You are on page 1of 50

Estados autoritários

e totalitários
e suas representações
Coordenação

Luís Reis Torgal


Heloísa Paulo

Coimbra • 2008

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


Estados autoritários e totalitários
e suas representações
Propaganda, Ideologia, Historiografia e Memória

Coordenação

Luís Reis Torgal


Heloísa Paulo

Coimbra • 2008

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


COOR DENAÇ ÃO EDITORIAL
I m p re n s a d a U n i v er s i d ad e d e C o i m b ra
Email: imprensa@uc.pt
URL: http://www.uc.pt/imprensa_uc

CONCEPÇÃO GRÁFICA
A n t ó n i o Ba rr o s

PRÉ-IMPRESSÃO
SerSilito • Maia

EX ECUÇÃO GRÁFICA
SerSilito • Maia

ILUSTRAÇÃO DA CAPA
Foto extraída de desenho de cartaz de Gonçalo Luciano

ISBN
978-989-8074-53-9

ISBN DIGITAL
978-989-26-0810-5

DOI
http://dx.doi.org/10.14195/978-989-26-0810-5

DEPÓSITO LEGAL
281045/08

OBR A PUBLICADA COM A COLABORAÇÃO DE:

OBR A PUBLICADA COM O APOIO DE:

Apoio do Programa Operacional Ciência, Tecnologia, Inovação


do Quadro Comunitário de Apoio III

© SETEMBRO 2008, I MPR ENSA DA U N I V ER SIDA DE DE C OI MBR A

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


Actas do Seminário Internacional realizado em Coimbra
no Arquivo da Universidade

nos dias 28, 29 e 30 de Novembro de 2008

Encontro organizado no contexto de um protocolo de investigação


que envolve as seguintes instituições:

Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX da Universidade de Coimbra


(CEIS20) – Grupo de Investigação “Arquivo da Memória e História do Século XX”
Departamento de História da Universidade de Bolonha
Departamento de História da Universidade de São Paulo (USP)

Colóquio acreditado para Professores dos Grupos 200, 400 e 410


(Registo n.º CCPFC/ACC – 48806/07)

Conselho Científico
Luís Reis Torgal (CEIS20), Alberto de Bernardi (Universidade de Bolonha) e Maria Luiza
Tucci Carneiro (USP)

Comissão Organizadora
Luís Reis Torgal, Heloísa Paulo, Isabel Maria Luciano e Marlene Taveira

Apoios
Universidade de Coimbra
Arquivo da Universidade de Coimbra
Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT)
Fundação Calouste Gulbenkian
Fundação Engenheiro António de Almeida

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


AUTORES

Alberto De Bernardi – Universidade de Bolonha


Luís Reis Torgal – CEIS20
Fernando Rosas – Universidade Nova de Lisboa
Matteo Passeti – Universidade de Bolonha
António Rafael Amaro – Universidade Católica Portuguesa / CEIS20
Joana Brites – Doutoranda da Universidade de Coimbra / CEIS20
Álvaro Garrido – Universidade de Coimbra / CEIS20
Sérgio Neto – Doutorando da Universidade de Coimbra / CEIS20
José Luís Lima Garcia – Instituto Politécnico da Guarda / CEIS20
Maria Luiza Tucci Carneiro – Universidade de São Paulo
Boris Kossoy – Universidade de São Paulo
Federico Croci – Universidade de São Paulo
Alberto Pena – Universidade de Vigo
Carlos Cordeiro – Universidade dos Açores / CEIS20
José Maria Folgar de la Calle – Universidade de Santiago de Compostela
Fernanda Ribeiro – Universidade do Porto
Clara Serrano – Doutoranda da Universidade de Coimbra / CEIS20
Augusto José Monteiro – CEIS20
Maria das Graças Ataíde de Almeida – Universidade Federal Rural de Pernambuco
Nuno Rosmaninho – Universidade de Aveiro / CEIS20
Massimo Morigi – Doutorando da Universidade de Coimbra
Stefano Salmi – Doutorando da Universidade de Coimbra / CEIS20
Elizabeth Cancelli – Universidade de São Paulo
Andrea Rapini – Universidade de Bolonha
Daniele Serapiglia – Doutorando da Universidade de Bolonha
Armando Malheiro da Silva – Universidade do Porto
Heloísa Paulo – CEIS20

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


ÍNDICE

NOTA DE APRESENTAÇÃO........................................................................ 7

Alberto De Bernardi
Il fascismo e le sue storie. ................................................................... 9
Luís Reis Torgal
“O fascismo nunca existiu…”. reflexões sobre as representações
de S alazar . ............................................................................................. 17
Fernando Rosas
O Salazarismo e o Homem Novo. Ensaio sobre o estado novo e a
questão do totalitarismonos anos 30 e 40.. ...................................... 31
Matteo Pasetti
Scritti contro il fascismo. Note sulla Bibliografia
dell ’ antifascismo italiano (1926-1943)............................................... 49

António Rafael Amaro


O modelo de previdência social do estado novo (1933-1962)......... 65
Joana Brites
Amar a pátria, servir a arquitectura : funções e programas
iconográficos das « artes decorativas » nas filiais da C aixa G eral de
Depósitos, Crédito e Previdência....................................................... 81
Álvaro Garrido
O Estado Novo e as pescas – a recriação historicista de uma
“tradição marítima nacional”............................................................. 99
Sérgio Neto
Representações imperiais n ’ O Mundo Português ............................. 119
José Luís Lima Garcia
Propaganda no estado novo e os concursos de literatura
colonial . O concurso da agência geral das colónias / ultramar
(1926-1974).............................................................................................. 131
Maria Luiza Tucci Carneiro / Boris Kossoy
Propaganda e revolução – Os caminhos do impresso político,
1930-1945................................................................................................. 145
Federico Croci
“Faccetta nera”. Os primeiros passos da propaganda fascista
em S ão P aulo 1922-1924.. ....................................................................... 167

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


Alberto Pena
La creación de la imagen del franquismo
en el portugal salazarista ................................................................... 183

Carlos Cordeiro
“O Estado Novo – como o devemos compreender”.
Um debate radiofónico em 1937.......................................................... 199
José Maria Folgar de la Calle
El control del cine por el franquismo :
de la guerra civil a los años 60.......................................................... 209

Fernanda Ribeiro
A Inspecção das Bibliotecas e Arquivos
e a ideologia do E stado N ovo . ........................................................... 223

Clara Isabel Serrano


O Estado Novo.
(Re)visitando os Manuais de História portugueses . ........................ 239

Augusto José Monteiro


“As verdades que convêm à nação ”: como C arneiro P acheco
reescreveu os livros de leitura do ensino primário ........................ 255

Maria das Graças Ataíde de Almeida


A verdade autoritária: discurso, censura e autoritarismo
no estado novo varguista .................................................................... 277

Nuno Rosmaninho
António ferro e a propaganda nacional antimoderna . .................. 289

Massimo Morigi / Stefano Salmi


Arte e modernita’. I due percorsi comuni del fascismo
e dell ’ estado novo ............................................................................... 301

Elizabeth Cancelli
A Ira e a alteridade: o testemunho e o sentido ético . .................. 319
Andrea Rapini
I giovani nella crisi di regime del fascismo . ..................................... 333

Daniele Serapiglia
1926. La Condanna Del Vaticano Dell’ Action Française
In Portogallo. Il Caso «Nemo» (Fernando De Sousa)...................... 343
Armando Malheiro da Silva
Norton de Matos e a auto-defesa face à História coeva e futura.. 355

Heloísa Paulo
Uma memória dos opositores sobre o regime e sobre a Oposição. . 377

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


NOTA DE APRESENTAÇÃO

Os textos aqui apresentados são os originais das comunicações do seminário


internacional que teve o mesmo nome do título deste livro.
Foi mais um espaço de debate sobre um tema que, na sua linha básica – “Estados
autoritários e totalitários” –, já foi abordado, noutras perspectivas, por esta equipa de
investigação, e por outros historiadores, em seminários realizados nos anos de 2005
e 2006, respectivamente em Bolonha e em São Paulo, cujas actas foram publicadas
(Progetti corporativi tra le due guerre mondiali, Roma, Carocci, 2006) ou se encontram
no prelo (Intolerância em tempos de Fascismo, São Paulo, EDUSP / Imprensa Oficial /
Arquivo do Estado). Desta forma, concluímos o primeiro ciclo destes seminários, que,
numa segunda fase, se reiniciarão na Universidade dos Açores, em Ponta Delgada, desta
vez sob o tema “Autoritarismos, totalitarismos e respostas democráticas. Ideologias,
programas e práticas”.
A ideia de chamarmos “seminários” a este tipo de encontros científicos não foi
uma mera casualidade verbal. Um seminário é, acima de tudo, um lugar privilegiado
para a troca de experiências de investigações e para o debate de ideias, tendo em vista
o germinar de novos conhecimentos e de novos problemas. E como o conhecimento
não se deve limitar ao meio universitário e deve contribuir para a actualização
de quem, noutros sectores de ensino, trabalha com a História, este encontro foi
creditado, graças ao apoio do Dr. Nicolau Borges, para a formação de professores do
ensino básico e secundário, que compareceram às sessões, formularam interrogações
e, depois, apresentaram os seus relatórios, subsequentemente avaliados. Deste modo,
o que aqui é publicado não espelha totalmente o que se passou nos dias 28 a 30 de
Novembro, no Arquivo da Universidade de Coimbra, onde se verificou, por parte de
todos os participantes, um vivo debate. E igualmente não se encontra neste livro o
relato de uma visita de estudo intitulada “Museu, casas e ruínas da memória”, que
complementou este seminário e que se efectuou no dia 1 de Dezembro. Contou com
o apoio das Câmaras Municipais de Penacova (onde se evocou a figura republicana
de António José de Almeida) e do Carregal do Sal – Junta de Freguesia de Cabanas
de Viriato, local privilegiado para se recordar Aristides de Sousa Mendes, o que foi
feito sobretudo pela Mestre Lina Madeira, que prepara uma tese de doutoramento
em que a análise desse diplomata ocupa um lugar fundamental. Também o Museu do
Caramulo, da Fundação João e Abel Lacerda, mereceu uma visita guiada.

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


Os textos aqui publicados são, obviamente, da inteira responsabilidade dos seus
autores, pois optámos por não interferir neles sequer do ponto de vista formal, mantendo
em cada um a sua língua, a sua escrita e os seus critérios de transcrição e de citação.
Apenas tentámos completar o trabalho de revisão de provas que os autores, como é
natural, nem sempre levaram a cabo de forma perfeita.

Resta-nos agradecer o contributo das entidades que nos ajudaram a erguer este
encontro, preparado, no âmbito do Centro de Estudos Interdisciplinares do Século
XX (CEIS20), coordenado cientificamente pela Doutora Maria Manuela Tavares
Ribeiro, e do grupo de investigação “Arquivo da Memória e História do Século XX”,
a que pertencemos, o qual teve sequência neste livro, publicado pela Imprensa da
Universidade de Coimbra, dirigida pelo Doutor José Faria e Costa e pela Dr.ª Maria
João Padez, cuja colaboração, selada institucionalmente por um protocolo geral
de colaboração com o Centro, importa registar. Recordemos, assim, o Arquivo da
Universidade, dirigido pela Doutora Maria José Azevedo Santos, onde se realizou o
encontro e que sempre recebe estas iniciativas com entusiasmo e simpatia, a Fundação
para a Ciência e a Tecnologia (FCT) e a Universidade de Coimbra, a que o CEIS20
está ligado, a Fundação Calouste Gulbenkian e a Fundação Engenheiro António de
Almeida, as quais, com o seu mecenato, permitiram que se realizasse este encontro com
a dignidade que o justificava. Finalmente, uma palavra de apreço ao Governo Civil de
Coimbra, na pessoa do Dr. Henrique Fernandes, que, confirmando a hospitalidade
portuguesa e coimbrã, nos ajudou a retribuir a forma pela qual fomos recebidos nos
anteriores encontros, organizados na Universidade de Bolonha e na Universidade de
São Paulo. A todos agradecemos a colaboração prestada.

Todavia, o essencial de um livro é a sua recepção por parte do leitor. Esperamos


que ele contribua para o esclarecimento das questões aqui sondadas, as quais devem
ser analisadas com espírito crítico e não de uma forma passiva, como costuma suceder
com leitura de obras de ocasião, que actualmente, como uma espécie de moda, se
publicam sobre estes temas de grande complexidade.

Coimbra, 6 de Agosto de 2008

Luís Reis Torgal


Heloísa Paulo

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


Alberto De Bernardi

Il fascismo e le sue storie

Le modalità con cui abbiamo concepito e mantenuto questi nostri incontri, che si
sviluppano tra ascolto, proposta e riflessione attorno ad idee e punti di vista eterogenei,
ulteriormente arricchiti dalla periodicità con cui le nostre singole comunità scientifiche
hanno scelto di incontrarsi e dalla particolare attenzione nei confronti delle diverse
generazioni di storici, anche in quest’occasione mi ha permesso di ripensare, riordinare
e mettere nuovamente in discussione sotto una nuova luce idee e pensieri su cui ormai
da tempo indugio in veste di storico. Così, arricchito e stimolato nuovamente, cercherò
anche in questa occasione di dare contributo e seguito a questo nostro progetto
collaborativo, che iniziato ormai da qualche tempo rivela ormai chiaramente il suo
duplice destino ed obiettivo: da una parte stimolo alla discussione e alla polemica
storica, dall’altro e soprattutto occasione per ottimi risultati in termini di apporto
alla conoscenza storica.
Disattendendo il proposito iniziale, ossia offrire un breve ed esaustivo inquadramento
sulla storia della storiografia fascista, scelgo, grazie agli spunti dei colleghi, un approccio
più specifico e comparativo, tenuto conto sia del fatto che l’esperienza del fascismo
è “comune” a molti paesi, quantomeno declinata a diverse realtà, e poi del fatto che
è esistita in Italia una storiografia sul fascismo fatta da storici fascisti che non è né
semplicemente adulatoria, né scientificamente sterile.
Nel processo di costruzione del regime la definizione di una politica culturale
capace di stimolare e promuovere un rapporto sempre più stretto tra gli intellettuali
e il fascismo ha ricoperto un ruolo tanto particolare quanto ignorato. L’alta cultura
non era infatti impermeabile alla penetrazione dell’ideologia fascista, come per lungo
tempo ha sostenuto la storiografia antifascista e come hanno smentito ricerche ormai
relativamente recenti, e di questo occorre tener conto soprattutto per prendere atto della
complessità e della differenziazione che hanno caratterizzato l’insieme delle relazioni
tra il mondo della cultura e il regime mussoliniano. Si tratta di un rapporto biunivoco
in cui accanto allo sforzo del regime di conquistarsi il consenso degli intellettuali
per inglobarli ed utilizzarli nella sua politica di fascistizzazione della società, sta il
groviglio difficilmente districabile dei percorsi soggettivi che hanno portato questi
studiosi a scegliere il fascismo e a tendere al medesimo fine fascistizzante col loro
apporto propagandistico.

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


Prese di posizione antifasciste, dunque, non interruppero il flusso di adesioni al
fascismo da parte della maggioranza degli intellettuali e degli accademici che proseguì
non soltanto perché questi erano tradizionalmente adusi a un rapporto conformista
con il potere politico, ma perché erano stati progressivamente persuasi e conquistati
dall’autoritarismo nazionalista del fascismo, fino a renderli disponibili a “passare sul
corpo della dea libertà” senza eccessivi drammi interiori.
Essi salutarono con unanime entusiasmo la riforma scolastica promossa da Gentile
nel 1923, quando assunse la carica di ministro della Pubblica istruzione, così come
con fervore parteciparono nel 1925 alla stesura della Enciclopedia Treccani, varata dallo
stesso Gentile e ritenuta da Mussolini la più significativa impresa culturale del regime,
e sottoscrissero il Manifesto degli intellettuali italiani fascisti agli intellettuali di tutte
le nazioni, lanciato nell’aprile dello stesso anno, infine ad accettare di buon grado di
svolgere il loro magistero scientifico all’interno delle nuove istituzioni culturali proposte
dal fascismo. Non sarebbe altrimenti comprensibile il fatto che, nel novembre 1931, la
totalità dei professori universitari – salvo dodici – giurarono fedeltà al regime, quando
essa fu loro obbligatoriamente richiesta.
Da questo punto di vista, la vicenda della cultura storica appare emblematica. Tra il
1923 e il 1930 il regime costruì una vasta rete di istituzioni deputate all’organizzazione
degli studi storici, sotto l’alta direzione di Gioacchino Volpe che, in questo ambito,
svolse la stessa funzione ricoperta in quello più generale e teorico da Giovanni Gentile
attraverso l’Istituto fascista di cultura. Nel 1923 venne costituita la Scuola storica
nazionale per la raccolta e la pubblicazione delle fonti medievali; nel 1925, per iniziativa
diretta dello stesso Volpe, nacque la Scuola di storia moderna e contemporanea, cui
seguirono le fondazioni dell’Archivio storico della Svizzera italiana, dell’Archivio
storico della Corsica, dell’Archivio storico della Dalmazia, nonché l’istituto di studi
romani. L’opera si compì, con la creazione nel 1934 della Giunta degli studi storici,
alle cui dipendenze fu posta l’intera rete di istituzioni culturali attive in questo campo
disciplinare, e poi con la definitiva integrazione nell’Istituto fascista di cultura di
Trino della più prestigiosa rivista storica italiana, la «Rivista storica italiana» fondata
nel 1884 da Costanzo Rinaudo), con un intento dichiaratamente militante a favore
del nazionalismo e della difesa della “italianità” della cultura storica nazionale.
Possiamo dunque dire che questa storiografia, nel caso italiano, è stata fatta
soprattutto da una scuola storica fondata e diretta da Gioacchino Volpe, che a ragione
può essere considerato uno dei più grandi storici italiani del Novecento, valutazione
peraltro suffragata dal fatto che le sue idee hanno superato i confini nazionali
per emigrare all’estero – troviamo i suoi libri anche tra i volumi della biblioteca
dell’Università di Coimbra che ci ospita per questo nostro incontro. Uno storico,
dunque, di tutto rispetto, la cui interpretazione del fascismo costituisce senza dubbio
un punto di riferimento.
Accanto a Gioacchino Volpe, vorrei proporre alla vostra attenzione un’altra figura
di rilievo dell’intellettualità fascista, quella del giurista e politico Francesco Ercole,
uno storico meno noto ma non meno importante che ha scritto quella che possiamo
considerare la prima storia del fascismo, uscita in Italia nel 1936 col titolo molto
interessante di La rivoluzione fascista, e ripubblicata nel 1939 in due volumi, con

