You are on page 1of 18

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS

PREFEITURA UNIVERSITÁRIA
DIRETORIA DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA - DEINFRA

MEMORIAL DESCRITIVO
OBRA INSTITUCIONAL

Obra: Estação Elevatória de Esgoto (EEE) e Linha de Recalque (LR) do


Campus Universitário da UFT em Palmas - TO.
Nome da Instituição: Fundação Universidade Federal do Tocantins.
Tipologia: Execução de Obra.
Local: Palmas - TO.

1
UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS
PREFEITURA UNIVERSITÁRIA
DIRETORIA DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA - DEINFRA

Sumário
1. Introdução ....................................................................................................................... 3
2. Serviços Preliminares .................................................................................................... 6
3. Movimento de Terra ....................................................................................................... 7
4. Pisos ................................................................................................................................. 7
5. Forro ................................................................................................................................. 7
6. Vedações ......................................................................................................................... 8
7. Instalações Hidráulicas ................................................................................................. 8
8. Instalações de Lógica (Cabeamento estruturado) .................................................... 8
8.1. Eletrocalha....................................................................................................................... 9
8.2. Eletrodutos .................................................................................................................... 10
8.3. Interferências eletromagnéticas ................................................................................ 10
8.4. Rack ................................................................................................................................ 11
8.5. Caixas de passagens ................................................................................................... 11
8.6. Cabos ópticos e cabos ctp-apl................................................................................... 12
8.7. Informações complementares .................................................................................... 12
9. Instalações Elétricas .................................................................................................... 12
9.1. Quadro de Distribuição ............................................................................................... 13
9.2. Condutores .................................................................................................................... 14
9.3. Dispositivo de proteção .............................................................................................. 15
9.4. Instalações de alimentadores .................................................................................... 15
9.5. Instalações de alimentadores .................................................................................... 15
10. Pintura ............................................................................................................................ 15
11. Considerações Finais .................................................................................................. 17

2
UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS
PREFEITURA UNIVERSITÁRIA
DIRETORIA DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA - DEINFRA

1. Introdução

Este memorial tem por objetivo descrever o Projeto


Hidráulico da Estação Elevatória de Esgoto e Linha de Recalque que
transportará os esgotos coletados em toda a área do Campus para
lançamento no Coletor Tronco Graciosa e dai até a Estação de
Tratamento de Esgoto Norte do Sistema de Esgotamento Sanitário
de Palmas – TO. Além disso permite orientar a empresa contratada
sobre os materiais e serviços relativos aos procedimentos técnicos
e executivos da obra.
O Sistema de Esgotamento Sanitário a ser implantado
no Campus da UFT tem como objetivo viabilizar o
transporte/recalque através da EEE -UFT e LR-UFT. O Sistema
implantado atualmente tem o tratamento de esgoto de forma que o
lançamento é feito nas margens do Lago nas imediações do Campus.
Considerando que a ETE implantada para atendimento implica em
custos de operação e manutenção e com a sua desativação
proporcionará o não lançamento de efluentes nesta faixa do Lago,
sendo que a Companhia de Agua e Esgoto já possui na ETE Norte
uma unidade capaz de tratar os efluentes com remoção de
nutrientes.
A instalações a ser realizadas compostas de Estação
Elevatória de Esgoto e Linha de Recalque fará o bombeamento e
recalque dos efluentes do Campus da UFT com lançamento no
Coletor Graciosa. As recomendações de projeto quanto a
localização da unidade, capacidade, segurança operacional e de
manutenção segue as referências da Engenharia da UFT.
Os serviços contratados deverão ser executados
rigorosamente de acordo com os projetos e especificações
fornecidos pela Prefeitura Universitária, podendo ser impugnados
pela fiscalização todos os trabalhos que não satisfizerem às
condições contratuais.
A aquisição e emprego dos materiais, associada à
execução dos serviços, devem estar de acordo com as normas
técnicas vigentes.
Todos os materiais e/ou equipamentos fornecidos e
utilizados pela CONTRATADA, deverão satisfazer às especificações
da ABNT e do INMETRO, não sendo permitido, também, o emprego
de materiais e/ou equipamentos usados , improvisados ou
danificados, assim como não será tolerado adaptar peças, seja por
corte ou outro processo, de modo a utilizá -las em substituição às
peças recomendadas e de dimensões adequadas.
3
UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS
PREFEITURA UNIVERSITÁRIA
DIRETORIA DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA - DEINFRA

