You are on page 1of 37

MANUAL

LIGHT URBAN SEARCH AND RESCUE COURSE


First Response Disaster International
A Associação Internacional para Preparação e Prevenção de Desastres e Resposta é uma instituição
fundada em 1998 como centro de formação e pesquisa em desastre que liga os profissionais, voluntários
e instituições em todas as fases de preparação para desastres e gestão de emergências.

Curso FRDDisaster Internacional


 Curso Resgate em Espaço Confinado;
 Resgate em Grande ângulos;
 Curso Busca e Salvamento Urbano ;
 Instrutor do Curso de Pesquisa e Salvamento Urbano;
 Primary Care Emergency Course Instructor;
 First Aid & CPR Course

Preparação para desastres e planejamento de recuperação é projetada para reduzir a interrupção de


serviços essenciais quando ocorre uma situação de emergência. Planejamento de comunicações de
emergência é componente chave de qualquer plano de desastre. Plano de desastres deve ser flexível o
suficiente para ser adaptado a situações de emergência específicas.
As seguintes diretrizes se destinam a ajudar Resgatistas garantir a sua continuidade das operações e
gerenciar a segurança e operacionalidade dos sistemas e redes de comunicações durante emergências.
Você pode voluntariamente optar por usar estas diretrizes para desenvolver, aprimorar e expandir sua
preparação para emergências e desastres, resposta e recuperação atuais planos para construir em uma
abordagem estratégica mais abrangente para seus planos globais de comunicações de emergência.

www.frddisaster.com
2017
First Response Disaster International /FRDDisaster Group.

2611 Headquarters San Francisco, CA 94110


frddisaster@hotmail.com
coordinationfrd@yahoo.com
frddisaster@mail.com
First Response Disaster/FRDDisaster Ltd (EUA).

First Response Disaster/FRDDisaster Ltd (FRANCE).


AV. Du Vivarais – Maurepas France 1034
coordinationfrd@yahoo.com.au

Guia do curso de Busca e Resgate Urbano Leve

© First Response Disaster/FRDDisaster Group. 2016. Todos os direitos reservados.


Produzido pela PCSTG(produced center study and teaching technological group) para a First Response
Disaster/FRDDisaster Group..

Partes deste guia podem ser reproduzidas por Instrutores assistentes ou Instrutores da FRDDisaster Group.
Para uso em treinamentos sancionados pela FRDDisaster. Mas não para revenda ou ganho pessoal. Nenhuma
outra reprodução é permitida sem o expresso consentimento por escrito do editor ou do Grupo de Instrutores
Trainner.

Publicado pela First Response Disaster/FRDDisaster Group.


2611 Headquarters San Francisco, CA 94110
frddisaster@mail.com/coordinationfrd@yahoo.com
Impresso Núcleo de Ensino e Estudos FRD São Paulo/ Brasil
Produto No. 12096-A (Rev. 15/16) Versão 2.3
Objetivo do curso:

Preparar os formandos com conhecimentos técnicos práticos para integrarem uma equipe que
tenha por missão principal as operações de Busca e Resgate em Área de Difícil Acesso.
Primeiro Módulo
Segurança do Local e Operação

NFPA- 1006

Esta edição da NFPA 1006 foi aprovada como um Padrão Nacional Americano de fevereiro
11, de 2000.

Origem e Desenvolvimento da NFPA 1006 Em 1994, a NFPA Standards Council, depois de


uma recepção de um pedido para o desenvolvimento de
um padrão para a qualificação profissional dos técnicos de emergência, aprovou a criação de
uma comissão técnica sobre as Qualificações de Resgate Técnico Profissional no âmbito do
Qualificações Profissionais projeto. A comissão desenvolveu esta primeira edição da NFPA
1006, Norma para Qualificações Profissionais de Resgate Técnico, que estabelece o
desempenho no trabalho geral requisitos para um técnico de emergência, bem como os
requisitos de desempenho específicos de trabalho para operações de salvamento especial.
Estes incluem corda de emergência, resgate na água de superfície, de veículos e resgate de
máquinas, espaço confinado de resgate, salvamento colapso estrutural, e vala.

As normas de segurança a ser aplicado em uma operação de Busca e Resgate Urbano

Segurança Geral

 Não é permitido entrar nas zonas de trabalho (operações), sem permissão da


segurança.

 Haverá um médico que pertensa ao sistema APAA comunicações para garantir uma
resposta de ambulância não mais que 15 minutos se necessário.

 Haverá um extintor portátil de 20 quilos de pó químico seco para ser usado em caso de
incêndio, especialmente durante o uso ou reabastecimento
e lubrificantes para equipamento utilizado no curso (a operação).

 Não fumar ou consumir alimentos na área de trabalho.

 Todos os equipamentos elétricos devem ser usados com disjuntores


(GFCI) para proteger a integridade do operador, evitando lesões
choque elétrico.