10

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


il nuovo nome di Storia del fascismo. 1 Ercole è un personaggio importante anche
per il suo “curricula” fascista: iscrittosi nel 1923 al Pnf, fu membro nel 1924 delle
commissioni dei Quindici e nel 1925 delle commissioni dei Diciotto per le riforme
istituzionali, quindi tra il 1929 e il 1939 deputato, dal 1932 al 1935 membro del Gran
consiglio, ma soprattutto fu ministro dell’Educazione nazionale (dal 1932 al 1935) e
fondatore della “Giunta di Studi Storici”, un organismo di controllo, promozione ed
organizzazione degli studi storici in Italia, che esiste ancora oggi.
Partiamo innanzitutto da Gioacchino Volpe. Volpe, nato nel 1876 si è affermato
come storico del medievo medievista, come anche il suo antagonista culturale Gaetano
Salvemini, una delle figure più importanti dell’antifascismo; quando nel 1922 il
fascismo prende il potere, ha più di quarant’anni ed è già un’autorità scientifica
assoluta, diversamente da Ercoli che, nato quasi dieci anni dopo di lui, nel 1922 è
uno giovane studioso, ai primi passi della carriera universitaria.
Innanzitutto vorrei sottolineare l’operazione politico-culturale che Volpe mette in
atto. Volpe coglie che la prima guerra mondiale ha segnato un cambiamento d’epoca
storica imponedo agli studi storici di confrontarsi con la contemporaneità, di leggere
il presente in chiave storica. Egli intuisce cioè che i processi che si sono messi in moto
nell’Italia e nell’Europa tra il 1910 e il 1920 richiedono una loro narrazione, un impegno
supplementare di analisi e di indagine da parte degli storici, per fornire all’opinione
pubblica sintesi interpretative che entrino nel merito del dibattito politico.
Possiamo quindi dire che Gioacchino Volpe per primo capisce la necessità di un
uso pubblico della storia: non di una storia ancella della politica politica, di una
agiografia dei vincitori, nel senso di una elaborazione e di una analisi piegata agli
interessi del fascismo. Anche se Volpe è un intellettuale fascista, si cimenta con il
presente mantenendo sempre la sua fisionomia di storico; Volpe però ritiene che il suo
mestiere debba allargarsi e assumere un ruolo civile, oltre che scientifico, diventando
strumento della formazione dell’opinione pubblica nell’epoca della società di massa.
In questa veste dunque, egli vira e riorienta tutti gli studi storici italiani con
il risultato che per circa quarant’anni, dagli anni Venti fino agli anni Sessanta, la
storiografia italiana di dedicò prevalentemente alla storia del Risorgimento e dell’Italia
liberale. Gioacchino Volpe fu l’artefice di una generazione di storici che, nati quasi
tutti medievisti, diventarono contemporaneisti; e dunque in questo senso Volpe inventa
e costruisce la storia contemporanea che sino ad allora in Italia non c’era perché era
considerata un “argomento secondario” rispetto al nocciolo duro della riflessione
storiografica rappresentato dalla storia del medioevo e dell’età moderna.
Volpe, dunque, ribalta l’opinione che al tempo si nutriva nei confronti dei
contemporaneisti; cosicchè mentre prima della lezione di Volpe solo uno studioso del
medioevo poteva aspirare a diventare uno storico di vaglia, dunque solo un medievista
poteva fare carriera all’Università, dopo l’ operazione volpiana la storia contemporanea
entra di diritto tra le discipline accademiche. Questo cambiamento di rotta si verifica

1 Tra gli scritti dell’autore, citiamo: Francesco Ercole, Dal nazionalismo al fascismo: saggi e discorsi,

Roma, De Alberti, 1928; La rivoluzione fascista, Palermo, Ciuni, 1936; Storia del Fascismo: vol. 1.:
Dai fasci di azione rivoluzionaria alla marcia su Roma, 1915-1922; vol. 2.: Dalla marcia su Roma alla
creazione dello stato fascista corporativo e alla proclamazione dell’Impero, 1922-1936, Milano, Verona, A.
Mondadori, 1939.

11

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


Estado Social que começavam a desenvolver-se, em especial depois da II Guerra, nas
democracias ocidentais.
Assim, em jeito de balanço final do percurso feito pela previdência social, no período
aqui considerado, talvez seja possível fazer duas leituras: se tivermos em linha de conta
apenas aquilo que existia antes de 1935 e aquilo que passou a existir, não há dúvida
que alguma coisa se fez, não deixando mesmo de impressionar a coerência ideológica
do projecto inicial de previdência social; porém, nesta área como em muitas outras,
os resultados concretos acabam por deitar por terra mesmo os edifícios teóricos mais
perfeitos, sobretudo quando os temos que comparar, como é o caso, com aquilo que
se ia construindo nos países democráticos. E a realidade dura e crua evidenciava que,
na década de sessenta, os resultados apresentados por Portugal, ao nível da segurança
social, comparativamente ao de outros países europeus, era de um atraso tão evidente
que não tinha defesa mesmo entre os principais responsáveis pelo regime.

Bibliografia

Barreto, António; Mónica, Maria Filomena (1999-2000), «Assistência Social», Dicionário de


História de Portugal, Vol. VII, Figueirinhas, pp. 134-137.
Barreto, António; Mónica, Maria Filomena (1999-2000), «Casas do Povo», Dicionário de História
de Portugal, Vol. VII, Figueirinhas, pp. 245-250.
Barreto, António; Mónica, Maria Filomena (1999-2000), «Casas dos Pescadores», Dicionário
de História de Portugal, Vol. VII, Figueirinhas, pp. 250-254.
Carreira, Henrique Medina (1996), O Estado e a Segurança Social, Cadernos do Público, n.º 4.
Costa, Bruto (1985), A Pobreza em Portugal, Lisboa, Calouste Gulbenkian.
Coutinho, Maria Manuela (1999), A Assistência Social em Portugal, Lisboa, Associação Portuguesa
de Segurança Social.
Cruz, Manuel Braga da (1999), O Estado Novo e a Igreja Católica, Lisboa, Editorial Bizâncio.
Dez Anos de Política Social, 1933-1943, Edição do Sub-Secretariado de Estado das Corporações
e Previdência Social.
Ferro, António (1978) re-edição), Salazar, Lisboa, Ed. Templo.
Fontes, Paulo Oliveira (2000), «Catolicismo Social», in Azevedo, Carlos Moreira (dir.), Dicionário
de História Religiosa de Portugal, Lisboa, Círculo de Leitores, pp. 310-323.
Garrido, Álvaro (2004), O Estado Novo e a Campanha do Bacalhau, Lisboa, Círculo de
Leitores.
Guibentif, Pierre (1997), «The Transformation of the Portugues social security system», in
Rhodes, Martin (org.) (1997), Southern European Welfare States: between crisis and reform,
London, Portland, Or: Frank Cass, pp. 219-239.
Lopes, Maria Antónia (2000), Pobreza, Assistência e Controlo Social em Coimbra (1750-1850),
Viseu, Palimage Editores.
Lopes, Maria Antónia Lopes (1993), «Os pobres e a assistência pública», História de Portugal
(Dir. José Mattoso), Lisboa, Círculo de Leitores.
Lucena, Manuel (1976), A Evolução do Sistema Corporativo Português. I – O Salazarismo, Lisboa,
Perspectivas & Realidades.

78

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


Lucena, Manuel (1999-2000), «Previdência Social», in «Barreto, António; Mónica, Maria Filomena
(1999-2000), Dicionário de História de Portugal, Vol. IX, Figueirinhas, pp. 152-166.
Maia, Fernando (1985), Segurança Social em Portugal: evolução e tendências, Lisboa, Instituto
de Estudos para o Desenvolvimento.
Mouro, Helena (2001), Solidariedade e Mutualismo: um espaço partilhado, Coimbra, Quarteto
Editora.
Patriarca, Fátima (1995), A Questão Social no Salazarismo, 1930-1947, Lisboa, Imprensa
Nacional- Casa da Moeda.
Pereira, Pedro Teotónio (1937), A Batalha do Futuro, Lisboa, Livraria Clássica.
Pinto, Maria de Fátima (1996), «Princípios do Século XX: a pobreza urbana em Lisboa»,
História, Ano XVIII (nova série), n.º 21, Junho, pp. 7-23.
Rodrigues, Fernanda (1999), Assistência Social e Políticas Sociais em Portugal, Lisboa, Centro
Português de Investigação em História e Trabalho Social.
Rosendo, Vasco (1996), O Mutualismo em Portugal: dois séculos de história e suas origens, Lisboa,
Montepio Geral.
Santos, Boaventura de Sousa et al (1998), Uma Visão Solidária da Reforma da Segurança Social,
Lisboa/Coimbra, UMP/CES.
Tomé, Maria Rosa (2003), A Criança e a Delinquência Juvenil na Primeira República, Centro
Português de Investigação em História e Trabalho Social.
Valente, José Carlos (1996), «As Casas do Povo e a Educação Popular no Estado Novo», História,
Ano VIII (nova série), n.º 21, Junho, pp. 40-49.

79

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


Joana Brites

Amar a pátria, servir a arquitectura:


funções e programas iconográficos das «artes decorativas »
nas filiais da C aixa G eral de D epósitos , C rédito e P revidência

“É assim, precisamente, que a obra de arte mais independente,


mais orgulhosa, mais solitária se torna decorativa, queira ou não,
porque iluminou e deu expressão a esta sala ou àquele escritório.”
António Ferro1

“Recorde-se que em todas as épocas que


tiveram dois tipos de arte, um para as minorias
e outro para a maioria, este último foi sempre realista.”
José Ortega y Gasset 2

1. Introdução

A hierarquia entre as denominadas «belas-artes», enunciada pelo menos desde Platão,


conheceu ao longo dos séculos diversas oscilações que, não obstante, subscreveram
a validade de uma escala valorativa e de categorias estanques onde se arrumavam os
fenómenos artísticos. No século XX, a cartilha estética ocidental questionou, pela
primeira vez, de maneira irreversível, não o lugar que este ou aquele género arrematava
no pódio, mas o concurso em si, o júri e até a plateia. As «belas-artes» assistiram à
deposição de dois conceitos até então operativos e estruturantes: «belo» e «arte».
De forma significativa, todos os regimes ditatoriais modernos resistiram a esta
fragmentação conceptual. A graduação conservou-se e, no topo, colocou-se a arte que
outrora Kant3 rebaixara: a arquitectura. Longe de serem menosprezadas, as restantes
disciplinas plásticas, sobretudo a escultura e a pintura, continuaram a ser alvo da
encomenda oficial. Simplesmente, o objectivo que em geral lhes era reservado – o de
«decorar» – pressupunha a existência de um sujeito anterior – o edifício –, a sua razão

1 António Ferro, Artes Decorativas, Lisboa, Edições SNI, 1949, p. 24-25.


2 José Ortega y Gasset, A Desumanização da Arte, trad. do espanhol, 2.ª ed., Lisboa, Veja, 2003, p. 70-71.
3 John Rajchman, Construções, trad. do inglês, Lisboa, Relógio D’Água Editores, 2002, p. 16.

81

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


de ser, perante o qual assumiriam uma posição secundária. A função desempenhada
ultrapassava, todavia, a de mero adorno. Pelo contrário, competia-lhes complementar
a arquitectura, clarificando ou acrescentando substância à mensagem a transmitir. Por
conseguinte, do mesmo modo que a sua presença necessita de ser descodificada, a sua
ausência ou retirada deve suscitar interrogações.
O presente artigo procura analisar, no universo concreto das filiais construídas
para a Caixa Geral de Depósitos, Crédito e Previdência (CGDCP), o lugar e o
papel das esculturas e pinturas encomendadas. Na qualidade de «estabelecimento de
crédito» do Estado – profundamente remodelado, em 1929, de forma a constituir um
“instrumento admirável de restauração da economia nacional”4 –, a CGDCP encerra
um património-chave para a compreensão dos enunciados artístico-ideológicos que
caracterizaram o Portugal salazarista. Tendo em vista a sua «descodificação», parte-se
duma caracterização global das obras de arte presentes nas dependências da instituição,
examinando, em seguida, tipologia a tipologia, os discursos iconográficos dominantes
e respectivas conexões com a cartilha estadonovista. A terminar, expõe-se uma leitura
interpretativa do processo mediante o qual estas mesmas obras de arte foram banidas
dos imóveis a partir da década de quarenta.

2. As «artes decorativas» nas filiais da CGDCP: caracterização global

No universo das filiais da CGDCP, foram adjudicados trabalhos escultóricos e/ou


pictóricos para os imóveis erguidos nas seguintes capitais de distrito: Porto, Bragança,
Santarém, Viana do Castelo, Angra do Heroísmo, Ponta Delgada, Viseu, Portalegre,
Castelo Branco, Guarda, Horta e Beja. À excepção de Beja – cujo projecto, riscado
por Francisco Augusto Baptista entre 1957 e 1959, previu um mosaico na fachada
principal – todas as restantes encomendas se situam, quer ao nível da concepção, como
da execução, em data anterior à criação da Comissão Administrativa das Obras da Caixa
Geral de Depósitos, Crédito e Previdência (23 de Outubro de 1942), a qual recebeu
do Governo a missão de administrar e fiscalizar as obras de construção, ampliação
e conservação dos edifícios da CGDCP5. A sede, na capital, obedece também a esta
cronologia: Jorge Colaço, o último artista a ter compromissos no Palácio do Calhariz,
recebe, a 7 de Junho de 1941, a última parcela da quantia fixada em contrato 6; a única
incumbência decorativa posterior a esta data – um retrato do Presidente da República
entregue em 1960 ao pintor Guilherme Felipe – foi rejeitada7.

4 30 Anos de Estado Novo. 1926-1956, Lisboa, José de Oliveira, 1957, p. 48.


5 Dependente do Ministério das Obras Públicas e Comunicações através da Direcção-Geral dos
Edifícios e Monumentos Nacionais, esta Comissão foi criada pelo Decreto-Lei n.º 32 337 de 23 de Outubro
de 1942 e extinta pelo Decreto-Lei n.º 693/70 de 31 de Dezembro de 1970.
6 Comunicação dirigida por Jorge Coelho, chefe da Repartição da Secretaria da Administração da

CGDCP, ao administrador geral da CGDCP. Lisboa, 7 de Junho de 1941. Arquivo Histórico da Caixa Geral
de Depósitos [doravante identificado como AHCGD], Sede – caixa n.º 2, processo 9 (Lisboa: Calhariz).
7 Ofício n.º 842, dirigido pelo engenheiro José de Figueiredo e Castro ao pintor Guilherme Felipe.

Lisboa, 19 de Outubro de 1960. AHCGD, Sede – caixa n.º 3, processo 18 (Lisboa: Calhariz); Ofício 6k/1202,

82

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


Ressalvando o painel bejense, os azulejos de Colaço na sede e, na filial portuense,
os mosaicos cerâmicos executados por Ricardo Leone, bem como a clarabóia de vidro
policromo, desenhada a par com a serralharia artística pelo arquitecto Pardal Monteiro,
todas as obras comissionadas para as dependências da Caixa são pinturas ou esculturas.
Os painéis pictóricos concentram-se, sistematicamente, no rés-do-chão, na designada
«sala do público» ou, no caso do Porto, no gabinete do gerente. Por sua vez, os motivos
escultóricos convergem para o exterior do imóvel. As estátuas fixam-se sempre nas
fachadas. Os baixos-relevos tendem a seguir o mesmo caminho, conquanto no Porto
sejam empregues cumulativamente no interior e, em Angra do Heroísmo, ocupem
em exclusivo esta área.
A supremacia da arquitectura é exercida por prerrogativas que garantem, à partida,
a subserviência das outras artes. É o autor do edifício a estabelecer, na fase do projecto,
o seu lugar e, na maior parte dos casos, o tema. É ele quem orienta a execução, autoriza
o pagamento das prestações combinadas, avalia em primeira-mão o resultado final
e, frequentemente, chega a sugerir ou convidar os artistas. O virtuosismo técnico, o
formalismo rebuscado ou complexo são reprimidos. Pretende-se que a obra possibilite
uma concretização rápida e pouco dispendiosa, veicule conteúdos acessíveis e, acima
de tudo, mantenha uma “composição simples”, “carácter que é indispensável imprimir
(…) para bem se harmonizar com a arquitectura”8.
Ao nível iconográfico, a aparente espontaneidade com que se remete a pintura
e a escultura, comissionadas para os edifícios da Caixa, para as duas vias temáticas
possíveis – universalismo e/ou nacionalismo – comporta propósitos endoutrinadores.
Estes, aliados a um figurativismo omnipresente, a um comedimento formal obediente
às leis da gravidade e a um naturalismo apaziguador sem concessões a qualquer
realismo revolucionário, revelam a especificidade do encomendante e o peso da matriz
sociocultural.

2.1 As esculturas de vulto: Economia, uma senhora regrada, sóbria e pudica

A «abundância» e a «economia» – enunciadas diferenciadamente ou em conjunto;


substituídas ou coadjuvadas pelas congéneres noções de «riqueza» ou «fortuna» – são
os conceitos abstractos que dominam a escultura de vulto. A cornucópia, ou corno
da abundância, recheada de cereais e frutos, símbolo de fecundidade e felicidade
na tradição greco-romana e distintivo de diversas divindades, como Baco, Ceres ou
Fortuna, é o emblema mais vezes requisitado para os transmitir9. Os ramos de árvore
e folhas, os frutos e as espigas de trigo, o cacho de uvas e a coroa de hera constituem

dirigido pelo director geral do Ensino Superior e das Belas-Artes ao director geral dos Edifícios e Monumentos
Nacionais. 2 de Maio de 1962. AHCGD, Sede – caixa n.º 3, processo 19 (Lisboa: Calhariz).
8 Carta do arquitecto chefe da Secção de Obras e Edifícios da CGD, Porfírio Pardal Monteiro, ao

administrador geral da CGD. 28 de Outubro de 1925. AHCGD, Filiais – caixa n.º 21, processo 135
(Porto).
9 Jean Chevalier e Alain Gheerbrant, Dicionário dos Símbolos, s. v. “Corno da abundância”, trad. do

francês, Lisboa, Editorial Teorema, 1994, p. 231; Lucia Impelluso, Héroes y dioses de la Antigüedad, trad.
do italiano, 3.ª ed., Barcelona, Electa, 2004, pp. 70-72.

