamos ‘abomi-
nar o que é mau’, é inconcebível a ideia de buscarmos a
companhia de forças espirituais perversas. (Romanos 12:9)
Isso seria um repulsivo ato de traição contra nosso Pai celes-
tial, Jeová.
11 Mas, visto que o envolvimento com o ocultismo cons-

titui grande traição contra Jeová, Satanás está determinado


a fazer com que alguns de nós nos envolvamos nessa práti-
ca. Toda vez que consegue fazer com que um cristão se vol-
te para o demonismo, Satanás obtém uma grande vitória.
Por quê? Pense nesta comparação: caso alguém conseguis-
se fazer com que um soldado desertasse e traísse sua unida-
de do exército juntando-se a forças inimigas, o comandante
do exército inimigo ficaria muito feliz. Ele poderia até mes-
mo exibir o traidor como um troféu, como forma de afron-
ta ao ex-comandante daquele soldado. Da mesma forma, se
um cristão passasse a se envolver com o ocultismo, ele esta-
ria abandonando a Jeová de modo voluntário e consciente,
10. (a) O que é ocultismo? (b) Como Jeová encara o ocultismo, e
como você o encara?
11. Por que seria uma grande vitória para Satanás se ele conseguisse
fazer com que nos envolvêssemos com o ocultismo? Ilustre.
188 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

e se colocando diretamente sob o comando de Satanás. Ima-


gine como Satanás ficaria feliz de exibir esse desertor como
troféu de guerra! Algum de nós gostaria de dar essa vitória
ao Diabo? Certamente que não! Nós não somos traidores.
SATANÁS CRIA DÚVIDAS EM NOSSA MENTE
12 Enquanto detestarmos o ocultismo, Satanás não conse-
guirá nos vencer por meio dele. Por isso, ele sabe que preci-
sa mudar nosso modo de pensar. Como? Ele procura meios
de confundir os cristãos a ponto de fazer alguns achar “que
o bom é mau e que o mau é bom”. (Isaías 5:20) Para conse-
guir isso, Satanás muitas vezes recorre a um método que já
se mostrou muito eficaz — criar dúvidas em nossa mente.
13 Note como Satanás usou esse método no passado. No

jardim do Éden, ele perguntou a Eva: “Foi isso mesmo


que Deus disse, que vocês não devem comer de toda árvo-
re do jardim?” Nos dias de Jó, durante uma reunião dos an-
jos no céu, Satanás levantou a questão: “Será que é por nada
que Jó teme a Deus?” E no começo do ministério terrestre
de Jesus, Satanás desafiou Cristo dizendo: “Se você é filho de
Deus, diga a estas pedras que se transformem em pães.” Ima-
gine: no caso de Jesus, Satanás se atreveu a ridicularizar as
palavras que o próprio Jeová havia dito cerca de seis sema-
nas antes: “Este é meu Filho, o amado, a quem eu aprovo.”
— Gênesis 3:1; Jó 1:9; Mateus 3:17; 4:3.
14 Hoje, o Diabo usa uma trama similar para tentar criar

incertezas sobre o mal que há por trás do ocultismo. Infe-


lizmente, ele tem conseguido criar dúvidas na mente de al-
guns cristãos. Eles começaram a questionar se certas formas
de ocultismo são mesmo ruins. (2 Coríntios 11:3) Como po-
12. Que método Satanás usa para influenciar nosso conceito sobre
o ocultismo?
13. Como Satanás usou no passado o método de criar dúvidas?
14. (a) Com relação ao ocultismo, como Satanás usa o método de
criar dúvidas? (b) O que vamos considerar agora?
Oponha-se ao Diabo e às suas artimanhas 189

demos ajudá-los a ajustar seu modo de pensar? Como pode-


mos cuidar para que Satanás não nos influencie com essa
trama? Para responder a essas perguntas, vamos considerar
duas áreas da vida que Satanás sutilmente tem contaminado
com o ocultismo: as diversões e os tratamentos de saúde.
SATANÁS APROVEITA-SE
DE NOSSOS DESEJOS E NECESSIDADES
15 Especialmente no mundo ocidental, é cada vez maior

o número de pessoas que consideram inofensivos o espiri-


tismo, a bruxaria e outras formas de ocultismo. A quantida-
de de filmes, livros, programas de TV e jogos de computador
que apresentam práticas demoníacas como algo inofensivo,
divertido e inteligente aumenta a cada dia. Alguns filmes e
livros cujo enredo destaca o ocultismo tornaram-se tão po-
pulares que passaram a ter fã-clubes criados por admirado-
res. Pode-se ver com isso que os demônios têm sido bem-
sucedidos em fazer as pessoas pensar que o ocultismo não
é perigoso. Será que essa tendência de encarar o ocultismo
como algo inofensivo tem influenciado os cristãos? O modo
de pensar de alguns tem sido afetado. De que maneira? Ci-
tando apenas um exemplo, depois que um cristão assistiu a
um filme que destaca o ocultismo, ele disse: “Eu vi o filme,
mas não pratiquei o ocultismo.” Por que esse raciocínio é pe-
rigoso?
16 Embora assistir a programações que destaquem o ocul-

tismo não seja o mesmo que praticar ocultismo, isso não sig-
nifica que assistir a programações desse tipo não seja perigo-
so. Por que não? Pense nisto: A Palavra de Deus mostra que
nem Satanás nem os demônios têm o poder de ler nossos
15. (a) Como muitos no mundo ocidental encaram o ocultismo?
(b) De que modo alguns cristãos têm sido influenciados pelo concei-
to do mundo sobre o ocultismo?
16. Por que é perigoso escolher entretenimento que dá destaque ao
ocultismo?
190 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

pensamentos.1 Por isso, conforme já mencionado, para sa-


ber em que pensamos e detectar em nós alguma fraque-
za espiritual, os espíritos maus têm de observar bem de per-
to nossas ações — o que inclui nossa escolha de diversão.
Quando um cristão age de um modo que deixa claro que
ele gosta de filmes ou livros que destacam médiuns espíritas,
magia, possessão demoníaca ou temas similares ligados ao
ocultismo, ele está transmitindo uma mensagem para os de-
mônios. Na verdade, está revelando a eles seu ponto fraco.
Em resposta os demônios podem intensificar a luta com esse
cristão a fim de explorar a fraqueza que ele manifestou, até
que consigam vencê-lo. Tanto é assim que alguns que come-
çaram a se interessar pelo ocultismo apresentado em alguns
tipos de entretenimento com o tempo passaram a praticar o
ocultismo. — Leia Gálatas 6:7.
17 Satanás tenta se aproveitar, não só de nosso desejo de

nos divertir, mas também da necessidade que temos de cui-


dar da saúde. Como ele faz isso? Um cristão talvez fique frus-
trado e deprimido por não conseguir encontrar uma solu-
ção para seu problema de saúde depois de muitas tentativas.
(Marcos 5:25, 26) Isso pode dar a Satanás e aos demônios
uma ótima oportunidade para se aproveitar da situação. Os
demônios talvez tentem levar o doente ao desespero a pon-
to de procurar tratamentos ou procedimentos que envolvam
o uso de “poder mágico”, ou ocultismo. (Isaías 1:13) Se essa
artimanha dos demônios der certo, a relação da pessoa com
Jeová poderá ficar afetada. De que maneira?
1 Os nomes descritivos dados a Satanás (Opositor, Caluniador, En-
ganador, Tentador, Mentiroso) não dão a entender que ele tem o po-
der de saber o que há em nosso coração e em nossa mente. Em con-
traste com isso, porém, Jeová é descrito como aquele que “examina
os corações”, e Jesus como aquele que “examina os pensamentos
mais íntimos e o coração”. — Provérbios 17:3; Apocalipse 2:23.

17. Por meio de que artimanha Satanás pode aproveitar-se dos que
estão doentes?
Oponha-se ao Diabo e às suas artimanhas 191

18 Aos israelitas que haviam recorrido a “poder mági-


co”, Jeová avisou: “Quando vocês estendem as mãos, escon-
do de vocês os meus olhos. Embora façam muitas orações,
não escuto.” (Isaías 1:15) Naturalmente, nunca queremos fa-
zer nada que impeça que nossas orações sejam ouvidas por
Jeová e que diminua o apoio que recebemos dele — em
especial quando estamos doen-
tes. (Salmo 41:3) Assim, se hou-
ver indícios de que determinado
procedimento para diagnosticar
ou tratar uma doença contém
algo relacionado ao ocultismo,
o cristão verdadeiro deverá rejei-
tá-lo.1 (Mateus 6:13) Dessa for-
ma, poderá estar certo do apoio
de Jeová. — Veja o quadro “É
realmente ocultismo?”, na pági-
na 194.
QUANDO HÁ
MUITAS HISTÓRIAS
Beneficie-se do apoio de
SOBRE DEMÔNIOS Jeová ao lidar com
19 Ao passo que muitos no
problemas de saúde
ocidente não levam a sério o po-
der perigoso de Satanás, em ou-
tras partes do mundo ocorre o contrário. Nesses países, o
Diabo engana muitas pessoas fazendo-as acreditar que ele
1 Para mais informações, veja o artigo “É este exame de saúde para
você?”, em A Sentinela de 15 de dezembro de 1994, páginas 19-22, e
o artigo “O Conceito da Bíblia: Faz diferença o tratamento médico
que você escolhe?”, na Despertai! de 8 de janeiro de 2001.

