You are on page 1of 2

ÁGUA PURA PARA O MUNDO - AQÜÍFERO GUARANI

O mapa hidrogeológico da maior reserva subterrânea de água da América do Sul e


uma das maiores do mundo, o Aqüífero Guarani, está pronto. O trabalho consumiu
sete anos de pesquisa do professor da Unisinos Heraldo Campos, 46 anos, doutor em
Hidrogeologia pela Universidade da Catalunha (Espanha). Financiado pelo Conselho
Nacional de Pesquisa (CNPq), o mapa digitalizado foi lançado no final do ano passado
pela revista Acta Geologica Leopoldensia, editada pela Unisinos. O trabalho será
utilizado pelo Unesco como ferramenta de gestão do recurso no projeto internacional
para proteçao ambiental do aqüífero.
AQÜÍFERO GUARANI
• O NOME:
Homenagem à população indígena que
dominava a Bacia Platina na época do
descobrimento da América.
• O VOLUME DE ÁGUA ARMAZENADA:
Calcula-se que a reserva contenha 50
quatrilhões de litros de água. É mais do
que a água que corre em todos os rios do
planeta em um ano, ou seja, 43
quatrilhões de litros. Poderia abastecer a
atual população brasileira por 2 mil anos.
• A VAZÃO:
Chega a 800 metros cúbicos por hora (ou
800 mil litros) em profundidades de mil a
1,2 mil metros. Nas bordas é de cerca 3
litros/hora.
• A PROFUNDIDADE:
A água do manancial está situada a uma
profundidade que oscila de 50 metros a
1,5 mil metros. 10% da área total está
rente a superfície.
• A TEMPERATURA DA ÁGUA:
A cada cem metros de profundidade, a
temperatura da água aumenta 3ºC. Nos
pontos mais profundos, pode chegar a
60ºC. A água tem uma temperatura
média de 25ºC a 30ºC .
• A ESPONJA:
A água está embebida em um manto de
arenito poroso. Trata-se de água da
chuva que escorreu lentamente para o
subsolo durante 100 milhões de anos,
depurando-se.

• O eixo do Rio Paraná é uma referência


geográfica. Próximo ao rio, o aqüífero
está em grandes profundidades, a mais
de mil metros.
• A água do Guarani é suficiente para
abstecer a população do mundo inteiro
por uma década.
• Nas margens do aqüífero Guarani, a
erosão expõe afloramentos.
• Além do Guarani, um reservatório bem
menor, o Bauru, se formou sob o solo da
região de São Paulo.