You are on page 1of 97

ESTRUTURAS

DE
CONTENÇÃO

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO
(projeto)

Prof. Dr. Jorge Bounassar Filho

Novembro/2013

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 1


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

• INTRODUÇÃO
• CÁLCULO DO EMPUXO DE TERRA
• DADOS PARA O PROJETO
• TIPOS DE MUROS DE ARRIMO
• - MUROS DE GRAVIDADE
• - MUROS DE CONCRETO ARMADO (FLEXÃO)
• CORTINAS DE ESTACAS

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 2


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

INTRODUÇÃO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 3


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

Muros de arrimo - adequado às características locais e de projeto


> Propriedades do solo
> Peso específico
INTRODUÇÃO

• Angulo de atrito
• Coesão
> Determinação da estabilidade do muro
• Deslizamento
• Tombamento
• Capacidade suporte
• Estabilidade global
> Projeto das sessões do muro
2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 4
ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
INTRODUÇÃO

Prof. Fernando A. M. Marinho – POLI/USP

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 5


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
INTRODUÇÃO

N => Componente NORMAL da resultante “R”


- Compressão
- Aplicada no ponto “C” em “AB”

T => Componente TANGENCIAL da resultante R


- Equilibrada por forças de atrito
- Resultante no plano “ACB”

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 6


Prof. Antonio Moliterno– Caderno de Muros de Arrimo
ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
Equilíbrio de translação/deslizamento

para areia e 2,0 para argila


2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 7
ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
Equilíbrio de rotação/tombamento
INTRODUÇÃO

Rotação em torno do ponto “A”

Coeficiente de segurança contra tombamento

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 8


Prof. Antonio Moliterno– Caderno de Muros de Arrimo
ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
Verificação das tensões máximas – concreto e solo
INTRODUÇÃO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 9


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 10


Prof. Antonio Moliterno– Caderno de Muros de Arrimo
ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

CÁLCULO DO EMPUXO DE TERRA

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 11


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

- Atrito entre as partículas do solo;


- Rugosidade do muro;
- Inclinação do terreno em relação à horizontal.
EMPUXO DE TERRA

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 12


Prof. Antonio Moliterno– Caderno de Muros de Arrimo
ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
EMPUXO DE TERRA

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 13


Prof. Antonio Moliterno– Caderno de Muros de Arrimo
ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
EMPUXO DE TERRA

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 14


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
EMPUXO DE TERRA

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 15


Prof. Antonio Moliterno– Caderno de Muros de Arrimo
ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
EMPUXO DE TERRA

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 16


Prof. Antonio Moliterno– Caderno de Muros de Arrimo
ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
EMPUXO DE TERRA

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 17


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
EMPUXO DE TERRA

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 18


Prof. Antonio Moliterno– Caderno de Muros de Arrimo
ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
EMPUXO DE TERRA

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 19


Prof. Antonio Moliterno– Caderno de Muros de Arrimo
ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

DADOS PARA O PROJETO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 20


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
DIMENSIONAMENTO - MUROS POR GRAVIDADE
DADOS PARA O PROJETO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 21


Prof. Antonio Moliterno– Caderno de Muros de Arrimo
ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
DIMENSIONAMENTO - MUROS POR GRAVIDADE
DADOS PARA O PROJETO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 22


Prof. Antonio Moliterno– Caderno de Muros de Arrimo
ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
DIMENSIONAMENTO - MUROS POR GRAVIDADE
DADOS PARA O PROJETO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 23


Prof. Antonio Moliterno– Caderno de Muros de Arrimo
ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
DIMENSIONAMENTO - MUROS POR GRAVIDADE
DADOS PARA O PROJETO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 24


Prof. Antonio Moliterno– Caderno de Muros de Arrimo
ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
DIMENSIONAMENTO - MUROS POR GRAVIDADE
DADOS PARA O PROJETO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 25


Prof. Antonio Moliterno– Caderno de Muros de Arrimo
ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
DIMENSIONAMENTO - MUROS POR GRAVIDADE
DADOS PARA O PROJETO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 26


Prof. Antonio Moliterno– Caderno de Muros de Arrimo
ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
DIMENSIONAMENTO - MUROS POR GRAVIDADE
DADOS PARA O PROJETO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 27


Prof. Antonio Moliterno– Caderno de Muros de Arrimo
ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
DIMENSIONAMENTO - MUROS POR GRAVIDADE
DADOS PARA O PROJETO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 28


Prof. Antonio Moliterno– Caderno de Muros de Arrimo
ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

EXEMPLO – MURO DE ARRIMO POR GRAVIDADE


CONCRETO CICLÓPICO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 29


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
DIMENSIONAMENTO - MURO POR GRAVIDADE DE CONCRETO CICLÓPICO
exemplo

