You are on page 1of 21

Planejamento Escolar 2010

SEE/SP – C E N P – PLANEJAMENTO ESCOLAR 2010

A ESCOLA E O PLANEJAMENTO

Parte I
Escola e Planejamento
- Avaliação, Decisão e Planejamento
- Participação, Identidade e Planejamento
- Intenção, Registro e Planejamento

Parte II
Planejar: É Preciso
- Caixa de ferramentas para a viagem
- Quem está a bordo?
- Proposta Pedagógica e Currículo: A carta e a bússola
- Ou a viagem é boa para todos ou se perdem navegantes pelo caminho
- Checando as coordenadas
- A viagem é longa e todos precisam se sentir respeitados e acolhidos
- Demarcando etapas, organizando a participação e definindo funções
- Os viajantes

Parte III
Materiais de Apoio
- Proposta Pedagógica da Escola
- Plano de Gestão
- Regimento Escolar
- Relatório Final da Escola do Ano Anterior
- Currículo da Rede Estadual de São Paulo – Ensino Fundamental e Médio
- Matrizes de Referência para a Avaliação – SARESP
- Relatórios Pedagógicos do SARESP
- Indicadores de Avaliação Externa e Interna
- Sítios do São Paulo Faz Escola e Ler e Escrever
- Cadernos do Gestor

1
Planejamento Escolar 2010
- Manual de Proteção Escolar e Promoção da Cidadania e Normas Gerais de Conduta
Escolar
- Subsídios Específicos para Segmentos, Níveis, Modalidades, Disciplinas, Programas e
Projetos

Parte IV
Planejar o Planejamento

A ESCOLA E O PLANEJAMENTO

PARTE I

ESCOLA E PLANEJAMENTO

Avaliação, Decisão e Planejamento

Planejamento é uma palavra transitiva que, ao ser qualificada, ganha sentido pleno
e direciona procedimentos e estratégias específicas, para que se alcancem objetivos e
metas. Nesse sentido, acrescentar à palavra PLANEJAMENTO o adjetivo
EDUCACIONAL implica assumir, de forma radical e abrangente, a postura de educador
que pensa e age em função de uma educação traduzida em aprendizagem real e sucesso
do aluno.

Por isso, a atividade de planejar as ações da escola precisa ser sempre uma
resposta consequente, a favor do aluno, vinda de uma necessidade detectada. O
diagnóstico dessa necessidade deve ser resultado de um processo avaliativo, em que o
objeto de análise seja a instituição educacional, em suas diversas dimensões:
Pedagógica, Participativa, Resultados Educacionais, Gestão de Pessoas, Serviços,
Recursos e Financeira.

Planejamento e Avaliação são procedimentos indissociáveis, uma vez que toda


avaliação pressupõe uma tomada de decisão planejada e intencional, na busca da

2
Planejamento Escolar 2010
melhoria do que está sendo avaliado e, por conseguinte, todo ato de planejar deve estar
sustentado em dados relevantes, colhidos em processos de avaliação diagnóstica
organizados para esse fim.

Uma avaliação diagnóstica bem embasada ao final do ano escolar é essencial para
iniciar, com competência, um novo ano letivo. Portanto, os dados relevantes que servirão
de subsídios para o planejamento de 2010 deverão ser aqueles que foram identificados
na avaliação final da escola, em dezembro de 2009.

As legislações que orientam a elaboração do Calendário Escolar e os Conselhos


de Classe/Série e a HTPC incluem momentos voltados a atividades de avaliação; e aqui é
de suma importância garantir a realização da avaliação anual da escola. Nesse momento,
a equipe que nela atuou, em 2009, deve avaliar o processo que vivenciou para dar
subsídios a quem vai construir o “fazer” escolar em 2010.

Esse processo avaliativo deve se constituir não somente por meio de instrumentos
que, como espelhos, reflitam a realidade momentânea da escola, mas também que, como
lâmpadas, iluminem e indiquem caminhos possíveis e seguros para uma atuação
competente a favor da melhoria do processo de aprendizagem do aluno.

A priorização desse momento, destinado a identificar as fragilidades e pontos de


atenção que dificultam a organização da escola, bem como os pontos fortes e as
potencialidades existentes, é fundamental para que o processo de avaliar/planejar se
concretize de maneira consequente. É nesse momento que a escola se vê, constrói sua
“identidade” e exercita sua autonomia.