18. Que tipo de procedimentos médicos um cristão rejeitaria, e por


quê?
19. (a) Qual é outra forma de o Diabo enganar as pessoas? (b) Que
histórias os cristãos verdadeiros devem evitar?
192 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

CUIDADO COM A ASTÚCIA DE SATANÁS!


Satanás, o mestre do engano, tem ‘cegado as mentes dos
descrentes’ já por milhares de anos. (2 Coríntios 4:4) Ele não
desiste também de tentar corromper o modo de pensar dos
adoradores de Deus. Por quê? Satanás sabe que o modo como
pensamos afeta nossa maneira de agir. Ele sabe que, se conse-
guir distorcer nossos pensamentos, conseguirá também nos in-
fluenciar a fazer o que é errado. — Tiago 1:14, 15.
Lembre-se do método que Satanás usou para enganar Eva.
O apóstolo Paulo escreveu: “Tenho medo de que, assim como
a serpente seduziu Eva pela sua astúcia, a mente de vocês
seja de algum modo corrompida, afastando-se . . [do] Cristo.”
(2 Coríntios 11:3) Usando uma cautelosa serpente, Satanás se-
duziu Eva a seguir um proceder desastroso. Ele procurou cor-
romper sua mente, desvirtuar seu modo de pensar. A tática
funcionou. Visto que Eva deu atenção ao que ouviu, seu con-
ceito mudou, e o que era errado passou a ser desejável. Uma
vez que sua mente foi corrompida, foi fácil induzi-la a pecar.
— Gênesis 3:1-6; Apocalipse 12:9.
Satanás não mudou. Seu princípio básico permanece o mes-
mo: corromper a mente da pessoa, pois isso a levará a pe-
car. Satanás organizou o sistema político, religioso, comercial e
do entretenimento para promover seus interesses. (João 14:30)
Ele tem sido bem-sucedido em distorcer o modo de pensar da
grande maioria da humanidade, mudando suas atitudes e seus
conceitos. Comportamentos que antes eram considerados pe-
cado — homossexualismo, viver juntos sem se casar e ter filhos
sem estar casado — muitas vezes são vistos como estilos de vida
aceitáveis, até mesmo desejáveis. Até que ponto Satanás tem
conseguido seduzir os humanos? A Bíblia diz: “O mundo intei-
ro está no poder do Maligno.” — 1 João 5:19.
Como cristãos, de forma alguma estamos livres das tramas
de Satanás. (1 Coríntios 10:12) Visto que sabe que lhe resta
Oponha-se ao Diabo e às suas artimanhas 193

pouco tempo, ele tem “grande ira” e está determinado a enga-


nar especialmente o povo de Deus. (Apocalipse 12:12) Se não
tivermos cuidado, a propaganda sutil de Satanás e os muitos
“enganadores” que ele usa poderão corromper nosso modo de
pensar e levar-nos ao pecado. — Tito 1:10.
Por exemplo, pense no conceito que o mundo tem sobre o
casamento. A Bíblia ensina que o casamento é sagrado, um
compromisso para a vida inteira. (Mateus 19:5, 6, 9) Os filmes
e os programas de televisão deste mundo geralmente mostram
o casamento como uma união temporária que pode ser facil-
mente desfeita. Como cristãos, precisamos estar atentos para
que essa propaganda satânica não corrompa nosso modo de
pensar. Se permitirmos, essa influência poderá distorcer nossos
conceitos e enfraquecer o compromisso que temos com nosso
cônjuge. Ao enfrentarmos problemas maritais, talvez sejamos
tentados a procurar compreensão e apoio fora do casamento.
Logo pode parecer que outra pessoa — talvez um colega de tra-
balho ou um irmão ou irmã na fé — tem condições de dar o
apoio emocional que precisamos. Se permitirmos nos envolver
emocionalmente, poderemos ser levados a pecar.
Citando outro exemplo: considere o espírito de independên-
cia que domina o mundo de Satanás. Muitos são “teimosos,
cheios de orgulho”. (2 Timóteo 3:4) Se esse espírito corromper
nossa mente, o conceito que temos de submissão e obediên-
cia poderá ficar distorcido. Um irmão contaminado por esse es-
pírito poderia se ressentir dos conselhos dos anciãos. (Hebreus
12:5) Uma irmã talvez comece a questionar o princípio da che-
fia estabelecido por Deus. — 1 Coríntios 11:3.
Podemos ser gratos por Jeová nos dar alertas contra as tra-
mas de Satanás. (2 Coríntios 2:11) Estejamos decididos a nun-
ca permitir que a propaganda satânica influencie nosso modo
de pensar. Para permanecermos no amor de Deus, precisamos
manter a “mente fixa nas coisas de cima”. — Colossenses 3:2.
194 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

tem mais poder do que na realidade tem. Alguns vivem,


comem, trabalham e dormem com medo dos espíritos
maus. Há muitas histórias sobre atos poderosos dos demô-
nios. Essas histórias geralmente são contadas com em-
polgação; as pessoas ficam fascinadas com elas. Devemos
participar em espalhar essas histórias? Não. Os servos do
verdadeiro Deus evitam fazer isso por duas razões impor-
tantes.
20 Primeiro, por espalhar histórias sobre atos demonía-

cos, a pessoa está na verdade promovendo os interesses de


Satanás. De que modo? A Palavra de Deus diz que Sata-
nás realiza obras poderosas, mas também avisa que ele usa
‘sinais mentirosos’ e “engano”. (2 Tessalonicenses 2:9, 10)
Visto que Satanás é o grande enganador, ele sabe influen-
ciar a mente dos que têm inclinações para o ocultismo e
20. Como alguém poderia, talvez inadvertidamente, promover os in-
teresses de Satanás?

É REALMENTE OCULTISMO?
Princípio: “As obras da carne são claramente
vistas. Elas são . . . ocultismo, . . . divisões,
formação de seitas . . . Os que praticam tais
coisas não herdarão o reino de Deus.”
— Gálatas 5:19-21.
Pergunte-se:
ˇ Ser que sigo algum costume ligado a crenças reli-
giosas falsas? — 2 Coríntios 6:16, 17.
ˇ Uso objetos que têm relação direta com o ocultis-
mo? — Atos 19:19.
ˇ Faoo algum tratamento médico que envolve algum
tipo de poder mágico? — Levítico 19:26.
Oponha-se ao Diabo e às suas artimanhas 195

fazê-los acreditar em falsidades. Tais pessoas talvez acredi-


tem com toda a sinceridade que viram e ouviram certas
coisas e talvez contem isso a outros. Com o tempo, de tan-
to serem passadas adiante suas histórias vão sendo aumen-
tadas. Se um cristão espalhar esse tipo de história, estará na
verdade fazendo a vontade do Diabo — “o pai da mentira”.
Estará promovendo os interesses de Satanás. — João 8:44;
2 Timóteo 2:16.
21 Segundo, mesmo que um cristão tenha realmente

tido algum contato com espíritos maus no passado, ele


evitaria ficar contando essas histórias vez após vez para
entreter seus irmãos na fé. Por quê? Somos aconselhados:
‘Olhem atentamente para o Agente Principal e Aperfeiçoa-
dor da nossa fé, Jesus.’ (Hebreus 12:2) Devemos focalizar
nossa atenção em Cristo, não em Satanás. É digno de nota
que quando Jesus esteve na Terra ele não entretinha seus
discípulos com histórias sobre espíritos maus, embora pu-
desse ter falado muito sobre o que Satanás tem poder ou
não de fazer. Em vez disso, Jesus focalizou sua atenção na
mensagem do Reino. Portanto, queremos que o assunto
principal de nossas conversas sejam “as coisas magníficas
de Deus”, imitando a Jesus e seus apóstolos. — Atos 2:11;
Lucas 8:1; Romanos 1:11, 12.
22 De fato, Satanás usa várias artimanhas, incluindo o

ocultismo, na tentativa de destruir nossa relação com


Jeová. Mas, por abominar o que é mau e nos apegar ao
que é bom, não daremos ao Diabo nenhuma oportunida-
de de enfraquecer nossa determinação de rejeitar o ocultis-
mo em todas as suas formas. (Leia Efésios 4:27.) Imagine
quanta ‘alegria haverá no céu’ se continuarmos ‘nos man-
tendo firmes contra as artimanhas do Diabo’ até ele não
existir mais! — Lucas 15:7; Efésios 6:11.
21. Em torno de que devem girar nossas conversas?
22. Como podemos continuar contribuindo para que haja “alegria
no céu”?
C APÍTULO 17

“Edifiquem-se na
sua santíssima fé”
‘Edifiquem-se na sua santíssima fé,
mantenham-se no amor de Deus.’ — JUDAS 20, 21.

