You are on page 1of 41

DEPRESSÃO

Um estudo geral sobre


o mal de todos os sé culos
Histórico
 Inicialmente denominada melancolia (do grego
melanos= negra e kholia= bilis) e frequentemente
confundida com ela, a depressāo (do latin
depressus, abatimento) é  um dos transtornos
psiquiátricos mais antigos de que se tem notíc ia.
 Hipocrates: Teoria dos humores: existiam no
organismo quatro humores (sangue, linfa, bílis
amarela e bílis negra) que se relacionavam com os
quatro elementos da natureza (terra, água, ar e
fogo) e com as quatro qualidades (calor, secura, frio
e humidade). Cada um dos humores predominava
numa determinada parte do corpo (raiva, mágoa =
pâncreas ou baço) e a saúde resultava do equilíbrio
entre os quatro humores.
 Estudos da epidemiológicos na Psiquiatria apontam a
Depressāo como uma das doenças mais
Estudos Médicos
 Estado psíquico onde a criatura apresenta-se num quadro de
melancolia intensa, sem interesse pelas coisas que antes
realizava ou buscava, além de falta de energia. Nas formas
graves, associa-se a sentimentos de ruína e desejo de morte ou
suicídio.
 Estatísticas divulgadas pelo Laboratório de Psiquiatria do Hospital das
Clínicas, em São Paulo:

- 73,6% da população está comprometida em graus diferentes de
algum tipo de transtorno psicológico,

- 46% das pessoas com transtorno são portadoras de depressão.
 Os sintomas podem ser classificados de várias formas:

· Sintomas afetivos
 · Alterações físicas
Estudos Médicos
SINTOMAS AFETIVOS ALTERAÇÕES FÍSICAS
· Tristeza, melancolia · Fadiga, cansaço fácil
· Choro fácil e/ou frequente · Insônia ou hipersonia
· Apatia/indiferença · Perda ou aumento de apetite
· Tédio crônico · Constipação, palidez
· Irritabilidade · Redução da libido
· Angústia/ansiedade · Diminuição da resposta sexual
· Desespero · Anedonia (incapacidade de sentir
· Desesperança prazer)

ALTERAÇÕES IDEATIVAS ALTERAÇÕES DE AUTOVALORIZAÇÃO

· Idéias de arrependimento e culpa · Baixa auto-estima


· Pessimismo · Sentimentos de insuficiência e
· Ruminações com mágoas antigas incapacidade
· Visão de mundo entediante · Vergonha
· Idéias de morte · autodepreciação
· Planos suicidas
Estudos Médicos
 A Depressão faz parte do grupo dos Transtornos do
Humor ou Transtornos Afetivos:
1. Transtorno Afetivo Unipolar (TAU): também conhecido
como Depressão Maior – a pessoa pode passar
vários meses ou até anos sem nenhum sintoma
2. Transtorno Afetivo Bipolar (TAB) : também conhecido
como psicose maniaco-depressiva (PMD),
caracteroza-se pela oscilação entre dois polos :
depressão e mania.
 Mania = exarcebação do humor ( defesa = “rir para
não chorar”)

 TAB 1 = pelo menos uma crise caracterizada pela


euforia (delirante,alucinada)
 TAB 2 = euforia menos acentuada , não chega a ser
uma mania.
Estudos Médicos
 Depressão e ANSIEDADE
“andam de mãos dadas”
pois estão muito próximas
em termos de
neurotransmissão cerebral.