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 30


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
DIMENSIONAMENTO - MURO POR GRAVIDADE DE CONCRETO CICLÓPICO
exemplo

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 31


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
DIMENSIONAMENTO - MURO POR GRAVIDADE DE CONCRETO CICLÓPICO
exemplo

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 32


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
DIMENSIONAMENTO - MURO POR GRAVIDADE DE CONCRETO CICLÓPICO
exemplo

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 33


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
DIMENSIONAMENTO - MURO POR GRAVIDADE DE CONCRETO CICLÓPICO
exemplo

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 34


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
DIMENSIONAMENTO - MURO POR GRAVIDADE DE CONCRETO CICLÓPICO
exemplo

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 35


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
DIMENSIONAMENTO - MURO POR GRAVIDADE DE CONCRETO CICLÓPICO
exemplo

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 36


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
DIMENSIONAMENTO - MURO POR GRAVIDADE DE CONCRETO CICLÓPICO
exemplo

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 37


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
DIMENSIONAMENTO - MURO POR GRAVIDADE DE CONCRETO CICLÓPICO
exemplo

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 38


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

EXEMPLO – MURO DE ARRIMO POR FLEXÃO


– CONCRETO ARMADO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 39


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

Muros de Flexão
• São estruturas mais esbeltas com seção transversal em forma de “L”;
• Resistem aos empuxos por flexão, utilizando parte do peso próprio do maciço
para manter-se em equilíbrio, que se apoia sobre a base do “L” ;
• São construídos em concreto armado, tornando-se anti-econômicos para alturas
acima de 5 a 7m;
• A laje de base em geral apresenta largura entre 50 e 70% da altura do muro;
• A face trabalha à flexão e se necessário pode empregar vigas de enrijecimento,
no caso alturas maiores

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 40


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
DIMENSIONAMENTO - MUROS DE CONCRETO ARMADO
DADOS PARA O PROJETO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 41


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
DIMENSIONAMENTO - MUROS DE CONCRETO ARMADO
DADOS PARA O PROJETO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 42


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
DIMENSIONAMENTO - MUROS DE CONCRETO ARMADO
Muro contínuo – cálculo para a extensão de 1,00 de muro com altura “h”

Projeto:
1. Fixação das dimensões dos elementos componentes do muro;
DADOS PARA O PROJETO

2. Verificação da estabilidade do muro;


3. Cálculo dos esforços internos solicitantes no muro,
dimensionamento e detalhamento das armaduras;
4. Cálculo dos esforços solicitantes na sapata, dimensionamento
e detalhamento das armaduras.

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 43


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
DIMENSIONAMENTO - MUROS DE CONCRETO ARMADO
Dados:
a) Perfil do terreno;
b) Tipo de solo;
c) Cargas adicionais;
d) Tipo de concreto;
e) Tipo de aço.
exemplo

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 44


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
DIMENSIONAMENTO - MUROS DE CONCRETO ARMADO
exemplo

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 45


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
DIMENSIONAMENTO - MUROS DE CONCRETO ARMADO
exemplo

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 46


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
DIMENSIONAMENTO - MUROS DE CONCRETO ARMADO
Muro calculado como laje em balanço engastada na sapata.
exemplo

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 47


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
DIMENSIONAMENTO - MUROS DE CONCRETO ARMADO
exemplo

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 48


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
DIMENSIONAMENTO - MUROS DE CONCRETO ARMADO
exemplo

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 49


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
DIMENSIONAMENTO - MUROS DE CONCRETO ARMADO
Verificação da estabilidade do conjunto
exemplo

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 50


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
DIMENSIONAMENTO - MUROS DE CONCRETO ARMADO
Verificação da estabilidade do conjunto
exemplo

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 51


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
DIMENSIONAMENTO - MUROS DE CONCRETO ARMADO
exemplo

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 52


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
DIMENSIONAMENTO - MUROS DE CONCRETO ARMADO
exemplo

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 53


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
DIMENSIONAMENTO - MUROS DE CONCRETO ARMADO
exemplo

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 54


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
DIMENSIONAMENTO - MUROS DE CONCRETO ARMADO
exemplo

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 55


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
exemplo

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 56


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
exemplo

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 57


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
DIMENSIONAMENTO - MUROS DE CONCRETO ARMADO
Determinação dos esforços internos solicitantes e cálculo das armaduras.
exemplo

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 58


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
Determinação dos esforços internos solicitantes

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 59


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
Determinação dos esforços internos solicitantes

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 60


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
Materiais: concreto C-20 e aço CA50
Cobrimento das armaduras = 3,0 cm (d´= 4,50 cm)
Cálculo das armaduras

Área de Armadura
Momento Mk Momento Mk Espessura Altura útil aramdura mínima
Seção Armadura
(tf.cm/m) (kN.m/m) "h" (cm) "d" (cm) "As" (0,15h)
(cm /m) (cm2/m)
2