83

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


suplementos ou alternativas à cornucópia, assegurando a representação da fertilidade
e abastança.
Invariavelmente, esculpem-se figuras femininas – jovens de corpo inteiro e em
pé, idealizadas o suficiente para não quebrar o efeito alegórico – às quais se apõem
os atributos referidos. A nudez é progressivamente contida sob vestes clássicas que, a
despeito de consentirem o vislumbre de massas anatómicas, lhes confere a «moralidade»
indispensável para a pertença a uma edificação estatal. Deste modo, um «desvario»
como sucedeu em Santarém – onde, tendo como mote a abundância e a riqueza,
Ruy Gameiro giza, em Setembro de 1933, uma mulher de peito descoberto para a
fachada principal e outra, destinada a decorar o volume circular do alçado lateral,
completamente despida – não mais se exibiria. Na filial construída em seguida, a de
Viana do Castelo, o arquitecto António Maria Veloso Reis Camelo surge já como o
guardião da «decência», de acordo com o exigido pela Administração:
“Para a estátua, convidei eu próprio o Sr. António da Costa a quem dei as indicações
que verbalmente V. Ex.ª me transmitiu, como sendo o parecer geral do Ex.mo Conselho,
acerca das roupagens dessa estátua, quase nulas segundo o desenho de pormenor. O
esboceto ou maquette que ele vem submeter à apreciação do Ex.mo Conselho, mantém
o carácter decorativo do desenho mas atende perfeitamente às recomendações que
lhe fiz, satisfazendo-me bastante a finura e delicadeza com que está tratada. A figura
representa a «Fortuna» concebida em termos ou formas moderadas evidentemente, e não
segundo o espírito de outras épocas em que essa deusa era tratada por uma forma mais
exuberante de carnes, cornucópia farfalhuda e retorcida, as clássicas moedas e notas de
banco, provocante e quase ofensiva.” 10

As excepções ao quadro temático acima exposto acabam por o confirmar. É o caso de


Ponta Delegada, para onde Ruy Gameiro, convidado a modelar a estátua da frontaria,
opta por uma Minerva, com os seus habituais objectos de guerreira, acompanhada,
curiosamente, dos símbolos distintivos de Ceres. Quando, a 19 de Dezembro de 1934, o
arquitecto Veloso Reis Camelo, ao submeter à apreciação do Conselho de Administração
o “esboceto” entregue pelo escultor, caracteriza a figura e a sua função no edifício, deixa
claro os dois conjuntos de virtudes que Ruy Gameiro procurou conciliar:
“Nesta figura, meramente decorativa, quanto à sua forma e interpretação, representa
Minerva, deusa das artes e das ciências, tendo numa das mãos um ramo de frutos, como
símbolo da abundância e na outra a lança e o escudo, como símbolos da força e valor, e
tem para o edifício, sob o ponto de vista arquitectónico, grande importância, sendo ela
que estabelece com o letreiro (Caixa Geral de Depósitos Crédito e Previdência) o eixo
da composição da fachada, ao mesmo tempo que lhe dá um certo claro escuro e, com
o seu ar um tanto clássico, uma expressão estadual mais acentuada”11.

Viseu e Portalegre corporizam os dois outros exemplos de «variações», à primeira


vista desalinhados da leitura global defendida sobre a iconografia das estátuas, mas

10 António Maria Veloso Reis Camelo, “Informação”, Lisboa, 9 de Abril de 1935. AHCGD, Filiais –

caixa n.º 27, processo 186 (Viana do Castelo).


11 Carta do arquitecto Veloso Reis Camelo ao administrador geral da CGDCP. Lisboa, 19 de Dezembro

de 1934. AHCGD, Filiais – caixa n.º 17, processo 109 (Ponta Delgada).

84

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


afinal acabando por a reforçar. Com efeito, se por um lado asseveram a existência de
propostas que se desviam da clássica antropomorfização da «abundância», comprovam,
por outro, que estas foram sempre postas de lado. Em segundo lugar, permitem
corroborar a nítida preferência verificada, neste tipo de escultura, pela coisificação de
ideias universais, em detrimento do móbil regionalista. Este, quando apresentado de
forma isolada, é reprovado; se conjugado com um acessório alegórico – a cornucópia
– é aceite.
A 10 de Dezembro de 1937, o Conselho de Administração da CGDCP decide –
num acto irrepetível no conjunto das filiais e sede – promover um concurso a fim de
determinar a quem adjudicaria as peças escultóricas previstas para Viseu e Portalegre.
Reunido a convite do Conselho de Administração, na sede da CGDCP, no dia 31 de
Março de 1938, o júri era composto pelos seguintes elementos: Reinaldo dos Santos
(presidente da Academia Nacional de Belas-Artes), João Rodrigues da Silva Couto
(director do Museu Nacional de Arte Antiga) e o arquitecto Raul Lino (secretário
da mencionada Academia). Achavam-se igualmente presentes, na qualidade de
administradores da CGDCP, Raul do Carmo e Cunha e o engenheiro Leovigildo
Queimado Franco de Sousa.
Em Portalegre, a escolha recaiu sobre Salvador Barata Feyo, o qual submetera à
competição duas propostas para a mesma imagem: “uma de 0,48 representando uma
figura da região segurando um braçado de trigo e um ramo de carvalho; outra de 1m
simbolizando a cidade de Portalegre [agarrando na mão o brasão do município], coroada
de hera e trazendo a cornucópia da abundância”12. Entre os dois estudos sujeitos a
concurso e de novo mostrados, já mais trabalhados, ao Conselho de Administração
em fim de Julho/início de Agosto de 1938 – um exclusivamente regionalista,
interpretando uma “mondadeira”; outro nacionalista, associado a símbolos míticos13
–, coube à intervenção de João Simões, arquitecto autor do edifício, a inclinação para
o segundo14.
No que diz respeito à filial viseense, a maqueta vencedora para a escultura de vulto
foi a de Álvaro João de Brée15, tendo o contrato com o artista sido firmado a 21 de
Setembro de 1938 16. A obra, ultimada no início de Fevereiro do ano seguinte 17,
inscrevia-se na convencional citação da Antiguidade Clássica, que o autor pretendeu,
não obstante, ler à luz da realidade nacional:

12 Carta de Salvador d’Eça de Barata Feyo aos administradores da CGDCP. Barcarena, 30 de Março

de 1938. AHCGD, Filiais – caixa n.º 19, processo 119 (Portalegre).


13 Carta do escultor Salvador d’Eça Barata Feyo ao administrador-geral da CGDCP. s/d [fins de Julho/

inícios de Agosto de 1938]. AHCGD, Filiais – caixa n.º 19, processo 119 (Portalegre).
14 Carta do arquitecto João Simões ao administrador geral da CGDCP. Lisboa, 6 de Agosto de 1938.

AHCGD, Filiais – caixa n.º 19, processo 119 (Portalegre).


15 “Auto”. 7 de Abril de 1938. AHCGD, Filiais – caixa n.º 19, processo 119 (Portalegre).
16 Contrato celebrado entre a Administração da CGDCP e o escultor Álvaro João de Brée. Lisboa, 21
de Setembro de 1938. AHCGD, Filiais – caixa n.º 31, processo 205 (Viseu).
17 Ofício n.º 608, dirigido pelo chefe da repartição da Secretaria da Administração da CGDCP à firma

“Viseu Industrial, Ltd.ª”. 6 de Fevereiro de 1939. AHCGD, Filiais – caixa n.º 31, processo 205 (Viseu).

85

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


“Representa a figura a Economia, a Abundância e a Riqueza.
A Economia e a Abundância, simbolizadas pela vinha e pelo trigo, que a figura segura
com a mão direita, em atitude de protecção, por serem estas culturas, as maiores riquezas
do país. A primeira por resultar da sua exportação, a entrada de ouro, a segunda, pelo
cultivo nacional, e a não saída de ouro.
Tanto um como outro julgo serem símbolos inerentes à Caixa Geral, pela acção por
esta exercida, em empréstimos, aos vinicultores e lavradores, dando assim possibilidades de
amanho e cultivo daqueles dois elementos que são a economia e a riqueza da nação.
A cornucópia, símbolo clássico da abundância e riqueza, que se vê à esquerda, e
que a figura segura, não numa atitude de esbanjamento, mas sim de reserva, o que
representa o equilíbrio financeiro.
O casco nada tem de guerreiro, mas sim de força e firmeza.
A figura pelas suas grandes linhas e simplicidade de forma, foi estudada atendendo
a execução em granito, a que ela é destinada, volumes e planos estão estudados para que
haja um completo equilíbrio e igual distribuição de peso. A simplicidade da forma julgo-a
adequada ao granito, matéria esta incompatível a tudo que não seja sóbrio e simples.
Pretendi também integrá-la na arquitectura do edifício, pois julgo que a arquitectura é
o de dentro da escultura e a escultura o seu prolongamento.”18

Partindo das memórias descritivas das peças dos outros concorrentes, constata-se,
entre as que se conservam, que Anjos Teixeira, sendo “facultativa a escolha da execução
da estátua representando a abundância ou a economia”, preferiu a segunda, “colocando
um cofre nas mãos da figura”, com o qual procurou “justificar o título da mesma”, pois
desconhecia “se existe algum símbolo clássico para a representação da economia”19.
Celestino Tocha enveredou pela personificação da abundância, “simbolizada por uma
figura de mulher de linhas sóbrias segurando do lado direito uma cornucópia contendo
flores e mantendo com a mão esquerda um ceptro que poderá representar a justiça na
abundância e finalmente outra cornucópia junto aos pés da figura e de lado oposto à
primeira espalha o dinheiro”20.
Os dois participantes que denotam maior vontade de romper com a tradicional
iconografia alegórica – Albuquerque de Bettencourt e Salvador Barata Feyo – vêem os
seus trabalhos também preteridos, pese embora a argumentação com que se escudaram,
como em seguida, respectivamente, se observa:
“Na composição de uma figura «Abundância» entendemos por bem não empregar o
batido motivo da cornucópia, hoje esteticamente desactualizado. Por isso, representamos
a nossa figura, tendo do lado direito um molho de 7 espigas – símbolo bíblico – e frutos
caindo a espalhar-se sobre a base, imagem da abundância e da riqueza do solo. A mão

18Álvaro João de Brée, “Memória descritiva do estudo que apresento para o edifício da vossa filial em
Viseu”, Lisboa, 3 de Fevereiro de 1938. AHCGD, Filiais – caixa n.º 31, processo 205 (Viseu).
19 Anjos Teixeira (filho), “Memória descritiva dos trabalhos destinados à filial da Caixa Geral de

Depósitos, Crédito e Previdência. Viseu”, Lisboa, 31 de Janeiro de 1938. AHCGD, Filiais – caixa n.º 31,
processo 205 (Viseu).
20 Carta de Celestino Augusto Tocha ao Conselho de Administração da CGDCP. s/d [início do ano

de 1938]. AHCGD, Filiais – caixa n.º 31, processo 205 (Viseu).

86

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


esquerda pousa sobre o coração, num gesto de amor pelo próximo, pois que sem ele a
abundância só seria nociva.
Além disso, não demos à nossa figura o carácter de «matrona romana» como é de
uso mas sim o de uma mulher nova e forte, radiante de vitalidade, por considerarmos
que a mais desejável abundância é feita de força viva e ascendente e não de calma
estabilidade. A composição da nossa figura fizemo-la num bloco, e a sua modelação
simples por necessidade estética do material a que se destina.”21

“Parece-nos que, dado o renascimento forte do amor à pátria que se observa já em


algumas das actividades espirituais da nação, cabe, cremos nós, também aos artistas
portugueses, nomeadamente escultores e pintores, como força intelectual de elite,
procurar resolver toda a plástica da sua esfera de acção com os olhos postos no alto
daquele ressurgimento. Abstendo-nos de nos alongarmos em mais considerações a este
respeito – por importuno o lugar – ficam as linhas que deixamos acima para explicar
o critério e directriz que tivemos e nos conduziu às soluções que com a devida vénia,
temos a honra de sujeitar ao alto critério de V.as Ex.as.
Pondo de parte a representação convencional das chamadas figuras simbólicas de
deuses e deusas do Olimpo, e isto porque muito simplesmente, só podemos compreender
a intervenção de um Deus na nossa vida e na nossa morte, debruçamo-nos sobre a
região da Beira Alta de que Viseu é a capital e colhemos no labor da sua gente e na sua
próprio gente, os elementos queridos das nossas composições. (…) A estátua é a região
da Beira Alta representada numa figura da mesma Beira, tendo na mão direita uma
mão de espigas de centeio e na esquerda uma romã que se nos afiguram expressar com
certa felicidade, respectivamente, o corporativismo e a assistência da Caixa Geral dos
[sic] Depósitos, Crédito e Previdência.”22

2.2. Os baixos-relevos: o «mundo feliz» da economia nacional

Os baixos-relevos encomendados para as filiais da CGDCP elegem, como tema, os


três pilares económicos de referência – agricultura, comércio e indústria –, tratados
em conjunto e perspectivados em trâmites pátrios e não mitológicos. A partir deles
decalca-se o simulacro de um país auto-suficiente, ruralista por opção, onde se protege
a indústria «caseira» e «familiar», onde o comércio por troca directa adquire o pitoresco
de uma sã continuidade, onde as relações de trabalho são idílicas e a figura do operário
fabril – que nunca se vê e suspeita-se afinal não existir – aparece substituído pelo dócil
camponês, o qual, no máximo, troca a enxada pelo martelo ou pelo fiado.
Eis, em pedra e em bronze, o mundo feliz do corporativismo alcançado, orquestrado
pela mão paternalista e assistencial do Estado que, ao invés de «abafar», antes incentiva
e dirige com justiça. Não por acaso, a reforma do crédito – vértebra da política

21 Memória descritiva redigida pelo escultor Albuquerque de Bettencourt acerca das propostas

apresentadas para a filial de Viseu. s/d [início de ano de 1938]. AHCGD, Filiais – caixa n.º 31, processo
205 (Viseu).
22 Salvador d’Eça Barata Feyo, “Memorial”, Barcarena, 31 de Janeiro de 1938. AHCGD, Filiais – caixa

n.º 31, processo 205 (Viseu).

87

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


pela Liga Anti-comunista, segmento da extrema-direita atuante em São Paulo
na década de 1930.27

A propaganda da oposição

Treinados para identificar indícios de desordem, os “homens do DEOPS” tinham


plena consciência do material que deveriam procurar, identificar, confiscar e tirar
de circulação28. A apreensão de impressos ditos “perigosos a ordem instituída” e a
sistemática prisão de seus produtores e impressores deve ser avaliada como a formulação
de uma resposta institucional à ameaça representada por aqueles que atentavam contra
a estabilidade das elites dominantes. A partir do momento em que o Estado criou um
órgão dedicado a reprimir idéias sediciosas, caçar a palavra impressa e penalizar seus
mentores, anulava-se a noção de sociedade civil. Para as autoridades da repressão, o
“produtor de um jornal” era apenas o outro, elemento provocador que, como tal, deveria
ser isolado. Como conseqüência temos o retorno da razão do Estado que, em nome da
segurança pública e bem estar da nação, pode colocar fim no Estado de direito.
Ao mesmo tempo em que as autoridades policiais transformaram os impressos em
provas do crime político, elas também preservaram, por ironia do destino, a memória
da intolerância. Os periódicos estrangeiros confiscados, por exemplo, permitem – tanto
para nós historiadores como para a Polícia Política – desvendar a trama de relações
que persistiam entre as várias comunidades étnicas, nacionais e políticas radicadas
na América Latina, nos Estados Unidos e na Europa. Esta documentação retira do
anonimato os “agentes da subversão” expondo suas matrizes ideológicas (anarquista,
anarco-sindicalista, comunista, sionista, nazista, fascista e/ou anti-fascista). Os impressos,
de uma forma geral, davam visibilidade às ações e representações coletivas expressando
fragmentos dispersos da cultura política brasileira.
A linguagem inflamatória e convocatório dos impressos anunciavam logo seu
propósito: conscientizar seu público-alvo das mazelas do Estado e da Igreja Católica,
dos abusos dos patrões burgueses, dos interesses do imperialismo estrangeiro. Como
vivemos numa sociedade de subversão de valores, tais “chamadas” se prestavam para
expressar os desejos daqueles cidadãos (brasileiros e estrangeiros radicados no Brasil)
que estavam insatisfeitos com a realidade social. Percebemos – ao analisar a linguagem
adotada pelos grupos de resistência ao Estado republicano ou a ditadura varguista –
que os seus produtores pretendiam dilatar sua esfera pessoal ou coletivo (espaço vital)
conquistando objetos e status que pertenciam a esfera do Outro. Alguém era sempre
culpado pela miséria e pelo atraso vivenciado pelo homem negro, pela mulher ou
pelo trabalhador nacional que, asfixiados pelos patrões ou pelo Estado interventor,
não conseguiam alcançar a felicidade plena29. A felicidade, no entanto, deverá ser

27 Panfleto “Como evitar esta tragédia”, São Paulo, Liga Anti-comunista, s.d., Prontuário n.º 2239;

Fundo DEOPS/SP.APESP.
28 Ver Maria Luiza Tucci Carneiro. Livros Proibidos, Idéias Malditas. O Deops e as Minorias Silenciadas.

2.ª ed. São Paulo, Ateliê Editorial, 2002.


