You are on page 1of 19

UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL

CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS E FORMAÇÃO INTEGRADA


ESPECIALIZAÇÃO EM ERGONOMIA SAÚDE E TRABALHO

ROBSON TADEU GONÇALVES DE OLIVEIRA

A IMPORTÂNCIA DA GINASTICA LABORAL NA PREVENÇÃO DE


DOENÇAS OCUPACIONAIS: UMA REVISÃO

Goiânia
2013
2
ROBSON TADEU GONÇALVES DE OLIVEIRA

A IMPORTÂNCIA DA GINASTICA LABORAL NA PREVENÇÃO DE


DOENÇAS OCUPACIONAIS: UMA REVISÃO

Artigo elaborado ao curso de Especialização em Saúde, Trabalho


e Ergonomia do Centro de Estudos Avançados e Formação
Integrada, chancelado pela Universidade Cruzeiro do Sul, como
parte dos requisitos para obtenção do título de especialista em
Ergonomia, Saúde e Trabalho.

Orientador: Profª. Ms. Isabelle Rocha Arão

Goiânia
2013
3
RESUMO

A Importância da Ginástica Laboral na Prevenção de Doenças Ocupacionais: Uma


Revisão

Robson Tadeu Gonçalves de Oliveira, Isabelle Rocha Arão.

Com o advento da era industrial teve início o processo de fabricação de produtos em massa e
a crescente especialização dos operários no sentido de melhorar a qualidade, de aumentar a
produção e de diminuir custos. Essa especialização levou os trabalhadores a executarem
funções específicas nas empresas, com a realização de movimentos repetitivos, associados a
um esforço excessivo, o que fez com que muitos indivíduos passassem a sentir dores. As
LER/DORT são, atualmente, causa de muitos debates quanto à nomenclatura, ao diagnóstico
e ao tratamento. O objetivo deste estudo foi analisar os benefícios da Ginástica Laboral no
desempenho das atividades dos trabalhadores, através da pesquisa bibliográfica sobre
Ginástica Laboral. Dessa forma um dos cuidados que pode ser feito é a realização da
Ginástica Laboral que consiste em exercícios realizados no local de trabalho, atuando de
forma preventiva e terapêutica, nos casos de LER/DORT, enfatizando o alongamento e a
compensação das estruturas musculares envolvidas nas tarefas ocupacionais diárias. O
investimento em programas de atividades físicas para os trabalhadores, além de ser uma
ação muito benéfica no preparo, manutenção e relaxamento do corpo para as tarefas
laborais e após sua execução, vem embutido o ideal de: melhores relações com o trabalho e
produtividade.
Palavras-chave: Ginástica Laboral, Qualidade de Vida, Doença Ocupacional.
4
INTRODUÇÃO

Atualmente, em um país como o nosso, infelizmente, as questões relacionadas com a