VOCÊ está trabalhando arduamente em uma construção. As


obras já estão em andamento há algum tempo e ainda conti-
nuarão por um bom tempo. Até agora, o trabalho tem sido
desafiador, mas gratificante. Aconteça o que acontecer, você
está decidido a não desistir nem diminuir o ritmo, porque a
qualidade do seu trabalho afetará sua vida e até mesmo seu
futuro. Por quê? Porque a construção em questão é você!
2 O discípulo Judas salientou o que temos de construir, ou

edificar, em nós mesmos. No mesmo contexto em que ele in-


centivou os cristãos a ‘manter-se no amor de Deus’, mostrou
também qual é a chave para fazer isso: ‘edificar-se na sua san-
tíssima fé’. ( Judas 20, 21) Como você pode edificar a si mes-
mo, fortalecendo cada vez mais a sua fé para permanecer no
amor de Deus? Vamos considerar três aspectos desse projeto
de edificação espiritual.
CONTINUE A EDIFICAR SUA FÉ
NOS REQUISITOS JUSTOS DE JEOVÁ
3 Em primeiro lugar, precisamos fortalecer nossa fé nas leis

divinas. Ao estudar este livro, você considerou vários requisi-


tos justos de Jeová relacionados à conduta. Como você os en-
1, 2. Em que projeto de construção você está envolvido, e por que a
qualidade de seu trabalho é tão importante?
3-5. (a) Que conceito errado Satanás quer que você tenha sobre as
leis de Jeová? (b) Qual deve ser nosso conceito sobre as leis de Jeová,
e que efeito isso terá sobre nós? Ilustre.
“Edifiquem-se na sua santíssima fé” 197

cara? Satanás gostaria de enganá-lo por fazê-lo acreditar que


as leis, os princípios e os padrões de Jeová são restritivos e até
mesmo opressivos. Ele tem usado essa tática desde que ela
deu certo lá no jardim do Éden. (Gênesis 3:1-6) Será que essa
tática também vai funcionar no seu caso? Muito dependerá
de sua atitude.
4 Para ilustrar: ao caminhar por um agradável parque, você

nota uma cerca alta e bem forte impedindo a passagem para


outra área do parque. A paisagem do outro lado da cerca pa-
rece convidativa. De início, você talvez não veja o motivo de
a cerca estar ali; acha que ela está apenas restringindo sua li-
berdade. Mas, quando você olha por entre a cerca, vê do ou-
tro lado um leão feroz pronto para atacar. Agora você enten-
de por que a cerca está ali — para protegê-lo. Será que hoje
existe um predador perigoso esperando uma oportunidade
para atacá-lo? A Palavra de Deus nos avisa: “Mantenham os
sentidos, sejam vigilantes! Seu adversário, o Diabo, anda em
volta como um leão que ruge, procurando a quem devorar.”
— 1 Pedro 5:8.
5 Satanás é um predador feroz. Jeová não quer que nos tor-

nemos presas dele. Por isso ele criou leis que nos protegem
das muitas “artimanhas” desse inimigo. (Efésios 6:11) Sendo
assim, sempre que meditamos nas leis de Deus, devemos en-
cará-las como uma expressão do amor de nosso Pai celestial.
Vistas dessa forma, as leis de Deus são uma fonte de proteção
e alegria. O discípulo Tiago escreveu: “Aquele que examina
com cuidado a lei perfeita que pertence à liberdade, e conti-
nua nela . . . será feliz no que faz.” — Tiago 1:25.
6 Obedecer aos mandamentos de Deus é a melhor ma-

neira de fortalecer nossa fé no Legislador e na sabedoria de


suas leis. Por exemplo, “a lei do Cristo” inclui o mandamen-
to de Jesus de ensinar a outros ‘todas as coisas que ele or-
denou’. (Gálatas 6:2; Mateus 28:19, 20) Os cristãos também
6. Qual é a melhor maneira de fortalecer nossa fé nas leis e nos prin-
cípios justos de Jeová? Dê um exemplo.
198 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

levam a sério o mandamento de continuar a se reunir para


adorar a Deus e ter associação edificante. (Hebreus 10:24,
25) Os mandamentos de Deus também incluem a exor-
tação de orar regularmente a Jeová e de coração. (Mateus
6:5-8; 1 Tessalonicenses 5:17) Ao passo que colocamos em
prática esses mandamentos, vemos mais claramente que
eles são orientações amorosas. Obedecer a eles nos dá uma
alegria e uma satisfação que não encontraremos em ne-
nhuma outra parte deste mundo atribulado. Ao meditar em
como você tem sido pessoalmente beneficiado por obede-
cer às leis de Deus, não sente que sua fé nessas leis se torna
cada vez mais forte?
7 Às vezes, alguns ficam preocupados achando que será

muito difícil continuar se apegando às leis de Jeová com o


passar do tempo. Eles têm medo de falhar de alguma for-
ma. Se você já se sentiu assim, lembre-se destas palavras: “Eu,
Jeová, sou o seu Deus, aquele que ensina o que é melhor
para você, aquele que o guia no caminho em que deve andar.
Como seria bom se você prestasse atenção aos meus manda-
mentos! Então a sua paz se tornaria como um rio, e a sua jus-
7, 8. Que garantia a Palavra de Deus dá aos que temem não ser ca-
pazes de permanecer fiéis com o passar do tempo?
“Edifiquem-se na sua santíssima fé” 199

tiça como as ondas do mar.” (Isaías 48:17, 18) Já parou para


pensar em quanto encorajamento essas palavras nos dão?
8 Nesse texto, Jeová nos lembra de que somos recompen-

sados quando o obedecemos. Ele promete que seremos bene-


ficiados de duas maneiras. Primeiro, nossa paz será contínua,
serena e abundante, como um rio. Segundo, nossa justiça
será como as ondas do mar. Se você ficar numa praia obser-
vando as ondas ir e vir uma após outra, sem dúvida terá a
sensação de algo permanente. Você sabe que as ondas conti-
nuarão vindo e arrebentando naquela praia por incontáveis
eras. Jeová diz que sua justiça — seu modo justo de agir —
pode ser assim. Enquanto se esforçar para ser fiel a Deus, ele
nunca permitirá que você falhe. (Leia Salmo 55:22.) Já pa-
rou para pensar em como essas promessas são animadoras?
‘AVANÇAR À MADUREZA’
9 Um segundo aspecto de seu projeto de construção é re-
velado nas seguintes palavras inspiradas: “Avancemos à ma-
dureza.” (Hebreus 6:1) A madureza é um excelente alvo para
os cristãos. Diferentemente da perfeição, que está além do al-
cance dos humanos, a madureza é um alvo que todos nós
podemos atingir. Além disso, ao passo que vão alcançando a
madureza, os cristãos sentem cada vez mais alegria em servir
a Jeová. Por que dizemos isso?
10 Um cristão maduro é uma pessoa espiritual. Ele vê as

coisas do ponto de vista de Jeová. ( João 4:23) Paulo escreveu:


“Os que vivem de acordo com a carne fixam a mente nas coi-
sas da carne; mas os que vivem de acordo com o espírito, nas
coisas do espírito.” (Romanos 8:5) Um ponto de vista carnal
traz pouca satisfação, porque tende a ser egoísta e míope, e a
se centralizar em coisas materiais. Um ponto de vista espiri-
tual resulta em alegria, pois se centraliza em Jeová, o “Deus
feliz”. (1 Timóteo 1:11) A pessoa espiritual deseja agradar a
9, 10. (a) Por que a madureza é um excelente alvo para os cristãos?
(b) Como um ponto de vista espiritual contribui para a alegria?
200 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

Jeová, e se alegra mesmo quando passa por dificuldades. Por


quê? Quando enfrentamos provações, temos oportunidades
de provar que Satanás é mentiroso e de manter a integridade,
agradando assim ao nosso Pai celestial. — Provérbios 27:11;
leia Tiago 1:2, 3.
11 Para ser uma pessoa espiritual e madura é necessário

treinamento. Veja este versículo: “O alimento sólido é para as


pessoas maduras, para aqueles que pelo uso têm sua capaci-
dade de discernimento treinada para saber distinguir tanto
o certo como o errado.” (Hebreus 5:14) Quando Paulo falou
sobre ‘treinar’ a capacidade de discernimento , ele usou uma
palavra grega que provavelmente era muito usada nos giná-
sios de esportes do primeiro século na Grécia, pois pode ser
traduzida ‘treinado como ginasta’. Agora pense no que está
envolvido nesse treinamento.
12 Não nascemos com o corpo treinado. Por exemplo, um

bebê não tem controle sobre seus pequenos braços e pernas.


Por isso, ele move os braços aleatoriamente, até mesmo ba-
tendo em seu próprio rosto, para seu espanto e surpresa. Aos
poucos, com o uso, o corpo vai sendo treinado. O bebê enga-
tinha, depois dá os primeiros passos e até mesmo corre quan-
do está um pouco mais crescido.1 Mas que dizer de um gi-
nasta? Ao ver um ginasta dando saltos no ar com elegância e
perfeição, não temos dúvida de que seu corpo é como uma
máquina bem ajustada. A habilidade do ginasta não é fruto
do acaso — são necessárias muitas horas de treinamento. A Bí-
1 Os cientistas dizem que desenvolvemos uma sensibilidade espe-
cial chamada propriocepção, que é a percepção que o corpo tem de
sua própria orientação no espaço e da posição dos membros. Por
exemplo, essa percepção permite que você bata palmas mesmo com
os olhos fechados. Uma paciente adulta que perdeu a propriocepção
não conseguia mais ficar de pé, andar nem mesmo se sentar.

