You are on page 1of 5

UNIVERSIDADE DE FORTALEZA - UNIFOR

DISCIPLINA: DIREITO INTERNACIONAL


PROF. ANT. WALBER MUNIZ

AULA 1

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

1. CONCEITOS JURÍDICOS FUNDAMENTAIS


Conceitos jurídicos fundamentais: razões existentes do direito, direito positivo, direito
objetivo, direito subjetivo, distinção entre direito público e privado, ramos do direito.

2. DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO


Direito Internacional Público: Conceito, Norma Jus Cogens, objeto, personalidade de
direito internacional, evolução histórica, fontes.

Tratados Internacionais: conceitos, a Convenção de Viena de 1969, outras denominações,


classificação, condição de validade, efeitos, interpretação, tratados sucessivos sobre a
mesma matéria, aplicação, nulidade, extinção suspensão.

- As demais fontes do DIP: O costume, decisões das organizações internacionais,


analogia, equidade, jurisprudência, doutrina.
- A codificação do Direito Internacional: As convenções internacionais
- Direito Internacional e direito interno: conflito entre lei interna e tratado
internacional, as teorias monista e dualista.
- Sujeitos do Direito Internacional: conceito, tipos, Estado, população, território,
governo, classificação dos estados, reconhecimento de estado e de governo, formas
de extinção do estado, sucessão de estados, deveres dos estados, direitos dos
estados, o dever de não intervenção, tipo de intervenção, a doutrina Drago, a
doutrina Monroe, restrições aos direitos fundamentais dos estados, responsabilidade
internacional dos estados.
- Organizações internacionais: Conceito, funções, a Organização das Nações Unidas,
a Corte Internacional de Justiça, a Organização dos Estados Americanos,
organizações internacionais especializadas.
- Órgãos das relações entre os Estados: Chefe de Estado, O Ministro das Relações
exteriores, as delegações junto a organizações internacionais, as repartições
consulares.
- O Direito do Mar: navios, águas interiores, linha de base, mar territorial, zona
econômica exclusiva, zona contígua.
- O Direito aéreo: aeronaves, natureza jurídica do espaço aéreo, aeronaves públicas e
privadas, os crimes cometidos em aeronaves, seqüestro de aeronaves.
- Os Delitos nas Relações Internacionais: O direito penal internacional, infração
internacional, direito internacional penal e direito penal internacional, delitos
cometidos no estrangeiro ou por estrangeiro.
3. DIREITO INTERNACIONAL DO COMÉRCIO
- A Organização Mundial do Comércio e as regras do Comércio Internacional: o
GATT, a Rodada de Tóquio e a Rodada do Uruguai, o sistema de regras do
comércio internacional, as regras básicas, exceções a regras, a OMC (objetivos,
funções, estruturas), regras sobre o comércio de bens (valor aduaneiro, o acordo de
valorização aduaneira, regras de valorização aduaneira, dumping, direito anti-
dumping, subsídios e medidas compensatórias, salvaguardas, regras de origem,
barreiras técnicas ao comércio, licenciamento de importações, inspeção pré-
embarque, o GATS, comércio internacional de serviços.
- Contratos Comerciais Internacionais: conceito de contrato e de contrato comercial
internacional, características dos contratos comerciais internacionais, obstáculos aos
contratos comerciais internacionais, problemas de contratação internacional, os
principais contratos comerciais internacionais, a fatura pro forma, contrato de
compra e venda internacional.

4. DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO


- Direito Internacional Privado: Conceito, histórico, fontes, direito internacional
privado e direito internacional público.
- Regras sobre a aplicação da Norma Nacional e Estrangeira: o domicílio, o
casamento, regime de bens no casamento, divórcio no estrangeiro de cônjuge
brasileiro, aplicação da lei às obrigações, sucessão, organizações de interesses
coletivos, competência da autoridade judiciária brasileira, a prova dos fatos no
estrangeiro, execução de sentença proferida no estrangeiro.
- Sociedade Estrangeira no Brasil: normas de funcionamento.
- Direito e Obrigações do Estrangeiro no Brasil: histórico, a entrada de estrangeiros
no Brasil (requisitos, vistos para passaporte, os direitos dos estrangeiros, brasileiros
natos e naturalizados, perda da nacionalidade, limites dos estrangeiros no Brasil,
tratamento especial dado aos portugueses, naturalização, asilo político, deportação,
expulsão, extradição).