adequação ergonômica dos ambientes de trabalho ainda estão longe de ser realidade. Apenas
algumas empresas e instituições estão preocupadas em oferecer, aos seus colaboradores,
condições ideais, não estando a grande maioria, preocupada em investir na melhoria da
qualidade de vida, mas apenas com o que os trabalhadores poderão produzir.
Com o advento da era industrial, tiveram início o processo de fabricação de produtos
em massa e a crescente especialização dos operários no sentido de melhorar a qualidade, de
aumentar a produção e de diminuir custos. Essa especialização levou os trabalhadores a
executarem funções específicas nas empresas, com a realização de movimentos repetitivos,
associados a um esforço excessivo, o que fez com que muitos indivíduos passassem a sentir
dores.
As LER/DORT são, atualmente, causa de muitos debates quanto à nomenclatura, ao
diagnóstico e ao tratamento. Há os que não acreditam em sua existência, e os que ainda não se
convenceram. O fato é que existem inúmeros trabalhadores com queixas de dor atribuídas às
suas funções1.
A patologia é reconhecida pela atual Legislação Brasileira, gerando grande interesse
nos meios médicos. O ônus gerado ao governo, às indústrias e aos trabalhadores leva os meios
médicos a realizar estudos e discussões que possam contribuir para uma melhor compreensão
dessa patologia, já considerada como epidemia2.
A Ginástica Laboral compreende exercícios específicos de alongamento, de
fortalecimento muscular, de coordenação motora e de relaxamento realizado em diferentes
setores ou departamentos da empresa, tendo como objetivo principal prevenir e diminuir os
casos de LER/DORT3.
A Ginástica Laboral consiste em exercícios realizados no local de trabalho, atuando de
forma preventiva e terapêutica, nos casos de LER/DORT, enfatizando o alongamento e a
compensação das estruturas musculares envolvidas nas tarefas ocupacionais diárias4.
Concordando com os autores acima, refere ser a Ginástica Laboral, exercícios
efetuados no próprio local de trabalho, com sessões de cinco, 10 ou 15 minutos, tendo como
principais objetivos a prevenção das LER/DORT e a diminuição do estresse, através dos
exercícios de alongamento e de relaxamento5.
5
A Ginástica Laboral como atividade física realizada no próprio local de trabalho, com
exercícios elaborados para compensar e prevenir os efeitos negativos da LER/DORT, das
dores na coluna, dos desvios de postura e de outros problemas6.
Em função dessa mudança de cenário no mundo do trabalho e das consequentes
repercussões na saúde do trabalhador é que este estudo tem sua importância justificada.
A partir do exposto, a presente revisão teve como objetivo analisar os benefícios da
Ginástica Laboral no desempenho das atividades dos trabalhadores e descrever a importância
da Ginástica Laboral na prevenção de doenças ocupacionais.
6
MÉTODOS

Trata-se de um estudo de revisão de literatura, que envolveu a captação de publicações


científicas em língua portuguesa relacionada aos temas Ginástica Laboral, Qualidade de Vida
Patologias Ocupacionais. Foram realizadas em bancos de dados científicos eletrônicos
(Pubmed, Medline, Scielo, Lilacs) e sites oficiais de fisioterapia.
Foram selecionadas as publicações no período de 1980 a 2012. Os 26 artigos
encontrados foram selecionados a partir da leitura prévia dos resumos, título e do texto na
íntegra. Os textos foram analisados e sintetizados de forma reflexiva a fim de obter
informações consistentes acerca do tema proposto, sendo que estas são apresentadas e
discutidas a seguir.
7
REVISÃO DE LITERATURA

Ginástica Laboral

Histórico

Apesar de parecer nova, a Ginástica laboral (GL) que é a prática de atividade física
realizada no ambiente de trabalho surgiu em 1925. Iniciou na Polônia como uma ginástica de
pausa para operários passando depois a ser realizada na Holanda, Rússia, Bulgária, Alemanha
Oriental e em outros países na mesma época, em 1928 o Japão adotou a pratica, sendo
aplicada, diariamente, em funcionários dos correios, visando a descontração e o cultivo da
saúde. Após a Segunda Guerra Mundial, o hábito foi difundido por todo o Japão, os Estados
Unidos adotaram a GL em 1968.
No Brasil, surgem as primeiras manifestações de atividades físicas entre funcionários,
em 1901, mas a GL teve sua proposta inicial publicada somente em 1973. Algumas empresas
começaram a investir em empreendimentos, com opção de lazer e de esporte para os seus
funcionários, como a Fábrica de Tecidos Bangu, a pioneira, e o Banco do Brasil, com a
posterior criação da Associação Atlética do Banco do Brasil7.

