You are on page 1of 16

Página 1 de 16

Silveira, B. B. Kuhnen, A. Felippe, M. L. Retratos de um hospital de custódia: os espaços verdes e sua relação
com a restauração psicofisiológica do estresse

Retratos de um hospital de custódia: os espaços verdes e sua relação com a


restauração psicofisiológica do estresse

Portraits of a custodial hospital: the green spaces and their relation with the
psychophysiological restoration from stress

Retratos de un hospital de custodia: los espacios verdes y su relación con la


restauración psicofisiológica del estrés
Bettieli Barboza da Silveira1

Ariane Kuhnen2

Maíra Longhinotti Felippe3

Resumo

A investigação e o incentivo ao uso de espaços verdes em hospitais de custódia atuam como alternativa
para aumentar o bem-estar e a qualidade de vida daqueles que experienciam esse ambiente. Trata-se de
uma vertente oposta ao conceito de confinamento, porém congruente com as teorias que discutem a
importância dos elementos naturais para a saúde e restauração do estresse. Para tanto, procurou-se
identificar como os espaços verdes podem contribuir para a restauração do estresse psicofísiológico de
usuários do hospital de custódia. A técnica de Fotografia do Ambiente foi aplicada em associação à
entrevista semiestruturada. Buscou-se compreender as especificidades capturadas por meio das
fotografias, discutindo-as com base nos pressupostos e na literatura dos Estudos Pessoa-Ambiente. Doze
participantes retrataram diferentes lugares, percepções e sentimentos em resposta às indagações
propostas. Constatou-se que os ambientes e as paisagens naturais se destacaram quanto ao potencial
benéfico à saúde e à redução psicofisiológica do estresse.

Palavras-chave: Ambiente restaurador. Psicologia Ambiental. Hospital de custódia. Espaços verdes.


Fotografia.

Abstract

The proposal to investigate and encourage the use of green spaces in custodial hospitals acts as a healthy
alternative to human beings who experience this type of environment. This is a work line opposed to the
concept of confinement, congruent with theories that deal with the importance of natural elements for
health and stress restoration. In this sense, we sought to identify how green spaces can contribute to

1
Psicóloga graduada pela Universidade do Vale do Itajaí. Mestra e doutoranda em Psicologia pela Universidade
Federal de Santa Catarina. Membro do Laboratório de Psicologia Ambiental (Lapam). Universidade Federal de
Santa Catarina, Campus Universitário, Trindade. E-mail: bettieli.bs@gmail.com
2
Psicóloga. Mestra em Sociologia Política e doutora em Ciências Humanas. Professora titular do Departamento
de Psicologia e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina.
Coordenadora do Laboratório de Psicologia Ambiental (Lapam). Universidade Federal de Santa Catarina, Campus
Universitário, Trindade. E-mail: arianekuhnen@gmail.com
3
Arquiteta e Urbanista. Mestra em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina . Doutora em
Tecnologia da Arquitetura pela Universitá degli Studi di Ferrara (Ferrara, Itália). Pós-doutoranda em Psicologia
pela Universidade Federal de Santa Catarina. Membro do Laboratório de Psicologia Ambiental (Lapam).
Universidade Federal de Santa Catarina, Campus Universitário, Trindade. E-mail: mairafelippe@gmail.com

Pesquisas e Práticas Psicossociais 13(4), São João del Rei, outubro-dezembro de 2018. e2013
Página 2 de 16

Silveira, B. B. Kuhnen, A. Felippe, M. L. Retratos de um hospital de custódia: os espaços verdes e sua relação
com a restauração psicofisiológica do estresse

psychophysiological restoration from stress in a custodial hospital. Therefore, the Environmental


Photography technique in association with semi-structured interviews was applied. It was sought to
understand the specificities captured through the photographs, discussing them based on the assumptions
and the literature of the Person-Environment Studies. Twelve participants portrayed different places,
perceptions and feelings in response to the proposed questions. It was verified that natural environments
and landscapes stood out as to the beneficial potential to health, as well as in stress reduction.

Keywords: Restorative environment. Environmental Psychology. Custodial hospital. Green spaces.


Photography.

Resumen

La investigación y el incentivo al uso de espacios verdes en hospitales de custodia actúa como alternativa
para aumentar el bienestar y la calidad de vida de aquellos que experimentan ese ambiente. Se trata de
una vertiente opuesta al concepto de confinamiento, pero congruente con las teorías que discuten la
importancia de los elementos naturales para la salud y restauración del estrés. Para ello, se buscó
identificar cómo los espacios verdes pueden contribuir a la restauración del estrés psicofísiológico de
usuarios del hospital de custodia. La técnica de Fotografía del Ambiente fue aplicada en asociación a la
entrevista semiestructurada con el fin de comprenderlas especificidades capturadas a través de las
fotografías y discutirlas con base en los presupuestos y en la literatura de los Estudios Pessoa-Ambiente.
Doce participante retrataron diferentes sitios, percepciones y sentimientos en respuesta a las
indagaciones propuestas. Se constató que los ambientes y los paisajes naturales se destacaron en cuanto
al potencial benéfico a la salud y en la reducción psicofisiológica del estrés.

Palabras clave: Ambiente restaurador. Psicología Ambiental. Hospital de custodia. Espacios verdes.
Fotografía.

Pesquisas e Práticas Psicossociais 13(4), São João del Rei, outubro-dezembro de 2018. e2013
Página 3 de 16

Silveira, B. B. Kuhnen, A. Felippe, M. L. Retratos de um hospital de custódia: os espaços verdes e sua relação
com a restauração psicofisiológica do estresse