Os materiais e/ou equipamentos deverão ser


armazenados em locais apropriados, cobertos ou não, de acordo
com sua natureza, ficando sua guarda sob a responsabilidade da
CONTRATADA.
O representante da CONTRATANTE deverá ter livre
acesso a todos os almoxarifa dos de materiais, equipamentos,
ferramentas, etc., para acompanhar os trabalhos e conferir marcas,
modelos, especificações, validades, etc.
Não se poderá alegar, em hipótese alguma, como
justificativa ou defesa, pela CONTRATADA, desconhecimento,
incompreensão, dúvidas ou esquecimento das cláusulas e
condições, do contrato, dos projetos, das especificações técnicas,
dos memoriais, bem como de tudo o que estiver contido nas
normas, especificações e métodos da ABNT, e outras normas
pertinentes. A existência e a atuação da FISCALIZAÇÃO, em nada
diminuirá a responsabilidade única, integral e exclusiva da
CONTRATADA no que concerne às obras e serviços e suas
implicações próximas ou remotas, sempre de conformidade com o
contrato e o Código Civil.
Os procedimentos adotados não poderão interferir na
ordem dos trabalhos nem gerar risco de acidentes para
trabalhadores ou usuários do espaço, devendo a empresa
executora, para tanto, instalar a devida sinalização e obrigar os
trabalhadores a utilizarem os Equipamentos de Proteção Individual
e C o l e t i v a 1c o n d i z e n t e s c o m a f u n ç ã o e c o m o s e r v i ç o , a f i m d e
proteger a saúde e a integridade física dosmesmos, visto que é de
responsabilidade da construtora quaisquer acidentes ocorridos em
virtude da execução da obra.
Caberá à CONTRATADA comunicar à Fiscalização de
Obras e, nos casos de acidentes fatais, à autoridade competente,
da maneira mais detalhada possível, por escrito, todo tipo de
acidente que ocorrer durante a execução dos serviços e obras,
inclusive princípios de incêndio.
Cumprirá à Contratada manter no canteiro de serviço
medicamentos básico s e pessoal orientado para os primeiros
socorros nos acidentes que ocorram durante a execução dos
trabalhos, nos termos da NR 18.
A CONTRATANTE poderá s olicitar a substituição de
1A Contratada deverá fornecer aos funcionários todos os equipamentos de proteção individual exigidos pela NR 6 -
Equipamentos de Proteção Individual (EPI), tais como: capacetes e óculos especiais de segurança, protetores faciais,
luvas e mangas de proteção, botas de borracha e cintos de segurança, de conformidade com a natureza dos
serviços e obras em execução.

4
UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS
PREFEITURA UNIVERSITÁRIA
DIRETORIA DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA - DEINFRA

qualquer funcionário da CONTRATADAque embarace ou dificulte a


ação da Fiscalização ou cuja presença no local dos serviços e obras
seja considerada prejudicial ao andamento dos trabalhos.
É de responsabilidade da CONTRATADA, o fornecimento
de todos os materiais, equipamentos e mão de obra de primeira
linha necessária ao cumprimento integral do objeto da licitação,
baseando-se nos projetos fornecidos bem como nos respectivos
memoriais descritivos e responsabilizando -se, na obra, pelo
atendimento a todos os dispositivos legais vigentes, pelo
cumprimento de normas técnicas da ABNT, normas de segurança,
pagamento de encargos, taxas, emolumentos, etc., e por todos os
danos causados à Universidade , bem como a terceiros, reparando,
consertando, substituindo, ressarcindo, etc., os seus respectivos
proprietários.
Para as obras e serviços em questão sugere -se a
contratação de segurança específica para este fim, pois a
CONTRATANTE não se responsabilizará por nenhum desvio, roubo,
acidente, etc. havido no canteiro e nas obras e serviços.
Todos os elementos de projeto deverão ser
minuciosamente estudados pela CONTRATADA, antes e durante a
execução dos serviços e obras, devendo informar à Fiscalização de
Obras qualquer eventual incoerência, falha ou omissão que for
constatada.
Em caso de divergências entre as especificações
técnicas (Memorial) e os projetos, a Fiscalização de Obras deverá
ser consultada.
Qualquer alteração no processo de execução ou
alteração no projeto deverá ser autorizada pela Fiscalização de
Obras.
A obra deverá ser conduzida por pessoalcompetente e
capaz de proporcionar serviços tecnicamente bem feitos e de
acabamento esmerado, em número compatível com o ritmo da obra,
para que o cronograma físico e financeiro proposto seja cumprido à
risca.
A comunicação entre a Fiscalização e a CONTRATADA
deverá serrealizada através de correspondência oficial.
A Fiscalização deverá exigir relatórios diários de
execução dos serviços e obras (Diário de Obra) , com páginas
numeradas em 3(três) vias, 2(duas) destacáveis, contendo o
registro do andamento dos serviços, como: entrada e saída de
equipamentos, serviços em andamento, efetivo de pessoal,
condições climáticas, visitas ao canteirode serviço, inclusive pa ra
5
UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS
PREFEITURA UNIVERSITÁRIA
DIRETORIA DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA - DEINFRA

