You are on page 1of 16

NORMAS DE ADMISSÃO 2009 / 2010 COLÉGIO MILITAR

NORMAS DE ADMISSÃO

Ano Lectivo
2009 - 2010

-1-
NORMAS DE ADMISSÃO 2009 / 2010 COLÉGIO MILITAR

1. INTRODUÇÃO

1.1. ORGÂNICA DAS ACTIVIDADES ESCOLARES

2º. Ciclo
5ºe 6ºAnos

3º. Ciclo
7º, 8º e 9º Anos

Ensino Secundário
10º, 11º e 12º Anos

ENSINO SUPERIOR

ENSINO SUPERIOR MILITAR ENSINO SUPERIOR CIVIL

-2-
NORMAS DE ADMISSÃO 2009 / 2010 COLÉGIO MILITAR

1.2. INFORMAÇÕES DIVERSAS

1. A entrega dos documentos que constituem os processos de admissão tem de ser feita dentro do prazo indicado no ANEXO
A - (CALENDÁRIO DO CONCURSO), mas com a antecedência possível, de modo a permitir a correcção de qualquer erro
ou lapso porventura existentes.

2. Para poder executar cada uma das provas de admissão (Provas de Aptidão Cultural, Psicológica, Física e Inspecção
Médica) o candidato terá de se fazer acompanhar do Bilhete de Identidade ou, na sua falta, do talão do pedido feito ao
Arquivo de Identificação ou da Cédula Pessoal.

3. Para evitar alguns inconvenientes, consequentes da exclusão da admissão por motivo de insuficiência de vagas,
nomeadamente despesas com viagens, aconselha-se o seguinte:

a. Não efectuar deslocações dos candidatos das Ilhas ou dos PALOP para Lisboa, sem que primeiro seja dada a
indicação para tal, por parte do Colégio Militar.

b. Proceder à matrícula dos candidatos noutros estabelecimentos de ensino, dentro dos prazos legais e sem
aguardarem os resultados do Concurso de Admissão.

4. As listas dos candidatos apurados, por ordem de admissão, são enviadas à Repartição de Assuntos Gerais/DI/CI na data
indicada no ANEXO A – (CALENDÁRIO DO CONCURSO) para homologação por S. Exa. o General CEME e, após a
referida homologação, serão afixadas em local próprio.

5. Para a aquisição do enxoval, deverá ser contactada a Secção de Logística do respectivo estabelecimento, onde serão
prestadas todas as informações para o efeito.

6. De acordo com o determinado nos nºs 2, 3 e 4 do artº. 9º da Portaria nº 872/81, de 29 de Setembro, a falta de pagamento
das mensalidades nos prazos estabelecidos pode implicar a suspensão do aluno das actividades escolares e mesmo o seu
abate ao efectivo, caso a falta de pagamento persistir após aviso pela Secção de Logística do Colégio Militar.

7. Após a recepção da convocatória dos alunos admitidos, os pais ou tutores dos mesmos devem comunicar qualquer
eventual desistência.

8. As análises, vacinas ou exames médicos a apresentar à Junta de Inspecção Médica, podem ser realizados em qualquer
Centro de Saúde Civil ou no HMP, conforme referido no ANEXO E – (INSPECÇÃO MÉDICA).

-3-
NORMAS DE ADMISSÃO 2009 / 2010 COLÉGIO MILITAR

9. Sempre que os pais ou tutores dos alunos não residam ou se ausentem de Portugal Continental, é obrigatório a nomeação
de um encarregado de educação (ver nº 1.2 do ANEXO B – (DOCUMENTAÇÃO A ENTREGAR).

10. No caso dos pais, tutores e/ou encarregados de educação de qualquer aluno habitarem fora da área da cidade de Lisboa,
é aconselhável que indiquem um seu representante que resida nessa área, de modo a permitir à Direcção do
estabelecimento qualquer eventual e urgente contacto.

