You are on page 1of 94

LETRAS VERNÁCULAS

Introdução aos estudos literários:


análise de poemas, dramas e narrativas

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 1 5/7/2010 11:27:25
LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 2 5/7/2010 11:27:28
Universidade Estadual
de Santa Cruz

Reitor
Prof. Antonio Joaquim da Silva Bastos

Vice-reitora
Profª. Adélia Maria Carvalho de Melo Pinheiro

Pró-reitora de Graduação
Profª. Flávia Azevedo de Mattos Moura Costa

Diretor do Departamento de Letras e Artes


Prof. Samuel Leandro Oliveira de Matos

Ministério da
Educação

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 3 5/7/2010 11:27:28
Ficha Catalográfica

I61 Introdução aos estudos literários : análise de poemas,


dramas e narrativas - Letras Vernáculas - EAD, módulo
2, volume 4 / Elaboração de conteúdo: Oton Magno
Santana dos Santos, Patrícia Kátia da Costa Pina. –
[Ilhéus, BA] : UAB/ UESC, [2010].
93 p. : il.

Inclui bibliografia.
ISBN: 978-85-7455-196-8

1. Literatura – Filosofia. 2. Gêneros literários. 3. Poesia.


4. Teatro (Literatura). 5. Narrativa (Retórica). I. Santos,
Oton Magno Santana dos. II. Pina, Patrícia Kátia da Costa.
III. Título: Letras Vernáculas: Módulo 2, volume 4.

CDD 801

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 4 5/7/2010 11:27:30
LETRAS VERNÁCULAS
Coordenação UAB – UESC
Profª. Drª. Maridalva de Souza Penteado

Coordenação do Curso de Licenciatura em


Letras Vernáculas (EAD)
Prof. Dr. Rodrigo Aragão

Elaboração de Conteúdo
Profª. Drª. Patrícia Kátia da Costa Pina
Profº. Esp. Oton Magno Santana dos Santos

Instrucional Design
Profª. Msc. Marileide dos Santos de Olivera
Profª. Msc. Cibele Barbosa

Revisão
Profª. Msc. Sylvia Maria Campos Teixeira
EAD - UESC

Coordenação de Design
Profª. Msc. Julianna Nascimento Torezani

Diagramação
Jamile A. de Mattos Chagouri Ocké
João Luiz Cardeal Craveiro

Capa
Sheylla Tomás Silva

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 5 5/7/2010 11:27:30
LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 6 5/7/2010 11:27:30
Sumário

UNIDADE 1

1. Introdução........................................................................................................ 13
2. A linguagem artística: literatura e cinema ............................................................. 16
3. A composição literária narrativa ........................................................................... 17
4. Análise de narrativas.......................................................................................... 20
5. Estratégias narrativas ........................................................................................ 21
6. A composição poética ......................................................................................... 24
7. A composição dramática ..................................................................................... 26
Atividades ........................................................................................................ 29
8. Conclusão......................................................................................................... 32
Resumindo ....................................................................................................... 32
Referências ....................................................................................................... 33

UNIDADE 2

1. Introdução........................................................................................................ 37
2. Literatura, história, cultura ................................................................................. 42
3. Narrativa em língua portuguesa ........................................................................... 46
4. Poesia em língua portuguesa ............................................................................... 53
Atividades ......................................................................................................... 63
5. Conclusão ......................................................................................................... 66
Resumindo ........................................................................................................ 66
Referências ....................................................................................................... 67

UNIDADE 3

1. Introdução ........................................................................................................73
2. A leitura da narrativa ..........................................................................................77
Atividades .........................................................................................................90
3. Conclusão .........................................................................................................92
Resumindo ........................................................................................................92
Referências .......................................................................................................93

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 7 5/7/2010 11:27:30
LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 8 5/7/2010 11:27:30
DISCIPLINA

INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS:


ANÁLISE DE POEMAS, DRAMAS E NARRATIVAS

Profª. Drª. Patrícia Kátia da Costa Pina e


Prof. Esp. Oton Magno Santana dos Santos
Ementa

Estudo crítico de poemas,


contos, novelas e romances das
literaturas de língua portuguesa,
numa perspectiva comparativista,
histórica e cultural.

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 9 5/7/2010 11:27:30
LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 10 5/7/2010 11:27:31
Objetivos unidade
1
Ao final da unidade, o aluno será capaz:

• de analisar poemas e narrativas


ficcionais representativas das
literaturas de língua portuguesa e
• discutir as relações entre arte e
sociedade.

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 11 5/7/2010 11:27:32
LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 12 5/7/2010 11:27:34
1
Unidade
UNIDADE 1

1 INTRODUÇÃO

As artes, com destaque para a literatura, o cinema e a música,


respondem sempre às necessidades e provocações históricas das
sociedades: isso significa que a arte não surge da mera inspiração de
Reflexo – reprodução de algo,
poetas, pintores, cineastas, compositores, dramaturgos e ficcionistas, imitação.

ela tem uma espécie de “responsabilidade social”. Assim, queremos Retrato – imagem
reproduzida com grande
dizer que a obra artística não é exatamente um reflexo do mundo do semelhança. Descrição exata
de algo.
autor, do diretor etc., não é um retrato da época de quem a escreve,
canta, encena, mas dialoga com esse mundo e essa época.
A Figura 1 corresponde a um exemplo de
arte pictórica: trata-se de uma aquarela pintada
por Jean-Baptiste Debret, que representou cenas
do Brasil do século XIX. Na obra acima, o pintor
tematiza o trabalho escravo numa praça do Rio de
Janeiro, sem fazer exatamente um retrato, mas
“reinventando” a realidade da época. A pintura é
cheia de detalhes, sendo enfatizadas as figuras
dos escravos, que aparecem em primeiro plano,
com destaque até para a musculatura posta em Figura 1 - Os Calceteiros (Debret)
Fonte: picasaweb.google.com.br
movimento no trabalho pesado.
A música, representada na Figura 2 pela
imagem do grupo e de seus instrumentos, tem
uma relação muito mais fluida e abstrata com o
mundo concreto do que a pintura, a escultura, o
cinema, a literatura, consideradas estas “artes de
representação”. A música é uma arte de sugestão.
Os acordes, a melodia, o ritmo, não nos remetem,
necessariamente, a uma realidade, podem, sim,
nos sugerir estados de espírito, humor, emoções
etc. - uma realidade imaginada e imaginária. Figura 2 - Orquestra UFR
Fonte: www.imagem.ufrj.br

UESC Letras Vernáculas 13

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 13 5/7/2010 11:27:34
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

Acordes – produção simultâ-


nea de vários sons.
Melodia – conjunto de sons
formando uma ária. Conjunto
de sons, palavras, frases cria-
das propositalmente para pro-
vocar reações auditivas.
Ritmo – sucessão de tempos
fortes e fracos alternados em Figura 3 - Teatro Kabuki
Fonte: http://gueixas.wordpress.
um verso ou frase musical. com/2007/05/22/teatro-de-kabuki/
Realidade – existência efeti-
va e concreta de algo.
Imaginar – criar, fantasiar
alguma coisa. Inventar algo.
Supor alguma coisa.
A Figura 3 corresponde a uma cena do teatro Kabuki, que é
Imaginária – coisa que só
existe na imaginação.
uma das formas mais tradicionais do teatro japonês. Começou no
Imaginação – representação
de objetos e seres pelo pensa-
final do século XVI e, até hoje, é muito popular, atraindo um grande
mento. Invenção de seres ou
objetos. Criação.
público. A arte teatral é a mais “representativa” de todas as artes,
Antiguidade Clássica – pe- pois ela traz aos olhos da plateia a situação acontecendo exatamente
ríodo que vai do século VIII a.
C. ao século V d. C. no momento da encenação. Teatro é vida que se vê, que se cheira,
Idade Média – período que
vai do século V d. C. ao sé- que se ouve, que se sente. Há cenários que remetem o auditório
culo XV.
Cinema – arte de compor fil- ao mundo concreto, há personagens que lembram pessoas do nosso
mes para projeção. Criado pe-
los irmãos Lumière em 1895, convívio, há situações com as quais nos identificamos. Mas nem o
mudo, ganhando sonoridade
em 1927. teatro é “retrato” do mundo – é uma reinvenção imaginária daquilo
Web – world wide web (rede
de alcance mundial) ou www. que se conhece.
Trata-se de um sistema de do-
cumentos em hipermídia que O teatro dominou a Antiguidade Clássica, foi muito popular
estão interligados na Internet.
durante a Idade Média, atravessou os séculos e foi a grande diversão
do século XIX ocidental. No final do século XIX, o teatro ganhou
uma versão tecnológica: o cinema. E, no século XX, novas mídias
incorporaram as técnicas teatrais: o rádio, a TV, até o computador,
através de algumas ações na web.
A imagem da figura 4 corresponde à capa do romance Ensaio
sobre a cegueira, de José Saramago (Prêmio Nobel de Literatura
de 1998). A história contada pelo romancista português gerou um
filme, dirigido por Fernando Meirelles, lançado, em 2008, em circuito
comercial.

Romance – na literatura, romance significa uma narrativa em prosa, longa, com um


núcleo básico de ação, do qual derivam outros núcleos. As ações são efetivadas por
personagens, que se enquadram num dado tempo e num dado espaço/ambiente. As
narrativas literárias podem inspirar-se diretamente em fatos concretos do cotidiano,
em fatos históricos, em figuras políticas, em outras narrativas, em filmes, em poemas,
em pinturas, em músicas etc.

Figura 4 - Capa do romance


“Ensaio sobre a Cegueira”.

14 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 14 5/7/2010 11:27:34
O romance tematiza uma epidemia de
cegueira branca, a qual acometeu a quase totalidade

1
de moradores de um lugar e de um tempo
indefinidos, mas perfeitamente associáveis ao mundo

Unidade
ocidental contemporâneo, cego pela tecnologia, pelo
consumismo, pela desumanização do homem. O filme
conta essa mesma história da inexplicável epidemia
Figura 5 - José Saramago
de cegueira branca que torna opacos aos olhos de Fonte: http://pt.wikipedia.org

outros todos os que por ela são atingidos.


Tanto o romance como o filme que nele se
inspirou estabelecem com a realidade uma relação
transitiva, mas não uma relação de imitação ou
cópia. Isso significa dizer que a arte literária e a
arte cinematográfica, como outras, não imitam,
não reproduzem o mundo com o qual dialogam.
Na verdade, a arte parte do concreto, do histórico,
da realidade, para, através da ação imaginária da
mente artística, reinventá-lo, recriá-lo, sempre pela
imaginação.
Segundo Vítor Manuel de Aguiar e Silva,

A criação literária não se realiza


num universo adâmico, sob o signo
de uma espontaneidade e de um
primitivismo absolutos, em que
apenas figurariam como factores Figura 6 - Cartaz do filme “Ensaio sobre a Cegueira”
necessários um instrumento Trailer oficial: http://www.youtube.com/
watch?v=6wyj1V-aKVc
lingüístico e um desígnio expressivo.
A criação literária perfaz-se no seio
de uma tradição técnico-literária Relação transitiva – relação de troca, sem imposições
parte a parte. Significa que a literatura, o cinema e as
e histórico-cultural, cujos valores demais artes não são dominados pela realidade, mas
e cujas forças o escritor não pode estabelecem com ela uma interação. Ou melhor: as
artes trocam informações com a realidade e inserem
desconhecer, quer para os aceitar nesse processo a ação da imaginação.
e revitalizar, quer para os negar, os
contestar, os alterar mais ou menos
substancialmente (SILVA, 1979,
p.39).
SAIBA MAIS
A literatura – seja o conto, o romance, a novela, Conto – prosa de ficção, de pequenas dimen-
sões, com ação concentrada e objetiva, poucas
o poema, o texto dramático – nasce de um mundo e personagens, espaço/ambiente condensado.
Novela – texto em prosa de ficção, com dife-
de uma vontade e está em constante interação tanto rentes núcleos de ação, dimensão média, tramas
paralelas, personagens variadas, espaço/ambi-
com o universo em que nasceu, como com aquele ente diversificado.
Poema – composição verbal em versos e estro-
de sua circulação. Na construção do texto literário, fes, pautado na similaridade musical, com ritmo,
melodia, rimas.
a forma nasce das relações sociais e o conteúdo se Texto dramático – composição verbal direcio-
configura como uma interpretação dessas relações. nada à encenação teatral, contendo as falas das
personagens, as descrições de cenários, vesti-
mentas etc., bem como as indicações cênicas que
permitem a representação no palco.

UESC Letras Vernáculas 15

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 15 5/7/2010 11:27:35
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

2 A LINGUAGEM ARTÍSTICA: LITERATURA E CINEMA

A melhor maneira de você entender esse processo de criação


artística é trabalhando com o material do artista: a linguagem de
que ele se utiliza. No caso literário, o escritor esculpe palavras e
frases, ele cria imagens que provocam nossas emoções. No caso do
cinema, o diretor, sua equipe e os atores interpretam cenas que se
desenrolam a nossa frente, num processo que nos coloca quase como
parte do que vemos.
Tomemos o romance e o filme homônimos Ensaio sobre a
cegueira. Quando encontramos uma adaptação cinematográfica de
um texto literário, não percebemos, de início, que vários recursos são
agregados à palavra impressa, num processo de leitura e interpretação
que se desdobra em vários níveis: o diretor lê e agrega ao texto os
sentidos que produz no ato da leitura, o roteirista também, o câmera
faz sua interpretação, os responsáveis pelos cenários fazem uma
leitura própria, os atores também se apropriam, de acordo com suas
possibilidades, da obra em foco. Assim, o filme nunca é o livro, da
mesma forma que o livro e o filme nunca são a realidade, mas seus
construtores imaginários.
Observe a cena abaixo, recortada do filme. A seguir, leia o
fragmento do romance com o qual ela interage.

“A rapariga dos óculos escuros foi pôr-se atrás da


mulher do médico, depois, sucessivamente, a criada
do hotel, a empregada, do consultório, a mulher
do primeiro cego, aquela que não sabe quem seja,
e enfim a cega das insônias, uma fila grotesca de
fêmeas malcheirosas, com as roupas imundas e
andrajosas, parece impossível que a força animal
do sexo seja assim tão poderosa, ao ponto de cegar
o olfacto, que é o mais delicado dos sentidos, não
faltam mesmo teólogos que afirmam, embora não
por estas exactas palavras, que a maior dificuldade
para chegar a viver razoavelmente no inferno é o
Figura 7 - Cena do filme “Ensaio sobre a cegueira”
cheiro que lá há. Devagar, guiadas pela mulher do
médico, cada uma com a mão no ombro da seguinte,
as mulheres começaram a caminhar. Estavam todas
descalças porque não queriam perder os sapatos no
meio das aflições e angústias por que iam passar.
Quando chegaram ao átrio de entrada, a mulher do
médico encaminhou-se para a porta, devia querer
saber se ainda haveria mundo” (SARAMAGO, 1995,
p.174).

Vamos observar a cena do filme: A Mulher do Médico encabeça


uma fileira de cinco mulheres, mal vestidas, despenteadas, com

16 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 16 5/7/2010 11:27:36
aspecto sujo e feições tristes. Apenas pela cena recortada, não
sabemos o que fazem exatamente, nem para onde vão. Mas podemos

1
deduzir que sofrem e vivem em condições desumanas.
O fragmento destacado do romance deu a base para a criação

Unidade
da cena indicada. Veja que as palavras, para conseguirem provocar
nossa imaginação, precisam ser muito elaboradas e muito bem
organizadas na frase, de forma a se tornarem bastante sugestivas. As
mulheres enfileiradas são descritas por características que permitem
identificá-las, mesmo que não saibamos seus nomes. Os odores que
exalam são descritos. A cena do filme não dá conta da parte olfativa
do espectador. No entanto, o leitor do romance é levado a imaginar o
mau cheiro que essas mulheres liberam.
Na imagem fílmica, não vemos que estão descalças, mas o SAIBA MAIS
livro nos dá essa informação, a qual pode nos levar a pensar como Imagem Verbal – repre-
sentação, por meio de pa-
essas mulheres estão fragilizadas e expostas a agressões do ambiente lavras, escritas ou faladas,
de pessoas, situações, sen-
e dos outros cegos. timentos etc.
São linguagens diferentes que trazem um objetivo comum:
Imagem Visual – repre-
comover seu público. Levar o leitor a se emocionar e a se surpreender sentação visual de objetos,
seres, situações.
a cada página lida, levar o espectador a se mexer na cadeira do
Paradoxo – conjunto de
cinema ou na poltrona de sua sala, com medo da cena seguinte: palavras ou imagens visuais
de sentido aparentemente
a arte, seja ela qual for, não quer nos dar conforto, ela quer nos contraditório.

incomodar, nos desafiar, nos fazer pensar no nosso mundo.


No caso desse romance e desse filme, obviamente não estamos
vivendo no cotidiano uma concreta epidemia de cegueira. Entretanto,
não estaríamos vivendo simbolicamente um momento em que a
humanidade se tornou opaca? Ou melhor, não estaríamos acometidos
dessa ficcional cegueira branca? Queremos que você reflita sobre Ficção – ato de fingir, criação
imaginária.
essa relação entre o campo artístico e o mundo que o gera, entre Ficcional – aquilo que é ima-
ginado, fingido.
o ficcional e a realidade: a arte, seja a literária, a cinematográfica,
a teatral ou qualquer outra, não copia a realidade, ela a imagina, a
recria, a refaz, a inventa.

3 A COMPOSIÇÃO LITERÁRIA NARRATIVA

As narrativas literárias são construídas assim: elas estabelecem


uma relação muito íntima com nossa vida comum, cotidiana, com a
história, mesmo que seja a história das miudezas do cotidiano, com
outras narrativas. Mas essa relação íntima não é, necessariamente,
especular, isto é, a literatura não “reflete” o mundo. Muitas vezes,
o que o texto em prosa literária faz é levar o leitor para um mundo
completamente diferente daquele que é conhecido no dia a dia: um

UESC Letras Vernáculas 17

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 17 5/7/2010 11:27:36
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

Insólito – evento diferente do mundo insólito, surpreendente, misterioso, desafiador.


comum, do usual.
Segundo Flávio Garcia,

(...) os eventos insólitos seriam aqueles que não são


freqüentes de acontecer, são raros, pouco costumeiros,
inabituais, inusuais, incomuns, anormais, contrariam
o uso, os costumes, as regras e as tradições, enfim,
surpreendem ou decepcionam o senso comum, às
expectativas quotidianas correspondentes a dada
cultura, a dado momento, a dada e específica
experienciação da realidade (GARCIA, 2007, p.19).

Nem toda narrativa literária trabalha com o insólito. Essa


é uma forma de discutir a representatividade direta e imediata do
mundo: o insólito exacerba o caráter ficcional do texto. O insólito é
uma das possibilidades do paradoxo na relação texto/mundo/leitor.
Para isso, a narrativa de ficção lança mão de algumas
estratégias: ela tem um narrador (ou vários), que conta os fatos
(enredo) de acordo com seu ponto de vista, através das falas e ações
de personagens, que se situam no tempo e no espaço.
Leia conosco o conto abaixo:

Texto 1
METAMORFOSE
Luis Fernando Veríssimo

Quando Gregório Souza acordou certa manhã de uma noite mal


dormida cheia de sonhos perturbadores, olhou seus pés que emergiam
da outra extremidade da coberta curta e viu que tinha se transformado
em Franz Kafka. Na verdade, levou algum tempo para descobrir quem
era. Começou certificando-se que aqueles pés, decididamente, não eram
os dele. Examinou-os com interesse e deduziu que eram pés da Europa
Central, possivelmente checos. Mas só quando sua mãe entrou no quarto
e ele respondeu ao seu “bom-dia!” em checo, espantando-se tanto quanto
a ela, deu-se conta de quem era.
Não sabia explicar como acontecera aquilo. Não só ele era Kafka
como toda a situação era puro Kafka. Sua mãe gritando, perguntando
quem ele era e o que estava fazendo na cama do seu filho - pelo menos
ele imaginava que era isto que ela dizia, pois não conseguia entendê-la -
e ele, apalpando-se, ao mesmo tempo assustado e maravilhado, eu Franz
Kafka! Levantou-se da cama e foi se olhar no espelho, enquanto sua mãe
corria do quarto para chamar seu pai, que chamou a polícia, que veio e
cercou o prédio errado, causando uma enorme confusão no trânsito e
ferimentos a bala em três pessoas, e viu que era mesmo Franz Kafka,
com as olheiras e tudo. Foi preso. Tentou inutilmente se comunicar com
os policiais mas nenhum falava checo ou alemão. Tentaram levá-lo para a
delegacia no carro da polícia, mas nada se mexia no trânsito engarrafado
e um camelô meteu a cabeça para dentro do carro e ofereceu “Saquinho
de limão, doutor? Limpador de pára-brisa? Assistência legal?”, que Kafka

18 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 18 5/7/2010 11:27:37
aceitou, tanto que quando os policiais decidiram bater nele ali mesmo e
jogá-lo na calçada foi seu advogado que o levou a um hospital, onde ele

1
esperou uma hora na fila de um guichê só para dizer se era conveniado
ou se era pelo SUS. Em seguida, foram à repartição competente para

Unidade
regularizar sua situação como estrangeiro no país e quando Kafka indicou,
com gestos, que não tinha dinheiro para pagar seus serviços, já que a
carteira de Gregório Souza estava vazia, o advogado sorriu, levantou a
palma da mão e disse “Xacomigo”.
Com a situação de Kafka regularizada por meio de uma propina
e um documento de identidade provisório para seu cliente comprado
de outro camelô, o advogado daria entrada com um pedido de pensão
da Previdência Social, pois o fato de ter-se transformado em checo
da noite para o dia o abalara psiquicamente, e os dois ganhariam
uma fortuna, ainda mais que o advogado tinha um cúmplice na
previdência que acrescentava zeros às guias de pagamento, quanto
zeros se quisesse. A todas estas Kafka tomava notas, maravilhado. Em
casa, Kafka conseguiu acalmar os pais de Gregório e, com paciência,
recorrendo a algumas palavras em inglês que sabia, explicou o que tinha
acontecido. Para sua sorte - e para a sua surpresa, pois antes de morrer
dera ordens para que toda sua obra fosse queimada - havia um livro
de Kafka numa prateleira do quarto de Gregório, com sua fotografia na
capa, e os pais acabaram compreendendo que aquilo tudo era um tipo
de acontecimento literário, talvez uma parábola, e que Gregório não
corria perigo, salvo o de perder seu emprego na companhia de seguros.
Adotaram o filho substituto. E com sua situação doméstica resolvida, o
português que aprendeu ouvindo as novelas e lendo as traduções dos
seus próprios livros e o dinheiro que o advogado conseguiu da Previdência
- R$ 500 milhões - Kafka se sentiu em condições de recomeçar a
carreira literária interrompida com sua morte. Comprou um computador
e preparou-se para escrever o seu primeiro livro brasileiro, apenas
duvidando que estivesse à altura da tarefa.

COSTA, Flávio Moreira da (Organizador). Os 100 Melhores Contos de Humor da Literatura


Universal. 5. ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 2001. p. 527-528

Observem como o ambiente e o tempo foram construídos: o conto inicia apresentando um


espaço físico delimitado – o quarto de Gregório, que acorda em sua cama e se percebe
metamorfoseado em Franz Kafka. O espaço físico tem um aspecto maior que o configura como
ambiente, transformando-se num elemento determinante para a compreensão da narrativa. O
ATENÇÃO

tempo do narrado não está distante do tempo da narração, o que nos coloca dentro da ação:
partilhamos a surpresa de Gregório e sua mãe. Assim, como leitores, somos lançados num
espaço de experimentação e mistério, o que é intensificado pelo bom humor da narrativa.
Esse conto de Veríssimo dialoga com o livro A metamorfose, escrito por Kafka, em 1915, cuja
personagem protagonista é Gregor Samsa. Na obra do ficcionista tcheco, ao acordar para
o trabalho, Gregor percebe que se transformou num terrível inseto, o que o choca, mas, a
princípio, suas preocupações são muito práticas, ligadas a seu cotidiano. Isso evolui, e Gregor
aprofunda sua crise, levando as questões para o psicológico e emocional. A metamorfose de
Gregor vai além da parte física: ocorre uma alteração de comportamentos, atitudes, opiniões.
A narrativa de Kafka não conta apenas a história de um homem que se transformou num
inseto, pode ser lida como um alerta acerca da desumanização do homem, como no romance/
filme Ensaio sobre a cegueira.

