You are on page 1of 72

Aula 01

Administração Financeira e Orçamentária p/ STM (AJAA) Com videoaulas - Pós-edital

Professor: Sérgio Mendes


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01

AULA 1 – PRINCÍPIOS ORÇAMENTÁRIOS

APRESENTAÇÃO DO TEMA
SUMÁRIO
APRESENTAÇÃO DO TEMA .......................................................................... 1

1. PRINCÍPIO DA UNIVERSALIDADE ........................................................... 3

2. PRINCÍPIO DA UNIDADE E DA TOTALIDADE .............................................. 5

3. PRINCÍPIO DA ANUALIDADE OU PERIODICIDADE ........................................ 7

4. PRINCÍPIO DO ORÇAMENTO BRUTO ......................................................10

5. PRINCÍPIO DA EXCLUSIVIDADE ............................................................11

6. PRINCÍPIO DA ESPECIFICAÇÃO OU DISCRIMINAÇÃO OU ESPECIALIZAÇÃO .........15

7. PRINCÍPIO DA PROIBIÇÃO DO ESTORNO .................................................17

8. PRINCÍPIO DA QUANTIFICAÇÃO DOS CRÉDITOS ORÇAMENTÁRIOS ..................19

9. PRINCÍPIO DO EQUILÍBRIO ORÇAMENTÁRIO .............................................20

10. PRINCÍPIO DA LEGALIDADE ................................................................23

11. PRINCÍPIO DA PUBLICIDADE ...............................................................24

12. PRINCÍPIO DA TRANSPARÊNCIA ORÇAMENTÁRIA .......................................24

13. PRINCÍPIO DA PROGRAMAÇÃO.............................................................25

14. PRINCÍPIO DA UNIFORMIDADE OU CONSISTÊNCIA .....................................25

15. PRINCÍPIO DA CLAREZA OU DA INTELIGIBILIDADE .....................................26

16. PRINCÍPIO DA NÃO AFETAÇÃO (OU NÃO VINCULAÇÃO) DE RECEITAS ..............26

..................................................................................30

QUESTÕES DE CONCURSOS ANTERIORES - CESPE .............................................33

LISTA DE QUESTÕES COMENTADAS NESTA AULA .............................................59

GABARITO ............................................................................................70

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 1 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
Olá amigos! Como é bom estar aqui!

É com enorme alegria que tenho você como aluno e assim ter a satisfação de
que você inicialmente aprovou nossa aula demonstrativa, decidindo continuar o
curso. É sinal que você busca o crescimento, que corre atrás dos seus
objetivos, que põe em prática o sonho de alcançar o sucesso na aprovação de
um concurso público.

"Confiar, totalmente, em nossa boa vontade e na força em querer crescer já


significa o próprio crescimento." (Maria Luiza S. Teles)

Você verá que esse caminho rumo à aprovação pode ser prazeroso. No início é
mais difícil, mas à medida que você for evoluindo nos estudos, terá satisfação
em perceber que está aprendendo a matéria e resolvendo aquelas questões de
concursos que no início pareciam impossíveis. Depois de alcançar um bom
ritmo e uma rotina consistente de estudos, sentirá falta de estudar naquele dia
que não ler ao menos um pouquinho da matéria.

"O sucesso é uma jornada, não um ponto final. Metade do prazer


está em percorrer o caminho." (Gita Bellin)

Com dedicação, organização, disciplina e objetividade estudaremos nesta aula


os Princípios Orçamentários, que são premissas, linhas norteadoras a serem
observadas na concepção e execução da lei orçamentária. Válidos para todos
os entes e para todos os Poderes, visam a aumentar a consistência e
estabilidade do sistema orçamentário. Por isso, são as bases nas quais se deve
orientar o processo orçamentário e são impositivos no orçamento público,
apesar de não terem caráter absoluto por apresentarem exceções.

Ressalto que nosso conteúdo de hoje se encontra disponível também em


videoaulas na área do aluno.

Atenção: é um assunto importante para a compreensão geral da matéria e


também muito cobrado em concursos!

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 2 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01

1. PRINCÍPIO DA UNIVERSALIDADE

Vamos iniciar nossos estudos tratando de três princípios orçamentários


previstos no art. 2º da Lei 4320/1964. Neste tópico o objeto do nosso estudo
será o princípio da universalidade (ou Globalização). Nos dois próximos
trataremos dos princípios da unidade e da anualidade.

“Art. 2º A Lei do Orçamento conterá a discriminação da receita e despesa de


forma a evidenciar a política econômica financeira e o programa de trabalho do
Governo, obedecidos os princípios de unidade, universalidade e anualidade.

De acordo com o princípio da universalidade, o orçamento deve conter todas


as receitas e despesas referentes aos Poderes da União, seus fundos, órgãos e
entidades da Administração direta e indireta. Assim, o Poder Legislativo pode
conhecer, a priori, todas as receitas e despesas do governo.

Está na Lei 4.320/1964:


Art. 3º A Lei de Orçamentos compreenderá todas as receitas, inclusive as
de operações de crédito autorizadas em lei.
Art. 4º A Lei de Orçamento compreenderá todas as despesas próprias dos
órgãos do Governo e da administração centralizada, ou que, por intermédio
deles se devam realizar, observado o disposto no art. 2º.”

O art. 165 da CF/1988 se refere à universalidade, quando o constituinte


determina a abrangência da LOA:

“§ 5º A Lei Orçamentária anual compreenderá:


I –o orçamento fiscal referente aos Poderes da União, seus fundos, órgãos e
entidades da administração direta e indireta, inclusive fundações instituídas e
mantidas pelo Poder Público;
II –o orçamento de investimento das empresas em que a União, direta ou
indiretamente, detenha a maioria do capital social com direito a voto;
III – o orçamento da seguridade social, abrangendo todas as entidades e
órgãos a ela vinculados, da administração direta ou indireta, bem como os
fundos e fundações instituídos e mantidos pelo Poder Público.”

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 3 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01

Princípio da Universalidade

A LOA deve conter todas as receitas e despesas referentes aos Poderes da


União, seus fundos, órgãos e entidades da administração direta e indireta.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 4 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01

2. PRINCÍPIO DA UNIDADE E DA TOTALIDADE

Segundo o princípio da unidade, o orçamento deve ser uno, isto é, deve existir
apenas um orçamento, e não mais que um para cada ente da Federação em
cada exercício financeiro. Objetiva eliminar a existência de orçamentos
paralelos e permite ao Poder Legislativo o controle racional e direto das
operações financeiras de responsabilidade do Executivo.

Também está consagrado na Lei 4.320/1964:


“Art. 2º A Lei do Orçamento conterá a discriminação da receita e despesa de
forma a evidenciar a política econômica financeira e o programa de trabalho do
Governo, obedecidos os princípios de unidade, universalidade e anualidade.”

Vale ressaltar que, apesar de ter previsão legal desde a Lei 4.320/1964, o
princípio da unidade foi efetivamente colocado em prática somente com a
CF/1988. Antes disso, havia diversas peças orçamentárias não consolidadas,
como o orçamento monetário, o qual sequer passava pela aprovação
legislativa.

Aprofundando no tema, vamos tratar do princípio da totalidade.

Houve uma remodelação pela doutrina do princípio da unidade, de forma que


abrangesse as novas situações, sendo por muitos denominado de princípio da
totalidade, sendo construído, então, para possibilitar a coexistência de
múltiplos orçamentos que, entretanto, devem sofrer consolidação. A
Constituição trouxe um modelo que, em linhas gerais, segue o princípio da
totalidade, pois a composição do orçamento anual passou a ser a seguinte:
orçamento fiscal, orçamento da seguridade social e orçamento de
investimentos das estatais. Tal tripartição orçamentária é apenas de cunho
instrumental, não implica dissonância e, portanto, não viola o princípio em
estudo.

Concluindo, o princípio da totalidade não necessariamente significa um


documento único, já que o processo de integração planejamento-orçamento
tornou o orçamento necessariamente multidocumental, em virtude da
aprovação, por leis diferentes, dos vários instrumentos de planejamento, com
datas de encaminhamento diferentes para aprovação pelo Poder Legislativo.
Em que pesem tais documentos serem distintos, devem obrigatoriamente
ser compatibilizados entre si.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 5 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01

Unidade: O orçamento deve ser uno, isto é, deve existir


apenas um orçamento, e não mais que um para cada ente
da federação em cada exercício financeiro.
Totalidade: há coexistência de múltiplos orçamentos que,
Princípio da Unidade entretanto, devem sofrer consolidação.
e Totalidade

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 6 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01

3. PRINCÍPIO DA ANUALIDADE OU PERIODICIDADE

Segundo o princípio da anualidade, o orçamento deve ser elaborado e


autorizado para um período de um ano. Está na Lei 4.320/1964:
“Art. 2º A Lei do Orçamento conterá a discriminação da receita e despesa de
forma a evidenciar a política econômica financeira e o programa de trabalho do
Governo, obedecidos os princípios de unidade, universalidade e anualidade.”

E também na nossa Constituição Federal de 1988:


“Art. 165. Leis de iniciativa do Poder Executivo estabelecerão:
I – o plano plurianual;
II – as diretrizes orçamentárias;
III – os orçamentos anuais.”

É conhecido também como princípio da periodicidade, numa abordagem em


que o orçamento deve ter vigência limitada a um exercício financeiro. A ideia,
em sua origem, era obrigar o Poder Executivo a solicitar periodicamente ao
Congresso permissão para a cobrança de impostos e a aplicação dos recursos
públicos.

No Brasil, tal princípio coincide com o ano civil, segundo a Lei 4.320/1964:
“Art. 34. O exercício financeiro coincidirá com o ano civil.”

Vários artigos da Constituição remetem à anualidade, como o § 1º do art. 167:


“§ 1º Nenhum investimento cuja execução ultrapasse um exercício
financeiro poderá ser iniciado sem prévia inclusão no plano plurianual, ou
sem lei que autorize a inclusão, sob pena de crime de responsabilidade.”

A Lei 4.320/1964 poderia ser alterada, porém não desconfiguraria o princípio,


pois o conceito de anualidade não está relacionado ao ano civil, mas com o
exercício financeiro e o período de 12 meses.

O tema “Créditos Adicionais” é visto em aula específica quando previsto em


edital. Por agora, temos que saber que a Lei Orçamentária Anual poderá ser
alterada no decorrer de sua execução por meio de créditos adicionais. Temos
três espécies de Créditos Adicionais: suplementares, especiais e
extraordinários.

Os créditos adicionais especiais e extraordinários autorizados nos últimos


quatro meses do exercício podem ser reabertos no exercício seguinte pelos
seus saldos, se necessário, e, neste caso, viger até o término desse exercício
financeiro. Por esse motivo, alguns autores consideram que se trata de
exceções ao princípio da anualidade.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 7 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01

Mais algumas considerações sobre o princípio da anualidade:

_ Estamos tratando da anualidade orçamentária. A anualidade tributária


determinava que deveria haver autorização para a arrecadação de receitas
previstas na Lei Orçamentária Anual. Assim, as leis tributárias deveriam estar
incluídas na LOA, não se admitindo alterações tributárias após os prazos
constitucionais do orçamento anual. Tal princípio tributário não foi
recepcionado pela atual CF/1988 e foi substituído pelo princípio tributário da
anterioridade.
_ Anualidade é princípio orçamentário, porém anterioridade não é. O
princípio constitucional da anterioridade é princípio tributário e não
orçamentário.
_ A existência no ordenamento jurídico de um plano plurianual com duração
atual de quatro anos não excepciona o princípio da anualidade, pois tal plano é
estratégico e não operativo, necessitando da Lei Orçamentária Anual para sua
operacionalização.

(FCC – Técnico Judiciário – TRT/11 - 2017) O gestor de uma entidade


do Poder Judiciário Federal pode encaminhar a Lei Orçamentária Anual
referente ao Poder Judiciário destacadamente da Lei Orçamentária
Anual do Poder Executivo para aprovação pelo Poder Legislativo.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 8 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01

Há uma única LOA no âmbito federal, por exercício financeiro, que engloba
todos os Poderes. É o princípio orçamentário da unidade.
Resposta: Errada

(FCC – Analista Judiciário – TRT/11 - 2017) O princípio da anualidade


estabelece a inexistência de orçamentos paralelos dentro de uma
mesma esfera de governo.

O princípio da unidade estabelece a inexistência de orçamentos paralelos


dentro de uma mesma esfera de governo.
Resposta: Errada

(CESPE – Auditor - Conselheiro Substituto – TCE/PR – 2016) O PPA


segue o princípio da periodicidade e seu orçamento é definido
bienalmente.

Segundo o princípio da anualidade ou periodicidade, o orçamento deve ser


elaborado e autorizado para um período de um ano. O PPA possui um período
de quatro anos.
Resposta: Errada

(CESPE – Agente Administrativo - DPU – 2016) No Brasil, para


determinado período do ano civil, cada ente da Federação deve possuir
um orçamento para as receitas e um orçamento para as despesas.

No Brasil, para determinado período do ano civil, cada ente da Federação deve
possuir um único orçamento para as receitas e para as despesas (e não
um orçamento somente para as receitas e outro somente para as despesas).
Resposta: Errada

(FGV - Analista Judiciário – TJ/GO – 2014) Entre os princípios


orçamentários contemplados pela legislação brasileira, o princípio da
universalidade diz que o orçamento deve ser uno para cada unidade
governamental.

Entre os princípios orçamentários contemplados pela legislação brasileira, o


princípio da unidade diz que o orçamento deve ser uno para cada unidade
governamental.
Resposta: Errada

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 9 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01

4. PRINCÍPIO DO ORÇAMENTO BRUTO

Existem despesas que, ao serem realizadas, geram receitas ao ente público.


Por outro lado, existem receitas que, ao serem arrecadadas, geram despesas.
Por exemplo, quando o Governo paga salários, realiza despesas. No entanto, a
partir de determinado valor, começa a incidir sobre a remuneração o Imposto
de Renda, que é uma receita para o Governo, descontada diretamente pela
fonte pagadora. Assim, ao pagar o salário de um servidor, é efetuada uma
despesa (salário) que ao mesmo tempo gera uma receita (Imposto de Renda).

O princípio do orçamento bruto veda que as despesas ou receitas sejam


incluídas no orçamento ou em qualquer das espécies de créditos adicionais nos
seus montantes líquidos. Note que a diferença entre universalidade e
orçamento bruto é que apenas este último determina que as receitas e
despesas devam constar do orçamento pelos seus totais, sem quaisquer
deduções.

Também está na Lei 4.320/1964:


“Art. 6º Todas as receitas e despesas constarão da Lei de Orçamento pelos
seus totais, vedadas quaisquer deduções.
§ 1º As cotas de receitas que uma entidade pública deva transferir a outra
incluir-se-ão, como despesa, no orçamento da entidade obrigada a
transferência e, como receita, no orçamento da que as deva receber.”

No nosso exemplo, considere uma carreira de alto escalão do Executivo, que


tem como subsídio inicial R$ 14.000,00. Subtraindo os descontos de Imposto
de Renda e Previdência Social, o líquido gira em torno de R$ 10.000,00. Na Lei
Orçamentária, segundo o princípio do orçamento bruto, deverão constar
todos esses itens, de receitas de despesas, e não somente a despesa líquida da
União de R$ 10.000,00.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 10 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01

Não importa se o saldo líquido será positivo ou


negativo, o princípio do orçamento bruto
impede a inclusão apenas dos montantes
líquidos e determina a inclusão de receitas e
despesas pelos seus totais, vedadas
Princípio do Orçamento Bruto quaisquer deduções.

5. PRINCÍPIO DA EXCLUSIVIDADE

O princípio da exclusividade surgiu para evitar que o orçamento fosse utilizado


para aprovação de matérias sem nenhuma pertinência com o conteúdo
orçamentário, em virtude da celeridade do seu processo.

Determina que a Lei Orçamentária não poderá conter matéria estranha à


previsão das receitas e à fixação das despesas. Exceção se dá para as
autorizações de créditos suplementares e operações de crédito, inclusive por
antecipação de receita orçamentária (ARO). Por exemplo, o orçamento não
pode conter matéria de Direito Penal.

Assim, o princípio da exclusividade tem o objetivo de limitar o conteúdo da Lei


Orçamentária, impedindo que nela se inclua normas pertencentes a outros
campos jurídicos, como forma de se tirar proveito de um processo legislativo
mais rápido. Tais normas que compunham a LOA sem nenhuma pertinência
com seu conteúdo eram denominadas “caudas orçamentárias” ou “orçamentos
rabilongos”. Por outro lado, as exceções ao princípio possibilitam uma pequena
margem de flexibilidade ao Poder Executivo para a realização de alterações
orçamentárias.

Possui previsão no art. 165 da CF/1988:


“§ 8º A lei orçamentária anual não conterá dispositivo estranho à previsão da
receita e à fixação da despesa, não se incluindo na proibição a autorização
para abertura de créditos suplementares e contratação de operações de
crédito, ainda que por antecipação de receita, nos termos da lei.”