as atividades de suas sub contratadas.

2. Serviços Preliminares

A CONTRATADA deverá instalar além da placa de obra


padrão, em locais visíveis, cavaletes de sinalização nas dimensões
1,2 x 0,6m, conforme modelo abaixo, que serão utilizados e
posicionados estrategicamente durante a execução da obra , de
modo a garantir a segurança nos entornos desta .

As áreas que serão envolvidas na obra deverão ser


limpas e desobstruídas de quaisquer objetos e/ou mobiliários que
possam prejudicar a obra . Nesta fase, também deverão ser feitas as
demolições necessárias e a consequente remoção de entulhos.
Todos os panos, estopas, trapos oleosos e outros
elementos que possam ocasionar fogo deverão ser mantidos em
recipiente de metal e removidos do local da obra , cada noite, e sob
nenhuma hipótese serão deixados acumular. Todas as precauções
deverão ser tomadas para evitar combustão espontânea.
Todos os equipamentos necessários à execução da
obra, tais como betoneiras, furadeiras, aparelhos de solda , serra,
etc., deverão ter suas instalações elétricas, dimensionadas de
acordo com sua capacidade e potência, com acionamento e
dispositivos de segurança conforme NR 18. Os mesmos poderão ser
interligados a rede existente, verificando sua compatibilidade.

6
UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS
PREFEITURA UNIVERSITÁRIA
DIRETORIA DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA - DEINFRA

3. Movimento de Terra

Refere-se a todos os serviços de escavação e reaterro


necessários para a execução das interligações (hidráulica, elétrica,
telefônica e fibra ótica) e nivelamento da obra.

4. Pisos

O piso a ser executado na reforma da sala dobanheiro


feminino (térreo) será à base de resina epóxi com acabamento
epóxi autonivelante, na cor cinza claro espessura de 3mm. Todas
as informações referentes ao modo de execução deverão ser
sanadas junto ao fabricante do piso de modo a garantir a qualidade
final do serviço.
Além disso, há áreas na sala do banheiro feminino
(térreo) quereceberão cerâmica esmaltada fosca PEI IV na cor
branca.
Vale ressaltar que caberá à CONTRATADA a perfeita
execução e avaliação da situação citada de modo a garantir a
execução dentro das boas técnicas construtivas, sempre com o
apoio de equipe técnica especializada e objetivando a qualidade
final dos serviços.

5. Forro

O forro será em gesso acartonado em todas as áreas


envolvidas na reforma. Nas áreas em que deverá ser realizada a
recuperação com forro em gesso, o mesmo deverá ser demolido e
removido totalmente, exceto sua estrutura de sustentação. Estas
áreas receberão novo forro de gesso acartonadoseguindo o padrão
existente na edificação.
Para a utilização do forro, deverão ser observadas as
seguintes diretrizes gerais:
- nivelamento dos forros e alinhamento das res pectivas
juntas;
- teste de todas as instalações antes do fechamento do
forro;
- locação das luminárias, difusores de ar condicionado
7
UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS
PREFEITURA UNIVERSITÁRIA
DIRETORIA DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA - DEINFRA

ou outros sistemas;
- somente será permitido o uso de ferramentas e
acessórios indicados pelo fabricante.
Deverá ser realizada ainda a pintura do forro
recuperado, além das áreas em que o mesmo ficou manchado.