A Secretaria de Estado da Educação de São Paulo, ao propor um currículo oficial e


definir metas para as escolas estaduais, optou por um trabalho articulado entre as
unidades escolares e os órgãos regionais e centrais do sistema, visando à equidade no
trabalho desenvolvido na rede, sem desconsiderar as especificidades locais. Dessa
forma, caminhar juntos significa construir um espaço de autonomia compartilhada, em que
todos os sujeitos desse processo tenham participação efetiva e igualitária.

3
Planejamento Escolar 2010
Participação, Identidade e Planejamento

Pensar o Planejamento Escolar pressupõe realizar um exercício participativo e


reflexivo sobre o contexto em que a escola se insere, as demandas da comunidade em
que está situada e as do mundo contemporâneo. Também é preciso considerar aspectos
relevantes do interior de cada escola, para que as ações a serem planejadas sejam
coerentes com as necessidades identificadas.

O Estado de São Paulo consolidou, ao longo da última década, uma cultura


avaliativa de larga escala que tem subsidiado não só o estabelecimento de políticas
educacionais, mas também tem ajudado as escolas a refletir sobre o cumprimento da sua
função social e a qualidade do ensino por elas ofertado.

Os resultados dessas avaliações externas têm demonstrado que já aconteceram


avanços significativos, mas, também, que ainda há muito que se investir para a
consolidação de uma educação plural e justa.

Nessa direção, a implantação de um currículo básico para toda a rede estadual –


ao qual se articula a matriz de referência de avaliação do Saresp –, traduzido em
situações de aprendizagem constantes dos materiais destinados a professores e alunos,
busca não só minimizar os efeitos das desigualdades detectadas, mas também garantir
oportunidade de trabalho com uma concepção de aprendizagem que privilegia a
construção de saberes e competências baseados em conteúdos significativos e
contextualizados.

O compromisso com a aprendizagem de todos os alunos só se efetiva com uma


escola que aprende, que oportuniza e potencializa espaços de formação condizentes com
as necessidades de todos os sujeitos aprendizes. O conceito de escola que aprende
assumido aqui é o de que todos os atores do espaço escolar estão diretamente
envolvidos com a construção de saberes para si e para os demais.

Nessa escola não só o aluno tem o que aprender. O professor também precisa
aprender a ensinar cada um de seus alunos; o gestor, aprender a gerir essa escola, que é

4
Planejamento Escolar 2010
diferente de qualquer outra que já tenha atuado e que a cada ano traz consigo suas
especificidades e demandas; os funcionários, pais e a comunidade têm de reaprender
aquilo que já era sabido e feito anteriormente, ainda que com bastante competência, pois
os desafios são novos a cada momento.

Os espaços de formação da escola que aprende (HTPC, Reuniões Pedagógicas,


Conselhos de Classe e Série, Reuniões de Planejamento) devem garantir a
problematização sobre “como aprendem os que ensinam?” com a finalidade de refletir
sobre a construção dos saberes profissionais necessários aos educadores que se
comprometem com a aprendizagem de todos os alunos. Só aprendem a ensinar aqueles
que aprendem a aprender.

Isso posto, é possível afirmar que o ato de planejar é um exercício privilegiado de


construção e consolidação de identidades. A identidade da escola que se explicita na sua
Proposta Pedagógica. A da equipe gestora que se consolida na execução do planejado. A
dos professores que se concretiza na efetivação do currículo e se manifesta na
aprendizagem de seus alunos. A dos funcionários que, ao participar da ação de planejar,
se incluem como educadores, que também o são, no papel de formar os alunos nos
múltiplos espaços da escola. A da comunidade que, sendo partícipe, assume a escola
como sua.

Por fim, a identidade dos alunos é construída quando se percebem sujeitos de uma
escola onde todos os segmentos estão articulados com a finalidade de planejar um ensino
que garanta a eles, além da formação para autonomia, um projeto de vida plena,
alicerçado em conhecimentos, valores e atitudes que os identifiquem como alguém
competente na construção da própria história.

5
Planejamento Escolar 2010
Intenção, Registro e Planejamento

Muito tem se falado da importância dos registros para a organização da escola.


Mesmo assim, ainda é preciso aprimorar o exercício dessa prática, uma vez que ela é
fundamental para subsidiar as decisões tão necessárias na ação de planejar e executar o
planejado.

Quem registra tem memória e história. A importância da historicidade para


embasar o planejamento escolar vem da possibilidade de contextualizar e situar no tempo
e no espaço as demandas e as potencialidades da instituição escolar.

Ler os registros já elaborados permite entender os condicionantes e as


necessidades da escola. Já a elaboração de novos registros, durante o planejamento,
possibilita a reflexão sobre os dados, bem como indica os caminhos a serem tomados
para a superação das dificuldades detectadas. Documentam um compromisso escrito
quanto às intenções. Dessa forma, o registro é o impulsionador da reflexão sobre a
prática, pois possibilita a constatação da teoria na prática. Oportuniza a tematização das
ações.