E também no art. 7º da Lei 4.320/1964:


“Art. 7º A Lei de Orçamento poderá conter autorização ao Executivo para:
I – Abrir créditos suplementares até determinada importância obedecidas as
disposições do artigo 43;
II – Realizar em qualquer mês do exercício financeiro, operações de crédito por
antecipação da receita, para atender a insuficiências de caixa.
§ 1º Em casos de déficit, a Lei de Orçamento indicará as fontes de recursos
que o Poder Executivo fica autorizado a utilizar para atender a sua cobertura.
§ 2° O produto estimado de operações de crédito e de alienação de bens
imóveis somente se incluirá na receita quando umas e outras forem
especificamente autorizadas pelo Poder Legislativo em forma que
juridicamente possibilite ao Poder Executivo realizá-las no exercício.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 11 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
§ 3º A autorização legislativa a que se refere o parágrafo anterior, no tocante
a operações de crédito, poderá constar da própria Lei de Orçamento”.

O inciso II foi parcialmente prejudicado e deve ter sua leitura combinada com
o art. 38 da Lei de Responsabilidade Fiscal, por ser mais restritivo. Estuda-se
ARO em tópico específico relacionado ao endividamento público, quando
previsto no edital.

Relembro que o gênero créditos adicionais possui três espécies:


suplementares, especiais e extraordinários. Pelo princípio da exclusividade, a
LOA poderá autorizar a abertura de créditos adicionais suplementares, porém
não é permitida a autorização para os créditos adicionais especiais e
extraordinários.

No que se refere às operações de crédito, entenda, por agora, que elas se


assemelham a empréstimos que o ente contrai para aumentar suas receitas e
cobrir suas despesas.

Finalizando, é fundamental guardar que as exceções ao princípio da


exclusividade são créditos suplementares e operações de crédito,
inclusive por ARO.

Pessoal, o que deve ficar claro é que a LOA não pode criar
receitas e despesas (respeitadas as exceções do princípio da
exclusividade). O que eu quero dizer é que uma autorização
para o aumento de remuneração de uma determinada
carreira, por exemplo, não pode constar unicamente na LOA. A
LOA vai refletir o aumento da despesa (pois toda despesa
deve estar na LOA), mas esse aumento tem que ser criado por
um instrumento legal prévio. No caso, seria uma lei anterior
autorizando o aumento. O mesmo se aplicaria quando fosse
necessária a criação de novos cargos públicos.
Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 12 de 71
Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01

(CESPE – Procurador do Município de Fortaleza - 2017) Decorre do


princípio da unidade do orçamento a vedação à inclusão, no
orçamento, de qualquer dispositivo de lei material que não verse sobre
previsão de receita ou autorização de despesa.

De acordo com o princípio da exclusividade, a lei orçamentária anual deve


conter tão somente matéria relativa à previsão da receita e à fixação da
despesa. Exceção se dá para as autorizações de créditos suplementares e
operações de crédito, inclusive por antecipação de receita orçamentária.
Resposta: Errada

(FCC – Analista Judiciário – TRE/SP - 2017) O princípio do Orçamento


Bruto obriga registrarem-se receitas e despesas na LOA pelo valor
total e bruto, vedadas quaisquer deduções. Ressalvam-se dessa
proibição os valores que se referirem às transferências constitucionais.

O princípio do orçamento bruto obriga registrarem-se receitas e despesas na


LOA pelo valor total e bruto, vedadas quaisquer deduções. São exemplos os
valores que se referirem às transferências constitucionais, os quais devem
ser registrados pelos seus valores brutos.
Resposta: Errada

(FCC – Analista Judiciário – TRT/11 - 2017) A abertura de créditos


adicionais suplementares fere o princípio orçamentário da
exclusividade.

A abertura de créditos adicionais suplementares não fere o princípio


orçamentário da exclusividade, pois se trata de uma exceção ao referido
princípio.
Resposta: Errada

(FCC – Analista Judiciário – TRT/11 - 2017) O princípio do equilíbrio


orçamentário estabelece que tanto as receitas quanto as despesas
devem ser apresentadas pelos seus valores totais, sem deduções ou
compensações.

O princípio do orçamento bruto orçamentário estabelece que tanto as


receitas quanto as despesas devem ser apresentadas pelos seus valores totais,
sem deduções ou compensações.
Resposta: Errada

(Consulplan – Analista Judiciário – TRF/2 – 2017) A prefeitura de uma


grande cidade brasileira fez a sua lei do orçamento e, aproveitando a
oportunidade de publicação, resolveu incluir na lei um capítulo que fez

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 13 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
constar o código de ética dos servidores municipais.” A publicação do
código de ética na lei do orçamento está certa, de acordo com o
princípio da Publicidade.

O princípio da exclusividade determina que a lei orçamentária anual não


conterá dispositivo estranho à previsão da receita e à fixação da despesa, não
se incluindo na proibição a autorização para abertura de créditos
suplementares e contratação de operações de crédito, ainda que por
antecipação de receita, nos termos da lei.
Logo, a publicação do código de ética na lei do orçamento está errada, de
acordo com o princípio da Exclusividade.
Resposta: Errada

(CESPE – Auditor - Conselheiro Substituto – TCE/PR – 2016) De acordo


com o princípio do orçamento bruto, as receitas devem constar no
orçamento pelos seus totais, deduzindo-se destes somente os
impostos.

De acordo com o princípio do orçamento bruto, as receitas devem constar no


orçamento pelos seus totais, vedadas quaisquer deduções.
Resposta: Errada

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 14 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01

6. PRINCÍPIO DA ESPECIFICAÇÃO OU DISCRIMINAÇÃO OU


ESPECIALIZAÇÃO

O princípio da especificação ou discriminação (ou ainda, especialização)


determina que, na Lei Orçamentária Anual, as receitas e despesas devam ser
discriminadas, demonstrando a origem e a aplicação dos recursos. Tem o
objetivo de facilitar a função de acompanhamento e controle do gasto público
por toda a sociedade, evitando a chamada “ação guarda-chuva”, que é aquela
ação genérica, mal especificada, com demasiada flexibilidade.

Para o PPA e a LDO, não há necessidade de um detalhamento tão grande de


receitas e despesas. Isso vai ocorrer posteriormente, pois a LOA é obrigada a
seguir o princípio da especificação.

O princípio veda as autorizações de despesas globais. Atualmente, o princípio


da especificação não tem status constitucional (não tem previsão
constitucional), porém está em pleno vigor por estar amparado pela legislação
infraconstitucional, como na Lei 4.320/1964, que em seu art. 5º dispõe:
“Art. 5º A Lei de Orçamento não consignará dotações globais destinadas a
atender indiferentemente a despesas de pessoal, material, serviços de
terceiros, transferências ou quaisquer outras, ressalvado o disposto no artigo
20 e seu parágrafo único.”

As exceções do art. 20 se referem aos programas especiais de trabalho


que, por sua natureza, não possam cumprir-se subordinadamente às normas
gerais de execução da despesa, como os programas de proteção à testemunha
que, se tivessem especificação detalhada, perderiam sua finalidade. Tais
despesas são classificadas como despesas de capital e também chamadas de
investimentos em regime de execução especial.

O referido art. 20 ainda determina que os investimentos sejam discriminados


na Lei de Orçamento segundo os projetos de obras e de outras aplicações.

A LRF estabelece a vedação de consignação de crédito orçamentário com


finalidade imprecisa1, exigindo a especificação da despesa. Esse mesmo artigo
apresenta outra exceção ao nosso princípio, que é a reserva de
contingência2.
A reserva de contingência tem por finalidade atender, além da abertura de
créditos adicionais, perdas que são episódicas, contingentes ou eventuais.
Deve ser prevista em lei sua constituição, com vistas a enfrentar prováveis
perdas decorrentes de situações emergenciais. Exemplo: despesas decorrentes
de uma calamidade pública, como uma enchente de grandes proporções.

1
Art. 5º, § 4º, da LRF.
2
Art. 5º, III, da LRF.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 15 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01

As exceções dos programas especiais de trabalho e reserva de contingência são


quanto à dotação global, pois não necessitam de discriminação. Não deve ser
confundido com dotação ilimitada, que é aquela sem valores definidos.
Exemplo: recursos para o programa de proteção à testemunha. Dotação
ilimitada seria não definir o valor no orçamento ou colocar que se pode gastar
o quanto for necessário. Não é permitido, sem exceções. Já dotação global
seria colocar dotação limitada, R$ 20 milhões para o programa, porém sem
detalhamento. Também a regra seria não ser permitido, porém admite
exceções, como nesse programa, pois com um detalhamento poderia haver
risco de morte para as testemunhas.

Atenção: não confundir Orçamento Bruto com Discriminação.


O princípio da discriminação (ou especialização ou especificação)
determina que as receitas e despesas devam ser especificadas, demonstrando
a origem e a aplicação dos recursos. Tem o objetivo de facilitar a função de
acompanhamento e controle do gasto público.
Já o princípio do orçamento bruto impede a inclusão apenas dos montantes
líquidos e determina a inclusão de receitas e despesas pelos seus totais, não
importando se o saldo líquido será positivo ou negativo. Por exemplo, a
apuração e a divulgação dos dados da arrecadação líquida, sem a indicação das
deduções previamente efetuadas a título de restituições, ferem o princípio do
orçamento bruto.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 16 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01

7. PRINCÍPIO DA PROIBIÇÃO DO ESTORNO

O princípio da proibição do estorno determina que o administrador público


não pode transpor, remanejar ou transferir recursos sem autorização. Quando
houver insuficiência ou carência de recursos, deve o Poder Executivo recorrer à
abertura de crédito adicional ou solicitar a transposição, remanejamento ou
transferência, o que deve ser feito com autorização do Poder Legislativo.

Entretanto, há uma exceção, acrescida pela Emenda


Constitucional nº 85, de 2015: ato do Poder Executivo, sem necessidade da
prévia autorização legislativa, poderá transpor, remanejar ou transferir
recursos de uma categoria de programação no âmbito das atividades de
ciência, tecnologia e inovação, com o objetivo de viabilizar os resultados de
projetos restritos a essas funções.

Veja os dispositivos constitucionais:


“Art. 167. São vedados:
(...)
VI – a transposição, o remanejamento ou a transferência de recursos de uma
categoria de programação para outra ou de um órgão para outro, sem prévia
autorização legislativa.
(...)
§ 5º A transposição, o remanejamento ou a transferência de recursos de uma
categoria de programação para outra poderão ser admitidos, no âmbito das
atividades de ciência, tecnologia e inovação, com o objetivo de viabilizar os
resultados de projetos restritos a essas funções, mediante ato do Poder
Executivo, sem necessidade da prévia autorização legislativa prevista no inciso
VI deste artigo.”

Os termos remanejamento, transposição e transferência são relacionados pela


Constituição Federal às situações de destinação de recursos de uma categoria
de programação para outra ou de um órgão para outro. Foram introduzidos na
CF/1988 em substituição à expressão estorno de verba, utilizada em

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 17 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
constituições anteriores para indicar a mesma proibição. Essa é a origem do
princípio da proibição do estorno.

Parte da doutrina considera que são conceitos que devem ser definidos em
lei complementar (ainda não editada), portanto não poderiam ser
definidos por lei ordinária ou outro instrumento infralegal. Outros
doutrinadores consideram que não há distinção entre os termos. Ainda, outros
autores definem os termos da seguinte forma:
 Transposição: É a destinação de recursos de um programa de
trabalho para outro, por meio de realocações do ente público dentro
do mesmo órgão. Por exemplo, se o administrador decidir ampliar a
construção da sede da secretaria de obras realocando recursos da
abertura de uma estrada, com ambos os projetos programados e
incluídos no orçamento.
 Remanejamento: É a destinação de recursos de um órgão para
outro, por meio de realocações do ente público. Por exemplo, a
Administração pode realocar as atividades de um órgão extinto.
 Transferência: É a destinação de recursos dentro do mesmo órgão e
do mesmo programa de trabalho, por meio de realocações de
recursos entre as categorias econômicas de despesas. Na transferência,
as ações envolvidas permanecem em execução, por isso não se confunde
com os créditos adicionais especiais, nos quais ocorre a implantação de
uma despesa que não possuía dotação orçamentária. Por exemplo, o
MPOG decide realocar recursos de manutenção de seu prédio para
adquirir computadores para uma seção que funcionava com
computadores antigos.

Por categoria de programação deve-se entender a função, a subfunção, o


programa, o projeto/atividade/operação especial e as categorias econômicas
de despesas.

Na verdade, a importância do princípio está em evitar, no decorrer do exercício


financeiro, a desconfiguração da LOA aprovada pelo Congresso Nacional. Para
isso, como regra geral, é necessária a autorização legislativa.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 18 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01

8. PRINCÍPIO DA QUANTIFICAÇÃO DOS CRÉDITOS ORÇAMENTÁRIOS

O princípio da quantificação dos créditos orçamentários veda a concessão ou


utilização de créditos ilimitados. Está na CF/1988:

“Art. 167. São vedados:


(...)
VII – a concessão ou utilização de créditos ilimitados.”

A dotação é o montante de recursos financeiros com que conta o crédito


orçamentário. O princípio da quantificação dos créditos orçamentários
determina que todo crédito na LOA seja autorizado com uma respectiva
dotação, limitada, ou seja, cada crédito deve ser acompanhado de um valor
determinado. Assim, não são admitidas dotações ilimitadas, sem exceções.
d
O art. 59 da Lei 4.320/1964 exige a observância do princípio:
“Art. 59. O empenho da despesa não poderá exceder o limite dos créditos
concedidos.”

Para que o empenho (estágio da despesa que “abate” o valor da dotação, por
força do compromisso assumido) não exceda o limite dos créditos concedidos,
tal crédito deve ter um valor determinado, limitado, coadunando-se com a
regra constitucional da quantificação dos créditos orçamentários.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 19 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01

9. PRINCÍPIO DO EQUILÍBRIO ORÇAMENTÁRIO

O princípio do equilíbrio visa assegurar que as despesas autorizadas não serão


superiores à previsão das receitas na lei orçamentária anual.

A LRF determina que a lei de diretrizes orçamentárias trate do equilíbrio entre


receitas e despesas:
“Art. 4º A lei de diretrizes orçamentárias atenderá o disposto no § 2º do art.
165 da Constituição e:
I – disporá também sobre:
a) equilíbrio entre receitas e despesas.”

Outras áreas, como as relacionadas às finanças públicas, aplicam o princípio do


equilíbrio. Por exemplo, o art. 9º da LRF também trata do equilíbrio das
finanças públicas, só que no aspecto 8financeiro. Determina que “se verificado,
ao final de um bimestre, que a realização da receita poderá não comportar o
cumprimento das metas de resultado primário ou nominal estabelecidas no
Anexo de Metas Fiscais, os Poderes e o Ministério Público promoverão, por ato
próprio e nos montantes necessários, nos trinta dias subsequentes, limitação
de empenho e movimentação financeira, segundo os critérios fixados pela lei
de diretrizes orçamentárias”. Outro exemplo é o art. 42, o qual veda ao titular
de Poder ou órgão, nos últimos dois quadrimestres do seu mandato, contrair
obrigação de despesa que não possa ser cumprida integralmente dentro dele,
ou que tenha parcelas a serem pagas no exercício seguinte sem que haja
suficiente disponibilidade de caixa para este efeito.

A CF/1988 é realista quanto à possibilidade de ocorrer déficit orçamentário,


caso em que as receitas sejam menores que as despesas. Assim, o princípio do
equilíbrio não tem hierarquia constitucional (não está explicitado na
CF/1988). No entanto, contabilmente e formalmente o orçamento
sempre estará equilibrado, pois tal déficit aparece normalmente nas
operações de crédito, que também devem constar do orçamento.

A inclusão da reserva de contingência no orçamento também visa, entre outras


finalidades, assegurar o atendimento ao princípio do equilíbrio no aspecto
financeiro. Por exemplo, imagine uma situação de calamidade pública, na qual
o Poder Público Federal necessite de recursos para ajudar na reconstrução de

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 20 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
um município destruído por uma inundação. Como não há previsão
orçamentária, poderá ser utilizada a reserva de contingência. Na ausência
dela, haveria um grande desequilíbrio entre a previsão inicial de receitas e o
aumento imprevisto das necessidades de despesas, desestabilizando a
execução financeira.

(CESPE – Analista Judiciário - TRE/PE - 2017) O parágrafo único do


artigo 20 da Lei n.º 4.320/1964, conforme o qual “os programas
especiais de trabalho que, por sua natureza, não possam cumprir-se
subordinadamente às normas gerais de execução da despesa, poderão
ser custeados por dotações globais, classificadas entre as despesas de
capital”, constitui uma exceção ao princípio da especificação.
3
De acordo com o princípio da especificação, a Lei de Orçamento não
consignará dotações globais destinadas a atender indiferentemente a despesas
de pessoal, material, serviços de terceiros, transferências ou quaisquer outras.
Entretanto, há exceções. São os programas especiais de trabalho que, por sua
natureza, não podem cumprir-se subordinadamente às normas gerais de
execução da despesa. Tais despesas são classificadas como despesas de
capital e também chamadas de investimentos em regime de execução
especial.
Resposta: Certa

(FCC – Analista Judiciário – TRT/11 - 2017) O princípio do orçamento


bruto determina que, na lei orçamentária, deverá existir equilíbrio
entre os montantes totais de receitas e despesas.