Introdução para promover ações em prol de melhores


condições de bem-estar para as pessoas é
Deveríamos pensar a relação entre o preciso atentar para a influência do
ambiente físico, a subjetividade e o ambiente físico na saúde humana. Desse
comportamento humano de maneira modo, indicam-se investimentos na busca
holística e os fenômenos serem observados por achados científicos que subsidiem os
nos contextos que ocorrem na vida saberes relacionados à capacidade
cotidiana. Nessa direção, alguns estudos em ambiental de promoção e restauração da
Psicologia Ambiental (PA) dialogam com saúde, assim como o estudo do estresse por
outras áreas do conhecimento (por influência ambiental (Hartig, 2011).
exemplo: arquitetura, design de interiores, No que diz respeito à saúde mental e
geografia etc.) e buscam, sobretudo, física de adultos e crianças, pesquisas vêm
melhorar a qualidade dos espaços, assim identificando os efeitos positivos da
como a qualidade de vida das pessoas realização de atividade física em áreas
(Wiesenfeld, 2005). Enquanto subdisciplina verdes (Corti et al., 2005; Hansman, Hug &
da Psicologia, a Psicologia Ambiental se Seeland, 2007), diminuição dos sintomas de
destaca pela investigação acerca das inter- estresse mental e aumento da capacidade de
relações entre a pessoa e o ambiente concentração (Grahn & Stigsdotter, 2010;
(Moser, 1998). Para este estudo, serão Lee & Maheswaran, 2010), bem como o
pesquisados os espaços verdes no entorno incremento no engajamento social
de um hospital de custódia. Nas cidades, o (Chiesura, 2004). Nesse sentido, a pesquisa
“verde” está geralmente em parques, de Tsunetsugu e colegas (2013) visou
zoológicos, bosques, jardins comunitários, demonstrar alguns benefícios da relação
dentre outros lugares de grande importância pessoa-natureza, os autores investigaram os
na promoção e na manutenção da saúde efeitos psicológicos e fisiológicos que a
humana (Kessel et al., 2009; Yuan & Bauer, exposição a espaços verdes suscitava e
2007). As áreas verdes localizadas no verificaram a percepção dos participantes
contexto de hospitais de custódia têm que visitaram três tipos diferentes de áreas
peculiaridades na forma como são urbanas na Finlândia, sendo um centro
utilizadas, dada a reduzida autonomia de urbano construído, um parque e um bosque.
seus usuários – o que é uma característica Em outro estudo, realizado por
intrínseca ao próprio funcionamento desse Marselle e colegas (2015), foram
tipo de instituição. Tal aspecto repercute no produzidos dados sobre a influência das
desenvolvimento do estresse e daí a qualidades ambientais no bem-estar das
importância dos elementos naturais no pessoas, além dos mecanismos subjacentes
ambiente de custódia, já que são a essa associação. A proposta desta pesquisa
compreendidos como de grande potencial procurou identificar se a biodiversidade, a
restaurador (Markus, 1993). naturalidade e a caminhada a que foram
A proposta de incentivar o uso de expostos, tiveram relação com a restauração
espaços verdes como alternativas saudáveis percebida e o bem-estar emocional dos
e opostas ao conceito de clausura participantes. Finalmente, em estudos
constantemente vivenciado em instituições epidemiológicos realizados na Austrália,
fechadas, como os hospitais de custódia, Inglaterra, Japão e Holanda identificaram a
visa contribuir com os preceitos da Reforma presença de áreas verdes em vizinhanças
Psiquiátrica, movimento de reestruturação como indicadores de saúde (De Vries et al.,
dos serviços de atenção à saúde mental 2003; Grahn & Stigsdotter, 2010; Mitchell
amparado no Brasil pela Lei & Popham, 2007; Sugiyama et al., 2008;
“Antimanicomial” (Lei nº 10.216/2001). Takano et al., 2002). Em comum entre as
Nesse sentido, Jacobi (2003) salienta que pesquisas citadas, há a indicação que a

Pesquisas e Práticas Psicossociais 13(4), São João del Rei, outubro-dezembro de 2018. e2013
Página 4 de 16

Silveira, B. B. Kuhnen, A. Felippe, M. L. Retratos de um hospital de custódia: os espaços verdes e sua relação
com a restauração psicofisiológica do estresse

exposição ao verde diminui os níveis de negativos possibilitem o retorno da


estresse e favorece o aumento da qualidade excitação fisiológica
de vida e do bem-estar. (physiologicalarousal) para níveis mais
No que diz respeito ao ambiente de moderados (Ulrich, 1984; Van Den Berg &
hospital de custódia, Goffman (1974), em Custers, 2011).
uma análise acerca da subjetividade da As nuances percebidas por Ulrich
experiência institucional, define-o como um (1984) contribuíram para o direcionamento
espaço fechado que rompe profundamente e expansão do conceito de ambiente
com os papéis anteriormente restaurador (restorative environment). Para
desempenhados na sociedade. Sobre a que um ambiente se torne restaurador, há
perspectiva física e estrutural, Lima (2009) que ocorrer um processo de recuperação ou
destaca que, no Brasil, o projeto renovação dos recursos psicológicos,
arquitetônico desse tipo de lugar não é fisiológicos e sociais. Esses recursos podem
elaborado com base nas especificidades dos estar comprometidos pelo estresse ou por
seus futuros usuários, sejam eles outras formas de consumo ou alteração dos
profissionais, pacientes e/ou presidiários, e, recursos pessoais para enfrentamento de
sim, de acordo com as normas impostas certas situações. O modo de compreensão e
pelo Estado. Por fim, em análise específica a base teórica para o estudo desse conceito
dos hospitais de custódia, Carrara (2010, p. estão subsidiados na Teoria da Recuperação
17) os denomina como instituições Psicofisiológica ao Estresse (TRPE), ou
complexas que articulam dupla realidade Teoria Psicoevolucionista, elaborada por
social: o hospital psiquiátrico ou “asilo dos Ulrich e que enfatiza, principalmente, os
alienados” e a prisão, constituindo assim o benefícios ao bem-estar e a qualidade de
estereótipo de seus internos como “loucos vida das pessoas expostas a contextos de
criminosos”. natureza, reais ou simulados.
Em função dos benefícios à saúde Inicialmente as pesquisas sobre
física e emocional identificados na relação ambientes restauradores (restorative
das pessoas com os espaços verdes, este environments) tiveram o alicerce de
artigo se propõe a discuti-los situando-os no pesquisas vinculadas aos atributos
hospital de custódia, em consideração a ambientais (Kaplan & Kaplan, 1982;
toda especificidade do lugar. Para tanto, Korpela, 1989). Motivadas por observações
com o objetivo de contribuir na divulgação em lugares como manicômios, sanatórios e
de conhecimento científico sobre o uso de prisões localizados na França e Inglaterra,
espaços verdes em instituições, alguns têm-se outras pesquisas notáveis (Markus,
aportes teóricos nortearam e deram base 1993). Assim como neste estudo, a
para tal discussão. O estudo que similaridade que se observa é em relação ao
contemplou o conceito-chave investigado interesse de investir em contextos prisionais
nesta pesquisa iniciou com Roger Ulrich ou de clausura por doença mental. Com o
(1984), que propôs uma estrutura de avanço dos estudos pessoa-ambiente, os
redução psicológica do estresse achados relacionados ao estresse e a
(Psychophysiological Stress Recovery), avaliação ambiental passaram a receber
enfatizando, basicamente, a percepção maior atenção, com vistas à compreensão
visual e estética de certos ambientes e a dos fatores que influenciavam as sensações
resposta a eles associada. Espera-se que a de prazer ou desprazer experimentadas em
partir da visão de parâmetros positivos em determinados ambientes (Gressler, 2014).
determinado ambiente, combinado ao É importante ressaltar que, embora
desencadeamento de emoções positivas, a muitos hospitais psiquiátricos ainda se
permanência do estado de atenção não caracterizem por lentas e complexas
vigilante e a diminuição dos pensamentos transformações em sua estrutura (Cordioli,

Pesquisas e Práticas Psicossociais 13(4), São João del Rei, outubro-dezembro de 2018. e2013
Página 5 de 16

Silveira, B. B. Kuhnen, A. Felippe, M. L. Retratos de um hospital de custódia: os espaços verdes e sua relação
com a restauração psicofisiológica do estresse