6. Vedações

Deverá ser realizada a substituição da junta de


dilatação do segundo piso nas duas alas da edificação. A junta
deverá possuir dimensões de 1x1cm e revestida de selante elástico
mono componente a base de poliuretano.
Será realizada ainda o reparo em trinca s horizontais na
junção entre a viga e alvenaria existentes do lado externo da ala
direita da edificação.

7. Instalações Hidráulicas

As interligações hidráulicas devem ser executadas


seguindo as orientações constantes no projeto específico, que
contempla a localização e caminhos de tod a tubulação, de acordo
com o dimensionamento elaborado.
Caso seja necessário fazer qualquer alteração
referente ao projeto apresentado, esta só poderá ser executada
mediante aprovação da DEINFRA - Diretoria de Engenharia e
Infraestrura da UFT.
Serão aceitos tubos e conexões das marcas Tigre, Akros
ou similar. Os tubos utilizados obedecerão aos diâmetros
apresentados no projeto equivalente.

8. Instalações deLógica (Cabeamento estruturado)

Todos os serviços devem ser executados por


profissional habilitado, em obediência ao projeto de Lógica
apresentado.
Objetivo do projeto e memorial de Lógica: Especificar
uma padronização para instalação da infra -estrutura de interligação
predial, através de cabos ópticos para atender a UNIVERSIDADE
8
UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS
PREFEITURA UNIVERSITÁRIA
DIRETORIA DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA - DEINFRA

FEDERAL DO TOCANTINS, com intuito de fornecer um ambiente mais


seguro, confiável e íntegro, para tráfego de dados, voz, imagem e
som, interligando todos os prédios que compõem a universidade,
com o objetivo de disponibilizar serviços de qualidade para seus
usuários internos e externos, posicionando a universidade num
patamar tecnológico mais avançado, pois serão utilizados materiais
com tecnologia de última geração.
Em caso de dúvidas ou divergências entre as
especificações técnicas e os projetos, deverá ser consultada a
Diretoria de Engenharia e Infraestrutura da UFT.
Qualquer alteração em relação ao projeto e/ou
material especificado só será permitida após consulta e autorização
da fiscalização, sob pena de rec usa dos serviços entregues.
Os serviços deverão ser entregues com as instalações
em perfeito estado de funcionamento, com aprovação da
fiscalização.

8.1. Eletrocalha

Serão utilizadas eletrocalhas galvanizadas a fogo,


construídas em chapa de aço nº 18, confor me especificação em
croqui, que serão do tipo:Eletr ocalhas perfuradas com tampas,
sobre o forro, fixadas na laje ou na parede e aterradas.
Apenas será permitido o recorte da eletrocalha, nos
casos onde não se consiga atender com os acessórios pré-
fabricados
Para descida de cabos nas paredes de tijolo, serão
utilizados eletrodutos de PVC externos ou embutidos de acordo com
cada croquis.
Deverão ser instalados com suas devidas curvas, tês,
reduções, flanges, cruzetas, subida, decida e junções, na s medidas
e funções compatíveis. Todas deverão ser do mesmo fabricante das
eletrocalhas ou similar.
As fixações em teto deverão ser utilizadas tirantes
através de suspensões para tirantes. Após a colocação das
suspensões para tirante, deverão ser colocados tirantes de 5/16”,
porcas e arruelas de pressão por dentro e por fora da suspensão,
mantendo a altura mínima de 20 cm entre a eletrocalha e o teto.
O tirante será acoplado à eletrocalha com suspensão
vertical, porca e arruela por dentro e por fora da su spensão.
No caso de fixação em parede será utilizado mão
francesa simples, fixadas com buchas e parafusos apropriados
9
UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS
PREFEITURA UNIVERSITÁRIA
DIRETORIA DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA - DEINFRA

As curvas nas eletrocalhas devem ser suaves,


utilizando-se curva de 90º.
As eletrocalhas deverão ser unidas através de
emendas, utilizando sempre parafusos sextavadas com cabeça de
lentilha, arruelas e porcas sextavadas (duas peças por emenda,
quatro parafusos por peça).
Os parafusos de emendas e fixação da eletrocalha
deverão ser instalados com a cabeça lisa para dentro e a ponta para
o lado de fora
As partes metálicas não energizadas como eletrocalhas
deverão ser aterradas
O vão máximo permitido entre os elementos de fixação
será de 2m.

