You are on page 1of 19

As Testemunhas

de Jeová
e a Bíblia

1
AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ

INTRODUÇÃO

A seita Testemunhas de Jeová foi organizada oficialmente em 1872, nos Estados


Unidos, sendo seu fundador Charles Taze Russel. Anteriormente, ele abraça o adventismo,
mas aos 20 anos de idade, abandonou essa crença, devido à sua opinião contrária sobre a
data do advento de Cristo. Russel insistiu que a data correta do advento seria o ano de 1874
e não o período estabelecido pelo adventismo.
Atraindo um grupo de discípulos, este jovem organizou uma nova sociedade, sendo
ele próprio o seu presidente. Pregava forçosamente sobre a volta de Cristo e escreveu seis
volumes, os quais tiveram enorme circulação (aproximadamente treze milhões de
exemplares). Estes livros, Studies in The Scriptures (Estudos nas Escrituras), formaram
a base da seita que agora se chama de Testemunhas de Jeová.

Revelação e Obras de Seita

Da mesma forma que fizeram muitos outros fundadores de novas seitas religiosas,
Russel insistiu que, através dele, o plano verdadeiro de Deus havia sido revelado, “como
nunca antes”.
Depois da morte de Russel, a liderança passou para um judiciário, Joseph
Rutherford, que se separou de todos os discípulos mais ardentes de Russel, estabelecendo
um novo regime, com sede própria (até agora) em Brooklyn, Nova Iorque (EUA).
Este movimento preocupa-se principalmente com o estabelecimento de um reino
teocrático aqui na terra, juntamente com a destruição de todos os atuais sistemas civis,
políticos e religiosos. Para divulgar sua mensagem, as Testemunhas de Jeová publicam
anualmente milhões de livros, revistas e panfletos, em quase 200 línguas. Mais de um
milhão de adeptos dedicam muitas horas por semana à distribuição dessas literaturas.
Vamos agora analisar os ensinamentos básicos desta seita. A princípio deixamos
bem claro que as Testemunhas de Jeová têm um vocabulário religioso muito diferente
daquele das diversas outras entidades cristãs. Além disso, elas usam uma interpretação
notoriamente literal das Escrituras, havendo expurgado da Bíblia muitas passagens que,
para elas, não cabem dentro da verdade revelada a Charles Taze Russel e outros. Seguem-se
então as doutrinas características desse grupo.

ESTENDIMENTO DA VERDADE

As Testemunhas de Jeová afirmam que:

1. O plano divino foi revelado através do pastor Russel, “como nunca antes” e, “o
abrir dos livros da revelação divina logo será completado” (Studies in The
Scriptures, Vol. 2, pg. 189). Ele mesmo afirmou que “provavelmente, antes dele

2
ninguém havia entendido qualquer parte do livro de Apocalipse” (Studies in
The Scriptures, Vol 1, pgs. 20, 27-28).

2. As verdades bíblicas permanecem ocultas para todos exceto alguns


especialmente consagrados (O Mistério Completado, pg 65).
REF. (1): “Jeová Deus nos forneceu sua Santa Palavra, em forma escrita, e esta
contém todas as informações necessárias para que os homens achem o caminho para a vida.
Mas, Deus não planejou que a Palavra falasse independentemente ou iluminasse verdades
salvadoras por si mesma. Sua palavra diz: A luz difunde-se para o justo (Salmo 97:11). É
através da sua organização (Testemunhas de Jeová) que Deus nos fornece esta luz... Se
andamos na luz da verdade, devemos reconhecer, não apenas a Jeová como nosso Pai, mas
também, a organização da luz, como nossa mãe” (A Sentinela, número de maio de 1957,
pg. 273).

3. Ninguém pode receber a verdadeira luz sem a ajuda do livro Studies in The
Scriptures.

REF.(2): “Se alguém deixa de lado os Estudos nas Escrituras, depois de conhece-
los, até mesmo depois de tê-los estudado durante dez anos, e vai só para a Bíblia... nossa
experiência demonstra que, dentro de dois anos, ele entra na escuridão” (Watchtower,
número de 15 de setembro de 1910, pg. 298).

A Bíblia ensina que:


1. A Palavra de Deus é a Luz divina, para nos guiar (Sl 119:105).
2. A Bíblia é suficiente em si, para nos aperfeiçoar (Ef 1:3; II Tm 3:16-17 e II Pe 1:3).
3. Os apóstolos de Jesus foram guiados a toda a verdade (Jo 16:13).
4. Esta verdade foi inteiramente completada com a revelação dos livros do Novo
Testamento. A fé cristã foi uma vez por todas entregue aos santos (Jd 3).

A DIVINDADE

As Testemunhas de Jeová afirmam que:


1. Há apenas um Ser na divindade.

REF.(4): “O estudante criterioso destes capítulos já descobriu testemunho


abundante nas Escrituras de que há apenas um Deus Todo-poderoso” (Studies in The
Scriptures, Vol 5, pg. 166).

2. Por isso, não existe uma pluralidade de seres, ou seja, uma trindade (Pai, Filho e
Espírito Santo).

3
REF. (5): “Na verdade, se não fosse pelo fato do ensinamento, desde a infância,
desta tolice da Trindade e, pelo fato de seu ensinamento em seminários teológicos...
ninguém lhe daria a mínima consideração” (Studies in The Scriptures, Vol. 5, pg. 166).
REF. (6): “Satanás é o autor da doutrina da trindade” (Let God Be True, pg. 101).

A Bíblia ensina que:


1. Deus é chamado, várias vezes, de Deus único (Ex 20:2; Dt 6:4 e Is 44:6).
2. Só uma vez, nas línguas originais da Bíblia, ele é designado no singular (Jó 5:17).
3. Em quase todas as partes do Velho Testamento, Deus é designado no plural (Adonai
e Elohim). Exemplos: “Façamos o homem à nossa imagem” (Gn 1:26). “Eis que o
homem é como um de nós...” (Gn 3:22) – (Testemunhas de Jeová, Antenor Santos
de Oliveira, pg. 22).
4. O Pai Eterno é Deus (Jo 4:23; I Co 8:6; Ef 4:6 e I Pe 1:2).
5. O Filho é Deus (Jo 1:1-10; 20:28; Rm 9:5 e Cl 1:16-17; 2:29).
6. O Espírito Santo é Deus (Jo 14:26)
7. Estes três são inteiramente unidos, com um só propósito (Jo 10:30; Mt 28:19 e II
Co 13:13).

