You are on page 1of 7

DOSSIÊ DO PROFESSOR PALAVRAS 12

FICHA FORMATIVA

FICHA FORMATIVA 6

GRUPO I
Educação literária
A.
Aqui o mar acaba e a terra principia. Chove sobre a cidade pálida, as águas do rio correm turvas
de barro, há cheia nas lezírias. Um barco escuro sobre o fluxo soturno, é o Highland Brigade que
vem atracar ao cais de Alcântara. O vapor é inglês da Mala Real, usam-no para atravessar o
Atlântico, entre Lisboa e Buenos Aires, como uma lançadeira nos caminhos do mar, para lá, para cá,
5 escalando sempre os mesmos portos, La Plata, Montevideo, Santos, Rio de Janeiro, Pernambuco,
Las Palmas, por esta ou inversa ordem, e, se não naufragar na viagem, ainda tocará em Vigo e
Boulogne-sur-Mer, enfim entrará o Tamisa como agora vai entrando o Tejo, qual dos rios o maior,
qual a aldeia. Não é grande embarcação, desloca catorze mil toneladas, mas aguenta bem o mar,
como outra vez se provou nesta travessia, em que, apesar do mau tempo constante, só os
10 aprendizes de viajante oceânico enjoaram, ou os que, mais veteranos, padecem de incurável
delicadeza do estômago, e, por ser tão caseiro e confortável nos arranjos interiores, foi-lhe dado
carinhosamente, como ao Highland Monarch, seu irmão gémeo, o íntimo apelativo de vapor de
família. Ambos estão providos de tombadilhos espaçosos para sport e banhos de sol, pode-se jogar,
por exemplo, o cricket, que, sendo jogo de campo, também é exercitável sobre as ondas do mar,
15 deste modo se demonstrando que ao império britânico nada é impossível, assim seja essa a
vontade de quem lá manda. Em dias de amena meteorologia, o Highland Brigade é jardim de
crianças e paraíso de velhos, porém não hoje, que está chovendo e não iremos ter outra tarde. Por
trás dos vidros embaciados de sal, os meninos espreitam a cidade cinzenta, urbe rasa sobre colinas,
como se só de casas térreas construída, por acaso além um zimbório alto, uma empena mais
20 esforçada, um vulto que parece ruína de castelo, salvo se tudo isto é ilusão quimera, miragem criada
pela movediça cortina das águas que descem do céu fechado.

José Saramago, O Ano da Morte de Ricardo Reis,


Porto: Porto Editora, 2016, pp. 7-8.

1. Explicita a perspetiva de Lisboa apresentada no texto.


2. Explica o simbolismo da frase inicial deste excerto no contexto global da obra.
3. Caracteriza o barco que acaba de chegar ao porto de Lisboa

B.
4. Recorda as deambulações de Ricardo Reis por Lisboa e redige uma exposição (130-170 palavras) em que
caracterizes a sua relação com a cidade.

© Areal Editores 1
DOSSIÊ DO PROFESSOR PALAVRAS 12
FICHA FORMATIVA

GRUPO II
Leitura | Gramática

Quantas formas pode assumir a dor?

A questão em título é central nos oito textos que compõem a belíssima coletânea de contos Uma
Dor Tão Desigual. O prefácio desvenda-nos a génese da escrita deste livro, revelando-nos que partiu
do desafio lançado, em boa hora, pela Ordem dos Psicólogos Portugueses, a oito conceituados
escritores. Em resposta, Afonso Cruz, Dulce Maria Cardoso, Gonçalo M. Tavares, Joel Neto, Maria
5 Teresa Horta, Nuno Camarneiro, Patrícia Reis e Richard Zimler oferecem-nos um conjunto de textos
que surpreendem e desafiam os leitores a entrarem em universos povoados por medos, obsessões,
doenças, traumas. As dores retratadas são tão desiguais quanto desiguais são os textos que as
narram, e esta é incontestavelmente uma das riquezas da obra.
No título, ressoam ecos da lírica de Camões pelo viés da citação de um verso da conhecida
10 redondilha “Foi-se gastando a esperança”, que se prolongam e se desenvolvem nas efabulações, ao
retratarem existências marcadas por sofrimento e incompletude. O diálogo com a poesia
renascentista faz-se ainda com a citação de um poema do não menos brilhante Sá de Miranda,
“Comigo me desavim”, colocado em abertura do corpo do texto, que dá mote à coletânea,
constituindo-se a presença destes textos como marca e sinal da imutabilidade das emoções, que
15 desde o século XVI até aos nossos dias têm caracterizado a existência do Homem.
Ao longo dos oito contos, com registos discursivos, ritmos e perceções da temática diferentes,
toma forma uma galeria de personagens fascinantes, enigmáticas e desconcertantes que partilham
uma mesma condição, a de viverem em desequilíbrio que, sendo experienciado de forma desigual
por cada indivíduo, assume dimensões que embora diferenciadas carregam sempre com elas a
20 enfermidade e a dor.