11. Os candidatos ao 5.º e ao 6.º Ano frequentarão a disciplina de Inglês como Língua Estrangeira I.

12. Os candidatos ao 7.º Ano deverão ter frequentado a disciplina de Inglês no 2.º Ciclo como Língua Estrangeira I. Além da
frequência da Língua Estrangeira I, frequentarão a disciplina de Francês como Língua Estrangeira II.

13. As Normas de transição de ano lectivo regem-se nos termos do despacho conjunto n.º 275/2006, de 6 de Março, dos
Ministérios da Defesa Nacional e da Educação. O referido despacho conjunto define ainda que “As especificidades próprias
dos estabelecimentos militares de ensino permitem que, sem prejuízo dos planos curriculares definidos pelo Ministério da
Educação, sejam ministradas outras disciplinas ou cursos e tomadas as providências de diversa natureza favoráveis à
melhor preparação escolar dos alunos e à sua formação moral, cívica e, quando for o caso, militar”.

2. REGULAMENTO DE ADMISSÃO

CAPITULO l - CONDIÇÕES DE ADMISSÃO

Art. 1.º
1. A admissão dos alunos do Colégio Militar (CM), faz-se para os regimes de internato.

2. O Comandante da Instrução e Doutrina do Exército pode autorizar, a título muito excepcional, a admissão a concurso
para qualquer ano.
Art. 2.º
São condições gerais de admissão ao Colégio Militar, possuir as condições físicas e psicológicas e os conhecimentos
indispensáveis ao ano a que o candidato se destina, comprovados em provas de concurso de admissão.

-4-
NORMAS DE ADMISSÃO 2009 / 2010 COLÉGIO MILITAR

Art. 3.º
1. A admissão de alunos ao Colégio Militar faz-se para o 5.º, 6.º e 7.º anos de escolaridade.

2. São condições especiais de admissão:

a. Para o 5º Ano de escolaridade:


(1) Ter menos de 12 anos de idade até 31 de Dezembro do ano civil em que tem lugar o concurso;
(2) Ter sido aprovado no 4º ano de escolaridade.

b. Para o 6º Ano de escolaridade:


(1) Ter menos de 13 anos de idade até 31 de Dezembro do ano civil em que tem lugar o concurso;
(2) Ter sido aprovado no 5º ano de escolaridade.

c. Para o 7º Ano de escolaridade:


(1) Ter menos de 14 anos de idade até 31 de Dezembro do ano civil em que tem lugar o concurso;
(2) Ter sido aprovado no 6º ano de escolaridade.

CAPITULO II - CONCURSO DE ADMISSÃO


Art. 4.º
1. A aptidão cultural, física e psicológica dos candidatos ao concurso de admissão é apreciada por meio das seguintes
operações:

a. Entrevista ao candidato com a presença dos pais ou encarregado de educação;


b. Prova de Aptidão Psicológica;
c. Prova de Aptidão Cultural;
d. Inspecção Médica;
e. Prova de Aptidão Física.

2. As diferentes operações do concurso realizam-se pela ordem indicada, podendo a mesma ser alterada quando
conveniente.

3. Os candidatos que, após a realização das provas cultural ou psicológica, revelem não possuir os conhecimentos
culturais mínimos estabelecidos para o acesso ao Estabelecimento de Ensino a que concorrem, ou deficiente
capacidade de aprender, são excluídos das restantes operações do concurso.

-5-
NORMAS DE ADMISSÃO 2009 / 2010 COLÉGIO MILITAR

Art. 5.º
1. As operações do concurso têm lugar no Colégio Militar, perante um júri a nomear pelo Director.

2. Os candidatos residentes nas Regiões Autónomas podem efectuar todas as provas na respectiva Região Autónoma,
perante um júri nomeado pelo respectivo Comandante da Zona Militar.

3. Os candidatos residentes no estrangeiro, podem efectuar a prova de aptidão cultural nas Embaixadas Portuguesas,
perante um júri nomeado pelos Adidos Militares Portugueses.

4. O júri, no caso das operações do concurso se realizarem nas Regiões Autónomas, funcionará no respectivo Quartel-
General do Comando da Zona Militar, e actuará como delegação do júri do Colégio Militar.

