You are on page 1of 25

Professor Luis Octavio Alves de Azevedo

Orçamento Público 3. Divisão do Orçamento


a) Orçamento Fiscal: Órgãos da adm. direta, autarquias,
1. Conceito fundações, empresas estatais (empresas públicas e sociedades
Programa de custeio, investimentos, inversões, transferências de economia mista) dependentes, que não estejam
e receitas, elaborado pelo executivo e aprovado pelo relacionadas no orçamento de seguridade. São dependentes
legislativo, para um exercício financeiro. AMAZUL, CEITEC, CODEVASF, CPRM, CBTU, CONAB,
Baleeiro “ato pelo qual o Poder Legislativo prevê e autoriza ao CONCEIÇÃO, EBC, EMBRAPA, EPE, EBSERH, EPL, FÊMINA,
Poder Executivo, por certo período e em pormenor, as HCPA, IMBEL, INB, NUCLEP, REDENTOR, TRENSURB.
despesas destinadas ao funcionamento dos serviços públicos b) Orçamento de Investimento: Empresas estatais (empresas
e outros fins adotados na política econômica ou geral do país, públicas e sociedades de economia mista) independentes.
assim como a arrecadação das receitas já criadas em lei” c) Orçamento de Seguridade: Órgãos da adm. Direta e
autarquias, fundações, empresas estatais relacionadas à
2. Características saúde, previdência social e assistência social
 Finalidade: Alto Desempenho (satisfação do cidadão
 Objetivos: Manutenção, Melhoria e Ampliação dos 4. Ciclo Orçamentário
Serviços
 Direcionado para o alcance de objetivos: Planejamento
 Prazo: Exercício Financeiro (Curto Prazo)
 Planejamento Operacional
 Direcionado para atender as necessidades de uma região
 Orçamentos a nível da União, Estados, Municípios e DF
 É ato-condição = autorizativo e não ato-regra = impositivo
 Princípio da Legalidade = Lei Orçamentária Anual - LOA
 Lei Ordinária = Lei em sentido formal, mas não material
 Elaborado pelo Executivo e aprovada pelo Legislativo
 Flexível

5. Créditos Orçamentários x Créditos Adicionais


5.1. Créditos Orçamentários
São autorizações para realização de despesas que foram contempladas na Lei Orçamentária Anual (Orçamento Público)
5.2. Créditos Adicionais
São autorizações para realização de despesas não previstas no Orçamento Público ou dotação insuficiente
Característica Suplementar Especial Extraordinário
Atender despesas não orçadas, urgentes e
Complementar recursos Atender despesas não imprevisíveis, ocasionadas por Guerra,
Finalidade
para despesas orçadas orçadas de caráter urgente Comoção Intestina (Interna) ou
Calamidade pública
Indicação de Recursos Obrigatória Obrigatória Não é necessário
Forma de abertura Decreto Decreto Medida provisória (decreto do executivo)
Lei específica ou no próprio
Forma de autorização Lei Específica Lei Específica
Orçamento
Precisa de ser autorizada e Precisa de ser autorizada e Possui prévia autorização, mas necessita
Autorização/Aprovação
aprovada pelo Legislativo aprovada pelo Legislativo de aprovação posterior
Prazo Até o final do exercício Até o final do exercício Até o final do exercício
Possível que solicitada nos Possível que solicitada nos 4 últimos
Prorrogação Não é possível
4 últimos meses meses

Prof. Luis Octavio Alves de Azevedo 1 ORÇAMENTO PÚBLICO


6. Peças Orçamentárias
6.1. Plano Plurianual (PPA)  Estabelecer a política de aplicação das agências oficiais de
É o plano da ampliação dos serviços públicos, devidamente fomento.
ordenado, classificado e sistematizado segundo os graus de
prioridade. Ele especifica, qualifica, quantifica e orça o custo
Segundo a CF art. 165 § 2º. A lei de diretrizes
de cada projeto.
orçamentárias compreenderá as metas e prioridades da
É um instrumento de planejamento estratégico que
administração pública federal, incluindo as despesas de
estabelecerá de forma regionalizada:
capital para o exercício financeiro subseqüente, orientará
 diretrizes, objetivos e metas da administração pública para
a elaboração da lei orçamentária anual, disporá sobre as
despesas de capital e outras despesas delas decorrentes.
alterações na legislação tributária e estabelecerá a
 Diretrizes, objetivos e metas da administração pública para
política de aplicação das agências financeiras oficiais de
programas de duração continuada.
fomento.
Segundo a Constituição o PPA abrange as ações coerentes e
O Projeto da LDO tem que ser encaminhado ao Poder
relacionadas com a finalidade da administração pública,
Legislativo até oito meses e meio antes do encerramento
integrados num todo que atue coordenada e continuamente,
do exercício financeiro (15 de abril) e devolvido para
em determinado período.
sanção até o encerramento do primeiro período da seção
legislativa (segundo a emenda 52 dia 17 de julho).
Segundo a CF art. 165 § 1º a lei que instituir o plano
plurianual estabelecerá, de forma regionalizada, as
Conteúdo da Proposta das Diretrizes Orçamentárias
diretrizes, objetivos e metas da administração pública
a) Mensagem, contendo:
federal para as despesas de capital e outras delas
 Análise da execução do plano plurianual, justificando
decorrentes e para as relativas aos programas de duração
eventuais desvios;
continuada.
 Prioridades propostas para definição das metas do plano
Não existe ainda uma Lei Completar que defina o período
plurianual a serem implantadas na lei orçamentária anual
para o PPA e com isso a vigência do mesmo é até o final
subseqüente;
do primeiro exercício do mandato presidencial
subseqüente. O projeto de lei para o mesmo deverá ser  Proposta de concessão de vantagens ou aumento de
enviado até quatro meses (31 de agosto) antes do remuneração, criação de cargos, alteração de carreiras e
encerramento do primeiro exercício financeiro do novo de admissão adicional de pessoal;
presidente e devolvido para sanção até o encerramento da  Proposta de alteração da legislação tributária para
sessão legislativa (22 de dezembro). viabilização das metas previstas na lei de diretrizes;
 Política de aplicação das agências de fomento;
Não existe ainda uma Lei Completar que defina o período  Proposta dos limites estabelecidos para os Poderes
para o PPA e com isso a vigência do mesmo é até o final do Executivo, Legislativo e Judiciário;
primeiro exercício do mandato presidencial subseqüente. O  Análise da receita, justificando os critérios adotados na
projeto de lei para o mesmo deverá ser enviado até quatro estimativa.
meses antes do encerramento do primeiro exercício b) Projeto de lei das diretrizes orçamentárias.
financeiro do novo presidente e devolvido para sanção até o c) Demonstrativo por função.
encerramento da sessão legislativa. d) Análise da capacidade de endividamento.
Conteúdo da Proposta do Plano Plurianual
 Diagnóstico global da situação, indicando as carências e 6.3. Lei Orçamentária Anual (LOA)
potencialidades existentes; É o instrumento de planejamento operacional que
 Exposição das diretrizes, estratégia e políticas econômicas, obedece à LDO e que é composto de:
financeira e social para o período de governo; a) Orçamento fiscal: demonstra a ação governamental dos
 Explicitação dos objetivos do plano e exposição Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário, seus fundos,
circunstanciada dos programas e respectivas metas; órgãos e entidades da administração direta e indireta,
 Indicação dos critérios utilizados na projeção da receita, exceto os investimentos das empresas e os órgãos, fundos
bem como na estimativa dos custos das metas propostas; e entidades vinculadas ao sistema de seguridades social.
 Análise da capacidade de endividamento e pagamento. b) Orçamento de investimentos das empresas estatais: indica
os objetivos e metas compatibilizadas com o PPA, as
6.2. Diretrizes Orçamentárias (LDO) diretrizes orçamentárias e discrimina as receitas e
A Lei de Diretrizes Orçamentárias é o instrumento de despesas operacionais para evidenciar o déficit ou
planejamento operacional que compreende as metas e superávit resultante.
prioridades da administração, incluindo as despesas de c) Orçamento de seguridade: compreende as ações
capital para o exercício financeiro subseqüente. integradas dos poderes públicos e da sociedade,
Objetivos da LDO: destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde,
 Orientar a elaboração da lei orçamentária anual, bem previdência e assistência social.
como sua execução;
 Dispor sobre as alterações na legislação tributária;

Prof. Luis Octavio Alves de Azevedo 2 ORÇAMENTO PÚBLICO


 Desdobramento das metas previstas para cada órgão da
O projeto da LOA deve ser encaminhado até quatro meses
administração direta e entidades da administração
antes do encerramento do exercício financeiro (31 de
indereta.
agosto) e devolvido para sanção até o encerramento da
b) Projeto de lei orçamentária anual.
seção legislativa (pela emenda 52, dia 22 de dezembro).
c) Descrição sucinta das principais finalidades e metas
previstas de cada órgão.
Conteúdo da Proposta do Orçamento Anual d) Demonstração da receita e da despesa evidenciando os
a) Mensagem, contendo: valores previstos mês a mês.
 A compatibilidade com as metas aprovadas na LDO;
 Hipótese de inflação prevista para o exercício,
evidenciando a adequação dos preços adotados na LDO
aos constantes da Proposta;
Elaboração Exercício Encaminhamento Devolução para o
ao Legislativo Executivo
PPA No primeiro ano Do segundo ano de Até 31 de agosto (4 meses Até 22 de Dezembro
de mandato de mandato até o antes do término do (final da sessão do
um novo primeiro ano do exercício) legislativo)
governante. mandato seguinte.
LDO Todos os anos. Do exercício onde foi Até 15 de abril (8 meses e Até 17 de Julho (final da
elaborada até a meio antes do término do primeira etapa da
próxima entrar em exercício) sessão do legislativo)
vigor.
LOA Todos os anos. No exercício seguinte Até 31 de agosto (4 meses Até 22 de Dezembro
ao da sua elaboração. antes do término do (final da sessão do
exercício) legislativo)

7. Métodos e Técnica Orçamentérias tendem a permanecer inalteradas ao longo do tempo, e o


a) Orçamento Tradicional (1930 à 1963): refletia apenas os orçamento termina não refletindo uma reavaliação quanto
meios que o Estado dispunha para executar suas tarefas. O a novas necessidades e prioridades da sociedade.
orçamento tradicional não era baseado em planejamento Portanto, é fácil perceber que este orçamento não
e apenas repetia as despesas que os órgãos tiveram no privilegia a eficiência do gasto e a evolução da ação
exercício anterior. Orientada apenas para manutenção dos governamental.
serviços. e) Orçamento Base-Zero (OBZ) ou Estratégia constitui um
b) Orçamento de Desempenho ou Performance Budget contraponto do orçamento incremental. O orçamento
(1964 à 1966): procura estabelecer as coisas que o governo base zero é uma técnica para a elaboração do orçamento,
realiza (ações governamentais) e não apenas as coisas que cujas principais características são a revisão crítica dos
o governo compra (elementos de despesas). Este gastos tradicionais de cada área e a criação de alternativas
orçamento representa uma evolução do orçamento para facilitar a escala de prioridades a serem levadas para
tradicional. Não é baseado em planejamento. decisão superior. Para implantação desta técnica é
c) Orçamento Programa (a partir de 1967) é um instrumento necessário que os executivos estabeleçam os parâmetros
de planejamento que permite identificar os programas, os de cada programa, a identificação das áreas de decisão,
projetos e as atividades que o Governo pretende realizar, permitam também que cada gerente destas áreas
além de estabelecer os objetivos, as metas, os custos e os estabeleça três níveis de gasto para cada programa (nível
resultados esperados e oferecer maior transparência dos mínimo, atual e mais elevado) e que em cada nível da
gastos públicos. Nesse orçamento são definidos os organização seja efetuada a classificação (atribuição de
objetivos a serem alcançados, depois são definidas as prioridades).
despesas que terão que ser realizadas para se alcançar os Vantagens
objetivos definidos e por fim as receitas (recursos) - Atenção na análise de objetivos e necessidades;
necessárias para pagar as despesas. - conjuga planejamento e elaboração do orçamento no mesmo
d) Orçamento Incremental é quando a definição dos processo;
montantes de recursos a serem alocados para os - faz os gerentes de todos os níveis avaliarem melhor a
programas, ações, órgãos ou despesas se realiza mediante aplicação eficiente das dotações em suas atividades;
incorporação de acréscimos marginais em cada item de - aumenta a participação dos gerentes de todos os níveis no
despesa, mantendo-se o mesmo conjunto de despesas do planejamento das atividades e na elaboração dos orçamentos
orçamento anterior (ou com pequenos ajustes). Ou seja, o Desvantagens
orçamento de cada período mantém a mesma estrutura de - No início, o preparo é mais demorado e mais caro;
despesas do orçamento do período anterior, realizando-se - a preparação dos resumos produz montanhas de papel;
apenas incremento nos montantes de cada despesa. Desta - a implantação exige motivação dos funcionários e treinados;
forma, as opções e prioridades estabelecidas no passado