 Antes de entrar na operação de Busca e Resgate Urbano é necessário para garantir


que não há ar poluído.

 Todos os objetos ou itens que representam um perigo para a participantes serão


identificados com perímetro ou fitas cones de segurança.
 Deve manter um grupo de trabalho em estado de alerta e preparados,
apoio, se necessário, a força-tarefa que trabalhando na área quente.

 Não é permitido de resíduos de saltar na área de trabalho.

Proteção Pessoal:

 Ao entrar na área de trabalho (operações) devem sempre ser tomadas


corretamente colocados todos os equipamentos de protecção individual que
estabeleceu operações.

 Todos os membros do Grupo de Busca e Resgate Urbano, que estão na área


trabalho deve ser exibido e identificou uma rota de fuga a partir do ponto onde
eles estão, até a zona de segurança
estabelecida.

 Todo o pessoal deve levar um cantil de água, para evitar a desidratação durante
o trabalho. Também fornecer um ponto de verificação geral para todos os
individuos localizado próximo a área de trabalho.

No gestor de segurança:

Durante todos os treinos e os exercícios (operações) um oficial de segurança


(identificada e visível) que asseguram segurança de toda a operação. Vai ser a maior
autoridade de segurança. Você pode parar todo ou parte do operação se necessário.

Cada instrutor ou líder do grupo é responsável por assegurar segurança do pessoal e


ver se um ato ou condição inseguro ou de qualquer emergência feito isso o aviso com
disposições do código de alerta e alarme deve ser acionado com o apito.

Som de acordo com o seguinte código:

1. Um sinal longo significa alerta, parar de trabalhar e ouvir.

2. Um sinal longas e curtas para retomar as operações.

3. Três sinais curtos significa sinal de alarme para evacuar imediatamente para
a zona de segurança antes representante.

Obs: O agente de segurança irá estabelecer uma zona de segurança para evacuação,
próximo à área de trabalho, que será utilizado se
para relatar uma situação de emergência que requer uma evacuação imediata.
1. Segundo o critério da segurança, a atividade na área de trabalho pode continuar
ou não, de acordo com as condições ambientais (por exemplo, tempestades).

a. Cada rotação pessoal USAR grupo deve reunir-se debaixo conforme


determinado pelo oficial de segurança, tendo em conta site condições
meteorológicas (normais rotações serão a cada 15 minutos).

b. Todas as ferramentas, equipamentos ou acessórios devem ser operado,


mantido, coletados e armazenados em conformidade com as regras de
funcionamento, Manutenção de segurança estabelecida no respectivo
susmanuales e, conforme indicado pelo instrutor (responsável de logística)
responsável por cada ação (operação).

c. Todas as operações que envolvam a utilização de ferramentas ou equipamentos


deve ser em pares, isso será feito para garantir a segurança do operador. Este
último, utilizado um código de sinais com o seu parceiro, onde um toque nas
costas significa interromper a operação, e duas tocadas volta significa
continuar.
Segundo Módulo
Definições:

Operação Busca e Resgate em Estruturas Colapsadas (BREC):

Ação de busca e resgate desenvolvida em espaços destinados ao uso humano que, em virtude
de um fenômeno natural ou provocado pelo homem, sofre danos consideráveis em seus elementos
estruturais principais de base de sustentação produzindo sua destruição parcial ou total.

Resgate em Espaços Confinados (REC):

• Ação de resgate desenvolvida em um local com limitações de entrada e saída, sem


ventilação natural, que pode conter ou gerar contaminantes tóxicos, atmosferas deficientes
de oxigênio e/ou inflamáveis, que não está destinado à ocupação de pessoas e geralmente
faz parte de um processo industrial.
Equipe USAR Leve:

A Equipe de Resgate em Estruturas Colapsadas Nível Leve é um elemento ativo do sistema de


resposta a emergências, tendo como finalidade desenvolver atividades dirigidas à busca
convencional, estabilização e resgate de vítimas superficiais e utiliza um sistema organizacional
para desenvolver o trabalho.

Classificação das Equipes de Resposta em Estruturas Colapsadas segundo a


INSARAG:

Organização Básica de uma Equipe USAR Leve:

O número mínimo de integrantes de uma Equipe de resposta em estruturas colapsadas nível leve é
de cinco membros. São requeridas ao menos duas equipes deles para que se possa trabalhar e
descansar de maneira rotativa durante toda a operação.
As funções dos integrantes da Equipe podem ser distribuídas da seguinte maneira:

Líder da Equipe:
É o responsável pelo desenvolvimento do plano de busca, elaboração de diagramas de busca,
croquis e documentação.

