You are on page 1of 3

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA

CAMPUS DE VIDEIRA
CIÊNCIA JURÍDICA
PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

Campus: CAMPUS DE VIDEIRA


Curso: 14 - DIREITO
Componente curricular: 10214 - DIREITO CONSTITUCIONAL II - Turma: VDADEN4A
Professor: 28440 - Joao Rudinei Belotto
Nr. créditos/Carga Horária: 4/60
Período letivo: 2012/2
Fase: 4

2 EMENTA
Organização do Estado. Organização dos Poderes. Defesa do Estado e das Instituições Democráticas. Tributação e Orçamento. Ordem
Econômica e Financeira. Ordem social. Perspectivas do Direito Constitucional.

3 JUSTIFICATIVA
O Direito Constitucional constitui-se na base legal para todos os demais ramos do direito brasileiro. Situando-se no topo da hierarquia das
leis, parte dele todos os preceitos legais a serem seguidos. Assim se torna indispensável o seu estudo de forma aprofundada, para que o
operador do direito de qualquer dos seus ramos possa, antes de se dedicar a sua área específica ter conhecimento prévio da regra maior que
deve respeitar. É imprescindível conhecer de direito Constitucional para se chegar a um Estado Democrático de Direito.

4 OBJETIVOS
OBJETIVO GERAL

Compreender as relações e aplicações dos conteúdos da disciplina visando à integração e a formação interdisciplinar do acadêmico no curso,
no mercado de trabalho e na sociedade.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Entender conceitos básicos que envolvem o direito constitucional, sabendo diferenciá-los;


Conhecer os preceitos Constitucionais e saber dar aplicabilidade aos mesmos;
Adquirir, por meio do estudo do Direito Constitucional, base para o aprendizado dos demais ramos do Direito;
Atender aos requisitos legais para sua formação, previstos no plano político pedagógico do Curso Superior em Direto.
Proporcionar ao aluno a oportunidade de se deparar, entender e discutir o Direito Constitucional e os elementos da teoria da
Constituição, retirando dessa atividade dialógica ensinamentos que lhe servirão para construção de uma carreira jurídica sólida.
Despertar e desenvolver o espírito crítico e científico pertinente aos institutos de direito constitucional.
Integrar as atividades de ensino, pesquisa e extensão, utilizando a pesquisa como instrumento garantidor da eficácia do processo de
ensino e aprendizagem, na busca do desenvolvimento da autonomia intelectual do acadêmico.

5 CRONOGRAMA E CONTEÚDO
Dia(s) aula Conteúdo Atividade
Apresentação do plano de ensino. Organização do
30/07/2012 19:10 - 22:40 Estado: Organização Político-Administrativa.
Competências. União; Estados Federados;
06/08/2012 19:10 - 22:40 Municípios; Distrito Federal e Territórios;
Intervenção.
13/08/2012 19:10 - 22:40 Organização dos Poderes: Poder Legislativo.
20/08/2012 19:10 - 22:40 Processo Legislativo.
27/08/2012 19:10 - 22:40 Poder Executivo.
03/09/2012 19:10 - 22:40 Poder Judiciário.
Ministério Público; Advocacia Pública; Advocacia e
10/09/2012 19:10 - 22:40 Defensoria Pública.
Poder Judiciário; Ministério Público; Advocacia
17/09/2012 19:10 - 22:40 Pública; Advocacia e Defensoria Pública.
Tributação e Orçamento: Sistema Tributário Nacional.
24/09/2012 19:10 - 22:40 Segundo período: Prova A1.
Tributação e Orçamento: Sistema Tributário Nacional.
01/10/2012 19:10 - 22:40 Continuação
Ordem Econômica e Financeira: Princípios Gerais da
08/10/2012 19:10 - 22:40 Atividade Econômica. Política Urbana; Política
Agrícola e Fundiária e Reforma Agrária.
22/10/2012 19:10 - 22:40 TAE - Participação Semana Acadêmica de Direito.
Sistema Financeiro Nacional. Segundo Período: Prova
29/10/2012 19:10 - 22:40 A1 - 2
05/11/2012 19:10 - 22:40 Finanças Públicas. Da Ordem Orçamentária
Ordem Social: Ciência e Tecnologia; Comunicação
12/11/2012 19:10 - 22:40 Social; Meio Ambiente; Família, Criança,
Adolescente e Idoso; Índios
Ordem Social: Seguridade Social; Educação, Cultura e
19/11/2012 19:10 - 22:40 Desporto. Perspectivas do Direito Constitucional
26/11/2012 19:10 - 22:40 Prova Abrangente A1.
03/12/2012 19:10 - 22:40 Divulgação notas. Acertos de notas. Revisão geral.