5. O júri, no caso das operações do concurso se realizarem no estrangeiro, funcionará na sede da respectiva Embaixada
Portuguesa, e actuará como delegação do júri do Colégio Militar

6. Em relação aos candidatos residentes nas Regiões Autónomas e aos candidatos residentes no estrangeiro, compete,
ainda, aos Comandantes das Zonas Militares e aos Adidos Militares Portugueses avisar os candidatos da data, hora e
local em que devem comparecer para a realização das provas, bem como enviar com a maior urgência e pelo meio
mais rápido ao Colégio Militar as provas elaboradas, as actas e os registos do Júri.

7. As provas de aptidão cultural são elaboradas por rotação, sob a responsabilidade de um dos Estabelecimentos de
Ensino (através de uma comissão composta por elementos dos três Estabelecimentos de Ensino Colégio Militar,
Instituto Militar dos Pupilos do Exército e Instituto de Odivelas), no que concerne aos anos comuns em processo de
admissão) e classificadas no Estabelecimento de Ensino a que o candidato concorre.

8. A elaboração e classificação das provas psicológicas competem aos Psicólogos em funções no Exército.

9. Os candidatos que concorram simultaneamente ao CM e ao IMPE prestam as provas num desses Estabelecimentos,
mediante coordenação a estabelecer pelos respectivos Directores. Os candidatos nestas condições devem declarar a
sua intenção de concorrer aos dois Estabelecimentos Militares de Ensino.

10. Não o tendo declarado previamente, os candidatos poderão ainda fazê-lo até à publicação da lista de ordenação
provisória do concurso.
Art. 6.º
São eliminados os candidatos cujos Encarregados de Educação declarem, por escrito, desistir do concurso.

-6-
NORMAS DE ADMISSÃO 2009 / 2010 COLÉGIO MILITAR

Art. 7.º
Os candidatos convocados para as várias operações do concurso devem comparecer com pontualidade nos locais, nos dias
e às horas que lhes sejam fixados, sendo sempre portadores do respectivo bilhete de identidade ou, não o possuindo ainda,
da cédula pessoal. O não cumprimento desta disposição, ou a não apresentação de justificação válida, implica a exclusão do
concurso.

Art. 8.º
Para cada uma das operações do concurso são realizadas duas fases, podendo haver posteriormente uma fase de recurso
quando devidamente autorizada pelo Comando da Instrução e Doutrina do Exército.
Art. 9.º
1. A fim de superintender no processamento das operações do concurso é nomeada anualmente, por despacho do
Director do Colégio Militar, uma Comissão de Admissão a que presidirá o Subdirector e da qual fazem parte:

- Presidente do Júri da Prova de Aptidão Cultural;


- Presidente do Júri da Prova de Aptidão Psicológica;
- Presidente da Junta de Inspecção Médica;
- Presidente do Júri da Prova de Aptidão Física;
- Secretário Coordenador.

2. O Director do Colégio Militar nomeará o pessoal necessário ao apoio administrativo da Comissão.


Art. 10.º
A Comissão de Admissão mantém-se constituída desde a abertura do concurso até ao seu encerramento e tem por
atribuições as seguintes:

1. Proceder à análise dos processos de admissão dos candidatos;

2. Superintender no processamento de todas as provas de admissão;

3. Fazer cumprir as disposições insertas neste Regulamento no que respeita à realização das provas de admissão;

4. Elaborar informações e propostas sobre matéria que requeira decisão superior.

-7-
NORMAS DE ADMISSÃO 2009 / 2010 COLÉGIO MILITAR

CAPÍTULO III - ORGANIZAÇÃO DO CONCURSO DE ADMISSÃO


Art. 11.º
Com base em informação do Colégio Militar e mediante proposta do Comandante da Instrução e Doutrina do Exército, o
General Chefe Estado-Maior do Exército fixará, anualmente, o número de vagas a atribuir por ano de admissão.
Art. 12.º
1. O anúncio da abertura do concurso, respectivo calendário e número de vagas previstas, serão efectuados no início do
mês de Janeiro de cada ano.