Por isso, os registros escolares são fundamentais como apoios no planejamento


escolar porque trazem à memória os fatos acontecidos, os dados a serem considerados,
permitindo que a riqueza do processo de planejar se transforme em documentos
(registros) que orientam as ações a serem desencadeadas a partir do planejado.

Sem registro e a análise decorrente dele não é possível avançar para além do
realizado ou, muitas vezes, sequer observar o realizado, com o risco de repetir equívocos
e perder oportunidades de introduzir ações inovadoras.

6
Planejamento Escolar 2010
PARTE II

PLANEJAR: É PRECISO

O poeta português Fernando Pessoa tem um célebre verso que diz “Navegar é
preciso, viver não é preciso”. Este verso pode remeter o leitor à importância da precisão,
dos detalhes, do planejamento para a realização das viagens marítimas...

A necessidade de planejar é algo inerente a inúmeras atividades humanas. Os


navegadores portugueses, no fim do século XV, lançaram-se ao mar procurando atingir o
objetivo de encontrar uma rota para as Índias. Para tanto, desenvolviam inúmeros
procedimentos que os auxiliassem a alcançar os objetivos traçados e, assim, buscavam
apoio na precisão dos instrumentos náuticos.

Caixa de ferramentas para a viagem

O início do ano letivo marca o começo de uma nova viagem e, como em toda
viagem, é preciso planejar a rota, para que os viajantes não navegem a esmo. O
diagnóstico da escola é o instrumento que vai traçar o percurso rumo ao objetivo que se
quer atingir nessa viagem.

Para esse diagnóstico, a equipe escolar conta com algumas ferramentas


produzidas pela própria escola e também fora dela: dados da avaliação final da escola,
indicadores da avaliação da aprendizagem e do fluxo escolar, avaliação externa, metas
estabelecidas no ano anterior – balizadas pelo IDESP – e dados de aprovação e evasão.

A análise desses dados permitirá a identificação dos aspectos que já foram


superados pela escola, dos problemas já resolvidos e dos desafios que ainda se
apresentam e devem ser enfrentados.

7
Planejamento Escolar 2010
Quem está a bordo?

No início do ano, é importante construir ou fortalecer vínculos com os


companheiros de jornada: professores, alunos e funcionários. Conhecer as características
da comunidade, intra e extraescolar, ajuda a compreender o contexto e as prioridades da
escola. Além disso, para planejar é preciso que se garanta um espaço propício para a
participação e a negociação entre os diversos sujeitos envolvidos e, para que o trabalho
pedagógico se desenvolva satisfatoriamente durante todo o ano letivo, um clima de
receptividade ao outro e de integração deve ser promovido desde o início. Portanto,
acolher a todos, principalmente professores, alunos e pais recém-chegados à escola, é
fundamental para estimular o sentimento de pertencimento, o respeito e o compromisso
de todos com a aprendizagem.

Proposta Pedagógica e Currículo: A carta e a bússola

Assim como os navegantes utilizavam as cartas náuticas para se orientar, a


proposta pedagógica da escola deve ser revisitada, pois seus princípios e diretrizes são
essenciais para planejar as ações e estratégias que serão desenvolvidas a fim de atingir
as metas estabelecidas no planejamento. Essas ações e estratégias devem ser
referenciadas na concepção de currículo vigente na rede estadual paulista. Esses dois
documentos, Proposta Pedagógica e Currículo, norteiam a elaboração do Plano de
Gestão que engloba diversos documentos da escola. Entre eles, ressalta-se a
importância do Plano Pedagógico Estratégico para o ano de 2010 e dos Planos de
Ensino.

O Plano Pedagógico Estratégico para o ano de 2010, que deve ser elaborado com
base no diagnóstico, tem por objetivo desenvolver ações que promovam a superação das
dificuldades detectadas. Para tanto, metas, prazos e responsáveis são definidos para
alcançar o que se objetiva. Documenta um compromisso de todos, registrado em ações
específicas de cada professor, gestor e funcionário, que deverá ser monitorado
diretamente pelo diretor da unidade nos prazos regulares previstos.

8
Planejamento Escolar 2010
Os Planos de Ensino, elaborados pelos professores, para cada série e disciplina,
têm a finalidade de orientar o desenvolvimento da prática pedagógica, definindo os pontos
de partida e de chegada da aprendizagem. Eles serão os guias para a elaboração dos
planos das aulas e avaliação da aprendizagem dos alunos.