Funções:
*Assumir o comando;
*Estabelecer ligação com o superior imediato;
*Receber as designações de trabalho;
*Designar as tarefas aos resgatistas;
*Manter o rodízio da Equipe;
*Selecionar as FEA (ferramentas, equipamentos e acessórios) a utilizar;
TÉCNICAS DE RESGATE EM SUPERFÍCIE

FEMA.com

TÉCNICAS DE RESGATE

Em uma operação de resgate em estruturas colapsadas nível leve, a extração de vítimas superficiais é
uma prioridade e a forma como se desenvolvem as atividades visa garantir que possamos salvar o maior
número possível de pessoas.

Estas atividades requerem:


• Avaliação da situação e dos riscos presentes tanto para os pacientes como para os Resgatista;
• Classificação rápida dos pacientes com a finalidade de priorizar sua atenção;
• Atenção no local e evacuação dos pacientes.

Alguns pacientes superficiais para sua evacuação necessitarão de acesso dos Resgatista através de
técnicas de resgate em superfície, como:

• Remoção de escombros;
• Estabilização de cargas;
• Técnicas de resgate vertical.

REMOÇÃO DE ESCOMBROS:

1. Verificar a forma como a edificação sofreu o colapso e como ficaram seus componentes, com a
finalidade de localizar espaços vitais isolados.

2. A remoção dos escombros deve ser metódica e progressiva; o procedimento que deve ser utilizado
quando os escombros não estão amontoados em grande quantidade sendo assim, devem evadir-se.

3. Retirar primeiro as peças maiores que se encontrem soltas. Ao mover as peças grandes, tenha o maior
cuidado com a ligação que estas podem ter com outras partes da estrutura, suportando ou servindo de
ancoragem;
4. Não mova escombros que sofram pressão, pois poderão estar servindo de base para escombros
superiores e, ao retirá-los, pode criar-se uma ambiente instável. Ao encontrar esta situação, reporte-a ao
líder e troque de rota;

5.Abrir um caminho entre os escombros, aprofundando-o o necessário e com diâmetro adequado para
circulação;

ETAPAS DE UMA OPERAÇÃO DE BUSCA E RESGATE URBANO

As etapas em uma operação significam a seqüência de procedimentos para o resgate de vítimas


presas em uma estrutura colapsada e está formada por seis etapas, que são:

1. Avaliação inicial para o atendimento


A avaliação inicial é um procedimento metódico e ordenado para recolher as informações
quando analisamos uma situação de colapso estrutural. É um processo contínuo que se inicia
quando nos inteiramos da emergência, até que se complete toda a operação, sendo um dos
passos fundamentais. Ao receber a chamada da emergência dá-se início ao monitoramento
das informações do evento que vai ser atendido. Esse primeiro passo é de responsabilidade
do mecanismo encarregado de receber as chamadas (Sistema ou Central de Despacho) para
depois transferi-lo da forma mais completa possível ao chefe do grupo.

2. Avaliar e Assegurar a Cena


Aplicação de técnicas que permitem garantir a segurança e proteção do entorno onde se
presume esteja a vítima, através da eliminação de perigos potenciais.
• Passos
a) Ao chegar, estabelecer o Posto de Comando.
b) Enquanto vão sendo cumpridas as ações anteriores, o líder do Grupo inicia a identificação dos
objetivos da operação, tais como:
 Condições gerais de acesso à edificação designada
 Plano estratégico e prioridades
 Designação de recursos e pessoal
 Manejo da operação já iniciada por vizinhos ou outros organismos
c) Designar tarefas aos membros do grupo USAR.
d) Reavaliar a operação e fazer os ajustes se for necessário.

3. Reconhecer o Nível de danos da edificação


Quando ocorre o colapso de uma estrutura, a avaliação dos danos é uma ação fundamental
para a tomada adequada de decisões que implica não só na valoração da população que
pode ter ficado afetada, como também nas condições físicas da edificação que, em definitivo,
exporão os aspectos quantitativos e qualitativos que se tomarão para o cumprimento das
etapas seguintes .

4. Realizar a Busca e Localização de Vítimas


Aplicação de técnicas visando obter respostas ou indícios da existência de vítimas com vida
em algum espaço vital da estrutura colapsada.
Patrão Avançado em Linha

5. Proceder a Remoção dos Escombros para ter Acesso ao Paciente


Procedimentos desenvolvidos com o fim de abrir, através de técnicas apropriadas, uma via
segura para o ponto onde foi localizado o paciente.

6. Estabilização do Paciente
Ações e procedimentos de suporte básico de vida que se aplica ao paciente com o fim de
garantir sua sobrevivência, enquanto dura sua liberação e posterior entrega a um serviço
médico especializado.