2. O Colégio Militar deverá remeter ao Comandante da Instrução e Doutrina do Exército, até 15 de Dezembro de cada
ano, as suas propostas, tendo em vista serem analisadas e submetidas à consideração do General Chefe Estado-Maior
do Exército.
Art. 13.º
1. As vagas criadas serão repartidas anualmente, por despacho do General CEME, pelos grupos e subgrupos de
candidatos, de acordo com a Portaria nº 545/80, de 26AGO:

a. Grupo A - Casos especiais:

(1) 1.º Subgrupo


Serem órfãos de militares ou militarizados das Forças Armadas falecidos no exercício das suas funções e
por motivo do seu desempenho, com preferência para os que tenham falecido em campanha ou situação
equiparada;

(2) 2.º Subgrupo


Serem órfãos de militares das Forças Armadas, com prioridade para os órfãos de pai e mãe;

(3) 3.º Subgrupo


Serem filhos de militares das Forças Armadas, nas seguintes condições:

(a) Órfão de mãe ou pai;


(b) Pai ou mãe, em situação de invalidez, com grau de incapacidade mínima de 30%, resultante do
exercício das suas funções militares e por motivo do seu desempenho, com preferência para os que se
tenham incapacitado em campanha ou em situação equiparada;

(c) Terem seis ou mais irmãos menores, exceptuando os já matriculados nos Estabelecimentos Militares
de Ensino, e não possuírem outros rendimentos além do vencimento da função militar;

-8-
NORMAS DE ADMISSÃO 2009 / 2010 COLÉGIO MILITAR

(4) 4.º Subgrupo


Serem filhos de militares das Forças Armadas que tenham prestado serviços à Pátria recompensados, a
título individual, com qualquer grau da Ordem Militar da Torre e Espada, de Valor Lealdade e Mérito, ou com
as medalhas militares de Valor Militar ou de Cruz de Guerra e de Serviços Distintos com Palma, pela ordem
legal de precedências.

b. Grupo B - Filhos de Militares das Forças Armadas:

(1) 1.º Subgrupo


Filhos de oficiais

(2) 2.º Subgrupo


Filhos de sargentos

(3) 3.º Subgrupo


Filhos de praças

c. Grupo C - outros candidatos:

(1) 1.º Subgrupo


(a) Filhos de pessoal dos quadros de pessoal militarizado das Forças Armadas e militares da Guarda
Nacional Republicana (GNR) na efectividade do serviço ou falecidos nessa situação;

(b) Filhos de elementos das Forças de Segurança na efectividade do serviço ou falecidos nessa situação;

(c) Filhos de funcionários civis de qualquer dos departamentos dos três Ramos das Forças Armadas com
mais de cinco anos de serviço;

(2) 2.º Subgrupo


Candidatos não abrangidos nos grupos anteriores.

2. Os candidatos abrangidos pelo disposto no 1º subgrupo do grupo A, bem como os filhos dos condecorados em
qualquer grau da Ordem Militar da Torre e Espada, de Valor Lealdade e Mérito, ou da Medalha Militar de Valor Militar,
desde que satisfaçam as condições de admissão, serão sempre admitidos, ainda que excedam o número de vagas.

-9-
NORMAS DE ADMISSÃO 2009 / 2010 COLÉGIO MILITAR

3. As vagas destinadas a candidatos do grupo A, atribuídas a qualquer dos seus subgrupos, que não forem preenchidas
reverterão, em primeira instância, a favor dos restantes subgrupos pela ordem em que são indicados e, se não forem
preenchidas, a favor do grupo B.

4. As vagas destinadas a candidatos do grupo B que não forem preenchidas reverterão a favor dos candidatos do grupo
C, proporcionalmente às vagas atribuídas inicialmente a cada subgrupo.