0 0,00 0,00 10,00 5,50 1,50 1 φ 8,0 c/ 20cm


1 14,00 1,40 15,00 10,50 0,43 2,25 1 φ 8,0 c/ 20cm
2 93,00 9,30 20,00 15,50 2,02 3,00 1 φ 8,0 c/ 16cm
3 288,00 28,80 25,00 20,50 3,83 3,75 1 φ 8,0 c/ 13cm
4 654,00 65,40 30,00 25,50 9,00 4,50 1 φ 12,5 c/ 13cm

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 61


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

0
1φ 8 mm c/ 25cm
1
Cálculo das armaduras

4
12,5 12,5 12,5 12,5 12,5

φ 12,5 mm

φ 8 mm

Distribuição das barras da armadura principal (vertical) e secundária de distribuição (horizontal).


Na face oposta à face de contato do muro com a terra adotar malha 1φ 8 mm c/ 25cm
2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 62
ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
NBR6118
Cálculo das armaduras

Cortante "Vk" Cortante Espessura Altura útil


Seção
(tf) "Vsd" (kN) "h" (cm) "d" (cm)
ρ1 VRD1 Armadura

0 0,00 0,00 10,00 5,50 0,00 3,27 dispensa


1 0,43 6,02 15,00 10,50 0,38 82,73 dispensa
2 1,39 19,46 20,00 15,50 0,26 82,74 dispensa
3 2,72 38,08 25,00 20,50 0,20 82,57 dispensa
4 4,70 65,80 30,00 25,50 0,16 82,19 dispensa

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 63


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
Sapata

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 64


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
Sapata

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 65


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
Sapata

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 66


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

Armadura 1φ 12,5 mm
c/ 25cm , inclusive no
talão.

Dispensa a armadura
de cisalhamento.

Armadura de distribuição -
1φ 6,3 mm c/ 30cm

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 67


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 68


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

EXEMPLO – MURO DE ARRIMO POR FLEXÃO COM


GIGANTES OU CONTRAFORTES
– CONCRETO ARMADO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 69


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 70


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

Projeto:
1. Solução normalmente adotada, para muros com alturas superiores a 5m,
para aumentar a rigidez do muro de flexão e diminuir as deformações.
Podem ser, por efeito do empuxo de terra, de tração (no lado da terra -
internos) ou de compressão (lado oposto ao da terra - externos);
2. Pode ser utilizada fundação direta dependendo da capacidade de suporte do
solo superficial, caso contrário utilizar fundação profunda – estacas ou
tubulões;
3. O muro apoia-se nos gigantes e em vigas longitudinais, funcionando como
lajes maciças;
4. Cálculo dos esforços internos solicitantes no muro (lajes, vigas e gigantes),
dimensionamento e detalhamento das armaduras;
5. Cálculo dos esforços solicitantes na sapata ou bloco de coroamento,
dimensionamento e detalhamento das armaduras.
2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 71
ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
Muro de arrimo isolado, fundação em sapata e talude vertical de 4,0m

Exemplo apresentado na dissertação de Paulo Cesar Domingues - EESC


2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 72
ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
Dimensões iniciais

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 73


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 74


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 75


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 76


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 77


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 78


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 79


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
Cálculo das armaduras das lajes do muro

1φ 6,3 mm c/ 14cm

1φ12,5mm c/ 14cm

1φ 8 mm c/ 14cm

1φ 6,3 mm c/ 12cm

1φ 12,5 mm c/ 14cm

1φ 8 mm c/ 12,5cm

Asmin = 0,15% x 100 x h = 0,15% x 100 x 15 = 2,25 cm 2


1φ 6,3 mm c/ 14cm
2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 80
ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

Tensão no solo

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 81


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 82


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 83


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 84


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

Momentos na sapata

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 85


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 86


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 87


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 88


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 89


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 90


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
CORTINA DE ESTACAS

Projeto:
- Determinar a profundidade “F” (ficha) em que a estaca deve estar engastada
no terreno de forma a permanecer em equilíbrio. Depende da altura de
escavação, e das características do solo;
- Determinar a distribuição dos esforços ao longo da estaca de forma a obter
os valores máximos. Depende da altura de escavação, e das características
do solo;
- Dimensionar a estaca, definindo sua seção transversal e as armaduras
necessárias, caso seja de concreto armado.

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 91


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
Cálculo do valor da ficha “F”

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 92


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
Cálculo do valor da ficha “F”

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 93


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 94


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO

Resolve “X” e “Z” por tentativas.

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 95


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
Esforços na estaca

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 96


ESTRUTURAS
DE
CONTENÇÃO
Dimensionamento da estaca

Tabelas

2013/2 CTU/DE – ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 97