You are on page 1of 17

A Teoria da

Aprendizagem
Significativa (TAS)
de David Ausubel
David Paul Ausubel
Nova Iorque (25/08/18 – 09/07/08)

• Filho de imigrantes judeus e pobres da Europa Central


• Insatisfação com a educação que recebeu (violenta e
reacionária)
“A escola é um cárcere para meninos. O crime de todos é a
pouca idade e por isso os carcereiros lhes dão castigos.”

• Formou-se em Psiquiatria, mas dedicou-se à Psicologia


Educacional
• Professor emérito da Universidade de Columbia
David Paul Ausubel
Nova Iorque (25/08/18 – 09/07/08)

• Livros:

• Theory and Problems of Child Development (1954) -


David P. Ausubel
• Learning Theory and Classroom Practice (1967) - David
P. Ausubel
• Educational Psychology: A Cognitive View (1968) -
David P. Ausubel, Joseph D. Novak, Helen Hanesian
• The Acquisition and Retention of Knowledge: A
Cognitive View (2000) – David P. Ausubel
Princípios

• “Se eu tivesse que reduzir toda psicologia educacional a


um único princípio, diria isto: O fator isolado mais
importante que influencia a aprendizagem é aquilo que o
aprendiz já conhece. Descubra o que ele sabe e baseie
nisso os seus ensinamentos.”
(Ausubel, Novak & Hanesian, 1980)

• Ausubel foca sua atenção na sala de aula propriamente


dita, sendo um dos poucos autores que cria um enfoque
teórico aplicável a este ambiente.
Definição da TAS

• Processo por meio do qual uma nova informação


interage de forma não-literal e não-arbitrária com
subsunçores específicos existentes na estrutura cognitiva
do indivíduo.
• Ou seja, o aprendizado ocorre de maneira que o indivíduo
participa na concepção da nova informação, relacionando-a com
conceitos pré-existentes em sua estrutura cognitiva – chamados
de subsunçores – aos quais ela irá se ancorar.
• A estrutura cognitiva considerada por Ausubel é a estrutura
conceitual do indivíduo.
Como se processa
• Os novos conceitos a, b e
c irão interagir de forma
não arbitrária, com
conceitos relevantes
presentes na estrutura
cognitiva: a com A; b com
B e c com C.
• Ausubel descreve a
aquisição de
conhecimento
como a modificação
(conectiva ou
bioquímica)
dos neurônios do
indivíduo.
Como se processa
• Assimilação - Inicialmente, há apenas o conceito subsunçor existente
na estrutura cognitiva (“A”), ao qual se pretende relacionar uma nova
informação potencialmente significativa, chamada “a”. No processo
de assimilação, não somente a nova informação “a” mas também a
ideia ou conceito mais inclusivo “A” se modifica, surgindo daí “A*” e
“a*”. Dessa interação entre a nova informação e o conceito subsunçor
surge o produto interacional “A*a*”.

• Assimilação obliteradora - As novas informações não são mais


reproduzíveis como entidades individuais, de modo que “A*a*”
reduz-se simplesmente a “A*” (resíduo). Isso se deve ao fato de que é
mais simples e econômico reter apenas as ideias, conceitos e
proposições mais gerais e estáveis do que as novas ideias assimiladas.
Condições

• O aluno precisa ter disposição para aprender. Se o


indivíduo quiser memorizar o conteúdo de forma literal e
arbitrária, o aprendizado será mecânico.
• O conteúdo escolar tem que ser potencialmente
significativo.
• Logicamente significativo: depende somente da natureza do
conteúdo
• Psicologicamente significativo: depende de cada indivíduo. Cada
um faz uma filtragem das informações que têm significado para si
próprio.
Aplicação
Organizadores Prévios

• São informações e recursos introdutórios apresentados antes


da aula em si.
• São escolhidos para ativarem subsunçores relevantes à
informação a ser ensinada.
• São apresentados em um nível maior de abstração que a aula
em si.
• Devem traçar conexões explícitas (“pontes”) entre o material
a ser ensinado e os subsunçores dos alunos.
• Servem para organizar os subsunçores existentes de forma a
facilitar a aprendizagem significativa.
Aplicação
Interações Sucessivas

• Diferenciação progressiva - o assunto deve ser programado de


forma que as ideias mais gerais e inclusivas da disciplina sejam
apresentadas antes e progressivamente diferenciadas, com a
introdução de detalhes específicos.

• Reconciliação integrativa - a programação do material


instrucional deve ser feita para explorar relações entre ideias,
apontar similaridades e diferenças significativas além de
reconciliar inconsistências reais ou aparentes
Organizadores Prévios
Reconciliação integrativa
Diferenciação progressiva
Tipologia
• Aprendizagem Subordinada: Ocorre quando o conceito é
subsumido, ancorando-se em um conceito mais
generalizador da estrutura cognitiva do indivíduo.

Novos conceitos
Tipologia
• Aprendizagem Superordenada: Ocorre quando o novo
conceito reestrutura conceitos já existentes, por ser mais
generalizador.

Novo conceito
Tipologia
• Aprendizagem Combinatória: Ocorre quando conceitos
(ou proposições, principalmente) novos se relacionam
com uma parte da estrutura cognitiva como um todo,
utilizando vários conceitos, sem se subordinar a ou
superordenar outros conceitos.

Novo conceito
Aprendizagem Mecânica

• Encontra muito pouca ou nenhuma informação prévia na


Estrutura Cognitiva a qual possa se relacionar, sendo
então armazenada de maneira arbitrária.
• Também chamada de aprendizagem memorística, requer
menos esforço, mas tem curta duração na estrutura
cognitiva do aprendiz.
• É indicada apenas quando o aprendiz ainda não possui
subsunçores para ancoragem das novas informações.
Aprendizagem Significativa ou
Aprendizagem Mecânica?

APRENDIZAGEM Clarificação de Instrução audiotutorial Pesquisa científica


SIGNIFICATIVA relações entre bem planejada Nova música ou
conceitos arquitetura
Aulas teóricas
ou a maioria das Maior parte da
apresentações “pesquisa" ou produção
em livros de intelectual de rotina
texto Trabalho escolar de
laboratório

Tabelas de Aplicação de fórmulas Solução de quebra-


APRENDIZAGEM multiplicação para resolver problemas cabeça por ensaio e erro
MECÂNICA

APRENDIZAGEM APRENDIZAGEM POR APRENDIZAGEM POR


RECEPTIVA DESCOBERTA ORIENTADA DESCOBERTA AUTÔNOMA
Referências Bibliográficas
AUSUBEL, David P. The acquisition and retention of knowledge:
A cognitive view. New York: Kluwer Academic Publishers, 2000.

AUSUBEL, David P.; NOVAK, Joseph D.; HANESIAN, Helen.


Educational Psychology: A Cognitive View. New York and Toronto:
Holt, Rinehart and Winston, 1968.

PELIZZARI, Adriana et al. Teoria da Aprendizagem Significativa


Segundo Ausubel. Disponível em: portaldoprofessor.mec.gov.br/
storage/materiais/0000012381.pdf. Acesso em: 04 abr 2016.

MOREIRA, Marco Antônio. Aprendizagem significativa: um


conceito subjacente. Disponível em: www.if.ufrgs.br/~moreira/
apsigsubport.pdf. Acesso em: 04 abr 2016.