29 Para os casos dos regimes totalitários e autoritários pode-se aplicar o conceito de inimigo-objetivo

desenvolvido por Hannah Arendt em O Sistema Totalitário. Trad. Roberto Raposo, Lisboa, Publicações

155

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


“conquistada” através do esforço coletivo, idéia alimentada por um sistema de motivações
a ser elaborado (e colocado em prática) pelos líderes comunitários30. Daí encontrarmos
nos jornais e panfletos, uma série de convocatórias para encontros políticos disfarçados
no “formato” de piqueniques, peças teatrais, churrascos, shows musicais, cerimônias
religiosas e quermesses animadas por bandas comunitárias, sorteios de rifas, jogos de
tômbola e futebol31.
Temos que considerar que a propaganda política, em qualquer esfera de circulação,
alimenta a imagem de um mundo fictício capaz de competir com o mundo real. O
caos, a desordem, a miséria, a fome, a exclusão e a injustiça social serão, segundo as
mensagens sedutoras, superadas pela revolução que promete paz, felicidade, igualdade
social etc. O mundo fictício – proposto pelos revolucionários de esquerda, por exemplo
– distingue-se daquele idealizado pelos nazi-fascistas ao criticar o acúmulo da força,
o abuso do poder e o uso da violência. No entanto, isto não os impede de, no futuro,
ocuparem o lugar do Outro e se transformarem em “ditadores obstinados”.32
Por que o panfleto foi amplamente utilizado pelos grupos da oposição ? Acreditamos
que – além de ser impresso em papel – é fácil de manusear, guardar, esconder ou
eliminar. É de baixo custo e pode transmitir rapidamente uma mensagem para um
grande público. Pode ser mimeografado ou impresso, com ou sem imagem, instigando o
leitor a pensar, discutir e agir na vida prática, diária. Tem o poder de alterar a realidade
ou reforçar o status quo colaborando para a mobilização ou a persistência da inércia,
entenda-se aqui apatia ou conformismo. Folheto não tem capa (cobertura dura) e
nem encadernação. Na sua maioria são confeccionados em uma única folha de papel
cortada ou dobrada pela metade, em terços ou em quartos. Pelo seu formato “portátil”,
o folheto tornou-se um importante instrumento de propaganda política favorecendo
a circulação da crítica e do protesto proibido. Diferente do livro, o panfleto não para
em pé: deve ser lido rapidamente e, se guardado, deve ser “enrolado”, “dobrado” ou
“mantido na horizontal”. Por esta característica particular favorece as ações políticas
clandestinas, proibidas, revolucionárias.
Folheto de uma única página, o panfleto é chamado “voador” ou “relâmpago”:
anuncia, convoca e promete felicidade em troca da adesão. Um panfleto político
voador é, quase sempre, portador de uma mensagem relâmpago que, por sua natureza
instintiva, deve causar impacto e mobilizar as massas. Confeccionado em uma única
folha de papel, tem o poder de convocação, de chamada, de denúncia ou de alerta. Ao
mesmo tempo é coletivo e introspectivo favorecendo a inserção social de certas indivi-
dualidades, pois os textos e as imagens traduzem particularidades das visões de mundo

Dom Quixote, 1978.


30 Este conceito é amplamente desenvolvido por Abraham Moles em O Cartaz. Trad. De Miriam

Garcia Mendes. São Paulo, Perspectiva; Edusp, 1974 (Coleção Debates, 74).
31 Estes eventos (libertários) foram analisados, de forma mais detalhada, no estudo desenvolvido por

Raquel de Azevedo, A Resistência Anarquista: Uma Questão de Identidade, 1927-1937. São Paulo, Imprensa
oficial; Arquivo do Estado, 2000 (Coleção Teses & Monografias). Um contraponto pode ser feita com o
trabalho de Maria Auxiliadora Guzzo Decca, A Vida Fora das Fábricas. O Cotidiano Operário em São Paulo,
1920-1934. Rio de Janeiro, Paz e Terra,1987.
32 Hannah Arendt, ob. cit., pp. 454-457.

156

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


do autor do panfleto, além de refletir per-
pectivas coletivas e político-partidárias33.
Enquanto impressos volantes têm vida
cíclica pressupondo distintas fases que vão
da sua criação à morte para depois renascer
graças à revitalização das idéias. Retomo
aqui a epígrafe do livro de Domingos Braz:
Morrem os Homens...mas a idéia fica!. 34
Multiplicado aos milhares, passa de mão
em mão, sendo distribuido nas praças, nas
ruas ou em ambientes fechados. Colados
nos postes, nos muros, nas portas ou nas
paredes chamam a atenção do público-alvo
que, movido por algum interesse, pára para
ler ou arrancá-lo, num ato de repúdio ou
conivência. Uns carecem de criatividade;
outros brilham por serem irreverentes e
por estarem “fora da ordem”. Enquanto
instrumento de propaganda política são
seculares e universais; e enquanto registro
ideológico são temporais, expressão de um
momento específico da história do país.
Valendo-se de um pequeno texto cons- 8 – Dos meus momentos de lazer.... Livreto
truído em tom convocatório, os panfletos confiscado de Domingos Braz. Prontuário nº
da oposição raramente usam a imagem. 493, vol. 2. Fundo DEOPS/SP. APESP.
Favorecendo a leitura dinâmica, convocam o individuo à rebelião procurando quebrar
a apatia, cristalizada pelo discurso oficial. Com frases curtas compostas com palavras
emprestadas do linguajar popular, denunciavam as injustiças da Justiça brasileira
dedicada, em vários momentos, a calar a voz dos rebeldes. Abriram espaço para a
ação dos grupos de resistência ao autoritarismo rompendo com os preconceitos de
cor, gênero, classe e religião. Mobilizaram – numa frente única em prol dos direitos
humanos – estudantes, operários, intelectuais, artistas plásticos, músicos, caricaturis-
tas e editores, homens e mulheres. Denunciaram a podridão das prisões brasileiras, a
inadimplência das autoridades policiais, a desobediência as leis trabalhistas, a expulsão
de estrangeiros e a censura oficial.
Parte desta memória pode ser reconstituída através dos jornais, panfletos e livros
confiscados pela Polícia Política de São Paulo que, no seu conjunto, se prestam

33 Endossamos aqui as categorias sugeridas por Lincoln de Abreu Penna que classifica os panfletos

em três modalidades principais: “os que retratam perspectivas coletivas, próprias dos movimentos sociais;
os que refletem perspectivas políticos-partidárias; e, os que traduzem visões de mundo de indivíduos que se
batem e prol de bandeiras com as quais sinalizam a inserção social de suas individualidades. Lincoln de
Abreu Penna, ob. cit., p. 84.
34 Domingos Braz, Dos Meus Momentos de Lazer: Morrem os Homens...Mas a Idéia Fica!, s.d. Anexado

ao Pront. n.º 493, de Domingos Braz, Vol. 2. DEOPS/SP. APESP. Sobre livros confiscados ver Maria Luiza
Tucci Carneiro, Livros Proibidos, Idéias Malditas, 2.ª ed., São Paulo, Ateliê Editorial, 2002.

157

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


como mostruário dos diferentes segmentos
políticos que atuaram no Brasil entre
1924-198335. Se cruzados com os registros
policiais, estes periódicos nos oferecem a
oportunidade de reconstituir as estratégias
de ação dos grupos da resistência e a lógica
que regia o aparato repressivo estatal. Nos
permitem também repensar: o papel do
Estado republicano que, ao longo da sua
trajetória, amordaçou os grupos produtores
de uma cultura política, assim como atrofiou
o processo de conscientização política
nacional. Anexados aos prontuários pessoais
e institucionais que compõem o Fundo
DEOPS sob a guarda do Arquivo Público
do Estado de São Paulo, estes impressos
revelam o fantástico universo da palavra e
da imagem impressas na clandestinidade.
9 – “Violência policial”. Ilustração publicada no
Improvisados, muitas vezes, em gráficas
jornal A Plebe, novembro de 1934. Prontuário
clandestinas, esses impressos mal chegaram
nº 3653, de Justiniano Pereira Bispo. Fundo
DEOPS/SP. APESP.
até o seu público-alvo sendo desviados para
os arquivos policiais. Hoje, nos oferecem
elementos para reconstituir como se processavam e circulavam as informações proibidas
pela censura entre os grupos da oposição.
Identificando os caminhos trilhados por estes panfletos – do porto para a cidade, da
capital para o interior ou da cidade para o campo – estaremos pontuando os espaços e
as comunidades de leitores distintas por sua identidade étnica, nacional ou ideológica.
Enquanto impressos convocatórios para a ação revolucionária, os panfletos invadiram
[clandestinamente] as residências onde foram lidos por todas as classes, sem exceção:
leitores curiosos, leitores pervertidos, leitores malditos. Aliás, é raro quem não tenha
experimentado, um dia, o sabor de uma leitura proibida ! Seguindo os trilhos de ferro,
a “panfletagem subversiva” foi levada, às escondidas, até as cidadezinhas do interior
incomodando o sossego das elites regionais, adeptas do coronelismo. Incomodaram,
certamente, empresários, políticos, coronéis e fazendeiros acostumados ao mando,
por tradição.
Discursos anarquistas, comunistas, socialistas e anti-fascistas foram lidos, ainda que
rapidamente, pelos pacatos (mas nem tanto) habitantes de Taquaritinga, São José do
Rio Preto, Bauru, Taubaté, Catanduva, Pindorama, Jundiaí, apenas para citar algumas
do interior do Estado de São Paulo.36 Cumprindo com os seus objetivos – de gerar

35 Ver o primeiro volume desta coleção: Imprensa Confiscada pelo DEOPS, 1924-1954, organizadores

Boris Kossoy e Maria Luiza Tucci Carneiro, São Paulo, Ateliê Editorial; Imprensa Oficial; Arquivo Público
do Estado, 2004.
36 Ver Série Inventários Deops, organizados por Maria Luiza Tucci Carneiro publicados, numa primeira

fase, pela Imprensa Oficial e, a partir de 2005, pela Associação Editorial Humanitas. Autores e títulos
citados no final deste livro.

158

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


impacto imediato e irradiar conteúdos
ideológicos – os panfletos refletem perspec-
tivas políticas partidárias, além de traduzir
visões de mundo individualizadas. Sem
respeitar porteiras, mata-burros, pastos e
córregos, os panfletos sediciosos produzidos
no século XX invadiram as fábricas e as
fazendas como se fossem pragas incontro-
láveis. Se para os fazendeiros, os jornais e
os panfletos eram “ervas daninhas”, para os
partidos políticos eles funcionavam como
“adubos para fazer a revolução crescer”.
Mas, os impressos produzidos pelos mili-
tantes de esquerda não estavam sozinhos
nesta cruzada política. Os periódicos e
panfletos integralistas assim como aqueles
produzidos por organizações católicas e
anti-fascistas, também procuravam garantir
suas praças de leitores dispostos a empu-
nhar a bandeira em nome de Deus, Pátria e 10 – Contra o “Vale” e o “ Barracão”. Panfleto
Fámília. Livres de qualquer suspeita, estes produzido pela Associação Agropecuária de
impressos circulavam garantidos pelo poder São José do Rio Preto, 30 de outubro de 1946.
Prontuário nº 6585. Fundo DEOPS/SP.
local (conservador e católico, por tradição)
dedicados a enfrentar o Anti-Cristo, personagem simbólico identificado com os males
da modernidade: liberalismo, maçonaria, judaísmo e comunismo 37.
Para a Polícia Política, o “perigo” não estava em quem vestia camisa verde ou batina
preta, e sim naqueles que portavam bandeira vermelha, a foice, o martelo ou enxada.
Assim, até o final do Estado Novo, imperou o “abaixo a toda e qualquer manifestação
anti-clerical”, postura radical sustentada tanto pelos anarquistas como os comunistas, em
geral. Foram incluídos nesta onda de repressão os panfletos produzidos pelos “hereges
da Fé” – os “Quebra-Santos” – que perturbavam o culto da religião católica. 38
Cada impresso, enfim, nos oferece múltiplas possibilidades de investigação. A
medida em que conseguirmos identificá-los e agrupá-los segundo categorias distin-
tas, chegaremos a centenas de “aldeias políticas”. Uma vez digitalizadas em banco de
dados, as informações nos permitem análises comparativa e diacrônica, microsocial e
nominativa. Com a incorporação de impressos inéditos poderemos estabelecer seqüên-
cias temporais e definir, com exatidão, as áreas produtoras dos impressos delimitadas
pelos itinerários e circularidades da repressão. Assim, poderemos situar – em outra
dimensão – a história do impresso no Brasil tendo em vista a “revolução anunciada”,

37 Maria Luiza Tucci Carneiro. O Veneno da Serpente. Questões acerca do anti-semitismo no Brasil. São

Paulo: Perspectiva, 2003. Coleção Kronos; Rodrigo Patto Sá Motta. Em Alerta Contra o Perigo Vermelho.
São Paulo, Perspectiva, 2005.
38 Pront. n.º 43.707, Sociedade Torre de Vigia. DEOPS/SP. AESP. Cf. Inventário de Eduardo Góes de

Castro. Os “ Quebra-Santos”. Repressão ao Anti-Clericalismo no Brasil República (1924-1945), São Paulo,


Associação Editorial Humanitas; Fapesp, 2007 [Inventário DEOPS, 14].

159

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


recorrendo aqui a uma expressão empregada
por Roger Chartier39. Ainda que limitado
e descontínuo, chegaremos ao mundo
fechado das letras subversivas.
Editados em português, na sua maio-
ria, os panfletos expressam as plataformas
políticas dos mais distintos grupos sociais.
Serviam como provas comprometedoras
do crime político, de acordo com a lógica
da desconfiança adotada pelas autoridades
policiais cientes do poder das palavras de
ordem. Um slogan ou uma imagem eram
suficientes para transformar aquelas pá-
ginas de papel em manuais de revolução.
Sobre os produtores – interpretados como
mentores intelectuais do crime político –
recaia a culpa pela infração: eles haviam
ultrapassado os limites do permitido. Se
reincidentes transformavam-se em “reféns
do seu próprio passado”, distinção formal
decorrente do estigma da criminalização,
do labelling approach ou teoria do etique-
11 – Abelha e Zangão [rubrica R.M]. Postal
tamento. 40
anti-clerical confiscado de Kalkyria Naked em
A apreensão dos panfletos ditos perigo-
1936. Prontuário nº 2844. Fundo DEOPS/SP.
APESP.
sos, o registro fotográfico dos documentos
confiscados e a sistemática prisão de seus
produtores (impressores e distribuidores) deve ser avaliada como a formulação de
uma resposta institucional à ameaça representada por aqueles que atentavam contra
a estabilidade das elites políticas. Daí considerarmos esta “literatura” como efêmera,
dada a sua curta trajetória enquanto meio genuíno de comunicação de massas. Para
as autoridades dominantes, um “produtor de panfleto” era apenas o elemento provo-
cador que, como tal, deveria ser isolado 41. As fotografias dos impressos confiscados
anexadas aos prontuários policiais atestam que as autoridades, além de identificar o
cidadão-suspeito, também se preocupavam em comprovar o crime político. As imagens
registradas pelo Laboratório Técnico do Gabinete de Investigações assim como os
impressos apreendidos como “revolucionários”, nos permitem reconstituir os limites
entre dois mundos distintos: o da legalidade e da ilegalidade.
Cabia às autoridades policiais desvendar os segredos daqueles que como “arquitetos de
um complô secreto internacional” se dedicavam a minar a ordem estabelecida. Competia
ao investigador do “Serviço Secreto” e ao fotógrafo policial, ligado ao Gabinete de

39 Roger Chartier. A Ordem dos Livros. Brasilia, EunB, 1999, p. 97.


40 Sobre esta questão ver Francisco Brissoli Filho, Estigmas da Criminalização: dos Antecedentes à
Reincidência Criminal. Florianópolis: Editora Obra Jurídica, 1998.
41 Olgária Chain Féres Matos, “ Espaço público e tolerância política” in: Wander Melo Miranda,

Narrativas da Modernidade (org.), Belo Horizonte: Autêntica, 1999, p. 343.

160

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


Investigações, o reconhecimento dos espaços da sedição com o objetivo de identificar e
comprovar as táticas adotadas pelos “subversivos da ordem”. Um minucioso “relatório
de investigações”, acompanhado dos “autos de busca e apreensão” se prestavam para
explicar as razões da investida, relacionar e identificar as provas do crime. A fotografia
completava a descrição dando à narrativa uma imagem visual. Este raciocínio justifica
o grande número de fotografias anexadas aos autos policiais que, enquanto documento-
verdade, se prestavam para “editar” o conceito de crime contra o Estado. Se avaliados
no seu conjunto, levando-se em consideração a forma como se encontram dispostos
dentro de um prontuário, estes documentos (escritos e iconográficos, policiais ou
confiscados) expressam o raciocínio das autoridades policiais dedicadas a “construir”
a sua versão acerca do agente do delito. 42
Raros foram os momentos em que a sociedade brasileira como um todo vivenciou
momentos de total liberdade. Os relatórios de investigação e os autos de busca e
apreensão demonstram que, na maioria das vezes, o julgamento das autoridades policiais
se faziam baseada em suposições. Estas – orientadas pela lógica da desconfiança e valores
preconceituosos – procuravam purificar a sociedade das idéias incômodas. A “pena dos
escribas” e a “palavra dos revolucionários” assumiram, no julgamento dos ordenadores,
um poder igualável ao fogo. Certas doutrinas foram classificadas de incendiárias; seus
princípios tachados de inflamáveis (desorganizadores e dissociáveis); e seus editores
transformados em destruidores da ordem,
da tranqüilidade e da união nacionais.
Uma nova linguagem tomou conta
de ambos os discursos – do ordenador
e do revolucionário – sendo que este
último levava a pecha de “desordenador
d a o r d e m p ú b l i c a” . O s p a n f l e t o s ,
geralmente desafiavam os estatutos da
ordem funcionando como uma espécie
de prolongamento da ação subversiva. E
como sempre, desordem requer controle;
controle atrai censura que, por sua vez, 12 – Material de propaganda comunista apreendida
culmina com repressão física e simbólica. pelo DEOPS. São Paulo, 19 de maio de 1936.
O circulo é vicioso e, como todo vício, Prontuário. nº 2259, Typographia Communista.
Fundo DEOPS/SP. APESP.
atrofia o exercício da cidadania.

Uma solução totalitária

Uma questão que intriga os pesquisadores que lidam com os arquivos da repressão
e da resistência diz respeito à “morte do documento”: que fim tiveram os impressos
confiscados enquanto prova do crime político e, entre eles, milhares de panfletos? Atra-
vés das fotografias produzidas pelo Laboratório Técnico do Gabinete de Investigações,

42 Ver Boris Kossoy. Fotografia e História, 2ed. Revista. São Paulo, Ateliê Editorial, 2001; Realidades

e Ficções na Trama Fotográfica. São Paulo, Ateliê Editorial, 1999; Os Tempos da Fotografia. O Efêmero e o
Perpétuo. São Paulo, Ateliê Editorial, 2007.