UESC Letras Vernáculas 19

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 19 5/7/2010 11:27:37
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

O narrador no conto de Veríssimo está nos remetendo a uma


PARA CONHECER
forma diferente de compreender a relação entre literatura e vida
Franz Kafka - nasceu
numa família judia, na (história, realidade, cotidiano).
atual República Tche- Veja o que Aristóteles nos diz, em sua Arte retórica e poética:
ca. Sua obra teve
grande repercussão
na literatura ociden- “O historiador e o poeta não se distinguem um do
tal, apesar de estar outro pelo fato de o primeiro escrever em prosa e o
em boa parte incom- segundo em verso [...]. Diferem entre si porque um
pleta e de só ter sido
escreveu o que aconteceu e o outro o que poderia ter
publicada após sua
morte. Seus textos acontecido”(ARISTÓTELES, s/d, p.306).
refletem sobre a so-
ciedade, tendo o insó-
lito como instrumento O “verossímil é “o que poderia ter acontecido”, ou seja, é aquilo
de composição. que ocorre na imaginação do escritor e na nossa, enquanto leitores.
Isso significa que ele está dialogando com a realidade, dando a ela
uma versão alternativa, insólita, não simplesmente reproduzindo-a.
Assim, o insólito surge não apenas como um jeito divertido e diferente
de lidar com o mundo que nos é dado: ele é um caminho de crítica a
esse mundo.

Veja os esquemas abaixo e acompanhe nossos comentários:

4 ANÁLISE DE NARRATIVAS

Partiremos de dois polos: um eixo sintagmático, isto é, as


escolhas (microanálise) e outro paradigmático, as combinações
(macroanálise).
Microanálise: busca de pormenores; estudo dos elementos
da narrativa (personagens, tempo, enredo, focalização –
ponto de vista –, narrador); rede de signos ou símbolos.
Macroanálise: estudo do que está implícito nas
microestruturas; investigação de conceitos trabalhados, de
relações intertextuais, culturais, sócio-históricas; campo
das realidades significadas ou simbolizadas.

Em nível de microanálise, se tomarmos o primeiro fragmento


do romance Ensaio sobre a cegueira, acima reproduzido, e enfocarmos
as personagens e sua caracterização, é possível observarmos
que as mulheres que habitam esse romance são “nomeadas” por
características específicas. A protagonista (personagem principal) é
conhecida por seu papel social – ela é esposa, daí ser A Mulher do
Médico. A segunda da fila, uma garota de programa, é conhecida
como A Rapariga de Óculos Escuros, o que remete o leitor à profissão

20 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 20 5/7/2010 11:27:37
que ela exerce – prostituta de luxo. Afinal, ela precisa de máscaras VOCÊ SABIA?
para circular na sociedade, os óculos serviriam como disfarce. Em

1
O estudo das narrati-
nível de macroanálise, tomemos essas duas personagens e vejamos vas deve ser feito em
duas direções: seguin-
as relações que podemos estabelecer. A Mulher do Médico, enquanto

Unidade
do o fio das estraté-
gias de representação
esposa, não tem vida própria, não tem representatividade social. Ela (personagens, situa-
lembra o imenso contingente de mulheres que, em nossa sociedade ções, tempo, espaço
etc.) e aprofundando
masculina, vivem à sombra de maridos, pais, irmãos. Mas ela é a esse caminho, mer-
gulhando nas relações
única que mantém a visão: guia todos que cegaram nessa sociedade que elas estabelecem
preconceituosa e injusta. A Rapariga de Óculos Escuros socialmente com a cultura, a socie-
dade, a história. Para
se opõe à Mulher do Médico, por ser a marginal na história. Acontece isso, você deve conhe-
cer as estratégias nar-
que, na verdade, antes da cegueira, ambas eram marginais, rativas a que viemos
nos referindo.
porque, nesse mundo masculino, nascer mulher é nascer fadada à
discriminação e ao silenciamento.

5 ESTRATÉGIAS NARRATIVAS

As estratégias narrativas são recursos utilizados pelo narrador


no tocante à produção de um texto em prosa e podem variar, inclusive,
dentro um mesmo texto, a partir do público-leitor a que se destinam,
do tema a ser tratado e do modo como se constrói implicitamente a
recepção de tal texto. Importa, principalmente, a formatação de um
texto narrativo, isto é, o “como dizer”. Vejam abaixo as estratégias
narrativas:
 Enredo/Intriga:
o Plano de organização macroestrutural, que
apresenta os eventos de acordo com estratégias
discursivas; elaboração estética dos elementos da
fábula. Implicam em:
o Ações linearizadas – ações previsíveis. In Medias Res – recurso
narrativo típico das epo-
o Ações (eventos) não-linearizadas (antecipação, peias clássicas, que consiste
no início da narrativa pelo
diferimento, começo in medias res). meio da ação, ou seja, a
história começa a ser con-
o Os eventos são apresentados de forma encadeada, tada a partir da ação já em
desenvolvimento. Também
com início, meio e fim, ainda que postos em aparece em narrativas mo-
dernas e contemporâneas.
“desordem”, sempre encaminhados para um ou
mais clímax e um desfecho.

Veja o conto de Luis Fernando Veríssimo: o enredo se organiza


linearmente, não há antecipações, diferimentos, os acontecimentos
seguem uma linha de início (metamorfose em Kafka), meio (relações
estabelecidas com o escritor tcheco e o livro que serviu de fonte), fim
(a escrita de textos brasileiros). O clímax é a prisão de Gregório/Kafka.

UESC Letras Vernáculas 21

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 21 5/7/2010 11:27:38
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

O desfecho é sua adoção pela família brasileira e sua transformação


em escritor brasileiro.

 Personagens:
o Protagonistas/adjuvantes/antagonistas.
o Personagem plana – tipo.
(Estática/exibe marcas reconhecíveis).
o Personagem redonda (caracterização elaborada e
processual (uso de monólogos interiores).

As personagens protagonistas são aquelas cujas ações se


desenrolam a partir dela. É de quem se conta a história central
de uma narrativa. Como exemplo, temos A Mulher do Médico do
romance Ensaio sobre a cegueira. É em torno dela que a narrativa
de desenvolve, logo, a ação é centralizada em torno da mesma. As
adjuvantes são as personagens cujas histórias giram em torno das
protagonistas. São tipos que auxiliam as ações das personagens
centrais. Como exemplo, temos do mesmo romance, a Rapariga de
Óculos Escuros. Embora possua uma história própria, suas ações só
se desenvolvem mediante “permissão” da história da protagonista,
isto é, só conhecemos a história da primeira por conta da existência
da segunda. As antagonistas são as que se opõem, dentro de uma
mesma história, ao protagonista. São responsáveis diretas pelos
conflitos do seu opositor. Como exemplo, temos a obra Esaú e Jacó,
de Machado de Assis. A narrativa, cujo título é extraído da Bíblia,
remetendo-se ao Gênesis, apresenta as personagens Pedro e Paulo,
as quais são opositoras uma da outra. Logo, as ações da primeira são
combatidas pela segunda, tornando-as antagonistas entre si.
Quanto à forma das personagens, retomemos Ensaio sobre a
cegueira e as duas personagens a que já nos referimos: A Mulher do
Médico e a Rapariga de Óculos Escuros. É possível vermos as duas,
bem como as demais personagens do romance, como personagens
planas, definidas por marcas peculiares.
No caso do conto de Veríssimo, “Metamorfose”, Gregório/
Kafka é uma personagem redonda, sua complexidade psicológica,
emocional, social ressalta a cada linha. O processo de metamorfose
de que é vítima representa sua elaboração processual e mutável.

 Focalização (Foco Narrativo):


o Perspectiva narrativa: representação dos aspectos
percebidos por quem “conta” a história.
o Focalização externa: referência objetiva aos eventos

22 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 22 5/7/2010 11:27:38
– funciona em narrativas de base histórico-social.
o Focalização interna: perspectiva de uma personagem

1
inserida na ficção (focalizador) – funciona em
narrativas de base ideológica acentuada, com

Unidade
ênfase para o protagonista e para o psicológico
das personagens – marca uma subjetividade na
narrativa.
o Focalização onisciente: o ponto de vista transcende
as limitações das personagens – conhecimento
ilimitado da narrativa.

A perspectiva narrativa do romance Ensaio sobre a cegueira UM CONSELHO

é estabelecida por um constante processo descritivo, que parece Sugerimos a leitura do


procurar dar ao leitor informações minuciosas sobre cada cena, cada romance de Chico Bu-
arque, Leite derrama-
personagem, cada ação, numa focalização externa, isto é, construtora do, para exemplificação
da focalização interna:
de um caminho direcionado de leitura, como se pode observar no a personagem princi-
pal rememora toda sua
primeiro fragmento citado, a partir das descrições acerca do espaço –
vida, num leito de hos-
ruas desertas, lixo espalhado. Tomemos o segundo fragmento citado pital, imprimindo ao
narrado sua subjetivida-
e vejamos a onisciência do narrador e de sua focalização: ele sabe até de, a partir do momento
em que escolhe o que e
qual é a intenção da Mulher do Médico. Todas as descrições totalizam como será contado. O
sentidos prévios para as situações, colocando o leitor numa posição compromisso dele não
é com a memória pura e
de grande conhecedor de tudo o que está sendo narrado. simplesmente, mas com
uma recriação ficcional
do passado.
 Narrador/Narratário:
o Narrador: autor textual (# autor real).
o Narratário: ser de papel (aparece principalmente
a partir de narradores autodiegéticos e
homodiegéticos).
o Narrador autodiegético: o protagonista narra sua
própria história (focalização interna ou onisciente).
o Narrador heterodiegético: o narrador não faz parte
do universo diegético – há uma distância entre
ambos (focalização interna ou externa).
o Narrador homodiegético: um personagem
(focalizador), que não o protagonista, “conta” a
história (focalização interna).

Quando lidamos com um texto literário, enveredamos pelo


mundo da ficção, nada nesse mundo é “verdade”. Assim, o narrador
não é o autor, é uma personagem, que está ou não dentro da história,
que age ou não, dentro do narrado, que não tem pontos de contato,
necessariamente, com a vida do escritor. José Saramago é o autor

UESC Letras Vernáculas 23

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 23 5/7/2010 11:27:39
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

de Ensaio sobre a cegueira, mas seu narrador é uma voz dentro da


narrativa, um narrador heterodiegético. O mesmo ocorre com o leitor.
Muitas vezes, os escritores representam os leitores ficcionalmente,
como personagens ou como simples digressões dialógicas, isso
significa que os leitores chamados ao texto não são de carne e osso,
são seres de papel: narratários.
No romance Leite derramado, Eulálio é um narrador
autodiegético, pois conta sua própria história. No romance machadiano
Esaú e Jacó, cuja leitura também recomendamos, o narrador é o
Conselheiro Aires, que não é o protagonista da história: logo, é um
narrador homodiegético.

 Tempo:
o Cronológico: antes, durante, depois/datas/horas.
o Psicológico: tempo-duração (Bergson) /desordem/
espiralado.
o Tempo da diegese: instância seletiva que organiza
as diferentes temporalidades dos diferentes eventos
narrados (flashback, antecipações, in medias res).

Tanto em Ensaio sobre a cegueira, como em Leite derramado e


em “Metamorfose” o tempo é psicológico, não há controle cronológico
da temporalidade. Em Esaú e Jacó, o tempo é contado e marcado por
Flashback – retomada dias, horas e fatos históricos, portanto, tempo cronológico.
de eventos passados, que
podem ou não ter sido ex- O tempo da diegese tem a ver com a ordem dos fatos na
postos na narrativa. Pode
ser “real” ou “imaginário” narrativa: em Leite derramado, os eventos se superpõem num
o evento retomado do pas-
sado. processo de rememoração da personagem Eulálio.

6 A COMPOSIÇÃO POÉTICA

Texto 2

LIBERDADE
Fernando Pessoa

Ai que prazer
Não cumprir um dever,
Ter um livro para ler
E não o fazer!
Ler é maçada.
Estudar é nada.
O sol doira

24 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 24 5/7/2010 11:27:39
Sem literatura.

1
O rio corre, bem ou mal,

Unidade
Sem edição original.
E a brisa, essa,
De tão naturalmente matinal,
Como tem tempo não tem pressa...

Livros são papéis pintados com tinta.


Estudar é uma coisa em que está indistinta
A distinção entre nada e coisa nenhuma.

Quanto é melhor, quando há bruma,


Esperar por D. Sebastião,
Quer venha ou não!

Grande é a poesia, a bondade e as danças...


Mas o melhor do mundo são as crianças,
Flores, música, o luar, e o sol, que peca
Só quando, em vez de criar, seca.

O mais do que isto


É Jesus Cristo,
Que não sabia nada de finanças
Nem consta que tivesse biblioteca...

Fonte: http://www.insite.com.br/art/pessoa/cancioneiro/195.html

Observe que o eu-lírico se expressa em versos e estrofes. À


primeira vista, ler um poema é bem mais fácil que ler um conto, uma
novela ou um romance, pois ele é menor e suas unidades significativas
são de rápida leitura. Mas não é bem assim. Por quê? Os poemas, em
geral, são curtos, poucas palavras, rimas, ritmo... Eu-lírico – representação po-
ética do autor, voz que fala no
Exatamente pelas características acima citadas é que ler um poema.
Rimas – coincidência sonora
poema, e analisá-lo, é tão complicado. de vogais de vocábulos me-
diais ou finais nos versos po-
Como são, normalmente, textos pequenos, o sentido vem
éticos.
condensado, altamente entrelaçado às poucas palavras apresentadas. Versos – frases poéticas.
Estrofes – conjunto de ver-
Desmontar e entender um texto poético exige do leitor uma atitude sos.

detetivesca. É preciso desconfiar de todas as pistas deixadas pelo eu-


lírico. É preciso ser extremamente curioso...
Cada palavra posta em um poema é um mundo à parte e,

UESC Letras Vernáculas 25

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 25 5/7/2010 11:27:40
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

simultaneamente, um mundo em interação com outros universos,


próximos e distantes. Cada palavra tem um feitiço próprio...
Vejam o poema acima. Nele, o eu-lírico dá o tom do texto pelo
título: LIBERDADE. Ser livre significa não se ater a regras e limites.
Mas, se o poema depende de rima, métrica etc., como ligar liberdade
à poesia? É disso que o poema trata: a literatura é prazer, não é
dever. É alegria. Veja a seleção vocabular empreendida pelo poeta:
prazer/dever; ler/fazer – essas primeiras rimas nos remetem para a
polarização discutida a partir do título.
As rimas brincam com o leitor. Muito mais que um recurso
“bonitinho”, que dá ao texto uma feição poética (para os leitores
mais tradicionais), a rima é uma chave para que se entre no espaço
de significação textual. Há leitores que só conseguem ler poemas
rimados, pensam que a rima é que traduz o poético. Nem tanto ao
mar, nem tanto à terra...
O poema traduz uma visão de mundo pessoal, típica de um
dado sujeito poético em um determinado momento e em certo espaço.
Rimar ou não rimar não faz de ninguém um poeta. Já observaram
quantas vezes rimamos sem querer em nossos bate-papos ao telefone
ou no bar da esquina?
O ritmo, por sua vez, embora não exista apenas no texto
poético, também traz um caminho particular para a investigação do
poema – e a rima é parte dele. Combinando metros específicos, o
eu-lírico pode nos levar a sentidos inusitados, abrindo horizontes que
sequer imaginávamos... Veja que a métrica do poema é completamente
irregular, e, ainda assim, seu ritmo é contagiante, por nos remeter às
conversas cotidianas, aos papos de escola e botequim.
É possível perceber, então, que ler um poema não é fácil como
ler uma página de gramática, de história ou, até mesmo, um conto e
uma crônica.
Ler um poema é criar poesia dentro de nós, é ser um pouco poeta
também...

7 A COMPOSIÇÃO DRAMÁTICA

Texto 3

AUTO DA BARCA DO INFERNO


Gil Vicente (fragmento)

DIABO

26 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 26 5/7/2010 11:27:41
À barca, à barca, houlá!

1
Que temos gentil1 maré!
- Ora venha o caro a ré!2

Unidade
COMPANHEIRO
Feito, feito!

DIABO
Bem está!
Vai tu muitieramá,1
Atesa aquele palanco2
e despeja aquele banco,
ric a gente que virá.
À barca, à barca, hu!
Asinha3, que se quer ir!
Oh, que tempo de partir,
louvores a Berzebu!
- Ora, ri!, que fazes tu?
Despeja todo esse leito4!

COMPANHEIRO
Em boa hora! Feito, feito!

DIABO
Abaixa maora esse cu!1
Faze aquela poja lesta2
e alija aquela rica.

Fonte: http://www.mundocultural.com.br/analise/barca_gvicente.pdf

Você leu aqui um pequeno fragmento da peça Auto da Barca


do Inferno, de Gil Vicente. As peças teatrais contam uma história,
mas usam estratégias diferentes das usadas nas narrativas de ficção.
Elas partem de um texto-base, composto por indicações cênicas, falas
das personagens, orientações sobre interpretação. Quando vamos ao
teatro, vemos a ação se desenrolar sob nossos olhos. Quando estamos
lendo uma peça, não temos diretor, cenário e atores para nos guiarem

UESC Letras Vernáculas 27

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 27 5/7/2010 11:27:41
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

pela obra. O texto dramático, então, vai trazer marcas próprias: será
construído em diálogos e, algumas vezes, encontraremos também as
orientações para a representação. Leia o que Angélica Soares afirma:

Por isso, o mundo nele representado (pois o texto


dramático se completa na representação) apresenta-
se como se existisse por si mesmo, sem a interferência
de um narrador. Importante é notarmos que o
objetivo do escritor não é cada passagem por si,
como na epopéia, nem o modo especial de transmitir
emocionalmente um tema, como no poema lírico,
mas a meta a alcançar. Assim é que tudo se projeta
para o final, através da manutenção de uma forte
expectativa, que desemboca no desfecho ou solução
(SOARES, 1997, p. 59).

Assim, as falas das personagens constituem o texto principal


da peça de teatro, enquanto as outras partes, como desenho verbal
acerca do cenário, indicações de modo de representação etc. formam o
texto secundário. Esse “texto secundário” só importa no ato da leitura
da peça e não é absoluto, cada direção e cada corpo de atores pode
atualizá-lo, num processo de interpretação. As palavras pronunciadas
exprimem as vivências, os diferentes estados e processos psíquicos
vividos pelas personagens que falam em cada cena, promovendo a
comunicação com o leitor ou com o espectador. O diálogo, é, então,
um jogo vital para o texto dramático, lido ou encenado.

28 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 28 5/7/2010 11:27:41
ATIVIDADE

1
ATIVIDADE

Unidade
1) Veja a cena abaixo do filme Ensaio sobre a cegueira dirigido por Fernando Meirelles.
Depois, leia o fragmento do romance que deu origem ao filme, de José Saramago.

“O caminho que tomaram leva ao centro da cidade, mas não é essa a intenção
da mulher do médico, o que ela quer é encontrar rapidamente um sítio onde possa
deixar abrigados os que vêm atrás de si e ir sozinha à procura de comida. As ruas estão
desertas, por ser ainda cedo, ou por causa da chuva, que cai cada vez mais forte. Há lixo
por toda a parte...” (SARAMAGO, op.cit., p. 214).

A. ____________________________________________ são elementos comuns


ao filme e ao romance e promovem uma identificação entre ficção e realidade.

B. No romance, a imagem “as ruas estão desertas” pode levar o leitor a imaginar
uma cidade completamente vazia de seres viventes. No entanto, na sequência
do parágrafo, outra imagem verbal se opõe a essa ideia: “Há lixo por toda parte”.
A oposição surge porque o lixo é produzido pelo ser humano, portanto, haveria
pessoas para produzirem lixo. Observe a cena do filme. Veja que esse paradoxo
vem de uma só vez na imagem visual. Que elementos do filme criam esse choque
de ideias? Explique.

2) Leia atentamente o conto abaixo. A seguir, analise-o, seguindo a orientação da


atividade.

UMA GALINHA
Clarice Lispector

Era uma galinha de domingo. Ainda viva porque não passava de nove horas da
manhã.

UESC Letras Vernáculas 29

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 29 5/7/2010 11:27:41
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

Parecia calma. Desde sábado encolhera-se num canto da cozinha. Não olhava para
ninguém, ninguém olhava para ela. Mesmo quando a escolheram, apalpando sua
intimidade com indiferença, não souberam dizer se era gorda ou magra. Nunca se
adivinharia nela um anseio.
Foi pois uma surpresa quando a viram abrir as asas de curto vôo, inchar o peito
e, em dois ou três lances, alcançar a murada do terraço. Um instante ainda vacilou – o
tempo da cozinheira dar um grito – e em breve estava no terraço do vizinho, de onde, em
outro vôo desajeitado, alcançou um telhado. Lá ficou em adorno deslocado, hesitando
ora num, ora noutro pé. A família foi chamada com urgência e consternada viu o almoço
junto de uma chaminé. O dono da casa lembrando-se da dupla necessidade de fazer
esporadicamente algum esporte e de almoçar vestiu um radiante calção de banho e
resolveu seguir o itinerário da galinha: em pulos cautelosos alcançou o telhado onde esta
hesitante e trêmula escolhia com urgência outro rumo. A perseguição tornou-se mais
intensa. De telhado a telhado foi percorrido mais de um quarteirão da rua. Pouco afeita a
uma luta mais selvagem pela vida a galinha tinha que decidir por si mesma os caminhos
a tomar sem nenhum auxílio de sua raça. O rapaz, porém, era um caçador adormecido.
E por mais ínfima que fosse a presa o grito de conquista havia soado.
Sozinha no mundo, sem pai nem mãe, ela corria, arfava, muda, concentrada.
Às vezes, na fuga, pairava ofegante num beiral de telhado e enquanto o rapaz galgava
outros com dificuldade tinha tempo de se refazer por um momento. E então parecia tão
livre.
Estúpida, tímida e livre. Não vitoriosa como seria um galo em fuga. Que é que
havia nas suas vísceras que fazia dela um ser? A galinha é um ser. É verdade que não se
poderia contar com ela para nada. Nem ela própria contava consigo, como o galo crê na
sua crista. Sua única vantagem é que havia tantas galinhas que morrendo uma surgiria
no mesmo instante outra tão igual como se fora a mesma.
Afinal, numa das vezes em que parou para gozar sua fuga, o rapaz alcançou-a
Entre gritos e penas, ela foi presa. Em seguida carregada em triunfo por uma asa através
das telhas e pousada no chão da cozinha com certa violência. Ainda tonta, sacudiu-se um
pouco, em cacarejos roucos e indecisos.
Foi então que aconteceu. De pura afobação a galinha pôs um ovo. Surpreendida,
exausta. Talvez fosse prematuro. Mas logo depois, nascida que fora para a maternidade,
parecia uma velha mãe habituada. Sentou-se sobre o ovo e assim ficou respirando,
abotoando e desabotoando os olhos. Seu coração tão pequeno num prato solevava e
abaixava as penas enchendo de tepidez aquilo que nunca passaria de um ovo. Só a
menina estava perto e assistiu a tudo estarrecida. Mal porém conseguiu desvencilhar-se
do acontecimento despregou-se do chão e saiu aos gritos:
- Mamãe, mamãe, não mate mais a galinha, ela pôs um ovo! Ela quer o nosso
bem!
Todos correram de novo à cozinha e rodearam mudos a jovem parturiente.
Esquentando seu filho, esta não era nem suave nem arisca, nem alegre nem triste, não
era nada, era uma galinha. O que não sugeria nenhum sentimento especial. O pai, a
mãe e a filha olhavam já há algum tempo, sem propriamente um pensamento qualquer.
Nunca ninguém acariciou uma cabeça de galinha. O pai afinal decidiu-se com certa
brusquidão:
- Se você mandar matar esta galinha nunca mais comerei galinha na minha
vida!
- Eu também! Jurou a menina com ardor.
A mãe, cansada, deu de ombros.
Inconsciente da vida que lhe fora entregue, a galinha passou a morar com a

30 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 30 5/7/2010 11:27:41
família. A menina, de volta do colégio, jogava a pasta longe sem interromper a corrida
para a cozinha. O pai de vez em quando ainda se lembrava: “E dizer que a obriguei
a correr naquele estado!” A galinha tornara-se a rainha da casa. Todos, menos ela, o
sabiam. Continuou entre a cozinha e o terraço dos fundos, usando suas duas capacidades:
a de apatia e a do sobressalto.
Mas quando todos estavam quietos na casa e pareciam tê-la esquecido, enchia-
se de uma pequena coragem, resquícios da grande fuga – e circulava pelo ladrilho, o
corpo avançando atrás da cabeça, pausado como num campo, embora a pequena cabeça
a traísse: mexendo-se rápida e vibrátil, com o velho susto de sua espécie já mecanizado.
Uma vez ou outra, sempre mais raramente, lembrava de novo a galinha que se recortara
contra o ar à beira do telhado, prestes a anunciar. Nesses momentos enchia os pulmões
com o ar impuro da cozinha e, se fosse dado às fêmeas cantar, ela não cantaria mas
ficaria muito mais contente. Embora nem nesses instantes a expressão de sua vazia
cabeça se alterasse. Na fuga, no descanso, quando deu à luz ou bicando milho – era uma
cabeça de galinha, a mesma que fora desenhada no começo dos séculos.
Até que um dia mataram-na, comeram-na e passaram-se anos.
LISPECTOR, Clarice. “Uma Galinha”. In: Laços de família. 11. ed. Rio de Janeiro, José
Olympio, 1977. p. 31-34.