Agripina Carriço Vieira, Jornal de Letras, Artes e Ideias, 21 de dezembro a 3 de janeiro de 2017, p. 14.

1. O texto apresenta marcas específicas do género


A. apreciação crítica.
B. exposição.
C. diário.
D. artigo de opinião.

2. A autora do texto
A. assume uma perspetiva crítica sobre Camões lírico.
B. descreve sumariamente a coletânea de doze contos.
C. descreve e comenta a antologia de oito contos.
D. analisa e reflete sobre um dos contos em particular.

3. O prefácio da coletânea
A. revela a génese de dois contos.
B. explicita os meandros que deram lugar à construção da antologia.
C. explica a criação da obra e o convite lançado a oito psicólogos.
D. desvenda a importância da Ordem dos Psicólogos Portugueses.

© Areal Editores 2
DOSSIÊ DO PROFESSOR PALAVRAS 12
FICHA FORMATIVA

4. O título da obra
A. apresenta relações intertextuais com a poesia renascentista.
B. é “Quantas formas pode assumir a dor?”
C. é a resposta à pergunta: “Quantas formas pode assumir a dor?”
D. é desvendado no prefácio.

5. No segundo período do texto, os pronomes pessoais desempenham funções sintáticas de


A. complemento direto.
B. complemento oblíquo.
C. complemento do nome.
D. complemento indireto.

6. O pronome relativo, no segundo período do texto, retoma a expressão


A. “a génese da escrita deste livro”.
B. “nos”.
C. “prefácio”.
D. “a belíssima coletânea de contos”.

7. As aspas utilizadas no segundo parágrafo do texto


A. introduzem um argumento de autoridade.
B. assinalam títulos de poemas.
C. introduzem um comentário de um escritor conceituado.
D. delimitam uma citação de Camões.

8. Refere os processos fonológicos em DOLOR > DOOR > dor.

9. Classifica a oração “que dá mote à coletânea” (l. 13).

10. Indica as funções sintáticas das palavras sublinhadas “que as narram” (l. 7).

GRUPO III
Escrita
Rodrigo Cortés, cineasta e escritor espanhol, referiu no jornal ABC: “Por algum motivo preocupamo-nos mais
em mudar o mundo do que em mudar-nos a nós mesmos”.
A partir do sentido desta afirmação, elabora um texto de opinião (180 a 240 palavras) sobre a necessidade
de reflexão e diálogo na construção de um mundo mais justo para todos.
Para fundamentares o teu ponto de vista, recorre a dois argumentos, ilustrando cada um deles com um
exemplo concreto e significativo.

© Areal Editores 3
DOSSIÊ DO PROFESSOR PALAVRAS 12
FICHA FORMATIVA

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE CLASSIFICAÇÃO

GRUPO I ....................................................................................... 100 pontos 3. .................................................................................................... 20 pontos


EDUCAÇÃO LITERÁRIA • Aspetos de conteúdo (C) .............................................................. 12 pontos
A. .....................................................................................................................
1. ................................................................................................... 20 pontos
Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação
• Aspetos de conteúdo (C) .............................................................. 12 pontos
4 Caracteriza, adequadamente, o barco que acaba 12
Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação de chegar ao porto de Lisboa, apresentando
expressões ilustrativas.
4 Explicita, adequadamente, a perspetiva de Lisboa 12
apresentada no texto, apresentando transcrições 3 Caracteriza, de modo não totalmente completo ou 9
que comprovam a resposta. com imprecisões, o barco, exemplificando.