Devem ser flexíveis, podendo ser replanejados a cada bimestre, ou sempre que
necessário, devidamente adequados ao desenvolvimento de cada série/ano e turma. São
elaborados levando-se em consideração a Proposta Pedagógica e o Currículo e permitem
o acompanhamento do trabalho pedagógico pelo Professor Coordenador.

Do ponto de vista legal, a definição do Currículo é prerrogativa do Estado,


enquanto instância responsável pela oferta da educação pública, gratuita e obrigatória. O
Currículo do Estado de São Paulo, portanto, é a bússola que dará o norte para os Planos
de Ensino, pois nele estão presentes as competências e habilidades, com a sugestão de
conteúdos considerados fundamentais para a formação dos estudantes e como garantia
de seu direito de aprender. Nos Planos de Ensino construídos pelos professores, poderão
ser acrescidos outros conteúdos e marcos de aprendizagem, desde que aqueles já
previstos no Currículo adotado tenham sido atendidos.

Os Planos de Ensino servem de instrumento de comunicação entre pais, alunos e


professores, possibilitando o acompanhamento do processo de aprendizagem dos alunos.
Assim, a escola deve garantir a acessibilidade desses documentos a todos,
disponibilizando-os da melhor maneira possível: no site da escola, em versões impressas,
em divulgações periódicas nos quadros de aviso/murais ou em outros suportes definidos
pela equipe escolar.

A partir dos Planos de Ensino, os docentes elaborarão os planos de aula,


imprescindíveis para o desenvolvimento das práticas cotidianas na sala de aula, local
privilegiado onde o processo de ensino e aprendizagem se concretiza. Ao desenvolver
seus planos de aula, o professor deverá utilizar os materiais didáticos disponibilizados
pela Secretaria da Educação, bem como outros materiais e recursos presentes nas
escolas, adequando-os e adaptando-os à realidade de suas turmas.

9
Planejamento Escolar 2010
Ou a viagem é boa para todos ou se perdem navegantes pelo caminho

No desenrolar do processo pedagógico, os professores serão desafiados a


enfrentar algumas dificuldades que, uma vez diagnosticadas pelo professor, necessitam
de imediata intervenção. Tal agilidade tem como objetivo evitar que problemas simples
ganhem magnitude e complexidade. Ao intervir, o professor estará pondo em prática a
recuperação contínua da aprendizagem.

Adiar ações coloca em risco o sucesso da viagem e a segurança dos viajantes.


Portanto, procedimentos que favoreçam a recuperação contínua devem ser pensados e
previstos, desde o planejamento, para sua ágil utilização tão logo diagnosticada essa
necessidade.

Como nem todos aprendem ao mesmo tempo e nas mesmas condições, algumas
situações exigirão recuperação paralela, promotora de intervenção mais aprofundada,
prolongada e específica.

O encaminhamento de alunos para a recuperação paralela, que em 2010 ocorrerá


já no começo do ano letivo, é produto de recomendação dos conselhos de
classe/série/ano realizados no final do ano letivo anterior.

No momento do planejamento, esses encaminhamentos devem ser retomados


para que os professores possam organizar suas ações, considerando as necessidades
diagnosticadas e acompanhando seu processo de desenvolvimento na recuperação
paralela. Os Professores Coordenadores das Oficinas Pedagógicas, de Língua
Portuguesa e Matemática, terão melhores condições, agora em 2010, no auxílio aos
professores para que estes compreendam melhor as dificuldades de aprendizagem ainda
relativas aos processos de alfabetização e de letramento matemático. Isso servirá para
que ajustem seus procedimentos quanto à reposição das estruturas que faltam aos
alunos, sejam eles oriundos de outras redes ou da nossa própria, e para que possam,
desse modo, prosseguir com mais chance de sucesso ao longo de sua escolaridade.

10
Planejamento Escolar 2010
Checando as coordenadas

O planejamento do início do ano organiza as ações que a escola definiu como


necessárias para atingir seus objetivos e metas. Sua elaboração é o ponto de partida de
um conjunto de ações que será desencadeado ao longo de todo o ano letivo. Para que o
planejamento não se transforme em simples “declaratório de intenções”, é imprescindível
que a escola crie mecanismos de monitoramento das ações, no sentido de acompanhar o
cumprimento de cada etapa, avaliar seus resultados e, se for o caso, definir novos
encaminhamentos. Todos esses desdobramentos devem fazer parte do plano anual das
HTPC.

É necessário enfatizar a importância da elaboração desse plano para as HTPC,


porque ele viabiliza espaços de reflexão e troca de experiências, avaliação e proposição
de ações, bem como a formação continuada do grupo de profissionais da escola,
potencializando o conceito de “escola que aprende”.