O princípio do equilíbrio determina que, na lei orçamentária, deverá existir


equilíbrio entre os montantes totais de receitas e despesas.
Resposta: Errada

(FGV – Especialista Legislativo – ALERJ – 2017) A elaboração do


orçamento público é baseada em alguns princípios que servem como
balizadores do formato e do conteúdo do orçamento. A elaboração
detalhada do orçamento, que expresse a origem dos recursos e sua
aplicação em cada exercício está em consonância com o princípio da
transparência.

O princípio da especificação determina que, na Lei Orçamentária Anual, as


receitas e despesas devam ser discriminadas, demonstrando a origem e a
aplicação dos recursos.
Resposta: Errada

(CESPE – Analista Técnico-Administrativo – SPU/MPOG - 2015) A


aplicação do princípio orçamentário da especialização pressupõe que

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 21 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
um grau maior de discriminação da receita e da despesa interessa
particularmente aos escalões decisórios superiores, em razão de sua
importância para a fiscalização e o controle.

O princípio da especialização tem o objetivo de facilitar a função de


acompanhamento e controle do gasto público por toda a sociedade, evitando
a chamada “ação guarda-chuva”, que é aquela ação genérica, mal
especificada, com demasiada flexibilidade.
Resposta: Errada

(VUNESP – Contador - Câmara de Itapeva/SP – 2014) O princípio que


veda a consignação de dotações globais na lei de orçamento anual é
denominado Princípio da Exclusividade.

O princípio que veda a consignação de dotações globais na lei de orçamento


1
anual é denominado princípio da discriminação.
Resposta: Errada

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 22 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01

10. PRINCÍPIO DA LEGALIDADE

Todas os instrumentos de planejamento e orçamento, PPA, LDO e LOA e


também de créditos adicionais são encaminhadas pelo Poder Executivo para
discussão e aprovação pelo Congresso Nacional.
O art. 5º da Constituição determina em seu inciso II que “ninguém será
obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei”.
O art. 37 cita os princípios gerais que devem ser seguidos pela Administração
Pública, que são legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e
eficiência.
Para ser legal, a aprovação do orçamento deve observar o processo legislativo.

O respaldo ao princípio da legalidade orçamentária também está na


Constituição:
“Art. 165. Leis de iniciativa do Poder Executivo estabelecerão:
==d831f==

f
I – o plano plurianual;
II – as diretrizes orçamentárias;
III – os orçamentos anuais.
Art. 166. Os projetos de lei relativos ao plano plurianual, às diretrizes
orçamentárias, ao orçamento anual e aos créditos adicionais serão
apreciados pelas duas Casas do Congresso Nacional, na forma do
regimento comum.”

Em matéria orçamentária, a Administração Pública subordina-se às prescrições


legais. O orçamento será, necessariamente, objeto de uma lei, resultante de
um processo legislativo completo, apesar de possuir um ciclo com
características diferenciadas. Assim, como toda lei ordinária cuja iniciativa seja
do Poder Executivo, é um projeto enviado ao Poder Legislativo, para
apreciação e posterior devolução, a fim de que ocorra a sanção e a publicação.
Logo, legalidade também é princípio orçamentário.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 23 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01

11. PRINCÍPIO DA PUBLICIDADE

O art. 37 da Constituição cita os princípios gerais que devem ser seguidos pela
Administração Pública, que são legalidade, impessoalidade, moralidade,
publicidade e eficiência.

O princípio da publicidade também é orçamentário, pois as decisões sobre


orçamento só têm validade após a sua publicação em órgão da imprensa
oficial. É condição de eficácia do ato a divulgação em veículos oficiais de
comunicação para conhecimento público, de forma a garantir a informação na
elaboração e execução do orçamento. Assim, tem-se a garantia de acesso para
qualquer interessado às informações necessárias ao exercício da fiscalização
sobre a utilização dos recursos arrecadados dos contribuintes.

12. PRINCÍPIO DA TRANSPARÊNCIA ORÇAMENTÁRIA

A transparência exige que todos os atos de entidades públicas devem ir além


da publicidade formal, pois determina ampla prestação de contas em diversos
meios. A LRF exige ampla divulgação, inclusive em meio eletrônico, dos
instrumentos de planejamento e orçamento, da prestação de contas e de
diversos relatórios e anexos:
Art. 48. São instrumentos de transparência da gestão fiscal, aos quais será
dada ampla divulgação, inclusive em meios eletrônicos de acesso público: os
planos, orçamentos e leis de diretrizes orçamentárias; as prestações de contas
e o respectivo parecer prévio; o Relatório Resumido da Execução Orçamentária
e o Relatório de Gestão Fiscal; e as versões simplificadas desses documentos.

A transparência será assegurada também mediante incentivo à participação


popular e realização de audiências públicas, durante os processos de
elaboração e discussão dos planos, lei de diretrizes orçamentárias e
orçamentos; da liberação ao pleno conhecimento e acompanhamento da
sociedade, em tempo real, de informações pormenorizadas sobre a execução
orçamentária e financeira, em meios eletrônicos de acesso público; e da
adoção de sistema integrado de administração financeira e controle, que
atenda a padrão mínimo de qualidade estabelecido pelo Poder Executivo da
União3.

3
Art. 48, parágrafo único, da LRF, com redação dada pela Lei Complementar 131/2009.
Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 24 de 71
Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01

13. PRINCÍPIO DA PROGRAMAÇÃO

O orçamento deve expressar as realizações e objetivos de forma programada,


planejada. O princípio da programação decorre da necessidade da estruturação
do orçamento em programas, dispondo que o orçamento deva ter o conteúdo e
a forma de programação. Assim, alguns autores defendem que o princípio da
programação é decorrente da evolução das funções do orçamento e que não
poderia ser observado antes da instituição do conceito de orçamento-
programa.

O princípio da programação vincula as normas orçamentárias à consecução e à


finalidade do plano plurianual e aos programas nacionais, regionais e setoriais
de desenvolvimento.

14. PRINCÍPIO DA UNIFORMIDADE OU CONSISTÊNCIA

O princípio da uniformidade ou consistência dispõe que o orçamento deve


manter uma mínima padronização ou uniformidade na apresentação de seus
dados, de forma a permitir que os usuários realizem comparações entre os
diversos períodos. O orçamento de cada ente deve apresentar e conservar
ao longo dos diversos exercícios financeiros uma estrutura que permita
comparações entre os sucessivos mandatos. Apesar de facilitar para os
usuários, tal princípio perdeu um pouco de importância, pois atualmente é
possível fazer realinhamentos de séries históricas utilizando outros meios, que
trazem dados passados para a formatação atual.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 25 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01

15. PRINCÍPIO DA CLAREZA OU DA INTELIGIBILIDADE

O orçamento público deve ser apresentado em linguagem clara e


compreensível a todas as pessoas que, por força do ofício ou interesse,
precisam manipulá-lo.
Dispõe que o orçamento deve ser expresso de forma clara, ordenada e
completa. Embora diga respeito ao caráter formal, tem grande importância
para tornar o orçamento um instrumento eficiente de governo e administração.

16. PRINCÍPIO DA NÃO AFETAÇÃO (OU NÃO VINCULAÇÃO) DE


RECEITAS

O princípio da não vinculação de receitas dispõe que nenhuma receita de


impostos poderá ser reservada ou comprometida para atender a certos e
determinados gastos, salvo as ressalvas constitucionais.

Está na Constituição Federal, no art. 167, inciso IV:


“Art. 167. São vedados:
(...)
IV – a vinculação de receita de impostos a órgão, fundo ou despesa,
ressalvadas a repartição do produto da arrecadação dos impostos a que se
referem os arts. 158 e 159, a destinação de recursos para as ações e serviços
públicos de saúde, para manutenção e desenvolvimento do ensino e para
realização de atividades da administração tributária, como determinado,
respectivamente, pelos arts. 198, § 2º, 212 e 37, XXII, e a prestação de
garantias às operações de crédito por antecipação de receita, previstas no art.
165, § 8º, bem como o disposto no § 4º deste artigo.”

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 26 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01

Pretende-se, com isso, evitar que as vinculações reduzam o grau de liberdade


do planejamento, porque receitas vinculadas a despesas tornam essas
despesas obrigatórias. A principal finalidade do princípio em estudo é aumentar
a flexibilidade na alocação das receitas de impostos.

No que couber, aos demais entes são permitidas as mesmas vinculações da


União previstas na CF/1988. Além disso, é facultado aos Estados e ao Distrito
Federal vincular parcela de sua receita orçamentária a entidades públicas de
fomento ao ensino e à pesquisa científica e tecnológica4.

Importante: caso o recurso seja vinculado, ele deve atender ao objeto de sua
vinculação, mesmo que em outro exercício financeiro. Veja o parágrafo único
do art. 8º da LRF:
“Parágrafo único. Os recursos legalmente vinculados à finalidade específica
serão utilizados exclusivamente para atender ao objeto de sua vinculação,
ainda que em exercício diverso daquele em que ocorrer o ingresso.”

Na Constituição Federal anterior (Emenda Constitucional 1/1969), o princípio


da não vinculação de receitas estava relacionado a todos os tributos. A
denominação do princípio foi mantida pela maior parte da doutrina (não
vinculação de receitas), entretanto, agora abrange apenas os impostos,
coadunando-se com a ideia de que o imposto é o típico tributo de arrecadação
não vinculada. Assim, a regra geral é que as receitas derivadas dos impostos
devem estar disponíveis para custear qualquer atividade estatal.

Na CF/1988, o princípio veda a vinculação de impostos e não de tributos.

4
Art. 218, § 5º, da CF/1988.
Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 27 de 71
Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
A Constituição pode vincular outros impostos? Sim, por emenda constitucional
podem ser vinculados outros impostos, mas por lei complementar, ordinária ou
qualquer dispositivo infraconstitucional, não pode.
Apenas os impostos não podem ser vinculados por lei infraconstitucional.

(CESPE – Procurador do Município de Fortaleza - 2017) De acordo com


o entendimento do STF, a destinação de determinado percentual da
receita de ICMS ao financiamento de programa habitacional ofende a
vedação constitucional de vincular receita de impostos a órgão, fundo
ou despesa.

O princípio da não vinculação de receitas dispõe que nenhuma receita de


impostos poderá ser reservada ou comprometida para atender a certos e
determinados gastos, respeitadas as exceções constitucionais, as quais não se
incluem a vinculação para programas habitacionais. Logo, um estado não
poderia vincular ICMS para tais programas.
Resposta: Certa

(CESPE – Auditor Fiscal de Controle Externo – TCE/SC – 2016) O


princípio orçamentário da uniformidade pode ser cumprido ainda que
dois entes federativos classifiquem uma mesma despesa de formas
diferentes.

O princípio da uniformidade ou consistência dispõe que o orçamento deve


manter uma mínima padronização ou uniformidade na apresentação de seus
dados, de forma a permitir que os usuários realizem comparações entre os
diversos períodos. O orçamento deve apresentar e conservar ao longo dos
diversos exercícios financeiros uma estrutura que permita comparações
entre os sucessivos mandatos. Logo, divergências entre os orçamentos dos
entes federativos não violam o princípio da uniformidade.
Resposta: Certa

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 28 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01

(FCC – Auditor Conselheiro Substituto –TCM/GO – 2015) Contraria o


princípio da não afetação o oferecimento de impostos para garantir
dívidas com a União.

É permitida a vinculação para a prestação de garantia ou contragarantia à


União e para pagamento de débitos para com esta de receitas próprias geradas
por diversos impostos previstos na Constituição Federal, oriundos das
competências estadual e municipal e de repartições tributárias que devem ser
entregues aos estados e ao Distrito Federal (art. 167, § 4º, da CF/1988).
Resposta: Errada

(FGV - Analista Judiciário – TJ/GO – 2014) Entre os princípios


orçamentários contemplados pela legislação brasileira, o princípio da
universalidade diz que o orçamento deve ser apresentado em
linguagem clara e compreensível para permitir a participação da
sociedade civil na discussão e controle.

Entre os princípios orçamentários contemplados pela legislação brasileira, o


princípio da clareza deve ser apresentado em linguagem clara e
compreensível para permitir a participação da sociedade civil na discussão e
controle.
Resposta: Errada

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 29 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01

MEMENTO PRINCÍPIOS ORÇAMENTÁRIOS

PRINCÍPIOS DESCRIÇÃO DOS PRINCÍPIOS ORÇAMENTÁRIOS

Unidade: o orçamento deve ser uno, isto é, deve existir apenas um


orçamento, e não mais que um para cada ente da federação em
Unidade ou
cada exercício financeiro.
Totalidade
Totalidade: há coexistência de múltiplos orçamentos que,
entretanto, devem sofrer consolidação

O orçamento deve conter todas as receitas e despesas referentes


Universalidade
aos Poderes da União, seus fundos, órgãos e entidades da
ou Globalização
administração direta e indireta.

Anualidade ou O orçamento deve ser elaborado e autorizado para um período de


Periodicidade um ano.

Orçamento Todas as receitas e despesas constarão da lei orçamentária pelos


Bruto seus totais, vedadas quaisquer deduções.

Regra: o orçamento deve conter apenas previsão de receita e


fixação de despesas.
Exclusividade
Exceção: autorizações de créditos suplementares e operações de
crédito, inclusive por antecipação de receita orçamentária (ARO).

Regra: receitas e despesas devem ser discriminadas, demonstrando


Especificação
a origem e a aplicação dos recursos.
(ou
Exceção: programas especiais de trabalho ou em regime de
Discriminação
execução especial e reserva de contingência. As exceções são
ou
quanto à dotação global. Não são admitidas dotações ilimitadas, sem
Especialização)
exceções.

Regra: são vedados a transposição, o remanejamento ou a


transferência de recursos de uma categoria de programação para
outra ou de um órgão para outro, sem prévia autorização legislativa.
Proibição do Exceção: ato do Poder Executivo, sem necessidade da prévia
Estorno autorização legislativa, poderá transpor, remanejar ou transferir
recursos de uma categoria de programação no âmbito das atividades
de ciência, tecnologia e inovação, com o objetivo de viabilizar os
resultados de projetos restritos a essas funções.

Quantificação
dos Créditos É vedada a concessão ou utilização de créditos ilimitados.
Orçamentários

É condição de eficácia do ato a divulgação em veículos oficiais de


Publicidade
comunicação para conhecimento público.

Ampla divulgação, inclusive em meio eletrônico, dos instrumentos de


Transparência
planejamento e orçamento, da prestação de contas e de diversos
Orçamentária
relatórios e anexos. Incentivo à participação popular e realização de

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 30 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01

audiências públicas; liberação ao pleno conhecimento e


acompanhamento da sociedade, em tempo real, de informações
pormenorizadas sobre a execução orçamentária e financeira, em
meios eletrônicos de acesso público; adoção de sistema integrado de
administração financeira e controle.

Para ser legal, a aprovação do orçamento deve observar o processo


Legalidade legislativo. Os projetos de lei relativos ao PPA, LDO, LOA e aos
Orçamentária créditos adicionais serão apreciados pelas duas Casas do Congresso
Nacional, na forma do regimento comum.

O orçamento deve expressar as realizações e objetivos da forma


programada, planejada. Vincula as normas orçamentárias à
Programação
consecução e à finalidade do PPA e aos programas nacionais,
regionais e setoriais de desenvolvimento.

Visa a assegurar que as despesas autorizadas não serão superiores à


Equilíbrio
previsão das receitas.

Regra: É vedada a vinculação de receita de impostos a órgão,


fundo ou despesa. Exceções:
a) Repartição constitucional dos impostos;
b) Destinação de recursos para a Saúde;
Não afetação
c) Destinação de recursos para o desenvolvimento do ensino;
(ou Não
d) Destinação de recursos para a atividade de administração
vinculação) de
tributária;
Receitas
e) Prestação de garantias às operações de crédito por antecipação
de receita;
f) Garantia, contragarantia à União e pagamento de débitos para
com esta.

O orçamento deve ser expresso de forma clara, ordenada e


Clareza
completa.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 31 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 32 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01

QUESTÕES DE CONCURSOS ANTERIORES - CESPE

PRINCÍPIOS ORÇAMENTÁRIOS

1) (CESPE - Auditor - Contas Públicas - TCE/PE - 2017) Em


observância ao princípio da universalidade orçamentária, devem estar
reunidos no orçamento estadual todos os recursos que um estado-
membro esteja autorizado a arrecadar e todas as dotações necessárias
ao custeio de serviços públicos estaduais.

De acordo com o princípio da universalidade, o orçamento deve conter todas


as receitas e despesas referentes aos Poderes da União, seus fundos, órgãos e
entidades da Administração direta e indireta.
Resposta: Certa

2) (CESPE – Analista de Controle Externo - Contas Públicas - TCE/PE


- 2017) Em razão do princípio da exclusividade orçamentária, a
lei orçamentária deve conter todas as receitas e despesas,
qualquer que seja a sua natureza, procedência ou o seu destino.