8.2. Eletrodutos

Quanto à colocação dos eletrodutos PVC, deverão ser


observadas as seguintes recomendações:
Os cortes dos mesmos só poderão ser feitos em seção
reta, removendo-se as rebarbas deixadas com o corte ou abertura
da rosca com ferramenta apropriada;
A ligação entre eletrodutos será feita por meio de
luvas ou outras peças que assegurem a regularidade na superfície
interna.
Para embutir nas alvenarias, os eletrodutos PVC
deverão ser colocados de maneira a evitar sua deformação durante
a concretagem. Se rá rejeitado o eletroduto cuja curvatura haja
ocasionado fendas ou redução de seção.

8.3. Interferências eletromagnéticas

Para evitar interferências eletromagnéticas, os dutos


(eletrocalhas) devem cruzar perpendicularmente os cabos/fios
elétricos e as luminárias com lâmpadas fluorescentes. Devem
prever um afastamento mínimo de:
 120cm de grandes motores elétricos ou
transformadores;
 30cm de condutores utilizados em distribuição elétrica;
 12cm de lâmpadas fluorescentes;
Os valores acima se referem a circuito s elétricos de
potência inferior a 5 kVA.

10
UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS
PREFEITURA UNIVERSITÁRIA
DIRETORIA DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA - DEINFRA

8.4. Rack

Será utilizado D.I.O de RACK 19”, para 12/24 fibras,


com gaveta deslizante, painel frontal articulável, área para
armazenamento de excesso de fibras na parte interna e permitir
acessos laterais.
O D.I.O está posicionado na 2ª U, do Rack, contando
de cima para baixo,
Na 1ª U do Rack dever vir um painel de fechamento.
No interior do Rack’s deverá haver uma sobra de cabos
equivalente a 3 ½ vezes altura total do Rack, presos em seu
interior por fixadores de cabos auto adesivos.

8.5. Caixas de passagens

As caixas de passagens deverão possuir tampas


metálicas, serem construídas em alvenaria, com reboco em seu
interior e exterior, possuir britas nº2 no seu interior para
drenagem, a sua altura externa, quanto instalada em calçada,
deverá acompanhar o nível da mesma, sendo os outros casos
considerar no mínima 15cm acima do nível do solo .
Para locais onde há passagem de veículos, os dutos
deverão estar 60cm de profundidade, para locais onde há passagem
de veículos, envelopados em camada de 30cm de concreto, coberto
com camadas de terra e areia, com fita zebrada em cima da areia,
antes da última camada de terra.
Emendas nos dutos deverão ser evitadas, em caso de
existência deverá, ser utilizado junção própria para este fim, e deve
impedir a infiltração de líquidos de qualquer espécie para o interior
do duto;
Antes do lançamento de cabos todas as tubulações e
caixas serão limpas.

11
UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS
PREFEITURA UNIVERSITÁRIA
DIRETORIA DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA - DEINFRA

8.6. Cabos ópticos e cabos ctp -apl

Serão realizados testes em todas as fibras conforme as


normas NBR 14565 e EIA/TIA 568 -B.2.
Emendas nas fibras ópticas quando necessário serão
utilizados equipamentos próprios para fusão.
Em toda caixa de passagem deverá o cabo óptico/CTP -
APL, ter uma sobra equivalente a 1 volta na circunferência da
mesma.
Os equipamentos e dispositivos constantes desta
especificação deverão possuir identificação conforme a NBR14565.
Na chegada de cada prédio da universidade, o
caboóptico/CTP-APL chegará antes em shaft conforme croqui, dada
1 volta em sua circunferência, preso por tantos anéis guia quanto
forem necessários. Isso será direcionado para o Rack, e alocada no
DIO (a ser definido em cada croqui).

8.7. Informações complementares

Quaisquer componentes e/ou acessórios que não


estiverem relacionados no projeto e que, segundo o responsável
pela instalação, for necessário ao perfeito funcionamento da rede
implementada, deverá ter sua inclusão justificada, entretanto deve
ser consultada a Diretoria de Engenharia e Infraestrutura da UFT
para aprovação.