JEOVÁ

As Testemunhas de Jeová afirmam que:


1. Deus é um só e portanto, não existe o Filho, nem o Espírito Santo (Studies in The
Scriptures, Vol. 5, pg. 166).
2. Ele tem apenas um nome: Jeová, o qual é seu nome eternamente. Com isso afirmam
que não adianta mais argumentar que seu nome não seja Jeová, chegando ao ponto
de se chamarem “Testemunhas de Jeová” (Let God Be True, pgs. 22-23).
3. Este Deus, Jeová, aniquilará a todos, exceto as “Testemunhas de Jeová”.

A Bíblia ensina que:


1. Deus é um só, mas ele também existe no plural. (Veja as passagens mencionadas na
seção que trata da Divindade).
2. O Deus Todo-poderoso tem diversos nomes, todos demonstrando alguns dos seus
atributos. Exemplos: EHYEH, Eu Sou (Ex 3:14); ELOHIM, Deus forte (no plural),
aplicado ao próprio Deus quase 3.000 vezes na Bíblia; EL SHADDAI, Todo-
poderoso (Ex 6:3); ADONAI, Soberano; EL, EL ELYON e diversos outros. O
nome Jeová nem sequer foi pronunciado no hebraico. Por respeito e temor, os
israelitas não pronunciavam o nome sagrado, Jeová, que era representado pelo
tetragrama (se, vogais) YHWH (que talvez significa, ele causa o que existe ou Ele é
o que é). Alguns dos nomes equivalentes eram: JAH ou YAH e nunca, Jeová, como
encontramos no português. Normalmente, os judeus usavam o título duplo, JHWH
ELOHIM, mas nunca pronunciavam o tetragrama YHWH. Possivelmente por
causa desta expressão dupla, os judeus uniram-se e os homens modernos as

4
transformaram em doutrina sagrada. No grego, no Novo Testamento, apareceu outro
nome para Deus: KUROS ou Kurios, que significa, Senhor.
3. O Supremo Deus salvará a todos os fiéis, punindo eternamente os desobedientes.
(Veja secções intituladas, Juízo Final, Céus e Inferno, nas pgs. 210-211).

JESUS CRISTO

As Testemunhas de Jeová afirmam que:


1. Jesus era o arcanjo Miguel, a primeira criação de Deus.
REF. (7): “Jesus, o Cristo, um indivíduo criado, é o segundo personagem do
universo... Ele foi formado, há milênios inumeráveis, como a primeira (e a única direta)
criação de seu Pai, Jeová...” (Make Sure of All Things, pgs. 150 e 207).

2. Jesus foi criado por Jeová, para ser um deus secundário.

REF. (8): “No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Deus e a Palavra era
Deus. Ele estava no princípio com Deus” (Jo 1:1-2, Tradução do Novo Mundo, Bíblia
oficial das Testemunhas de Jeová).
Observação: No inglês desta mesma versão, estes versículos são traduzidos da
seguinte forma: “Originalmente a Palavra era, e a Palavra era com Deus, e a Palavra era um
deus. Este originalmente estava com Deus”. Observe aqui o artigo indefinido um, com
referência a Cristo (deus), colocando assim o próprio Senhor em uma posição inferior,
como apenas um dos deuses. E como ele poderia ser um dos deuses, se fosse o arcanjo
Miguel?

3. Cristo não era o Criador do Universo.

REF. (9): “Todas estas maravilhas (da criação”, descrevem para nós um criador e
seu nome é Jeová... Ele é a única fonte original da vida...” (This Means Everlasting Life,
pgs. 22-23. Veja também, Studies in The Scriptures, Vol. 5, pg. 84).

4. Enquanto Jesus estava na carne, ele não era divino, nem era a união de duas
naturezas, divina e humana, mas apenas um ser humano.

REF. (10): “Na verdade, enquanto Jesus estava na terra, ele era um homem perfeito,
nada mais e nada menos” (Reconciliation, pg. 11 e Studies in The Scriptures, Vol 1, pg.
179).

5. Jesus não era um Deus encarnado.

REF. (11): “Então, para Jesus pagar o resgate, ele tinha de ser um homem perfeito,
nada mais e nada menos. Além disso, se Jesus tivesse sido um espírito encarnado, ele não
poderia ter sofrido a morte humana... Mas a Bíblia explica claramente que Jesus pagou o

5
resgate e que era homem, não Deus encarnado” (Watchtower, número de 15 de abril de
1956, pg. 239).

6. O corpo de Jesus não foi ressuscitado da morte, mas foi conservado em algum
lugar desconhecido ou dissolvido em gases.

REF. (12): “Em lugar algum Jeová conservou milagrosamente aquele


corpo” (Deliverance, pg. 170. Veja também The Time is at Hand, pg. 129 e Studies in
The Scriptures, Vol. 2, pgs. 125-130).

7. Depois da sua morte o corpo de Jesus ficou escondido. O que ressuscitou da


morte não foi mais um homem, mas sim, uma criatura espiritual
(Reconciliation, pg. 298 e Studies in The Scriptures, Vol. 5, pg. 362).

REF.(13): “Se nosso Senhor ainda é o homem Cristo Jesus... então, em vez de ser
exaltado acima dos anjos... Ele ainda é homem”.
Observação: “Se Jesus não foi ressuscitado, como ele poderia ser posteriormente
uma criatura espiritual?”.