De acordo com o princípio da universalidade, o orçamento deve conter todas


as receitas e despesas referentes aos Poderes da União, seus fundos, órgãos e
entidades da Administração direta e indireta.
Resposta: Errada

3) (CESPE – Analista de Gestão - Administração - TCE/PE - 2017) O


tratamento dado aos recursos destinados à educação e à saúde
constitui uma exceção ao princípio orçamentário da não vinculação.

O princípio da não vinculação (ou não afetação) de receitas dispõe que


nenhuma receita de impostos poderá ser reservada ou comprometida para
atender a certos e determinados gastos, salvo as ressalvas constitucionais.
São elas:
As exceções constitucionais são:
 Repartição constitucional dos impostos;
 Destinação de recursos para a Saúde;
 Destinação de recursos para o desenvolvimento do ensino;
 Destinação de recursos para a atividade de administração tributária;
 Prestação de garantias às operações de crédito por antecipação de
receita;
 Garantia, contragarantia à União e pagamento de débitos para com esta.

Resposta: Certa

4) (CESPE – Analista de Controle Externo - Contas Públicas - TCE/PE


- 2017) Violará o princípio da não afetação da receita a
Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 33 de 71
Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
promulgação de lei estadual que impuser aos municípios a aplicação
em financiamento de programa habitacional estadual de 50% do ICMS
a eles destinado.

O princípio da não vinculação de receitas dispõe que nenhuma receita de


impostos poderá ser reservada ou comprometida para atender a certos e
determinados gastos, salvo as ressalvas constitucionais. Como tais exceções
não incluem vinculações de impostos para programas habitacionais, uma ação
nesse sentido violará o princípio da não afetação de receitas.
Resposta: Certa

5) (CESPE – Analista de Controle Externo - Contas Públicas - TCE/PE


- 2017) De acordo com o princípio orçamentário da não afetação —
que, no Brasil, é aplicável somente às receitas de impostos —, as
receitas públicas não podem estar vinculadas a qualquer tipo de
despesa pública.

O princípio da não vinculação de receitas dispõe que nenhuma receita de


impostos poderá ser reservada ou comprometida para atender a certos e
determinados gastos, salvo as ressalvas constitucionais.
O CESPE considera como certas questões que simplesmente trazem a regra
geral corretamente, sem falar nada sobre exceções. O que é considerado erro
para o CESPE é a questão falar que não há exceções ou qualquer conteúdo
nesse sentido. Ou, ainda, será considerada errada a questão que apresentar
outros erros, como abordar de forma incorreta a regra geral ou suas exceções.
Resposta: Certa

6) (CESPE - Auditor - Contas Públicas - TCE/PE - 2017) Dado o


princípio da anualidade orçamentária, os orçamentos públicos das
diversas esferas de governo devem ter vigência de um exercício
financeiro e coincidir com o ano civil.

Segundo o princípio da anualidade, o orçamento deve ser elaborado e


autorizado para um período de tempo chamado exercício financeiro. Já a Lei
4.320/64 determina que o exercício financeiro coincida com o ano civil.
Entretanto, a doutrina majoritária defende que o fato do exercício financeiro
coincidir ou não com o ano civil não afeta o princípio da anualidade.
Resposta: Errada

7) (CESPE – Analista de Gestão – Julgamento – TCE/PE – 2017) O


caixa único do Tesouro Nacional destina-se a efetivar o princípio
orçamentário da unidade.

O caixa único do Tesouro efetiva o princípio financeiro da unidade de caixa e


não o da unidade orçamentária, o qual está relacionado a existência de apenas
um orçamento para cada ente da Federação em cada exercício financeiro.
Resposta: Errada

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 34 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
8) (CESPE – Procurador do Município de Fortaleza - 2017) Decorre
do princípio da unidade do orçamento a vedação à inclusão, no
orçamento, de qualquer dispositivo de lei material que não verse sobre
previsão de receita ou autorização de despesa.

De acordo com o princípio da exclusividade, a lei orçamentária anual deve


conter tão somente matéria relativa à previsão da receita e à fixação da
despesa. Exceção se dá para as autorizações de créditos suplementares e
operações de crédito, inclusive por antecipação de receita orçamentária.
Resposta: Errada

9) (CESPE – Analista Judiciário – Administrativa - TRE/PE - 2017) O


parágrafo único do artigo 20 da Lei n.º 4.320/1964, conforme o qual
“os programas especiais de trabalho que, por sua natureza, não
possam cumprir-se subordinadamente às normas gerais de execução
da despesa, poderão ser custeados por dotações globais, classificadas
entre as despesas de capital”, constitui uma exceção ao princípio da
especificação.

De acordo com o princípio da especificação, a Lei de Orçamento não


consignará dotações globais destinadas a atender indiferentemente a despesas
de pessoal, material, serviços de terceiros, transferências ou quaisquer outras.
Entretanto, há exceções. São os programas especiais de trabalho que, por sua
natureza, não podem cumprir-se subordinadamente às normas gerais de
execução da despesa. Tais despesas são classificadas como despesas de
capital e também chamadas de investimentos em regime de execução
especial.
Resposta: Certa

10) (CESPE – Procurador do Município de Fortaleza - 2017) De acordo


com o entendimento do STF, a destinação de determinado percentual
da receita de ICMS ao financiamento de programa habitacional ofende
a vedação constitucional de vincular receita de impostos a órgão,
fundo ou despesa.

O princípio da não vinculação de receitas dispõe que nenhuma receita de


impostos poderá ser reservada ou comprometida para atender a certos e
determinados gastos, respeitadas as exceções constitucionais, as quais não se
incluem a vinculação para programas habitacionais. Logo, um estado não
poderia vincular ICMS para tais programas.
Resposta: Certa

11) (CESPE – Economista e Contador - DPU – 2016) De acordo com o


princípio da universalidade orçamentária, cada unidade orçamentária
deve possuir apenas um orçamento.

De acordo com o princípio da unidade orçamentária, cada ente deve possuir


apenas um orçamento.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 35 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
Resposta: Errada

12) (CESPE – Analista Judiciário – Judiciária – TRT/8 – 2016) De


acordo com o princípio da unidade orçamentária, a receita e a despesa,
na lei orçamentária anual, devem ser discriminadas de forma
detalhada, não se admitindo dotações globais.

De acordo com o princípio da especificação, como regra geral, a receita e a


despesa, na lei orçamentária anual, devem ser discriminadas de forma
detalhada, não se admitindo dotações globais.
Resposta: Errada

13) (CESPE – Analista Judiciário – Contabilidade – TRT/8 – 2016) De


acordo com a Constituição Federal de 1988, a lei orçamentária anual
deve compreender o orçamento fiscal, o qual conterá receitas e
despesas referentes a todas as entidades da administração direta e
indireta; o orçamento de investimento das empresas estatais; e o
orçamento da seguridade social. Esse mandamento constitucional
relaciona-se aos princípios orçamentários da universalidade e da
unidade.

De acordo com a CF/1988, a LOA deve compreender o orçamento fiscal, o


orçamento de investimento das empresas estatais e o orçamento da
seguridade social. Esse mandamento constitucional relaciona-se aos princípios
orçamentários da universalidade (todas as receitas e despesas na LOA) e da
unidade (todos os orçamentos em uma só LOA).
Resposta: Certa

14) (CESPE – Agente Administrativo - DPU – 2016) No Brasil, para


determinado período do ano civil, cada ente da Federação deve possuir
um orçamento para as receitas e um orçamento para as despesas.

No Brasil, para determinado período do ano civil, cada ente da Federação deve
possuir um único orçamento para as receitas e para as despesas (e não
um orçamento somente para as receitas e outro somente para as despesas).
Resposta: Errada

15) (CESPE – Técnico Judiciário – Administrativa – TRT/8 – 2016) Os


valores estabelecidos para a efetivação das despesas autorizadas
deverão ser proporcionais aos valores previstos para a arrecadação
das receitas. Essa afirmativa faz referência ao princípio orçamentário
da exclusividade.

Os valores estabelecidos para a efetivação das despesas autorizadas deverão


ser proporcionais aos valores previstos para a arrecadação das receitas. Essa
afirmativa se aproxima do princípio do equilíbrio.
Resposta: Errada

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 36 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
16) (CESPE – Analista Judiciário – Judiciária – TRT/8 – 2016)
Consoante o princípio da unidade orçamentária, à lei orçamentária
anual não caberá inclusão de qualquer dispositivo diferente à previsão
das receitas e à fixação das despesas.

Consoante o princípio da exclusividade, como regra geral, à lei orçamentária


anual não caberá inclusão de qualquer dispositivo diferente à previsão das
receitas e à fixação das despesas.
Resposta: Errada

17) (CESPE – Auditor - Conselheiro Substituto – TCE/PR – 2016) O


PPA segue o princípio da periodicidade e seu orçamento é definido
bienalmente.

Segundo o princípio da anualidade ou periodicidade, o orçamento deve ser


elaborado e autorizado para um período de um ano. O PPA possui um período
de quatro anos.
Resposta: Errada

18) (CESPE – Analista Judiciário – Judiciária – TRT/8 – 2016) Por


previsão constitucional, a própria LOA poderá conter autorização para
contratação de operações de crédito por antecipação de receita
orçamentária.

O princípio constitucional orçamentário da exclusividade determina que a Lei


Orçamentária não poderá conter matéria estranha à previsão das receitas e à
fixação das despesas. Exceção se dá para as autorizações de créditos
suplementares e operações de crédito, inclusive por antecipação de receita
orçamentária.
Logo, por previsão constitucional, a própria LOA poderá conter autorização
para contratação de operações de crédito por antecipação de receita
orçamentária.
Resposta: Certa

19) (CESPE – Auditor Fiscal de Controle Externo – Direito - TCE/SC –


2016) Apesar de os entes federados serem obrigados a elaborar um
orçamento fiscal, um orçamento de investimento das empresas
estatais e um orçamento da seguridade social, é correto afirmar que
vigora no Brasil o princípio da unidade orçamentária.

Por determinação constitucional, os entes federados são obrigados a elaborar


um orçamento fiscal, um orçamento de investimento das empresas estatais e
um orçamento da seguridade social, tudo se coadunando com a moderna visão
do princípio da unidade.
Resposta: Certa

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 37 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
20) (CESPE – Auditor - Conselheiro Substituto – TCE/PR – 2016)
Dado o princípio da exclusividade, cada ente da Federação deverá ter o
seu próprio orçamento.

Dado o princípio da exclusividade, a LOA não poderá conter matéria


estranha à previsão das receitas e à fixação das despesas. Exceção se
dá para as autorizações de créditos suplementares e operações de crédito,
inclusive por antecipação de receita orçamentária.
Resposta: Errada

21) (CESPE – Auditor - Conselheiro Substituto – TCE/PR – 2016) De


acordo com o princípio do orçamento bruto, as receitas devem constar
no orçamento pelos seus totais, deduzindo-se destes somente os
impostos.

De acordo com o princípio do orçamento bruto, as receitas devem constar no


orçamento pelos seus totais, vedadas quaisquer deduções.
Resposta: Errada

22) (CESPE – Auditor - Conselheiro Substituto – TCE/PR – 2016)


Dado o princípio da totalidade, o orçamento de cada estado deverá
conter todas as receitas e despesas de seus órgãos mantidos pelo
poder público.

Dado o princípio da universalidade, o orçamento de cada estado deverá conter


todas as receitas e despesas de seus órgãos mantidos pelo poder público.
Resposta: Errada

23) (CESPE – Auditor Fiscal de Controle Externo – TCE/SC – 2016) O


princípio orçamentário da uniformidade pode ser cumprido ainda que
dois entes federativos classifiquem uma mesma despesa de formas
diferentes.

O princípio da uniformidade ou consistência dispõe que o orçamento deve


manter uma mínima padronização ou uniformidade na apresentação de seus
dados, de forma a permitir que os usuários realizem comparações entre os
diversos períodos. O orçamento deve apresentar e
conservar ao longo dos diversos exercícios financeiros uma estrutura que
permita comparações entre os sucessivos mandatos.
Logo, divergências entre os orçamentos dos entes federativos não violam o
princípio da uniformidade.
Resposta: Certa

24) (CESPE – Analista Judiciário – Judiciária – TRT/8 – 2016) De


acordo com o princípio da unidade orçamentária, o orçamento da
União deve reunir, em única lei, os orçamentos referentes aos Poderes
Executivo, Legislativo e Judiciário.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 38 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
Segundo o princípio da unidade, o orçamento deve ser uno, isto é, deve existir
apenas um orçamento, e não mais que um para cada ente da Federação em
cada exercício financeiro. Logo, o orçamento da União ou de qualquer estado
ente deve reunir, em única lei, os orçamentos referentes aos Poderes
Executivo, Legislativo e Judiciário.
Resposta: Certa

25) (CESPE – Analista Técnico-Administrativo – SPU/MPOG - 2015) A


aplicação do princípio orçamentário da especialização pressupõe que
um grau maior de discriminação da receita e da despesa interessa
particularmente aos escalões decisórios superiores, em razão de sua
importância para a fiscalização e o controle.

O princípio da especialização tem o objetivo de facilitar a função de


acompanhamento e controle do gasto público por toda a sociedade, evitando
a chamada “ação guarda-chuva”, que é aquela ação genérica, mal
especificada, com demasiada flexibilidade.
Resposta: Errada

26) (CESPE – Agente Penitenciário Nacional – DEPEN - 2015) De


acordo com o princípio da universalidade, o orçamento deve englobar
todas as receitas e despesas do Estado para que seja realizada a
programação financeira de arrecadação de tributos necessários para
custear as despesas projetadas pelo governo.

De acordo com o princípio da universalidade, o orçamento deve conter todas


as receitas e despesas referentes aos Poderes da União, seus fundos, órgãos e
entidades da Administração direta e indireta.
Por meio da LOA é realizada a programação financeira de arrecadação de
tributos necessários para custear as despesas projetadas pelo governo.
Resposta: Certa

27) (CESPE – Agente Penitenciário Nacional – DEPEN - 2015) O


princípio orçamentário da unidade, que prescreve a formulação de um
orçamento único, não é observado pela Constituição Federal brasileira,
que determina a existência dos orçamentos fiscal, da seguridade social
e de investimentos das estatais.

A Constituição trouxe um modelo que, em linhas gerais, segue o princípio da


totalidade, pois a composição do orçamento anual passou a ser a seguinte:
orçamento fiscal, orçamento da seguridade social e orçamento de
investimentos das estatais. Tal tripartição orçamentária é apenas de cunho
instrumental, não implica dissonância e, portanto, não viola o princípio da
unidade ou da totalidade.
Resposta: Errada

28) (CESPE – Agente Penitenciário Nacional – DEPEN - 2015)


Conforme a regra geral do princípio da não afetação, estabelecido na

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 39 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
Carta Magna brasileira, é vedada a vinculação da receita de impostos a
órgão, fundo ou despesa.

O princípio da não vinculação de receitas dispõe que nenhuma receita de


impostos poderá ser reservada ou comprometida para atender a certos e
determinados gastos, salvo as ressalvas constitucionais.
Resposta: Certa

29) (CESPE – Agente Penitenciário Nacional – DEPEN - 2015) A lei


orçamentária anual deve incluir orçamento de investimento das
empresas em que a União, direta ou indiretamente, detenha a maioria
do capital social votante; no entanto, a autorização para a abertura de
crédito suplementar deve ser conteúdo de lei complementar específica.

A lei orçamentária anual deve incluir orçamento de investimento das empresas


em que a União, direta ou indiretamente, detenha a maioria do capital social
votante.
Ainda, pelo princípio da exclusividade, a própria LOA poderá autorizar a
abertura de créditos adicionais suplementares.
Resposta: Errada

30) (CESPE – Auditor Governamental – CGE/PI - 2015) A LOA não


deverá conter dispositivo estranho à previsão da receita e à fixação da
despesa, nem autorização para a contratação de operação de crédito
por antecipação de receita orçamentária (ARO).

A LOA não deverá conter dispositivo estranho à previsão da receita e à fixação


da despesa, mas como exceção é permitida a autorização para a
contratação de operação de crédito, ainda que por antecipação de receita
orçamentária (ARO).
Resposta: Errada

31) (CESPE – Analista Judiciário – Administrativo - TRE/GO – 2015)


De acordo com o princípio do orçamento bruto, o montante total de
despesas orçamentárias deve ser igual ao montante total de receitas
orçamentárias.

De acordo com o princípio do orçamento bruto, todas as receitas e


despesas constarão da Lei de Orçamento pelos seus totais, vedadas
quaisquer deduções.
Resposta: Errada

32) (CESPE – Auditor – FUB - 2015) O princípio orçamentário da não


afetação veda a vinculação de impostos a órgão, fundo ou despesa,
sem ressalvas de repartição do produto da arrecadação.