9. Instalações Elétricas

Todas as etapas da obra devem ser precedidas da


orientação deste Memorial e Especificações Técnicas e dos Projetos
Elétricos, de entrada de energia e rede de distribuição de alta e
baixa tensão. A aquisição e emprego dos materiais, bem como a
execução dos serviços, devem estar de acordo com as normas
técnicas vigentes. Em caso de divergências entre as especificações
técnicas e os projetos, deverá ser consultada a Diretoria de Obras
da UFT.
Fazem parte deste memorial as especificações de
materiais e serviços a serem executados, além das informações de
como proceder à instalação.
Os tipos de tubulações bem como de todos os

12
UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS
PREFEITURA UNIVERSITÁRIA
DIRETORIA DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA - DEINFRA

componentes elétricos estão especificados no projeto executivo de


instalações elétricas, cujas orientações devem ser rigidamente
seguidas, exceto em caso de discordâncias com os demais projetos.
Neste caso, a Diretoria de Obras deliberará sobre as providências a
serem tomadas, de modo a não descaracterizar o projeto original.
Qualquer alteração em relação ao projeto e/ou
material especificado só será permitida após consulta e autorização
do autor do projeto e da fiscalização, sob pena de recusa dos
serviços entregues.
Os serviços deverão ser entregues com as instalações
em perfeito estado de funcionamento, com aprovação da
fiscalização.
Nas aberturas em pisos, alvenarias, etc., para
passagem em geral das tubulações das instalações complementares,
deverá ser colocada tela galvanizada para evitar trincas e fissuras
futuras.
Toda e qualquer perfuração, abertura, etc. em pilares,
lajes, ou na estrutura em geral, deverá ser previamente aprovada
pela fiscalização.

9.1. Quadro de Distribuição

Quadros de Força e Luz, quadros para Condicionadores


de Ar e bombas, quando houver, serão de EMBUTIR em chapa de
aço, com puxador, trinco, fechadura, espelho, porta cartão,
barramento Eletrolítico de cobre para as 3 fases, barramento de
neutro isolado e aterrado, e barramento para terra, com
disjuntores.
Deverão ser instalados nas posições indicadas, a 1,20m
do solo, em material de chapa de ferro com tratamento por ba nho
químico com desengraxante e fosfato de ferro, sendo pintados com
pintura eletrostática a pó, na cor branca ou bege, acessórios
plásticos na cor branca ou bege.
Deverá constar ao lado dos disjuntores ou neles
mesmo, plaquetas em acrílico gravadas em ba ixo relevo,
identificando todos os circuitos. Na parte interna da porta, deverão
estar afixados o diagrama unifilar e o quadro de carga desenhado
em papel de boa qualidade e plastificado. Na face frontal superior
deverá conter a identificação do quadro, em acrílico, com fundo
branco e letras na cor preta, aparafusadas na carcaça, por exemplo,
QD – Bloco I etc. Todos os espaços que não forem utilizados
deverão ser obstruídos com plaquetas apropriadas. Deverá ser feita
13
UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS
PREFEITURA UNIVERSITÁRIA
DIRETORIA DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA - DEINFRA

a identificação das fases nos quadros.


Toda fiação interna deverá ser acomodada, de tal
forma a apresentar boa estética, observando sempre se os cabos
estão pressionados contra a carcaça e identificados com anilhas
plásticas. Não serão permitidas emendas dentro do quadro.
Toda vez que se fizerem amarrações dos fios e cabos,
deverão ser utilizadas abraçadeiras plásticas.

9.2. Condutores

É OBRIGATÓRIO seguir as cores indicadas abaixo em


atendimento à NBR5410:

Condutor Fase - Fio preto ou vermelho


Condutor Neutro – Fio azul claro
Condutor Terra – Fio verde
Condutor Retorno – Fio branco ou amarelo