11, 12. (a) O que Paulo disse sobre a “capacidade de discernimen-


to” dos cristãos, e qual é o significado da palavra traduzida ‘treinar’?
(b) Que tipo de treinamento é necessário para o corpo se desenvol-
ver e ter habilidades físicas?
201

blia reconhece que esse trei-


O corpo de namento físico “traz algum
um ginasta é
benefício”. Treinar nossa ca-
treinado pelo uso
pacidade de discernimento
para discernir as coisas espi-
rituais tem muito mais va-
lor! — 1 Timóteo 4:8.
13 Neste livro, considera-

mos muitas coisas que o


ajudarão a treinar sua ca-
pacidade de discernimento
para que você possa perma-
necer fiel a Jeová como pes-
soa espiritual. Analise com oração as leis e os princípios
divinos ao tomar decisões diárias. Ao se confrontar com de-
cisões, pergunte-se: ‘Que leis e princípios da Bíblia se rela-
cionam a esse assunto? Como posso aplicá-los? Que modo
de agir agradará a meu Pai celestial?’ (Leia Provérbios 3:5, 6;
Tiago 1:5.) Cada vez que você tomar uma decisão dessa for-
ma, estará treinando sua capacidade de discernimento. Esse
treinamento o ajudará a se tornar e a continuar sendo uma
pessoa realmente espiritual.
14 Embora seja possível alcançar a madureza, o desenvol-

vimento espiritual deve continuar. Para se desenvolver é ne-


cessário se alimentar. Por isso Paulo disse: “O alimento sóli-
do . . . é para as pessoas maduras.” Um modo importante de
edificar sua fé é por continuar a absorver alimento espiritual
sólido. Ao aplicar de forma correta o que aprende, você es-
tará mostrando sabedoria, e a Bíblia diz a respeito dela: “Sa-
bedoria é a coisa mais importante.” Assim, precisamos de-
senvolver apetite pelas preciosas verdades que nosso Pai nos
13. Como podemos treinar nossa capacidade de discernimento?
14. Que apetite precisamos desenvolver para que possamos progre-
dir espiritualmente, mas ao mesmo tempo contra o que devemos nos
precaver?
202 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

fornece. (Provérbios 4:5-7; 1 Pedro 2:2) Naturalmente, au-


mentar em conhecimento e sabedoria piedosa não é motivo
para ficarmos convencidos ou orgulhosos. Precisamos exa-
minar-nos regularmente para não permitir que o orgulho ou
outra fraqueza se desenvolva em nosso coração. Paulo escre-
veu: “Persistam em examinar se estão na fé; persistam em
pôr à prova o que vocês mesmos são.” — 2 Coríntios 13:5.
15 A construção de uma casa pode chegar ao fim, mas o

trabalho não termina. Há necessidade de manutenção e re-


paros; também, se as circunstâncias exigirem, talvez seja ne-
cessário aumentar a casa. O que precisamos fazer para desen-
volver madureza e manter a espiritualidade? Acima de tudo,
amor. Precisamos continuar aumentando nosso amor por
Jeová e por nossos irmãos. Se não tivermos amor, todo nos-
so conhecimento e nossas obras não terão nenhum valor
— como um barulho alto e inútil. (1 Coríntios 13:1-3) Agin-
do com amor, conseguiremos alcançar a madureza e conti-
nuar progredindo espiritualmente.
MANTENHA A MENTE FOCALIZADA
NA ESPERANÇA QUE JEOVÁ NOS DÁ
16 Vamos considerar mais um aspecto da sua edificação.

Para edificar a si mesmo como verdadeiro seguidor de Cris-


to, você precisa vigiar seus pensamentos. Satanás, o gover-
nante deste mundo, é mestre em fazer as pessoas se entrega-
rem a pensamentos negativos, pessimismo, desconfiança e
desespero. (Efésios 2:2) Esse tipo de pensamento é tão peri-
goso para o cristão como o cupim numa construção de ma-
deira. Felizmente, Jeová nos dá um importante meio de defe-
sa — a esperança.
17 A Bíblia alista várias partes da armadura espiritual que

precisamos para lutar contra Satanás e seu mundo. Uma im-


15. Por que o amor é essencial para o desenvolvimento espiritual?
16. Que tipo de pensamento Satanás promove, e que meio de defe-
sa Jeová nos dá?
17. Como a Palavra de Deus ilustra a importância da esperança?
“Edifiquem-se na sua santíssima fé” 203

portante peça da armadura é o capacete, “a esperança da sal-


vação”. (1 Tessalonicenses 5:8) O soldado nos tempos bíbli-
cos sabia que não sobreviveria numa batalha por muito tem-
po sem o capacete. Geralmente feito de metal e usado sobre
uma boina de feltro ou de couro, o capacete garantia que a
maioria dos golpes desferidos contra a cabeça apenas resva-
lasse sem causar maiores danos. Assim como o capacete pro-
tege a cabeça, a esperança protege sua mente, seus pensa-
mentos.
18 Jesus foi o maior exemplo de alguém que manteve a es-

perança. Lembre-se do que ele suportou em sua última noi-


te como humano aqui na Terra. Um amigo íntimo o traiu
em troca de dinheiro. Outro até mesmo negou que o co-
nhecia. Os outros o abandonaram e fugiram. Pessoas de sua
própria nação se voltaram contra ele, exigindo que fosse tor-
turado e morto às mãos de soldados romanos. Podemos afir-
mar que as provações que Jesus enfrentou foram maiores do
que qualquer prova que venhamos a enfrentar. O que o aju-
dou a suportá-las? Hebreus 12:2 responde: “Pela alegria que
lhe foi apresentada, ele suportou a morte numa estaca de tor-
tura, desprezando a vergonha, e se sentou à direita do trono
de Deus.” Jesus nunca perdeu de vista a “alegria que lhe foi
apresentada”.
19 Que alegria foi apresentada a Jesus? Bem, ele sabia

que por perseverar contribuiria para a santificação do san-


to nome de Jeová. Daria a maior prova possível de que Sata-
nás é um mentiroso. Nenhuma outra esperança poderia dar
a Jesus maior alegria. Ele sabia também que Jeová recom-
pensaria grandemente seu proceder fiel — que logo viria o
tempo maravilhoso em que estaria de novo com seu Pai. Je-
sus manteve sua mente voltada para essa maravilhosa espe-
rança durante os piores momentos de sua vida. Nós precisa-
mos fazer o mesmo. Também temos alegrias à nossa frente.
18, 19. Que exemplo Jesus deu em manter a esperança, e como po-
demos imitá-lo?
204 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

Jeová dignifica cada um de nós por nos dar o privilégio de


ajudar a santificar seu grandioso nome. Podemos provar
que Satanás é mentiroso por escolher a Jeová como nosso
Soberano e por manter-nos seguros sob o amor de nosso
Pai não importa que provações e tentações talvez enfrente-
mos.
20 Jeová não está apenas disposto a recompensar seus

servos fiéis — ele deseja muito fazer isso. (Isaías 30:18; leia
Malaquias 3:10.) Ele sente prazer em satisfazer os desejos
corretos do coração de seus servos. (Salmo 37:4) Por isso,
concentre-se na esperança do cumprimento das promessas
de Deus. Nunca se deixe levar pelos pensamentos negati-
vos, degradantes e deturpados deste velho mundo de Sata-
nás. Se você perceber que o espírito deste mundo está se
infiltrando na sua mente ou no seu coração, ore fervorosa-
mente a Jeová pedindo “a paz de Deus, que está além de
toda compreensão”. Essa paz dada por Deus guardará seu
coração e suas faculdades mentais. — Filipenses 4:6, 7.
21 Você tem uma maravilhosa esperança em que medi-

20. O que pode ajudá-lo a manter um ponto de vista positivo e cheio


de esperança?
21, 22. (a) Que maravilhosa esperança prezam os da “grande mul-
tidão”? (b) Que aspecto da esperança cristã é mais importante para
você, e o que está determinado a fazer?
“Edifiquem-se na sua santíssima fé” 205

tar. Se você faz parte da “grande multidão” que sairá


da “grande tribulação”, pense na vida que em breve terá.
(Apocalipse 7:9, 14) Com Satanás e seus demônios fora do
caminho, você sentirá um alívio que talvez seja difícil de
imaginar agora. Afinal de contas, quem de nós já viveu al-
guma vez sem a pressão da influência corrompedora de Sa-
tanás? Quando não houver mais essa pressão, que alegria
será poder trabalhar para transformar a Terra em um pa-
raíso sob a orientação de Jesus e dos seus 144 mil corre-
gentes celestiais! Como nos sentimos emocionados com a
perspectiva de ver todas as doenças e enfermidades elimi-
nadas, de receber do túmulo as pessoas que amamos, de vi-
ver como Deus sempre quis que vivêssemos! À medida que
chegarmos mais perto da perfeição, estaremos mais próxi-
mos de ganhar uma recompensa ainda maior, conforme
prometida em Romanos 8:21 — “a liberdade gloriosa dos
filhos de Deus”.
22 Jeová quer que você obtenha maior liberdade, mais

do que possa imaginar. O caminho que leva a essa liber-


dade é a obediência. Não concorda que vale a pena fazer
agora todo esforço para obedecer a Jeová dia após dia? De
todos os modos, portanto, continue edificando-se na sua
santíssima fé, para que possa se manter no amor de Deus
por toda a eternidade!
206