Orientação para execução da atividade:


A protagonista do conto é um animal destinado ao consumo humano. No entanto,
o narrador constrói uma relação simbólica entre esse animal e as demais personagens. Em
sua análise do conto, observe de que maneira o foco narrativo (focalização) nos conduz,
fazendo com que estabeleçamos a relação indicada. Observe, também, as representações
de práticas culturais próprias da sociedade burguesa brasileira, discutindo-as.

4) Leia o poema abaixo e observe as palavras grifadas. Elas estão rimando.


Interprete-as e veja que sentidos você pode atribuir ao poema, a partir delas.

SONETO
Luís de Camões

Eu cantarei de amor tão docemente,


por uns termos em si tão concertados,
que dous mil acidentes namorados
faça sentir ao peito que não sente.

Farei o amor a todos evidente,


pintando mil segredos delicados,
brandas iras, sospiros descuidados,
temerosa ousadia e pena ausente.

Também, Senhora, do desprezo honesto


de vossa vista branda e rigorosa,
contentar-me-ei, dizendo menor parte.

Porém, para cantar de vosso gesto


a composição alta e milagrosa,
aqui falta saber, engenho e arte.

Fonte: http://bardo.castelodotempo.com/poesias/eu-cantarei-de-amor-tao-docemente-camoes

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 31 5/7/2010 11:27:42
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

8 CONCLUSÃO

Com base nas abordagens aqui desenvolvidas, percebemos


que o texto literário não é chamado literário apenas por compor a
bibliografia de grandes autores consagrados pela crítica universal. Ele
recebe esse nome porque seu material é uma linguagem artisticamente
trabalhada e seu objeto é a leitura e, dessa forma, necessita de um
leitor. Mas não um leitor obediente ou que se acostume às mesmas
formas de apropriação e sim, um leitor inquieto e que ousa desafiar-
se constantemente, seja através do conteúdo de determinado texto,
seja pelo exercício constante da leitura. Além disso, essa combinação
de forma e conteúdo acaba nos levando a parcerias com outras
formas de expressão artística típicas da cultura e da sociedade onde
estamos inseridos. Concluímos, por conseguinte, que oferecemos
um material discursivo e desafiador a você que pretende descortinar
novos horizontes praticando algo vital a um leitor seja ele de qual
nível for: a leitura e a interpretação de textos literários.

9 RESUMINDO... RESUMINDO

Nesta unidade, você estudou A Linguagem Artística: Literatura


e Cinema, A Composição Literária Narrativa, Análise de Narrativas,
Estratégias Narrativas, A Composição Poética, A Composição Dramática.
Percebeu com o estudo acima descrito as relações entre arte, cultura
e sociedade. Por fim, entendeu as possibilidades de diálogo entre tais
elementos e como produzem novos sentidos à medida que se relacionam.

LEITURA RECOMENDADA

CANDIDO, Antônio. Formação da literatura brasileira. São Paulo: Edusp,


1975.

CHIAPPINI, Lígia. O Foco Narrativo (Ou a polemica em torno da ilusão).


São Paulo: Editora Ática, 2002.

SARAIVA, António José; LOPES, Óscar. História da literatura portuguesa.


17 ed. Porto, Portugal: Porto Editora, 2001.

Domínio Público - http://www.dominiopublico.org.br

32 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 32 5/7/2010 11:27:42
10 REFERÊNCIAS

GOTLIB, Nádia Batella. Teoria do conto. 4. ed. São Paulo: Ática,

1
1988.

Unidade
REFERÊNCIAS
LISPECTOR, Clarice. “Uma Galinha”. In: Laços de família. 11. ed. Rio
de Janeiro: José Olympio, 1977. p. 31-34.

MOISÉS, Massaud. A literatura portuguesa. 16. ed. São Paulo:


Cultrix, 1980.

SOARES, Angélica. Gêneros literários. 4. ed. São Paulo: Ática, 1988.

SILVA,Vítor M. A. Teoria da Literatura, 8. ed. Coimbra: Almedina,


1988. Vol. I.

VERÍSSIMO, Luis Fernando. “Metamorfose”. In: COSTA, Flávio Moreira


da (Org.). Os 100 Melhores Contos de Humor da Literatura
Universal. 5. ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 2001. p. 527-528

Bardo: Castelo do Tempo. Disponível em <http://bardo.castelodotempo.


com/poesias/eu-cantarei-de-amor-tao-docemente-camoes>.

Insite - Fernando Pessoa. Disponível em <http://www.insite.com.br/


art/pessoa/cancioneiro/195.html>.

Mundo Cultural. Disponível em <http://www.mundocultural.com.br/


analise/barca_gvicente.pdf>.

FIQUE ATENTO!

NA PRÓXIMA UNIDADE VEREMOS:


• Literatura, história, cultura.
• Narrativa em língua portuguesa.
• Poesia em língua portuguesa.

UESC Letras Vernáculas 33

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 33 5/7/2010 11:27:42
Suas anotações
______________________________________________________________
______________________________________________________________
______________________________________________________________
_________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS.indd 34 5/7/2010 11:27:42
Objetivos unidade
2
Ao final da unidade, o aluno será capaz de:

• entender as relações entre a linguagem


literária, a história e a cultura dos
países de língua portuguesa e
• comparar as representações literárias
dos países de língua portuguesa.

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 35 4/10/2010 14:13:20
LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 36 4/10/2010 14:13:21
UNIDADE 2

2
1 INTRODUÇÃO

Unidade
Você costuma pensar acerca das relações entre história,
literatura e cultura? Em sua opinião, essas três práticas humanas
estão em uma relação hierárquica? O que seria mais importante: a
cultura? a história? a literatura? Por quê?
Para que você possa responder a essas questões, precisamos
definir esses três campos do saber e do pensamento humanos.
Em primeiro lugar, vamos nos ocupar da cultura. Veja as
imagens 1, 2 e 3:

Figura 1- Capoeirista Figura 2 - Palhaço Kaviula do Huambo


Fonte: generationproject.files.wordpress Figura 3 - Fadista
Fonte: kimboleitu.blogspot.com
Fonte: bilhetepostal.blogs.sapo

A figura 1 nos mostra dois capoeiristas, em pleno jogo. A


capoeira é, em suas bases, uma forma de luta desenvolvida pelos
escravos que chegavam ao Brasil e precisavam livrar-se do jugo da
escravidão, defendendo-se e atacando os brancos que os compravam
e dominavam, obrigando-os a trabalharem incansavelmente, muitas
vezes sem nem mesmo serem alimentados. Como não tinham acesso
às armas dos dominadores, eles usavam o próprio corpo como

UESC Letras Vernáculas 37

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 37 4/10/2010 14:13:21
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

arma. Durante muitos séculos, a capoeira e seus praticantes foram


marginalizados e perseguidos, somente a partir da segunda metade
do século XX, alcançaram certa liberdade e, hoje, a capoeira é uma
SAIBA MAIS manifestação cultural afro-brasileira, procurada por turistas internos
Libertação de Angola – An-
gola esteve, até 1975, sob
e externos.
o domínio português e sob Na figura 2, vemos a imagem de um palhaço (kaviula do
o controle de três grupos
nacionalistas MPLA, UNITA Huambo), nas terras de Wambu Kalunga, em Angola. A permanência
e FNLA. O MPLA, que do-
minava a capital, Luanda, dessas manifestações primitivas em determinados grupos étnicos
proclamou a Independência
da República Popular de An- aponta para a força do povo angolano, pois o respeito, o conhecimento
gola às 23:00 horas do dia
11 de novembro de 1975, e a manutenção das raízes culturais das sociedades sustentam, muitas
pela voz de Agostinho Neto,
dizendo: diante de África e vezes, sua soberania. Assim, após tantas guerras, tantas cisões
do mundo proclamo a Inde-
pendência de Angola. As lu- internas, em pleno século XXI, uma figura da tradição ainda pode ser
tas se arrastaram por muito
tempo, em movimento ini-
vista, o que indica que Angola, a Nação angolana, sobreviveu.
ciado no dia 4 de fevereiro
de 1961. Agostinho Neto,
Veja Angola no mapa:
esse guerreiro poeta, líder
do MPLA, foi o primeiro Pre-
sidente do país.
Figura 4 - Fonte: http://www.pedroozorio.com.br/amigos/luta_angola.htm

SAIBA MAIS

Cultura - desenvolvimento
dos conhecimentos e das
capacidades intelectuais,
quer em geral, quer num
domínio particular. For-
mas coletivas de pensar e
de sentir, conjunto de cos-
tumes, de instituições e de
obras que constituem a he-
rança social de uma comu-
nidade ou grupo de comu-
nidades.
Cantares Trovadorescos
– poesia popular primitiva
típica da Europa medieval Na figura 3, está traçada a figura de uma fadista. O fado é uma
e que teve grande voga em
Portugal. Dividida em Can- das manifestações musicais mais tradicionais de Portugal. Remonta
tigas de Amor (o trovador
canta a sua Senhora), Can- suas origens aos cantares trovadorescos e normalmente tematiza
tigas de Amigo (o trovador
assume uma voz feminina a saudade, a perda amorosa, ligando-se ao lirismo mais antigo da
e canta o amor pelo Ami-
go que, em geral, está em
Península Ibérica.
guerra), Cantigas de Escár-
nio e Maldizer (o trovador
Como você pode perceber, cultura é tudo aquilo que o homem
ironiza e critica figuras da cria para relacionar-se com o mundo natural em que nasce, para
corte e do povo).
Fado – música melancóli- compreendê-lo, para dominá-lo. Assim, são manifestações culturais
ca portuguesa, geralmente
cantada por uma mulher, a música, a religião, a dança, a culinária, a arquitetura, a literatura,
que lamenta o amor perdi-
do. a pintura etc.

38 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 38 4/10/2010 14:13:23
A cultura, no entanto, não é criação adâmica, isto é, não vem
do nada, ela vem das necessidades do homem, de acordo com seu
tempo (e seu lugar) e as exigências que esse tempo lhe impõe. Agora
que tocamos na ideia de tempo, podemos pensar na História.
De que se faz a História de um povo e de um país?
De documentos, situações, personagens importantes...
A história é uma narrativa oficial, que ordena, de acordo com um
ponto de vista determinado, o que é relevante para que se defina a
Fato – situação verdadei-
identidade de um grupo social, de uma Nação. Nesse processo, entram ra, real, incontestável. Na
perspectiva da História, até
fatos como guerras, revoltas, assinaturas de tratados; documentos obras artísticas podem ser
consideradas “fatos”, basta

2
como testamentos, atas governamentais, registros de nascimento, serem vistas como retratos
de pessoas e situações de
existência comprovada.
leis, constituições etc.; figuras como reis, príncipes, a nobreza em

Unidade
geral, o clero, generais, soldados e, algumas vezes, pessoas do povo,
anônimos que têm função fundamental em determinadas situações.
Hoje, a história não é escrita apenas nessa perspectiva dos
grandes, ela inclui as mulheres e suas práticas culturais, as quais
definem sua identidade; os negros e suas raízes que interagiram com
a cultura dos lugares para onde foram levados; as crianças, que já
foram consideradas adultos em miniatura, mas que, com a ascensão
da burguesia e a constituição do núcleo familiar burguês, ganharam
identidade própria e têm uma história particular; os livros, sim, os
livros, que não foram sempre tão coloridos, em papéis tão bonitos,
mas que já passaram por inúmeras mudanças de forma, material etc.
É possível, então, percebermos que, na perspectiva
contemporânea, a História e a Cultura andam de mãos dadas, uma
se constrói, se mantém e se refaz em diálogo com a outra.
E a Literatura? Qual seria o lugar dela nesse processo interativo?
SAIBA MAIS
Bem, você precisa saber o que é Literatura. É possível entendermos
Burguesia – classe social
Literatura como o texto cuja linguagem é esteticamente construída surgida na primeira Idade
Média europeia (séculos XI
para transformar e comover o leitor, através do uso das faculdades e XII), a partir do renasci-
mento comercial e urbano.
imaginárias, tanto do escritor, como de seu público. Trabalhava com o comércio
de mercadorias e com a
Quando falamos em texto construído para um determinado prestação de serviços finan-
fim, implicitamente falamos que alguém criou esse texto e que esse ceiros.

alguém – o escritor – fez essa criação a partir de um tempo e de um Família Burguesa – grupo
nuclear (pai, mãe, filhos),
lugar, isto é, estamos, então, afirmando que o texto literário surge ligado às atividades econô-
micas da sociedade, e que
dos condicionamentos históricos e culturais, de quem o produz. E se opõe à família aristocrá-
tica, formada por núcleos
como ele é escrito para um leitor que o escritor imagina existir, esse variados e ligada por laços
de nobreza, poder e pro-
leitor imaginado também é condicionado histórica e culturalmente. priedade.

UESC Letras Vernáculas 39

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 39 4/10/2010 14:13:23
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

Referimo-nos anteriormente, quando estudamos cultura, ao Fado


português, apontando suas origens. Ouça um belíssimo exem-
plar dessa música tradicional portuguesa no endereço <http://
www.youtube.com/watch?v=1YriVM8sC7M>. Depois, ou-
ça a Cantiga de Amigo “Ondas do Mar de Vigo”, no endereço
<http://www.youtube.com/watch?v=IhrtApWvyjg>. O
poema medieval, de Martin Codax, segue abaixo:

Ondas do mar do Vigo,


se vistes meu amigo!
e ai, Deus, se verrá cedo!

Ondas do mar levado,


se vistes meu amado!
e ai, Deus, se verrá cedo!

Se vistes meu amigo,


o por que eu sospiro!
e ai, Deus, se verrá cedo!

Se vistes meu amado,


por que hei gram cuidado!
e ai, Deus, se verrá cedo!

Fonte: http://www.agal-gz.org/modules.php?name=Biblio&rub=mostra_libro&id_livre=347

Agora, pense conosco: o Fado cantado por Amália Rodrigues e


a Cantiga de Amigo que você ouviu e leu têm elementos em comum.
As duas vozes femininas lamentam a perda, a saudade do amado,
que foi levado pelo mar. Amália Rodrigues canta o marinheiro que se
vai, a cantiga medieval canta o Cruzado que luta pela fé e pela posse
da terra. O mar, grande vilão e grande amigo, leva os portugueses
para longe, na Idade Média e no século XX.
Essas duas pequenas obras de arte, que misturam poesia e
música, estão intimamente ligadas a seu tempo e a seu lugar: Amália
Rodrigues canta em um Portugal dominado pela ditadura salazarista,
quando ter ideias políticas e sociais era um grave perigo. Assim,
cantar um eu-lírico desolado pela saudade seria uma metáfora de
segurança, que garantiria a permanência da arte e de seu intérprete.

40 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 40 4/10/2010 14:13:23
Martin Codax canta o necessário afastamento do homem para
integrar-se aos grupos de Cruzados, representando a Igreja e os SAIBA MAIS

Reis, e deixando para trás famílias inteiras desamparadas – colocar Salazarismo/Ditadura Sa-

numa voz feminina esse lamento poderia ser uma forma de protesto lazarista – Regime político
autoritário estabelecido em
velado e resguardado pelas convenções sociais vigentes. Portugal por Antônio de Oli-
veira Salazar, desde 1933,
O que queremos que você perceba é que a elaboração artística
só tendo fim em 25 de abril
da linguagem, no campo literário, parte das provocações e das de 1974, com a Revolução
dos Cravos.
necessidades de uma época e de uma cultura. A Literatura, portanto,
não existe por si só, ela só existe em diálogo com a História e a Revolução dos Cravos - le-
vante conhecido por 25 de
Cultura. abril ou Revolução dos Cra-

2
Há, ainda, outro aspecto que precisamos ressaltar nessa vos, foi conduzido por uma
maioria de capitães e ofi-
relação entre História, Literatura e Cultura. Durante o século XIX, os

Unidade
ciais menores do MFA, que
estudos históricos ganharam muita força e se tornaram a força motriz tinham participado na Guer-
ra Colonial. Esta revolução
do conhecimento humano. A Literatura não escapou desse olhar libertou politicamente o

historicista e o resultado foi a necessidade que os historiadores e os povo português do domínio


do Salazarismo.
literatos sentiram de ordenar os “fatos” literários, isto é, os autores e
suas obras, de acordo com seu grau de importância para cada Nação.
Construiu-se, então, um poderoso instrumento de “ensino da PARA CONHECER
Literatura”: a periodologia literária. Trata-se da separação e nomeação Sugerimos que você acesse
de períodos literários específicos, a partir de critérios históricos e <http://www.youtube.com/
watch?v=RhDXm9fu1P0>
políticos (nacionalismo) ou estéticos (formas e temas mais frequentes para ver como foi a Revo-
lução dos Cravos. E ouça a
em certo tempo e lugar), ou, ainda, combinando história, política e
música “Tanto Mar”, de Chico
estética. Buarque, em <http://www.
flickr.com/photos/eduar-
Desse processo, saíram os estilos de época que são estudados
do_dacosta/2488144827/>.
nas escolas brasileiras. Daí, também, saíram os esforços intelectuais Isso pode ajudá-lo a enten-
der melhor as relações en-
para que se construíssem os “cânones” literários de cada Nação.
tre a literatura, a música, a
Cânone literário é o grupo de escritores e obras mais representativos política, a história, a cultura.

de cada período ou estilo, de acordo com os pressupostos e os critérios


dos intelectuais que os escolhem. Por exemplo: como no Brasil,
durante muito tempo, o critério nacionalista, de pressuposto utópico,
foi predominante, um escritor como Lima Barreto não compunha o
cânone literário nacional, mas hoje isso mudou, pois, embora ainda
trabalhemos com o critério nacionalista, nossos pressupostos estão
ligados à cultura, à crítica, à história que não tem como sujeito apenas
os grandes vencedores.
Assim, temos no eixo Brasil-Portugal os seguintes períodos
literários ou escolas literárias:

UESC Letras Vernáculas 41

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 41 4/10/2010 14:13:23
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

Do século V d.C
IDADE MÉDIA Portugal Martin Codax, D. Dinis ao Século XV d. C

HUMANISMO Portugal Fernão Lopes Século XV

Portugal Camões
RENASCIMENTO Século XVI
Brasil Literatura Jesuítica

Portugal D. Francisco M. de Melo Século XVII


BARROCO
Brasil Pe. Antonio Vieira

ILUMINISMO Portugal Bocage


Tomás Antonio Gonzaga Século XVIII
NEOCLASSICISMO Brasil
ARCADISMO

Portugal Almeida Garrett


ROMANTISMO Século XIX
Brasil Alexandre Herculano
José de Alencar
Álvares de Azevedo

REALISMO Portugal Eça de Queirós Século XIX


NATURALISMO Brasil Machado de Assis
SIMBOLISMO

Portugal Cesário Verde


PARNASIANISMO Século XIX
Brasil Antero de Quental
Olavo Bilac

Portugal Camilo Pessanha


SIMBOLISMO Século XIX/XX
Brasil Cruz e Souza

Portugal Fernando Pessoa


MODERNISMO Século XX
Brasil Mário de Andrade

Portugal José Saramago


CONTEMPORANEIDADE Século XX/XXI
Brasil Rubem Fonseca

SAIBA MAIS
Camões – considerado
maior poeta da língua portu- 2 LITERATURA, HISTÓRIA, CULTURA
guesa, comparado a Vergílio,
Dante e Shakespeare.

Renascimento – movi- Como temos discutido, a literatura, a história e a cultura


mento estético que vai de
meados do século XV ao caminham lado a lado e trocam estratégias e sentidos todo o tempo.
final do século XVI. É o pe-
ríodo Manuelino em Portu- Um texto literário se compõe na história e na cultura; a história se
gal, marcado pelas grandes
navegações e caracterizado constrói, muitas vezes, a partir de obras literárias e, sempre, com
pelo antropocentrismo, pelo
retorno às regras clássicas,
pelo uso da mitologia.
base nas marcas culturais de cada grupo ou Nação. A cultura se
Antropocentrismo – con- faz no cotidiano das comunidades, a partir do momento e do lugar.
cepção do homem como
centro do universo, não Então, para estudarmos as literaturas de língua portuguesa, objetivo
mais, como desejava a Igre-
ja, Deus como o núcleo de fundamental desta Disciplina, precisamos dialogar constantemente
todos os mundos – o visível
e o invisível. com a história e a cultura dos países cujas literaturas enfocarmos.
Epopeia – poesia narrativa Separamos três textos literários para abordarmos. O primeiro
extensa, de natureza herói-
ca, que conta uma série de pertence ao Renascimento português, foi escrito por Camões,
feitos significativos de heróis
reais, lendários ou mitológi- considerado o maior poeta da língua portuguesa, autor da grande
cos.

42 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 42 4/10/2010 14:13:23
epopeia Os Lusíadas (façam download gratuito da obra no endereço
<http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/bv000162.
pdf>). O segundo poema foi escrito por Agostinho Neto, poeta angolano
que se tornou o primeiro presidente da Angola livre. O último dos três
poemas foi escrito pelo brasileiro Cacaso, poeta dito marginal, que
durante os anos de ferro da ditadura protestava poeticamente contra
os desmandos militares.

Texto 1: Sugerimos que você assista


a uma curiosa e divertida
Soneto animação construída a partir
Luís de Camões

2
d este p
deste poema, no endereço:
<http://www.youtube.com/
watch?v=re3_5iOr5GU>.

Unidade
Sete anos de pastor Jacó servia
Labão, pai de Raquel, serrana bela;
Mas não servia ao pai, servia a ela,
E a ela só por prêmio pretendia.

Os dias, na esperança de um só dia,


Passava, contendo-se com vê-la;
Porém o pai, usando de cautela,
Em lugar de Raquel lhe dava Lia.