Borenstein & Ribeiro, 2006), a criação de aprofundar no material obtido. Vale


espaços verdes já realça seu potencial destacar que o perímetro permitido para a
benéfico, haja vista que pode ser uma realização das fotos envolveu todo o terreno
atividade desempenhada pelos próprios da instituição, que tem suas margens
pacientes em conjunto com os profissionais delimitadas simbolicamente (sem
envolvidos. Trata-se de uma oportunidade demarcação física, como cercas ou placas).
para se exercitar, se restaurar A explanação dos resultados foi
cognitivamente, aprender novas habilidades organizada a fim de caracterizar os lugares
e desenvolver a sociabilidade (Kessel et al., mais fotografados pelos respondentes, bem
2009). Assim, reforça-se o questionamento como associá-los e caracterizá-los com seus
sobre como os espaços verdes podem significados ambientais, sendo que o enlace
contribuir para a restauração do estresse dos significados e atributos ambientais com
psicofísiológico de usuários de um hospital os lugares fotografados será mais bem
de custódia. explicitado na discussão dos resultados,
Alocado na região Sul do Brasil, o alicerçados teoricamente.
hospital de custódia investigado está Importante ressaltar que o roteiro
localizado em um complexo penitenciário. elaborado para direcionar as orientações
No seu espaço físico, o hospital conta com passadas aos entrevistados para efetuar as
um pátio externo, dois pátios internos, uma fotografias foi adaptado conforme as
horta, espaço de barbearia, sala de tear, sala considerações dos juízes avaliadores,
de visitas, duas salas de aula, uma sala de compostos por membros do Laboratório de
informática, sala de material desportivo, Psicologia Ambiental da Universidade
uma lavanderia, uma rouparia, três setores Federal de Santa Catarina (Lapam UFSC) a
de leitos, enfermarias e uma ala de fim de proporcionar maior compatibilidade
tratamento. acerca da proposta de pesquisa.
Fundada na década de 1970, a
instituição já teve e tem, ainda hoje, grande Metodologia
variação no seu quantitativo de internos. A
título de exemplo, quando esta pesquisa foi Com vistas a explorar a relação
iniciada, o hospital acolhia 130 pacientes, pessoa-ambiente observada em um hospital
ao fim o número havia caído para cerca de de custódia, optou-se por utilizar parte dos
90. Todas as pessoas internadas têm dados resultantes de estudo anterior, no qual
diagnóstico de doença ou deficiência a descrição metodológica e a discussão dos
mental e cometeram algum crime que, resultados foi norteada pela técnica
nesses casos, são convertidos em fotográfica “Fotografia do ambiente”,
cumprimento de medida de segurança, haja descrita por Higuchi e Kuhnen (2008).
vista que são pessoas inimputáveis (Santos, Amparada por análise qualitativa, a fim de
2015). Quanto ao quadro funcional, todos identificar e agrupar as especificidades
os profissionais são concursados do estado, capturadas pelas fotografias, aqui será
sendo assim, não necessariamente discutida com base nos pressupostos e
escolheram atuar nesse contexto, apenas literatura dos Estudos Pessoa-Ambiente
escolheram a rede pública estadual. (EPA). Como se notou na pesquisa de
A técnica fotográfica, desenvolvida Gressler e Gunther (2013), a escassez de
nesta pesquisa, iniciou-se com observações literatura brasileira específica dificulta
do ambiente e dos participantes. A fim de interlocuções comparativas, por outro lado,
apreciação dos dados, optou-se pela análise fomenta um novo caminho a descobrir. A
qualitativa do material obtido pela técnica proposta deste artigo baseia-se na ideia de
desenvolvida por Higuchi e Kuhnen (2008), contribuir com os estudos nacionais sobre a
primando pela possibilidade de se temática da restauração psicofisiológica do

Pesquisas e Práticas Psicossociais 13(4), São João del Rei, outubro-dezembro de 2018. e2013
Página 6 de 16

Silveira, B. B. Kuhnen, A. Felippe, M. L. Retratos de um hospital de custódia: os espaços verdes e sua relação
com a restauração psicofisiológica do estresse

estresse associada aos espaços verdes, mais referida. Enquadradas como elementos
especificamente sobre a técnica de desencadeadores do discurso, as fotografias
pesquisa. se configuraram, também, como um
A técnica fotográfica empregada organizador de ideias para o participante.
para coleta de dados se caracteriza pela fala Assim que, a cada visualização da imagem
não verbal, pela linguagem visual capturada, a justificativa pela escolha
demarcada na imagem por meio de ângulos, daquele retrato se materializava em detalhes
cores, sentimentos e percepções (Higuchi & e porquês descritos livremente pelos
Kuhnen, 2008). A fim de desvelar tais entrevistados. Desse modo, a proposta deste
manifestações, a abordagem qualitativa artigo discorre sobre uma avaliação
auxilia na investigação detalhada e reflexiva que verse especificamente sobre a
aprofundada, com a pretensão de escolha das fotografias e seu conteúdo,
compreender as relações, os processos e os utilizando os aportes teóricos dos EPA.
fenômenos envolvidos no material obtido Dentre os cuidados éticos
(Minayo, 2012). necessários à realização deste estudo,
Quando da coleta de dados, ressalta-se a tramitação e aprovação por
primeiramente foram necessárias Comitê de Ética em Pesquisa com Seres
observações a fim de saber como se davam Humanos, apresentação e obtenção de
as interações entre as pessoas (pacientes e consentimento à participação por meio de
profissionais) e entre eles e o ambiente Termo de Consentimento Livre e
físico no qual estão inseridos. A partir de Esclarecido, bem como alguns resguardos
então, em momentos individuais, os específicos ao processo da técnica
participantes foram instruídos sobre a fotográfica. Por exemplo, foi pedido que os
utilização da câmera fotográfica para que, participantes não retratassem imagens que
posteriormente, cada um fizesse cinco fotos expunham os pacientes, assim como lhes foi
relacionadas com o processo de restauração dada orientações sobre o manejo da câmera
do estresse. Ou seja, houve um roteiro a ser e a liberdade de acessar toda e qualquer área
seguido com a ordenação das fotos a serem do espaço físico para responder os
tiradas. Primeiro, foi retratado o lugar mais questionamentos em fotografias. Faz-se,
agradável, seguido do mais desagradável. A ainda, o adendo à escolha dos participantes,
terceira foto solicitava o lugar mais que estrategicamente recortou apenas
confortável para o participante, a quarta o profissionais da instituição, haja vista a
mais estressante e, por fim, na quinta foto, morosidade de se resguardar eticamente no
foi fotografada uma imagem que, para o Comitê a intervenção com os pacientes,
respondente, representasse o hospital de considerado um público altamente
custódia. As escolhas dos lugares foram de vulnerável. Nesse aspecto, o fator tempo
livre escolha, sendo que o participante só ditou ritmo para que o desenvolvimento da
saberia qual seria a orientação seguinte pesquisa não extrapolasse os prazos pré-
depois de registrar a fotografia anterior. determinados.
O processo seguinte ao registro
fotográfico foi a análise do material obtido, Resultados
de modo a ponderar a escolha do foco, a
imagem em si, o ângulo retratado, as cores Caracterizações dos Participantes
capturadas, a aproximação e o
distanciamento do objeto focal, bem como Doze participantes compuseram
a observação dos conteúdos expressados esta pesquisa, todos profissionais do
verbalmente (espontaneamente e sem hospital de custódia pesquisado. Para
reforço da pesquisadora) que inspiraram a melhor visualização da caracterização dos
retratar algo que “respondesse” a indagação participantes, observar o Quadro 1.