Prof. Luis Octavio Alves de Azevedo 3 ORÇAMENTO PÚBLICO


- um grande percentual do orçamento é intocável devido às Impede a vinculação de receitas advindas de impostos à
exigências legais; determinada despesa.
- pouca participação dos níveis hierárquicos superiores. Exceções:
f) orçamento participativo: caracteriza-se por uma I – Impostos onde os Estados, Municípios e DF possuam
participação direta e efetiva das comunidades na participação;
elaboração da proposta orçamentária do governo. II – Para educação - União 18% e 25% Estados, Municípios e DF
 Busca decisão descentralizada; III – Para gastos com saúde
 Cria conselhos populares; IV – Para pagamento de dívidas com a União
 Faz com que o cidadão desloque seu centro de atenção V – Como garantia.
para questões locais; 12) Orçamento-Bruto
 Gera consciência da participação do cidadão; Determina que que as receitas e despesas sejam colocadas em
 Dá nascimento a dois focos de poder democrático: um pelo seus valores totais, não sendo aceitas deduções.
voto; outro, pelas instituições diretas de participação 13) Programação
8. Princípios Orçamentários Define que o orçamento seja estruturado na forma de
1) Anualidade programas e direcionados para o alcance de objetivos ,
O Orçamento é para um ano, ou seja, sua execução é feita em 14) Publicidade
uma ano. No Brasil corresponde ao Ano Civil. Como o orçamento é direcionado para satisfação do cidadão,
2) Antecipalidade o mesmo terá que ser dado conhecimento à sociedade.
Trazido pela LRF esse princípio é o reflexo da visão estratégica 15) Regionalização
da Administração Pública e demonstra visão pro-ativa da O orçamento é direcionado para um determinado território,
mesma. Determina que na elaboração da LOA seja reservado onde as despesas informam o localizador de gasto.
recursos para possíveis despesas que podem ou não 16) Responsabilidade Fiscal
acontecerem. Princípio trazido pela LRF que obriga o uso responsável dos
3) Clareza recursos públicos pelos gestores e a punibilidade dos que
Princípio que obriga que o orçamento seja de fácil descumprirem as determinações legais.
entendimento até mesmo para pessoas com pouco 17) Supremacia do PPA
conhecimento. Tanto a LOA como a LDO só podem conter despesas que se
4) Equilíbrio encontrem no PPA.
O Princípio do Equilíbrio determina que o montante das 18) Transparência
despesas autorizadas não seja superior à previsão de receita. Obriga que seja publicado não apenas o orçamento, mas
A LRF traz o Equilíbrio durante a execução, ou seja, entre também os resultados alcançados
receitas e despesas. 19) Unidade de Caixa/Unidade de Tesouraria
5) Flexibilidade Obriga que todas as receitas sejam transferidas para Conta
Define que o orçamento e PPA possam ser modificados se Única do Tesouro Nacional que se localiza no BACEN.
surgirem novas necessidades, pois a Administração Pública é 20) Unidade Orçamentária ou apenas Unidade
contingencial. O orçamento será único, embora todos os entes públicos
6) Exatidão criem seus orçamentos, estes serão consolidados em uma
Princípio trazido pela LRF que determina que se aproxime a única Lei.
previsão da receita de sua real arrecadação. Para tanto a LRF 21) Universalidade
determina que o cálculo seja baseado na memória de O orçamento tem que conter todas as receitas e despesas.
arrecadação (arrecadação dos 3 últimos exercícios) e que Sendo assim, só serão consideradas receitas e despesas que
sejam analisados fatores que podem influenciar na estejam presentes no Orçamento.
arrecadação. Exceções: créditos adicionais especiais e extraordinários.
7) Exclusividade 10. Receitas Públicas
Determina que o orçamento só contenha matéria Disponibilidades de recursos financeiros que ingressam
orçamentária, ou seja, receitas e despesas. Porém existem durante o exercício e constituem elemento novo para o
duas exceções: autorização para abertura de crédito patrimônio público. Instrumento por meio do qual se viabiliza
suplementar e autorização para operações de crédito mesmo a execução das políticas públicas, a receita orçamentária é
que seja por ARO. fonte de recursos utilizada pelo Estado em programas e ações
8) Especificação/Discriminação/Especialização cuja finalidade precípua é atender às necessidades públicas e
Define que as receitas e despesas sejam detalhadas. demandas da sociedade.
9) Legalidade Essas receitas pertencem ao Estado, integram o patrimônio do
Tanto a orçamento, como as diretrizes orçamentárias, planos Poder Público, aumentam-lhe o saldo financeiro e, via de
plurianuais e créditos adicionais terão que ser expressos em regra, por força do princípio da universalidade, estão previstas
lei. na LOA.
10) Limitação de Emprenho 10.1. Receitas Orçamentárias
Princípio trazido pela LRF que obriga que a Administração 10.1.1. Categorias
Pública faça avaliações bimestrais da arrecadação e caso esta Receitas Correntes: são os recursos recebidos, que pertencem
seja inferior a estimada não realize despesas. ao Estado e são utilizados para pagamento de despesas com
11) Não-afetação

Prof. Luis Octavio Alves de Azevedo 4 ORÇAMENTO PÚBLICO


manutenção dos serviços existentes. Configuram-se como • Depósitos em Caução, Fianças,
aumento do Patrimônio • Operações de Crédito por ARO
Receitas de Capital: são os recursos recebidos, que pertencem • inscrições de Restos a Pagar e do Serviço da Dívida a Pagar;
ao Estado e são utilizados para pagamento de despesas com • Salários não reclamados - valores que retornaram do banco
ampliação ou melhoria dos serviços existentes. Não geram pagador referente a pagamento de pessoal que não se
aumento do Patrimônio confirmou por problemas como o domicílio bancário
10.1.2. Fontes • valores recebidos de bens ausentes
a) Receitas Correntes 10.3. Estágios
 Recita de Impostos, Taxas e Contribuições de Melhoria: a) Previsão = PARTE ORÇAMENTÁRIA
tributos: impostos, taxas e contribuições de melhoria. É a estimativa de quanto se espera arrecadar durante o
 Contribuições: contribuições sociais, intervenção do exercício. Devem observar os efeitos das alterações na
domínio econômico, de categorias profissionais e legislação, da variação do índice de preços, do crescimento
econômicas e de iluminação pública. econômico e serão acompanhadas de demonstrativo de sua
 Patrimoniais: rendas provenientes da utilização de bens evolução nos últimos três anos.
pertencentes ao Estado, como: permissões, concessões, b) Lançamento = PARTE FINANCEIRA
aluguéis, arrendamentos, foros, laudêmios. É o procedimento administrativo que verifica a ocorrência do
 Serviços: prestação de serviços por parte do Estado, como fato gerador da obrigação correspondente, determina a
comércio, transporte, comunicação, armazenagem, matéria tributável, calcula o montante do tributo devido,
serviços aeroportuários. Tais serviços são remunerados identifica o sujeito passivo.
mediante preço público/ tarifa. c) Arrecadação = Parte Financeira
 Agropecuárias: estado atua como empresário na É o estágio onde o contribuinte comparecem perante os
exploração econômica, de atividades agropecuárias: venda Agentes Arrecadadores a fim de liquidarem suas obrigações
de produtos agrícolas (grãos, tecnologias, insumos), para com o Estado.
pecuários (semens, inseminação, matrizes etc.), d) Recolhimento = Parte Financeira
reflorestamentos. É o ato que os agentes arrecadadores entregam ao Banco do
 Industriais: provenientes de atividades industriais, como: Brasil para crédito da conta Receita da União do Tesouro
extração mineral, de transformação, de construção Nacional.
 Transferências Correntes: recursos recebidos de entes Tipos de Lançamento
públicos destinados a atender despesas de manutenção ou a) Lançamento por Ofício / Direto
funcionamento, a fim de atender finalidade pública É o que feito pelo sujeito ativo, sem nenhuma participação do
específica que não seja contraprestação direta em bens e sujeito passivo, onde esse realiza a verificação do fato gerador,
serviços a quem efetuou essa transferência. montante a ser pago e o sujeito passivo.
 Outras Receitas Correntes: Receitas não classificadas nas b) Lançamento por Homologação/Autolançamento
classes anteriores como: multas, juros de mora, É o lançamento que ocorre quanto aos tributos cuja legislação
indenizações, restituições, receitas da dívida ativa, entre atribua ao sujeito passivo o dever de antecipar o pagamento
outras. sem prévio exame da autoridade administrativa, opera-se pelo
b) Receitas de Capital ato em que a referida autoridade, tomando conhecimento da
Alienação de Bens: advindas da venda de bens públicos. atividade assim exercida pelo obrigado, expressamente a
Operações de Crédito: obtidas pela realização de empréstimos homologa
ou financiamentos. c) Lançamento Misto / por Declaração
Amortização de Empréstimos: ingressos financeiros É o lançamento feito pelo sujeito ativo a partir das declarações
provenientes da amortização de financiamentos ou de do contribuinte..
empréstimos que o ente público haja previamente concedido 10.4. Dívida Ativa
Transferências de Capita: são os recursos financeiros É o crédito da Fazenda Pública regularmente inscrito no órgão
recebidos de outras pessoas de direito público ou privado e e por autoridade competente, após esgotado o prazo final para
destinados a atender despesas com investimentos ou inversões pagamento fixado pela lei ou por decisão final, em processo
financeiras, a fim de satisfazer finalidade pública específica administrativo regular
que não seja contraprestação direta a quem efetuou essa a) Dívida Ativa Tributária: é o crédito da Fazenda Pública dessa
transferência. natureza, provenientes de obrigação legal relativa a tributos e
Outras Receitas de Capital: receitas cuja característica não respectivos adicionais e multas.
permita o enquadramento nas demais classificações da receita b) Dívida Ativa Não-Tributária: são os demais créditos da
de capital, como: Resultado do Banco Central, Remuneração Fazenda Pública. Dentre os créditos estão: empréstimos
das Disponibilidades do Tesouro Nacional, Integralização do compulsórios; contribuições estabelecidas em lei; multas com
Capital Social, exceção das tributárias; foros; laudênios; aluguéis; custas
10.2. Receitas Extra-orçamentárias processuais; preços de serviços prestados por
Recursos financeiros de caráter temporário e não integram a estabelecimentos públicos; indenizações; hipoteca, fiança,
LOA. O Estado é mero depositário desses recursos, que aval ou outra garantia, de contratos em geral ou de outras
constituem passivos exigíveis e cujas restituições não se obrigações legais;
sujeitam à autorização legislativa. Exemplos: Inscrição da Dívida Ativa

Prof. Luis Octavio Alves de Azevedo 5 ORÇAMENTO PÚBLICO


É o ato através do qual se registram, em livros ou fichários do realização da Despesa. O empenho é ex-ante, ou seja, deve ser
órgão administrativo competente, os créditos fiscais exigíveis feito antes da execução da despesa.
pelo transcurso do prazo para pagamento, depois de apurada I - Classificação:
a sua liquidez e certeza - Ordinário: responsáveis pelas despesas com montante
A certeza se refere ao título probatório e a liquidez à quantia previamente conhecido e cujo pagamento deve ocorrer de
cobrada. A dívida será certa, se puder ser provada por meio de uma só vez.
título, com os requisitos legais, de modo a infundir certeza - Global: responsável pelas despesas com montante
sobre sua existência. A certeza, portanto, se prende à origem previamente conhecido, mas que sofre parcelamento..
da obrigação. Liquidez quer dizer valor fixo e determinado. A - Estimativa: responsável pelas despesas cujo valor não pode
dívida será líquida se a quantia for definida. Por isso é que se ser predeterminado.
pode dizer que a existência certa da dívida é a primeira II - Nota de Empenho
condição para a sua liquidez. A dívida poderá ser certa sem ser É o documento utilizado para fins de registro da operação de
líquida, mas a dívida que for líquida será necessariamente empenho de uma despesa. É composto pelo nome do credor
certa. (se possível o endereço), especificação (classificação da
Elementos: despesa segundo o plano de contas) e importância da despesa
I - o nome do devedor, dos corresponsáveis e, sempre que (em algarismos e por extenso).
conhecido, o domicílio ou residência de um e de outros; III - Anulação de Empenho
II - o número de inscrição do devedor no Cadastro de Pessoas  Durante o Exercício:
Físicas (CPF) ou no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica - Parcialmente: quando seu valor exceder o montante da
(CNPJ); despesa realizada;
III - o valor originário da dívida, bem como o termo inicial e a - Totalmente: quando o serviço contratado não tiver sido
forma de calcular os juros de mora e demais encargos prestado, quando o material solicitado não for entregue ou
previstos em lei ou contrato; quando o emprenho tiver sido emitido incorretamente.
IV - a origem, a natureza e o fundamento legal ou contratual  No encerramento do Exercício:
da dívida; Quando o empenho se referir a despesas não-liquidadas, salvo
V - a indicação, se for o caso, de estar a dívida sujeita à aquelas que se enquadrarem nas condições previstas para
atualização monetária, bem como o respectivo fundamento inscrição em Restos a Pagar.
legal e o termo inicial para o cálculo; Obs: a anulação também é feita por Nota de Empenho e seu
VI - o processo administrativo ou outro expediente em que valor torna-se disponível para empenho naquele exercício.
tenha sido apurado o débito; IV - Dispensa da Nota de Empenho
VII - a comprovação da notificação para pagamento, nos casos  Despesas ou obrigações de contratos de adesão, de convênio
em que exigida; ou contratos expressos, ou de ajustes ou acordos firmados
VIII - o demonstrativo de débito atualizado e individualizado entre entidades governamentais da mesma esfera ou de
para cada devedor. esfera diferente; ou entre estas com entidades de Direito
11. Despesas Públicas privado das quais façam parte como acionistas;
São dispêndios da Administração Pública utilizados para  Despesas ou obrigações oriundas de mandamentos
pagamentos de manutenção, melhoria ou ampliação de constitucionais ou de leis, tais como PASEP, encargos
serviços públicos ou para pagamentos de compensação de patronais, sociais e trabalhistas, inativos, pensionistas;
receitas extra-orçamentárias.  Despesas ou obrigações oriundas de mandamentos
11.1. Despesas Orçamentárias constitucionais, da Lei Orgânica dos Municípios ou de outra
São os dispêndios, autorizados pelo legislativo (consta da lei lei e que caracterize transferências inter ou
do orçamento), direcionados para o pagamento de despesas intragovernamentais;
para melhoria, ampliação ou para pagamentos de juros ou da  Despesas ou obrigações oriundas de contratos de
amortização de dívidas públicas. empréstimos ou financiamentos, independentemente da
11.2. Despesas Extra-orçamentárias destinação do seu produto.
São saídas de numerário, que não pertencem ao orçamento, Obs: nesses casos os documentos que derem origem ao
como efeito apenas compensatório de receitas extra- empenho serão utilizados como substitutos da Nota de
orçamentárias ou para pagamento de restos a pagar. Empenho.
11.3. Categorias b) Liquidação
a) Despesas correntes: são os gastos para manter os serviços É o ato de verificar o direito adquirido pelo credor.
públicos existentes e juros da dívida. São objetivos da liquidação:
b) Despesas de capital: são os gastos públicos utilizados para  Apurar a origem e o objeto do que se deve pagar, ou seja,
melhoria e ampliação dos serviços e para pagamento da dívida a razão ou a necessidade do gasto e o objetivo que deveria
pública. ser alcançado;
11.4. Estágios  Apurar a importância exata a pagar ou contratada;
a) Empenho  Apurar a quem se deve pagar a importância para extinguir
É o ato emanado de autoridade competente que vincula a obrigação.
dotação de créditos orçamentários para pagamento de
obrigação decorrente de lei, contrato ou ajuste, obedecidas as
condições estabelecidas. Sem o empenho não acontece a

Prof. Luis Octavio Alves de Azevedo 6 ORÇAMENTO PÚBLICO


No caso de recebimento de material, da execução de obra ou É o ato de entregar os recursos equivalentes à dívida líquida
da prestação de serviço, devem-se executar os seguintes ao credor. Ele será feito por tesouraria ou pagadoria
procedimentos: regularmente instituída, por estabelecimentos bancários
 Verificação do cumprimento das normas sobre licitação ou credenciados (cheque nominal ou depósito da conta do
documento formalizado a sua dispensa, ou comprovando a credor) e em casos excepcionais, por meio de adiantamento.
sua inexigibilidade; 11.5. Suprimento de Fundos (Adiantamento)
 Verificação da conformidade com o contrato, convênio, É a modalidade de pagamento de despesa permitida em casos
acordo ou ajuste, caso exista; excepcionais e somente quando sua realização não possa
 Exame da nota de empenho; subordinar-se ao processo normal de atendimento por via de
A aprovação contábil da liquidação é feita no SIAFI, por meio ordem bancária. (fundo de caixa)
de Nota de lançamento. Conteúdo do ato de concessão:
c) Pagamento  Indicação do exercício financeiro;
 Nome, CPF, cargo ou função
 do servidor a quem será entregue o numerário, bem como 11.7. Despesas de Exercícios Anteriores
a indicação da Unidade Orçamentária ou Administrativa de Despesas de exercícios encerrados, para as quais o
sua lotação; orçamento respectivo consignava crédito próprio, com saldo
 Importância a ser utilizada; suficiente para atende-las, que não se tenham processados
 Período de aplicação e o prazo de comprovação; na época própria, bem como os Restos a Pagar com
 Enquadramento da concessão. prescrição interrompida e os compromissos reconhecidos
11.6. Restos a Pagar (Resíduos do Passivo) após o encerramento do exercício correspondente.
Despesas empenhadas, mas não pagas dentro do exercício
financeiro, ou seja até 31 dezembro. 12. Ciclo Orçamentário
a) Restos a Pagar Processados: credor já cumpriu as suas O ciclo orçamentário, ou processo orçamentário, pode ser
obrigações. Nesse caso as despesas já foram liquidadas, definido como um processo contínuo, dinâmico e flexível,
faltando apenas o pagamento. através do qual se elabora, aprova, executa, controla e avalia
b) Restos a Pagar Não-Processados: despesas que dependem, os programas do setor público nos aspectos físicos e
ainda, da prestação do serviço ou fornecimento do financeiro, corresponde, portanto, ao período de tempo em
material. Despesas consideradas não líquidas. que se processam as atividades típicas do orçamento público.

