You are on page 1of 7

See

discussions, stats, and author profiles for this publication at: https://www.researchgate.net/publication/282734596

Estratégias para Aumento da Segurança da


Malha Elétrica Nacional: Lições Extraídas dos
Grandes Blecautes

Research · October 2015


DOI: 10.13140/RG.2.1.1530.9522

CITATIONS READS

0 123

3 authors:

Marcus Theodor Schilling P. Gomes


Universidade Federal Fluminense 29 PUBLICATIONS 103 CITATIONS
233 PUBLICATIONS 1,045 CITATIONS
SEE PROFILE

SEE PROFILE

Jose Wanderley Marangon Lima


Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI)
81 PUBLICATIONS 1,022 CITATIONS

SEE PROFILE

Some of the authors of this publication are also working on these related projects:

POWER SYSTEM PERFORMANCE AND INDICES View project

INTRODUCTION TO POWER SYSTEMS EQUIVALENTS View project

All content following this page was uploaded by Marcus Theodor Schilling on 11 October 2015.

The user has requested enhancement of the downloaded file.


GRUPO IX
GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO – GOP

ESTRATÉGIAS PARA AUMENTO DA SEGURANÇA DA MALHA ELÉTRICA NACIONAL: LIÇÕES


EXTRAÍDAS DOS GRANDES BLECAUTES

*
P. Gomes J. W. Marangon Lima M. Th. Schilling
ONS EFEI UFF

RESUMO das empresas de transmissão são algumas medidas


que o órgão regulador pode lançar mão mas que
Os blecautes ocorrem nos sistemas elétricos sempre trazem traumas para ambas as partes,
por uma série de razões tais como, a falta de dificultando a melhoria do desempenho do sistema.
investimentos em expansão da rede de transmissão,
falhas em equipamentos de controle, operação
indevida por ação humana, fenômenos atmosféricos, 2.0 – GRAVIDADE DE PERTURBAÇÕES
etc. O entendimento destas causas e a implementação
de medidas corretivas representam a base para Ao analisar e comparar os fenômenos físicos, é
minimização dos cortes de carga devido a grandes interessante classificá-los através de categorias de fácil
distúrbios na rede. A partir dos dados e análises dos tratamento numérico. A criação de índices é o caminho
principais blecautes ocorridos no Brasil, este trabalho mais usado. Eles são importantes para identificar o
faz uma comparação entre eles através de um conjunto grau de prejuízo que uma determinada perturbação
de qualificadores. Após esta avaliação, são também pode causar ao sistema e, consequentemente, aos
enumeradas as medidas adotadas a fim de produzir consumidores. Neste trabalho, alguns indicadores de
uma visão geral do problema e consolidar o mérito foram sugeridos para classificar os principais
aprendizado oriundo de cada distúrbio. blecautes ocorridos no Brasil [1-9]. Tais índices são:

PALAVRAS-CHAVE: blecaute; operação; segurança;  Estados afetados: Embora este número não
distúrbio; recomposição; sistema elétrico brasileiro. identifique de forma precisa a extensão do
distúrbio em termos de área geográfica, o seu
efeito político é importante porque ele registra o
1.0 – INTRODUÇÃO número de unidades da federação afetadas;

A crescente competição no setor elétrico tem sido  Carga cortada: Este indicador está diretamente
o objetivo das recentes reestruturações em vários associado aos consumidores, visto que a falta de
países. A criação do mercado de energia elétrica energia é a maior preocupação para eles. Se
coloca consumidores e produtores frente a frente para maiores informações são fornecidas sobre os tipos
negociar preço e quantidade. Entretanto, os segmentos de consumidores cortados e também a duração da
monopolístas da transmissão e distribuição ainda interrupção, é possível mensurar economicamente
carecem de uma operação centralizada, devido às o malefício causado pelo distúrbio;
suas características físicas.
 Tempo de recomposição: A duração do distúrbio
Com o redesenho do setor, onde há uma demanda é um dado importante em termos econômicos.
por uma maior flexibilização na operação do sistema Além disto, é uma indicação importante para
interligado, a ocorrência de eventos como os blecautes tomada de ações relacionada com a melhoria dos
tende a aumentar. O estudo de suas causas e o procedimentos de recomposição do sistema;
estabelecimento de ações para mitigar os seus efeitos
no sistema são preocupações inerentes do governo, do  Severidade: É um indicador clássico para avaliar
ONS e do órgão regulador. O estabelecimento de distúrbios, adotado em diversos países. É dado
auditorias, punições (multas) e perda de concessão pela divisão da energia não servida em MWh, por