Conceitos e Definições

GL nada mais é do que a combinação de exercícios específicos de alongamentos,


fortalecimentos musculares, coordenação motora e relaxamentos realizados em diferentes
setores ou departamentos da empresa, tendo como objetivo principal prevenir e diminuir os
casos de Lesão por Esforço Repetitivo (LER) e/ou Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao
Trabalho (DORT) e a diminuição do estresse através dos exercícios de alongamento e de
relaxamento complementados com atividades lúdicas e ações sócio-educativas, realizadas
diariamente8.
Algumas atividades físicas que tem como característica comum, melhorar sob o
aspecto fisiológico, a condição física do indivíduo em seu trabalho; emprega exercícios de
fácil execução que são realizados no próprio local de trabalho com sessões de 05, 10 ou 15
8
minutos que contribuirão para um melhor condicionamento e desempenho físico,
concentração e um melhor posicionamento frente aos postos de trabalho7, 8.
A GL é a prática de exercícios realizada coletivamente durante a jornada de trabalho,
de acordo com a função de cada trabalhador, exercícios de compensação aos movimentos
repetitivos, à ausência de movimentos, ou a posturas desconfortáveis assumidas durante o
período de trabalho “tendo como finalidade a prevenção de doenças ocupacionais, promover o
bem-estar individual, por intermédio da consciência corporal: conhecer, respeitar, amar e
estimular o seu próprio corpo”. A GL é classificada em quatro tipos: preparatória,
compensatória, de relaxamento e corretiva9.

Ginástica Laboral Preparatória (GLP)

É definida como ginástica preparatória ou pré-aplicada, sendo um conjunto de


exercícios que prepara o indivíduo conforme suas necessidades, de força ou de resistência
para o trabalho, aperfeiçoando a coordenação. É realizada antes ou logo nas primeiras horas
do início do trabalho é leve e de curta duração.
Na maioria das vezes não é possível implantar em todos os setores antes de iniciar a
jornada, mas logo no seu início e isso não descaracteriza como preparatória. Ela é constituída
de aquecimentos e alongamentos específicos para determinadas estruturas exigidas e
despertando o funcionário, com objetivo de prevenir acidentes de trabalho, distensões
musculares e doenças ocupacionais. O objetivo é aumentar a circulação sanguínea, lubrificar e
aumentar a viscosidade das articulações e tendões10, 11.
A GLP faz com que as pessoas despertem, espreguicem e sorriam, brincando com os
colegas e renovando energias, iniciando suas atividades com muito mais segurança.
Proporciona melhores condições físicas e mentais aos funcionários, pois os prepara para
reagirem aos estímulos externos, principalmente quando há risco de erro, de acidente ou
necessidade de manuseio de equipamentos e maquina que exijam muita atenção, velocidade,
força ou muita repetição dos movimentos durante a execução das tarefas de trabalho12.
9
Ginástica Laboral Compensatória (GLC)

É realizada no meio da jornada de trabalho, como uma pausa ativa para executar
exercícios específicos de compensação. Praticada junto às máquinas, mesas do escritório e
eventualmente no refeitório ou em espaço livre, utilizando exercícios de descontração
muscular e relaxamento, visando diminuir a fadiga e prevenir as enfermidades profissionais
crônicas. Tem sido definida, ainda como a ginástica que tem por objetivo, precisamente, fazer
trabalhar os músculos correspondentes e relaxar os músculos que estão em contração durante
a maior parte da jornada de trabalho normalmente aplicando-se uma pausa ativa de 3 a 4 horas
após o início do expediente. A visão da GLC é fortalecer os músculos mais fracos, ou seja, os
menos usados durante a jornada de trabalho, além de alongar os mais solicitados,
proporcionando, dessa forma, compensação dos músculos agonistas para com os antagonistas,
de forma equilibrada13.

Ginástica Laboral de Relaxamento (GLR)

De acordo com estudos esta trata-se de uma ginástica utilizada após a jornada de
trabalho com uma duração de aproximadamente 10 a 12 minutos, em que o trabalhador
poderá descansar, acalmar-se e relaxar antes de ir para casa, tendo como objetivo a redução do
estresse, alívio das tensões, redução dos índices de desavenças no trabalho e em casa, com
conseqüente melhora da função social14.
É aconselhada para trabalhadores que executam trabalhos principalmente com excesso
de carga horária ou em serviços de cunho intelectual. A GLR, praticada ao final do
expediente, tem como objetivo promover relaxamento mental e muscular, extravasar tensões
das regiões que cumulam mais tensão15.
10
Ginástica Laboral Corretiva (GLC)