7. Resgate Superficial do Paciente


Procedimentos e técnicas aplicadas a um paciente a fim de garantir sua integridade física e
conseguir extraí-lo do espaço vital onde havia ficado preso até um ponto de atendimento fora
da estrutura colapsada.
A seqüência mencionada busca obter uma ordem que permita definir dentro do plano que
estabelece o SCI, ações que se designem à equipes de trabalho dedicadas a tais fainas
específicas. Outro ponto importante, dentro das etapas operacionais e cujo conceito será
base deste curso, é a diferença entre vítima e paciente, entendendo-se por vítima qualquer
pessoa que presumimos encontre-se presa em uma estrutura colapsada, a qual se converte
em paciente uma vez que entremos em contato com ela, seja via voz, som ou tato.

4. Espaço Vital Isolado


Local dentro de uma estrutura colapsada onde existem condições de sobrevivência para as
pessoas.

5. Tipos de Colapso

5.1. Por sua forma: de acordo com o comportamento das edificações ao colapsar; elas
apresentam diferentes formas - as mais comuns que encontramos, são:
5.1.1. Em forma de “V”

Espaços vitais com maior probabilidade de encontrar vitimas vivas.

5.1.2. Empilhamento
Poucos espaços vitais, já que se encontram condicionados a estruturas internas normalmente
há maior número de mortos e apresentam alto nível de risco.

5.1.3. Apoiado no piso


É produzido quando uma ou várias das paredes ou pisos sofrem fratura ou se
separam da estrutura, causando a queda ou repouso de uma de suas extremidades no piso
inferior. Este colapso origina um espaço em forma de Triangulo ,onde são altas as
possibilidades para a sobrevivência.
5.1.4. Suspenso
Este tipo de colapso é sumamente perigoso por sua instabilidade; requer escoramento
imediato e extremo cuidado.

5.2. Por sua extensão: as edificações podem colapsar parcial ou Total.

5.2.1. Parcial: Quando é afetada somente uma da edificação.


5.2.2. Total: Quando colapsou a edificação.
.
Colapso Parcial Colapso Total

6. Procedimentos para reconhecimento de danos em edificações

A função principal do reconhecimento é prestar informação rápida sobre a magnitude e


extensão dos danos em edificações Colapsadas ou por colapsar, as condições de segurança
e os riscos associados.
O adequado processo de reconhecimento facilitará as operações próprias dos grupos
especializados e permitirá determinar os recursos necessários para a resposta.
O reconhecimento preliminar deve ser realizado aproveitando diferentes fontes de informação:
• Residentes
• Vizinhos
• Instituições que se encontrem presentes no Local.

6.1. Procedimento de inspeção


O procedimento de inspeção deve iniciar com um reconhecimento da área ou edificação
designada (cena) e avaliação da afetação do setor (cenário), já que a presença de danos
generalizados ou a existência somente de danos em algumas edificações pontuais são uma
indicação importante para entender as causas e tipo de danos, assim como a severidade dos
mesmos.
Quando uma edificação é selecionada para realizar a inspeção, devem ser seguidos os
seguintes passos:

6.1.1. Examinar o exterior da edificação: observe o estado geral da mesma e os danos em:
• Fachadas
• Sacadas
• Tetos
Deve também ser analisado o estado das edificações vizinhas e estabelecer
se as saídas da edificação são seguras.

6.1.2. Observar o solo ao redor da edificação: para determinar a possível presença de:
• Fendas
• Afundamentos
• Deslizamentos ou qualquer anomalia no terreno.

6.1.3. Examinar a segurança de elementos não estruturais: identificar a queda de:


• Tetos rebaixados
• Muros
• Escadas ou elementos que representem perigo para a vida

6.1.4. Avaliar o sistema estrutural a partir do exterior:


Deve ser analisado o grau de dano dos diferentes elementos estruturais e estabelecer a
porcentagem de elementos afetados no piso com maiores danos.

6.1.5 Observar a presença de perigos:


Trata-se de confirmar ou não a existência de condições inseguras extremas (Tubulações de
Gás amassadas, Veículos com tanques de GLP ou GNV ou outros sistemas com suprimento
a gás. Derramamento de Combustíveis, Produtos Químicos Armazenados ou Fios do Sistema
Elétrico Energizados ou Transformadores Caídos)

6.1.6. Explicar aos ocupantes se pode permanecer na edificação ou devem evacuá-la:


O acesso às áreas designadas como inseguras também deve ser restrito, colocando-se algum
tipo de barreiras, como por exemplo, as fitas de isolamento que levam a inscrição de
PERIGO.

6.1.7. Notificar o resultado da avaliação: comunicar à central de comunicações para que


sejam realizados os procedimentos cabíveis por parte das autoridades competentes
(interdição, inspeção técnica, etc.).

6.2. Descrição do formulário de avaliação única e recomendações sobre o


diligenciamento do formulário.

O formulário contém os seguintes aspectos:


• Identificação da edificação.
• Descrição da estrutura.
• Avaliação do estado da edificação dividida em: tipo de colapso por extensão,
danos em elementos estruturais, danos em elementos arquitetônicos e porcentagem de dano
da edificação.
• Recomendações e medidas de segurança.
• Esquema.
• Observações.
• Data de inspeção.