8. Jesus Cristo foi morto para sempre.

REF. (14): “Foi necessário, não apenas que o homem Cristo Jesus morresse, mas
também necessário que o homem Cristo Jesus não mais vivesse, permanecesse morto,
permanecesse o preço do nosso resgate para toda a eternidade” (Studies in The Scriptures,
Vol. 5, pg. 443).

9. Cristo não fez propiciação (reconciliação) pelos nossos pecados.

10. Cristo não é nosso Mediador.

REF. (15): “Em nosso número de 1906, pg. 26, afirmamos que nosso Senhor Jesus,
na Sua própria pessoa, tem sido o Mediador, entre o Pai e a casa da fé, durante a época do
Evangelho. Esta afirmação não está correta. Nenhuma Escritura assim afirma. É apenas
uma parte da fumaça da Idade Média, que agora temos prazer em enxugar dos nossos
olhos” (Watchtower, número de 15 de setembro de 1906, pg. 283).
Observação: Observe aqui o fato de líderes deste movimento terem confessado seu
erro doutrinário!

11. Cristo não deve ser adorado.

REF. (16): “Nenhuma adoração distinta deve ser prestada a Jesus...” (Watchtower, número
de 01 de janeiro de 1954, pg. 30).

6
A Bíblia ensina que:
1. Jesus Cristo já existiu antes dos primórdios dos tempos (Cl 1:15). Em termos
humanos ele sempre existiu e existirá para sempre (Jo 1:1-3; 8:38; Hb 1:1-8; Ap
1:8-21; 21:6; 22:13).
2. Ele nunca foi anjo ou arcanjo, mas foi adorado pelos anjos. Foi por Deus chamado
de Filho, título jamais dado a qualquer anjo (Hb, capítulo 1).
3. Por Cristo a través dele o universo foi criado. Através dele a criação toda se mantém
(Jo 1:1-3; Cl 1:16-17 e Hb 1:2).
4. Jesus não era, nem é, um deus secundário. (Veja a confissão que Tomé fez perante o
Cristo ressurreto, em João 20:28: “Senhor meu e Deus meu!”). Ele é igual ao Pai em
autoridade nos céus e na terra (Mt 28:18). Veja Jo 17:5, observando que ele havia
tido grande glória antes do seu advento. Veja também Cl 2:9, onde é atribuída a
Jesus “toda a plenitude da Divindade”.
5. Quando Jesus Cristo estava aqui no mundo, ele reuniu em si as duas naturezas,
divina e humana:
a. Deus habitaria conosco, em forma humana (Is 7:14 e Mt 1:23).
b. Jesus Cristo foi concebido pelo Espírito Santo e nascido de mulher,
reunindo em si as duas naturezas – divina e humana (Mt 1:18-20).
c. Jesus Cristo foi feito à imagem humana (Fl 2:6-7 e Hb 2:16).
d. Jesus Cristo era ambos, divino e humano (Jo 1:1-4; 16:24-28 e I Tm 3:16).
e. Pedro confessou Jesus como Filho de Deus (Mt 16:16).
f. Tomé confessou Jesus como Senhor e Deus (Jo 20:28).
g. Cristo veio na carne (Rm 8:3). Aquele nega este fato é enganador e não
pode ser de Deus (I Jo 4:3 e II Jo 7) e há uma implicação eterna nesta
confissão (Mt 10:32-33).
6. O corpo de Jesus não desapareceu, mas foi ressuscitado, não sendo corrompido pela
morte. Jesus prometeu ressuscitar da morte (Jo 2:19-22; Mt 16:21; At 2:24; 3:15;
4:10; 5:30; 10:40; Rm 8:11; 10:9; I Co 6:14; Gl 1:1 e Ef 1:20). Se não aceitarmos
este fato, nossa fé é vã (I Co 15:17) e somos, na verdade, um tipo de anti-cristo (I Jo
4:2-3 e II Jo 7).
7. Depois da sua ressurreição, Jesus ainda continuou sendo homem e também Deus,
tendo os atributos de ambos, Ser Celestial e ser humano (Jo 20:27; 21:1-14; At
22:8). Observe, em Atos 22:8, que ele se chamou de Jesus, o Nazareno, título que
uniu o lado divino e também o humano.
8. Jesus Cristo fez propiciação por nossos pecados, reconciliando-nos com Deus (Rm
5:11; Cl 1:21-22 e Hb 2:17).
9. Jesus Cristo vive para sempre, cumprindo o papel eterno de Senhor, Rei, Sumo
Sacerdote e Salvador. O mesmo Jesus que esteve morto, agora está vivo pelos
séculos dos séculos (Ap 1:5; 17-18; At 2:36; Jo 18:37; Hb 7:20-21; 8:1-2 e I Tm
2:17).
10. Jesus não é apenas Mediador entre Deus e os homens, mas também, intercessor e
advogado (I Tm 2:5; Rm 8:34; Hb 7:25 e I Jo 2:1). Note, em I Timóteo 2:5, o uso

7
da expressão, Jesus Cristo, homem. Isto demonstra claramente sua natureza divina e
humana.
11. Cristo é Deus e, portanto, digno de adoração (Mt 2:11; 8:2; 9:18; 14:33; 15:25;
28:9; Jo 20:28 e Ap 5:12-13).

O ESPÍRITO SANTO

As Testemunhas de Jeová afirmam que:


1. O Espírito Santo não é um ser ou personagem, nem o terceiro Deus, junto com o Pai
e o Filho.
2. O Espírito Santo é apenas uma influência ou um poder exercido pelo Deus único.

A Bíblia ensina que:


1. O Espírito Santo é um Ser, pois ele, possuindo atributos e características divinas,
pode:
a. Ensinar e consolar (Jo 14:26; 16:13 e At 18:8-10).
b. Falar e guiar (Jo 16:13 e At 8:29; 10:19-20).
c. Testificar (Jo 15:26).
d. Intervir nos planos humanos (At 16:6-10).
e. Escolher campos para evangelização e enviar obreiros para estes (At 13:2;
16:6-10).
f. Interceder, levar as nossas orações, com gemidos, ao trono de Deus (Rm
8:26).
2. O Espírito Santo é parte integrante da Divindade (Rm 8:27).
3. O Espírito Santo é Deus, igualmente com o Pai e o Filho (At 5:3-4).