Conforme registros feitos, a finalidade da GLC é estabelecer o antagonismo muscular,


utilizando exercícios que visam fortalecer os músculos fracos e alongar os músculos
encurtados, destinando-se ao indivíduo portador de deficiência morfológica, não patológica,
sendo aplicada a um grupo reduzido de pessoas. Entretanto, a GLC visa combater e,
principalmente, atenuar as conseqüências decorrentes de aspectos ecológicos ergonômicos
inadequados ao ambiente de trabalho16.
A aplicabilidade dessa ginástica tem como objetivo trabalhar grupos específicos dentro
da empresa, em conjunto com a área da medicina do trabalho, da enfermagem e da
fisioterapia, com a finalidade de recuperar casos graves de lesões, de limitações e de
condições ergonômicas17.

Benefícios da Ginástica Laboral

A GL proporciona benefícios fisiológicos, psicológicos, sociais e empresariais,


vantagens tanto para o trabalhador, quanto para a empresa. Além de prevenir as LER/DORT,
ela tem apresentado resultados mais rápidos e diretos com a melhora do relacionamento
interpessoal e o alívio das dores corporais. Dentre os benefícios à saúde do trabalhador, a
prática da GL melhora a condição física e psicológica do trabalhador; favorece a
integração (quando praticada em grupo) dos trabalhadores, melhorando a participação e
produção em equipe; corrige vícios posturais; melhora a disposição ao trabalho; reduz
patologias e diminui os níveis de estresse e tensão geral.
Para as empresas que adotam a prática os benefícios são a diminuição no número
de acidentes de trabalho; redução nos gastos com serviço médicos; diminuição de faltas de
trabalhadores por motivo de doença; aumento na produção das empresas e satisfação do
empregado18.
Partindo desse pressuposto, evidências têm demonstrado que a GL, em média, após
três meses a um ano de sua implantação, em uma empresa, tem apresentado benefícios. Neste
sentido, a implantação de um programa de GL busca despertar nos trabalhadores a
necessidade de mudanças do estilo de vida, e não apenas de alteração nos momentos de
11
ginástica orientada dentro da empresa, em virtude dos benefícios comprovados
cientificamente19.

Benefícios Fisiológicos

A prática da ginástica laboral promove um aumento significativo da flexibilidade,


combatendo o encurtamento muscular e conseqüentemente reduzindo as dores musculares do
cotidiano dos funcionários como:

 Possibilita melhor utilização das estruturas osteo-mio-articulares, como maior


eficiência e menor gasto energético por movimento especifico;
 Promove o combate e prevenção das doenças profissionais;
 Promove o combate e prevenção do sedentarismo, estresse, depressão,
ansiedade;
 Melhora da flexibilidade, força, coordenação, ritmo, agilidade e a resistência,
promovendo uma maior mobilidade e melhor postura;
 Promove a sensação de disposição e bem estar para a jornada de trabalho;
 Redução da sensação de fadiga no final da jornada;
 Contribui para a promoção da saúde e da qualidade de vida do trabalhador;
 Propicia através da realização dos exercícios características preparatórias,
compensatórias e relaxantes no corpo humano;
 Bem como os principais benefícios fisiológico relacionados ao exercício sobre
o sistemas cardíaco, respiratório, esquelético, entre outros bem documentados
nas evidências científicas;
 Promove o combate e prevenção das doenças profissionais;
 Promove o combate e prevenção do sedentarismo, estresse, depressão,
ansiedade;
 Melhora da flexibilidade, força, coordenação, ritmo, agilidade e a resistência,
promovendo uma maior mobilidade e melhor postura;
 Promove a sensação de disposição e bem estar para a jornada de trabalho;
 Redução da sensação de fadiga no final da jornada;
 Contribui para a promoção da saúde e da qualidade de vida do trabalhador;
12
 Propicia através da realização dos exercícios características preparatórias,
compensatórias e relaxantes no corpo humano;

Bem como os principais benefícios fisiológicos relacionados ao exercício sobre o


sistema cardíaco, respiratório, esquelético, entre outros bem documentados nas evidências
científicas 20, 21.