BUSCA DE VÍTIMAS POR ELEVAÇÃO SELECIONADA DE ESCOMBROS

Quando nenhuma vítima é encontrada com a utilização das técnicas superficiais, se faz
necessário um trabalho de movimentação de escombros ou de terra, a fim de buscar um
acesso ao local onde se encontra a vítima. Esse tipo de trabalho deve estar vinculado aos
dados obtidos durante a fase de reconhecimento do local. É imprescindível que comece a se
movimentar o terreno pelos locais onde há maior probabilidade de se encontrar vítimas.

BUSCA DE VÍTIMAS POR ELEVAÇÃO GERAL DE ESCOMBROS


Trata-se do último recurso, nesta fase é empregado o maquinário pesado. A probabilidade de
encontrar vítimas vivas utilizando este recurso é bastante remota, todavia a movimentação
dos escombros deve ser realizada de forma planejada e cuidadosa.

EXTRAÇÃO DE VÍTIMAS
Após localização das vítimas, parte-se para uma fase de grande importância que é a retirada
das vítimas do local onde se encontram retida. Para isso devem-se levar em consideração
alguns elementos importantes:

• Situação da vítima;
• Meios de acesso;
• Trabalho necessário;
• Pessoal necessário;
• Ferramentas;
• Riscos para vítimas e socorristas;
• Meios complementares (médicos, meios de evacuação etc.).
Após a analise dos itens mencionados acima, o comandante da operação deve proceder ao
acesso à vitima. Trata-se de um trabalho extremamente técnico e de grande risco aos
bombeiros e às vítimas. O domínio das ferramentas por parte dos bombeiros que executam o
trabalho é fundamental.
Existem duas maneiras de se acessar a vítima: criando um acesso horizontal ou criando um
acesso vertical.

ACESSO VERTICAL
Consiste em realizar perfurações em lajes ou outras estruturas com o objetivo de chegar à
vítima que se encontra abaixo dos escombros.
Uma forma segura de se executar este tipo de acesso é através da técnica chamada
perfuração circular vertical.
A “perfuração circular vertical” consiste na confecção de um circulo na estrutura que
possibilite a passagem da equipe e a posterior retirada da vítima.

As equipes destinadas à execução dessa tarefa devem tomar cuidado para que a vítima não
seja atingida durante a perfuração da estrutura. Para isso é imprescindível que a ferramenta
usada para a perfuração seja posicionada de forma angulada. Partindo do exterior do círculo
para o interior, de forma que a placa a ser extraída não caia sobre a vítima.

ACESSO HORIZONTAL
Consiste na criação de acessos através de paredes, muros ou qualquer outra estrutura que se
encontre perpendicular ao solo.
Em estruturas de concreto, utiliza-se a técnica denominada “perfuração horizontal triangular”.
Traça-se um triangulo com as dimensões apropriadas e, em seguida, inicia-se a perfuração
do centro para as extremidades.

Obs: Em paredes de Concreto utiliza-se a perfuração Triangular

ESTABILIZAÇÃO DA VÍTIMA
Na estabilização da vítima, aplicam-se os procedimentos previstos no protocolo de resgate.

RETIRADA DA VÍTIMA
Para que não ocorram imprevistos durante o processo de retirada da vítima, é
imprescindível que as vias de acesso criadas sejam compatíveis com as dimensões das
macas, pranchas ou qualquer outro meio de estabilização de vítimas. Falhas no cálculo das
dimensões adequadas podem retardar demasiadamente o socorro médico à vítima.
Após a extração da vítima do local de risco, ela deverá ser transportada imediatamente para o
Posto Médico Avançado onde será avaliada e devidamente tratada por profissionais
competentes.

MARCAÇÃO DA VÍTIMA

Vítimas marcação é usada para identificar possíveis locais ou vítimas conhecidas


(Vivo ou morto) não é óbvio para as equipes de resgate, por exemplo, sob os detritos / enterrado.

Método
Você deve usar o método a seguir para aplicar as vítimas de marcação:
 Quando as equipes (por exemplo, equipes de busca) não permanecer no local:
 Começará a operar imediatamente.
 Em incidentes envolvendo múltiplas vítimas ou confusamente onde a localização exata
do operações de busca.
 A marcação é feito tão próximo quanto fisicamente possível do ponto de superfície real
identificado como o local do acidente.
 O material utilizado pode ser tinta spray, construtores pastel, adesivos, cartão
impermeável etc., conforme determinado pela equipe.
 O tamanho deve ser aproximadamente 50 cm.
 A cor deve ser muito visível e contrasta com o fundo.
 Não é projetado para ser usado quando as operações de resgate estão concluídas. Não
ser colocado na parede da frente (à frente) de uma estrutura pelo espaço de trabalho
(de estaleiro, ID) a menos que apenas ser o lugar onde as vítimas são.