AP ÊNDICE

ASSUNTO PÁGINA

Como tratar uma pessoa desassociada ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ 207

Quando e por que a mulher precisa cobrir a cabeça? ․ ․ ․ ․ ․ ․ 209

Saudação à bandeira, voto e serviço civil alternativo ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ 212

Frações de sangue e procedimentos cirúrgicos ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ 215

Vença a luta contra a masturbação ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ 218

O conceito da Bíblia sobre divórcio e separação ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ 219

Como resolver desacordos em assuntos comerciais ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ ․ 222


Apêndice 207

Como tratar uma pessoa desassociada


Poucas coisas podem nos deixar tão tristes quanto ver um
parente ou um amigo achegado ser expulso da congrega-
ção por ter cometido um pecado e não ter se arrependido. O
modo como encaramos a orientação da Bíblia sobre esse as-
sunto pode revelar a profundidade de nosso amor a Deus e
o quanto somos leais aos seus princípios.1 Considere algumas
perguntas que surgem sobre esse assunto.
Como devemos tratar uma pessoa desassociada? A Bíblia diz:
“Parem de ter convivência com qualquer um que se cha-
me irmão, mas que pratique imoralidade sexual, ou que seja
ganancioso, idólatra, injuriador, beberrão ou extorsor; nem se-
quer comam com tal homem.” (1 Coríntios 5:11) Com
respeito a qualquer pessoa que ‘não permanece nos ensina-
mentos do Cristo’, lemos: “Não o recebam na sua casa,
nem o cumprimentem. Pois quem o cumprimenta participa
das suas obras más.” (2 João 9-11) Nós não nos associamos
com desassociados, quer para atividades espirituais, quer so-
ciais. A Sentinela de 15 de dezembro de 1981, página 21, disse:
“Um simples ‘Oi’ dito a alguém pode ser o primeiro passo para
uma conversa ou mesmo para amizade. Queremos dar este pri-
meiro passo com alguém desassociado?”
É realmente necessário evitar todo e qualquer contato com a
pessoa? Sim, por várias razões. Primeiro, é uma questão de leal-
dade a Deus e à sua Palavra. Obedecemos a Jeová não apenas
quando é conveniente, mas também quando envolve gran-
des desafios. O amor a Deus nos motiva a obedecer todos os
seus mandamentos, reconhecendo que ele é justo e amoroso
e que suas leis visam o bem dos que o servem. (Isaías 48:17;
1 João 5:3) Segundo, cortar o contato com o pecador não arre-
pendido evita que nós e a congregação sejamos corrompidos
em sentido espiritual e moral, e preserva a boa reputação da
1 Os princípios bíblicos sobre esse assunto aplicam-se da mesma for-
ma aos que se dissociam da congregação.
208 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

congregação. (1 Coríntios 5:6, 7) Terceiro, nossa firme posição


a favor dos princípios bíblicos pode até mesmo beneficiar o
desassociado. Por apoiarmos a decisão da comissão judicativa,
talvez contribuamos para tocar o coração de um pecador que
até então não correspondeu aos esforços dos anciãos para aju-
dá-lo. Perder a preciosa associação com pessoas amadas talvez
o ajude a ‘cair em si’, a ver a seriedade de seu erro e a dar os pas-
sos necessários para retornar a Jeová. — Lucas 15:17.
E quando o desassociado é um parente? Nesse caso, os laços
achegados entre familiares podem ser um verdadeiro teste à
lealdade. Como devemos tratar um parente desassociado? Não
podemos incluir aqui toda e qualquer situação que possa surgir
nesse sentido, mas vamos nos concentrar em duas situações
básicas.
Em alguns casos, o parente desassociado talvez faça parte
da família imediata e ainda more na mesma casa. A desasso-
ciação não põe fim aos laços familiares, por isso as atividades
e os tratos normais do dia a dia da família podem continuar.
Contudo, pelo seu proceder, o desassociado escolheu rom-
per o vínculo espiritual que tinha com a família. Sendo assim,
os membros leais da família não podem mais ter associação
espiritual com ele. Por exemplo, caso o desassociado esteja pre-
sente quando a família se reunir para estudar a Bíblia, ele não
deve participar da adoração em família. Mas, se o desassocia-
do é um filho menor, os pais ainda são os responsáveis pela
sua instrução e disciplina. Por isso eles, como pais amorosos,
podem dirigir um estudo bíblico com o filho.1 — Provérbios
6:20-22; 29:17.
Em outros casos, o parente desassociado talvez não faça par-
te da família imediata ou seja um membro da família imediata
que não mora na mesma casa. Embora em raras ocasiões talvez
se precise cuidar de um assunto familiar com um parente de-
sassociado, tal contato deve restringir-se ao mínimo possível.
1 Para mais informações sobre filhos desassociados menores que mo-
ram com os pais, veja A Sentinela de 1.° de outubro de 2001, páginas 16-
17, e de 15 de novembro de 1988, página 20.
Apêndice 209

Membros leais de uma família cristã não procuram desculpas


para ter tratos com um parente desassociado que não more
na mesma casa. Em vez disso, a lealdade a Jeová e à sua orga-
nização os faz seguir os princípios bíblicos relacionados com
a desassociação. Seu proceder leal visa o bem do desassociado
e pode ajudá-lo a se beneficiar da disciplina recebida.1 — He-
breus 12:11.
1 Para mais informações a respeito de como tratar parentes desassocia-
dos, veja os conselhos bíblicos considerados em A Sentinela de 15 de
abril de 1988, páginas 26-31, e de 15 de dezembro de 1981, páginas 22-27.

Quando e por que a mulher precisa


cobrir a cabeça?
Quando e por que uma cristã deve cobrir a cabeça ao par-
ticipar de certas atividades relacionadas com sua adoração?
Vamos considerar o que o apóstolo Paulo foi inspirado a
escrever sobre esse assunto. Ele fornece a orientação que preci-
samos para tomar boas decisões; decisões que honram a Deus.
(1 Coríntios 11:3-16) Paulo revela três fatores a levar em consi-
deração: (1) as atividades que exigem que uma mulher cubra a
cabeça, (2) as circunstâncias em que ela deve fazer isso e (3) os
motivos de aplicar esse princípio.
As atividades. Paulo menciona duas: a oração e o profetizar.
(Versículos 4, 5) A oração é, naturalmente, falar com Jeová; é
um ato de adoração. Hoje, o profetizar refere-se a quando o mi-
nistro cristão transmite ensinos bíblicos. Será que Paulo está
dando a entender, então, que uma mulher deve cobrir a cabeça
sempre que ora ou ensina verdades bíblicas? Não. Tudo depen-
de da circunstância em que ela ora ou ensina.
As circunstâncias. As palavras de Paulo sugerem duas
circunstâncias, ou esferas de atividade — a família e a congre-
gação. Ele diz: “O cabeça da mulher é o homem; . . .
Toda mulher que ora ou profetiza com a cabeça descoberta
210 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

envergonha o seu cabeça.” (Versículos 3, 5, nota) Na família,


Jeová designou o marido como cabeça da esposa. Pode acon-
tecer de a esposa precisar assumir responsabilidades que Jeová
atribuiu ao marido. Mas, se ela fizer isso sem dar o devido re-
conhecimento à autoridade dele, o estará envergonhando. Por
exemplo, se for necessário que a esposa dirija um estudo bí-
blico na presença de seu marido, ela deverá reconhecer a
autoridade dele por cobrir a cabeça. Ela deverá fazer isso sen-
do ele batizado ou não, porque ele é o cabeça da família.1
Se ela orar ou ensinar na presença de um filho menor batiza-
do, também deverá cobrir a cabeça, não que ele seja o cabeça
da família, mas por causa da autoridade concedida aos homens
batizados da congregação cristã.
Paulo menciona a congregação, dizendo: “Se alguém quiser
argumentar a favor de outro costume, não temos outro, nem o
têm as congregações de Deus.” (Versículo 16) Na congregação,
a autoridade é concedida aos homens batizados. (1 Timóteo
2:11-14; Hebreus 13:17) Apenas homens são designados como
anciãos e servos ministeriais para assumir a responsabilida-
de dada por Deus de cuidar do rebanho Dele. (Atos 20:28)
Vez por outra, porém, as circunstâncias talvez exijam que uma
irmã seja designada para realizar uma tarefa que normalmen-
te seria executada por um homem batizado qualificado. Por
exemplo, ela talvez precise dirigir uma reunião para o serviço
de campo porque não há, ou não está presente, nenhum ho-
mem batizado e habilitado na congregação. Ou ela talvez dirija
um estudo bíblico, previamente combinado, na presença de
um irmão batizado.2 Visto que essas atividades são na realida-
de extensões da congregação cristã, ela deverá cobrir a cabeça,
reconhecendo assim que está desempenhando uma atividade
que normalmente é designada a um irmão.
1 Uma esposa cristã normalmente não ora em voz alta na presença de
seu marido cristão, exceto em circunstâncias incomuns como, por exem-
plo, se ele não consegue falar por causa de algum problema de saúde.
2 Quando uma irmã convida um publicador não batizado, que não é
seu marido, para acompanhá-la num estudo bíblico, ela não precisa co-
brir a cabeça ao dirigir o estudo na presença dele.
211