12.1. Elaboração

Prof. Luis Octavio Alves de Azevedo 7 ORÇAMENTO PÚBLICO


12.2. Aprovação

Prof. Luis Octavio Alves de Azevedo 8 ORÇAMENTO PÚBLICO


12.3. Execução  houver alteração orçamentária;
A Lei-de-meios ou orçamento anual, publicado para o  houver cancelamento do ato que deu origem a
exercício, determina a dotação ou crédito de cada unidade descentralização;
orçamentária, por projeto/atividade.  a descentralização foi emitida inadequada ou
Através de Portaria, publicada no D.O.U. a Secretaria de indevidamente.
Orçamento Federal detalha as despesas constantes da Lei A movimentação de recursos financeiros é feita através de três
Orçamentária por projeto/atividade e por natureza da figuras: cota, repasse e sub-repasse.
despesa. a) Cota
Publicada a Lei Orçamentária, o respectivo QDD e observadas Após aprovação do cronograma de desembolso pela STN, esse
as normas de execução orçamentaria e de programação órgão coloca à disposição dos órgãos setoriais, nas respectivas
financeira da União decretada para ao exercício, tem-se o contas no Banco do Brasil S.A., os recursos necessários aos
início da execução orçamentária. pagamentos do mês.
Cumpridas essas formalidades, as Unidades Orçamentárias A cota é a primeira fase da movimentação dos recursos e é
podem movimentar os créditos que lhes tenham sido liberada em consonância com o cronograma de desembolso
consignados, independentemente da existência de saldo de cada Ministério ou Órgão. Define-se, portanto, como
bancário ou de recursos financeiros. liberação de cota o ato pelo qual a Secretaria do Tesouro
Crédito X Recurso Nacional autoriza o Banco do Brasil S.A., na qualidade de
Na técnica orçamentária, normalmente se distingue as agente financeiro do Tesouro Nacional, a colocar à disposição
palavras crédito e recursos. Reserva-se o termo "crédito" para das autoridades dos Poderes Legislativo, Judiciário e Executivo
designar o lado orçamentário e "recursos" para o lado os valores que lhes tenham sido atribuídos, ou, nos casos de
financeiro. Crédito e Recurso são as duas faces de uma mesma unidades integrantes do SIAFI na modalidade total, dos limites
moeda. O crédito é orçamentário, dotação ou autorização de de autorização de saques que lhes são estabelecidos pela
gastos ou sua descentralização, e recurso é financeiro, citada Secretaria do Tesouro Nacional.
portanto, dinheiro ou saldo bancário. b) Repasse
O repasse é a movimentação de recursos financeiros
Descentralização de Créditos efetuados das seguintes formas:
É a figura pela qual uma unidade orçamentária ou  dos órgãos setoriais de programação financeira para
administrativa transfere a outras unidades orçamentárias ou entidades da administração indireta, e entre estas; e
administrativas o poder de utilizar créditos que lhes forem  de entidades da administração indireta para órgãos da
dotados. administração direta, ou entre estes, se de outro Órgão ou
A descentralização de créditos permite mais flexibilidade e Ministério.
dinamicidade na execução dos projetos e atividades. c) Sub-Repasse
Antes de se efetivar a descentralização a unidade precisa O sub-repasse é a movimentação de recurso financeiro, dos
verificar se existe necessidade justificada da transferência, órgãos setoriais de programação financeira para as unidades
bem como, capacidade de gestão da unidade que vai receber gestoras de sua jurisdição e entre as unidades gestoras de um
o crédito, isto é, se ela dispõe de condições administrativas mesmo Ministério, Órgão ou Entidade.
mínimas para gerir os créditos e se estar regularmente Ressalte-se que a figura do sub-repasse está sempre associada
cadastrada como Unidade Gestora. "a provisão", do lado orçamentário.
Existem duas operações descentralizadoras de créditos:
a) Externa (Destaque) - Quando se tratar de descentralização
entre Unidades Gestoras de órgãos/ministérios ou entidades
de estruturas diferentes.
b) Interna (Provisão) - Nos casos de descentralização de
créditos das unidades orçamentárias para as unidades
administrativas, sob sua jurisdição ou entre estas, no âmbito
do próprio Ministério/órgão.
Os créditos descentralizados não podem ser utilizados em
programas ou elementos de despesa diferentes daqueles
constantes do orçamento de créditos adicionais, observando-
se o Quadro de Detalhamento da Despesa.
A Unidade Administrativa somente descentralizará os créditos
recebidos, se previamente autorizada pela Unidade
Orçamentária que lhe efetivou a transferência.
O Destaque ou a Descentralização podem ser anulados total
ou parcialmente, possibilitando a reversão do crédito a
Unidade Orçamentária distribuidora , quando:
 verificada a ociosidade do crédito na unidade beneficiada;
12.4. Controle e Avaliação
 houver engano no valor do crédito distribuido ou
No decorrer do processo de execução orçamentária e
necessidade de reduzi-lo;
financeira, a administração procura obter informações físico-

Prof. Luis Octavio Alves de Azevedo 9 ORÇAMENTO PÚBLICO


financeiras que possibilitem controlar e avaliar os planos e Art. 81. O controle da execução orçamentária, pelo Poder
programas a executar, em execução ou executados constantes Legislativo, terá por objetivo verificar a probidade da
do Orçamento-Programa Anual. administração, a guarda e legal emprego dos dinheiros
públicos e o cumprimento da Lei de Orçamento.
O controle e a avaliação constituem a última fase do ciclo Art. 82. O Poder Executivo, anualmente, prestará contas ao
orçamentário, mas de forma alguma a menos importante. Poder Legislativo, no prazo estabelecido nas Constituições ou
Aliás, consoante o art. 6° do Decreto-Lei n° 200/67, o controle nas Leis Orgânicas dos Municípios.
constitui um dos cinco princípios fundamentais que norteiam § 1o As contas do Poder Executivo serão submetidas ao Poder
a Administração Pública Federal. Legislativo, com parecer prévio do Tribunal de Contas ou órgão
No âmbito do governo pode-se distinguir dois tipos de equivalente.
controle interno e externo. Denomina-se interno quando § 2o Quando, no Município, não houver Tribunal de Contas ou
exercido dentro da própria administração, ou seja, por agentes órgão equivalente, a Câmara de Vereadores poderá designar
do mesmo poder, e externo se exercido por órgãos peritos contadores para verificarem as contas do prefeito e
independentes desse poder. sobre elas emitirem parecer.
No processo de controle e avaliação orçamentária identificam-
se as seguintes etapas:
 comparação dos resultados obtidos e efeitos produzidos; 13. Classificação das Despesas
 comparação dos resultados e efeitos obtidos com os 13.1. Estrutura da Programação Orçamentária
objetivos e metas programadas; A compreensão do orçamento exige o conhecimento de sua
 análise dos problemas observados e determinações de suas estrutura e sua organização, implementadas por meio de um
causas; sistema de classificação estruturado. Esse sistema tem o
 definição e tipificação das medidas corretivas que se devam propósito de atender às exigências de informação
tomar; demandadas por todos os interessados nas questões de
 aplicação das medidas corretivas. finanças públicas, como os poderes públicos, as organizações
públicas e privadas e a sociedade em geral.
Segundo a Lei n.º 4.320, de 17 de março de 1964 Na estrutura atual do orçamento público, as programações
Art. 75. O controle da execução orçamentária compreenderá: orçamentárias estão organizadas em programas de trabalho,
I - a legalidade dos atos de que resultem a arrecadação da que contêm informações qualitativas e quantitativas, sejam
receita ou a realização da despesa, o nascimento ou a extinção físicas ou financeiras.
de direitos e obrigações;
II - a fidelidade funcional dos agentes da administração, 13.1.1. Programação Qualitativa
responsáveis por bens e valores públicos; O programa de trabalho, que define qualitativamente a
III - o cumprimento do programa de trabalho expresso em programação orçamentária, deve responder, de maneira
termos monetários e em termos de realização de obras e clara e objetiva, às perguntas clássicas que caracterizam o
prestação de serviços. ato de orçar, sendo, do ponto de vista operacional,
CAPÍTULO II composto dos seguintes blocos de informação:
Do Controle Interno classificação por esfera, classificação institucional,
Art. 76. O Poder Executivo exercerá os três tipos de controle a classificação funcional, estrutura programática e principais
que se refere o artigo 75, sem prejuízo das atribuições do informações do Programa e da Ação, conforme detalhado
Tribunal de Contas ou órgão equivalente. a seguir:
Art. 77. A verificação da legalidade dos atos de execução
orçamentária será prévia, concomitante e subseqüente. 13.1.2. Programação Quantitativa
Art. 78. Além da prestação ou tomada de contas anual, quando A programação orçamentária quantitativa tem duas
instituída em lei, ou por fim de gestão, poderá haver, a dimensões: a física e a financeira.
qualquer tempo, levantamento, prestação ou tomada de A dimensão física define a quantidade de bens e serviços
contas de todos os responsáveis por bens ou valores públicos. a serem entregues.
Art. 79. Ao órgão incumbido da elaboração da proposta ITEM DA PERGUNTA A SER RESPONDIDA
orçamentária ou a outro indicado na legislação, caberá o ESTRUTURA
controle estabelecido no inciso III do artigo 75. Meta Física Quanto se pretende entregar no
Parágrafo único. Esse controle far-se-á, quando for o caso, em exercício?
termos de unidades de medida, previamente estabelecidas A dimensão financeira estima o montante necessário para o
para cada atividade. desenvolvimento da ação orçamentária de acordo com os
Art. 80. Compete aos serviços de contabilidade ou órgãos seguintes classificadores:
equivalentes verificar a exata observância dos limites das cotas ITEM DA PERGUNTA A SER RESPONDIDA
trimestrais atribuídas a cada unidade orçamentária, dentro do ESTRUTURA
sistema que for instituído para esse fim. Natureza da Despesa
CAPÍTULO III Categoria Qual o efeito econômico da
Do Controle Externo Econômica da realização da despesa?
Despesa

Prof. Luis Octavio Alves de Azevedo 10 ORÇAMENTO PÚBLICO


Grupo de Natureza Em qual classe de gasto será O código da classificação institucional compõe-se de cinco
de Despesa (GND) realizada a despesa? dígitos, sendo os dois primeiros reservados à identificação do
Modalidade de De que forma serão aplicados os órgão orçamentário e os demais à UO.
Aplicação recursos?
Elemento de Quais os insumos que se pretende 1o 2o 3o 4o 5o
Despesa utilizar ou adquirir? Órgão Orçamentário Unidade
Identificador de Os recursos são destinados para Orçamentária
Uso (IDUSO) contrapartida?
Fonte de Recursos De onde virão os recursos para 13.4. Classificação Funcional Da Despesa
realizar a despesa? A classificação funcional é formada por funções e subfunções
Identificador de A que operação de crédito ou e busca responder basicamente à indagação “em que áreas de
Doação e de doação os recursos se relacionam? despesa a ação governamental será realizada?”. Cada
Operação de atividade, projeto e operação especial identificará a função e a
Crédito (IDOC) subfunção às quais se vinculam.
Identificador de Qual o efeito da despesa sobre o A atual classificação funcional foi instituída pela Portaria no 42,
Resultado Primário Resultado Primário da União? de 14 de abril de 1999, do então Ministério do Orçamento e
Dotação Qual o montante alocado? Gestão (MOG), e é composta de um rol de funções e
subfunções prefixadas, que servem como agregador dos
13.2. Classificação da Despesa por Esfera Orçamentária gastos públicos por área de ação governamental nos três níveis
Na LOA, a esfera tem por finalidade identificar se a despesa de Governo. Trata-se de uma classificação independente dos
pertence ao Orçamento Fiscal (F), da Seguridade Social (S) ou programas e de aplicação comum e obrigatória, no âmbito dos
de Investimento das Empresas Estatais (I), conforme disposto Municípios, dos Estados, do Distrito Federal e da União, o que
no § 5o do art. 165 da CF. Na LOA, o classificador de esfera é permite a consolidação nacional dos gastos do setor público.
identificado com as letras “F”, “S” ou “I”. Na base de dados do A classificação funcional é representada por cinco dígitos,
SIOP, o campo destinado à esfera orçamentária é composto de sendo os dois primeiros relativos às funções e os três últimos
dois dígitos e será associado à ação orçamentária: às subfunções. Na base de dados do SIOP, existem dois campos
correspondentes à classificação funcional:
CÓDIGO ESFERA ORÇAMENTÁRIA 1o 2o 3o 4o 5o
10 Orçamento Fiscal Função Subfunção
20 Orçamento da Seguridade Social
A função pode ser traduzida como o maior nível de agregação
30 Orçamento de Investimento
das diversas áreas de atuação do setor público. Reflete a
competência institucional do órgão, como, por exemplo,
- Orçamento Fiscal - F (código 10): referente aos Poderes da
cultura, educação, saúde, defesa, que guarda relação com os
União, seus fundos, órgãos e entidades da administração
respectivos Ministérios.
direta e indireta, inclusive fundações instituídas e mantidas
A subfunção representa um nível de agregação imediatamente
pelo Poder Público;
inferior à função e deve evidenciar a natureza da atuação
- Orçamento da Seguridade Social - S (código 20): abrange
governamental . De acordo com a Portaria no 42, de 14 de abril
todas as entidades e órgãos a ela vinculados, da administração
de 1999, é possível combinar as subfunções a funções
direta ou indireta, bem como os fundos e fundações
diferentes daquelas a elas diretamente relacionadas, o que se
instituídos e mantidos pelo Poder Público; e
denomina matricialidade.
- Orçamento de Investimento - I (código 30): orçamento das
empresas em que a União, direta ou indiretamente, detenha a
ÓRGÃO 22 Ministério da
maioria do capital social com direito a voto.
Agricultura, Pecuária e
O § 2o do art. 195 da CF estabelece que a proposta de
Abastecimento
Orçamento da Seguridade Social será elaborada de forma
AÇÃO 4641 Publicidade de
integrada pelos órgãos responsáveis pela saúde, previdência
social e assistência social, tendo em vista as metas e Utilidade Pública
prioridades estabelecidas na LDO, assegurada a cada área a SUBFUNÇÃO 131 Comunicação Social
gestão de seus recursos. FUNÇÃO 20 Agricultura