Observação: Note aqui o uso intercambiável das expressões, Espírito e Deus.


A ALMA

As Testemunhas de Jeová afirmam que:


1. A palavra alma significa simplesmente uma criatura ou pessoa viva e consciente.

REF. (17): “A alma, celestial ou terrestre, consiste do corpo, junto com o princípio
vivo ou força viva atuante” (Make Sure of All Things, pg. 349).

2. Cada ser humano é uma alma. Ele não possui uma alma separada e distinta do seu
corpo (Make Sure of All Things, pg. 349).

A Bíblia ensina que:


1. Nós, seres humanos, somos constituídos de três aspectos ou dimensões: físico,
mental e espiritual (corpo, alma, espírito, I Ts 5:23).
2. A palavra alma não significa apenas uma criatura ou pessoa, mas também, a parte
mental ou emocional do indivíduo. Significa a parte que sente, que cria e que se

8
torna responsável. Em aproximadamente 140 passagens da Bíblia, encontramos a
expressão “minha alma”, em contraste com o corpo físico. Em diversas outras
passagens, são usadas as expressões “sua alma”, “nossa alma” ou “alma própria”,
para distingui-la do corpo físico (Sl 119:28; 33:20; Is 26:8; Mt 16:26 e Lc 2:35).
3. A alma pode perder-se ou separar-se do corpo (Mt 16:26. Veja também Gn 35:19 e I
Rs 17:22, onde vemos que a alma separa-se do corpo na própria morte).
4. A alma pode ser salva (Hb 10:39 e Tg 5:20).

A VIDA FUTURA

As Testemunhas de Jeová afirmam que:


1. Este mundo nunca será destruído (Make Sure of All Things, pg. 234).
2. Os homens devem viver para sempre aqui na terra, a qual foi criada para existir
eternamente.

REF. (18): “O lugar correto para os homens é a terra, da qual eles fazem parte...
Jeová criou (a terra) para ser habitada pelos homens para sempre... Os homens precisam de
vida, vida humana perfeita e eterna” (This Means Everlasting Life, pg. 23-24).

3. Os homens foram criados para viver a vida terrestre para sempre (This Means
Everlasting Life, pg.28).
4. A vida eterna dos homens aqui na terra não se baseia na existência de uma alma
imortal. Por outro lado, depende da sua obediência perfeita a Deus, quem pode fazer
todo o necessário para suster a vida humana aqui para sempre (This Means
Everlasting Life, pg. 32).

A Bíblia ensina que:


1. Este mundo e suas obras de derreterão e passarão (Mt 24:35e II Pe 3:10).
2. Os homens são peregrinos nesta terra. Reconhecendo este fato, os sábios procuram
uma Cidade Celestial (Eterna), não feita por mãos humanas (Hb 11:8-16).
3. A parte física da vida humana é passageira (Sl 90:10; Is 40:6-8 e Tg 1:10-11; 4:14).
Apenas a dimensão eterna da vida, lá nos Céus, é permanente (I Ts 4:17).

O PECADO

As Testemunhas de Jeová afirmam que:


1. Há dois tipos de pecado: herdado e voluntário (Make Sure of All Things, pg. 344).
2. Os pecados herdados de nossos pais e outros ancestrais não acusam a morte, “pois
há deles a esperança de libertação” (Make Sure of All Things, pg. 344).
3. Pecados voluntários (premeditados) trazem consigo a sentença de destruição eterna
(Make Sure of All Things, pg. 347). Todos os outros pecados (não voluntários)
podem ser perdoados, através do sacrifício de Cristo.

9
4. Porém, esta doutrina também afirma que os homens não morrem por causa dos
próprios pecados, mas sim, por causa dos pecados de Adão.

REF. (19): “O dia em que cada homem morrer apenas pelo seu próprio pecado será
o milenar ou, o dia da restituição” (Studies in The Scriptures, pg. 109).

A Bíblia ensina que:


1. Cada indivíduo responde a Deus por sua vida e morre pelos próprios pecados, não
pelo pecado de Adão ou de qualquer outro antepassado (Ez 18:4, 20; Rm 5:12-14;
14:12).
2. Portanto, o pecado não é dividido entre pecados herdados e pecados voluntários.
Antes de sermos salvos em Cristo, todo pecado nos condena individualmente.
3. A divisão do pecado, depois de sermos salvos, é entre delitos voluntários e
involuntários (I Jo 2:1 e Hb 10:26-27). Mas, Cristo é nosso Mediador (I Jo 2:1; I
Tm 2:5 e I Jo 1:7) em todo tipo de pecado.

A SALVAÇÃO E O BATISMO

As Testemunhas de Jeová afirmam que:


1. A salvação (dos pecados herdados) é por fé somente.

REF. (20): “O único requisito para a salvação... é fé em Cristo como redentor e


Senhor” (Studies in The Scriptures, pg. 100).

2. O batismo não tem nada a ver com a remissão dos pecados (Male Sure of All
Things, pg. 30).
3. O batismo não coloca a ninguém em Cristo, nem em seu corpo (Watchtower,
número de 01 de julho de 1955, pg. 402).
4. O batismo é meramente um ato de dedicação (Idem).

A Bíblia ensina que:


1. A fé em si não é suficiente para nos salvar (Tg 2:24). Os seguintes requisitos são
também essenciais:
a. Arrependimento (Lc 13:3 e At 2:38).
b. Confissão (Mt 10:32 e Rm 10:9-10).
c. Obediência (Hb 5:9; II Ts 1:8 e I Pe 1:22).
d. O novo nascimento (Jo 3:5).
e. O batismo (At 2:38 e I Pe 3:21).
2. O batismo é o clímax da nossa morte para o pecado, simbolizando esta morte o
nosso sepultamento e a nossa ressurreição, juntamente com Cristo, para vivermos
de novo (Rm 6:3-8).
3. Através do batismo, entramos na família de Deus; estamos em Cristo e somos
incorporados à igreja (At 2:47; Jo 1:13; I Jo 5:4 e Cl 1:18-22).