Por outro lado, há muitos


aspectos da adoração que não
exigem que uma irmã cubra
a cabeça. Por exemplo, ela
não precisa fazer isso quando
comenta nas reuniões cristãs,
quando participa na prega-
ção de casa em casa com seu
marido ou outro homem ba-
tizado, nem quando estuda
ou ora com seus filhos não
batizados. É claro que podem surgir perguntas sobre esse as-
sunto. Caso uma irmã tenha dúvidas, pode fazer pesquisas a
respeito.1 Se ainda assim ela ficar insegura quanto a como agir
e na sua consciência achar que deve cobrir a cabeça, não estará
errada se fizer isso, conforme exemplificado na foto acompa-
nhante.
Os motivos. No versículo 10, encontramos dois motivos de
uma cristã querer cumprir esse requisito: “A mulher deve ter
um sinal de autoridade sobre a cabeça, e por causa dos anjos.”
Primeiro, note a expressão “um sinal de autoridade”. Cobrir
a cabeça é uma maneira de a mulher mostrar que reconhece
a autoridade que Jeová deu aos homens batizados na congre-
gação. Assim, ela expressa seu amor e lealdade a Jeová Deus.
O segundo motivo encontra-se nas palavras “por causa dos an-
jos”. Como o fato de uma mulher cobrir a cabeça influi nessas
poderosas criaturas espirituais?
Os anjos se interessam em observar que a autoridade di-
vina é reconhecida em toda a organização de Jeová, tanto no
céu como na Terra. Eles também se beneficiam do exemplo
que humanos imperfeitos dão nesse sentido. Afinal, eles tam-
bém precisam respeitar o princípio da chefia estabelecido por
Jeová — um teste no qual um bom número de anjos falhou no
1 Para mais informações, veja A Sentinela de 15 de fevereiro de 2015,
página 30; de 15 de julho de 2002, páginas 26-27; e de 15 de agosto
de 1977, páginas 509-512.
212 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

passado. ( Judas 6) Os anjos talvez observem quando uma irmã


é mais experiente, tem mais conhecimento e é mais inteli-
gente do que um irmão batizado na congregação, mas mesmo
assim demonstra prontamente submissão à autoridade dele.
Em alguns casos, a irmã é uma cristã ungida que no futuro se
tornará co-herdeira de Cristo. Tal irmã servirá um dia numa
posição até mesmo mais elevada que a dos anjos e reinará com
Cristo nos céus. Que exemplo excelente para os anjos obser-
varem! Realmente, por meio de sua lealdade e submissão, as
irmãs têm o grande privilégio de demonstrar obediência e hu-
mildade à vista de milhões de anjos fiéis.

Saudação à bandeira, voto e


serviço civil alternativo
Saudação à bandeira. As Testemunhas de Jeová acreditam
que saudar a bandeira ou curvar-se diante dela, geralmente
quando se toca um hino nacional, seja um ato religioso que
atribui salvação, não a Deus, mas ao Estado ou a seus lí-
deres. (Isaías 43:11; 1 Coríntios 10:14; 1 João 5:21) Um desses
líderes foi o Rei Nabucodonosor, da antiga Babilônia. Para im-
pressionar as pessoas com sua majestade e fervor religioso, esse
poderoso monarca construiu uma enorme imagem e obrigou
seus súditos a se curvar diante dela enquanto se tocava uma
música, similar a um hino nacional. No entanto, três hebreus
— Sadraque, Mesaque e Abednego — se recusaram a se curvar
diante da imagem, mesmo sabendo que poderiam morrer por
causa disso. — Daniel, capítulo 3.
Na nossa época, o nacionalismo tem a bandeira como “prin-
cipal símbolo de fé e objeto central de adoração”, escreveu o
historiador Carlton Hayes. “Os homens tiram o chapéu quan-
do a bandeira passa; e em louvor à bandeira os poetas escrevem
poemas e as crianças entoam hinos.” O nacionalismo, acres-
centou ele, também tem seus “dias santos”, como o Dia da
Independência, bem como seus “santos e heróis” e seus “tem-
Apêndice 213

plos”, ou monumentos. Numa cerimônia pública no Brasil,


um ministro general de exército reconheceu: “Cultua-se e ve-
nera-se a bandeira . . . como se cultua a Pátria.” E certa vez, The
Encyclopedia Americana disse: “A bandeira, como a cruz, é sa-
grada.”
Essa enciclopédia disse mais recentemente que os hinos na-
cionais “são expressões de sentimentos patrióticos e muitas
vezes incluem pedidos de orientação e proteção divinas para o
povo ou seus governantes”. Portanto, os servos de Jeová não
são desarrazoados ao considerar como religiosas as cerimônias
patrióticas que incluem a saudação à bandeira e hinos nacio-
nais. Tanto é assim que, ao comentar a recusa dos filhos das
Testemunhas de Jeová de prestar homenagem à bandeira e de
fazer o juramento de lealdade nas escolas dos Estados Unidos,
o livro The American Character (O Caráter Americano) disse:
“Numa série de casos, a Suprema Corte por fim confirmou que
esses ritos diários são religiosos.”
Embora não participe de cerimônias que considera antibí-
blicas, o povo de Jeová com certeza respeita o direito dos
outros de fazer isso. Também respeita as bandeiras nacionais
como símbolos e reconhece que os governos devidamente
constituídos são “autoridades superiores” que ‘estão a serviço
de Deus’. (Romanos 13:1-4) Assim, as Testemunhas de Jeová
acatam a exortação de orar “com respeito a reis e a todos
os que estão em altos postos”. Mas fazemos isso “a fim de que
continuemos a levar uma vida calma e sossegada, com plena
devoção a Deus e seriedade”. — 1 Timóteo 2:2.
Votar em eleições políticas. Os cristãos verdadeiros respei-
tam o direito dos outros de votar. Eles não se opõem às
eleições; cooperam com as autoridades eleitas. Mas perma-
necem totalmente neutros nos assuntos políticos das nações.
(Mateus 22:21; 1 Pedro 3:16) O que o cristão deve fazer nos
países em que o voto é obrigatório ou quando as pessoas se re-
voltam contra os que não comparecem às urnas? Sabendo que
Sadraque, Mesaque e Abednego foram até a planície de Dura,
um cristão, em circunstâncias similares, talvez decida ir às
214 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

urnas se sua consciência o permite. Mas tomará cuidado para


não violar sua neutralidade. Ele deve levar em consideração os
seis princípios a seguir:
1. Os seguidores de Jesus “não fazem parte do mundo”.
— João 15:19.
2. Os cristãos representam a Cristo e seu Reino. — João
18:36; 2 Coríntios 5:20.
3. A congregação cristã é unida nas suas crenças, e seus
membros estão unidos por terem amor semelhante ao de Cris-
to. — 1 Coríntios 1:10; Colossenses 3:14.
4. Os que elegem alguém para determinado cargo políti-
co compartilham a responsabilidade pelas coisas que ele faz.
— Note os princípios contidos nas palavras registradas em 1 Sa-
muel 8:5, 10-18 e 1 Timóteo 5:22.
5. Quando a nação de Israel pediu um governante visível,
Jeová interpretou isso como indício de que eles o haviam rejei-
tado. — 1 Samuel 8:7.
6. Os cristãos precisam ter franqueza no falar ao pregar sobre
o governo do Reino de Deus a pessoas de todas as ideologias
políticas. — Mateus 24:14; 28:19, 20; Hebreus 10:35.
Serviço civil alternativo. Em alguns países, o Estado exige
que aqueles que se recusam a prestar serviço militar prestem
algum tipo de serviço civil alternativo por determinado perío-
do. Quando confrontados com uma decisão dessa natureza,
devemos orar sobre o assunto, talvez falar sobre isso com um
cristão maduro e então decidir o que fazer à base de nossa
consciência treinada. — Provérbios 2:1-5; Filipenses 4:5.
A Palavra de Deus diz que devemos ‘ser obedientes a gover-
nos e autoridades’, ‘estar prontos para toda boa obra’ e ‘ser
razoáveis’. (Tito 3:1, 2) Com isso em mente, podemos nos
perguntar: ‘Será que aceitar o serviço civil em questão vai vio-
lar minha neutralidade cristã ou fazer com que eu me envolva
com a religião falsa?’ (Miqueias 4:3, 5; 2 Coríntios 6:16, 17)
‘Será que fazer esse serviço tornará difícil, ou até impossível,
que eu cuide das minhas responsabilidades cristãs?’ (Mateus
Apêndice 215

28:19, 20; Efésios 6:4; Hebreus 10:24, 25) ‘Por outro lado, será
que a programação para realizar esse serviço me permitiria au-
mentar minhas atividades espirituais, talvez ingressando no
serviço de tempo integral?’ — Hebreus 6:11, 12.
Se a consciência de um cristão permite que ele realize o
serviço civil alternativo em vez de ir para a prisão, seus compa-
nheiros cristãos devem respeitar sua decisão. (Romanos 14:10)
Se, porém, ele achar que não deve realizar esse serviço, sua
decisão também deve ser respeitada. — 1 Coríntios 10:29; 2 Co-
ríntios 1:24.