As necessidades apontadas pelo grupo, e que exigem o apoio da Diretoria de


Ensino, deverão ser elencadas e encaminhadas ao órgão para que sejam incorporadas
em sua programação anual.

A viagem é longa e todos precisam se sentir respeitados e acolhidos

Para a criação de um clima de respeito e harmonia é necessário o conhecimento e


compromisso de todos com as Normas de Gestão e Convivência. Para tanto, elas devem
ter legitimidade, e, por isso, devem ser revisitadas no planejamento escolar e
reformuladas, se necessário, com a participação de todos os segmentos.

11
Planejamento Escolar 2010
Demarcando etapas, organizando a participação e definindo funções

No planejamento, o diretor deverá apresentar e colocar em discussão o calendário


escolar proposto para o ano letivo. Aproveitando esse momento, poderá proceder a
eleição dos representantes docentes, funcionários e especialistas no Conselho de Escola
e agendar a eleição dos demais segmentos. Também poderá informar quando ocorrerá a
eleição dos membros da APM e do Grêmio Estudantil.

O preparo cuidadoso e a condução adequada das atividades de planejamento


possibilitarão a construção de um plano que, colocado em prática, garantirá a consecução
dos objetivos e metas propostos. Dessa forma, no final do ano letivo, terá sido feita uma
viagem segura, alcançando o porto desejado.

Os viajantes

Todos os diretamente envolvidos no processo de planejamento constituem o grupo


de viajantes necessários nessa viagem, cujo compartilhamento de responsabilidades e o
exercício desse compartilhamento em tempo adequado farão diferença no desenrolar da
navegação. Quem são esses viajantes:

Gestores Escolares – Diretor, Vice-Diretor e Professor Coordenador

Professores de todas as disciplinas, níveis e atuantes em espaços da escola

Funcionários da equipe administrativa e de serviços de apoio

Pais e/ou responsáveis pelos alunos

Alunos, representantes de níveis/ciclos/séries/anos

Representantes da comunidade e/ou parceiros

Grêmio Estudantil/APM/Conselho de Escola

Gestores da Diretoria de Ensino – Supervisores de Ensino e Professores Coordenadores


das Oficinas Pedagógicas

Gestores da Secretaria e das Coordenadorias

12
Planejamento Escolar 2010

Cada um desses segmentos possui a especificidade de seu papel, sendo a


contribuição de todos fundamental. Todavia, é sempre bom lembrar que a nave tem um
“comandante” que deve aglutinar a tripulação e promover a sinergia do grupo.

Com isso se ressalta a importância da postura e atuação do Diretor na condução


do processo de planejamento em sua unidade escolar. O apoio das equipes da Diretoria
de Ensino e de órgãos da Secretaria, assim como a efetiva participação de suas
assessorias diretas, dos docentes e de todos os demais envolvidos são condições
imprescindíveis. No entanto, para potencializar os apoios disponíveis e os recursos
humanos e físicos da escola, a figura do Diretor, sem sombra de dúvida, faz toda a
diferença e deve ser ele o profissional responsável pela coordenação ampla e integradora
do Planejamento Escolar.

PARTE III

MATERIAIS DE APOIO

Otimizar o tempo destinado ao planejamento requer procedimentos de organização


prévia, dentre os quais está o de selecionar materiais básicos para consulta, leitura,
retomada e análise, a fim de fundamentar – a partir da história da escola – as ações
subsequentes a serem planejadas. Esses procedimentos são como cartas de navegação
e bússolas, para que o planejamento necessário seja também preciso.

Proposta Pedagógica da Escola

A Proposta Pedagógica, entendida como a carta de intenção elaborada pelos


integrantes da comunidade escolar para nortear todas as ações a serem efetivadas pela
mesma, não pode ser apenas um documento formal, mas um ethos que se faz presente
nas ações que ali se desenvolvem. Nesse sentido, constitui-se documento essencial para
o planejamento, de forma que sejam garantidos seus princípios gerais.

13
Planejamento Escolar 2010
Por ser documento norteador das ações escolares, nesse momento de
planejamento, é hora de retomá-lo refletindo como ele contempla os princípios de garantia
do acesso e permanência, com sucesso, do aluno na escola; gestão democrática;
valorização dos profissionais da educação; qualidade do ensino; organização e integração
curricular; integração escola/família/comunidade; autonomia.