operaciones de búsqueda y rescate urbano- marcación


Manual First Response Disaster International
Exemplos:
SISTEMA DE MARCAÇÃO DE BUSCA RÁPIDO
INSARAG

A área de trabalho do sistema (Worksite ID) é utilizado apenas nos possíveis locais resgatando pessoas
estar e outro lugar onde não há nenhuma ajuda possível, ou necessárias, e geralmente não marcados.
Isso permite que as equipes de mobilizar mais rápido, maximizarem oportunidades e de resgate
simplificar a coordenação. No entanto, existem situações em que é benéfico ter um marcando podem
ser deixados em lugares onde as equipes têm estabelecido que só existem estar ou vítimas mortas.
Deixe uma clara marcação de "clear" evitar a duplicação e ter outra vantagens. Quando esse nível de
coordenação e de marcação é necessário é decidido, você pode usar o sistema de marcação rápida da
limpeza (RCM). A decisão de usar o sistema pode ser deixado ao critério da equipe USAR ou ser um
requisito estabelecido pela FEMA / OSOCC / UCC.

Método
O processo de implementação RCM é a seguinte:
 A equipe, LEMA / OSOCC deve tomar a decisão de implementar esta etiquetagem
a nível de.
 O RCM só pode ser usado quando o total de busca e rápido para lugares é
possível ou se há fortes evidências para confirmar que não há possibilidade de
resgatar pessoas vivas.
 Duas opções são possíveis RCM marcados: clara e morreu.
 Pode ser aplicado a estruturas que permitem uma rápida pesquisa ou onde a
informação Confirma que há vítimas vivas, ou apenas ser morto.
 Podem ser aplicada a áreas não estruturais - carros / objetos / unidades / restos
celulares, etc. - em que realizou a pesquisa sob as regras descritas acima.
 Colocado na posição visível / lógica de objeto / área a para proporcionar um
maior impacto visual.
 A forma de diamante com um grande "C" interior de claro (transparente), ou têm
um grande "D" dentro Só por Falecido (somente falecidos). Ele é inserido
imediatamente após o seguinte:

 Nome da Equipe: _ _ _ _-_, por exemplo AUS-1


 Pesquisar Data: _ / _ _ _, por exemplo, 19 / outubro
 O material utilizado ou pode ser tinta spray, construtores pastel,
autocolantes,
 cartão impermeável etc., conforme determinado pela equipe.
 Tamanho: aproximadamente 20 cm x 20 cm
 Color: brilhante, contrastando cor de fundo.

Exemplos:
SINALIZAÇÃO INSARAG

Comunicação eficaz apoiar a segurança das operações de campo, especialmente em


ambientes multi agências. Isto é ainda mais importante em ambientes internacionais,
onde existem diferenças linguísticas e culturais. Sinalização de emergência eficaz é
essencial para a segurança das operações na cena. Ter um sistema de sinalização de
emergência é compreendido internacionalmente garante que todo o pessoal
operacional em uma área de trabalho sabe como e quando a reagir aos sinais no lugar,
para garantir operações seguras e eficazes para ambas as equipes de resgate e vítimas.
Os seguintes passos devem ser considerados na sinalização:
 Todos os membros da equipe USAR devem ser informados sobre os sinais
de emergência.
 Sinal de emergência deve ser universal para todas as equipes USAR.
 Quando vários computadores estão operando em um único espaço de
trabalho, este entendimento compartilhado deve ser fortalecido para todo
o pessoal envolvido.
 Sinais devem ser claros e concisos.
 Os membros da equipe são necessários para responder imediatamente a
todos os sinais de emergência.
 Você deve usar buzinas de ar ou outros dispositivos de comunicação de
rádio para soar os sinais apropriados da seguinte forma e colocá-los para
permitir a utilização imediata:

Sinais Sonoros: APITO

Evacuação:

(3 sinais curtos a cada segundo - Repita até que ser claro)


Operações-cessar resto:

(Um sinal de longa duração 3 segundos)

Relatório de operações ( retorna a operação)

(Um sinal longo + um sinal curto)


CONSIDERAÇÕES FINAIS

O presente manual visa dar ao bombeiro condições de entender o processo de socorro de


vítimas de desabamentos. A estrutura montada para eventos de grande magnitude é, por
vezes, bastante complexa. Os bombeiros devem entender cada fase e atuar de maneira
segura dentro de cada uma. O assunto é bastante extenso e alguns itens merecem um
capitulo a parte, como já ocorre, por exemplo, com as técnicas de escoramento. Por fim, é
imprescindível que os bombeiros treinem as técnicas de trabalho com as ferramentas e se
condicionem a trabalhar em um cenário que na maioria dos casos é bastante atípico.