O princípio da não vinculação de receitas dispõe que nenhuma receita de


impostos poderá ser reservada ou comprometida para atender a certos e

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 40 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
determinados gastos, salvo as ressalvas constitucionais. Entre tais
exceções está a repartição do produto da arrecadação dos impostos (a que se
referem os arts. 158 e 159 da CF/1988).
Resposta: Errada

33) (CESPE – Analista Judiciário – Administração e Contábeis – TJ/CE


– 2014) É uma norma passível de ser incluída na lei orçamentária
anual o estabelecimento de limite percentual para a abertura de
créditos suplementares

De acordo com o princípio da exclusividade, a lei orçamentária anual deve


conter tão somente matéria relativa à previsão da receita e à fixação da
despesa. Exceção se dá para as autorizações de créditos suplementares e
operações de crédito, inclusive por antecipação de receita orçamentária.
Resposta: Certa

34) (CESPE – Analista Judiciário – Administração e Contábeis – TJ/CE


– 2014) O princípio do equilíbrio não costuma ser observado no Brasil,
visto que o orçamento fiscal geralmente é deficitário.

Contabilmente e formalmente o orçamento estará equilibrado, pois tal déficit


aparece normalmente nas operações de crédito que, pelo art. 3º da Lei
4.320/1964, também devem constar do orçamento.
Resposta: Errada

35) (CESPE – Analista Judiciário – Administração e Contábeis – TJ/CE


– 2014) De acordo com o princípio da programação, a lei orçamentária
anual deve conter tão somente matéria relativa à previsão da receita e
à fixação da despesa.

De acordo com o princípio da exclusividade, a lei orçamentária anual deve


conter tão somente matéria relativa à previsão da receita e à fixação da
despesa, salvo as ressalvas constitucionais.
Resposta: Errada

36) (CESPE – Analista Judiciário – Administração e Contábeis – TJ/CE


– 2014) O princípio da não afetação das receitas determina que o
produto da arrecadação dos tributos não pode estar vinculado a órgão,
fundo ou despesa.

O princípio da não afetação das receitas determina que o produto da


arrecadação dos impostos não pode estar vinculado a órgão, fundo ou
despesa, salvo as ressalvas constitucionais.
Resposta: Errada

37) (CESPE – Técnico Judiciário – Administrativo – TJ/CE – 2014) Em


que pese a previsão constitucional do princípio da exclusividade

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 41 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
orçamentária, é permitido que a LOA autorize previamente a abertura
de operações de crédito.

De acordo com o princípio da exclusividade, a lei orçamentária anual deve


conter tão somente matéria relativa à previsão da receita e à fixação da
despesa. Exceção se dá para as autorizações de créditos suplementares e
operações de crédito, inclusive por antecipação de receita orçamentária.
Resposta: Certa

38) (CESPE – Técnico Judiciário – Administrativo – TJ/CE – 2014) De


acordo com o princípio orçamentário da totalidade, deve-se evitar que
dotações globais sejam inseridas na LOA.

De acordo com o princípio orçamentário da especificação, deve-se evitar que


dotações globais sejam inseridas na LOA.
Resposta: Errada

39) (CESPE – Técnico Judiciário – Administrativo – TJ/CE – 2014) A


lei orçamentária anual (LOA) não contém dispositivo estranho à
previsão da receita e à fixação da despesa, em face do princípio da
especificação.

A lei orçamentária anual (LOA) não contém dispositivo estranho à previsão da


receita e à fixação da despesa, em face do princípio da exclusividade.
Resposta: Errada

40) (CESPE – Analista Técnico-Administrativo – MDIC – 2014) O


princípio orçamentário da legalidade é estabelecido pela norma
constitucional segundo a qual é vedada a realização de operações de
créditos que excedam o montante das despesas de capital. Serão
ressalvadas, porém, as operações de crédito autorizadas com
finalidade precisa, mediante créditos suplementares ou especiais
aprovados pelo Poder Legislativo por maioria absoluta.

O respaldo ao princípio da legalidade orçamentária está na Constituição, mas


nos seguintes dispositivos:
“Art. 165. Leis de iniciativa do Poder Executivo estabelecerão:
I – o plano plurianual;
II – as diretrizes orçamentárias;
III – os orçamentos anuais.
Art. 166. Os projetos de lei relativos ao plano plurianual, às diretrizes
orçamentárias, ao orçamento anual e aos créditos adicionais serão
apreciados pelas duas Casas do Congresso Nacional, na forma do
regimento comum.”

O dispositivo citado na questão é o da “regra de ouro”.


Resposta: Errada

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 42 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
41) (CESPE – Técnico da Administração Pública – TCDF – 2014)
Suponha que determinado município tenha instituído contribuição de
melhoria sobre imóveis localizados próximos de obra pública
concluída. Nessa situação, em respeito ao princípio da não vinculação,
o município estará proibido de determinar a destinação do produto da
arrecadação da referida contribuição ao atendimento de despesa
pública específica.

Na situação em tela, em respeito ao princípio da não vinculação, o município


não estará proibido de vincular a contribuição de melhoria, pois tal princípio se
refere aos impostos.
Resposta: Errada

42) (CESPE – Consultor de Orçamentos – Câmara dos Deputados –


2014) O princípio da exclusividade tem o objetivo de impedir que a lei
de orçamento seja utilizada como meio de aprovação de matérias
estranhas às questões orçamentárias.

O princípio da exclusividade surgiu para evitar que o orçamento fosse utilizado


para aprovação de matérias sem nenhuma pertinência com o conteúdo
orçamentário, em virtude da celeridade do seu processo.
Tem o objetivo de limitar o conteúdo da Lei Orçamentária, impedindo que nela
se inclua normas pertencentes a outros campos jurídicos, como forma de se
tirar proveito de um processo legislativo mais rápido.
Resposta: Certa

43) (CESPE – Técnico da Administração Pública – TCDF – 2014) O


princípio da universalidade está expresso no dispositivo constitucional
que proíbe a concessão ou utilização de créditos ilimitados.

O princípio da quantificação dos créditos orçamentários está expresso no


dispositivo constitucional que proíbe a concessão ou utilização de créditos
ilimitados.
Resposta: Errada

44) (CESPE – Agente Administrativo – Polícia Federal – 2014) De


acordo com o princípio da unidade, ou da totalidade orçamentária,
todos os entes federados devem reunir seus diferentes orçamentos em
uma única lei orçamentária, que consolidará todas as receitas e
despesas públicas do Estado.

De acordo com o princípio da unidade todos os entes federados devem reunir


seus diferentes orçamentos em uma única lei orçamentária por ente e por
exercício financeiro, ou seja, a União, cada estado, o Distrito Federal e cada
município possuem o seu próprio orçamento. Não há um orçamento estadual
consolidando todas as receitas e despesas públicas do Estado.
Resposta: Errada

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 43 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
45) (CESPE – Consultor de Orçamentos – Câmara dos Deputados –
2014) O princípio do orçamento bruto, embora bastante
representativo, não está integrado à legislação brasileira.

O Princípio do Orçamento Bruto está na Lei 4.320/1964:


“Art. 6º Todas as receitas e despesas constarão da Lei de Orçamento pelos
seus totais, vedadas quaisquer deduções.
§ 1º As cotas de receitas que uma entidade pública deva transferir a outra
incluir-se-ão, como despesa, no orçamento da entidade obrigada a
transferência e, como receita, no orçamento da que as deva receber.”

Resposta: Errada

46) (CESPE – Auditor de Controle Externo – TCDF – 2014) Atende ao


princípio da unidade orçamentária a inclusão, na lei orçamentária, do
orçamento de investimento de empresa em que a União detenha
participação, ainda que sem direito a voto.

Atende ao princípio da unidade orçamentária a inclusão, na lei orçamentária,


do orçamento de investimento de empresa em que a União, direta ou
indiretamente, detenha a maioria do capital social com direito a voto.
Resposta: Errada

47) (CESPE – Consultor de Orçamentos – Câmara dos Deputados –


2014) As cotas de receita que uma entidade pública deva transferir a
outra serão incluídas como receita no orçamento da entidade obrigada
à transferência.

Princípio do Orçamento Bruto. Na Lei 4.320/1964:


“Art. 6º Todas as receitas e despesas constarão da Lei de Orçamento pelos
seus totais, vedadas quaisquer deduções.
§ 1º As cotas de receitas que uma entidade pública deva transferir a outra
incluir-se-ão, como despesa, no orçamento da entidade obrigada a
transferência e, como receita, no orçamento da que as deva receber.”
Resposta: Errada

48) (CESPE – Analista Administrativo - ICMBio – 2014) Para evitar


dupla contagem, os registros das receitas e despesas na lei
orçamentária anual (LOA) devem ser realizados pelos seus valores
líquidos, abatendo os impostos e as taxas.

O princípio do orçamento bruto veda que as despesas ou receitas sejam


incluídas no orçamento ou em qualquer dos tipos de créditos adicionais nos
seus montantes líquidos.
Resposta: Errada

49) (CESPE – Agente Administrativo - MTE – 2014) Nas transferências


de créditos orçamentários, a despesa do órgão transferidor é

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 44 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
registrada como dedução das receitas arrecadadas a fim de evidenciar
o valor líquido da receita pertencente ao órgão arrecadador.

As cotas de receitas que uma entidade pública deva transferir a outra incluir-
se-ão, como despesa, no orçamento da entidade obrigada a
transferência e, como receita, no orçamento da que as deva receber (art. 6º,
§ 1º, da Lei 4320/1964).
Resposta: Errada

50) (CESPE – Analista Administrativo – ANTAQ - 2014) O princípio da


anualidade orçamentária determina que o orçamento de cada um dos
entes da Federação deve ser elaborado e encaminhado ao Poder
Legislativo no ano anterior ao da sua execução.

Segundo o princípio da anualidade, o orçamento deve ser elaborado e


autorizado para um período de um ano. Tal princípio por si só não
determina que deva ser elaborado e encaminhado no ano anterior ao da sua
execução.
Resposta: Errada

51) (CESPE – Analista – Orçamento, Gestão Financeira e


Controle/Serviços Técnicos e Administrativos – TCDF – 2014)
Considera-se respeitado o princípio da unidade orçamentária ainda que
a lei orçamentária anual seja composta por três orçamentos
diferentes, como ocorre no Brasil.

Considera-se respeitado o princípio da unidade ou totalidade orçamentária


ainda que a lei orçamentária anual seja composta por três orçamentos
diferentes, como ocorre no Brasil. Há coexistência de múltiplos orçamentos
que, entretanto, devem sofrer consolidação.
Resposta: Certa

52) (CESPE – Administrador - Polícia Federal – 2014) Na


contabilização do total de receitas, deduzir o valor a ser inscrito na
dívida ativa tributária da União descumpre o princípio orçamentário da
programação.

Na contabilização do total de receitas, deduzir o valor a ser inscrito na dívida


ativa tributária da União descumpre o princípio orçamentário do orçamento
bruto, o qual veda que as despesas ou receitas sejam incluídas no orçamento
ou em qualquer dos tipos de créditos adicionais nos seus montantes líquidos.
Resposta: Errada

53) (CESPE – Contador - MTE – 2014) A Constituição Federal de 1988


(CF) veda a vinculação da receita de tributos e contribuições de
competência federal a órgão, fundo ou despesa, ressalvada a
repartição do produto da arrecadação de alguns impostos, elencados

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 45 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
em rol taxativo, para as finalidades estabelecidas no texto
constitucional.

A CF/1988 veda a vinculação da receita de impostos a órgão, fundo ou


despesa, ressalvada a repartição do produto da arrecadação de alguns
impostos, elencados em rol taxativo, para as finalidades estabelecidas no texto
constitucional.
Resposta: Errada

54) (CESPE – Consultor de Orçamentos – Câmara dos Deputados –


2014) O princípio da especialização contribui para o trabalho
fiscalizador dos parlamentos sobre as finanças executivas.

O princípio da especificação (ou especialização ou discriminação) determina


que, na Lei Orçamentária Anual, as receitas e despesas devam ser
discriminadas, demonstrando a origem e a aplicação dos recursos. Tem o
objetivo de facilitar a função de acompanhamento e controle do gasto público,
evitando a chamada “ação guarda-chuva”, que é aquela ação genérica, mal
especificada, com demasiada flexibilidade.
Resposta: Certa

55) (CESPE – Auditor de Controle Externo – Ciências Contábeis -


TCE/RO – 2013) Caso seja aprovada lei complementar que revogue a
norma segundo a qual o exercício financeiro deva coincidir com o ano
civil, mas que mantenha o intervalo de doze meses para o ciclo
orçamentário, o princípio orçamentário da anualidade permanecerá em
vigor.

Caso seja aprovada lei complementar que revogue a norma segundo a qual o
exercício financeiro deva coincidir com o ano civil, mas que mantenha o
intervalo de doze meses para o exercício financeiro, o princípio orçamentário
da anualidade permanecerá em vigor.
O ciclo orçamentário não se confunde com o exercício financeiro.
Resposta: Errada

56) (CESPE – Auditor de Controle Externo – Direito - TCE/RO – 2013)


De acordo com o princípio orçamentário da universalidade, o aumento
de tributos definido após aprovação do orçamento e antes do início do
exercício financeiro seguinte poderá ser cobrado apenas no exercício
financeiro subsequente.

De acordo com o princípio da universalidade, o orçamento deve conter todas


as receitas e despesas referentes aos Poderes da União, seus fundos,
órgãos e entidades da Administração direta e indireta.
Resposta: Errada

57) (CESPE – Analista - Planejamento e Orçamento - MPU – 2013) O


princípio da anualidade estabelece que as autorizações orçamentárias

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 46 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
e, consequentemente, o exercício financeiro no Brasil devem
corresponder a doze meses e coincidir com o ano civil. Contudo,
constitui exceção ao princípio mencionado a autorização para os
créditos reabertos.

Os créditos adicionais especiais e extraordinários autorizados nos últimos


quatro meses do exercício podem ser reabertos no exercício seguinte pelos
seus saldos, se necessário, e, neste caso, viger até o término desse exercício
financeiro. Por esse motivo, alguns autores consideram que se trata de
exceções ao princípio da anualidade.
Resposta: Certa

58) (CESPE – Técnico Judiciário – Administrativa – TRT/10 - 2013) De


acordo com o princípio da unidade, o ente governamental deve dispor
de apenas um orçamento, que inclua todas as receitas estimadas e
despesas fixadas pelo Estado.

Segundo o princípio da unidade, o orçamento deve ser uno, isto é, deve existir
apenas um orçamento, e não mais que um para cada ente da Federação em
cada exercício financeiro.
Resposta: Certa

59) (CESPE – Técnico Judiciário – Administrativa – CNJ - 2013) Por


ser uma inciativa do executivo e em virtude da independência entre os
poderes, a Lei Orçamentária Anual (LOA) não dispõe acerca dos
valores destinados ao pagamento de pessoal dos poderes Legislativo e
Judiciário.

De acordo com o princípio da universalidade, o orçamento deve conter todas


as receitas e despesas referentes aos Poderes da União, seus fundos,
órgãos e entidades da Administração direta e indireta.
Resposta: Errada

60) (CESPE – Técnico Judiciário – Administrativa – TRT/10 - 2013) O


princípio da anualidade orçamentária fundamenta-se em critérios
puramente técnicos, relativos às questões operacionais de apuração
contábil da receita e da despesa, não estando relacionado, portanto,
com o controle político do Poder Executivo.

A ideia do princípio da anualidade, em sua origem, era obrigar o Poder


Executivo a solicitar periodicamente ao Congresso permissão para a cobrança
de impostos e a aplicação dos recursos públicos. Assim, está relacionado ao
controle político do Poder Executivo.
Resposta: Errada

61) (CESPE – Analista Judiciário – Contabilidade – TRT/10 – 2013) As


dotações globais destinadas a atender indiferentemente despesas de
pessoal, material, serviços de terceiros, transferências ou quaisquer

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 47 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
outras não serão consignadas à lei de orçamento. Entretanto, poderão
ser custeados por dotações globais, classificadas entre as despesas de
capital, os programas especiais de trabalho que, por sua natureza, não
se possam cumprir subordinadamente às normas gerais de execução
da despesa.

De acordo com o princípio da especificação, a Lei de Orçamento não


consignará dotações globais destinadas a atender indiferentemente a despesas
de pessoal, material, serviços de terceiros, transferências ou quaisquer outras.

Entretanto, há exceções. São os programas especiais de trabalho que, por sua


natureza, não podem cumprir-se subordinadamente às normas gerais de
execução da despesa. Tais despesas são classificadas como despesas de
capital e também chamadas de investimentos em regime de execução
especial.
Resposta: Certa

62) (CESPE - Analista de Planejamento, Gestão e Infraestrutura em


Propriedade Industrial – Gestão Financeira - INPI – 2013) A LOA é
peça técnica voltada para a operacionalização do planejamento
governamental, assim não é necessária a observância do princípio da
publicidade, visto que o PPA e a LDO já cumprem a função de tornar
público para a sociedade quais são os objetivos dos governos e que
meios serão utilizados para alcançá-los.