(*) Grupo de Engenharia de Sistemas - GESis - EFEI


Av. BPS, 1303, Pinheirinho, CEP: 37500-903, Itajubá, MG, Brasil.
Tel.: +55 (0xx35) 3629-1254, C-ele: marangon@iee.efei.br
2
uma base de potência em MW, usualmente A Tabela 3 apresenta alguns dos principais
tomada como a ponta de carga do sistema A blecautes ocorridos no Brasil desde 1980, com os
Tabela 1 mostra como são classificados por respectivos indicadores definidos acima.
severidade os distúrbios de sistemas elétricos.
Observa-se claramente que o blecaute de 11
de março de 1999 foi o de pior consequência para o
Tabela 1 - Mensuração de Distúrbios por Severidade sistema, sob o ponto de vista de todos os indicadores
Classifi Severidade Interpre selecionados. O prejuízo causado pelo evento
cação (sistema- tação Comentário 6
minuto)
alcançou o valor de US$ 140x 10
Grau 0 <1 aceitável condição normal

Grau 1 1 a 10 não grave significativa p/ Tabela 3 - Principais Blecautes no Brasil


poucos agentes / Data Estados Carga Duração Severida Grau
consumidores Afetados Cortada (min) de
Grau 2 10 a 100 grave sério impacto p/ (MW) (sistema-
todos os agentes / minuto)
consumidores
Grau 3 100 a 1000 muito grave muito sério impacto 18Abr84 6 15762 160 97 2
p/ todos os agentes 18Ago85 10 7793 74 22 2
/ consumidores 13Dez94 9 8630 75 9 1
Grau 4 > 1000 catastrófica extremo impacto p/
todos: colapso do 26Mar96 9 5746 100 16 2
sistema, blecaute 11Mar99 11 24900 260 117 3
16Mai99 3 2000 103 3 1

• Prejuízo Econômico: sob este ponto de vista,


podem ser contemplados e/ou combinados os
impactos econômicos oriundos das seguintes 3.0 - RECOMPOSIÇÃO PÓS-BLECAUTE
naturezas: (i) custos de não faturamento; (ii)
custos de interrupção. No primeiro caso os custos No Brasil o processo de recomposição é baseado
estão associados às tarifas de energia e em duas etapas, quais sejam: (i) recomposição fluente;
representam os prejuízos das empresas. O custo (ii) recomposição coordenada.
da interrupção reflete o impacto causado nos
consumidores. No Brasil, a estimativa do valor Na primeira fase, a partir das usinas com
médio do custo de interrupção residencial situava- capacidade de auto-restabelecimento e a identificação
se em 1.11 US$/kWh, na moeda referida a Maio de uma configuração mínima de transmissão
de 1998. A Tabela 2 mostra os valores de custo de preferencial, são restabelecidos grandes blocos de
interrupção comercial e industrial referidos a carga prioritários, com necessidade mínima de
Dezembro de 1990. Combinando-se esses comunicação telefônica entre as instalações. Esta fase
valores, de acordo com os percentuais de carga é executada pelos próprios operadores das usinas,
existentes, tem-se que o custo unitário médio de segundo procedimentos preestabelecidos. O processo
interrupção no Brasil situa-se em 1,54 US$/kWh. todo ocorre sem a interferência dos centros de
Para a estimação do prejuízo econômico aos operação, a não ser em casos excepcionais, quando
clientes, causados pela interrupção da energia essa etapa não tem sucesso. Na segunda fase os
elétrica durante os blecautes é necessário o centros de operação coordenam o fechamento de
registro da duração da interrupção (considerando circuitos paralelos ou anéis entre subsistemas
as diversas etapas de recomposição paulatina da recuperados na primeira fase e o suprimentos das
carga), o conhecimento da natureza da carga cargas ainda desconectadas.
interrompida (percentuais de cargas residenciais,
comerciais e industriais) e finalmente a estimativa
do montante da energia não suprida em MWh. 4.0 – AÇÕES PREVENTIVAS