Vendo o triste pastor que com enganos


Lhe fora assim negada a sua pastora,
Como se a não tivera merecida,

Começa de servir outros sete anos,


Dizendo — mais servira, se não fora
Para tão longo amor tão curta a vida!
Figura 5 - Luís de Camões por François
Gérard. Fonte:pt.wikipedia.org

Fonte: http://www.algumapoesia.com.br/poesia/poesianet038.htm

Texto 2:
Adeus à Hora da Largada (excerto)
Agostinho Neto

Minha mãe
(todas as mães negras
cujos filhos partiram)
tu me ensinaste a esperar
como esperaste nas horas difíceis
Mas a vida
matou em mim essa mística esperança Figura 6 - Agostinho Neto
Fonte: www. 27maio.com/agostinho-
Eu já não espero neto-uma-vida-sem-treguas/

sou aquele por quem se espera


Sou eu minha mãe

UESC Letras Vernáculas 43

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 43 4/10/2010 14:13:23
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

a esperança somos nós


PARA CONHECER
os teus filhos
Queremos que você conheça
partidos para uma fé que alimenta a vida
um pouco acerca desse ser
humano privilegiado que foi
Agostinho Neto e também (...)
um pouco acerca de Ango-
la, de onde vieram tantos Amanhã
irmãos durante o período da
entoaremos hinos à liberdade
escravidão no Brasil e, ainda
quando comemorarmos
hoje, de onde herdamos tan-
tas marcas culturais. Visite o a data da abolição desta escravatura
site da Fundação Dr. António
Agostinho Neto, no endereço
http://www.sitedeliteratura.com/Poesias/A_neto1.htm
<www.agostinhoneto.org> ,
lá você encontrará informa-
ções preciosas acerca desse
modelo de cidadão. E sobre
a história de Angola, visite a
Texto 3:
página <http://www.terras-
deveracruz.freewebpages. Jogos Florais
org/angola.htm>.
Cacaso
I
Minha terra tem palmeiras
onde canta o tico-tico.
Enquanto isso o sabiá
vive comendo o meu fubá.

Ficou moderno o Brasil


ficou moderno o milagre:
a água já não vira vinho,
vira direto vinagre.

II
Minha terra tem Palmares
memória cala-te já.
Peço licença poética
SAIBA MAIS
Belém capital Pará.
Cacaso – um dos grandes
nomes da poesia margi-
Bem, meus prezados senhores
nal brasileira da década de
dado o avançado da hora
1970.
Poesia Marginal – duran- errata e efeitos do vinho
te os anos da ditadura mi- o poeta sai de fininho.
litar brasileira, instaurada a
partir de 1964, surgiu uma (será mesmo com dois esses
geração de poetas que fi-
que se escreve paçarinho?)
cou conhecida pelo nome
de “geração mimeógrafo” ou Fonte: http://www.algumapoesia.com.br/poesia2/poesianet174.htm
“geração marginal.” Como
produziam suas obras fora
do circuito oficial das edito-
ras, para fugirem ao cerco
da censura, criaram edições
independentes, de baixo
custo, feitas muitas vezes
em mimeógrafos e vendidas
nas Universidades, nos ba-
res, nas ruas. Nesse contex-
to de ditadura é que surgiu o
Figura 7 - Cacaso (Antonio Carlos de Brito)
poeta Cacaso. Fonte: http://oglobo.globo.com/fotos/2009/
03/16/16_MHG_rshow_cacaso.jpg

44 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 44 4/10/2010 14:13:24
Vamos começar refletindo sobre o Texto 1: o soneto camoniano.
Para trabalhar com o tema do amor constante, fiel, perseverante,
verdadeiro e cristão, Camões recorre a uma passagem bíblica, a qual,
por sua vez, remete a práticas culturais judaicas daqueles tempos.
Jacó personifica o homem que ama e que não se deixa abater na
luta pelo seu amor. Muito provavelmente, os leitores/ouvintes de
Camões conheciam a história de Jacó, Raquel, Labão, Lia, o que lhes
teria facilitado um processo de identificação entre o poema, a fé
cristã, a cultura judaica, muito forte na Península Ibérica e a cultura
Portuguesa, que então se engendrava, construía, consolidava.

2
No Texto 2, Agostinho Neto tematiza as dores das lutas contra
o domínio português, recorrendo à ideia da pátria como mãe. Nos

Unidade
primeiros versos, o eu-lírico traz à palavra o longo aprendizado da
paciência, da história e da cultura, marcado pelo desespero, ainda que
necessário, para que se pudessem alcançar os resultados desejados.
A literatura, a partir dessa leitura, é instrumento de conscientização
dos diferentes segmentos sociais que compunham a massacrada ATENÇÃO

sociedade angolana. Falar de linguagem intran-


sitiva significa entender a
No Texto 3, o brasileiro Cacaso faz uma brincadeira com a linguagem literária como
aquela que vale por si mes-
tradição poético-romântica e a tradição musical popular para aludir à
ma, que não dialoga com
situação política do Brasil na década de 1970. Palmeiras confunde-se o mundo. É exatamente o
contrário do que estamos
com Palmares, a voz da memória é silenciada, a corrupção ressalta discutindo. Aqui, entende-
mos que a linguagem literá-
como marca de nossa sociedade. ria é transitiva, isto é, está
Nesses três poemas, podemos observar que a linguagem sempre interagindo com a
história, a cultura, a vida,
é plasmada numa relação de interação entre o fazer literário, a enfim.

sociedade, a cultura, a história. Na literatura ocidental, e nas


literaturas de língua portuguesa em particular, a linguagem não é
intransitiva, ela está em diálogo com o mundo que a engendra e que
PARA CONHECER
é engendrado por ela. Segundo Laraia,
A herança cultural opera sobre todas as formas de ação do
O modo de ver o mundo, as
homem. Os indivíduos não participam de todos os aspectos de sua apreciações de ordem moral
e valorativa, os diferentes
cultura, mas dominam alguns deles e constroem o mundo à sua volta comportamentos sociais e
a partir daquilo que dominam. Trazendo essa reflexão para o campo mesmo as posturas corporais
são assim produtos de uma
literário, e compreendendo a literatura como uma prática cultural, herança cultural, ou seja,
o resultado da operação de
logo, um produto histórico do homem sobre o que o cerca, pode- uma determinada cultura
(LARAIA, 2003, p. 68).
se deduzir que a obra literária não nasce do nada, ela responde às
expectativas e necessidades de um dado grupo social e viabiliza a
interação dos sujeitos que a produzem e a leem, com esse grupo e
com outros, aos quais ela chega.
Para escrever e para ler a obra literária, então, precisamos
trabalhar com a história do grupo em que ela nasceu, precisamos
descobrir suas práticas culturais, precisamos compreender suas

UESC Letras Vernáculas 45

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 45 4/10/2010 14:13:24
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

marcas sociais.
Dessa forma, para produzirmos sentido para o Texto 1,
de Camões, devemos pensar no Portugal quinhentista, marcado
pelas glórias dos Descobrimentos e também pelas profundas
transformações sociais acarretadas por esse processo. Ao lermos o
poema de Agostinho Neto, devemos pensar na Angola das décadas
de 1950, 1960, dominada por Portugal, país que, nesse momento,
vivia uma rigorosa ditadura e que espalhava por suas colônias as
dores desse regime. Precisamos pensar que esse poeta era um negro,
um angolano verdadeiro, que precisava pedir licença para caminhar
pelas ruas de sua terra, tomadas todas por brancos que enriqueciam
às custas do sangue do povo africano. Para dialogarmos com o Texto
ATENÇÃO 3, de Cacaso, devemos nos reportar ao Brasil da década de 1970, em
Relação transitiva, repeti- plena ditadura militar, vivendo o “milagre brasileiro”, que encobria a
mos, é aquela em que há
trocas. Assim, entre a Lite- dureza das imensas desigualdades sociais, disfarçadas num pseudo-
ratura, a História e a Cultu-
ra há um diálogo constante,
crescimento econômico, só vivenciado pelas classes privilegiadas.
o que significa que uma se Devemos pensar, também, na ação dos censores, que obrigavam
plasma na outra.
nossos poetas a desenvolverem estratégias de linguagem que levaram
a poesia dessa época a ter uma força extraordinária.
Observem que há séculos de diferença entre Camões e
PARA CONHECER
Agostinho Neto e Cacaso, mas os três percebem que a linguagem
Segundo Jobim,
literária não está fechada em si mesma, que ela interage com a vida
O autor produz e o receptor
a seu redor.
lê uma obra considerada ‘li-
terária’ dentro de um qua- Pensem na questão que colocamos no início da unidade: a
dro de referências em que
outras obras ‘literárias’ já literatura, a história e a cultura não guardam distinções hierárquicas,
foram e estão sendo produ-
zidas. É neste horizonte que
elas interagem o tempo todo. O texto literário só existe na história
se manifesta a nova obra: e na cultura e essa relação é transitiva e acarreta um processo de
a partir de uma concepção
determinada pelas normas reciprocidade constante.
vigentes, tanto o autor pode
reivindicar produzir quanto
Podemos observar, nas palavras de José Luis Jobim, que
o leitor pode reivindicar ler essa relação interativa entre literatura/história/cultura viabiliza a
uma obra enquadrada como
literária (JOBIM, 1996, construção de critérios de julgamento e avaliação das obras, bem
p.70).
como padrões de produção e consumo de bens artístico-culturais.

3 NARRATIVA EM LÍNGUA PORTUGUESA

Vamos comparar, agora, duas narrativas escritas em língua


portuguesa:

TEXTO 4
SOLFIERI
Álvares de Azevedo

46 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 46 4/10/2010 14:13:25
...Yet one Kiss on your pale Clay
And those lips once so warm – my heart! my heart.
BYRON, Cain

Sabeis-lo. Roma é a cidade do fanatismo e da perdição:


na alcova do sacerdote dorme a gosto a amásia, no leito da
vendida se pendura o crucifixo lívido. É um requintar de gozo
blasfemo, que mescla o sacrilégio à convulsão do amor, o beijo
lascivo à embriaguez da crença!
Era em Roma. Uma noite a lua ia bela como vai ela no
verão por aquele céu morno, o fresco das águas se exalava como

2
um suspiro do leito do Tibre. A noite ia bela. Eu passeava a sós
pela ponte de... As luzes se apagaram uma por uma nos palácios,

Unidade
as ruas se faziam ermas, e a luz de sonolenta se escondia no
leito de nuvens. Uma sombra de mulher apareceu numa janela
solitária e escura. Era uma forma branca. – A face daquela
mulher era como de uma estátua pálida à lua. Pelas faces dela,
como gotas de uma taça caída, rolavam fios de lágrimas.
Eu me encostei à aresta de um palácio. A visão
desapareceu no escuro da janela... e daí um canto se derramava.
Não era só uma voz melodiosa: havia naquele cantar um como
choro de frenesi, um como gemer de insânia: aquela voz era
sombria como a do vento à noite nos cemitérios, cantando a
nênia das flores murchas da morte.
Depois o canto calou-se. A mulher apareceu na porta.
Parecia espreitar se havia alguém nas ruas. Não viu ninguém:
saiu. Eu segui-a.
A noite ia cada vez mais alta: a lua sumira-se no céu,
e a chuva caía às gotas pesadas: apenas eu sentia nas faces
caírem-me grossas lágrimas de água, como sobre um túmulo
prantos de órfão.
Andamos longo tempo pelo labirinto das ruas: enfim ela
parou: estávamos num campo.
Aqui, ali, além eram cruzes que se erguiam de entre
o ervaçal. Ela ajoelhou-se. Parecia soluçar: em torno dela
passavam as aves da noite.
Não sei se adormeci: sei apenas que quando amanheceu
achei-me a sós no cemitério. Contudo a criatura pálida não
fora uma ilusão: as urzes, as cicutas do campo santo estavam
quebradas junto a uma cruz.
O frio da noite, aquele sono dormido à chuva, causaram-
me uma febre. No meu delírio passava e repassava aquela
brancura de mulher, gemiam soluços, e todo aquele devaneio se
perdia num canto suavíssimo...
Um ano depois voltei a Roma. Nos beijos das mulheres
nada me saciava; no sono da saciedade me vinha aquela visão...
Uma noite, e após uma orgia, eu deixara dormida no
leito dela a condessa Barbora. Dei um último olhar àquela forma
nua e adormecida com a febre nas faces e a lascívia nos lábios
úmidos, gemendo ainda nos sonhos como na agonia voluptuosa
do amor. Saí. Não sei se a noite era límpida ou negra; sei apenas
que a cabeça me escaldava de embriaguez. As taças tinham
ficado vazias na mesa: aos lábios daquela criatura eu bebera até

UESC Letras Vernáculas 47

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 47 4/10/2010 14:13:25
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

a última gota o vinho do deleite...


Quando dei acordo de mim estava num lugar escuro: as
estrelas passavam seus raios brancos entre as vidraças de um
templo. As luzes de quatro círios batiam num caixão entreaberto.
Abri-o: era o de uma moça. Aquele branco da mortalha, as
grinaldas da morte na fronte dela, naquela tez lívida e embaçada,
o vidrento dos olhos mal-apertados... Era uma defunta!... E
aqueles traços todos me lembraram uma ideia perdida... – Era o
anjo do cemitério! Cerrei as portas da igreja, que ignoro por que
eu achara abertas. Tomei o cadáver nos meus braços para fora
do caixão. Pesava como chumbo...
Sabeis a história de Maria Stuart degolada e do algoz,
‘do cadáver sem cabeça e do homem sem coração’ como a
conta Brantôme? – Foi uma ideia singular a que eu tive. Tomei-a
no colo. Preguei-lhe mil beijos nos lábios. Ela era bela assim:
rasguei-lhe o sudário, despi-lhe o véu e a capela como o noivo
os despe à noiva. Era mesmo uma estátua: tão branca era ela.
A luz dos tocheiros dava-lhe aquela palidez de âmbar que lustra
os mármores antigos. O gozo foi fervoroso – cevei em perdição
aquela vigília. A madrugada passava já frouxa nas janelas.
Àquele calor de meu peito, à febre de meus lábios, à convulsão
de meu amor, a donzela pálida parecia reanimar-se. Súbito abriu
os olhos empanados. Luz sombria alumiou-os como a de uma
estrela entre névoa, apertou-me em seus braços, um suspiro
ondeou-lhe nos beiços azulados... Não era já a morte: era
um desmaio. No aperto daquele abraço havia contudo alguma
cousa de horrível. O leito de lájea onde eu passara uma hora de
embriaguez me resfriava. Pude a custo soltar-me daquele aperto
do peito dela... Nesse instante ela acordou...
Nunca ouvistes falar de catalepsia? É um pesadelo
horrível aquele que gira ao acordado que emparedam num
sepulcro; sonho gelado em que se sentem os membros tolhidos
e as faces banhadas de lágrimas alheias, sem poder revelar a
vida!
A moça revivia a pouco e pouco. Ao acordar desmaiara.
Embucei-me na capa e tomei-a nos braços coberta com seu
sudário como uma criança. Ao aproximar-me da porta topei
num corpo, abaixei-me, olhei: era algum coveiro do cemitério
da igreja que aí dormira de ébrio, esquecido de fechar a porta...
Saí. Ao passar a praça encontrei uma patrulha.
- Que levas aí?
A noite era muito alta: talvez me cressem um ladrão.
- É minha mulher que vai desmaiada...
- Uma mulher!... Mas essa roupa branca e longa? Serás
acaso roubador de cadáveres?
Um guarda aproximou-se. Tocou-lhe a fronte: era fria.
- É uma defunta...
Cheguei meus lábios aos dela. Senti um bafejo morno.
– Era a vida ainda.
- Vede – disse eu.
O guarda chegou-lhe os lábios: os beiços ásperos
roçaram pelos da moça. Se eu sentisse o estalar de um beijo...
o punhal já estava nu em minhas mãos frias...
- Boa noite, moço, podes seguir – disse ele.
Caminhei. Estava cansado.Custava a carregar o meu

48 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 48 4/10/2010 14:13:25
fardo; e eu sentia que a moça ia despertar. Temeroso de que
ouvissem-na gritar e acudissem, corri com mais esforço...
Quando eu passei a porta ela acordou. O primeiro som
que lhe saiu da boca foi um grito de medo...
Mal eu fechara a porta, bateram nela. Era um bando
de libertinos meus companheiros que voltavam da orgia.
Reclamaram que abrisse.
Fechei a moça no meu quarto, e abri.
Meia hora depois eu os deixava na sala bebendo ainda. A
turvação da embriaguez fez que não notassem minha ausência.
Quando entrei no quarto da moça vi-a erguida. Ria de
um rir convulso como a insânia, e frio como a folha de uma
espada. Trespassava de dor o ouvi-la.

2
Dois dias e duas noites levou ela de febre assim... Não
houve sanar-lhe aquele delírio, nem o rir do frenesi. Morreu

Unidade
depois de duas noites e dois dias de delírio.
À noite saí; fui ter com um estatuário que trabalhava
perfeitamente em cera, e paguei-lhe uma estátua dessa virgem.
Quando o escultor saiu, levantei os tijolos de mármore
de meu quarto e com as mãos cavei aí um túmulo. Tomei-a
então pela última vez nos braços, apertei-a a meu peito muda e
fria, beijei-a e cobri-a adormecida do sono eterno com o lençol
de seu leito. Fechei-a no seu túmulo e estendi meu leito sobre
ele.
Um ano – noite a noite – dormi sobre as lajes que a
cobriam... Um dia o estatuário me trouxe a sua obra. Paguei-lha
e paguei o segredo...
Não te lembras, Bertram, de uma forma branca de mulher
que entrevistes pelo véu do meu cortinado? Não te lembras que
eu te respondi que era uma virgem que dormia?
- E quem era essa mulher, Solfieri?
- Quem era? Seu nome?
- Quem se importa com uma palavra quando sente
que o vinho queima assaz os lábios? Quem pergunta o nome
da prostituta com quem dormiu e sentiu morrer a seus beijos,
quando nem há dele mister por escrever-lho na lousa?
Solfieri encheu uma taça e bebeu-a. Ia erguer-se da
mesa quando um dos convivas tomou-o pelo braço.
- Solfieri, não é um conto isso tudo?
- Pelo inferno que não! por meu pai que era conde e
bandido, por minha mãe que era a bela Messalina das ruas, pela
perdição que não! Desde que eu próprio calquei aquela mulher
com meus pés na sua cova de terra, eu vo-lo juro! – guardei-lhe
como amuleto a capela de defunta. Ei-la!
Abriu a camisa, e viram-lhe ao pescoço uma grinalda de
flores mirradas.
- Vedes-la? Murcha e seca como o crânio dela!

Fonte: http://www.baixaki.com.br/download/noite-na-taverna.htm

Sugerimos que você assista a um vídeo com es-te conto de Álvares de


Azevedo, no endereço http://www.youtube.com/watch?v=KGMwBDjoCsk.
Atente para as músicas que compõem a apresentação, que, por sinal, é
divertida e despretensiosa.

UESC Letras Vernáculas 49

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 49 4/10/2010 14:13:25
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

Figura 8 - Alvares de Azevedo


Figura 9 - Solferi - Fonte: http://www.
Fonte: pt.wikipedia.org
designup.pro.br/pro/Artemisa

TEXTO 5:

O Pároco da Aldeia (fragmento do Cap. 1)


Alexandre Herculano
CAPÍTULO I: A Aldeia e o Presbitério

Uma das cousas que nas recordações da juventude


ainda espiram para mim poesia e saudade é a imagem de um
velho prior d’aldeia que conheci na minha meninice. Hoje tão
bondosos, tão alegres, tão veneraveis, ha-os por certo ahi, e
muitos: eu é que não sei conhecê-los. A auréola, que então
rodeava as cans do sacerdote ancião, desvaneceu-se pouco a
pouco; desvaneceu-a a experiencia do mundo, como tantas mil
crenças e imaginações de outr’ora! Elle morreu já, por certo;
mas vivo que fosse, eu não sentiria ao vê-lo, ao falar-lhe, aquella
especie de alegria timida, de confiança receiosa que nesse
tempo o bom do velho me inspirava. Parecia-me que estando
ao pé delle estava mais perto de Deus, cujo valído, por assim
dizer, era o padre prior. Não sabia o sacerdote essa lingua que
eu cria falar-se no ceu, o latim, que então era para mim cousa
mysteriosa e sancta? Não trajava ás vezes os trajos da côrte
celeste, o amicto, a casula, o pluvial, com que estavam vestidos
alguns vultos de anjos pintados em tres ou quatro antiquissimos
quadros do presbyterio? Quando nas suas practicas, depois
da missa do dia, narrava os gosos da bemaventurança, os
tormentos do purgatorio, e os tractos intoleraveis do inferno,
não juraria qualquer que elle já peregrinára largos annos além
do sepulchro, ou que voz de cima lhe revelava tantas maravilhas
e tão solemnes terrores? Evidentemente o velho clerigo estava
mais perto dos degraus do throno divino que toda a outra gente,
e, por me servir da linguagem politica, exercia em nome do céu
uma delegação na terra; era uma especie de missus dominicus
da Providencia. E quando elle, apezar dos meus tenros annos,
me escolhia para acolyto, para estafar a porção de latim do

50 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 50 4/10/2010 14:13:25
missal, que as rubricas inexoraveis subtrahiam ao seu imperio,
sorriam-me as esperanças, algum tanto vaidosas, de obter
de Deus deferimento ás minhas pretenções infantis, como
costumam sorrir ao requerente, a quem deputado de grande
conta mostra familiaridade na presença de omnipotente ministro.
Hoje o latim do padre prior parecer-me-hia um tanto barbaro,
e talvez barbarissima a sua prosodia: nas vestes sacerdotaes
acharia os trajos romanos do imperio atravessando, immutaveis
como a igreja, por entre as transformações da moda e do luxo;
nos quadros do presbyterio riria da ignorancia e mau gosto do
pobre pintor; e nas descripções das venturas e tormentos da
outra vida descubriria unicamente uma incarnação grosseira em
imagens materiaes das revelações profundas do espiritualismo

2
christão. É que nesse tempo tudo me chegava aos olhos da alma
alumiado, risonho, variegado, porque tudo transparecia através

Unidade
de um prisma de sete côres, da innocencia singela e credula
da infancia; e hoje tudo me parece como a folha que cahiu da
arvore no outono, murcho e desbotado, passando através da
atmosphera nevoenta e triste da sciencia e do orgulho. Então o
velho parocho affigurava-se-me mais que um homem; hoje, na
escala das desigualdades humanas, provavelmente só acharia
para elle um bem modesto logar.
A aldeia em que o bom do clerigo pastoreava o seu
rebanho espiritual estava assentada na falda de um monte, e
pouco inferior a ella dilatava-se uma veiga, que ao longe, lá
bastante ao longe, ía bater no mar. No alto da povoação ficava o
presbyterio. Era a igreja, segundo hoje se me affigura (e tenho-a
bem presente) daquelle gosto duvidoso entre a architectura
christan que expirava, e a da restauração romana, que ainda
se não comprehendia: era um desses templosinhos construidos
nos fins do reinado de D. Manuel e durante o de D. João III, de
que tão grande numero resta ainda pelas parochias de Portugal,
e que são mais um argumento de que os nobres conquistadores
da India, donatarios das terras e padroeiros das igrejas, não
voltavam do oriente com as mãos vazias. A devoção nesses
tempos era um objecto de luxo: edificar uma igreja ou uma
capella equivalia a ter hoje um camarote em S. Carlos, ou um
cocheiro com estrigas de linho na cabeça e chapeu triangular.
´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´ Figura 10- Alexandre Herculano
Fonte: http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_ Fonte: pt.wikipedia.org
action=&co_obra=81915

PARA CONHECER

Alexandre Herculano – nasceu em Lisboa, no dia 28 de março de 1810, filho de Teodoro Cândido da Araújo e de D. Maria do Carmo de S.
Boaventura, filha de José Rodrigues de Carvalho, pedreiro empregado nas obras da Casa Real. Foi poeta, romancista, historiador e um dos
introdutores e guias do Romantismo português.