10
UMA SEGUNDA OPORTUNIDADE DE SALVAÇÃO

As Testemunhas de Jeová afirmam que:


1. Todos os homens terão uma segunda oportunidade para se salvarem, depois desta
vida.

REF. (21): “O resgate para todos, concedido por Cristo a todo homem, não garante
a vida eterna para qualquer homem; mas garante para cada um mais uma
oportunidade...” (Studies in The Scriptures, Vol. 1, pg. 150).

2. Esta Segunda oportunidade será mais favorável do que a primeira, por causa da
experiência ganha através da primeira experiência com a vida (Studies in The
Scriptures, Vol. 1, pg. 143).

A Bíblia ensina que:


1. Existe uma só vida terrestre, uma só morte física e um só julgamento (Hb 9:27).
2. Não há qualquer segunda oportunidade para aqueles que rejeitam Cristo e a
salvação durante esta vida (Lc 9:59-62; 16:19-31; Jo 8:21-24; At 13:44-46; 18:5-6;
II Ts 2:10-12; Hb 10:26 e Ap 22:16).

A MORTE

As Testemunhas de Jeová afirmam que:


1. A morte é a destruição completa do corpo físico; o aniquilamento completo da
consciência.

REF. (22): “A penalidade é a morte... e a morte é a ausência da vida; a


destruição” (Studies in The Scriptures, Vol. 5, pg. 465).

2. Não há consciência alguma após-morte (Criação, pg. 204).


3. A morte significa aniquilamento.

REF. (23): “Não é sofrimento envolvido na morte, mas a morte em si... a extinção
da vida... que é a penalidade do pecado” (Studies in The Scriptures, Vol. 1, pg. 154).

4. A morte é a falta completa de consciência.

REF. (24): “... a morte... é um período de falta absoluta de consciência; mais do que
isso, é um período de absoluta não-existência” (Studies in The Scriptures, Vol. 1, pg.
329).

11
5. Aqueles que pecam voluntariamente serão aniquilados para sempre (Make Sure of
All Things, pg. 331).

A Bíblia não que:


1. A morte do corpo não significa a morte da alma (Mt 10:28).
2. Abraão, Isaque, Jacó, Moisés e Elias ainda vivem, apesar do fato de estarem mortos,
fisicamente (Mt 17:3; 22:3).
3. A morte não significa a extinção da vida, porque o espírito do homem vive depois
da morte do corpo (Hb 12:22-23).
4. A alma permanece consciente após a morte (Lc 16:22-31 e Ap 6:9-11).
5. Ninguém será aniquilado para sempre. Todos irão a um ou outro de dois destinos
eternos, onde estarão conscientes eternamente (Dn 12:2; Mt 25:46; Mc 9:43-48 e
Ap 7:15; 20:10; 22:1-5).

O JUÍZO FINAL

As Testemunhas de Jeová afirmam que:


1. Não existe um dia único de Juízo Final, mas diversos tempos de juízo divino. Em
todos eles, seja no passado, no presente ou no futuro, a sentença sempre significa
aniquilamento completo e permanente para os condenados, sem esperança de
ressurreição (Make Sure of All Things, pgs. 219-226).
2. O Tribunal Divino é constituído por Jeová, Jesus Cristo e 144.000 associados.
3. O aniquilamento final acontecerá na Batalha de Armagedom, quando todos os
injustos serão destruídos para sempre (Make Sure Of All Things, pgs. 219-226).

A Bíblia ensina que:


1. Haverá um só dia de Juízo Final, no qual Cristo ressuscitará toda a humanidade e
julgá-la-á em seguida (Mt 25:32-46; Rm 14:11-12; II Pe 3:1-3; At 17:230-21 e Ap
20:11-15).
2. Depois do Juízo Final os justos irão para os Céus e os injustos para o inferno (Mt
25:32-46 e Ap 20:11-15).

OS CÉUS E O INFERNO

As Testemunhas de Jeová afirmam que:


1. Além de ser a morada eterna de Deus, “os céus” significam:
a. A organização inviável de Jeová, constituída de poderes criaturas espirituais:
O Filho (a palavra significa o arcanjo Miguel, o qual é Cristo Jesus, e o
exército evangélico). Esta organização é chamada freqüentemente de “a
mulher de Deus”, “Sião”, “Jerusalém”. Os 144.000 de Apocalipse 14, se
tornarão, na ressurreição, uma parte integrante destes “céus”, ou seja, os
“novos céus” (Make Sure of All Things, pg. 150).

12
b. A presente organização invisível de Satanás e seus demônios, os anjos
caídos. Também, a posição elevada ocupada na organização visível de
Satanás: governos civis, comércio, religião falsa etc. (Tudo isso, para as
Testemunhas, é obra de Satanás e condenada à destruição).
c. A posição de ministério glorificado no Reino, para o qual os presentes
ungidos de Deus são exaltados.
d. Apenas os 144.000 de Apocalipse 14 habitarão nos Céus, onde serão
integrados na organização do reino teocrático de Deus. Este número já está
completo, há muito tempo. Todos os outros justos habitarão eternamente na
terra (Harp of God, pg. 19; Make Sure of All Things, pg. 150).
2. Não existe um lugar eterno chamado inferno. Esta expressão na Bíblia significa
apenas o sepulcro (a inexistência dos mortos).

REF. (25): “A palavra inferno aplica-se apenas ao sepulcro, o fim comum de todos
os homens, bons e maus, em estado inconsciente, sem sofrimento e sem prazer” (Make
Sure of All Things, pg. 155).

3. Não existe qualquer castigo eterno.

REF. (26): “A teoria do castigo eterno é incoerente, como as afirmações que o


Senhor fez cair sobre ele a iniqüidade de todos nós; e que Cristo morreu pelos nossos
pecados” (Studies in The Scriptures, Vol. 1, pg. 159).