 A identificação da depressão
passa por três aspectos:
 Persistência – Quando
não há retrocesso desses
estados emocionais
 Incapacidade – Quando
esses estados emocionais
incapacitam para as
atividades normais.
 Desproporção –
Sentimentos exagerados
Estudos Médicos
 “As emoções naturais devem ser passageiras,
circularem normalmente. A tristeza, por exemplo, é
uma emoção natural, que nos leva a entrar em
contato conosco, à introspecção e à reflexão sobre
nossas atitudes. Uma vez estagnada, prolongada,
acompanhada de sentimento de culpa, nos leva à
depressão”.
 Dr. Wilson Ayub Lopes, da Associação de Médicos Espíritas do
Espírito Santo
Estudos Médicos
 Depressão é uma doença crônica,
recorrente, muitas vezes com alta
concentração de casos na mesma
família, que se manifesta não só em
adultos, mas também em crianças e
adolescentes.
1. Ter um dos pais com depressão aumenta
de 2 a 4 vezes o risco da criança.
2. Comum entre portadores de doenças
crônicas como diabetes, epilepsia.
3. acontecimentos estressantes como a
perda de um ente querido ou
negligência dos pais / violência sofrida
na primeira infância também aumenta
o risco.
 Quadros depressivos: persistentemente
Estudos Médicos
 Em pelo menos 20% dos pacientes existe risco de
surgirem distúrbios bipolares, nos quais fases de
depressão se alternam com outras de mania,
caracterizadas por euforia, agitação psicomotora,
diminuição da necessidade de sono, idéias de
grandeza e comportamentos de risco.
 Antidepressivos (fluoxetina, paroxetina, citalopran,
etc.) apresentam menos efeitos colaterais e menor
risco de complicações por overdose.
 A terapia comportamental procura ensinar aos
pacientes como encontrar prazer em atividades
rotineiras, melhorar relações interpessoais,
identificar e modificar padrões que conduzem à
depressão.
 A terapia interpessoal ensina a lidar com dificuldades
pessoais como a perda de relacionamentos, as
Estudos Médicos
 O Tamanho do Problema:
 - a Depressão afeta de 15% a 20% das mulheres e
de 5% a 10% dos homens.
 - 2/3 das pessoas não fazem tratamento e dos que
procuram o clínico geral apenas 50% são
diagnosticados corretamente.
 - a maioria dos não tratados irá tentar suicídio pelo
menos uma vez e 17% deles se matam.
 - com o tratamento correto, 70% a 90% dos
pacientes recuperam-se da Depressão.
 - os sintomas aparecem mais freqüentemente
entre os 20 e 50 anos.
 - quem já teve um quadro depressivo tem 35% de
probabilidade de desenvolver um segundo episódio,
65% de desenvolver um terceiro episódio e 90% de
desenvolver um quarto episódio.
Estudos Médicos
 O plano terapêutico deve compreender três fases:
1) Fase aguda: Dura seis a doze semanas, e tem o
objetivo de fazer regredir os sinais e sintomas da
doença. Cerca de 70% dos pacientes responde a
esta fase.
2) Fase de continuidade: Nela, a medicação deve
ser mantida em doses plenas por quatro a nove
meses, contados a partir do desaparecimento dos
sintomas, com o objetivo de evitar recidivas. A
descontinuação prematura aumenta o risco de
recidiva em 20% a 40%.
Estudos Médicos
 3) Fase de manutenção: Não tem duração
definida - casos de depressão grave, com
idéias dominantes de suicidio.
1. Nessa fase muitos desistem do tratamento
por causa dos efeitos colaterais dos
medicamentos e pelo fato de que os
benefícios podem não ser aparentes nas
primeiras duas a quatro semanas.
2. Portadores de depressão que não se dispõem
a fazer psicoterapia nem a tomar remédio,
devem praticar exercício físico com
regularidade (melhora o humor e a auto-
imagem) e aumentar o número de
atividades diárias capazes de lhes dar
prazer.
3. Precisam estar cientes, porém, de que
Estudos Médicos
 A nível da neurociência, entende-se que a causa da
depressão se encontra na esfera dos:
 - neurotransmissores :
 substâncias químicas que permitem a
 comunicação celular no cérebro,conduzindo
 o impulso nervoso entre um neurônio e outro.
 Responsáveis por uma espécie de regulagem das
emoções.
 - e neuroreceptores :
 estruturas funcionais situadas nas paredes de
 neurônios nas quais se acoplam os
neurotransmissores.