Frações de sangue e
procedimentos cir úrgicos
Frações de sangue. São derivadas dos quatro componentes
primários do sangue — glóbulos vermelhos, glóbulos bran-
cos, plaquetas e plasma. Por exemplo, os glóbulos vermelhos
contêm uma proteína chamada hemoglobina. Produtos que
contêm hemoglobina humana ou animal são usados para tra-
tar pacientes com anemia aguda ou com grande perda de
sangue.
O plasma — que é 90% água — transporta dezenas de hormô-
nios, sais inorgânicos, enzimas e nutrientes, incluindo minerais
e açúcar. Transporta também fatores de coagulação, proteínas,
como a albumina, e anticorpos que combatem doenças. Se al-
guém fica exposto a certa doença, os médicos talvez receitem
injeções de gamaglobulina extraída do plasma de pessoas que
já adquiriram imunidade à doença. Os glóbulos brancos podem
ser uma fonte de interferons e de interleucinas, usados para tra-
tar algumas infecções virais e alguns tipos de câncer.
Será que os cristãos devem aceitar terapias que utilizam fra-
ções sanguíneas? A Bíblia não dá detalhes específicos, de
modo que cada um deve tomar sua própria decisão perante
Deus segundo sua consciência. Alguns decidem recusar todas
216 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

SANGUE TOTAL
INACEITÁVEL
Glóbulos Glóbulos Plaquetas Plasma

․․․․․․․․․․․․․․․․

․․․․․․․․․․․․․․․․
vermelhos brancos

․․․․․․․․․․․․
․․․․․․․․․․․․
Frações de Frações de Frações Frações
CABE AO
CRISTÃO glóbulos glóbulos de de
DECIDIR vermelhos brancos plaquetas plasma

as frações, raciocinando que a Lei de Deus para Israel exigia


que o sangue retirado de um animal fosse ‘derramado na terra’.
(Deuteronômio 12:22-24) Outros, embora recusem transfu-
sões de sangue total ou de seus componentes primários, talvez
aceitem tratamentos que utilizam frações de sangue. Talvez
raciocinem que em determinado ponto as frações que são ex-
traídas do sangue deixam de representar a vida da pessoa ou do
animal do qual o sangue foi tirado.
Ao tomar decisões sobre frações de sangue, pergunte-se: ‘Re-
conheço que por recusar todas as frações de sangue estarei
rejeitando certos medicamentos que contêm derivados de san-
gue para combater doenças ou para ajudar o sangue a coagular
a fim de estancar hemorragias? Saberia explicar a um médico
por que rejeito ou aceito o uso de certas frações de sangue?’
Procedimentos cirúrgicos. Esses incluem a hemodiluição
e a recuperação intraoperatória de células. Na hemodiluição,
o sangue é desviado do corpo, substituído por expansores de
volume que não contêm sangue e depois devolvido ao pacien-
te. A recuperação intraoperatória de células recolhe o sangue
perdido durante a cirurgia e o devolve ao paciente. Nesse pro-
cesso, o sangue é recuperado de um ferimento ou de uma
cavidade do corpo, purificado ou filtrado e então devolvido
ao paciente. Visto que a maneira de aplicar essas técnicas pode
variar de um médico para outro, o cristão precisa se informar
sobre o que seu médico tem em mente.
Apêndice 217

Ao tomar decisões sobre esses procedimentos, pergunte-se:


‘Se parte do meu sangue for desviada do meu corpo e a circula-
ção for interrompida, minha consciência me permitirá encarar
esse sangue como ainda fazendo parte de mim, tornando des-
necessário “derramá-lo na terra”? (Deuteronômio 12:23, 24)
Será que minha consciência treinada pela Bíblia ficaria per-
turbada se durante um procedimento médico parte do meu

PERGUNTAS QUE PODEM SER FEITAS


AO MÉDICO
Caso tenha de submeter-se a uma cirurgia ou
a um tratamento que possa envolver derivados de
sangue, não deixe de providenciar toda a docu-
mentação legal necessária, como uma procuração
para tratamento de saúde, que tem por objetivo
protegê-lo de transfusões de sangue. Além disso,
você pode perguntar ao médico o seguinte:
ˇ Toda a equipe médica envolvida sabe que,
como Testemunha de Jeová, determino que não me
sejam aplicadas transfusões de sangue (sangue total,
glóbulos vermelhos, glóbulos brancos, plaquetas
ou plasma sanguíneo) em nenhuma circunstân-
cia?
ˇ Caso se recomende um medicamento que tem
frações de sangue, qual é sua composição? Quanto
desse medicamento pode vir a ser administrado, e
de que maneira?
ˇ Caso minha consciência me permita aceitar
certa fração de sangue, quais são os riscos para a
saúde? Que alternativas estão disponíveis?
Antes de tomar qualquer decisão nesse respeito,
ore a Jeová sobre suas preocupações. Ele promete
dar a necessária sabedoria a todos os que ‘persistem
em pedi-la’ com fé. — Tiago 1:5, 6.
218 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

sangue fosse retirada, modificada e colocada de volta em meu


corpo? Estou ciente de que ao recusar todo procedimento que
envolve meu próprio sangue estarei também recusando me
submeter a exames de sangue e a tratamentos como hemodiá-
lise ou o uso da máquina coração-pulmão?’
O cristão precisa decidir por si mesmo como permitirá que
seu sangue seja manuseado durante um procedimento cirúrgi-
co. O mesmo se aplica a exames médicos e terapias modernas
que envolvem tirar uma pequena quantidade de sangue, talvez
modificá-lo de alguma forma e depois injetá-lo novamente no
corpo.

Vença a luta contra a masturbação


A masturbação é um hábito espiritualmente nocivo que es-
timula pensamentos que levam ao egocentrismo e corrompem
a mente.1 Quem pratica a masturbação pode também passar a
considerar os outros como meros objetos sexuais — apenas um
meio para obter satisfação sexual. O sexo acaba sendo não um
ato de amor, mas um mero estímulo que dá prazer momen-
tâneo e alivia a tensão sexual. Mas esse alívio dura pouco. Na
verdade, em vez de ‘fazer morrer os membros do corpo com
respeito a imoralidade sexual, impureza e paixão desenfreada’,
a masturbação os excita. — Colossenses 3:5.
O apóstolo Paulo escreveu: “Amados, . . . purifiquemo-nos
de toda imundície da carne e do espírito, aperfeiçoando a san-
tidade no temor de Deus.” (2 Coríntios 7:1) Se, para você,
obedecer a essas palavras é uma luta, não se desespere. Jeová
está sempre “pronto a perdoar” e a ajudar. (Salmo 86:5; Lucas
11:9-13) Na verdade, a consciência pesada e os esforços para
largar o hábito — apesar de eventuais recaídas — são indícios de
uma boa atitude. Lembre-se também de que “Deus é maior do
1 Masturbaãoo é a estimulação manual dos órgãos genitais que geral-
mente leva ao orgasmo.
Apêndice 219

que o nosso coração e sabe todas as coisas”. (1 João 3:20) Deus


vê além dos nossos pecados; ele vê a pessoa como um todo.
Visto que sabe tudo a nosso respeito, ele nos ouve com compai-
xão quando sinceramente lhe pedimos misericórdia. Portanto,
nunca se canse de buscar a Deus por meio de orações humildes
e sinceras, como um filho que recorre ao pai quando passa por
dificuldades. Jeová o abençoará com uma consciência limpa.
(Salmo 51:1-12, 17; Isaías 1:18) É claro que você precisa tomar
medidas positivas em harmonia com suas orações. Por exem-
plo, precisa se esforçar para evitar toda forma de pornografia e
as más companhias.1
Se seu problema com a masturbação continuar, converse
com seu pai ou sua mãe ou com um amigo espiritualmente
maduro que se importa com você.2 — Provérbios 1:8, 9; 1 Tes-
salonicenses 5:14; Tito 2:3-5.
1 Como medida prática para controlar o uso do computador, muitas
famílias o deixam numa área de circulação da casa. Além disso, alguns
compram programas de computador projetados para filtrar matéria im-
própria. Mas nenhum programa é totalmente eficaz.
2 Para sugestões práticas sobre como vencer a masturbação, veja o ar-
tigo “Os Jovens Perguntam . . . Como posso vencer esse mau hábito?”,
na Despertai! de novembro de 2006, e o livro Os Jovens Perguntam — Res-
postas Práticas, Volume 1, páginas 178-182.

