You are on page 1of 4

Uma Serie de Quatro Artigos selecionados dos escritos de: DR.

James E. Talmage
Um dos Doze Apóstolos de
A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias

Impresso de impressões de Sião e Companhia de Publicações


Independence, MO, USA
A Instituição do Casamento
Quatro Artigos selecionados dos escritos de
DR. James E. Talmage
Um dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos
Últimos dias
Não é bom que o Homem esteja só – Companheirismo dos sexos
Quando esta terra, uma nova unidade entre incontáveis mundos, tem
desenvolvido para a condição da habitação do homem, Deus Criou o
Homem em sua própria imagem, e deu lhe domínio sobre a terra e
multiplicou seus pertences. Pôs ao lado do Homem a Mulher,
compartilhando com ele honra concedida divinamente e dignidade da
supremacia sobre todas as criações menores; o Senhor Deus tem dito:
“não é bom que o homem esteja só, farei – lhe uma adjutora. ” (Gen 2:18).
Começou a primeira página da história do homem relatando para este
planeta: “e a imagem de Deus os Criou, macho e femea os criou. ”
O mandamento precoce novamente incorporado par provido para
procriação de seus filhos; para eles o Senhor Disse: “ Frutifique, e
multiplique e povoem a terra. ” Aquele casamento de maneira foi
inaugurado para ser uma ordem permanente da vida entre Adão e sua
posteridade é atestada pela encorajadora escritura: “Portanto o homem
deverá deixar seu pai e sua mãe, e unirá a sua esposa: e eles serão uma
só carne. ” (Gen. 2:24).
Incomparável como a união dos sexos é a única forma pelo qual a
perpetuação da raça é possível, semelhante união é essencial e benéfico
como é necessário.
Legitimo, que diz ser justo, associação dos sexos, e uma função
inspiradora que enobrece os participantes, e para a herança da vida na
terra para os espíritos preexistentes que estão desse modo avançados
para o estado mortal. Inversamente, toda união sexual externa de legitimo
acordo está degradando e pernicioso, não somente para as partes
culpadas, mas para as crianças quem são desta maneira malnascidas,
para uma sociedade organizada no geral.
A Estabilidade da sociedade demanda de uma instituição divinamente
casada deve ser administrada sobre a lei secular, pelo qual a unidade da
família deve ser uma entidade legalizada, com responsabilidades e
obrigação claramente definidas, o direito do marido, esposa e filhos
protegidos, bens de seus interesses salvaguardados e herança regular.
Mas o convenio do casamento é mais que um contrato legalizado. É um
sacramento solene, sobre qual as partes são feitas apropriadas para
aprovação das bênçãos divinas, e pelo qual eles são satisfatórios para a
lei do homem e para o poder transcendente para a instituição de todos os
homens. Este casamento é honrado é como a verdade hoje como quando
a preceito foi escrito na Epistola dos Hebreus.
Os Santos dos Últimos dias aceita a doutrina da necessidade imperativa
do selamento e a santidade, portanto, e eles aplicam na como
requerimento para todos que não são proibidos pelo físico ou outra
desabilidade de assumir a sagrada responsabilidade do estado do
casamento. Eles tomam como parte do direito de nascimento de cada
homem digno o privilegio e dever de prestigio á cabeça de um casa, o
companheiro de uma esposa virtuosa, ambos imbuídos com a esperança
da prosperidade, qual pelas bênçãos de Deus nunca tornar – se – ão
extintas, e igualmente enobrecedor é o desejo de cada prestigio da mulher
ser uma esposa e mãe numa família da humanidade.
Repudiamos e abominamos a doutrina perniciosa que a relação sexual é
mas uma necessidade carnal, herança humana amável por causa dos
desejos lascivos, sensuais ou que celibato é uma característica do status
exaltado mais aceitável que o casamento numa vista e julgamento e Deus.
Comovente este assunto o Senhor tem falado por meio de revelação direta
na idade corrente, dizendo:
“E também, em verdade vos digo que aquele que proíbe o casamento não
é apropriado por Deus, porque o Casamento foi instituído por Deus para o
Homem. Portanto é legitimo que ele tenha uma esposa e os dois serão
uma só carne; e tudo isto para que a terra cumpra o fim de sua criação; e
para que se encha com a medida do homem, de acordo com sua criação
antes que o mundo fosse feito. (D&C 49:15-17).
Sem o poder de perpetuar a espécie do homem está privado, por uma
pequena possibilidade de realização ao alcançar a escala limitada de uma
vida individual.
Estupendo como o parecer ser a obtenção de um homem quem é
realmente ótimo como julgado pelo melhor padrão da opinião dos homens,
a culminação de seu glorioso patrimônio jazer em sua descendência para
carregar a frente o esforço merecedor dele seu amo. E como com o
homem, com a mulher.
Consideramos literalmente as crianças como dom de Deus, assumimos o
compromisso para o cuidado de nossos pais, de quem recebemos apoio,
proteção e treinamento justo. Devemos tomar uma contabilidade estrita
lembrando o solene aviso e profunda afirmação de Cristo: “ Vede, não
desprezeis a nenhum destes pequeninos; pois eu vos digo que os seus
anjos nos céus sempre vêm a face de meu Pai, que está no céu”. (Mat
18:10).
Mas trazendo as crianças ao mundo é parte do plano beneficente de Deus
de inspirar e evoluir por meio do casamento honroso. Companheirismo do
marido e esposa é um marco divino por meio do melhoramento mutuo, e o
acordo para medir o santo Amor, respeito mútuo e honra com tal elegância
sagrada no companheirismo, fazer homem e mulher evoluir a caminho da
estatura de Deus. É evidente o divino atento que marido e esposa dever
ser ótimo incentivo e esforço um para o outro e a realização de bom
trabalho.
Grandemente abençoados são os casais quem rigorosamente encontram
ajuda um no outro.