REF. (27): “É absurdo supor que Deus perpetuaria a existência de Adão em um


tormento eterno por qualquer pecado que ele tivesse cometido, mas especialmente, pela
ofensa relativamente pequena de ter comido o fruto proibido” (Studies in The
Scriptures, Vol. 1, pg. 159).

4. A idéia do castigo eterno surgiu da religião falsa e não da Bíblia.


5. Adão não foi condenado ao tormento eterno, mas ao aniquilamento, no pó da terra
(Studies in The Scriptures, Vol. 1, pg. 157).
6. Ambos, os bons e os maus, vão para o inferno, no sentido de aniquilamento
(Studies in The Scriptures, Vol. 1, pg. 158).

Observação: Lembre-se que as Testemunhas de Jeová ensinam que o inferno é


apenas o sepulcro (Veja páginas 154-155 do mesmo livro, Relaciliation, pg. 28; e Let God
Be True, pg. 91).

A Bíblia ensina que:


1. Além de ser a morada de Deus, Cristo, o Espírito Santo e toda a hoste celestial
(anjos etc), os Céus serão também a morada de todos os justos, de todas as épocas,
e não apenas de 144.000 especialmente escolhidos das doze tribos de Israel (Mt
25:31-46; Ap 7:1-10; 20:11-15; 21:1-17; 22:1-5). Note, em Apocalipse 7:9, a

13
presença de uma grande multidão, de todas as nações, em pé diante do trono de
Deus e do Cordeiro, Cristo, lá nos Céus. Os 144.000 seriam apenas israelitas fiéis;
um número simbólico, que representa um número espiritualmente mais do que
completo (12x12), multiplicado por 1000 (um número redondo e infinito). A
multidão inumerável nos Céus significa todos os outros fiéis, de todas as partes da
terra.
2. Conforme Mc 9:43-48, Jesus nos explica que há um inferno, onde o fogo jamais se
apaga. (Veja também Ap 20:7-15).
3. Existe um castigo eterno para todos os pecadores, desobedientes e rebeldes (Dn
12:2; Mt 25:46; Mc 9:43-48; Jo 5:28-29 e Ap 20:10).
4. O fato do castigo eterno não é apenas uma idéia promulgada pela igreja apóstata,
mas surgiu nas profecias do Senhor ao profeta Daniel (Dn 12:2); e, posteriormente,
nas próprias palavras de Jesus (Mt 25:46; Mc 9:43-48 e Jo 5:28-29).
5. No inferno haverá dor, sofrimento e separação de Deus. Existirá um grande abismo
entre o lugar do castigo e o lugar da paz eterna, conforme explicado na passagem
em Lucas 16:22-31.

O REINO E A IGREJA

As Testemunhas de Jeová Afirmam que:


1. A igreja (congregação; nação santa) de Deus é constituída de Jesus Cristo, o
Cabeça, e 144.000 membros do seu corpo. O número de membros já foi completado
e não haverá outros, na igreja celestial (Harp of God, pg. 191; Make Sure of All
Things, pg. 70). Embora não muito usadas, as expressões “igreja” e “congregação”
podem referir-se também à “classe ungida” na terra.
2. O reino de Deus é um “governo teocrático, fortalecido por seu soberano, Deus, sob
a administração de reis divinamente escolhidos... Deus planejou o reino para ser a
parte legislativa da sua organização universal. Ele é constituído pelo rei, Jesus
Cristo, e seus 144.000 co-regentes, escolhidos dentre os homens. Este reino é
inteiramente celestial, não tendo qualquer anexo terrestre. Todos 144.000 os que se
tornam membros desse reino deverão ser ressuscitados e receberão corpos
celestiais” (Make Sure of All Things, pg. 233).
3. O reino de Cristo, em seu poder soberano, não foi estabelecido no dia de
Pentecostes, em Atos, capítulo 2 (Make Sure of All Things, pg. 234). Foi pregado
apenas depois no ano 1914 (Make Sure of All Things, pg. 233).
4. O reino de Cristo não existe ainda, mas existirá somente quando começar a era
milenar.

REF. (28): “No fim desta época e no inicio da seguinte (a Época Milenar), Satanás
será amarrado e seu poder derrotado, em preparação para o estabelecimento do reino de
Cristo” (Studies in The Scriptures, Vol. 1, pg. 73).

14
Observação: Charles Taze Russel ensinou inicialmente que Cristo havia voltado à
terra em 1874, mas sua chegada não havia sido revelado ao mundo (Make Sure of All
Things, Vol. 1, pg. 3 e Vol. 2, pg. 240).

5. O cristianismo não é o reino de Deus em Cristo (Make Sure of All Things, pg.
236).
6. A época milenar tinha seu inicio em 1914, quando não haveria mais exércitos,
governos ou outras sociedades seculares e eclesiásticas (Studies in The Scriptures,
Vol. 6, pg. 633). Posteriormente, a data foi mudada várias vezes e ultimamente, para
outubro de 1975, quando chegariam ao seu fim os “seis dias (milênios) de trabalho e
se iniciaria o milênio sabático” (Volta à Bíblia, Vol. 10, No. 06, pgs. 10-12). Mas,
como sempre os cálculos dos líderes desta seita estavam errados. Posteriormente,
eles corrigiram o “erro” sobre a data da volta de Cristo em 1975, mudando para
1983 (outro engano). Atualmente, alguns estão pregando o ano 2000 como sendo a
data infalível do advento de Cristo.
7. As outras testemunhas de Jeová (além dos 144.000 já escolhidos), entrarão no
“território do reino” aqui no mundo, o qual nunca será destruído (Make Sure of All
Things, pg. 231).

A Bíblia ensina que:


1. A igreja de Jesus Cristo foi iniciada no dia de Pentecostes, cinqüenta dias depois da
morte de Cristo (Atos, capítulo 2). Ela é constituída de todos os salvos, desde o seu
início (At 2:47). Todos os salvos foram batizados em um só corpo (I Co 12:13-14).
O corpo de Cristo é a própria igreja (Ef 1:22-23 e Cl 1:18).