6 FORMAS DE AVALIAÇÃO
A avaliação será realizada da seguinte forma:

Nota A1: média aritimética simples das três provas da disciplina e mais uma avaliação intersciplinar, ou seja, a soma das quatro notas
d i v i d i n d o - s e p o r q u a t r o .
A possibilidade de consulta ou não a materiais didáticos ou legislação será deliberada para cada avaliação e estará informada no cabeçário de
c a d a p r o v a .
As avaliações serão individuais.O Acadêmico que for flagrado usando material não autorizado ou consultando os colegas de classe terá sua
prova retirada e atribuída nota zero. Durante a realização da prova não será permitida a saída do aluno para ir ao banheiro, beber água ou
qualquer outro motivo. Não será permitida a utilização de celulares, sendo que os mesmo deverão ficar desligados e guardados durante a
prova.Serão consideradas apenas as respostas a caneta de cor azul ou preta. Para questões dissertativas utilizar apenas o espaço destinado
para respostas. Respostas com acerto proporcional, terão nota parcial de acordo com o peso de cada questão. Para erros de escrita dissonantes
do vernáculo, considerando-se o acordo ortográfico, poerá ser descontado 0,1 ponto para cada incidência. As questões discursivas só serão
consideradas se devidamente fundamentadas e/ou explicadas. Para as questões objetivas deverá ser utilizado sempre o gabarito constante no
final da prova e caso ocorra alguma rassura a resposta será desconsiderada. Caso o gabarito não seja preenchido, será considerada a questão
como não respondida, atribuindo-se zero para cada incidência. Se algum acadêmico(a) chegar atrasado(a) somente poderá realizar a prova se
nenhum outro aluno tiver terminado e saído da sala. Os três últimos alunos remanescentes deverão aguardar até a entrega da prova pelo
último acadêmico. Não será permitida a reunião de alunos próximo a porta ou janelas ao saírem da prova especialmente
comentando questões da prova, podendo ser anulada a prova caso ocorra tal situação.
Em caso de necessidade de realização de avaliação fora de prazo a mesma será marcada pelo professor e será realizada de forma oral.

7 REFERÊNCIAS
Básica
ALEXY, Robert. Colisão de direitos fundamentais e realização de direitos fundamentais no Estado de Direito Democrático. Revista de
Direito Administrativo, Rio de Janeiro, Renovar/FGV, n. 217, p. 67-79, jul./set. 1999.
BARCELLOS, Ana Paula de. A eficácia jurídica dos princípios constitucionais: o princípio da dignidade da pessoa humana. Rio de
Janeiro: Renovar, 2002. 327 p.
BASTOS, Celso Ribeiro. Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Saraiva, 2004.
BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Malheiros, 2004.
CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito Constitucional e Teoria da Constituição. Coimbra: Livraria Almedina. 2002.
FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. Direitos humanos fundamentais. 5. ed., revista. São Paulo: Saraiva, 2002. 195 p.
GARCIA, Maria. Desobediência civil, direito fundamental. São Paulo: RT, 1994. 288 p.
LEÃO, Renato Zerbini Ribeiro. Os direitos econômicos, sociais e culturais na América Latina e o Protocolo de San Salvador. Porto
Alegre: SAFE, 2001. 230 p.
MANCUSO, Rodolfo de Camargo. Interesses difusos: conceito e legitimação para agir. 5. ed. revista e atualizada. São Paulo: RT, 2000.
277 p.
MARTINS-COSTA, Judith (Org.). A reconstrução do Direito Privado: reflexos dos princípios, diretrizes e direitos fundamentais
constitucionais no direito privado. São Paulo: RT, 2002.
MAZZILLI, Hugo Nigro. A defesa dos interesses difusos em juízo - Meio ambiente, consumidor e outros interesses difusos e coletivos. 14
ed., rev. ampl. e atualizada. São Paulo: Saraiva, 2002. 688 p.
MORAES, Alexandre de. Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Atlas, 2004.
PINHEIRO, Carla. Direito internacional e direitos fundamentais. São Paulo: Atlas, 2001.
PIOVESAN, Flávia. Direitos humanos e o Direito Constitucional Internacional. 5. ed., rev., ampliada e atualizada. São Paulo: Max
Limonad, 2002. 481 p.
SADEK, Maria Tereza (Org.). Acesso à justiça. São Paulo: Fundação Konrad Adenauer, 2001. 278 p.
SARLET, Ingo Wolfgang. Dignidade da pessoa humana e direitos fundamentais na Constituição Federal de 1988. Porto Alegre: Livraria
do Advogado, 2001. 152 p.
SARLET, Ingo Wolfgang.A eficácia dos direitos fundamentais. 2. ed., rev. e atualizada. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2001. 392 p.
TEMER, Michel. Elementos de Direito Constitucional. São Paulo: Malheiros, 2002.
TORRES, Ricardo Lobo (Org.). Teoria dos direitos fundamentais. 2. ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2001. 454 p.
MELLO, Celso Antônio Bandeira de. 3. ed., 4. tir. O Conteúdo jurídico do Princípio da Igualdade. São Paulo: Malheiros, 1998. 48 p.
SÉGUIN, Elida. Direitos das minorias. Rio de Janeiro: Forense, 2001. 264 p.
Complementar
LENZA, Pedro. Direito Constitucional Esquematizado. São Paulo: Sariava.
SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros Editores, 2004.
SILVA, José Afonso. Comentário Contextual à Constituição. São Paulo: Malheiros, 3 ed., 2007.
ARAÚJO, Luiz Alberto David, NUNES JUNIOR, Vidal Serrano. Curso de Direito constituconal. São Paulo: Saraiva, 13 ed., 2009.
CHMENTI, Ricardo Cunha, et alli. Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Saraiva, 5 ed. 2008
MENDES, Gilmar; COELHO, Inocêncio & BRANCO, Paulo. Curso de Direito constitucional. São Paulo: Saraiva, 2010