 A carência de neurotransmissores, bem como a


desregulação no número e na sensibilidade
Estudos Médicos
 “Façamos uma comparação do nosso cérebro
com um carro. Para um carro andar,
existem vários fluidos, como o combustível,
o fluido do freio, a água do radiador, o óleo.
Quando há falta desses líquidos, o carro não
anda ou logo se quebra. Em nosso cérebro
acontece o mesmo.
 Os neurotransmissores devem estar na
quantidade certa: se a quantidade estiver a
mais ou a menos, provocará um desequilíbrio
no cérebro, causando, por exemplo, a
depressão, e, como no caso do carro, não
funcionará 100%. Vale lembrar também que os
antidepressivos são medicamentos que ajudam
a restaurar o equilíbrio das substâncias
químicas do cérebro, estimulam a produção da
serotonina. Quando o equilíbrio ocorre, a
Medicina e Religiāo
 A medicina começa a incluir cada vez mais em suas
práticas o instrumento da espiritualidade no
cuidado com os pacientes.
 Segundo estudo da Universidade de Ohio (EUA) feito
no ano passado com 798 pessoas : cerca de 85%
dos voluntários gostariam de discutir sua fé com o
médico e 65% deles esperavam compreensão desse
desejo por parte dos doutores.
 Segundo pesquisas. do médico Harold Koenig, da
Universidade de Duke (EUA) , pessoas que adotam
práticas religiosas ou mantêm alguma
espiritualidade apresentam 40% menos chance de
sofrer de hipertensão, têm um sistema de defesa
mais forte, são menos hospitalizadas, se recuperam
mais rápido e tendem a sofrer menos de depressão
quando se encontram debilitadas por enfermidades.
Medicina e Religiāo
 “Hoje há muitas evidências científicas de que a fé e
métodos como a oração e meditação ajudam os
indivíduos”
 Thomas McCormick, do Departamento de História e Ética Médica da Universidade
de Washington

 “Os pacientes que têm religiosidade parecem suportar


mais as dores e o tratamento. Também lidam
melhor com a idéia da morte”
 Riad Yunes, oncologista do Hospital do Câncer
de São Paulo
Visão Espírita sobre a
 Depressão
A depressão é um transtorno de comportamento que
se manifesta tanto nos seres encarnados como nos
espíritos errantes.
 Como toda manifestação do comportamento humano,
o seu estudo encerra aspectos extremamente
complexos e imprevisíveis, não existindo uma teoria
única que explique a totalidade das situaçoes
possíveis, embora a maioria dos autores
pesquisados apontem o sentimento de culpa como
a origem do problema.
 A teoria que apresentamos a seguir procura explicar
como este processo pode estar ocorrendo em
significativa parcela de personalidades com
transtornos depressivos, mas não tem,
absolutamente, a pretensão de abordar todos os
casos possíveis de depressão.

Origem e classificação
 O ser humano é dotado de livre
arbítrio (capacidade de tomar
decisõ es certas ou erradas) e,
para melhor compreender a
extensão dos seus atos,
experimenta as consequências
das suas decisõ es.
 Algumas personalidades
compreendem que os erros
cometidos são uma
consequencia natural do seu
estágio evolutivo e, quando
cometem acertos, valorizam
tremendamente este feito –
criam uma espécie de
Coletania dos Melhores
Momentos. Costumam ser
Origem e classificação
 Existem outras personalidades que reagem
inadequadamente diante de uma decisão errada.
Transformam o arrependimento dai resultante em
sentimento de culpa e como são excessivamente
orgulhosas, não conseguem se perdoar e enviam os
fatos ocorridos para um arquivo de assuntos
pendentes localizados em algum ponto do
inconsciente. Criam uma espécie de Coletânia dos
Piores Momentos.
 Quando uma personalidade com baixa auto estima se
vê diante de uma situação que considera grave,
inconscientemente consulta a sua C.P.M. e regressa
trazendo as emoçõ es de situaçõ es anteriormente
vividas, semelhantes a atual e pode apresentar
reaçõ es incompatíveis com a natureza da
dificuldade que está enfrentando no presente,
podendo dai resultar um quadro depressivo.
Origem e classificação
 “…no espírito se encontram as condiçõ es
indispensáveis para a instalação do distúrbio a que
faz jus, em razão do seu comportamento no
transcurso das experiê ncias sucessivas”.
 “ Tormentos da Obsessão”-
Divaldo Franco

 “A depressão tem a sua gê nese no espírito que


reencarna com alta dose de culpa. Com a
consciência culpada, sofrendo os gravames que lhe
dilaceram a alegria íntima, imprime nas células os
elementos que as desconectam, propiciando, em
largo prazo, o desencadeamento dessa psicose”.
 Joanna de
Ângelis
Origem e classificação
 “ … suas células estão constantemente processando
as experiê ncias e metabolizando-as de acordo com
seus pontos de vista pessoais.”
 “Quem está deprimido projeta tristeza por toda a
parte do corpo – a produção de neurotransmissores
por parte do cérebro reduz-se, o nível de hormonios
baixa, o ciclo de sono é interrompido, os receptores
neuropeptídicos na superfície externa das células
da pele tornam-se distorcidos, as plaquetas
sanguíneas ficam mais viscosas e mais propensas a
formar grumos e até suas lágrimas contem traços
químicos diferentes das lágrimas de alegria.”
 Deepak Chopra - endocrinologista
e filósofo



Problemas hormonais
 O espirito Manoel Philomeno de Miranda, no obra
Tormentos da Obsessão, declara que os problemas
hormonais afetam os processos depressivos, em
especial “os hormônios esteróides, estrê nios e
androgê nios, relacionados com o sexo, que
desempenham papel fundamental no humor e no
comportamento mental”.