METODOLOGIA: Aulas expositivas, formação de grupos para discussão de temas


específicos, estudo de textos publicados na mídia com relação a direito
internacional, seminários, exercícios sobre casos práticos.

BIBLIOGRAFIA:
ACCIOLY, Hidelbrando & SILVA, G. E. do Nascimento. Manual de Direito
Internacional Público. São Paulo, Ed. Saraiva, 2002.
BASSO, Maristela. Contratos Internacionais do Comércio. Ed. Livraria do
Advogado, Porto Alegre, 2002.
DOLINGER, Jacob. Direito Internacional Privado. Ed. Renovas, Rio de Janeiro,
2003.
GRUPENMACHER, Betina Treiger. Tratados Internacionais em Matéria Tributária
e Ordem Interna. São Paulo, Dialética, 1999.
MACHADO, Patrícia Ferreira. A Constituição e os Tratados Internacionais. Rio de
Janeiro, Ed. Forense Universitária, 1999.
MAZZUOLI, Valério de Oliveira. Tratados Internacionais. São Paulo, Ed. Juarez de
Oliveira Ltda., 2001.
MELLO, Celso D. de Albuquerque.Curso de Direito Internacional Público. Ed.
Renovar, Rio de Janeiro, 2002.
MELLO, Celso D. de Albuquerque. Direito Internacional Público, Tratados e
Convenções. Ed. Renovar, Rio de Janeiro, 1997.
MELO, Jairo Silva. Contratos Internacionais e Cláusulas Hardship. Ed. Aduaneiras,
São Paulo, 2000.
MELO, Luiz Gonzaga de. Introdução ao Direito Internacional Privado. São Paulo,
WVC Editora, 2001.
MURTA, Roberto de Oliveira. Contratos em Comércio Exterior. São Paulo, Ed.
Aduaneiras, 1992.
PEREIRA, Ana Cristina Paulo (org.) Direito Internacional do Comércio. Rio de
Janeiro, Ed. Lúmen Júris, 2003.
REZEK, J. F. Direito Internacional Público. São Paulo, Ed. Saraiva, 2001.
RECHSTEINER, Beat Walter. Direito Internacional Privado Teoria e Prática. São
Paulo, Ed. Saraiva, 1996.
SANTOS, Ricardo Soares Stersi dos. Mercosul e Arbitragem Internacional
Comercial. Belo Horizonte, Livraria Del Rey Editora Ltda., 1998.
THORSTENSEN, Vera. Organização Mundial do Comércio. As regras do
Comércio Internacional e a Rodada do Milênio. São Paulo, Aduaneiras, 1999.

CONCEITOS JURÍDICOS FUNDAMENTAIS

Razões da existência do Direito:


a) Formação de grupos sociais (família, escola, associação desportiva, recreativa,
cultural, religiosa, profissional, sociedade agrícola, mercantil, partido político,
etc...)
b) Relações entre os indivíduos de coordenação, subordinação, integração,
delimitação, através de norma de conduta social.

DIREITO POSITIVO: É o conjunto de normas estabelecidas pelo poder político que se


impõem e regulam a vida social de um dado povo em determinada época.

DIREITO OBJETIVO: É o complexo de normas jurídicas que regem o comportamento


humano, prescrevendo uma sanção no caso de uma violação.