Observação: Todos os salvos foram batizados na igreja. Desde que esta é uma só
(Ef 4:4 e At 20:28), todos os batizados de então fizeram parte integrante da igreja de Jesus
Cristo.
2. O Reino de Cristo é a própria igreja, sendo Cristo seu Cabeça e Soberano (Ef
1:22-23; Cl 1:18 e Jo 19:37). Os cidadãos do Reino de Cristo nasceram nele (Jo
1:12-13). Em Tiago 2:5, vemos que os herdeiros recebem o Reino. Sendo herdeiro
aquele que nasceu na família de Deus, podemos ver que as expressões família,
corpo, igreja, casa do Senhor, reino e outras se referem à mesma entidade, pois se
constituem das mesmas pessoas.
3. O Reino de Cristo já existia nos tempos dos apóstolos, pois Cristo prometeu o
seguinte: “...dos que aqui se encontram, alguns há que, de maneira nenhuma
passarão pela morte até que vejam ter chegado com poder o reino de Deus” (Mc
9:1). Interessante, não? Se o Reino começou em 1914, como se afirma, alguns que
ouviram as palavras de Cristo em Marcos 9:1 teriam tido aproximadamente 1880
anos de idade, quando o Reino foi iniciado! Está vendo aqui a absoluta incoerência
dessa doutrina? O próprio apóstolo Paulo usou o tempo passado quando disse: “Ele
nos libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu
amor” (Cl 1:13). Em Hebreus 12:28, o tempo usado é o presente e não o futuro.

15
Paulo disse aos tessalonicenses que estes eram dignos do reino, pelo qual estavam
sofrendo (I Ts 1:5). E, em I Tessalonicenses 2:12, vemos que os irmãos já haviam
sido chamados para o Reino.
4. Cristo já era Rei antes da sua morte (Jo 18:37). No versículo 36, ele afirmou
claramente não ser Rei deste mundo, mas sim, de um reino celestial.
5. A idéia do mundo ter precisamente 6000 anos, sendo um dia exatamente igual a mil
anos e havendo Deus criado o mundo em seis dias (6000 anos), é pura invenção.
Homem algum sabe quando Cristo voltará – nem o ano, nem o dia, nem a hora (Mt
24:29-44 e At 1:6-7). Todas as tentativas humanas de calcular o tempo do advento
de Cristo revelam-se sempre como mais um fracasso, exatamente como aconteceu
em relação ao mês de outubro de 1975, quando alguns haviam prometido “o fim da
presente ordem política e social”.

Observação: Em II Pedro 3:8, vemos que, para Deus, um dia é como mil anos e mil
anos como um dia. Usando o próprio raciocínio das Testemunhas de Jeová, podemos
concluir que o presente sistema é capaz de continuar por mais milhares de “dias”.

6. Quando Cristo voltar, todos saberão deste fato (Mt 25:31-32; At 1:11; Rm 14:11-12
e Ap 1:7). Além do mais, todos darão contas a Cristo, quanto à sua própria vida.
Haverá um Juízo Final, conforme diz Jesus em Mateus 25:32-46. Ninguém
escapará desse dia. Por isso, todos nós devemos estar preparados para nos prostrar
aos pés de Cristo e prestar contas de nossos atos.
7. Não existe na Bíblia a idéia de que todas as Testemunhas, além dos 144.000
escolhidos para a eternidade, entrarão em um “território do reino” aqui na terra. Por
outro lado, a Bíblia diz que este mundo será destruído (II Pe 3:9-13).

GOVERNOS CIVIS E ESTRUTURA SOCIAIS, COMERCIAIS E RELIGIOSAS

As Testemunhas de Jeová afirmam que:


1. Os governos deste mundo são autorizados por Satanás e não por Deus (Make Sure
of All Things, pg. 371).
2. Apenas Cristo Jesus e sua organização teocrática são por Deus reconhecidos (Make
Sure of All Things, pg. 369).
3. O presente sistema de coisas é dirigido por Satanás e inclui os demônios e a
organização visível, constituída de toda a religião falsa (exceto a das Testemunhas),
e os setores político e comercial. Participar de qualquer esquema político, comercial
ou religioso significa amar o mundo. (Make Sure of All Things, pg. 126). E todas
estas entidades seriam destruídas, após o ano 1914 (Studies in The Scriptures, Vol.
2, pg. 139).
4. Por isso, o cristão não pode participar de exércitos ou guerras, nem jurar lealdade a
governos civis, nem à bandeira de qualquer nação. Ele apenas deve pagar os
devidos impostos e cumprir a lei, a respeito do casamento e de outros requisitos
civis.

16
Observação: Apesar desta posição radical, a qual tem criado para essa seita as
mais severas perseguições, ela permite que seus adeptos trabalhem como empregados de
governos civis, embora estes governos, conforme seu ponto de vista, sejam servos de
Satanás. A conclusão inevitável é que tais funcionários estariam servindo ao próprio diabo.

A Bíblia ensina que:


1. Os líderes governamentais são autorizados por Cristo para cuidarem do setor civil
da vida humana.
2. Devemos obedecer aos governos civis, respeitando as autoridades e cumprindo as
leis civis (Mt 22:15-21; At 23:5; Rm 13:7; I Tm 2:1-4 e I Pe 2:17).
3. A Bíblia jamais condenou soldados ou oficiais militares. Por outro lado, quando
estes aceitaram a Cristo, foram por ele aceitos, sem menção alguma da necessidade
de abandonar sua profissão (exemplo: Atos, capítulo 10).
4. A lei civil requer juramentos de lealdade ao país. Se obedecemos a lei, precisamos
respeitar também este requisito legal.