Considerando que a escola não é uma instituição isolada e sim integrante de um


sistema de ensino, a autonomia será entendida aqui como a capacidade que ela tem de
desenvolver o currículo orientado pelo sistema educacional a que pertence, lançando mão
de suas melhores possibilidades (na gestão de pessoas e na participação destas; na
otimização dos ambientes, recursos materiais e tecnológicos disponíveis; na oferta de
atendimentos diferenciados, nas atividades de enriquecimento curricular etc.) e, assim,
garantir um ensino de qualidade para a comunidade onde se insere e para a qual
trabalha.

Plano de Gestão

As reflexões, avaliações, propostas de ação e planos de melhoria discutidos no


Planejamento são parte integrante do Plano de Gestão da Escola. Portanto, é nesse
momento que o documento, já construído pela unidade, precisa ser revisitado e atualizado
(com adendo de anexos) para que de fato contemple a operacionalização e
acompanhamento dos objetivos, metas e planos de ensino da escola, posto que eles
dizem respeito à qualidade do ensino que será levado aos alunos.

Por isso, a importância de supervisores, diretores, professores, pais, alunos,


funcionários e comunidade reunirem-se, periodicamente, para avaliar o que foi proposto e
o de fato realizado. Somente dessa maneira será possível torná-lo um documento de real
utilidade para o processo educacional das escolas. Do contrário, torna-se letra morta,
cumprindo apenas rituais burocráticos.

14
Planejamento Escolar 2010
Regimento Escolar

O Regimento Escolar é um documento de fundamental importância, pois, articulado


com a proposta pedagógica, normatiza as ações de cada escola em relação à
organização administrativa, disciplinar e de convivência, contribuindo com a organização
das questões pedagógicas, em especial com as relacionadas aos procedimentos
avaliativos. Portanto, não pode ser documento arquivado, distanciado da prática
pedagógica e administrativa para que a ele não se recorra somente em situações que
envolvam indisciplina.

Relatório Final da Escola do Ano Anterior

Retomar, no momento do Planejamento, as reflexões realizadas por ocasião da


avaliação final da escola é fundamental, como garantia à continuidade dos processos
vivenciados, dando significado e utilidade aos registros já feitos.

Nessa perspectiva, a avaliação não possui uma finalidade em si, apenas como
levantamento e constatação de dados e informações, mas se fará completa quando
promover um processo de transformação das práticas escolares que permita o
desenvolvimento contínuo da escola em direção a seus objetivos e metas. Na ação
educativa, a decisão deve ser sempre a favor da aprendizagem do aluno.

Currículo da Rede Estadual de São Paulo – Ensino Fundamental e Médio

Documento planejado de forma que a rede tenha um referencial básico comum


para orientar o percurso de aprendizagem de todos os alunos nas disciplinas básicas do
Ensino Fundamental e Médio. Esse documento relaciona as competências, habilidades,
conteúdos e processos a serem desenvolvidos em cada ano/série e tem, nos materiais de
apoio aos docentes e alunos (Cadernos do Professor e do Aluno, Orientações
Curriculares de Língua Portuguesa e de Matemática do Ciclo I, Guias de Planejamento e
Orientações Didáticas do Programa Ler e Escrever, vídeos para professores
coordenadores e docentes ), subsídios para a implantação, implementação e

15
Planejamento Escolar 2010
consolidação do Currículo do Estado de São Paulo. Esses documentos explicitam e
exemplificam as concepções e práticas de ensino e aprendizagem – assumidas pelo
sistema estadual de ensino para as suas escolas, considerando o direito de acesso, pelos
alunos, a conhecimentos atualizados, significativos – valorizados pela sociedade e,
portanto, necessárias ao mundo contemporâneo.

A base curricular comum, ao definir saberes necessários que todos os alunos têm
direito a alcançar nas disciplinas estudadas, permite, consequentemente, avaliar seu
progresso em relação às mesmas, de modo que eles possam melhorar o desempenho e
receber ajuda quando necessária.

Matrizes de Referência para a Avaliação – SARESP

As Matrizes de Referência para a Avaliação das disciplinas e séries avaliadas pelo


SARESP foram construídas com base no currículo e publicadas em 2009. Por seus
objetivos específicos, assim como pela natureza das habilidades e competências
contempladas, as Matrizes representam um recorte das aprendizagens esperadas em
cada etapa de ensino, que podem ser aferidas em uma situação de prova em larga
escala.

Em cada disciplina e série, a Matriz elege temas e competências em torno dos


quais se articulam as habilidades a serem avaliadas, sempre no intuito de verificar em que
medida os alunos conseguem avançar em relação aos objetivos, das disciplinas objeto da
prova, definidos no currículo.