BUSCA E LOCALIZAÇÃO DE VÍTIMAS

Aplicação de técnicas e procedimentos que visam obter respostas ou indícios, em algum espaço
vital isolado da estrutura colapsada, da existência de vítimas.

Composição de uma equipe de busca e localização

Funções em uma equipe de busca e localização

• Líder da Equipe
É o responsável pelo desenvolvimento do Plano de Busca, documentação e também por fazer
recomendações ao comando da operação;
Também é responsável por vigiar a equipe na operação de busca.

• Resgatistas
São os que efetuam a operação de busca, executando atividades designadas pelo Lider da
equipe segundo o plano, o procedimento e padrão de busca. Cada integrante da equipe de busca
poderá cumprir diferentes atividades.

Recursos necessários para uma equipe de busca


• Equipamento de proteção individual completo e de primeiros socorros.
• Equipamento mínimo pessoal para operar sem assistência ao menos por 24 horas:

 Água para beber


 Abrigo
 Alimentação
 Ferramentas básicas
Manual de Riesgos Tecnológicos y Asistencias Técnicas

Equipamento de radiocomunicação pessoal e com o Posto de


Comando

Materiais para marcar


o Pintura
o Bandeiras
o Cones
o Marcadores/pincéis atômicos

Instrumentos para chamar, avisar ou alertar


o Megafone
o Apito
o Martelo

Instrumentos para revisão e reconhecimento


o Binóculos
o Câmara fotográfica
o Lanterna manual

Outros recursos
O Manual da ABIQUIM para as primeiras respostas em caso de Emergência com Produtos
Perigosos o Detectores de atmosferas perigosas.

Passos para a busca e localização


Recolher e analisar a informação disponível (Hora, número de vítimas, comportamento habitual
dos ocupantes, possível localização das vítimas). Assegurar a cena.
(Usar Fita de isolamento para o perímetro, identificar riscos associados, verificar corte de
serviços)
Terceiro Módulo
Resgate em Rios e Inundações
Ambientes de intervenção

A intervenção aquática superficial comumente chamada, no campo dos bombeiros, como intervenções em
rios, inundações e inundações, se desenvolve em diferentes tipos de ambientes, embora com aspectos comuns.
Esses ambientes pode ser:

Rios: fluxo natural de água que flui continuamente. Tem um certo fluxo, que geralmente varia durante todo o
ano e pode fluir (afluente) para o mar. A parte final do rio é chamado de boca e podem ser de natureza variado
Por exemplo, nas áreas desérticas os rios terminam por infiltração e evaporação (rios alóctones).

Área inundada: uma inundação é um inrush (lento ou violento) de água nas áreas que geralmente são
livre dela (planícies, regiões montanhosas, aldeias, etc.). Entre as suas causas, podemos encontrar:

• O transbordamento de rios, barrancos, lagoas ou lagos.


• A ruptura dos reservatórios.
• Forte precipitação fluvial.
• Descongelar.
• Aumento das marés acima do nível habitual ou avalanches causadas por tsunamis.

Cursos de Rio
Os cursos do rio podem ser:

a) Curso de severidade ou alta


Aqui nasce o rio. O terreno é montanhoso e a erosão é pronunciada.
Sua seção é um V. fechado. Quando está em tempo seco, o curso é chamado de ravina, ravina ou torrente.

b) Curso de gravidade médio ou instável


Nesta seção, o rio alterna zonas de erosão com outras sedimentações por influência da encosta e dos afluentes que
são incorporados. Sua seção abre em forma U aberta, e sua trajetória geralmente é reta.

c) Curso mais baixo


O terreno onde corre é plano, forma curvas pronunciadas ou meandros e lagos de ferradura. O rio pode terminar
em uma boca muito larga e profunda (estuário), mas também pode fazê-lo em deltas (ilhas sedimentares), formadas
pelo sedimento que transporta água e que se acumulam em a boca. Esses sedimentos também podem elevar o canal
acima do nível da planície (rios Yazoo). Isso faz com que um tributário não flua para ele e que seja
O curso é paralelo ao prato principal.

Níveis de emergência
Os níveis de emergência são uma classificação de situações de acordo com seu risco e perigo. Eles estão
catalogados em um ascendendo de acordo com sua gravidade. Em cada um, o Plano de emergência correspondente
necessário para controlar a situação.

Alerta
É o nível básico de operacionalidade. O objetivo geral deste fase é monitorar a emergência, alertar o
autoridades e serviços envolvidos e informar a população potencialmente afetado.
Técnicas de Intervenção

Medidas de segurança

O resgate em rios, inundações requer adoção certas medidas de segurança, bem como empregar manobras ou
técnicas de segurança e auto-resgate, uma vez que a operação geralmente força a desenvolver em canais ou
correntes que correm em alta velocidade e cria um ambiente violento e tumultuado, o que causará eventos
imprevistos.