Pesquisas e Práticas Psicossociais 13(4), São João del Rei, outubro-dezembro de 2018. e2013
Página 7 de 16

Silveira, B. B. Kuhnen, A. Felippe, M. L. Retratos de um hospital de custódia: os espaços verdes e sua relação
com a restauração psicofisiológica do estresse

Quadro 1. Caracterização dos participantes


Id. Sexo Setor de trabalho Tempo de trabalho (anos)

P1 M Segurança 9
P2 F Psicologia 3
P3 M Enfermagem 9
P4 F Enfermagem 28
P5 M Segurança/Administração 19
P6 F Serviço social 3
P7 M Segurança 26
P8 M Administração 15
P9 M Segurança 8
P10 M Segurança 32
P11 F Serviço Social 29
P12 M Segurança 25
Fonte: Elaborado pelas autoras.

A instituição pesquisada conta com iriam, o que soava como um pedido de


aproximadamente 70% dos profissionais confirmação, ou, talvez, uma sinalização de
atuantes da área de segurança, na função de trabalho em conjunto. No decorrer do
agentes. Além destes, os funcionários da caminho até o local da captura da imagem,
área de saúde, de assistência social e da todos os participantes conversaram e
administração complementam o total de 50 contaram livremente o porquê do lugar
trabalhadores (número aproximado de escolhido, alguns verbalizavam momentos
colaboradores no momento da coleta de vivenciados ou idealizados para um futuro
dados). Vale destacar que, com vistas ao próximo. Porém, e com a devida ressalva,
reguardo do anonimato dos envolvidos, diante da visualização da fotografia
optou-se por informar apenas o setor de expandida na tela da câmera, o que se
atuação de cada participante, omitindo prevaleceu foi o silêncio. Por vezes, o
especificidades de suas funções no hospital. silêncio era seguido de uma fala, como a de
Além dessa ressalva, salienta-se o tempo de P12: “Vê?! Era isso que eu queria dizer e
trabalho de cada pessoa, enaltecendo as não conseguia, essa foto diz tudo!”
experiências e transições vivenciadas em A primeira orientação de retrato foi
longo prazo na instituição. Assim que, sobre o lugar mais apreciado no hospital de
doravante, cada profissional será custódia, no qual o pátio externo foi
identificado por “P1, P2, P3 etc,”, escolhido pela metade (6) dos participantes.
numeração aleatória. Caracterizado como um espaço verde e
aberto, para muitos “o único espaço
Fotografando Ambientes realmente aberto dentro do hospital (P6)”, o
lugar é composto por árvores, grama, uma
Desde o momento em que os quadra poliesportiva e uma pequena quadra
participantes recebiam a orientação da de basquete. Além desses atrativos, o pátio
fotografia a ser tirada e o efetivo registro, externo contempla mesas e bancos na
cada pessoa levou em torno de dois grama, academia ao ar livre e um muro
minutos. Muitos deles avisavam aonde pintado de branco com desenhos grafitados,

Pesquisas e Práticas Psicossociais 13(4), São João del Rei, outubro-dezembro de 2018. e2013
Página 8 de 16

Silveira, B. B. Kuhnen, A. Felippe, M. L. Retratos de um hospital de custódia: os espaços verdes e sua relação
com a restauração psicofisiológica do estresse

por sinal, um dos poucos lugares coloridos lugares se dá, principalmente, por serem
em todo ono complexo. pontos de encontro e confraternização entre
Ao contrário das boas perspectivas colegas e pacientes. As refeições e os
elencadas no pátio externo, o lugar menos momentos de descanso foram descritos
apreciado no hospital de custódia, elencado como bons encontros realizados entre os
por seis participantes, foi a ala de profissionais na cozinha e no alojamento,
tratamento. De modo geral, trata-se de um respectivamente. Além disso, é no pátio
lugar “fechado por todos os lados (P1)”, externo que as festas e comemorações são
com paredes altas e de cores escuras, em sua organizadas, a exemplo da festa junina, da
maioria coberta de marcas de ocupação páscoa e dos aniversários. Oportunidades
(riscos, pequenos buracos e danos de integração, inclusive, dos pacientes com
materiais). Nas pequenas janelas dos leitos seus familiares, convidados nessas
dessa ala, era possível visualizar grades ocasiões. Por outro lado, em relação ao
espessas, assim como nas grossas portas de lugar mais estressante, sete entrevistados
madeiras que também contavam com esse escolheram retratar a ala de tratamento. Em
reforço. A baixa iluminação, visível nos destaque negativo novamente, a ala de
retratos capturados, se complementava aos tratamento e seus elementos constituintes
gritos e chutes nas portas das pessoas salientam a necessidade de se repensar o
internadas naquele espaço, como verbalizou ambiente e as ações planejadas para ele.
um dos participantes (P10): “Se ao invés de Por fim, a última fotografia
foto, fosse um filme, daria para registrar os registrada pelos participantes. A eles foi
gritos e chutes. A ala em si já é dada a seguinte instrução para capturar a
desagradável, feia, escura e ainda abriga imagem, “como você vê o hospital de
presos de fora, que dão mais trabalho e custódia atualmente?” Dentre os registros
geram muita tensão”. A ala de tratamento fotográficos, predominou o retrato da
faz parte do hospital de custódia e está fachada lateral da instituição (cinco fotos),
localizada no primeiro corredor, quem que contempla a demarcação física do
adentra a porta principal pode visualizá-la prédio em meio a árvores e arbustos. Além
de longe. No entanto, devido a seu caráter disso, na imagem da fachada se destaca a
de tratamento, o hospital criou esse espaço grande porta de madeira na entrada,
para tratar daqueles presos de unidades recoberta de grades que, como afirmou P5,
prisionais de toda a região que em caso de “já impacta na entrada, porque a pessoa
necessidade de intervenção psiquiátrica chega e vê um hospital com grades”. Nas
carecem de cuidados de saúde provisórios. demais escolhas de imagem representativa,
Por essas e outras razões, os internos desse foram feitos retratos da horta, do pátio
espaço são vistos como “presos de fora”, o externo, das enfermarias, das paredes no
que possivelmente contribua com corredor de leitos, do posto de enfermagem
visualização da ala como um mau lugar. e corredor característico pela fila de
Na sequência fotográfica, a pacientes para consulta médica. Diferentes
orientação dada aos participantes foi para composições e verbalizações visuais a fim
que um lugar de conforto fosse retratado. de demonstrar os olhares singulares da
Nesse caso, a diversidade de escolhas experiência de cada participante no hospital
permeou entre as imagens capturadas, de custódia.
sendo possível observar que os mais A Figura 1 mostra os lugares
escolhidos foram a cozinha, o alojamento e fotografados pelos participantes da
o pátio externo. A similaridade entre os pesquisa.