13.3. Classificação Institucional 13.5. Estrutura Programática


A classificação institucional, na União, reflete as estruturas 13.5.1. Programa
organizacional e administrativa e compreende dois níveis Toda ação do Governo está estruturada em programas
hierárquicos: órgão orçamentário e unidade orçamentária. As orientados para a realização dos objetivos estratégicos
dotações orçamentárias, especificadas por categoria de definidos para o período do PPA, ou seja, quatro anos.
programação em seu menor nível, são consignadas às UOs, O Projeto de Lei do PPA 2016-2019 está sendo elaborado como
que são as responsáveis pela realização das ações. Órgão um instrumento mais estratégico, no qual seja possível ver
orçamentário é o agrupamento de UOs. com clareza as principais diretrizes de governo e a relação

Prof. Luis Octavio Alves de Azevedo 11 ORÇAMENTO PÚBLICO


destas com os Objetivos a serem alcançados nos Programas 13.5.2.1. Ações
Temáticos. I - Atividade
Com base nessas diretrizes, o PLPPA 2016-2019 contemplará Instrumento de programação utilizado para alcançar o
os Programas Temáticos e os de Programas de Gestão, objetivo de um programa, envolvendo um conjunto de
Manutenção e Serviços ao Estado : operações que se realizam de modo contínuo e permanente,
- Programa Temático: aquele que expressa e orienta a ação das quais resulta um produto ou serviço necessário à
governamental para a entrega de bens e serviços à sociedade; manutenção da ação de Governo.
- Programa de Gestão, Manutenção e Serviços ao Estado: II - Projeto
aquele que expressa e orienta as ações destinadas ao apoio, à Instrumento de programação utilizado para alcançar o
gestão e à manutenção da atuação governamental. objetivo de um programa, envolvendo um conjunto de
operações, limitadas no tempo, das quais resulta um produto
Na base de dados do SIOP, o campo que identifica o programa que concorre para a expansão ou o aperfeiçoamento da ação
contém quatro dígitos. de governo.
III - Operação Especial
Tipo de Exemplo Vínculo Plano- Despesas que não contribuem para a manutenção, expansão
Programa Orçamento ou aperfeiçoamento das ações de governo, das quais não
Reforma Agrária e Cada Ação do resulta um produto e não geram contraprestação direta sob a
Ordenamento da Orçamento está forma de bens ou serviços.
Estrutura Fundiária vinculada a um
Temático único Objetivo 13.5.2.2. Título
do PPA (e, em O 2º, 3º , 4º e 5º dígitos indicam o título.
decorrência, a Título é a forma de identificação da ação orçamentária pela
um Programa ) sociedade nas LOAs. Expressa, em linguagem clara, o objeto da
Programa de Gestão e Programa ação. Exemplo:
Gestão, 7M64 Construção de Trecho Rodoviário - Entroncamento BR-
Manutenção do
Manutenção 472 - Fronteira Brasil/Argentina - na BR-468.
Ministério da Agricultura,
e Serviços
Pecuária e
ao Estado 13.5.2.3. Subtítulo
Abastecimento
Operações Especiais: Sem vínculo. Os dígitos 6º, 7º e 8º indicam o súbtítuo
Serviço da Dívida Externa Estes programas As atividades, os projetos e as operações especiais serão
Operações detalhados em subtítulos, utilizados especialmente para
(Juros e Amortizações) integram
Especiais identificar a localização física da ação orçamentária, não
somente o
Orçamento. podendo haver, por conseguinte, alteração de sua finalidade,
do produto e das metas estabelecidas.
No caso dos Programas Temáticos, admite-se que ações A adequada localização do gasto permite maior controle
padronizadas (que possuem o mesmo código) possam governamental e social sobre a implantação das políticas
vincular-se a objetivos diferentes. públicas adotadas, além de evidenciar a focalização, os custos
Dessa forma, o Objetivo será o elo entre o Plano e o e os impactos da ação governamental.
Orçamento quando se tratar de Programas Temáticos. A localização do gasto poderá ser de abrangência nacional, no
exterior, por Região (Norte, Nordeste, Centro Oeste, Sudeste,
13.5.2. Ações Orçamentárias Sul), por Estado ou Município ou, excepcionalmente, por um
Operação da qual resultam produtos (bens ou serviços) que critério específico, quando necessário. A LDO veda, na
contribuem para atender ao objetivo de um programa. especificação do subtítulo, a referência a mais de uma
Incluem-se também no conceito de ação as transferências localidade, área geográfica ou beneficiário, se determinados
obrigatórias ou voluntárias a outros entes da Federação e a 13.6. Natureza Econômica da Despesa
pessoas físicas e jurídicas, na forma de subsídios, subvenções, Na base de dados do sistema de orçamento, o campo que se
auxílios, contribuições, entre outros, e os financiamentos. refere à natureza da despesa contém um código composto por
Na base do sistema, a ação é identificada por um código oito algarismos, sendo que o 1o dígito representa a categoria
alfanumérico de oito dígitos: econômica, o 2o o grupo de natureza da despesa, o 3o e o 4o
1o 2o 3o 4o 5o 6o 7o 8o dígitos representam a modalidade de aplicação, o 5o e o 6o o
numérico alfanuméricos Numéricos elemento de despesa e o 7o e o 8o dígitos representam o
AÇÃO TÍTULO SUBTÍTULO desdobramento facultativo do elemento de despesa
(subelemento):
O 1o dígito do código indica o tipo de ação:
1o 2o 3o 4o 5o 6o 7o 8o
10 DIGITO TIPO DE AÇÃO Grupo de Modalida Elemen
Categoria
1,3,5 ou 7 Projeto Natureza de de to de Subelement
Econômi
da Aplicaçã Despes o
2, 4, 6 ou 8 Atividade ca
Despesa o a
0 Operação Especial

Prof. Luis Octavio Alves de Azevedo 12 ORÇAMENTO PÚBLICO


Despesas orçamentárias com o pagamento de juros, comissões
e outros encargos de operações de crédito internas e externas
contratadas, bem como da dívida pública mobiliária.
3 - Outras Despesas Correntes
Despesas orçamentárias com aquisição de material de
consumo, pagamento de diárias, contribuições, subvenções,
auxílio-alimentação, auxílio-transporte, além de outras
despesas da categoria econômica "Despesas Correntes" não
classificáveis nos demais grupos de natureza de despesa.
4 - Investimentos
Despesas orçamentárias com softwares e com o planejamento
e a execução de obras, inclusive com a aquisição de imóveis
considerados necessários à realização destas últimas, e com a
aquisição de instalações, equipamentos e material permanente.
5 - Inversões Financeiras
Despesas orçamentárias com a aquisição de imóveis ou bens de
capital já em utilização; aquisição de títulos representativos do
capital de empresas ou entidades de qualquer espécie, já
13.6.1. Categoria Econômica da Despesa constituídas, quando a operação não importe aumento do
A despesa, assim como a receita, é classificada em duas capital; e com a constituição ou aumento do capital de
categorias econômicas, com os seguintes códigos: empresas, além de outras despesas classificáveis neste grupo.
6 - Amortização da Dívida
CÓDIGO CATEGORIA Despesas orçamentárias com o pagamento e/ou
ECONÔMICA refinanciamento do principal e da atualização monetária ou
3 Despesas Correntes cambial da dívida pública interna e externa, contratual ou
4 Despesas de Capital mobiliária.

3 - Despesas Correntes: as que não contribuem, diretamente, 13.6.3. Modalidade de Aplicação


para a formação ou aquisição de um bem de capital. A modalidade de aplicação indica se os recursos serão
4 - Despesas de Capital: as que contribuem, diretamente, para aplicados mediante transferência financeira, inclusive a
a formação ou aquisição de um bem de capital. decorrente de descentralização orçamentária para outros
níveis de Governo, seus órgãos ou entidades, ou diretamente
13.6.2. Grupo de Natureza da Despesa para entidades privadas sem fins lucrativos e outras
O GND é um agregador de elemento de despesa com as instituições; ou, então, diretamente pela unidade detentora
mesmas características quanto ao objeto de gasto, conforme do crédito orçamentário, ou por outro órgão ou entidade no
discriminado a seguir: âmbito do mesmo nível de Governo.
A modalidade de aplicação objetiva, principalmente, eliminar
CÓDIGO GRUPOS DE NATUREZA DA DESPESA a dupla contagem dos recursos transferidos ou
1 Pessoal e Encargos Sociais descentralizados, conforme discriminado a seguir:
2 Juros e Encargos da Dívida CÓDIGO MODALIDADES DE APLICAÇÃO17
3 Outras Despesas Correntes 20 Transferências à União
4 Investimentos 22 Execução Orçamentária Delegada à União
5 Inversões financeiras 30 Transferências a Estados e ao Distrito
6 Amortização da Dívida Federal
31 Transferências a Estados e ao Distrito
1 - Pessoal e Encargos Sociais Federal - Fundo a Fundo
Despesas orçamentárias com pessoal ativo, inativo e 32 Execução Orçamentária Delegada a Estados
pensionistas, relativas a mandatos eletivos, cargos, funções ou e ao Distrito Federal
empregos, civis, militares e de membros de Poder, com 35 Transferências Fundo a Fundo aos Estados e
quaisquer espécies remuneratórias, tais como vencimentos e ao Distrito Federal à conta de recursos de
vantagens, fixas e variáveis, subsídios, proventos da que tratam os §§ 1o e 2o do art. 24 da Lei
aposentadoria, reformas e pensões, inclusive adicionais, Complementar no 141, de 2012
gratificações, horas extras e vantagens pessoais de qualquer 36 Transferências Fundo a Fundo aos Estados e
natureza, bem como encargos sociais e contribuições recolhidas ao Distrito Federal à conta de recursos de
pelo ente às entidades de previdência, conforme estabelece o que trata o art. 25 da Lei Complementar no
caput do art. 18 da Lei Complementar 101, de 2000. 141, de 2012
2 - Juros e Encargos da Dívida 40 Transferências a Municípios
41 Transferências a Municípios - Fundo a Fundo

Prof. Luis Octavio Alves de Azevedo 13 ORÇAMENTO PÚBLICO


42 Execução Orçamentária Delegada a 96 Aplicação Direta à conta de recursos de que
Municípios trata o art. 25 da Lei Complementar no 141,
45 Transferências Fundo a Fundo aos de 2012
Municípios à conta de recursos de que 99 A Definir
tratam os §§ 1o e 2o do art. 24 da Lei
Complementar no 141, de 2012 13.6.4. Elemento de Despesa
46 Transferências Fundo a Fundo aos
O elemento de despesa tem por finalidade identificar os
Municípios à conta de recursos de que trata
objetos de gasto, tais como vencimentos e vantagens fixas,
o art. 25 da Lei Complementar no 141, de
juros, diárias, material de consumo, serviços de terceiros
2012
prestados sob qualquer forma, subvenções sociais, obras e
50 Transferências a Instituições Privadas sem
instalações, equipamentos e material permanente, auxílios,
Fins Lucrativos
amortização e outros que a Administração Pública utiliza para
60 Transferências a Instituições Privadas com
a consecução de seus fins.
Fins Lucrativos
67 Execução de Contrato de Parceria Público-
Privada - PPP 14. Orçamento na Constituição
70 Transferências a Instituições
Multigovernamentais SEÇÃO II
71 Transferências a Consórcios Públicos DOS ORÇAMENTOS
mediante contrato de rateio Art. 165. Leis de iniciativa do Poder Executivo estabelecerão:
72 Execução Orçamentária Delegada a I - o plano plurianual;
Consórcios Públicos II - as diretrizes orçamentárias;
73 Transferências a Consórcios Públicos III - os orçamentos anuais.
mediante contrato de rateio à conta de § 1º A lei que instituir o plano plurianual estabelecerá, de
recursos de que tratam os §§ 1o e 2o do art. forma regionalizada, as diretrizes, objetivos e metas da
24 da Lei Complementar no 141, de 2012 administração pública federal para as despesas de capital e
74 Transferências a Consórcios Públicos outras delas decorrentes e para as relativas aos programas de
mediante contrato de rateio à conta de duração continuada.
recursos de que trata o art. 25 da Lei § 2º A lei de diretrizes orçamentárias compreenderá as metas
Complementar no 141, de 2012 e prioridades da administração pública federal, incluindo as
75 Transferências a Instituições despesas de capital para o exercício financeiro subseqüente,
Multigovernamentais à conta de recursos de orientará a elaboração da lei orçamentária anual, disporá
que tratam os §§ 1o e 2o do art. 24 da Lei sobre as alterações na legislação tributária e estabelecerá a
Complementar no 141, de 2012 política de aplicação das agências financeiras oficiais de
76 Transferências a Instituições fomento.
Multigovernamentais à conta de recursos de § 3º O Poder Executivo publicará, até trinta dias após o
que trata o art. 25 da Lei Complementar no encerramento de cada bimestre, relatório resumido da
141, de 2012 execução orçamentária.
80 Transferências ao Exterior § 4º Os planos e programas nacionais, regionais e setoriais
90 Aplicações Diretas previstos nesta Constituição serão elaborados em consonância
91 Aplicação Direta Decorrente de Operação com o plano plurianual e apreciados pelo Congresso Nacional.
entre Órgãos, Fundos e Entidades § 5º A lei orçamentária anual compreenderá:
Integrantes dos Orçamentos Fiscal e da I - o orçamento fiscal referente aos Poderes da União, seus
Seguridade Social fundos, órgãos e entidades da administração direta e indireta,
inclusive fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público;
93 Aplicação Direta Decorrente de Operação de
II - o orçamento de investimento das empresas em que a
Órgãos, Fundos e Entidades Integrantes dos
União, direta ou indiretamente, detenha a maioria do capital
Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social
social com direito a voto;
com Consórcio Público do qual o Ente
III - o orçamento da seguridade social, abrangendo todas as
Participe
entidades e órgãos a ela vinculados, da administração direta
94 Aplicação Direta Decorrente de Operação de
ou indireta, bem como os fundos e fundações instituídos e
Órgãos, Fundos e Entidades Integrantes dos
mantidos pelo Poder Público.
Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social
§ 6º O projeto de lei orçamentária será acompanhado de
com Consórcio Público do qual o Ente Não
demonstrativo regionalizado do efeito, sobre as receitas e
Participe
despesas, decorrente de isenções, anistias, remissões,
95 Aplicação Direta à conta de recursos de que
subsídios e benefícios de natureza financeira, tributária e
tratam os §§ 1o e 2o do art. 24 da Lei
creditícia.
Complementar no 141, de 2012
§ 7º Os orçamentos previstos no § 5º, I e II, deste artigo,
compatibilizados com o plano plurianual, terão entre suas

