You are on page 1of 5

DIREITO CONSTITUCIONAL:

TEORIA DA CONSTITUIÇÃO
Conceito de Direito Constitucional: Ramo do Direito Público apto a expor, interpretar
e sistematizar os princípios e normas fundamentais do Estado. É a ciência positiva das
constituições.

Objeto: É a CONSTITUIÇÃO POLÍTICA DO ESTADO, cabendo a ele o estudo sistemático das


normas que integram a constituição.

Corresponde à base, ao fundamento de todos os demais ramos do direito; deve haver, portanto,
obediência ao texto constitucional, sob pena de declaração de incostitucionalidade da espécie
normativa, e conseuquente retirada do sistema jurídico.

CONCEITO DE CONSTITUIÇÃO

A Constituição quando a sua origem pode ser classificada em promulgada ou outorgada. A


Constituição outorgada é aquela que é imposta, não há participação popular para a sua
elaboração, já a Constituição promulgada há um amplo debate sobre as diretrizes
constitucionais, há manifestação das mais variadas classes sociais, enfim há efetiva participação
popular que pode se dar de forma direta ou indireta (esta última é o caso do Brasil, em que se
elegeram representantes para elaborar a Constituição, a chamada Assembleia Nacional
Constituinte).

Tanto a forma federativa de Estado, quanto o voto direto, secreto, universal e periódico são
cláusulas pétreas, cuida-se, na verdade, de limitações materiais ao poder de reforma.

Constituição

Origem---> PRomulgada

EXtensao---> Analítica

COnteúdo----> Formal
Modo---> Dogmatica

Ideologia---> Eclética

Alterabilidade /Estabilidade/Mutabilidade---> Rigida

A atual Constituição da República Federativa do Brasil, promulgada em 5 de outubro de 1988, é


classificada como escrita, codificada, democrática, dogmática, eclética, rígida, formal, analítica,
dirigente, normativa, principiológica, promulgada, social e expansiva.

1.Quanto ao conteúdo/supremacia: Material (ou substancial) ou Formal

2. Quanto à forma: Escrita (ou positiva) ou Não escrita (ou costumeira, ou consuetudinária)

3. Quanto ao modo de elaboração: Dogmática ou Histórica

4. Quanto à origem: Promulgada (popular ou democrática ou votada), Outorgada ou Cesarista


(híbrida).

5. Quanto à estabilidade/mutabilidade (ou consistência, ou processo de reforma): Rígida,


Flexível (ou plástica) ou Semi-Rígida , imutável.

6. Quanto à extensão: Concisa (ou sintética = americana) ou Prolixa (ou analítica)

As emendas fazer parte do poder derivado reformador, tal poder vai fazer as atualizações
constitucionais de acordo com a realidade fática da sociedade, ou seja, ele será responsável pela
adaptação da constituição. Vale destacar que esse poder deve obediência ao poder originário,
destarte, disposições do núcleo duro constitucional não poderão ser modificadas pelo poder
derivado.

Normas de Eficácia Plena:

- Produzem ou estão aptas a produzir, desde sua entrada em vigor, todos os efeitos.

- Aplicabilidade direta, imediata e integral


Normas de Eficácia Contida:

- Podem sofrer restrições

- Aplicabilidade direta e imediata, mas não integral

Normas de Eficácia Limitada:

- Necessitam de regulamentação para produzirem todos os seus efeitos

- Aplicabilidade indireta, mediata e reduzida

O neoconstitucionalismo influenciou a atual CF e promoveu o fortalecimento dos direitos


fundamentais, notadamente, dos direitos sociais.

O neoconstitucionalismo, movimento surgido do Pós II Guerra Mundial, é voltado para


reconhecer a supremacia da Constituição. A Lex Matter passou a ser uma espécie de filtro pode
onde se deveria enxergar o ordenamento jurídico, em outras palavras, passou-se a condicionar
toda a validade e a compreensão do Direito pela ótica da Constituição. Indubitavelmente o
neoconstitucionalismo engendrou, assim, uma nova linha jurídica, o Estado Constitucional de
Direitos.

Esse Estado Constitucional de Direito fez com que ocorresse a constitucionalização de todos os
ramos jurídicos (qualquer antinomia, deve haver sobrelevância da Constituição), além disso o
controle constitucional ganhou força (de um juiz singular até o STF pode ser emanada decisão
que faça o controle de constitucionalidade).

Por causa desse controle e dessa irradiação constitucional, direitos antes que eram previstos,
porém não eram cumpridos, passam a poderem ser cobrados e efetivados, uma vez que além
de a maioria dos direitos fundamentais estarem previstos na Constituição, o cidadão por meio,
principalmente, do Judiciário poderia cobrar a implementação de direitos fundamentais,
mormente, os sociais.

Embora os usos e os costumes, os quais são normas firmadas no transcurso da evolução social,
sejam característicos dos países da Common Law, uma vez que estes possuem Constituições não
escritas, a doutrina majoritária entende que essa fonte não perde sua importância nos países de
Civil Law, os quais possuem constituições escritas em códigos, haja vista que os usos e os
costumes servirão de orientação para o legislador constituinte elaborar a constituição
(documento escrito).

Poder Constituinte Originário - Estabelece a Constituição de um novo Estado, organizando-se


e criando os poderes destinados a reger os interesses de uma sociedade. Não deriva de nenhum
outro, não sofre qualquer limite e não se subordina a nenhuma condição.

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
-----------------------------------------------------

Poder Constituinte Derivado - também chamado Instituído ou de segundo grau – é secundário,


pois deriva do poder originário. Encontra-se na própria Constituição, encontrando limitações
por ela impostas: explícitas e implícitas.

I) Reformador: poder de editar emendas à Constituição. O exercente deste poder é o Congresso


Nacional que, quando vai votar uma emenda ele não está no procedimento legislativo, mas no
Poder Reformador.

II) Decorrente: poder dos Estados, unidades da federação, de elaborar as suas próprias
constituições.

CF/88

Art. 60. A Constituição poderá ser emendada mediante proposta:

§ 1º A Constituição não poderá ser emendada na vigência de intervenção federal, de estado de


defesa ou de estado de sítio.

O direito de sindicalização é um direito fundamental do servidor público, por isso não pode ser
suprimido. Pensamento tem base no art. 60, parágrafo 4º, IV da CF (embora o artigo fale em
direitos e garantias individuais, a jurisprudência e a doutrina fazem uma interpretação extensiva
para abarcar todos os direitos fundamentais).