5. As vagas destinadas a candidatos do grupo C e atribuídas a qualquer dos subgrupos que não forem preenchidas,
reverterão a favor do outro subgrupo e, se não forem preenchidas, a favor do grupo B.
Art. 14.º
Para efeitos de admissão, os órfãos de pai ou mãe, filhos de militares das Forças Armadas, mantêm os mesmos direitos,
ainda que o progenitor vivo não seja militar e venha a casar com um indivíduo civil.
Art. 15.º
Para efeitos de admissão, são equiparados a filhos de militares das Forças Armadas, e de acordo com as suas categorias
hierárquicas, os órfãos de pai ou mãe, filhos de civis, cujo progenitor vivo tenha posteriormente casado com militar das
Forças Armadas.
Art. 16.º
1. Os candidatos aprovados no concurso de admissão serão ordenados de acordo com a classificação obtida na prova de
aptidão cultural até ao limite das vagas.

2. Em caso de igualdade de classificação, são condições de preferência:

a. Para os candidatos dos Grupos A e B:


(1) Menor capitação;
(2) Maior tempo de serviço do pai ou mãe;

b. Para os candidatos do Grupo C:


(1) Ser neto de militar;
(2) Ser filho de ex-aluno do Colégio Militar;
(3) Menor capitação.
Art. 17.º
1. Concluídos os trabalhos de ordenação, a Comissão de Admissão elaborará as listas dos candidatos a admitir e a
excluir, submetendo-as à aprovação do Director do Colégio Militar.

-10-
NORMAS DE ADMISSÃO 2009 / 2010 COLÉGIO MILITAR

2. As listas, devidamente informadas e aprovadas, serão enviadas ao Comandante da Instrução e Doutrina do Exército
para homologação.
Art. 18.º
A documentação comprovativa das condições gerais e especiais e outra relacionada com a admissão será indicada pelo
Colégio Militar aos interessados, no início de Janeiro de cada ano.
Art. 19.º
1. Para efeitos no n.º 2 do Artigo 1.º, será organizado, para cada candidato ou grupo de candidatos nas mesmas
condições, concurso de admissão, o qual constará das provas previstas no Artigo 4.º deste Regulamento, devidamente
adaptadas em função do ano escolar a que respeitarem, com vista ao disposto no Artigo 2.º.

2. As provas previstas no número anterior são submetidas a prévia aprovação do Comandante da Instrução e Doutrina do
Exército.

CAPÍTULO IV - PROVA DE APTIDÃO CULTURAL


Art. 20.º
Os candidatos serão submetidos a uma Prova de Aptidão Cultural (PAC), que se destina a avaliar o nível de conhecimentos
estabelecidos para o acesso ao ano a que se candidatam.
Art. 21.º
1. O júri perante o qual os candidatos prestam a prova de aptidão cultural, é constituído por um oficial superior ou uma
directora de ciclo, que preside, e por dois docentes.

2. O júri, no caso das operações do concurso se realizarem nas Regiões Autónomas será constituído por um oficial
superior, que preside, e por dois oficiais, devendo sempre que possível, um deles ter a experiência do exercício de
funções docentes.

3. No caso das operações de concurso se realizarem no estrangeiro, o júri será constituído, sempre que possível, por dois
militares, preferencialmente com experiência do exercício de funções docentes.
Art. 22.º
As matérias a incluir na prova de aptidão cultural, deverão constar dos programas aprovados pelo Ministério da Educação.

-11-
NORMAS DE ADMISSÃO 2009 / 2010 COLÉGIO MILITAR

CAPÍTULO V - PROVA DE APTIDÃO PSICOLÓGICA


Art. 23.º
Os candidatos serão submetidos a uma prova de aptidão psicológica a realizar pelos Psicólogos do Exército, que se destina
a avaliar se possuem o perfil adequado para a frequência do Colégio Militar.
Art. 24.º
Do Júri perante o qual os candidatos prestam a prova de aptidão psicológica fará parte, obrigatoriamente, um oficial
psicólogo.
Art. 25.º
O modelo de avaliação psicológica é submetido à aprovação do Comandante da Instrução e Doutrina do Exército.
Art. 26.º
Os resultados da prova de aptidão psicológica são constituídos por pareceres consubstanciados numa escala qualitativa, a
saber:
− Favorável preferencial
− Preferencial
− Favorável
− Favorável com reservas
− Não favorável
Art. 27.º
1. Sempre que o oficial psicólogo verificar, face às provas prestadas pelos candidatos, a existência de resultados
insatisfatórios que justifiquem um exame individual mais completo, informará o Colégio Militar, a fim de que os pais ou
encarregados de educação (EE) possam solicitar, no prazo de cinco dias úteis a partir da data em que tiverem
oficialmente conhecimento, que os candidatos sejam submetidos a provas especiais.