Benefícios Psicológicos

A qualidade de vida está diretamente ligada aos aspectos de desenvolvimento,


nutrição, promoção da saúde, capacidades e habilidades motoras, acesso à informação,
adaptação ergonômica, conhecimentos sobre saúde e a questão do sedentarismo, ajuda a
libertar os tais efeitos estressores causados pelo quotidiano e melhora o bem-estar psicológico.
Sabe-se hoje que a prática de uma simples atividade física aumenta: o rendimento
profissional, a confiança, a capacidade para lidar com as emoções e o auto-controle,
capacidade de raciocínio, memória, percepção, bem-estar, satisfação sexual e eficiência
profissional; e diminui: absentismo, abuso de substâncias, irritabilidade e ansiedade,
depressão e enxaquecas. Os Benefícios da GL envolvidos no programa são 22:

 Motivação por novas rotinas;


 Melhora do equilíbrio biopsicológico;
 Melhora da auto-estima e da auto-imagem;
 Desenvolvimento da consciência corporal;
 Combate as tensões emocionais;
 Melhora da atenção e concentração as atividades desempenhadas.

Benefícios Sociais

Quando se implanta um programa de GL numa empresa, envolve-se a coletividade, o


que propicia, além dos benefícios físicos em si, momentos de descontração e um desligamento
momentâneo dos problemas do trabalho, se tornando um momento de pausa.
Independentemente de suas funções, naquele instante todos irão relacionar-se, praticar
13
exercícios, cooperar uns com os outros, conhecerem suas necessidades e limitações,
respeitando seus limites e os de seus colegas sendo evidenciado também23:

 O surgimento de novas lideranças;


 Favorece o contato pessoal;
 Promove a interação social;
 Favorece o trabalho em equipe;
 Melhora as relações interpessoais.

Benefícios empresariais

Os benefícios empresariais através de resultados positivos como aumento da


produtividade, a redução de algias e do desânimo, redução dos afastamentos por doenças
ocupacionais e das faltas no trabalho, por conseqüência aos efeitos de descontração,
relaxamento e ainda eliminação de dores proporcionadas pela GL. Os benefícios evidenciados
com o estudo24:

 Redução dos gastos com afastamento e substituição de pessoal;


 Diminuição de queixas, afastamentos médicos, acidente e lesões;
 Melhoria da imagem da instituição junto aos empregados e a sociedade;
 Maior produtividade.

Discussões referentes à eficácia da ginástica laboral em relação às


patologias ocupacionais:

Ao discutir a relação da eficácia dos programas de Ginástica Laboral é importante