Álvares de Azevedo – nasceu em São Paulo, no dia 12 de setembro de 1831. Quando criança mudou-se com a família para o Rio de Janeiro,
onde cursou o primário. Em 1848, retornou a São Paulo e matriculou-se no curso de Direito. É o representante brasileiro mais legítimo
do mal-do-século, tendo sido fortemente influenciado por Lord Byron e Musset. Sua poesia é marcada pelo subjetivismo, melancolia e um
forte sarcasmo. Os temas mais comuns são o desejo de amor e a busca pela morte. O amor é sempre idealizado, povoado por virgens
misteriosas, que nunca se transformam em realidade, o que provoca a dor e a frustração que são acalmadas pela imagem da mãe e da irmã.

Romantismo - o romantismo é um período cultural, artístico e literário compreendido entre o final do século XVIII e o final do século XIX.
Suas primeiras manifestações regulares foram na Itália, na Alemanha e na Inglaterra. Entretanto, é na França que o movimento ganha força
e, através dos artistas franceses, os ideais românticos espalham-se pela Europa e pela América. As principais marcas desse período estético
e histórico são: valorização das emoções, liberdade de criação, amor platônico, temas religiosos, individualismo, nacionalismo e história.

UESC Letras Vernáculas 51

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 51 4/10/2010 14:13:26
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

No Texto 4, de Álvares de Azevedo, podemos observar uma


das faces do Romantismo ocidental: a sedução do misterioso,
do insólito, daquilo que os sentidos físicos não podiam explicar e,
consequentemente, levava o indivíduo a buscar uma alternativa
assustadora para o cotidiano decepcionante de cada um. Solfieri
apaixona-se por uma moribunda, por uma mulher que está com um
pé na morte e outro na vida. O processo da paixão é descrito por
imagens que sugerem o desvario, como se se apaixonar por alguém
significasse deixar o domínio da normalidade e fugir da vida. Percebe-
se isso, por exemplo, quando ele tira a moça de seu leito de morte e
a leva para sua casa. E, ainda, quando ele a sepulta sob sua cama,
colocando sobre a mesma uma estátua da amada morta. A íntima
associação entre a quase-morte e a sensualidade parece apontar para
a ideia de que amar implica morrer, deixar de existir para o mundo.
Nada mais “romântico”, não acham?
O texto 5, por sua vez, escrito por Alexandre Herculano, o
grande historiador de Portugal, aquele que soube casar como poucos
a ficção ao documento, fala de clérigos e de suas angústias, tais como
o celibato, que Herculano tematizou em Eurico, o presbítero. O trecho
destacado, pertencente ao capítulo um, descreve um velho clérigo,
seu presbitério e aldeia onde o exercia. Nesse fragmento, pode-se
observar que a linguagem de Herculano é bastante sugestiva, mas,
ao contrário da linguagem de Álvares de Azevedo, não provoca o
medo, provoca a curiosidade do leitor, apontando para aquilo que se
constituía o cotidiano do português oitocentista. Alexandre Herculano
constrói a história de Portugal de forma alternativa, pois ele traz para
suas narrativas visões diferentes dos fatos consagrados, criando,
pela ficção, um outro Portugal, um país sólido em suas tradições,
orgulhoso de seu passado, conhecedor de suas lutas.
Para Fábio Lucas (1989, p.28), “... a temática do Romantismo
é variada, complexas foram as soluções formais correspectivas”.
Assim, podemos encontrar dois escritores da mesma época e que
produzem textos tão diferentes na temática, na linguagem, na visão
de mundo.
O brasileiro Álvares de Azevedo depura as questões nacionalistas
num sensualismo mórbido europeizado, que parece remeter a uma
visão cética da vida social, um ponto de vista crítico, mas não nos
padrões comuns de mera representatividade nacional.
O português Alexandre Herculano ocupa-se “diretamente” da
história e da cultura portuguesa, colocando-as em diálogo com o teor
ficcional de seus textos.
Em ambos, a linguagem transita entre diferentes domínios: do

52 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 52 4/10/2010 14:13:26
ficcional, para o histórico, destes para o cultural e caminho inverso
também. Queremos que vocês compreendam que a literatura é
história, é vida, é cultura, é linguagem, certamente, mas linguagem
que se abre para a recriação de tido sobre o que se debruça.

4 POESIA EM LÍNGUA PORTUGUESA

Vamos, agora, trabalhar juntos dois poemas, um brasileiro,


um português. Antes, porém, vamos estudar o que é Métrica, Metro,

2
Rima, Ritmo.

Métrica é o estudo da contagem das sílabas tônicas do verso,

Unidade
juntamente com a rima, a métrica determina o ritmo do verso.
O ritmo existe na música e na poesia, mas é diferente em cada
uma. A música se rege pelo compasso, que é dividido em tempos.
O ritmo é representado, na pauta musical, pelas figuras (notas
musicais e pausas). No poema, há a figura da métrica que não é,
como na música, uma regência implacável sobre o ritmo, mas que
serve para compô-lo.

Metro é a medida do verso, ou seja, o número de sílabas


tônicas. O estudo do metro chama-se metrificação e escansão é a
contagem dos sons dos versos. As sílabas métricas, ou poéticas,
diferem das sílabas gramaticais em alguns aspectos. Lembraremos
algumas regras a esse respeito: contam-se as sílabas ou sons até a
tônica da última palavra de um verso. Exemplo:

A-mo-te, ó-cruz, no-vér-ti-ce-fir-ma/da = 11 sílabas

De es-plên-di-das-i-gre/jas = 6 sílabas

Mi-nha-mu-lher-ex-pi-rou = 7 sílabas

E as-bre/ves = 2 sílabas

Vir-gem-das-do/res = 4 sílabas

Fonte: http://bemaior.files.wordpress.com/2009/04/a-cruz-mutilada.pdf

De acordo com a metrificação, há diferentes tipos de verso,


que recebem nomes específicos:

Dodecassílabo: 12 sílabas

Ins | pi | ra | do^a | pen | sar | em | teu | per | fil | di | vi | (no)


1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12

Fonte: http://normattoso.sites.uol.com.br/versosde12.htm

UESC Letras Vernáculas 53

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 53 4/10/2010 14:13:26
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

Alexandrino – Dodecassílabo com tônica na sexta e na décima


segunda sílaba, formando dois hemistíquios.

Decassílabo: 10 sílabas (muito comum em sonetos e presente


em Os Lusíadas de Luís de Camões).

Não | tens | que | ças | da | que | lea | mor | ar | den | (te)


1 2 3 4 5 6 7 8 9 10

Heróico – Decassílabo com sílabas tônicas nas posições 6 e 10

Sáfico – Decassílabo com sílabas tônicas nas posições 4, 8 e 10

Martelo – Decassílabo Heróico com tônicas nas posições 3, 6 e 10

Gaita Galega ou Moinheira – Decassílabo com tônicas nas posições


4, 7 e 10

Redondilha maior ou heptassílabo: 7 sílabas

Se | nho | ra, | par | tem | tão | tris | (tes)


1 2 3 4 5 6 7

Fonte: http://texere.blogspot.com/2006/06/senhora-partem-to-tristes.html

Redondilha menor: 5 sílabas

Tan | tos | gri | tos | rou | (cos)


1 2 3 4 5

Fonte: http://www.paixaoeromance.com/70decada/valsinha/h_valsinha.htm

A lista geral de designações é a seguinte:


1. Monossílabo: 1 sílaba
2. Dissílabo: 2 sílabas
3. Trissílabo: 3 sílabas
4. Tetrassílabo: 4 sílabas
5. Pentassílabo ou Redondilha Menor: 5 sílabas
6. Hexassílabo ou Heróico Quebrado: 6 sílabas
7. Heptassílabo ou Redondilha Maior: 7 sílabas
8. Octossílabo: 8 sílabas
9. Eneassílabo: 9 sílabas
10. Decassílabo: 10 sílabas
11. Hendecassílabo: 11 sílabas
12. Dodecassílabo ou alexandrino: 12 sílabas poéticas.

54 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 54 4/10/2010 14:13:26
Rima é uma conformidade ou coincidência de fonemas, geralmente a partir
da última vogal tônica de cada verso. De acordo com o tipo de rima, os versos
podem ser consoantes, assonantes ou soltos. Veja os exemplos:

Olha estas velhas árvores, mais belas


Do que as árvores novas, mais amigas;
Tanto mais belas quanto mais antigas,
Vencedoras da idade e das procelas...
(Olavo Bilac)

2
Fonte: http://www.pensador.info/frase/NTE3NTIw/

Unidade
No exemplo acima, a coincidência de fonemas é perfeita, a
partir da última vogal tônica, então, as rimas são consoantes: belas/
procelas; amigas/antigas.

São ondas mesmo ou bailarinas?


São ondas mesmo ou raparigas?
(Augusto Frederico Schimidt)
Fonte: http://serpenteemplumada.blogspot.com/2009/02/bailarina-cega-ii.html

Nos versos acima, as rimas são assonantes, ou seja, bailarinas/


raparigas não são sons coincidentes.
Quanto ao acento tônico, as rimas podem ser aguda ou
masculina, quando os vocábulos em rima são oxítonos, tipo não
predominante em língua portuguesa, ou graves ou femininas, quando
os vocábulos que rimam são paroxítonos. Veja o fragmento de poema
abaixo:

Era uma mosca azul, asas de ouro e granada,


Filha da China ou do Indostão,
Que entre as folhas brotou de uma rosa encarnada
Em certa noite de verão.
(Machado de Assis)
Fonte: http://conselheiroacacio.wordpress.com/2009/07/07/a-mosca-azul-machado-de-assis/

No caso, são agudas as rimas do segundo com o quarto verso:


Indostão /verão. Já granada/encarnada são rimas graves. Há ainda as
rimas esdrúxulas, quando os vocábulos em rima são proparoxítonos,
tipo pouco frequente em nossa língua. Veja abaixo:

Solar de luz de escadarias mágicas!


palácio claro! ergui-te a tanto esforço

UESC Letras Vernáculas 55

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 55 4/10/2010 14:13:26
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

que as tuas salas me parecem trágicas


e o teu zimbório pesa-me no dorso!
(Murilo Araújo)
Fonte: http://www.clubedapoesia.com.br/aprendendo/aprrima.htm

Assim, são esdrúxulas as rimas do primeiro com o terceiro


verso: mágicas/ trágicas.
Quanto à estrutura fonológica, a rima pode ser completa ou
incompleta. É completa (rima consoante), quando a homofonia é,
ao mesmo tempo, vocálica e consonântica, a partir da vogal tônica.
Exemplo:

Vai-se a primeira pomba despertada


Vai-se outra mais ... mais outra ... enfim dezenas
De pombas vão-se dos pombais apenas
Raia sanguínea e fresca a madrugada.
(Raimundo Correa)
Fonte: http://clementinoheitor.blogspot.com/2007/10/vai-se-primeira-pomba-despertada.html

No caso, “despertada” rima com “madrugada”, e “dezenas”


rima com “apenas”, não havendo coincidência das consoantes de apoio
da vogal tônica. A rima é também completa quando a homofonia é
só vocálica, por não haver consoantes após a vogal tônica. Exemplo:

Amo-te, ó cruz, até, quando no vale


Negrejas triste e só,
Núncia do crime, a que deveu a terra
Do assassino o pó
(Alexandre Herculano)
Fonte: http://gentedefe.com/quemmeseguroufoideus/2010/01/17/a-cruz-e-o-meu-sinal/

Nesses versos, há somente homofonia vocálica na rima de


“só” com “pó”.
A rima é incompleta quando há homofonia vocálica e
diversidade nas consoantes, sempre a partir da vogal tônica (rima
assonante). Veja o fragmento abaixo:

Em minha mão, mais fresca que uma concha,


suspende aos olhos do Senhor
as lágrimas de fel da pobre monja
que amou demais o seu amor.
(Guilherme de Almeida)
Fonte: http://www.clubedapoesia.com.br/aprendendo/aprrimaconteudo.htm

Nele, os vocábulos “concha” e “monja” apresentam homofonia

56 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 56 4/10/2010 14:13:26
vocálica: [ õ ] e [ a ] com diversidade de consoantes.
Quando há homofonia consonântica e diversidade vocálica, a
rima também é incompleta. Exemplo:

Do século das letras lusitanas,


e nas páginas férteis dos latinos.
(Almeida Garret)
Fonte: http://www2.fcsh.unl.pt/edtl/verbetes/C/consonancia.htm

Nos versos citados, os vocábulos lusitanas e latinos apresentam

2
homofonia consonântica: [ t ], [ n ], e [ s ], mas diversidade vocálica.
As rimas podem ser pobres ou ricas, de acordo com a estética

Unidade
parnasiana, mas essa classificação não existe na versificação
clássica. É pobre a rima que se verifica entre vocábulos pertencentes
à mesma classe gramatical: substantivo com substantivo; adjetivo
com adjetivo; verbo com verbo; advérbio com advérbio etc. Veja o
exemplo:
Não, Pepita, não ta dou
Fiz mal em dar-te essa flor,
Que eu sei o que me custou
Tratá-la com tanto amor.
(Almeida Garret)
Fonte: http://www.worldartfriends.com/modules/publisher6/article.php?storyid=432

No caso, as rimas são pobres: “dou” (verbo) rima com “custou”


(verbo), e “flor” (substantivo) rima com “amor” (substantivo). Na
estética romântica, esse tipo de rima é comum, pois os poetas
queriam falar às multidões e, assim, tentavam “facilitar” a leitura,
para que os versos que compunham chegassem a diferentes grupos
de leitores e ouvintes.
É rica a rima que se verifica entre vocábulos pertencentes a
classes gramaticais diferentes. Veja abaixo:

Era um poeta, sonhador e triste,


Pois triste e sonhador, às vezes, é
Quem para amar a vida assim existe
E não encontra paz, amor, nem fé.
(Jairo Dias de Carvalho)
Fonte: http://www.clubedapoesia.com.br/aprendendo/aprrimaconteudo.htm

Nesse fragmento, as rimas são ricas: “triste” (adjetivo) rima


com “existe” (verbo,) e “é” (verbo) rima com “fé” (substantivo). Além

UESC Letras Vernáculas 57

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 57 4/10/2010 14:13:26
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

disso, alternam-se rimas graves e agudas.


As rimas podem ser externas ou internas. A rima é externa,
quando ocorre no final dos versos. No fragmento acima, triste/existe;
é/fé. As internas ocorrem no interior de um mesmo verso, ou entre
um vocábulo em fim de verso e outro no meio. Veja os exemplos
abaixo:

Donzela bela, que me inspira a lira


Um canto santo de fremente amor,
Ao bardo o cardo da tremenda senda
Estanca, arranca-lhe a terrível dor.
(Castro Alves)
Fonte: http://www.jornaldepoesia.jor.br/calves17.html

Terra humana e divina


não rolam outros mundos com um destino
nos espaços profundos
igual ao teu:
teu destino essencial e transcendente.
(Tasso da Silveira )
Fonte: http://www.clubedapoesia.com.br/aprendendo/aprrimaconteudo.htm

Que toda a noite errais, doces almas penando,


E as asas lacerais na aresta dos telhados,
E no vento expirais em um queixume brando.
(Camilo Pessanha)
Fonte: http://www.clubedapoesia.com.br/aprendendo/aprrimaconteudo.htm

Nos versos de Castro Alves, bardo/cardo rimam no interior do


mesmo verso. No fragmento do poema de Tasso da Silveira, mundos/
profundos rimam no meio de versos diferentes. Nos versos de Camilo
Pessanha, errais/lacerais/expirais rimam no meio de três versos
diferentes.
De acordo com a organização nos versos e estrofes, as rimas
podem ser:
Rimas emparelhadas: quando se realizam entre versos ímpares
e entre versos pares, segundo o esquema: ababab. Exemplo:

Já morri tanto por conta


do meu futuro morrer,
que a morte me desaponta.
Já me subtrai do ser...

58 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 58 4/10/2010 14:13:26
(Cassiano Ricardo)
Fonte: http://www.clubedapoesia.com.br/aprendendo/aprrimaconteudo.htm

Rimas interpoladas ou opostas: quando se realizam nas


extremidades de uma estrofe de quatro versos, segundo o esquema:
abba. Veja abaixo:

Minha canção não foi bela,


minha canção não foi triste.
Mas eu sei que não existe

2
mais canção igual àquela.
(Cecília Meireles)

Unidade
Fonte: http://www.clubedapoesia.com.br/aprendendo/aprrimaconteudo.htm

Rimas encadeadas: quando se realizam segundo o esquema


aba, bcb cdc, ded etc., terminando o poema com um verso isolado
que rima com o segundo verso do último terceto. Veja no poema:

À NOITE
Noite abismo de solidão e de tristeza!
Na tua treva e em teu silêncio redentor,
minha alma solitária é uma lâmpada acesa...

Fazes mais amplo o espaço, e em meu ser interior


desvendas amplidões, perspectivas distantes,
os limites recuando ao mundo e à minha dor!

Que somos nós, porém? Eu e tu, palpitantes


de Infinito ... Eu, lampejo indeciso, augural,
tu, sombra vá flutuando entre sombras errantes,

e ambos perdidos no mistério universal?


(Tasso da Silveira)
Fonte: http://www.clubedapoesia.com.br/aprendendo/aprrimaconteudo.htm

Rimas repetidas: quando se sucedem em estrofes diferentes,


obedecendo a uma ordem regular. Exemplo:

E esse vento indo e vindo pela porta


e o ambiente se diluindo, se diluindo
e com ele o crepúsculo. Olha bem
que a mão perdida se assemelha a uma

UESC Letras Vernáculas 59

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 59 4/10/2010 14:13:26
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

tombada luva branca, luva morta


(luva inerte no vento). O rosto lindo
começou a esvair-se e inda contém
a delícia da vida que se esfuma.
(Jorge de Lima)
Fonte: http://www.clubedapoesia.com.br/aprendendo/aprrimaconteudo.htm

Porta/morta; diluindo/lindo; bem/contém; uma/esfuma: todas


externas, coincidindo de uma estrofe para outra.
Rimas misturadas: quando se realizam irregularmente numa
estrofe. Ex.:

O bêbado que caminha


que mantos arrastará?
Que santo parecerá?
Gaspar, Melchior, Baltasar?
Um miserável não é,
logo se vê pelo gesto
pela estranheza do olhar.
O bêbedo que caminha
que rei bêbedo será?
(Dante Milano)
Fonte: http://www.clubedapoesia.com.br/aprendendo/aprrimaconteudo.htm

Esquema de rima: abbcdfcab. Há dois versos soltos, indicados


por: d e f.
Rima composta ou em mosaico: quando formada pela junção
de dois vocábulos mórficos. Exemplo:
Fonologia – parte da Lin-
guística que estuda o siste-
ma sonoro de um idioma,
do ponto de vista de sua Mas vou ver se agora arranjo os
função no sistema de co-
municação linguística. Área Versos que o meu coração
relacionada com a Fonética,
mas as duas têm focos de Quer para Márcia dos Anjos.
estudo diferentes: a Fo-
nética estuda a natureza (Manoel Bandeira)
física da produção e da
Fonte: http://www.clubedapoesia.com.br/aprendendo/aprrimaconteudo.htm
percepção dos sons da fala
(chamados de fones), a Fo-
nologia preocupa-se com
a maneira como eles se No caso acima, note-se a elisão da vogal átona em: arranj(o)
organizam dentro de uma
língua, classificando-os em os.
unidades capazes de distin-
guir significados, chamadas Atente para o fato de que as rimas não são um fenômeno
fonemas.
ortográfico, mas essencialmente fonológico, isto é, sonoro.
Homofonia – coincidência
de sons.

60 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 60 4/10/2010 14:13:26
TEXTO 6:

COGITO
Torquato Neto PARA CONHECER

Torquato Neto - nasceu em


eu sou como eu sou Teresina, no Piauí, estudou
em Salvador, no mesmo colé-
pronome gio de Gilberto Gil, de quem
pessoal intransferível se aproximou aos 17 anos
do homem que iniciei nas rodas artísticas da cida-
de, onde conheceu também
na medida do impossível
os irmãos Caetano Veloso e
Maria Bethânia. Em 1962,
eu sou como eu sou mudou-se para o Rio de Ja-
neiro, onde fez alguns anos
agora

2
de faculdade de jornalismo,
sem grandes segredos dantes mas não concluiu, o que não
sem novos secretos dentes o impediu de exercer a profis-

Unidade
nesta hora são de jornalista em diversos
periódicos, como o Correio
da Manhã (no suplemento
eu sou como eu sou Plug), O Sol (suplemento do
presente Jornal dos Sports) e Última
Hora, onde nos anos de 1971
desferrolhado indecente
e 72 escreveu sua badalada
feito um pedaço de mim coluna “Geléia Geral”, em
que defendia as manifesta-
ções artísticas de vanguarda
eu sou como eu sou
na música, artes plásticas,
vidente cinema, poesia etc. Fundou
e vivo tranqüilamente também jornais alternativos,
todas as horas do fim. o Presença e o Navilouca,
que só teve um número mas
fez história. Em 1968, com o
AI-5 e o exílio dos amigos e
parceiros Gil e Caetano (além
de outros emigrados), viajou
O eu-lírico manifesta-se em primeira pessoa do singular. Vocês,
pela Europa e Estados Unidos
então, podem questionar: se o sujeito poético fala de si mesmo, onde com a mulher Ana Maria, mo-
rando algum tempo em Lon-
estaria a relação literatura/história/cultura? dres. De volta ao Brasil, no
início dos anos 70, ligou-se à
Vamos tentar responder: Torquato Neto escreveu para um Brasil poesia marginal e aos ícones
que vivia sob as garras da ditadura militar, a qual exercia seu poder do cinema marginal.

de diferentes formas e em variados campos, tendo a Censura artística


como um de seus instrumentos mais violentos simbolicamente. Assim,
falar no e do coletivo seria oferecer-se à fúria dos censores. Ao trazer
para o texto um sujeito singular, na superfície do poema ocorre um
desvio da crítica social e política. No entanto, as imagens, construídas
na sequência dos versos, podem nos abrir o leque de novas leituras:
o homem se inicia na medida do impossível, uma vez que “ser” nessa
Figura 10 - Torquato Neto
época era tarefa hercúlea; o eu-poético se afirma sem segredos e Fonte: http://www.mpbnet.com.br/
musicos/torquato.neto/index.html

sem armas (dentes); como “desferrolhado indecente”, ele se mostra


voltado para si, seus desvios, suas loucuras e, portanto, desligado da
desordem à sua volta; mas, na última estrofe, ele abre uma pequena
janela para o leitor se desviar do óbvio superficial – ele é vidente e vê
o fim. O fim de quê? Não poderia ser o fim da ditadura?
Agora, vamos explorar a forma poética. Há rimas no poema?
Há, vejamos um exemplo: intransferível/impossível, rima externa,

UESC Letras Vernáculas 61

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 61 4/10/2010 14:13:27
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

PARA CONHECER
grave e pobre. Em todo o poema o esquema de rimas não segue
Miguel Torga – nasceu em São uma regularidade tradicional. Nem a métrica é regular, há versos
Martinho de Anta, Vila Real,
numa família humilde. Teve
de diferentes “tamanhos”, ou seja, de variados números de sílabas
uma infância rural dura, que tônicas, há versos de duas, cinco, seis sílabas. Essa irregularidade é
lhe deu a conhecer a reali-
dade do campo, sem bucolis- uma das marcas da Poesia Marginal, que reagia à estética tradicional,
mos, feita de árduo trabalho
contínuo. Após uma breve levando ao poema uma liberdade completa.
passagem pelo seminário de
Bem, nossa vontade é que você perceba a pluralidade de vozes
Lamego, emigrou com 13
anos para o Brasil, onde, du- e sentidos que habitam o texto literário e que se deslocam a partir do
rante cinco anos, trabalhou na
fazenda de um tio, em Minas olhar do leitor.
Gerais, como capinador, apa-
Vejamos outro poema, agora de Miguel Torga, escritor
nhador de café, vaqueiro e ca-
çador de cobras. De regresso português do século XX:
a Portugal, em 1925, concluiu
o ensino básico e frequentou,
em Coimbra, o curso de Medi-
cina, que terminou em 1933.
Exerceu a profissão de médico TEXTO 7:
em São Martinho de Anta e
PÁTRIA
em outras localidades do país,
fixando-se definitivamente Miguel Torga
em Coimbra, como otorrino-
laringologista, em 1941. Li-
gado inicialmente ao grupo
Soube a definição na minha infância,
da revista Presença, dele se Mas o tempo apagou
desligou em 1930, fundando,
As linhas que uma velha palmatória
nesse mesmo ano, com Bran-
quinho da Fonseca (outro dis- No mapa da memória
sidente), a Sinal, de que sairia Desenhou.
apenas um número. Em 1936,
lançou outra revista, Manifes-
to, também de duração breve. Hoje
Sei apenas gostar
Duma nesga de terra
Debruçada de mar.