TRANSFUSÃO DE SANGUE

As Testemunhas de Jeová afirmam que:


1. Transfusão de sangue, de uma pessoa para outra, significa comer sangue. Portanto, é
proibida pela própria Bíblia (Make Sure of All Things, pg. 47-48).
2. Tentar salvar a vida de alguém, através de transfusões de sangue, é inteiramente
errado, conforme diz I Crônicas 11:17-19 (Make Sure of All Things, pg. 47-48).

A Bíblia ensina que:


1. Receber o sangue de outrem para salvar sua vida não é comer sangue. Na
antiguidade comer sangue significava um ato religioso do paganismo para receber
os poderes da vítima. Essa prática foi proibida definitivamente pela Bíblia, pois
Deus considera o sangue um símbolo sagrado da vida (Lv 17:14 e At 15:28-29).
2. Doar um pouco do próprio sangue para salvar outra vida é uma nobre demonstração
de amor e sacrifício pelo bem de outros (I Jo 3:16). É o oposto do ponto de vista
acima mencionado. É um paralelo modesto do grande sacrifício de Cristo, o qual
derramou seu próprio sangue para salvar os homens (Jo 15:13). Além do mais,
receber sangue, plasma ou derivados de sangue nas veias, não tem absolutamente
nada a ver com “comer”.

ORGANIZAÇÃO

As Testemunhas de Jeová afirmam que:


1. A organização do reino compõe-se temporariamente de um “concílio” de outros
líderes “espiritualmente qualificados”, os quais determinam a doutrina e a direção

17
desta organização (Manual de Denominações nos Estados Unidos, Frank S.
Mead, 5a. Edição, pg. 118).
2. Servindo a este corpo governante há três corporações estrangeiras: Sociedade
Bíblica Torre de Vigia de Nova Iorque, S. A; Sociedade Bíblica Torre de Vigia de
Nova Jersey e Associação Bíblica Internacional de Estudantes da Inglaterra.
3. Sob a direção destes líderes, os quais funcionam na sede das Testemunhas, em
Brooklyn, Nova Iorque, as diversas congregações são divididas em circuitos, com
aproximadamente 16 congregações cada um, com um ministro oficial servindo o
circuito todo.
4. Os circuitos são organizados em pelo menos 31 distritos nos Estados Unidos, com o
mesmo tipo de organização funcionando em aproximadamente 200 nações e ilhas
ao redor do mundo.
5. As congregações reúnem-se em “salões do reino”, geralmente alugados, pois
esperam receber, no milênio, os melhores prédios governamentais para seu uso na
nova “teocracia” (de uma conversa pessoal com membros das Testemunhas de
Jeová).
6. Não há pastor, nem presbítero, nem ministro oficial na congregação. Todos os
membros são considerados ministros e, portanto, obrigados a distribuir as
inumeráveis publicações do “reino”, além de testemunhar de casa em casa.

A Bíblia ensina que:


1. A igreja é um corpo vivo e universal, sendo Cristo sua Cabeça e os cristãos,
membros do seu corpo (I Co 12:27 e Cl 1:18).
2. A igreja não tem qualquer hierarquia humana, nem presidente, nem sede terrestre.
Cada congregação local responde diretamente ao Senhor Jesus Cristo, sendo ele o
Marido, Cabeça, Rei e Sumo Sacerdote sobre ela (Ef 1:22-23; 5:25-27; At 20:28 e
Hb 7:20-28).
3. Cada congregação local tem seus próprios presbíteros, diáconos, evangelistas e
mestres da Palavra (I Tm 3:1-13; Tt 1:5-9; Fl 1:1; At 20:17-32; Ef 4:10-12 e I Co
12:28).
4. Não existe qualquer outra organização, sendo ela sede, editora ou outra entidade,
que tenha jurisdição sobre as congregações locais. Todo tipo de superestrutura,
acima da igreja local, contradiz a ordem divina expressa para o funcionamento da
igreja.

CONCLUSÃO

Embora as Testemunhas de Jeová sejam muito dedicadas à missão de divulgar sua


mensagem, podemos concluir que sua doutrina é contraditória, sendo baseada em uma
interpretação materialista da Bíblia. Por exemplo, a afirmação das Testemunhas sobre a
volta de Cristo em 1914, 1975 ou outra Dara, não pode ser verdadeira, pois a Bíblia diz
que, no advento, todo olho verá a Cristo.

18
Sua atitude a respeito do governo e das estruturas comerciais e sociais do mundo
contradiz o pleno ensinamento do Novo Testamento. Sua insistência na inspiração das
publicações da sua sociedade não se harmoniza com as advertências bíblicas contra novas
doutrinas e interpretações. Como no caso de muitas das seitas atualmente existentes, foi
necessário estabelecer “inspiração divina” e “autoridade espiritual” para seus principais
líderes, Russel, Rutherford e outros. Tornou-se necessário lançar uma nova tradução da
Bíblia, usando vocabulário e anotações peculiares à seita, para defender sua posição,
omitindo diversas passagens bíblicas e modificando grandemente outras.
Concluímos, portanto, que as Testemunhas de Jeová nada mais são do que uma seita
que surgiu nos Estados Unidos; poderosa, mas ainda uma seita. Sendo assim, foi
estabelecida por meros homens, sujeitos a erros doutrinários.

Seja Membro do Corpo Real de Cristo

Caro estudante, se você que seguir a Cristo e participar da verdadeira árvore da


Vida, é essencial basear sua fé e obediência apenas em Cristo, para ser apenas cristão e
membro do corpo real de Cristo, o qual iniciou-se em Jerusalém imediatamente depois da
sua morte e ressurreição. Qualquer outro movimento “cristão” começou na época e local
errado, com base doutrinária modificada.
Eis aí, contudo, o Cristo ressurreto, nas páginas das Escrituras, não apenas para
salvar os homens, mas também para estabelecer um só reino, a sua própria igreja (Rm
16:16). Tenha a certeza e convicção de sua fé – siga a Cristo em pureza de doutrina (I Tm
4:16).
“Eis que venho sem demora. Bem-aventurado aquele que guarda as palavras
da profecia deste livro” (Ap 22:7).

19