O princípio da publicidade também é orçamentário, pois as decisões sobre


orçamento só têm validade após a sua publicação em órgão da imprensa
oficial. É condição de eficácia do ato a divulgação em veículos oficiais de
comunicação para conhecimento público, de forma a garantir a transparência
na elaboração e execução do orçamento. Assim, tem-se a garantia de acesso
para qualquer interessado às informações necessárias ao exercício da
fiscalização sobre a utilização dos recursos arrecadados dos contribuintes.
Resposta: Errada

63) (CESPE – Técnico Judiciário – Administrativa – TRT/10 - 2013)


Para a garantia dos recursos necessários a investimentos na
infraestrutura de transporte urbano no Brasil, é permitida pela CF a
vinculação das receitais próprias geradas pela arrecadação de
impostos sobre a propriedade de veículos automotores.

O princípio da não vinculação de receitas dispõe que nenhuma receita de


impostos poderá ser reservada ou comprometida para atender a certos e
determinados gastos, salvo as ressalvas constitucionais.

As exceções constitucionais são:


a) Repartição constitucional dos impostos;
b) Destinação de recursos para a Saúde;
c) Destinação de recursos para o desenvolvimento do ensino;

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 48 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
d) Destinação de recursos para a atividade de administração tributária;
e) Prestação de garantias às operações de crédito por antecipação de receita;
f) Garantia, contragarantia à União e pagamento de débitos para com esta.

Logo, não é permitida a vinculação do IPVA para a garantia dos recursos


necessários a investimentos na infraestrutura de transporte urbano no Brasil.
Resposta: Errada

64) (CESPE – Auditor Fiscal do Trabalho - MTE – 2013) A evolução


ocorrida nas funções do orçamento, que deixou de ser um mero
instrumento de autorização para se tornar ferramenta de auxílio
efetivo da administração, gerou um novo princípio, o da programação.

O princípio da programação é decorrente da evolução das funções do


orçamento e não poderia ser observado antes da instituição do conceito de
orçamento-programa.
Resposta: Certa

65) (CESPE - Analista Administrativo – Administrador - ANP – 2013)


De acordo com o princípio da especialização, a lei orçamentária deverá
conter apenas matéria financeira, excluindo qualquer dispositivo
estranho à estimativa de receitas do orçamento.

O princípio da especificação determina que, na Lei Orçamentária Anual, as


receitas e despesas devam ser discriminadas, demonstrando a origem e a
aplicação dos recursos.
O item se refere, de forma incompleta, ao princípio da exclusividade, o qual
determina que a Lei Orçamentária não poderá conter matéria estranha à
previsão das receitas e à fixação das despesas. Exceção se dá para as
autorizações de créditos suplementares e operações de crédito, inclusive por
antecipação de receita orçamentária.
Resposta: Errada

66) (CESPE - Analista Administrativo – Administrador – TRE/MS –


2013) Os princípios orçamentários estão sujeitos a transformações de
conceito e significação, pois não têm caráter absoluto ou dogmático e
suas formulações originais não atendem, necessariamente, ao
universo econômico-financeiro do Estado moderno.

Os princípios orçamentários podem sofrer modificações ao longo do tempo, a


fim de se adequarem a evolução do Estado moderno. Um exemplo é a
remodelação pela doutrina do princípio da unidade, de forma que abrangesse
as novas situações, sendo por muitos denominado de princípio da totalidade,
sendo construído, então, para possibilitar a coexistência de múltiplos
orçamentos que, entretanto, devem sofrer consolidação.
Resposta: Certa

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 49 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
67) (CESPE – Técnico Administrativo – ANTT – 2013) O impedimento
à apropriação de receitas de impostos, com exceção das ressalvas
previstas na Constituição Federal de 1988 (CF), tipifica o princípio da
não vinculação das receitas.

O princípio da não vinculação de receitas dispõe que nenhuma receita de


impostos poderá ser reservada ou comprometida para atender a certos e
determinados gastos, salvo as ressalvas constitucionais.
Resposta: Certa

68) (CESPE - Assistente em Administração - FUB – 2013) A


autorização para a abertura de créditos suplementares e a contratação
de operações de crédito são excepcionalidades ao princípio da
exclusividade no que se refere à lei orçamentária.

O princípio da exclusividade determina que a lei orçamentária não poderá


conter matéria estranha à previsão das receitas e à fixação das despesas.
Exceção se dá para as autorizações de créditos suplementares e operações de
crédito, inclusive por antecipação de receita orçamentária.
Resposta: Certa

69) (CESPE – Auditor de Controle Externo – TCU – 2013) Quando a


Constituição Federal determina que percentual do valor arrecadado de
um tributo de competência de determinado ente deva ser transferido a
outro, cada um desses entes registrará como receita exclusivamente e
diretamente a sua respectiva parcela.

As cotas de receitas que uma entidade pública deva transferir a outra incluir-
se-ão, como despesa, no orçamento da entidade obrigada a
transferência e, como receita, no orçamento da que as deva receber (art. 6º,
§ 1º, da Lei 4320/1964.)
Resposta: Errada

70) (CESPE - Assistente em Administração - FUB – 2013) O princípio


do equilíbrio é uma importante ferramenta de controle dos gastos e da
dívida pública por estabelecer que o total da despesa orçamentária
tenha como limite a receita orçamentária prevista para o exercício
financeiro.

O princípio do equilíbrio visa assegurar que as despesas autorizadas não serão


superiores à previsão das receitas.
Resposta: Certa

71) (CESPE – Procurador Federal – AGU – 2013) A lei orçamentária


anual deve contemplar apenas dispositivos relacionados à previsão da
receita e à fixação da despesa, ressalvada, nos termos da lei, a
autorização para a abertura de créditos suplementares e a contratação
de operações de crédito, ainda que por antecipação de receita.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 50 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01

O princípio da exclusividade determina que a Lei Orçamentária não poderá


conter matéria estranha à previsão das receitas e à fixação das despesas.
Exceção se dá para as autorizações de créditos suplementares e operações de
crédito, inclusive por antecipação de receita orçamentária (ARO).
Resposta: Certa

72) (CESPE – Analista Judiciário – Administrativa – CNJ - 2013) Caso


uma prefeitura crie, por meio da vinculação de receitas de impostos,
uma garantia de recursos para a colocação de asfalto em todas as vias
municipais, ela violará o princípio da não afetação de receitas.

O princípio da não vinculação de receitas dispõe que nenhuma receita de


impostos poderá ser reservada ou comprometida para atender a certos e
determinados gastos, salvo as ressalvas constitucionais. Como tais exceções
não incluem vinculações de impostos para a pavimentação de vias, uma ação
nesse sentido violará o princípio da não afetação de receitas.
Resposta: Certa

73) (CESPE – Administrador – Ministério da Integração - 2013) A


inclusão pelo Poder Executivo, na proposta de lei orçamentária anual
(LOA), de dispositivo que autorize o governo federal a contratar
determinado empréstimo com instituição financeira estrangeira não
viola o princípio orçamentário da exclusividade.

De acordo com o princípio da exclusividade, a lei orçamentária anual não


conterá dispositivo estranho à previsão da receita e à fixação da despesa, não
se incluindo na proibição a autorização para abertura de créditos
suplementares e contratação de operações de crédito, ainda que por
antecipação de receita, nos termos da lei.

Um exemplo de autorização de operação de crédito na LOA seria a autorização


para o governo federal contratar determinado empréstimo com instituição
financeira. Logo, tal inclusão não violaria o princípio orçamentário da
exclusividade.
Resposta: Certa

74) (CESPE – Analista Técnico Administrativo – Ministério da


Integração - 2013) O princípio da universalidade possibilita ao
Legislativo impedir o Executivo de realizar qualquer operação de
receita ou despesa sem prévia autorização parlamentar.

De acordo com o princípio da universalidade, o orçamento deve conter todas


as receitas e despesas referentes aos Poderes da União, seus fundos, órgãos e
entidades da Administração direta e indireta. Assim, o Poder Legislativo pode
conhecer, a priori, todas as receitas e despesas do governo.
Resposta: Certa

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 51 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
75) (CESPE – Analista – Infraestrutura e Logística - BACEN – 2013) É
vedada a vinculação de receita de qualquer espécie a órgão, fundo ou
despesa, ressalvados os casos autorizados na Constituição Federal.

É vedada a vinculação de impostos a órgão, fundo ou despesa, ressalvados os


casos autorizados na Constituição Federal. É o princípio da não vinculação de
receitas.
Resposta: Errada

76) (CESPE – Analista Administrativo – Contábeis - ANTT – 2013) A


lei orçamentária anual pode conter dispositivo autorizando a abertura
de créditos suplementares e a contratação de operações de crédito,
ainda que por antecipação de receita.

A lei orçamentária anual não conterá dispositivo estranho à previsão da receita


e à fixação da despesa, não se incluindo na proibição a autorização para
abertura de créditos suplementares e contratação de operações de crédito,
ainda que por antecipação de receita, nos termos da lei (art. 165, § 8º, da
CF/1988).
Resposta: Certa

77) (CESPE – Técnico Administrativo – ANTT – 2013) A proibição


relativa à inserção, na lei orçamentária, de norma estranha à previsão
da receita e à fixação da despesa advém do princípio da
universalidade.

A proibição relativa à inserção, na lei orçamentária, de norma estranha à


previsão da receita e à fixação da despesa advém do princípio da
exclusividade.
Resposta: Errada

78) (CESPE – Analista Judiciário – Judiciária – CNJ - 2013)


Considerando que João seja responsável pela elaboração da proposta
orçamentária de um tribunal federal, que irá compor o projeto de lei
orçamentária anual (LOA) para 2014. Ao inserir na proposta todas as
despesas previstas para o exercício seguinte, João atenderá ao
princípio da especificação.

Ao inserir na proposta todas as despesas previstas para o exercício seguinte,


João atenderá ao princípio da universalidade, desde que insira também todas
as receitas.
Resposta: Errada

79) (CESPE - Analista de Planejamento, Gestão e Infraestrutura em


Propriedade Industrial – Gestão Financeira - INPI – 2013) Para
permitir que haja maior controle nos gastos públicos, o princípio da
unidade propõe que os orçamentos de todos os entes federados

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 52 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
(União, estados e municípios) sejam reunidos em uma única peça
orçamentária, que assume a função de orçamento nacional unificado.

Segundo o princípio da unidade, o orçamento deve ser uno, isto é, deve existir
apenas um orçamento, e não mais que um para cada ente da Federação em
cada exercício financeiro.
Assim, não existe um orçamento nacional unificado.
Resposta: Errada

80) (CESPE – Analista Técnico-Administrativo – Ministério da


Integração - 2013) A lei orçamentária contém a discriminação da
receita e da despesa, evidenciando, assim, a política econômico-
financeira e o programa de trabalho do governo, respeitando-se os
princípios da unidade, da universalidade e da anualidade.

A Lei do Orçamento conterá a discriminação da receita e despesa de forma a


evidenciar a política econômica financeira e o programa de trabalho do
Governo, obedecidos os princípios de unidade, universalidade e anualidade
(art. 2º da Lei 4320/1964).
Resposta: Certa

81) (CESPE – Analista - Planejamento e Orçamento - MPU – 2013) Na


Lei Orçamentária Anual, a autorização, para a abertura de créditos
suplementares é exceção ao princípio orçamentário da não afetação de
receita.

Na Lei Orçamentária Anual, a autorização, para a abertura de créditos


suplementares é exceção ao princípio orçamentário da exclusividade.
Resposta: Errada

82) (CESPE – Técnico Judiciário – Administrativa – TRT/10 - 2013)


Para a obtenção de maior transparência e clareza na previsão de
despesas e fixação de receitas constantes na lei orçamentária anual,
permite-se a dedução das receitas que não serão efetivamente
convertidas em caixa, sem que, para isso, seja necessário descriminar
os valores originais. Ao prever tal procedimento, a legislação observa
o princípio do orçamento bruto.

O princípio do orçamento bruto veda que as despesas ou receitas sejam


incluídas no orçamento ou em qualquer dos tipos de créditos adicionais nos
seus montantes líquidos. Logo, no caso em tela, a dedução de receitas sem a
discriminação dos valores originais fere o princípio do orçamento bruto.
Resposta: Errada

83) (CESPE – Analista Administrativo – ANCINE – 2013) A abertura


de créditos suplementares e a contratação de operações de crédito,
ainda que por antecipação de receita, contraria o princípio da
exclusividade.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 53 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01

A abertura de créditos adicionais suplementares e a contratação de operações


de crédito, ainda que por antecipação de receita, são exceções ao princípio da
exclusividade. Logo, não contrariam tal princípio.
Resposta: Errada

84) (CESPE - Analista de Planejamento, Gestão e Infraestrutura em


Propriedade Industrial – Gestão Financeira - INPI – 2013) O princípio
do orçamento bruto refere-se à apresentação dos valores do modo
mais simples possível, ou seja, após todas as deduções brutas terem
sido realizadas.

O princípio do orçamento bruto veda que as despesas ou receitas sejam


incluídas no orçamento ou em qualquer dos tipos de créditos adicionais nos
seus montantes líquidos.
Resposta: Errada

85) (CESPE – Analista Judiciário – Contabilidade – TRT/10 – 2013)


Para que seja realizada operação de crédito por antecipação da
receita, para resolver insuficiências de caixa poderá conter autorização
ao executivo, na lei de orçamento vigente.

De acordo com o princípio da exclusividade, a lei orçamentária anual não


conterá dispositivo estranho à previsão da receita e à fixação da despesa, não
se incluindo na proibição a autorização para abertura de créditos
suplementares e contratação de operações de crédito, ainda que por
antecipação de receita, nos termos da lei.

Logo, a LOA poderá conter autorização para a realização de operações de


crédito por antecipação de receita.
Resposta: Certa

86) (CESPE - Analista de Planejamento, Gestão e Infraestrutura em


Propriedade Industrial – Gestão Financeira - INPI – 2013) O princípio
da universalidade deve ser seguido na parcela do orçamento que trata
dos Poderes Executivo e Judiciário. No entanto, esse princípio não
precisa ser observado no caso das despesas relativas ao Poder
Legislativo.

De acordo com o princípio da universalidade, o orçamento deve conter todas


as receitas e despesas referentes aos Poderes da União, seus fundos, órgãos
e entidades da Administração direta e indireta.
Assim, tal princípio deve ser observado por todos os Poderes.
Resposta: Errada

87) (CESPE – Analista – Infraestrutura e Logística - BACEN – 2013) O


princípio do orçamento bruto, que é decorrente da evolução das
funções orçamentárias relacionadas com a implantação do orçamento-

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 54 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
programa, fundamenta-se na obrigatoriedade de se especificarem os
gastos por meio de programas de trabalho que permitem a
identificação dos objetivos e metas a serem atingidos.

O princípio da programação, que é decorrente da evolução das funções


orçamentárias relacionadas com a implantação do orçamento-programa,
fundamenta-se na obrigatoriedade de se especificarem os gastos por meio de
programas de trabalho que permitem a identificação dos objetivos e metas a
serem atingidos.
Resposta: Errada

88) (CESPE - Assistente em Administração - FUB – 2013) O princípio


da universalidade, incorporado à legislação orçamentária, possibilita
ao Poder Legislativo impedir que o Poder Executivo realize despesas
sem a prévia autorização parlamentar.

O princípio da universalidade possibilita ao Poder Legislativo impedir que o


Poder Executivo realize qualquer despesa sem prévia autorização, já que todas
devem estar no orçamento.
Resposta: Certa

89) (CESPE - Analista Administrativo – Administrador - ANP – 2013)


Todas as parcelas da receita e da despesa devem figurar no orçamento
em seus valores brutos, sem apresentar qualquer tipo de dedução.

De acordo com o princípio do orçamento bruto, todas as receitas e despesas


constarão da Lei de Orçamento pelos seus totais, vedadas quaisquer deduções.
Resposta: Certa

90) (CESPE – Analista Administrativo - IBAMA – 2013) Considere que


um parlamentar tenha apresentado projeto de lei para revogar uma
norma vigente, segundo a qual o exercício financeiro deve coincidir
com o ano civil. Nessa situação, é correto afirmar que, ainda que esse
projeto de lei seja aprovado, o princípio orçamentário da anualidade
continuaria em vigor no Brasil.

A Lei 4.320/1964 poderia ser alterada, porém não desconfiguraria o princípio,


pois o conceito de anualidade não está relacionado ao ano civil, mas com o
exercício financeiro e o período de 12 meses.
Resposta: Certa

91) (CESPE – Técnico Administrativo – ANTT – 2013) O princípio da


unidade estabelece que o montante da despesa não deve ultrapassar a
receita prevista para o período.

O princípio do equilíbrio estabelece que o montante da despesa não deve


ultrapassar a receita prevista para o período.
Resposta: Errada

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 55 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01

92) (CESPE - Assistente em Administração - FUB – 2013) O princípio


da unidade ou totalidade orienta que cada unidade governamental
deve elaborar orçamentos múltiplos integrados pelos orçamentos
fiscais, monetários e das estatais.