Pesquisas e Práticas Psicossociais 13(4), São João del Rei, outubro-dezembro de 2018. e2013
Página 9 de 16

Silveira, B. B. Kuhnen, A. Felippe, M. L. Retratos de um hospital de custódia: os espaços verdes e sua relação
com a restauração psicofisiológica do estresse

Figura 1. Fotografias dos lugares destacados pelos participantes – Lugar que mais gosto (1ª foto); lugar que menos
gosto (2ª foto); lugar mais confortável (3ª foto); lugar mais estressante (4ª foto); e representação do hospital de
custódia (5ª foto)

Fonte: Arquivo de pesquisa das autoras.

Discussão carece de investimentos e melhor


aproveitamento dos espaços. Além disso, os
Como forma de organizar a impasses na administração pública estadual
discussão dos resultados, optou-se por quanto à existência e a liberação de verba
discorrer acerca dos aspectos teóricos travam os avanços e as modernizações na
associados aos atributos e significados instituição. Contudo, no resumo das
ambientais em relação aos lugares mais constatações percebidas, observa-se que há
fotografados, que respondem aos potencial para se trabalhar a fim de tornar o
questionamentos propostos pela hospital um ambiente restaurador. Variáveis
pesquisadora. Assim, a divisão dessa seção positivamente destacadas e ações realizadas
se dará com: a) análise dos ambientes de ao longo dos últimos anos reforçam tal
valência positiva – “lugar que mais gosto potencial, enaltecendo a importância de se
(1ª foto)” e “lugar mais confortável (3ª especificar as nuances que devem receber
foto)”; b) análise dos ambientes de valência atenção para se estruturar tais modificações.
negativa – “lugar que menos gosto (2ª A perspectiva de bem-estar buscada
foto)” e “lugar mais estressante (4ª foto)”; na área externa versa sobre um lugar em que
c) análise da representação do hospital de as pessoas se sintam livres, tenham
custódia, de acordo com a visão dos possibilidade de circular em um amplo
participantes. espaço, de interagir com as pessoas e com o
ambiente em si. Ao retratar sua primeira
Ambientes Favoráveis ao Bem-Estar: foto, no pátio externo, P8 salienta que nesse
“Mais Gosto e É Mais Confortável” local “não tem grades, para o paciente é
como se ver em liberdade, e para nós é um
A orientação para a primeira (lugar refúgio, é o lugar menos estressor e mais
que mais gosto) e terceira foto (lugar mais humanizado do hospital”. O mais
confortável) do roteiro da técnica de interessante ao fazer a análise das
fotografia do ambiente carregou um aspecto fotografias capturadas foi observar que
em comum, ambas versam sobre quem não retratou o pátio externo na
significados ambientais positivos. Dentre as primeira orientação o retratou na terceira.
verbalizações acerca de tais simbologias, o Dos 12 entrevistados, apenas quatro não
que se percebeu em maior frequência e escolheram o pátio externo em nenhum
intensidade foram os destaques ao verde: momento. Dentre os quatro, dois
árvores, horta, morro e gramado, e aos participantes atuam no setor da
ambientes propícios às integrações: a enfermagem, que em raros momentos
cozinha, o alojamento e o pátio externo. De frequentam esse ambiente, e dois
modo geral, o hospital tem uma boa profissionais da segurança, que foram os
estrutura física em seu entorno, porém

Pesquisas e Práticas Psicossociais 13(4), São João del Rei, outubro-dezembro de 2018. e2013
Página 10 de 16

Silveira, B. B. Kuhnen, A. Felippe, M. L. Retratos de um hospital de custódia: os espaços verdes e sua relação
com a restauração psicofisiológica do estresse

únicos, dentre os 12, a não referir importância de se ter atividades nos espaços
importância aos espaços verdes. verdes, a ampliação e a melhor utilização da
Sobre os lugares mais confortáveis horta, assim como a criação de um ambiente
fotografados, o pátio externo, a cozinha e o para atividades grupais de cunho educativo
alojamento, o destaque perpassou pelos e psicossocial.
momentos de confraternização e integração Em consideração a toda
dos profissionais entre si e entre eles e os peculiaridade inerente a contextos
pacientes. Os encontros entre os prisionais e de saúde, que envolvem
funcionários são descritos por P3 como a cuidados específicos sobre materiais e
hora do “intervalo, da conversa, da piada, modificações no espaço físico, duas
faz um lanche, um almoço, um café, então possibilidades de intervenção são sugeridas,
me traz assim o conforto. A ideia de são elas: a) criação de ambientes de
integração com amigos, estar com colegas, natureza, espaços verdes; b) os mesmos
a mesa grande, o espaço grande. Onde o ambientes naturais expostos de forma
pessoal se reúne”. O descanso no ambiente mediada, virtual ou simulada. No primeiro
de trabalho é entendido por Hartig e Staats caso, acerca das potencialidades de utilizar
(2006) como um promotor de bem-estar e a natureza em sua essência, Ulrich (1999)
um redutor dos efeitos do estresse. Segundo reforça que devido à configuração natural
Gressler (2014), a falta desses momentos dos espaços verdes e a predisposição das
durante a jornada laboral pode pessoas a reagir positiva, imediata e
comprometer os aspectos físicos, de bem- velozmente a esses ambientes, o alcance da
estar e as relações interpessoais do necessária recuperação do estresse é
trabalhador, dificultando sua lida com as favorecido por essa interação direta. Outro
demandas e exigências diárias. possível alicerce a esse ponto é a
A criação de ambientes saudáveis, virtualidade, mencionada no tópico b, que
acolhedores e que fomentem as permite a visualização de imagens de
necessidades singulares de cada pessoa é o natureza por meio de desenhos, fotos,
que se preza na cartilha da Política Nacional pinturas, que podem ser alocados na
de Humanização (2013). Assim sendo, o instituição visando outras formas de
conceito de ambiência passou a ser um fomentar o acesso ao potencial conteúdo
ponto central e norteador das subjetividades restaurador. Nesse sentido, os autores Van
intrínsecas ao espaço físico nas relações Den Berg, Jorgensen e Wilson (2014), além
entre os sujeitos, principalmente no que de Felsten (2009), defendem que,
condiz a ambientes fechados, de restrita independentemente de ser real ou simulada,
autonomia do ser humano e caracterizados a qualidade restauradora, o estado de
pela longa permanência de seus internos. restauração, e/ou a probabilidade de
Nesta pesquisa, os profissionais foram os restauração percebida em cenários naturais
porta-vozes dos elementos que carecem de têm um papel de suma importância no
investimento, o que não exclui a relevância processo de restauração do bem-estar do
de se ouvir e atentar para as demandas de sujeito.
cada pessoa acolhida. Na investigação De modo geral, ressalta-se que a
maior que baseia este artigo, a escuta dos atração dos usuários do hospital de custódia
pacientes é realizada com informalidade, para lugares que eliciem emoções positivas
proposta pelo diário de campo, sendo deve ser fonte de investimento, pois se trata
possível com ele observar a sincronia nas de saúde, de bem-estar e de melhores
necessidades apontadas tanto pelos condições de trabalho (para os
profissionais quanto pelos internos. Por fim, profissionais) e de vida (para os internos).
o que todos buscaram solicitar e enaltecer Os próprios investimentos realizados nos
foi a ampliação de bons lugares, a últimos anos na instituição têm