O conceito da Bíblia
sobre divórcio e separação
Jeová espera que os casados cumpram seu voto marital. Ao
unir o primeiro homem e a primeira mulher em casamen-
to, Jeová disse: “O homem . . . se apegará à sua esposa, e
eles se tornarão uma só carne.” Mais tarde, Jesus Cristo repe-
tiu essa declaração e acrescentou: “Portanto, o que Deus pôs
sob o mesmo jugo, o homem não deve separar.” (Gênesis 2:24;
Mateus 19:3-6) Assim, Jeová e Jesus consideram o casamento
como um vínculo vitalício, que termina somente quando um
220 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

dos cônjuges morre. (1 Coríntios 7:39) Visto que o casamento


é sagrado, o divórcio é um assunto que deve ser encarado com
muita seriedade. Na verdade, Jeová odeia divórcios que não
têm base bíblica. — Malaquias 2:15, 16.
O que constitui base bíblica para o divórcio? Bem, Jeová
odeia o adultério e a imoralidade sexual. (Gênesis 39:9; 2 Sa-
muel 11:26, 27; Salmo 51:4) Ele detesta tanto a imoralidade
sexual que a considera como motivo válido para o divórcio.
(Para uma análise do que constitui imoralidade sexual, veja o
capítulo 9, parágrafo 7.) Jeová dá ao cônjuge inocente o direi-
to de decidir se vai continuar vivendo com o cônjuge culpado
ou divorciar-se. (Mateus 19:9) Assim, se o cônjuge inocente de-
cidir se divorciar, não estará fazendo algo que Jeová odeia. Ao
mesmo tempo, a congregação cristã não incentiva ninguém a
se divorciar. De fato, devido a certas circunstâncias, a pessoa
talvez decida continuar com o cônjuge culpado, em especial se
ele estiver realmente arrependido. Em última análise, porém,
quem tiver base bíblica para se divorciar terá de tomar sua pró-
pria decisão e arcar com quaisquer consequências que possam
surgir. — Gálatas 6:5.
Em algumas situações extremas, alguns cristãos decidem se
separar do cônjuge ou se divorciar sem que tenha havido imo-
ralidade sexual. Em casos assim, a Bíblia diz que quem faz isso
deve ‘permanecer sem se casar, ou então se reconciliar’ com
seu cônjuge. (1 Coríntios 7:11) Um cristão nessa situação não
está livre para procurar alguém para se casar. (Mateus 5:32)
Analise aqui algumas situações extremas que alguns conside-
ram ser base para separação.
Recusa deliberada de sustentar a família. Uma família talvez
passe necessidade porque o marido deixa de prover o susten-
to, embora ele tenha condições de fazer isso. A Bíblia diz: “Se
alguém não provê o necessário para . . . os membros de sua fa-
mília, renega a fé e é pior do que alguém sem fé.” (1 Timóteo
5:8) Se um marido nessa situação se recusar a mudar de proce-
der, a esposa terá de decidir se ela precisa proteger seu bem-estar
Apêndice 221

e o dos filhos por meio de uma separação legal. Naturalmente,


os anciãos devem analisar bem qualquer acusação feita contra
um cristão de que ele se recusa a sustentar a família. Recusar-se
a cuidar da família pode resultar em desassociação.
Extremos maus-tratos físicos. Um cônjuge agressivo pode ser
tão violento que põe em risco a saúde ou até mesmo a vida
do cônjuge inocente. Se o cônjuge agressivo é cristão, os an-
ciãos da congregação devem verificar se as acusações têm base.
Acessos de ira e comportamento violento são base para desas-
sociação. — Gálatas 5:19-21.
Pôr totalmente em risco a espiritualidade da pessoa. Um côn-
juge pode constantemente tentar tornar impossível que um
cristão adore a Deus; talvez até mesmo tente obrigá-lo a violar
de alguma forma os mandamentos de Deus. Em casos assim, o
cônjuge inocente terá de decidir se a única maneira de “obede-
cer a Deus como governante em vez de a homens” é por obter
uma separação legal. — Atos 5:29.
Nos casos em que há situações extremas como essas, nin-
guém deve pressionar o cônjuge inocente a se separar nem a
continuar vivendo com seu marido ou sua esposa. Embora os
anciãos e amigos espiritualmente maduros possam dar apoio e
conselhos bíblicos, eles não têm como saber todos os detalhes
sobre o que se passa entre o marido e a esposa. Apenas Jeová
pode ver isso. É claro que uma esposa cristã não estaria hon-
rando a Deus nem a instituição do casamento se exagerasse a
seriedade dos problemas domésticos só para ter uma descul-
pa para se separar do marido ou vice-versa. Jeová sabe quando
alguém está tramando separar-se, não importa quanto a pes-
soa tente esconder isso. De fato, “todas as coisas estão nuas e
abertamente expostas aos olhos daquele a quem temos de
prestar contas”. (Hebreus 4:13) Mas, se uma situação extrema-
mente perigosa persistir, ninguém deverá criticar o cristão que,
em último caso, decide separar-se. No final das contas, “todos
nós compareceremos perante o tribunal de Deus”. — Roma-
nos 14:10-12.
222 ‘Mantenha-se no Amor de Deus’

Como resolver desacordos em


assuntos comerciais
Em 1 Coríntios 6:1-8, o apóstolo Paulo falou sobre proces-
sos judiciais entre cristãos. Ele expressou desapontamento
pelo fato de alguns cristãos em Corinto ‘se atreverem a ir
a juízo perante os injustos’. (Versículo 1) Paulo deu fortes
motivos pelos quais os cristãos devem resolver desacordos
dentro da congregação em vez de levar uns aos outros a juí-
zo. Vejamos algumas razões de ele ter dado esses conselhos
inspirados e depois analisemos algumas situações que não
são necessariamente abrangidas por essa orientação.
Se tivermos algum desacordo em assuntos comerciais
com um irmão na fé, deveremos em primeiro lugar pro-
curar resolver o assunto do modo de Jeová, não do nosso.
(Provérbios 14:12) Como Jesus mostrou, é melhor resolver
os desentendimentos o mais rápido possível, antes que au-
mentem e se tornem algo mais sério. (Mateus 5:23-26)
Lamentavelmente, porém, alguns cristãos desenvolvem um
espírito contencioso, até mesmo levando suas disputas aos
tribunais. Paulo disse: “Já é uma derrota para vocês quando
movem ações judiciais uns contra os outros.” Por quê? Um
motivo importante é que levar irmãos a juízo pode manchar
o bom nome da congregação e do Deus a quem adoramos.
Por isso levamos a sério a pergunta de Paulo: “Não seria me-
lhor sofrer a injustiça?” — Versículo 7.
Paulo também destacou que Deus providenciou que a
congregação tivesse um excelente meio para resolver muitos
desacordos. Os anciãos são homens que se tornaram sábios
por conhecer as verdades da Bíblia, e Paulo disse que eles
têm condições de “julgar entre . . . irmãos” quando se trata
de “questões desta vida”. (Versículos 3-5) Jesus mencionou
três passos que devem ser dados para resolver as altercações
que envolvem erros graves, como calúnia e fraude: primeiro,
tentar resolver o assunto em particular, entre os envolvidos;
segundo, caso o primeiro passo não dê certo, levar junto
Apêndice 223

uma ou duas testemunhas; e terceiro, se isso não funcionar,


levar o assunto à congregação, conforme representada pelos
anciãos. — Mateus 18:15-17.
É claro que os anciãos nem sempre são advogados ou ho-
mens de negócios, nem precisam atuar como tais. Eles não
estabelecem as condições para resolver desacordos em as-
suntos comerciais entre irmãos. Em vez disso, procuram
ajudar todos os envolvidos a aplicar os princípios bíblicos e
chegar a um acordo amistoso. Em casos complexos, talvez
decidam consultar o superintendente de circuito ou o escri-
tório administrativo das Testemunhas de Jeová. No entanto,
existem situações que não são abrangidas pelos conselhos
de Paulo. Quais são algumas delas?
Em alguns casos, pode ser apenas uma formalidade legal
necessária para resolver alguns assuntos que requerem ação
judicial, mas que não envolvam litígio nem interesses egoís-
tas. Por exemplo, pode ser o único meio disponível para
conseguir um divórcio, a guarda de filhos, pensão alimen-
tícia, indenização de um seguro, ser alistado como credor
num processo de falência e fazer cumprir testamentos. Tam-
bém pode haver casos em que um irmão se veja obrigado a
mover uma ação para se proteger de um processo judicial.1
Se a pessoa procurar o amparo da lei num espírito pacífi-
co, tais ações judiciais talvez não estejam violando a essência
do conselho inspirado de Paulo.2 Entretanto, a prioridade
do cristão deve ser santificar o nome de Jeová e preservar
a paz e a união da congregação. Os seguidores de Cristo se
caracterizam acima de tudo pelo amor, e o “amor . . . não
procura os seus próprios interesses”. — 1 Coríntios 13:4, 5;
João 13:34, 35.
1 Em casos raros, um cristão talvez pratique um crime grave contra ou-
tro — como estupro, atos de agressão, assassinato ou roubo de grande
porte. Em casos assim, não seria antibíblico relatar o assunto às autori-
dades, mesmo que isso possa levar a um processo civil ou criminal.
2 Para mais informações, veja A Sentinela de 15 de março de 1997, pá-
ginas 17-22, e de 15 de outubro de 1991, páginas 25-28.
Para mais informações, acesse www.jw.org
ou contate as Testemunhas de Jeová.