É obrigatório o uso de terminais de compressão dentro


dos quadros de distribuições.
Os condutores não deverão sofrer esforços mecânicos
incompatíveis com sua resistência.
As emendas e derivações com cabos acima de 10mm²
somente poderão ser executadas pormeio de conectores
apropriados tipo split -bolt. Só serão permitidas emendas dentro de
caixas de passagem, devendo ser bem isoladas com fita isolante de
alta fusão de boa qualidade. Não serão admitidas, em n enhuma
hipótese, emendas dentro de eletrodutos.
Todos os condutores serão isolados, salvo indicação em
contrário devendo ter características especiais quanto à
propagação e auto extinção do fogo.
Os condutores para alimentação da iluminação e
tomadas deverão ter isolamento para 750 V, isolamento simples. Os
condutores de alimentação do quadro geral serão de isolamento
duplo, 1kV, do tipo SintenaxAnti -flan.
As seções de todos condutores estão indicadas
noprojetoelétrico.
Ainserção dos condutores só pod erá ser iniciada após a
instalação, fixação e limpeza de toda a tubulação, após a primeira
demão de tinta nas paredes e antes da última demão. Para facilitar
a inserção nas tubulações só será permitido o uso de parafina ou
talco.
14
UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS
PREFEITURA UNIVERSITÁRIA
DIRETORIA DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA - DEINFRA

9.3. Dispositivo de proteção

Para todos os circuitos foram dimensionados


disjuntores termomagnéticos (monofásico, bifásico ou trifásico),
visando a proteção contra, correntes de curto circuito e
sobrecargas, conforme NBR 5361 e IEC -157.
Todos os disjuntores abaixo de 100A deverão ser da
norma IEC – DIMM. Para disjuntores maiores que 100A deverão ser
utilizados dispositivos em caixa moldada.

9.4. Instalações de alimentadores

Deverão ser instalados a partir dos disjuntores, cabos


com isolamento duplo de seção conforme projeto (protegidos po r
eletrodutos de PVC do tipo pesado).
Deverão ser obedecidos, dentro das caixas de
passagem, o raio de curvatura mínimo, bem como uma sobra no
cabo de energia elétrica.
Os eletrodutos deverão ser envelopados em concreto
quando forem enterrados no solo e em locais de trânsito de
veículos.
Solicitar o acompanhamento do fiscal de obra na
medição dos cabos de alimentadores.

9.5. Instalações de alimentadores

As caixas de passagens no solo serão de alvenaria com


o fundo recoberto por brita e deverão seguir as dimens ões
apresentadas no projeto com tampa de ferro fundido com a
descrição – ELÉTRICA.
As caixas em locais de passeio ou passarela deverão ser
construídas no nível do solo.
Todas as caixas de passagem têm como objetivo
facilitar a enfiação dos cabos, não deven do haver emendas nos
cabos nestes locais. Se necessárias emendas dentro das caixas,
utilizar conectores de pressão tipo split -bolt e fita de alta fusão.
Identificar os circuitos (cabos) nas caixas de passagens.

10. Pintura

O edifício deverá receber pintura em todas as áreas


15
UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS
PREFEITURA UNIVERSITÁRIA
DIRETORIA DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA - DEINFRA

internas e externas a serem reformadas.


Todas as superfícies a pintar deverão estar firmes,
secas, limpas, sem poeira, gordura, sabão ou mofo, ferrugem,
retocadas se necessário, e convenientemente preparadas para
receber o tipo de pintura a elas destinadas.
A eliminação da poeira deverá ser completa, tomando -
se precauções especiais contra o levantamento de pó durante os
trabalhos, até que as tintas sequem inteiramente.
As pinturas serão executadas de cima para baixo e
deverão ser evitados escorrimentos ou salpicos, que caso não
puderem ser evitados deverão ser removidos enquanto a tinta
estiver fresca, empregando -se o removedor adequado.
Deverão ser adotadas precauções especiais no sentido
de evitar salpicaduras de tinta em superfície não destinada à
pintura (revestimentos cerâmicos, vidros, pisos, ferragens, etc.), ou
em outras superfícies com outro tipo de pintura ou concreto
aparente.
Na aplicação de cada tipo de pintura, todas as
superfícies adjacentes deverão ser protegidas e empapelad as, para
evitar respingos.
Cada demão de tinta só poderá ser aplicada quando a
precedente estiver perfeitamente seca, convindo observar um
intervalo mínimo de 24 horas entre 2 demãos sucessivas, ou
conforme recomendações do fabricante para cada tipo de tin ta.
Igual cuidado haverá entre uma demão de tinta e a massa, convindo
observar um intervalo de 24 horas após cada demão de massa, ou
de acordo com recomendações do fabricante.
Toda a superfície pintada deverá apresentar, depois de
pronta, uniformidade quanto à cor, textura, tonalidade e brilho
(fosco, semi-fosco, e brilhante).
O reboco não poderá conter umidade interna,
proveniente de má cura, tubulações furadas, infiltrações por
superfícies adjacentes não protegidas, etc.
O reboco em desagregação deverá se r removido e
aplicado novo reboco.
Manchas de gordura deverão ser eliminadas com uma
solução de detergente e água, bem como mofos com uma solução
adequada, enxaguar e deixar secar.
Superfícies ásperas deverão ser lixadas para obter bom
acabamento.
Nos locais onde houve o branqueamento da superfície,
deverá ser removida a pintura antiga, e efetuada nova pintura de
16
UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS
PREFEITURA UNIVERSITÁRIA
DIRETORIA DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA - DEINFRA