Prof. Luis Octavio Alves de Azevedo 14 ORÇAMENTO PÚBLICO


funções a de reduzir desigualdades inter-regionais, segundo § 6º Os projetos de lei do plano plurianual, das diretrizes
critério populacional. orçamentárias e do orçamento anual serão enviados pelo
§ 8º A lei orçamentária anual não conterá dispositivo estranho Presidente da República ao Congresso Nacional, nos termos da
à previsão da receita e à fixação da despesa, não se incluindo lei complementar a que se refere o art. 165, § 9º.
na proibição a autorização para abertura de créditos § 7º Aplicam-se aos projetos mencionados neste artigo, no que
suplementares e contratação de operações de crédito, ainda não contrariar o disposto nesta seção, as demais normas
que por antecipação de receita, nos termos da lei. relativas ao processo legislativo.
§ 9º Cabe à lei complementar: § 8º Os recursos que, em decorrência de veto, emenda ou
I - dispor sobre o exercício financeiro, a vigência, os prazos, a rejeição do projeto de lei orçamentária anual, ficarem sem
elaboração e a organização do plano plurianual, da lei de despesas correspondentes poderão ser utilizados, conforme o
diretrizes orçamentárias e da lei orçamentária anual; caso, mediante créditos especiais ou suplementares, com
II - estabelecer normas de gestão financeira e patrimonial da prévia e específica autorização legislativa.
administração direta e indireta bem como condições para a § 9º As emendas individuais ao projeto de lei orçamentária
instituição e funcionamento de fundos. serão aprovadas no limite de 1,2% (um inteiro e dois décimos
III - dispor sobre critérios para a execução equitativa, além de por cento) da receita corrente líquida prevista no projeto
procedimentos que serão adotados quando houver encaminhado pelo Poder Executivo, sendo que a metade deste
impedimentos legais e técnicos, cumprimento de restos a percentual será destinada a ações e serviços públicos de saúde
pagar e limitação das programações de caráter obrigatório, § 10. A execução do montante destinado a ações e serviços
para a realização do disposto no § 11 do art. públicos de saúde previsto no § 9º, inclusive custeio, será
166. computada para fins do cumprimento do inciso I do § 2º do
Art. 166. Os projetos de lei relativos ao plano plurianual, às art. 198, vedada a destinação para pagamento de pessoal ou
diretrizes orçamentárias, ao orçamento anual e aos créditos encargos sociais.
adicionais serão apreciados pelas duas Casas do Congresso § 11. É obrigatória a execução orçamentária e financeira das
Nacional, na forma do regimento comum. programações a que se refere o § 9º deste artigo, em
§ 1º Caberá a uma Comissão mista permanente de Senadores montante correspondente a 1,2% (um inteiro e dois décimos
e Deputados: por cento) da receita corrente líquida realizada no exercício
I - examinar e emitir parecer sobre os projetos referidos neste anterior, conforme os critérios para a execução equitativa da
artigo e sobre as contas apresentadas anualmente pelo programação definidos na lei complementar prevista no § 9º
Presidente da República; do art. 165.
II - examinar e emitir parecer sobre os planos e programas § 12. As programações orçamentárias previstas no § 9º deste
nacionais, regionais e setoriais previstos nesta Constituição e artigo não serão de execução obrigatória nos casos dos
exercer o acompanhamento e a fiscalização orçamentária, impedimentos de ordem técnica.
sem prejuízo da atuação das demais comissões do Congresso § 13. Quando a transferência obrigatória da União, para a
Nacional e de suas Casas, criadas de acordo com o art. 58. execução da programação prevista no §11 deste artigo, for
§ 2º As emendas serão apresentadas na Comissão mista, que destinada a Estados, ao Distrito Federal e a Municípios,
sobre elas emitirá parecer, e apreciadas, na forma regimental, independerá da adimplência do ente federativo destinatário e
pelo Plenário das duas Casas do Congresso Nacional. não integrará a base de cálculo da receita corrente líquida para
§ 3º As emendas ao projeto de lei do orçamento anual ou aos fins de aplicação dos limites de despesa de pessoal de que
projetos que o modifiquem somente podem ser aprovadas trata o caput do art. 169.
caso: § 14. No caso de impedimento de ordem técnica, no empenho
I - sejam compatíveis com o plano plurianual e com a lei de de despesa que integre a programação, na forma do § 11 deste
diretrizes orçamentárias; artigo, serão adotadas as seguintes medidas:
II - indiquem os recursos necessários, admitidos apenas os I - até 120 (cento e vinte) dias após a publicação da lei
provenientes de anulação de despesa, excluídas as que orçamentária, o Poder Executivo, o Poder Legislativo, o Poder
incidam sobre: Judiciário, o Ministério Público e a Defensoria Pública enviarão
a) dotações para pessoal e seus encargos; ao Poder Legislativo as justificativas do
b) serviço da dívida; impedimento;
c) transferências tributárias constitucionais para Estados, II - até 30 (trinta) dias após o término do prazo previsto no
Municípios e Distrito Federal; ou inciso I, o Poder Legislativo indicará ao Poder Executivo o
III - sejam relacionadas: remanejamento da programação cujo impedimento seja
a) com a correção de erros ou omissões; ou insuperável;
b) com os dispositivos do texto do projeto de lei. III - até 30 de setembro ou até 30 (trinta) dias após o prazo
§ 4º As emendas ao projeto de lei de diretrizes orçamentárias previsto no inciso II, o Poder Executivo encaminhará projeto
não poderão ser aprovadas quando incompatíveis com o plano de lei sobre o remanejamento da programação cujo
plurianual. impedimento seja insuperável;
§ 5º O Presidente da República poderá enviar mensagem ao IV - se, até 20 de novembro ou até 30 (trinta) dias após o
Congresso Nacional para propor modificação nos projetos a término do prazo previsto no inciso III, o Congresso Nacional
que se refere este artigo enquanto não iniciada a votação, na não deliberar sobre o projeto, o remanejamento será
Comissão mista, da parte cuja alteração é proposta. implementado por ato do Poder Executivo, nos termos
previstos na lei orçamentária.

Prof. Luis Octavio Alves de Azevedo 15 ORÇAMENTO PÚBLICO


§ 15. Após o prazo previsto no inciso IV do § 14, as § 1º Nenhum investimento cuja execução ultrapasse um
programações orçamentárias previstas no § 11 não serão de exercício financeiro poderá ser iniciado sem prévia inclusão no
execução obrigatória nos casos dos impedimentos justificados plano plurianual, ou sem lei que autorize a inclusão, sob pena
na notificação prevista no inciso I do § 14. de crime de responsabilidade.
§ 16. Os restos a pagar poderão ser considerados para fins de § 2º Os créditos especiais e extraordinários terão vigência no
cumprimento da execução financeira prevista no § 11 deste exercício financeiro em que forem autorizados, salvo se o ato
artigo, até o limite de 0,6% (seis décimos por cento) da receita de autorização for promulgado nos últimos quatro meses
corrente líquida realizada no exercício anterior. daquele exercício, caso em que, reabertos nos limites de seus
§ 17. Se for verificado que a reestimativa da receita e da saldos, serão incorporados ao orçamento do exercício
despesa poderá resultar no não cumprimento da meta de financeiro subseqüente.
resultado fiscal estabelecida na lei de diretrizes orçamentárias, § 3º A abertura de crédito extraordinário somente será
o montante previsto no § 11 deste artigo poderá ser reduzido admitida para atender a despesas imprevisíveis e urgentes,
em até a mesma proporção da limitação incidente sobre o como as decorrentes de guerra, comoção interna ou
conjunto das despesas discricionárias. calamidade pública, observado o disposto no art. 62.
§ 18. Considera-se equitativa a execução das programações de § 4.º É permitida a vinculação de receitas próprias geradas
caráter obrigatório que atenda de forma igualitária e pelos impostos a que se referem os arts. 155 e 156, e dos
impessoal às emendas apresentadas, independentemente da recursos de que tratam os arts. 157, 158 e 159, I, a e b, e II,
autoria. para a prestação de garantia ou contragarantia à União e para
Art. 167. São vedados: pagamento de débitos para com esta.
I - o início de programas ou projetos não incluídos na lei § 5º A transposição, o remanejamento ou a transferência de
orçamentária anual; recursos de uma categoria de programação para outra
II - a realização de despesas ou a assunção de obrigações poderão ser admitidos, no âmbito das atividades de ciência,
diretas que excedam os créditos orçamentários ou adicionais; tecnologia e inovação, com o objetivo de viabilizar os
III - a realização de operações de créditos que excedam o resultados de projetos restritos a essas funções, mediante ato
montante das despesas de capital, ressalvadas as autorizadas do Poder Executivo, sem necessidade da prévia autorização
mediante créditos suplementares ou especiais com finalidade legislativa prevista no inciso VI deste artigo.
precisa, aprovados pelo Poder Legislativo por maioria Art. 168. Os recursos correspondentes às dotações
absoluta; orçamentárias, compreendidos os créditos suplementares e
IV - a vinculação de receita de impostos a órgão, fundo ou especiais, destinados aos órgãos dos Poderes Legislativo e
despesa, ressalvadas a repartição do produto da arrecadação Judiciário, do Ministério Público e da Defensoria Pública, ser-
dos impostos a que se referem os arts. 158 e 159, a destinação lhes-ão entregues até o dia 20 de cada mês, em duodécimos,
de recursos para as ações e serviços públicos de saúde, para na forma da lei complementar a que se refere o art. 165, § 9º.
manutenção e desenvolvimento do ensino e para realização Art. 169. A despesa com pessoal ativo e inativo da União, dos
de atividades da administração tributária, como determinado, Estados, do Distrito Federal e dos Municípios não poderá
respectivamente, pelos arts. 198, § 2º, 212 e 37, XXII, e a exceder os limites estabelecidos em lei complementar.
prestação de garantias às operações de crédito por § 1º A concessão de qualquer vantagem ou aumento de
antecipação de receita, previstas no art. 165, § 8º, bem como remuneração, a criação de cargos, empregos e funções ou
o disposto no § 4º deste artigo; alteração de estrutura de carreiras, bem como a admissão ou
V - a abertura de crédito suplementar ou especial sem prévia contratação de pessoal, a qualquer título, pelos órgãos e
autorização legislativa e sem indicação dos recursos entidades da administração direta ou indireta, inclusive
correspondentes; fundações instituídas e mantidas pelo poder público, só
VI - a transposição, o remanejamento ou a transferência de poderão ser feitas:
recursos de uma categoria de programação para outra ou de I - se houver prévia dotação orçamentária suficiente para
um órgão para outro, sem prévia autorização legislativa; atender às projeções de despesa de pessoal e aos acréscimos
VII - a concessão ou utilização de créditos ilimitados; dela decorrentes;
VIII - a utilização, sem autorização legislativa específica, de II - se houver autorização específica na lei de diretrizes
recursos dos orçamentos fiscal e da seguridade social para orçamentárias, ressalvadas as empresas públicas e as
suprir necessidade ou cobrir déficit de empresas, fundações e sociedades de economia mista.
fundos, inclusive dos mencionados no art. 165, § 5º; § 2º Decorrido o prazo estabelecido na lei complementar
IX - a instituição de fundos de qualquer natureza, sem prévia referida neste artigo para a adaptação aos parâmetros ali
autorização legislativa. previstos, serão imediatamente suspensos todos os repasses
X - a transferência voluntária de recursos e a concessão de de verbas federais ou estaduais aos Estados, ao Distrito
empréstimos, inclusive por antecipação de receita, pelos Federal e aos Municípios que não observarem os referidos
Governos Federal e Estaduais e suas instituições financeiras, limites.
para pagamento de despesas com pessoal ativo, inativo e § 3º Para o cumprimento dos limites estabelecidos com base
pensionista, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. neste artigo, durante o prazo fixado na lei complementar
XI - a utilização dos recursos provenientes das contribuições referida no caput, a União, os Estados, o Distrito Federal e os
sociais de que trata o art. 195, I, a, e II, para a realização de Municípios adotarão as seguintes providências:
despesas distintas do pagamento de benefícios do regime I - redução em pelo menos vinte por cento das despesas com
geral de previdência social de que trata o art. 201. cargos em comissão e funções de confiança;

Prof. Luis Octavio Alves de Azevedo 16 ORÇAMENTO PÚBLICO


II - exoneração dos servidores não estáveis. Parágrafo único. Não se consideram para os fins deste artigo
§ 4º Se as medidas adotadas com base no parágrafo anterior as operações de credito por antecipação da receita, as
não forem suficientes para assegurar o cumprimento da emissões de papel-moeda e outras entradas compensatórias,
determinação da lei complementar referida neste artigo, o no ativo e passivo financeiros
servidor estável poderá perder o cargo, desde que ato Art. 4º A Lei de Orçamento compreenderá tôdas as despesas
normativo motivado de cada um dos Poderes especifique a próprias dos órgãos do Govêrno e da administração
atividade funcional, o órgão ou unidade administrativa objeto centralizada, ou que, por intermédio dêles se devam realizar,
da redução de pessoal. observado o disposto no artigo 2°.
§ 5º O servidor que perder o cargo na forma do parágrafo Art. 5º A Lei de Orçamento não consignará dotações globais
anterior fará jus a indenização correspondente a um mês de destinadas a atender indiferentemente a despesas de
remuneração por ano de serviço. pessoal, material, serviços de terceiros, transferências ou
§ 6º O cargo objeto da redução prevista nos parágrafos quaisquer outras, ressalvado o disposto no artigo 20 e seu
anteriores será considerado extinto, vedada a criação de parágrafo único.
cargo, emprego ou função com atribuições iguais ou Art. 6º Tôdas as receitas e despesas constarão da Lei de
assemelhadas pelo prazo de quatro anos. Orçamento pelos seus totais, vedadas quaisquer deduções.
§ 7º Lei federal disporá sobre as normas gerais a serem § 1º As cotas de receitas que uma entidade pública deva
obedecidas na efetivação do disposto no § 4º. transferir a outra incluir-se-ão, como despesa, no orçamento
da entidade obrigada a transferência e, como receita, no
15. Lei 4.320/64 orçamento da que as deva receber.
§ 2º Para cumprimento do disposto no parágrafo anterior, o
LEI No 4.320, DE 17 DE MARÇO DE 1964. calculo das cotas terá por base os dados apurados no balanço
Estatui Normas Gerais de Direito Financeiro para do exercício anterior aquele em que se elaborar a proposta
elaboração e contrôle dos orçamentos e balanços orçamentária do governo obrigado a transferência
da União, dos Estados, dos Municípios e do Distrito Art. 7° A Lei de Orçamento poderá conter autorização ao
Federal. Executivo para:
Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a I - Abrir créditos suplementares até determinada importância
seguinte Lei; obedecidas as disposições do artigo 43;
DISPOSIÇÃO PRELIMINAR II - Realizar em qualquer mês do exercício financeiro,
Art. 1º Esta lei estatui normas gerais de direito financeiro operações de crédito por antecipação da receita, para
para elaboração e contrôle dos orçamentos e balanços da atender a insuficiências de caixa.
União, dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal, de § 1º Em casos de déficit, a Lei de Orçamento indicará as
acôrdo com o disposto no art. 5º, inciso XV, letra b, da fontes de recursos que o Poder Executivo fica autorizado a
Constituição Federal. utilizar para atender a sua cobertura.
TÍTULO I § 2° O produto estimado de operações de crédito e de
Da Lei de Orçamento alienação de bens imóveis sòmente se incluirá na receita
CAPÍTULO I quando umas e outras forem especìficamente autorizadas
Disposições Gerais pelo Poder Legislativo em forma que jurìdicamente possibilite
Art. 2° A Lei do Orçamento conterá a discriminação da receita ao Poder Executivo realizá-las no exercício.
e despesa de forma a evidenciar a política econômica § 3º A autorização legislativa a que se refere o parágrafo
financeira e o programa de trabalho do Govêrno, obedecidos anterior, no tocante a operações de crédito, poderá constar
os princípios de unidade universalidade e anualidade. da própria Lei de Orçamento.
§ 1° Integrarão a Lei de Orçamento: Art. 8º A discriminação da receita geral e da despesa de cada
I - Sumário geral da receita por fontes e da despesa por órgão do Govêrno ou unidade administrativa, a que se refere
funções do Govêrno; o artigo 2º, § 1º, incisos III e IV obedecerá à forma do Anexo
II - Quadro demonstrativo da Receita e Despesa segundo as nº 2.
Categorias Econômicas, na forma do Anexo nº 1; § 1° Os itens da discriminação da receita e da despesa,
III - Quadro discriminativo da receita por fontes e respectiva mencionados nos artigos 11, § 4°, e 13, serão identificados
legislação; por números de códigos decimal, na forma dos Anexos nºs 3
IV - Quadro das dotações por órgãos do Govêrno e da e 4.
Administração. § 2º Completarão os números do código decimal referido no
§ 2º Acompanharão a Lei de Orçamento: parágrafo anterior os algarismos caracterizadores da
I - Quadros demonstrativos da receita e planos de aplicação classificação funcional da despesa, conforme estabelece o
dos fundos especiais; Anexo nº 5.
II - Quadros demonstrativos da despesa, na forma dos Anexos § 3° O código geral estabelecido nesta lei não prejudicará a
nºs 6 a 9; adoção de códigos locais.
III - Quadro demonstrativo do programa anual de trabalho do CAPÍTULO II
Govêrno, em têrmos de realização de obras e de prestação Da Receita
de serviços. Art. 9º Tributo é a receita derivada instituída pelas entidades
Art. 3º A Lei de Orçamentos compreenderá tôdas as receitas, de direito publico, compreendendo os impostos, as taxas e
inclusive as de operações de crédito autorizadas em lei. contribuições nos termos da constituição e das leis vigentes