Veja a suposta simplicidade da linguagem construída pelo


Poeta. Os vocábulos pertencem ao mundo cotidiano português, não

Figura 11 - Miguel Torga. Fonte: http://


há uma seleção vocabular erudita. Quanto à métrica, os versos são
www.astormentas.com/torga.htm
irregulares, como os de Torquato Neto. Há verso com uma sílaba
tônica e há versos com dez sílabas tônicas. O esquema de rimas
também não é regular, na primeira estrofe, duas rimas se alternam e,
na segunda, apenas ocorre uma rima. É o mesmo desejo de liberdade
poética que encontramos em Torquato Neto.
O eu-lírico conjuga a busca do conhecimento à busca do prazer
estético, quando esboça uma definição de “pátria”. Na primeira
estrofe, percebe-se que “aprender” a pátria implica dor e castigo. Na
segunda estrofe, o sujeito poético faz o caminho contrário: a “pátria”
não se sabe, a “pátria” se sente, pelos fragmentos que dela se vive.
Você compreendeu que a literatura não é um monstro que vai
nos engolir a cada leitura? O texto literário é como um homem (ou

62 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 62 4/10/2010 14:13:27
uma mulher) muito sedutor (sedutora): vem cheio(a) de armadilhas,
estratégias, mas está sempre aberto(a) para interagirmos com
ele(ela).
Namore o poema, o conto, o romance. Deixe-se seduzir pelas
imagens, pelas rimas, pelas personagens, pelas tramas. E seduza
também: diga o que você pensa sobre e sente pelo texto. Esvazie-se
de si e deixe-se preencher por esse Outro apaixonante que é o texto
literário.

2
ATIVIDADE

Unidade
1) Como primeira atividade desta Unidade, propomos a você um trabalho de pesquisa
na Internet, nos endereços constantes em nossas referências, após o qual você de-
verá completar as lacunas:

a) Na Idade Média portuguesa, no século ______________, surgiu a primeira Cantiga de


Amor, cantada por Paio Soares de Taveirós, chamada “Cantiga da Ribeirinha”.
b) O Arcadismo/Neoclassicismo/Iluminismo português aconteceu durante o século XVIII
e teve, como marca histórica, a ação política do _______________________, que
gerou o nome “Pombalismo” para designar todos os acontecimentos político-culturais
da época.
c) No Brasil, no século XVIII, alguns grupos de intelectuais se insurgiram contra os
desmandos do Governo da Metrópole (Portugal). Dentre esses intelectuais militantes,
destaca-se o poeta ________________________, autor dos belíssimos versos conhe-
cidos como “Marília de Dirceu”.
d) O Romantismo brasileiro surgiu, efetivamente, após a __________________________,
em 1822.
e) O movimento Realista brasileiro começou junto com algumas iniciativas governamentais
ligadas à extinção da Escravatura, como, em 1871, a Lei do ___________________
que, embora vigente, praticamente não foi cumprida.
f) Aluísio Azevedo escreveu O Cortiço, livro que marca o ________________________
brasileiro.

2) Leia os poemas abaixo. A seguir, complete as lacunas das questões propostas e res-
ponda às questões discursivas.
Poema 1:
Autopsicografia
Fernando Pessoa ortônimo

UESC Letras Vernáculas 63

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 63 4/10/2010 14:13:28
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

O POETA é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

E os que lêem o que escreve,


Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.

E assim nas calhas de roda


Gira, a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama o coração.

Poema 2:
EMERGÊNCIA
Mário Quintana

Quem faz um poema abre uma janela.


Respira, tu que estás numa cela
abafada,
esse ar que entra por ela.
Por isso é que os poemas têm ritmo
- para que possas profundamente respirar.
Quem faz um poema salva um afogado.

Poema 3:
Mãe África
Armando Guebuza

Oh, Mãe África dos cânticos guerreiros


cantando e dançando a voz do Xikuembo

Oh, Mãe África de luas infindas e belas


nas florestas exóticas do Congo distante

Oh, Mãe África de rios saltando


As magníficas rochas da Vitória

Oh, Mãe África de negros de ébano


correndo e caindo ao som do chigubo

Oh, Mãe África do ti-n’hlolo mágico


com ossinhos brancos a falarem xindau

Oh, Mãe África de mares azuis e verdes

64 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 64 4/10/2010 14:13:28
a bramir de contentes ao som do tambor

Oh, Mãe África ventre de guerreiros


negros e fortes
de lanças na mão
p’ra vencer
brancos cínicos...

A) No poema de Fernando Pessoa, é possível afirmar, quanto às rimas:


( ) São rimas encadeadas e pobres.
( ) São rimas ricas e internas.
( ) São rimas ricas, externas e alternadas.

2
( ) São rimas pobres e alternadas.

Unidade
B) No poema de Mário Quintana, o eu-lírico afirma a importância do ritmo. Assinale
a opção correta acerca da métrica do poema.
( ) A métrica é regular, todos os versos têm nove sílabas.
( ) A métrica é irregular, com versos de dez e doze sílabas apenas.
( ) A métrica é regular, todos os versos têm dez sílabas.
( ) A métrica é irregular, com versos de duas, três e até doze sílabas.

C) O poema de Guebuza não traz preocupação com as rimas, construindo o ritmo a


partir da métrica. Marque a opção correta:
( ) Quase todos os versos têm onze sílabas métricas.
( ) Poucos versos têm onze sílabas métricas.
( ) Somente um verso é eneassílabo.
( ) Toda a última estrofe é composta por versos eneassílabos.

3) O poeta ser um fingidor pode significar que ele reinventa a vida e o mundo? Justifique
sua resposta.

4) Ler um poema, segundo Mário Quintana, pode ser um remédio. Essa “medicina do
fingimento poético” serviria para alienar o leitor ou para torná-lo um cidadão crítico?
Justifique.

5) No poema de Guebuza, observamos que o eu-lírico recorre a elementos da natureza


e da cultura para caracterizar a Mãe África e para comover seus leitores/ouvintes, de
forma a levá-los a querer lutar para salvar a África dos dominadores e dos exploradores.
Escolha dois versos que confirmem essa ideia, transcreva-os e justifique sua escolha.

6) É possível afirmar, fazendo uma leitura comparativa dos três poemas, que o
fingimento poético pode abrir os olhos do leitor para que ele deixe de se conformar
com as limitações e imposições do mundo em que vive e lute por um mundo melhor?
Justifique sua resposta.

UESC Letras Vernáculas 65

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 65 4/10/2010 14:13:28
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

6 CONCLUSÃO

No início da unidade, perguntamos se você costuma pensar


acerca das relações entre História, Literatura e Cultura. Esperamos
com isso, não uma simples comparação, mas uma reflexão sobre
o objeto de cada um dos elementos aqui estudados e como eles
dialogam. Dessa forma, de posse do material aqui trabalhado,
concluímos que, tanto para você que o estudou quanto para nós que
o elaboramos, passamos a visualizar novas possibilidades de leitura,
interpretação e consequentemente reflexão acerca dessas relações.
Foi um convite a novas experiências, onde pudemos criar, discutir,
imaginar, desafiar e reinventar formas de apropriação do literário,
tendo como participantes de tal interação, a História e a Cultura, ou
seja, o contexto em que nasce o texto literário.

8 RESUMINDO...
RESUMINDO

Nesta unidade você estudou literatura, história, cultura; Narrativa


em língua portuguesa e Poesia em língua portuguesa. Percebeu com o
estudo acima descrito as relações entre literatura, cultura e sociedade,
bem como as formas e conteúdo do texto narrativo e do texto poético.
Por fim, observou a relevância dos temas aqui abordados no que diz
respeito à compreensão do texto literário.

Na próxima aula... LEITURA RECOMENDADA

Interpretação de poemas Para ampliar os seus estudos e auxiliá-lo nas


e narrativas ficcionais. atividades propostas, sugerimos as seguintes
leituras:

CANDIDO, Antônio. Formação da literatura


brasileira. São Paulo: Edusp, 1975.

CHIAPPINI, Lígia. O Foco Narrativo (Ou a


polêmica em torno da ilusão). São Paulo:
Editora Ática, 2002.

SARAIVA, António José; LOPES, Óscar. Histó-


ria da literatura portuguesa. 17. ed. Porto:
Porto Editora, 2001.

Dimínio Público. Disponível em: <http://www.


dominiopublico.org.br>.

66 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 66 4/10/2010 14:13:28
7 REFERÊNCIAS

JOBIM, José Luís. História da Literatura. In: ____. A poética do


fundamento: ensaios de teoria e história da literatura. Niterói:
EDUFF,1996. p.70

LARAIA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico. 16. ed.

REFERÊNCIAS
Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

A Cruz Mutilada. Disponível em <http://bemaior.files.wordpress.


com/2009/04/a-cruz-mutilada.pdf>

Alguma Poesia. Canções de Cecília. Disponível em <http://www.

2
algumapoesia.com.br/poesia3/poesianet260.htm>

Unidade
Alguma Poesia. Canções do exílio. Disponível em <http://www.
algumapoesia.com.br/poesia2/poesianet174.htm>

Alguma Poesia. Moderno, com 400 anos. Disponível em <http://www.


algumapoesia.com.br/poesia/poesianet038.htm>

Baixaki. Noite na Taverna. Disponível em <http://www.baixaki.com.


br/download/noite-na-taverna.htm>

Catequizar. Disponível em <http://catequizar.net/index.php/procurar/


documentos/384-a-cruz-e-o-meu-sinal>

Clube da Poesia. A rima na Poesia. Disponível em <http://www.


clubedapoesia.com.br/aprendendo/aprrimaconteudo.htm>

Clube da Poesia. Aprendendo a versejar. Disponível em <http://www.


clubedapoesia.com.br/aprendendo/aprrimaconti02.htm>

Clube da Poesia. Aprendendo a versejar. Disponível em <http://www.


clubedapoesia.com.br/aprendendo/aprrimaconti03.htm>

Domínio Público. O Parocho da Aldeia. Disponível em <http://


www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_
action=&co_obra=81915>

Germina Literatura. Mário Quintana. Disponível em <http://www.


germinaliteratura.com.br/mq.htm>

InfoEscola. Disponível em <http://www.infoescola.com/escritores/


raimundo-correia/>

Jornal de Poesia. Castro Alves. Disponível em <http://www.


jornaldepoesia.jor.br/calves17.html>

Jornal de Poesia. Machado de Assis. Disponível em <http://www.


jornaldepoesia.jor.br/machado01.html>

UESC Letras Vernáculas 67

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 67 4/10/2010 14:13:28
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

Maria do Monte. Disponível em <http://mariadomonte.blogspot.


com/2005/05/portugal-ptria-soube-definio-na-minha.html>

Moçambicando. Disponível em <http://mocambicanto.blogspot.


com/2008/02/me-frica-oh-me-frica-dos-cnticos.html>

O sexo do verso. Disponível em <http://normattoso.sites.uol.com.br/


versosde12.htm>

Paixão e Romance. Disponível em <http://www.paixaoeromance.


com/70decada/valsinha/h_valsinha.htm>

Pensador. Disponível em <http://www.pensador.info/frase/NTE3N


TIw/>

Portal Galego da Língua. Disponível em <http://www.agal-gz.org/


modules.php?name=Biblio&rub=mostra_libro&id_livre=347>

Releitura. Fernando Pessoa: autopsicografia. Disponível em <http://


www.releituras.com/fpessoa_psicografia.asp>

Releitura. Torquato Neto: cogito. Disponível em <http://www.releituras.


com/torqneto_cogito.asp>

Sibila. Disponível em <http://www.sibila.com.br/index.php/mapa-da-


lingua/450-o-seculo-de-oiro>

Site de literatura. Disponível em <http://www.sitedeliteratura.com/


Poesias/A_neto1.htm>

Texere. Disponível em <http://texere.blogspot.com/2006/06/senhora-


partem-to-tristes.html>

68 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 68 4/10/2010 14:13:28
Suas anotações
______________________________________________________________
______________________________________________________________
______________________________________________________________
_________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 69 4/10/2010 14:13:28
LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 2.indd 70 4/10/2010 14:13:28
Objetivos unidade
3
Ao final da unidade, o aluno será capaz:

• de interpretar poemas e narrativas


ficcionais

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 3.indd 71 4/10/2010 14:14:24
LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 3.indd 72 4/10/2010 14:14:25
UNIDADE 3

1 INTRODUÇÃO

Nesta Unidade vamos interpretar poemas e narrativas


ficcionais. Isso significa que vamos observar a forma, a estrutura, os
múltiplos sentidos que elas engendram em cada texto enfocado. A
princípio, vamos analisar e interpretar juntos, a seguir, você vai ler os
textos e seguir os roteiros propostos, respondendo às questões.

3
Unidade
Texto 1
Soneto
M. M. Barbosa Du Bocage

Quem se vê maltratado e combatido


Pelas cruéis angústias da indigência:
Quem sofre de inimigos a violência,
Quem geme de tiranos oprimido:

Quem não pode ultrajado e perseguido


Achar nos Céus, ou nos mortais clemência:
Quem chora finalmente a dura ausência
De um bem, que para sempre está perdido:

Folgará de viver, quando não passa


Nem um momento em paz, quando a amargura
O coração lhe arranca e despedaça?

Oh! Só deve agradar-lhe a sepultura,


Que a vida para os tristes é desgraça,
“A morte para os tristes é ventura.”

Figura 1 - Manuel Maria Barbosa du Bocage


Fonte: www.culturabrasil.pro.br/bocagesonetos.htm Fonte: http://www.portalsaofrancisco.com.
br/alfa/bocage/bocage.php

O poema acima é um soneto, escrito e publicado no século


XVIII, em plena vigência da estética árcade e neoclássica e das
ideias iluministas. Nessa época, os escritores compunham textos que

UESC Letras Vernáculas 73

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 3.indd 73 4/10/2010 14:14:25
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

agradavam, quer pela escolha vocabular, de sonoridade harmoniosa,


quer pela organização temática, voltada para construir um público
de literatura, capaz de fruir o prazer estético e, simultaneamente,
aprender com o texto lido/ouvido.
A literatura produzida no século XVIII, tanto em Portugal, terra
de Bocage, como na ainda colônia denominada Brasil, era o que se
conhece por “Literatura de Corte”, ou seja, era composta por textos
manuscritos, na maioria das vezes, os quais se destinavam à leitura
pública para os nobres que frequentavam os salões da época. Era uma
arte de pouca circulação social, destinada a uns poucos indivíduos,
dotados de fortuna, nobreza de sangue, representatividade social.
Essa era a época das “Belas Letras”, quando o trabalho ornamental
com a linguagem predominava sobre a exploração do conteúdo.
O soneto de Bocage traz um eu-lírico que protesta contra
as desigualdades e injustiças: os vocábulos maltratado, combatido,
angústias, inimigos, violência, tiranos, oprimido, constroem, na
primeira estrofe do poema, um ambiente de desespero diante das
intempéries, diante das injustiças que cercam o sujeito poético. O tom
do poema remete a um protesto cortês, não a um protesto desabrido
e violento.
A segunda estrofe remete o leitor ao possível objeto provocador
da angústia do eu-lírico: a ausência de um bem que se foi para sempre.
Os vocábulos “ultrajado” e “perseguido” apontam para a impotência
da voz poética diante da tragédia da perda, a qual é sugerida, mas
não é definida – não sabemos se o bem a que o sujeito poético se
refere é um bem material ou imaterial.
Nos dois tercetos, que fecham o soneto, há oposição entre a
inviável paz e a inclemente dor, situação que transforma a morte em
objeto de desejo. Essa morte pode, muito bem, simbolizar a morte
de uma época, a derrocada de uma nobreza de sangue e de espírito
diante de uma burguesia que assumia, nesse final de século XVIII,
o poder financeiro, a produção artística e intelectual, o domínio da
ordem social.

SAIBA MAIS

Bocage - Manuel Maria Barbosa du Bocage nasceu que habitaram a segunda metade do século
em Setúbal, no dia 15 de setembro de 1765. Era XVIII: o espírito reformista envolve este século
neto de um Almirante francês e filho do jurista José numa valorização antropocêntrica, de um saber
Luís Barbosa e de Mariana Lestoff du Bocage. Ainda racional que reflete o desenvolvimento tecnológico,
jovem revelou a sua sensibilidade literária, a qual foi industrial, social e científico. Vive-se, nessa época, o
favorecida pelo ambiente familiar em que cresceu. Século das Luzes, o iluminismo burguês que prepara
o caminho para a Revolução Francesa, marcado por
Arcadismo – Arcadismo, Iluminismo ou infinita sede de saber e conhecimento. No início do
Neoclassicismo são estilos e formas de pensamento século XVIII, ocorre a decadência do pensamento

74 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 3.indd 74 4/10/2010 14:14:25
barroco, cuja expressão exagerada, conceptista e à estética barroca, isso porque o soneto, por sua
cultista, havia cansado o público cortês, esgotando forma equilibrada, por seu metro constante e pelo
a chamada arte cortesã, que se desenvolvera esquema de rimas, confere ao fazer poético a clareza
desde a Renascença, a qual perdeu terreno para almejada por esse movimento estético. Depois dos
o subjetivismo burguês; o problema da ascensão Árcades, quem mais se utilizou de sonetos foram os
burguesa supera a questão religiosa, atingindo níveis Parnasianos.
econômicos, artísticos, culturais e sociais; surgem as
primeiras arcádias, grupos simbólicos de poetas que, Forma fixa - Poema de forma fixa é o que apresenta
através de pseudônimos pastoris e de uma adesão aos um sistema de estrofes subordinado a certas regras
valores clássicos, procuram a pureza e a simplicidade invariáveis, em quantidade fixa, com esquemas
das formas. No âmbito histórico-social-cultural, rígidos de rimas, não sofrendo variações de autor
esses intelectuais se integram no combate ao poder para autor ou de época para época.
monárquico, cultuando o mito do “bom selvagem”,
em oposição ao homem corrompido pela sociedade do Poemas de forma fixa – além do soneto, temos
Ancien Régime (o velho regime monárquico). Como se os seguintes tipos de poemas de forma fixa: balada,
observa, a burguesia atinge a hegemonia econômica poema formado por três oitavas e uma quadra;
e passa a lutar pelo poder político, então em mãos rondó, poema com estrofação uniforme de quadras;
da monarquia. Isso se reflete claramente no campo vilanela, poema formado por uma quadra e vários
social e artístico: a antiga arte cerimonial cortesã dá tercetos; sextinas, formadas por seis estrofes de seis
lugar ao gosto burguês. O Arcadismo é um movimento versos cada uma, concluindo-se a composição com
estético-cultural nitidamente reformista, pretendendo uma estrofe de três versos. Veja exemplos:
reformular o ensino, os hábitos, as atitudes sociais,
uma vez que é a manifestação artística de um novo
Balada:

3
tempo e de uma nova ideologia. No século XVIII, a
influência sobre Portugal vem da França, por conta Balada do Poema que não Há (fragmento)
da emancipação política da burguesia. Essa mesma Manuel Alegre

Unidade
burguesia é responsável pelo desenvolvimento do
comércio e da indústria e já assistia a algumas vitórias Quero escrever um poema
na Inglaterra e Estados Unidos. Na França, a partir Um poema não sei de quê
de 1750, os filósofos atacam o poder real e clerical Que venha todo vermelho
e denunciam a corrupção dos costumes com grande Que venha todo de negro
violência. Em Portugal, o Arcadismo estende-se desde Às de copas às de espadas
1756, com a fundação da Arcádia Lusitana, até 1825, Quero escrever um poema
com a publicação do poema “Camões”, de Almeida Como de sortes cruzadas
Garret, considerado o marco inicial do Romantismo
português. No Brasil, considera-se como data inicial Quero escrever um poema
do Arcadismo o ano 1768, em que ocorrem dois fatos Como quem escreve o momento
marcantes: a fundação da Arcádia Ultramarina, em Cheiro de terra molhada
Vila Rica, e a publicação de Obras, de Cláudio Manuel Abril com chuva por dentro
da Costa. A Escola Setecentista desenvolve-se até E este ramo de alfazema
1808, com a chegada da Família Real ao Rio de Janeiro, Por sobre a tua almofada
a qual, com suas medidas político-administrativas, Quero escrever um poema
permite a introdução do pensamento pré-romântico Que seja de tudo ou nada
no Brasil.
Um poema não sei de quê
Soneto - poema de 14 versos, com forma fixa, isto Que traga a notícia louca
é, sempre um soneto terá 14 versos, organizados em Da história que ninguém crê
dois quartetos e dois tercetos. Em italiano, soneto Ou esta afta na boca
significa pequena canção. No soneto italiano, os Esta noite sem sentido
primeiros oito versos, dispostos em dois quartetos Coisa pouca coisa pouca
(estrofes com quatro versos) expõem um tema ou Tão aquém do pressentido
uma experiência. Os dois tercetos (estrofes com três Que me dói não sei porquê
versos) seguintes respondem ou comentam esse ......
tema. No soneto tradicional, os quartetos apresentam
Fonte: http://www.citador.pt/poemas.
duas rimas e os tercetos duas ou três, rimas essas php?op=10&refid=200809210004
que seguem os esquemas: abba / abba; abab / abab,
para os quartetos e, para os tercetos, cdc / dcd; cde Comentário: observe que as estrofes iniciais são
/ cde; ccd / ccd. É interessante saber que os poetas regulares, são três oitavas, e que a métrica segue a
árcades usaram o soneto como uma forma de reação

UESC Letras Vernáculas 75

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 3.indd 75 4/10/2010 14:14:25
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

mesma contagem a cada estrofe. Comentário: esse poema, do escritor português


contemporâneo, traz todas as estrofes iniciais como
Rondó: tercetos e a estrofe final como uma quadra, marca
Rondó dos Cavalinhos (fragmento) da vilanela.
Manuel Bandeira

Os cavalinhos correndo, Sextina:


E nós, cavalões, comendo...
Tua beleza, Esmeralda, Foge-me pouco a pouco a curta vida (fragmento)
Acabou me enlouquecendo.
Luís de Camões

Os cavalinhos correndo,
Foge-me pouco a pouco a curta vida,
E nós, cavalões, comendo...
– se por caso é verdade que inda vivo –;
O sol tão claro lá fora
vai-se-me o breve tempo d’ante os olhos;
E em minhalma — anoitecendo!
choro pelo passado em quanto falo,
se me passam os dias passo a passo,
Os cavalinhos correndo,
vai-se-me enfim a idade, e fica a pena.
E nós, cavalões, comendo...
Alfonso Reys partindo, Que maneira tão áspera de pena!
E tanta gente ficando... Que nunca uma hora viu tão longa vida
...... em que possa do mal mover-se um passo!
Fonte: http://www.releituras.com/mbandeira_rondo.asp
Que mais me monta ser morto que vivo?
Para que choro, enfim? Para que falo,
Comentário: observe que o poema é composto por
se lograr-me não pude de meus olhos?
quadras, marca necessária do rondó.
Ó fermosos, gentis e claros olhos,
cuja ausência me move a tanta pena,
quanta se não compreende em quanto falo!
Vilanela:
Se, no fim de tão longa e curta vida,
Moça do Chapéu Florido... de vós m’inda inflamasse o raio vivo,
Jorge Linhaça por bem teria tudo quanto passo.