Pesquisas e Práticas Psicossociais 13(4), São João del Rei, outubro-dezembro de 2018. e2013
Página 11 de 16

Silveira, B. B. Kuhnen, A. Felippe, M. L. Retratos de um hospital de custódia: os espaços verdes e sua relação
com a restauração psicofisiológica do estresse

demonstrado a importância de tais uso do lugar, acrescido de todo negativo


melhorias. Recentemente o hospital significado ambiental reforçado pelos
investiu em camas, colocação de azulejos e habitantes da ala de tratamento por meio de
pisos e modernização do pátio externo. chutes, gritos e da “maldade de preso, que
gera muito estresse e tensão ao ter que
Ambientes Desfavoráveis ao Bem-Estar: adentrar esse espaço”, como mencionou
“Menos Gosto e É Mais Estressante” P10. Cada tópico desfavorável ao bem-estar
ressaltado se refere a questões de grande
De modo geral, ressalta-se o acesso incômodo aos usuários do hospital de
a distrações positivas e a eliminação das custódia, no que tange às dificuldades
fontes de distração negativas no ambiente similares a todos os entrevistados, sem
de custódia hospitalar. Estímulos positivos, dúvida, o destaque é ao aspecto dual de
nos pequenos detalhes, podem ser alicerces custódia e tratamento.
fundamentais à restauração do estresse, Os aspectos destacados nas
assim como, por outro lado, estímulos fotografias referentes ao lugar mais
negativos podem se caracterizar como desagradável e ao mais estressante
geradores de estresse. A exemplo das cores, descrevem certa divergência sobre as
em grande parte escuras e de pintura gasta, nuances prisionais imersas em um hospital.
espalhadas pelas paredes do hospital e que Características que essencialmente se
geram comentários como: “as cores escuras referem à clausura são representadas nas
caracterizam prisão (P7)” e “a pintura aqui imagens da ala de tratamento, nos retratos
é muito feia, toda escura (P6)”. De acordo dos pátios internos (duas fotografias), dos
com Cunha (2004), é preciso ter muito corredores e leitos (três fotografias) e na
cuidado com as cores, pois algumas atraem, fotografia de um banheiro. Dos elementos
outras repelem, e ainda há as que são de focalizados nos registros, destacam-se os
difícil percepção para pessoas com altos muros, móveis de concreto (mesas,
determinadas patologias. Dentre os cadeiras), camas pregadas ao chão, janelas
aspectos que fomentam o desenvolvimento e portas com grades, pátio de concreto e
do estresse e que podem culminar em sem atrativos, corredores estreitos rodeados
grandes dificuldades de perceber o espaço, de grades e cadeados, além de banheiros
destaca-se o uso de obras de arte abstratas, precários e com estrutura defasada.
plantas de espécie “nocivas”, ausência de Despojar-se de todos os objetos pessoais,
lugares com privacidade e espaços com ter horários e atividades preestabelecidas,
intensa incidência solar (Ulrich, 1999; carecer do uso contínuo de uniforme
Marcus & Sachs, 2013). A exposição das prisional e perder a privacidade, pois tudo
pessoas aos estímulos negativos e será coletivo, impessoal e massificado
indesejáveis requer que os usuários (Cordioli, Borenstein & Ribeiro, 2006;
enfrentem suas demandas, sejam elas de Goffman, 1974).
trabalho ou de vida, desfavorecidos por Segundo Tuan (1983), ao versar
distrações não suportivas (Ulrich et al., sobre a relação de pertencimento a um
1991). lugar, o autor destaca que o lugar é onde as
As respostas dos participantes pessoas imprimem suas marcas, expressam
visualizadas nas imagens e verbalizações sua subjetividade, atribuem novos
durante a técnica versaram, principalmente, significados e formas de identificação com
sobre os pequenos espaços dos leitos, os o ambiente, ou seja, lugar corresponde a um
acessos restritos, a dualidade do lugar, o processo de apropriação do espaço. Acerca
quantitativo de grades e de estrutura de tais pressupostos, compreende-se que o
defensiva, aspectos físicos antigos e hospital de custódia versa por um caminho
precários, as paredes demarcadas por mau oposto, pois está caracterizado por ser um

Pesquisas e Práticas Psicossociais 13(4), São João del Rei, outubro-dezembro de 2018. e2013
Página 12 de 16

Silveira, B. B. Kuhnen, A. Felippe, M. L. Retratos de um hospital de custódia: os espaços verdes e sua relação
com a restauração psicofisiológica do estresse

lugar de não pertencimento, uma ocupação imagem do hospital de custódia (P2)” ou


sem identificação. Fala-se de um lugar em uma fotografia que “demonstrasse a
que as poucas singularidades são, também, transição do hospital, os lugares clássicos
massificadas. Têm-se os benefícios de não que o caracterizam não mais ocupados
instigar nos internos a percepção de longa como antigamente (P5)”. Para aclarar a fala
permanência e de reforçar a perspectiva de de P5, que foi corroborada por P4, os
que num futuro próximo haverá a participantes se referiram às antigas práticas
desinstitucionalização. Mas, por outro lado, negativas, como o eletrochoque e as
o panorama impessoal enaltece a ideia de enfermarias lotadas de pacientes. Para
que não há poder de alteração, de tanto, fotografaram o pátio das enfermarias
personalização ou de ressignificação (Lima (P5) e o posto de enfermagem (P4), segundo
& Bomfim, 2009). O que se tem, tanto para eles, como forma de homenagear a todos
os profissionais quanto para os internos, é o que se envolveram e que ainda se implicam
reforço da perspectiva dualística tanto na em tornar o hospital de custódia um lugar
estrutura física quanto na funcionalidade melhor.
institucional, comprometendo as ações e
enaltecendo a necessidade de se rever a Considerações finais
formação profissional compatível para se
atuar nessa modalidade de atendimento O conhecimento científico orienta
(Dantas & Chaves, 2007). os rumos e diretrizes da sociedade,
subsidiando políticas públicas e orientando
“Assim Eu Vejo o Hospital de Custódia” ações das pessoas no cotidiano. Com esse
propósito, almeja-se que o público em geral
O comportamento das pessoas, seja se aproprie desses achados. Ao pesquisador,
em processos psicológicos,seja em ações, é cabe disponibilizar seus achados nos meios
influenciado pelo modo como elas o de comunicação em formato e linguagem
percebem, isto é, o processo perceptivo não acessível ao público em geral. Torná-lo
pode ser analisado em separado da relação factível e exequível a todos não é tarefa
pessoa-ambiente (Kuhnen & Higuchi, fácil, mas a tentativa é de grande valia, já
2011). A percepção ambiental é o processo que transmite à comunidade científica a
resultante do conjunto de dados ambientais importância da contribuição social e de
apreendidos pela pessoa e que, como a teoria pode agregar ao
posteriormente, é dotado de sentido conhecimento popular.
(Felippe, 2015). Nesse viés, esta seção O impacto dos espaços verdes no
discorre brevemente pelas visões acerca do bem-estar e na qualidade de vida das
hospital de custódia descrita nas fotografias pessoas são, a cada dia, confirmados em
retratadas pelos participantes do estudo. A novas pesquisas (Kaplan & Kaplan, 2009;
singularidade que cada pessoa tentou Ulrich et al. 1991; Marselle et al., 2015). O
capturar em seu retrato é resultante da potencial do hospital de custódia é imenso,
forma como ela vê o hospital, as trata-se de uma instituição que, durante um
experiências e vivências obtidas nesse ano, reduziu o número de internos pela
espaço são percebidas de forma única, metade, alocando-os em suas respectivas
retratadas por diferentes percepções famílias, em comunidades ou residências
ambientais. terapêuticas, primando por melhores
As imagens capturadas nesse ambientes para auxiliar no tratamento.
disparador concentraram, em sua maioria Quanto aos ambientes restauradores,
(5), retratos da fachada do prédio. Dentre as passíveis de implementação no hospital de
12 imagens, o que se observou em destaque custódia, destacam-se os ambientes e as
foi a intenção de capturar “uma bela paisagens naturais, bem como as plantas, a