acordo com as cores já existentes na edificação , assim também


como as paredes externas.
As paredes internas das salas de Macas, salas de
Tanques e sala de Clivagem bem como a sala Seca serão pintadas
em tinta epóxi de cor branco gelo, com pelo menos 2 demãos até o
forro, as demais áreas serão pintadas em tinta acrílica acetinada na
cor branco-gelo, com pelo meno s duas demãos.
As tintas serão da s marcas Coral, Suvinil, Colorin ou
similar. Em caso de utilizar tintas de marcas diferentes das
especificadas, as mesmas deverão ser apresentadas ao Fiscal da
Obra para aprovação prévia.
As paredes antigas que já estão pintadas receberão um
lixamento superficial, aplicação de uma demão de emassamento e
posterior pintura.
Todos os emassamentos utilizados na obra serão
acrílico.

11. Considerações Finais

Eventuais substituições de marcas especificadas serão


possíveis, desde que apresentadas com antecedência para
aprovação do fiscal do Contrato , devendo os produtos apresentar
desempenho técnico equivalente ou superior aos anteriormente
especificados.
Todos os produtos e materiais a serem utilizados
devem obedecer às normas técnicas brasileiras pertinentes e
possuir a certificação mínima exigida para comprovação das
características necessárias ao bom desempenho da estrutura do
edifício.
Após concluídos os trabalhos, deverá ser feita a
retirada das instalações do canteiro de serviços e a limpeza geral
da obra, cuja responsabilidade será da empresa executora.
No serviço de limpeza , deve-se atentar para que:
- se remova todo o entulho gerado pela reforma , sendo
cuidadosamente limpos e varridos os acessos ;
- todas as alvenarias, pavimentações, revestimentos,
pisos externos, cerâmicas, vidros, etc., sejam abundantemente e
cuidadosamente lavados, de modo a não serem danificadas outras
partes da obra por estes serviç os de limpeza;
- hajaparticular cuidado em remover-se quaisquer
detritos ou salpicos de argamassa endurecida das superfícies,
17
UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS
PREFEITURA UNIVERSITÁRIA
DIRETORIA DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA - DEINFRA

sobretudo das cantarias, alvenarias e revestimentos em geral ;


- também sejam removidos todos os salpicos de tinta,
de maneira cuidadosa, dando -se especial atenção à perfeita limpeza
dos vidros e ferragens das esquadrias ;
Concluídos todos os serviços, objetos desta licitação,
se estiverem em perfeitas condições , atestadas pela fiscalização, e
após efetuados todos os testes e ensaios necessários, bem como
recebida toda a documentação necessária, serão recebidos
provisoriamente por esta através de Termo de Recebimento
Provisório, em conformidade com a Lei 8.666/1993,
A Contratada fica obrigada a manter os serviços e
obras por sua conta e risco, até a lavratura do “Termo de
Recebimento Definitivo”, em perfeitas condições de conservação e
funcionamento.
Os casos omissos a este Memorial Descritivo e não
especificados nos projetos , deverão ser levados àFiscalização da
Obra, para que os profissionais envolvidos no objeto em
questãofaçam as definições necessárias , antes da sua execução .

Palmas, 15de Abril de2016.

Samuelde Paula Faria


Engenheiro Civil/DEINFRA/PU/UFT
CREA n°209899- D/TO/Matrícula n°2161721

18