O princípio da unidade ou totalidade orienta que cada unidade governamental


deve elaborar orçamentos múltiplos integrados pelos orçamentos fiscais,
seguridade social e das estatais.
Resposta: Errada

93) (CESPE - Assistente em Administração - FUB – 2013) Apesar de o


princípio da não afetação proibir as vinculações das receitas de
impostos às despesas, a CF vincula algumas dessas receitas a
determinadas despesas.

O princípio da não vinculação de receitas dispõe que nenhuma receita de


impostos poderá ser reservada ou comprometida para atender a certos e
determinados gastos, salvo as ressalvas constitucionais.
Resposta: Certa

94) (CESPE – Analista Administrativo – Direito - ANTT – 2013) O


princípio orçamentário da universalidade garante que o orçamento
conterá apenas matéria financeira, sem abarcar assuntos estranhos à
previsão de receitas e à fixação de despesas.

O princípio orçamentário da exclusividade garante que o orçamento conterá


apenas matéria financeira, sem abarcar assuntos estranhos à previsão de
receitas e à fixação de despesas.
Resposta: Errada

95) (CESPE – Analista Judiciário - Contabilidade – TRT/17 – 2013) As


parcelas referentes às transferências constitucionais da União para os
estados e municípios, por constituírem destinações incondicionais,
definidas por percentuais predeterminados, não integram a receita
orçamentária da União, e, em atendimento ao princípio do orçamento
bruto, ingressam diretamente como receita orçamentária dos entes
beneficiários.

As cotas de receitas que uma entidade pública deva transferir a outra incluir-
se-ão, como despesa, no orçamento da entidade obrigada a
transferência e, como receita, no orçamento da que as deva receber (art. 6º,
§ 1º, da Lei 4320/1964).

A questão está errada porque diz que as parcelas referentes às transferências


constitucionais da União para os estados e municípios ingressam diretamente
no ente beneficiário.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 56 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
Resposta: Errada

96) (CESPE – Analista Judiciário - Administrativa – TRT/17 – 2013)


Alguns dos princípios observados no processo de elaboração, a
provação, execução e controle do orçamento não estão expressos nas
normas constitucionais ou legais em vigor.

Alguns dos princípios observados no processo orçamentário não estão


expressos nas normas constitucionais ou legais em vigor, como o princípio da
clareza.
Resposta: Certa

97) (CESPE – Promotor – MPE/PI – 2012) De acordo com o princípio


da unidade, ou totalidade, que rege a ordem orçamentária no Brasil, o
montante da despesa autorizada em cada exercício financeiro não
poderá ser superior ao total das receitas estimadas para o mesmo
período.

De acordo com o princípio do equilíbrio que rege a ordem orçamentária no


Brasil, o montante da despesa autorizada em cada exercício financeiro não
poderá ser superior ao total das receitas estimadas para o mesmo período.
Segundo o princípio da unidade, o orçamento deve ser uno, isto é, deve existir
apenas um orçamento, e não mais que um para cada ente da Federação em
cada exercício financeiro.
Resposta: Errada

98) (CESPE – Técnico Científico – Direito – Banco da Amazônia -


2012) É vedada a vinculação de receita de impostos a órgão, fundo ou
despesa para a realização de atividades da administração tributária.

O princípio da não vinculação de receitas dispõe que nenhuma receita de


impostos poderá ser reservada ou comprometida para atender a certos e
determinados gastos, salvo as ressalvas constitucionais. São elas:
 Repartição constitucional dos impostos;
 Destinação de recursos para a Saúde;
 Destinação de recursos para o desenvolvimento do ensino;
 Destinação de recursos para a atividade de administração
tributária;
 Prestação de garantias às operações de crédito por antecipação de
receita;
 Garantia, contragarantia à União e pagamento de débitos para com esta.

Logo, é permitida a vinculação de receita de impostos a órgão, fundo ou


despesa para a realização de atividades da administração tributária.
Resposta: Errada

99) (CESPE – Técnico Científico – Administração – Banco da Amazônia


- 2012) A legislação brasileira não estabelece o princípio da

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 57 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
anualidade orçamentária, razão por que se aprovam o orçamento fiscal
e o da seguridade social anualmente e o orçamento plurianual de
investimentos, a cada quatro anos.

A legislação brasileira estabelece o princípio da anualidade orçamentária,


razão por que se aprovam os orçamentos que integram a LOA anualmente:
orçamento fiscal, da seguridade social e de investimento das estatais.
Resposta: Errada

100) (CESPE – Técnico Científico – Administração – Banco da Amazônia


- 2012) A ocorrência de déficits na execução orçamentária não implica
desrespeito ao princípio do equilíbrio, com base no qual se deve
elaborar a lei orçamentária, podendo ser eles incorporados nas
chamadas operações de crédito e no refinanciamento da dívida
pública.

A CF/1988 é realista quanto à possibilidade de ocorrer déficit orçamentário,


caso em que as receitas sejam menores que as despesas. Assim, o princípio do
equilíbrio não tem hierarquia constitucional (não está previsto na CF/1988). No
entanto, contabilmente e formalmente o orçamento sempre estará equilibrado,
pois tal déficit aparece normalmente nas operações de crédito que, pelo art. 3º
da Lei 4.320/1964, também devem constar do orçamento.
Esse é o entendimento de uma banca examinadora. É a opinião que interessa
para nós.
Resposta: Certa

E aqui terminamos nossa aula!

Se ainda ficou com alguma dúvida ou quer uma alternativa para um melhor
aprendizado, assista aos vídeos disponíveis na área do aluno referentes aos
temas desta nossa aula.

Espero você na nossa próxima aula!

Forte abraço!

Sérgio Mendes

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 58 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01

LISTA DE QUESTÕES COMENTADAS NESTA AULA

PRINCÍPIOS ORÇAMENTÁRIOS

1) (CESPE - Auditor - Contas Públicas - TCE/PE - 2017) Em observância ao


princípio da universalidade orçamentária, devem estar reunidos no orçamento
estadual todos os recursos que um estado-membro esteja autorizado a
arrecadar e todas as dotações necessárias ao custeio de serviços públicos
estaduais.

2) (CESPE – Analista de Controle Externo - Contas Públicas - TCE/PE -


2017) Em razão do princípio da exclusividade orçamentária, a lei orçamentária
deve conter todas as receitas e despesas, qualquer que seja a sua natureza,
procedência ou o seu destino.

3) (CESPE – Analista de Gestão - Administração - TCE/PE - 2017) O


tratamento dado aos recursos destinados à educação e à saúde constitui uma
exceção ao princípio orçamentário da não vinculação.

4) (CESPE – Analista de Controle Externo - Contas Públicas - TCE/PE -


2017) Violará o princípio da não afetação da receita a promulgação de lei
estadual que impuser aos municípios a aplicação em financiamento de
programa habitacional estadual de 50% do ICMS a eles destinado.

5) (CESPE – Analista de Controle Externo - Contas Públicas - TCE/PE -


2017) De acordo com o princípio orçamentário da não afetação — que, no
Brasil, é aplicável somente às receitas de impostos —, as receitas públicas não
podem estar vinculadas a qualquer tipo de despesa pública.

6) (CESPE - Auditor - Contas Públicas - TCE/PE - 2017) Dado o princípio da


anualidade orçamentária, os orçamentos públicos das diversas esferas de
governo devem ter vigência de um exercício financeiro e coincidir com o ano
civil.

7) (CESPE – Analista de Gestão – Julgamento – TCE/PE – 2017) O caixa


único do Tesouro Nacional destina-se a efetivar o princípio orçamentário da
unidade.

8) (CESPE – Procurador do Município de Fortaleza - 2017) Decorre do


princípio da unidade do orçamento a vedação à inclusão, no orçamento, de
qualquer dispositivo de lei material que não verse sobre previsão de receita ou
autorização de despesa.

9) (CESPE – Analista Judiciário – Administrativa - TRE/PE - 2017) O


parágrafo único do artigo 20 da Lei n.º 4.320/1964, conforme o qual “os
programas especiais de trabalho que, por sua natureza, não possam cumprir-

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 59 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
se subordinadamente às normas gerais de execução da despesa, poderão ser
custeados por dotações globais, classificadas entre as despesas de capital”,
constitui uma exceção ao princípio da especificação.

10) (CESPE – Procurador do Município de Fortaleza - 2017) De acordo com o


entendimento do STF, a destinação de determinado percentual da receita de
ICMS ao financiamento de programa habitacional ofende a vedação
constitucional de vincular receita de impostos a órgão, fundo ou despesa.

11) (CESPE – Economista e Contador - DPU – 2016) De acordo com o


princípio da universalidade orçamentária, cada unidade orçamentária deve
possuir apenas um orçamento.

12) (CESPE – Analista Judiciário – Judiciária – TRT/8 – 2016) De acordo com


o princípio da unidade orçamentária, a receita e a despesa, na lei orçamentária
anual, devem ser discriminadas de forma detalhada, não se admitindo
dotações globais.

13) (CESPE – Analista Judiciário – Contabilidade – TRT/8 – 2016) De acordo


com a Constituição Federal de 1988, a lei orçamentária anual deve
compreender o orçamento fiscal, o qual conterá receitas e despesas referentes
a todas as entidades da administração direta e indireta; o orçamento de
investimento das empresas estatais; e o orçamento da seguridade social. Esse
mandamento constitucional relaciona-se aos princípios orçamentários da
universalidade e da unidade.

14) (CESPE – Agente Administrativo - DPU – 2016) No Brasil, para


determinado período do ano civil, cada ente da Federação deve possuir um
orçamento para as receitas e um orçamento para as despesas.

15) (CESPE – Técnico Judiciário – Administrativa – TRT/8 – 2016) Os valores


estabelecidos para a efetivação das despesas autorizadas deverão ser
proporcionais aos valores previstos para a arrecadação das receitas. Essa
afirmativa faz referência ao princípio orçamentário da exclusividade.

16) (CESPE – Analista Judiciário – Judiciária – TRT/8 – 2016) Consoante o


princípio da unidade orçamentária, à lei orçamentária anual não caberá
inclusão de qualquer dispositivo diferente à previsão das receitas e à fixação
das despesas.

17) (CESPE – Auditor - Conselheiro Substituto – TCE/PR – 2016) O PPA


segue o princípio da periodicidade e seu orçamento é definido bienalmente.

18) (CESPE – Analista Judiciário – Judiciária – TRT/8 – 2016) Por previsão


constitucional, a própria LOA poderá conter autorização para contratação de
operações de crédito por antecipação de receita orçamentária.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 60 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
19) (CESPE – Auditor Fiscal de Controle Externo – Direito - TCE/SC – 2016)
Apesar de os entes federados serem obrigados a elaborar um orçamento fiscal,
um orçamento de investimento das empresas estatais e um orçamento da
seguridade social, é correto afirmar que vigora no Brasil o princípio da unidade
orçamentária.

20) (CESPE – Auditor - Conselheiro Substituto – TCE/PR – 2016) Dado o


princípio da exclusividade, cada ente da Federação deverá ter o seu próprio
orçamento.

21) (CESPE – Auditor - Conselheiro Substituto – TCE/PR – 2016) De acordo


com o princípio do orçamento bruto, as receitas devem constar no orçamento
pelos seus totais, deduzindo-se destes somente os impostos.

22) (CESPE – Auditor - Conselheiro Substituto – TCE/PR – 2016) Dado o


princípio da totalidade, o orçamento de cada estado deverá conter todas as
receitas e despesas de seus órgãos mantidos pelo poder público.

23) (CESPE – Auditor Fiscal de Controle Externo – TCE/SC – 2016) O


princípio orçamentário da uniformidade pode ser cumprido ainda que dois
entes federativos classifiquem uma mesma despesa de formas diferentes.

24) (CESPE – Analista Judiciário – Judiciária – TRT/8 – 2016) De acordo com


o princípio da unidade orçamentária, o orçamento da União deve reunir, em
única lei, os orçamentos referentes aos Poderes Executivo, Legislativo e
Judiciário.

25) (CESPE – Analista Técnico-Administrativo – SPU/MPOG - 2015) A


aplicação do princípio orçamentário da especialização pressupõe que um grau
maior de discriminação da receita e da despesa interessa particularmente aos
escalões decisórios superiores, em razão de sua importância para a fiscalização
e o controle.

26) (CESPE – Agente Penitenciário Nacional – DEPEN - 2015) De acordo com


o princípio da universalidade, o orçamento deve englobar todas as receitas e
despesas do Estado para que seja realizada a programação financeira de
arrecadação de tributos necessários para custear as despesas projetadas pelo
governo.

27) (CESPE – Agente Penitenciário Nacional – DEPEN - 2015) O princípio


orçamentário da unidade, que prescreve a formulação de um orçamento único,
não é observado pela Constituição Federal brasileira, que determina a
existência dos orçamentos fiscal, da seguridade social e de investimentos das
estatais.

28) (CESPE – Agente Penitenciário Nacional – DEPEN - 2015) Conforme a


regra geral do princípio da não afetação, estabelecido na Carta Magna

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 61 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
brasileira, é vedada a vinculação da receita de impostos a órgão, fundo ou
despesa.

29) (CESPE – Agente Penitenciário Nacional – DEPEN - 2015) A lei


orçamentária anual deve incluir orçamento de investimento das empresas em
que a União, direta ou indiretamente, detenha a maioria do capital social
votante; no entanto, a autorização para a abertura de crédito suplementar
deve ser conteúdo de lei complementar específica.

30) (CESPE – Auditor Governamental – CGE/PI - 2015) A LOA não deverá


conter dispositivo estranho à previsão da receita e à fixação da despesa, nem
autorização para a contratação de operação de crédito por antecipação de
receita orçamentária (ARO).

31) (CESPE – Analista Judiciário – Administrativo - TRE/GO – 2015) De


acordo com o princípio do orçamento bruto, o montante total de despesas
orçamentárias deve ser igual ao montante total de receitas orçamentárias.

32) (CESPE – Auditor – FUB - 2015) O princípio orçamentário da não


afetação veda a vinculação de impostos a órgão, fundo ou despesa, sem
ressalvas de repartição do produto da arrecadação.

33) (CESPE – Analista Judiciário – Administração e Contábeis – TJ/CE –


2014) É uma norma passível de ser incluída na lei orçamentária anual o
estabelecimento de limite percentual para a abertura de créditos
suplementares

34) (CESPE – Analista Judiciário – Administração e Contábeis – TJ/CE –


2014) O princípio do equilíbrio não costuma ser observado no Brasil, visto que
o orçamento fiscal geralmente é deficitário.

35) (CESPE – Analista Judiciário – Administração e Contábeis – TJ/CE –


2014) De acordo com o princípio da programação, a lei orçamentária anual
deve conter tão somente matéria relativa à previsão da receita e à fixação da
despesa.

36) (CESPE – Analista Judiciário – Administração e Contábeis – TJ/CE –


2014) O princípio da não afetação das receitas determina que o produto da
arrecadação dos tributos não pode estar vinculado a órgão, fundo ou despesa.

37) (CESPE – Técnico Judiciário – Administrativo – TJ/CE – 2014) Em que


pese a previsão constitucional do princípio da exclusividade orçamentária, é
permitido que a LOA autorize previamente a abertura de operações de crédito.

38) (CESPE – Técnico Judiciário – Administrativo – TJ/CE – 2014) De acordo


com o princípio orçamentário da totalidade, deve-se evitar que dotações
globais sejam inseridas na LOA.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 62 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
39) (CESPE – Técnico Judiciário – Administrativo – TJ/CE – 2014) A lei
orçamentária anual (LOA) não contém dispositivo estranho à previsão da
receita e à fixação da despesa, em face do princípio da especificação.

40) (CESPE – Analista Técnico-Administrativo – MDIC – 2014) O princípio


orçamentário da legalidade é estabelecido pela norma constitucional segundo a
qual é vedada a realização de operações de créditos que excedam o montante
das despesas de capital. Serão ressalvadas, porém, as operações de crédito
autorizadas com finalidade precisa, mediante créditos suplementares ou
especiais aprovados pelo Poder Legislativo por maioria absoluta.

41) (CESPE – Técnico da Administração Pública – TCDF – 2014) Suponha que


determinado município tenha instituído contribuição de melhoria sobre imóveis
localizados próximos de obra pública concluída. Nessa situação, em respeito ao
princípio da não vinculação, o município estará proibido de determinar a
destinação do produto da arrecadação da referida contribuição ao atendimento
de despesa pública específica.

42) (CESPE – Consultor de Orçamentos – Câmara dos Deputados – 2014) O


princípio da exclusividade tem o objetivo de impedir que a lei de orçamento
seja utilizada como meio de aprovação de matérias estranhas às questões
orçamentárias.

43) (CESPE – Técnico da Administração Pública – TCDF – 2014) O princípio


da universalidade está expresso no dispositivo constitucional que proíbe a
concessão ou utilização de créditos ilimitados.

44) (CESPE – Agente Administrativo – Polícia Federal – 2014) De acordo com


o princípio da unidade, ou da totalidade orçamentária, todos os entes
federados devem reunir seus diferentes orçamentos em uma única lei
orçamentária, que consolidará todas as receitas e despesas públicas do Estado.