3 Explicita, de modo não totalmente completo ou 9 2 Caracteriza, de modo incompleto e com 6


com imprecisões, a perspetiva de Lisboa imprecisões, o barco, exemplificando.
apresentada no texto, apresentando transcrições
que comprovam a resposta. 1 Caracteriza, de modo incompleto, o barco sem 3
exemplificar.
2 Explicita, de modo incompleto, a perspetiva de 6
Lisboa apresentada no texto, apresentando • Aspetos de estruturação do discurso e correção linguística (F)........................ 8 pontos
transcrições que comprovam a resposta. Estruturação do discurso (E)........................................................................ 4 pontos
Correção linguística (CL).............................................................................. 4 pontos
1 Explicita a perspetiva de Lisboa apresentada no 3
texto, sem apresentar transcrições que Cenário de resposta
comprovam a resposta. O barco que acaba de chegar ao porto de Lisboa é um navio inglês decrépito
que se opõe simbolicamente ao brilho das naus de outrora que deram “novos
• Aspetos de estruturação do discurso e correção linguística (F)........................ 8 pontos mundos ao mundo”. É um “barco escuro” e “se não naufragar na viagem”
Estruturação do discurso (E) ........................................................................4 pontos aportará ainda em outras cidades. O barco “Não é grande embarcação”, “mas
Correção linguística (CL) .............................................................................. 4 pontos aguenta bem o mar”. Embora seja um barco soturno e com pouco brilho, em
dias de sol “é jardim de crianças e paraíso de velhos”.
Cenário de resposta
Neste excerto inicial do romance, o narrador coloca os olhos do leitor fora do B
navio a observar quem chega ao porto de Lisboa: “Um barco escuro sobre o 4. .................................................................................................... 40 pontos
fluxo soturno, é o Highland Brigade que vem atracar ao cais de Alcântara. O • Aspetos de conteúdo (C) .............................................................. 28 pontos
vapor é inglês da Mala Real” (ll. 2-3). Destaca, de seguida, uma perspetiva de
observação da cidade com um olhar de estrangeiro acabado de chegar a um Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação
local desconhecido: “Por trás dos vidros embaciados de sal, os meninos
espreitam a cidade cinzenta, urbe rasa sobre colinas, como se só de casas 4 Redige corretamente uma exposição em que 28
térreas construída” (ll. 17-19). caracteriza, adequadamente, a relação de Ricardo
Reis com a cidade, exemplificando.
2. .................................................................................................... 20 pontos
• Aspetos de conteúdo (C) .............................................................. 12 pontos 3 Redige corretamente uma exposição em que 22
caracteriza, de forma não totalmente completa ou
Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação com imprecisões, a relação de Ricardo Reis com a
cidade, exemplificando.
4 Explica, adequadamente, o simbolismo da frase 12
inicial deste excerto no contexto global da obra. 2 Redige uma exposição em que caracteriza, de 16
forma incompleta, a relação de Ricardo Reis com
3 Explica, de forma não totalmente completa, o 9 a cidade, exemplificando.
simbolismo da frase inicial deste excerto no
contexto global da obra. 1 Redige uma exposição em que caracteriza a 7
relação de Ricardo Reis com a cidade, sem
2 Explica, com imprecisões, o simbolismo da frase 6 exemplificar.
inicial deste excerto no contexto global da obra.
• Aspetos de estruturação do discurso e correção linguística (F)...................... 12 pontos
1 Explica, de forma incompleta, o simbolismo da 3 Estruturação do discurso (E)........................................................................ 6 pontos
frase inicial deste excerto no contexto global da Correção linguística (CL).............................................................................. 6 pontos
obra.
Cenário de resposta
• Aspetos de estruturação do discurso e correção linguística (F)........................ 8 pontos Tópicos a desenvolver:
Estruturação do discurso (E) ........................................................................4 pontos • Lisboa é um labirinto;
Correção linguística (CL) .............................................................................. 4 pontos • Ricardo Reis não reconhece a cidade;
• Ricardo Reis deambula pela cidade;
Cenário de resposta • Ricardo Reis adota a posição de observador acidental;
A frase inicial do romance é uma subversão de um verso de Os Lusíadas, do • Ricardo Reis considera algumas estátuas da cidade pontos orientadores no
Canto III (estância 20), e dialoga com a frase final da obra: “Aqui, onde o mar meio do labirinto;
se acabou e a terra espera”. Simbolicamente, a frase inicial deste excerto • (…).
salienta o final da era da glória das descobertas e a necessidade de Portugal
encontrar um novo rumo: já não no mar, mas em terra. No Grupo I, nos casos em que a classificação referente aos aspetos de
conteúdo (C) for igual ou inferior a um terço do previsto para este parâmetro, a
pontuação máxima dos aspetos de estruturação do discurso e correção
linguística (F) é desvalorizada, de acordo com o quadro apresentado. Sobre
esse valor aplicam-se ainda os eventuais descontos relativos aos fatores de
desvalorização previstos no quadro da página 7.