Prof. Luis Octavio Alves de Azevedo 17 ORÇAMENTO PÚBLICO


em matéria financeira, destinado-se o seu produto ao custeio manifestação de outras entidades de direito público ou
de atividades gerais ou especificas exercidas por essas privado.
entidades. § 3º Consideram-se subvenções, para os efeitos desta lei, as
Art. 10. (Vetado). transferências destinadas a cobrir despesas de custeio das
Art. 11 - A receita classificar-se-á nas seguintes categorias entidades beneficiadas, distinguindo-se como:
econômicas: Receitas Correntes e Receitas de Capital. I - subvenções sociais, as que se destinem a instituições
§ 1º - São Receitas Correntes as receitas tributária, de públicas ou privadas de caráter assistencial ou cultural, sem
contribuições, patrimonial, agropecuária, industrial, de finalidade lucrativa;
serviços e outras e, ainda, as provenientes de recursos II - subvenções econômicas, as que se destinem a emprêsas
financeiros recebidos de outras pessoas de direito público ou públicas ou privadas de caráter industrial, comercial, agrícola
privado, quando destinadas a atender despesas classificáveis ou pastoril.
em Despesas Correntes. § 4º Classificam-se como investimentos as dotações para o
§ 2º - São Receitas de Capital as provenientes da realização planejamento e a execução de obras, inclusive as destinadas
de recursos financeiros oriundos de constituição de dívidas; à aquisição de imóveis considerados necessários à realização
da conversão, em espécie, de bens e direitos; os recursos destas últimas, bem como para os programas especiais de
recebidos de outras pessoas de direito público ou privado, trabalho, aquisição de instalações, equipamentos e material
destinados a atender despesas classificáveis em Despesas de permanente e constituição ou aumento do capital de
Capital e, ainda, o superávit do Orçamento Corrente. emprêsas que não sejam de caráter comercial ou financeiro.
§ 3º - O superávit do Orçamento Corrente resultante do § 5º Classificam-se como Inversões Financeiras as dotações
balanceamento dos totais das receitas e despesas correntes, destinadas a:
apurado na demonstração a que se refere o Anexo nº 1, não I - aquisição de imóveis, ou de bens de capital já em
constituirá item de receita orçamentária. utilização;
§ 4º - A classificação da receita obedecerá ao seguinte II - aquisição de títulos representativos do capital de
esquema: RECEITAS CORRENTES emprêsas ou entidades de qualquer espécie, já constituídas,
RECEITA TRIBUTÁRIA quando a operação não importe aumento do capital;
Impostos. III - constituição ou aumento do capital de entidades ou
Taxas. emprêsas que visem a objetivos comerciais ou financeiros,
Contribuições de Melhoria. inclusive operações bancárias ou de seguros.
RECEITA DE CONTRIBUIÇÕES § 6º São Transferências de Capital as dotações para
RECEITA PATRIMONIAL investimentos ou inversões financeiras que outras pessoas de
RECEITA AGROPECUÁRIA direito público ou privado devam realizar,
RECEITA INDUSTRIAL independentemente de contraprestação direta em bens ou
RECEITA DE SERVIÇOS serviços, constituindo essas transferências auxílios ou
TRANSFERÊNCIAS CORRENTES contribuições, segundo derivem diretamente da Lei de
OUTRAS RECEITAS CORRENTES Orçamento ou de lei especialmente anterior, bem como as
RECEITAS DE CAPITAL dotações para amortização da dívida pública.
OPERAÇÕES DE CRÉDITO Art. 13. Observadas as categorias econômicas do art. 12, a
ALIENAÇÃO DE BENS discriminação ou especificação da despesa por elementos,
AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS em cada unidade administrativa ou órgão de govêrno,
TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAL obedecerá ao seguinte esquema:
OUTRAS RECEITAS DE CAPITAL DESPESAS CORRENTES
CAPÍTULO III Despesas de Custeio
Da Despesa Pessoa Civil
Art. 12. A despesa será classificada nas seguintes categorias Pessoal Militar
econômicas: Material de Consumo
DESPESAS CORRENTES Serviços de Terceiros
Despesas de Custeio Encargos Diversos
Transferências Correntes Transferências Correntes
DESPESAS DE CAPITAL Subvenções Sociais
Investimentos Subvenções Econômicas
Inversões Financeiras Inativos
Transferências de Capital Pensionistas
§ 1º Classificam-se como Despesas de Custeio as dotações Salário Família e Abono Familiar
para manutenção de serviços anteriormente criados, Juros da Dívida Pública
inclusive as destinadas a atender a obras de conservação e Contribuições de Previdência Social
adaptação de bens imóveis. Diversas Transferências Correntes.
§ 2º Classificam-se como Transferências Correntes as DESPESAS DE CAPITAL
dotações para despesas as quais não corresponda Investimentos
contraprestação direta em bens ou serviços, inclusive para Obras Públicas
contribuições e subvenções destinadas a atender à Serviços em Regime de Programação Especial

Prof. Luis Octavio Alves de Azevedo 18 ORÇAMENTO PÚBLICO


Equipamentos e Instalações a) as dotações destinadas a cobrir a diferença entre os preços
Material Permanente de mercado e os preços de revenda, pelo Govêrno, de
Participação em Constituição ou Aumento de Capital de gêneros alimentícios ou outros materiais;
Emprêsas ou Entidades Industriais ou Agrícolas b) as dotações destinadas ao pagamento de bonificações a
Inversões Financeiras produtores de determinados gêneros ou materiais.
Aquisição de Imóveis Art. 19. A Lei de Orçamento não consignará ajuda financeira,
Participação em Constituição ou Aumento de Capital de a qualquer título, a emprêsa de fins lucrativos, salvo quando
Emprêsas ou Entidades Comerciais ou Financeiras se tratar de subvenções cuja concessão tenha sido
Aquisição de Títulos Representativos de Capital de Emprêsa expressamente autorizada em lei especial.
em Funcionamento SEÇÃO II
Constituição de Fundos Rotativos Das Despesas de Capital
Concessão de Empréstimos SUBSEÇÃO PRIMEIRA
Diversas Inversões Financeiras Dos Investimentos
Transferências de Capital Art. 20. Os investimentos serão discriminados na Lei de
Amortização da Dívida Pública Orçamento segundo os projetos de obras e de outras
Auxílios para Obras Públicas aplicações.
Auxílios para Equipamentos e Instalações Parágrafo único. Os programas especiais de trabalho que, por
Auxílios para Inversões Financeiras sua natureza, não possam cumprir-se subordinadamente às
Outras Contribuições. normas gerais de execução da despesa poderão ser custeadas
Art. 14. Constitui unidade orçamentária o agrupamento de por dotações globais, classificadas entre as Despesas de
serviços subordinados ao mesmo órgão ou repartição a que Capital.
serão consignadas dotações próprias. SUBSEÇÃO SEGUNDA
Parágrafo único. Em casos excepcionais, serão consignadas Das Transferências de Capital
dotações a unidades administrativas subordinadas ao mesmo Art. 21. A Lei de Orçamento não consignará auxílio para
órgão. investimentos que se devam incorporar ao patrimônio das
Art. 15. Na Lei de Orçamento a discriminação da despesa far- emprêsas privadas de fins lucrativos.
se-á no mínimo por elementos. Parágrafo único. O disposto neste artigo aplica-se às
§ 1º Entende-se por elementos o desdobramento da despesa transferências de capital à conta de fundos especiais ou
com pessoal, material, serviços, obras e outros meios de que dotações sob regime excepcional de aplicação.
se serve a administração publica para consecução dos seus TÍTULO II
fins. Da Proposta Orcamentária
§ 2º Para efeito de classificação da despesa, considera-se CAPÍTULO I
material permanente o de duração superior a dois anos. Conteúdo e Forma da Proposta Orçamentária
SEÇÃO I Art. 22. A proposta orçamentária que o Poder Executivo
Das Despesas Correntes encaminhará ao Poder Legislativo nos prazos estabelecidos
SUBSEÇÃO ÚNICA nas Constituições e nas Leis Orgânicas dos Municípios,
Das Transferências Correntes compor-se-á:
I) Das Subvenções Sociais I - Mensagem, que conterá: exposição circunstanciada da
Art. 16. Fundamentalmente e nos limites das possibilidades situação econômico-financeira, documentada com
financeiras a concessão de subvenções sociais visará a demonstração da dívida fundada e flutuante, saldos de
prestação de serviços essenciais de assistência social, médica créditos especiais, restos a pagar e outros compromissos
e educacional, sempre que a suplementação de recursos de financeiros exigíveis; exposição e justificação da política
origem privada aplicados a êsses objetivos, revelar-se mais econômica-financeira do Govêrno; justificação da receita e
econômica. despesa, particularmente no tocante ao orçamento de
Parágrafo único. O valor das subvenções, sempre que capital;
possível, será calculado com base em unidades de serviços II - Projeto de Lei de Orçamento;
efetivamente prestados ou postos à disposição dos III - Tabelas explicativas, das quais, além das estimativas de
interessados obedecidos os padrões mínimos de eficiência receita e despesa, constarão, em colunas distintas e para fins
prèviamente fixados. de comparação:
Art. 17. Somente à instituição cujas condições de a) A receita arrecadada nos três últimos exercícios anteriores
funcionamento forem julgadas satisfatórias pelos órgãos àquele em que se elaborou a proposta;
oficiais de fiscalização serão concedidas subvenções. b) A receita prevista para o exercício em que se elabora a
II) Das Subvenções Econômicas proposta;
Art. 18. A cobertura dos déficits de manutenção das c) A receita prevista para o exercício a que se refere a
emprêsas públicas, de natureza autárquica ou não, far-se-á proposta;
mediante subvenções econômicas expressamente incluídas d) A despesa realizada no exercício imediatamente anterior;
nas despesas correntes do orçamento da União, do Estado, e) A despesa fixada para o exercício em que se elabora a
do Município ou do Distrito Federal. proposta; e
Parágrafo único. Consideram-se, igualmente, como f) A despesa prevista para o exercício a que se refere a
subvenções econômicas: proposta.