45) (CESPE – Consultor de Orçamentos – Câmara dos Deputados – 2014) O


princípio do orçamento bruto, embora bastante representativo, não está
integrado à legislação brasileira.

46) (CESPE – Auditor de Controle Externo – TCDF – 2014) Atende ao


princípio da unidade orçamentária a inclusão, na lei orçamentária, do
orçamento de investimento de empresa em que a União detenha participação,
ainda que sem direito a voto.

47) (CESPE – Consultor de Orçamentos – Câmara dos Deputados – 2014) As


cotas de receita que uma entidade pública deva transferir a outra serão
incluídas como receita no orçamento da entidade obrigada à transferência.

48) (CESPE – Analista Administrativo - ICMBio – 2014) Para evitar dupla


contagem, os registros das receitas e despesas na lei orçamentária anual

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 63 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
(LOA) devem ser realizados pelos seus valores líquidos, abatendo os impostos
e as taxas.

49) (CESPE – Agente Administrativo - MTE – 2014) Nas transferências de


créditos orçamentários, a despesa do órgão transferidor é registrada como
dedução das receitas arrecadadas a fim de evidenciar o valor líquido da receita
pertencente ao órgão arrecadador.

50) (CESPE – Analista Administrativo – ANTAQ - 2014) O princípio da


anualidade orçamentária determina que o orçamento de cada um dos entes da
Federação deve ser elaborado e encaminhado ao Poder Legislativo no ano
anterior ao da sua execução.

51) (CESPE – Analista – Orçamento, Gestão Financeira e Controle/Serviços


Técnicos e Administrativos – TCDF – 2014) Considera-se respeitado o princípio
da unidade orçamentária ainda que a lei orçamentária anual seja composta por
três orçamentos diferentes, como ocorre no Brasil.

52) (CESPE – Administrador - Polícia Federal – 2014) Na contabilização do


total de receitas, deduzir o valor a ser inscrito na dívida ativa tributária da
União descumpre o princípio orçamentário da programação.

53) (CESPE – Contador - MTE – 2014) A Constituição Federal de 1988 (CF)


veda a vinculação da receita de tributos e contribuições de competência federal
a órgão, fundo ou despesa, ressalvada a repartição do produto da arrecadação
de alguns impostos, elencados em rol taxativo, para as finalidades
estabelecidas no texto constitucional.

54) (CESPE – Consultor de Orçamentos – Câmara dos Deputados – 2014) O


princípio da especialização contribui para o trabalho fiscalizador dos
parlamentos sobre as finanças executivas.

55) (CESPE – Auditor de Controle Externo – Ciências Contábeis - TCE/RO –


2013) Caso seja aprovada lei complementar que revogue a norma segundo a
qual o exercício financeiro deva coincidir com o ano civil, mas que mantenha o
intervalo de doze meses para o ciclo orçamentário, o princípio orçamentário da
anualidade permanecerá em vigor.

56) (CESPE – Auditor de Controle Externo – Direito - TCE/RO – 2013) De


acordo com o princípio orçamentário da universalidade, o aumento de tributos
definido após aprovação do orçamento e antes do início do exercício financeiro
seguinte poderá ser cobrado apenas no exercício financeiro subsequente.

57) (CESPE – Analista - Planejamento e Orçamento - MPU – 2013) O


princípio da anualidade estabelece que as autorizações orçamentárias e,
consequentemente, o exercício financeiro no Brasil devem corresponder a doze
meses e coincidir com o ano civil. Contudo, constitui exceção ao princípio
mencionado a autorização para os créditos reabertos.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 64 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01

58) (CESPE – Técnico Judiciário – Administrativa – TRT/10 - 2013) De acordo


com o princípio da unidade, o ente governamental deve dispor de apenas um
orçamento, que inclua todas as receitas estimadas e despesas fixadas pelo
Estado.

59) (CESPE – Técnico Judiciário – Administrativa – CNJ - 2013) Por ser uma
inciativa do executivo e em virtude da independência entre os poderes, a Lei
Orçamentária Anual (LOA) não dispõe acerca dos valores destinados ao
pagamento de pessoal dos poderes Legislativo e Judiciário.

60) (CESPE – Técnico Judiciário – Administrativa – TRT/10 - 2013) O


princípio da anualidade orçamentária fundamenta-se em critérios puramente
técnicos, relativos às questões operacionais de apuração contábil da receita e
da despesa, não estando relacionado, portanto, com o controle político do
Poder Executivo.

61) (CESPE – Analista Judiciário – Contabilidade – TRT/10 – 2013) As


dotações globais destinadas a atender indiferentemente despesas de pessoal,
material, serviços de terceiros, transferências ou quaisquer outras não serão
consignadas à lei de orçamento. Entretanto, poderão ser custeados por
dotações globais, classificadas entre as despesas de capital, os programas
especiais de trabalho que, por sua natureza, não se possam cumprir
subordinadamente às normas gerais de execução da despesa.

62) (CESPE - Analista de Planejamento, Gestão e Infraestrutura em


Propriedade Industrial – Gestão Financeira - INPI – 2013) A LOA é peça técnica
voltada para a operacionalização do planejamento governamental, assim não é
necessária a observância do princípio da publicidade, visto que o PPA e a LDO
já cumprem a função de tornar público para a sociedade quais são os objetivos
dos governos e que meios serão utilizados para alcançá-los.

63) (CESPE – Técnico Judiciário – Administrativa – TRT/10 - 2013) Para a


garantia dos recursos necessários a investimentos na infraestrutura de
transporte urbano no Brasil, é permitida pela CF a vinculação das receitais
próprias geradas pela arrecadação de impostos sobre a propriedade de
veículos automotores.

64) (CESPE – Auditor Fiscal do Trabalho - MTE – 2013) A evolução ocorrida


nas funções do orçamento, que deixou de ser um mero instrumento de
autorização para se tornar ferramenta de auxílio efetivo da administração,
gerou um novo princípio, o da programação.

65) (CESPE - Analista Administrativo – Administrador - ANP – 2013) De


acordo com o princípio da especialização, a lei orçamentária deverá conter
apenas matéria financeira, excluindo qualquer dispositivo estranho à
estimativa de receitas do orçamento.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 65 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
66) (CESPE - Analista Administrativo – Administrador – TRE/MS – 2013) Os
princípios orçamentários estão sujeitos a transformações de conceito e
significação, pois não têm caráter absoluto ou dogmático e suas formulações
originais não atendem, necessariamente, ao universo econômico-financeiro do
Estado moderno.

67) (CESPE – Técnico Administrativo – ANTT – 2013) O impedimento à


apropriação de receitas de impostos, com exceção das ressalvas previstas na
Constituição Federal de 1988 (CF), tipifica o princípio da não vinculação das
receitas.

68) (CESPE - Assistente em Administração - FUB – 2013) A autorização para


a abertura de créditos suplementares e a contratação de operações de crédito
são excepcionalidades ao princípio da exclusividade no que se refere à lei
orçamentária.

69) (CESPE – Auditor de Controle Externo – TCU – 2013) Quando a


Constituição Federal determina que percentual do valor arrecadado de um
tributo de competência de determinado ente deva ser transferido a outro, cada
um desses entes registrará como receita exclusivamente e diretamente a sua
respectiva parcela.

70) (CESPE - Assistente em Administração - FUB – 2013) O princípio do


equilíbrio é uma importante ferramenta de controle dos gastos e da dívida
pública por estabelecer que o total da despesa orçamentária tenha como limite
a receita orçamentária prevista para o exercício financeiro.

71) (CESPE – Procurador Federal – AGU – 2013) A lei orçamentária anual


deve contemplar apenas dispositivos relacionados à previsão da receita e à
fixação da despesa, ressalvada, nos termos da lei, a autorização para a
abertura de créditos suplementares e a contratação de operações de crédito,
ainda que por antecipação de receita.

72) (CESPE – Analista Judiciário – Administrativa – CNJ - 2013) Caso uma


prefeitura crie, por meio da vinculação de receitas de impostos, uma garantia
de recursos para a colocação de asfalto em todas as vias municipais, ela
violará o princípio da não afetação de receitas.

73) (CESPE – Administrador – Ministério da Integração - 2013) A inclusão


pelo Poder Executivo, na proposta de lei orçamentária anual (LOA), de
dispositivo que autorize o governo federal a contratar determinado empréstimo
com instituição financeira estrangeira não viola o princípio orçamentário da
exclusividade.

74) (CESPE – Analista Técnico Administrativo – Ministério da Integração -


2013) O princípio da universalidade possibilita ao Legislativo impedir o
Executivo de realizar qualquer operação de receita ou despesa sem prévia
autorização parlamentar.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 66 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01

75) (CESPE – Analista – Infraestrutura e Logística - BACEN – 2013) É vedada


a vinculação de receita de qualquer espécie a órgão, fundo ou despesa,
ressalvados os casos autorizados na Constituição Federal.

76) (CESPE – Analista Administrativo – Contábeis - ANTT – 2013) A lei


orçamentária anual pode conter dispositivo autorizando a abertura de créditos
suplementares e a contratação de operações de crédito, ainda que por
antecipação de receita.

77) (CESPE – Técnico Administrativo – ANTT – 2013) A proibição relativa à


inserção, na lei orçamentária, de norma estranha à previsão da receita e à
fixação da despesa advém do princípio da universalidade.

78) (CESPE – Analista Judiciário – Judiciária – CNJ - 2013) Considerando que


João seja responsável pela elaboração da proposta orçamentária de um
tribunal federal, que irá compor o projeto de lei orçamentária anual (LOA) para
2014. Ao inserir na proposta todas as despesas previstas para o exercício
seguinte, João atenderá ao princípio da especificação.

79) (CESPE - Analista de Planejamento, Gestão e Infraestrutura em


Propriedade Industrial – Gestão Financeira - INPI – 2013) Para permitir que
haja maior controle nos gastos públicos, o princípio da unidade propõe que os
orçamentos de todos os entes federados (União, estados e municípios) sejam
reunidos em uma única peça orçamentária, que assume a função de
orçamento nacional unificado.

80) (CESPE – Analista Técnico-Administrativo – Ministério da Integração -


2013) A lei orçamentária contém a discriminação da receita e da despesa,
evidenciando, assim, a política econômico-financeira e o programa de trabalho
do governo, respeitando-se os princípios da unidade, da universalidade e da
anualidade.

81) (CESPE – Analista - Planejamento e Orçamento - MPU – 2013) Na Lei


Orçamentária Anual, a autorização, para a abertura de créditos suplementares
é exceção ao princípio orçamentário da não afetação de receita.

82) (CESPE – Técnico Judiciário – Administrativa – TRT/10 - 2013) Para a


obtenção de maior transparência e clareza na previsão de despesas e fixação
de receitas constantes na lei orçamentária anual, permite-se a dedução das
receitas que não serão efetivamente convertidas em caixa, sem que, para isso,
seja necessário descriminar os valores originais. Ao prever tal procedimento, a
legislação observa o princípio do orçamento bruto.

83) (CESPE – Analista Administrativo – ANCINE – 2013) A abertura de


créditos suplementares e a contratação de operações de crédito, ainda que por
antecipação de receita, contraria o princípio da exclusividade.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 67 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
84) (CESPE - Analista de Planejamento, Gestão e Infraestrutura em
Propriedade Industrial – Gestão Financeira - INPI – 2013) O princípio do
orçamento bruto refere-se à apresentação dos valores do modo mais simples
possível, ou seja, após todas as deduções brutas terem sido realizadas.

85) (CESPE – Analista Judiciário – Contabilidade – TRT/10 – 2013) Para que


seja realizada operação de crédito por antecipação da receita, para resolver
insuficiências de caixa poderá conter autorização ao executivo, na lei de
orçamento vigente.

86) (CESPE - Analista de Planejamento, Gestão e Infraestrutura em


Propriedade Industrial – Gestão Financeira - INPI – 2013) O princípio da
universalidade deve ser seguido na parcela do orçamento que trata dos
Poderes Executivo e Judiciário. No entanto, esse princípio não precisa ser
observado no caso das despesas relativas ao Poder Legislativo.

87) (CESPE – Analista – Infraestrutura e Logística - BACEN – 2013) O


princípio do orçamento bruto, que é decorrente da evolução das funções
orçamentárias relacionadas com a implantação do orçamento-programa,
fundamenta-se na obrigatoriedade de se especificarem os gastos por meio de
programas de trabalho que permitem a identificação dos objetivos e metas a
serem atingidos.

88) (CESPE - Assistente em Administração - FUB – 2013) O princípio da


universalidade, incorporado à legislação orçamentária, possibilita ao Poder
Legislativo impedir que o Poder Executivo realize despesas sem a prévia
autorização parlamentar.

89) (CESPE - Analista Administrativo – Administrador - ANP – 2013) Todas as


parcelas da receita e da despesa devem figurar no orçamento em seus valores
brutos, sem apresentar qualquer tipo de dedução.

90) (CESPE – Analista Administrativo - IBAMA – 2013) Considere que um


parlamentar tenha apresentado projeto de lei para revogar uma norma
vigente, segundo a qual o exercício financeiro deve coincidir com o ano civil.
Nessa situação, é correto afirmar que, ainda que esse projeto de lei seja
aprovado, o princípio orçamentário da anualidade continuaria em vigor no
Brasil.

91) (CESPE – Técnico Administrativo – ANTT – 2013) O princípio da unidade


estabelece que o montante da despesa não deve ultrapassar a receita prevista
para o período.

92) (CESPE - Assistente em Administração - FUB – 2013) O princípio da


unidade ou totalidade orienta que cada unidade governamental deve elaborar
orçamentos múltiplos integrados pelos orçamentos fiscais, monetários e das
estatais.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 68 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
93) (CESPE - Assistente em Administração - FUB – 2013) Apesar de o
princípio da não afetação proibir as vinculações das receitas de impostos às
despesas, a CF vincula algumas dessas receitas a determinadas despesas.

94) (CESPE – Analista Administrativo – Direito - ANTT – 2013) O princípio


orçamentário da universalidade garante que o orçamento conterá apenas
matéria financeira, sem abarcar assuntos estranhos à previsão de receitas e à
fixação de despesas.

95) (CESPE – Analista Judiciário - Contabilidade – TRT/17 – 2013) As


parcelas referentes às transferências constitucionais da União para os estados
e municípios, por constituírem destinações incondicionais, definidas por
percentuais predeterminados, não integram a receita orçamentária da União,
e, em atendimento ao princípio do orçamento bruto, ingressam diretamente
como receita orçamentária dos entes beneficiários.

96) (CESPE – Analista Judiciário - Administrativa – TRT/17 – 2013) Alguns


dos princípios observados no processo de elaboração, a provação, execução e
controle do orçamento não estão expressos nas normas constitucionais ou
legais em vigor.

97) (CESPE – Promotor – MPE/PI – 2012) De acordo com o princípio da


unidade, ou totalidade, que rege a ordem orçamentária no Brasil, o montante
da despesa autorizada em cada exercício financeiro não poderá ser superior ao
total das receitas estimadas para o mesmo período.

98) (CESPE – Técnico Científico – Direito – Banco da Amazônia - 2012) É


vedada a vinculação de receita de impostos a órgão, fundo ou despesa para a
realização de atividades da administração tributária.

99) (CESPE – Técnico Científico – Administração – Banco da Amazônia -


2012) A legislação brasileira não estabelece o princípio da anualidade
orçamentária, razão por que se aprovam o orçamento fiscal e o da seguridade
social anualmente e o orçamento plurianual de investimentos, a cada quatro
anos.

100) (CESPE – Técnico Científico – Administração – Banco da Amazônia -


2012) A ocorrência de déficits na execução orçamentária não implica
desrespeito ao princípio do equilíbrio, com base no qual se deve elaborar a lei
orçamentária, podendo ser eles incorporados nas chamadas operações de
crédito e no refinanciamento da dívida pública.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 69 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01

GABARITO

1 C
2 E
3 C
4 C
5 C
6 E
7 E
8 E
9 C
10 C
11 E
12 E
E
13 C
C
14 E
15 E
16 E
E
17 E
18 C
19 C
20 E
21 E
22 E
23 C
24 C
25 E
26 C
27 E
28 C
29 E
30 E
31 E
32 E
33 C
34 E
35 E
36 E
37 C
38 E
39 E
40 E
41 E
42 C
43 E
44 E
45 E
46 E
47 E
48 E
49 E
50 E
51 C
52 E

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 70 de 71


Administração Financeira e Orçamentária p/ STM
Teoria e Questões Comentadas
Prof. Sérgio Mendes Aula 01
53 E
54 C
55 E
56 E
57 C
58 C
59 E
60 E
61 C
62 E
63 E
64 C
65 E
66 C
67 C
68 C
69 E
70 C
71 C
72 C
73 C
74 C
75 E
76 C
77 E
78 E
79 E
80 C
81 E
82 E
83 E
84 E
85 C
86 E
87 E
88 C
89 C
90 C
91 E
92 E
93 C
94 E
95 E
96 C
97 E
98 E
99 E
100 C

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 71 de 71