© Areal Editores 4
DOSSIÊ DO PROFESSOR PALAVRAS 12
FICHA FORMATIVA

Pontuação máxima dos NÍVEL INTERCALAR 6


Pontuação atribuída aos aspetos de estruturação do
aspetos de conteúdo (C) discurso e correção linguística – Aborda lateralmente o tema proposto. 3
(F) – Mobiliza muito pouca informação e com
eficácia argumentativa reduzida:
3 pontos 3 pontos • produz um discurso geralmente
inconsistente e, por vezes, ininteligível;
• não define um ponto de vista concreto;
• apresenta um texto em que traços do tipo
GRUPO II ........................................................................................ 50 pontos solicitado se misturam, sem critério, com os
LEITURA / GRAMÁTICA de outros tipos textuais.
Chave
Item Versão 1 Versão 2 Pontuação
Descritores do nível de desempenho
Parâmetro Pontuação
1. (A) 5 (ETD)

2. (C) 5 – Redige um texto bem estruturado, 10


refletindo uma planificação adequada e
3. (B) 5 evidenciando um bom domínio dos
mecanismos de coesão textual:
4. (A) 5 • apresenta um texto constituído por três
partes (introdução, desenvolvimento,
5. (D) 5 conclusão), individualizadas, devidamente
proporcionadas e articuladas entre si de
6. (A) 5 modo consistente;
• marca corretamente os parágrafos;
7. (B) 5 • utiliza, adequadamente, conectores
diversificados e outros mecanismos de
8. Síncope e crase. 5 coesão textual.
9. Oração subordinada adjetiva relativa explicativa. 5 NÍVEL INTERCALAR 8
10. Sujeito e complemento direto. 5 – Redige um texto satisfatoriamente 6
estruturado, refletindo uma planificação com
algumas insuficiências e evidenciando um
domínio suficiente dos mecanismos de
GRUPO III ....................................................................................... 50 pontos coesão textual:
ESCRITA B • apresenta um texto constituído por três
• Estruturação temática e discursiva (ETD) .................................... 30 pontos Estrutura partes (introdução, desenvolvimento,
• Correção linguística (CL) .............................................................. 20 pontos e conclusão), nem sempre devidamente
coesão articuladas entre si ou com desequilíbrios de
proporção mais ou menos notórios;
Descritores do nível de desempenho • marca parágrafos, mas com algumas falhas;
Parâmetro Pontuação
(ETD) • utiliza apenas os conectores e os
mecanismos de coesão textual mais comuns,
– Trata, sem desvios, o tema proposto. 15 embora sem incorreções graves.
– Mobiliza informação ampla e diversificada
com eficácia argumentativa, de acordo com a NÍVEL INTERCALAR 4
tipologia solicitada:
• produz um discurso coerente e sem qualquer – Redige um texto com estruturação muito 2
tipo de ambiguidade; deficiente e com insuficientes mecanismos
• define com clareza o seu ponto de vista; de coesão textual:
• fundamenta a perspetiva adotada em, pelo • apresenta um texto em que não se
menos, dois argumentos, distintos e conseguem identificar claramente três
pertinentes, cada um deles ilustrado com, pelo partes (introdução, desenvolvimento e
menos, um exemplo significativo. conclusão) ou em que estas estão
insuficientemente articuladas;
NÍVEL INTERCALAR 12 • raramente marca parágrafos de forma
correta;
A – Trata o tema proposto, embora com 9 • raramente utiliza conectores e mecanismos
Tema e alguns desvios. de coesão textual ou utiliza-os de forma
tipologia – Mobiliza informação suficiente, com inadequada.
eficácia argumentativa:
• produz um discurso globalmente coerente,
apesar de algumas ambiguidades;
• define o seu ponto de vista, eventualmente
com lacunas que não afetam, porém, a
inteligibilidade;
• fundamenta a perspetiva adotada em, pelo
menos, dois argumentos adequados,
apresentando um único exemplo
significativo (ou dois exemplos pouco
adequados), ou fundamenta a perspetiva
adotada em apenas um argumento,
ilustrado com, pelo menos, dois exemplos
significativos.