Segurança nas ações de rotina envolvendo Resgate em Rios

Durante as atividades rotineiras de resgate e natação, é necessário ter em consideração:

• Dar prioridade à própria segurança e à dos colegas enfrentando o resgate das vítimas.
• Uma vez estabelecido o contato com a vítima, não deve perder, pois isso poderia causar problemas legais, como
negligência ou abandono.
• A ajuda da vítima não deve ser considerada por conta própria no resgate, uma vez que os processos psicológicos
da vítima e o socorrista pode causar reações difíceis para controlar.
• Procure sempre a tecnologia mais simples, qual é a única tem menos chance de fracasso.
• Sempre use equipamento adequado.
• Ter um plano de emergência alternativo, com pessoal e equipamentos atribuídos pelo comando para ele.

Preparação é tudo em uma operação de Resgate


em Rios e Inundações.

Ao planejar o resgate é importante:


• Utilize sempre equipamentos pessoais de flutuação.
• Escolha o local de entrada para a água em uma área sem perigo.
• Sempre tenha um parceiro preparado na encosta para ajudar com um sistema de segurança.
• Se houver energia, sempre trabalhe com estações de ajuda a montante, a jusante e em ambos os lados do rio.
• Se você nadar em água rápida, nunca coloque seu pé sob a atual para evitar lesões e fatalidades que eles produzem
no rio.

Técnicas de resgate aquático


 Técnicas de entrada, saída e natação em meio aquático
 Técnicas de entrada e saída
 A entrada da água é o ponto mais crítico, já que requer conheça em profundidade as forças e as correntes da
água.
 Escolher o lugar certo de acesso significa assumir menos risco.
 A liberação de água requer maior atenção e grande coordenação entre a equipe humana na água e o
coordenador na terra.
Para fazer isso:

• Extremamente cauteloso ao entrar na água (evite saltar possível proteger a cabeça e o pescoço).
• Faça a entrada rápida e eficientemente.
• Confirme a segurança da pessoa lesada na realização de todas as manobras.
• Assegurar o controle do resgate em todos os momentos.
Como regra geral, a entrada da água deve ser realizada deslizando da borda, evitando qualquer tipo de perigo e
precauções extremas. Existem diferentes formas de entre na água:
• Entrada de pé em posição aberta sem afundamento:

 Com braços e pernas abertos e uma ligeira inclinação para


 Além disso, procura-se oferecer a maior área de
 Entre em contato com água para evitar que o corpo se afunde.
 Uma vez na água haverá um golpe poderoso para manter a cabeça fora da água. Esta técnica:
 Evite afundar e manter a cabeça fora.
 A vítima não se perde de vista.
 As feridas baixas são evitadas.
 Permite que a vítima seja retirada rapidamente.

Cuidados e Preparação de Resgate em Rios e Inundações

Aberturas de Adultora

Uma abertura de adutora em Rios pode criar um filtro feito pelo homem. A pressão exercida pela água apressando-
se para uma abertura é extremamente poderosa e, tragicamente, leva ao afogamento de trabalhadores e socorristas,
especialmente ao tentar remover os detritos que entopem uma entrada de adutora. Trabalhar diretamente na frente
de uma abertura de calha em condições de inundação deve ser evitada a todo custo.

PRINCÍPIOS DE SALVAMENTO

1. Prioridades para o resgate são sempre, equipe e, em seguida, a vítima.


2. Use PPE (mínimo de um dispositivo de flutuação pessoal (PFD).
3. Mantenha o plano de resgate simples - a complexidade aumenta a chance de falha
4. Planejar contingências - ter um plano de backup
5. Implante vários socorristas adjuntos
6. Implante os observadores
Como lançar Rescue Tube

Técnica: Estabeleça contato de voz e olho com seu alvo e espere seu lance para aterrar a corda diretamente
sobre a vítima.
Bibliografia

1. OSHA – Ocupational Safety and Health Administration. Technical field operations


guide,
2. NFPA – 1006 Standard for Technical Rescue Personnel Professional Qualifications
3. NFPA –1670 Padrão em Operações e Treinamento para Pesquisa Técnica e
Incidentes de Resgate
4. FEMA- Operations Manual editions April 2007;
5. Manual do Curso de Busca e Resgate em Estruturas colapsadas BREC USAR do
Regimento Sapadores Bombeiros de Lisboa – Portugal 2010.
6. Australian Emergency Manual Series Skills for Emergency Services Personnel
General Andisaster rescue - fifth edition
7. Guide INTERNATIONAL SEARCH AND RESCUE ADVISORY GROUP Office for the
Coordination of Humanitarian Affairs – INSARAG/ ONU 2015
8. Guide Urban Search and Rescue Capability Guidelines for Structual Collapse
Response- 2014
9. Guide of search operations and rescue of victims in river First response disaster
international 2014.