separar seus vários objetivos e metas, bem como a forma com que o programa é aplicado. Em
uma revisão mais recente sobre a eficácia da ginástica laboral na prevenção de doenças
ocupacionais. Embora sugiram que os exercícios melhorem a saúde e diminuam a severidade
e o custo do tratamento das lesões, concluiram que os poucos estudos específicos sobre os
14
programas de ginástica laboral não fornecem evidências conclusivas nem a favor nem contra a
ginástica laboral, confirmando revisões anteriores sobre o mesmo assunto25.
Outro estudo concluiu que foi a de que os dados sugerem uma boa aceitação do
programa pelos funcionários e que a ginástica laboral parece ter sido eficaz na prevenção de
doenças ocupacionais. No entanto, a pesquisa não apresenta nenhum dos controles habituais
para esse tipo de pesquisa: não há um grupo controle e nem mesmo o controle do próprio
sujeito (aplicação do mesmo questionário antes-depois). Não foram realizadas medidas ou
exames clínicos que possam comprovar as sugestões das autoras. Resta o fato da boa
aceitação por parte dos participantes e o auto-relato da diminuição dos sintomas relacionados
a dores no corpo26.
A implantação e continuidade de um programa de GL em uma única empresa ao longo
do tempo e concluiu que houve uma grande redução nos casos de LER/DORT nos dois anos
iniciais do programa, mas notou que os casos voltaram a crescer depois desse período27.
A GL pode reduzir a incidência de doenças ocupacionais e lesões de esforços
repetitivos, e desta forma diminuir o número de afastamentos dos empregados na empresa.
Além dos benefícios físicos, a prática voluntária da GL proporciona ganhos psicológicos,
diminuição do estresse e aumento no poder de concentração, motivação e moral dos
trabalhadores. A GL também pode trazer benefícios econômicos diretos para as empresas ao
diminuir o afastamento me elevar a produtividade dos empregados. Os principais benefícios
fisiológicos relacionados ao exercício sobre o sistema cardíaco, respiratório, esquelético, entre
outros bem documentados nas evidências científicas. A GL além de promover o combate às
doenças profissionais, também previne e combate o sedentarismo, o estresse, depressão,
ansiedade, como também promove a sensação de disposição e bem estar para a jornada de
trabalho28.
Os benefícios do programa da GL seriam a redução de custos com assistência
médica, diminuição do absenteísmo, diminuição do estresse, aumento da produtividade e
diminuição de acidentes de trabalho. Cañete (1996) também fala que alguns dos principais
benefícios psicológicos pela prática da GL são apresentados na melhora do equilíbrio
biopsicológico, da auto-estima e da auto-imagem do praticante29.
Há de se considerar também a presença da motivação por novas rotinas, do
desenvolvimento da consciência corporal e do combate às tensões emocionais do Indivíduo;
apresentando também melhora da atenção e concentração às atividades desempenhadas. O
favorecimento do relacionamento social e do trabalho de equipe, apresentando a melhoria das
relações interpessoais, são alguns dos fatores dos benefícios sociais que a GL causam 30.
15
CONSIDERAÇÕES FINAIS

Investir em programas de atividades físicas para os trabalhadores, além de ser uma


ação muito benéfica no preparo, manutenção e relaxamento do corpo para as tarefas laborais e
após sua execução, vem embutido o ideal de: melhores relações com o trabalho e
produtividade.
Além disso, apesar da ação fazer parte da lógica da empresa tal atitude é importante
para promover o bem estar do trabalhador, contribuindo para a prevenção das doenças
ocupacionais oriundas de um capitalismo em que o homem é visto, inconsequentemente,
como uma máquina.
Desta forma, alinhar os programas de Ginástica Laboral à cultura e ao planejamento
estratégico da empresa fica mais fácil articular indicadores de resultado, visando o
desenvolvimento da empresa e o bem estar dos colaboradores.
As atividades orientadas por profissional preparam, fortalecem e descansam as
musculaturas mais exigidas durante a jornada de trabalho, o que traz o benefício da prevenção
de patologias ocupacionais, como Doenças Ocupacionais, além de educar o trabalhador para a
não adoção de posturas inadequadas. Além de promover o bem estar físico, a GL proporciona
o bem estar mental, pois esta atividade aperfeiçoa a descontração e o melhor relacionamento
no ambiente de trabalho.
A Ginástica Laboral forma hoje um dos pontos de suma importância para prevenção e
correção de inúmeros problemas físicos de causa repetitiva. Portanto, implantar o programa
que traz benefícios tanto para os colaboradores quanto para a empresa é fator de suma
importância para evolução e desenvolvimento empresarial. Além de proporcionar melhor
qualidade de vida no trabalho para os funcionários, a empresa ainda contará com maior
produtividade.
Ainda assim é importante levar em consideração as discussões referente a eficácia da
ginástica laboral em relação as patologias ocupacionais, pois observa-se que em pesquisas
com autores diferentes a GL se mostra eficaz no combate de doenças ocupacionais e ao
mesmo tempo mostra que precisa haver mais levantamentos de dados com pesquisas,
principalmente com amostragens de grupos participantes em empresas e ramos de atividades
diferentes para que as afirmações literárias tornem-se ainda mais fidedignas.
16
REFERÊNCIAS

1. Martins, Caroline de Oliveira. Repercussão de um programa de ginástica laboral


na qualidade de vida de trabalhadores de escritório. 2005. 184f. p. 21-82. Tese
(Doutorado em Engenharia de Produção) – Programa de Pós-Graduação em
Engenharia de Produção, Centro Tecnológico, Universidade Federal de Santa
Catarina. Florianópolis, 2005.