Prof. Luis Octavio Alves de Azevedo 19 ORÇAMENTO PÚBLICO


IV - Especificação dos programas especiais de trabalho Parágrafo único. Quando houver órgão central de orçamento,
custeados por dotações globais, em têrmos de metas visadas, essas demonstrações ser-lhe-ão remetidas mensalmente.
decompostas em estimativa do custo das obras a realizar e Art. 30. A estimativa da receita terá por base as
dos serviços a prestar, acompanhadas de justificação demonstrações a que se refere o artigo anterior à
econômica, financeira, social e administrativa. arrecadação dos três últimos exercícios, pelo menos bem
Parágrafo único. Constará da proposta orçamentária, para como as circunstâncias de ordem conjuntural e outras, que
cada unidade administrativa, descrição sucinta de suas possam afetar a produtividade de cada fonte de receita.
principais finalidades, com indicação da respectiva legislação. Art. 31. As propostas orçamentárias parciais serão revistas e
CAPÍTULO II coordenadas na proposta geral, considerando-se a receita
Da Elaboração da Proposta Orçamentária estimada e as novas circunstâncias.
SEÇÃO PRIMEIRA TÍTULO III
Das Previsões Plurienais Da elaboração da Lei de Orçamento
Art. 23. As receitas e despesas de capital serão objeto de um Art. 32. Se não receber a proposta orçamentária no prazo
Quadro de Recursos e de Aplicação de Capital, aprovado por fixado nas Constituições ou nas Leis Orgânicas dos
decreto do Poder Executivo, abrangendo, no mínimo um Municípios, o Poder Legislativo considerará como proposta a
triênio. Lei de Orçamento vigente.
Parágrafo único. O Quadro de Recursos e de Aplicação de Art. 33. Não se admitirão emendas ao projeto de Lei de
Capital será anualmente reajustado acrescentando-se-lhe as Orçamento que visem a:
previsões de mais um ano, de modo a assegurar a projeção a) alterar a dotação solicitada para despesa de custeio, salvo
contínua dos períodos. quando provada, nesse ponto a inexatidão da proposta;
Art. 24. O Quadro de Recursos e de Aplicação de Capital b) conceder dotação para o início de obra cujo projeto não
abrangerá: esteja aprovado pelos órgãos competentes;
I - as despesas e, como couber, também as receitas previstas c) conceder dotação para instalação ou funcionamento de
em planos especiais aprovados em lei e destinados a atender serviço que não esteja anteriormente criado;
a regiões ou a setores da administração ou da economia; d) conceder dotação superior aos quantitativos prèviamente
II - as despesas à conta de fundos especiais e, como couber, fixados em resolução do Poder Legislativo para concessão de
as receitas que os constituam; auxílios e subvenções.
III - em anexos, as despesas de capital das entidades referidas TÍTULO IV
no Título X desta lei, com indicação das respectivas receitas, Do Exercício Financeiro
para as quais forem previstas transferências de capital. Art. 34. O exercício financeiro coincidirá com o ano civil.
Art. 25. Os programas constantes do Quadro de Recursos e Art. 35. Pertencem ao exercício financeiro:
de Aplicação de Capital sempre que possível serão I - as receitas nêle arrecadadas;
correlacionados a metas objetivas em têrmos de realização II - as despesas nêle legalmente empenhadas.
de obras e de prestação de serviços. Art. 36. Consideram-se Restos a Pagar as despesas
Parágrafo único. Consideram-se metas os resultados que se empenhadas mas não pagas até o dia 31 de dezembro
pretendem obter com a realização de cada programa. distinguindo-se as processadas das não processadas.
Art. 26. A proposta orçamentária conterá o programa anual Parágrafo único. Os empenhos que sorvem a conta de
atualizado dos investimentos, inversões financeiras e créditos com vigência plurienal, que não tenham sido
transferências previstos no Quadro de Recursos e de liquidados, só serão computados como Restos a Pagar no
Aplicação de Capital. último ano de vigência do crédito.
SEÇÃO SEGUNDA Art. 37. As despesas de exercícios encerrados, para as quais o
Das Previsões Anuais orçamento respectivo consignava crédito próprio, com saldo
Art. 27. As propostas parciais de orçamento guardarão estrita suficiente para atendê-las, que não se tenham processado na
conformidade com a política econômica-financeira, o época própria, bem como os Restos a Pagar com prescrição
programa anual de trabalho do Govêrno e, quando fixado, o interrompida e os compromissos reconhecidos após o
limite global máximo para o orçamento de cada unidade encerramento do exercício correspondente poderão ser
administrativa. pagos à conta de dotação específica consignada no
Art. 28 As propostas parciais das unidades administrativas, orçamento, discriminada por elementos, obedecida, sempre
organizadas em formulário próprio, serão acompanhadas de: que possível, a ordem cronológica.
I - tabelas explicativas da despesa, sob a forma estabelecida Art. 38. Reverte à dotação a importância de despesa anulada
no artigo 22, inciso III, letras d, e e f; no exercício; quando a anulação ocorrer após o
II - justificação pormenorizada de cada dotação solicitada, encerramento dêste considerar-se-á receita do ano em que
com a indicação dos atos de aprovação de projetos e se efetivar.
orçamentos de obras públicas, para cujo início ou Art. 39. Os créditos da Fazenda Pública, de natureza tributária
prosseguimento ela se destina. ou não tributária, serão escriturados como receita do
Art. 29. Caberá aos órgãos de contabilidade ou de exercício em que forem arrecadados, nas respectivas rubricas
arrecadação organizar demonstrações mensais da receita orçamentárias.
arrecadada, segundo as rubricas, para servirem de base a § 1º - Os créditos de que trata este artigo, exigíveis pelo
estimativa da receita, na proposta orçamentária. transcurso do prazo para pagamento, serão inscritos, na
forma da legislação própria, como Dívida Ativa, em registro

Prof. Luis Octavio Alves de Azevedo 20 ORÇAMENTO PÚBLICO


próprio, após apurada a sua liquidez e certeza, e a respectiva § 2º Entende-se por superávit financeiro a diferença positiva
receita será escriturada a esse título. entre o ativo financeiro e o passivo financeiro, conjugando-
§ 2º - Dívida Ativa Tributária é o crédito da Fazenda Pública se, ainda, os saldos dos créditos adicionais transferidos e as
dessa natureza, proveniente de obrigação legal relativa a operações de credito a eles vinculadas.
tributos e respectivos adicionais e multas, e Dívida Ativa não § 3º Entende-se por excesso de arrecadação, para os fins
Tributária são os demais créditos da Fazenda Pública, tais deste artigo, o saldo positivo das diferenças acumuladas mês
como os provenientes de empréstimos compulsórios, a mês entre a arrecadação prevista e a realizada,
contribuições estabelecidas em lei, multa de qualquer origem considerando-se, ainda, a tendência do exercício.
ou natureza, exceto as tributárias, foros, laudêmios, alugueis § 4° Para o fim de apurar os recursos utilizáveis, provenientes
ou taxas de ocupação, custas processuais, preços de serviços de excesso de arrecadação, deduzir-se-a a importância dos
prestados por estabelecimentos públicos, indenizações, créditos extraordinários abertos no exercício.
reposições, restituições, alcances dos responsáveis Art. 44. Os créditos extraordinários serão abertos por decreto
definitivamente julgados, bem assim os créditos decorrentes do Poder Executivo, que dêles dará imediato conhecimento
de obrigações em moeda estrangeira, de subrogação de ao Poder Legislativo.
hipoteca, fiança, aval ou outra garantia, de contratos em Art. 45. Os créditos adicionais terão vigência adstrita ao
geral ou de outras obrigações legais. exercício financeiro em que forem abertos, salvo expressa
§ 3º - O valor do crédito da Fazenda Nacional em moeda disposição legal em contrário, quanto aos especiais e
estrangeira será convertido ao correspondente valor na extraordinários.
moeda nacional à taxa cambial oficial, para compra, na data Art. 46. O ato que abrir crédito adicional indicará a
da notificação ou intimação do devedor, pela autoridade importância, a espécie do mesmo e a classificação da
administrativa, ou, à sua falta, na data da inscrição da Dívida despesa, até onde fôr possível.
Ativa, incidindo, a partir da conversão, a atualização TÍTULO VI
monetária e os juros de mora, de acordo com preceitos legais Da Execução do Orçamento
pertinentes aos débitos tributários. § 4º - A receita da Dívida CAPÍTULO I
Ativa abrange os créditos mencionados nos parágrafos Da Programação da Despesa
anteriores, bem como os valores correspondentes à Art. 47. Imediatamente após a promulgação da Lei de
respectiva atualização monetária, à multa e juros de mora e Orçamento e com base nos limites nela fixados, o Poder
ao encargo de que tratam o art. 1º do Decreto-lei nº 1.025, Executivo aprovará um quadro de cotas trimestrais da
de 21 de outubro de 1969, e o art. 3º do Decreto-lei nº 1.645, despesa que cada unidade orçamentária fica autorizada a
de 11 de dezembro de 1978. utilizar.
§ 5º - A Dívida Ativa da União será apurada e inscrita na Art. 48 A fixação das cotas a que se refere o artigo anterior
Procuradoria da Fazenda Nacional. atenderá aos seguintes objetivos:
TÍTULO V a) assegurar às unidades orçamentárias, em tempo útil a
Dos Créditos Adicionais soma de recursos necessários e suficientes a melhor
Art. 40. São créditos adicionais, as autorizações de despesa execução do seu programa anual de trabalho;
não computadas ou insuficientemente dotadas na Lei de b) manter, durante o exercício, na medida do possível o
Orçamento. equilíbrio entre a receita arrecadada e a despesa realizada,
Art. 41. Os créditos adicionais classificam-se em: de modo a reduzir ao mínimo eventuais insuficiências de
I - suplementares, os destinados a refôrço de dotação tesouraria.
orçamentária; Art. 49. A programação da despesa orçamentária, para feito
II - especiais, os destinados a despesas para as quais não haja do disposto no artigo anterior, levará em conta os créditos
dotação orçamentária específica; adicionais e as operações extra-orçamentárias.
III - extraordinários, os destinados a despesas urgentes e Art. 50. As cotas trimestrais poderão ser alteradas durante o
imprevistas, em caso de guerra, comoção intestina ou exercício, observados o limite da dotação e o comportamento
calamidade pública. da execução orçamentária.
Art. 42. Os créditos suplementares e especiais serão CAPÍTULO II
autorizados por lei e abertos por decreto executivo. Da Receita
Art. 43. A abertura dos créditos suplementares e especiais Art. 51. Nenhum tributo será exigido ou aumentado sem que
depende da existência de recursos disponíveis para ocorrer a a lei o estabeleça, nenhum será cobrado em cada exercício
despesa e será precedida de exposição justificativa sem prévia autorização orçamentária, ressalvados a tarifa
§ 1º Consideram-se recursos para o fim deste artigo, desde aduaneira e o impôsto lançado por motivo de guerra.
que não comprometidos Art. 52. São objeto de lançamento os impostos diretos e
I - o superávit financeiro apurado em balanço patrimonial do quaisquer outras rendas com vencimento determinado em
exercício anterior; lei, regulamento ou contrato.
II - os provenientes de excesso de arrecadação; Art. 53. O lançamento da receita é ato da repartição
III - os resultantes de anulação parcial ou total de dotações competente, que verifica a procedência do crédito fiscal e a
orçamentárias ou de créditos adicionais, autorizados em pessoa que lhe é devedora e inscreve o débito desta.
Lei; IV - o produto de operações de credito autorizadas, Art. 54. Não será admitida a compensação da obrigação de
em forma que juridicamente possibilite ao poder executivo recolher rendas ou receitas com direito creditório contra a
realiza-las. Fazenda Pública.

Prof. Luis Octavio Alves de Azevedo 21 ORÇAMENTO PÚBLICO


Art. 55. Os agentes da arrecadação devem fornecer recibos § 2º A liquidação da despesa por fornecimentos feitos ou
das importâncias que arrecadarem. serviços prestados terá por base:
§ 1º Os recibos devem conter o nome da pessoa que paga a I - o contrato, ajuste ou acôrdo respectivo;
soma arrecadada, proveniência e classificação, bem como a II - a nota de empenho;
data a assinatura do agente arrecadador. III - os comprovantes da entrega de material ou da prestação
§ 2º Os recibos serão fornecidos em uma única via. efetiva do serviço.
Art. 56. O recolhimento de tôdas as receitas far-se-á em Art. 64. A ordem de pagamento é o despacho exarado por
estrita observância ao princípio de unidade de tesouraria, autoridade competente, determinando que a despesa seja
vedada qualquer fragmentação para criação de caixas paga.
especiais. Parágrafo único. A ordem de pagamento só poderá ser
Art. 57. Ressalvado o disposto no parágrafo único do artigo 3º exarada em documentos processados pelos serviços de
desta lei serão classificadas como receita orçamentária, sob contabilidade.
as rubricas próprias, tôdas as receitas arrecadadas, inclusive Art. 65. O pagamento da despesa será efetuado por
as provenientes de operações de crédito, ainda que não tesouraria ou pagadoria regularmente instituídos por
previstas no Orçamento. estabelecimentos bancários credenciados e, em casos
CAPÍTULO III excepcionais, por meio de adiantamento.
Da Despesa Art. 66. As dotações atribuídas às diversas unidades
Art. 58. O empenho de despesa é o ato emanado de orçamentárias poderão quando expressamente determinado
autoridade competente que cria para o Estado obrigação de na Lei de Orçamento ser movimentadas por órgãos centrais
pagamento pendente ou não de implemento de de administração geral.
condição. Parágrafo único. É permitida a redistribuição de parcelas das
Art. 59 - O empenho da despesa não poderá exceder o limite dotações de pessoal, de uma para outra unidade
dos créditos concedidos. orçamentária, quando considerada indispensável à
§ 1º Ressalvado o disposto no Art. 67 da Constituição Federal, movimentação de pessoal dentro das tabelas ou quadros
é vedado aos Municípios empenhar, no último mês do comuns às unidades interessadas, a que se realize em
mandato do Prefeito, mais do que o duodécimo da despesa obediência à legislação específica.
prevista no orçamento vigente. Art. 67. Os pagamentos devidos pela Fazenda Pública, em
§ 2º Fica, também, vedado aos Municípios, no mesmo virtude de sentença judiciária, far-se-ão na ordem de
período, assumir, por qualquer forma, compromissos apresentação dos precatórios e à conta dos créditos
financeiros para execução depois do término do mandato do respectivos, sendo proibida a designação de casos ou de
Prefeito. pessoas nas dotações orçamentárias e nos créditos adicionais
§ 3º As disposições dos parágrafos anteriores não se aplicam abertos para êsse fim.
nos casos comprovados de calamidade pública. Art. 68. O regime de adiantamento é aplicável aos casos de
§ 4º Reputam-se nulos e de nenhum efeito os empenhos e despesas expressamente definidos em lei e consiste na
atos praticados em desacordo com o disposto nos parágrafos entrega de numerário a servidor, sempre precedida de
1º e 2º deste artigo, sem prejuízo da responsabilidade do empenho na dotação própria para o fim de realizar despesas,
Prefeito nos termos do Art. 1º, inciso V, do Decreto-lei n.º que não possam subordinar-se ao processo normal de
201, de 27 de fevereiro de 1967. aplicação.
Art. 60. É vedada a realização de despesa sem prévio Art. 69. Não se fará adiantamento a servidor em alcance nem
empenho. a responsável por dois adiantamentos.
§ 1º Em casos especiais previstos na legislação específica será Art. 70. A aquisição de material, o fornecimento e a
dispensada a emissão da nota de empenho. adjudicação de obras e serviços serão regulados em lei,
§ 2º Será feito por estimativa o empenho da despesa cujo respeitado o princípio da concorrência.
montante não se possa determinar. TÍTULO VII
§ 3º É permitido o empenho global de despesas contratuais e Dos Fundos Especiais
outras, sujeitas a parcelamento. Art. 71. Constitui fundo especial o produto de receitas
Art. 61. Para cada empenho será extraído um documento especificadas que por lei se vinculam à realização de
denominado "nota de empenho" que indicará o nome do determinados objetivos ou serviços, facultada a adoção de
credor, a representação e a importância da despesa bem normas peculiares de aplicação.
como a dedução desta do saldo da dotação própria. Art. 72. A aplicação das receitas orçamentárias vinculadas a
Art. 62. O pagamento da despesa só será efetuado quando fundos especiais far-se-á através de dotação consignada na
ordenado após sua regular liquidação. Lei de Orçamento ou em créditos adicionais.
Art. 63. A liquidação da despesa consiste na verificação do Art. 73. Salvo determinação em contrário da lei que o
direito adquirido pelo credor tendo por base os títulos e instituiu, o saldo positivo do fundo especial apurado em
documentos comprobatórios do respectivo crédito. balanço será transferido para o exercício seguinte, a crédito
§ 1° Essa verificação tem por fim apurar: do mesmo fundo.
I - a origem e o objeto do que se deve pagar; Art. 74. A lei que instituir fundo especial poderá determinar
II - a importância exata a pagar; normas peculiares de contrôle, prestação e tomada de
III - a quem se deve pagar a importância, para extinguir a contas, sem de qualquer modo, elidir a competência
obrigação. específica do Tribunal de Contas ou órgão equivalente.