Nostalgia de vidas
 anteriores
“Sabeis por que, as vezes, uma vaga tristeza se
apodera dos vossos coraçõ es e vos leva a
considerer amarga a vida? É que vosso Espírito,
aspirando a felicidade e a liberdade, se esgota,
jungido ao corpo que lhe serve de prisão, em vãos
esforços para sair dele. Reconhecendo inúteis esses
esforços, cai no desânimo e, como o corpo lhe sofre
a influência, toma-vos a lassidão, o abatimento,
uma espécie de apatia, e vos julgais infelizes.”
 ESE “A melancholia” -
Allan Kardek
 “A depressão é uma forma patológica do estado
nostálgico. A nostalgia reflete evocaçõ es
inconscientes, que parecem haver sido ricas de
momentos felizes, que não mais se experimentam.
Pode proceder de existências anteriores do Espírito,
que ora as recapitula nos recônditos profundos do
Sintomas
 A obra “Laudos Espíritas da Loucura” dos
pesquisadores espiritas Lamartine Palhano Jr. e Julia
Analia S. Oliveira apresenta um estudo dos
sintomas de depressão de 30 pacientes examinados
pela técnica da varredura anamnésica e mediúnica:
1) As obsessoes aparecem em 70% dos casos, sempre
associadas e complementares, nunca como causa
primeira.
2) Os conflitos existenciais aparecem em 53.33% dos
casos, e em alguns casos aparecem como a própria
causa desencadeante da depressão.
3) A angústia aparece em 40% dos casos.
4) A agitação ou ausê ncia de tranquilidade aparece em
33.33% dos casos.
5) A ansiedade aparece em 26.66% dos casos.
6) O desânimo aparece em 26.66% dos casos.
Sintomas
7) A confusão mental aparece em 26.66%. dos casos.
8) Perturbaçõ es do sono aparecem em 23.33% dos casos.
9) A apatia aparece em 20% dos casos.
10)A dor de cabeça aparece em 20% dos casos.
11)As dores musculares aparecem em 20% dos casos.
12)A indecisão aparece em 20% dos casos.
13)A agressividade aparece em 20% dos casos.
14)Outros sintomas aparecem em menos de 17% dos
casos.
15)
A Terapia
 Tratamento Medicamentoso :

 “A depressão tem a sua repercussão orgânica(…)O corpo


em desajuste leva a estados emocionais irregulares”
 Joanna de
Ângelis

 “Os fármacos antidepressivos em geral tem por meta


aumentar a
 quantidade de neurotransmissores no cérebro, que lhes
sofre
 carência(…) Como todos os fármacos objetivam alterar
 iretamente a química cerebral, inevitavelmente
produzem
 dependê ncia e algumas sequelas, que podem ser
contornadas pelo
A Terapia
Terapia Fluídica :

 Passes - recomendados em
especial nos centros de
força laríngeo(que
abrange a tireóide),
gástrico e esplê nico
(responsáveis pelo
processamento dos
alimentos e pela
circulação sanguínea,
respectivamente).

 Ingestäo de agua
fluidificada
A Terapia
Alimentação :

 É importante uma alimentação que estimule o bom


funcionamento dos intestinos:
 - muita fruta e verdura,
 - pouca carne,
 - ovos,
 - leite e derivados.


A Terapia
 Vida Saudável:
 São recomendados tambem banhos de sol,

exercícios para absorção de oxigê nio e saída de


gás carbônico.

 “… uma bem orientada disciplina de movimentos


corporais, proporcionando exercícios fisicos,
contribui de forma valiosa para a libertação de
miasmas que intoxicam os centros de força.Os
exercícios corporais tambem são úteis para o corpo
físico, na medida em que contribuem para o
aumento da produção de neurotransmissores, além
A Terapia
 Terapia Desobsessiva:
 Nem toda depressão está, necessariamente,

associada a processos obsessivos.