2. Fundacentro. LER/ DORT. 2007 Disponível em:


http://www.fundacentro.gov.br/Acesso em 10/04/2012.

3. Oliveira, João Ricardo Gabriel de. Os benefícios da ginástica laboral na prevenção


de doenças ocupacionais (um estudo de revisão). In: Sprint Magazine, Sorriso,
v.20, n.128, p.26-34, set./out. 2003.

4. Cañete I. Desafio da empresa moderna: a ginástica laboral como um caminho. 2ª


ed. São Paulo: Ícone, 2002.

5. Martins CO. Ginástica laboral no escritório. Jundiaí, SP: Fontoura, 2001.

6. Vasconcelos, Anselmo Ferreira. Qualidade de vida no trabalho: origem, evolução e


perspectiva. In: Caderno de Pesquisas em administração, São Paulo, v.08, n.01,
jan./mar. 2001.

7. Mendes R. A, Leite N. Ginástica laboral: princípios e aplicações práticas. Barueri,


SP: Manole, 2004.

8. Martins, C. O., Duarte, M. F. S. Efeitos da Ginástica Laboral em servidores da


reitoria da UFSC. Revista Brasileira Ciência e Movimento. Brasília, 2000. 110p.
Tese (Programa de Pós Graduação em engenharia de Produção) – Universidade
Federal de Santa Catarina.

9. Lima, V. Atividade Física no Ambiente de Trabalho. São Paulo, SP: Phorte, 2008.

10. Dias MFMG. Ginástica laboral: empresas gaúchas têm bons resultados com a
ginástica antes do trabalho. Proteção 1994; 6 (29): 24-5.

11. Alves S, Vale A. Ginástica Laboral caminha para uma vida mais saudável no
trabalho. Revista CIPA 1999; 232: 30-43.

12. Soares RG, Assunção AA. A baixa adesão ao programa de ginástica laboral:
buscando elementos do trabalho para entender o problema. In: Congresso Latino-
Americano de Ergonomia; 2002; Recife. Anais. São Paulo: Abergo, 2002.

13. Kolling, A. Ginástica Laboral Compensatória: uma experiência vitoriosa da


FEEVALE. Rev. FEEVALE, vol. 3, n. 2, Novo Hamburgo, RS, 1980.
17
14. Alonso J, Prieto L, Antó JM. 1995. La versión española del SF-36 health
survey(cuestionario de salud SF-36): un instrumento para la medida de los
resultados clínicos. Med Clin (Barc). 104 (20): 771-6.

15. Alves JHF. Ginástica laborativa: método para prescrição de exercícios terapêuticos
no trabalho. Rev Fisioter Brasil. 2000; 1(1): 19-22.

16. Cañete I. Desafio da empresa moderna: a ginástica laboral como um caminho. 2ª


ed. São Paulo: Ícone, 2001.

17. Maciel, R. H; et al. Quem se beneficia dos programas de Ginástica


Laboral? Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, vol. 8, p. 71-86, 2005.

18. Alves JHF. Ginástica laborativa: método para prescrição de exercícios terapêuticos
no trabalho. Rev Fisioter Brasil. 2000;1(1):19-22.

19. Polito, Eliane; Bergamaschi; Elaine Cristina. Ginástica Laboral: teoria e prática. 2
ed. Rio de Janeiro: Sprint, 2002.

20. Martins, Ives Gandra da Silva. Manual esquemático de direito e processo do


trabalho. 20. ed. rev. atual. São Paulo: Saraiva, 2002. 529 p.