Essas Matrizes foram publicadas na forma de “Documento Básico”, que abarca


todas as disciplinas, e também em documentos específicos para cada uma das disciplinas
avaliadas no SARESP. Nestes últimos existem exemplos comentados de itens, que
avaliam cada uma das diferentes habilidades da Matriz de Referência do SARESP, nos
quais o professor pode se basear para realização de algumas das avaliações de
aprendizagem aplicadas ao longo do ano letivo.

16
Planejamento Escolar 2010
Relatórios Pedagógicos do SARESP

Publicados em 2009, os Relatórios do SARESP das disciplinas Língua Portuguesa,


Matemática, Ciências, Física, Química e Biologia analisam e organizam os resultados da
avaliação de 2008 em níveis de desempenho: abaixo do básico, básico, adequado e
avançado. Utilizados em conjunto com o Boletim do SARESP, possibilitam uma análise
sobre os avanços ou os possíveis estrangulamentos para os quais a escola deverá
investir suas próximas ações.

Indicadores de Avaliação Externa e Interna

A análise dos indicadores externos e internos permite que a escola localize seus
pontos fortes e também aqueles que precisam de tratamento mais efetivo e que, portanto,
deverão ser contemplados no seu plano de metas.

As avaliações externas, com destaque para o SARESP, devem ser consideradas


como instrumentos que estão a serviço da escola e seus dados precisam ser
contextualizados e compreendidos por todos aqueles que vivem a educação escolar:
propositores de políticas educacionais, técnicos, gestores, professores, pais e alunos.

Do mesmo modo, na avaliação interna, as informações coletadas de modo


evolutivo – resultados do número de matrículas, índices de promoção, frequência, evasão,
mapas de sondagem utilizados nas séries iniciais do Ensino Fundamental – mostram o
caminho que a escola vem percorrendo historicamente e apontam com clareza se algum
rumo deve ser redirecionado.

Cada escola deve buscar, na organização das discussões coletivas sobre os


resultados dessas avaliações, exercícios reflexivos que conduzam a propostas de ação
que efetivamente transformem as práticas educativas, para que estas se voltem à
melhoria do processo de ensino e de aprendizagem, o qual deve ser garantido a todos os
alunos que buscam a escola.

17
Planejamento Escolar 2010
Sítios do São Paulo Faz Escola e Ler e Escrever

Sítio que disponibiliza documentos de apoio e referência para as atividades de


implementação do currículo, avaliação, acompanhamento e planejamento, tanto para as
atividades iniciais da escola como para as desenvolvidas ao longo do ano, inclusive nas
HTPC, onde poderão ser encontradas publicações, vídeos e videoconferências.

“Ler e Escrever” – Consulte o site


“São Paulo Faz Escola” – Consulte o site

Cadernos do Gestor

Documento com orientações pedagógicas para apoiar a equipe gestora na busca


de mais qualidade para o ensino oferecido nas escolas.

Os Cadernos do Gestor contemplam a implementação do currículo, a organização


dos processos de avaliação, a análise e construção dos planos de aula, a reflexão sobre
dificuldades de aprendizagem e identificam as HTPC como espaço privilegiado para
discussão coletiva da prática pedagógica.

Em 2008 foram editados os volumes 1, 2 e 3 em publicações impressas, e em


2009 os volumes 1 e 2, sendo o de número 3 publicado em sítios da SEE, do mesmo
modo que ocorrerá com o volume 1 de 2010.

Manual de Proteção Escolar e Promoção da Cidadania e Normas Gerais de Conduta


Escolar

Documentos que fazem parte integrante do Sistema de Proteção Escolar, criado


em 2009 pela SEE, e que orientam e apoiam a equipe escolar em questões referentes à
cidadania e convivência social solidária, justa e responsável.

18
Planejamento Escolar 2010
Subsídios Específicos para Segmentos, Níveis, Modalidades, Disciplinas,
Programas e Projetos

O sistema estadual possui em sua rede de escolas de Ensino Fundamental e


Médio uma gama de diversidade organizacional das unidades que resulta na existência
das mais diferentes combinações, quer seja em relação ao atendimento escolar que
realizam – incidindo em sua estrutura quanto aos níveis, segmentos e modalidades que
possuem – ou em relação a programas e projetos que desenvolvam. Aqui ocorre o início
da identidade de cada escola, a partir da qual ela constrói e aprimora esse processo, que
se reflete de modo especial em sua proposta pedagógica e plano de gestão.