Moça do chapéu florido, .....


Eu só faço em ti pensar
Fonte: http://pedrosette.com/2007/10/21/foge-me-pouco-a-pouco-
Desdaquele dia ido,
a-curta-vida/

Neste amor desmedido,


Eu só penso em ti beijar
Moça do chapéu florido. Comentário: veja que o poema é composto apenas
por estrofes de seis versos, os quais apresentam
Vivo pois estremecido, métrica regular. Nas sextinas, as rimas consistem na
As delícias a lembrar repetição das mesmas palavras no final dos versos
Desdaquele dia ido, de todas as estrofes, repetindo-se também no final
dos hemistíquios (metade métrica do verso) de
Sempre fico comovido, cada verso do remate (final significativo da estrofe).
Teu retrato a olhar, Repete-se ainda no primeiro verso de cada estrofe (ou
Moça do chapéu florido no primeiro hemistíquio do verso inicial do remate) a
palavra final do último verso da estrofe anterior.
Lembro-me do teu vestido,
E não paro de sonhar,
Desdaquele dia ido,

Ando assim entristecido,


Por não mais te encontrar
Moça do chapéu florido,
Desdaquele dia ido.

Fonte: http://www.lusopoemas.net

76 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 3.indd 76 4/10/2010 14:14:25
Agora que você sabe mais sobre poemas de forma fixa, vamos
retomar o “Soneto” de Bocage, na perspectiva da forma. O poema
apresenta dois quartetos e dois tercetos: nos quartetos, estrofes
iniciais, a rima vem segundo o esquema abba, relacionando-se os
vocábulos combatido/oprimido, indigência/violência. É possível
observarmos que essas palavras trazem não apenas uma combinação
sonora, mas também uma combinação de sentido. A forma, portanto,
se nos remete à aparência do poema, “recheia” essa aparência com
variadas possibilidades e sugestões de leitura. Nos tercetos, a rima
segue o esquema cdc/dcd, conjugando os termos passa/despedaça/
desgraça e amargura/sepultura/ventura. Analisando essas relações,
podemos observar que o eu-lírico nos remete à ideia de dor atroz
diante dos fatos que o oprimem, dor tamanha que sua única possível
“ventura” está ligada à noção de morte.
Observe que, mesmo abordando a forma, não o fazemos
apenas para descrevê-la, todo elemento poético nos leva a uma
produção de sentido para o poema. Assim, aquelas anotações que

3
fizemos logo após o poema, apoiando-nos na seleção vocabular,
encontram sustentação na forma poética. Com isso, queremos que

Unidade
você perceba que escrever e ler poemas não depende apenas de
momentos de inspiração, são atos que dependem, isso sim, de muito
trabalho sobre e com as palavras, explorando sua sonoridade, seus
possíveis sentidos, combinando-as estrategicamente entre si.

2 A LEITURA DA NARRATIVA

As narrativas não dependem, para sua construção, da


combinação de palavras e sons. A narrativa se constrói a partir de
blocos maiores, a partir de elementos estruturadores, que agenciam
os múltiplos sentidos que podem ser a ela agregados, tais como
personagens, ambiente, espaço, tempo, foco narrativo, tipo de
narrador etc. Esses elementos são “arrumados” no texto pelo
escritor, que assume a voz ficcional do narrador, com base em um
eixo temático, o qual responde às expectativas da sociedade em que
o texto é gerado. Assim, o eixo temático articula ficção e história,
imaginação e “mundo real”.
Vamos ler o conto “Frei Genebro”, de Eça de Queirós, escritor
realista português, preocupado em trazer para toda a sua obra
ficcional uma profunda reflexão sobre as mazelas que caracterizaram
a sociedade lusa no século XIX. O eixo temático do conto escolhido
gira em torno das realizações práticas e cotidianas da fé cristã em

UESC Letras Vernáculas 77

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 3.indd 77 4/10/2010 14:14:26
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

Portugal.
A sociedade portuguesa construiu-se sobre os escombros
das culturas e das práticas religiosas essencialmente muçulmanas
e judaicas. Os soldados romanos que ocuparam a Península Ibérica
trouxeram o Cristianismo e o impuseram às populações, as quais
subjugaram e dominaram política e culturalmente. Desse caldeirão de
culturas e diferentes formas de fé, surgiu o Condado Portucalense e,
pelas lutas de D. Afonso Henriques, o Portugal que hoje conhecemos.
Esse país tem como religião principal, a qual embasa as mais variadas
práticas culturais, o Catolicismo de origem romana. A culinária
portuguesa, os doces, a preferência pelo pescado, em detrimento da
carne bovina e suína, a forte presença do vinho, as festas populares,
até a toponímia lusa remetem às práticas cristãs.
Nesse ambiente altamente marcado pela religiosidade, atacar
freis, frades, padres, freiras, apontar-lhes pecados e vícios, imputar-
lhes uma humanidade que tanto se esforçavam por minimizar, é uma
ação bastante temerária, mesmo sendo uma ação ficcional. Em quase
toda a sua obra narrativa, Eça de Queirós ataca o clero português,
desestabilizando a fé que sustentava aquele mundo burguês.

Texto 2
FREI GENEBRO
Eça de Queirós

Nesse tempo ainda vivia na sua solidão das


montanhas da Úmbria, o divino Francisco de Assis – e já
por toda a Itália se louvava a santidade de Fei Genebro, seu
amigo e seu discípulo.
Frei Genebro, na verdade, completara a perfeição
em todas as virtudes evangélicas. Pela abundância e
perpetuidade da Oração, ele arrancava de sua alma as raízes
mais miúdas do Pecado, e tornava-a limpa e cândida como
um desses celestes jardins em que o solo anda regado pelo
Senhor, e onde só podem brotar açucenas. A sua penitência,
durante vinte anos de claustro, fora tão dura e alta que já
não temia o Tentador; e agora, só com o sacudir a manga
do hábito, rechaçava as tentações, as mais pavorosas
ou as mais deliciosas, como se fossem apenas moscas
importunas. Benéfica e universal à maneira de um orvalho

78 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 3.indd 78 4/10/2010 14:14:26
de verão, a sua caridade não se derramava somente sobre
as misérias do pobre, mas sobre as melancolias do rico. Na
sua humilíssima humildade não se considerava nem o igual
d’um verme. Os bravios barões, cujas negras torres
esmagavam a Itália, acolhiam reverentemente e curvavam
a cabeça a esse franciscano descalço e mal remendado que
lhes ensinava a mansidão. Em Roma, em S. João de Latrão,
o Papa Honório beijara as feridas de cadeias que lhe tinham
ficado nos pulsos, do ano em que na Mourama, por amor
dos escravos, padecera a escravidão. E como nessas idades
os anjos ainda viajavam na terra, com as asas escondidas,
arrimados a um bordão, muitas vezes, trilhando uma velha
estrada pagã ou atravessando uma selva, ele encontrava um
moço de inefável formosura, que lhe sorria e murmurava:
- Bons dias, irmão Genebro!
Ora, um dia, indo este admirável mendicante
de Spoleto para Terni, e avistando no azul e no sol da

3
manhã, sobre uma colina coberta de carvalhos, as ruínas
do castelo de Otofrid, pensou no seu amigo Egydio, antigo

Unidade
noviço como ele no mosteiro de Santa Maria dos Anjos, que
se retirara àquele ermo para se avizinhar mais de Deus,
e ali habitava uma cabana de colmo, junto das muralhas
derrocadas, cantando e regando as alfaces do seu horto,
porque a sua virtude era amena. E como mais de três anos
tinham passado desde que visitara o bom Egydio, largou
a estrada, passou embaixo, no vale, sobre as alpondras, o
riacho que fugia por entre os aloendros em flor, e começou
a subir, lentamente, a colina frondosa. Depois da poeira e
ardor do caminho de Spoleto, era doce a larga sombra dos
castanheiros e a relva que lhe refrescava os pés doridos. A
meia encosta, numa rocha onde se esguedelhavam silvados,
sussurrava e luzia um fio de água. Estendido ao lado, nas
pedras úmidas, dormia, ressonando consoladamente, um
homem, que decerto ali guardava porcos, porque vestia um
grosso surrão de coiro e trazia, pendurada na cinta, uma
buzina de porqueiro. O bom frade bebeu de leve, afugentou
os moscardos que zumbiam sobre a rude face adormecida e
continuou a trepar a colina, com o seu alforge, o seu cajado,
agradecendo ao Senhor aquela água, aquela sombra, aquela
frescura, tantos bens inesperados. Em breve avistou, com
efeito, o rebanho de porcos, espalhados sob as frondes,
roncando e fossando as raízes, uns magros e agudos, de

UESC Letras Vernáculas 79

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 3.indd 79 4/10/2010 14:14:26
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

cerdas duras, outros redondos, com o focinho curto afogado


em gordura, e os bacorinhos correndo em torno às tetas das
mães, luzidios e cor de rosa.
Frei Genebro pensou nos lobos e lamentou o sono
do pastor descuidado. No fim da mata começava a rocha,
onde os restos do castelo Lombardo se erguiam, revestidos
de hera, conservando ainda alguma seteira esburacada
sobre o céu, ou, numa esquina de torre, uma goteira que,
esticando o pescoço de dragão, espreitava por meio das
silvas bravas.
A cabana do ermitão, telhada de colmo que lascas de pedra
seguravam, apenas se percebia, entre aqueles escuros
granitos, pela horta que em frente verdejava, com os seus
talhões de couve e estacas de feijoal, entre alfazema cheirosa.
Egydio não andaria afastado porque sobre o murozinho de
pedra solta ficara pousado o seu cântaro, o seu podão e a
sua enxada. E docemente, para o não importunar, se àquela
hora de sesta estivesse recolhido e orando, Frei Genebro
empurrou a porta de pranchas velhas, que não tinha loquete
para ser mais hospitaleira.
- Irmão Egydio!
Do fundo da choça rude, que mais parecia cova de
bicho, veio um lento gemido:
- Quem me chama? Aqui neste canto, neste canto
a morrer!... A morrer, meu irmão!
Frei Genebro acudiu em grande dó; encontrou o
bom ermitão estirado num monte de folhas secas, encolhido
em farrapos, e tão definhado, que a sua face, outrora farta e
rosada, era como um pergaminho muito enrugado, perdido
entre os flocos das barbas brancas. Com infinita caridade e
doçura o abraçou.
- E há quanto tempo, há quanto tempo neste
abandono, irmão Egydio?
Louvado Deus, desde a véspera! Só na véspera, à
tarde, depois de olhar uma derradeira vez para o sol e para
a sua horta, se viera estender naquele canto para acabar...
Mas havia meses que com ele entrara um cansaço, que nem
podia segurar a bilha cheia quando voltava da fonte.
- E dizei, irmão Egydio, pois que o Senhor me
trouxe, que posso eu fazer pelo vosso corpo? Pelo corpo,
digo; que pela alma bastante tendes vós feito na virtude
desta solidão!

80 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 3.indd 80 4/10/2010 14:14:26
Gemendo, arrepanhando para o peito as folhas secas em que
jazia, como se fossem dobras dum lençol, o pobre ermitão
murmurou:
- Meu bom Frei Genebro, não sei se é pecado, mas
toda esta noite, em verdade vos confesso, me apeteceu
comer um pedaço de carne, um pedaço de porco assado!...
Mas será pecado?
Frei Genebro, com a sua imensa misericórdia, logo
o tranqüilizou. Pecado? Não, certamente! Aquele que, por
tortura, recusa ao seu corpo um contentamento honesto,
desagrada ao Senhor. Não ordenava ele aos seus discípulos
que comessem as boas cousas da terra? O corpo é servo; e
está na vontade divina que as suas forças sejam sustentadas,
para que preste ao espírito, seu amo, bom e leal serviço.
Quando Frei Silvestre, já tão doentinho, sentira aquele longo
desejo de uvas moscatéis, o bom Francisco de Assis logo o
conduziu à vinha, e por suas mãos lhe apanhou os melhores

3
cachos, depois de os abençoar para serem mais sumarentos
e mais doces...

Unidade
- É um pedaço de porco assado que apeteceis? –
exclamava risonhamente o bom Frei Genebro, acariciando
as mãos transparentes do ermitão. – Pois sossegai, irmão
querido, que bem sei como vos vou contentar.
E imediatamente, com os olhos a reluzir de
caridade e de amor, agarrou o afiado podão que pousava
sobre o muro da horta. Arregaçando as mangas do hábito,
e mais ligeiro que um gamo, porque era aquele um serviço
do Senhor, correu pela colina, até aos densos castanheiros
onde encontrara o rebanho de porcos. E aí, andando
sorrateiramente de tronco para tronco, surpreendeu um
bacorinho desgarrado que fossava a bolota, desabou sobre
ele, e, enquanto lhe sufocava o focinho e os gritos, decepou,
com dois golpes certeiros do podão, a perna por onde o
agarrara. Depois, com as mãos salpicadas de sangue, a
perna do porco bem alta a pingar sangue, deixando a rês a
arquejar numa poça de sangue, o piedoso homem galgou a
colina, correu à cabana, gritou para dentro alegremente:
- Irmão Egydio, a peça de carne já o Senhor a deu!
E eu, em Santa Maria dos Anjos, era bom cozinheiro.
Na horta do ermitão arrancou uma estaca do feijoal,
que, com o podão sangrento, aguçou em espeto. Entre duas
pedras acendeu uma fogueira. Com zeloso carinho assou a

UESC Letras Vernáculas 81

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 3.indd 81 4/10/2010 14:14:26
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

perna do porco. Tanta era a sua caridade que para dar a


Egydio todos os antegozos daquele banquete, raro em terra
de mortificação, anunciava com vozes festivas e de boa
promessa:
- Já vai aloirando o porquinho, irmão Egydio! A
pele já tosta, meu santo!
Entrou enfim na choça, triunfalmente, com o
assado que fumegava e rescendia, cercado de frescas folhas
de alface. Ternamente, ajudou a sentar o velho, que tremia
e se babava de gula. Arredou das pobres faces maceradas
os cabelos que o suor da fraqueza empastara. E, para que
o bom Egydio se não vexasse com a sua voracidade e tão
carnal apetite, ia afirmando, enquanto lhe partia as fibras
gordas, que também ele comeria regaladamente daquele
excelente porco, se não tivesse almoçado à farta na Locanda
dos Três Caminhos.
- Mas nem bocado agora me podia entrar, meu
irmão! Com uma galinha inteira me atochei! E depois uma
fritada de ovos! E de vinho branco, um quartilho!
E o santo homem mentia santamente – porque
desde madrugada, não provara mais que um magro caldo de
ervas, recebido por esmola à cancela de uma granja.
Farto, consolado, Egydio deu um suspiro, recaiu
no seu leito de folhas secas. Que bem lhe fizera, que bem
lhe fizera! O Senhor, na sua justiça, pagasse a seu irmão
Genebro aquele pedaço de porco! Até sentia a alma mais rija
para a temerosa jornada... E o ermitão com as mãos postas,
Genebro ajoelhado, ambos louvaram, ardentemente, o
Senhor que, a toda a necessidade solitária, manda de longe
o socorro.
Então, tendo coberto Egydio com um pedaço de
manta e posto, a seu lado, a bilha cheia de água fresca, e
tapado, contra as aragens da tarde, a fresta da cabana, Frei
Genebro, debruçado sobre ele, murmurou:
- Meu bom irmão, vós não podeis ficar neste
abandono... Eu vou levado por obra de Jesus, que não admite
tardança. Mas passarei no convento de Sambricena e darei
recado para que um noviço venha e cuide de vós com amor,
no vosso transe. Deus vos vele entretanto, meu irmão; Deus
vos sossegue e vos ampare com a sua mão direita!
Mas Egydio cerrara os olhos, nem se moveu, ou
porque adormecera, ou porque o seu espírito, tendo pago

82 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 3.indd 82 4/10/2010 14:14:26
aquele derradeiro salário ao corpo, como a um bom servidor,
para sempre partira, finda a sua obra na terra. Frei Genebro
abençoou o velho, tomou o seu bordão, desceu a colina dos
grandes carvalhos. Sob a fronde, para os lados onde andava
o rebanho, a buzina do porqueiro ressoava agora num toque
de alarme e de furor. Decerto acordara, descobrira o seu
porco mutilado... Estugando o passo, Frei Genebro pensava
quanto era magnânimo o Senhor em permitir que o homem,
feito à sua imagem augusta, recebesse tão fácil consolação
duma perna de cerdo assada entre duas pedras.
Retomou a estrada, marchou para Terni. E
prodigiosa foi, desde esse dia, a atividade da sua virtude.
Através de toda a Itália, sem descanso, pregou o Evangelho
Eterno, adoçando a aspereza dos ricos, alargando a esperança
dos pobres. O seu imenso amor ia ainda para além dos que
sofrem, até àqueles que pecam, oferecendo um alívio a cada
dor, estendendo um perdão a cada culpa: e com a mesma

3
caridade com que tratava os leprosos, convertia os bandidos.
Durante as invernias e a neve, vezes inumeráveis dava, aos

Unidade
mendigos, a sua túnica, as suas alpercatas; os abades dos
mosteiros ricos e as damas devotas de novo o vestiam, para
evitar o escândalo da sua nudez através das cidades; e sem
demora, na primeira esquina, ante qualquer esfarrapado,
ele se despojava sorrindo. Para remir servos que penavam
sob um amo fero, penetrava nas igrejas, arrancava do altar
os candelabros de prata, afirmando, jovialmente, que mais
praz a Deus uma alma liberta que uma tocha acesa.
Cercado de viúvas, de crianças famintas, invadia
as padarias, os açougues, até as tendas dos cambistas,
e reclamava imperiosamente, em nome de Deus, a parte
dos deserdados. Sofrer, sentir a humilhação, eram, para
ele, as únicas alegrias completas: nada o deliciava mais do
que chegar de noite, molhado, esfaimado, tiritando, a uma
opulenta abadia feudal, e ser repelido da portaria como um
mau vagabundo: só então, agachado nos lodos do caminho,
mastigando um punhado de ervas cruas, ele se reconhecia
verdadeiramente irmão de Jesus, que não tivera também,
como têm sequer os bichos do mato, um covil para se abrigar.
Quando um dia, em Perusa, as confrarias saíram a seu
encontro, com bandeiras festivas, ao repique dos sinos, ele
correu para um monte de esterco, onde se rolou e se sujou,
para que daqueles que o vinham engrandecer, só recebesse

UESC Letras Vernáculas 83

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 3.indd 83 4/10/2010 14:14:26
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

compaixão e escárnio. Nos claustros, nos descampados, em


meio das multidões, durante as lides mais pesadas, orava
constantemente, não por obrigação, mas porque na prece
encontrava um deleite adorável. Deleite maior, porém, era,
para o franciscano, ensinar e servir. Assim, longos anos
errou entre os homens, vertendo o seu coração como a
água de um rio, oferecendo os seus braços como alavancas
incansáveis; e tão depressa, numa ladeira deserta, aliviava
uma pobre velha da sua carga de lenha, como numa cidade
revoltada, onde reluzissem armas, se adiantava, com o peito
aberto, e amansava as discórdias.
Enfim, uma tarde, em véspera de Páscoa, estando
a descansar nos degraus de Santa Maria dos Anjos, avistou
de repente, no ar liso e branco, uma vasta mão luminosa
que sobre ele se abria e faiscava. Pensativo, murmurou:
- Eis a mão de Deus, a sua mão direita, que se
estende para me acolher ou para me repelir.
Deu logo a um pobre, que ali rezava a Ave-Maria,
com a sua sacola nos joelhos, tudo o que no mundo lhe
restava, que era um volume do Evangelho, muito usado
e manchado das suas lágrimas. No domingo, na igreja,
ao levantar da Hóstia, desmaiou. Sentindo então que ia
terminar a sua jornada terrestre, quis que o levassem para
um curral, o deitassem sobre uma camada de cinzas.
Em santa obediência ao guardião do convento,
consentiu que o limpassem de seus trapos, lhe vestissem
um hábito novo: mas, com os olhos alagados de ternura,
implorou que o enterrassem num sepulcro emprestado como
fora o de Jesus, seu senhor.
E, suspirando, só se queixava de não sofrer:
- O senhor, que tanto sofreu, porque me não
manda a mim o padecimento bendito?
De madrugada pediu que abrissem, bem largo, o
portão do curral.
Contemplou o céu que clareava, escutou as
andorinhas que, na frescura e silêncio, começavam a
cantar sobre o beiral do telhado, e, sorrindo, recordou uma
manhã, assim de silêncio e frescura, em que, andando
com Francisco de Assis à beira do lago de Perusa, o mestre
incomparável se detivera ante uma árvore cheia de pássaros,
e, fraternalmente, lhes recomendara que louvassem sempre
o Senhor! “Meus irmãos, meus irmãos passarinhos, cantai

84 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 3.indd 84 4/10/2010 14:14:26
bem o vosso Criador, que vos deu essa árvore para que nela
habiteis, e toda esta limpa água para nela beber, e essas
penas bem quentes para vos agasalharem, a vós e aos
vossos filhinhos!” Depois, beijando humildemente a manga
do monge que o amparava, Frei Genebro morreu.