161

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


responsável pelo registro das buscas e confiscos, é possível visualizarmos o volume do
material apreendido durante um auto de busca e apreensão. Os impressos – selecio-
nados segundo seu conteúdo revolucionário – eram expostos de forma a compor um
cenário espetacular, capaz de expressar a “veracidade dos fatos” e a “dimensão do peri-
go”. Livros, Panfletos, manifestos, boletins, circulares e jornais eram arrumados sobre
móveis velhos e caixotes tendo ao lado, quando possível, o maquinário utilizado para
a impressão. Estandartes coloridos, álbuns de fotografias, medalhas de honra militar,
mapas e diplomas em língua estrangeira complementavam a amostragem selecionada
segundo critérios policialescos.
Documentários cinematográficos sobre a periculosidade dos impressos sediciosos
chegaram a ser produzidos pelo DIP- Departamento de Imprensa e Propaganda,
com a finalidade de serem exibidos ao grande público brasileiro. Alguns títulos do
CineJornal Brasileiro produzidos pelo DIP se prestam para ilustrar a ação preventiva
e punitiva do governo de Getúlio Vargas: “Defesa nacional: as polícias do Rio e São
Paulo”; “Defesa Nacional-São Paulo; a Polícia anula a ação do Eixo”; “Exposição do
Estado Nacional”. 43
A imagem que persiste é a de uma nação forte que, através do seu braço repressor
– a Polícia Política se defende de perigos multifacetados. Como partidários do
proibicionísmo, as autoridades policiais procuravam hierarquizar as idéias submetendo-
-as diariamente a um processo seletivo com o objetivo de “purificar” a sociedade.
Diabolizados em momentos distintos, o comunismo e o nazismo foram “materializados”
através dos objetos e impressos apreendidos, simbolizando a ação purificadora das
autoridades oficiais. Na telinha do cinema, em horários nobres, o poder entrava em
cena exibindo suas virtudes salvacionistas. Cada imagem – congelada pela foto fotografia
ou em movimento pela técnica cinematográfica – se prestava para alimentar mitos
políticos, dentre os quais o do complô comunista internacional.44
Apesar de todo este espetáculo direcionado para as maiorias silenciadas, raros
são os registros que ilustram a eliminação do impresso sedicioso, entre os quais os
panfletos subversivos. No entanto, a somatória de algumas informações nos permite
afirmar que o material apreendido pelo DEOPS teve uma solução final: após a seleção
“criteriosa”, um exemplar era anexado aos autos como prova do delito político e as
cópias (se localizadas) retiradas de circulação e guardadas na sala de Depósito do
Material do Deops/SP. Em São Paulo, este local ocupava o espaço onde funcionava a
secção de “Bagagem” da antiga Estação Sorocabana.45

43 Defesa nacional: as polícias do Rio e São Paulo”, CJB, v.2, n.117;“Defesa Nacional-São Paulo; a

Polícia anula a ação do Eixo”, CJB, v.2, n.º 119; “Exposição do Estado Nacional”, CJB, v.1, n.º 11. Catálogo
da Cinemateca Brasileira, São Paulo. Cf. pesquisa realizada por Rodrigo Archangelo, PROIN, 2003.
44 Raoul Girardet, Mitos e Mitologias Políticas, São Paulo, Companhia das Letras, 1987; Rodrigo Patto

Sá Mota, “O mito da conspiração judaico-comunista” in: Revista de História, FFLCH-USP, Departamento


de História (138), 1998, pp. 93-106; Taciana Wiazovski, Bolchevismo & Judaismo: A Esquerda Judaica Sob
a Vigilância do Deops. Inventário Deops: Módulo VI- Comunistas, São Paulo, Imprensa Oficial; Arquivo
do Estado, 2001; “O mito da conspiração judaica e as utopias de uma comunidade” in: Maria Luiza Tucci
Carneiro (org.), Minorias Silenciadas. História da Censura no Brasil, São Paulo, Edusp;Fapesp, 2002, pp.
265-306.
45 Pront. n.º 131.867, Levantamento do Material Existente no Depósito de Material Apreendido.

Departamento de Ordem Política, Deops/SP. APESP.

162

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


Por volta de junho de 1957, foi feito um levantamento do material existente no
depósito do DEOPS com o objetivo de solicitar autorização para “industrializar ou
incinerar” os impressos apreendidos. Registrado no processo n. 15.688 pela Diretoria
Geral da Secretaria de Estado dos Negócios da Segurança Pública do Estado de São
Paulo, o pedido foi justificado como uma “medida profilática”. 46 Constavam da lista,
em relação numérica, todos os livros, panfletos e jornais relacionados por autor,
apreendidos entre 1939 a 1945.
A relação “Livros no Depósito do DOPS” (incluindo panfletos, jornais e revistas)
foi elaborada em três colunas distintas por nome, autor e quantidade, totalizando
64.087 volumes. Restaram naquele departamento, segundo ofício de José Edgar Pinto
de Moraes, delegado adjunto do DEOPS/SP, “apenas o material de propaganda e
ideologia contrária aos interesses nacionais”. Constavam da relação: “...alguns pertences
à pessôas ignoradas, e outros fazem parte de inquéritos já julgados em última instância
pelo extinto Tribunal de Segurança Nacional”. 47
Em 6 de junho de 1957, o material destinado para “industrialização” foi encaminhado
à Indústria de Papel e Papelão São Roberto S.A., situada a rua Alcântara, n 328, no
bairro da Vila Maria em São Pulo. Autorizado por José Edgard Pinto de Moraes, um
caminhão foi carregado com milhares de panfletos, jornais, revistas e livros diversos,
acondicionados em caixotes, caixas e fardos. Constavam também “amarrados de
fotografias (de japoneses, de súditos do Eixo e de comunistas), “impressos da Shindô-
Rinmei [sic], bandeirolas comunistas”, diplomas, fichários e carteiras do P.C.B.,
papéis da Cia de Ferro e Aço, da Siderúrgica São Paulo-Minas, e da Cia. Brasileira de
Borracha, cartilhas japonesas, impressos da Cia. Nacional Indústria Pesada, impressos
da Congregação Israelita Paulista, discos, selos e propaganda do PCB., mapas, plantas,
cartazes de cinema”, entre outras centenas de papéis sediciosos.48 Duas viagens foram
realizadas para transportar 11.090 quilos de impressos que, separados das embalagens,
renderam 8.190 quilos de “material servível”.49 Uma outra quantidade de materiais
“inúteis e inaproveitáveis” foi remetida ao forno incinerador da Prefeitura Municipal
de São Paulo em 15 de maio de 1957, “visto ser impossível a contagem de muitos
materiais estragados por umidade”.
Ao constarmos a destruição de impressos “subversivos” por ordem de governos
definidos como democráticos, torna-se difícil conceituar censura e repressão como
posturas características apenas das práticas autoritárias. A “eliminação” de impressos
subversivos deve ser interpretada apenas como a “morte simbólica ou física” do

46 Proc. n.º.15688, Ano 1957. Secretaria de Estado dos Negócios da Segurança Pública do Estado de São

Paulo. Interessado: Departamento de Ordem Política e Social da capital, São Paulo. Assunto: Autorização.
Anexo ao Pront. n.º 131.867, Levantamento do Material...Deops/SP. APESP.
47 Ofício de José Edgard Pinto de Moraes, Delegado Adjunto do DOPS para o diretor do DEOPS. São

Paulo, 4 de junho de 1957, fl. 41. Pront. n.º 131.867, Levantamento do Material...Deops/SP. APESP.
48 Selecionamos apenas alguns exemplos. A listagem completa pode ser consultada junto ao ofício de

José Edgard Pinto de Moraes ao diretor do Deops. São Paulo, 4 de junho de 1947. Pront. n.º 131.867,
Levantamento do Material..., fls. 54-56. DEOPS/SP. APESP.
49 Auto de Entrega do Material para Industrialização, por José Edgard Pinto de Moraes, Delegado

do Deops. São Paulo, 9 de agosto de 1957. Pront. n.º 131.867, Levantamento do Material.... DEOPS/
SP.APESP.

163

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


documento, visto que as idéias em prol da liberdade de expressão dificilmente serão
consumidas pelo fogo. Podemos considerar que os papéis confiscados pela Polícia
Política brasileira apenas perderam o seu valor de uso que equivale, em parte, à morte
social do impresso. Felizmente, nem tudo se perdeu: queimaram-se os impressos,
ficaram os homens. Morreram os homens, persistiram as idéias. Ou ainda, como muito
bem comentou Robert Darnton, referindo-se ao momento em que o carrasco público
rasgou e queimou livros proibidos no pátio do Palais de Justice de Paris, em 1878: “...
estava-se, enfim, rendendo tributo ao poder da palavra impressa”.
Recorro a uma outra frase, alias muito oportuna, de Jean Baudrillard: “...o social
morre de uma extensão do valor de uso que equivale a uma liquidação. Quando
tudo, inclusive o social, se torna valor de uso, o mundo se tornou inerte”. Assim,
ao identificarmos o volume de impressos que circularam na clandestinidade entre
1924-1983 no estado de São Paulo, temos certeza de que as maiorias silenciosas
souberam se organizar enquanto forças de resistência. Romperam, enfim, o silêncio
imposto pelo poder.

Bibliografia

AGULHON, Maurice. Marianne au combat: L´imagerie et la Symbolique Républicaines de 1789


à 1880. Paris, Flamarion, 1979.
ARENDT, Hannah. O Sistema Totalitário. Trad. Roberto Raposo, Lisboa, Publicações Dom
Quixote, 1978.
AZEVEDO, Raquel de. A Resistência Anarquista: Uma Questão de Identidade, 1927-1937. São
Paulo, Imprensa oficial; Arquivo do Estado, 2000.
BALANDIER, George. O Poder em Cena. Brasilia, EUNB, 1982.
BAUDRILLARD, Jean. A Sombra das Minorias Silenciosas. O Fim do Social e o Surgimento das
Massas, 4ªed., Trad. SuelY Bastos, São Paulo, Brasiliense, 1994.
BJERG, Maria; OTERO, Hernán. Inmigración y Redes Sociales en la Argentina Moderna. Buenos
Aires, CEMLA; IEHS, 1995.
BRISSOLI FILHO, Francisco. Estigmas da Criminalização: dos Antecedentes à Reincidência
Criminal. Florianópolis: Editora Obra Jurídica, 1998.
CARNEIRO, Maria Luiza Tucci. O Anti-semitismo na Era Vargas. Fantasmas de uma geração,
3.ª ed. São Paulo, Perspectiva, 2001.
Livros Proibidos, Idéias Malditas. 2.ª ed. São Paulo, Ateliê Editorial, 2003.
O Veneno da Serpente. Questões acerca do anti-semitismo no Brasil. São Paulo: Perspectiva,
2003.
(org.). Minorias Silenciadas. História da Censura no Brasil, São Paulo, Edusp;Fapesp, 2002.
CANETTI, Elias. A Consciência das Palavras. São Paulo, Companhia das Letras, 1990.
CAPELATO, Maria Helena. Multidões em Cena. Propaganda Política no Varguismo e no Peronismo.
Campinas, SP: Papirus, 1998.
CASTRO, Eduardo Góes de. Os “Quebra-Santos”. Repressão ao Anti-Clericalismo no Brasil
República (1924-1945), São Paulo, Associação Editorial Humanitas; Fapesp, 2007 [Inventário
DEOPS, 14].
CHARTIER, Roger. A Ordem dos Livros. Brasilia, EnB, 1999.

164

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


Sobre a questão dos arquivos distritais, o próprio Júlio Dantas manifesta a sua
preocupação, num relatório datado de 2 de Maio de 1932, que envia ao Director
Geral do Ensino Superior26. Considerando que o diploma de 1931 “representa um
notável passo dado no sentido da instituïção da rêde de arquivos distritais que o
País reclama”, diz o seguinte: “Quere isto dizer que o decreto n.º 19:952 resolveu o
problema dos arquivos distritais em Portugal? Infelizmente não. Decorridos quási dez
meses sôbre a sua promulgação, eu apenas pude enviar a V. Ex.ª os projectos de decreto
instituindo o Arquivo Distrital de Ponta Delgada, já criado de facto, embora não de
direito, por acôrdo entre esta Inspecção e a Junta Geral Autónoma; o Arquivo Distrital
do Funchal, que o diploma orgânico n.º 19:952 incluíra no número dos arquivos
distritais existentes [artigo 10.º, alínea i)], esquecendo-se, entretanto, de definir e de
assegurar as suas condições de organização e de funcionamento; e o Arquivo Distrital
de Viseu”27. E mais adiante: “O facto de se haver limitado à criação dos três arquivos,
que acabo de citar, a actividade da Inspecção durante quási dez meses, significa que
esta Repartição encontrou, por parte das juntas gerais e das comissões administrativas
dos municípios, dificuldades que até agora não pôde vencer, e que dizem respeito,
quer à cedência de edifícios para instalação dos arquivos distritais, quer à inscrição,
nos respectivos orçamentos, das verbas necessárias para ocorrer aos encargos dêsses
novos serviços”28.
Seguidamente, o inspector descreve as diligências feitas e os obstáculos encontrados
em cada um dos distritos, impeditivos do desenvolvimento da rede de arquivos distritais
projectada para o País, para concluir o seu relatório com a convicção de que o que
restava fazer só poderia “entrar no domínio das realidades quando as condições do
Tesouro Público permitirem que o Estado chame a si todos os encargos administrativos
dos arquivos distritais existentes, e daqueles que seja necessário ainda criar”29.

2.3. As iniciativas no plano técnico

Apesar dos constrangimentos e limitações que cercearam a actividade da Inspecção


nos anos subsequentes, as iniciativas no plano técnico merecem ser realçadas, embora se
devam, quase exclusivamente, a António Ferrão, nomeado para o cargo de sub-inspector
em 1929 e provido na chefia máxima da Inspecção, em 1946, após a aposentação de
Júlio Dantas.
A acção da Inspecção após a promulgação da importante reforma de 1931 pode
ser atestada por diversos escritos, designadamente os memorandos ou crónicas
publicados nos Anais das Bibliotecas e Arquivos30 ou os relatórios do Inspector Geral,

26 Este relatório foi posteriormente publicado nos Anais das Bibliotecas e Arquivos (ver: DANTAS,
Júlio – Criação e organização dos arquivos distritais (ob. cit.).
27 DANTAS, Júlio – Criação e organização dos arquivos distritais (ob. cit.) p. 10.
28 Idem, ibidem.
29 DANTAS, Júlio – Criação e organização dos arquivos distritais (ob. cit.) p. 13.
30PORTUGAL. Inspecção Geral das Bibliotecas e Arquivos – Nota sumária de alguns assuntos mais
importantes tratados em ofícios e relatórios... durante os meses de Setembro, Outubro, Novembro e Dezembro
de 1931... Anais das Bibliotecas e Arquivos. Lisboa. 2.ª série. 9 (1931) 104-106; PORTUGAL. Inspecção Geral

232

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


relativos a inspecções aos estabelecimentos dependentes, também datados de 193231.
Igualmente importante é o testemunho de António Ferrão, dado no relatório que
elaborou em Setembro de 1931, referente ao período de tempo em que substituiu,
interinamente, o Inspector Júlio Dantas, à frente do organismo coordenador das
bibliotecas e arquivos32.
Estes escritos, de par com os textos publicados na época em que António Ferrão
assumiu as funções de Inspector são as fontes de informação mais ilustrativas da
actividade da Inspecção, em todas as suas vertentes, a qual procurou sempre situar-se
dentro do quadro legal do Decreto n.º 19.952, de 1931.
Embora a dinâmica da Inspecção tenha esmorecido ao longo dos anos, a verdade é
que, no que toca aos aspectos técnicos e normativos, houve algumas iniciativas dignas
de nota, apesar das consequências práticas dessas medidas não se terem feito sentir
de forma significativa.
Em matéria de tratamento técnico documental e no sentido de melhorar o estado do
acesso à informação, incumbia-se a Junta Consultiva das Bibliotecas e Arquivos, entre
outras coisas, de “estudar o regime geral da catalogação, bem como de organização de
índices, inventários e roteiros para os estabelecimentos dependentes da Inspecção”33,
percebendo-se claramente que as “Regras de Catalogação” elaboradas por Raul Proença
e postas em prática na Biblioteca Nacional haviam já sido banidas como instrumento
de normalização, se bem que ainda continuassem em uso na instituição onde foram
geradas.
Além disto, é ainda de realçar o trabalho desenvolvido com vista à identificação
e caracterização dos serviços detentores de documentação: o inquérito às bibliotecas
municipais, levado a cabo por António Ferrão, em 1932-1933, o qual permitiu concluir
que a sua situação era “lamentável”; o projecto de inquérito, elaborado em 1943, por
iniciativa de Júlio Dantas, mas do qual foi encarregado, de novo, o sub-inspector António
Ferrão, e que se destinava a todos os organismos detentores de acervos documentais,
incluindo as “Ilhas adjacentes” e o “Império Colonial”; e um novo inquérito, promovido
em 1946, ocupando já António Ferrão o cargo de Inspector.
Como já sucedera em épocas anteriores, as acções de diagnóstico promovidas pela
Inspecção eram levadas a efeito com bastante rigor e empenho, mas as consequências
naturais deste trabalho, que deveriam saldar-se em medidas concretas para melhoria
da deficiente situação detectada, nunca chegaram a efectivar-se.
Nos anos subsequentes, à excepção do período em que António Ferrão dirigiu
a Inspecção das Bibliotecas e Arquivos (1946-1954), nada de relevante merece ser
assinalado. Nesta fase, porém, o estudo e a reflexão, plasmados em inúmeros relatórios
técnicos enviados à tutela, atingiram um nível nunca antes alcançado, mas não lograram

das Bibliotecas e Arquivos – Alguns assuntos mais importantes tratados em ofícios e relatórios... durante o
primeiro semestre de 1932. Anais das Bibliotecas e Arquivos. Lisboa. 2.ª série. 10 (1932) 75-81.
31 DANTAS, Júlio – Relatórios do Inspector Geral : inspecções a arquivos. Anais das Bibliotecas e

Arquivos. Lisboa. 2.ª série. 10 (1932) 121-133.


32 FERRÃO, António – Alguns serviços dos arquivos e bibliotecas do Estado : relatorio. Lisboa : [s. n.],

1932. (Originalmente publicado em: Diário do Govêrno. 2.ª série. Lisboa. 13 (16 Jan. 1932) 216-223.)
33 PORTUGAL. Leis, decretos, etc. – Ministério da Instrução Pública : Direcção Geral do Ensino

Superior e das Belas Artes : Decreto n.º 19:952 (ob. cit.) art. 25.º, § 6.º, p. 1.258.