Pesquisas e Práticas Psicossociais 13(4), São João del Rei, outubro-dezembro de 2018. e2013
Página 13 de 16

Silveira, B. B. Kuhnen, A. Felippe, M. L. Retratos de um hospital de custódia: os espaços verdes e sua relação
com a restauração psicofisiológica do estresse

água, a vegetação, as hortas e os jardins Crescimento e Desenvolvimento


(Van Den Berg, Hartig & Staats, 2007). Humano, 20(1), 16-29.
Além dos benefícios oriundos da relação Chiesura, A. (2004). The Role of Urban
humana com a natureza, importante Parks for the Sustainable City.
destacar aspectos relacionados à quietude, à Landscape and Urban Planning,
iluminação solar e ao ar fresco como 68,129-138.
elementos que auxiliam na redução do Cordioli, M. S., Borenstein, M. S., &
estresse e que em algum momento foram Ribeiro, A. A. D. A. (2006).
registrados nas fotografias (Van Den Berg, Hospital de custódia: os direitos
2005). preconizados pela reforma
Ulrich e colegas (2008) psiquiátrica e a realidade dos
identificaram que a principal influência internos. Escola Anna Nery.
sobre o estresse gerado em hospitais se Corti, B. G., Broomhall, M. H., Knuiman,
refere aos ruídos e à ausência de exposição M., Collins, C., Douglas, K., Ng, K.,
à natureza. Assim como se obteve neste Lange, A., & Donovan, R. J. (2005).
estudo, os resultados direcionaram a How Important is Distance to
necessidade de implementação e Attractiveness, and Size of Public
ressignificação do uso das áreas verdes, Open Space? American Journal of
enaltecendo seu potencial como elemento Preventive Medicine, 28,169-176.
restaurador do estresse. Soma-se a isso a Cunha, L. C. R. (2004). A cor no ambiente
importância de se romper com aspectos hospitalar. In Anais do Congresso
dualísticos percebidos na instituição, fator Nacional da ABDEH – IV Seminário
que dificulta processos perceptivos tanto de de Engenharia Clínica.
profissionais quanto de pacientes. Diante Dantas, M. A. F., & Chaves, A. M. (2007).
dessas variáveis e em consonância com os Saúde custodiada: representações
dados aqui apresentados, sugere-se uma dos guardas sobre o Hospital de
ação reflexiva acerca das modificações Custódia. Psicologia: Ciência e
possíveis de concretização em curto e Profissão, 27(2), 342-357.
médio prazo, inicialmente. As significativas De Vries, S., Verheij, R. A., Groenewegen,
transições e melhorias percebidas na P. P., & Spreeuwenberg, P. (2003).
instituição nos últimos anos reforçam a Natural Environments: Healthy
crença de que é válido o investimento, é Environments? An Exploratory
válido pensar em espaços promotores de Analysis of the Relationship
saúde e bem-estar. between Green Space and Health.
Environment and Planning,
Referências 35,1717-1731.
Felippe, M. L. (2015). Ambiente fisico e
Brasil. Ministério da Saúde. (2013). linguaggio ambientale nel processo
Política Nacional de Humanização: di rigenerazione affettiva dallo
humaniza SUS. (1a ed.). Brasília. stress in camere di degenza
Brasil. Ministério da Saúde. (2001). pediatrica. Tese de doutorado,
Secretaria Executiva. Legislação em Università degli Studi di Ferrara.
saúde mental: Lei Antimanicomial Felsten, G. (2009). Where to Take a Study
n.º 10.216, de 6 de abril de 2001. Break on the College Campus: An
Brasília. Attention Restoration Theory
Carrara, S. L. (2010). A história esquecida: Perspective. Journal of
os manicômios judiciários no Environmental Psychology, 29(1),
Brasil. Revista Brasileira de 160-167.

Pesquisas e Práticas Psicossociais 13(4), São João del Rei, outubro-dezembro de 2018. e2013
Página 14 de 16

Silveira, B. B. Kuhnen, A. Felippe, M. L. Retratos de um hospital de custódia: os espaços verdes e sua relação
com a restauração psicofisiológica do estresse