II
Logo que ele cerrou os seus olhos carnais, um
Grande Anjo penetrou diafanamente no curral e tomou, nos
braços, a alma de Frei Genebro. Durante um momento, na
fina luz da madrugada, deslizou por sobre o prado fronteiro
tão levemente que nem roçava as pontas orvalhadas da relva
alta. Depois, abrindo as asas, radiantes e níveas, transpôs,
num vôo sereno, as nuvens, os astros, todo o céu que os
homens conhecem.
Aninhada nos seus braços, como na doçura de um
berço, a alma de Genebro conservava a forma do corpo que

3
sobre a terra ficara; o hábito franciscano ainda a cobria, com
um resto de poeira e de cinza nas pregas rudes; e, com um

Unidade
olhar novo, que agora tudo trespassava e tudo compreendia,
ela contemplava, num deslumbramento, aquela região em
que o Anjo parara, para além dos universos transitórios e
de todos os rumores siderais. Era um espaço sem limite,
sem contorno e sem cor. Por cima começava uma claridade,
subindo espalhada à maneira duma aurora, cada vez mais
branca, e mais luzente, e mais radiante, até que resplandecia
num fulgor tão sublime que nela um sol coruscante seria
como uma nódoa pardacenta. E por baixo estendia-se uma
sombra cada vez mais baça, mais fusca, mais cinzenta, até
que formava como um espesso crepúsculo de profunda,
insondável tristeza. Entre essa refulgência ascendente e a
escuridão interior, permanecera o Anjo imóvel, esperando,
com as asas fechadas. E a alma de Genebro perfeitamente
sentia que estava ali, esperando também, entre o Purgatório
e o Paraíso. Então, subitamente, nas alturas, apareceram
os dois imensos pratos duma Balança – um que rebrilhava
como diamante e era reservado às suas Boas Obras, outro,
negrejando mais que carvão, para receber o peso de suas
Obras Más. Entre os braços do Anjo, a alma de Genebro
estremeceu... Mas o prato diamantino começou a descer
lentamente. Oh! Contentamento e glória! Carregado com as
suas Boas Obras, ele descia calmo e majestoso, espargindo

UESC Letras Vernáculas 85

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 3.indd 85 4/10/2010 14:14:26
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

claridade. Tão pesado vinha, que as suas grossas cordas


se retesavam, rangiam. E entre elas, formando como uma
montanha de neve, alvejavam magnificamente as suas
virtudes evangélicas. Lá estavam as incontáveis esmolas
que semeara no mundo, agora desabrochadas em alvas
flores, cheias de aroma e de luz.
A sua humildade era um cimo, aureolado por
um clarão. Cada uma das suas penitências cintilava mais
limpidamente que cristais puríssimos. E a sua oração perene
subia e enrolava-se em torno das cordas, à maneira duma
deslumbrante névoa de ouro.
Sereno, tendo a majestade de um astro, o prato
das Boas Obras parou, finalmente, com a sua carga preciosa.
O outro, lá em cima, não se movia também, negro, da cor
do carvão, inútil, esquecido, vazio. Já das profundidades,
sonoros bandos de Serafins voavam, balançando palmas
verdes. O pobre franciscano ia entrar triunfalmente no
Paraíso – e aquela era a milícia divina que o acompanharia
cantando. Um frêmito de alegria passou na luz do Paraíso,
que um Santo novo enriquecia. E a alma de Genebro
anteprovou as delícias da Bem-aventurança.
Subitamente, porém, no alto, o prato negro oscilou
como a um peso inesperado que sobre ele caísse! E começou
a descer, duro, temeroso, fazendo uma sombra dolente
através da celestial claridade. Que Má Ação de Genebro trazia
ele tão miúda que nem se avistava, tão pesada que forçava
o prato luminoso a subir, remontar ligeiramente como se a
montanha de Boas Ações que nele transbordavam, fossem
um fumo mentiroso? OH! Mágoa! Oh! Desesperança! Os
Serafins recuavam, com as asas trementes. Na alma de Frei
Genebro correu um arrepio imenso de terror. O negro prato
descia, firme, inexorável, com as cordas retesas. E na região
que se cavava sob os pés do Anjo, cinzenta, de inconsolável
tristeza, uma massa de sombra, molemente e sem rumor,
arfou, cresceu, rolou, como a onda duma maré devoradora.
O prato, mais triste que a noite, parara – parara em pavoroso
equilíbrio com o prato que rebrilhava. E os Serafins, Genebro,
o Anjo que o trouxera, descobriram, no fundo daquele prato
que inutilizava um Santo, um porco, um pobre porquinho
com uma perna barbaramente cortada, arquejando, a
morrer, numa poça de sangue... O animal mutilado pesava
tanto na balança da justiça como a montanha luminosa de

86 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 3.indd 86 4/10/2010 14:14:26
virtudes perfeitas!
Então, das alturas, surgiu
uma vasta mão, abrindo os dedos que
faiscavam. Era a mão de Deus, a sua
mão direita, que aparecera a Genebro na
escada de Santa Maria dos Anjos, e que
agora supremamente se estendia para
o acolher ou para o repelir. Toda a luz e
toda a sombra, desde o Paraíso fulgente
ao Purgatório crepuscular, se contraíram
num recolhimento de inexprimível amor e
terror. E na extática mudez, a vasta mão,
através das alturas, lançou um gesto que
repelia...
Então o Anjo, baixando a face
compadecida, alargou os braços e deixou
cair, na escuridão do Purgatório, a alma de

3
Figura 2 - Eça de Queiroz
Frei Genebro. Fonte: pt.wikipedia.org

Unidade
Fonte: http://virtualbooks.terra.com.br/freebook/port/
download/Frei_Genebro.pdf

PARA CONHECER

Eça de Queirós – José Maria de Eça de Queirós nasceu em Póvoa de Varzim, no dia 25 de novembro de 1845
e morreu em Paris, a 16 de agosto de 1900. É considerado por o melhor escritor do Realismo português. Foi autor, entre
outros romances de importância reconhecida, de Os Maias (faça download da série de TV no endereço http://fifa08brasil.
blogspot.com/2009/04/serie-os-maias-download.html e do livro no endereço www.baixatudo.com.br/os-maias ) e O
crime do Padre Amaro (faça download do filme homônimo no endereço http://ilimitado.us/download-o-crime-do-padre-
amaro/ e do livro no endereço www.livroseafins.com/download-baixar-livros-gratis ). Seus primeiros trabalhos como
escritor apareceram no jornal Gazeta de Portugal. Trabalhou como administrador municipal no município de Leiria e como
cônsul de Portugal na Inglaterra: esta época foi uma das mais produtivas de sua carreira. Partilhou os ideais literários do
escritor francês Gustave Flaubert.
Algumas das obras desse grande escritor português:
Eça de Queirós foi um dos pioneiros da
literatura realista em Portugal. Abordou, em suas
obras, temas de ordem crítica: seu olhar sobre a
sociedade portuguesa é cáustico, ele atacou o clero,
a burguesia, a aristocracia, as falsas virtudes etc.
Para tanto, desenvolveu uma técnica baseada na
abordagem de temas cotidianos, na descrição de
locais e comportamento de pessoas, através de um
olhar cético e, algumas vezes, pessimista e irônico. O
humor desse escritor português era sempre vincado
pela crítica às instituições caducas e às pessoas que as
representavam.

Sugerimos que você acesse o site http://


videos.sapo.pt/YHyyYg269PSDCrmIFB9L e assista
a uma fotobiografia de Eça de Queirós. Em http://
www.youtube.com/watch?v=fBljjupF_34, você verá
um trailler do filme O primo Basílio, baseado na obra
homônima de Eça de Queiros. Já em http://videolog.
uol.com.br/video.php?id=388995 assista a um vídeo
sobre O mistério da Casa de Sintra.

UESC Letras Vernáculas 87

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 3.indd 87 4/10/2010 14:14:26
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

SAIBA MAIS

O movimento estético-cultural conhecido como Realismo surgiu, no Ocidente, na segunda metade do século XIX, como
uma reação aos excessos subjetivistas do Romantismo, que já tinha saturado a cena artística europeia desde as primeiras
décadas do século com um sentimentalismo exacerbado.

Em Portugal, o marco histórico-cultural que introduziu as ideias realistas foi a chamada “Questão Coimbrã” que, em
1865, opôs realistas a românticos. A partir da segunda metade do século XIX, o ambiente sociocultural europeu mudou
significativamente. A sociedade burguesa, de cunho industrial e mecanicista, ganhou contornos definitivos, solidificando
seus valores materiais e imateriais. As ideias de liberalismo e democracia se fortaleceram.

As ciências naturais desenvolveram-se e os métodos de experimentação e observação da realidade passaram a ser


encarados como os únicos capazes de explicar racionalmente o mundo físico, dominando todos os campos do conhecimento.
O desenvolvimento científico da época galvanizou a intelectualidade que, das cátedras universitárias aos bares boêmios,
adere ao cientificismo e ao materialismo, opondo-se à metafísica, à religião e a tudo que escapasse dos limites da matéria.

O Positivismo de Augusto Comte defendia a importância da Ciência para a sociedade humana. Ele concluía que a Teologia e
a Metafísica deveriam ser abandonadas, já que a realidade é concreta, objetiva e lógica, passível de observação, descrição
e experimentação. Na mesma época, o evolucionismo darwiniano eliminou a aura de espiritualidade e misticismo que o
idealismo romântico conferia ao ser humano, encarando-o como parte de uma grande cadeia alimentar, nivelando-o com
outros seres vivos.

Mas a teoria filosófica que mais influência teve sobre as artes desse período foi o determinismo de Hippolyte Taine, que
explicava todas as ocorrências humanas e sociais pelo condicionamento do indivíduo ao meio, à raça ou fato histórico. De
acordo com Taine, o homem é produto do ambiente em que vive ou viveu, ao qual se soma a hereditariedade.

Em Portugal, essas ideias provocaram a polêmica que ficou conhecida como o nome de “Questão Coimbrã” (1865): os
românticos foram representados por Antônio Feliciano de Castilho que, através de um posfácio, criticou os princípios da
chamada Ideia Nova (o Realismo), praticados por estudantes artistas da Universidade de Coimbra. Antero de Quental, um
desses jovens, rebateu as críticas dos românticos através de uma cara aberta conhecida como “Bom Senso e Bom Gosto”.
Essa polêmica continuou nas Conferências do Cassino Lisbonense (1871), proferidas por Antero de Quental, Eça de Queirós
e outros, sendo interrompidas por ordem oficial.

Nós já lemos textos narrativos. Você sabe os elementos


que os compõem, todos constam da Unidade I. Agora vamos “ler” o
conto de Eça de Queirós, numa perspectiva analítico-interpretativa.
Comecemos com o enredo: a trama é construída linearmente, os
eventos narrados são encadeados por uma lógica progressiva: início,
meio e fim. Nesse processo, há um clímax e um desfecho. O clímax
ocorre na segunda parte do conto, quando morre Frei Genebro e suas
virtudes e seus pecados são julgados por Deus. O desfecho é o envio
de sua alma ao Purgatório, como castigo pela violência que cometeu
contra o porquinho.
Frei Genebro, como aponta o título do conto, é a personagem
protagonista da narrativa. As demais personagens, adjuvantes,
compõem as cenas, sem grande destaque, apenas de maneira a
ressaltarem as virtudes do Frei. O narrador heterodiegético trabalha
com uma focalização externa, o que lhe permite construir uma visão
ampla dos fatos e ir preparando pouco a pouco o leitor para o clímax
e o desfecho. O tempo é cronológico, situando os fatos narrados nos
primórdios do catolicismo. Não aparecem antecipações, flash-back. O
tempo da diegese acompanha a ordem linear da narrativa, apenas no

88 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 3.indd 88 4/10/2010 14:14:27
desfecho há uma retomada de eventos anteriores, mas somente por
alusão, não para que sejam revividos.
Essa descrição dos elementos que estruturam o conto de Eça
de Queirós pode ficar muito vazia se não for objeto de uma reflexão.
A “arrumação” que o escritor dá aos fatos e elementos da narrativa,
através desse narrador que não faz parte da trama, que observa
os acontecimentos e os conta a nós, leitores, numa perspectiva
distanciada e crítica, aponta para a decadência dos valores religiosos,
cristãos, os quais estariam na base da ordem social portuguesa.
A caridade do santo Frei não se estende a todos os viventes.
O narrador nos conduz de forma bastante objetiva, descrevendo
minuciosamente as cenas, as personagens, suas reações, levando-
nos para dentro do narrado e, simultaneamente, colocando-nos numa
distância crítica providencial, pois isso nos permite refletir sobre o
que seria, de verdade, a caridade cristã apregoada por aqueles pais
da religião. Eça de Queirós estabelece as bases do Realismo em
Portugal, no que tange à narrativa de ficção.

3
O Realismo português, ligado à Questão Coimbrã ou Querela
do Bom Senso e do Bom Gosto, marcou o choque entre as já

Unidade
tradicionais ideias românticas, ligadas ao nacionalismo idealizante,
e uma nova visão de mundo, menos utópica, em seus princípios,
e bem mais materialista. Esse movimento prolongou-se até 1890,
quando Eugenio de Castro anunciou a estética Simbolista. Atentem
para o fato de que essas datas não são absolutas, não podem limitar
o literário.
Podemos, agora, perceber as raízes da criticidade de Eça de
Queirós. E podemos voltar ao conto, para “lê-lo” melhor.
Logo de início, pelo título, deduz-se que o tema do conto está
ligado à religião e ao clero. Quando nos deparamos com a descrição
de Frei Genebro, pensamos estar diante de um novo santo da Igreja
Católica, até porque ele é comparado a São Francisco de Assis. Mas
é ao vê-lo encontrar o monge moribundo que a ironia queirosiana
se instala quase claramente. Sabe-se que um dos pecados que
devemos combater, segundo os preceitos da religião católica, é a
gula. E, exatamente, na hora da morte o velho clérigo sonha com um
pernil de porco. Querendo fazer o bem, sua obsessão, Frei Genebro
é crudelíssimo com um animalzinho que, por armadilha do destino,
atravessa seu caminho. Ele satisfaz a gula do moribundo às custas da
vida de um porquinho.
Parece-nos clara a visão “realista” do mundo: muitas virtudes
esconderiam falhas gravíssimas, mesmo entre os homens mais
santos. Os princípios do evolucionismo darwiniano e do determinismo

UESC Letras Vernáculas 89

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 3.indd 89 4/10/2010 14:14:27
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

A Literatura não é um taineano estão presentes: sempre vencem os mais fortes e esses
discurso intransitivo, é um
agem de acordo com seu tempo, seu meio, suas condicionantes
discurso que interage com
múltiplos campos de saber. biologias etc.
Queremos que vocês observem que analisar poemas e
LEITURA RECOMENDADA
narrativas não significa apenas descrever seus elementos, mas
Sugerimos que você leia mais
sobre o assunto “poesia” nos significa relacionar esses elementos, produzindo sentido para
seguintes endereços: www.
lusofoniapoetica.com , http:// os textos. Para isso, precisamos recorrer à Filosofia, à História, à
www.clubedapoesia.com.br ,
www.oficioliterario.com.br , Psicologia, à Estética, à Sociologia etc.
www.recantodasletras.uol.
com.br

ATIVIDADES
3 ATIVIDADES

1. Preencha as lacunas, relendo os poemas e as narrativas que abordamos até agora.

Texto 1:
Isto
Fernando Pessoa

DIZEM que finjo ou minto


Tudo que escrevo. Não,
Eu simplesmente sinto
Com a imaginação.
Não uso o coração.

Tudo o que sonho ou passo,


O que me falha ou finda,
É como que um terraço
Sobre outra coisa ainda.
Essa coisa é que é linda.

Por isso escrevo em meio


Do que não está ao pé,
Livre do meu enleio,
Sério do que não é.
Sentir? Sinta quem lê!
Fonte: www.portalsaofrancisco.com.br/.../fernando-pessoa/isto.php

a) O poema “Isto”, de Fernando Pessoa, é uma FORMA _____________(LIVRE/FIXA).


Seus VERSOS são _____________(IRREGULARES/REGULARES) quanto à métrica.
b) Observe as rimas da primeira estrofe. São _________________ (EXTERNAS/
INTERNAS), _____________________(POBRES/RICAS), _________________
(ASSONANTES/CONSOANTES).
c) O esquema de rimas da segunda e da terceira estrofes é __________________________
(IGUAL/DIFERENTE) ao da primeira, no que tange à ordem dos sons coincidentes.
d) Na primeira estrofe, as rimas em [ão] sugerem, quanto ao sentido dos vocábulos cujos

90 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 3.indd 90 4/10/2010 14:14:27
sons são similares, que o eu-lírico ____________________(NEGA/ACEITA) o uso do
sentimento no fazer poético.
e) Ainda na primeira estrofe, as rimas em [into] sugerem, quanto à seleção e relação
entre os vocábulos que ___________________________(SENTIMENTOS NA
POESIA SÃO VERDADEIROS/SENTIMENTOS NA POESIA SÃO FALSOS).

2. A partir da leitura do poema de Fernando Pessoa, “Isto”, seria possível afirmar que
o fazer poético depende de uma atitude de fingimento estético por parte do poeta?
Justifique com versos do poema sua resposta.

3. Leia o conto abaixo, de Fernando Bonassi, escritor contemporâneo que, em suas


narrativas, problematiza toda a tradição contística, dissolvendo a estruturação em
parágrafos, condensando ao extremo a ação, tematizando o mais cru cotidiano, mas
num processo de reinvenção da linguagem que o torna poético, e responda, depois,
aos itens propostos:

Cesta Básica
Fernando Bonassi

Esse saco de feijão nos poria de pé, não fosse um fardo pesado pra carregar

3
envergado. Uns quilinhos de arroz até que vêm a misturar, pondo o preto e o branco
em pratos limpos. Carne fresca, só a nossa mesmo e olhe lá! Umas meio loucas, outras

Unidade
tantas destemperadas por alhos, bugalhos e cebolas que nos fazem chorar de emoção.
Uma pitada de sal poderia nos conservar melhor, atenuando a memória do infortúnio que
não é pequeno. Acontece que os encostos espirituais esfomeados também precisam ser
venerados em trabalhos encruzilhados. E assim espantamos maus olhados que só vendo
à luz de velas! O café torrado deve ser pra ficar acordado na escura jornada noite adentro,
pensando no que vale a pena desse teatro de marionetes. Vale a pena de morte desses
bichos que o diabo do empresário amassou nas latinhas de conserva? Valem as sardinhas
exploradas como operários escorchados nos ônibus lotados? Quantos espinhos vamos ter
que engolir pela garganta com o perfume de rosas de plástico das embalagens à vácuo?
Nenhum, se tivéssemos mínimo respeito para com a flora do intestino alheio. Respeito a
gente gosta. E também de mamar num peito que acolha o coitado. Problema é que o leite
é desnatado (nem faz bigode e parece ter saído de pedra!). O que fazer de um creme ralo
que se dissolve ao menor contato com a nossa atmosfera viciada? Aliás: droga, sexo e
chocolate, que é bom, não tem pro nosso paladar. No que é que isso pode dar? Cadeia?
Mais prisão do que a cidade abandonada que ocupamos de panos encardidos e moleques
reprimidos? Tudo que eu gosto é ilegal, imoral ou engorda?! Será esse meu destino
miserável de prazeres? Querer muito mais do pouco que podemos não queremos, mas
o que dizer dessa farinha chutada no peso? E dessa manteiga rançosa de esperança? A
polpa dos nossos tomates tem a cor da paciência inchada; portanto, se o macarrão tiver
ovos mesmo, que seja um par deles e roxos como os de boteco, pra agüentar o repuxo
do muito que falta. Uma das caixas ainda se destina à “manjar”, como se não tivéssemos
sensibilidade pra perceber a situação! Enquanto nós, os fodidos, estamos indo com o
fubá, outros bacanas já receberam embaixadas distantes e coquetéis de camarão. Caviar
e azeitonas é melhor nem pensar, pra não desvairar de vez. Você acha justo? Esse milho
que eu queria verde, por exemplo, é ervilha cozida com gosto de massa corrida. Essa
marmelada açucarada tem a pretensão de acabar com a minha amargura? Uma mistura
que pode dar bolo, se tivéssemos motivo pra festas. Onde já se viu?! Não é de enjoar no
estômago?! Quem nasceu pra óleo de soja, nunca experimentará azeite de grego? E o
vinho da ceia, já que nos fazem dar graças a Deus por tudo de mal que nos acontece por
acaso? O pão nosso de cada dia não nos dão hoje. Nem ontem, nem amanhã. Uma seleta

UESC Letras Vernáculas 91

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 3.indd 91 4/10/2010 14:14:27
Introdução aos estudos Literários: análise de poemas, dramas e narrativas

de legumes confunde os ingredientes que a natureza separou pacientemente na evolução


das espécies. Um tempero que se diz completo, como se fosse possível nesse mundo de
ilusão... Quanto às salsichas enrugadas os senhores de bens que enfiem naquele lugar
perfurado. Nossa parte queremos em satisfação e requinte.
Fonte: http://www.webwritersbrasil.com.br/bco_contos.asp

Responda, agora:
a) Por que as carnes nos “fariam chorar de emoção”? Elas trazem algum sentido
simbólico? Qual? Justifique com frases do conto.
b) O enredo segue uma ordem linear? Justifique sua resposta, resumindo, em poucas
linhas o conto.
c) Existem clímax e desfecho nesse conto? Aponte-os caso existam e justifique sua
resposta.
d) O conto “Cesta Básica”, como alude o título, constrói-se a partir de metáforas que
remetem o leitor a um jogo entre vida e ficção. Escolha uma metáfora e comente-a.

4. Leia o romance Esaú e Jacó, de Machado de Assis, disponível para download em


http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action
=&co_obra=2042 , e responda às questões abaixo:

a) Por que os protagonistas têm nomes diferentes do título do romance, já que este se
refere a eles?
b) Qual a função da personagem FLORA na narrativa?
c) Há relação entre o conteúdo ficcional e o momento histórico brasileiro? Justifique.

3 CONCLUSÃO

LEITURA RECOMENDADA Nesta unidade, desenvolvemos um trabalho de leitura,


CANDIDO, Antônio. Forma- compreensão e interpretação de alguns textos literários,
ção da literatura brasilei-
ra. São Paulo: Edusp, 1975. objetivando, com isso, um exercício cada vez mais crítico por parte
CHIAPPINI, Lígia. O Foco do leitor. Consideramos que, através de tal exercício somado ao
Narrativo (Ou a polêmica
em torno da ilusão). São conhecimento de outros textos e outras formas de se lidar com o
Paulo: Ática, 2002.
objeto artístico, mediante exposição nas unidades anteriores, o
SARAIVA, António José; LO-
PES, Óscar. História da li- leitor, consequentemente, foi capaz de produzir novos e diferentes
teratura portuguesa. 17.
ed. Porto: Porto Editora, sentidos aos textos aqui estudados. Por conseguinte, concluímos que
2001.
você certamente expandiu seu conhecimento de mundo, verificou
Domínio Público. Disponí-
vel em <http://www.domi um alargamento do horizonte de expectativas e experimentou novos
niopublico.org.br>
desafios no que diz respeito ao tratamento com a leitura literária.

4 RESUMINDO... RESUMINDO

Nesta unidade você estudou A leitura da narrativa. Aprofundou os


estudos iniciados nas unidades anteriores e elevou o nível de leitura a
partir de análise dos textos literários presentes neste módulo.

92 Módulo 2 I Volume 4 EAD

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 3.indd 92 4/10/2010 14:14:27
5 REFERÊNCIAS

Baixa tudo. Os Maias. Disponível em <http://www.baixatudo.com.br/


os-maias>

Citador: Balada do poema que não há. Disponível em <http://www.


citador.pt/poemas.php?op=10&refid=200809210004>

REFERÊNCIAS
Clube da poesia. Disponível em <http://www.clubedapoesia.com.br>

Cultura Brasil. Disponível em <http://www.culturabrasil.pro.br/


bocagesonetos.htm>

Domínio Público. Esaú e Jacó. Disponível em <http://www.


dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_
action=&co_obra=2042>

Flaonze Download Brasil. Disponível em <http://fifa08brasil.blogspot.


com/2009/04/serie-os-maias-download.html<

Ilimitado. O Crime do Padre Amaro. Disponível em <http://ilimitado.


us/download-o-crime-do-padre-amaro/>

3
Livros e afins. Download de obras e textos. Disponível em <http://
www.livroseafins.com/download-baixar-livros-gratis>

Unidade
Luso poema. Amor e Amor. Disponível em <http://www.lusopoemas.
net>

Lusofonia Poética. Disponível em <http://www.lusofoniapoetica.com>

Ofício Literário. Disponível em <http://www.oficioliterario.com.br>

Pedro Sette-Cêmara. Disponível em< http://www.pedrosette.com/>

Portal São Francisco. Obras de Fernando pessoa. Disponível em <http://


www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/fernando-pessoa/index.php>

Recanto das Letras. Disponível em < http://recantodasletras.uol.com.


br/>

Releituras. Disponível em <http://www.releituras.com/mbandeira_


rondo.asp>

Sapo Vídeos. Elementos fotobiográficos de Eça de Queiroz. Disponível


em <http://videos.sapo.pt/YHyyYg269PSDCrmIFB9L>

Vídeo Log. O mistério da estrada de Sintra. Disponível em <http://


videolog.uol.com.br/video.php?id=388995>

Virtual Books. Disponível em <http://virtualbooks.terra.com.br/


freebook/port/download/Frei_Genebro.pdf>

Web Writer: Literatura na Web. Banco de contos e crônicas. Disponível


em <http://www.webwritersbrasil.com.br/bco_contos.asp>

UESC Letras Vernáculas 93

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 3.indd 93 4/10/2010 14:14:28
Suas anotações
______________________________________________________________
______________________________________________________________
______________________________________________________________
_________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________

LETRAS - MOD 2 - VOL 4 - INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS - ANÁLISES DE POEMAS - unidade 3.indd 94 4/10/2010 14:14:28