© Areal Editores 5
DOSSIÊ DO PROFESSOR PALAVRAS 12
FICHA FORMATIVA

Parâmetro Descritores do nível de desempenho (ETD) Pontuação

– Mobiliza, com intencionalidade, recursos da 5


língua expressivos e adequados (repertório
lexical variado e pertinente, figuras de retórica
e tropos, procedimentos de modalização,
pontuação…).
– Utiliza o registo de língua adequado ao
texto, eventualmente com esporádicos
afastamentos, que se encontram, no entanto,
justificados pela intencionalidade do discurso
e assinalados graficamente (com aspas ou
sublinhados).

NÍVEL INTERCALAR 4
C
Léxico e – Mobiliza um repertório lexical adequado, 3
adequação mas pouco variado.
discursiva – Utiliza, em geral, o registo de língua
adequado ao texto, mas apresentando alguns
afastamentos que afetam pontualmente a
adequação global.

NÍVEL INTERCALAR 2

– Utiliza vocabulário elementar e restrito, 1


frequentemente redundante e/ou inadequado.
– Utiliza indiferenciadamente registos de
língua, sem manifestar consciência do registo
adequado ao texto, ou recorre a um único
registo inadequado.

Fatores de desvalorização
• Domínio da correção linguística
A repetição de um erro de ortografia na mesma resposta (incluindo erro de
acentuação, uso indevido de letra minúscula ou de letra maiúscula inicial e erro
de translineação) deve ser contabilizada como uma única ocorrência.

Desvalorização
Fatores de desvalorização
(pontos)

• Erro inequívoco de pontuação. 1


• Erro de ortografia.
• Erro de morfologia.
• Incumprimento das regras de citação de texto ou de
referência a título de uma obra.

• Erro de sintaxe. 2
• Impropriedade lexical.

• Limites de extensão
Sempre que não sejam respeitados os limites relativos ao número de palavras
indicados na instrução do item, deve ser descontado um ponto por cada palavra a
mais ou a menos, até cinco (1x5) pontos, depois de aplicados todos os critérios
definidos para o item. Se da aplicação deste fator de desvalorização resultar uma
classificação inferior a zero pontos, é atribuída à resposta a classificação de zero
pontos.
No Grupo III, a um texto com extensão inferior a oitenta palavras é atribuída a
classificação de zero pontos.

© Areal Editores 6
DOSSIÊ DO PROFESSOR PALAVRAS 12
FICHA FORMATIVA

GRELHA DE CORREÇÃO – FICHA FORMATIVA 6


Grupo I Grupo II Grupo III
N.º Nome A1=20 A2=20 A3=20 B4=40 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. D Total
C=12 F=8 C=12 F=8 C=12 F=8 C=28 F=12 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 A=15 B=10 C=5 F=20
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33

© Areal Editores 7