2. Se o parecer “Não favorável” se mantiver, é proposto que o aluno não seja admitido ao Colégio Militar.

CAPÍTULO VI - INSPECÇÃO MÉDICA


Art. 28.º
A verificação das condições físicas dos candidatos para frequência do Colégio Militar é feita através da Inspecção Médica.
Art. 29.º
Para efeitos do disposto no Artigo 29.º é constituída uma Junta de Inspecção, a funcionar, com a seguinte constituição:
- Um oficial superior, que preside;
- Dois médicos.

-12-
NORMAS DE ADMISSÃO 2009 / 2010 COLÉGIO MILITAR

Art. 30.º
Na constituição e funcionamento da Junta de Inspecção deverá ser observado o seguinte:

1. Sempre que possível, serão nomeados os médicos do Colégio Militar;

2. Quando se tornar necessário, o Colégio Militar solicitará à Direcção de Administração de Recursos Humanos (DARH) a
nomeação dos médicos em falta para o funcionamento da Junta de Inspecção;

3. O Hospital Militar Principal (HMP) apoiará a Junta de Inspecção em todos os exames e análises que tenham de ser
realizados e sempre em regime de prioridade.
Art. 31.º
1. Os candidatos residentes nas Regiões Autónomas poderão ser submetidos localmente à inspecção médica de acordo
com as normas aplicáveis ao Colégio Militar, perante Juntas de Inspecção a nomear pelos respectivos Comandantes
das Zonas Militares.

2. Compete, ainda, aos Comandantes das Zonas Militares respectivas, avisar os candidatos da data, hora e local em que
devem comparecer para a inspecção, bem como, terminadas as inspecções, recolher as actas e os registos elaborados
pela Junta e enviá-los, com a maior urgência e pelo meio mais rápido ao Colégio Militar.

3. Estas Juntas de Inspecção médica actuarão como delegações da Junta do Colégio Militar e terão a constituição
definida pelo Comandante da Zona Militar respectiva, dentro dos princípios estabelecidos no Artigo 30.º.

Art. 32.º
Aos candidatos podem ser exigidos análises ou exames médicos complementares em Hospitais Militares ou noutros
hospitais, no caso de as inspecções terem lugar nas Regiões Autónomas, sempre que a Junta de Inspecção os considere
necessários para fundamentar a sua decisão.
Art. 33.º
Os candidatos devem apresentar no acto da inspecção médica os documentos exigidos.

Art. 34.º
1. A Junta de Inspecção julga da aptidão ou inaptidão dos candidatos para a frequência do Colégio Militar, classificando-
os nas categorias de "APTO", "APTO CONDICIONALMENTE" ou "INAPTO".

a. São considerados "APTOS" os candidatos que superarem sem restrições as tabelas de inaptidão e possam ser
admitidos nesse ano lectivo;

-13-
NORMAS DE ADMISSÃO 2009 / 2010 COLÉGIO MILITAR

b. São considerados "APTOS CONDICIONALMENTE" os candidatos em relação aos quais a decisão da Junta de
Inspecção esteja dependente do resultado de exames médicos complementares, de análises ou pequenas
intervenções cirúrgicas a que se devam submeter antes do início do ano lectivo;

c. São considerados "INAPTOS" os candidatos que não satisfaçam nem se preveja que possam vir a satisfazer as
tabelas de aptidão por terem insuficiências incuráveis ou que constituam índices morfológicos ou patológicos
considerados inibitórios pelas tabelas de aptidão.

2. Podem ser considerados “APTOS” os candidatos sobre os quais a Junta de Inspecção se possa pronunciar
definitivamente, apesar de virem a necessitar de serem submetidos a qualquer intervenção cirúrgica em data posterior
ao início do ano lectivo, desde que o pai ou encarregado de educação tome, por escrito, o compromisso de autorizar
essa intervenção cirúrgica na data em que Chefe dos Serviços de Saúde do Colégio Militar venha a determinar.