Goffman, E. (1974). Manicômios, prisões e Kaplan, S., & Kaplan, R. (2009). Creating a
conventos. São Paulo: Perspectiva. Larger Role for Environmental
Grahn, P., & Stigsdotter, U. K. (2010). The Psychology: The Reasonable Person
Relation between Perceived Sensory Model as an Integrative Framework.
Dimensions of Urban Green Space Journal of Environmental
and Stress Restoration. Landscape Psychology, 29(3), 329-339.
and Urban Planning, 94, 264-275. Kessel, A., Green, J., Pinder, R., Wilkinson,
Gressler, S. C. (2014). O descanso e a teoria P., Grundy, C., & Lachowycz, K.
dos ambientes restauradores. Tese (2009). Multidisciplinary Research
de Doutorado, Universidade de in Public Health: A Case Study of
Brasília. Research on Access to Green Space.
Gressler, S. C., & Günther, I. A. (2013). Public Health, 123,32-38.
Ambientes restauradores: definição, Korpela, K. M. (1989). Place-Identity as a
histórico, abordagens e pesquisas. Product of Environmental Self-
Estudos de Psicologia, 18(3), 487- Regulation. Journal of
495. Environmental psychology, 9(3),
Hansmann, R., Hug, S. M., & Seeland, K. 241-256.
(2007). Restoration and Stress Kuhnen A., & Higuchi M. I. G. (2011).
Relief through Physical Activities in Percepção ambiental. In S.
Forests and Parks. Urban Forestry Cavalcante & G. A. Elali (Orgs.).
& Urban Greening, 6, 213-225. Temas básicos em Psicologia
Hartig, T. (2011). Issues in Restorative Ambiental (pp. 250-266).
Environments Research: Matters of Petrópolois: Vozes.
Measurement. Psicología Lee, A. C. K., & Maheswaran, R. (2010).
Ambiental, 41-66. The Health Benefits of Urban Green
Hartig, T., & Staats, H. (2006). The Need Spaces: A Review of the Evidence.
for Psychological Restoration as a Journal of Public Health, 33, 212-
Determinant of Environmental 222.
Preferences. Journal of Lima, S. C. (2009). Até quando faremos
Environmental Psychology, 26(3), relicários? A função social do
215-226. espaço penitenciário. Maceió:
Higuchi, M. I. G., & Kuhnen, A. (2008). Edufal.
Percepção e representação Lima, D. M., & Bomfim, Z. Á. C. (2009).
ambiental: métodos e técnicas de Vinculação afetiva pessoa-
investigação para a educação ambiente: diálogos na Psicologia
ambiental. In J. Q. Pinheiro & H. Comunitária e Psicologia
Günther (Orgs.). Métodos de Ambiental. Psico, 40(4), 11.
pesquisa nos estudos pessoa- Marcus, C. C., & Sachs, N. A.
ambiente (pp. 181-215). São Paulo: (2013). Therapeutic Landscapes:
Casa do Psicólogo. An Evidence-Based Approach to
Jacobi, P. (2003). Educação ambiental, Designing Healing Gardens and
cidadania e sustentabilidade. Restorative Outdoor Spaces. John
Cadernos de Pesquisa, 118(3), 189- Wiley & Sons.
205. Markus, T. A. (1993). Buildings & Power:
Kaplan, S., & Kaplan, R. (1982). Cognition Freedom and Control in the Origin
and Environment: Functioning in an of Modern Building Types. London
Uncertain World. New York, NY: and New York: Routledge.
Praeger. Marselle, M. R., Irvine, K. N., Lorenzo-
Arribas, A., & Warber, S. L. (2015).

Pesquisas e Práticas Psicossociais 13(4), São João del Rei, outubro-dezembro de 2018. e2013
Página 15 de 16

Silveira, B. B. Kuhnen, A. Felippe, M. L. Retratos de um hospital de custódia: os espaços verdes e sua relação
com a restauração psicofisiológica do estresse

Does Perceived Restorativeness Urban Planning, 113, 90-93.


Mediate the Effects of Perceived Tuan, Y-F. (1983). Espaço e lugar: a
Biodiversity and Perceived perspectiva da experiência. São
Naturalness on Emotional Well- Paulo, SP: Difel.
Being Following Group Walks in Ulrich, R. S. (1984). View through a
Nature? Journal of Environmental Window May Influence
Psychology, 46, 217-232. Recovery. Science, 224(4647), 224-
Minayo, M. C. S. (2012). Análise 225.
qualitativa: teoria, passos e Ulrich, R. S. (1999). Effects of Gardens on
fidedignidade. Ciência & Saúde Health Outcomes: Theory and
Coletiva, Rio de Janeiro, 17(3), 621- Research, In C. . Marcus & Barnes
626. M. (Orgs.). Healing gardens:
Mitchell, R., & Popham, F. (2007). therapeutic benefits and design
Greenspace, Urbanity and Health: recommendations. (pp. 27-86). New
Relationships in England. Journal of York: John Wiley & Sons.
Epidemiological Community Ulrich, R. S., Simons, R. F., Losito, B. D.,
Health, 61,681-683. Fiorito, E., Miles, M. A., & Zelson,
Moser, G. (1998). Psicologia Ambiental. M. (1991). Stress Recovery During
Estudos de Psicologia, 3(1), 121- Exposure to Natural and Urban
130. Environments. Journal of
Santos, W. R. D. (2015). Os esquecidos: Environmental Psychology, 11(3),
familismo e assistência pública na 201-230.
inimputabilidade por doença e Ulrich, R. S., Zimring, C., Zhu, X., Du
deficiência mental no Brasil. Tese Bose, J., Seo, H. B., Choi, Y. S., &
de doutorado, Universidade de Joseph, A. (2008). A Review of the
Brasília, UNB. Research Literature on Evidence-
Sugiyama, T., Leslie, E., Giles-Corti, B., & Based Healthcare Design. HERD:
Owen, N. (2008). Associations of Health Environments Research &
Neighbourhood Greenness with Design Journal, 1(3), 61-125.
Physical and Mental Health: Do Van Den Berg A. E. (2005). Health Impacts
Walking, Social Coherence and of Healing Environments: A Review
Local Social Interaction Explain the of Evidence for Benefits of Nature,
Relationships? Journal of Daylight, Fresh Air, and Quiet in
Epidemiology and Community Healthcare Settings. Foundation
Health, 62, 9-15. 200 years University Hospital
Takano, T., Nakamura, K., & Watanabe, M. Groningen, Groningen.
(2002). Walkable Greenspaces Van Den Berg, A. E., & Custers, M. H. G.
Longevity in Megacity Areas: The (2011). Gardening Promotes
Importance of Urban Residential Neuroendocrine and Affective
Environments and Senior Citizens. Restoration from Stress. Journal of
Journal of Epidemiology and Health Psychology, 16(1), 3-11.
Community Health, 56, 913-918. Van Den Berg, A. E., Hartig, T., & Staats,
Tsunetsugu, Y., Lee, J., Park, B. J., H. (2007). Preference for Nature in
Tyrväinen, L., Kagawa, T., & Urbanized Societies: Stress,
Miyazaki, Y. (2013). Physiological Restoration, and the Pursuit of
and Psychological Effects of Sustainability. Journal of Social
Viewing Urban Forest Landscapes Issues, 63(1), 79-96.
Assessed by Multiple Van Den Berg, A. E., Jorgensen, A., &
Measurements. Landscape and Wilson, E. R. (2014). Evaluating

Pesquisas e Práticas Psicossociais 13(4), São João del Rei, outubro-dezembro de 2018. e2013
Página 16 de 16

Silveira, B. B. Kuhnen, A. Felippe, M. L. Retratos de um hospital de custódia: os espaços verdes e sua relação
com a restauração psicofisiológica do estresse

Restoration in Urban Green Spaces:


Does Setting Type Make a
Difference?. Landscape and Urban
Planning, 127, 173-181.
Wiesenfeld, E. (2005). A Psicologia
Ambiental e as diversas realidades
humanas. Psicologia USP, 16(1/2),
53-69.
Yuan, F., & Bauer, M. E. (2007).
Comparison of Impervious Surface
Area and Normalized Difference
Vegetation Index as Indicators of
Surface Urban Heat Island Effects in
Landsat Imagery. Remote Sensing of
environment, 106(3), 375-386.

Recebido em: 25/5/2017

Aprovado em: 26/7/2018

Pesquisas e Práticas Psicossociais 13(4), São João del Rei, outubro-dezembro de 2018. e2013