 Quando este fator for diagnosticado por pessoal

capacitado da Casa Espírita, é importante que o


paciente seja submetido também ao tratamento
de desobsessão em estabelecimento espírita
idôneo.


A Terapia
 Terapia Psicológica:
 As tenõ es mal direcionadas e suportadas por largo
período acabam dando origem a moléstias de largo
porte, entre elas processos depressivos.
 “O paciente entre em contato com seu conflito e o
libere diante de alguém que realmente se interesse
pelo seu problema. Idéias demoradamente
recalcadas que se negam a externar-se somente
podem ser resolvidas à medida que sejam
liberadas, deixando a área psicológica em que se
refugiam e libertando-a da carga emocional
perturbadora.”

Joanna de Ângelis
 Psicoterapia
 Atendimento fraterno
A Terapia
 Terapia do Trabalho:
 “Ao lado de todos os tratamentos especializados para a
cura da
 depressão, assim como de outros distúrbios de
comportamento,
 o trabalho desempenha um papel terapê utico
fundamental”.
 Manoel
Philomeno de Miranda
 “Trabalhando incessantemente para o bem geral, sem
qualquer
 expectativa de compensação material ou espiritual, de
vez que,
 quem auxilia os outros esta, particularmente,
auxiliando a si
 proprio”.
A Terapia
 Terapia da Reforma ĺntima:
 O espírito Manoel Philomeno de Miranda sugere que
em todo tratamento é básico demonstrar ao
paciente que qualquer doença é sempre efeito, e
que somente atuando sobre suas causas é que se
torna possivel saná-la. Deve-se, então,
“conscientizá-lo da necessidade de modificação no
comportamento moral, mudando-lhe o
condicionamento cármico, por cuja conduta
adquirira mérito para uma alteração no seu mapa
existencial”.
 A contribuição que a Doutrina Espírita pode trazer
para a renovação mental é grande: palestras,
cursos, livros e filmes são excelentes instrumentos
para a mudança de pensamento. Em paralelo a
esses recursos, o paciente deve incluir em seus
hábitos a prática da prece e a realização assidua do
A Teraia
 Terapia da Reforma ĺntima:
 “A irradiação mental agindo no campo perispiritual
alcança a organização fisiólogica. Daí por que a
mudança do pensamento para uma faixa superior, a
da saúde, propicia que a energia desprendida
sintonize com as vibraçõ es desse campo, alterando
o teor da irradiação que ira estimular o equilíbrio
das células e a restauração da saude física. Da
mesma maneira, a reconquista do comportamento
moral, trabalhando o corpo, produzirá modificaçõ es
na área do psicossoma, que influenciará a conduta
mental. A energia que provém do psiquismo, pelo
perispírito, alcança a material, assim como a
conduta orgânica disciplinada, pelo mesmo
processo, atinge o psiquismo, imprimindo-se no
Espirito. Os hábitos, portanto, os condicionamentos
vem do exterior para o interior e os anseios, as
A Teraia
Terapia do Evangelho :
 Quanto mais o paciente vincular sua vida aos

ensinamentos seguros do Cristo, mais habilidade


tera para alçar-se acima do momento das
circunstâncias atuais e perceber-se como um
espirito livre e imortal, criado para a felicidade.
“Não há como negar-se:Jesus-Cristo é o Psicoterapeuta

excepcional
da Humanidade, o único que pode penetrar

psíquicamente no
âmago do ser, auxiliando-o na reestruturação da

personalidade, da
individualidade, harmonizando-o para que não mais

incida em
compromissos degenerativos.Por isso mesmo, todos

aqueles que
A Teraia
Terapia do Evangelho :
“Em todas as circunstancias dificeis de nossa saúde,

recorramos ao
mestre, aplicando o seu Evangelho como recurso

terapê utico por


excelê ncia. Supliquemos-lhe forças para tudo suportar

com
mansidão e paciê ncia. Peçamos-lhe a coragem com que

lutemos
contra nossas más tendê ncias e sigamos seus exemplos.”

 Dias da Cruz
“Jesus informou que Ele é vida e vida em abundância.
Recorre-lhe a
ajuda, e deixa-te curar pela sua assistê ncia de

psicoterapeuta por