233

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


atingir a efectiva concretização, pois o despacho superior exarado nas propostas de
António Ferrão, quase invariavelmente, resumia-se a um lacónico “Aguarde”.

2.4. A formação profissional

Um outro aspecto que merece ser relevado é o da reorganização do Curso Superior


de Bibliotecário-Arquivista, numa perspectiva muito mais centralista, aliás, em
consonância com a generalizada reforma da administração pública. Passava agora a
ser um “curso exclusivamente profissional”34, tendo sofrido, em conformidade, uma
redução curricular. Passou a ter a duração de apenas dois anos e a incluir um elenco
de disciplinas muito mais reduzido35.
Uma outra alteração significativa operada teve a ver com as condições de acesso
ao curso (agora inteiramente dependente da Inspecção das Bibliotecas e Arquivos e
já não da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa), que passava a ter estatuto
de curso de pós-graduação. Contudo, esta maior “profissionalização” do Curso teve
uma duração breve, pois em 1935, um novo diploma fê-lo regressar à Universidade
(desta vez, à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra), onde se manteve
inalterado durante quase meio século, ou seja, até 1982, ano em que foi extinto. A sua
concepção assentava numa visão erudita que revelava que a formação dos bibliotecários
e arquivistas continuava a ser moldada pela matriz histórico-tecnicista que desde a
Revolução Francesa se fora desenvolvendo e consolidando de forma paradigmática.
A evolução internacional, marcada pelo desenvolvimento da informação científica
e técnica e pela associação das novas tecnologias ao tratamento da informação,
que, sobretudo após a Segunda Guerra Mundial, passou a influenciar os modelos
formativos, quer na Europa, quer nos Estados Unidos da América, tardou a produzir
efeitos em Portugal. A situação política do País durante o período do Estado Novo,
caracterizada por um isolamento relativamente ao exterior, não favoreceu os contactos
internacionais nem o acompanhamento da evolução que se verificava na Arquivística,
na Biblioteconomia e em novas áreas como a Documentação e a Ciência da Informação
(Information Science), em franco desenvolvimento desde o final dos anos cinquenta do
século XX. A consciência do atraso que se vivia em Portugal, nomeadamente por parte
da classe profissional, conseguiu impulsionar a criação de um modelo de formação
alternativo ao velho Curso de Bibliotecário-Arquivista, que se traduziu na criação, em
196936, de um Estágio destinado à preparação técnica de bibliotecários, arquivistas
e documentalistas, o qual conferia também habilitação própria para o desempenho

34 PORTUGAL. Leis, decretos, etc. – Ministério da Instrução Pública : Direcção Geral do Ensino

Superior e das Belas Artes : Decreto n.º 19:952 (ob. cit.) p. 1.254.
35 As disciplinas eram as seguintes: Bibliologia (um semestre), Biblioteconomia (um semestre), Arquivologia

e Arquivo-economia (um semestre), Paleografia (um ano), Diplomática e Esfragística (um ano), Numismática
e Medalhística (um semestre) e Iconografia e Iluminura (um semestre) – cf.: PORTUGAL. Leis, decretos,
etc. – Ministério da Instrução Pública : Direcção Geral do Ensino Superior e das Belas Artes: Decreto
n.º 19:952 (ob. cit.) art. 160.º, p. 1.267.
36 PORTUGAL. Leis, decretos, etc. – Ministério da Educação Nacional : Direcção-Geral do Ensino

Superior e das Belas-Artes : Decreto-lei n.º 49.009 [de 7 de Maio de 1969]. Diário do Governo. 1.ª série.
Lisboa. 116 (16 Maio 1969) 537-538.

234

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


das funções que, até então, eram asseguradas somente pelo curso de bibliotecário-
-arquivista. Mas, apesar da existência desta outra modalidade de formação, o curso
instituído, em 1935, na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, continuava
a ser o modelo dominante, mantendo um figurino clássico bem em consonância com
a formação académica coimbrã.

3. Da inoperância à extinção

A Lei n.º 1.941, de 11 de Abril de 193637, dera enquadramento a uma reestruturação


do Ministério da Instrução Pública, que passara a denominar-se Ministério da Educação
Nacional, e criara a Junta Nacional da Educação, órgão técnico e consultivo ao qual
competiam os problemas inerentes à formação do carácter, ao ensino e à cultura. Na 6.ª
secção, Belas Artes, era incluída uma sub-secção, intitulada “Literatura, Bibliotecas e
Arquivos”, cuja vice-presidência cabia ao Inspector Superior das Bibliotecas e Arquivos.
A esta sub-secção eram adstritas competências técnicas, em que se inseriam, entre outras,
a de promover a inventariação e catalogação das espécies documentais e a elaboração do
catálogo colectivo das bibliotecas portuguesas, dois objectivos recorrentes em todas as
reformas legislativas promulgadas desde a criação da Inspecção, mas permanentemente
adiados na sua concretização.
Contudo, este facto não veio contribuir para que novas medidas de fundo fossem
tomadas pela Inspecção. As preocupações historicistas continuavam a ser um dos
aspectos dominantes, particularmente no tocante aos arquivos, mas as acções efectivas
também não se concretizavam, quer por constrangimentos orçamentais, quer por falta
de vontade política. A criação dos arquivos distritais, por exemplo, acontecia a uma
ritmo confrangedor.
Após a retirada de António Ferrão do cargo de Inspector, a gestão corrente passou a
dominar a actividade da Inspecção, não se concretizando iniciativas dignas de referência.
Na verdade, foi esmorecendo paulatinamente, sendo apropriado usar as palavras de
Mesquita de Figueiredo aplicadas ao Arquivo Nacional nos princípios do século: o
“estado de torpor” instalara-se no organismo tutelar das bibliotecas e dos arquivos.
O dirigente que sucedeu a António Ferrão no cargo de Inspector foi o bibliotecário-
-arquivista Luís Silveira, que havia sido Director da Biblioteca Pública de Évora.
Procurou, nos primeiros tempos, promover algumas iniciativas, sendo de referir o
relançamento dos Anais. Mas, em contraste com o que fora esta publicação no tempo de
António Ferrão, a nova série assumiu muito mais o carácter de revista cultural erudita
do que o de uma publicação técnico-científica de Biblioteconomia e Arquivística.
Além disso, representou Portugal em diversos encontros internacionais, mas apesar
da importância de que se revestiam tais eventos, particularmente num período em
que o País vivia isolado da Europa, a verdade é que a participação nessas reuniões
internacionais se saldava mais numa presença pessoal do Inspector do que numa
representação institucional, não tendo, portanto, quaisquer repercussões nos meios
arquivísticos e biblioteconómicos portugueses.

37 PORTUGAL. Leis, decretos, etc. – Ministério da Instrução Pública : Lei n.º 1:941. Diário do

Govêrno. 1.ª série. Lisboa. 84 (11Abr. 1936) 411-413.

235

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


Uma outra iniciativa que importa assinalar, nos primeiros anos do seu mandato,
foi a tentativa de elaboração de um roteiro completo e actualizado das bibliotecas e
dos arquivos de Portugal38, dado que a falta deste roteiro “era grave e impeditiva de
progresso firme” dos seus trabalhos no desempenho do cargo de Inspector Superior
das Bibliotecas e Arquivos. Mas, a intenção declarada nos Anais – “todos os trabalhos
em curso, cujos resultados irão sendo expostos sistemàticamente, abrangem, como fica
dito, todas as bibliotecas portuguesas e darão elementos de apreciação e estudo, tanto
de ordem quantitativa como qualitativa, tão extensa, completa e desenvolvidamente
quanto nos for possível”39 – não passou, na verdade, de isso mesmo: uma intenção.
A partir desta época, não há quaisquer desenvolvimentos ou iniciativas relevantes,
tendo a Inspecção entrado numa apatia que acabou por conduzir à reforma legislativa
de 1965. Com efeito, dois diplomas datados de 22 de Maio desse ano vão promover
uma alteração estrutural ao quadro vigente desde 1931: por um lado, a promulgação
do Regimento da Junta Nacional da Educação, em cujas secções se incluía uma
especificamente dedicada às bibliotecas e arquivos40; por outro, uma reestruturação
“vasta e profunda” neste sector, que extinguiu a Inspecção como organismo autónomo
e reequacionou as políticas a pôr em prática daí em diante41.
O elenco de atribuições cometidas à Junta Nacional da Educação é elucidativo do
que continuava por realizar, particularmente no que respeitava à disponibilização para
consulta pública de documentos que o Estado custodiava e que tinha obrigação de
tornar acessíveis. Afinal, a política incorporacionista – iniciada ainda no século XIX,
mas prosseguida pela Primeira República e pelo Estado Novo –, ao abrigo da qual
tinham passado para a tutela estatal incomensuráveis quantidades de documentação,
não vira concretizado um dos seus desideratos fundamentais: tornar público e acessível
o que era de todos os cidadãos.
O inconformismo dos profissionais dos arquivos e bibliotecas, relativamente à
situação de imobilismo que afectava o sector bibliotecário e arquivístico trouxe à luz os
seus efeitos no início da década de 60. Começaram a organizar-se e a tornar públicas
as suas preocupações através de uma publicação de carácter técnico – os Cadernos de
Biblioteconomia e Arquivística42 –, nascida em 1963, que passou a ser um pólo em torno
do qual um grupo desencadeou uma dinâmica tendente a pôr em marcha um processo

38 Foi, pelo menos, a quinta vez que, por iniciativa da Inspecção, se realizou um inquérito de diagnóstico

da situação das bibliotecas e dos arquivos.


39 SILVEIRA, Luís – Roteiro das bibliotecas e dos arquivos de Portugal : situação das bibliotecas

municipais do continente. Anais das Bibliotecas e Arquivos de Portugal. Lisboa. 3.ª série. 1 (1958) XVIII.
40
PORTUGAL. Leis, decretos, etc. – Decreto n.º 46 349. Diário do Governo. 1.ª série. Lisboa. 114
(22 Maio 1965) 711-718.
41 PORTUGAL. Leis, decretos, etc. – Direcção-Geral do Ensino Superior e das Belas-Artes : Decreto

n.º 46 350. Diário do Governo. 1.ª série. Lisboa. 114 (22 Maio 1965) 718-724 (com uma rectificação em:
Diário do Governo. 1.ª série. Lisboa. 132 (14 Jun. 1965) 828). Este diploma pode também ser consultado
em: Organização dos serviços das bibliotecas e arquivos : Decreto-Lei n.º 46.350. Bibliotecas e Arquivos de
Portugal. Lisboa. 1 (1969) 233-255.
42 Esta publicação passou, mais tarde, a designar-se Cadernos de Biblioteconomia, Arquivística e

Documentação, título que ainda hoje mantém, sendo abreviadamente referida como “Cadernos BAD”.

236

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


de renovação que se prolongou por muitos anos43 e que, sem dúvida, contribuiu para
a promulgação do Decreto-Lei n.º 46.350, de 22 de Maio de 1965, que reformou o
sector bibliotecário e arquivístico do Estado.
Este diploma explicita, claramente, no seu preâmbulo, as motivações que estiveram
na origem da sua aprovação, nomeadamente a actualização que urgia empreender,
visto que o regime legal em vigor tinha já mais de três décadas. Reconhece-se,
inequivocamente, o estado de atraso que as bibliotecas e os arquivos conheciam, bem
como as deficiências na sua organização e funcionamento, dizendo-se: “… os nossos
serviços bibliotecários e arquivísticos estão muito longe de cumprir a sua missão.
Núcleos importantes do nosso património documental se encontram espalhados
por todo o País sem que se lhes dispensem os mais elementares cuidados de guarda
e conservação. Por outro lado, os nossos estabelecimentos continuam a ter os seus
fundos incompleta e defeituosamente inventariados e catalogados, quando não estão
convertidos em simples armazéns de papéis e livros sobre que não se exerceu ainda o
mais leve trabalho de reconhecimento”44.
Para tornar mais eficaz a política que se delineava para o sector, foi decidido alterar
a subordinação orgânica dos serviços até então dependentes da Inspecção das Bibliotecas
e Arquivos – considerada neste diploma como “um organismo simultâneamente
burocrático e técnico” –, passando-os para a dependência directa da Direcção-Geral
do Ensino Superior e das Belas-Artes, ou seja, extinguindo a figura da Inspecção como
organismo coordenador das bibliotecas e arquivos e de toda a política nesta área 45. O
legislador assume peremptoriamente a necessidade de alterar a situação vigente: “Tem
de modificar-se este regime, que oferece os mais sérios inconvenientes. Por um lado,
absorvendo com exigências puramente administrativas grande parte do esforço do
pessoal, leva a sacrificar as mais importantes formas de actividade técnica. Por outro,
reduzindo frequentemente a Inspecção no domínio burocrático ao papel de mera
estância de transmissão, de simples ponte de passagem entre os estabelecimentos e a
Direcção-Geral, conduz a inútil duplicação de formalidades e a consequente demora
na resolução dos assuntos”46.
Assim, a reforma de 1965 pôs fim a um ciclo em que a Inspecção das Bibliotecas
e Arquivos tinha um papel decisivo em tudo quanto a estes organismos dizia respeito.
O dinamismo que caracterizara a sua actividade até meados da década de trinta e no
período da tutela de António Ferrão contrastou com os últimos anos da sua vigência,
pautados pela inoperância e imobilismo que acabaram por conduzir à sua extinção.

43 Sobre a actividade dos profissionais nesta época, ver: REAL, Manuel Luís – Gestão do património

arquivístico nacional. In: CONGRESSO NACIONAL DE BIBLIOTECÁRIOS, ARQUIVISTAS E


DOCUMENTALISTAS, 2.º, Coimbra, 1987 – A Integração europeia : um desafio à informação : actas.
Coimbra : Livraria Minerva, 1987. p. 207-246.
44 Organização dos serviços das bibliotecas e arquivos (ob. cit.) p. 234.
45 A Direcção-Geral passava a exercer “todas as atribuições, faculdades e poderes conferidos pela legislação
anterior à Inspecção Superior das Bibliotecas e Arquivos que não tenham passado para outro órgão ou
serviço” (cf.: Organização dos serviços das bibliotecas e arquivos (ob. cit.) p. 244).
46 Organização dos serviços das bibliotecas e arquivos (ob. cit.) p. 235.

237

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


Clara Isabel Serrano

O Estado Novo:
(Re)visitando os Manuais de História portugueses

1.1. Catalogação e Análise Quantitativa dos Manuais

O estudo efectuado abrangeu as disciplinas de História e Geografia de Portugal


do sexto ano (segundo ciclo do ensino básico) e de História do nono ano (terceiro ciclo
do ensino básico) e do décimo segundo ano de escolaridade (ensino secundário),
tendo sido analisados os manuais de cinco editoras. As editoras foram seleccionadas
com base nos seguintes critérios:
–A  s que apresentam uma política editorial da qual resulta a edição de colecções
o mais completas possíveis de manuais e guiões;
– As que se revestem de forte representatividade no mercado para os níveis escolares
em consideração.

Os materiais para uso dos alunos foram abrangidos na sua totalidade pela designação
de “manuais”.
Nos materiais para uso dos professores constatámos uma diversidade de concepções
que podem consubstanciar-se em dois modelos distintos:
a) U
 m modelo corresponde a materiais que, embora tenham em conta o programa
da disciplina, são independentes dos manuais existentes, quer a nível de
organização dos conteúdos, quer a nível das metodologias, sendo mesmo de
autores diferentes. São livros essencialmente concebidos como instrumentos de
auto-formação do professor;
b) O outro modelo abrange materiais que acompanham de perto determinado
manual do aluno, ilustrando estratégias a seguir, sugerindo pistas complementares
ou alternativas.

Os manuais escolares portugueses, bem como os currículos nacionais1, apontam para


uma perspectiva de História Universal e Europeia centrada na História de Portugal e,
neste caso, há duas formas de apresentar as matérias: tratar algumas estruturas globais

1 Vide Currículo Nacional do Ensino Básico. Competências Essenciais, Lisboa, Ministério da Educação,

Departamento da Educação Básica, 2001, p. 102.

239

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


a partir da História Nacional ou tratar as conjunturas europeias, onde se insere a
análise do caso português, que se destaca pela sua especificidade2 (e mostram uma
Europa constituída por nações que se desenvolvem num mundo político, económico
e cultural diversificado, embora com traços comuns)3. Ou seja, a dimensão europeia
é introduzida de forma a esclarecer a História Nacional e/ou mostrar o contributo
(decisivo) que um ou vários países deu ou deram à História da Europa.
O estudo do Estado Novo encontra-se incluído no programa oficial da disciplina
de História e Geografia de Portugal do sexto ano, no tema “O Século XX”, no segundo
subtema “O Estado Novo”4. No programa do nono ano de escolaridade está inserido
no tema dez “Da Grande Depressão à Segunda Guerra Mundial”, no segundo subtema
“Entre a Ditadura e a Democracia”, na rubrica “Portugal: a ditadura salazarista” e
no tema onze “Do Segundo Após-Guerra aos Anos Oitenta”, no terceiro subtema
“Portugal: do autoritarismo à democracia”5. No programa do décimo segundo ano6
está inserido no módulo oito “Portugal e o Mundo da Segunda Guerra Mundial ao
Início da Década de 80 – Opções Internas e Contexto Internacional”, no segundo
tema “Portugal do autoritarismo à democracia”7.
Com as sucessivas reformas curriculares introduzidas regista-se uma visível diminuição
do tempo e do espaço dedicados ao estudo da História, em geral e, ao Estado Novo,
em particular8. Para formarmos uma ideia muito clara do assunto bastará dizer que,
das duzentas e quarenta páginas que em média os manuais portugueses do nono ano
de escolaridade têm, apenas trinta e cinco páginas, ou seja, 14,5% do manual, são
dedicadas ao Estado Novo. Ademais, podemos constatar que nestas proliferam as
ilustrações e as actividades.
Nos manuais portugueses pode-se ainda verificar um processo evolutivo muito
claro no que toca à correlação entre os textos propostos pelos autores, os documentos
históricos incorporados e as actividades propostas aos alunos. A evolução consiste numa

2 Ana Henggler, “O Ensino da História de Portugal: Um Estudo Comparativo (1936, 2000)”

in Ensino da História, Lisboa, III série, n.º 18, Associação de Professores de História/A: P: H:, Outubro
de 2000, p. 63.
3 António Simões Rodrigues, “Um manual de História da Europa. A construção de uma utopia?” in:

Estudos do Século XX, Europa-Utopia/Europa-Realidade, n.º 2, CEIS 20, coord. de Maria Manuela Tavares
Ribeiro, Coimbra, Quarteto Editora, 2002, p. 216.
4Vide Fátima Costa, António Marques, História e Geografia de Portugal 6.º ano, Porto, Porto Editora,
2005, p. 3.
5 Vide Programa História, Plano de Organização de Ensino-Aprendizagem, Ensino Básico, 3.º Ciclo,

volume II, 3.ª edição, Lisboa, DGEBS/INCM, 1994, pp. 71 – 72 e 77.