21. Duarte, Maria de Fátima da. Efeitos da ginástica laboral em servidores da Reitoria
da UFSC. In: Revista Brasileira de Ciência e Movimento, Brasília, v.8,n.4, p.07-
13, set. 2000.

22. Martins, Caroline de Oliveira. Repercussão de um programa de ginástica laboral


na qualidade de vida de trabalhadores de escritório. 2005. 184f. p. 21-82. Tese
(Doutorado em Engenharia de Produção) – Programa de Pós-Graduação em
Engenharia de Produção, Centro Tecnológico, Universidade Federal de Santa
Catarina. Florianópolis, 2005.

23. Mota, Márcio Rodrigues et al. Musculação e ginástica na melhoria da saúde e


qualidade de vida. In: Revista Digital Vida & Saúde, Brasília, v.1, n.3, dez./jan.
2002.

24. Militão, A. G. A influência da Ginástica Laboral para a Saúde dos trabalhadores e


sua relação com os profissionais que a orientam. 2001. Dissertação (Mestrado em
Engenharia de Produção), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

25. Hess, J., & Hecker, S. (2003).Stretching at work for injury prevention: Issues,
evidence and recommendations. Applied Occupational and Applied Hygiene.
18(5), 331-33

26. Martins, C. O., Martins, M. F. S. Efeitos da Ginástica Laboral em servidores da


reitoria da UFSC. Revista Brasileira Ciência e Movimento. Brasília, 2000. 110p.
Tese (Programa de Pós Graduação em engenharia de Produção) – Universidade
Federal de Santa Catarina.
18
27. Longen, W. C. Ginástica Laboral na Prevenção de LER/DORT? Um Estudo
Reflexivo em uma Linha de Produção. Dissertação de Mestrado, Engenharia de
Produção, Universidade Federal de Santa Catarina. Santa Catarina, 2003.

28. Cañete, I. “Humanismo: Desafio da empresa moderna – Ginástica Laboral como


um caminho”. Porto Alegre: Foco Editorial, 1996.

29. Oliveira, J. R. G. “A prática da Ginástica Laboral”. Rio de Janeiro: Sprint, 2002.

30. Gonçalves, M. V. Ginástica Laboral na indústria: propostas e diretrizes para


implantação. 98 f. Dissertação (Mestrado em Gestão Integrada em Saúde do
Trabalho e Meio Ambiente), Centro Universitário SENAC, São Paulo, 2006
19
ABSTRACT

The Importance of Gymnastics in Preventing Occupational Diseases: A Review

With the advent of the industrial era began the process of manufacture of mass and
increasing specialization of workers to improve quality, increase production and reduce
costs. This specialization has led workers to perform specific functions in companies,
carrying out repetitive movements associated with a strain, which caused many individuals to
begin to feel pain. The RSI / WMSD are currently the cause of much debate regarding the
terminology, diagnosis and treatment. Our aim was to analyze the benefits of exercise in the
performance of Labour workers' activities, through the research literature on Gymnastics.
Thus one of the care that can be done is the realization of Gymnastics consisting of exercises
done in the workplace, working in a preventive and therapeutic in cases of RSI / WMSD,
emphasizing stretching and compensation of muscular structures involved in the tasks daily
occupational. Investment in physical activity programs for workers, besides being a very
beneficial action on the preparation, maintenance and relaxation of the body to work tasks
and after its implementation, the ideal is embedded: better relations with labor and
productivity.

Keywords: Gymnastics, Quality of Life, Occupational Disease.

Pesquisadores:

Robson Tadeu Gonçalves de Oliveira


Fisioterapeuta, especialista em Docência Universitária, aluno do curso de especialização em
Ergonomia, Saúde e Trabalho do CEAFI Pós-Graduação

Isabelle Rocha Arão


Fisioterapeuta e Engenheira de Produção, mestre em Ciências Ambientais e Saúde,
especialista em Docência Universitária e em Ergonomia, orientadora do curso de
especialização em Ergonomia, Saúde e Trabalho do CEAFI Pós-Graduação.