Art. 35.º
1. A decisão de "INAPTO" aplicada pela Junta de Inspecção a um candidato inibe-o de concorrer a qualquer
Estabelecimento Militar de Ensino.

2. Os candidatos julgados "APTOS CONDICIONALMENTE" podem continuar em concurso até decisão em contrário.

Art. 36.º
1. Das decisões da Junta de Inspecção pode ser interposto recurso pelo encarregado de educação do candidato para o
General CEME, que decidirá, em face do relatório a elaborar pela respectiva Junta de Inspecção e baseado em parecer
da Direcção de Saúde (DS), se o candidato deverá ou não ser presente a nova inspecção médica, a efectuar por uma
Junta Hospitalar de Inspecção (JHI).

2. No caso de deferimento do recurso a que se refere o número anterior, o resultado da JHI substituirá o anterior para
todos os efeitos legais.

3. O prazo de interposição do recurso é de cinco dias úteis a contar da data da afixação do resultado da inspecção
médica.

-14-
NORMAS DE ADMISSÃO 2009 / 2010 COLÉGIO MILITAR

CAPÍTULO VII - PROVAS DE APTIDÃO FÍSICA


Art. 37.º
A prova de aptidão física destina-se, em conjugação com a inspecção médica, a verificar se o candidato reúne as condições
físicas indispensáveis ao regime próprio do Colégio Militar.
Art. 38.º
A prova de aptidão física é constituída por um conjunto de exercícios, cuja composição e condições de execução serão
estabelecidas pelo General CEME.
Art. 39.º
A prova de aptidão física é prestada perante um júri com a seguinte constituição:

1. Comandante do Corpo de Alunos, que preside;


2. Dois professores de Educação Física.
Art. 40.º
Relativamente às provas de aptidão física a realizar pelos candidatos residentes nas Regiões Autónomas o Júri é constituído
por um oficial superior, que preside, e por dois oficiais, devendo, sempre que possível um deles ser especializado em
Educação Física:
Art. 41.º
Os riscos a que os candidatos estão sujeitos no decorrer destas provas não se encontram cobertos por nenhum seguro do
Colégio Militar, nem são da responsabilidade da Instituição Militar.
Art. 42.º
Antes do início da prova e dos diversos exercícios, os candidatos serão elucidados pelo Júri sobre todas as condições da
sua realização e demais disposições da prova e suas consequências.
Art. 43.º
O júri, terminadas as provas, lança em registo próprio os resultados obtidos por cada candidato, com as necessárias
observações, para permitir a sua apreciação final.
Art. 44.º
Das decisões do júri da prova de aptidão física somente caberá recurso por desrespeito do Regulamento destas provas,
descritas no ANEXO F – (PROVA DE APTIDÃO FISICA).

CAPÍTULO VIII – DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS


Art. 45.º
Para efeitos de aplicação deste diploma, consideram-se militares no activo, na reserva e na reforma.

-15-
NORMAS DE ADMISSÃO 2009 / 2010 COLÉGIO MILITAR

Art. 46.º
A execução do presente diploma será, anualmente, complementada por normas específicas para o concurso de admissão a
aprovar pelo General CEME.
Art. 47.º
As dúvidas ou casos omissos serão resolvidos por despacho do General CEME.

rrrr rrrr

ANEXOS:

A - CALENDÁRIO DAS OPERAÇÕES DO CONCURSO DE ADMISSÃO PARA O ANO LECTIVO DE 2007/2008

B - DOCUMENTAÇÃO A ENTREGAR

C - PROVA DE APTIDÃO PSICOLÓGICA

D - PROVA DE APTIDÃO CULTURAL

E - INSPECÇÃO MÉDICA

F - PROVA DE APTIDÃO FÍSICA

G - TABELA DE MENSALIDADES DO ANO LECTIVO 2007/2008

H - DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS

I - ENXOVAL DOS ALUNOS

-16-