Prof. Luis Octavio Alves de Azevedo 22 ORÇAMENTO PÚBLICO


TÍTULO VIII Art. 84. Ressalvada a competência do Tribunal de Contas ou
Do Contrôle da Execução Orçamentária órgão equivalente, a tomada de contas dos agentes
CAPÍTULO I responsáveis por bens ou dinheiros públicos será realizada ou
Disposições Gerais superintendida pelos serviços de contabilidade.
Art. 75. O contrôle da execução orçamentária compreenderá: Art. 85. Os serviços de contabilidade serão organizados de
I - a legalidade dos atos de que resultem a arrecadação da forma a permitirem o acompanhamento da execução
receita ou a realização da despesa, o nascimento ou a orçamentária, o conhecimento da composição patrimonial, a
extinção de direitos e obrigações; determinação dos custos dos serviços industriais, o
II - a fidelidade funcional dos agentes da administração, levantamento dos balanços gerais, a análise e a interpretação
responsáveis por bens e valores públicos; dos resultados econômicos e financeiros.
III - o cumprimento do programa de trabalho expresso em Art. 86. A escrituração sintética das operações financeiras e
têrmos monetários e em têrmos de realização de obras e patrimoniais efetuar-se-á pelo método das partidas
prestação de serviços. dobradas.
CAPÍTULO II Art. 87. Haverá contrôle contábil dos direitos e obrigações
Do Contrôle Interno oriundos de ajustes ou contratos em que a administração
Art. 76. O Poder Executivo exercerá os três tipos de contrôle pública fôr parte.
a que se refere o artigo 75, sem prejuízo das atribuições do Art. 88. Os débitos e créditos serão escriturados com
Tribunal de Contas ou órgão equivalente. individuação do devedor ou do credor e especificação da
Art. 77. A verificação da legalidade dos atos de execução natureza, importância e data do vencimento, quando fixada.
orçamentária será prévia, concomitante e subseqüente. Art. 89. A contabilidade evidenciará os fatos ligados à
Art. 78. Além da prestação ou tomada de contas anual, administração orçamentária, financeira patrimonial e
quando instituída em lei, ou por fim de gestão, poderá haver, industrial.
a qualquer tempo, levantamento, prestação ou tomada de
contas de todos os responsáveis por bens ou valores 16. LRF – Lei de Responsabilidade Fiscal
públicos.
16.1. Abrangência
Art. 79. Ao órgão incumbido da elaboração da proposta
• Abrangência: todos os órgãos, autarquias, fundações,
orçamentária ou a outro indicado na legislação, caberá o
entidades de todos os entes federativos e empresas estatais
contrôle estabelecido no inciso III do artigo 75.
dependentes (que recebem recursos do ente para pagamento
Parágrafo único. Êsse controle far-se-á, quando fôr o caso,
dos gastos com pessoal ou custeio).
em têrmos de unidades de medida, prèviamente
• A exceção na abrangência da LRF é o caso de empresas
estabelecidos para cada atividade.
estatais independentes.
Art. 80. Compete aos serviços de contabilidade ou órgãos
equivalentes verificar a exata observância dos limites das
16.2. Princípios:
cotas trimestrais atribuídas a cada unidade orçamentária,
 Equilíbrio entre despesas e receitas;
dentro do sistema que fôr instituído para êsse fim.
 Responsabilidade fiscal;
CAPÍTULO III
Do Contrôle Externo  Limitação de empenho: avaliar bimestralmente a
Art. 81. O contrôle da execução orçamentária, pelo Poder arrecadação e impedir a realização de despesas caso a
Legislativo, terá por objetivo verificar a probidade da arrecadação for menor que o previsto;
administração, a guarda e legal emprêgo dos dinheiros  Antecipação;
públicos e o cumprimento da Lei de Orçamento.  Transparência;
Art. 82. O Poder Executivo, anualmente, prestará contas ao  Exatidão: as previsões de receitas devem ser calculadas
Poder Legislativo, no prazo estabelecido nas Constituições ou com base em métodos científicos e próximas da realidade.
nas Leis Orgânicas dos Municípios. 16.3. Planejamento
§ 1º As contas do Poder Executivo serão submetidas ao Poder 16.3.1. LDO
Legislativo, com Parecer prévio do Tribunal de Contas ou • LDO: dispõe sobre equilíbrio entre receita e despesa,
órgão equivalente. critérios e formas de limitação de empenho, condições para
§ 2º Quando, no Município não houver Tribunal de Contas ou transferência de recursos. Anexos:
órgão equivalente, a Câmara de Vereadores poderá designar  Anexo de Metas Fiscais: avaliação do cumprimento das
peritos contadores para verificarem as contas do prefeito e metas do ano anterior, demonstrativo das metas anuais,
sôbre elas emitirem parecer. evolução do patrimônio líquido nos últimos 3 exercícios,
TÍTULO IX avaliação da situação financeira e demonstrativo de
Da Contabilidade estimativa e compensação de renúncia de receita;
CAPÍTULO I  Anexo de Riscos Fiscais: são avaliados os passivos
Disposições Gerais contingentes e outros riscos capazes de afetar as contas
Art. 83. A contabilidade evidenciará perante a Fazenda públicas.
Pública a situação de todos quantos, de qualquer modo, 16.3.2. LOA
arrecadem receitas, efetuem despesas, administrem ou LOA deve conter:
guardem bens a ela pertencentes ou confiados.

Prof. Luis Octavio Alves de Azevedo 23 ORÇAMENTO PÚBLICO


 Demonstrativo da compatibilidade da programação dos Os valores dos contratos de terceirização de mão-de-obra que
orçamentos com os objetivos e metas do Anexo de Metas se referirem à substituição de servidores e empregados
Fiscais; públicos serão contabilizados como “Outras Despesas de
 Demonstrativo regionalizado do efeito das renúncias de Pessoal”.
receitas, bem como medidas de compensação; A apuração da despesa total com pessoal será obtida
 Reserva de contingência, obtida com base na receita somando-se a realizada no mês em referência com as dos onze
corrente líquida, para o atendimento a passivos meses imediatamente anteriores, adotando-se o regime de
contingentes e outros riscos fiscais imprevistos. competência.
• A receita corrente líquida será apurada somando-se as • A despesa com pessoal não pode exceder os percentuais da
receitas arrecadadas no mês em referência e nos onze receita corrente líquida:
anteriores, excluídas as duplicidades (portanto pode exceder  União: 50%
um exercício financeiro).  Estados: 60%
 Municípios: 60%
• Após a publicação dos orçamentos, o Executivo tem 30 dias • Nesta conta não são levadas em consideração as despesas
para estabelecer a programação financeira e o cronograma de com indenizações por demissão de empregados ou servidores,
execução mensal. incentivos à demissão voluntária, inativos, etc.

• Se verificado ao final de um bimestre que a realização da • Os TCs alertarão os Poderes quando constatarem:
receita não irá cumprir as metas de resultado definidas no  Despesa com pessoal em 90% do limite;
Anexo de Metas, os Poderes e o MP têm que fazer a limitação  Montantes de dívida consolidada e mobiliária superior a
de empenho nos 30 dias subsequentes. 90% do limite;
 Gastos com inativos e pensionistas acima do limite definido
• Se os Poderes e o MP não fizerem tal limitação no prazo, o em lei.
próprio Executivo é autorizado a limitar tais valores. • No cálculo do limite global, tal repartição no nível federal se
dá:
• As renúncias de despesas devem ser acompanhadas de  Executivo: 40,9%
estimativa do impacto financeiro no exercício e nos 2  Judiciário: 6%
seguintes. Além disso, deve atender a pelo menos uma dessas  Legislativo (e TCU): 2,5%
condições:  MPU: 0,6%
 Demonstração de que tal renúncia foi considerada na • Se a despesa com pessoal exceder 95% dos limites
estimativa de receita da LOA; estabelecidos, o Poder ou órgão NÃO PODE:
 Medidas de compensação, por meio do aumento de receita  Dar aumento aos servidores, ressalvada a revisão anual
(elevação de alíquotas, ampliação da base de cálculo, (data-base);
majoração de tributos, etc).  Criar cargo, emprego ou função;
16.4. DESPESAS  Conceder hora extra;
16.4.1. Despesa de Caráter Continuado  Fazer alteração na estrutura que gere aumento de despesa;
é aquela que fixa despesas por um período superior a 2
 Dar provimento de cargo público (a não ser que haja
exercícios. Estas devem ser acompanhadas de:
aposentadoria ou falecimento do servidor nas áreas de
 Estimativa do impacto financeiro; saúde, educação e segurança.
 Demonstrativo da origem dos recursos para o custeio. Mecanismos de Correção de Desvios
• Em suma, a despesa de caráter continuado deve ser Se a despesa total com pessoal exceder a noventa e cinco por
acompanhada de comprovação de que não afetará o cento (95%) do limite, ficam vedados ao Poder ou órgão
cumprimento das metas fiscais, devendo seus efeitos referido que houver incorrido no excesso:
financeiros ser compensados pelo aumento da receita nos · concessão de vantagem, aumento, reajuste ou adequação de
períodos seguintes. remuneração a qualquer título; · criação de cargo, emprego ou
função; · alteração de estrutura de carreira que implique
16.4.2. Despesas com Pessoal aumento de despesa; · provimento de cargo público, admissão
As Despesas com Pessoal ou contratação de pessoal a qualquer título, ressalvada a
Definições Básicas reposição decorrente de aposentadoria ou falecimento de
o somatório dos gastos do ente da Federação com os ativos, servidores das áreas de educação, saúde e segurança; ·
os inativos e os pensionistas, relativos a mandatos eletivos, contratação de hora extra, salvo em situações previstas na Lei
cargos, funções ou empregos, civis, militares e de membros de de Diretrizes Orçamentárias.
Poder, com quaisquer espécies remuneratórias, tais como: Além disso:
vencimentos e vantagens, fixas e variáveis, subsídios, · ultrapassado o limite máximo no quadrimestre, o excedente
proventos da aposentadoria, reformas e pensões, inclusive deve ser eliminado em 2 quadrimestres (sendo de, pelo
adicionais, gratificações, horas extras e vantagens pessoais de menos, 1/3 no primeiro);
qualquer natureza, bem como encargos sociais e contribuições 10
recolhidas pelo ente às entidades de previdência. · há uma regra transitória que permitirá ao ente ou Poder que
estiver acima do limite, quando da entrada em vigor da LRF,

Prof. Luis Octavio Alves de Azevedo 24 ORÇAMENTO PÚBLICO


eliminar o excedente nos 2 exercícios subseqüentes, sendo de, fiscal, adotadas e a adotar, e as ações de fiscalização e
no mínimo, 50%, no primeiro ano; cobrança.
· caso a despesa total com pessoal esteja abaixo dos limites Relatório de Gestão Fiscal
fixados na Lei, essa despesa poderá ser acrescida em até dez Ao final de cada quadrimestre, será emitido e assinado pelos
por cento em relação à despesa verificada no exercício titulares dos Poderes e órgãos de todos os entes federados o
imediatamente anterior, até o final do terceiro exercício após Relatório de Gestão Fiscal, que deverá conter:
a vigência da LRF, respeitados os limites para a esfera 1. O comparativo com os limites da LRF dos seguintes
administrativa correspondente e para os respectivos poderes. montantes:
De qualquer forma, os eventuais aumentos de salário, a) despesa total com pessoal, destacando a despesa com
gratificações ou reestruração de carreiras estarão sujeitos à inativos e pensionistas; b) dívidas consolidada e mobiliária; c)
edição de lei específica; e concessão de garantias; e d) operações de crédito, inclusive
· o montante de recursos financeiros a serem entregues aos por antecipação de receita.
órgãos dos Poderes Legislativo e Judiciário e do Ministério 2. A indicação das medidas corretivas adotadas ou a adotar, se
Público, para atender a despesas com pessoal, será a ultrapassados qualquer dos limites.
resultante da aplicação dos limites e regras fixados na LRF. 3. Os demonstrativos, no último quadrimestre do exercício:
Nenhum ato que provoque aumento da despesa de pessoal, a) do montante das disponibilidades de caixa em trinta e um
nos Poderes Legislativo e Executivo, poderá ser editado nos de dezembro; e b) da inscrição em restos a pagar, das
180 dias anteriores ao final da legislatura ou do mandato dos despesas: liquidadas; empenhadas e não liquidadas
chefes do Poder Executivo. decorrentes de contratos administrativos ou de convênios em
Em caso de crescimento econômico negativo ou inferior a 1% andamento; empenhadas e nãoliquidadas, inscritas até o
nos quatro últimos trimestres ou de calamidade pública, limite do saldo da disponibilidade de caixa; e despesas não
estado de defesa ou de sítio, fica suspensa a contagem dos inscritas por falta de disponibilidade de caixa e cujos
prazos para enquadramento nos limites de pessoal. empenhos foram cancelados;
O relatório será publicado até trinta dias após o encerramento
16.5. Transparência do período a que corresponder, com amplo acesso ao público,
Relatório Resumido de Execução Orçamentária inclusive por meio eletrônico.
A LRF prevê que o atual Relatório Resumido de Execução O não cumprimento dos prazos previstos, impedirá, até que a
Orçamentária passe a ser publicado por todos os Poderes e situação seja regularizada, que União, Estados, Distrito Federal
pelo Ministério Público, até trinta dias após o encerramento ou Municípios recebam transferências voluntárias e
de cada bimestre, devendo conter: contratem operações de crédito, exceto as destinadas ao
1. Balanço orçamentário, que especificará, por categoria refinanciamento do principal atualizado da respectiva dívida
econômica: mobiliária.
a) receitas, por fonte, informando as realizadas e a realizar,
bem como a previsão atualizada; e
b) despesas, por grupo de natureza da despesa, discriminando
a dotação para o exercício, a despesa liquidada e o saldo.
2. Os demonstrativos da execução das:
a) receitas, por categoria econômica e fonte, especificando a
previsão inicial, a previsão atualizada para o exercício, a
receita realizada no bimestre, a realizada no exercício e a
previsão a realizar; b) despesas, por categoria econômica e
grupo de natureza da despesa, discriminando a dotação inicial,
dotação para o exercício, despesas empenhadas e liquidadas,
no bimestre e no exercício; e c) despesas, por função e
subfunção.
3. A apuração da receita corrente líquida (RCL), sua evolução,
assim como a previsão de seu desempenho até o final do
exercício;
4. As receitas e despesas previdenciárias;
5. Os resultados nominal e primário;
6. As despesas com juros;
7. Os restos a pagar, detalhando, por Poder e órgão, os valores
inscritos, os pagamentos realizados e o montante a pagar;
O relatório referente ao último bimestre do exercício deverá,
também, informar sobre o atendimento à “regra de ouro” e
sobre a variação patrimonial, evidenciando a alienação de
ativos e a aplicação dos recursos dela decorrentes.
Quando for o caso, deverão ser apresentadas justificativas
para a limitação de empenho e para a frustração de receitas,
especificando as medidas de combate à sonegação e à evasão

Prof. Luis Octavio Alves de Azevedo 25 ORÇAMENTO PÚBLICO