6 O programa de História A do décimo segundo ano de escolaridade entrou em vigor no ano lectivo

de 2005/2006, no quadro do Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto, que estabelece os princípios gerais
da estruturação curricular dos ensinos básico e secundário, estando apenas em vigor os aspectos respeitantes
ao ensino secundário, e em turmas residuais.
7 Vide Clarisse Mendes (coord. de), Cristina Silveira, Margarida Brum, Programa de História A. 10.º,

11.º e 12.º Anos. Curso Científico – Humanístico de Ciências Sociais e Humanas. Formação Específica, Lisboa,
Ministério da Educação/Departamento do Ensino Secundário, 2002, pp. 53 – 55.
8 A diminuição da carga horária é visível na mudança de cento e oitenta minutos para os actuais cento

e trinta e cinco ou até mesmo noventa minutos semanais que a disciplina de História tem no segundo e
no terceiro ciclos do ensino básico.

240

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


presença cada vez mais reduzida do texto em benefício das imagens, da transcrição de
documentos e da multiplicação de actividades.
Estas transformações no conteúdo e na forma dos manuais devem-se a uma pressão
cada vez maior dos currículos oficiais, que conferem ao professor e ao manual o papel
de guia na aprendizagem activa dos alunos. Esta tendência conduz, em alguns casos,
a uma certa forma de “activismo pedagógico” de duvidosa coerência com os preceitos
curriculares oficiais, explicitamente comprometidos com a interiorização progressiva
de um ethos científico-investigador por parte dos estudantes do terceiro ciclo do
ensino básico e do ensino secundário. Por outras palavras, o tornar os manuais mais
apelativos através da proliferação de imagens ou menos fastidiosos para as turmas
devido à abundância de actividades heterogéneas, não contribui necessariamente
para o desenvolvimento do “espírito científico”. Em certas ocasiões, há que dizê-lo,
as actividades propostas pelos manuais e desenvolvidas nas aulas parecem ter mais de
lúdico do que de didáctico.

1.2. O Estado Novo nos Manuais de História

Com a inclusão deste tema nos manuais, pretende-se que os discentes:


– c onheçam “as condições de institucionalização do “Estado Novo” em Portugal,
destacando o papel de Salazar nesse processo”9;
– c aracterizem o “Estado Novo” nas suas dimensões repressiva, conservadora,
corporativa e colonial”10;
– “expliquem as condições que conduziram nos anos 50 e 60 à aplicação de medidas
de fomento industrial e à abertura aos capitais estrangeiros”11;
– “relacionem a estagnação da agricultura com a afluência de população aos grandes
centros urbanos e com a fortíssima emigração”12;
– “compreendam as razões da oposição interna ao regime e conheçam figuras e
factos relacionados com essa oposição”13;
– “expliquem a eclosão, em Angola, em Moçambique e na Guiné, de movimentos
armados a favor da independência, reconhecendo os pesados custos humanos e
materiais da guerra colonial”14;
– “identifiquem o marcelismo como uma tentativa de democratização do regime,
feita a partir do seu interior e tornada impossível pelas contradições dos grupos
de apoio a esse regime”15;

9 Programa História, Plano de Organização de Ensino-Aprendizagem, Ensino Básico, 3.º Ciclo, volume

II, 3.ª edição, Lisboa, DGEBS/INCM, 1994, p. 71.


10 Idem, ibidem.
11 Idem, ibidem.
12 Idem, ibidem.
13 Idem, ibidem.
14 Idem, ibidem.
15 Idem, ibidem.

241

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


quase sempre restringidos ao período posterior ao final da Segunda Guerra Mundial3.
A grande maioria utiliza como fontes a documentação provinda dos meios de repressão,
nomeadamente a PVDE e a PIDE, os depoimentos dos sobreviventes, ou ainda, os
documentos cedidos por grupos ou partidos, para além de impressos e publicações
periódicas. Em todos os casos, como ocorre com a maior parte das fontes utilizadas
pelos historiadores, estes materiais envolvem problemas de interpretação, alguns mais
complexos do que outros, tanto mais se forem disponíveis para o historiador.
No primeiro caso apontado, a documentação proveniente dos relatórios dos agentes
de repressão podem conter verdadeiras armadilhas para o historiador: esses agentes ou
os informadores em que se apoiam condicionados pela necessidade de manutenção
do ideal da “conspiração”, elaboram os seus relatos dentro dos parâmetros do próprio
discurso oficial acerca do comportamento dos seus “inimigos”. Mais do que fonte de
informações, estes relatórios traduzem a imagem que o regime “constrói” a respeito
dos seus opositores, na qual a realidade é enquadrada de acordo com a necessidade do
informante de reproduzir o sistema. Assim sendo, a hipérbole e a simples menção a
boatos, muitos deles criados pelos próprios informantes, podem induzir leituras equívocas
por parte do investigador4.
De igual forma, a memória pessoal dos militantes está condicionada pelo discurso
oficial da “história do partido”, o que contribui para a “reelaboração” constante da memória
histórica da oposição. À medida que um elemento ou determinado episódio ganham vulto
no contexto partidário cresce a sua importância na memória “militante”. A memória
individual passa a aceitar como realidade vivida os dados que lhe são apresentados pela
história “oficial” ou oficiosa, seleccionando acontecimentos, incorporando como experiência
própria as versões que lhe são apresentadas a posteriori5. Pacheco Pereira atesta este processo
quando trata da actuação de Álvaro Cunhal nos seus primeiros anos no PCP:
“A viagem de Álvaro Cunhal a Espanha tornou-se, com o tempo, num acontecimento
envolto em mistério, sobre o qual o próprio Cunhal e o PCP foram dando versões
contraditórias. No entanto, se analisarmos os testemunhos e os documentos acessíveis,
o que aparece é uma ‘construção’ dos objectivos da viagem que muda, com o tempo, à
medida que a importância de Cunhal no PCP vai aumentando e a sua biografia se vai
fazendo e refazendo.6”

3 A grande referência para os estudos da oposição continua a ser o livro de Raby, Dawn Linda. A

Resistência Antifascista em Portugal. 1941-1974. Lisboa, Salamandra, 1988. Sobre o movimento socialista
e a sua constituição como partido no exílio temos Martins, Susana. Socialistas na Oposição ao Estado Novo.
Lisboa, Casa das Letras, 2005.
4 Sobre o tema, ver, entre outros: Paulo, Heloisa. “A imagem Oficial: os Budas e a espionagem
salazarista”, comunicação apresentada no Congresso Internacional “Intolerância em tempos de fascismo”,
de 20 a  22 de Novembro de 2006, promovido pela Universidade de São Paulo, Ceis 20 e Universidade de
Bologna, Universidade de São Paulo, Brasil (Actas no prelo).
5 A memória pessoal é selectiva e passível de reelaboração à medida que novos dados da história

colectiva são incorporados como “verdades” oficiais ou oficiosas. Sobre a temática ver, entre outros, Fentress,
James e Wickham, Chris. Memória Social. Novas perspectivas sobre o passado, Lisboa, Teorema, 1994.
6 Pereira, José Pacheco. Álvaro Cunhal. Uma biografia política. “Daniel”, o Jovem Revolucionário

(1913-1941). Lisboa. Temas e Debates, 1999, p. 190.

378

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


Este processo é comum a todos os grupos de opositores, não se limitando aos
partidários. Assim sendo, cada sector da oposição “elabora” a sua própria memória,
edificando uma imagem positiva da actuação dos seus membros. O texto em epigrafe
é um dos exemplos deste tipo de elaboração, no qual um participante da resistência
republicana em Espanha, ele próprio um dos dissidentes do Plano Lusitânia, solicita
ao filho do Comandante Jaime de Morais que omita as discordâncias e cissões entre
militantes quanto ao rumo da operação militar, de forma a manter uma imagem de
consenso entre os participantes7.
Desta forma, cada grupo afirma-se deetentor da veracidade dos factos, apresentando
os testemunhos como “provas” incontestáveis de uma história que pretende ser a
única versão possível do combate contra o salazarismo. Esta lógica está presente na
apresentação feita por Oliveira Pio ao livro de Mário Mendez da Fonseca, um dos
principais líderes da oposição emigrada na Venezuela:
“[…]En ellos se reproducen documentos, se narran hechos, se denuncian crimenes,
que constituirán elementos decisivos en el proceso contra el salazarismo, el dia en que
éste fuera llamado a la barra del grande tribunal de la Historia. Adémas la lucidez
de sus conceptos, la claridad de sus observaciones, el detalle con que nos presenta
los acontecimentos que mejor caracterizan o definen el sistema salazarista, serán de
enorme valia para quienes, en el futuro, pretendan efectuar un estúdio sério, imparcial
y verdadero de aquel régimen nefasto e inhumano”8

No que respeita à documentação oriunda das instituições partidárias, os panfletos,


jornais etc…, ou seja, o material de propaganda dirigido ao público constitui a fonte
privilegiada das investigações. Tal decorre do facto de que os documentos internos dos
partidos, tais como relatórios, actas e demais documentação, na sua grande maioria,
estarem fora do alcance do investigador. Em alguns casos, como a documentação
respeitante ao Movimento Nacional Independente, vinculado aos apoiantes de Humberto
Delgado no Brasil, é o próprio local em que se encontram depositados que não garante
a manutenção e o fácil acesso aos documentos9. Em resumo, o controlo do acesso à
documentação produzida pelos partidos condiciona as análises e a memória da oposição,
limitando-as ao recorte definido pelas directrizes partidárias: é o caso, por exemplo,
do PCP, que ainda mantém os seus arquivos fechados aos historiadores.
A “história” presente nestes três tipos de documentos é, portanto, repleta de
contradições, oscilando e divergindo de acordo com a fonte escolhida, quer seja a
das forças da repressão, quer a das diversas versões dentro da própria oposição. Não

7 Mário Fernandes participa do Plano Lusitânia e, segundo o relato de Jaime de Morais em carta para
Moura Pinto, ele é um dos que se nega a prosseguir com o planeado após o incidente envolvendo Pedro
Rocha, também mencionado no texto, e a morte de um anarquista no Campo de Centelhas onde estavam
acantonados. Ver carta de Mário Fernandes endereçada a Óscar de Morais, datada do Porto de 5 de Janeiro
de 1984, duas folhas dactilografada. Arquivo da Família.
8 Prefácio de Oliveira Pio ao livro de Mario Mendez Fonseca. 42 años de “Estado Novo”. Pátria sin

Hombres y Hombres sin Pátria.Caracas. Ediciones do Movimiento Democrático de Liberacion de Portugal


y sus Colonias. 1969, p. 13.
9 O material encontra-se no Museu da República e da Resistência, tendo permanecido durante mais

de duas décadas em uma caixa de ferro, a mesma que serviu de transporte da documentação do Brasil
para Portugal.

379

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


sendo os opositores um grupo uniforme, dificilmente as interpretações das acções
empreendidas possuem a mesma leitura, variando conforme as versões oficiosas de
cada um dos grupos envolvidos. A busca de protagonismo é uma tónica presente em
todos os discursos, quer de opositores, quer de repressores. A justificação do fracasso é
sempre atribuída ao inimigo, salvo algumas excepções, como nos casos dos republicanos
que participam dos primeiros movimentos de contestação ao regime ditatorial. Na
grande parte das vezes, prevalece a noção de que a oposição, qualquer que fosse a sua
directriz ideológica, sempre esteve a um passo da vitória; os fracassos são imputados,
invariavelmente, à repressão exercida pelo regime sobre os seus opositores. Este
argumento é recorrente na maioria dos relatos dos combatentes do regime, estando
presente directa ou indirectamente nas fontes referenciadas.
Uma das grandes lacunas nesta “história da oposição” diz respeito aos exilados
políticos e às suas actividades fora do país, que, ainda não possuem um estudo
sistemático, malgrado a existência de trabalhos como o de Cristina Clímaco 10, ou
ainda, obras de cunho mais sociológico, como o trabalho de Douglas Mansur da
Silva sobre o Portugal Democrático, jornal de uma parcela da oposição portuguesa em
São Paulo, Brasil11. Contribuindo para este “branco” na historiografia, está a falta de
“memória histórica” acerca de alguns dos mais combativos opositores do regime, que,
ao morrerem fora de Portugal ou/e antes do 25 de Abril, foram alijados da imensa
lista de memórias individuais e, aparentemente, fadados ao esquecimento a que foram
relegados pelo salazarismo. Nomes como o de Jaime de Morais, Moura Pinto, Abílio
Águas, Oliveira Pio e tantos outros cujos escritos e anotações autobiográficas poderiam
acrescentar mais uma possibilidade de leitura acerca dos opositores e da sua postura
frente aos diversos segmentos da oposição e ao regime.

2. A
 Oposição republicana e a sua história: novas versões acerca dos movimentos
oposicionistas republicanos.

“Permita-se a uma relíquia da velha guarda tentar a defesa da sua dama.” 12

Para os movimentos oposicionistas ao governo da Ditadura Militar, a historiografia


contemporânea, fora os trabalhos já clássicos de Oliveira Marques13, conta com
investigações temáticas, como a Revolta de Fevereiro de 1927, sublinhada pelo trabalho
de Luís Farinha, ou as revoltas da Madeira e dos Açores, tema da publicação de Célia

10 Ana Cristina Clímaco, L’Exil politique portugais en France et en Espagne, 1927-1940. Dissertação

de doutoramento em Sociedades Ocidentais, apresentada à Universidade de Paris 7 (Denis Diderot),


(Paris: 1998).
11Silva, Douglas Mansur. A Oposição ao Estado Novo no Exílio Brasileiro 1956-1974. Lisboa, Imprensa
de Ciências Sociais, 2006.
12 Morais, Jaime. “Rabugices da Velhice”. Notas autobiográficas. Manuscrito dactilografado. p. 1.

Arquivo Jaime de Morais. Fundação Mário Soares.


13 Ver, entre outros, Marques, A.H. de Oliveira. A unidade da Oposição à Ditadura (1928-1931), Lisboa,

Europa-América, 1973; ou, Marques, A. H. Oliveira. A Liga de Paris e a ditadura militar (1927/1928),
Lisboa, Europa-América, 1976.

380

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


Reis 14. De uma forma geral, a oposição é considerada como uma força expressiva
de resistência ao regime, tomando como referência a actuação organizada de alguns
sectores ou partidos em momentos específicos: as revoltas contra a ditadura ou a acção
conjunta da oposição nos processos eleitorais, cujo exemplo mais paradigmático é o
de 195815.
Ao contrário da produção memorialista da oposição mais recente sobre a sua
própria acção, os movimentos do chamado “reviralho” possuem poucos relatos na
primeira pessoa. Neste núcleo de memórias, o movimento de 1927, descrito como
a primeira tentativa real de afrontamento à ditadura, ganha realce, nomeadamente
no relato de Sarmento Pimentel ou nas notas biográficas de Jaime de Morais16. Em
todos os casos, e, em especial, no relato “historiográfico” oficioso dos republicanos,
realizado por um dos participantes do levantamento – Raul Rêgo, e a sua História da
República –, o balanço das razões do fracasso do movimento reflecte os diversos níveis
de desarticulação dos opositores. Entre os factores apontados, são destacadas a falta
de sincronia dos apoiantes e as divergências políticas dos republicanos, que marcam
a trajectória de combates da oposição reviralhista:
“Eu tinha cometido um erro imperdoável, donde ai resultar o nosso desastre. Não
trouxe de Lisboa um grupo dos meus brilhantes oficiais de ligação. Se a meu lado
estivessem no Porto, e se tivessem percorrido outras cidades do Norte e do Centro, o
fracasso que nelas se deu ter-se-ia evitado.”17

“Havia que acabar com a ditadura, pensavam até os mais moderados liberais, mas
os políticos da República não se entendiam […]
Após infrutíferas, penosas, irritantes démarches políticas, resolveram os conspiradores
ir para a revolução sem qualquer apoio partidário. […]”18
“A Revolução estala em 3 de Fevereiro, no Porto. Não apanhou o Governo de
surpresa, já que os ares andavam turvos, mesmo na calma com que decorrera a visita de
Carmona ao Porto. O Governo estivera reunido, durante toda a noite de 2 para 3, no
Quartel de Artilharia 3. Esperava-se a revolta simultânea, em Lisboa e Porto. Mas não.
Daí o desastre. Não sai igualmente com toda a força de que dispunha ou que estava
comprometida. A organização poderia e deveria ter ido mais longe, arrostando com as
dificuldades dos ronceiros; mas o optimismo, contando com adesões que não vieram e
outras que demoraram, foi fatal.”19

14 Ver, Reis, Célia. A Revolta da Madeira e Açores (1931). Lisboa, Livros Horizonte,1990; Farinha,

Luís. O reviralho : revoltas republicanas contra a ditadura e o Estado Novo: 1926-1940. Publicação/Produção
Lisboa: Estampa, 1998.
15 Ver, entre outros. Delgado, Iva; Pacheco, Carlos; Faria, Telmo (coord.). Humberto delgado, as
eleições de 1958, Lisboa, Vega, 1998.
16 Ver, Pimentel, J. Sarmento. Memórias do Capitão. Porto, Editorial Inova, 1974 e as notas biográficas

de Jaime de Morais no seu arquivo pessoal depositado na Fundação Mário Soares.


17 Morais, Jaime. “O 3 de Fevereiro de 1927”. Notas autobiográficas. Manuscrito dactilografado.

p. XXII. Arquivo Jaime de Morais. Fundação Mário Soares.


18 Pimentel, J. Sarmento. Memórias do Capitão. Porto, Editorial Inova, 1974, p. 206.
19 Rego, Raul. P História da República. Volume V. Lisboa, Círculo dos Leitores, 1987, p. 84.