DIREITO SUBJETIVO: É a permissão, dada por meio de norma jurídica válida, para
fazer ou não fazer alguma coisa, para ter ou não ter algo (D. S. Comum da Existência), ou
ainda a autorização para exigir, por meio dos órgãos competentes do poder público ou por
meio de processos legais, em caso de prejuízo causado por violação de norma, o
cumprimento da norma infringida ou a reparação do mal sofrido (D. S. de defender
direitos).

DISTINÇÃO ENTRE DIREITO PÚBLICO E DIREITO PRIVADO: Direito Público é


aquele que regula relações em que o Estado é parte, regendo a organização e a atividade do
Estado considerado em si mesmo, em relação com outro Estado e em suas relações com
particulares, quando procede em razão de seu poder soberano e atua na defesa do bem
coletivo.
Direito Privado é o que disciplina relações entre particulares, nas quais predomina, de
modo imediato, o interesse de ordem privada.

RAMOS DO DIREITO PÚBLICO INTERNO

DIREITO CONSTITUCIONAL: Disciplina regulamentar a estrutura básica do Estado,


disciplinando a sua organização ao tratar da divisão de poderes, das funções e limites de
seus órgãos e das relações entre governantes e governados, ao limitar suas ações.

DIREITO ADMINISTRATIVO: Disciplina o exercício de atos administrativos


praticados por quaisquer dos poderes estatais, com o objetivo de atingir fins sociais e
políticos ao regulamentar a ação governamental, a execução de serviços públicos, a ação do
Estado no campo econômico, a administração dos bens públicos e o poder de política.

DIREITO TRIBUTÁRIO: Consiste no conjunto de normas que correspondam, direta ou


indiretamente, à instituição, arrecadação, a fiscalização de tributos.

DIREITO PROCESSUAL: Rege a atividade do Poder Judiciário e dos atos que a ele
requerem ou perante ele litigam, correspondendo, portanto, à função estatal de distribuir
justiça.

DIREITO PENAL: Constitui um complexo de normas que definem crimes e


contravenções, estabelecendo penas, com as quais o Estado mantém a integridade da ordem
jurídica, mediante sua função preventiva e repressiva.

RAMOS DO DIREITO PÚBLICO EXTERNO

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO: Consiste no conjunto de normas


consuetudinárias e convencionais que regem as relações, diretas ou indiretas entre Estados
e organismos internacionais.

DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO: Regulam as relações do Estado com


cidadãos pertencentes a outros Estados e entre cidadãos de diferentes Estados, dando
soluções para os conflitos de leis no espaço.

RAMOS DO DIREITO PRIVADO

DIREITO CIVIL: Rege as relações familiares, patrimoniais e obrigacionais que se


formam entre indivíduos encarados como tais, ou seja, enquanto membros da sociedade.

DIREITO COMERCIAL: Disciplina a atividade negocial do comerciante e de qualquer


pessoa física ou jurídica, destinada a fins de natureza econômica, desde que habitual e
dirigida à produção de resultados patrimoniais.
DIREITO DO TRABALHO: Regulamenta as relações entre empregado e empregador,
abrangendo normas, princípios e instituições relativas à organização do trabalho e da
produção e à condição social do trabalhador assalariado.

EXERCÍCIOS

1. Um contrato social que constitui uma sociedade comercial é norma de direito? Qual
a razão da sua existência?

2. Uma convenção de um condomínio de edifício deve ser considerada norma de


Direito Positivo ou de Direito Objetivo? Por quê?

3. Uma lei tributária pode ser considerada como pertencente a qual (is) ramo (s) do
Direito? Por que?

4. Quando uma pessoa se queixa contra outra pessoa numa delegacia de política, ela
está utilizando uma forma de direito. Qual delas?

5. Em qual ramo do Direito podemos enquadrar os seguintes fatos sociais?


a) Publicação de edital de um concurso público
b) Contratação de exportação entre uma empresa do Brasil e outra na França.
c) Condenação do réu em um processo em que o autor requer pensão alimentícia.
d) Cumprimento de formalidades para o casamento.
e) Assinatura do tratado do Mercosul.