Para atender a esse leque de possibilidades, foram elaborados e organizados


diversos subsídios específicos – contemplando essa ampla variedade – e disponibilizados
como links no sítio da CENP relativo ao Planejamento Escolar 2010. Assim, cada escola,
de acordo com as especificidades de seu atendimento e trabalho, poderá eleger para
consulta aqueles que lhe dizem respeito diretamente.

Desse modo, as escolas que possuem Ensino Fundamental Ciclo I, por exemplo,
poderão acessar o documento “Orientações do EF Ciclo I para a Organização do
Planejamento Escolar 2010”, que resultou de trabalho desenvolvido pela equipe do Ciclo
I, presencialmente, junto a Professores Coordenadores das Oficinas Pedagógicas e
Supervisores de Ensino das Diretorias de Ensino, no mês de dezembro passado.

Especificamente no que concerne às diversas disciplinas, particularmente do


Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino Médio, a opção sugerida tem como objetivo propor
que a escola considere os primeiros dias de aula – de 18 a 26 de fevereiro – como um
período de retomada no trabalho dos professores com os alunos. Essa intermediação,
que articula o que foi desenvolvido com as propostas para o ano/série presente, é
fundamental e extremamente oportuna. Primeiro, fundamental, em função do momento
atual em que o currículo entra na fase de efetiva implementação. Segundo, oportuna,
levando em conta o intervalo momentâneo na escolarização decorrente do final das
atividades em dezembro seguido pelo período de recesso e férias para os alunos. Assim,
essa retomada, também de caráter diagnóstico, além de promover um momento inicial de

19
Planejamento Escolar 2010
articulação entre a programação anterior e a apresentação da subsequente, auxiliará
ainda na identificação, já iniciada ao final de 2009, das necessidades de recuperação
contínua e paralela, ajudando o professor no planejamento das aulas seguintes a este
período. Certamente muitas unidades e professores já possuem tal prática incorporada.
Sendo assim, tais subsídios se revestem do caráter de sugestão e apoio àqueles que
neles vejam utilidade na forma como foram formulados, ficando sempre a critério da
equipe escolar e docente sua utilização e/ou adaptação.

As atividades sugeridas pelas diferentes disciplinas possuem sempre como


referenciais aquelas competências e habilidades, presentes no Currículo do Estado de
São Paulo, cujo desenvolvimento das mesmas pelos alunos é considerado essencial para
interação destes com os conhecimentos que advirão na programação do ano letivo.

Conforme as características de cada disciplina, as sugestões poderão focalizar


mais o trabalho proposto para o último bimestre do ano anterior ou ampliar questões que
se mostrem ainda frágeis e que perpassaram o ano e/ou até séries anteriores. As
competências e habilidades elencadas em cada disciplina e ano/série se convertem na
diretriz orientadora do trabalho do professor, que poderá utilizar as atividades e conteúdos
sugeridos ou substituí-los por outros, desde que garantido o princípio norteador referido
anteriormente. Para isso poderá se valer tanto das sugestões elaboradas pelas equipes
de área da CENP quanto de outras constantes nos Cadernos do Aluno e do Professor,
com apoio dos livros didáticos e outros do acervo literário, além dos demais materiais que
a escola possua.

PARTE IV

PLANEJAR O PLANEJAMENTO

Em que pese parecer redundante, a figura de linguagem é proposital. A intenção é


salientar a importância da organização desse momento, pois embora a ação de planejar
esteja presente durante todo o processo de gestão escolar, a natureza do planejamento e

20
Planejamento Escolar 2010
o tempo a ele destinado no início do ano letivo o qualificam como uma atividade não
rotineira e merecedora de uma atenção especial da equipe gestora.

Tanto no período inicial como ao longo do ano letivo, o planejamento em ação é


parâmetro para atitudes e procedimentos de todos os segmentos que atuam na escola
nas diversas práticas educativas: do acolhimento ao público – pais, alunos, docentes,
comunidade – até a reflexão, o diálogo, a negociação e as tomadas de decisão que
ocorrem no interior dos espaços educativos do cotidiano escolar e dos espaços de
participação garantidos pela gestão democrática da escola.

No sítio da CENP, destinado ao Planejamento Escolar 2010, são apresentadas, a


título de sugestão, orientações para o planejamento, proposta de cronograma, bem como
atividades, além de um rol de outros documentos mencionados com links específicos,
para que cada equipe escolar os utilizem ou os adaptem, de acordo com suas
peculiaridades e identidade construída ou em construção.

Todavia, mais importante do que adotar as sugestões é garantir o fundamental:


planejar o planejamento na escola.

Todos a bordo!

Prontos para zarpar e fazer uma excelente viagem no trabalho de 2010.

Equipe Técnica da CENP – SEE/SP – Janeiro – 2010

21