Definido a gravidade de cada blecaute é


Tabela 2- Custos da Interrupção de Energia no Brasil importante identificar as causas e as ações
(US $ / kWh, Dezembro 1990) necessárias para evitar a ocorrência de um outro
Início Duração da Interrupção Comercial (min) evento com características similares e de mesmas
Evento 0-3 3-15 15-30 30-60 60-120 >120 proporções.
0-8 h 0.98 1.83 2.80 2.55 2.45 2.69
8-18h 1.83 3.16 4.25 4.36 4.76 3.76
18-24h 1.81 3.03 3.92 3.77 4.10 3.14 A experiência tem indicado que a origem de um
Duração da Interrupção Industrial (min)
blecaute normalmente está localizada na malha
0-8 h 2.87 1.23 1.07 0.90 0.81 0.78 principal do sistema de transmissão ou na rede básica,
8-18h 2.73 1.26 1.20 0.95 0.86 0.78 mas é possível encontrar a origem no sistema de
18-24h 2.80 1.14 1.06 0.83 0.75 0.78 distribuição. As causas podem ser devido às condições
climáticas adversas, aos defeitos em equipamentos de
proteção e controle, erro humano, condições
operativas, etc. Em função destas causas é possível
3
classificar as ações para mitigar um novo distúrbio da Paulo (baixa luminosidade). O segundo
seguinte forma: transformador (T12) desta SE é desligado às
16:43 h e a partir daí ocorre um desligamento
• Novos investimentos: a partir da análise da quase simultâneo de 7 elementos do sistema de
perturbação é detectada a necessidade de novos transmissão. Ocorreram oscilações de potência
investimentos em equipamentos ou mesmo em entre as usinas do rio Paranaíba e o restante do
ampliações e reforços no sistema de transmissão. sistema interligado Sul/Sudeste provocando
Apesar de, em geral, os estudos pré-operacionais desligamentos em cascata. Com injeção de
ou os de planejamento apresentarem as potência excessiva nas redes de 345 kV e 440 kV
necessidades do sistema, muitas vezes, condições para o Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais
extremas com potencial de provocar blecautes, verificam-se quedas de tensão nesta área,
não são estudadas; ocasionando perdas de carga da ordem de 5520
MW. O sistema de 750 kV é aberto evitando a
• Manutenção do sistema: grandes perturbações propagação das oscilações do Sudeste para o Sul.
normalmente são iniciadas devido a problemas de
manutenção em equipamentos do sistema. Ações • Principais Lições: (i) necessidade de melhoria na
mais regulares, no sentido de minimizar os índices manutenção; (ii) treinamento para assegurar maior
de falhas forçadas, devem ser implementadas; segurança na operação; (iii) investimento em
supervisão e controle.
• Sistema de medição: é comum, durante as
análises posteriores de tais perturbações 5.2 Blecaute de 18.08.85 (18:40 h)
observar-se uma grande carência de informações
e medidas, as quais só são obteníveis através de • Sumário: A partir de um curto fase-terra no circuito
equipamentos para monitoração das grandezas 2 da LT Marimbondo-Araraquara 500 kV,
elétricas, convenientemente localizados; provocado por queimada sob a linha, houve uma
atuação incorreta da proteção do circuito 1 abrindo
• Esquemas de controle de emergência (ECE): simultaneamente os dois circuitos. Em função do
uma das ações bastante empregada após os arranjo do barramento da SE Marimbondo, as
distúrbios, é a introdução de esquemas especiais linhas para Campinas e Poços de Caldas foram
com automatismos para minimizar ou eliminar os desligadas. O ECE da SE Marimbondo que
eventuais futuros colapsos do sistema; deveria retirar máquinas desta usina não operou
devido a um ajuste inadequado de um relé. Isto
• Ajuste de proteção: ao analisar a perturbação é provocou a abertura do transformador de Água
possível que se detecte a necessidade de um Vermelha por sobrecarga, provocando abertura
novo ajuste na proteção do sistema; automática de diversas linhas de transmissão e
geradores, formando várias ilhas no sistema e
• Treinamento para a equipe de operação: muitas propagando a perturbação para a região Sul.
vezes a causa das perturbações pode estar em
procedimentos errados, conduzidos pelas equipes • Principais Lições: (i) necessidade de instalar
de operação, o que demanda treinamento dispositivos adequados para registro de freqüência
intensivo dessas equipes. A terceirização de e de oscilogramas em geral; (ii) maior rigor nos
profissionais desmotivados, mal remunerados, ajustes de proteção e esquemas de controle; (iii)
sem a devida proteção da legislação trabalhista e investimentos para melhorar os escoamento da
consequentemente sem espírito de equipe, geração do Paranaíba, tais como a duplicação do
também contribui para o mau desempenho da transformador de Água Vermelha.
operação.
5.3 Blecaute de 13.12.94 (10:12 h)

5.0 - PRINCIPAIS BLECAUTES NO BRASIL • Sumário: Durante testes na SE Conversora de


Ibiúna, houve atuação acidental devido ação
Nesta seção é feito um relato sucinto de cada humana do esquema de isolação forçada, que
blecaute listado na Tabela 3, descrevendo as causas e aplicou um curto trifásico limitado por resistores
as ações tomadas em cada caso. nos terminais dos compensadores síncronos 2 e 4
desta SE. Como conseqüência, os dois bipolos do
elo CC foram bloqueados, significando a perda de
5.1 Blecaute de 18.04.84 (16:34 h) 5800 MW para o sistema interligado. Com a queda
acentuada de tensão na área São Paulo,
• Sumário: Desligamento do transformador T11 da ocorreram oscilações com perda de sincronismo
SE Jaguara 500/345 kV às 16:35 h, que estava no entre Itaipu e a região sudeste, abrindo o tronco de
limite de sobrecarga em função da necessidade de 750 kV. Apesar de se ter um esquema de corte de
uma otimização energética entre as usinas do máquina em Itaipu para evitar sobrefrequência no
Paraná, Grande e Paranaíba, aliado a um sistema Sul, este não foi suficiente. A aceleração
crescimento de carga inesperado na região de São das unidades de Itaipu, associada à sobretensão
provocaram a abertura dos circuitos em 750 kV
4
entre Foz e Ivaiporã, retirando por completo a no Rio e Espírito Santo), devido à gravidade da
usina de Itaipu do sistema. Com o déficit de perturbação e aos incidentes ocorridos durante o
geração, atuam os ERACs da região. Devido a processo de recomposição, pode-se considerar
rapidez na recomposição do sistema esta como satisfatória a atuação das equipes
perturbação não foi tão crítica. responsáveis pelp processo.

• Principais Lições: (i) os cortes de carga pelos • Principais Lições: (i) necessidade de modificar
ERACs podem provocar desligamentos em arranjos físicos de SEs e nos sistemas de
circuitos devido às sobretensões; (ii) os ajustes comando, proteção e controle; (ii) maior
dos ERACs devem ser dinâmico, devido à planejamento da manutenção para evitar a
variação da carga no sistema; (iii) ajustes dos exposição do sistema a riscos elevados de
ECEs devem ser mais seletivos. blecautes; (iii) melhorar os sistemas de
informação principalmente devido ao novo
5.4 Blecaute de 26.03.96 (09:18 h) ambiente do setor; (iv) necessidade de modernizar
os centros de controle; (v) necessidade de
• Sumário: A partir de uma manobra incorreta de implantação de esquemas de proteção para
chave seccionadora da Usina de Furnas, houve a contingências múltiplas, mesmo com
atuação acidental, decorrente de falha humana, da probabilidades reduzidas de ocorrências; (vi)
proteção diferencial daquele barramento, necessidade de reavaliação constante dos ECEs;
provocando o seu desligamento total. O (vii) melhoria dos dispositivos de análise de
desligamento provocou a saída simultânea de 7 perturbações.
linhas de transmissão de 345 kV, que por sua vez
ocasionou o desligamento de linhas que interligam 5.6 Blecaute de 16.05.99 (18:05 h)
as usinas do rio Grande e Paranaíba, incluindo o
transformador de Água Vermelha. A saída destes • Sumário: Durante a realização de manobras na SE
elementos separou do sistema interligado toda a Itumbiara para normalização da LT Itumbiara- P.
malha de suprimento aos estados de Minas Colômbia, que se encontrava isolada após
Gerais, Goiás e Brasília. A carga interrompida manutenção, a proteção diferencial de barra atuou
atingiu o montante de 5804 MW. ocasionando o desligamento de todos os circuitos
ligados a esta SE. Este desligamento provocou a
• Principais Lições: (i) reconhecida a importância da interrupção de 785 MW de potência que era
adição de mecanismos adicionais de proteção que escoada para a área Goiás-Brasília, incluindo
impeçam a atuação acidental da proteção Mato Grosso e Tocantins. Esta interrupção
diferencial de barras, mesmo com atuação errônea provocou o colapso no abastecimento destas
de seccionadoras; (ii) investir em reforços nas regiões.
redes de 500 e 440 kV para dar mais flexibilidade
operativa; (iii) melhorar monitoramento do sistema • Principais Lições: (i) necessidade de rever ajustes
para identificação de ilhamentos; (iv) formação e de proteções para evitar atuações indevidas
capacitação de equipes de operação e durante perturbações; (ii) aumentar as precauções
manutensão. quando da re-inserção no sistema de elementos
que estejam em manutenção.

5.5 Blecaute de 11.03.99 (22:16 h) 6.0– PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES

• Sumário: A partir de um curto monofásico na SE A análise dos principais blecautes ocorridos no


Bauru, houve a atuação das proteções remotas de sistema brasileiro nos últimos 20 anos nos permite
linhas de transmissão e abertura da interligação de constatar:
barras devido ao arranjo desta SE. Foram
desligados 6 circuitos que partem desta SE, • O critério tradicional de planejamento da
iniciando um processo oscilatório que culminou expansão no Brasil é o conhecido (N-1).
com os desligamentos em cascata de diversos Entretanto, constata-se que, na grande
elementos. Entre eles podemos citar: tronco de maioria dos casos, os blecautes são causados
750 kV, isolando Itaipu do sistema Sul e Sudeste; por contingências múltiplas, não previstas na
linhas de 440 kV, isolando as usinas de Três fase de planejamento.
Irmãos, Jupiá, Porto Primavera, Capivara e
Taquaruçu, com um total de 2300 MW; linhas de • É reconhecida a importância dos sistemas
500 kV da região Sul, atuando os ECEs desta especiais de proteção como meio de
região; elo CC, devido a colapso de tensão na melhorar o desempenho dos sistemas
área São Paulo; linhas de 500 e 345 kV de elétricos durante os distúrbios. Isso demanda
suprimento ao Rio e Espírito Santo, interligação melhores ferramentas computacionais para
Norte/Sul. A carga interrompida total chegou a estudos dinâmicos.
25000 MW. Apesar da demora do
restabelecimento em determinados locais (4:20 h
5
• É muito difícil a identificação rigorosa das seguinte: grandes distúrbios vão continuar a
origens reais dos blecautes. ocorrer no futuro, não há sistema absolutamente
confiável.
• Um dos grandes óbices à boa recomposicão
do sistema após os blecautes é o Não obstante, cabe aos responsáveis pela gestão
subsequente congestionamento nas do sistema, tomar uma série de medidas cautelares,
comunicações entre os centros de controle e visando a maior segurança possível. Entre elas, pode-
as demais instalações. se mencionar as seguintes:

• A opção pela otimização energética tem sido • Reavaliar as proteções de sobretensões das
prioritária algumas vezes, em detrimento da linhas de transmissão para aumentar a
segurança operativa. agilidade no processo de recomposição.

• No Brasil, condições hidrológicas críticas • Modificar a configuração de barras das


levam o sistema a operar perto dos seus subestações antigas no sentido de minimizar
limites, em todas as condições de carga, o impacto de faltas em barras na segurança
inclusive leve. do sistema (a viabilidade de cada rearranjo
deve ser analisada junto com os requisitos de
• Os engenheiros responsáveis pela operação / alterações de proteção e flexibilidade
recomposição do sistema não devem ser operativa).
submetidos a coações de natureza
hierárquica nos momentos imediatamente • Revisar o critério de aplicação da 3ª zona e de
subsequentes aos blecautes. Deve ser outras proteções retaguarda de distância da
observado um regime de isolamento, similar EAT.
aos existentes em salas de controle de
aeroportos, centrais nucleares ou salas de • Explorar e conceber sistemas especiais de
operação cirúrgica. Contatos burocráticos com proteção que possam ser implantados a curto
escalões superiores ou imprensa devem ser prazo como meio de garantir a segurança do
eliminados. sistema quando de contingências múltiplas.

• O processo de supervisão e controle do • Implementar um amplo sistema de controle de


sistema deve ter prioridade absoluta. emergências baseado na aplicação de
sistemas especiais de proteção.
• O treinamento de operadores deve ter alta
prioridade. • Examinar as condições e os dispositivos
críticos no processo de recomposição.
• A simulação dos distúrbios por computadores
digitais é um bom procedimento parar garantir • Constituir um núcleo de pessoas
um perfeito entendimento do fenômeno de especializadas em relacionamento com a
blecaute como também dos modelos mídia, após grandes distúrbios.
matemáticos utilizados na sintonia das
ferramentas computacionais utilizadas. • Manter atualizados os planos de
recomposição.
• Constata-se a grande importância do controle
automático do perfil de tensão durante o • Implementar um amplo sistema de
período dinâmico. O ajuste das proteções monitoramento e de aquisição de dados para
contra sobretensão de circuitos, a inserção análise do desempenho do sistema.
automática de reatores e a abertura de
circuitos são elementos importantes neste • Desenvolver mecanismos/ferramentas para
processo pois, além de minimizar os operação do sistema em tempo real.
problemas, agilizam o processo de
recomposição. • Reforçar a rede de transmissão, no sentido de
permitir capacidade de escoamento, dentro de
condições apropriadas de confiabilidade.
7.0 – PRINCIPAIS RECOMENDAÇÕES
• Desenvolver um ágil processo de
Cada blecaute, historicamente tem nos comunicação envolvendo o ONS, MME,
ensinado algo novo sobre o sistema. Todo evento tem ANEEL, agências estaduais, empresas, etc.
propiciado um processo de aprendizado, que aponta as
fragilidades e carências do sistema. Pode-se afirmar • Modernizar os centros de controle.
que as análises dos blecautes demonstram que não há
possibilidade de garantir absoluta confiabilidade do • Implementar um programa de manutenção
sistemas de potência. A grande lição básica é a especial para as instalações consideradas
6
vitais para a segurança do sistema como um
todo. [3]. Gomes P., Martins N., Marangon Lima J.W., Schilling M.
Th., Recomposição de Sistemas de Potência
Considerando a Existência de Múltiplos Agentes no
• Valorizar, de diferentes formas, o trabalho dos Mercado, VIII ERLAC, CIGRÉ, Ciudad del Este,
pesquisadores, engenheiros, técnicos e Paraguay, 30/05-03/06, 1999.
gerentes que atuam no setor.
[4] Gomes P, Schilling M. Th., Marangon Lima J.W., Martins
N., Confiabilidade em Sistemas Competitivos:
8.0 – CONCLUSÃO Critérios para a Aferição da Freqüência e Tensão, VIII
ERLAC, CIGRÉ, Ciudad del Este, Paraguay, 30/05-03/06,
Este artigo apresentou uma análise dos 1999.
principais blecautes ocorridos no Brasil nos últimos 20 [5]. Marangon Lima J.W., Schilling M Th., Fontoura Filho R.N.,
anos, tentando grupar as principais características e O Planejamento Indicativo no Novo Ambiente do
ações necessárias para assegurar uma maior Setor Elétrico, XV SNPTEE, Grupo VII, GPL/13, Foz do
confiabilidade e segurança ao sistema. Iguaçú, 17-22.Outubro 1999.

Em função das incertezas e da quantidade de [6] Fontoura Filho R.N., Schilling M. Th., Silveira M.A.N.,
estados operativos a serem analisados, os estudos de Soares N.H.M., Marangon Lima J.W., Mello J.C.O.,
planejamento normalmente não conseguem vislumbrar Planejamento do Sistema de Transmissão com Base
em Critérios Probabilísticos no Novo Contexto
as várias situações que podem ocasionar um blecaute. Institucional do Setor Elétrico Brasileiro, XV SNPTEE,
Contingências múltiplas não conseguem ser simuladas Grupo VII, GPL/02, Foz do Iguaçú, 17-22.Outubro 1999.
em função do número excessivo de casos.
[7] Gomes P.,Schilling M. Th., Marangon Lima J. W., Costa B.
Aspectos econômicos e financeiros, G., Novos Indicadores para o Monitoramento da
relacionados com as novas exigências que vêm se Qualidade da Frequência e Tensão de Energia
impondo às empresas de energia elétrica, poderão vir Elétrica, ELETROEVOLUÇÃO, CIGRÉ-BRASIL, no. 10,
a criar pressões para que estas passem a privilegiar pp. 50-53, Dezembro, 1997.
políticas de operação que promovam um maior retorno [8] Lefévre M.A.P., Silveira J.R., Blecautes: causas,
financeiro, que nem sempre corresponderia a uma impactos e medidas que podem evitá-los, Eletricidade
maior segurança operativa. Este novo ambiente Moderna, Nov 1996, pp.80-91.
contrasta com o tradicional no qual, após estabelecer
uma estratégia segura de operação, buscava-se a [9] Schilling M.Th., Gomes P., An Approach to Bulk Power
minimização dos custos. System Performance Assessment, Electric Power
Systems Research, Vol. 32, no. 2, pp. 145-151, 1995.
É inquestionável que os blecautes causam
[10] Vieira Filho X., Couri J.J.G., Gomes P., Baptista O.L.L.,
desconforto e prejuízos a uma nação além de serem Garcia A., A Experiência em Grandes Perturbações –
psicologicamente ruins para os cidadãos. Aflora, após Problemas Operacionais e Soluções Encontradas, IX
um blecaute, um sentimento de fragilidade e SNPTEE, 1987.
desconfiança no governo e meios básicos de
produção. A análise destas perturbações no sistema PERFIL DOS AUTORES
elétrico, associada à recomendação de medidas para
eliminá-las ou minimizá-las, é de suma importância, ENG PAULO GOMES formou-se pela UERJ em 1973, em
principalmente em momentos de reestruturação do Engenharia Elétrica, M.Sc. (1970) pela EFEI e está
setor elétrico brasileiro e de outros países. Apreender prestes a completar os requisitos para a obtenção do
com os erros e incorporar os ensinamentos para evitar D.Sc. (2001), pela EFEI. Trabalhou na Eletrobrás e
novas ocorrências são as ações que devem ser atualmente é Gerente do ONS (pgomes@ons.org.br).
perseguidas.
PROF. JOSÉ WANDERLEY MARANGON LIMA formou-se pelo
IME em 1979, em Engenharia Elétrica, M.Sc. pela EFEI
AGRADECIMENTOS: Registra-se o apoio do CNPq e do em 1990, D.Sc. pela COPPE/UFRJ em 1994. Foi
projeto 0626/96-SAGE, FINEP/RECOPE. Engenheiro da Eletrobrás, Assessor da Diretoria da
ANEEL e atualmente é Professor Titular da EFEI e
Coordenador do CESE (marangon@iee.efei.br).
9.0 - REFERÊNCIAS
PROF. MARCUS THEODOR SCHILLING formou-se pela
PUC/RJ em 1974, em Engenharia Elétrica, M.Sc. e
[1] Gomes P., Segurança Operativa dos Sistemas Elétricos
D.Sc. (1979, 1985) pela COPPE/UFRJ. Trabalhou em
em Ambiente Competitivo, Tese de D.Sc. (em Furnas, Eletrobrás, Universität Dortmund (Alemanha),
elaboração), EFEI, Itajubá, prev. 2001. Ontario Hydro (Canadá), PUC/RJ e CEPEL. Foi Chefe
da Divisão de Estudos Elétricos (DOEL) da Eletrobrás.
[2] Bianco A., Dornellas C.R.R, Martins N., Wey A., Pilotto Atualmente é Professor Titular da UFF
L.A.S., Mello J.C.O., Schilling M. Th., Almeida P.C., (schilling@ic.uff.br).
Power System Nodal Risk Assessment: Concepts and
Applications, VII SEPOPE, Curitiba, 21-26/05, 2000.

View publication stats