381

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


[…]Recorda-se o J.C., que, do nosso Comité Político inicial, onde JC representava
a Seara Nova, chamada a primeiro plano das formações políticas; onde Tamagnini e
Feliciano da Costa representavam os nacionalistas; onde António Maria e David Rodrigues
representavam os democráticos; onde o cabeludo Lopes de Oliveira falava pelos radicais,
e eu, pela legião de conjurados militares autónomos?
E não é verdade que, em face da recusa formal que democráticos (e mesmo
nacionalistas?) fizeram de aceitar um delegado de Esquerda, Eu os forcei (contra
o desejo deles e mesmo contra a resistência dos próprios interessados, que nunca
compreenderam a nossa leal atitude) a aceitarem-me, também, como representante da
Esquerda Democrática?
E não é certo que, arrostando contra tudo e quase todos acabei por impor a
representação esquerdista em todos os comités regionais e mesmo impus um ministro
deste Partido, no Ministério que sairia do 3 de Fevereiro, no caso o Pina de Moraes,
na pasta do Comércio, o que tão pouco serviu, não digo para ser agradecido, mas
mesmo hostilizado e mais que isso, pelo próprio Pina de Moraes, que nunca acabou
por compreender o que se passava e passou?
[…]
E lembrar-se-á ainda das ridículas instruções que Afonso nos mandava de paris,
procurando impor nomes que nem o Diabo conseguiria fazer vingar, e opondo vetos
de que os nossos colegas se riam a gargalhadas?20

Assim sendo, os depoimentos dos republicanos constatam a divisão interna dos


opositores do chamado “reviralho”, atestando uma “continuidade” do clima de
instabilidade política dos últimos anos da antiga República. A admissão das dissidências
leva à descrição do próprio golpe militar de 1926 como consequência directa da cisão
existente no seio do próprio republicanismo. A “Revolução de Maio” seria o fruto
de uma escolha mal sucedida, realizada por sectores republicanos, que, no primeiro
momento, esperavam o fim das querelas políticas e do caciquismo político da I.ª
República:
“No dia e hora marcados, a procissão saiu para rua. Quem especialmente quiser ver
a verdade, facilmente reconhece que, nesse dia e hora, apenas se manifestaram unidades
comandadas por oficiais republicanos […]
O meu vaticínio resultou certo o 28 de Maio ia ser feito por republicanos
exclusivamente […]
Uma coisa, porém, jamais compreendi: a integral inércia do governo presidido por
António Maria dos Santos, considerado como o às da preparação de revoluções e bem
assim da sua inutilização. Nenhuma resistência parte do governo. Mais ainda faz-se
resistência as resistências que surgem espontaneamente.”21

20 Morais, Jaime. Documento solto dactilografado, possível resposta ao pedido de apoio a carta de

protesto de Henrique Galvão. p. 3. Arquivo Jaime de Morais. Fundação Mário Soares.


21 Morais, Jaime. “O 28 de Maio”. Notas autobiográficas. Manuscrito dactilografado. p. 2. Arquivo

Jaime de Morais. Fundação Mário Soares.

382

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


“A Revolução triunfara em Lisboa com a nomeação de Cabeçadas para a chefia de
governo, sem dispara um tiro. Não se compreende como, se em Braga, a 29 à noite,
ainda Gomes da Costa está disposto a render-se”.22

A falta de consenso entre os republicanos e a incoerência entre o ideal e a prática


política, subentendida nas actuações dos últimos governos anteriores ao 28 de Maio,
persistem na análise dos membros da oposição republicana e nas suas tomadas de
decisão:
“Não julgue que entre nós, republicanos, havia uma total fraternidade de pensamento
e de acção. […]
No nosso clan havia indiscutíveis e indiscutidas vedettes, como hoje se diz. Sem
dúvida alguma que Afonso Costa, António José de Almeida, Bernardino Machado,
Alexandre Braga. Teófilo Braga, M. de Arriaga, Brito Camacho, eram as personalidades
mais destacadas, mais conhecidas do povo e que nos nossos admiráveis comícios eram
os verdadeiros ídolos.
Note-se, porém, que se no plano da propaganda eram indiscutíveis, no da organização
talvez deixassem muito a desejar.”23

Em 1928, uma nova tentativa revolucionária fracassa. A análise das razões do


insucesso retoma as questões anteriores, e, mais uma vez, é realçada a necessidade
de uma articulação maior entre os revoltosos perante o endurecimento das forças
governamentais:
“O desastre de Julho de 1928 fora irreparável. Nele perdermos preciosos elementos,
mas o pior foi que se tinha perdido a fé e a confiança. Dificilmente encontraríamos
oficiais que se comprometessem seriamente. A posição do governo era militarmente cada
vez mais forte. A supremacia que tínhamos até Maio deste ano desaparecera. Éramos
de opinião que uma revolução na base da sublevação de unidades regulares em número
suficiente já não era viável”24

A solução apontada para o dilema dos revolucionários é construída a partir


destes argumentos. A falta de envolvimento dos oficiais e dos soldados demitidos e
“obrigatoriamente na reserva” e a inexistência de material bélico suficiente para os
armar passam a ser elementos chaves para explicar o fracasso dos movimentos de 1927
e 1928. A necessidade de mobilizar todos os elementos aquartelados e a angariação de
fundos para a compra de armamento25, são medidas a ser tomadas a partir de então:
“[…]como não pretendíamos desmoralizar as Forças Armadas da Nação, as forças
atacantes seriam exclusivamente constituídas por militares: oficiais, sargentos, cabos e
soldados, fossem do activo, da reserva, reformados ou demitidos. […] friso este pormenor

22 Rego, Raul. P História da República. Volume V. Lisboa, Círculo dos Leitores, 1987, p.18.
23 Carta de Jaime de Morais a Sarmento Pimentel, rascunho, sem data.
24Morais, Jaime. “Últimas fantasias”. Notas autobiográficas. Manuscrito dactilografado, p. 3.ª Arquivo
Jaime de Morais. Fundação Mário Soares.
25 Segundo Jaime de Morais, “os republicanos eram, por definição, pobres de pedir”Morais, Jaime.

“Últimas fantasias”. Notas autobiográficas. Manuscrito dactilografado, p. 4.ª Arquivo Jaime de Morais.
Fundação Mário Soares.

383

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


pois a sua não compreensão ia ser, em breve, a causa de um desastre que nunca teve
solução e que nos arrastou implacavelmente a catástrofe.”26

No entanto, o grande problema entre os opositores republicanos, sempre apontado


pelas memorialistas, é o da divisão interna. A mais célebre é a que demarca o grupo
de Ribeiro de Carvalho e o do grupo dos “Budas”, composto por Jaime de Morais,
Moura Pinto e Jaime Cortesão. A falta de articulação dos revoltosos é o grande tema
das divergências. Sarmento Pimentel, a propósito das revoltas de 3 de Fevereiro e
1931, esboça a cisão que demarcara os dois grupos de opositores:
“Quando, passada mais de uma hora, despertei para a triste realidade de foragido
da justiça totalitária […] as perguntas vinham de toda gente:
–  Lisboa, por que não saiu?
E
– E o Aires de Abreu e a artilharia de Viana porque não aderiram?
– Onde está a coluna do Major Varão?
– E os seus companheiros e amigos – o José Mascarenhas, Ribeiro de Carvalho,
Francisco Aragão, Capitão Batista das Metralhadoras, o Cunha Leal, o Pires
Monteiro, o Hélder Ribeiro e tantos outros republicanos?
– Não sei, não compreendo, não posso explicar. A política partidária meteu-se no
meio, e aqueles que não vieram contra nós, ficaram neutros. Talvez ainda venham
a arrepender-se, mas já será tarde.”27

Nas considerações acerca do movimento de 1931, em Lisboa, liderado por Sarmento


de Beires e Utra Machado, a cisão e falta de coordenação entre os republicanos torna
a ser uma constante. Nos relatos de Sarmento Pimentel, que, na Galiza, espera as
ordens de Ribeiro de Carvalho para iniciar a revolta, e de Horta Catarino, que assiste
à revolta em Lisboa, a falta de coordenação entre os sectores da oposição republicana
é denominador comum mais destacado:
“Não fôramos prevenidos nem convidados para participar daquela revolução, feita,
evidentemente, porque quem queria antecipar-se e sobrepor-se à organização de um
movimento nacional para o qual estava comprometida a maioria do Exército e da
Marinha. Soubemos depois que o comandante Sarmento de Beires e o coronel Utra
Machado resolveram, descontentes com os adiamentos ordenados pelo coronel Ribeiro
de Carvalho, “por a procissão na rua” por sua conta e risco, invocando aos mais ardidos
e inquietos oficiais a falta de decisão daquele oficial. Esse pretexto e as rivalidades entre
os republicanos, divididos, afinal, em dois grupos que se digladiavam, consolidou a
ditadura por estes 40 anos.”28

“No próprio dia 26 de Agosto era eu cabo da guarda na Amadora e tinha conhecimento
de os sargentos da unidade se encontrarem comprometidos a apoiar o Movimento,

26 Morais, Jaime. “Últimas fantasias”. Notas autobiográficas. Manuscrito dactilografado, p. 5.ª Arquivo

Jaime de Morais. Fundação Mário Soares.


27 Pimentel, João Sarmento. Ob. cit., p. 218. O único nome que participa e apoia o movimento de

Fevereiro e, por desconhecimento da sua prisão, é incorrectamente citado por Sarmento Pimentel é o de
Helder Ribeiro.
28 Pimentel, João Sarmento. Ob. cit., p. 342.

384

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


aguardando apenas a chegada do tenente-coronel Sarmento de Beires para os comandar.
Infelizmente, os sargentos reunidos secretamente na casa do primeiro-sargento Abrantes,
contígua ao quartel, nada puderam fazer por erro de ligação e comunicações entre os
conspiradores. Já de madrugada chegou-lhes uma informação errada de que o Movimento
fora adiado e afinal ao amanhecer uma parte das unidades comprometidas arrancou,
desencadeando a luta, por não terem sido informadas a tempo de tal movimento.”29
“Se o Governo houvesse encomendado zaragata quarteleira para depois fazer a
limpeza geral e definitiva, não teria êxito mais completo. […]
Não vale a pena dizer que quando os carros sedeados em Mafra avançaram sobre
Lisboa, já a revolução estava perdida pelos republicanos que ali foram comprometidos
pela ambição, indisciplina, inconsciência dos líderes cheios de complexos, invejas e
incompetência para destruir a máquina poderosa do Estado Novo”30

Outro aspecto destacado é a visão que os diferentes sectores da oposição republicana


possuem com relação à participação popular nos movimentos revolucionários. Defendida
por Ribeiro de Carvalho, é aceite pelo grupo dos Budas, desde que visasse “fins
democráticos”31. O grande problema é a incerteza quanto ao rumo político originado
por um movimento revolucionário “popular”:
Os Budas pretendiam fazer uma revolução leal e sincera por cima e evitar, com ela
, uma revolução caótica e possivelmente destruidora por baixo.
Pensariam assim ainda por um novo motivo: talvez pensassem que o nosso povo
estava muito alquebrado, que dava indícios de reacções defeituosamente coordenadas,
que sofrera demasiadamente, que vivia numa miséria excessiva para temerem que um
sobressalto mais brusco e mais profundo, em vez de lhe provocar a salvação redundasse
na sua morte.”32

No entanto, numa análise mais global e posterior, o fracasso dos movimentos


revolucionários é atribuído, por fim, à própria falência dos princípios democráticos
na velha Europa. O ideal republicano seria vítima das mudanças ocorridas no cenário
político internacional, marcado desde a década de vinte pelo aparecimento de regimes
autoritários. A incapacidade dos regimes democráticos de apresentar soluções para os
problemas económicos e sociais surgidos no final da Primeira Grande Guerra seria o
grande motivo para a sua própria decadência:
“Porque fracassou a democracia do nosso tempo? Porque foi parlamentar e liberal?
Estávamos certos de que não. O seu erro consistira em que, sendo evidente a ânsia
de reformas sociais nas massas não interveio no terreno económico por forma a
criar a possibilidade dessas reformas e gerando com a sua ausência a possibilidade, a
inevitabilidade de revoluções sociais.”

29 Catarino, Horta. Falando do Reviralho. Lisboa, Ed. Do Autor, 1977, p. 20.


30 Pimentel, João Sarmento. Ob. cit., p. 342.
31Morais, Jaime. “O 3 de Fevereiro”. Manuscrito dactilografado. Sem paginação. Arquivo Jaime de
Morais. Fundação Mário Soares.
32 Morais, J. “O pensamento político dos Budas”, Nota Manuscrita, p. I. Arquivo Jaime de Morais.

Fundação Mário Soares.

385

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


Na verdade, o que temos nestas argumentações é a convicção de que só um
levantamento bem coordenado de determinados sectores militares seria suficiente para
garantir o retorno à ordem constitucional, atendendo à efectiva implantação do, já
nos anos trinta, do Estado Novo:
“Este nome de Reviralho, popularizara-se, talvez, com intuitos depreciativos para
designar aqueles que combatiam pela Restauração da República Democrática Portuguesa,
fazendo com que eu próprio me considerasse um reviralhista, tal como o Capitão Vilhena
e muitos outros persistentes nessa luta.
Nas prisões onde os Comunistas passaram a estar sempre em maioria, cantava-se até
uma cantiga “O amanhã” para deprimir os que se mantinham animados da esperança
de virem a conseguir o Reviralho, recusando-se a enfileirar-se, como eu, nas hostes
Marxistas e na sua tese de movimento de massas para conseguir a Revolução, tese que
eu sabia impossível de realizar contra um governo em Ditadura.
Não há massas populares que possam resistir ao fogo das armas modernas. A deposição
do Salazar, tal como a de qualquer outro ditador, só podia ser derrubada de golpe e de
surpresa, por forças devidamente armadas”33

3. As oposições e as suas versões da história: um olhar comum sobre o passado?

“De tal forma a História tem andado ao sabor dos regimes que acabámos
amnésicos”34.
“Em Fevereiro de 1927, um organismo militar que eu desconhecia organizou uma
revolta no Porto, no dia 3, e em Lisboa, no dia 7. Era para ser no mesmo dia, mas a
coisa saiu desfasada. Em Lisboa, o Agatão lança e mais dois ou três oficiais foram ao
Quartel de Marinheiros, mandaram tocar a reunir e fizeram um discurso a dizer que era
preciso ir para a revolução. Armaram toda a gente, distribuíram carabinas e cartuchos,
e marchámos a pé desde a Praça de Armas […] De um lado, nós, os marinheiros, mais
uma dúzia de polícias e de guardas da GNR, todos sob o comando de Agatão Lança, e
com o reforço de alguns marinheiros […]
Aquilo pode dizer-se que era uma luta entre oficiais. Nós éramos só comandados
e quanto a participação de civis era muito reduzida. Havia um grupo de anarquistas
que andou pela Rua da Escola Politécnica a arrancar pinhas de ferro das varandas para
fazerem bombas. Mais nada. No entanto, quando subimos até ao Largo do Rato, assim
como quando descemos até ao Arsenal, as pessoas olhavam-nos com simpatia. Mas
participação popular, como no 25 de Abril, isso não houve.
Tudo aquilo acabou assim que os oficiais nos mandaram depor as armas e retirar,
senão éramos todos massacrados. […]

33 Catarino, F.H. Ob. cit., p. 101.


34
Mónica, Maria Filomena. “Biografia e Autobiografia”, in: Sousa, M. de (coord). Toda a Memória
do Mundo. Lisboa, Esfera do Caos, 2007, p. 25.

386

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt


Foram assim os meus primeiros passos revolucionários, mais por espírito de revanche
do que com a consciência do que era fazer uma revolução contra o fascismo […] não
tinha ainda consciência politica. ”35

A história da oposição ao salazarismo é ainda uma história facetada, onde existem


grandes espaços por preencher, quer em termos de novas análises quer de novas
investigações 36. A predominância do Partido Comunista, como órgão organizado
e combativo, ao tempo do 25 de Abril e nos anos imediatos após a Revolução dos
Cravos, favoreceu a existência de uma gama diferenciada de publicações memorialistas
dos membros do regime, ainda que os estudos historiográficos acerca da sua actuação
sejam bem menores do que o número de obras “partidárias”37. Neste quadro, pouco
espaço há para a memória dos demais movimentos oposicionistas, que, por vezes,
quando aparecem, são analisados pela óptica dos comunistas. No entanto, temos de
assinalar a importância da divulgação destes relatos e de trabalho de recolha dados38,
já que servem de ponto de partida para o estabelecimento de novas pesquisas e de
parâmetros para outras análises.
Assim sendo, o relato historiográfico da oposição republicana é ainda um imenso
campo a explorar com a “descoberta” dos arquivos dos seus membros. A documentação
existente, cartas, diários, manifestos políticos e outros documentos afins, podem guardar
novas versões acerca das dissidências internas dos reviralhistas e das suas actuações
revolucionárias, assim como revelar as nuances de opinião dos diversos círculos de
opositores.

35 Jorge, Joaquim Pais. Com uma alegria imensa. Notas autobiográficas. Lisboa, Avante, 1984, pp. 17
a 21.
36 Neste quadro, cumpre assinalar o esforço de algumas instituições, como o Museu da República e da
Resistência no sentido de divulgarem as obras sobre o tema como As eleições de 1958 e a Imprensa Portuguesa,
; Emídio Guerreiro – Cem Anos de História, ou ainda, o já citado Ventura, A. Memórias da Resistência. Ob.
cit. É de mencionar igualmente a extensa bibliografia compilada na Internet, sob o título “Estudos sobre o
Comunismo”, abrangendo publicações das mais diversas, desde artigos de jornais, revistas cientificas e livros,
sobre os mais diferentes sectores da oposição, apesar da ênfase dada aos trabalhos centrados na actuação do
Partido Comunista. Ver, http://estudossobrecomunismo.weblog.com.pt.
37 Em destaque, a obra de Madeira, João. Os engenheiros de Almas. O Partido Comunista e os Intelectuais.

Lisboa, Editorial Estampa, 1996.


38 Ver, como exemplo deste tipo de recolha o trabalho de Vilaça, Alberto. Resistências Culturais e

Políticas nos Primórdios do Salazarismo. Lisboa, Campo das Letras, 2003.

387

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt